SlideShare uma empresa Scribd logo
O CÉREBRO
O CÉREBRO HUMANO
• Nele residem os segredos da inteligência, da
memória, do pensamento, da aprendizagem, da
consciência, da alegria, depressão, da
agressividade, da linguagem...
O ESTUDO DO CÉREBRO
• O interesse pelo estudo do cérebro surgiu há cerca
de dois mil anos, quando Aristóteles sugeriu a
existência de uma substância não material, a alma
ou psique. Esta entidade independente do corpo
era responsável pelo pensamento e emoções
humanas; o cérebro tinha a função exclusiva de
arrefecimento do corpo.
O ESTUDO DO CÉREBRO
• No século XVII esta concepção foi contestada,
associando-se ao cérebro o controlo do comportamento
humano.
• Descartes reconheceu, contudo, que as capacidades
exclusivamente humanas existiriam na mente, fora do
cérebro.
• Apenas no século XIX, com Darwin, o comportamento
racional passou a ser completamente explicado pelo
funcionamento do cérebro e do restante sistema
nervoso.
ESTRUTURAS QUE CONSTITUEM O SISTEMA
NERVOSO
 Mecanismos de recepção: órgãos que recebem
os estímulos do meio (interno ou externo).
Órgãos dos sentidos.
Mecanismos de coordenação: coordenam
informações recebidas pelos receptores e
determinam as respostas concretizadas pelos
efectores.
Mecanismos de reacção: são os responsáveis
por efectuarem as respostas ( músculos e
glândulas)
CÉLULAS GLIAIS
Estas células facultam os nutrientes (oxigénio e
glicose) que alimentam, isolam e protegem os
neurónios.
Quando lesionadas podem reproduzir-se
Controlam o desenvolvimento dos neurónios ao
longo da vida.
O NEURÓNIO
Os Neurónios são as células responsáveis pela
recepção e transmissão dos estímulos do meio
(externo e interno), possibilitando ao organismo
efectuar respostas. A resposta emitida pelos
neurónios é semelhante a uma corrente eléctrica
transmitida ao longo de um fio condutor.
Essa corrente eléctrica tem o nome de Impulso
nervoso.
CONSTITUIÇÃO DO NEURÓNIO
 CORPO CELULAR: contém o núcleo, que é o armazém
de energia da célula. Dirige o fabrico de substâncias que
o neurónio usa para crescer e se sustentar.
DENDRITES:são extensões do corpo celular. Recebem e
transmitem informação de e para outras células com as
quais o neurónio estabelece contactos.
AXÓNIO: prolongamento do neurónio que pode
apresentar algumas ramificações semelhantes a raízes
nas suas extremidades e cuja função é transportar
informação do corpo celular para outras células.
AiNDA SOBRE O AXÓNIO
Alguns Axónios estão envolvidos por camadas
de MIELINA (substância branca constituída por
uma camada de células gordas que envolvem o
axónio e permitem que os impulsos nervosos
viagem mais rapidamente)
Outros Axónios são só constituídos por
substância cinzenta
Assim se explica a cor cinzenta da camada
exterior do cérebro e a cor branca do seu
interior.
TIPOS DE NEURÓNIOS
NEURÓNIOS AFERENTES ou sensoriais:são
afectados pelas alterações ambientais e
activados pelos vários estímulos com origem no
interior ou exterior do organismo.
NEURÓNIOS EFERENTES ou motores:
transmitem as mensagens dos centros nervosos
para os órgãos efectores (responsáveis pelas
respostas) qua são os músculos e as glândulas.
NEURÓNIOS DE CONEXÃO ou interneurónios:
interpretam as informações e elaboram as
respostas.
TRANSMISSÃO DA INFORMAÇÃO NERVOSA
Os neurónios encontram-se organizados em
Redes. A informação que circula ao longo dos
neurónios designa-se por Influxo Nervoso. Este
sinal eléctrico não consegue habitualmente
ultrapassar a Fenda Sináptica (espaço físico
entre dois neurónios).
Então como se dá essa passagem?
Através dos Neurotransmissores, substâncias
químicas que permitem que a informação
nervosa ultrapasse as fissuras sinápticas.Deste
modo assegura-se a continuidade de
transmissão nervosa.
A SINAPSE
A SINAPSE é o ponto funcional de comunicação
entre dois neurónios. O neurónio que envia a
mensagem tem o nome de neurónio pré-
sináptico. O neurónio receptor da mensagem
designa-se neurónio pós-sináptico.
A sinapse permite a comunicação entre
neurónios através de três componentes
fundamentais:
O botão pré-sináptico
A membrana pós-sináptica
A fenda sináptica.
SISTEMA NERVOSO
O SISTEMA NERVOSO CENTRAL
O sistema nervoso central (SNC) é constituído
pela Espinal Medula e pelo Encéfalo.
Estas duas estruturas controlam todo o nosso
comportamento.
SISTEMA NERVOSO CENTRAL: ESPINAL
MEDULA
Estrutura que prolonga o cérebro, é constituída
por uma substância branca no exterior e cinzenta
no seu interior. É um espesso conjunto de fibras
nervosas que, começando na base do cérebro,
se estende ao longo de 40 cm pela coluna
vertebral, que a protege
Desempenha as funções de coordenação
(coordena a actividade reflexa) e condução
(transmite mensagens do cérebro para o resto do
corpo e vice-versa)
SISTEMA NERVOSO CENTRAL: ENCÉFALO
Encontra-se localizado no interior do crânio
É constituído pelas seguintes estruturas especializadas:
1-Hipófise: dirige a actividade do sistema endócrino.
2-Hipotálamo: regula o sistema endócrino, a fome, a sede
e o impulso sexual.
3- Corpo Caloso: liga os dois hemisférios.
4- Córtex Cerebral: controla os movimentos voluntários,
a percepção, o pensamento...
5- Tálamo: recebe e transmite informação de e para o
córtex cerebral.
6- Formação reticular: atenção, memória, sono e estado
de alerta.
7- Cerebelo: coordena os movimentos e o equilíbrio.
HEMISFÉRIOS CEREBRAIS
O cérebro está dividido em dois Hemisférios
(Direito e esquerdo) separados por uma fissura e
ligados por um sistema de fibras nervosas –
Corpo Caloso.
Os hemisférios estão cobertos pelo Córtex
Cerebral (camada cinzenta).
HEMISFÉRIOS CEREBRAIS
Lateralização Hemisférica – os hemisférios
encontram-se especializados em funções
diferentes:
Hemisfério Direito: imagens, relações espaciais,
formas, cores, tonalidades afectivas e
pensamento concreto.
Hemisfério Esquerdo: pensamento lógico,
linguagem verbal, discurso, cálculo, memória
Apesar das diferentes funções, os dois
Hemisférios apresentam um Funcionamento
Integrado
A IMPORTÂNCIA DO CÓRTEX CEREBRAL
O córtex cerebral tem dois tipos de áreas
funcionais: as áreas primárias ou sensoriais
(recebem e produzem informação sensorial) e as
áreas secundárias ou psicossensoriais
(coordenam e integram os dados sensoriais e as
funções motoras).
Em cada Hemisfério existem quatro Lobos: lobo
frontal, lobo parietal, lobo occipital e lobo
temporal.
Cada lobo tem funções específicas, mas
interagem para realizar funções complexas.
LOBOS OCCIPITAIS - Córtex visual
Zona do córtex especializada na visão, porque a
informação que captamos com os olhos é
recebida sobretudo na parte posterior do córtex.
A área sensorial do lobo occipital recebe a
informação visual; a área psicossensorial
coordena e efectua o reconhecimento visual dos
dados sensíveis.
Uma lesão na área visual primária provoca
cegueira cortical (incapacidade de ver); uma
lesão na área secundária provoca Agnosia visual
(incapacidade de reconhecer e identificar o que
se vê).
LOBOS TEMPORAIS – córtex auditivo
Situados perto das têmporas, são a zona
especializada da audição.
Uma lesão na área auditiva primária provoca
surdez cortical (incapacidade de ouvir); na área
secundária provoca Agnosia auditiva
(incapacidade de atribuir significado aos sons
que ouvimos).
Área de Wernicke: permite compreender o que
os outros dizem e possibilita a organização das
palavras em frases correctas do ponto de vista
sintáctico. Uma lesão nesta área provoca surdez
verbal
LOBOS PARIETAIS– córtex somatossensorial
Recebe informações sobre sensações corporais
(dor, calor, frio…)
Uma lesão nas áreas sensoriais ou primárias
provoca anestesia cortical (incapacidade de
receber informações tácteis); nas áreas
secundárias provoca Agnosias
somatossensoriais (incapacidade de localizar as
sensações do corpo).
LOBOS FRONTAIS– córtex motor
São responsáveis pelas actividades cognitivas que
requerem concentração, antecipação, planificação,
pensamento abstracto, memória, raciocínio complexo,
emoções.
Os lobos frontais são constituídos por:
1 – Córtex motor: responsável pelos movimentos
associados aos músculos.
Área de Broca: responsável pela linguagem falada,
pelo discurso.
2 – Áreas pré-frontais: ocupa uma grande extensão dos
lobos frontais. Responsável por: pensamento abstracto,
imaginação criadora, consciência reflexiva, planificação
de acções, tomada de decisões, emoções, constância da
personalidade.
OS ESTUDOS DE DAMÁSIO
Casos de Phineas e Elliot
A emoção está intimamente relacionada com as
escolhas racionais, podendo constituir um guia
para estas.
O córtex pré-frontal regula a nossa
personalidade isto é, as características
fundamentais que fazem de cada um de nós um
ser único, inconfundível e distinto.
ESPECIALIZAÇÃO E INTEGRAÇÃO SISTÉMICA
Apesar das diferentes funções desempenhadas,
o cérebro funciona como um todo – Rede
Funcional.
Função Vicariante – uma função perdida devido a
uma lesão, pode ser recuperada por uma área
vizinha da zona lesionada.
A Plasticidade explica o facto de outras zonas
poderem substituir as funções afectadas.
O cérebro funciona de uma forma sistémica
(interdependência entre as componentes
especializadas).
AUTO-ORGANIZAÇÃO PERMANENTE
• Corticalização: processo de divisão celular que conduz à
construção do córtex cerebral.
• O processo de desenvolvimento cerebral mantém-se ao
longo da vida, sendo isso possível graças aos processos de
auto-organização da formação dos tecidos cerebrais.
• EM QUE CONSISTE O DESENVOLVIMENTO DO
CÉREBRO?
1 - O desenvolvimento ocorre pelo crescimento em número de
neurónios e das sinapses.
2 - Ocorre também por um processo de selecção das redes
neuronais (morte de neurónios e eliminação de muitas
sinapses).
• QUAIS OS FACTORES QUE AFECTAM ESSE
DESENVOLVIMENTO?
1 -Potencial genético que determina a selecção das redes
neuronais.
2 - Factores Epigenéticos, que decorrem da relação com o
meio.
LENTIFICAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO CEREBRAL
• O inacabamento do cérebro humano ao nascer e o
lento processo de desenvolvimento pós-natal
(lentificação) vão constituir uma vantagem, ao
possibilitar uma estimulação maior e mais
prolongada do meio.
INDIVIDUAÇÃO CEREBRAL
• As diferenças individuais não são explicadas apenas
pela expressão genética.
• Os efeitos do meio intra-uterino e as experiências ao
longo da vida também explicam o processo de
individuação
• O principal motor da individuação é a plasticidade do
cérebro
PLASTICIDADE E APRENDIZAGEM
• À flexibilidade cerebral e à capacidade de o cérebro
criar novas sinapses e ligações entre os neurónios
dá-se o nome de plasticidade cerebral.
• A plasticidade do cérebro permite a aprendizagem
durante toda a vida e a aprendizagem, por sua vez,
modifica o cérebro de acordo com os problemas que
o meio coloca e as necessidades de adaptação.
EXEMPLOS DE PLASTICIDADE
• A importância dos estudos com cegos, que provam
a neuroadaptabilidade do cérebro.
• Estudos com crianças selvagens.
• A forma como o cérebro responde quando algumas
áreas sofrem lesões que comprometem
capacidades.
INTELIGÊNCIA ANIMAL
• Serão os animais inteligentes?
• Muitos animais manifestam capacidades de
adaptação e resolução de problemas.
• São ainda capazes de memorizar e classificar

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cerebro
Cerebro Cerebro
Cerebro
superego
 
Psicologia - a mente, as emoções e a conação
Psicologia - a mente, as emoções e a conaçãoPsicologia - a mente, as emoções e a conação
Psicologia - a mente, as emoções e a conação
Joana Filipa Rodrigues
 
Funcionamento global do cérebro humano
Funcionamento global do cérebro humanoFuncionamento global do cérebro humano
Funcionamento global do cérebro humano
Olena Kolodiy
 
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
FilipaFonseca
 
Memorial- Análise por Capítulos
Memorial- Análise por CapítulosMemorial- Análise por Capítulos
Memorial- Análise por Capítulos
Rui Matos
 
A memória
A  memória A  memória
A memória
Edgar Rendeiro
 
Inteligência
InteligênciaInteligência
Inteligência
Jorge Barbosa
 
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimocaracterísticas temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
Dina Baptista
 
"Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade""Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade"
MiguelavRodrigues
 
A "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. PessoaA "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. Pessoa
Dina Baptista
 
Ode Triunfal de Álvaro de Campos
Ode Triunfal de Álvaro de CamposOde Triunfal de Álvaro de Campos
Ode Triunfal de Álvaro de Campos
guest3fc89a1
 
Características de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de CamposCaracterísticas de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de Campos
Aline Araújo
 
Psicologia-12ºAno
Psicologia-12ºAnoPsicologia-12ºAno
Psicologia-12ºAno
Filipe Leal
 
Ricardo Reis
Ricardo ReisRicardo Reis
Ricardo Reis
guestde10d2
 
Psicologia b – tema 2 percepção
Psicologia b – tema 2 percepçãoPsicologia b – tema 2 percepção
Psicologia b – tema 2 percepção
Silvia Revez
 
O heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto CaeiroO heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto Caeiro
guest155834
 
Características poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo ReisCaracterísticas poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo Reis
Dina Baptista
 
Estrutura mensagem
Estrutura mensagemEstrutura mensagem
Estrutura mensagem
ameliapadrao
 
Relações precoces
Relações precocesRelações precoces
Relações precoces
norberto faria
 
Memorial do Convento - linguagem e estilo
Memorial do Convento - linguagem e estiloMemorial do Convento - linguagem e estilo
Memorial do Convento - linguagem e estilo
FilipaFonseca
 

Mais procurados (20)

Cerebro
Cerebro Cerebro
Cerebro
 
Psicologia - a mente, as emoções e a conação
Psicologia - a mente, as emoções e a conaçãoPsicologia - a mente, as emoções e a conação
Psicologia - a mente, as emoções e a conação
 
Funcionamento global do cérebro humano
Funcionamento global do cérebro humanoFuncionamento global do cérebro humano
Funcionamento global do cérebro humano
 
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
 
Memorial- Análise por Capítulos
Memorial- Análise por CapítulosMemorial- Análise por Capítulos
Memorial- Análise por Capítulos
 
A memória
A  memória A  memória
A memória
 
Inteligência
InteligênciaInteligência
Inteligência
 
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimocaracterísticas temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
 
"Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade""Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade"
 
A "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. PessoaA "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. Pessoa
 
Ode Triunfal de Álvaro de Campos
Ode Triunfal de Álvaro de CamposOde Triunfal de Álvaro de Campos
Ode Triunfal de Álvaro de Campos
 
Características de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de CamposCaracterísticas de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de Campos
 
Psicologia-12ºAno
Psicologia-12ºAnoPsicologia-12ºAno
Psicologia-12ºAno
 
Ricardo Reis
Ricardo ReisRicardo Reis
Ricardo Reis
 
Psicologia b – tema 2 percepção
Psicologia b – tema 2 percepçãoPsicologia b – tema 2 percepção
Psicologia b – tema 2 percepção
 
O heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto CaeiroO heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto Caeiro
 
Características poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo ReisCaracterísticas poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo Reis
 
Estrutura mensagem
Estrutura mensagemEstrutura mensagem
Estrutura mensagem
 
Relações precoces
Relações precocesRelações precoces
Relações precoces
 
Memorial do Convento - linguagem e estilo
Memorial do Convento - linguagem e estiloMemorial do Convento - linguagem e estilo
Memorial do Convento - linguagem e estilo
 

Semelhante a Cérebro

Sistema nervoso central acabado1
Sistema nervoso central acabado1Sistema nervoso central acabado1
Sistema nervoso central acabado1
Isabel Teixeira
 
Neurociências 2prova
Neurociências 2provaNeurociências 2prova
Neurociências 2prova
andreaflima
 
Sistema Neuro Hormonal
Sistema Neuro HormonalSistema Neuro Hormonal
Sistema Neuro Hormonal
leonorsm
 
Aspectos psiconeurológicos do desenvolvimento
Aspectos psiconeurológicos do desenvolvimentoAspectos psiconeurológicos do desenvolvimento
Aspectos psiconeurológicos do desenvolvimento
UNICEP
 
O sistema nervoso
O sistema nervoso O sistema nervoso
O sistema nervoso
Nubia Karla
 
Sistema Nervoso Central
Sistema Nervoso CentralSistema Nervoso Central
Sistema Nervoso Central
MutantDread
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
FranciscoM72
 
Neuroanatomia 01 introdução à neuroanatomia e neurofisiologia (2012)
Neuroanatomia 01   introdução à neuroanatomia e neurofisiologia (2012)Neuroanatomia 01   introdução à neuroanatomia e neurofisiologia (2012)
Neuroanatomia 01 introdução à neuroanatomia e neurofisiologia (2012)
Pilar Pires
 
Sistema neuro hormonal
Sistema neuro hormonalSistema neuro hormonal
Sistema neuro hormonal
Leonardo Alves
 
Sistema nervoso2
Sistema nervoso2Sistema nervoso2
Sistema nervoso2
Ana Xavier
 
Sistema Nervoso
Sistema NervosoSistema Nervoso
Sistema Nervoso
Luiz Otávio Guimarães
 
Neurociencia e educação
Neurociencia e educaçãoNeurociencia e educação
Neurociencia e educação
Claudinéia da Silva de Oliveira
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 01 - introdução à neuroanatomia
Medresumos 2016   neuroanatomia 01 - introdução à neuroanatomiaMedresumos 2016   neuroanatomia 01 - introdução à neuroanatomia
Medresumos 2016 neuroanatomia 01 - introdução à neuroanatomia
Jucie Vasconcelos
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
Ana Xavier
 
AULA SISTEMA NERVOSO slide sha.pptx
AULA SISTEMA NERVOSO  slide sha.pptxAULA SISTEMA NERVOSO  slide sha.pptx
AULA SISTEMA NERVOSO slide sha.pptx
FabianoDoVale
 
Sistema neurohormonal
Sistema neurohormonalSistema neurohormonal
Sistema neurohormonal
Patrícia Santos
 
Sistema_nervoso_----_corrigido_ (1).pptx
Sistema_nervoso_----_corrigido_ (1).pptxSistema_nervoso_----_corrigido_ (1).pptx
Sistema_nervoso_----_corrigido_ (1).pptx
GabrielaRodrigues515262
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
Catir
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
Dhiogo Boza
 
Sistema Nervoso.
Sistema Nervoso.Sistema Nervoso.
Sistema Nervoso.
Paulocosta510
 

Semelhante a Cérebro (20)

Sistema nervoso central acabado1
Sistema nervoso central acabado1Sistema nervoso central acabado1
Sistema nervoso central acabado1
 
Neurociências 2prova
Neurociências 2provaNeurociências 2prova
Neurociências 2prova
 
Sistema Neuro Hormonal
Sistema Neuro HormonalSistema Neuro Hormonal
Sistema Neuro Hormonal
 
Aspectos psiconeurológicos do desenvolvimento
Aspectos psiconeurológicos do desenvolvimentoAspectos psiconeurológicos do desenvolvimento
Aspectos psiconeurológicos do desenvolvimento
 
O sistema nervoso
O sistema nervoso O sistema nervoso
O sistema nervoso
 
Sistema Nervoso Central
Sistema Nervoso CentralSistema Nervoso Central
Sistema Nervoso Central
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Neuroanatomia 01 introdução à neuroanatomia e neurofisiologia (2012)
Neuroanatomia 01   introdução à neuroanatomia e neurofisiologia (2012)Neuroanatomia 01   introdução à neuroanatomia e neurofisiologia (2012)
Neuroanatomia 01 introdução à neuroanatomia e neurofisiologia (2012)
 
Sistema neuro hormonal
Sistema neuro hormonalSistema neuro hormonal
Sistema neuro hormonal
 
Sistema nervoso2
Sistema nervoso2Sistema nervoso2
Sistema nervoso2
 
Sistema Nervoso
Sistema NervosoSistema Nervoso
Sistema Nervoso
 
Neurociencia e educação
Neurociencia e educaçãoNeurociencia e educação
Neurociencia e educação
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 01 - introdução à neuroanatomia
Medresumos 2016   neuroanatomia 01 - introdução à neuroanatomiaMedresumos 2016   neuroanatomia 01 - introdução à neuroanatomia
Medresumos 2016 neuroanatomia 01 - introdução à neuroanatomia
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
AULA SISTEMA NERVOSO slide sha.pptx
AULA SISTEMA NERVOSO  slide sha.pptxAULA SISTEMA NERVOSO  slide sha.pptx
AULA SISTEMA NERVOSO slide sha.pptx
 
Sistema neurohormonal
Sistema neurohormonalSistema neurohormonal
Sistema neurohormonal
 
Sistema_nervoso_----_corrigido_ (1).pptx
Sistema_nervoso_----_corrigido_ (1).pptxSistema_nervoso_----_corrigido_ (1).pptx
Sistema_nervoso_----_corrigido_ (1).pptx
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Sistema Nervoso.
Sistema Nervoso.Sistema Nervoso.
Sistema Nervoso.
 

Mais de Vitor Manuel de Carvalho

PSICOLOGIA APLICADA
PSICOLOGIA APLICADAPSICOLOGIA APLICADA
PSICOLOGIA APLICADA
Vitor Manuel de Carvalho
 
O OBJECTO DA PSICOLOGIA
O OBJECTO DA PSICOLOGIAO OBJECTO DA PSICOLOGIA
O OBJECTO DA PSICOLOGIA
Vitor Manuel de Carvalho
 
FELIZMENTE HÁ LUAR!
FELIZMENTE HÁ LUAR!FELIZMENTE HÁ LUAR!
FELIZMENTE HÁ LUAR!
Vitor Manuel de Carvalho
 
AS EMOÇÕES
AS EMOÇÕESAS EMOÇÕES
A IDENTIDADE
A IDENTIDADEA IDENTIDADE
A DIMENSÃO SOCIOCULTURAL DA MENTE
A DIMENSÃO SOCIOCULTURAL DA MENTEA DIMENSÃO SOCIOCULTURAL DA MENTE
A DIMENSÃO SOCIOCULTURAL DA MENTE
Vitor Manuel de Carvalho
 
A CONAÇÃO
A CONAÇÃOA CONAÇÃO
PLANO NACIONAL DE LEITURA
PLANO NACIONAL DE LEITURAPLANO NACIONAL DE LEITURA
PLANO NACIONAL DE LEITURA
Vitor Manuel de Carvalho
 
IMUNIDADE III
IMUNIDADE IIIIMUNIDADE III
IMUNIDADE II
IMUNIDADE IIIMUNIDADE II
SLIDE IN
SLIDE INSLIDE IN
Mensagem & Os Lusíadas
Mensagem & Os LusíadasMensagem & Os Lusíadas
Mensagem & Os Lusíadas
Vitor Manuel de Carvalho
 
Imunidade
ImunidadeImunidade
ENGENHARIA GENÉTICA
ENGENHARIA GENÉTICAENGENHARIA GENÉTICA
ENGENHARIA GENÉTICA
Vitor Manuel de Carvalho
 
REGULAMENTO DISCIPLINAR DOS ALUNOS
REGULAMENTO DISCIPLINAR DOS ALUNOSREGULAMENTO DISCIPLINAR DOS ALUNOS
REGULAMENTO DISCIPLINAR DOS ALUNOS
Vitor Manuel de Carvalho
 
Justificação de faltas
Justificação de faltasJustificação de faltas
Justificação de faltas
Vitor Manuel de Carvalho
 
MODELO ECOLÓGICO DO DESENVOLVIMENTO
MODELO ECOLÓGICO DO DESENVOLVIMENTOMODELO ECOLÓGICO DO DESENVOLVIMENTO
MODELO ECOLÓGICO DO DESENVOLVIMENTO
Vitor Manuel de Carvalho
 
Gestao do tempo..
Gestao do tempo..Gestao do tempo..
Gestao do tempo..
Vitor Manuel de Carvalho
 

Mais de Vitor Manuel de Carvalho (20)

PSICOLOGIA APLICADA
PSICOLOGIA APLICADAPSICOLOGIA APLICADA
PSICOLOGIA APLICADA
 
O OBJECTO DA PSICOLOGIA
O OBJECTO DA PSICOLOGIAO OBJECTO DA PSICOLOGIA
O OBJECTO DA PSICOLOGIA
 
FELIZMENTE HÁ LUAR!
FELIZMENTE HÁ LUAR!FELIZMENTE HÁ LUAR!
FELIZMENTE HÁ LUAR!
 
AS EMOÇÕES
AS EMOÇÕESAS EMOÇÕES
AS EMOÇÕES
 
A IDENTIDADE
A IDENTIDADEA IDENTIDADE
A IDENTIDADE
 
A DIMENSÃO SOCIOCULTURAL DA MENTE
A DIMENSÃO SOCIOCULTURAL DA MENTEA DIMENSÃO SOCIOCULTURAL DA MENTE
A DIMENSÃO SOCIOCULTURAL DA MENTE
 
A CONAÇÃO
A CONAÇÃOA CONAÇÃO
A CONAÇÃO
 
PLANO NACIONAL DE LEITURA
PLANO NACIONAL DE LEITURAPLANO NACIONAL DE LEITURA
PLANO NACIONAL DE LEITURA
 
IMUNIDADE III
IMUNIDADE IIIIMUNIDADE III
IMUNIDADE III
 
IMUNIDADE II
IMUNIDADE IIIMUNIDADE II
IMUNIDADE II
 
SLIDE IN
SLIDE INSLIDE IN
SLIDE IN
 
Finalistas 2011
Finalistas 2011Finalistas 2011
Finalistas 2011
 
Benalmadena 2011
Benalmadena 2011Benalmadena 2011
Benalmadena 2011
 
Mensagem & Os Lusíadas
Mensagem & Os LusíadasMensagem & Os Lusíadas
Mensagem & Os Lusíadas
 
Imunidade
ImunidadeImunidade
Imunidade
 
ENGENHARIA GENÉTICA
ENGENHARIA GENÉTICAENGENHARIA GENÉTICA
ENGENHARIA GENÉTICA
 
REGULAMENTO DISCIPLINAR DOS ALUNOS
REGULAMENTO DISCIPLINAR DOS ALUNOSREGULAMENTO DISCIPLINAR DOS ALUNOS
REGULAMENTO DISCIPLINAR DOS ALUNOS
 
Justificação de faltas
Justificação de faltasJustificação de faltas
Justificação de faltas
 
MODELO ECOLÓGICO DO DESENVOLVIMENTO
MODELO ECOLÓGICO DO DESENVOLVIMENTOMODELO ECOLÓGICO DO DESENVOLVIMENTO
MODELO ECOLÓGICO DO DESENVOLVIMENTO
 
Gestao do tempo..
Gestao do tempo..Gestao do tempo..
Gestao do tempo..
 

Cérebro

  • 2. O CÉREBRO HUMANO • Nele residem os segredos da inteligência, da memória, do pensamento, da aprendizagem, da consciência, da alegria, depressão, da agressividade, da linguagem...
  • 3. O ESTUDO DO CÉREBRO • O interesse pelo estudo do cérebro surgiu há cerca de dois mil anos, quando Aristóteles sugeriu a existência de uma substância não material, a alma ou psique. Esta entidade independente do corpo era responsável pelo pensamento e emoções humanas; o cérebro tinha a função exclusiva de arrefecimento do corpo.
  • 4. O ESTUDO DO CÉREBRO • No século XVII esta concepção foi contestada, associando-se ao cérebro o controlo do comportamento humano. • Descartes reconheceu, contudo, que as capacidades exclusivamente humanas existiriam na mente, fora do cérebro. • Apenas no século XIX, com Darwin, o comportamento racional passou a ser completamente explicado pelo funcionamento do cérebro e do restante sistema nervoso.
  • 5. ESTRUTURAS QUE CONSTITUEM O SISTEMA NERVOSO  Mecanismos de recepção: órgãos que recebem os estímulos do meio (interno ou externo). Órgãos dos sentidos. Mecanismos de coordenação: coordenam informações recebidas pelos receptores e determinam as respostas concretizadas pelos efectores. Mecanismos de reacção: são os responsáveis por efectuarem as respostas ( músculos e glândulas)
  • 6. CÉLULAS GLIAIS Estas células facultam os nutrientes (oxigénio e glicose) que alimentam, isolam e protegem os neurónios. Quando lesionadas podem reproduzir-se Controlam o desenvolvimento dos neurónios ao longo da vida.
  • 7. O NEURÓNIO Os Neurónios são as células responsáveis pela recepção e transmissão dos estímulos do meio (externo e interno), possibilitando ao organismo efectuar respostas. A resposta emitida pelos neurónios é semelhante a uma corrente eléctrica transmitida ao longo de um fio condutor. Essa corrente eléctrica tem o nome de Impulso nervoso.
  • 8. CONSTITUIÇÃO DO NEURÓNIO  CORPO CELULAR: contém o núcleo, que é o armazém de energia da célula. Dirige o fabrico de substâncias que o neurónio usa para crescer e se sustentar. DENDRITES:são extensões do corpo celular. Recebem e transmitem informação de e para outras células com as quais o neurónio estabelece contactos. AXÓNIO: prolongamento do neurónio que pode apresentar algumas ramificações semelhantes a raízes nas suas extremidades e cuja função é transportar informação do corpo celular para outras células.
  • 9. AiNDA SOBRE O AXÓNIO Alguns Axónios estão envolvidos por camadas de MIELINA (substância branca constituída por uma camada de células gordas que envolvem o axónio e permitem que os impulsos nervosos viagem mais rapidamente) Outros Axónios são só constituídos por substância cinzenta Assim se explica a cor cinzenta da camada exterior do cérebro e a cor branca do seu interior.
  • 10. TIPOS DE NEURÓNIOS NEURÓNIOS AFERENTES ou sensoriais:são afectados pelas alterações ambientais e activados pelos vários estímulos com origem no interior ou exterior do organismo. NEURÓNIOS EFERENTES ou motores: transmitem as mensagens dos centros nervosos para os órgãos efectores (responsáveis pelas respostas) qua são os músculos e as glândulas. NEURÓNIOS DE CONEXÃO ou interneurónios: interpretam as informações e elaboram as respostas.
  • 11. TRANSMISSÃO DA INFORMAÇÃO NERVOSA Os neurónios encontram-se organizados em Redes. A informação que circula ao longo dos neurónios designa-se por Influxo Nervoso. Este sinal eléctrico não consegue habitualmente ultrapassar a Fenda Sináptica (espaço físico entre dois neurónios). Então como se dá essa passagem? Através dos Neurotransmissores, substâncias químicas que permitem que a informação nervosa ultrapasse as fissuras sinápticas.Deste modo assegura-se a continuidade de transmissão nervosa.
  • 12. A SINAPSE A SINAPSE é o ponto funcional de comunicação entre dois neurónios. O neurónio que envia a mensagem tem o nome de neurónio pré- sináptico. O neurónio receptor da mensagem designa-se neurónio pós-sináptico. A sinapse permite a comunicação entre neurónios através de três componentes fundamentais: O botão pré-sináptico A membrana pós-sináptica A fenda sináptica.
  • 13. SISTEMA NERVOSO O SISTEMA NERVOSO CENTRAL O sistema nervoso central (SNC) é constituído pela Espinal Medula e pelo Encéfalo. Estas duas estruturas controlam todo o nosso comportamento.
  • 14. SISTEMA NERVOSO CENTRAL: ESPINAL MEDULA Estrutura que prolonga o cérebro, é constituída por uma substância branca no exterior e cinzenta no seu interior. É um espesso conjunto de fibras nervosas que, começando na base do cérebro, se estende ao longo de 40 cm pela coluna vertebral, que a protege Desempenha as funções de coordenação (coordena a actividade reflexa) e condução (transmite mensagens do cérebro para o resto do corpo e vice-versa)
  • 15. SISTEMA NERVOSO CENTRAL: ENCÉFALO Encontra-se localizado no interior do crânio É constituído pelas seguintes estruturas especializadas: 1-Hipófise: dirige a actividade do sistema endócrino. 2-Hipotálamo: regula o sistema endócrino, a fome, a sede e o impulso sexual. 3- Corpo Caloso: liga os dois hemisférios. 4- Córtex Cerebral: controla os movimentos voluntários, a percepção, o pensamento... 5- Tálamo: recebe e transmite informação de e para o córtex cerebral. 6- Formação reticular: atenção, memória, sono e estado de alerta. 7- Cerebelo: coordena os movimentos e o equilíbrio.
  • 16. HEMISFÉRIOS CEREBRAIS O cérebro está dividido em dois Hemisférios (Direito e esquerdo) separados por uma fissura e ligados por um sistema de fibras nervosas – Corpo Caloso. Os hemisférios estão cobertos pelo Córtex Cerebral (camada cinzenta).
  • 17. HEMISFÉRIOS CEREBRAIS Lateralização Hemisférica – os hemisférios encontram-se especializados em funções diferentes: Hemisfério Direito: imagens, relações espaciais, formas, cores, tonalidades afectivas e pensamento concreto. Hemisfério Esquerdo: pensamento lógico, linguagem verbal, discurso, cálculo, memória Apesar das diferentes funções, os dois Hemisférios apresentam um Funcionamento Integrado
  • 18. A IMPORTÂNCIA DO CÓRTEX CEREBRAL O córtex cerebral tem dois tipos de áreas funcionais: as áreas primárias ou sensoriais (recebem e produzem informação sensorial) e as áreas secundárias ou psicossensoriais (coordenam e integram os dados sensoriais e as funções motoras). Em cada Hemisfério existem quatro Lobos: lobo frontal, lobo parietal, lobo occipital e lobo temporal. Cada lobo tem funções específicas, mas interagem para realizar funções complexas.
  • 19. LOBOS OCCIPITAIS - Córtex visual Zona do córtex especializada na visão, porque a informação que captamos com os olhos é recebida sobretudo na parte posterior do córtex. A área sensorial do lobo occipital recebe a informação visual; a área psicossensorial coordena e efectua o reconhecimento visual dos dados sensíveis. Uma lesão na área visual primária provoca cegueira cortical (incapacidade de ver); uma lesão na área secundária provoca Agnosia visual (incapacidade de reconhecer e identificar o que se vê).
  • 20. LOBOS TEMPORAIS – córtex auditivo Situados perto das têmporas, são a zona especializada da audição. Uma lesão na área auditiva primária provoca surdez cortical (incapacidade de ouvir); na área secundária provoca Agnosia auditiva (incapacidade de atribuir significado aos sons que ouvimos). Área de Wernicke: permite compreender o que os outros dizem e possibilita a organização das palavras em frases correctas do ponto de vista sintáctico. Uma lesão nesta área provoca surdez verbal
  • 21. LOBOS PARIETAIS– córtex somatossensorial Recebe informações sobre sensações corporais (dor, calor, frio…) Uma lesão nas áreas sensoriais ou primárias provoca anestesia cortical (incapacidade de receber informações tácteis); nas áreas secundárias provoca Agnosias somatossensoriais (incapacidade de localizar as sensações do corpo).
  • 22. LOBOS FRONTAIS– córtex motor São responsáveis pelas actividades cognitivas que requerem concentração, antecipação, planificação, pensamento abstracto, memória, raciocínio complexo, emoções. Os lobos frontais são constituídos por: 1 – Córtex motor: responsável pelos movimentos associados aos músculos. Área de Broca: responsável pela linguagem falada, pelo discurso. 2 – Áreas pré-frontais: ocupa uma grande extensão dos lobos frontais. Responsável por: pensamento abstracto, imaginação criadora, consciência reflexiva, planificação de acções, tomada de decisões, emoções, constância da personalidade.
  • 23. OS ESTUDOS DE DAMÁSIO Casos de Phineas e Elliot A emoção está intimamente relacionada com as escolhas racionais, podendo constituir um guia para estas. O córtex pré-frontal regula a nossa personalidade isto é, as características fundamentais que fazem de cada um de nós um ser único, inconfundível e distinto.
  • 24. ESPECIALIZAÇÃO E INTEGRAÇÃO SISTÉMICA Apesar das diferentes funções desempenhadas, o cérebro funciona como um todo – Rede Funcional. Função Vicariante – uma função perdida devido a uma lesão, pode ser recuperada por uma área vizinha da zona lesionada. A Plasticidade explica o facto de outras zonas poderem substituir as funções afectadas. O cérebro funciona de uma forma sistémica (interdependência entre as componentes especializadas).
  • 25. AUTO-ORGANIZAÇÃO PERMANENTE • Corticalização: processo de divisão celular que conduz à construção do córtex cerebral. • O processo de desenvolvimento cerebral mantém-se ao longo da vida, sendo isso possível graças aos processos de auto-organização da formação dos tecidos cerebrais.
  • 26. • EM QUE CONSISTE O DESENVOLVIMENTO DO CÉREBRO? 1 - O desenvolvimento ocorre pelo crescimento em número de neurónios e das sinapses. 2 - Ocorre também por um processo de selecção das redes neuronais (morte de neurónios e eliminação de muitas sinapses). • QUAIS OS FACTORES QUE AFECTAM ESSE DESENVOLVIMENTO? 1 -Potencial genético que determina a selecção das redes neuronais. 2 - Factores Epigenéticos, que decorrem da relação com o meio.
  • 27. LENTIFICAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO CEREBRAL • O inacabamento do cérebro humano ao nascer e o lento processo de desenvolvimento pós-natal (lentificação) vão constituir uma vantagem, ao possibilitar uma estimulação maior e mais prolongada do meio.
  • 28. INDIVIDUAÇÃO CEREBRAL • As diferenças individuais não são explicadas apenas pela expressão genética. • Os efeitos do meio intra-uterino e as experiências ao longo da vida também explicam o processo de individuação • O principal motor da individuação é a plasticidade do cérebro
  • 29. PLASTICIDADE E APRENDIZAGEM • À flexibilidade cerebral e à capacidade de o cérebro criar novas sinapses e ligações entre os neurónios dá-se o nome de plasticidade cerebral. • A plasticidade do cérebro permite a aprendizagem durante toda a vida e a aprendizagem, por sua vez, modifica o cérebro de acordo com os problemas que o meio coloca e as necessidades de adaptação.
  • 30. EXEMPLOS DE PLASTICIDADE • A importância dos estudos com cegos, que provam a neuroadaptabilidade do cérebro. • Estudos com crianças selvagens. • A forma como o cérebro responde quando algumas áreas sofrem lesões que comprometem capacidades.
  • 31. INTELIGÊNCIA ANIMAL • Serão os animais inteligentes? • Muitos animais manifestam capacidades de adaptação e resolução de problemas. • São ainda capazes de memorizar e classificar