SlideShare uma empresa Scribd logo
Aula 3
A Personalidade e os Processos
Psicológicos Básicos
Prof. Ms. Felipe Saraiva Nunes de Pinho
felipepinho.com
Por que estudar a Personalidade?
• O estudo da personalidade nos ajuda a
compreender o comportamento e a atitude das
pessoas dentro das organizações.
• “Compreender a personalidade dos
funcionários ajuda os administradores a
aproveitar as diferenças individuais para
facilitar o trabalho em equipe, para favorecer o
desenvolvimento das competências e melhorar
o desempenho”. (MORIN, E.; AUBÉ, C.)
O que é Personalidade?
• A Personalidade pode ser compreendida como o conjunto
de características de um indivíduo que integradas,
estabelecem a forma única como ele se comporta ou reage
ao meio. Ela é o conjunto de traços psicológicos,
particulares, únicos, e organizados de forma própria, ou
seja, individualiza o modo de pensar, de sentir e de agir de
cada pessoa; é aquilo que a pessoa mostra ser.
• A personalidade exprime a unidade essencial da pessoa,
bem como sua singularidade; ela também determina a
maneira como a pessoa se relaciona com os outros;
• persona (latim) era o nome dado às máscaras que os
atores utilizavam para caracterizar os personagens. Por
isso, a personalidade está relacionada também à
impressão que cada um causa nos outros, ao
comportamento manifesto e observável. Só através do
comportamento manifesto é que temos acesso ao estudo
da personalidade do indivíduo.
Personalidade = per sonare
• Persona (latim) era o nome dado às máscaras
que os atores utilizavam para caracterizar os
personagens. Por isso, a personalidade está
relacionada também à impressão que cada
um causa nos outros, ao comportamento
manifesto e observável. Só através do
comportamento manifesto é que temos
acesso ao estudo da personalidade do
indivíduo.
1. O que é Personalidade?
• A via de acesso ao conhecimento da personalidade
passa, essencialmente, por um processo de
autopercepção. Quanto mais fiel for esse processo de
autopercepção, de autoconhecimento, menor a
probabilidade de projetar nos outros traços não
conhecidos ou aceitos da própria personalidade.
• É fundamental compreender que a personalidade é
fruto de uma interação entre os fatores genéticos e
ambientais, uma interação que envolve a relação
entre o indivíduo e o seu meio ambiente físico e
cultural.
Fatores que determinam a
Personalidade
Genética:
- a genética determina o fenótipo, a aparência externa da
pessoa;
- a genética determina a estrutura da espécie, comum a todos
os indivíduos;
- a genética determina traços individuais e únicos de cada
indivíduo particular.
Ambiente:
- ambiente físico: nutrição, temperatura, altitude;
- ambiente social: cultura, relações interpessoais;
- as experiências da vida de uma pessoa são determinantes
para a constituição de sua personalidade;
Dimensões da Personalidade
• Dos aspectos importantes da personalidade são o temperamento e
o caráter.
• O temperamento é considerado como um aspecto biológico e
inato, ou seja, herdado geneticamente, que determinada a maneira
como o indivíduo irá reagir a determinadas situações. A esquiva,
pessimismo, afetividade, raiva, agressividade, paciência, são
exemplos de traços do temperamento. O temperamento envolve
principalmente os aspectos emocionais, motivacionais e
adaptativos do indivíduo.
• O caráter é considerado o aspecto moral da personalidade,
moldado ao longo da vida do indivíduo, em um diálogo com a
cultura; é a forma habitual e constante de agir de um individuo, seu
ethos. O egoísmo, a responsabilidade, a sensibilidade, a disciplina,
são exemplos de traços do caráter.
2. O estudo da personalidade
• Etiologia - busca explicar os fatores determinantes das diferenças
individuais da personalidade; para isso a psicologia estuda a
história de vida da pessoa, os principais acontecimentos, sua matriz
de identidade (relacionamento com os pais), experiências
traumáticas, etc.
• Classificação em tipos psicológicos - busca agrupar essas diferenças
em subgrupos de acordo com traços semelhantes;
• Transtornos de personalidade - busca evidenciar as características
conflitivas de determinados traços da personalidade ou de
determinados comportamentos, que impossibilitam ao individuo se
adaptar às situações vividas. Os transtornos de personalidade são
considerados como formas inadequadas de comportamento,
quando há uma expressão inadequada das emoções e sentimentos,
ou quando a relação com os outros é muito problemática, ou
também quando a autopercepção está comprometida, gerando
sofrimento, isolamento e desajuste.
3. Desenvolvimento da Personalidade
• A nossa saúde psíquica pode ser compreendida como a
capacidade de nos desenvolver, evoluir, nos realizar
enquanto ser.
• A nossa personalidade não está acabada, nem é imutável,
muito pelo contrário, ela está em um constante processo
dinâmico de construção que só termina com a morte. No
entanto, essa construção ocorre, na maioria das pessoas, de
maneira coerente, mantendo e revelando uma identidade
(estabilidade ao longo do tempo).
• Como a construção de nossa personalidade é fruto de uma
interação com o meio em que vivemos (cultura, instituições,
pessoas), muitas vezes podemos encontrar barreiras que
frustrem nosso pleno desenvolvimento:
Barreiras ao desenvolvimento da
personalidade
• As barreiras situacionais estão relacionadas às situações ou
oportunidades externas que o meio nos oferece para que
realizemos nosso potencial;
• As barreiras interpessoais tratam dos impedimentos
promovidos por pessoas ou grupos que dificultam nossas
realizações;
• As barreiras intrapessoais estão relacionadas às nossas
próprias deficiências, ou aos nossos conflitos internos, que
impedem nosso auto-desenvolvimento. Muitos desses
conflitos surgem de nossas experiências infantis, por isso, o
auto-conhecimento pode promover uma forma de
resolução dos conflitos internos, possibilitando a retomada
da capacidade criativa e espontânea de nosso
desenvolvimento.
4. Personalidade e Organização
• "O grande erro da Administração Científica de Taylor foi supor
que todas as pessoas são iguais" (Bergamini). O estudo dos
movimentos que determinavam movimentos genéricos, as
teses tayloristas a respeito da relação do sujeito com o seu
trabalho e com a empresa, acabaram criando a imagem de
que todos os trabalhadores são iguais, são como máquinas;
• É necessário, dentro das organizações, compreender as
diferenças individuais, e até mesmo tratar de maneira
individualizada cada colaborador. As políticas de Gestão de
Pessoas têm que ser flexíveis e adaptáveis à realidade e
necessidade de cada indivíduo.
• O trabalho, e principalmente o sentido que cada um lhe
atribui, é um dos fatores mais importantes na formação da
personalidade do sujeito e na determinação de sua saúde
mental.
4. Personalidade e Organização
• Os conflitos, nas organizações, muitas vezes
acontecem por discordância entre os valores e
aspirações dos indivíduos e os valores e princípios da
organização.
• O estudo da personalidade dos indivíduos, nas
organizações, tem como principais objetivos o
levantamento das aptidões e competências
individuais, a análise da motivação e do
comprometimento com a metas organizacionais, a
avaliação do desempenho no trabalho e a análise da
saúde ocupacional.
O processo Sensação-Percepção
O processo Sensação-Percepção
Sensação é reação
física do corpo ao
mundo físico, sendo
regida pelas leis da
física, química,
biologia, etc. que
resulta na ativação
das áreas primárias
do córtex cerebral.
O processo Sensação-Percepção
Sensação
• Sentir ou captar é detectar de modo imediato: é
o que fazem os sensores ou captadores.
Perceber, por outro lado, é decifrar ou
reconhecer a mensagem sensorial. O sentir exige
apenas detectores ou sensores; o perceber exige,
além desses, órgãos capazes de interpretar
aquilo que é sentido ou captado.
• Em resumo, perceber é elaborar, não apenas
copiar (Neisser, 1967). Os tijolos dessas
construções perceptivas são as sensações, as
memórias e as expectativas.
Tipos de Sensações
• Interoceptivas (são as sensações provenientes de nossos
órgãos internos);
• Proprioceptivas (são as sensações que permitem ao cérebro
tomar conhecimento do movimento do corpo no espaço e de
sua posição em relação aos outros corpos.);
• Exteroceptivas: são as sensações provenientes da superfície
do corpo, a partir de nossos órgãos dos sentidos:
 1 Sensações Visuais
 2 Sensações auditivas
 3 Sensações olfativas
 4 Sensações gustativas
 5 Sensações Tactivas
 6 Sensações Espaciais
Percepção
• É a interpretação das sensações, usando-se o conhecimento e a
compreensão do mundo. É um processo ativo de "construir" uma
realidade pessoal (de ordenar o mundo), de dar sentido àquilo que
se vê, se ouve ou se toca.
• Perceber é decifrar ou reconhecer a mensagem sensorial. Em
resumo, perceber é elaborar, não apenas copiar (Neisser, 1967). Os
tijolos dessas construções perceptivas são as sensações, as
memórias e as expectativas. Perceber consiste na aquisição,
interpretação, seleção e organização das informações obtidas pelos
sentidos.
• A percepção envolve a interação de fatores físicos (sensações),
psicológicos (experiência e história de vida do sujeito), e a fatores
culturais (crenças, valores, atitudes, senso comum).
• A maneira como percebemos o mundo determinará o nosso
comportamento.
Exemplos: o que você percebe?
Distorções da percepção
• Estereótipos: preconceito; imagem preconcebida; geralmente
depreciativa. Podem ser culturalmente construídos;
• Efeito halo (a primeira impressão é a que fica). O efeito halo
acontece quando um certo atributo de uma pessoa ou de
uma situação é usado para formar uma impressão geral sobre
a pessoa ou situação;
• Percepção seletiva: é a tendência que as pessoas têm ver e
ouvir somente os fatos que apóiam suas crenças e os seus
referenciais socioculturais. Na percepção seletiva, destaque-
se um aspecto da realidade, uma característica de uma
pessoa em detrimento de todos os demais. Ex. quando fico
doente, de repente tenho a impressão de que o mundo todo
está falando dessa doença;
Distorções da percepção
• Efeito Contraste: ocorre quando as características de
uma pessoa são contrastadas com as de outras
encontradas logo em seguida ou anteriormente. É
uma comparação;
• Projeção: é a atribuição de características pessoais
para outros indivíduos. É uma forma de conhecer e
classificar uma pessoa e o seu comportamento.
Percepção e interação pessoal:
implicações para a Organização
• As nossas percepções influenciam nossas interações
pessoais, pois nossos relacionamentos dependem da
maneira como nos percebemos uns aos outros, sendo
que muitas vezes podemos criar estereótipos para uma
pessoa influenciando a maneira como ela própria se vê.
• Por isso, para o gestor de pessoas é muito importante
diferenciar aquilo que pode ser uma percepção
distorcida de uma determinada pessoa daquilo que,
efetivamente, pode ser um traço de sua personalidade.
Isso só é possível a partir de um processo de
autopercepção e de autoconhecimento.
Percepção e interação pessoal:
implicações para a Organização
• A Teoria Implícita da Personalidade defende que o
sujeito traz dentro de si uma impressão pré-construída
de outras pessoas, que utiliza para julgar e interpretar a
personalidade e o comportamento dessas pessoas, e que
não necessariamente corresponde à realidade da
personalidade dessas pessoas ou ao que se está
efetivamente percebendo.
• Nas organizações, as pessoas que trabalham na avaliação
de desempenho, por exemplo, devem ser treinadas para
corrigir as distorções perceptivas naturais que têm sobre
o seu avaliado.
Inteligência
• A inteligência diz respeito à nossa capacidade de
discernimento, de avaliar alternativas e de adquirir
conhecimento para buscar soluções para os problemas já
vivenciados ou inéditos;
• Para Piaget a inteligência seria a nossa capacidade de
nos adaptarmos ao ambiente físico e social;
• Assim, a inteligência envolve nossa capacidade adaptar e
moldar nosso comportamento visando alcançar um
determinado objetivo. Isso envolve a nossa capacidade
de compreender da situação, de planejar e de construir
conhecimento;
Inteligência
• A inteligência envolve, então nossa capacidade mental de
raciocinar, planejar, resolver problemas, abstrair idéias,
compreender idéias e linguagens e, principalmente, aprender
com a experiência;
• A inteligência foi primeiramente vista como um fator ou
habilidade cognitiva geral de resolver problemas (Charles
Spearman - Fator G). No entanto hoje (Howard Gardner -
Inteligência múltiplas; Daniel Goleman - Inteligência
emocional) há uma tendência a compreender a inteligência
como um processo mais complexo que envolve inúmeras
outras habilidades intelectuais, psicomotoras, emocionais,
interpessoais etc.
O QI
• QI (Quociente de Inteligência) é um índice
mensurado a partir da aplicação de testes
psicológicos que compara o indivíduo testado com os
escores obtidos por outros indivíduos do mesmo
grupo etário.
• Para as avaliação de crianças utiliza-se a fórmula:
• QI = Idade Mental / Idade Cronológica x 100.
• Nos adultos o QI é calculado utilizando-se a
distribuição da curva normal. 50% 20% 20% 5% 5%.
QI - Classificação proposta por David
Wechsler (1940)
• QI acima de 127: Superdotação (algumas fontes citam o
termo “gênio” para QI>150)
• 120-127: Inteligência superior
• 110-120: Inteligência acima da média
• 90-110: Inteligência média
• 80-90: Embotamento ligeiro
• 65-80: Limítrofe
• 50-65: Debilidade ligeira
• 35-50: Debilidade moderada
• 20-35: Debilidade severa
• QI abaixo de 20: Debilidade profunda
As Emoções
• A emoção é um complexo estado de sentimentos,
com componentes somáticos, psíquicos e
comportamentais, relacionados ao afeto e ao humor.
(Kaplan e Sadock, 1993).
• A emoção não é voluntariamente controlada. Ela é
responsável pelos sentimentos humanos.
• Quando muito intensas as emoções podem vir
acompanhadas por reações viscerais, comandadas
pelo sistema nervoso autônomo, que determina
reações de luta e fuga.
As Emoções
• “Todas as emoções são, em essência,
impulsos, legados pela evolução, para uma
ação imediata, para planejamentos
instantâneos que visam a lidar com a vida.”
(Goleman, 1995).
O QUE É INTELIGÊNCIA EMOCIONAL?
Refere-se à eficácia com a
qual as pessoas percebem
e compreendem suas
próprias emoções e as
emoções dos outros,
sendo capazes de
administrar seu
comportamento. (Morris;
Maisto, 2004).
Componentes básicos das
emoções
• Cognitivo: pensamentos, crenças e
expectativas individuais determinam a
maneira singular como será vivenciada a
emoção;
• Fisiológico: mudanças físicas internas
resultantes do alerta emocional;
• Comportamental: sinais exteriores que
expressão as emoções vivenciadas (raiva,
alegria, tristeza).
Evolução da maturidade emocional
• Infância: emoções com caráter captativo;
• Adolescência: emoções com caráter oblativo;
• Idade adulta: capacidade de trocar afeto (dar
e receber emoções) e de responder
emocionalmente à situação.
• Fonte: BERGAMINI, Cecília W. Psicologia
aplicada à administração. São Paulo:Atlas,
2006.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

saude mental
saude mental saude mental
saude mental
IsabeldaCosta5
 
Psicologia social
Psicologia socialPsicologia social
Psicologia social
Laércio Góes
 
Introdução à psicologia
Introdução à psicologiaIntrodução à psicologia
Introdução à psicologia
Laércio Góes
 
Psicologia: Ciência e Profissão
Psicologia: Ciência e ProfissãoPsicologia: Ciência e Profissão
Psicologia: Ciência e Profissão
Milena Loures
 
Linguagem e Pensamento
Linguagem e Pensamento Linguagem e Pensamento
Linguagem e Pensamento
Rosana Leite
 
Psicologia organizacional e do trabalho
Psicologia organizacional e do trabalhoPsicologia organizacional e do trabalho
Psicologia organizacional e do trabalho
Drielle Siempre Juntos
 
Introdução ao estudo de psicologia de grupos
Introdução ao estudo de psicologia de gruposIntrodução ao estudo de psicologia de grupos
Introdução ao estudo de psicologia de grupos
Claudson Cerqueira Santana
 
A Psicologia da Aprendizagem
A Psicologia da AprendizagemA Psicologia da Aprendizagem
A Psicologia da Aprendizagem
O Blog do Pedagogo
 
PERSONALIDADE
PERSONALIDADEPERSONALIDADE
PERSONALIDADE
Leticia Costa
 
Stress
StressStress
Stress
Lala_f
 
Intervenção em crises
Intervenção em crisesIntervenção em crises
Intervenção em crises
Aroldo Gavioli
 
Palestra saúde mental e qualidade de vida
Palestra saúde mental e qualidade de vidaPalestra saúde mental e qualidade de vida
Palestra saúde mental e qualidade de vida
Fernando R. G. Paolini
 
Psicologia da Saude
Psicologia da Saude Psicologia da Saude
Psicologia da Saude
Paulo Pedro P. R. Costa
 
Introdução à psicopatologia
Introdução à psicopatologiaIntrodução à psicopatologia
Introdução à psicopatologia
Caio Maximino
 
Psicologia hospitalar
Psicologia hospitalarPsicologia hospitalar
Psicologia hospitalar
GEDRBRASIL_ESTUDANDORARAS
 
Relacionalmento interpessoal
Relacionalmento interpessoalRelacionalmento interpessoal
Relacionalmento interpessoal
Leandro Lopes
 
TCC - Terapia Cognitiva Comportamental
TCC - Terapia Cognitiva ComportamentalTCC - Terapia Cognitiva Comportamental
TCC - Terapia Cognitiva Comportamental
Glaucia Lima de Magalhaes
 
Palestra Inteligência Emocional
Palestra Inteligência EmocionalPalestra Inteligência Emocional
Palestra Inteligência Emocional
Edson Salgado Ávella
 
Psicanálise
PsicanálisePsicanálise
Psicanálise
Micaella Gomes
 
Psicologia Da EducaçãO Aula IntrodutóRia
Psicologia Da EducaçãO  Aula IntrodutóRiaPsicologia Da EducaçãO  Aula IntrodutóRia
Psicologia Da EducaçãO Aula IntrodutóRia
Silvia Marina Anaruma
 

Mais procurados (20)

saude mental
saude mental saude mental
saude mental
 
Psicologia social
Psicologia socialPsicologia social
Psicologia social
 
Introdução à psicologia
Introdução à psicologiaIntrodução à psicologia
Introdução à psicologia
 
Psicologia: Ciência e Profissão
Psicologia: Ciência e ProfissãoPsicologia: Ciência e Profissão
Psicologia: Ciência e Profissão
 
Linguagem e Pensamento
Linguagem e Pensamento Linguagem e Pensamento
Linguagem e Pensamento
 
Psicologia organizacional e do trabalho
Psicologia organizacional e do trabalhoPsicologia organizacional e do trabalho
Psicologia organizacional e do trabalho
 
Introdução ao estudo de psicologia de grupos
Introdução ao estudo de psicologia de gruposIntrodução ao estudo de psicologia de grupos
Introdução ao estudo de psicologia de grupos
 
A Psicologia da Aprendizagem
A Psicologia da AprendizagemA Psicologia da Aprendizagem
A Psicologia da Aprendizagem
 
PERSONALIDADE
PERSONALIDADEPERSONALIDADE
PERSONALIDADE
 
Stress
StressStress
Stress
 
Intervenção em crises
Intervenção em crisesIntervenção em crises
Intervenção em crises
 
Palestra saúde mental e qualidade de vida
Palestra saúde mental e qualidade de vidaPalestra saúde mental e qualidade de vida
Palestra saúde mental e qualidade de vida
 
Psicologia da Saude
Psicologia da Saude Psicologia da Saude
Psicologia da Saude
 
Introdução à psicopatologia
Introdução à psicopatologiaIntrodução à psicopatologia
Introdução à psicopatologia
 
Psicologia hospitalar
Psicologia hospitalarPsicologia hospitalar
Psicologia hospitalar
 
Relacionalmento interpessoal
Relacionalmento interpessoalRelacionalmento interpessoal
Relacionalmento interpessoal
 
TCC - Terapia Cognitiva Comportamental
TCC - Terapia Cognitiva ComportamentalTCC - Terapia Cognitiva Comportamental
TCC - Terapia Cognitiva Comportamental
 
Palestra Inteligência Emocional
Palestra Inteligência EmocionalPalestra Inteligência Emocional
Palestra Inteligência Emocional
 
Psicanálise
PsicanálisePsicanálise
Psicanálise
 
Psicologia Da EducaçãO Aula IntrodutóRia
Psicologia Da EducaçãO  Aula IntrodutóRiaPsicologia Da EducaçãO  Aula IntrodutóRia
Psicologia Da EducaçãO Aula IntrodutóRia
 

Destaque

Processos psicológicos básicos psicologia
Processos psicológicos básicos   psicologia Processos psicológicos básicos   psicologia
Processos psicológicos básicos psicologia
Maria Santos
 
Apresentação personalidade e valores
Apresentação personalidade e valoresApresentação personalidade e valores
Apresentação personalidade e valores
Mariana Rezende
 
Personalidade na organização
Personalidade na organizaçãoPersonalidade na organização
Personalidade na organização
Liliane Ennes
 
Personalidade
PersonalidadePersonalidade
Aula de cerebro
Aula de cerebroAula de cerebro
Aula de cerebro
lourivalcaburite
 
Teorias da personalidade
Teorias da personalidadeTeorias da personalidade
Teorias da personalidade
Clínica Evolução vida
 
Personalidade
PersonalidadePersonalidade
Desenvolvimento Humano - Personalidade
Desenvolvimento Humano - PersonalidadeDesenvolvimento Humano - Personalidade
Desenvolvimento Humano - Personalidade
100ideias
 
Aula PPB - SENSACAO
Aula PPB - SENSACAOAula PPB - SENSACAO
Aula PPB - SENSACAO
guest8af197
 
Teorias da personalidade adler e horney
Teorias da personalidade adler e horneyTeorias da personalidade adler e horney
Teorias da personalidade adler e horney
Micaella Gomes
 
Motivação - Processos Psicológicos Básicos
Motivação - Processos Psicológicos BásicosMotivação - Processos Psicológicos Básicos
Motivação - Processos Psicológicos Básicos
Deisiane Cazaroto
 
O que é Personalidade?
O que é Personalidade?O que é Personalidade?
O que é Personalidade?
Silas Bastianelli Pinto
 
Personalidade valores e atitudes
Personalidade valores e atitudesPersonalidade valores e atitudes
Personalidade valores e atitudes
Alexandre Cavalcanti
 
Comportamento organizacional aula4
Comportamento organizacional aula4Comportamento organizacional aula4
Comportamento organizacional aula4
Niraldo Nascimento
 
sensação e percepção
sensação e percepçãosensação e percepção
sensação e percepção
Roberto Nobre
 
Identidade Pessoal Personalidade
Identidade Pessoal   PersonalidadeIdentidade Pessoal   Personalidade
Identidade Pessoal Personalidade
Carlos Pessoa
 
Percepção
PercepçãoPercepção
Percepção
norberto faria
 
Percepção - Psicologia
Percepção - PsicologiaPercepção - Psicologia
Percepção - Psicologia
Saul Marques da Silva
 
Personalidade
PersonalidadePersonalidade
Personalidade
Liliane Ennes
 
Psicologia Do Desenvolvimento
Psicologia Do DesenvolvimentoPsicologia Do Desenvolvimento
Psicologia Do Desenvolvimento
Aclecio Dantas
 

Destaque (20)

Processos psicológicos básicos psicologia
Processos psicológicos básicos   psicologia Processos psicológicos básicos   psicologia
Processos psicológicos básicos psicologia
 
Apresentação personalidade e valores
Apresentação personalidade e valoresApresentação personalidade e valores
Apresentação personalidade e valores
 
Personalidade na organização
Personalidade na organizaçãoPersonalidade na organização
Personalidade na organização
 
Personalidade
PersonalidadePersonalidade
Personalidade
 
Aula de cerebro
Aula de cerebroAula de cerebro
Aula de cerebro
 
Teorias da personalidade
Teorias da personalidadeTeorias da personalidade
Teorias da personalidade
 
Personalidade
PersonalidadePersonalidade
Personalidade
 
Desenvolvimento Humano - Personalidade
Desenvolvimento Humano - PersonalidadeDesenvolvimento Humano - Personalidade
Desenvolvimento Humano - Personalidade
 
Aula PPB - SENSACAO
Aula PPB - SENSACAOAula PPB - SENSACAO
Aula PPB - SENSACAO
 
Teorias da personalidade adler e horney
Teorias da personalidade adler e horneyTeorias da personalidade adler e horney
Teorias da personalidade adler e horney
 
Motivação - Processos Psicológicos Básicos
Motivação - Processos Psicológicos BásicosMotivação - Processos Psicológicos Básicos
Motivação - Processos Psicológicos Básicos
 
O que é Personalidade?
O que é Personalidade?O que é Personalidade?
O que é Personalidade?
 
Personalidade valores e atitudes
Personalidade valores e atitudesPersonalidade valores e atitudes
Personalidade valores e atitudes
 
Comportamento organizacional aula4
Comportamento organizacional aula4Comportamento organizacional aula4
Comportamento organizacional aula4
 
sensação e percepção
sensação e percepçãosensação e percepção
sensação e percepção
 
Identidade Pessoal Personalidade
Identidade Pessoal   PersonalidadeIdentidade Pessoal   Personalidade
Identidade Pessoal Personalidade
 
Percepção
PercepçãoPercepção
Percepção
 
Percepção - Psicologia
Percepção - PsicologiaPercepção - Psicologia
Percepção - Psicologia
 
Personalidade
PersonalidadePersonalidade
Personalidade
 
Psicologia Do Desenvolvimento
Psicologia Do DesenvolvimentoPsicologia Do Desenvolvimento
Psicologia Do Desenvolvimento
 

Semelhante a Aula 3 - Personalidade e Processos Psicológicos Básicos

Início da Vida
Início da VidaInício da Vida
Início da Vida
cincodarazao
 
Introdução Psicologia
Introdução Psicologia Introdução Psicologia
Introdução Psicologia
João Carlos Gomes
 
PERSONALIDADE 16 0UT.ppt
PERSONALIDADE 16 0UT.pptPERSONALIDADE 16 0UT.ppt
PERSONALIDADE 16 0UT.ppt
ssuser91c79f
 
Aula 3 - Comportamento Microorganizacional
Aula 3 - Comportamento MicroorganizacionalAula 3 - Comportamento Microorganizacional
Aula 3 - Comportamento Microorganizacional
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Autoestima 2013
Autoestima 2013Autoestima 2013
Autoestima 2013
maurenia
 
Aspectos comportamentais e éticos na gestão de pessoas
Aspectos comportamentais e éticos na gestão de pessoasAspectos comportamentais e éticos na gestão de pessoas
Aspectos comportamentais e éticos na gestão de pessoas
Turma_do_Marketing
 
Assistente Administrativo
Assistente AdministrativoAssistente Administrativo
Assistente Administrativo
Liberty Ensino
 
12.2 relaes interpessoais
12.2 relaes interpessoais12.2 relaes interpessoais
12.2 relaes interpessoais
cleilza sales
 
Aula 02 auxiliar de escritório
Aula 02 auxiliar de escritórioAula 02 auxiliar de escritório
Aula 02 auxiliar de escritório
Homero Alves de Lima
 
Módulo 1 1.2.
Módulo 1   1.2.Módulo 1   1.2.
Módulo 1 1.2.
cattonia
 
Comportamento
ComportamentoComportamento
Comportamento
danielafeitosa
 
Aula Avaliação de Desempenho 4
Aula Avaliação de Desempenho 4Aula Avaliação de Desempenho 4
Aula Avaliação de Desempenho 4
Juliana Baino
 
Modulo3
Modulo3Modulo3
Modulo3
carlossono
 
AULA 02 PERSONALIDADES.pptx
AULA 02 PERSONALIDADES.pptxAULA 02 PERSONALIDADES.pptx
AULA 02 PERSONALIDADES.pptx
MirnaKathary1
 
A psicologia do comportamento organizacional
A psicologia do comportamento organizacionalA psicologia do comportamento organizacional
A psicologia do comportamento organizacional
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Aula 2 - A Psicologia do Comportamento Organizacional
Aula 2 -  A Psicologia do Comportamento OrganizacionalAula 2 -  A Psicologia do Comportamento Organizacional
Aula 2 - A Psicologia do Comportamento Organizacional
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivoA organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
Anderson Cássio Oliveira
 
Psicologia Positiva Forças e Virtudes Pessoais
Psicologia Positiva   Forças e Virtudes Pessoais Psicologia Positiva   Forças e Virtudes Pessoais
Psicologia Positiva Forças e Virtudes Pessoais
Fábio Munhoz
 
Psicologia Positiva - Forças e Virtudes Pessoais
Psicologia Positiva  - Forças e Virtudes Pessoais Psicologia Positiva  - Forças e Virtudes Pessoais
Psicologia Positiva - Forças e Virtudes Pessoais
Fábio Munhoz
 
relacionalmentointerpessoal-110530140603-phpapp01.pptx
relacionalmentointerpessoal-110530140603-phpapp01.pptxrelacionalmentointerpessoal-110530140603-phpapp01.pptx
relacionalmentointerpessoal-110530140603-phpapp01.pptx
ProfYasminBlanco
 

Semelhante a Aula 3 - Personalidade e Processos Psicológicos Básicos (20)

Início da Vida
Início da VidaInício da Vida
Início da Vida
 
Introdução Psicologia
Introdução Psicologia Introdução Psicologia
Introdução Psicologia
 
PERSONALIDADE 16 0UT.ppt
PERSONALIDADE 16 0UT.pptPERSONALIDADE 16 0UT.ppt
PERSONALIDADE 16 0UT.ppt
 
Aula 3 - Comportamento Microorganizacional
Aula 3 - Comportamento MicroorganizacionalAula 3 - Comportamento Microorganizacional
Aula 3 - Comportamento Microorganizacional
 
Autoestima 2013
Autoestima 2013Autoestima 2013
Autoestima 2013
 
Aspectos comportamentais e éticos na gestão de pessoas
Aspectos comportamentais e éticos na gestão de pessoasAspectos comportamentais e éticos na gestão de pessoas
Aspectos comportamentais e éticos na gestão de pessoas
 
Assistente Administrativo
Assistente AdministrativoAssistente Administrativo
Assistente Administrativo
 
12.2 relaes interpessoais
12.2 relaes interpessoais12.2 relaes interpessoais
12.2 relaes interpessoais
 
Aula 02 auxiliar de escritório
Aula 02 auxiliar de escritórioAula 02 auxiliar de escritório
Aula 02 auxiliar de escritório
 
Módulo 1 1.2.
Módulo 1   1.2.Módulo 1   1.2.
Módulo 1 1.2.
 
Comportamento
ComportamentoComportamento
Comportamento
 
Aula Avaliação de Desempenho 4
Aula Avaliação de Desempenho 4Aula Avaliação de Desempenho 4
Aula Avaliação de Desempenho 4
 
Modulo3
Modulo3Modulo3
Modulo3
 
AULA 02 PERSONALIDADES.pptx
AULA 02 PERSONALIDADES.pptxAULA 02 PERSONALIDADES.pptx
AULA 02 PERSONALIDADES.pptx
 
A psicologia do comportamento organizacional
A psicologia do comportamento organizacionalA psicologia do comportamento organizacional
A psicologia do comportamento organizacional
 
Aula 2 - A Psicologia do Comportamento Organizacional
Aula 2 -  A Psicologia do Comportamento OrganizacionalAula 2 -  A Psicologia do Comportamento Organizacional
Aula 2 - A Psicologia do Comportamento Organizacional
 
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivoA organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
 
Psicologia Positiva Forças e Virtudes Pessoais
Psicologia Positiva   Forças e Virtudes Pessoais Psicologia Positiva   Forças e Virtudes Pessoais
Psicologia Positiva Forças e Virtudes Pessoais
 
Psicologia Positiva - Forças e Virtudes Pessoais
Psicologia Positiva  - Forças e Virtudes Pessoais Psicologia Positiva  - Forças e Virtudes Pessoais
Psicologia Positiva - Forças e Virtudes Pessoais
 
relacionalmentointerpessoal-110530140603-phpapp01.pptx
relacionalmentointerpessoal-110530140603-phpapp01.pptxrelacionalmentointerpessoal-110530140603-phpapp01.pptx
relacionalmentointerpessoal-110530140603-phpapp01.pptx
 

Mais de Felipe Saraiva Nunes de Pinho

Introdução à fenomenologia prof. felipe pinho
Introdução à fenomenologia prof. felipe pinhoIntrodução à fenomenologia prof. felipe pinho
Introdução à fenomenologia prof. felipe pinho
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Introdução ao comportamento organizacional
Introdução ao comportamento organizacionalIntrodução ao comportamento organizacional
Introdução ao comportamento organizacional
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Comportamento microorganizacional
Comportamento microorganizacionalComportamento microorganizacional
Comportamento microorganizacional
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
comportamento macroorganizacional
comportamento macroorganizacionalcomportamento macroorganizacional
comportamento macroorganizacional
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
comportamento mesoorganizacional
comportamento mesoorganizacionalcomportamento mesoorganizacional
comportamento mesoorganizacional
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Perspectiva histórica das teorias administrativas
Perspectiva histórica das teorias administrativasPerspectiva histórica das teorias administrativas
Perspectiva histórica das teorias administrativas
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
POR UNA SOSTENIBILIDAD HUMANA EN LA EMPRESA: APORTACIONES DE LA FILOSOFÍA DE ...
POR UNA SOSTENIBILIDAD HUMANA EN LA EMPRESA: APORTACIONES DE LA FILOSOFÍA DE ...POR UNA SOSTENIBILIDAD HUMANA EN LA EMPRESA: APORTACIONES DE LA FILOSOFÍA DE ...
POR UNA SOSTENIBILIDAD HUMANA EN LA EMPRESA: APORTACIONES DE LA FILOSOFÍA DE ...
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Ética, violência, justiça e psicologia
Ética, violência, justiça e psicologiaÉtica, violência, justiça e psicologia
Ética, violência, justiça e psicologia
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Existência e Eticidade
Existência e EticidadeExistência e Eticidade
Existência e Eticidade
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Psicologia Organizacional e do Trabalho
Psicologia Organizacional e do TrabalhoPsicologia Organizacional e do Trabalho
Psicologia Organizacional e do Trabalho
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Ética nas organizações e sustentabilidade
Ética nas organizações e sustentabilidadeÉtica nas organizações e sustentabilidade
Ética nas organizações e sustentabilidade
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
O modelo do luto de kluber ross
O modelo do luto de kluber rossO modelo do luto de kluber ross
O modelo do luto de kluber ross
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Introdução à psicologia aplicada ao cuidado
Introdução à psicologia aplicada ao cuidadoIntrodução à psicologia aplicada ao cuidado
Introdução à psicologia aplicada ao cuidado
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
O estudo do desenvolvimento humano
O estudo do desenvolvimento humanoO estudo do desenvolvimento humano
O estudo do desenvolvimento humano
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Teorias do desenvolvimento
Teorias do desenvolvimentoTeorias do desenvolvimento
Teorias do desenvolvimento
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
A síndrome da adolescência normal
A síndrome da adolescência normalA síndrome da adolescência normal
A síndrome da adolescência normal
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Introdução à fenomenologia
Introdução à fenomenologiaIntrodução à fenomenologia
Introdução à fenomenologia
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Aula 1 - Introdução à Psicologia
Aula 1 - Introdução à PsicologiaAula 1 - Introdução à Psicologia
Aula 1 - Introdução à Psicologia
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Teorias do conhecimento
Teorias do conhecimentoTeorias do conhecimento
Teorias do conhecimento
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Aula 1 introdução à psicologia aplicada ao cuidado
Aula 1   introdução à psicologia aplicada ao cuidadoAula 1   introdução à psicologia aplicada ao cuidado
Aula 1 introdução à psicologia aplicada ao cuidado
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 

Mais de Felipe Saraiva Nunes de Pinho (20)

Introdução à fenomenologia prof. felipe pinho
Introdução à fenomenologia prof. felipe pinhoIntrodução à fenomenologia prof. felipe pinho
Introdução à fenomenologia prof. felipe pinho
 
Introdução ao comportamento organizacional
Introdução ao comportamento organizacionalIntrodução ao comportamento organizacional
Introdução ao comportamento organizacional
 
Comportamento microorganizacional
Comportamento microorganizacionalComportamento microorganizacional
Comportamento microorganizacional
 
comportamento macroorganizacional
comportamento macroorganizacionalcomportamento macroorganizacional
comportamento macroorganizacional
 
comportamento mesoorganizacional
comportamento mesoorganizacionalcomportamento mesoorganizacional
comportamento mesoorganizacional
 
Perspectiva histórica das teorias administrativas
Perspectiva histórica das teorias administrativasPerspectiva histórica das teorias administrativas
Perspectiva histórica das teorias administrativas
 
POR UNA SOSTENIBILIDAD HUMANA EN LA EMPRESA: APORTACIONES DE LA FILOSOFÍA DE ...
POR UNA SOSTENIBILIDAD HUMANA EN LA EMPRESA: APORTACIONES DE LA FILOSOFÍA DE ...POR UNA SOSTENIBILIDAD HUMANA EN LA EMPRESA: APORTACIONES DE LA FILOSOFÍA DE ...
POR UNA SOSTENIBILIDAD HUMANA EN LA EMPRESA: APORTACIONES DE LA FILOSOFÍA DE ...
 
Ética, violência, justiça e psicologia
Ética, violência, justiça e psicologiaÉtica, violência, justiça e psicologia
Ética, violência, justiça e psicologia
 
Existência e Eticidade
Existência e EticidadeExistência e Eticidade
Existência e Eticidade
 
Psicologia Organizacional e do Trabalho
Psicologia Organizacional e do TrabalhoPsicologia Organizacional e do Trabalho
Psicologia Organizacional e do Trabalho
 
Ética nas organizações e sustentabilidade
Ética nas organizações e sustentabilidadeÉtica nas organizações e sustentabilidade
Ética nas organizações e sustentabilidade
 
O modelo do luto de kluber ross
O modelo do luto de kluber rossO modelo do luto de kluber ross
O modelo do luto de kluber ross
 
Introdução à psicologia aplicada ao cuidado
Introdução à psicologia aplicada ao cuidadoIntrodução à psicologia aplicada ao cuidado
Introdução à psicologia aplicada ao cuidado
 
O estudo do desenvolvimento humano
O estudo do desenvolvimento humanoO estudo do desenvolvimento humano
O estudo do desenvolvimento humano
 
Teorias do desenvolvimento
Teorias do desenvolvimentoTeorias do desenvolvimento
Teorias do desenvolvimento
 
A síndrome da adolescência normal
A síndrome da adolescência normalA síndrome da adolescência normal
A síndrome da adolescência normal
 
Introdução à fenomenologia
Introdução à fenomenologiaIntrodução à fenomenologia
Introdução à fenomenologia
 
Aula 1 - Introdução à Psicologia
Aula 1 - Introdução à PsicologiaAula 1 - Introdução à Psicologia
Aula 1 - Introdução à Psicologia
 
Teorias do conhecimento
Teorias do conhecimentoTeorias do conhecimento
Teorias do conhecimento
 
Aula 1 introdução à psicologia aplicada ao cuidado
Aula 1   introdução à psicologia aplicada ao cuidadoAula 1   introdução à psicologia aplicada ao cuidado
Aula 1 introdução à psicologia aplicada ao cuidado
 

Último

-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
FernandaOliveira758273
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Marília Pacheco
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 

Último (20)

-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 

Aula 3 - Personalidade e Processos Psicológicos Básicos

  • 1. Aula 3 A Personalidade e os Processos Psicológicos Básicos Prof. Ms. Felipe Saraiva Nunes de Pinho felipepinho.com
  • 2. Por que estudar a Personalidade? • O estudo da personalidade nos ajuda a compreender o comportamento e a atitude das pessoas dentro das organizações. • “Compreender a personalidade dos funcionários ajuda os administradores a aproveitar as diferenças individuais para facilitar o trabalho em equipe, para favorecer o desenvolvimento das competências e melhorar o desempenho”. (MORIN, E.; AUBÉ, C.)
  • 3. O que é Personalidade? • A Personalidade pode ser compreendida como o conjunto de características de um indivíduo que integradas, estabelecem a forma única como ele se comporta ou reage ao meio. Ela é o conjunto de traços psicológicos, particulares, únicos, e organizados de forma própria, ou seja, individualiza o modo de pensar, de sentir e de agir de cada pessoa; é aquilo que a pessoa mostra ser. • A personalidade exprime a unidade essencial da pessoa, bem como sua singularidade; ela também determina a maneira como a pessoa se relaciona com os outros; • persona (latim) era o nome dado às máscaras que os atores utilizavam para caracterizar os personagens. Por isso, a personalidade está relacionada também à impressão que cada um causa nos outros, ao comportamento manifesto e observável. Só através do comportamento manifesto é que temos acesso ao estudo da personalidade do indivíduo.
  • 4. Personalidade = per sonare • Persona (latim) era o nome dado às máscaras que os atores utilizavam para caracterizar os personagens. Por isso, a personalidade está relacionada também à impressão que cada um causa nos outros, ao comportamento manifesto e observável. Só através do comportamento manifesto é que temos acesso ao estudo da personalidade do indivíduo.
  • 5. 1. O que é Personalidade? • A via de acesso ao conhecimento da personalidade passa, essencialmente, por um processo de autopercepção. Quanto mais fiel for esse processo de autopercepção, de autoconhecimento, menor a probabilidade de projetar nos outros traços não conhecidos ou aceitos da própria personalidade. • É fundamental compreender que a personalidade é fruto de uma interação entre os fatores genéticos e ambientais, uma interação que envolve a relação entre o indivíduo e o seu meio ambiente físico e cultural.
  • 6. Fatores que determinam a Personalidade Genética: - a genética determina o fenótipo, a aparência externa da pessoa; - a genética determina a estrutura da espécie, comum a todos os indivíduos; - a genética determina traços individuais e únicos de cada indivíduo particular. Ambiente: - ambiente físico: nutrição, temperatura, altitude; - ambiente social: cultura, relações interpessoais; - as experiências da vida de uma pessoa são determinantes para a constituição de sua personalidade;
  • 7. Dimensões da Personalidade • Dos aspectos importantes da personalidade são o temperamento e o caráter. • O temperamento é considerado como um aspecto biológico e inato, ou seja, herdado geneticamente, que determinada a maneira como o indivíduo irá reagir a determinadas situações. A esquiva, pessimismo, afetividade, raiva, agressividade, paciência, são exemplos de traços do temperamento. O temperamento envolve principalmente os aspectos emocionais, motivacionais e adaptativos do indivíduo. • O caráter é considerado o aspecto moral da personalidade, moldado ao longo da vida do indivíduo, em um diálogo com a cultura; é a forma habitual e constante de agir de um individuo, seu ethos. O egoísmo, a responsabilidade, a sensibilidade, a disciplina, são exemplos de traços do caráter.
  • 8. 2. O estudo da personalidade • Etiologia - busca explicar os fatores determinantes das diferenças individuais da personalidade; para isso a psicologia estuda a história de vida da pessoa, os principais acontecimentos, sua matriz de identidade (relacionamento com os pais), experiências traumáticas, etc. • Classificação em tipos psicológicos - busca agrupar essas diferenças em subgrupos de acordo com traços semelhantes; • Transtornos de personalidade - busca evidenciar as características conflitivas de determinados traços da personalidade ou de determinados comportamentos, que impossibilitam ao individuo se adaptar às situações vividas. Os transtornos de personalidade são considerados como formas inadequadas de comportamento, quando há uma expressão inadequada das emoções e sentimentos, ou quando a relação com os outros é muito problemática, ou também quando a autopercepção está comprometida, gerando sofrimento, isolamento e desajuste.
  • 9. 3. Desenvolvimento da Personalidade • A nossa saúde psíquica pode ser compreendida como a capacidade de nos desenvolver, evoluir, nos realizar enquanto ser. • A nossa personalidade não está acabada, nem é imutável, muito pelo contrário, ela está em um constante processo dinâmico de construção que só termina com a morte. No entanto, essa construção ocorre, na maioria das pessoas, de maneira coerente, mantendo e revelando uma identidade (estabilidade ao longo do tempo). • Como a construção de nossa personalidade é fruto de uma interação com o meio em que vivemos (cultura, instituições, pessoas), muitas vezes podemos encontrar barreiras que frustrem nosso pleno desenvolvimento:
  • 10. Barreiras ao desenvolvimento da personalidade • As barreiras situacionais estão relacionadas às situações ou oportunidades externas que o meio nos oferece para que realizemos nosso potencial; • As barreiras interpessoais tratam dos impedimentos promovidos por pessoas ou grupos que dificultam nossas realizações; • As barreiras intrapessoais estão relacionadas às nossas próprias deficiências, ou aos nossos conflitos internos, que impedem nosso auto-desenvolvimento. Muitos desses conflitos surgem de nossas experiências infantis, por isso, o auto-conhecimento pode promover uma forma de resolução dos conflitos internos, possibilitando a retomada da capacidade criativa e espontânea de nosso desenvolvimento.
  • 11. 4. Personalidade e Organização • "O grande erro da Administração Científica de Taylor foi supor que todas as pessoas são iguais" (Bergamini). O estudo dos movimentos que determinavam movimentos genéricos, as teses tayloristas a respeito da relação do sujeito com o seu trabalho e com a empresa, acabaram criando a imagem de que todos os trabalhadores são iguais, são como máquinas; • É necessário, dentro das organizações, compreender as diferenças individuais, e até mesmo tratar de maneira individualizada cada colaborador. As políticas de Gestão de Pessoas têm que ser flexíveis e adaptáveis à realidade e necessidade de cada indivíduo. • O trabalho, e principalmente o sentido que cada um lhe atribui, é um dos fatores mais importantes na formação da personalidade do sujeito e na determinação de sua saúde mental.
  • 12. 4. Personalidade e Organização • Os conflitos, nas organizações, muitas vezes acontecem por discordância entre os valores e aspirações dos indivíduos e os valores e princípios da organização. • O estudo da personalidade dos indivíduos, nas organizações, tem como principais objetivos o levantamento das aptidões e competências individuais, a análise da motivação e do comprometimento com a metas organizacionais, a avaliação do desempenho no trabalho e a análise da saúde ocupacional.
  • 15. Sensação é reação física do corpo ao mundo físico, sendo regida pelas leis da física, química, biologia, etc. que resulta na ativação das áreas primárias do córtex cerebral. O processo Sensação-Percepção
  • 16. Sensação • Sentir ou captar é detectar de modo imediato: é o que fazem os sensores ou captadores. Perceber, por outro lado, é decifrar ou reconhecer a mensagem sensorial. O sentir exige apenas detectores ou sensores; o perceber exige, além desses, órgãos capazes de interpretar aquilo que é sentido ou captado. • Em resumo, perceber é elaborar, não apenas copiar (Neisser, 1967). Os tijolos dessas construções perceptivas são as sensações, as memórias e as expectativas.
  • 17. Tipos de Sensações • Interoceptivas (são as sensações provenientes de nossos órgãos internos); • Proprioceptivas (são as sensações que permitem ao cérebro tomar conhecimento do movimento do corpo no espaço e de sua posição em relação aos outros corpos.); • Exteroceptivas: são as sensações provenientes da superfície do corpo, a partir de nossos órgãos dos sentidos:  1 Sensações Visuais  2 Sensações auditivas  3 Sensações olfativas  4 Sensações gustativas  5 Sensações Tactivas  6 Sensações Espaciais
  • 18. Percepção • É a interpretação das sensações, usando-se o conhecimento e a compreensão do mundo. É um processo ativo de "construir" uma realidade pessoal (de ordenar o mundo), de dar sentido àquilo que se vê, se ouve ou se toca. • Perceber é decifrar ou reconhecer a mensagem sensorial. Em resumo, perceber é elaborar, não apenas copiar (Neisser, 1967). Os tijolos dessas construções perceptivas são as sensações, as memórias e as expectativas. Perceber consiste na aquisição, interpretação, seleção e organização das informações obtidas pelos sentidos. • A percepção envolve a interação de fatores físicos (sensações), psicológicos (experiência e história de vida do sujeito), e a fatores culturais (crenças, valores, atitudes, senso comum). • A maneira como percebemos o mundo determinará o nosso comportamento.
  • 19. Exemplos: o que você percebe?
  • 20. Distorções da percepção • Estereótipos: preconceito; imagem preconcebida; geralmente depreciativa. Podem ser culturalmente construídos; • Efeito halo (a primeira impressão é a que fica). O efeito halo acontece quando um certo atributo de uma pessoa ou de uma situação é usado para formar uma impressão geral sobre a pessoa ou situação; • Percepção seletiva: é a tendência que as pessoas têm ver e ouvir somente os fatos que apóiam suas crenças e os seus referenciais socioculturais. Na percepção seletiva, destaque- se um aspecto da realidade, uma característica de uma pessoa em detrimento de todos os demais. Ex. quando fico doente, de repente tenho a impressão de que o mundo todo está falando dessa doença;
  • 21. Distorções da percepção • Efeito Contraste: ocorre quando as características de uma pessoa são contrastadas com as de outras encontradas logo em seguida ou anteriormente. É uma comparação; • Projeção: é a atribuição de características pessoais para outros indivíduos. É uma forma de conhecer e classificar uma pessoa e o seu comportamento.
  • 22. Percepção e interação pessoal: implicações para a Organização • As nossas percepções influenciam nossas interações pessoais, pois nossos relacionamentos dependem da maneira como nos percebemos uns aos outros, sendo que muitas vezes podemos criar estereótipos para uma pessoa influenciando a maneira como ela própria se vê. • Por isso, para o gestor de pessoas é muito importante diferenciar aquilo que pode ser uma percepção distorcida de uma determinada pessoa daquilo que, efetivamente, pode ser um traço de sua personalidade. Isso só é possível a partir de um processo de autopercepção e de autoconhecimento.
  • 23. Percepção e interação pessoal: implicações para a Organização • A Teoria Implícita da Personalidade defende que o sujeito traz dentro de si uma impressão pré-construída de outras pessoas, que utiliza para julgar e interpretar a personalidade e o comportamento dessas pessoas, e que não necessariamente corresponde à realidade da personalidade dessas pessoas ou ao que se está efetivamente percebendo. • Nas organizações, as pessoas que trabalham na avaliação de desempenho, por exemplo, devem ser treinadas para corrigir as distorções perceptivas naturais que têm sobre o seu avaliado.
  • 24. Inteligência • A inteligência diz respeito à nossa capacidade de discernimento, de avaliar alternativas e de adquirir conhecimento para buscar soluções para os problemas já vivenciados ou inéditos; • Para Piaget a inteligência seria a nossa capacidade de nos adaptarmos ao ambiente físico e social; • Assim, a inteligência envolve nossa capacidade adaptar e moldar nosso comportamento visando alcançar um determinado objetivo. Isso envolve a nossa capacidade de compreender da situação, de planejar e de construir conhecimento;
  • 25. Inteligência • A inteligência envolve, então nossa capacidade mental de raciocinar, planejar, resolver problemas, abstrair idéias, compreender idéias e linguagens e, principalmente, aprender com a experiência; • A inteligência foi primeiramente vista como um fator ou habilidade cognitiva geral de resolver problemas (Charles Spearman - Fator G). No entanto hoje (Howard Gardner - Inteligência múltiplas; Daniel Goleman - Inteligência emocional) há uma tendência a compreender a inteligência como um processo mais complexo que envolve inúmeras outras habilidades intelectuais, psicomotoras, emocionais, interpessoais etc.
  • 26. O QI • QI (Quociente de Inteligência) é um índice mensurado a partir da aplicação de testes psicológicos que compara o indivíduo testado com os escores obtidos por outros indivíduos do mesmo grupo etário. • Para as avaliação de crianças utiliza-se a fórmula: • QI = Idade Mental / Idade Cronológica x 100. • Nos adultos o QI é calculado utilizando-se a distribuição da curva normal. 50% 20% 20% 5% 5%.
  • 27. QI - Classificação proposta por David Wechsler (1940) • QI acima de 127: Superdotação (algumas fontes citam o termo “gênio” para QI>150) • 120-127: Inteligência superior • 110-120: Inteligência acima da média • 90-110: Inteligência média • 80-90: Embotamento ligeiro • 65-80: Limítrofe • 50-65: Debilidade ligeira • 35-50: Debilidade moderada • 20-35: Debilidade severa • QI abaixo de 20: Debilidade profunda
  • 28. As Emoções • A emoção é um complexo estado de sentimentos, com componentes somáticos, psíquicos e comportamentais, relacionados ao afeto e ao humor. (Kaplan e Sadock, 1993). • A emoção não é voluntariamente controlada. Ela é responsável pelos sentimentos humanos. • Quando muito intensas as emoções podem vir acompanhadas por reações viscerais, comandadas pelo sistema nervoso autônomo, que determina reações de luta e fuga.
  • 29. As Emoções • “Todas as emoções são, em essência, impulsos, legados pela evolução, para uma ação imediata, para planejamentos instantâneos que visam a lidar com a vida.” (Goleman, 1995).
  • 30. O QUE É INTELIGÊNCIA EMOCIONAL? Refere-se à eficácia com a qual as pessoas percebem e compreendem suas próprias emoções e as emoções dos outros, sendo capazes de administrar seu comportamento. (Morris; Maisto, 2004).
  • 31. Componentes básicos das emoções • Cognitivo: pensamentos, crenças e expectativas individuais determinam a maneira singular como será vivenciada a emoção; • Fisiológico: mudanças físicas internas resultantes do alerta emocional; • Comportamental: sinais exteriores que expressão as emoções vivenciadas (raiva, alegria, tristeza).
  • 32. Evolução da maturidade emocional • Infância: emoções com caráter captativo; • Adolescência: emoções com caráter oblativo; • Idade adulta: capacidade de trocar afeto (dar e receber emoções) e de responder emocionalmente à situação.
  • 33. • Fonte: BERGAMINI, Cecília W. Psicologia aplicada à administração. São Paulo:Atlas, 2006.