SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 9
Alberto Caeiro
Poetaque deambulapelocampo; poetasensacionistaobjetivo;poetadanatureza; poetaanti metafísico.
Nasceuem 1889, emLisboa,e morreuem1915, mas viveuquase todaa suavidano campo. Nãoteve
profissão,nemeducaçãoquase nenhuma:apenasainstruçãoprimária.Erade estaturamédia,frágil,mas
não o aparentava.Era louro,de olhosazuis.Ficouórfãode pai e mãe muitocedo e deixou-seficaremcasaa
viverdosrendimentos.Viviacomumatia velha,tia-avó.Escreviamal oPortuguês.Éo pretensomestre de A.
de Campose de R. Reis. É anti metafísico;é menoscultoe complicadodoque R. Reis,masmaisalegre e
franco.É sensacionista.
Características:
 Negaçãoda metafísicae valorizaçãoda aquisiçãodoconhecimentoatravésdas sensaçõesnão
intelectualizadas;é contra a interpretaçãodo real pela inteligência;paraele oreal é a
exterioridade e não devemosacrescentar-lhe asimpressõessubjetivas;
 Negaçãode si mesmo;
 Atração pelainfância,comosinónimode pureza,inocênciae simplicidade,porqueacriança não
pensa,conhece pelossentidoscomo ele,pelamanipulaçãodosobjetospelasmãos;
 Poeta da Natureza, na sua perpétuarenovaçãoe sucessão,daAureaMediocritas,dasimplicidadeda
vidarural;
 A vivênciadapassagemdotemponãoexiste,sãosóvivênciasatemporais:otempoé ausênciade
tempo. Sóexiste arealidade dopresente,de cadainstante,de cadamomento.Opassadoe o futuro
são os instantesque refletemaunidade doprópriotempovividoemcadapresente.
AlbertoCaeirosóse importaemver de forma objetivae natural a realidade,coma qual contacta a todo
o momento.Daí o seudesejode integraçãoe de comunhãocoma natureza.
Para Caeiro, “pensar” é estar doente dos olhos. Veré conhecere compreenderomundo,por isso,
pensa vendoe ouvindo.Recusao pensamentometafísico,afirmandoque “pensaré não compreender”.Ao
anularo pensamentometafísicoe aovoltar-se apenasparaa visãototal perante omundo, eliminaa dor de
pensar que afeta Pessoa.
Caeiroé o poetada Naturezaque estáde acordo com elae a vê na sua constante renovação.Eporque só
existe arealidade,otempoé aausênciade tempo,sempassado,presente oufuturo,poistodososinstantes
são a unidade dotempo.
Mestre dos outrosheterónimos e dopróprioortónimo,Caeirodáespecial importânciaaoatode ver,
mas é sobretudointeligênciaque discorre sobre assensações,numdiscursoemversolivre,emestilo
coloquial e espontâneo.Passeandoaobservaromundo,personificaosonhoda reconciliaçãocom o
universo,coma harmoniapagãe primitivadaNatureza.
É um sensacionistaaquem sóinteressao que capta pelassensações e a quemo sentidodascoisasé
reduzidoàperceçãoda cor, da forma e da existência:aintelectualidade doseuolharvolta-separaa
contemplaçãodosobjetosoriginais.Constróiosseuspoemasapartirde matérianão-poética,masé o poeta
da Naturezae do olhar,o poetada simplicidade completa,daobjetividade dassensaçõese darealidade
imediata(“Paraalém da realidade imediatanão há nada”), negandomesmoa utilidadedopensamento. No
entanto,muitasvezesnãoconsegue escaparàracionalização,e é esse factoque lhe provocaalgumatristeza.
“Alberto Caeiro parecemais umhomemculto quepretendedespir-seda farda pesada da cultura
acumulada ao longo dosséculos.”
Vê o mundosemnecessidadede explicações,semprincípionemfim,e confessaque existiré umfacto
maravilhoso;porisso,crê na “eternanovidade domundo”.ParaCaeiroo mundoé sempre diferente,
sempre múltiplo;porisso,aproveitacadamomentodavidae cada sensaçãona sua originalidade e
simplicidade.
Para Caeirofazerpoesiaé umaatitude involuntária,espontânea,poisvive nopresente,nãoquerendo
saberde outrostempos,e de impressões,sobretudovisuais,e porque recusaaintrospeção,asubjetividade,
sendoo poetadoreal objetivo.
Caeirocanta o viversemdor, o envelhecersemangústia,o morrer semdesespero,ofazer coincidiro
ser com o estar, o combate ao víciode pensar,o serum ser uno, e não fragmentado.
Possuíauma linguagemestéticadireta,concreta e simplesmas, ainda assim, bastante complexa do
ponto de vista reflexivo.
Características:
 Objetivismo- apagamentodosujeito;atitude anti lírica;atençãoà "eternanovidade domundo",
integraçãoe comunhãocom a natureza;poetadeambulatório
 Sensacionismo- poetadas sensaçõestal comoelassão; poetadoolhar; predomíniodassensações
visuais("Vi comoumdanado") e das auditivas;o"Argonautadassensaçõesverdadeiras"
 Anti metafísico- "Há bastante metafísicaemnãopensaremnada"; recusado pensamento("Pensar
é estardoente dosolhos");recusadomistério;recusadomisticismo
 PanteísmoNaturalista - tudoé Deus,as coisassão divinas("Deusé asárvorese as flores/E os
montese o luar e o sol...");paganismo;desvalorizaçãodotempoenquantocategoriaconceptual
("Nãoqueroincluirotemponomeu esquema");contradiçãoentre "teoria"e "prática"
Características de estiloe linguagem:
 Estilocoloquial e espontâneo(linguagem quotidiana, fluente,simplese natural);
 Ausência(aparente) de preocupaçõesestilísticas;
 Indisciplinaformal e ritmolentomasespontâneo;
 Vocabuláriosimplese linguagemfamiliar(porvezestautológica- próximadainfantil);
 Uso da adjetivaçãoobjetiva(descritiva);
 Predomíniodopresente doindicativo(mododoreal);
 Recursoa frasessimplesoucoordenadas;
 Predomíniodacomparação,da metáforae da repetiçãoanafórica;
 Liberdade estrófica,versolivre,métricairregular.
Resumo:
 Poetada Natureza
 Panteísmosensualista:relaçãoíntimae diretacoma Natureza;vivênciade acordocom as suasleis
 Poetasensacionista(sensações): predomíniodossentidos (privilegiaoconhecimentosensorial da
realidade);especial importânciadoatode ver
 Privilégiodasensaçãoemdetrimentodopensamento
 Pensamentocomofonte de sofrimento,de enganos,nãopermitindoconheceroreal
 Vê a realidade de formaobjetivae natural
 Aceitaçãoda realidade tal comoé,de forma tranquila (tal comose apresenta,semcontestação nem
interferênciadopensamento);vê ummundosemnecessidade de explicações,semprincípionem
fim;existiré umfactomaravilhoso
 Visãopagã da existência:aúnicaverdade dascoisasé a sensação
 Recusada filosofia,dopensamentometafísico(“pensaré estardoente dosolhos”),omisticismoe o
sentimentalismosocial e individual;
 Personificaosonhoda reconciliaçãodoUniverso,coma harmoniapagã e primitivadaNatureza
 Inexistênciade tempo(unificaçãodotempo)
 Inocência,ingenuidade e constante novidade dascoisas
 O real como únicomeiode atingira verdade e a felicidade
 Mestre de Pessoae dosoutrosheterónimos
 Relaçãocom PessoaOrtónimo –eliminaador de pensar
Ricardo Reis
Disciplinamental;efemeridade davida; iminênciada morte; domíniodos deuses;fugaà dor; atitude
estóico-epicurista,baseadana ataraxia (ausênciade perturbação)
RicardoReis,nasceuno Portoem1887, foi educadonumcolégiode jesuítase é médico. Élatinistapor
educaçãoalheiae semi-helenistaporeducaçãoprópria. ViveunoBrasil e expatriou-se voluntariamente por
sermonárquico.Demonstrainteresse pelaculturaClássica,Romana(latina)e Grega(helénica). Fisicamente
é umpouco maisbaixo,masforte,maisseco do que Caeiro; morenode cara rapada.
Reisé um latinistaque olhae segue osmodelosestéticosda Antiguidade Clássica(Grega e Latina). O
mundogreco-latinoé ummodeloparao poeta. Este discípulode Caeiroaceitaa antiga crença nos deuses,
enquantodisciplinadoradas nossasemoçõese sentimentos,masdefende,sobretudo,abuscade uma
felicidaderelativaalcançadapelaindiferençaàperturbação. Este é o heterónimoque exige aPessoaum
maiordistanciamentoe ummaiorpoderde despersonalização.
A filosofiade Ricardo Reisé a de um epicurismotriste, pois defende oprazer do momento,o “carpe
diem”,comocaminho da felicidade,massemcederaos impulsosdosinstintos.Apesar deste prazer que
procura e da felicidade que desejaalcançar, consideraque nunca se consegue a verdadeiracalma e
tranquilidade – ataraxia.
RicardoReispropõe,pois,umafilosofiamoral de acordocom os princípiosdoepicurismoe umafilosofia
estóica:
 “Carpe diem”(aproveitaodia),ouseja,aproveita avidaemcada dia,comocaminhoda felicidade;
 Busca da felicidadecomtranquilidade (ataraxia);
 Não cederaosimpulsosdosinstintos(estoicismo);
 Procurar a calma, oupelomenos,asua ilusão;
 Seguiro ideal éticodaapatiaque permite aausênciadapaixãoe a liberdade (sobreestaapenas
pesao Fado).
Epicurismo: fugaà dor (atravésda moderaçãodosprazerese aceitaçãodo fado);não temera morte;
moderao prazer(busca dosprazeressimplesdavida,semexcessos); atinge aataraxia(ausênciade
perturbações/tranquilidade daalma).
Estoicismo:aceitaçãocalma e serenadaordemdas coisase dodestino(aceitaraordemuniversal dascoisas,
incluindoamorte);dominaraspaixões(permanecendoindiferentetantosaestascomo à dor, ambas
perturbaçõesdarazão);auto disciplina.
Horacianismo: carpe diem;aureamediocritas(felicidade possível nosossegodocampo - proximidadede
Caeiro).
Paganismo: crença nosdeuses;crençana civilizaçãodaGrécia;sente-se umestrangeiroforadasuapátria, a
Grécia.
Neopaganismo:reconstruçãoda essênciadoverdadeiropaganismo.
Neste sentido, este heterónimoafirma-se crente nosdeuses,que estão acima dos homens,mas acima
dos doisestá ainda o destino(fado).Tentaassumir a postura dos deuses,adquiridoatravés de um
exercíciode autodisciplina,calma e indiferença,face a um destinojá traçado.
RicardoReis,que adquiriualiçãodo paganismoespontâneode Caeiro,cultivaumneoclassicismo
neopagão(crê nosdeusese nas presençasquase divinasque habitamtodasascoisas),recorrendoà
mitologiagreco-latina,e consideraabrevidade,afugacidade e atransitoriedadedavida,poissabe que o
tempopassae tudoé efémero (de curtaduração).Acreditanum destinoinelutável de umamaneira
tranquila(tranquilaresignaçãoaodestino).Consideraque averdadeirasabedoriade vidaé viverde forma
equilibradae serena,“semdesassossegosgrandes”.
A filosofiade Reisrege-se peloideal“Carpe Diem”–a sabedoriaconsiste emsaber-se aproveitaro
presente,porque se sabe que avidaé breve.Há que noscontentarmoscomo que o destinonostrouxe.Há
que vivercommoderação,semnos apegarmosàscoisas,e por issoas paixõesdevemsercomedidas,para
que a hora da morte não sejademasiadodolorosa.
 A conceçãodos deusescomoumideal humano;
 As referênciasaosdeusesdaAntiguidade (neo-paganismo) greco-latinasãoumaforma de referira
primaziadocorpo, dasformas,da natureza,dosaspetosexteriores,darealidade,semcuidarda
subjetividadeoudainterioridade- ensinamentosde Caeiro,omestre de todososheterónimos;
 A recusade envolvimentonas coisasdomundoe dos homens
As linhasideológicaspresentesnapoesia de Reis refletemumhomemque sofre e vive o drama da
transitoriedade da vida, facto que lhe provoca sofrimento(por imaginar antecipadamente a morte).
Somos seresfrágeis,seres-para-a-morte,tal como tudo o que nos rodeia.
Características poéticas:
 Epicurismo;
 Estoicismo;
 Autodisciplina,abdicação,recusade compromissosafetivose sociais;
 Neopaganismoe neoclassicismo - crençanosdeuses,louvordacivilizaçãogrega,temahoracianodo
carpe diem;
 Efemeridade davidae dotempo/obsessãopelamorte;
 Presençaconstante doFado,do destino,dafatalidade;
 Intelectualizaçãodasemoções;
 Tom sentencioso - caráctermoralistadasua poesia.
Sentimentosdominantes:
 Submissão
 Dor
 Indiferença
 Conformação
Características de estiloe linguagem:
 Estilolaboriosamente construído (construídocomextremorigor);
 Forma métricamaisusada- ode.
 Linguagemeruditae alatinadanovocabulárioe nasintaxe;
 Uso do hipérbatoe da anástrofe (inversãodaordemnatural daspalavrasna frase);
 Recursoao gerúndioe ao imperativo(exortativo);
 Predomíniodasfrasessubordinadas;
Resumo:
 Disciplinamental
 Intelectualizaçãoasemoções;
 Domíniodosdeuses
 (Obsessãoda) efemeridade davida,do tempo;aceitaarelatividadee afugacidade dascoisas;
 Iminênciae irreversibilidade damorte (morte comoúnicacertezado percursoexistencial;aceitação
pacífica desta);
 Busca do prazermoderado (procurada ataraxia),comomeiode fugaà dor;
 Aparente tranquilidade,naqual se reconhece aangústiaexistencialdoortónimo;
 Espíritograve,ansiosode perfeição;
 Atitude de quase indiferençaperante avida("A sabedoriade deixarpassaravidaplacidamente,
sema viver");inutilidade de qualquercompromisso
 Necessidadedopredomíniodarazãosobre a emoção,como umadefesacontrao sofrimento;
 Presençadofatalismo - o destinoé forçasuperioraohomem;aceitaçãocalmado destino;
 ”epicuristatriste”- (CarpeDiem)- buscado prazermoderadoa da ataraxia
 Estoicismo– aceitaçãocalmae serenada ordemdascoisas;
 Moralista– pretende levarosoutrosa adotar a suafilosofiade vida,nãose cansade dar conselhos;
 Poetaintelectual,sabe contemplar:verintelectualmente arealidade
 AceitaçãodoFado, da ordem natural das coisas;
 Privilegiaaode,oepigramae a elegia.
 Usa a inversãodaordemlógica,favorecendooritmodassuasideiasdisciplinadas
 Estilodensamentetrabalhado,de sintaxe alatinada,hipérbatos,apóstrofes,metáforas,
comparações,gerúndioe imperativo.
 Versoirregulare decassilábico
Álvaro de Campos
Tédio;Histeria; Excesso;Sensaçõesvividas febrilmente;Vanguarda;Futurismo; Angústia existencial
NasceuemTavira a 15 de Outubrode 1890. Teve umaeducaçãovulgarde liceu.Foi paraa Escócia
estudarengenharia,primeiromecânicae depoisnaval (Glasgow).ViajanteUmtiobeirãoque erapadre
ensinou-lheLatim.InativoemLisboa.Fisicamente:usamonóculo,é alto,magroe temcabeloliso;cara
rapada, tipojudeuportuguês.Viajante,vanguardistae cosmopolita.
Fernando Pessoaconsideraque Camposse encontrano«extremooposto,inteiramenteoposto,a
RicardoReis”,apesarde sercomo este umdiscípulode Caeiro.
Camposé o “filhoindisciplinadodasensação" e para ele a sensaçãoé tudo. O eudo poetatenta
integrare unificartudoo que temou teve existênciaoupossibilidadede existir.
Este heterónimo aprende de Caeiroa urgência de sentir,mas não lhe basta a «sensação das coisas
como são»: procura a totalizaçãodassensaçõese dasperceçõesconforme assente,oucomoele próprio
afirma“sentirtudo de todas as maneiras”.
É configurado“biograficamente”porPessoacomovanguardistae cosmopolita,espelhando-seeste seu
perfil particularmentenospoemasem que exalta, emtomfuturista,acivilização modernae osvaloresdo
progresso.
O poetaprocura incessantemente“sentirtudode todasas maneiras”,sejaaforça explosivados
mecanismos,sejaavelocidade,sejaoprópriodesejode partir. Campostantocelebra,empoemasde estilo
torrencial,amplo,delirante e até violento,acivilizaçãoindustrial e mecânica,comoexpressaodesencanto
do quotidianocitadino, adotandosempre o pontode vista do homem da cidade.
Álvarode Camposé o heterónimoque apresentaumaevoluçãomaisnítida,podendonasuaobra
distinguir-se trêsfases:
 Decadentista(fase do"Opiário") - exprime otédiode viver,oenfado,ocansaço,a náusea,o
abatimentoe a necessidadede novassensações;traduzafaltade um sentidoparaa vida e a
necessidadede fugaà monotonia; inadaptadoaomundoe à vida.
 Futurista/Sensacionista(civilizaçãomoderna/excessode sensações - "Ode Triunfal") - Campos
celebraotriunfoda máquina,dacivilizaçãomoderna.Sente-se nospoemasumaatraçãoquase
eróticapelasmáquinas,símbolodavidamoderna.Intensidade e totalizaçãodassensações.A parda
paixãopelamáquina,háa náusea,provocadapelapoluiçãofísicae moral da vidamoderna.Nesta
fase,a sensaçãoé maisintelectualizada.Sensacionismo excessivo e conturbado.
 Abúlica (pessimistae intimista) - Perante a incapacidade de unificaremsi pensamentoe
sentimento,mundoexteriore interior,trazde voltao abatimento (ocansaço,o tédio,solidão).
Conflitoentre arealidade e opoeta.Este sente-sevazio,ummarginal,incompreendido.Angustiado
e cansado.Revela,tal comoPessoa,amesmaangústiaexistencial,ceticismo,dorde pensare
nostalgiadainfância.
A grande viragemnapoesiade Campos (segundafase) acontece depoisde terconhecidoCaeiro,seuMestre,
que o introduziunouniversodosensacionismo.Masenquanto Caeiroacolhe tranquilamente as sensações
(considerandoa sensação captada pelossentidoscomo única realidade),Camposexperimenta-as
febrilmente,excessivamente (nãorejeitandoopensamento,assimafastando-se de Caeiro).Tão
excessivamente que,querendo"sentirtudode todasas maneiras", parece esgotar-se a seguir,caindonuma
espécie de apatiamelancólica, desvaneionostálgicoque oaproxima do Ortónimo (com quempartilhao
ceticismo,dorde pensar,procurado sentidonoque estápara alémda realidade,fragmentaçãodoeu,
nostalgiadainfânciairremediavelmente perdida). Destaformaé Campoque reconhece oslimitesdo
humano,a apatiae o cansaço de quemquis sermáquinae nãoconseguiuporserHomem.
Características poéticas:
 poetamodernista
 futurismo - apologiadacivilizaçãoindustrial e técnica,ruturacoma lírica tradicional e transgressão
da moral estabelecida,êxtase, exaltaçãodaforça,da violência, doexcesso;
 sensacionismo - excessode sensações,euforiadesmedida;
 pessimismoe intimismo -evasão, inadaptaçãodoreal,abulia,tédio,cansaço,solidão,frustraçãoe
tristeza,dorde ser lúcido;
 nostalgiadainfância,irremediavelmente perdida;
 autoironiae autodepreciação(angústiaexistencial)
 fragmentaçãodo"eu";domíniodo pensare da consciência;incapacidade de sentir;solidãoe
isolamento.
Após a descoberta do futurismoe de Walt Whitman,Campos adota (para alémdo verso livre) um estilo
esfuziante,torrencial,espraiadoemlongos versos,vivificadopelafantasia verbal duradoura e inesgotável.
Características de estiloe linguagem:
 excessode expressão - pontuaçãoemotiva(exclamações,interjeições...);
 ritmorápidoe excessivo,repetitivo;
 linguagemmarcadaporum tom excessivoe intenso(peloexcessode expressãoe verponto 4)
 recursoa metáforasousadas,personificações,hipérbatos,oxímoros,onomatopeias,aliterações,
adjetivaçãoabundante,hipérboles,anáforase repetições;
 versolivre, geralmente longo;
 uso de neologismose estrangeirismos;
 estrofeslongase irregulares.
Resumo:
 Poetamodernista
 1ª Fase - tédioe desencanto;buscade novassensações
 2ª fase - delíriosensorial - sensacionismo(excessode sensações,euforiadesmedida); cantoda
civilizaçãomoderna- futurismo(apologiadacivilizaçãoindustrial e técnica - moderna);erotismo
doentioe febril
 3ª fase - regressoao abatimento,aocansaçoda vida,angústia,tédio;nostalgiadainfância
irremediavelmente perdida;incapacidadede sentir;desencantodavida;pessimismo;inadaptação
ao presente/àrealidade;fragmentaçãodoeu;domíniodopensare da consciência.
Síntese dos sujeitos poéticos
Relação "eu" / mundo exterior:
Pessoa- Inadaptaçãoao real;incapacidade de "viver"e serfeliz;opçãopelasolidão;incapacidadede sentir;
domíniodopensamento,daconsciência;fascíniopeloracional;incapacidade de agir.
Caeiro- A relaçãofaz-se atravésde sensações,de formaequilibrada;aboliçãodopensamento;aceitação
calma da vida;anulaçãodo que noser humanopode originarsofrimento;oolharinocente comomodo
privilegiadode conheceromundo;deambulismo.
Campos - Excessode sensaçõesconducenteaestadosde euforia/disforia;interferênciadopensamento - dor
de ser lúcido;inadaptaçãoaoreal;masoquismo;serdivididoentre osonhoe a realidade.
Reis- Primadodo pensamentosobre asensação;desejode manteraintegridade masrenunciandoatudoo
que é fatorde perturbações;buscadaataraxia;conciliaçãode resignaçãoe moderadoprazer.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana SofiaCesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Joana Azevedo
 
Resumo do conto george
Resumo do conto georgeResumo do conto george
Resumo do conto george
estado
 

Mais procurados (20)

"Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade""Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade"
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
 
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
 
Características poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo ReisCaracterísticas poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo Reis
 
Valor modal das frases
Valor modal das frasesValor modal das frases
Valor modal das frases
 
Resumos de Português: Cesário verde
Resumos de Português: Cesário verdeResumos de Português: Cesário verde
Resumos de Português: Cesário verde
 
"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa
"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa
"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa
 
Fernando Pessoa Heterónimos
Fernando Pessoa   HeterónimosFernando Pessoa   Heterónimos
Fernando Pessoa Heterónimos
 
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana SofiaCesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
 
Fernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da InfânciaFernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da Infância
 
Poemas de Alberto Caeiro
Poemas de Alberto CaeiroPoemas de Alberto Caeiro
Poemas de Alberto Caeiro
 
Síntese fernando pessoa
Síntese fernando pessoaSíntese fernando pessoa
Síntese fernando pessoa
 
Sebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Sebastianismo: Os Lusíadas & MensagemSebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Sebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
 
Alberto caeiro biografia e caracteristicas
Alberto caeiro biografia e caracteristicasAlberto caeiro biografia e caracteristicas
Alberto caeiro biografia e caracteristicas
 
OCEANO NOX_Análise.ppsx
OCEANO NOX_Análise.ppsxOCEANO NOX_Análise.ppsx
OCEANO NOX_Análise.ppsx
 
Ricardo Reis
Ricardo ReisRicardo Reis
Ricardo Reis
 
O resumo de Os Maias
O resumo de Os MaiasO resumo de Os Maias
O resumo de Os Maias
 
Valor aspetual
Valor aspetualValor aspetual
Valor aspetual
 
A "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. PessoaA "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. Pessoa
 
Resumo do conto george
Resumo do conto georgeResumo do conto george
Resumo do conto george
 

Semelhante a Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa

Trovadorismo ao romantismo 2014
Trovadorismo ao romantismo 2014Trovadorismo ao romantismo 2014
Trovadorismo ao romantismo 2014
Gustavo Cuin
 
literatura completa 123kdhshsgsgajhsgakjshbakjshaskl
literatura completa 123kdhshsgsgajhsgakjshbakjshasklliteratura completa 123kdhshsgsgajhsgakjshbakjshaskl
literatura completa 123kdhshsgsgajhsgakjshbakjshaskl
LuisFernando652236
 
O heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto CaeiroO heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto Caeiro
guest155834
 
Trovadorismo ao barroco power point (1)
Trovadorismo ao barroco   power point (1)Trovadorismo ao barroco   power point (1)
Trovadorismo ao barroco power point (1)
Gustavo Cuin
 
Alberto%20 caeirosíntese
Alberto%20 caeirosínteseAlberto%20 caeirosíntese
Alberto%20 caeirosíntese
menaneto1
 
Fernando pessoa e seus heterónimos
Fernando pessoa e seus heterónimosFernando pessoa e seus heterónimos
Fernando pessoa e seus heterónimos
Vanessa Pereira
 

Semelhante a Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa (20)

resumos
resumosresumos
resumos
 
Slides1
Slides1Slides1
Slides1
 
Movimentos literários
Movimentos literáriosMovimentos literários
Movimentos literários
 
Trovadorismo ao romantismo 2014
Trovadorismo ao romantismo 2014Trovadorismo ao romantismo 2014
Trovadorismo ao romantismo 2014
 
literatura completa 123kdhshsgsgajhsgakjshbakjshaskl
literatura completa 123kdhshsgsgajhsgakjshbakjshasklliteratura completa 123kdhshsgsgajhsgakjshbakjshaskl
literatura completa 123kdhshsgsgajhsgakjshbakjshaskl
 
O heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto CaeiroO heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto Caeiro
 
Ricardo reis
Ricardo reisRicardo reis
Ricardo reis
 
Fernando Pessoa e heterónimos
Fernando Pessoa e heterónimosFernando Pessoa e heterónimos
Fernando Pessoa e heterónimos
 
Fp HeteróNimos
Fp HeteróNimosFp HeteróNimos
Fp HeteróNimos
 
Síntese programa12º
Síntese programa12ºSíntese programa12º
Síntese programa12º
 
Trovadorismo e humanismo
Trovadorismo e humanismoTrovadorismo e humanismo
Trovadorismo e humanismo
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura
 
Poesia Heterônima de Alberto Caiero
 Poesia Heterônima de Alberto Caiero Poesia Heterônima de Alberto Caiero
Poesia Heterônima de Alberto Caiero
 
Heterónimos Fernadno Pessoa.pptx
Heterónimos Fernadno Pessoa.pptxHeterónimos Fernadno Pessoa.pptx
Heterónimos Fernadno Pessoa.pptx
 
Trovadorismo ao barroco power point (1)
Trovadorismo ao barroco   power point (1)Trovadorismo ao barroco   power point (1)
Trovadorismo ao barroco power point (1)
 
Alberto%20 caeirosíntese
Alberto%20 caeirosínteseAlberto%20 caeirosíntese
Alberto%20 caeirosíntese
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
 
Heteronimo Alberto Caeiro
Heteronimo Alberto CaeiroHeteronimo Alberto Caeiro
Heteronimo Alberto Caeiro
 
Fernando pessoa e seus heterónimos
Fernando pessoa e seus heterónimosFernando pessoa e seus heterónimos
Fernando pessoa e seus heterónimos
 
Modernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptx
Modernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptxModernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptx
Modernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptx
 

Mais de Raffaella Ergün

Geografia A 11 ano - União Europeia
Geografia A 11 ano - União EuropeiaGeografia A 11 ano - União Europeia
Geografia A 11 ano - União Europeia
Raffaella Ergün
 
Geografia A 11 ano - Transportes
Geografia A 11 ano - TransportesGeografia A 11 ano - Transportes
Geografia A 11 ano - Transportes
Raffaella Ergün
 

Mais de Raffaella Ergün (20)

Central Business District
Central Business DistrictCentral Business District
Central Business District
 
U.E em 12 lições
U.E em 12 liçõesU.E em 12 lições
U.E em 12 lições
 
Como funciona a União Europeia
Como funciona a União EuropeiaComo funciona a União Europeia
Como funciona a União Europeia
 
Resumos de Português: Os Maias
Resumos de Português: Os MaiasResumos de Português: Os Maias
Resumos de Português: Os Maias
 
Saldo da balança de pagamentos portuguesa
Saldo da balança de pagamentos portuguesaSaldo da balança de pagamentos portuguesa
Saldo da balança de pagamentos portuguesa
 
Resumos Economia A 11º ano: Contabilidade nacional
Resumos Economia A 11º ano: Contabilidade nacionalResumos Economia A 11º ano: Contabilidade nacional
Resumos Economia A 11º ano: Contabilidade nacional
 
Resumos Economia A 11º ano (2ª parte)
Resumos Economia A 11º ano (2ª parte)Resumos Economia A 11º ano (2ª parte)
Resumos Economia A 11º ano (2ª parte)
 
Economia A 11º ano - União Europeia
Economia A 11º ano - União EuropeiaEconomia A 11º ano - União Europeia
Economia A 11º ano - União Europeia
 
Resumos Economia A 11º ano (1ª parte)
Resumos Economia A 11º ano (1ª parte)Resumos Economia A 11º ano (1ª parte)
Resumos Economia A 11º ano (1ª parte)
 
Resumos 10º ano - Economia A (3ªa parte)
Resumos 10º ano - Economia A (3ªa parte)Resumos 10º ano - Economia A (3ªa parte)
Resumos 10º ano - Economia A (3ªa parte)
 
Resumos 10ºano - Economia A (2ª parte)
Resumos 10ºano - Economia A (2ª parte)Resumos 10ºano - Economia A (2ª parte)
Resumos 10ºano - Economia A (2ª parte)
 
Resumos 10ºano - Economia A (1ª parte)
Resumos 10ºano - Economia A (1ª parte)Resumos 10ºano - Economia A (1ª parte)
Resumos 10ºano - Economia A (1ª parte)
 
Resumos de Português: Sermão de Santo António aos Peixes
Resumos de Português: Sermão de Santo António aos PeixesResumos de Português: Sermão de Santo António aos Peixes
Resumos de Português: Sermão de Santo António aos Peixes
 
Resumos de Português: Os Lusíadas
Resumos de Português: Os LusíadasResumos de Português: Os Lusíadas
Resumos de Português: Os Lusíadas
 
Resumos de Português: Fernando Pessoa Ortónimo
Resumos de Português: Fernando Pessoa OrtónimoResumos de Português: Fernando Pessoa Ortónimo
Resumos de Português: Fernando Pessoa Ortónimo
 
Resumos de Português: Memorial do convento
Resumos de Português: Memorial do conventoResumos de Português: Memorial do convento
Resumos de Português: Memorial do convento
 
Resumos de Português: Felizmente há luar!
Resumos de Português: Felizmente há luar!Resumos de Português: Felizmente há luar!
Resumos de Português: Felizmente há luar!
 
Resumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões líricoResumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões lírico
 
Geografia A 11 ano - União Europeia
Geografia A 11 ano - União EuropeiaGeografia A 11 ano - União Europeia
Geografia A 11 ano - União Europeia
 
Geografia A 11 ano - Transportes
Geografia A 11 ano - TransportesGeografia A 11 ano - Transportes
Geografia A 11 ano - Transportes
 

Último

Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestreFilosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
LeandroLima265595
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
azulassessoria9
 

Último (20)

Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
 
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestreFilosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................
 
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da provaESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
 
Questões sobre o Mito da Caverna de Platão
Questões sobre o Mito da Caverna de PlatãoQuestões sobre o Mito da Caverna de Platão
Questões sobre o Mito da Caverna de Platão
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptxProva nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdfVIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
 

Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa

  • 1. Alberto Caeiro Poetaque deambulapelocampo; poetasensacionistaobjetivo;poetadanatureza; poetaanti metafísico. Nasceuem 1889, emLisboa,e morreuem1915, mas viveuquase todaa suavidano campo. Nãoteve profissão,nemeducaçãoquase nenhuma:apenasainstruçãoprimária.Erade estaturamédia,frágil,mas não o aparentava.Era louro,de olhosazuis.Ficouórfãode pai e mãe muitocedo e deixou-seficaremcasaa viverdosrendimentos.Viviacomumatia velha,tia-avó.Escreviamal oPortuguês.Éo pretensomestre de A. de Campose de R. Reis. É anti metafísico;é menoscultoe complicadodoque R. Reis,masmaisalegre e franco.É sensacionista. Características:  Negaçãoda metafísicae valorizaçãoda aquisiçãodoconhecimentoatravésdas sensaçõesnão intelectualizadas;é contra a interpretaçãodo real pela inteligência;paraele oreal é a exterioridade e não devemosacrescentar-lhe asimpressõessubjetivas;  Negaçãode si mesmo;  Atração pelainfância,comosinónimode pureza,inocênciae simplicidade,porqueacriança não pensa,conhece pelossentidoscomo ele,pelamanipulaçãodosobjetospelasmãos;  Poeta da Natureza, na sua perpétuarenovaçãoe sucessão,daAureaMediocritas,dasimplicidadeda vidarural;  A vivênciadapassagemdotemponãoexiste,sãosóvivênciasatemporais:otempoé ausênciade tempo. Sóexiste arealidade dopresente,de cadainstante,de cadamomento.Opassadoe o futuro são os instantesque refletemaunidade doprópriotempovividoemcadapresente. AlbertoCaeirosóse importaemver de forma objetivae natural a realidade,coma qual contacta a todo o momento.Daí o seudesejode integraçãoe de comunhãocoma natureza. Para Caeiro, “pensar” é estar doente dos olhos. Veré conhecere compreenderomundo,por isso, pensa vendoe ouvindo.Recusao pensamentometafísico,afirmandoque “pensaré não compreender”.Ao anularo pensamentometafísicoe aovoltar-se apenasparaa visãototal perante omundo, eliminaa dor de pensar que afeta Pessoa. Caeiroé o poetada Naturezaque estáde acordo com elae a vê na sua constante renovação.Eporque só existe arealidade,otempoé aausênciade tempo,sempassado,presente oufuturo,poistodososinstantes são a unidade dotempo. Mestre dos outrosheterónimos e dopróprioortónimo,Caeirodáespecial importânciaaoatode ver, mas é sobretudointeligênciaque discorre sobre assensações,numdiscursoemversolivre,emestilo coloquial e espontâneo.Passeandoaobservaromundo,personificaosonhoda reconciliaçãocom o universo,coma harmoniapagãe primitivadaNatureza. É um sensacionistaaquem sóinteressao que capta pelassensações e a quemo sentidodascoisasé reduzidoàperceçãoda cor, da forma e da existência:aintelectualidade doseuolharvolta-separaa contemplaçãodosobjetosoriginais.Constróiosseuspoemasapartirde matérianão-poética,masé o poeta da Naturezae do olhar,o poetada simplicidade completa,daobjetividade dassensaçõese darealidade imediata(“Paraalém da realidade imediatanão há nada”), negandomesmoa utilidadedopensamento. No entanto,muitasvezesnãoconsegue escaparàracionalização,e é esse factoque lhe provocaalgumatristeza. “Alberto Caeiro parecemais umhomemculto quepretendedespir-seda farda pesada da cultura acumulada ao longo dosséculos.”
  • 2. Vê o mundosemnecessidadede explicações,semprincípionemfim,e confessaque existiré umfacto maravilhoso;porisso,crê na “eternanovidade domundo”.ParaCaeiroo mundoé sempre diferente, sempre múltiplo;porisso,aproveitacadamomentodavidae cada sensaçãona sua originalidade e simplicidade. Para Caeirofazerpoesiaé umaatitude involuntária,espontânea,poisvive nopresente,nãoquerendo saberde outrostempos,e de impressões,sobretudovisuais,e porque recusaaintrospeção,asubjetividade, sendoo poetadoreal objetivo. Caeirocanta o viversemdor, o envelhecersemangústia,o morrer semdesespero,ofazer coincidiro ser com o estar, o combate ao víciode pensar,o serum ser uno, e não fragmentado. Possuíauma linguagemestéticadireta,concreta e simplesmas, ainda assim, bastante complexa do ponto de vista reflexivo. Características:  Objetivismo- apagamentodosujeito;atitude anti lírica;atençãoà "eternanovidade domundo", integraçãoe comunhãocom a natureza;poetadeambulatório  Sensacionismo- poetadas sensaçõestal comoelassão; poetadoolhar; predomíniodassensações visuais("Vi comoumdanado") e das auditivas;o"Argonautadassensaçõesverdadeiras"  Anti metafísico- "Há bastante metafísicaemnãopensaremnada"; recusado pensamento("Pensar é estardoente dosolhos");recusadomistério;recusadomisticismo  PanteísmoNaturalista - tudoé Deus,as coisassão divinas("Deusé asárvorese as flores/E os montese o luar e o sol...");paganismo;desvalorizaçãodotempoenquantocategoriaconceptual ("Nãoqueroincluirotemponomeu esquema");contradiçãoentre "teoria"e "prática" Características de estiloe linguagem:  Estilocoloquial e espontâneo(linguagem quotidiana, fluente,simplese natural);  Ausência(aparente) de preocupaçõesestilísticas;  Indisciplinaformal e ritmolentomasespontâneo;  Vocabuláriosimplese linguagemfamiliar(porvezestautológica- próximadainfantil);  Uso da adjetivaçãoobjetiva(descritiva);  Predomíniodopresente doindicativo(mododoreal);  Recursoa frasessimplesoucoordenadas;  Predomíniodacomparação,da metáforae da repetiçãoanafórica;  Liberdade estrófica,versolivre,métricairregular. Resumo:  Poetada Natureza  Panteísmosensualista:relaçãoíntimae diretacoma Natureza;vivênciade acordocom as suasleis  Poetasensacionista(sensações): predomíniodossentidos (privilegiaoconhecimentosensorial da realidade);especial importânciadoatode ver  Privilégiodasensaçãoemdetrimentodopensamento  Pensamentocomofonte de sofrimento,de enganos,nãopermitindoconheceroreal  Vê a realidade de formaobjetivae natural  Aceitaçãoda realidade tal comoé,de forma tranquila (tal comose apresenta,semcontestação nem interferênciadopensamento);vê ummundosemnecessidade de explicações,semprincípionem fim;existiré umfactomaravilhoso  Visãopagã da existência:aúnicaverdade dascoisasé a sensação  Recusada filosofia,dopensamentometafísico(“pensaré estardoente dosolhos”),omisticismoe o sentimentalismosocial e individual;  Personificaosonhoda reconciliaçãodoUniverso,coma harmoniapagã e primitivadaNatureza  Inexistênciade tempo(unificaçãodotempo)
  • 3.  Inocência,ingenuidade e constante novidade dascoisas  O real como únicomeiode atingira verdade e a felicidade  Mestre de Pessoae dosoutrosheterónimos  Relaçãocom PessoaOrtónimo –eliminaador de pensar
  • 4. Ricardo Reis Disciplinamental;efemeridade davida; iminênciada morte; domíniodos deuses;fugaà dor; atitude estóico-epicurista,baseadana ataraxia (ausênciade perturbação) RicardoReis,nasceuno Portoem1887, foi educadonumcolégiode jesuítase é médico. Élatinistapor educaçãoalheiae semi-helenistaporeducaçãoprópria. ViveunoBrasil e expatriou-se voluntariamente por sermonárquico.Demonstrainteresse pelaculturaClássica,Romana(latina)e Grega(helénica). Fisicamente é umpouco maisbaixo,masforte,maisseco do que Caeiro; morenode cara rapada. Reisé um latinistaque olhae segue osmodelosestéticosda Antiguidade Clássica(Grega e Latina). O mundogreco-latinoé ummodeloparao poeta. Este discípulode Caeiroaceitaa antiga crença nos deuses, enquantodisciplinadoradas nossasemoçõese sentimentos,masdefende,sobretudo,abuscade uma felicidaderelativaalcançadapelaindiferençaàperturbação. Este é o heterónimoque exige aPessoaum maiordistanciamentoe ummaiorpoderde despersonalização. A filosofiade Ricardo Reisé a de um epicurismotriste, pois defende oprazer do momento,o “carpe diem”,comocaminho da felicidade,massemcederaos impulsosdosinstintos.Apesar deste prazer que procura e da felicidade que desejaalcançar, consideraque nunca se consegue a verdadeiracalma e tranquilidade – ataraxia. RicardoReispropõe,pois,umafilosofiamoral de acordocom os princípiosdoepicurismoe umafilosofia estóica:  “Carpe diem”(aproveitaodia),ouseja,aproveita avidaemcada dia,comocaminhoda felicidade;  Busca da felicidadecomtranquilidade (ataraxia);  Não cederaosimpulsosdosinstintos(estoicismo);  Procurar a calma, oupelomenos,asua ilusão;  Seguiro ideal éticodaapatiaque permite aausênciadapaixãoe a liberdade (sobreestaapenas pesao Fado). Epicurismo: fugaà dor (atravésda moderaçãodosprazerese aceitaçãodo fado);não temera morte; moderao prazer(busca dosprazeressimplesdavida,semexcessos); atinge aataraxia(ausênciade perturbações/tranquilidade daalma). Estoicismo:aceitaçãocalma e serenadaordemdas coisase dodestino(aceitaraordemuniversal dascoisas, incluindoamorte);dominaraspaixões(permanecendoindiferentetantosaestascomo à dor, ambas perturbaçõesdarazão);auto disciplina. Horacianismo: carpe diem;aureamediocritas(felicidade possível nosossegodocampo - proximidadede Caeiro). Paganismo: crença nosdeuses;crençana civilizaçãodaGrécia;sente-se umestrangeiroforadasuapátria, a Grécia. Neopaganismo:reconstruçãoda essênciadoverdadeiropaganismo. Neste sentido, este heterónimoafirma-se crente nosdeuses,que estão acima dos homens,mas acima dos doisestá ainda o destino(fado).Tentaassumir a postura dos deuses,adquiridoatravés de um exercíciode autodisciplina,calma e indiferença,face a um destinojá traçado.
  • 5. RicardoReis,que adquiriualiçãodo paganismoespontâneode Caeiro,cultivaumneoclassicismo neopagão(crê nosdeusese nas presençasquase divinasque habitamtodasascoisas),recorrendoà mitologiagreco-latina,e consideraabrevidade,afugacidade e atransitoriedadedavida,poissabe que o tempopassae tudoé efémero (de curtaduração).Acreditanum destinoinelutável de umamaneira tranquila(tranquilaresignaçãoaodestino).Consideraque averdadeirasabedoriade vidaé viverde forma equilibradae serena,“semdesassossegosgrandes”. A filosofiade Reisrege-se peloideal“Carpe Diem”–a sabedoriaconsiste emsaber-se aproveitaro presente,porque se sabe que avidaé breve.Há que noscontentarmoscomo que o destinonostrouxe.Há que vivercommoderação,semnos apegarmosàscoisas,e por issoas paixõesdevemsercomedidas,para que a hora da morte não sejademasiadodolorosa.  A conceçãodos deusescomoumideal humano;  As referênciasaosdeusesdaAntiguidade (neo-paganismo) greco-latinasãoumaforma de referira primaziadocorpo, dasformas,da natureza,dosaspetosexteriores,darealidade,semcuidarda subjetividadeoudainterioridade- ensinamentosde Caeiro,omestre de todososheterónimos;  A recusade envolvimentonas coisasdomundoe dos homens As linhasideológicaspresentesnapoesia de Reis refletemumhomemque sofre e vive o drama da transitoriedade da vida, facto que lhe provoca sofrimento(por imaginar antecipadamente a morte). Somos seresfrágeis,seres-para-a-morte,tal como tudo o que nos rodeia. Características poéticas:  Epicurismo;  Estoicismo;  Autodisciplina,abdicação,recusade compromissosafetivose sociais;  Neopaganismoe neoclassicismo - crençanosdeuses,louvordacivilizaçãogrega,temahoracianodo carpe diem;  Efemeridade davidae dotempo/obsessãopelamorte;  Presençaconstante doFado,do destino,dafatalidade;  Intelectualizaçãodasemoções;  Tom sentencioso - caráctermoralistadasua poesia. Sentimentosdominantes:  Submissão  Dor  Indiferença  Conformação Características de estiloe linguagem:  Estilolaboriosamente construído (construídocomextremorigor);  Forma métricamaisusada- ode.  Linguagemeruditae alatinadanovocabulárioe nasintaxe;  Uso do hipérbatoe da anástrofe (inversãodaordemnatural daspalavrasna frase);  Recursoao gerúndioe ao imperativo(exortativo);  Predomíniodasfrasessubordinadas;
  • 6. Resumo:  Disciplinamental  Intelectualizaçãoasemoções;  Domíniodosdeuses  (Obsessãoda) efemeridade davida,do tempo;aceitaarelatividadee afugacidade dascoisas;  Iminênciae irreversibilidade damorte (morte comoúnicacertezado percursoexistencial;aceitação pacífica desta);  Busca do prazermoderado (procurada ataraxia),comomeiode fugaà dor;  Aparente tranquilidade,naqual se reconhece aangústiaexistencialdoortónimo;  Espíritograve,ansiosode perfeição;  Atitude de quase indiferençaperante avida("A sabedoriade deixarpassaravidaplacidamente, sema viver");inutilidade de qualquercompromisso  Necessidadedopredomíniodarazãosobre a emoção,como umadefesacontrao sofrimento;  Presençadofatalismo - o destinoé forçasuperioraohomem;aceitaçãocalmado destino;  ”epicuristatriste”- (CarpeDiem)- buscado prazermoderadoa da ataraxia  Estoicismo– aceitaçãocalmae serenada ordemdascoisas;  Moralista– pretende levarosoutrosa adotar a suafilosofiade vida,nãose cansade dar conselhos;  Poetaintelectual,sabe contemplar:verintelectualmente arealidade  AceitaçãodoFado, da ordem natural das coisas;  Privilegiaaode,oepigramae a elegia.  Usa a inversãodaordemlógica,favorecendooritmodassuasideiasdisciplinadas  Estilodensamentetrabalhado,de sintaxe alatinada,hipérbatos,apóstrofes,metáforas, comparações,gerúndioe imperativo.  Versoirregulare decassilábico
  • 7. Álvaro de Campos Tédio;Histeria; Excesso;Sensaçõesvividas febrilmente;Vanguarda;Futurismo; Angústia existencial NasceuemTavira a 15 de Outubrode 1890. Teve umaeducaçãovulgarde liceu.Foi paraa Escócia estudarengenharia,primeiromecânicae depoisnaval (Glasgow).ViajanteUmtiobeirãoque erapadre ensinou-lheLatim.InativoemLisboa.Fisicamente:usamonóculo,é alto,magroe temcabeloliso;cara rapada, tipojudeuportuguês.Viajante,vanguardistae cosmopolita. Fernando Pessoaconsideraque Camposse encontrano«extremooposto,inteiramenteoposto,a RicardoReis”,apesarde sercomo este umdiscípulode Caeiro. Camposé o “filhoindisciplinadodasensação" e para ele a sensaçãoé tudo. O eudo poetatenta integrare unificartudoo que temou teve existênciaoupossibilidadede existir. Este heterónimo aprende de Caeiroa urgência de sentir,mas não lhe basta a «sensação das coisas como são»: procura a totalizaçãodassensaçõese dasperceçõesconforme assente,oucomoele próprio afirma“sentirtudo de todas as maneiras”. É configurado“biograficamente”porPessoacomovanguardistae cosmopolita,espelhando-seeste seu perfil particularmentenospoemasem que exalta, emtomfuturista,acivilização modernae osvaloresdo progresso. O poetaprocura incessantemente“sentirtudode todasas maneiras”,sejaaforça explosivados mecanismos,sejaavelocidade,sejaoprópriodesejode partir. Campostantocelebra,empoemasde estilo torrencial,amplo,delirante e até violento,acivilizaçãoindustrial e mecânica,comoexpressaodesencanto do quotidianocitadino, adotandosempre o pontode vista do homem da cidade. Álvarode Camposé o heterónimoque apresentaumaevoluçãomaisnítida,podendonasuaobra distinguir-se trêsfases:  Decadentista(fase do"Opiário") - exprime otédiode viver,oenfado,ocansaço,a náusea,o abatimentoe a necessidadede novassensações;traduzafaltade um sentidoparaa vida e a necessidadede fugaà monotonia; inadaptadoaomundoe à vida.  Futurista/Sensacionista(civilizaçãomoderna/excessode sensações - "Ode Triunfal") - Campos celebraotriunfoda máquina,dacivilizaçãomoderna.Sente-se nospoemasumaatraçãoquase eróticapelasmáquinas,símbolodavidamoderna.Intensidade e totalizaçãodassensações.A parda paixãopelamáquina,háa náusea,provocadapelapoluiçãofísicae moral da vidamoderna.Nesta fase,a sensaçãoé maisintelectualizada.Sensacionismo excessivo e conturbado.  Abúlica (pessimistae intimista) - Perante a incapacidade de unificaremsi pensamentoe sentimento,mundoexteriore interior,trazde voltao abatimento (ocansaço,o tédio,solidão). Conflitoentre arealidade e opoeta.Este sente-sevazio,ummarginal,incompreendido.Angustiado e cansado.Revela,tal comoPessoa,amesmaangústiaexistencial,ceticismo,dorde pensare nostalgiadainfância. A grande viragemnapoesiade Campos (segundafase) acontece depoisde terconhecidoCaeiro,seuMestre, que o introduziunouniversodosensacionismo.Masenquanto Caeiroacolhe tranquilamente as sensações (considerandoa sensação captada pelossentidoscomo única realidade),Camposexperimenta-as febrilmente,excessivamente (nãorejeitandoopensamento,assimafastando-se de Caeiro).Tão excessivamente que,querendo"sentirtudode todasas maneiras", parece esgotar-se a seguir,caindonuma espécie de apatiamelancólica, desvaneionostálgicoque oaproxima do Ortónimo (com quempartilhao
  • 8. ceticismo,dorde pensar,procurado sentidonoque estápara alémda realidade,fragmentaçãodoeu, nostalgiadainfânciairremediavelmente perdida). Destaformaé Campoque reconhece oslimitesdo humano,a apatiae o cansaço de quemquis sermáquinae nãoconseguiuporserHomem. Características poéticas:  poetamodernista  futurismo - apologiadacivilizaçãoindustrial e técnica,ruturacoma lírica tradicional e transgressão da moral estabelecida,êxtase, exaltaçãodaforça,da violência, doexcesso;  sensacionismo - excessode sensações,euforiadesmedida;  pessimismoe intimismo -evasão, inadaptaçãodoreal,abulia,tédio,cansaço,solidão,frustraçãoe tristeza,dorde ser lúcido;  nostalgiadainfância,irremediavelmente perdida;  autoironiae autodepreciação(angústiaexistencial)  fragmentaçãodo"eu";domíniodo pensare da consciência;incapacidade de sentir;solidãoe isolamento. Após a descoberta do futurismoe de Walt Whitman,Campos adota (para alémdo verso livre) um estilo esfuziante,torrencial,espraiadoemlongos versos,vivificadopelafantasia verbal duradoura e inesgotável. Características de estiloe linguagem:  excessode expressão - pontuaçãoemotiva(exclamações,interjeições...);  ritmorápidoe excessivo,repetitivo;  linguagemmarcadaporum tom excessivoe intenso(peloexcessode expressãoe verponto 4)  recursoa metáforasousadas,personificações,hipérbatos,oxímoros,onomatopeias,aliterações, adjetivaçãoabundante,hipérboles,anáforase repetições;  versolivre, geralmente longo;  uso de neologismose estrangeirismos;  estrofeslongase irregulares. Resumo:  Poetamodernista  1ª Fase - tédioe desencanto;buscade novassensações  2ª fase - delíriosensorial - sensacionismo(excessode sensações,euforiadesmedida); cantoda civilizaçãomoderna- futurismo(apologiadacivilizaçãoindustrial e técnica - moderna);erotismo doentioe febril  3ª fase - regressoao abatimento,aocansaçoda vida,angústia,tédio;nostalgiadainfância irremediavelmente perdida;incapacidadede sentir;desencantodavida;pessimismo;inadaptação ao presente/àrealidade;fragmentaçãodoeu;domíniodopensare da consciência.
  • 9. Síntese dos sujeitos poéticos Relação "eu" / mundo exterior: Pessoa- Inadaptaçãoao real;incapacidade de "viver"e serfeliz;opçãopelasolidão;incapacidadede sentir; domíniodopensamento,daconsciência;fascíniopeloracional;incapacidade de agir. Caeiro- A relaçãofaz-se atravésde sensações,de formaequilibrada;aboliçãodopensamento;aceitação calma da vida;anulaçãodo que noser humanopode originarsofrimento;oolharinocente comomodo privilegiadode conheceromundo;deambulismo. Campos - Excessode sensaçõesconducenteaestadosde euforia/disforia;interferênciadopensamento - dor de ser lúcido;inadaptaçãoaoreal;masoquismo;serdivididoentre osonhoe a realidade. Reis- Primadodo pensamentosobre asensação;desejode manteraintegridade masrenunciandoatudoo que é fatorde perturbações;buscadaataraxia;conciliaçãode resignaçãoe moderadoprazer.