SlideShare uma empresa Scribd logo
Nostalgia:
Tristeza profunda causada por saudades do afastamento da pátria ou da terra natal.
Estado melancólico causado pela falta de algo.
Infância:
Período de vida humana desde o nascimento até à puberdade.
As crianças.
Começo, princípio, os primeiros anos.

O que é a nostalgia da infância?
A nostalgia da infância é um dos temas fundamentais da obra Fernando Pessoa ortónimo
partilhado pelo heterónimo Álvaro de Campos.
Para Pessoa, a Infância é o passado irremediavelmente perdido, o tempo longínquo em que
era feliz sem saber que o era, o tempo em que ainda não tinha iniciado a procura de si mesmo
e por isso não se tinha fragmentado. Em muitos poemas o poeta exprime a memória dessa
infância suscitada por estímulos que o lembram do passado.

Quando eu era criança
«Quando era criança
Vivi, sem saber,
Só para hoje ter
Aquela lembrança.
E hoje que sinto
Aquilo que fui.
Minha vida flui,
Feita do que minto.
Mas nesta prisão,
Livro único, leio
O sorriso alheio
De quem fui então.»

Pessoa aborda a temática da infância enquanto período da inconsciência completa: «Vivi, sem
saber». As crianças vivem a felicidade, porque a desconhecem estar a viver. A oposição
pensar/viver acompanhará sempre Pessoa nas suas análises. Ele sabe que será impossível
regressar àquela condição infantil, porque hoje, adulto, sabe qual é a sua vida e não a pode
ignorar: ele agora pensa e não se limita a viver. Por isso ele diz «Só para hoje ter / Aquela
lembrança». De facto tudo o que resta é a lembrança, porque essa inconsciência da vida não
vai regressar novamente.
«Hoje» é que Pessoa sente o que foi. Isto reforça o que já disse: hoje a vida de Pessoa é feita
daquele «pensar» que não existia quando ele era apenas criança. Hoje ele «sente», quando
era criança apenas «vivia». A sua vida atual é uma mentira - pela sua própria avaliação. É uma
mentira, provavelmente porque ele sente não conseguir descobrir a verdade do seu destino: é
uma mentira existencial, uma vida que Pessoa sente não lhe pertencer por direito.
Pessoa está preso então nessa vida, nessa mentira que lhe impuseram. O que lhe resta é o
«livro» que lê, o livro das memórias de uma infância perdida. E ao ler, vem-lhe um «sorriso
alheio», um sorriso do passado, que já não é dele, mas que ele pode continuar a recordar,
porque ao menos poderá consola-lo da sua existência perdida. A memória da infância perdida
conforta-o, mas igualmente o sufoca.

A Criança que fui chora na estrada
«A criança que fui chora na estrada.
Deixei-a ali quando vim ser quem sou;
Mas hoje, vendo que o que sou é nada,
Quero ir buscar quem fui onde ficou.
Ah, como hei-de encontrá-lo? Quem errou
A vinda tem a regressão errada.
Já não sei de onde vim nem onde estou.
De o não saber, minha alma está parada.
Se ao menos atingir neste lugar
Um alto monte, de onde possa enfim
O que esqueci, olhando-o, relembrar,
Na ausência, ao menos, saberei de mim,
E, ao ver-me tal qual fui ao longe, achar
Em mim um pouco de quando era assim.»

Pessoa vê-se comparativamente em dois tempos diferenciados da sua vida, em «duas idades»:
o Pessoa adulto e o Pessoa criança.
É o Pessoa adulto que escreve e que, vendo a sua dor passada, deseja-a mesmo assim, em
contraponto com a sua dor presente. A frase «a criança que fui chora na estrada» resume de
maneira sucinta o sentimento que o percorre - a felicidade da infância é mesmo assim uma
felicidade dolorosa. Essa sobreposição «criança» / «adulto» dá a beleza ao poema, mas
também o torna translúcido, como se as camadas, complementando-se, se anulassem na
leitura final. Pessoa sente ter-se abandonado criança para ser adulto - nota-se aqui a noção
consciente da quebra da infância em Pessoa, que na realidade aconteceu. Pessoa, vendo-se
adulto, diz preferir ir ser novamente criança. Mas tal não é possível, ninguém regressa ao
passado.
Mas mesmo nessa impossibilidade, o poeta pode sonhar. Mesmo sabendo que não pode
regressar. Por um lado está perdido na sua vida adulta, no outro recorda a sua infância
dolorosa, que embora feliz o colocou de certo modo na situação atual. Não há escolha
possível, e este impasse leva à sua «alma (...) parada».
Resta-lhe a memória: «um alto monte, de onde possa (...) relembrar».
A sua identidade existe assim como uma névoa distante. Ele vazio em si mesmo, quando se
lembra pode assumir ao menos um pouco de existência. Pode ver ao menos «um pouco de si»,
ao menos «saberá de si». Há um vazio - é certo - mas o vazio já não será completo, mesmo que
seja doloroso. É um vazio ao menos preenchido ao longe com a promessa de poder lembrar-se
do passado.

Porque esqueci quem fui quando criança?
«Porque esqueci quem fui quando criança?
Porque deslembra quem então era eu?
Porque não há nenhuma semelhança
Entre quem sou e fui?
A criança que fui vive ou morreu?
Sou outro? Veio um outro em mim viver?
A vida, que em mim flui, em que é que flui?
Houve em mim várias almas sucessivas
Ou sou um só inconsciente ser?»
Este poema demonstra a oposição entre o «Eu outrora» e o «Eu agora» de Fernando Pessoa. A
passagem da infância à idade adulta é um processo de rutura, de corte, de morte: «A criança
que fui vive ou morreu?»; «Porque não há semelhança / Entre quem sou e fui?». Todo o
poema «Porque esqueci quem fui quando criança?» exprime essa admiração perturbante de
se sentir habitado por outro, diferente da criança que foi «sou outro?».
Desta forma, o passado e o presente opõem-se na poesia de Fernando Pessoa, não se
complementam. O passado é infância, alegria, felicidade «inconsciente»; o presente é
nostalgia, inquietação, desconhecimento de si mesmo e do futuro: «se quem fui é enigma, / E
quem serei visão, / Quem sou ao menos sinta / Isto no meu coração» (excerto retirado do
poema «Quando as crianças brincam» de Fernando Pessoa

Conclusões
A morte prematura do pai, aliada à morte do irmão, no ano seguinte, foram factos marcantes
na vida de Pessoa, que não pôde aproveitar o passado nem voltar a vivê-lo, como procurou
exaustivamente durante a sua existência e o demonstrou na sua poesia.
A nostalgia da Infância associa-se à dor de pensar na medida em que o poeta sente saudade de
quando era criança, pois nesse tempo era feliz inconscientemente.
Expressão da saudade: Pessoa sente saudade da liberdade, de não ter direitos nem deveres;
de um estado em que a reflexão ainda não atormentava
Pessoa arrepende-se no presente quando este é posto lado a lado com o passado. Pessoa
sente quase sempre que não conseguiu atingir o que pretendia atingir, e que o seu presente é
um passado falhado. Imaginaria muito mais para si - uma felicidade e um sucesso, que não
encontra no que vive.
Fernando Pessoa Nostalgia da Infância

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Memorial do Convento - Cap. III
Memorial do Convento - Cap. IIIMemorial do Convento - Cap. III
Memorial do Convento - Cap. III
12º A Golegã
 
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/PoéticoFernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Alexandra Canané
 
A "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. PessoaA "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. Pessoa
Dina Baptista
 
Alberto Caeiro - poema I do guardador de rebanhos
Alberto Caeiro - poema I do guardador de rebanhosAlberto Caeiro - poema I do guardador de rebanhos
Alberto Caeiro - poema I do guardador de rebanhos
Bruno Meirim
 
Memorial do convento
Memorial do conventoMemorial do convento
Memorial do convento
João Pedro Rodrigues
 
"Mensagem" de Fernando Pessoa- "O Infante"
"Mensagem" de Fernando Pessoa- "O Infante""Mensagem" de Fernando Pessoa- "O Infante"
"Mensagem" de Fernando Pessoa- "O Infante"
VniaRodrigues30
 
A sátira e a crítica social no Memorial do Convento
A sátira e a crítica social no Memorial do ConventoA sátira e a crítica social no Memorial do Convento
A sátira e a crítica social no Memorial do Convento
Joana Filipa Rodrigues
 
Análise do poema Nao sei quantas almas tenho
Análise do poema Nao sei quantas almas tenhoAnálise do poema Nao sei quantas almas tenho
Análise do poema Nao sei quantas almas tenho
Ricardo Santos
 
Características poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo ReisCaracterísticas poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo Reis
Dina Baptista
 
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e MensagemIntertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Paulo Vitorino
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
ameliapadrao
 
OCEANO NOX_Análise.ppsx
OCEANO NOX_Análise.ppsxOCEANO NOX_Análise.ppsx
OCEANO NOX_Análise.ppsx
Cátia Ramalhinho
 
Características de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de CamposCaracterísticas de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de Campos
Aline Araújo
 
Estrutura mensagem
Estrutura mensagemEstrutura mensagem
Estrutura mensagem
ameliapadrao
 
Ceifeira
CeifeiraCeifeira
Sebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de SousaSebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de Sousa
António Aragão
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
becastanheiradepera
 
Valor aspetual
Valor aspetualValor aspetual
Valor aspetual
Cristina Martins
 
Resumos de Português: Fernando Pessoa Ortónimo
Resumos de Português: Fernando Pessoa OrtónimoResumos de Português: Fernando Pessoa Ortónimo
Resumos de Português: Fernando Pessoa Ortónimo
Raffaella Ergün
 
ComemD. João I in Mensagem, de Fernando Pessoa
ComemD. João I in  Mensagem, de Fernando Pessoa ComemD. João I in  Mensagem, de Fernando Pessoa
ComemD. João I in Mensagem, de Fernando Pessoa
Ana Cristina Matias
 

Mais procurados (20)

Memorial do Convento - Cap. III
Memorial do Convento - Cap. IIIMemorial do Convento - Cap. III
Memorial do Convento - Cap. III
 
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/PoéticoFernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
 
A "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. PessoaA "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. Pessoa
 
Alberto Caeiro - poema I do guardador de rebanhos
Alberto Caeiro - poema I do guardador de rebanhosAlberto Caeiro - poema I do guardador de rebanhos
Alberto Caeiro - poema I do guardador de rebanhos
 
Memorial do convento
Memorial do conventoMemorial do convento
Memorial do convento
 
"Mensagem" de Fernando Pessoa- "O Infante"
"Mensagem" de Fernando Pessoa- "O Infante""Mensagem" de Fernando Pessoa- "O Infante"
"Mensagem" de Fernando Pessoa- "O Infante"
 
A sátira e a crítica social no Memorial do Convento
A sátira e a crítica social no Memorial do ConventoA sátira e a crítica social no Memorial do Convento
A sátira e a crítica social no Memorial do Convento
 
Análise do poema Nao sei quantas almas tenho
Análise do poema Nao sei quantas almas tenhoAnálise do poema Nao sei quantas almas tenho
Análise do poema Nao sei quantas almas tenho
 
Características poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo ReisCaracterísticas poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo Reis
 
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e MensagemIntertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
 
OCEANO NOX_Análise.ppsx
OCEANO NOX_Análise.ppsxOCEANO NOX_Análise.ppsx
OCEANO NOX_Análise.ppsx
 
Características de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de CamposCaracterísticas de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de Campos
 
Estrutura mensagem
Estrutura mensagemEstrutura mensagem
Estrutura mensagem
 
Ceifeira
CeifeiraCeifeira
Ceifeira
 
Sebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de SousaSebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de Sousa
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
 
Valor aspetual
Valor aspetualValor aspetual
Valor aspetual
 
Resumos de Português: Fernando Pessoa Ortónimo
Resumos de Português: Fernando Pessoa OrtónimoResumos de Português: Fernando Pessoa Ortónimo
Resumos de Português: Fernando Pessoa Ortónimo
 
ComemD. João I in Mensagem, de Fernando Pessoa
ComemD. João I in  Mensagem, de Fernando Pessoa ComemD. João I in  Mensagem, de Fernando Pessoa
ComemD. João I in Mensagem, de Fernando Pessoa
 

Semelhante a Fernando Pessoa Nostalgia da Infância

Fernando Pessoa Nostalgia da infancia
Fernando Pessoa Nostalgia da infanciaFernando Pessoa Nostalgia da infancia
Fernando Pessoa Nostalgia da infancia
Samuel Neves
 
Pessoa ortónimo o enigma do ser
Pessoa ortónimo   o enigma do serPessoa ortónimo   o enigma do ser
Pessoa ortónimo o enigma do ser
Diogo Soares
 
A nostalgia da infância
A nostalgia da infânciaA nostalgia da infância
A nostalgia da infância
Paulo Portelada
 
Pessoa ortónimo proposta para análise de poemas 14_15
Pessoa ortónimo proposta para análise de poemas 14_15Pessoa ortónimo proposta para análise de poemas 14_15
Pessoa ortónimo proposta para análise de poemas 14_15
quintaldasletras
 
heteronimos
heteronimosheteronimos
heteronimos
guest1a60537
 
Fernando pessoa ortónimos e heterónimos
Fernando pessoa   ortónimos e heterónimosFernando pessoa   ortónimos e heterónimos
Fernando pessoa ortónimos e heterónimos
Mariana338866
 
Análise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando PessoaAnálise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando Pessoa
Margarida Rodrigues
 
Viajar! Perder Países! Fernando Pessoa
Viajar! Perder Países! Fernando PessoaViajar! Perder Países! Fernando Pessoa
Viajar! Perder Países! Fernando Pessoa
Maria Rebelo
 
Gato que brincas na rua
Gato que brincas na ruaGato que brincas na rua
Gato que brincas na rua
estado
 
Fernando Pessoa e Heterónimos
Fernando Pessoa e HeterónimosFernando Pessoa e Heterónimos
Fernando Pessoa e Heterónimos
Custódia Rebocho
 
2782472-Sintese-da-materia-de-12º-ano-Portugues-preparacao-para-o-exame.doc
2782472-Sintese-da-materia-de-12º-ano-Portugues-preparacao-para-o-exame.doc2782472-Sintese-da-materia-de-12º-ano-Portugues-preparacao-para-o-exame.doc
2782472-Sintese-da-materia-de-12º-ano-Portugues-preparacao-para-o-exame.doc
Paula Duarte
 
Fernando pessoa ortónimo
Fernando pessoa ortónimoFernando pessoa ortónimo
Fernando pessoa ortónimo
Conceicao Mousinho
 
A poesia como forma de expressão
A poesia como forma de expressãoA poesia como forma de expressão
A poesia como forma de expressão
be23ceb
 
Momentos de Poesia - Semana da Leitura
 Momentos de Poesia - Semana da Leitura Momentos de Poesia - Semana da Leitura
Momentos de Poesia - Semana da Leitura
BE/CRE
 
Amor Insano Em Quatro Momentos
Amor Insano Em Quatro MomentosAmor Insano Em Quatro Momentos
Amor Insano Em Quatro Momentos
JNR
 
Sonho. não sei quem sou. (Fernando Pessoa)
Sonho. não sei quem sou. (Fernando Pessoa)Sonho. não sei quem sou. (Fernando Pessoa)
Sonho. não sei quem sou. (Fernando Pessoa)
Catarina Cruz
 
A persistência das memórias
A persistência das memóriasA persistência das memórias
A persistência das memórias
escritamemorialistica
 
Manuel antonio pina 18-11-2013
Manuel antonio pina 18-11-2013Manuel antonio pina 18-11-2013
Manuel antonio pina 18-11-2013
Maria Manuela Torres Paredes
 
Ficha de trabalho, analise poema
Ficha de trabalho, analise poemaFicha de trabalho, analise poema
Ficha de trabalho, analise poema
Diogo Tavares
 
Ficha de trabalho, analise poema
Ficha de trabalho, analise poemaFicha de trabalho, analise poema
Ficha de trabalho, analise poema
Diogo Tavares
 

Semelhante a Fernando Pessoa Nostalgia da Infância (20)

Fernando Pessoa Nostalgia da infancia
Fernando Pessoa Nostalgia da infanciaFernando Pessoa Nostalgia da infancia
Fernando Pessoa Nostalgia da infancia
 
Pessoa ortónimo o enigma do ser
Pessoa ortónimo   o enigma do serPessoa ortónimo   o enigma do ser
Pessoa ortónimo o enigma do ser
 
A nostalgia da infância
A nostalgia da infânciaA nostalgia da infância
A nostalgia da infância
 
Pessoa ortónimo proposta para análise de poemas 14_15
Pessoa ortónimo proposta para análise de poemas 14_15Pessoa ortónimo proposta para análise de poemas 14_15
Pessoa ortónimo proposta para análise de poemas 14_15
 
heteronimos
heteronimosheteronimos
heteronimos
 
Fernando pessoa ortónimos e heterónimos
Fernando pessoa   ortónimos e heterónimosFernando pessoa   ortónimos e heterónimos
Fernando pessoa ortónimos e heterónimos
 
Análise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando PessoaAnálise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando Pessoa
 
Viajar! Perder Países! Fernando Pessoa
Viajar! Perder Países! Fernando PessoaViajar! Perder Países! Fernando Pessoa
Viajar! Perder Países! Fernando Pessoa
 
Gato que brincas na rua
Gato que brincas na ruaGato que brincas na rua
Gato que brincas na rua
 
Fernando Pessoa e Heterónimos
Fernando Pessoa e HeterónimosFernando Pessoa e Heterónimos
Fernando Pessoa e Heterónimos
 
2782472-Sintese-da-materia-de-12º-ano-Portugues-preparacao-para-o-exame.doc
2782472-Sintese-da-materia-de-12º-ano-Portugues-preparacao-para-o-exame.doc2782472-Sintese-da-materia-de-12º-ano-Portugues-preparacao-para-o-exame.doc
2782472-Sintese-da-materia-de-12º-ano-Portugues-preparacao-para-o-exame.doc
 
Fernando pessoa ortónimo
Fernando pessoa ortónimoFernando pessoa ortónimo
Fernando pessoa ortónimo
 
A poesia como forma de expressão
A poesia como forma de expressãoA poesia como forma de expressão
A poesia como forma de expressão
 
Momentos de Poesia - Semana da Leitura
 Momentos de Poesia - Semana da Leitura Momentos de Poesia - Semana da Leitura
Momentos de Poesia - Semana da Leitura
 
Amor Insano Em Quatro Momentos
Amor Insano Em Quatro MomentosAmor Insano Em Quatro Momentos
Amor Insano Em Quatro Momentos
 
Sonho. não sei quem sou. (Fernando Pessoa)
Sonho. não sei quem sou. (Fernando Pessoa)Sonho. não sei quem sou. (Fernando Pessoa)
Sonho. não sei quem sou. (Fernando Pessoa)
 
A persistência das memórias
A persistência das memóriasA persistência das memórias
A persistência das memórias
 
Manuel antonio pina 18-11-2013
Manuel antonio pina 18-11-2013Manuel antonio pina 18-11-2013
Manuel antonio pina 18-11-2013
 
Ficha de trabalho, analise poema
Ficha de trabalho, analise poemaFicha de trabalho, analise poema
Ficha de trabalho, analise poema
 
Ficha de trabalho, analise poema
Ficha de trabalho, analise poemaFicha de trabalho, analise poema
Ficha de trabalho, analise poema
 

Último

Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
FLAVIOROBERTOGOUVEA
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
EduardoLealSilva
 
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFVRegistros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Yan Kayk da Cruz Ferreira
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
mozalgebrista
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
 
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFVRegistros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 

Fernando Pessoa Nostalgia da Infância

  • 1. Nostalgia: Tristeza profunda causada por saudades do afastamento da pátria ou da terra natal. Estado melancólico causado pela falta de algo. Infância: Período de vida humana desde o nascimento até à puberdade. As crianças. Começo, princípio, os primeiros anos. O que é a nostalgia da infância? A nostalgia da infância é um dos temas fundamentais da obra Fernando Pessoa ortónimo partilhado pelo heterónimo Álvaro de Campos. Para Pessoa, a Infância é o passado irremediavelmente perdido, o tempo longínquo em que era feliz sem saber que o era, o tempo em que ainda não tinha iniciado a procura de si mesmo e por isso não se tinha fragmentado. Em muitos poemas o poeta exprime a memória dessa infância suscitada por estímulos que o lembram do passado. Quando eu era criança «Quando era criança Vivi, sem saber, Só para hoje ter Aquela lembrança. E hoje que sinto Aquilo que fui. Minha vida flui, Feita do que minto. Mas nesta prisão, Livro único, leio O sorriso alheio De quem fui então.» Pessoa aborda a temática da infância enquanto período da inconsciência completa: «Vivi, sem saber». As crianças vivem a felicidade, porque a desconhecem estar a viver. A oposição pensar/viver acompanhará sempre Pessoa nas suas análises. Ele sabe que será impossível regressar àquela condição infantil, porque hoje, adulto, sabe qual é a sua vida e não a pode ignorar: ele agora pensa e não se limita a viver. Por isso ele diz «Só para hoje ter / Aquela lembrança». De facto tudo o que resta é a lembrança, porque essa inconsciência da vida não vai regressar novamente. «Hoje» é que Pessoa sente o que foi. Isto reforça o que já disse: hoje a vida de Pessoa é feita daquele «pensar» que não existia quando ele era apenas criança. Hoje ele «sente», quando era criança apenas «vivia». A sua vida atual é uma mentira - pela sua própria avaliação. É uma
  • 2. mentira, provavelmente porque ele sente não conseguir descobrir a verdade do seu destino: é uma mentira existencial, uma vida que Pessoa sente não lhe pertencer por direito. Pessoa está preso então nessa vida, nessa mentira que lhe impuseram. O que lhe resta é o «livro» que lê, o livro das memórias de uma infância perdida. E ao ler, vem-lhe um «sorriso alheio», um sorriso do passado, que já não é dele, mas que ele pode continuar a recordar, porque ao menos poderá consola-lo da sua existência perdida. A memória da infância perdida conforta-o, mas igualmente o sufoca. A Criança que fui chora na estrada «A criança que fui chora na estrada. Deixei-a ali quando vim ser quem sou; Mas hoje, vendo que o que sou é nada, Quero ir buscar quem fui onde ficou. Ah, como hei-de encontrá-lo? Quem errou A vinda tem a regressão errada. Já não sei de onde vim nem onde estou. De o não saber, minha alma está parada. Se ao menos atingir neste lugar Um alto monte, de onde possa enfim O que esqueci, olhando-o, relembrar, Na ausência, ao menos, saberei de mim, E, ao ver-me tal qual fui ao longe, achar Em mim um pouco de quando era assim.» Pessoa vê-se comparativamente em dois tempos diferenciados da sua vida, em «duas idades»: o Pessoa adulto e o Pessoa criança. É o Pessoa adulto que escreve e que, vendo a sua dor passada, deseja-a mesmo assim, em contraponto com a sua dor presente. A frase «a criança que fui chora na estrada» resume de maneira sucinta o sentimento que o percorre - a felicidade da infância é mesmo assim uma felicidade dolorosa. Essa sobreposição «criança» / «adulto» dá a beleza ao poema, mas também o torna translúcido, como se as camadas, complementando-se, se anulassem na leitura final. Pessoa sente ter-se abandonado criança para ser adulto - nota-se aqui a noção consciente da quebra da infância em Pessoa, que na realidade aconteceu. Pessoa, vendo-se adulto, diz preferir ir ser novamente criança. Mas tal não é possível, ninguém regressa ao passado. Mas mesmo nessa impossibilidade, o poeta pode sonhar. Mesmo sabendo que não pode regressar. Por um lado está perdido na sua vida adulta, no outro recorda a sua infância dolorosa, que embora feliz o colocou de certo modo na situação atual. Não há escolha possível, e este impasse leva à sua «alma (...) parada».
  • 3. Resta-lhe a memória: «um alto monte, de onde possa (...) relembrar». A sua identidade existe assim como uma névoa distante. Ele vazio em si mesmo, quando se lembra pode assumir ao menos um pouco de existência. Pode ver ao menos «um pouco de si», ao menos «saberá de si». Há um vazio - é certo - mas o vazio já não será completo, mesmo que seja doloroso. É um vazio ao menos preenchido ao longe com a promessa de poder lembrar-se do passado. Porque esqueci quem fui quando criança? «Porque esqueci quem fui quando criança? Porque deslembra quem então era eu? Porque não há nenhuma semelhança Entre quem sou e fui? A criança que fui vive ou morreu? Sou outro? Veio um outro em mim viver? A vida, que em mim flui, em que é que flui? Houve em mim várias almas sucessivas Ou sou um só inconsciente ser?» Este poema demonstra a oposição entre o «Eu outrora» e o «Eu agora» de Fernando Pessoa. A passagem da infância à idade adulta é um processo de rutura, de corte, de morte: «A criança que fui vive ou morreu?»; «Porque não há semelhança / Entre quem sou e fui?». Todo o poema «Porque esqueci quem fui quando criança?» exprime essa admiração perturbante de se sentir habitado por outro, diferente da criança que foi «sou outro?». Desta forma, o passado e o presente opõem-se na poesia de Fernando Pessoa, não se complementam. O passado é infância, alegria, felicidade «inconsciente»; o presente é nostalgia, inquietação, desconhecimento de si mesmo e do futuro: «se quem fui é enigma, / E quem serei visão, / Quem sou ao menos sinta / Isto no meu coração» (excerto retirado do poema «Quando as crianças brincam» de Fernando Pessoa Conclusões A morte prematura do pai, aliada à morte do irmão, no ano seguinte, foram factos marcantes na vida de Pessoa, que não pôde aproveitar o passado nem voltar a vivê-lo, como procurou exaustivamente durante a sua existência e o demonstrou na sua poesia. A nostalgia da Infância associa-se à dor de pensar na medida em que o poeta sente saudade de quando era criança, pois nesse tempo era feliz inconscientemente. Expressão da saudade: Pessoa sente saudade da liberdade, de não ter direitos nem deveres; de um estado em que a reflexão ainda não atormentava Pessoa arrepende-se no presente quando este é posto lado a lado com o passado. Pessoa sente quase sempre que não conseguiu atingir o que pretendia atingir, e que o seu presente é um passado falhado. Imaginaria muito mais para si - uma felicidade e um sucesso, que não encontra no que vive.