SlideShare uma empresa Scribd logo
Trabalho realizado por:
André Rocha nº2 12ºP
João Maia nº6 12ºP
Maria Inês nº7 12ºP
Mensagem
“D.
Sebastião,
Rei de
Portugal”
*O “desejado”
*Convicto de que a sua missão era espalhar a fé
cristã
*“Morreu” na batalha de Alcácer-Quibir
*Mito sebastianista
D. Sebastião
MitoSebastianista
O sebastianismo, fundamentalmente, o que é?
É um movimento religioso, feito em volta duma figura nacional, no sentido de um mito.
No sentido simbólico D. Sebastião é Portugal:
Portugal que perdeu a sua grandeza com D. Sebastião, e que só voltará a tê-la com o regresso
dele, regresso simbólico ( como, por um mistério espantoso e divino, a própria vida dele fora
simbólica ) mas em que não é absurdo confiar.
D. Sebastião voltará, diz a lenda, por uma manhã de névoa, no seu cavalo branco, vindo da
ilha longínqua onde esteve esperando a hora de voltar
A manhã de névoa indica, evidentemente, um renascimento anuviado por elementos de
decadência, por restos da Noite onde viveu a nacionalidade.
 D. Sebastião não morreu porque os símbolos não morrem. O desaparecimento físico
de D. Sebastião proporciona a libertação da alma portuguesa.
 D. Sebastião aparece cinco vezes explicitamente na Mensagem (uma vez nas Quinas,
outra em Mar português e três vezes nos Símbolos). Aliás, pode mesmo dizer-se que o
Brasão e o Mar português são a preparação para a chegada do Encoberto, na sua
qualidade de Messias de Portugal.
D. Sebastião faz uma espécie de elogio da loucura
D. Sebastião, Rei de Portugal
Louco, sim, louco, porque quis grandeza
Qual a Sorte a não dá.
Não coube em mim minha certeza;
Por isso onde o areal está
Ficou meu ser que houve, não o que há.
Minha loucura, outros que me a tomem
Com o que nela ia.
Sem a loucura que é o homem
Mais que a besta sadia,
Cadáver adiado que procria?
Localização na obra
Brasão
III As QuinasQuinto- D.Sebastião,
Rei de Portugal
Assunto do poema
O poema divide-se em duas partes a primeira estrofe que corresponde à primeira quintilha e a
segunda estrofe que corresponde à segunda quintilha.
Primeira estrofe
 O sujeito poético auto
carateriza-se como sendo
“louco”.
Segunda estrofe
 Faz uma apologia da
loucura, um elogio, exortando a
que outros dêem continuidade
ao seu sonho.
Análise do poema
Quanto á métrica e á rima os versos são irregulares.
Os versos variam entre as seis, oito e dez silabas métricas.
Esquema rimático: ababb  contem rima emparelhada.
Louco, sim, louco, porque quis grandeza a
Qual a Sorte a não dá. b
Não coube em mim minha certeza; a
Por isso onde o areal está b
Ficou meu ser que houve, não o que há. b
Compreensão e
interpretação
1. Faz um levantamento dos traços que
caraterizam D. Sebastião, neste
poema, e compara-os com o que sabes
sobre este rei.
Segundo o poema D. Sebastião era “louco”  na batalha de Alcácer
Quibir o rei enfrentou uma batalha que já por si estava perdida ora, D.
Sebastião, apesar de ter falhado o empreendimento épico, foi em frente, e
morreu por uma ideia de grandeza, e essa é a ideia que deve persistir,
mesmo após sua morte.
2. Explica a referência ao “areal”
(v.4), tendo em conta a informação
histórica. Faz referencia ao campo de batalha onde D. Sebastião morreu 
batalha de Alcácer Quibir
 D. Sebastião foi o “ser que houve”, que encontrou a destruição física no
“areal”
3. Interpreta o sentido do quinto verso
“ficou meu ser que houve, não o que há”
 Ficou o corpo, não a alma que vive eterna. (mas que se distinguiu pela
imortalidade tornando-se assim um mito, permanecendo na memória do
seu povo.)
 Enquanto figura histórica, D. Sebastião morreu em Alcácer-Quibir (“ficou
meu ser que houve”) mas persiste enquanto lenda e exemplo de “loucura”
(“não o que há”)
4. Identifica uma expressão que
indique uma projeção para o futuro.
Louco, sim, louco, porque quis grandeza
Qual a Sorte a não dá.
Não coube em mim minha certeza;
Por isso onde o areal está
Ficou meu ser que houve, não o que há.
Minha loucura, outros que me a tomem
Com o que nela ia.
Sem a loucura que é o homem
Mais que a besta sadia,
Cadáver adiado que procria?
Projeção para o
futuro
5. Atenda nos três últimos versos.
Sem a loucura que é o homem
Mais que a besta sadia,
Cadáver adiado que procria?
5.1. Comenta a definição de “homem”
e de “loucura” neles contida. Sem a loucura o Homem é um “cadáver adiado que procria”, pois gera novas
gerações mas não preenche os objetivos para o qual foi criado.
 A “loucura” ou “sonho” é a capacidade de desejar e ter iniciativa, para ultrapassar o
estado de “cadáver adiado que procria” (simplesmente vive esperando a morte)
5.2. Refere o valor expressivo da
interrogação no final do poema.
5.3. Memoriza o poema
 D. Sebastião é um “cadáver adiado” porque não conseguiu cumprir aquilo
para o qual foi criado.
 Sem o sonho, “a loucura” e a ambição, o Homem não se distingue do animal.
 A interrogação retórica já se entende qual será a resposta.
Sem a loucura que é o homem
Mais que a besta sadia,
Cadáver adiado que procria?
6. Analisa os efeitos de sentido
produzidos pelo uso da primeira pessoa
do singular.
 É D. Sebastião que nos “fala”;
 D. Sebastião o “louco”, neste poema fala-nos da sua própria loucura mostrando o
seu orgulho perante o que fez.
 O facto de D. Sebastião nos comunicar este acontecimento faz-nos estar mais
próximos dele do que se fosse o próprio poeta a falar-nos.
 Torna mais dramático o poema
Intertextualidade
Louco, sim, louco, porque quis grandeza
Qual a Sorte a não dá.
Não coube em mim minha certeza;
Por isso onde o areal está
Ficou meu ser que houve, não o que há.
Minha loucura, outros que me a tomem
Com o que nela ia.
Sem a loucura que é o homem
Mais que a besta sadia,
Cadáver adiado que procria?
E vós, ó bem nascida segurança
De Lusitana antiga liberdade,
E não menos certíssima esperança
De aumento da pequena Cristandade;
Vós, ó novo temor da Maura lança,
Maravilha fatal da nossa idade,
Dada ao mundo por Deus, que todo o
mande,
Pera do mundo a Deus dar parte grande;
[…]
Vós, poderoso Rei, cujo alto Império
O Sol, logo em nascendo, vê primeiro,
Vê-o também no meio do Hemisfério,
E quando dece o deixa derradeiro;
Vós, que esperamos jugo e vitupério
Do torpe Ismaelita cavaleiro,
Do Turco Oriental e do Gentio
Que inda bebe o licor do santo Rio:
Inclinai por um pouco a majestade
Que nesse terno gesto vos contemplo,
Que já se mostra qual na inteira idade,
Quando subindo ireis ao eterno templo;
[…]
Mensagem Os Lusíadas
(dedicatória –
estância. 6, 8 e
9)
Os LusíadasMensagem
Fernando
Pessoa:
Luís Vaz de
Camões:
 Dedica a sua obra a D. Sebastião
 Elogia as suas caraterísticas como Rei
 Apresenta D. Sebastião como uma
garantia para que haja independência
para Portugal e segurança
 Exalta o Rei como aquele a quem
cabe a missão de expandir a fé cristã
 Apresenta D. Sebastião como alguém
que se imortalizou por ter lutado
pelos seus objetivos, de forma
distinta;
 Apela aos portugueses para aderirem
à mesma atitude. Só dessa forma
Portugal pode assumir um possível
futuro promissor.
Os Lusíadas
 O rei é caraterizado como alguém
bondoso, “poderoso” (“ Vós, poderoso
Rei, cujo alto Império”) , indulgente,
rei jovem, rei promissor, desejado e
respeitado pelo povo (“ que nesse
tenro gesto vos contemplo,”)
Mensagem
Os traços caraterizadores
evidenciados
 O rei é caraterizado como sendo
“louco”.
 Este poema mostra-nos que o Rei
era aventureiro.
Os elementos históricos
referidos
Os LusíadasMensagem
 Batalha de Alcácer Quibír
“por isso onde o areal está /
ficou meu ser que houve, não
o que há.”
 Dependência de Portugal
“ Minha loucura, outros que
me a tomem / com o que nela
ia”
 Batalha de Alcácer Quibír
“Vê-o também no meio do Hemisfério,
E quando dece o deixa derradeiro;
Vós, que esperamos jugo e vitupério
Do torpe Ismaelita cavaleiro,
Do Turco Oriental e do Gentio”
 Penhor da independência de Portugal
“E vós, ó bem nascida segurança
De Lusitana antiga liberdade,
E não menos certíssima esperança”
A oposição entre retrato
histórico e retrato mítico
Mensagem
Retrato
histórico
Retrato
mítico
Por isso onde o areal está
Ficou meu ser que houve, não o que há
O sujeito poético faz referência à figura histórica de D. Sebastião
que, em virtude da loucura de conquistar África, acabou por ser
morte em Alcácer Quibir, mas ao mesmo tempo, e sobretudo ao ser
mítico, que perdura através do mito de que um dia voltará a aparecer
envolto em nevoeiro, para retirar Portugal da “Noite” em que vive
desde o seu desaparecimento.
Os Lusíadas
Retrato
histórico
Retrato
mítico
Vós, poderoso Rei, cujo alto Império
O Sol, logo em nascendo, vê primeiro
E vós, ó bem nascida segurança
De Lusitana antiga liberdade,
Referência a D. Sebastião, rei
de Portugal
Referência ao mito sebastianista
 Concluindo, ao contrário do D.
Sebastião D’Lusíadas, do rei
menino a quem Camões dedica a
sua epopeia, a quem interessa
mostrar-se, oferecer os seus
serviços para que este o
reconheça, o distinga e ainda lhe
permita acompanhá-lo na
conquista do Norte de África,
apesar das opiniões contrárias que
se fazem ouvir e que Camões tão
bem imortaliza no episódio do
Velho do Restelo.
 O D. Sebastião da Mensagem foi
o governante, que com grande
fervor político e religioso, tentou
acabar com as constantes
ameaças às costas portuguesas e
reviver as glórias do Passado e
sobretudo o mito que possibilita
continuar a sonhar.
 Na Mensagem, e de certa forma
em D. Sebastião, temos uma
reinterpretação da história de
Portugal em função de uma
ressurreição de um passado
heróico a perpetuar através de
um novo Império espiritual.
Os LusíadasMensagem
Comenta o seguinte juízo
crítico:
D. Sebastião [é] símbolo da loucura que transfigura, da esperança que alenta e do
Sonho que há de ser Realidade.
Símbolo da loucura audaciosa e de aventura:
D. Sebastião, apesar de ter falhado foi em frente, e morreu por uma ideia de grandeza, e
essa é a ideia que deve persistir, mesmo após a sua morte, é essa coragem que, embora
nos possa parecer loucura, foi uma forma de lutar por aquilo que ele queria e é essa
ideia que nos transmite esperança, e o facto de que ele pode voltar pode ser um sonho
mas que com a força e esperança do povo pode vir a ser realidade o que ele queria que
Portugal se tornasse.
Mensagem - D. Sebastião Rei de Portugal

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

"D. Sebastião, Rei de Portugal" - análise
"D. Sebastião, Rei de Portugal" - análise"D. Sebastião, Rei de Portugal" - análise
"D. Sebastião, Rei de Portugal" - análise
Maria João Oliveira
 
A "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. PessoaA "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. Pessoa
Dina Baptista
 
Sebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Sebastianismo: Os Lusíadas & MensagemSebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Sebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Inesa M
 
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e MensagemIntertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Paulo Vitorino
 
A mensagem de fernando pessoa
A mensagem de fernando pessoa A mensagem de fernando pessoa
A mensagem de fernando pessoa
balolas
 
Ceifeira
CeifeiraCeifeira
Características poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo ReisCaracterísticas poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo Reis
Dina Baptista
 
Estrutura externa e interna d'os lusíadas
Estrutura externa e interna d'os lusíadasEstrutura externa e interna d'os lusíadas
Estrutura externa e interna d'os lusíadas
claudiarmarques
 
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão LopesCrónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
Gijasilvelitz 2
 
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
FilipaFonseca
 
Estrutura mensagem
Estrutura mensagemEstrutura mensagem
Estrutura mensagem
ameliapadrao
 
Memorial do Convento - linguagem e estilo
Memorial do Convento - linguagem e estiloMemorial do Convento - linguagem e estilo
Memorial do Convento - linguagem e estilo
FilipaFonseca
 
Sísifo- Miguel Torga
Sísifo- Miguel TorgaSísifo- Miguel Torga
Sísifo- Miguel Torga
Leandro Fernandes
 
Mensagem síntese
Mensagem   sínteseMensagem   síntese
Mensagem síntese
ancrispereira
 
Análise do episódio "Inês de Castro"
Análise do episódio "Inês de Castro"Análise do episódio "Inês de Castro"
Análise do episódio "Inês de Castro"
Inês Moreira
 
S. Leonardo da Galafura
S. Leonardo da GalafuraS. Leonardo da Galafura
S. Leonardo da Galafura
Vitor Peixoto
 
Fernando Pessoa Prece
Fernando Pessoa PreceFernando Pessoa Prece
Fernando Pessoa Prece
Samuel Neves
 
ComemD. João I in Mensagem, de Fernando Pessoa
ComemD. João I in  Mensagem, de Fernando Pessoa ComemD. João I in  Mensagem, de Fernando Pessoa
ComemD. João I in Mensagem, de Fernando Pessoa
Ana Cristina Matias
 
"Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade""Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade"
MiguelavRodrigues
 
Características de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de CamposCaracterísticas de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de Campos
Aline Araújo
 

Mais procurados (20)

"D. Sebastião, Rei de Portugal" - análise
"D. Sebastião, Rei de Portugal" - análise"D. Sebastião, Rei de Portugal" - análise
"D. Sebastião, Rei de Portugal" - análise
 
A "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. PessoaA "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. Pessoa
 
Sebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Sebastianismo: Os Lusíadas & MensagemSebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Sebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
 
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e MensagemIntertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
 
A mensagem de fernando pessoa
A mensagem de fernando pessoa A mensagem de fernando pessoa
A mensagem de fernando pessoa
 
Ceifeira
CeifeiraCeifeira
Ceifeira
 
Características poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo ReisCaracterísticas poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo Reis
 
Estrutura externa e interna d'os lusíadas
Estrutura externa e interna d'os lusíadasEstrutura externa e interna d'os lusíadas
Estrutura externa e interna d'os lusíadas
 
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão LopesCrónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
 
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
 
Estrutura mensagem
Estrutura mensagemEstrutura mensagem
Estrutura mensagem
 
Memorial do Convento - linguagem e estilo
Memorial do Convento - linguagem e estiloMemorial do Convento - linguagem e estilo
Memorial do Convento - linguagem e estilo
 
Sísifo- Miguel Torga
Sísifo- Miguel TorgaSísifo- Miguel Torga
Sísifo- Miguel Torga
 
Mensagem síntese
Mensagem   sínteseMensagem   síntese
Mensagem síntese
 
Análise do episódio "Inês de Castro"
Análise do episódio "Inês de Castro"Análise do episódio "Inês de Castro"
Análise do episódio "Inês de Castro"
 
S. Leonardo da Galafura
S. Leonardo da GalafuraS. Leonardo da Galafura
S. Leonardo da Galafura
 
Fernando Pessoa Prece
Fernando Pessoa PreceFernando Pessoa Prece
Fernando Pessoa Prece
 
ComemD. João I in Mensagem, de Fernando Pessoa
ComemD. João I in  Mensagem, de Fernando Pessoa ComemD. João I in  Mensagem, de Fernando Pessoa
ComemD. João I in Mensagem, de Fernando Pessoa
 
"Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade""Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade"
 
Características de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de CamposCaracterísticas de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de Campos
 

Destaque

"Fernão de Magalhães", a Mensagem
"Fernão de Magalhães", a Mensagem"Fernão de Magalhães", a Mensagem
"Fernão de Magalhães", a Mensagem
Isabel Costa
 
Biografia Nuno Alvares
Biografia Nuno AlvaresBiografia Nuno Alvares
Mensagem
MensagemMensagem
Mensagem
Antónia Mancha
 
Sebastianismo e Quinto Imperio
Sebastianismo e Quinto ImperioSebastianismo e Quinto Imperio
Sebastianismo e Quinto Imperio
complementoindirecto
 
6 o sebastianismo
6  o sebastianismo6  o sebastianismo
6 o sebastianismo
António Fernandes
 
"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa
"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa
"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa
FilipaFonseca
 
Sebastianismo e V Império
Sebastianismo e V ImpérioSebastianismo e V Império
Sebastianismo e V Império
complementoindirecto
 
Intertextualidade Mensagem e Os Lusíadas
Intertextualidade Mensagem e Os LusíadasIntertextualidade Mensagem e Os Lusíadas
Intertextualidade Mensagem e Os Lusíadas
António Teixeira
 
Semelhança Os Lusíadas e Mensagem
Semelhança Os Lusíadas e MensagemSemelhança Os Lusíadas e Mensagem
Semelhança Os Lusíadas e Mensagem
Ricardo Santos
 
O sebastianismo e o mito do quinto império
O sebastianismo e o mito do quinto impérioO sebastianismo e o mito do quinto império
O sebastianismo e o mito do quinto império
Andreia Pimenta
 
Filipe e ..
Filipe e ..Filipe e ..
Filipe e ..
Ana Tapadas
 
O v império - Intertextualidade entre Mensagem e Os Lusíadas
O v império - Intertextualidade entre Mensagem e Os LusíadasO v império - Intertextualidade entre Mensagem e Os Lusíadas
O v império - Intertextualidade entre Mensagem e Os Lusíadas
Escola Secundária de Santa Maria da Feira
 
D.Sebastião
D.SebastiãoD.Sebastião
D.Sebastião
aramalho340
 
Sebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de SousaSebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de Sousa
António Aragão
 
O mito do sebastianismo
O mito do sebastianismoO mito do sebastianismo
O mito do sebastianismo
davidjpereira
 
Mensagem & Os Lusíadas
Mensagem & Os LusíadasMensagem & Os Lusíadas
Mensagem & Os Lusíadas
Vitor Manuel de Carvalho
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
Margarida Rodrigues
 

Destaque (17)

"Fernão de Magalhães", a Mensagem
"Fernão de Magalhães", a Mensagem"Fernão de Magalhães", a Mensagem
"Fernão de Magalhães", a Mensagem
 
Biografia Nuno Alvares
Biografia Nuno AlvaresBiografia Nuno Alvares
Biografia Nuno Alvares
 
Mensagem
MensagemMensagem
Mensagem
 
Sebastianismo e Quinto Imperio
Sebastianismo e Quinto ImperioSebastianismo e Quinto Imperio
Sebastianismo e Quinto Imperio
 
6 o sebastianismo
6  o sebastianismo6  o sebastianismo
6 o sebastianismo
 
"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa
"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa
"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa
 
Sebastianismo e V Império
Sebastianismo e V ImpérioSebastianismo e V Império
Sebastianismo e V Império
 
Intertextualidade Mensagem e Os Lusíadas
Intertextualidade Mensagem e Os LusíadasIntertextualidade Mensagem e Os Lusíadas
Intertextualidade Mensagem e Os Lusíadas
 
Semelhança Os Lusíadas e Mensagem
Semelhança Os Lusíadas e MensagemSemelhança Os Lusíadas e Mensagem
Semelhança Os Lusíadas e Mensagem
 
O sebastianismo e o mito do quinto império
O sebastianismo e o mito do quinto impérioO sebastianismo e o mito do quinto império
O sebastianismo e o mito do quinto império
 
Filipe e ..
Filipe e ..Filipe e ..
Filipe e ..
 
O v império - Intertextualidade entre Mensagem e Os Lusíadas
O v império - Intertextualidade entre Mensagem e Os LusíadasO v império - Intertextualidade entre Mensagem e Os Lusíadas
O v império - Intertextualidade entre Mensagem e Os Lusíadas
 
D.Sebastião
D.SebastiãoD.Sebastião
D.Sebastião
 
Sebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de SousaSebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de Sousa
 
O mito do sebastianismo
O mito do sebastianismoO mito do sebastianismo
O mito do sebastianismo
 
Mensagem & Os Lusíadas
Mensagem & Os LusíadasMensagem & Os Lusíadas
Mensagem & Os Lusíadas
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
 

Semelhante a Mensagem - D. Sebastião Rei de Portugal

D. Sebastião2
D. Sebastião2D. Sebastião2
D. Sebastião2
aramalho340
 
Sebastianismo
SebastianismoSebastianismo
Sebastianismo
Inesa Mel
 
Português - Mod. Nr 8.pptx
Português - Mod. Nr 8.pptxPortuguês - Mod. Nr 8.pptx
Português - Mod. Nr 8.pptx
MartaROQUES1
 
Mensagem
MensagemMensagem
Mensagem
António Fraga
 
Lusíadas e mensagem
Lusíadas e mensagemLusíadas e mensagem
Lusíadas e mensagem
Paulo Moura
 
D. Sebastião, Rei de Portugal
D. Sebastião, Rei de PortugalD. Sebastião, Rei de Portugal
D. Sebastião, Rei de Portugal
ruskecius201
 
realismo-e-naturalismo-resumoparaaprovax
realismo-e-naturalismo-resumoparaaprovaxrealismo-e-naturalismo-resumoparaaprovax
realismo-e-naturalismo-resumoparaaprovax
FernandaRibeiro419723
 
Aula 16 machado de assis
Aula 16   machado de assisAula 16   machado de assis
Aula 16 machado de assis
Jonatas Carlos
 
Barroco 2011
Barroco 2011Barroco 2011
Memorial do Convento
Memorial do ConventoMemorial do Convento
Memorial do Convento
guest304ad9
 
Memorial
MemorialMemorial
Memorial do convento
Memorial do conventoMemorial do convento
Memorial do convento
ancrispereira
 
Memorial do Convento
Memorial do ConventoMemorial do Convento
Memorial do Convento
librarian
 
Coisas que só eu sei
Coisas que só eu seiCoisas que só eu sei
Coisas que só eu sei
Júlio César Quadros
 
O Abismo
O AbismoO Abismo
Possíveis exercícios de a cidade e as serras
Possíveis exercícios de a cidade e as serrasPossíveis exercícios de a cidade e as serras
Possíveis exercícios de a cidade e as serras
BriefCase
 
Mensagem Fernando Pessoa
Mensagem Fernando PessoaMensagem Fernando Pessoa
Mensagem Fernando Pessoa
EL Chenko
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112
luisprista
 
Memorial do convento
Memorial do conventoMemorial do convento
Memorial do convento
Marcos Alex
 
Barroco 2011
Barroco 2011Barroco 2011

Semelhante a Mensagem - D. Sebastião Rei de Portugal (20)

D. Sebastião2
D. Sebastião2D. Sebastião2
D. Sebastião2
 
Sebastianismo
SebastianismoSebastianismo
Sebastianismo
 
Português - Mod. Nr 8.pptx
Português - Mod. Nr 8.pptxPortuguês - Mod. Nr 8.pptx
Português - Mod. Nr 8.pptx
 
Mensagem
MensagemMensagem
Mensagem
 
Lusíadas e mensagem
Lusíadas e mensagemLusíadas e mensagem
Lusíadas e mensagem
 
D. Sebastião, Rei de Portugal
D. Sebastião, Rei de PortugalD. Sebastião, Rei de Portugal
D. Sebastião, Rei de Portugal
 
realismo-e-naturalismo-resumoparaaprovax
realismo-e-naturalismo-resumoparaaprovaxrealismo-e-naturalismo-resumoparaaprovax
realismo-e-naturalismo-resumoparaaprovax
 
Aula 16 machado de assis
Aula 16   machado de assisAula 16   machado de assis
Aula 16 machado de assis
 
Barroco 2011
Barroco 2011Barroco 2011
Barroco 2011
 
Memorial do Convento
Memorial do ConventoMemorial do Convento
Memorial do Convento
 
Memorial
MemorialMemorial
Memorial
 
Memorial do convento
Memorial do conventoMemorial do convento
Memorial do convento
 
Memorial do Convento
Memorial do ConventoMemorial do Convento
Memorial do Convento
 
Coisas que só eu sei
Coisas que só eu seiCoisas que só eu sei
Coisas que só eu sei
 
O Abismo
O AbismoO Abismo
O Abismo
 
Possíveis exercícios de a cidade e as serras
Possíveis exercícios de a cidade e as serrasPossíveis exercícios de a cidade e as serras
Possíveis exercícios de a cidade e as serras
 
Mensagem Fernando Pessoa
Mensagem Fernando PessoaMensagem Fernando Pessoa
Mensagem Fernando Pessoa
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112
 
Memorial do convento
Memorial do conventoMemorial do convento
Memorial do convento
 
Barroco 2011
Barroco 2011Barroco 2011
Barroco 2011
 

Mais de Maria Teixiera

Som e-ruído-no-ambiente
Som e-ruído-no-ambienteSom e-ruído-no-ambiente
Som e-ruído-no-ambiente
Maria Teixiera
 
Gestão de-energia
Gestão de-energiaGestão de-energia
Gestão de-energia
Maria Teixiera
 
Pegada hídrica
Pegada hídricaPegada hídrica
Pegada hídrica
Maria Teixiera
 
O ouvido-humano-estrutura-e-funcionamento
O ouvido-humano-estrutura-e-funcionamentoO ouvido-humano-estrutura-e-funcionamento
O ouvido-humano-estrutura-e-funcionamento
Maria Teixiera
 
óleo alimentares usados
óleo alimentares usadosóleo alimentares usados
óleo alimentares usados
Maria Teixiera
 
Gestão de-energia
Gestão de-energia Gestão de-energia
Gestão de-energia
Maria Teixiera
 
Natural disasters cópia
Natural disasters   cópiaNatural disasters   cópia
Natural disasters cópia
Maria Teixiera
 
Prova de Aptidão Profissional - Vinho
Prova de Aptidão Profissional - VinhoProva de Aptidão Profissional - Vinho
Prova de Aptidão Profissional - Vinho
Maria Teixiera
 
Reatores químicos 2
Reatores químicos 2Reatores químicos 2
Reatores químicos 2
Maria Teixiera
 
Qualidade segurança e ambiente
Qualidade segurança e ambienteQualidade segurança e ambiente
Qualidade segurança e ambiente
Maria Teixiera
 
Operações unitárias
Operações unitárias Operações unitárias
Operações unitárias
Maria Teixiera
 
Controle de microrganismos por agentes in vivo
Controle de microrganismos por agentes in vivoControle de microrganismos por agentes in vivo
Controle de microrganismos por agentes in vivo
Maria Teixiera
 
José saramago
José saramagoJosé saramago
José saramago
Maria Teixiera
 
Ambiente e biodiversidade
Ambiente e biodiversidade Ambiente e biodiversidade
Ambiente e biodiversidade
Maria Teixiera
 
Higiene, segurança e saúde no trabalho
Higiene, segurança e saúde no trabalhoHigiene, segurança e saúde no trabalho
Higiene, segurança e saúde no trabalho
Maria Teixiera
 
Resíduos sólidos
Resíduos sólidosResíduos sólidos
Resíduos sólidos
Maria Teixiera
 
Resíduos sólidos
Resíduos sólidosResíduos sólidos
Resíduos sólidos
Maria Teixiera
 
Filtração
FiltraçãoFiltração
Filtração
Maria Teixiera
 
Virus
VirusVirus
Fotossintese
FotossinteseFotossintese
Fotossintese
Maria Teixiera
 

Mais de Maria Teixiera (20)

Som e-ruído-no-ambiente
Som e-ruído-no-ambienteSom e-ruído-no-ambiente
Som e-ruído-no-ambiente
 
Gestão de-energia
Gestão de-energiaGestão de-energia
Gestão de-energia
 
Pegada hídrica
Pegada hídricaPegada hídrica
Pegada hídrica
 
O ouvido-humano-estrutura-e-funcionamento
O ouvido-humano-estrutura-e-funcionamentoO ouvido-humano-estrutura-e-funcionamento
O ouvido-humano-estrutura-e-funcionamento
 
óleo alimentares usados
óleo alimentares usadosóleo alimentares usados
óleo alimentares usados
 
Gestão de-energia
Gestão de-energia Gestão de-energia
Gestão de-energia
 
Natural disasters cópia
Natural disasters   cópiaNatural disasters   cópia
Natural disasters cópia
 
Prova de Aptidão Profissional - Vinho
Prova de Aptidão Profissional - VinhoProva de Aptidão Profissional - Vinho
Prova de Aptidão Profissional - Vinho
 
Reatores químicos 2
Reatores químicos 2Reatores químicos 2
Reatores químicos 2
 
Qualidade segurança e ambiente
Qualidade segurança e ambienteQualidade segurança e ambiente
Qualidade segurança e ambiente
 
Operações unitárias
Operações unitárias Operações unitárias
Operações unitárias
 
Controle de microrganismos por agentes in vivo
Controle de microrganismos por agentes in vivoControle de microrganismos por agentes in vivo
Controle de microrganismos por agentes in vivo
 
José saramago
José saramagoJosé saramago
José saramago
 
Ambiente e biodiversidade
Ambiente e biodiversidade Ambiente e biodiversidade
Ambiente e biodiversidade
 
Higiene, segurança e saúde no trabalho
Higiene, segurança e saúde no trabalhoHigiene, segurança e saúde no trabalho
Higiene, segurança e saúde no trabalho
 
Resíduos sólidos
Resíduos sólidosResíduos sólidos
Resíduos sólidos
 
Resíduos sólidos
Resíduos sólidosResíduos sólidos
Resíduos sólidos
 
Filtração
FiltraçãoFiltração
Filtração
 
Virus
VirusVirus
Virus
 
Fotossintese
FotossinteseFotossintese
Fotossintese
 

Último

Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 

Último (20)

Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 

Mensagem - D. Sebastião Rei de Portugal

  • 1. Trabalho realizado por: André Rocha nº2 12ºP João Maia nº6 12ºP Maria Inês nº7 12ºP Mensagem “D. Sebastião, Rei de Portugal”
  • 2. *O “desejado” *Convicto de que a sua missão era espalhar a fé cristã *“Morreu” na batalha de Alcácer-Quibir *Mito sebastianista D. Sebastião
  • 3. MitoSebastianista O sebastianismo, fundamentalmente, o que é? É um movimento religioso, feito em volta duma figura nacional, no sentido de um mito. No sentido simbólico D. Sebastião é Portugal: Portugal que perdeu a sua grandeza com D. Sebastião, e que só voltará a tê-la com o regresso dele, regresso simbólico ( como, por um mistério espantoso e divino, a própria vida dele fora simbólica ) mas em que não é absurdo confiar. D. Sebastião voltará, diz a lenda, por uma manhã de névoa, no seu cavalo branco, vindo da ilha longínqua onde esteve esperando a hora de voltar A manhã de névoa indica, evidentemente, um renascimento anuviado por elementos de decadência, por restos da Noite onde viveu a nacionalidade.
  • 4.  D. Sebastião não morreu porque os símbolos não morrem. O desaparecimento físico de D. Sebastião proporciona a libertação da alma portuguesa.  D. Sebastião aparece cinco vezes explicitamente na Mensagem (uma vez nas Quinas, outra em Mar português e três vezes nos Símbolos). Aliás, pode mesmo dizer-se que o Brasão e o Mar português são a preparação para a chegada do Encoberto, na sua qualidade de Messias de Portugal. D. Sebastião faz uma espécie de elogio da loucura
  • 5. D. Sebastião, Rei de Portugal Louco, sim, louco, porque quis grandeza Qual a Sorte a não dá. Não coube em mim minha certeza; Por isso onde o areal está Ficou meu ser que houve, não o que há. Minha loucura, outros que me a tomem Com o que nela ia. Sem a loucura que é o homem Mais que a besta sadia, Cadáver adiado que procria?
  • 6. Localização na obra Brasão III As QuinasQuinto- D.Sebastião, Rei de Portugal
  • 7. Assunto do poema O poema divide-se em duas partes a primeira estrofe que corresponde à primeira quintilha e a segunda estrofe que corresponde à segunda quintilha. Primeira estrofe  O sujeito poético auto carateriza-se como sendo “louco”. Segunda estrofe  Faz uma apologia da loucura, um elogio, exortando a que outros dêem continuidade ao seu sonho.
  • 8. Análise do poema Quanto á métrica e á rima os versos são irregulares. Os versos variam entre as seis, oito e dez silabas métricas. Esquema rimático: ababb  contem rima emparelhada. Louco, sim, louco, porque quis grandeza a Qual a Sorte a não dá. b Não coube em mim minha certeza; a Por isso onde o areal está b Ficou meu ser que houve, não o que há. b
  • 10. 1. Faz um levantamento dos traços que caraterizam D. Sebastião, neste poema, e compara-os com o que sabes sobre este rei. Segundo o poema D. Sebastião era “louco”  na batalha de Alcácer Quibir o rei enfrentou uma batalha que já por si estava perdida ora, D. Sebastião, apesar de ter falhado o empreendimento épico, foi em frente, e morreu por uma ideia de grandeza, e essa é a ideia que deve persistir, mesmo após sua morte.
  • 11. 2. Explica a referência ao “areal” (v.4), tendo em conta a informação histórica. Faz referencia ao campo de batalha onde D. Sebastião morreu  batalha de Alcácer Quibir  D. Sebastião foi o “ser que houve”, que encontrou a destruição física no “areal”
  • 12. 3. Interpreta o sentido do quinto verso “ficou meu ser que houve, não o que há”  Ficou o corpo, não a alma que vive eterna. (mas que se distinguiu pela imortalidade tornando-se assim um mito, permanecendo na memória do seu povo.)  Enquanto figura histórica, D. Sebastião morreu em Alcácer-Quibir (“ficou meu ser que houve”) mas persiste enquanto lenda e exemplo de “loucura” (“não o que há”)
  • 13. 4. Identifica uma expressão que indique uma projeção para o futuro. Louco, sim, louco, porque quis grandeza Qual a Sorte a não dá. Não coube em mim minha certeza; Por isso onde o areal está Ficou meu ser que houve, não o que há. Minha loucura, outros que me a tomem Com o que nela ia. Sem a loucura que é o homem Mais que a besta sadia, Cadáver adiado que procria? Projeção para o futuro
  • 14. 5. Atenda nos três últimos versos. Sem a loucura que é o homem Mais que a besta sadia, Cadáver adiado que procria? 5.1. Comenta a definição de “homem” e de “loucura” neles contida. Sem a loucura o Homem é um “cadáver adiado que procria”, pois gera novas gerações mas não preenche os objetivos para o qual foi criado.  A “loucura” ou “sonho” é a capacidade de desejar e ter iniciativa, para ultrapassar o estado de “cadáver adiado que procria” (simplesmente vive esperando a morte)
  • 15. 5.2. Refere o valor expressivo da interrogação no final do poema. 5.3. Memoriza o poema  D. Sebastião é um “cadáver adiado” porque não conseguiu cumprir aquilo para o qual foi criado.  Sem o sonho, “a loucura” e a ambição, o Homem não se distingue do animal.  A interrogação retórica já se entende qual será a resposta. Sem a loucura que é o homem Mais que a besta sadia, Cadáver adiado que procria?
  • 16. 6. Analisa os efeitos de sentido produzidos pelo uso da primeira pessoa do singular.  É D. Sebastião que nos “fala”;  D. Sebastião o “louco”, neste poema fala-nos da sua própria loucura mostrando o seu orgulho perante o que fez.  O facto de D. Sebastião nos comunicar este acontecimento faz-nos estar mais próximos dele do que se fosse o próprio poeta a falar-nos.  Torna mais dramático o poema
  • 18. Louco, sim, louco, porque quis grandeza Qual a Sorte a não dá. Não coube em mim minha certeza; Por isso onde o areal está Ficou meu ser que houve, não o que há. Minha loucura, outros que me a tomem Com o que nela ia. Sem a loucura que é o homem Mais que a besta sadia, Cadáver adiado que procria? E vós, ó bem nascida segurança De Lusitana antiga liberdade, E não menos certíssima esperança De aumento da pequena Cristandade; Vós, ó novo temor da Maura lança, Maravilha fatal da nossa idade, Dada ao mundo por Deus, que todo o mande, Pera do mundo a Deus dar parte grande; […] Vós, poderoso Rei, cujo alto Império O Sol, logo em nascendo, vê primeiro, Vê-o também no meio do Hemisfério, E quando dece o deixa derradeiro; Vós, que esperamos jugo e vitupério Do torpe Ismaelita cavaleiro, Do Turco Oriental e do Gentio Que inda bebe o licor do santo Rio: Inclinai por um pouco a majestade Que nesse terno gesto vos contemplo, Que já se mostra qual na inteira idade, Quando subindo ireis ao eterno templo; […] Mensagem Os Lusíadas (dedicatória – estância. 6, 8 e 9)
  • 19. Os LusíadasMensagem Fernando Pessoa: Luís Vaz de Camões:  Dedica a sua obra a D. Sebastião  Elogia as suas caraterísticas como Rei  Apresenta D. Sebastião como uma garantia para que haja independência para Portugal e segurança  Exalta o Rei como aquele a quem cabe a missão de expandir a fé cristã  Apresenta D. Sebastião como alguém que se imortalizou por ter lutado pelos seus objetivos, de forma distinta;  Apela aos portugueses para aderirem à mesma atitude. Só dessa forma Portugal pode assumir um possível futuro promissor.
  • 20. Os Lusíadas  O rei é caraterizado como alguém bondoso, “poderoso” (“ Vós, poderoso Rei, cujo alto Império”) , indulgente, rei jovem, rei promissor, desejado e respeitado pelo povo (“ que nesse tenro gesto vos contemplo,”) Mensagem Os traços caraterizadores evidenciados  O rei é caraterizado como sendo “louco”.  Este poema mostra-nos que o Rei era aventureiro.
  • 21. Os elementos históricos referidos Os LusíadasMensagem  Batalha de Alcácer Quibír “por isso onde o areal está / ficou meu ser que houve, não o que há.”  Dependência de Portugal “ Minha loucura, outros que me a tomem / com o que nela ia”  Batalha de Alcácer Quibír “Vê-o também no meio do Hemisfério, E quando dece o deixa derradeiro; Vós, que esperamos jugo e vitupério Do torpe Ismaelita cavaleiro, Do Turco Oriental e do Gentio”  Penhor da independência de Portugal “E vós, ó bem nascida segurança De Lusitana antiga liberdade, E não menos certíssima esperança”
  • 22. A oposição entre retrato histórico e retrato mítico Mensagem Retrato histórico Retrato mítico Por isso onde o areal está Ficou meu ser que houve, não o que há
  • 23. O sujeito poético faz referência à figura histórica de D. Sebastião que, em virtude da loucura de conquistar África, acabou por ser morte em Alcácer Quibir, mas ao mesmo tempo, e sobretudo ao ser mítico, que perdura através do mito de que um dia voltará a aparecer envolto em nevoeiro, para retirar Portugal da “Noite” em que vive desde o seu desaparecimento.
  • 24. Os Lusíadas Retrato histórico Retrato mítico Vós, poderoso Rei, cujo alto Império O Sol, logo em nascendo, vê primeiro E vós, ó bem nascida segurança De Lusitana antiga liberdade, Referência a D. Sebastião, rei de Portugal Referência ao mito sebastianista
  • 25.  Concluindo, ao contrário do D. Sebastião D’Lusíadas, do rei menino a quem Camões dedica a sua epopeia, a quem interessa mostrar-se, oferecer os seus serviços para que este o reconheça, o distinga e ainda lhe permita acompanhá-lo na conquista do Norte de África, apesar das opiniões contrárias que se fazem ouvir e que Camões tão bem imortaliza no episódio do Velho do Restelo.  O D. Sebastião da Mensagem foi o governante, que com grande fervor político e religioso, tentou acabar com as constantes ameaças às costas portuguesas e reviver as glórias do Passado e sobretudo o mito que possibilita continuar a sonhar.  Na Mensagem, e de certa forma em D. Sebastião, temos uma reinterpretação da história de Portugal em função de uma ressurreição de um passado heróico a perpetuar através de um novo Império espiritual. Os LusíadasMensagem
  • 26. Comenta o seguinte juízo crítico: D. Sebastião [é] símbolo da loucura que transfigura, da esperança que alenta e do Sonho que há de ser Realidade. Símbolo da loucura audaciosa e de aventura: D. Sebastião, apesar de ter falhado foi em frente, e morreu por uma ideia de grandeza, e essa é a ideia que deve persistir, mesmo após a sua morte, é essa coragem que, embora nos possa parecer loucura, foi uma forma de lutar por aquilo que ele queria e é essa ideia que nos transmite esperança, e o facto de que ele pode voltar pode ser um sonho mas que com a força e esperança do povo pode vir a ser realidade o que ele queria que Portugal se tornasse.