Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa

469 visualizações

Publicada em

Resumos para o Exame Nacional de 12ºano de Português. Alberto Caeiro, Ricardo Reis e Álvaro de Campos

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
469
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
10
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa

  1. 1. Alberto Caeiro Poetaque deambulapelocampo; poetasensacionistaobjetivo;poetadanatureza; poetaanti metafísico. Nasceuem 1889, emLisboa,e morreuem1915, mas viveuquase todaa suavidano campo. Nãoteve profissão,nemeducaçãoquase nenhuma:apenasainstruçãoprimária.Erade estaturamédia,frágil,mas não o aparentava.Era louro,de olhosazuis.Ficouórfãode pai e mãe muitocedo e deixou-seficaremcasaa viverdosrendimentos.Viviacomumatia velha,tia-avó.Escreviamal oPortuguês.Éo pretensomestre de A. de Campose de R. Reis. É anti metafísico;é menoscultoe complicadodoque R. Reis,masmaisalegre e franco.É sensacionista. Características:  Negaçãoda metafísicae valorizaçãoda aquisiçãodoconhecimentoatravésdas sensaçõesnão intelectualizadas;é contra a interpretaçãodo real pela inteligência;paraele oreal é a exterioridade e não devemosacrescentar-lhe asimpressõessubjetivas;  Negaçãode si mesmo;  Atração pelainfância,comosinónimode pureza,inocênciae simplicidade,porqueacriança não pensa,conhece pelossentidoscomo ele,pelamanipulaçãodosobjetospelasmãos;  Poeta da Natureza, na sua perpétuarenovaçãoe sucessão,daAureaMediocritas,dasimplicidadeda vidarural;  A vivênciadapassagemdotemponãoexiste,sãosóvivênciasatemporais:otempoé ausênciade tempo. Sóexiste arealidade dopresente,de cadainstante,de cadamomento.Opassadoe o futuro são os instantesque refletemaunidade doprópriotempovividoemcadapresente. AlbertoCaeirosóse importaemver de forma objetivae natural a realidade,coma qual contacta a todo o momento.Daí o seudesejode integraçãoe de comunhãocoma natureza. Para Caeiro, “pensar” é estar doente dos olhos. Veré conhecere compreenderomundo,por isso, pensa vendoe ouvindo.Recusao pensamentometafísico,afirmandoque “pensaré não compreender”.Ao anularo pensamentometafísicoe aovoltar-se apenasparaa visãototal perante omundo, eliminaa dor de pensar que afeta Pessoa. Caeiroé o poetada Naturezaque estáde acordo com elae a vê na sua constante renovação.Eporque só existe arealidade,otempoé aausênciade tempo,sempassado,presente oufuturo,poistodososinstantes são a unidade dotempo. Mestre dos outrosheterónimos e dopróprioortónimo,Caeirodáespecial importânciaaoatode ver, mas é sobretudointeligênciaque discorre sobre assensações,numdiscursoemversolivre,emestilo coloquial e espontâneo.Passeandoaobservaromundo,personificaosonhoda reconciliaçãocom o universo,coma harmoniapagãe primitivadaNatureza. É um sensacionistaaquem sóinteressao que capta pelassensações e a quemo sentidodascoisasé reduzidoàperceçãoda cor, da forma e da existência:aintelectualidade doseuolharvolta-separaa contemplaçãodosobjetosoriginais.Constróiosseuspoemasapartirde matérianão-poética,masé o poeta da Naturezae do olhar,o poetada simplicidade completa,daobjetividade dassensaçõese darealidade imediata(“Paraalém da realidade imediatanão há nada”), negandomesmoa utilidadedopensamento. No entanto,muitasvezesnãoconsegue escaparàracionalização,e é esse factoque lhe provocaalgumatristeza. “Alberto Caeiro parecemais umhomemculto quepretendedespir-seda farda pesada da cultura acumulada ao longo dosséculos.”
  2. 2. Vê o mundosemnecessidadede explicações,semprincípionemfim,e confessaque existiré umfacto maravilhoso;porisso,crê na “eternanovidade domundo”.ParaCaeiroo mundoé sempre diferente, sempre múltiplo;porisso,aproveitacadamomentodavidae cada sensaçãona sua originalidade e simplicidade. Para Caeirofazerpoesiaé umaatitude involuntária,espontânea,poisvive nopresente,nãoquerendo saberde outrostempos,e de impressões,sobretudovisuais,e porque recusaaintrospeção,asubjetividade, sendoo poetadoreal objetivo. Caeirocanta o viversemdor, o envelhecersemangústia,o morrer semdesespero,ofazer coincidiro ser com o estar, o combate ao víciode pensar,o serum ser uno, e não fragmentado. Possuíauma linguagemestéticadireta,concreta e simplesmas, ainda assim, bastante complexa do ponto de vista reflexivo. Características:  Objetivismo- apagamentodosujeito;atitude anti lírica;atençãoà "eternanovidade domundo", integraçãoe comunhãocom a natureza;poetadeambulatório  Sensacionismo- poetadas sensaçõestal comoelassão; poetadoolhar; predomíniodassensações visuais("Vi comoumdanado") e das auditivas;o"Argonautadassensaçõesverdadeiras"  Anti metafísico- "Há bastante metafísicaemnãopensaremnada"; recusado pensamento("Pensar é estardoente dosolhos");recusadomistério;recusadomisticismo  PanteísmoNaturalista - tudoé Deus,as coisassão divinas("Deusé asárvorese as flores/E os montese o luar e o sol...");paganismo;desvalorizaçãodotempoenquantocategoriaconceptual ("Nãoqueroincluirotemponomeu esquema");contradiçãoentre "teoria"e "prática" Características de estiloe linguagem:  Estilocoloquial e espontâneo(linguagem quotidiana, fluente,simplese natural);  Ausência(aparente) de preocupaçõesestilísticas;  Indisciplinaformal e ritmolentomasespontâneo;  Vocabuláriosimplese linguagemfamiliar(porvezestautológica- próximadainfantil);  Uso da adjetivaçãoobjetiva(descritiva);  Predomíniodopresente doindicativo(mododoreal);  Recursoa frasessimplesoucoordenadas;  Predomíniodacomparação,da metáforae da repetiçãoanafórica;  Liberdade estrófica,versolivre,métricairregular. Resumo:  Poetada Natureza  Panteísmosensualista:relaçãoíntimae diretacoma Natureza;vivênciade acordocom as suasleis  Poetasensacionista(sensações): predomíniodossentidos (privilegiaoconhecimentosensorial da realidade);especial importânciadoatode ver  Privilégiodasensaçãoemdetrimentodopensamento  Pensamentocomofonte de sofrimento,de enganos,nãopermitindoconheceroreal  Vê a realidade de formaobjetivae natural  Aceitaçãoda realidade tal comoé,de forma tranquila (tal comose apresenta,semcontestação nem interferênciadopensamento);vê ummundosemnecessidade de explicações,semprincípionem fim;existiré umfactomaravilhoso  Visãopagã da existência:aúnicaverdade dascoisasé a sensação  Recusada filosofia,dopensamentometafísico(“pensaré estardoente dosolhos”),omisticismoe o sentimentalismosocial e individual;  Personificaosonhoda reconciliaçãodoUniverso,coma harmoniapagã e primitivadaNatureza  Inexistênciade tempo(unificaçãodotempo)
  3. 3.  Inocência,ingenuidade e constante novidade dascoisas  O real como únicomeiode atingira verdade e a felicidade  Mestre de Pessoae dosoutrosheterónimos  Relaçãocom PessoaOrtónimo –eliminaador de pensar
  4. 4. Ricardo Reis Disciplinamental;efemeridade davida; iminênciada morte; domíniodos deuses;fugaà dor; atitude estóico-epicurista,baseadana ataraxia (ausênciade perturbação) RicardoReis,nasceuno Portoem1887, foi educadonumcolégiode jesuítase é médico. Élatinistapor educaçãoalheiae semi-helenistaporeducaçãoprópria. ViveunoBrasil e expatriou-se voluntariamente por sermonárquico.Demonstrainteresse pelaculturaClássica,Romana(latina)e Grega(helénica). Fisicamente é umpouco maisbaixo,masforte,maisseco do que Caeiro; morenode cara rapada. Reisé um latinistaque olhae segue osmodelosestéticosda Antiguidade Clássica(Grega e Latina). O mundogreco-latinoé ummodeloparao poeta. Este discípulode Caeiroaceitaa antiga crença nos deuses, enquantodisciplinadoradas nossasemoçõese sentimentos,masdefende,sobretudo,abuscade uma felicidaderelativaalcançadapelaindiferençaàperturbação. Este é o heterónimoque exige aPessoaum maiordistanciamentoe ummaiorpoderde despersonalização. A filosofiade Ricardo Reisé a de um epicurismotriste, pois defende oprazer do momento,o “carpe diem”,comocaminho da felicidade,massemcederaos impulsosdosinstintos.Apesar deste prazer que procura e da felicidade que desejaalcançar, consideraque nunca se consegue a verdadeiracalma e tranquilidade – ataraxia. RicardoReispropõe,pois,umafilosofiamoral de acordocom os princípiosdoepicurismoe umafilosofia estóica:  “Carpe diem”(aproveitaodia),ouseja,aproveita avidaemcada dia,comocaminhoda felicidade;  Busca da felicidadecomtranquilidade (ataraxia);  Não cederaosimpulsosdosinstintos(estoicismo);  Procurar a calma, oupelomenos,asua ilusão;  Seguiro ideal éticodaapatiaque permite aausênciadapaixãoe a liberdade (sobreestaapenas pesao Fado). Epicurismo: fugaà dor (atravésda moderaçãodosprazerese aceitaçãodo fado);não temera morte; moderao prazer(busca dosprazeressimplesdavida,semexcessos); atinge aataraxia(ausênciade perturbações/tranquilidade daalma). Estoicismo:aceitaçãocalma e serenadaordemdas coisase dodestino(aceitaraordemuniversal dascoisas, incluindoamorte);dominaraspaixões(permanecendoindiferentetantosaestascomo à dor, ambas perturbaçõesdarazão);auto disciplina. Horacianismo: carpe diem;aureamediocritas(felicidade possível nosossegodocampo - proximidadede Caeiro). Paganismo: crença nosdeuses;crençana civilizaçãodaGrécia;sente-se umestrangeiroforadasuapátria, a Grécia. Neopaganismo:reconstruçãoda essênciadoverdadeiropaganismo. Neste sentido, este heterónimoafirma-se crente nosdeuses,que estão acima dos homens,mas acima dos doisestá ainda o destino(fado).Tentaassumir a postura dos deuses,adquiridoatravés de um exercíciode autodisciplina,calma e indiferença,face a um destinojá traçado.
  5. 5. RicardoReis,que adquiriualiçãodo paganismoespontâneode Caeiro,cultivaumneoclassicismo neopagão(crê nosdeusese nas presençasquase divinasque habitamtodasascoisas),recorrendoà mitologiagreco-latina,e consideraabrevidade,afugacidade e atransitoriedadedavida,poissabe que o tempopassae tudoé efémero (de curtaduração).Acreditanum destinoinelutável de umamaneira tranquila(tranquilaresignaçãoaodestino).Consideraque averdadeirasabedoriade vidaé viverde forma equilibradae serena,“semdesassossegosgrandes”. A filosofiade Reisrege-se peloideal“Carpe Diem”–a sabedoriaconsiste emsaber-se aproveitaro presente,porque se sabe que avidaé breve.Há que noscontentarmoscomo que o destinonostrouxe.Há que vivercommoderação,semnos apegarmosàscoisas,e por issoas paixõesdevemsercomedidas,para que a hora da morte não sejademasiadodolorosa.  A conceçãodos deusescomoumideal humano;  As referênciasaosdeusesdaAntiguidade (neo-paganismo) greco-latinasãoumaforma de referira primaziadocorpo, dasformas,da natureza,dosaspetosexteriores,darealidade,semcuidarda subjetividadeoudainterioridade- ensinamentosde Caeiro,omestre de todososheterónimos;  A recusade envolvimentonas coisasdomundoe dos homens As linhasideológicaspresentesnapoesia de Reis refletemumhomemque sofre e vive o drama da transitoriedade da vida, facto que lhe provoca sofrimento(por imaginar antecipadamente a morte). Somos seresfrágeis,seres-para-a-morte,tal como tudo o que nos rodeia. Características poéticas:  Epicurismo;  Estoicismo;  Autodisciplina,abdicação,recusade compromissosafetivose sociais;  Neopaganismoe neoclassicismo - crençanosdeuses,louvordacivilizaçãogrega,temahoracianodo carpe diem;  Efemeridade davidae dotempo/obsessãopelamorte;  Presençaconstante doFado,do destino,dafatalidade;  Intelectualizaçãodasemoções;  Tom sentencioso - caráctermoralistadasua poesia. Sentimentosdominantes:  Submissão  Dor  Indiferença  Conformação Características de estiloe linguagem:  Estilolaboriosamente construído (construídocomextremorigor);  Forma métricamaisusada- ode.  Linguagemeruditae alatinadanovocabulárioe nasintaxe;  Uso do hipérbatoe da anástrofe (inversãodaordemnatural daspalavrasna frase);  Recursoao gerúndioe ao imperativo(exortativo);  Predomíniodasfrasessubordinadas;
  6. 6. Resumo:  Disciplinamental  Intelectualizaçãoasemoções;  Domíniodosdeuses  (Obsessãoda) efemeridade davida,do tempo;aceitaarelatividadee afugacidade dascoisas;  Iminênciae irreversibilidade damorte (morte comoúnicacertezado percursoexistencial;aceitação pacífica desta);  Busca do prazermoderado (procurada ataraxia),comomeiode fugaà dor;  Aparente tranquilidade,naqual se reconhece aangústiaexistencialdoortónimo;  Espíritograve,ansiosode perfeição;  Atitude de quase indiferençaperante avida("A sabedoriade deixarpassaravidaplacidamente, sema viver");inutilidade de qualquercompromisso  Necessidadedopredomíniodarazãosobre a emoção,como umadefesacontrao sofrimento;  Presençadofatalismo - o destinoé forçasuperioraohomem;aceitaçãocalmado destino;  ”epicuristatriste”- (CarpeDiem)- buscado prazermoderadoa da ataraxia  Estoicismo– aceitaçãocalmae serenada ordemdascoisas;  Moralista– pretende levarosoutrosa adotar a suafilosofiade vida,nãose cansade dar conselhos;  Poetaintelectual,sabe contemplar:verintelectualmente arealidade  AceitaçãodoFado, da ordem natural das coisas;  Privilegiaaode,oepigramae a elegia.  Usa a inversãodaordemlógica,favorecendooritmodassuasideiasdisciplinadas  Estilodensamentetrabalhado,de sintaxe alatinada,hipérbatos,apóstrofes,metáforas, comparações,gerúndioe imperativo.  Versoirregulare decassilábico
  7. 7. Álvaro de Campos Tédio;Histeria; Excesso;Sensaçõesvividas febrilmente;Vanguarda;Futurismo; Angústia existencial NasceuemTavira a 15 de Outubrode 1890. Teve umaeducaçãovulgarde liceu.Foi paraa Escócia estudarengenharia,primeiromecânicae depoisnaval (Glasgow).ViajanteUmtiobeirãoque erapadre ensinou-lheLatim.InativoemLisboa.Fisicamente:usamonóculo,é alto,magroe temcabeloliso;cara rapada, tipojudeuportuguês.Viajante,vanguardistae cosmopolita. Fernando Pessoaconsideraque Camposse encontrano«extremooposto,inteiramenteoposto,a RicardoReis”,apesarde sercomo este umdiscípulode Caeiro. Camposé o “filhoindisciplinadodasensação" e para ele a sensaçãoé tudo. O eudo poetatenta integrare unificartudoo que temou teve existênciaoupossibilidadede existir. Este heterónimo aprende de Caeiroa urgência de sentir,mas não lhe basta a «sensação das coisas como são»: procura a totalizaçãodassensaçõese dasperceçõesconforme assente,oucomoele próprio afirma“sentirtudo de todas as maneiras”. É configurado“biograficamente”porPessoacomovanguardistae cosmopolita,espelhando-seeste seu perfil particularmentenospoemasem que exalta, emtomfuturista,acivilização modernae osvaloresdo progresso. O poetaprocura incessantemente“sentirtudode todasas maneiras”,sejaaforça explosivados mecanismos,sejaavelocidade,sejaoprópriodesejode partir. Campostantocelebra,empoemasde estilo torrencial,amplo,delirante e até violento,acivilizaçãoindustrial e mecânica,comoexpressaodesencanto do quotidianocitadino, adotandosempre o pontode vista do homem da cidade. Álvarode Camposé o heterónimoque apresentaumaevoluçãomaisnítida,podendonasuaobra distinguir-se trêsfases:  Decadentista(fase do"Opiário") - exprime otédiode viver,oenfado,ocansaço,a náusea,o abatimentoe a necessidadede novassensações;traduzafaltade um sentidoparaa vida e a necessidadede fugaà monotonia; inadaptadoaomundoe à vida.  Futurista/Sensacionista(civilizaçãomoderna/excessode sensações - "Ode Triunfal") - Campos celebraotriunfoda máquina,dacivilizaçãomoderna.Sente-se nospoemasumaatraçãoquase eróticapelasmáquinas,símbolodavidamoderna.Intensidade e totalizaçãodassensações.A parda paixãopelamáquina,háa náusea,provocadapelapoluiçãofísicae moral da vidamoderna.Nesta fase,a sensaçãoé maisintelectualizada.Sensacionismo excessivo e conturbado.  Abúlica (pessimistae intimista) - Perante a incapacidade de unificaremsi pensamentoe sentimento,mundoexteriore interior,trazde voltao abatimento (ocansaço,o tédio,solidão). Conflitoentre arealidade e opoeta.Este sente-sevazio,ummarginal,incompreendido.Angustiado e cansado.Revela,tal comoPessoa,amesmaangústiaexistencial,ceticismo,dorde pensare nostalgiadainfância. A grande viragemnapoesiade Campos (segundafase) acontece depoisde terconhecidoCaeiro,seuMestre, que o introduziunouniversodosensacionismo.Masenquanto Caeiroacolhe tranquilamente as sensações (considerandoa sensação captada pelossentidoscomo única realidade),Camposexperimenta-as febrilmente,excessivamente (nãorejeitandoopensamento,assimafastando-se de Caeiro).Tão excessivamente que,querendo"sentirtudode todasas maneiras", parece esgotar-se a seguir,caindonuma espécie de apatiamelancólica, desvaneionostálgicoque oaproxima do Ortónimo (com quempartilhao
  8. 8. ceticismo,dorde pensar,procurado sentidonoque estápara alémda realidade,fragmentaçãodoeu, nostalgiadainfânciairremediavelmente perdida). Destaformaé Campoque reconhece oslimitesdo humano,a apatiae o cansaço de quemquis sermáquinae nãoconseguiuporserHomem. Características poéticas:  poetamodernista  futurismo - apologiadacivilizaçãoindustrial e técnica,ruturacoma lírica tradicional e transgressão da moral estabelecida,êxtase, exaltaçãodaforça,da violência, doexcesso;  sensacionismo - excessode sensações,euforiadesmedida;  pessimismoe intimismo -evasão, inadaptaçãodoreal,abulia,tédio,cansaço,solidão,frustraçãoe tristeza,dorde ser lúcido;  nostalgiadainfância,irremediavelmente perdida;  autoironiae autodepreciação(angústiaexistencial)  fragmentaçãodo"eu";domíniodo pensare da consciência;incapacidade de sentir;solidãoe isolamento. Após a descoberta do futurismoe de Walt Whitman,Campos adota (para alémdo verso livre) um estilo esfuziante,torrencial,espraiadoemlongos versos,vivificadopelafantasia verbal duradoura e inesgotável. Características de estiloe linguagem:  excessode expressão - pontuaçãoemotiva(exclamações,interjeições...);  ritmorápidoe excessivo,repetitivo;  linguagemmarcadaporum tom excessivoe intenso(peloexcessode expressãoe verponto 4)  recursoa metáforasousadas,personificações,hipérbatos,oxímoros,onomatopeias,aliterações, adjetivaçãoabundante,hipérboles,anáforase repetições;  versolivre, geralmente longo;  uso de neologismose estrangeirismos;  estrofeslongase irregulares. Resumo:  Poetamodernista  1ª Fase - tédioe desencanto;buscade novassensações  2ª fase - delíriosensorial - sensacionismo(excessode sensações,euforiadesmedida); cantoda civilizaçãomoderna- futurismo(apologiadacivilizaçãoindustrial e técnica - moderna);erotismo doentioe febril  3ª fase - regressoao abatimento,aocansaçoda vida,angústia,tédio;nostalgiadainfância irremediavelmente perdida;incapacidadede sentir;desencantodavida;pessimismo;inadaptação ao presente/àrealidade;fragmentaçãodoeu;domíniodopensare da consciência.
  9. 9. Síntese dos sujeitos poéticos Relação "eu" / mundo exterior: Pessoa- Inadaptaçãoao real;incapacidade de "viver"e serfeliz;opçãopelasolidão;incapacidadede sentir; domíniodopensamento,daconsciência;fascíniopeloracional;incapacidade de agir. Caeiro- A relaçãofaz-se atravésde sensações,de formaequilibrada;aboliçãodopensamento;aceitação calma da vida;anulaçãodo que noser humanopode originarsofrimento;oolharinocente comomodo privilegiadode conheceromundo;deambulismo. Campos - Excessode sensaçõesconducenteaestadosde euforia/disforia;interferênciadopensamento - dor de ser lúcido;inadaptaçãoaoreal;masoquismo;serdivididoentre osonhoe a realidade. Reis- Primadodo pensamentosobre asensação;desejode manteraintegridade masrenunciandoatudoo que é fatorde perturbações;buscadaataraxia;conciliaçãode resignaçãoe moderadoprazer.

×