SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 10
Não sei se é sonho, se realidade,
Se uma mistura de sonho e vida,
Aquela terra de suavidade
Que na ilha extrema do sul se olvida.
                                        • Tema: oposição entre o sonho e a
É a que ansiamos. Ali, ali              realidade.
A vida é jovem e o amor sorri.
                                        • “ilha extrema do sul” corresponde à
Talvez palmares inexistentes,           Ilha dos Amores, já imaginada por
Áleas longínquas sem poder ser,         Camões - é o Paraíso Terrestre.
Sombra ou sossego dêem aos crentes
                                        • O eu poético considera que a vida
De que essa terra se pode ter
                                        jovem (a imortalidade) e o amor (a
Felizes, nós? Ah, talvez, talvez,       inexistência da solidão humana) são os
Naquela terra, daquela vez.             valores mais importantes.

Mas já sonhada se desvirtua,            • Mesmo na terra dos sonhos,         a
Só de pensá-la cansou pensar,           felicidade não é garantida.
Sob os palmares, à luz da lua,
                                        • No final do poema, o eu poético
Sente-se o frio de haver luar.
                                        admite que a dúvida acerca da
Ah, nesta terra também, também          existência da felicidade é em vão visto
O mal não cessa, não dura o bem.        que a mesma não existe.

Não é com ilhas do fim do mundo,        • O eu poético não consegue ter a vida
Nem com palmares de sonho ou não,       jovem que tanto ambiciona visto que
Que cura a alma seu mal profundo,       deseja sempre viver através do seu
                                        sonho.
Que o bem nos entra no coração.
É em nós que é tudo. É ali, ali,
Que a vida é jovem e o amor sorri.
Não sei se é sonho, se realidade,
Se uma mistura de sonho e vida,
Aquela terra de suavidade
Que na ilha extrema do sul se olvida.
É a que ansiamos. Ali, ali              Descrição valorativa da terra do sonho:
A vida é jovem e o amor sorri.          •“terra de suavidade”
                                        • fica no extremo do sul
Talvez palmares inexistentes,           • onde “A vida é jovem e o amor sorri”
                                        • é arborizada
Áleas longínquas sem poder ser,
                                        • onde talvez seja possível ser feliz
Sombra ou sossego dêem aos crentes
De que essa terra se pode ter
Felizes, nós? Ah, talvez, talvez,
Naquela terra, daquela vez.

Mas já sonhada se desvirtua,            Desvalorização da terra do sonho:
Só de pensá-la cansou pensar,           • à noite sente-se frio
Sob os palmares, à luz da lua,          • existe mal, o bem não é infinito
Sente-se o frio de haver luar.
Ah, nesta terra também, também
O mal não cessa, não dura o bem.

Não é com ilhas do fim do mundo,        Consciencialização da realidade:
Nem com palmares de sonho ou não,       • o sujeito poético toma consciência de
Que cura a alma seu mal profundo,       que a felicidade de cada um não
                                        depende       do     local onde     nos
Que o bem nos entra no coração.         encontramos mas sim do intimo de
É em nós que é tudo. É ali, ali,        cada um.
Que a vida é jovem e o amor sorri.
Não sei se é sonho, se realidade,
Se uma mistura de sonho e vida,
Aquela terra de suavidade
Que na ilha extrema do sul se olvida.
É a que ansiamos. Ali, ali
A vida é jovem e o amor sorri.

Talvez palmares inexistentes,
                                        Dúvida: incerteza acerca da
Áleas longínquas sem poder ser,
Sombra ou sossego dêem aos crentes      existência da terra dos sonhos
De que essa terra se pode ter
Felizes, nós? Ah, talvez, talvez,
Naquela terra, daquela vez.

Mas já sonhada se desvirtua,
Só de pensá-la cansou pensar,           Oposição a hipótese colocada:
Sob os palmares, à luz da lua,          • terra dos sonhos sem defeitos
Sente-se o frio de haver luar.
Ah, nesta terra também, também
O mal não cessa, não dura o bem.

Não é com ilhas do fim do mundo,
Nem com palmares de sonho ou não,
Que cura a alma seu mal profundo,
Que o bem nos entra no coração.
É em nós que é tudo. É ali, ali,
Que a vida é jovem e o amor sorri.
Análise formal
         É um poema de versificação tradicional regular, constituído por
quatro sextilhas.


Esquema rimático
      ABABCCDEDEFFGHGHIIJKJKLL – rima cruzada


Métrica
        “Não | sei | se é | so | nho, | se | rea | li | da | (de)” – verso
eneassilábico (9 sílabas métricas)


Aliteração
“Não sei se é sonho, se realidade” v.1 – aliteração em s


Assonância
“Não sei se é sonho, se realidade” v.1 – assonância em e
Assíndeto
        “Não sei se é sonho, se realidade,” v.1


Elipse
         “Mas já sonhada se desvirtua,” v.13


Paralelismo
         “Não é com ilhas do fim do mundo, / Nem com palmares de
sonho ou não, / Que cura a alma seu mal profundo, / Que o bem nos
entra no coração.” vv. 19-22
Antítese
           “Talvez palmares inexistentes,” v.7
           “Áleas longínquas sem poder ser,” v.8


Encavalgamento
       “Ali, ali / A vida é jovem e o amor sorri.” vv.5-6


Interrogação retórica
        “Felizes, nós?” v.11


Sinestesia
         “Sente-se o frio de haver luar.” v.16
Linhas de sentido / Temas recorrentes
     • Fuga da realidade para o sonho.
     • Incapacidade de viver a vida.



Estilo
    • Linguagem simples, espontânea, mas sóbria.
• http://www.notapositiva.com/resumos/portugues/recursosestilisticos.htm

• http://www.umfernandopessoa.com/an%C3%A1lises/poema-nao-sei-se-e-
sonho-se-e-realidade.htm

•http://www.pciconcursos.com.br/aulas/portugues/figuras-de-sintaxe

•http://esjmlima.prof2000.pt/figuras_estilo/figuras_estilo.html
Trabalho realizado por:
   Nº8 Filipa Monteiro
 Nº13 Miguel Rodrigues

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Miguel Torga - Poemas
Miguel Torga - PoemasMiguel Torga - Poemas
Miguel Torga - PoemasAna Tapadas
 
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão LopesCrónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão LopesGijasilvelitz 2
 
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaEstrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaVanda Sousa
 
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana SofiaCesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana SofiaJoana Azevedo
 
Principais Temáticas de Alberto Caeiro
Principais Temáticas de Alberto CaeiroPrincipais Temáticas de Alberto Caeiro
Principais Temáticas de Alberto CaeiroDina Baptista
 
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando PessoaResumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando PessoaRaffaella Ergün
 
Poemas de eugénio de andrade
Poemas de eugénio de andradePoemas de eugénio de andrade
Poemas de eugénio de andradeAnaGomes40
 
Mensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Mensagem - D. Sebastião Rei de PortugalMensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Mensagem - D. Sebastião Rei de PortugalMaria Teixiera
 
Sermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - ResumoSermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - Resumocolegiomb
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraDavid Caçador
 
Ode Triunfal de Álvaro de Campos
Ode Triunfal de Álvaro de CamposOde Triunfal de Álvaro de Campos
Ode Triunfal de Álvaro de Camposguest3fc89a1
 
Análise do Poema - A Última Nau
Análise do Poema - A Última NauAnálise do Poema - A Última Nau
Análise do Poema - A Última NauMaria Freitas
 
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)Sara Guerra
 

Mais procurados (20)

Nevoeiro
Nevoeiro   Nevoeiro
Nevoeiro
 
Miguel Torga - Poemas
Miguel Torga - PoemasMiguel Torga - Poemas
Miguel Torga - Poemas
 
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão LopesCrónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
 
Ricardo Reis
Ricardo ReisRicardo Reis
Ricardo Reis
 
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaEstrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
 
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana SofiaCesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
 
Frei Luís de Sousa
Frei Luís de Sousa  Frei Luís de Sousa
Frei Luís de Sousa
 
Deíticos
DeíticosDeíticos
Deíticos
 
Principais Temáticas de Alberto Caeiro
Principais Temáticas de Alberto CaeiroPrincipais Temáticas de Alberto Caeiro
Principais Temáticas de Alberto Caeiro
 
Ricardo reis
Ricardo reisRicardo reis
Ricardo reis
 
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando PessoaResumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
 
Poemas de eugénio de andrade
Poemas de eugénio de andradePoemas de eugénio de andrade
Poemas de eugénio de andrade
 
Mensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Mensagem - D. Sebastião Rei de PortugalMensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Mensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
 
Antero de Quental.docx
Antero de Quental.docxAntero de Quental.docx
Antero de Quental.docx
 
Sermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - ResumoSermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - Resumo
 
Mensagem - Fernando Pessoa
Mensagem - Fernando Pessoa Mensagem - Fernando Pessoa
Mensagem - Fernando Pessoa
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereira
 
Ode Triunfal de Álvaro de Campos
Ode Triunfal de Álvaro de CamposOde Triunfal de Álvaro de Campos
Ode Triunfal de Álvaro de Campos
 
Análise do Poema - A Última Nau
Análise do Poema - A Última NauAnálise do Poema - A Última Nau
Análise do Poema - A Última Nau
 
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
 

Destaque

Fernando pessoa - Sonhar? Viver?
Fernando pessoa - Sonhar? Viver?Fernando pessoa - Sonhar? Viver?
Fernando pessoa - Sonhar? Viver?Rita Galrito
 
QUALIDADE DE VIDA geriatria e gerontologia
 QUALIDADE DE VIDA geriatria e gerontologia  QUALIDADE DE VIDA geriatria e gerontologia
QUALIDADE DE VIDA geriatria e gerontologia Stefane Rayane
 
Envelhecimento saudável
Envelhecimento saudávelEnvelhecimento saudável
Envelhecimento saudávelRubens Junior
 
Ortomolecular para uma longevidade saudável
Ortomolecular para uma longevidade saudávelOrtomolecular para uma longevidade saudável
Ortomolecular para uma longevidade saudávelClínica Higashi
 
"Gato que brincas na rua"
"Gato que brincas na rua""Gato que brincas na rua"
"Gato que brincas na rua"guest472d02
 
Trabalhos associados a um estilo de vida saudável
Trabalhos associados a um estilo de vida saudávelTrabalhos associados a um estilo de vida saudável
Trabalhos associados a um estilo de vida saudávelAdriana Duarte
 
vida saudável
vida saudávelvida saudável
vida saudável3570
 
Educação física, Factores de aptidão física e Estilos de Vida Saudável
Educação física, Factores de aptidão física e Estilos de Vida SaudávelEducação física, Factores de aptidão física e Estilos de Vida Saudável
Educação física, Factores de aptidão física e Estilos de Vida SaudávelLuisa Figueira
 
Estilos de vida saudáveis
Estilos de vida saudáveisEstilos de vida saudáveis
Estilos de vida saudáveisjdjoana
 

Destaque (10)

Fernando pessoa - Sonhar? Viver?
Fernando pessoa - Sonhar? Viver?Fernando pessoa - Sonhar? Viver?
Fernando pessoa - Sonhar? Viver?
 
QUALIDADE DE VIDA geriatria e gerontologia
 QUALIDADE DE VIDA geriatria e gerontologia  QUALIDADE DE VIDA geriatria e gerontologia
QUALIDADE DE VIDA geriatria e gerontologia
 
ENVELHECIMENTO SAUDAVEL
ENVELHECIMENTO SAUDAVELENVELHECIMENTO SAUDAVEL
ENVELHECIMENTO SAUDAVEL
 
Envelhecimento saudável
Envelhecimento saudávelEnvelhecimento saudável
Envelhecimento saudável
 
Ortomolecular para uma longevidade saudável
Ortomolecular para uma longevidade saudávelOrtomolecular para uma longevidade saudável
Ortomolecular para uma longevidade saudável
 
"Gato que brincas na rua"
"Gato que brincas na rua""Gato que brincas na rua"
"Gato que brincas na rua"
 
Trabalhos associados a um estilo de vida saudável
Trabalhos associados a um estilo de vida saudávelTrabalhos associados a um estilo de vida saudável
Trabalhos associados a um estilo de vida saudável
 
vida saudável
vida saudávelvida saudável
vida saudável
 
Educação física, Factores de aptidão física e Estilos de Vida Saudável
Educação física, Factores de aptidão física e Estilos de Vida SaudávelEducação física, Factores de aptidão física e Estilos de Vida Saudável
Educação física, Factores de aptidão física e Estilos de Vida Saudável
 
Estilos de vida saudáveis
Estilos de vida saudáveisEstilos de vida saudáveis
Estilos de vida saudáveis
 

Semelhante a "Não sei se é sonhe, se realidade"

Semelhante a "Não sei se é sonhe, se realidade" (20)

Passageiro de Um Falso Lugar
Passageiro de Um Falso LugarPassageiro de Um Falso Lugar
Passageiro de Um Falso Lugar
 
Filipa Duarte
Filipa Duarte Filipa Duarte
Filipa Duarte
 
O Amor é ...
O Amor é ...O Amor é ...
O Amor é ...
 
Calendário julho 2010_rosely
Calendário julho 2010_roselyCalendário julho 2010_rosely
Calendário julho 2010_rosely
 
Viagens e versos
Viagens e versosViagens e versos
Viagens e versos
 
Viagens e versos
Viagens e versosViagens e versos
Viagens e versos
 
Folhetim Literário Desiderata n 1 - Sonhos
Folhetim Literário Desiderata n 1 - SonhosFolhetim Literário Desiderata n 1 - Sonhos
Folhetim Literário Desiderata n 1 - Sonhos
 
Escolhendo Poesias
Escolhendo Poesias Escolhendo Poesias
Escolhendo Poesias
 
Calendário Mensal: Julho 2010
Calendário Mensal: Julho 2010Calendário Mensal: Julho 2010
Calendário Mensal: Julho 2010
 
Poemas de Amor
Poemas de AmorPoemas de Amor
Poemas de Amor
 
Poesia Seomara 1989
Poesia Seomara 1989Poesia Seomara 1989
Poesia Seomara 1989
 
Personagem Vivo -1985/1991-
Personagem Vivo -1985/1991-Personagem Vivo -1985/1991-
Personagem Vivo -1985/1991-
 
Poemas de vários autores
Poemas de vários autoresPoemas de vários autores
Poemas de vários autores
 
Letras musicas coral
Letras musicas coralLetras musicas coral
Letras musicas coral
 
Farrapos de poesia e som com f.pessoa
Farrapos de poesia e som com f.pessoaFarrapos de poesia e som com f.pessoa
Farrapos de poesia e som com f.pessoa
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoa
 
31
3131
31
 
Fernando pessoa poema
Fernando pessoa   poemaFernando pessoa   poema
Fernando pessoa poema
 
Cancioneiro - Fernando Pessoa -
Cancioneiro - Fernando Pessoa -Cancioneiro - Fernando Pessoa -
Cancioneiro - Fernando Pessoa -
 
Diamundialpoesia 100503060711-phpapp02
Diamundialpoesia 100503060711-phpapp02Diamundialpoesia 100503060711-phpapp02
Diamundialpoesia 100503060711-phpapp02
 

Último

UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteIpdaWellington
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdfSistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdfAntonio Barros
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persafelipescherner
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfCsarBaltazar1
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfCarolineNunes80
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024azulassessoria9
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaIlda Bicacro
 

Último (20)

UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdfSistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 

"Não sei se é sonhe, se realidade"

  • 1.
  • 2. Não sei se é sonho, se realidade, Se uma mistura de sonho e vida, Aquela terra de suavidade Que na ilha extrema do sul se olvida. • Tema: oposição entre o sonho e a É a que ansiamos. Ali, ali realidade. A vida é jovem e o amor sorri. • “ilha extrema do sul” corresponde à Talvez palmares inexistentes, Ilha dos Amores, já imaginada por Áleas longínquas sem poder ser, Camões - é o Paraíso Terrestre. Sombra ou sossego dêem aos crentes • O eu poético considera que a vida De que essa terra se pode ter jovem (a imortalidade) e o amor (a Felizes, nós? Ah, talvez, talvez, inexistência da solidão humana) são os Naquela terra, daquela vez. valores mais importantes. Mas já sonhada se desvirtua, • Mesmo na terra dos sonhos, a Só de pensá-la cansou pensar, felicidade não é garantida. Sob os palmares, à luz da lua, • No final do poema, o eu poético Sente-se o frio de haver luar. admite que a dúvida acerca da Ah, nesta terra também, também existência da felicidade é em vão visto O mal não cessa, não dura o bem. que a mesma não existe. Não é com ilhas do fim do mundo, • O eu poético não consegue ter a vida Nem com palmares de sonho ou não, jovem que tanto ambiciona visto que Que cura a alma seu mal profundo, deseja sempre viver através do seu sonho. Que o bem nos entra no coração. É em nós que é tudo. É ali, ali, Que a vida é jovem e o amor sorri.
  • 3. Não sei se é sonho, se realidade, Se uma mistura de sonho e vida, Aquela terra de suavidade Que na ilha extrema do sul se olvida. É a que ansiamos. Ali, ali Descrição valorativa da terra do sonho: A vida é jovem e o amor sorri. •“terra de suavidade” • fica no extremo do sul Talvez palmares inexistentes, • onde “A vida é jovem e o amor sorri” • é arborizada Áleas longínquas sem poder ser, • onde talvez seja possível ser feliz Sombra ou sossego dêem aos crentes De que essa terra se pode ter Felizes, nós? Ah, talvez, talvez, Naquela terra, daquela vez. Mas já sonhada se desvirtua, Desvalorização da terra do sonho: Só de pensá-la cansou pensar, • à noite sente-se frio Sob os palmares, à luz da lua, • existe mal, o bem não é infinito Sente-se o frio de haver luar. Ah, nesta terra também, também O mal não cessa, não dura o bem. Não é com ilhas do fim do mundo, Consciencialização da realidade: Nem com palmares de sonho ou não, • o sujeito poético toma consciência de Que cura a alma seu mal profundo, que a felicidade de cada um não depende do local onde nos Que o bem nos entra no coração. encontramos mas sim do intimo de É em nós que é tudo. É ali, ali, cada um. Que a vida é jovem e o amor sorri.
  • 4. Não sei se é sonho, se realidade, Se uma mistura de sonho e vida, Aquela terra de suavidade Que na ilha extrema do sul se olvida. É a que ansiamos. Ali, ali A vida é jovem e o amor sorri. Talvez palmares inexistentes, Dúvida: incerteza acerca da Áleas longínquas sem poder ser, Sombra ou sossego dêem aos crentes existência da terra dos sonhos De que essa terra se pode ter Felizes, nós? Ah, talvez, talvez, Naquela terra, daquela vez. Mas já sonhada se desvirtua, Só de pensá-la cansou pensar, Oposição a hipótese colocada: Sob os palmares, à luz da lua, • terra dos sonhos sem defeitos Sente-se o frio de haver luar. Ah, nesta terra também, também O mal não cessa, não dura o bem. Não é com ilhas do fim do mundo, Nem com palmares de sonho ou não, Que cura a alma seu mal profundo, Que o bem nos entra no coração. É em nós que é tudo. É ali, ali, Que a vida é jovem e o amor sorri.
  • 5. Análise formal É um poema de versificação tradicional regular, constituído por quatro sextilhas. Esquema rimático ABABCCDEDEFFGHGHIIJKJKLL – rima cruzada Métrica “Não | sei | se é | so | nho, | se | rea | li | da | (de)” – verso eneassilábico (9 sílabas métricas) Aliteração “Não sei se é sonho, se realidade” v.1 – aliteração em s Assonância “Não sei se é sonho, se realidade” v.1 – assonância em e
  • 6. Assíndeto “Não sei se é sonho, se realidade,” v.1 Elipse “Mas já sonhada se desvirtua,” v.13 Paralelismo “Não é com ilhas do fim do mundo, / Nem com palmares de sonho ou não, / Que cura a alma seu mal profundo, / Que o bem nos entra no coração.” vv. 19-22
  • 7. Antítese “Talvez palmares inexistentes,” v.7 “Áleas longínquas sem poder ser,” v.8 Encavalgamento “Ali, ali / A vida é jovem e o amor sorri.” vv.5-6 Interrogação retórica “Felizes, nós?” v.11 Sinestesia “Sente-se o frio de haver luar.” v.16
  • 8. Linhas de sentido / Temas recorrentes • Fuga da realidade para o sonho. • Incapacidade de viver a vida. Estilo • Linguagem simples, espontânea, mas sóbria.
  • 10. Trabalho realizado por: Nº8 Filipa Monteiro Nº13 Miguel Rodrigues