SlideShare uma empresa Scribd logo
Coimbra 2015/2016
A CRISE DOS REFUGIADOS: AGRAVAMENTO DAS
DESIGUALDADES E DA EXCLUSÃO SOCIAL?
Curso: Licenciatura em Relações Internacionais
Cadeira: Metodologia da Pesquisa
Docente: Elísio Estanque
Trabalho de:
Alyona Kaduchenko, 2015238929
Joana Filipa Neves Rodrigues, 2015249430
Joana Filipa Prata e Cunha, 2015230979
2
ÍNDICE
I. Introdução
II. Abordagem genérica
III. O problema do conhecimento das ciências sociais
a. A construção do conhecimento e obstáculos epistemológicos
IV. Bibliografia
a. Dos textos citados
b. Dos temas a desenvolver
3
I. Introdução
No contexto da cadeira de Metodologia da Pesquisa do 1º semestre do 1º ano da
Licenciatura em Relações Internacionais da Faculdade de Economia da Universidade de
Coimbra, no decorrer do ano letivo 2015/2016, o docente Elísio Estanque propôs-nos a
elaboração de um trabalho de investigação referente a um tema inserido nos três propostos.
Com efeito, realizada uma reflexão crítica, o nosso grupo deliberou, decidindo que o tema
a abordar seria «Desigualdades e exclusão social: Problemáticas socioculturais da integração dos
refugiados na sociedade europeia atual».
II. Abordagem genérica
Enquanto seres sociais, deparamo-nos diariamente, direta ou indiretamente, com situações
de desigualdade e exclusão social de minorias que têm vindo a ganhar cada vez mais dimensão.
Não obstante, a integração dos refugiados de guerra na Europa enfrenta bastantes
obstáculos, como o choque cultural que provoca nas sociedades nas quais são inseridos, dadas
as diferenças de pensamento e de ideologias. Além disso, o facto de estarem a ser asseguradas
as necessidades básicas a estes sujeitos enquanto muitos cidadãos ainda não beneficiam destas
tem despoletado sentimentos de revolta e angústia, dificultando a integração social dos
refugiados.
Neste contexto, o fenómeno da exclusão social tem vindo a agravar-se e, assim, estando
plenamente conscientes da forma como estas situações nos afetam pelo seu impacto em
diversos domínios da vida em sociedade (económico, social, cultural e político), considerámos
ser impreterível o estudo deste fenómeno social, visando uma melhor compreensão do mesmo.
III. O problema do conhecimento das ciências sociais
Os indivíduos, enquanto seres sociais estão inseridos num meio físico e social, emitindo
muitas das vezes uma opinião sobre o que os rodeia sem esta estar devidamente fundamentada,
não constituindo assim o desenvolvimento científico.
Para atingir o conhecimento científico, é necessária a rutura com as explicações do senso
comum a par com o recurso a teorias e métodos para testar as hipóteses explicativas
formuladas. Muitas vezes, o processo de construção do conhecimento é perturbado pelas
explicações do senso comum e da ilusão da transparência do social, que podem induzir em erro
ao fazer parecer algo demasiado simples.
O senso comum consiste em opiniões pessoais baseadas em noções e representações
individuais, em interpretações imediatas e espontâneas da realidade; sendo, por isso, um
conhecimento desorganizado, não sistemático e não comprovado; devendo ser excluído no
processo de construção do conhecimento científico. Este, por sua vez, é racional, objetivo,
factual, analítico, preciso, metódico, sistemático e verificável. (Andrade e Moinhos, 2013: 35,
37, 39)
Orna, 1995, 36 apud Bell: «não há uma ‘maneira correta’ de fazer as coisas e os
investigadores bem-sucedidos usam uma grande variedade de estratégias».
4
O exercício da escrita de um trabalho de pesquisa assemelha-se, de certo modo, ao exercício
da comunicação, daí a importância atribuída ao público, aos examinadores e aos leitores, pois
serão eles os avaliadores da tarefa elaborada. Como Zina O’leary afirma «A pesquisa é
normalmente avaliada/criticada não pelo que fizeste, mas pela tua habilidade de
reportar/transmitir aquilo que fizeste.» (O’leary, p.278)
Tradicionalmente, a investigação divide-se em três fases:
1) Proposta do objeto de investigação;
2) Condução da investigação;
3) Redação da pesquisa, das informações recolhidas, formulação do texto.
A partir do momento em que se inicia uma investigação, é necessário que o indivíduo
tire apontamentos sobre o objeto que analisa, bem como as fontes que utiliza. Esta ação irá não
só facilitar-lhe o trabalho no momento da redação deste, como desenvolverá também as suas
capacidades de reter a informação de que necessita. (O’leary, p. 282)
Quanto à estrutura do trabalho, antes de o investigador «saltar de cabeça» e passar à
redação de um texto final, este deve realizar uma planificação dos capítulos, das partes que irão
compor o trabalho.
I. Os métodos são uma parte fundamental num trabalho de investigação.
Questões como Como se encontrou a informação necessária?, A que tipo de
fontes de recorreu? serão respondidas. De modo sucinto, nestas duas últimas
etapas, o investigador relata o caminho feito até aos dados necessários para a
realização dos seus argumentos e conclusões.
II. Na exposição do objeto de investigação, é necessário que esta esteja bem
explícita e é preciso que seja fornecida uma justificação forte para a escolha do
objeto de estudo e dos métodos utilizados, de modo a convencer o leitor de que
a informação redigida é credível. (O’leary, p.287)
Após ter um texto redigido, o autor precisa de se preparar para a apresentação de um
primeiro esboço, que pode sofrer imensas alterações, tendo em conta a quantidade e qualidade
do feedback que recebe. Com efeito, o investigador precisa de estar disposto a receber várias
opiniões e críticas.
Numa fase inicial, pretenderá receber opiniões sobre as suas ideias, a estrutura e a lógica
do trabalho e numa fase posterior já procurará sugestões para a consistência e coerência do
texto. Um dos conselhos dados ainda ao investigador é o de pedir a alguém inexperiente para
ler o trabalho, no sentido de apurar a clareza do conteúdo do mesmo. (O’leary, p.289)
Todavia, no decorrer da elaboração de trabalhos, o investigador enfrenta algumas
dificuldades relacionadas com o problema do conhecimento das ciências sociais. O nosso
conhecimento e as nossas crenças baseiam-se em observações que realizamos sobre o mundo
que nos rodeia. Estas podem constituir o material de partida para uma investigação científica;
mas há que ter em atenção o problema e o ponto de vista através do qual se examinam as
observações. (Alasuutari, p.25)
Por muito que o sujeito tente ser isento nas suas observações, este já possui
informações adquiridas previamente que influenciam a sua visão sobre uma certa proposição,
umas vez que este está inserido num contexto histórico-social que leva inevitavelmente a um
exame crítico da realidade. (Alasuutari, p.26) Como Durkheim disse «O homem não pode viver
no meio de coisas sem fazer delas ideias segundo as quais regula o seu comportamento».
5
Antes de mais, é importante selecionar as observações consoante a relevância que têm
para o problema em causa. No entanto não deve omitir certas observações sem explicar por que
o fez; E esta seleção ira depender da estrutura teórica e do método de pesquisa adotado.
(Alasuutari, p.28)
A metodologia de pesquisa consiste no conjunto de práticas e técnicas através das quais
o investigador produz observações. (Alasuutari, p.29)
As observações que o pesquisador selecionar para incluir no seu trabalho irão constituir
as hipóteses de trabalho, e, assim, a estrutura teórica do mesmo (por exemplo, no caso dos
homicídios, os detetives investigarão os motivos que parecem ser mais plausíveis para o
sucedido). Na pesquisa científica a escolha dos métodos está condicionada à etapa precedente
(definição dos hipóteses de trabalho). (Alasuutari, p.30)
Seguidamente, as hipóteses serão testadas na tentativa de resolver a pergunta de
partida. E se o investigador encontrar uma explicação lógica que considere plausível e assim
correta chamar-lhe-á evidência. (Alasuutari, p.32) Toda a vida, algumas conclusões são mais
fiáveis do que outras (Alasuutari, p.33), mas o mais importante é a criação de um modelo lógico
de explicação no qual todas as peças se encaixem. (Alasuutari, p.34)
As investigações estatísticas sociais não vão, normalmente, considerar material
empírico recolhido através de outro ângulo que não suporte as hipóteses propostas no início do
artigo. As investigações qualitativas começam, na sua generalidade, mais com uma descrição e
menos com uma interpretação. Uma característica em comum destes dois tipos de investigação
social empírica é que as tentativas e erros raramente são documentados. O processo de
pesquisa prossegue alternadamente em duas direções diferentes: da específica para a genérica
e da genérica para a específica, até que a solução final seja eventualmente encontrada.
(Alasuutari, p.35)
Neste sentido, espera-se que as ciências sociais produzam hipóteses universalmente
válidas. A nova explicação de um dado fenómeno baseada numa análise de um caso individual
faz com que seja necessário construir uma nova abordagem crítica para os “factos” e
“evidências” que foram construídas com base na estrutura teórica anterior e nos seus modelos
explicativos. (Alasuutari, p.36) A investigação social tem ainda que justificar os seus argumentos,
referentes às observações que se suportam naquilo que foi dito. (Alasuutari, p.37)
Deste modo, com a elaboração deste trabalho pretendemos obter resposta às questões
«Quão grave é a desigualdade e a exclusão social atualmente nas sociedades europeias? E de
que modo a crise dos refugiados pode agravar esta realidade?»
6
Bibliografia
a) Citada
1) ALASUUTARI, PPERTI, 1998, “OBSERVATIONS, DEDUCTIONS AND CLUES” IN IDEM, AN
INVITATION TO SOCIAL RESEARCH, LONDON: SAGE PUBLICATIONS
2) ANDRADE, ANA BELA E MOINHOS, ROSA, 2013, SOCIOLOGIA 12º ANO. LISBOA:
PLÁTANO EDITORA
3) BELL, JUDITH, 2004, “REGISTO DE INFORMAÇÕES, APONTAMENTOS E BIBLIOTECAS” IN
IDEM, COMO REALIZAR UM PROJETO DE INVESTIGAÇÃO. LISBOA: GRADIVA
4) O’LEARY, ZINA, 2010, “THE CHALLENGE OF WRITING UP” IN IDEM, THE ESSENCIAL GUIDE
TO DOING YOUR RESEARCH PROJECT. LONDON, SAGE PUBLICATIONS
5) SILVA, AUGUSTO SANTO, 1997, “A RUTURA COM O SENSO COMUM NAS CIÊNCIAS
SOCIAIS” IN AUGUSTO SANTOS SILVA E JOSÉ MADUREIRA PINTO (ORGS.),
METODOLOGIA DAS CIENCIAS SOCIAS. PORTO, EDIÇÕES AFRONTAMENTO
b) Do tema a desenvolver
1) Silva, Manuel (2009), «Desigualdade e exclusão social: de breve revisitação a uma
síntese proteórica», <http://configuracoes.revues.org/132> (consultado no dia 21-10-
2015)
2) Peixoto, Paulo (2010), «Pobreza e Exclusão Social»,
<http://www4.fe.uc.pt/fontes/trabalhos/2009023.pdf> (consultado no dia 21-10-2015)
3) Crisóstomo, Adinei e Alves, Luanne (2013), «Políticas públicas, desigualdades, pobreza
e exclusão», <http://www.efdeportes.com/efd180/politicas-publicas-x-desigualdades-
pobreza-e-exclusao.htm> (consultado no dia 22-10-2015)
4) Wlodarski, Regiane e Cunha, Luiz, «Desigualdade social e pobreza como consequências
do desenvolvimento da sociedade», <http://www.uel.br/grupo-
estudo/processoscivilizadores/portugues/sitesanais/anais9/artigos/workshop/art15.p
df> (consultado no dia 23-10-2015)
5) Observatório das Desigualdades (2014), «Risco de pobreza em Portugal e na Europa»,
<http://observatorio-das-desigualdades.com/2014/07/28/risco-de-pobreza-em-
portugal-e-na-europa/#more-1462 >(consultado no dia 23-10-2015)
6) Observatório das Desigualdades (2014), «Risco de Pobreza em Portugal – valor mais
elevado desde 2005», <http://observatorio-das-desigualdades.com/2014/03/27/risco-
de-pobreza-em-portugal-valor-mais-elevado-desde-2005/#more-1009> (consultado no
dia 23-10-2015)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sociologia: Interação social
Sociologia: Interação socialSociologia: Interação social
Sociologia: Interação social
hap99
 
Ordem social
Ordem socialOrdem social
Ordem social
Helena Fonseca
 
Interação social
Interação socialInteração social
Interação social
turma12d
 
Socialização e cultura
Socialização e culturaSocialização e cultura
Socialização e cultura
Sergio Grunbaum
 
Psicologia da-aprendizagem
Psicologia da-aprendizagemPsicologia da-aprendizagem
Psicologia da-aprendizagem
Auxiliadora Morais
 
Senso Comum e Ciência
Senso Comum e CiênciaSenso Comum e Ciência
Senso Comum e Ciência
Jorge Barbosa
 
Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]
Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]
Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]
Matheus Alves
 
estrutura familiar e dinamica social
estrutura familiar e dinamica socialestrutura familiar e dinamica social
estrutura familiar e dinamica social
João Marrocano
 
Cultura, os símbolos e a sociedade
Cultura, os símbolos e a sociedadeCultura, os símbolos e a sociedade
Cultura, os símbolos e a sociedade
Viviane Guerra
 
O QUE É SOCIOLOGIA?
O QUE É SOCIOLOGIA?O QUE É SOCIOLOGIA?
O QUE É SOCIOLOGIA?
guest6a86aa
 
Pobreza e exclusão social (2)
Pobreza e exclusão social (2)Pobreza e exclusão social (2)
Pobreza e exclusão social (2)
Alcina Barbosa
 
Papéis e estatutos sociais
Papéis e estatutos sociaisPapéis e estatutos sociais
Papéis e estatutos sociais
Núriaa Gourgel
 
Ai2.2 Construção do Social 3
Ai2.2 Construção do Social 3Ai2.2 Construção do Social 3
Ai2.2 Construção do Social 3
Jorge Barbosa
 
O papel dos processos mentais na vida quotidiana
O papel dos processos mentais na vida quotidianaO papel dos processos mentais na vida quotidiana
O papel dos processos mentais na vida quotidiana
Luis De Sousa Rodrigues
 
A socialização
A socializaçãoA socialização
A socialização
aintazambuja
 
Classes e formas de estratificação social
Classes e formas de estratificação socialClasses e formas de estratificação social
Classes e formas de estratificação social
Grupo Educacional Opet
 
Padrões de consumo
Padrões de consumoPadrões de consumo
Padrões de consumo
EconomicSintese
 
Cultura
CulturaCultura
Pierre bourdieu
Pierre bourdieuPierre bourdieu
Pierre bourdieu
sociofilo2012
 
Trabalho de sociologia (1)
Trabalho de sociologia (1)Trabalho de sociologia (1)
Trabalho de sociologia (1)
Daniel Nunes
 

Mais procurados (20)

Sociologia: Interação social
Sociologia: Interação socialSociologia: Interação social
Sociologia: Interação social
 
Ordem social
Ordem socialOrdem social
Ordem social
 
Interação social
Interação socialInteração social
Interação social
 
Socialização e cultura
Socialização e culturaSocialização e cultura
Socialização e cultura
 
Psicologia da-aprendizagem
Psicologia da-aprendizagemPsicologia da-aprendizagem
Psicologia da-aprendizagem
 
Senso Comum e Ciência
Senso Comum e CiênciaSenso Comum e Ciência
Senso Comum e Ciência
 
Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]
Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]
Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]
 
estrutura familiar e dinamica social
estrutura familiar e dinamica socialestrutura familiar e dinamica social
estrutura familiar e dinamica social
 
Cultura, os símbolos e a sociedade
Cultura, os símbolos e a sociedadeCultura, os símbolos e a sociedade
Cultura, os símbolos e a sociedade
 
O QUE É SOCIOLOGIA?
O QUE É SOCIOLOGIA?O QUE É SOCIOLOGIA?
O QUE É SOCIOLOGIA?
 
Pobreza e exclusão social (2)
Pobreza e exclusão social (2)Pobreza e exclusão social (2)
Pobreza e exclusão social (2)
 
Papéis e estatutos sociais
Papéis e estatutos sociaisPapéis e estatutos sociais
Papéis e estatutos sociais
 
Ai2.2 Construção do Social 3
Ai2.2 Construção do Social 3Ai2.2 Construção do Social 3
Ai2.2 Construção do Social 3
 
O papel dos processos mentais na vida quotidiana
O papel dos processos mentais na vida quotidianaO papel dos processos mentais na vida quotidiana
O papel dos processos mentais na vida quotidiana
 
A socialização
A socializaçãoA socialização
A socialização
 
Classes e formas de estratificação social
Classes e formas de estratificação socialClasses e formas de estratificação social
Classes e formas de estratificação social
 
Padrões de consumo
Padrões de consumoPadrões de consumo
Padrões de consumo
 
Cultura
CulturaCultura
Cultura
 
Pierre bourdieu
Pierre bourdieuPierre bourdieu
Pierre bourdieu
 
Trabalho de sociologia (1)
Trabalho de sociologia (1)Trabalho de sociologia (1)
Trabalho de sociologia (1)
 

Destaque

O acordo de associação: Ucrânia e União Europeia
O acordo de associação: Ucrânia e União EuropeiaO acordo de associação: Ucrânia e União Europeia
O acordo de associação: Ucrânia e União Europeia
Joana Filipa Rodrigues
 
Impacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte II
Impacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte IIImpacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte II
Impacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte II
Joana Filipa Rodrigues
 
Impacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte III
Impacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte IIIImpacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte III
Impacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte III
Joana Filipa Rodrigues
 
Sistema Político da União Europeia - SPUE
Sistema Político da União Europeia - SPUESistema Político da União Europeia - SPUE
Sistema Político da União Europeia - SPUE
Joana Filipa Rodrigues
 
Policy Memorandum on Brexit
Policy Memorandum on BrexitPolicy Memorandum on Brexit
Policy Memorandum on Brexit
Joana Filipa Rodrigues
 
Cógito cartesiano de Descartes
Cógito cartesiano de DescartesCógito cartesiano de Descartes
Cógito cartesiano de Descartes
Joana Filipa Rodrigues
 
Conferência de Berlim
Conferência de BerlimConferência de Berlim
Conferência de Berlim
Joana Filipa Rodrigues
 
Refugiados
RefugiadosRefugiados
Refugiados
Alessa Pereira
 
Apontamentos de Teoria das Relações Internacionais I
Apontamentos de Teoria das Relações Internacionais IApontamentos de Teoria das Relações Internacionais I
Apontamentos de Teoria das Relações Internacionais I
Joana Filipa Rodrigues
 
História A, 12º ano, Módulo 9, Unidade 1
História A, 12º ano, Módulo 9, Unidade 1História A, 12º ano, Módulo 9, Unidade 1
História A, 12º ano, Módulo 9, Unidade 1
Joana Filipa Rodrigues
 
Psicologia - a mente, as emoções e a conação
Psicologia - a mente, as emoções e a conaçãoPsicologia - a mente, as emoções e a conação
Psicologia - a mente, as emoções e a conação
Joana Filipa Rodrigues
 
Psicologia 12º
Psicologia 12ºPsicologia 12º
Psicologia 12º
Joana Filipa Rodrigues
 
Provas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo DescartesProvas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo Descartes
Joana Filipa Rodrigues
 
História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6
Joana Filipa Rodrigues
 
Refugiados
RefugiadosRefugiados
Refugiados
Elaine Paraguai
 
Refugiados
RefugiadosRefugiados
Refugiados
António Coelho
 
Parques de ciências e tecnologia
Parques de ciências e tecnologiaParques de ciências e tecnologia
Parques de ciências e tecnologia
Joana Filipa Rodrigues
 
O bom uso da retórica
O bom uso da retóricaO bom uso da retórica
O bom uso da retórica
Joana Filipa Rodrigues
 
Retórica e democracia
Retórica e democraciaRetórica e democracia
Retórica e democracia
Joana Filipa Rodrigues
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo

Destaque (20)

O acordo de associação: Ucrânia e União Europeia
O acordo de associação: Ucrânia e União EuropeiaO acordo de associação: Ucrânia e União Europeia
O acordo de associação: Ucrânia e União Europeia
 
Impacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte II
Impacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte IIImpacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte II
Impacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte II
 
Impacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte III
Impacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte IIIImpacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte III
Impacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte III
 
Sistema Político da União Europeia - SPUE
Sistema Político da União Europeia - SPUESistema Político da União Europeia - SPUE
Sistema Político da União Europeia - SPUE
 
Policy Memorandum on Brexit
Policy Memorandum on BrexitPolicy Memorandum on Brexit
Policy Memorandum on Brexit
 
Cógito cartesiano de Descartes
Cógito cartesiano de DescartesCógito cartesiano de Descartes
Cógito cartesiano de Descartes
 
Conferência de Berlim
Conferência de BerlimConferência de Berlim
Conferência de Berlim
 
Refugiados
RefugiadosRefugiados
Refugiados
 
Apontamentos de Teoria das Relações Internacionais I
Apontamentos de Teoria das Relações Internacionais IApontamentos de Teoria das Relações Internacionais I
Apontamentos de Teoria das Relações Internacionais I
 
História A, 12º ano, Módulo 9, Unidade 1
História A, 12º ano, Módulo 9, Unidade 1História A, 12º ano, Módulo 9, Unidade 1
História A, 12º ano, Módulo 9, Unidade 1
 
Psicologia - a mente, as emoções e a conação
Psicologia - a mente, as emoções e a conaçãoPsicologia - a mente, as emoções e a conação
Psicologia - a mente, as emoções e a conação
 
Psicologia 12º
Psicologia 12ºPsicologia 12º
Psicologia 12º
 
Provas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo DescartesProvas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo Descartes
 
História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6
 
Refugiados
RefugiadosRefugiados
Refugiados
 
Refugiados
RefugiadosRefugiados
Refugiados
 
Parques de ciências e tecnologia
Parques de ciências e tecnologiaParques de ciências e tecnologia
Parques de ciências e tecnologia
 
O bom uso da retórica
O bom uso da retóricaO bom uso da retórica
O bom uso da retórica
 
Retórica e democracia
Retórica e democraciaRetórica e democracia
Retórica e democracia
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
 

Semelhante a A Crise dos Refugiados parte I

Fichamento: BECKER, Howard S. Métodos de Pesquisa em Ciências Sociais
Fichamento: BECKER, Howard S. Métodos de Pesquisa em Ciências SociaisFichamento: BECKER, Howard S. Métodos de Pesquisa em Ciências Sociais
Fichamento: BECKER, Howard S. Métodos de Pesquisa em Ciências Sociais
Luiz Guilherme Leite Amaral
 
Manual de investigação em ciências sociais
Manual de investigação em ciências sociaisManual de investigação em ciências sociais
Manual de investigação em ciências sociais
Viviane Grimm
 
Teoria e metodologia da pesquisa educacional
Teoria e metodologia da pesquisa educacionalTeoria e metodologia da pesquisa educacional
Teoria e metodologia da pesquisa educacional
Richard Leão
 
Aula online pesquisa em serviço social iii
Aula online pesquisa em serviço social iiiAula online pesquisa em serviço social iii
Aula online pesquisa em serviço social iii
jeancff84
 
52150697 resenha-critica-abnt-o-trabalho-thau1
52150697 resenha-critica-abnt-o-trabalho-thau152150697 resenha-critica-abnt-o-trabalho-thau1
52150697 resenha-critica-abnt-o-trabalho-thau1
Péricles Oliveira
 
Resenha critica
Resenha criticaResenha critica
Resenha critica
Marcelo Rony
 
Resenha critica
Resenha criticaResenha critica
Resenha critica
andre pereira
 
Módulo 1 - Introdução à comunicação científica.pdf
Módulo 1 - Introdução à comunicação científica.pdfMódulo 1 - Introdução à comunicação científica.pdf
Módulo 1 - Introdução à comunicação científica.pdf
jonesemanuel
 
Manual de investigação
Manual de investigaçãoManual de investigação
Manual de investigação
Pedro Alexandre Silva Pereira
 
Met. Cientifica
Met. CientificaMet. Cientifica
Met. Cientifica
Alan Ciriaco
 
A prática da pesquisa científica
A prática da pesquisa científicaA prática da pesquisa científica
A prática da pesquisa científica
Bruno Gomes Dias
 
Cardoso ciro como_elaborar_projeto_pesquisa
Cardoso ciro como_elaborar_projeto_pesquisaCardoso ciro como_elaborar_projeto_pesquisa
Cardoso ciro como_elaborar_projeto_pesquisa
GARÊNIA Souza
 
Cardoso ciro como_elaborar_projeto_pesquisa
Cardoso ciro como_elaborar_projeto_pesquisaCardoso ciro como_elaborar_projeto_pesquisa
Cardoso ciro como_elaborar_projeto_pesquisa
enzzomarques
 
Resenha: Um discurso sobre as ciências / Como se faz uma tese
Resenha: Um discurso sobre as ciências / Como se faz uma teseResenha: Um discurso sobre as ciências / Como se faz uma tese
Resenha: Um discurso sobre as ciências / Como se faz uma tese
Juliana Gulka
 
A Arte de Pesquisar - Mirian Goldenberg.PDF
A Arte de Pesquisar - Mirian Goldenberg.PDFA Arte de Pesquisar - Mirian Goldenberg.PDF
A Arte de Pesquisar - Mirian Goldenberg.PDF
HelenAlbuquerque1
 
Resenhacrtica modelo-111108071011-phpapp02
Resenhacrtica modelo-111108071011-phpapp02Resenhacrtica modelo-111108071011-phpapp02
Resenhacrtica modelo-111108071011-phpapp02
willian pereira
 
Profissão de Sociólogo - Bourdieu et al.
Profissão de Sociólogo - Bourdieu et al.Profissão de Sociólogo - Bourdieu et al.
Profissão de Sociólogo - Bourdieu et al.
FelipeCavalcantiFerr
 
Metodologia do Trabalho Científico
Metodologia do Trabalho CientíficoMetodologia do Trabalho Científico
Metodologia do Trabalho Científico
silviofsouza
 
Visao cienc
Visao ciencVisao cienc
fred-kerlinger-metodologia-da-pesquisa-em-ciencias-sociais
fred-kerlinger-metodologia-da-pesquisa-em-ciencias-sociaisfred-kerlinger-metodologia-da-pesquisa-em-ciencias-sociais
fred-kerlinger-metodologia-da-pesquisa-em-ciencias-sociais
ISTA- Instituto Superior Técnico de Angola
 

Semelhante a A Crise dos Refugiados parte I (20)

Fichamento: BECKER, Howard S. Métodos de Pesquisa em Ciências Sociais
Fichamento: BECKER, Howard S. Métodos de Pesquisa em Ciências SociaisFichamento: BECKER, Howard S. Métodos de Pesquisa em Ciências Sociais
Fichamento: BECKER, Howard S. Métodos de Pesquisa em Ciências Sociais
 
Manual de investigação em ciências sociais
Manual de investigação em ciências sociaisManual de investigação em ciências sociais
Manual de investigação em ciências sociais
 
Teoria e metodologia da pesquisa educacional
Teoria e metodologia da pesquisa educacionalTeoria e metodologia da pesquisa educacional
Teoria e metodologia da pesquisa educacional
 
Aula online pesquisa em serviço social iii
Aula online pesquisa em serviço social iiiAula online pesquisa em serviço social iii
Aula online pesquisa em serviço social iii
 
52150697 resenha-critica-abnt-o-trabalho-thau1
52150697 resenha-critica-abnt-o-trabalho-thau152150697 resenha-critica-abnt-o-trabalho-thau1
52150697 resenha-critica-abnt-o-trabalho-thau1
 
Resenha critica
Resenha criticaResenha critica
Resenha critica
 
Resenha critica
Resenha criticaResenha critica
Resenha critica
 
Módulo 1 - Introdução à comunicação científica.pdf
Módulo 1 - Introdução à comunicação científica.pdfMódulo 1 - Introdução à comunicação científica.pdf
Módulo 1 - Introdução à comunicação científica.pdf
 
Manual de investigação
Manual de investigaçãoManual de investigação
Manual de investigação
 
Met. Cientifica
Met. CientificaMet. Cientifica
Met. Cientifica
 
A prática da pesquisa científica
A prática da pesquisa científicaA prática da pesquisa científica
A prática da pesquisa científica
 
Cardoso ciro como_elaborar_projeto_pesquisa
Cardoso ciro como_elaborar_projeto_pesquisaCardoso ciro como_elaborar_projeto_pesquisa
Cardoso ciro como_elaborar_projeto_pesquisa
 
Cardoso ciro como_elaborar_projeto_pesquisa
Cardoso ciro como_elaborar_projeto_pesquisaCardoso ciro como_elaborar_projeto_pesquisa
Cardoso ciro como_elaborar_projeto_pesquisa
 
Resenha: Um discurso sobre as ciências / Como se faz uma tese
Resenha: Um discurso sobre as ciências / Como se faz uma teseResenha: Um discurso sobre as ciências / Como se faz uma tese
Resenha: Um discurso sobre as ciências / Como se faz uma tese
 
A Arte de Pesquisar - Mirian Goldenberg.PDF
A Arte de Pesquisar - Mirian Goldenberg.PDFA Arte de Pesquisar - Mirian Goldenberg.PDF
A Arte de Pesquisar - Mirian Goldenberg.PDF
 
Resenhacrtica modelo-111108071011-phpapp02
Resenhacrtica modelo-111108071011-phpapp02Resenhacrtica modelo-111108071011-phpapp02
Resenhacrtica modelo-111108071011-phpapp02
 
Profissão de Sociólogo - Bourdieu et al.
Profissão de Sociólogo - Bourdieu et al.Profissão de Sociólogo - Bourdieu et al.
Profissão de Sociólogo - Bourdieu et al.
 
Metodologia do Trabalho Científico
Metodologia do Trabalho CientíficoMetodologia do Trabalho Científico
Metodologia do Trabalho Científico
 
Visao cienc
Visao ciencVisao cienc
Visao cienc
 
fred-kerlinger-metodologia-da-pesquisa-em-ciencias-sociais
fred-kerlinger-metodologia-da-pesquisa-em-ciencias-sociaisfred-kerlinger-metodologia-da-pesquisa-em-ciencias-sociais
fred-kerlinger-metodologia-da-pesquisa-em-ciencias-sociais
 

Mais de Joana Filipa Rodrigues

O Acordo Nuclear entre o Irão e o P5 + 1/UE (2015)
O Acordo Nuclear entre o Irão e o P5 + 1/UE (2015)O Acordo Nuclear entre o Irão e o P5 + 1/UE (2015)
O Acordo Nuclear entre o Irão e o P5 + 1/UE (2015)
Joana Filipa Rodrigues
 
A Teoria Crítica pelos olhos de Robert Cox
A Teoria Crítica pelos olhos de Robert CoxA Teoria Crítica pelos olhos de Robert Cox
A Teoria Crítica pelos olhos de Robert Cox
Joana Filipa Rodrigues
 
Soberania - Sovereignty by Sorensen
Soberania - Sovereignty by SorensenSoberania - Sovereignty by Sorensen
Soberania - Sovereignty by Sorensen
Joana Filipa Rodrigues
 
Joint Comprehensive Plan of Action - JCPOA (2015)
Joint Comprehensive Plan of Action - JCPOA (2015)Joint Comprehensive Plan of Action - JCPOA (2015)
Joint Comprehensive Plan of Action - JCPOA (2015)
Joana Filipa Rodrigues
 
Comunidade Europeia: OPNI?
Comunidade Europeia: OPNI?Comunidade Europeia: OPNI?
Comunidade Europeia: OPNI?
Joana Filipa Rodrigues
 
Victor Gavin
Victor GavinVictor Gavin
Liberdade vs. Igualdade
Liberdade vs. IgualdadeLiberdade vs. Igualdade
Liberdade vs. Igualdade
Joana Filipa Rodrigues
 
Globalização e Direitos Humanos
Globalização e Direitos HumanosGlobalização e Direitos Humanos
Globalização e Direitos Humanos
Joana Filipa Rodrigues
 
A sátira e a crítica social no Memorial do Convento
A sátira e a crítica social no Memorial do ConventoA sátira e a crítica social no Memorial do Convento
A sátira e a crítica social no Memorial do Convento
Joana Filipa Rodrigues
 
Fidel Castro
Fidel CastroFidel Castro
O racionalismo de Descartes
O racionalismo de DescartesO racionalismo de Descartes
O racionalismo de Descartes
Joana Filipa Rodrigues
 
O empirismo de david hume
O empirismo de david humeO empirismo de david hume
O empirismo de david hume
Joana Filipa Rodrigues
 
Estrutura do ato de conhecer
Estrutura do ato de conhecer Estrutura do ato de conhecer
Estrutura do ato de conhecer
Joana Filipa Rodrigues
 
Kant e Stuart Mill
Kant e Stuart MillKant e Stuart Mill
Kant e Stuart Mill
Joana Filipa Rodrigues
 
As TIC e o seu impacto
As TIC e o seu impactoAs TIC e o seu impacto
As TIC e o seu impacto
Joana Filipa Rodrigues
 
Evolução Democrática
Evolução DemocráticaEvolução Democrática
Evolução Democrática
Joana Filipa Rodrigues
 
Sociedade Oitocentista - Século XIX
Sociedade Oitocentista - Século XIXSociedade Oitocentista - Século XIX
Sociedade Oitocentista - Século XIX
Joana Filipa Rodrigues
 

Mais de Joana Filipa Rodrigues (17)

O Acordo Nuclear entre o Irão e o P5 + 1/UE (2015)
O Acordo Nuclear entre o Irão e o P5 + 1/UE (2015)O Acordo Nuclear entre o Irão e o P5 + 1/UE (2015)
O Acordo Nuclear entre o Irão e o P5 + 1/UE (2015)
 
A Teoria Crítica pelos olhos de Robert Cox
A Teoria Crítica pelos olhos de Robert CoxA Teoria Crítica pelos olhos de Robert Cox
A Teoria Crítica pelos olhos de Robert Cox
 
Soberania - Sovereignty by Sorensen
Soberania - Sovereignty by SorensenSoberania - Sovereignty by Sorensen
Soberania - Sovereignty by Sorensen
 
Joint Comprehensive Plan of Action - JCPOA (2015)
Joint Comprehensive Plan of Action - JCPOA (2015)Joint Comprehensive Plan of Action - JCPOA (2015)
Joint Comprehensive Plan of Action - JCPOA (2015)
 
Comunidade Europeia: OPNI?
Comunidade Europeia: OPNI?Comunidade Europeia: OPNI?
Comunidade Europeia: OPNI?
 
Victor Gavin
Victor GavinVictor Gavin
Victor Gavin
 
Liberdade vs. Igualdade
Liberdade vs. IgualdadeLiberdade vs. Igualdade
Liberdade vs. Igualdade
 
Globalização e Direitos Humanos
Globalização e Direitos HumanosGlobalização e Direitos Humanos
Globalização e Direitos Humanos
 
A sátira e a crítica social no Memorial do Convento
A sátira e a crítica social no Memorial do ConventoA sátira e a crítica social no Memorial do Convento
A sátira e a crítica social no Memorial do Convento
 
Fidel Castro
Fidel CastroFidel Castro
Fidel Castro
 
O racionalismo de Descartes
O racionalismo de DescartesO racionalismo de Descartes
O racionalismo de Descartes
 
O empirismo de david hume
O empirismo de david humeO empirismo de david hume
O empirismo de david hume
 
Estrutura do ato de conhecer
Estrutura do ato de conhecer Estrutura do ato de conhecer
Estrutura do ato de conhecer
 
Kant e Stuart Mill
Kant e Stuart MillKant e Stuart Mill
Kant e Stuart Mill
 
As TIC e o seu impacto
As TIC e o seu impactoAs TIC e o seu impacto
As TIC e o seu impacto
 
Evolução Democrática
Evolução DemocráticaEvolução Democrática
Evolução Democrática
 
Sociedade Oitocentista - Século XIX
Sociedade Oitocentista - Século XIXSociedade Oitocentista - Século XIX
Sociedade Oitocentista - Século XIX
 

Último

Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
erssstcontato
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
AntonioLobosco3
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 

Último (20)

Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 

A Crise dos Refugiados parte I

  • 1. Coimbra 2015/2016 A CRISE DOS REFUGIADOS: AGRAVAMENTO DAS DESIGUALDADES E DA EXCLUSÃO SOCIAL? Curso: Licenciatura em Relações Internacionais Cadeira: Metodologia da Pesquisa Docente: Elísio Estanque Trabalho de: Alyona Kaduchenko, 2015238929 Joana Filipa Neves Rodrigues, 2015249430 Joana Filipa Prata e Cunha, 2015230979
  • 2. 2 ÍNDICE I. Introdução II. Abordagem genérica III. O problema do conhecimento das ciências sociais a. A construção do conhecimento e obstáculos epistemológicos IV. Bibliografia a. Dos textos citados b. Dos temas a desenvolver
  • 3. 3 I. Introdução No contexto da cadeira de Metodologia da Pesquisa do 1º semestre do 1º ano da Licenciatura em Relações Internacionais da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, no decorrer do ano letivo 2015/2016, o docente Elísio Estanque propôs-nos a elaboração de um trabalho de investigação referente a um tema inserido nos três propostos. Com efeito, realizada uma reflexão crítica, o nosso grupo deliberou, decidindo que o tema a abordar seria «Desigualdades e exclusão social: Problemáticas socioculturais da integração dos refugiados na sociedade europeia atual». II. Abordagem genérica Enquanto seres sociais, deparamo-nos diariamente, direta ou indiretamente, com situações de desigualdade e exclusão social de minorias que têm vindo a ganhar cada vez mais dimensão. Não obstante, a integração dos refugiados de guerra na Europa enfrenta bastantes obstáculos, como o choque cultural que provoca nas sociedades nas quais são inseridos, dadas as diferenças de pensamento e de ideologias. Além disso, o facto de estarem a ser asseguradas as necessidades básicas a estes sujeitos enquanto muitos cidadãos ainda não beneficiam destas tem despoletado sentimentos de revolta e angústia, dificultando a integração social dos refugiados. Neste contexto, o fenómeno da exclusão social tem vindo a agravar-se e, assim, estando plenamente conscientes da forma como estas situações nos afetam pelo seu impacto em diversos domínios da vida em sociedade (económico, social, cultural e político), considerámos ser impreterível o estudo deste fenómeno social, visando uma melhor compreensão do mesmo. III. O problema do conhecimento das ciências sociais Os indivíduos, enquanto seres sociais estão inseridos num meio físico e social, emitindo muitas das vezes uma opinião sobre o que os rodeia sem esta estar devidamente fundamentada, não constituindo assim o desenvolvimento científico. Para atingir o conhecimento científico, é necessária a rutura com as explicações do senso comum a par com o recurso a teorias e métodos para testar as hipóteses explicativas formuladas. Muitas vezes, o processo de construção do conhecimento é perturbado pelas explicações do senso comum e da ilusão da transparência do social, que podem induzir em erro ao fazer parecer algo demasiado simples. O senso comum consiste em opiniões pessoais baseadas em noções e representações individuais, em interpretações imediatas e espontâneas da realidade; sendo, por isso, um conhecimento desorganizado, não sistemático e não comprovado; devendo ser excluído no processo de construção do conhecimento científico. Este, por sua vez, é racional, objetivo, factual, analítico, preciso, metódico, sistemático e verificável. (Andrade e Moinhos, 2013: 35, 37, 39) Orna, 1995, 36 apud Bell: «não há uma ‘maneira correta’ de fazer as coisas e os investigadores bem-sucedidos usam uma grande variedade de estratégias».
  • 4. 4 O exercício da escrita de um trabalho de pesquisa assemelha-se, de certo modo, ao exercício da comunicação, daí a importância atribuída ao público, aos examinadores e aos leitores, pois serão eles os avaliadores da tarefa elaborada. Como Zina O’leary afirma «A pesquisa é normalmente avaliada/criticada não pelo que fizeste, mas pela tua habilidade de reportar/transmitir aquilo que fizeste.» (O’leary, p.278) Tradicionalmente, a investigação divide-se em três fases: 1) Proposta do objeto de investigação; 2) Condução da investigação; 3) Redação da pesquisa, das informações recolhidas, formulação do texto. A partir do momento em que se inicia uma investigação, é necessário que o indivíduo tire apontamentos sobre o objeto que analisa, bem como as fontes que utiliza. Esta ação irá não só facilitar-lhe o trabalho no momento da redação deste, como desenvolverá também as suas capacidades de reter a informação de que necessita. (O’leary, p. 282) Quanto à estrutura do trabalho, antes de o investigador «saltar de cabeça» e passar à redação de um texto final, este deve realizar uma planificação dos capítulos, das partes que irão compor o trabalho. I. Os métodos são uma parte fundamental num trabalho de investigação. Questões como Como se encontrou a informação necessária?, A que tipo de fontes de recorreu? serão respondidas. De modo sucinto, nestas duas últimas etapas, o investigador relata o caminho feito até aos dados necessários para a realização dos seus argumentos e conclusões. II. Na exposição do objeto de investigação, é necessário que esta esteja bem explícita e é preciso que seja fornecida uma justificação forte para a escolha do objeto de estudo e dos métodos utilizados, de modo a convencer o leitor de que a informação redigida é credível. (O’leary, p.287) Após ter um texto redigido, o autor precisa de se preparar para a apresentação de um primeiro esboço, que pode sofrer imensas alterações, tendo em conta a quantidade e qualidade do feedback que recebe. Com efeito, o investigador precisa de estar disposto a receber várias opiniões e críticas. Numa fase inicial, pretenderá receber opiniões sobre as suas ideias, a estrutura e a lógica do trabalho e numa fase posterior já procurará sugestões para a consistência e coerência do texto. Um dos conselhos dados ainda ao investigador é o de pedir a alguém inexperiente para ler o trabalho, no sentido de apurar a clareza do conteúdo do mesmo. (O’leary, p.289) Todavia, no decorrer da elaboração de trabalhos, o investigador enfrenta algumas dificuldades relacionadas com o problema do conhecimento das ciências sociais. O nosso conhecimento e as nossas crenças baseiam-se em observações que realizamos sobre o mundo que nos rodeia. Estas podem constituir o material de partida para uma investigação científica; mas há que ter em atenção o problema e o ponto de vista através do qual se examinam as observações. (Alasuutari, p.25) Por muito que o sujeito tente ser isento nas suas observações, este já possui informações adquiridas previamente que influenciam a sua visão sobre uma certa proposição, umas vez que este está inserido num contexto histórico-social que leva inevitavelmente a um exame crítico da realidade. (Alasuutari, p.26) Como Durkheim disse «O homem não pode viver no meio de coisas sem fazer delas ideias segundo as quais regula o seu comportamento».
  • 5. 5 Antes de mais, é importante selecionar as observações consoante a relevância que têm para o problema em causa. No entanto não deve omitir certas observações sem explicar por que o fez; E esta seleção ira depender da estrutura teórica e do método de pesquisa adotado. (Alasuutari, p.28) A metodologia de pesquisa consiste no conjunto de práticas e técnicas através das quais o investigador produz observações. (Alasuutari, p.29) As observações que o pesquisador selecionar para incluir no seu trabalho irão constituir as hipóteses de trabalho, e, assim, a estrutura teórica do mesmo (por exemplo, no caso dos homicídios, os detetives investigarão os motivos que parecem ser mais plausíveis para o sucedido). Na pesquisa científica a escolha dos métodos está condicionada à etapa precedente (definição dos hipóteses de trabalho). (Alasuutari, p.30) Seguidamente, as hipóteses serão testadas na tentativa de resolver a pergunta de partida. E se o investigador encontrar uma explicação lógica que considere plausível e assim correta chamar-lhe-á evidência. (Alasuutari, p.32) Toda a vida, algumas conclusões são mais fiáveis do que outras (Alasuutari, p.33), mas o mais importante é a criação de um modelo lógico de explicação no qual todas as peças se encaixem. (Alasuutari, p.34) As investigações estatísticas sociais não vão, normalmente, considerar material empírico recolhido através de outro ângulo que não suporte as hipóteses propostas no início do artigo. As investigações qualitativas começam, na sua generalidade, mais com uma descrição e menos com uma interpretação. Uma característica em comum destes dois tipos de investigação social empírica é que as tentativas e erros raramente são documentados. O processo de pesquisa prossegue alternadamente em duas direções diferentes: da específica para a genérica e da genérica para a específica, até que a solução final seja eventualmente encontrada. (Alasuutari, p.35) Neste sentido, espera-se que as ciências sociais produzam hipóteses universalmente válidas. A nova explicação de um dado fenómeno baseada numa análise de um caso individual faz com que seja necessário construir uma nova abordagem crítica para os “factos” e “evidências” que foram construídas com base na estrutura teórica anterior e nos seus modelos explicativos. (Alasuutari, p.36) A investigação social tem ainda que justificar os seus argumentos, referentes às observações que se suportam naquilo que foi dito. (Alasuutari, p.37) Deste modo, com a elaboração deste trabalho pretendemos obter resposta às questões «Quão grave é a desigualdade e a exclusão social atualmente nas sociedades europeias? E de que modo a crise dos refugiados pode agravar esta realidade?»
  • 6. 6 Bibliografia a) Citada 1) ALASUUTARI, PPERTI, 1998, “OBSERVATIONS, DEDUCTIONS AND CLUES” IN IDEM, AN INVITATION TO SOCIAL RESEARCH, LONDON: SAGE PUBLICATIONS 2) ANDRADE, ANA BELA E MOINHOS, ROSA, 2013, SOCIOLOGIA 12º ANO. LISBOA: PLÁTANO EDITORA 3) BELL, JUDITH, 2004, “REGISTO DE INFORMAÇÕES, APONTAMENTOS E BIBLIOTECAS” IN IDEM, COMO REALIZAR UM PROJETO DE INVESTIGAÇÃO. LISBOA: GRADIVA 4) O’LEARY, ZINA, 2010, “THE CHALLENGE OF WRITING UP” IN IDEM, THE ESSENCIAL GUIDE TO DOING YOUR RESEARCH PROJECT. LONDON, SAGE PUBLICATIONS 5) SILVA, AUGUSTO SANTO, 1997, “A RUTURA COM O SENSO COMUM NAS CIÊNCIAS SOCIAIS” IN AUGUSTO SANTOS SILVA E JOSÉ MADUREIRA PINTO (ORGS.), METODOLOGIA DAS CIENCIAS SOCIAS. PORTO, EDIÇÕES AFRONTAMENTO b) Do tema a desenvolver 1) Silva, Manuel (2009), «Desigualdade e exclusão social: de breve revisitação a uma síntese proteórica», <http://configuracoes.revues.org/132> (consultado no dia 21-10- 2015) 2) Peixoto, Paulo (2010), «Pobreza e Exclusão Social», <http://www4.fe.uc.pt/fontes/trabalhos/2009023.pdf> (consultado no dia 21-10-2015) 3) Crisóstomo, Adinei e Alves, Luanne (2013), «Políticas públicas, desigualdades, pobreza e exclusão», <http://www.efdeportes.com/efd180/politicas-publicas-x-desigualdades- pobreza-e-exclusao.htm> (consultado no dia 22-10-2015) 4) Wlodarski, Regiane e Cunha, Luiz, «Desigualdade social e pobreza como consequências do desenvolvimento da sociedade», <http://www.uel.br/grupo- estudo/processoscivilizadores/portugues/sitesanais/anais9/artigos/workshop/art15.p df> (consultado no dia 23-10-2015) 5) Observatório das Desigualdades (2014), «Risco de pobreza em Portugal e na Europa», <http://observatorio-das-desigualdades.com/2014/07/28/risco-de-pobreza-em- portugal-e-na-europa/#more-1462 >(consultado no dia 23-10-2015) 6) Observatório das Desigualdades (2014), «Risco de Pobreza em Portugal – valor mais elevado desde 2005», <http://observatorio-das-desigualdades.com/2014/03/27/risco- de-pobreza-em-portugal-valor-mais-elevado-desde-2005/#more-1009> (consultado no dia 23-10-2015)