SlideShare uma empresa Scribd logo
Análise Econômica e Financeira de
                  Empresas




          Profa. Delza Rodrigues de Carvalho




        Perspectivas dos Analistas

N   Análise de crédito bancário: liquidez/ fluxo
    de caixa.
N   Análise de Investimentos: crescimento e
    rentabilidade
N   Gerente Financeiro: saúde financeira
N   Diferentes respostas
       Diferentes objetivos
       Diferentes informações
Papel das Demonstrações Financeiras
 Balanço Patrimonial
     Fotografia (estática)
     Visão dos recursos e obrigações
 •Demonstração de Resultados
     Entradas e Saídas
     Desempenho operacional
 •Fluxo de Caixa (DOAR)
     Usos e alocação do caixa
     Financiamento, Investimento, e Operações




           Análise Financeira        :   Empresa     em
           Equilíbrio Financeiro




Ativo Financeiro R$ 3.500   Passivo Financeiro R$ 2.200

Ativo Cíclico   R$ 7.600    Passivo Cíclico   R$   5.300

Ativo Permanente R$ 6.400   Passivo Permanente R$ 10.000
Indicadores de Avaliação da Estrutura
              Financeira

1.   Empresa em Equilíbrio Financeiro
N    CCL: Volume de recursos de longo prazo alocados para financiar
     o giro
     CCL = R$ 11.000 – R$ 7.500
     CCL = R$ 3.600
N    NIG: Montante de capital permanente que uma empresa necessita
     para financiar seu capital de giro. Esse volume é determinado pelo
     nível de atividade da empresa (produção e vendas) e prazos
     operacionais ( cobrança, venda, pagamentos).
     NIG = R$ 7.600 – R$ 5.300
     NIG = R$ 2.300 (financiada por passivo cíclico)




              Indicadores de Avaliação da Estrutura
              Financeira

1.   Empresa em Equilíbrio Financeiro
N    ST: Medida de margem de segurança financeira de uma empresa,
     que indica sua capacidade interna de financiar um crescimento da
     atividade operacional
     ST = R$ 3.500 – R$ 2.200
     ST = R$ 1.300
N    NTFP: Montante de recursos de longo prazo necessários para
     financiar sua atividade.
     NTFP = R$ 2.300 +R$ 6.400
     NTFP = R$ 8.700
Empresa em Desequilíbrio Financeiro




 Ativo Financeiro R$ 1.500        Passivo Financeiro R$ 3.500

 Ativo Cíclico       R$ 6.000      Passivo Cíclico      R$   5.200

 Ativo Permanente R$ 10.000        Passivo Permanente R$ 8.800




           Indicadores de Avaliação da Estrutura
           Financeira

1.   Empresa em Desequilíbrio Financeiro
N    CCL: Volume de recursos de longo prazo alocados para
     financiar o giro
     CCL = R$ 7.500 – R$ 8.700
     CCL = (R$ 1.200) existência de recursos de curto prazo
     financiando ativos de longo prazo.
N    NIG: Montante de capital permanente que uma empresa
     necessita para financiar seu capital de giro. Esse volume é
     determinado pelo nível de atividade da empresa (produção e
     vendas) e prazos operacionais.
     NIG = R$ 6.000 – R$ 5.200
     NIG = R$ 800 (financiada por passivo financeiro)
Indicadores de Avaliação da Estrutura
             Financeira
  1.   Empresa em Desequilíbrio Financeiro
  N    ST: Medida de margem de segurança financeira de uma
       empresa, que indica sua capacidade interna de financiar um
       crescimento da atividade operacional
       ST = R$ 1.500 – R$ 3.500
       ST = (R$ 2.000)
  N    NTFP- Necessidade Total de Financiamento Permanente
       Montante de recursos de longo prazo necessários para
       financiar sua atividade.
       NTFP = R$ 800 +R$ 10.000
       NTFP = R$ 10.800




                    DIFERENTES ESTRUTURAS
                     FINANCEIRAS E RISCOS
ESTRUTURA DE BAIXO RISCO
Ativo Financeiro R$ 30.000 Passivo Financeiro R$ 10.000
Ativo Financeiro R$ 30.000 Passivo Financeiro R$ 10.000
Ativo Cíclico R$ 40.000     Passivo Cíclico    R$ 50.000
Ativo Cíclico R$ 40.000     Passivo Cíclico    R$ 50.000
Ativo Permanente R$ 70.000 Passivo Permanente R$ 80.000
Ativo Permanente R$ 70.000 Passivo Permanente R$ 80.000
CCL = R$ 70.000 – R$ 60.000          CCL = R$ 10.000
CCL = R$ 40.000––R$ 8.700
NIG = R$ 7.500 R$ 50.000 CCL = NIG 1.200 10.000)
                                     (R$ = (R$
NIG = R$ 30.000––R$ 5.200
ST =      6.000 R$ 10.000 NIG = R$ 800R$ 20.000
                                       ST =
ST = R$ (R$ 10.000)3.500 70.000ST = NTFP = R$ 60.000
NTFP = 1.500 – R$ +R$               (R$ 2.000)
NTFP > 0
≥ CCL= R$ 800 +R$ 10.000       NTFP = R$
                              CCL > NIG 10.800
  NIG < 0                       ST > 0
DIFERENTES ESTRUTURAS
                 FINANCEIRAS E RISCOS

ESTRUTURA DE BAIXO RISCO
Ativo Financeiro R$ 30.000 Passivo Financeiro R$ 20.000
Ativo Financeiro R$ 30.000 Passivo Financeiro R$ 10.000
Ativo Cíclico R$ 60.000    Passivo Cíclico    R$ 40.000
Ativo Cíclico R$ 40.000    Passivo Cíclico    R$ 50.000
Ativo Permanente R$ 50.000 Passivo Permanente R$ 80.000
Ativo Permanente R$ 70.000 Passivo Permanente R$ 80.000
CCL = R$ 90.000 – R$ 60.000         CCL = R$ 30.000
CCL = R$ 60.000––R$ 8.700
NIG  = R$ 7.500 R$ 40.000 CCL = NIG 1.200 20.000
                                    (R$ = R$
NIG = R$ 30.000––R$ 5.200
ST =      6.000 R$ 20.000 NIG = R$ 800R$ 10.000
                                      ST =
ST = R$ R$ 20.000 +R$ 50.000 ST =NTFP = R$ 70.000
NTFP = 1.500 – R$ 3.500            (R$ 2.000)
NTFP > 0
≥ CCL= R$ 800 +R$ 10.000      NTFP = R$
                             CCL > NIG 10.800
  NIG > 0                      ST > 0




                DIFERENTES ESTRUTURAS
                 FINANCEIRAS E RISCOS
  ESTRUTURA DE BAIXO RISCO
ESTRUTURA DE BAIXO RISCO
Ativo Financeiro R$ 30.000 Passivo Financeiro R$ superar
  Conclusão: O crescimento do NIG não deve 10.000
Ativo Cíclico mantido pela empresa,
  o ST R$ 40.000         Passivo Cíclico   evitando a
                                             R$ 50.000
  desestabilização de sua estrutura financeira.
Ativo Permanente R$ 70.000 Passivo Permanente R$ 80.000
CCL = R$ 7.500 – R$ 8.700    CCL = (R$ 1.200
NIG = R$ 6.000 – R$ 5.200    NIG = R$ 800
ST = R$ 1.500 – R$ 3.500     ST = (R$ 2.000)
NTFP = R$ 800 +R$ 10.000      NTFP = R$ 10.800
DIFERENTES         ESTRUTURAS
          FINANCEIRAS E RISCOS
ESTRUTURA DE RISCO MÉDIO
Ativo Financeiro R$ 10.000 Passivo Financeiro R$ 20.000
Ativo Cíclico R$ 60.000    Passivo Cíclico    R$ 40.000
Ativo Permanente R$ 70.000 Passivo Permanente R$ 80.000
CCL = R$ 70.000 – R$ 60.000         CCL = R$ 10.000
NIG = R$ 60.000 – R$ 40.000         NIG = R$ 20.000
ST = R$ 10.000 – R$ 20.000            ST = (R$ 10.000)
NTFP = R$ 20.000 +R$ 70.000 = R$ 90.000

NTFP – Necessidade Total de Financiamento para Giro
CCL > 0                          CCL < NIG




          DIFERENTES ESTRUTURAS
          FINANCEIRAS E RISCOS


 ESTRUTURA DE RISCO MÉDIO
 Conclusão:
   CCL insuficiente para financiar toda sua
   necessidade de investimento em giro;
   A empresa recorre ao mercado financeiro
   (empréstimos de curto prazo) para tomada de
   recursos necessários a seu giro.
DIFERENTES ESTRUTURAS
                 FINANCEIRAS E RISCOS
ESTRUTURA DE ALTO RISCO
Ativo Financeiro R$ 30.000 Passivo Financeiro R$ 50.000
Ativo Cíclico R$ 35.000    Passivo Cíclico    R$ 30.000
Ativo Permanente R$ 75.000 Passivo Permanente R$ 60.000

CCL = R$ 65.000 – R$ 80.000        CCL = (R$ 15.000)
NIG = R$ 35.000 – R$ 30.000         NIG = R$ 5.000
ST = R$ 30.000 – R$ 50.000           ST = (R$ 20.000)
NTFP = R$ 5.000 +R$ 75.000       NTFP = R$ 80.000
CCL < 0                     CCL < NIG
NIG > 0                      ST < 0




               DIFERENTES ESTRUTURAS
                FINANCEIRAS E RISCOS
 ESTRUTURA DE ALTO RISCO


 Conclusão
 CCL negativo, indicando uma insuficiência de
 recursos para financiar aplicações de longo prazo.
Avaliação da Estrutura Financeira

 Efeito Tesoura
  Quando a Empresa apresenta por vários exercícios
 seguidos um crescimento do NIG superior ao do
 CCL, diz-se que ele convive com o denominado
 efeito tesoura.
  Identificado por um crescente saldo em tesouraria
 negativo
 Razões do Efeito Tesoura : crescimento elevado do
 nível de atividade empresarial; desvio de recursos
 para imobilizações e inflação.




          Projeções     da     Necessidade           de
          Investimento em Giro

Prazos do Ciclo Operacional
 Prazo Médio de Estocagem (PME) = Estoques/CMV X 90
 Prazo Médio de Cobrança (PMC)= Valor a Receber/Vendas
 X 90
 Prazo Médio de Pagamentos a Fornecedores (PMPF) =
 Fornecedores/Compras X 90
 Prazo Médio de Pagamento de Despesas Operacionais
 (PMPD) = Despesas a Pagar / Despesas Incorridas X 90
Projeções da Necessidade de
                 Investimento em Giro
Receitas de Vendas             R$ 1.800,00
CMV                            R$ 1.060,00
Lucro Bruto                    R$ 740,00
Despesas Operacionais          R$ 260,00
Depreciação                    R$ 29,00
Lucro Operacional              R$ 451,00
Despesas Financeiras           R$ 25,00
Lucro Antes do IR              R$ 426,00
Provisão De IR                 R$ 170,00
Lucro Liquido                  R$ 256,00




       Prazos do Ciclo Operacional

 Prazo Médio de Estocagem (PME) = 50 dias
 Prazo Médio de Cobrança (PMC)= 30 dias
 Prazo Médio de Pagamentos a Fornecedores
 (PMPF) = 30 dias
 Prazo Médio de Pagamento de Despesas
 Operacionais (PMPD) = 20 dias
 As compras das mercadorias para o trimestre
R$ 1.380,00
Prazos do Ciclo Operacional

  Prazo Médio de Estocagem
50 = Estoques/R$ 1.060,00 X 90
Estoques = 1.060* 50/ 90 = 588,90
Investimento médio em estoques= R$ 588,90
  Prazo Médio de Cobrança
 30 = Valor a Receber/R$1.800,00 X 90
Valores a Receber = R$ 1.800*30/90 =
Investimento médio de valores a receber = R$ 600,00




         Prazos do Ciclo Operacional

  Prazo Médio de Pagamentos a Fornecedores
30 = Fornecedores/R$ 1.380,00 X 90
Fornecedores = 1.380,00*30/90
Financiamento médio por fornecedores = R$ 460,00

  Prazo Médio de Pagamento de Despesas Operacionais
20 = Despesas a Pagar / R$ 260,00 X 90
Financiamento médio por Despesas Operacionais = R$ 57, 80

  Os valores apurados indicam os investimentos demandados
  pelos ativos operacionais cíclicos, e os financiamentos de
  natureza cíclica inerentes à atividade da empresa.
Necessidade de Capital de Giro

Venda Média/dia=R$ 1.800/90 dias      R$       Dias de Vendas
= 20 dias
 Investimentos Cíclicos             1.188,90

     Valores a Receber              600,00      600,00/20 = 30

     Estoques                       588,90     588,90/20 = 29,4

  Financiamentos Cíclicos           517,80
     Fornecedores                   460,00     460,00/20 = 23,0

     Despesas Operacionais           57,80       57,80/20 = 2,9

  NIG                               671,10           33,5




             Necessidade de Capital de Giro

      NIG (Vendas = R$ 1.800)      R$ 1.800/90*33,5 = R$ 671,10

     NA Necessidade de Capital de Giro é determinada pela
     parte do investimento operacional cíclico não coberta
     pelos passivos cíclicos

     NO  NIG de R$ 671,10 projetado para o trimestre
     equivale a 33,5 dias de venda.

     NPara   preservação do equilíbrio financeiro, essa
     necessidade de capital deve ser financia por recursos
     permanentes.
Análise Financeira: Indicadores Estáticos

Liquidez Corrente                 (AC/PC)


Liquidez Geral         (AC+RLP)/(PC+ELP)


Liquidez Seca                     (AC-
                                  (AC-Est)/PC

Liquidez Imediata

LI= (Disponibilidades (Caixa+Bancos+Aplicações de Curtíssimo Prazo) /PC




              Análise Econômica: Indicadores Dinâmicos


 N   Payback
 N   Taxa de Retorno Contábil
 N   Valor Presente Líquido (NPV)
 N   Índice de Rentabilidade (P I)
 N   Taxa Interna de Retorno (IRR
Método do Payback
N   O período de payback de um investimento é o número de
    anos requeridos para recuperar o investimento inicial.

N   Vantagem e Desvantagens
      Payback é fácil (cálculo e compreensão)
      Ignora qualquer fluxo de caixa que ocorre depois do
      período de payback.
                 payback.
      Essa abordagem enfatiza retornos imediatos
      Essa abordagem descrimina projetos de longo prazo.
      Payback não considera o valor do dinheiro no tempo




          Taxa de Retorno Contábil (TRC

                        Σ        Lucro Líquido     t
           TRC              1
                   =
                                Invest.   Val. Residual
                                          2
N   Aceitar/rejeitar é baseado nas taxas de retorno
    contábil..
N   Essa fórmula assume uma depreciação linear; então, o
    investimento médio em um projeto é igual ao
    investimento mais o valor residual dividido por dois.
      Uso do lucro, no lugar do F.Cx.
       Não considera o valor do dinheiro no tempo
                                            tempo.
Taxa de Retorno Contábil (TRC)

               Ano 1     Ano 2    Ano 3    Ano 4     Ano 5
Receitas        433.333 450.000 266.667    200.000   133.333

Despesas        200.000 150.000 100.000    100.000   100.000

Lucro           233.333 300.000 166.667    100.000    33.333

Depreciação 100.000 100.000 100.000 100.000          100.000

LAIR            133.333 200.000   66.667      0      -66.667
Impostos 25%    33.333   50.000   16.667      0      -16.667

LL              100.000 150.000   50.000      0      -50.000




           Taxa de Retorno Contábil (TRC)


 LLM =100.000+150.000+50.000+0-50.000/5
 LLM=R$ 50.000
 VCM= 500.000+ 0/2= R$ 250.000
 RCM= R$ 50.000/ R$ 250.000= 20%
 Se a empresa possuir uma meta de RCM superior a
 20%, então esse investimento será aceitável
Valor Presente Líquido

N   O VPL de uma proposta de investimento é igual ao
    valor presente dos fluxos de caixas anuais depois da
    tributação menos o investimento inicial. O NPV
    pode ser expresso por :
                                 n    ACFt
              npv = – IO +       Σ
                                t=1   1+r t


N   Onde IO é o Investimento Inicial, ACFt é o fluxo de caixa
    diferencial anual depois da tributação na data t, r é a taxa
    apropriada de desconto, e n é a vida esperada do projeto.




                      Índice de Rentabilidade

N   O índice de lucratividade é a razão entre o valor
    presente dos futuros fluxos de caixa diferenciais
    e o Investimento Inicial (IO). Pode ser expresso :
                           n     ACFt
                           Σ
                          t=1    1+rt
                   PI =
                                IO
    O critério de aceitar/rejeitar para o método PI é o
    seguinte :

        Se PI ≥ 1 então aceitar senão rejeitar
                        aceitar;      rejeitar.

       Se PI ≥ 1 então aceitar senão rejeitar
                       aceitar;
Taxa Interna de Retorno (IRR)


N   O IRR é a taxa de desconto que iguala os valores
    presentes dos fluxos de caixa futuros com o
    investimento inicial (IO) de um projeto.
N   Matematicamente, a IRR é definida como uma taxa
    de modo que :

                              n      AC Ft
                      IO =    Σ              t
                             t=1   1 + IRR




            Taxa Interna de Retorno

    N   O critério de aceitar/rejeitar pela IRR é :
            Se IRR ≥ r então Aceitar senão Rejeitar
                             Aceitar;
    N   O IRR trata com o valor do dinheiro no tempo.
    N   Dificuldade para calcular .
    N   A IRR apresenta algumas restrições.
          Taxa Múltiplas
          Projeto Mutuamente Exclusivos
Análise Econômica: Indicadores Estáticos


              Lucratividade (Rentabilidade)
  Retorno do Ativo- ROA                     LL/AT
  Retorno do Patrimômio Líquido- ROE                 LL/PL-LL
  Margem de Lucro                                  LL/Vendas
  Retorno sobre o investimento- ROI              LO/I
  Grau de Alavancagem Financeira –GAF              ROE/ ROI
  Dividendo                                          (D/LL)




                      Balanço Patrimonial
ATIVO                 R$       PASSIVO                     R$
ATIVO CIRCULANTE      8.026    PASSIVO CIRCULANTE          4.408
 Disponibilidades       40      Fornecedores                725
 Aplic. Financeiras   1.932     Financiamentos             1.432
 Contas a Receber     2.465     Impostos a Recolher         456
 Estoques             1.866     Salários e Contribuições    627
 Outros               1.723     Dividendos a Pagar          357
                                Imposto de Renda            811
REALIZÁVEL A LP         76     EXIGÍVEL A LP               1.878
                                Financiamentos             1.878
ATIVO PERMANETE       8.792    PAT. LÍQUIDO                10.608
TOTAL                 16.894   TOTAL                       16.894
RESULTADO DO EXERCÍCIO
                                                   R$
 N    RECEITA OPERACIONAL                   N   14.213
 N    Custo dos Produtos Vendidos           N   ( 8.311)
 N    Lucro Bruto                           N    (5.902)
 N    Despesas Operacionais e financeiras   N     (2.982)
 N    Com Vendas                            N     ( 1.714)
 N    Administração                         N        (927)
 N    Honorários de Administração           N         (60)
 N    Receitas Financeiras                  N         116
 N    Despesas financeiras                  N        (397)
 N    LAIR                                  N        2.920
 N    Provisão para IR                      N       (1.095)
 N    LLO                                   N        1.825




                   Análise Eco-Financeira
Com base nas seguintes informações das Demonstrações
Contábeis, irão fazer as análises eco-financeiras calculando:

NI-            PARTE
  O Ativo Circulante Financeiro
  O Passivo Circulante Oneroso
 O Passivo Não Circulante
4 Investimento Operacional em Giro – IOG; Capital Circulante
Líquido – CCL; Capital de Giro Próprio – CGP; Saldo em
Tesouraria – St.
Análise Eco-Financeira

N   II-           PARTE

      Qual (ais) a(s) fonte (s) de aplicação (ões)
    (de recurso s), que financiam o          Ativo
    Permanente,      Realizável a Longo Prazo,
    CCL,       IOG, Saldo em tesouraria e
    disponibilidades na conta Caixa e Bancos ?




                 Análise Eco-Financeira
N   III- Parte
N Lucratividade (Rentabilidade)
Retorno do Ativo- ROA                     LL/AT
Retorno do Patrimômio Líquido- ROE        LL/PL-LL
Margem de Lucro                           LL/Vendas
Retorno sobre o investimento- ROI        LO/I
Grau de Alavancagem Financeira –GAF      ROE/ ROI

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Medidas de análise financeira formulas
Medidas de análise financeira   formulasMedidas de análise financeira   formulas
Medidas de análise financeira formulas
albumina
 
Indicadores Financeiros
Indicadores FinanceirosIndicadores Financeiros
Indicadores Financeiros
SALVADOR SERRATO
 
Ratios
RatiosRatios
Analise das Demonstrações Financeiras
Analise das Demonstrações FinanceirasAnalise das Demonstrações Financeiras
Analise das Demonstrações Financeiras
Isabel Castilho
 
Análise de demonstrações contábeis através de índices financeiros
Análise de demonstrações contábeis através de índices financeirosAnálise de demonstrações contábeis através de índices financeiros
Análise de demonstrações contábeis através de índices financeiros
M2M Escola de Negócios
 
Analise financeira
Analise financeiraAnalise financeira
Analise financeira
Erode Souza Leite
 
Slides Equalização - Contabilidade 2014A
Slides Equalização - Contabilidade 2014ASlides Equalização - Contabilidade 2014A
Slides Equalização - Contabilidade 2014A
Sustentare Escola de Negócios
 
Capital de giro: decisão de investimento e estratégia de financiamento
Capital de giro: decisão de investimento e estratégia de financiamentoCapital de giro: decisão de investimento e estratégia de financiamento
Capital de giro: decisão de investimento e estratégia de financiamento
Ueliton Carvalho
 
Analise demonstracoes financeira_aula05
Analise demonstracoes financeira_aula05Analise demonstracoes financeira_aula05
Analise demonstracoes financeira_aula05
contacontabil
 
Indices de liquidez analise
Indices de liquidez analiseIndices de liquidez analise
Indices de liquidez analise
Gleidbraga
 
Giro apresentação 2016
Giro apresentação 2016Giro apresentação 2016
Giro apresentação 2016
Ueliton Carvalho
 
A Importância da Gestão Financeira nas Empresas
A Importância da Gestão Financeira nas EmpresasA Importância da Gestão Financeira nas Empresas
A Importância da Gestão Financeira nas Empresas
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
Demonstrações contábeis
Demonstrações contábeisDemonstrações contábeis
Demonstrações contábeis
fontouramail
 
Introdução à Gestão Financeira
Introdução à Gestão FinanceiraIntrodução à Gestão Financeira
Introdução à Gestão Financeira
Eliseu Fortolan
 
Nocoes basicas de_financas_para_nao_financeiros
Nocoes basicas de_financas_para_nao_financeirosNocoes basicas de_financas_para_nao_financeiros
Nocoes basicas de_financas_para_nao_financeiros
RicardoPassosVieira
 
Gestão Financeira - Corticeira Amorim
Gestão Financeira - Corticeira AmorimGestão Financeira - Corticeira Amorim
Gestão Financeira - Corticeira Amorim
Maria José Rodrigues
 
Rácios financeiros e económicos
Rácios financeiros e económicosRácios financeiros e económicos
Rácios financeiros e económicos
Universidade Pedagogica
 
Aulas+de+adm+financeira+e+orçamentária+i+sms
Aulas+de+adm+financeira+e+orçamentária+i+smsAulas+de+adm+financeira+e+orçamentária+i+sms
Aulas+de+adm+financeira+e+orçamentária+i+sms
IFMG e COLTEC
 
Analise demonstracoes contabeis
Analise demonstracoes contabeisAnalise demonstracoes contabeis
Analise demonstracoes contabeis
apostilacontabil
 
Apostila analise de balanco ii
Apostila analise de balanco iiApostila analise de balanco ii
Apostila analise de balanco ii
controladoriacontab
 

Mais procurados (20)

Medidas de análise financeira formulas
Medidas de análise financeira   formulasMedidas de análise financeira   formulas
Medidas de análise financeira formulas
 
Indicadores Financeiros
Indicadores FinanceirosIndicadores Financeiros
Indicadores Financeiros
 
Ratios
RatiosRatios
Ratios
 
Analise das Demonstrações Financeiras
Analise das Demonstrações FinanceirasAnalise das Demonstrações Financeiras
Analise das Demonstrações Financeiras
 
Análise de demonstrações contábeis através de índices financeiros
Análise de demonstrações contábeis através de índices financeirosAnálise de demonstrações contábeis através de índices financeiros
Análise de demonstrações contábeis através de índices financeiros
 
Analise financeira
Analise financeiraAnalise financeira
Analise financeira
 
Slides Equalização - Contabilidade 2014A
Slides Equalização - Contabilidade 2014ASlides Equalização - Contabilidade 2014A
Slides Equalização - Contabilidade 2014A
 
Capital de giro: decisão de investimento e estratégia de financiamento
Capital de giro: decisão de investimento e estratégia de financiamentoCapital de giro: decisão de investimento e estratégia de financiamento
Capital de giro: decisão de investimento e estratégia de financiamento
 
Analise demonstracoes financeira_aula05
Analise demonstracoes financeira_aula05Analise demonstracoes financeira_aula05
Analise demonstracoes financeira_aula05
 
Indices de liquidez analise
Indices de liquidez analiseIndices de liquidez analise
Indices de liquidez analise
 
Giro apresentação 2016
Giro apresentação 2016Giro apresentação 2016
Giro apresentação 2016
 
A Importância da Gestão Financeira nas Empresas
A Importância da Gestão Financeira nas EmpresasA Importância da Gestão Financeira nas Empresas
A Importância da Gestão Financeira nas Empresas
 
Demonstrações contábeis
Demonstrações contábeisDemonstrações contábeis
Demonstrações contábeis
 
Introdução à Gestão Financeira
Introdução à Gestão FinanceiraIntrodução à Gestão Financeira
Introdução à Gestão Financeira
 
Nocoes basicas de_financas_para_nao_financeiros
Nocoes basicas de_financas_para_nao_financeirosNocoes basicas de_financas_para_nao_financeiros
Nocoes basicas de_financas_para_nao_financeiros
 
Gestão Financeira - Corticeira Amorim
Gestão Financeira - Corticeira AmorimGestão Financeira - Corticeira Amorim
Gestão Financeira - Corticeira Amorim
 
Rácios financeiros e económicos
Rácios financeiros e económicosRácios financeiros e económicos
Rácios financeiros e económicos
 
Aulas+de+adm+financeira+e+orçamentária+i+sms
Aulas+de+adm+financeira+e+orçamentária+i+smsAulas+de+adm+financeira+e+orçamentária+i+sms
Aulas+de+adm+financeira+e+orçamentária+i+sms
 
Analise demonstracoes contabeis
Analise demonstracoes contabeisAnalise demonstracoes contabeis
Analise demonstracoes contabeis
 
Apostila analise de balanco ii
Apostila analise de balanco iiApostila analise de balanco ii
Apostila analise de balanco ii
 

Destaque

A análise de demonstrativos financeiros
A análise de demonstrativos financeirosA análise de demonstrativos financeiros
A análise de demonstrativos financeiros
Valéria Braga
 
Nuno Freitas - be IN Coimbra
Nuno Freitas - be IN CoimbraNuno Freitas - be IN Coimbra
Nuno Freitas - be IN Coimbra
Plataforma Empreendedor
 
Simulation as a Teaching Tool in the ICU
Simulation as a Teaching Tool in the ICUSimulation as a Teaching Tool in the ICU
Simulation as a Teaching Tool in the ICU
Dr.Mahmoud Abbas
 
Aplicações e Práticas Web 2.0 - Uma Visão Geral
Aplicações e Práticas Web 2.0 - Uma Visão GeralAplicações e Práticas Web 2.0 - Uma Visão Geral
Aplicações e Práticas Web 2.0 - Uma Visão Geral
Escola Superior de Media Artes e Design / Politécnico do Porto
 
Gestão do fluxo de caixa aplicado ao Microempreendedor individual
Gestão do fluxo de caixa aplicado ao Microempreendedor individualGestão do fluxo de caixa aplicado ao Microempreendedor individual
Gestão do fluxo de caixa aplicado ao Microempreendedor individual
Bianca Carro Gonzaga
 
Analise de investimento
Analise de investimentoAnalise de investimento
Analise de investimento
Adriano Evaristo
 
Analise das demonstrações financeiras
Analise das demonstrações financeirasAnalise das demonstrações financeiras
Analise das demonstrações financeiras
belyalmeida
 
Aprovisionamento
Aprovisionamento   Aprovisionamento
Aprovisionamento
Ines Soares
 
10 passos seguranca_paciente
10 passos seguranca_paciente10 passos seguranca_paciente
10 passos seguranca_paciente
Camila Melo
 
Segurança do paciente e gerencimento de risco (slide)
Segurança do paciente e gerencimento de risco (slide)Segurança do paciente e gerencimento de risco (slide)
Segurança do paciente e gerencimento de risco (slide)
JONAS ARAUJO
 
Classifique os custos
Classifique os custosClassifique os custos
Classifique os custos
zeramento contabil
 
Ativo, passivo e patrimônio liquido
Ativo, passivo e patrimônio liquidoAtivo, passivo e patrimônio liquido
Ativo, passivo e patrimônio liquido
Home Office Oxe!
 
Segurança do paciente
Segurança do pacienteSegurança do paciente
Segurança do paciente
Adriana Dias Domingos
 
Técnicas para o Desenvolvimento de Cronogramas
Técnicas para o Desenvolvimento de CronogramasTécnicas para o Desenvolvimento de Cronogramas
Técnicas para o Desenvolvimento de Cronogramas
Peter Mello
 
Passo a passo para baixar slides
Passo a passo para baixar slidesPasso a passo para baixar slides
Passo a passo para baixar slides
Dênia Cavalcante
 

Destaque (15)

A análise de demonstrativos financeiros
A análise de demonstrativos financeirosA análise de demonstrativos financeiros
A análise de demonstrativos financeiros
 
Nuno Freitas - be IN Coimbra
Nuno Freitas - be IN CoimbraNuno Freitas - be IN Coimbra
Nuno Freitas - be IN Coimbra
 
Simulation as a Teaching Tool in the ICU
Simulation as a Teaching Tool in the ICUSimulation as a Teaching Tool in the ICU
Simulation as a Teaching Tool in the ICU
 
Aplicações e Práticas Web 2.0 - Uma Visão Geral
Aplicações e Práticas Web 2.0 - Uma Visão GeralAplicações e Práticas Web 2.0 - Uma Visão Geral
Aplicações e Práticas Web 2.0 - Uma Visão Geral
 
Gestão do fluxo de caixa aplicado ao Microempreendedor individual
Gestão do fluxo de caixa aplicado ao Microempreendedor individualGestão do fluxo de caixa aplicado ao Microempreendedor individual
Gestão do fluxo de caixa aplicado ao Microempreendedor individual
 
Analise de investimento
Analise de investimentoAnalise de investimento
Analise de investimento
 
Analise das demonstrações financeiras
Analise das demonstrações financeirasAnalise das demonstrações financeiras
Analise das demonstrações financeiras
 
Aprovisionamento
Aprovisionamento   Aprovisionamento
Aprovisionamento
 
10 passos seguranca_paciente
10 passos seguranca_paciente10 passos seguranca_paciente
10 passos seguranca_paciente
 
Segurança do paciente e gerencimento de risco (slide)
Segurança do paciente e gerencimento de risco (slide)Segurança do paciente e gerencimento de risco (slide)
Segurança do paciente e gerencimento de risco (slide)
 
Classifique os custos
Classifique os custosClassifique os custos
Classifique os custos
 
Ativo, passivo e patrimônio liquido
Ativo, passivo e patrimônio liquidoAtivo, passivo e patrimônio liquido
Ativo, passivo e patrimônio liquido
 
Segurança do paciente
Segurança do pacienteSegurança do paciente
Segurança do paciente
 
Técnicas para o Desenvolvimento de Cronogramas
Técnicas para o Desenvolvimento de CronogramasTécnicas para o Desenvolvimento de Cronogramas
Técnicas para o Desenvolvimento de Cronogramas
 
Passo a passo para baixar slides
Passo a passo para baixar slidesPasso a passo para baixar slides
Passo a passo para baixar slides
 

Semelhante a Análise economica financeira

Administra+Æo do Capital de Giro 3.ppt
Administra+Æo do Capital de Giro 3.pptAdministra+Æo do Capital de Giro 3.ppt
Administra+Æo do Capital de Giro 3.ppt
AlmirSilveira7
 
Contabilidad 2
Contabilidad 2Contabilidad 2
Contabilidad 2
Georgina Seuma
 
Contabilidade Gerencial Estrategica
Contabilidade Gerencial EstrategicaContabilidade Gerencial Estrategica
Contabilidade Gerencial Estrategica
luizjorges
 
Indices adc
Indices adcIndices adc
Indices adc
razonetecontabil
 
Turma Qualifica CFC 2017.2 - Contabilidade Geral
Turma Qualifica CFC 2017.2 - Contabilidade GeralTurma Qualifica CFC 2017.2 - Contabilidade Geral
Turma Qualifica CFC 2017.2 - Contabilidade Geral
Marta Chaves
 
[ACE Management Boos Weel] Fluxo de Caixa
[ACE Management Boos Weel] Fluxo de Caixa[ACE Management Boos Weel] Fluxo de Caixa
[ACE Management Boos Weel] Fluxo de Caixa
Marcelo Furtado
 
Exercicios basicos para_estudos
Exercicios basicos para_estudosExercicios basicos para_estudos
Exercicios basicos para_estudos
Graciela Lopes
 
Palestra capital de giro
Palestra capital de giroPalestra capital de giro
Palestra capital de giro
Ideia Consultoria
 
06 analise e_dimencionamento_do_capital_de_giro
06 analise e_dimencionamento_do_capital_de_giro06 analise e_dimencionamento_do_capital_de_giro
06 analise e_dimencionamento_do_capital_de_giro
Carlos
 
Aula_fluxo de caixa 3.pdf
Aula_fluxo de caixa 3.pdfAula_fluxo de caixa 3.pdf
Aula_fluxo de caixa 3.pdf
ANDERSONANTNIODELIMA
 
Contabilidade resolvida comentada
Contabilidade resolvida comentadaContabilidade resolvida comentada
Contabilidade resolvida comentada
simuladocontabil
 
Planilha fluxo de caixa indireto
Planilha fluxo de caixa indiretoPlanilha fluxo de caixa indireto
Planilha fluxo de caixa indireto
professoredmilson
 
Exame Suficiência CFC 2018/1 Prova Branca Questão 10
Exame Suficiência CFC 2018/1 Prova Branca Questão 10Exame Suficiência CFC 2018/1 Prova Branca Questão 10
Exame Suficiência CFC 2018/1 Prova Branca Questão 10
Thiago Chaim
 
Apresentação girotto
Apresentação girottoApresentação girotto
Apresentação girotto
plerias
 
Finanças para Pequenos Negócios Instituto Keynes Londrina - Aula 3
Finanças para Pequenos Negócios Instituto Keynes Londrina - Aula 3Finanças para Pequenos Negócios Instituto Keynes Londrina - Aula 3
Finanças para Pequenos Negócios Instituto Keynes Londrina - Aula 3
Instituto Keynes
 
Finanças e Investimentos para Startups - Startup Pirates Foz ´14
Finanças e Investimentos para Startups - Startup Pirates Foz ´14Finanças e Investimentos para Startups - Startup Pirates Foz ´14
Finanças e Investimentos para Startups - Startup Pirates Foz ´14
Ricardo Moraes
 
Contabilidade Gerencial Estrategica
Contabilidade Gerencial EstrategicaContabilidade Gerencial Estrategica
Contabilidade Gerencial Estrategica
Jessica Pantaleón Contreras
 
Contabilidade Gerencial Estrategica2364
Contabilidade Gerencial Estrategica2364Contabilidade Gerencial Estrategica2364
Contabilidade Gerencial Estrategica2364
cristina
 
Contabilidad2
Contabilidad2Contabilidad2
Controle gerencial estratégico
Controle gerencial estratégicoControle gerencial estratégico
Controle gerencial estratégico
Claudia Shiozuka Fiori
 

Semelhante a Análise economica financeira (20)

Administra+Æo do Capital de Giro 3.ppt
Administra+Æo do Capital de Giro 3.pptAdministra+Æo do Capital de Giro 3.ppt
Administra+Æo do Capital de Giro 3.ppt
 
Contabilidad 2
Contabilidad 2Contabilidad 2
Contabilidad 2
 
Contabilidade Gerencial Estrategica
Contabilidade Gerencial EstrategicaContabilidade Gerencial Estrategica
Contabilidade Gerencial Estrategica
 
Indices adc
Indices adcIndices adc
Indices adc
 
Turma Qualifica CFC 2017.2 - Contabilidade Geral
Turma Qualifica CFC 2017.2 - Contabilidade GeralTurma Qualifica CFC 2017.2 - Contabilidade Geral
Turma Qualifica CFC 2017.2 - Contabilidade Geral
 
[ACE Management Boos Weel] Fluxo de Caixa
[ACE Management Boos Weel] Fluxo de Caixa[ACE Management Boos Weel] Fluxo de Caixa
[ACE Management Boos Weel] Fluxo de Caixa
 
Exercicios basicos para_estudos
Exercicios basicos para_estudosExercicios basicos para_estudos
Exercicios basicos para_estudos
 
Palestra capital de giro
Palestra capital de giroPalestra capital de giro
Palestra capital de giro
 
06 analise e_dimencionamento_do_capital_de_giro
06 analise e_dimencionamento_do_capital_de_giro06 analise e_dimencionamento_do_capital_de_giro
06 analise e_dimencionamento_do_capital_de_giro
 
Aula_fluxo de caixa 3.pdf
Aula_fluxo de caixa 3.pdfAula_fluxo de caixa 3.pdf
Aula_fluxo de caixa 3.pdf
 
Contabilidade resolvida comentada
Contabilidade resolvida comentadaContabilidade resolvida comentada
Contabilidade resolvida comentada
 
Planilha fluxo de caixa indireto
Planilha fluxo de caixa indiretoPlanilha fluxo de caixa indireto
Planilha fluxo de caixa indireto
 
Exame Suficiência CFC 2018/1 Prova Branca Questão 10
Exame Suficiência CFC 2018/1 Prova Branca Questão 10Exame Suficiência CFC 2018/1 Prova Branca Questão 10
Exame Suficiência CFC 2018/1 Prova Branca Questão 10
 
Apresentação girotto
Apresentação girottoApresentação girotto
Apresentação girotto
 
Finanças para Pequenos Negócios Instituto Keynes Londrina - Aula 3
Finanças para Pequenos Negócios Instituto Keynes Londrina - Aula 3Finanças para Pequenos Negócios Instituto Keynes Londrina - Aula 3
Finanças para Pequenos Negócios Instituto Keynes Londrina - Aula 3
 
Finanças e Investimentos para Startups - Startup Pirates Foz ´14
Finanças e Investimentos para Startups - Startup Pirates Foz ´14Finanças e Investimentos para Startups - Startup Pirates Foz ´14
Finanças e Investimentos para Startups - Startup Pirates Foz ´14
 
Contabilidade Gerencial Estrategica
Contabilidade Gerencial EstrategicaContabilidade Gerencial Estrategica
Contabilidade Gerencial Estrategica
 
Contabilidade Gerencial Estrategica2364
Contabilidade Gerencial Estrategica2364Contabilidade Gerencial Estrategica2364
Contabilidade Gerencial Estrategica2364
 
Contabilidad2
Contabilidad2Contabilidad2
Contabilidad2
 
Controle gerencial estratégico
Controle gerencial estratégicoControle gerencial estratégico
Controle gerencial estratégico
 

Mais de Delza

Celson Ricardo Carvalho de Oliveira
Celson Ricardo Carvalho de OliveiraCelson Ricardo Carvalho de Oliveira
Celson Ricardo Carvalho de Oliveira
Delza
 
Projeto econômico e financeiro
Projeto econômico e financeiroProjeto econômico e financeiro
Projeto econômico e financeiro
Delza
 
Elaboração de projetos análise de cenários
Elaboração de  projetos  análise de cenáriosElaboração de  projetos  análise de cenários
Elaboração de projetos análise de cenários
Delza
 
Relações do meio ambiente com o sistema social
Relações do meio ambiente com o sistema socialRelações do meio ambiente com o sistema social
Relações do meio ambiente com o sistema social
Delza
 
Risco e incerteza
Risco e incertezaRisco e incerteza
Risco e incerteza
Delza
 
Decisões de investimento
Decisões de investimentoDecisões de investimento
Decisões de investimento
Delza
 
Projetos ii ponto 1
Projetos ii ponto 1Projetos ii ponto 1
Projetos ii ponto 1
Delza
 
Ciclos econômicos
Ciclos econômicosCiclos econômicos
Ciclos econômicos
Delza
 
Elaboração e análise de projetos ii parte
Elaboração e análise de projetos  ii parteElaboração e análise de projetos  ii parte
Elaboração e análise de projetos ii parte
Delza
 
Elaboração e análise de projetos i parte
Elaboração e análise de projetos  i parteElaboração e análise de projetos  i parte
Elaboração e análise de projetos i parte
Delza
 
Alavancagem
AlavancagemAlavancagem
AlavancagemDelza
 
Orçamento de Capital
Orçamento de CapitalOrçamento de Capital
Orçamento de CapitalDelza
 
Capital em condições de risco
Capital em condições de riscoCapital em condições de risco
Capital em condições de risco
Delza
 
Risco e retorno de projetos
Risco e retorno de projetosRisco e retorno de projetos
Risco e retorno de projetos
Delza
 
Uma investigação do perfil financeiro da companhia de eletricidade da bahia ...
Uma investigação do perfil financeiro da companhia de eletricidade da bahia  ...Uma investigação do perfil financeiro da companhia de eletricidade da bahia  ...
Uma investigação do perfil financeiro da companhia de eletricidade da bahia ...
Delza
 
Estudos de custos e benefícios em projetos ambientais sustentáveis nos municí...
Estudos de custos e benefícios em projetos ambientais sustentáveis nos municí...Estudos de custos e benefícios em projetos ambientais sustentáveis nos municí...
Estudos de custos e benefícios em projetos ambientais sustentáveis nos municí...
Delza
 
Modelo de apresentação da tese
Modelo de apresentação da teseModelo de apresentação da tese
Modelo de apresentação da tese
Delza
 
Custos e benefícios em projetos ambientais sustentáveis do parque nacional da...
Custos e benefícios em projetos ambientais sustentáveis do parque nacional da...Custos e benefícios em projetos ambientais sustentáveis do parque nacional da...
Custos e benefícios em projetos ambientais sustentáveis do parque nacional da...Delza
 
A valoração da paisagem dos municipios que delimitam o parque nacional da cha...
A valoração da paisagem dos municipios que delimitam o parque nacional da cha...A valoração da paisagem dos municipios que delimitam o parque nacional da cha...
A valoração da paisagem dos municipios que delimitam o parque nacional da cha...Delza
 
4o. encontro de pós graduação da ufs
4o. encontro de pós graduação da ufs4o. encontro de pós graduação da ufs
4o. encontro de pós graduação da ufsDelza
 

Mais de Delza (20)

Celson Ricardo Carvalho de Oliveira
Celson Ricardo Carvalho de OliveiraCelson Ricardo Carvalho de Oliveira
Celson Ricardo Carvalho de Oliveira
 
Projeto econômico e financeiro
Projeto econômico e financeiroProjeto econômico e financeiro
Projeto econômico e financeiro
 
Elaboração de projetos análise de cenários
Elaboração de  projetos  análise de cenáriosElaboração de  projetos  análise de cenários
Elaboração de projetos análise de cenários
 
Relações do meio ambiente com o sistema social
Relações do meio ambiente com o sistema socialRelações do meio ambiente com o sistema social
Relações do meio ambiente com o sistema social
 
Risco e incerteza
Risco e incertezaRisco e incerteza
Risco e incerteza
 
Decisões de investimento
Decisões de investimentoDecisões de investimento
Decisões de investimento
 
Projetos ii ponto 1
Projetos ii ponto 1Projetos ii ponto 1
Projetos ii ponto 1
 
Ciclos econômicos
Ciclos econômicosCiclos econômicos
Ciclos econômicos
 
Elaboração e análise de projetos ii parte
Elaboração e análise de projetos  ii parteElaboração e análise de projetos  ii parte
Elaboração e análise de projetos ii parte
 
Elaboração e análise de projetos i parte
Elaboração e análise de projetos  i parteElaboração e análise de projetos  i parte
Elaboração e análise de projetos i parte
 
Alavancagem
AlavancagemAlavancagem
Alavancagem
 
Orçamento de Capital
Orçamento de CapitalOrçamento de Capital
Orçamento de Capital
 
Capital em condições de risco
Capital em condições de riscoCapital em condições de risco
Capital em condições de risco
 
Risco e retorno de projetos
Risco e retorno de projetosRisco e retorno de projetos
Risco e retorno de projetos
 
Uma investigação do perfil financeiro da companhia de eletricidade da bahia ...
Uma investigação do perfil financeiro da companhia de eletricidade da bahia  ...Uma investigação do perfil financeiro da companhia de eletricidade da bahia  ...
Uma investigação do perfil financeiro da companhia de eletricidade da bahia ...
 
Estudos de custos e benefícios em projetos ambientais sustentáveis nos municí...
Estudos de custos e benefícios em projetos ambientais sustentáveis nos municí...Estudos de custos e benefícios em projetos ambientais sustentáveis nos municí...
Estudos de custos e benefícios em projetos ambientais sustentáveis nos municí...
 
Modelo de apresentação da tese
Modelo de apresentação da teseModelo de apresentação da tese
Modelo de apresentação da tese
 
Custos e benefícios em projetos ambientais sustentáveis do parque nacional da...
Custos e benefícios em projetos ambientais sustentáveis do parque nacional da...Custos e benefícios em projetos ambientais sustentáveis do parque nacional da...
Custos e benefícios em projetos ambientais sustentáveis do parque nacional da...
 
A valoração da paisagem dos municipios que delimitam o parque nacional da cha...
A valoração da paisagem dos municipios que delimitam o parque nacional da cha...A valoração da paisagem dos municipios que delimitam o parque nacional da cha...
A valoração da paisagem dos municipios que delimitam o parque nacional da cha...
 
4o. encontro de pós graduação da ufs
4o. encontro de pós graduação da ufs4o. encontro de pós graduação da ufs
4o. encontro de pós graduação da ufs
 

Último

Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
ClaudiaMainoth
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 

Último (20)

Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 

Análise economica financeira

  • 1. Análise Econômica e Financeira de Empresas Profa. Delza Rodrigues de Carvalho Perspectivas dos Analistas N Análise de crédito bancário: liquidez/ fluxo de caixa. N Análise de Investimentos: crescimento e rentabilidade N Gerente Financeiro: saúde financeira N Diferentes respostas Diferentes objetivos Diferentes informações
  • 2. Papel das Demonstrações Financeiras Balanço Patrimonial Fotografia (estática) Visão dos recursos e obrigações •Demonstração de Resultados Entradas e Saídas Desempenho operacional •Fluxo de Caixa (DOAR) Usos e alocação do caixa Financiamento, Investimento, e Operações Análise Financeira : Empresa em Equilíbrio Financeiro Ativo Financeiro R$ 3.500 Passivo Financeiro R$ 2.200 Ativo Cíclico R$ 7.600 Passivo Cíclico R$ 5.300 Ativo Permanente R$ 6.400 Passivo Permanente R$ 10.000
  • 3. Indicadores de Avaliação da Estrutura Financeira 1. Empresa em Equilíbrio Financeiro N CCL: Volume de recursos de longo prazo alocados para financiar o giro CCL = R$ 11.000 – R$ 7.500 CCL = R$ 3.600 N NIG: Montante de capital permanente que uma empresa necessita para financiar seu capital de giro. Esse volume é determinado pelo nível de atividade da empresa (produção e vendas) e prazos operacionais ( cobrança, venda, pagamentos). NIG = R$ 7.600 – R$ 5.300 NIG = R$ 2.300 (financiada por passivo cíclico) Indicadores de Avaliação da Estrutura Financeira 1. Empresa em Equilíbrio Financeiro N ST: Medida de margem de segurança financeira de uma empresa, que indica sua capacidade interna de financiar um crescimento da atividade operacional ST = R$ 3.500 – R$ 2.200 ST = R$ 1.300 N NTFP: Montante de recursos de longo prazo necessários para financiar sua atividade. NTFP = R$ 2.300 +R$ 6.400 NTFP = R$ 8.700
  • 4. Empresa em Desequilíbrio Financeiro Ativo Financeiro R$ 1.500 Passivo Financeiro R$ 3.500 Ativo Cíclico R$ 6.000 Passivo Cíclico R$ 5.200 Ativo Permanente R$ 10.000 Passivo Permanente R$ 8.800 Indicadores de Avaliação da Estrutura Financeira 1. Empresa em Desequilíbrio Financeiro N CCL: Volume de recursos de longo prazo alocados para financiar o giro CCL = R$ 7.500 – R$ 8.700 CCL = (R$ 1.200) existência de recursos de curto prazo financiando ativos de longo prazo. N NIG: Montante de capital permanente que uma empresa necessita para financiar seu capital de giro. Esse volume é determinado pelo nível de atividade da empresa (produção e vendas) e prazos operacionais. NIG = R$ 6.000 – R$ 5.200 NIG = R$ 800 (financiada por passivo financeiro)
  • 5. Indicadores de Avaliação da Estrutura Financeira 1. Empresa em Desequilíbrio Financeiro N ST: Medida de margem de segurança financeira de uma empresa, que indica sua capacidade interna de financiar um crescimento da atividade operacional ST = R$ 1.500 – R$ 3.500 ST = (R$ 2.000) N NTFP- Necessidade Total de Financiamento Permanente Montante de recursos de longo prazo necessários para financiar sua atividade. NTFP = R$ 800 +R$ 10.000 NTFP = R$ 10.800 DIFERENTES ESTRUTURAS FINANCEIRAS E RISCOS ESTRUTURA DE BAIXO RISCO Ativo Financeiro R$ 30.000 Passivo Financeiro R$ 10.000 Ativo Financeiro R$ 30.000 Passivo Financeiro R$ 10.000 Ativo Cíclico R$ 40.000 Passivo Cíclico R$ 50.000 Ativo Cíclico R$ 40.000 Passivo Cíclico R$ 50.000 Ativo Permanente R$ 70.000 Passivo Permanente R$ 80.000 Ativo Permanente R$ 70.000 Passivo Permanente R$ 80.000 CCL = R$ 70.000 – R$ 60.000 CCL = R$ 10.000 CCL = R$ 40.000––R$ 8.700 NIG = R$ 7.500 R$ 50.000 CCL = NIG 1.200 10.000) (R$ = (R$ NIG = R$ 30.000––R$ 5.200 ST = 6.000 R$ 10.000 NIG = R$ 800R$ 20.000 ST = ST = R$ (R$ 10.000)3.500 70.000ST = NTFP = R$ 60.000 NTFP = 1.500 – R$ +R$ (R$ 2.000) NTFP > 0 ≥ CCL= R$ 800 +R$ 10.000 NTFP = R$ CCL > NIG 10.800 NIG < 0 ST > 0
  • 6. DIFERENTES ESTRUTURAS FINANCEIRAS E RISCOS ESTRUTURA DE BAIXO RISCO Ativo Financeiro R$ 30.000 Passivo Financeiro R$ 20.000 Ativo Financeiro R$ 30.000 Passivo Financeiro R$ 10.000 Ativo Cíclico R$ 60.000 Passivo Cíclico R$ 40.000 Ativo Cíclico R$ 40.000 Passivo Cíclico R$ 50.000 Ativo Permanente R$ 50.000 Passivo Permanente R$ 80.000 Ativo Permanente R$ 70.000 Passivo Permanente R$ 80.000 CCL = R$ 90.000 – R$ 60.000 CCL = R$ 30.000 CCL = R$ 60.000––R$ 8.700 NIG = R$ 7.500 R$ 40.000 CCL = NIG 1.200 20.000 (R$ = R$ NIG = R$ 30.000––R$ 5.200 ST = 6.000 R$ 20.000 NIG = R$ 800R$ 10.000 ST = ST = R$ R$ 20.000 +R$ 50.000 ST =NTFP = R$ 70.000 NTFP = 1.500 – R$ 3.500 (R$ 2.000) NTFP > 0 ≥ CCL= R$ 800 +R$ 10.000 NTFP = R$ CCL > NIG 10.800 NIG > 0 ST > 0 DIFERENTES ESTRUTURAS FINANCEIRAS E RISCOS ESTRUTURA DE BAIXO RISCO ESTRUTURA DE BAIXO RISCO Ativo Financeiro R$ 30.000 Passivo Financeiro R$ superar Conclusão: O crescimento do NIG não deve 10.000 Ativo Cíclico mantido pela empresa, o ST R$ 40.000 Passivo Cíclico evitando a R$ 50.000 desestabilização de sua estrutura financeira. Ativo Permanente R$ 70.000 Passivo Permanente R$ 80.000 CCL = R$ 7.500 – R$ 8.700 CCL = (R$ 1.200 NIG = R$ 6.000 – R$ 5.200 NIG = R$ 800 ST = R$ 1.500 – R$ 3.500 ST = (R$ 2.000) NTFP = R$ 800 +R$ 10.000 NTFP = R$ 10.800
  • 7. DIFERENTES ESTRUTURAS FINANCEIRAS E RISCOS ESTRUTURA DE RISCO MÉDIO Ativo Financeiro R$ 10.000 Passivo Financeiro R$ 20.000 Ativo Cíclico R$ 60.000 Passivo Cíclico R$ 40.000 Ativo Permanente R$ 70.000 Passivo Permanente R$ 80.000 CCL = R$ 70.000 – R$ 60.000 CCL = R$ 10.000 NIG = R$ 60.000 – R$ 40.000 NIG = R$ 20.000 ST = R$ 10.000 – R$ 20.000 ST = (R$ 10.000) NTFP = R$ 20.000 +R$ 70.000 = R$ 90.000 NTFP – Necessidade Total de Financiamento para Giro CCL > 0 CCL < NIG DIFERENTES ESTRUTURAS FINANCEIRAS E RISCOS ESTRUTURA DE RISCO MÉDIO Conclusão: CCL insuficiente para financiar toda sua necessidade de investimento em giro; A empresa recorre ao mercado financeiro (empréstimos de curto prazo) para tomada de recursos necessários a seu giro.
  • 8. DIFERENTES ESTRUTURAS FINANCEIRAS E RISCOS ESTRUTURA DE ALTO RISCO Ativo Financeiro R$ 30.000 Passivo Financeiro R$ 50.000 Ativo Cíclico R$ 35.000 Passivo Cíclico R$ 30.000 Ativo Permanente R$ 75.000 Passivo Permanente R$ 60.000 CCL = R$ 65.000 – R$ 80.000 CCL = (R$ 15.000) NIG = R$ 35.000 – R$ 30.000 NIG = R$ 5.000 ST = R$ 30.000 – R$ 50.000 ST = (R$ 20.000) NTFP = R$ 5.000 +R$ 75.000 NTFP = R$ 80.000 CCL < 0 CCL < NIG NIG > 0 ST < 0 DIFERENTES ESTRUTURAS FINANCEIRAS E RISCOS ESTRUTURA DE ALTO RISCO Conclusão CCL negativo, indicando uma insuficiência de recursos para financiar aplicações de longo prazo.
  • 9. Avaliação da Estrutura Financeira Efeito Tesoura Quando a Empresa apresenta por vários exercícios seguidos um crescimento do NIG superior ao do CCL, diz-se que ele convive com o denominado efeito tesoura. Identificado por um crescente saldo em tesouraria negativo Razões do Efeito Tesoura : crescimento elevado do nível de atividade empresarial; desvio de recursos para imobilizações e inflação. Projeções da Necessidade de Investimento em Giro Prazos do Ciclo Operacional Prazo Médio de Estocagem (PME) = Estoques/CMV X 90 Prazo Médio de Cobrança (PMC)= Valor a Receber/Vendas X 90 Prazo Médio de Pagamentos a Fornecedores (PMPF) = Fornecedores/Compras X 90 Prazo Médio de Pagamento de Despesas Operacionais (PMPD) = Despesas a Pagar / Despesas Incorridas X 90
  • 10. Projeções da Necessidade de Investimento em Giro Receitas de Vendas R$ 1.800,00 CMV R$ 1.060,00 Lucro Bruto R$ 740,00 Despesas Operacionais R$ 260,00 Depreciação R$ 29,00 Lucro Operacional R$ 451,00 Despesas Financeiras R$ 25,00 Lucro Antes do IR R$ 426,00 Provisão De IR R$ 170,00 Lucro Liquido R$ 256,00 Prazos do Ciclo Operacional Prazo Médio de Estocagem (PME) = 50 dias Prazo Médio de Cobrança (PMC)= 30 dias Prazo Médio de Pagamentos a Fornecedores (PMPF) = 30 dias Prazo Médio de Pagamento de Despesas Operacionais (PMPD) = 20 dias As compras das mercadorias para o trimestre R$ 1.380,00
  • 11. Prazos do Ciclo Operacional Prazo Médio de Estocagem 50 = Estoques/R$ 1.060,00 X 90 Estoques = 1.060* 50/ 90 = 588,90 Investimento médio em estoques= R$ 588,90 Prazo Médio de Cobrança 30 = Valor a Receber/R$1.800,00 X 90 Valores a Receber = R$ 1.800*30/90 = Investimento médio de valores a receber = R$ 600,00 Prazos do Ciclo Operacional Prazo Médio de Pagamentos a Fornecedores 30 = Fornecedores/R$ 1.380,00 X 90 Fornecedores = 1.380,00*30/90 Financiamento médio por fornecedores = R$ 460,00 Prazo Médio de Pagamento de Despesas Operacionais 20 = Despesas a Pagar / R$ 260,00 X 90 Financiamento médio por Despesas Operacionais = R$ 57, 80 Os valores apurados indicam os investimentos demandados pelos ativos operacionais cíclicos, e os financiamentos de natureza cíclica inerentes à atividade da empresa.
  • 12. Necessidade de Capital de Giro Venda Média/dia=R$ 1.800/90 dias R$ Dias de Vendas = 20 dias Investimentos Cíclicos 1.188,90 Valores a Receber 600,00 600,00/20 = 30 Estoques 588,90 588,90/20 = 29,4 Financiamentos Cíclicos 517,80 Fornecedores 460,00 460,00/20 = 23,0 Despesas Operacionais 57,80 57,80/20 = 2,9 NIG 671,10 33,5 Necessidade de Capital de Giro NIG (Vendas = R$ 1.800) R$ 1.800/90*33,5 = R$ 671,10 NA Necessidade de Capital de Giro é determinada pela parte do investimento operacional cíclico não coberta pelos passivos cíclicos NO NIG de R$ 671,10 projetado para o trimestre equivale a 33,5 dias de venda. NPara preservação do equilíbrio financeiro, essa necessidade de capital deve ser financia por recursos permanentes.
  • 13. Análise Financeira: Indicadores Estáticos Liquidez Corrente (AC/PC) Liquidez Geral (AC+RLP)/(PC+ELP) Liquidez Seca (AC- (AC-Est)/PC Liquidez Imediata LI= (Disponibilidades (Caixa+Bancos+Aplicações de Curtíssimo Prazo) /PC Análise Econômica: Indicadores Dinâmicos N Payback N Taxa de Retorno Contábil N Valor Presente Líquido (NPV) N Índice de Rentabilidade (P I) N Taxa Interna de Retorno (IRR
  • 14. Método do Payback N O período de payback de um investimento é o número de anos requeridos para recuperar o investimento inicial. N Vantagem e Desvantagens Payback é fácil (cálculo e compreensão) Ignora qualquer fluxo de caixa que ocorre depois do período de payback. payback. Essa abordagem enfatiza retornos imediatos Essa abordagem descrimina projetos de longo prazo. Payback não considera o valor do dinheiro no tempo Taxa de Retorno Contábil (TRC Σ Lucro Líquido t TRC 1 = Invest. Val. Residual 2 N Aceitar/rejeitar é baseado nas taxas de retorno contábil.. N Essa fórmula assume uma depreciação linear; então, o investimento médio em um projeto é igual ao investimento mais o valor residual dividido por dois. Uso do lucro, no lugar do F.Cx. Não considera o valor do dinheiro no tempo tempo.
  • 15. Taxa de Retorno Contábil (TRC) Ano 1 Ano 2 Ano 3 Ano 4 Ano 5 Receitas 433.333 450.000 266.667 200.000 133.333 Despesas 200.000 150.000 100.000 100.000 100.000 Lucro 233.333 300.000 166.667 100.000 33.333 Depreciação 100.000 100.000 100.000 100.000 100.000 LAIR 133.333 200.000 66.667 0 -66.667 Impostos 25% 33.333 50.000 16.667 0 -16.667 LL 100.000 150.000 50.000 0 -50.000 Taxa de Retorno Contábil (TRC) LLM =100.000+150.000+50.000+0-50.000/5 LLM=R$ 50.000 VCM= 500.000+ 0/2= R$ 250.000 RCM= R$ 50.000/ R$ 250.000= 20% Se a empresa possuir uma meta de RCM superior a 20%, então esse investimento será aceitável
  • 16. Valor Presente Líquido N O VPL de uma proposta de investimento é igual ao valor presente dos fluxos de caixas anuais depois da tributação menos o investimento inicial. O NPV pode ser expresso por : n ACFt npv = – IO + Σ t=1 1+r t N Onde IO é o Investimento Inicial, ACFt é o fluxo de caixa diferencial anual depois da tributação na data t, r é a taxa apropriada de desconto, e n é a vida esperada do projeto. Índice de Rentabilidade N O índice de lucratividade é a razão entre o valor presente dos futuros fluxos de caixa diferenciais e o Investimento Inicial (IO). Pode ser expresso : n ACFt Σ t=1 1+rt PI = IO O critério de aceitar/rejeitar para o método PI é o seguinte : Se PI ≥ 1 então aceitar senão rejeitar aceitar; rejeitar. Se PI ≥ 1 então aceitar senão rejeitar aceitar;
  • 17. Taxa Interna de Retorno (IRR) N O IRR é a taxa de desconto que iguala os valores presentes dos fluxos de caixa futuros com o investimento inicial (IO) de um projeto. N Matematicamente, a IRR é definida como uma taxa de modo que : n AC Ft IO = Σ t t=1 1 + IRR Taxa Interna de Retorno N O critério de aceitar/rejeitar pela IRR é : Se IRR ≥ r então Aceitar senão Rejeitar Aceitar; N O IRR trata com o valor do dinheiro no tempo. N Dificuldade para calcular . N A IRR apresenta algumas restrições. Taxa Múltiplas Projeto Mutuamente Exclusivos
  • 18. Análise Econômica: Indicadores Estáticos Lucratividade (Rentabilidade) Retorno do Ativo- ROA LL/AT Retorno do Patrimômio Líquido- ROE LL/PL-LL Margem de Lucro LL/Vendas Retorno sobre o investimento- ROI LO/I Grau de Alavancagem Financeira –GAF ROE/ ROI Dividendo (D/LL) Balanço Patrimonial ATIVO R$ PASSIVO R$ ATIVO CIRCULANTE 8.026 PASSIVO CIRCULANTE 4.408 Disponibilidades 40 Fornecedores 725 Aplic. Financeiras 1.932 Financiamentos 1.432 Contas a Receber 2.465 Impostos a Recolher 456 Estoques 1.866 Salários e Contribuições 627 Outros 1.723 Dividendos a Pagar 357 Imposto de Renda 811 REALIZÁVEL A LP 76 EXIGÍVEL A LP 1.878 Financiamentos 1.878 ATIVO PERMANETE 8.792 PAT. LÍQUIDO 10.608 TOTAL 16.894 TOTAL 16.894
  • 19. RESULTADO DO EXERCÍCIO R$ N RECEITA OPERACIONAL N 14.213 N Custo dos Produtos Vendidos N ( 8.311) N Lucro Bruto N (5.902) N Despesas Operacionais e financeiras N (2.982) N Com Vendas N ( 1.714) N Administração N (927) N Honorários de Administração N (60) N Receitas Financeiras N 116 N Despesas financeiras N (397) N LAIR N 2.920 N Provisão para IR N (1.095) N LLO N 1.825 Análise Eco-Financeira Com base nas seguintes informações das Demonstrações Contábeis, irão fazer as análises eco-financeiras calculando: NI- PARTE O Ativo Circulante Financeiro O Passivo Circulante Oneroso O Passivo Não Circulante 4 Investimento Operacional em Giro – IOG; Capital Circulante Líquido – CCL; Capital de Giro Próprio – CGP; Saldo em Tesouraria – St.
  • 20. Análise Eco-Financeira N II- PARTE Qual (ais) a(s) fonte (s) de aplicação (ões) (de recurso s), que financiam o Ativo Permanente, Realizável a Longo Prazo, CCL, IOG, Saldo em tesouraria e disponibilidades na conta Caixa e Bancos ? Análise Eco-Financeira N III- Parte N Lucratividade (Rentabilidade) Retorno do Ativo- ROA LL/AT Retorno do Patrimômio Líquido- ROE LL/PL-LL Margem de Lucro LL/Vendas Retorno sobre o investimento- ROI LO/I Grau de Alavancagem Financeira –GAF ROE/ ROI