SlideShare uma empresa Scribd logo
Sensibilizar os participantes sobre a
importância da gestão
econômica e financeira;
Melhorar a visão econômica
e financeira.
Oquequeremos
1) Brasil: 6,78%
2) Rússia: 2,78%
3) China: 2,61%
4) Indonésia: 2,29%
5) Filipinas: 1,27%
6) Taiwan: 0,62%
7) Índia: 0,57%
8) Colômbia: 0,52%
9) Polônia: 0,50%
10) África do Sul: 0,26%
Fonte: O Globo
Mercado altamente
competitivo e dinâmico
Não se sabe mais
de onde vem a
concorrência
Fixação de
preços feita
pelos clientes
Necessidade de
tomadas de decisões
rápidas e seguras
CARGA
TRIBUTÁRIA
O PAPEL DO GESTÃO
FINANCEIRA
- Controlar da forma mais
eficaz possível a concessão
de crédito;
- Planejamento e controle;
- Analise de investimentos;
- Obtenção de recursos
para financiar operações e
atividades da empresa.
INTEGRAÇÃO DAS ÁREAS
FINANÇAS E
CUSTOS
COMERCIAL
ADMINISTRAÇÃO
PRODUÇÃO
CONTABILIDADE
VENDAS DIÁRIAS R$ 20.000
PRAZO CONCEDIDO AO CLIENTE: 30 DIAS
DIAS VENDAS RECEBIMENTO CONTAS A RECEBER
1 20.000 - 20.000
2 20.000 - 40.000
3 20.000 - 60.000
... ... - ...
30 20.000 - 600.000
31 20.000 20.000 600.000
32 20.000 20.000 600.000
VENDAS DIÁRIAS R$ 24.000
PRAZO CONCEDIDO AO CLIENTE: 60 DIAS
DIAS VENDAS RECEBIMENTO CONTAS A RECEBER
1 24.000 - 24.000
2 24.000 - 48.000
3 24.000 - 72.000
... ... - ...
60 24.000 - 1.440.000
61 24.000 24.000 1.440.000
62 24.000 24.000 1.440.000
OBJETIVO DA
GESTÃO
FINANCEIRA MAXIMIZAR A RIQUEZA DO
INVESTIDOR
TOMAR ÓTIMAS DECISÕES
ADMINISTRATIVAS
MÉTODOS E INSTRUMENTOS
DE ANÁLISES
DADOS E INFORMAÇÕES
SOBRE O PROJETO / EMPRESA
OBJETIVOS SECUNDÁRIOS
• Equilíbrio operacional da empresa;
• Proporcionar, a longo prazo, maior lucro possível;
• Melhor aproveitamento da capacidade produtiva;
• Proporcionar maior retorno possível ao capital
investido;
• Medir o Resultado das Ações;
• Analisar a Viabilidade da Empresa;
• Planejar Cenários Futuros;
COMO MAXIMIZAR A
RIQUEZA DO INVESTIDOR
Não basta aumentar apenas o lucro, mas sim o
VALOR da empresa.
Valor em economia
Temos o valor de uso e o valor
de troca.
Valor em Contabilidade
Em contabilidade o valor é
definido como a expressão
monetária do patrimônio.
Valor em Finanças
Determinado pelo fluxo de caixa
descontado a uma taxa que
represente o custo do capital,
considerando também, um prêmio
pela perpetuidade da empresa.
Para gerar valor, é preciso gerar FLUXO DE
CAIXA LIVRE
FLUXO DE CAIXA LIVRE
DRE FLUXO DE CAIXA
(+) Receita Bruta (=) Lucro Antes do Imposto de Renda
(-) Deduções (+) Depreciação
(=) Receita Líquida (+) Despesas Financeiras (Juros)
(-) Custo do Produto Vendido (=) EBITDA
(=) Lucro Bruto (-) IR/CS
(-) Depesas Comerciais (=) FCO - Fluxo de Caixa Operacional
(-) Despesas Administrativas (-) Investimentos em Imobilizado
(-) Despesas Financeiras (Juros) (-) Investimentos em Cap. Giro
(=) Lucro Antes do Imposto de Renda (=) FCLE - Fluxo de Caixa para Empresa
(-) IR/CS (+) Captações de Empréstimos e Financiamento
(=) Lucro Líquido (-) Amortização de Empréstimos e Financiamentos
(-) Juros
(=) FLCS - Fluxo de Caixa dos Sócios
CUIDADOS COM
A GESTÃO
BASEADA
SOMENTE NO
LUCRO
Importante indicador de desempenho,
operacional, mas não pode ser analisado
isoladamente pela administração financeira:
Não mostrar as necessidades de
investimentos para a sua obtenção;
Pode “mascarar” a destruição de VALOR de
uma empresa;
Característico de curto prazo e com foco
em análises do passado e presente, pode
levar a decisões errôneas, por não
contemplar o futuro.
OBJETIVO DA
GESTÃO
FINANCEIRA
MAXIMIZAR A RIQUEZA DO
INVESTIDOR
TOMAR ÓTIMAS DECISÕES
ADMINISTRATIVAS
MÉTODOS E INSTRUMENTOS DE
ANÁLISES
DADOS E INFORMAÇÕES SOBRE
O PROJETO / EMPRESA
Verificar as necessidades de expansão alinhado com
rentabilidade sobre os investimentos.
 Dentre as alternativas, qual a melhor?
 Comprar o concorrente?
 Aplicar em renda fixa?
 Montar uma nova fábrica?
ONDE INVESTIR
QUANTO
INVESTIR
Avaliar o VALOR financeiro do investimento em relação ao
custo, assim como fazer um planejamento financeiro para
evitar desencaixes futuros.
 Qual o valor das empresas e projetos?
 Quanto poderemos ou deveremos pagar?
 Vale mais do que custa?
 Custa mais do que vale?
COMO
FINANCIAR
Verificar a melhor forma de financiar os investimentos
operacionais e estruturais, levando em consideração custo
do capital e capacidade de pagamento.
 Capital Próprio ou de Terceiros
 Qual a proporção de cada um?
 Qual o custo de cada um?
Faturamento
- Custos e despesas variáveis
- Custos e despesas fixas
= LAJIR
- Juros
= LAIR
- IR
= Lucro Líquido
- Reinvestimentos
= Dividendos
COMO DISTRIBUIR RESULTADOS
Identificação da real situação financeira da empresa.
Mensuração do resultado operacional e financeiro.
Reduções de custos e maximização dos resultados.
Verificação da viabilidade do negócio.
Avaliação de empresas.
SITUAÇÃO ATUAL CAUSA
PROPOSTA
DE
MELHORIA
Diagnóstico empresarial é o levantamento de
informações de uma empresa com finalidade de
se medir o seu desempenho e a sua situação.
A partir do diagnóstico, podemos ter o plano de
melhorias e resoluções de problemas.
Fatos ou
eventos
econômico-
financeiros
Demonstrações
Financeiras =
Dados
Informações
financeiras
para a tomada
de decisões
Processo
Contábil
Técnicas de
Análise de
Balanços
ETAPAS
DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS
Objetivo: Fornecer Dados
ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS
Objetivo: Transformar Dados em Informações
gerenciais.
Dados = Números, eventos isolados.
Informações = Produz alguma mensagem para quem
recebe e pode causar reação ou decisão.
Escolha de
Indicadores
METODOLOGIA DE ANÁLISE
Comparação
com padrões
Diagnóstico
ou
conclusões
Decisões
ANÁLISE
INFORMAÇÕES DIAGNÓSTICO
DEFINIR E
REDEFINIR
ESTRATÉGIAS
QUALIDADE DA INFORMAÇÃO
CUIDADOS NA
ELABORAÇÃO DO
DIAGNÓSTICO
CUIDADOS NA
ELABORAÇÃO DO
DIAGNÓSTICO
PRINCIPAIS
INSTRUMENTOS
RESULTADO CAIXA
SITUAÇÃO
FINANCEIRA
BALANÇO PATRIMONIAL
SITUAÇÃO FINANCEIRA
CIRCULANTE
NÃO
CIRCULANTE
CIRCULANTE
NÃO
CIRCULANTE
PATRIMÔNIO
LÍQUIDO
DireitoseBens
Obrigações
Capital de
Terceiros
Capital
Próprio
(Capital
dos
Sócios)
ATIVO PASSIVO
ROTEIRO PARA
ELABORAÇÃO DO
DIAGNÓSTICO
ANÁLISE DO DESEMPENHO OPERACIONAL E
RESULTADOS (DRE).
- Representatividade dos custos e despesas;
- Apurar o custo fixo e variável;
- Análise das margens;
- Análise da evolução.
APURAÇÃO E ANÁLISE DO PONTO DE
EQUILÍBRIO (DRE E BALANÇO)
- Contábil;
- Econômico;
- Financeiro;
- Análise da evolução.
ANÁLISE DOS INDICADORES ECONÔMICOS E
FINANCEIROS
- Endividamento e estrutura
- Liquidez
- Rentabilidade
- Análise da evolução.
ANÁLISE DO CAPITAL DE GIRO
- Ciclo operacional e financeiro;
- Necessidade de Capital de Giro;
APURAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA LIVRE
- EBITDA;
- Fluxo de Caixa Operacional;
- Fluxo de Caixa Livre da Empresa;
- Fluxo de Caixa Livre dos sócios.
PROJETO DE MELHORIAS
- Destacar pontos que merecem atenção;
- Definir as metas e indicadores;
- Definir as ações necessárias;
- Acompanhamento da execução das ações;
-Novo diagnóstico para mensurar os resultados.
2013 2014
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 200.000 100% 240.000 100%
(-) CUSTO DO PRODUTO VENDIDO 130.000 65% 144.000 60%
(=) LUCRO BRUTO 70.000 35% 96.000 40%
(-) DESPESAS OPERACIONAIS 40.000 20% 46.000 19,2%
Despesas Comerciais 12.000 6% 12.000 5%
Despesas Administrativas 27.000 13,5% 30.000 12,5%
Resultado Financeiro 1.000 0,5% 4.000 1,7%
(=) LUCRO ANTES DO IR/CS 30.000 15% 50.000 20,9%
(-) IR/CS 7.200 3,6% 12.000 5%
(=) LUCRO OPERACIONAL LÍQUIDO 22.800 11,4% 38.000 15,8%
Um caso real
2013 2014
ATIVO 300.000,00 100,0% 348.625,00 100,0%
Circulante 170.000,00 56,7% 205.000,00 58,8%
Disponibilidades 20.000,00 6,7% 10.000,00 2,9%
Valores a Receber 100.000,00 33,3% 130.000,00 37,3%
Estoque 50.000,00 16,7% 65.000,00 18,6%
Não Circulante 130.000,00 43,3% 143.625,00 41,2%
Imobilizado 150.000,00 50,0% 165.000,00 47,3%
Depreciação Acumulada - 20.000,00 -6,7% - 21.375,00 -6,1%
PASSIVO 300.000,00 100,0% 348.625,00 100,0%
Circulante 110.000,00 36,7% 141.520,00 40,6%
Fornecedores 60.000,00 20,0% 72.000,00 20,7%
Salários e Encargos 28.000,00 9,3% 33.600,00 9,6%
Impostos 12.000,00 4,0% 14.400,00 4,1%
Bancos 10.000,00 3,3% 21.520,00 6,2%
Não Circulante 90.000,00 30,0% 69.105,00 19,8%
Bancos 90.000,00 30,0% 69.105,00 19,8%
PATRIMÔNIO LÍQUIDO 100.000,00 33,3% 138.000,00 39,6%
Indicadores
Endividamento Geral
Passivo Circulante + Exigível LP
Ativo Circulante
Rentabilidade do PL
Lucro Líquido
Patrimônio Líquido
Liquidez Corrente
Ativo Circulante
Passivo Circulante
2013 2014
ENDIVIDAMENTO (Exigível Total/Ativo) 66,7% 60,4%
RENTABILIDADE DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO (LL/PL) 22,8% 27,5%
MARGEM LÍQUIDA (LL/ROL) 11,4% 15,8%
LIQUIDEZ SECA (AC-ESTOQUE/PC) 1,09 1,00
Como está essa empresa?
SERÁ QUE ESSA
EMPRESA
ESTÁ CRIANDO VALOR
Fluxo de Caixa
EBITDA
(-) IR/CS
(=) FLUXO DE CAIXA OPERACIONAL
(-) Variação do Capital de Giro
(-) Investimentos em Imobilizado
(=) FLUXO DE CAIXA LIVRE DA EMPRESA
(-) Amortização Empréstimo
(=) FLUXO DE CAIXA DOS SÓCIOS
Necessidade de Capital de Giro
Ativo Circulante
Ativo Financeiro
Ativo Operacional
Passivo Financeiro
Passivo Operacional
Passivo Circulante
Necessidade de Capital de Giro
Ativo Circulante
Ativo Financeiro
Ativo Operacional
Passivo Financeiro
Passivo Operacional
Passivo CirculanteAtivo Operacional Passivo Operacional
Necessidade de Capital de Giro
Passivo CirculanteAtivo Operacional Passivo Operacional
Valores a Receber
Estoques
Outros Operacionais
Fornecedores
Salários
Impostos
2013 2014
ATIVO 300.000,00 100,0% 348.625,00 100,0%
Circulante 170.000,00 56,7% 205.000,00 58,8%
Disponibilidades 20.000,00 6,7% 10.000,00 2,9%
Valores a Receber 100.000,00 33,3% 130.000,00 37,3%
Estoque 50.000,00 16,7% 65.000,00 18,6%
Não Circulante 130.000,00 43,3% 143.625,00 41,2%
Imobilizado 150.000,00 50,0% 165.000,00 47,3%
Depreciação Acumulada - 20.000,00 -6,7% - 21.375,00 -6,1%
PASSIVO 300.000,00 100,0% 348.625,00 100,0%
Circulante 110.000,00 36,7% 141.520,00 40,6%
Fornecedores 60.000,00 20,0% 72.000,00 20,7%
Salários e Encargos 28.000,00 9,3% 33.600,00 9,6%
Impostos 12.000,00 4,0% 14.400,00 4,1%
Bancos 10.000,00 3,3% 21.520,00 6,2%
Não Circulante 90.000,00 30,0% 69.105,00 19,8%
Bancos 90.000,00 30,0% 69.105,00 19,8%
PATRIMÔNIO LÍQUIDO 100.000,00 33,3% 138.000,00 39,6%
Aquele mesmo caso …
2013 2014 VARIAÇÃO
Ativo Circulante Operacional 150.000 195.000 45.000
Passivo Circulante Operacional 100.000 120.000 20.000
NCG 50.000 75.000 25.000
Aquele mesmo caso
EBITDA 32.250 55.375 23.125
(-) IR/CS 7.200 12.000 4.800
FLUXO CAIXA OPERACIONAL 25.050 43.375 18.325
(-) VARIAÇÃO NCG 5.000 25.000 20.000
(-) INVESTIMENTOS IMOBILIZADO 0 15.000 15.000
FLUXO CAIXA LIVRE 20.050 3.375 -16.675
2013 2014 VARIAÇÃO
Como está mesmo essa empresa?
OBRIGADO!
BAURU
Rua 13 de Maio 12-06 – Centro
(14) 3234.6878
SÃO PAULO
Av. Paulista, 726 - 17º Andar - Conj. 1704
Bela Vista - (11) 3254.7468
www.adrianofabri.com.br
liandro@adrianofabri.com.br
Cel: (14) 99831-8414

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 8 - Fluxo de caixa
Aula 8 - Fluxo de caixaAula 8 - Fluxo de caixa
Aula 8 - Fluxo de caixa
Professor Cristiano Barreto
 
Gestão Financeira
Gestão FinanceiraGestão Financeira
Gestão Financeira
Cadernos PPT
 
Contabilidade de Custos - Conceitos Básicos
Contabilidade de Custos - Conceitos BásicosContabilidade de Custos - Conceitos Básicos
Contabilidade de Custos - Conceitos Básicos
Diego Lopes
 
Fluxo de caixa
Fluxo de caixaFluxo de caixa
Fluxo de caixa
alunocontabil
 
Análise das Demonstrações Financeiras
Análise das Demonstrações FinanceirasAnálise das Demonstrações Financeiras
Análise das Demonstrações Financeiras
Milton Henrique do Couto Neto
 
[Slides Workshop] Orçamento Empresarial na prática
[Slides Workshop] Orçamento Empresarial na prática[Slides Workshop] Orçamento Empresarial na prática
[Slides Workshop] Orçamento Empresarial na prática
Treasy | Planejamento e Controladoria online!
 
Fluxo de caixa
Fluxo de caixaFluxo de caixa
Administração Financeira
Administração FinanceiraAdministração Financeira
Administração Financeira
elliando dias
 
Fluxo de caixa
Fluxo de caixaFluxo de caixa
Fluxo de caixa
Erlandia Pimentel
 
Organização
OrganizaçãoOrganização
Investimento
InvestimentoInvestimento
Investimento
Nuno Casimiro
 
Balanced Scorecard
Balanced ScorecardBalanced Scorecard
Balanced Scorecard
Marco Antonio Maciel
 
Introdução a administração 2012_01
Introdução a administração 2012_01Introdução a administração 2012_01
Introdução a administração 2012_01
Milton Henrique do Couto Neto
 
Slides Introdução à Contabilidade
Slides  Introdução à ContabilidadeSlides  Introdução à Contabilidade
Slides Introdução à Contabilidade
Ana Paula Bevilacqua
 
Exercicio de Planejamento Estrategico
Exercicio de Planejamento EstrategicoExercicio de Planejamento Estrategico
Exercicio de Planejamento Estrategico
PAULO RICARDO FLORES
 
Tesouraria
TesourariaTesouraria
Tesouraria
Danielvitor1010
 
Contabilidade de custos
Contabilidade de custosContabilidade de custos
Contabilidade de custos
Luis Roberto
 
Introdução à Contabilidade
Introdução à ContabilidadeIntrodução à Contabilidade
Introdução à Contabilidade
Eliseu Fortolan
 
Contabilidade Geral
Contabilidade GeralContabilidade Geral
Contabilidade Geral
Superprovas Software
 
Rotinas administrativas
Rotinas administrativasRotinas administrativas
Rotinas administrativas
Valéria Lins
 

Mais procurados (20)

Aula 8 - Fluxo de caixa
Aula 8 - Fluxo de caixaAula 8 - Fluxo de caixa
Aula 8 - Fluxo de caixa
 
Gestão Financeira
Gestão FinanceiraGestão Financeira
Gestão Financeira
 
Contabilidade de Custos - Conceitos Básicos
Contabilidade de Custos - Conceitos BásicosContabilidade de Custos - Conceitos Básicos
Contabilidade de Custos - Conceitos Básicos
 
Fluxo de caixa
Fluxo de caixaFluxo de caixa
Fluxo de caixa
 
Análise das Demonstrações Financeiras
Análise das Demonstrações FinanceirasAnálise das Demonstrações Financeiras
Análise das Demonstrações Financeiras
 
[Slides Workshop] Orçamento Empresarial na prática
[Slides Workshop] Orçamento Empresarial na prática[Slides Workshop] Orçamento Empresarial na prática
[Slides Workshop] Orçamento Empresarial na prática
 
Fluxo de caixa
Fluxo de caixaFluxo de caixa
Fluxo de caixa
 
Administração Financeira
Administração FinanceiraAdministração Financeira
Administração Financeira
 
Fluxo de caixa
Fluxo de caixaFluxo de caixa
Fluxo de caixa
 
Organização
OrganizaçãoOrganização
Organização
 
Investimento
InvestimentoInvestimento
Investimento
 
Balanced Scorecard
Balanced ScorecardBalanced Scorecard
Balanced Scorecard
 
Introdução a administração 2012_01
Introdução a administração 2012_01Introdução a administração 2012_01
Introdução a administração 2012_01
 
Slides Introdução à Contabilidade
Slides  Introdução à ContabilidadeSlides  Introdução à Contabilidade
Slides Introdução à Contabilidade
 
Exercicio de Planejamento Estrategico
Exercicio de Planejamento EstrategicoExercicio de Planejamento Estrategico
Exercicio de Planejamento Estrategico
 
Tesouraria
TesourariaTesouraria
Tesouraria
 
Contabilidade de custos
Contabilidade de custosContabilidade de custos
Contabilidade de custos
 
Introdução à Contabilidade
Introdução à ContabilidadeIntrodução à Contabilidade
Introdução à Contabilidade
 
Contabilidade Geral
Contabilidade GeralContabilidade Geral
Contabilidade Geral
 
Rotinas administrativas
Rotinas administrativasRotinas administrativas
Rotinas administrativas
 

Destaque

3 project life cycle
3 project life cycle3 project life cycle
3 project life cycle
reddvise
 
SAP REAL ESTATE
SAP REAL ESTATESAP REAL ESTATE
SAP REAL ESTATE
eFM srl
 
Business plan for Housing development
Business plan for Housing developmentBusiness plan for Housing development
Business plan for Housing development
Kimlyn Pereira
 
ER diagram for Shopping Mall Management System
ER diagram for Shopping Mall Management SystemER diagram for Shopping Mall Management System
ER diagram for Shopping Mall Management System
vipul kumar
 
Organograma
OrganogramaOrganograma
Organograma
jmsvbatista
 
Real Estate Development Financial Feasibility
Real Estate Development Financial FeasibilityReal Estate Development Financial Feasibility
Real Estate Development Financial Feasibility
Ploutus Advisors
 
Real Estate Development Business Plan
Real Estate Development Business PlanReal Estate Development Business Plan
Real Estate Development Business Plan
kambanis
 

Destaque (7)

3 project life cycle
3 project life cycle3 project life cycle
3 project life cycle
 
SAP REAL ESTATE
SAP REAL ESTATESAP REAL ESTATE
SAP REAL ESTATE
 
Business plan for Housing development
Business plan for Housing developmentBusiness plan for Housing development
Business plan for Housing development
 
ER diagram for Shopping Mall Management System
ER diagram for Shopping Mall Management SystemER diagram for Shopping Mall Management System
ER diagram for Shopping Mall Management System
 
Organograma
OrganogramaOrganograma
Organograma
 
Real Estate Development Financial Feasibility
Real Estate Development Financial FeasibilityReal Estate Development Financial Feasibility
Real Estate Development Financial Feasibility
 
Real Estate Development Business Plan
Real Estate Development Business PlanReal Estate Development Business Plan
Real Estate Development Business Plan
 

Semelhante a A Importância da Gestão Financeira nas Empresas

Avaliação Econômica e Financeira - Aula 01 - Slides - Prof. Jerry Kato
Avaliação Econômica e Financeira - Aula 01 - Slides - Prof. Jerry KatoAvaliação Econômica e Financeira - Aula 01 - Slides - Prof. Jerry Kato
Avaliação Econômica e Financeira - Aula 01 - Slides - Prof. Jerry Kato
Sustentare Escola de Negócios
 
Aula 4-analise-vertical-e-horizontal
Aula 4-analise-vertical-e-horizontalAula 4-analise-vertical-e-horizontal
Aula 4-analise-vertical-e-horizontal
Reginaldo Santana
 
aula-4-analise-vertical-e-horizontal.ppt
aula-4-analise-vertical-e-horizontal.pptaula-4-analise-vertical-e-horizontal.ppt
aula-4-analise-vertical-e-horizontal.ppt
Leonel Ferreira
 
Valuation Insigne 26 03 2007 Lucas Ferreira
Valuation Insigne 26 03 2007 Lucas FerreiraValuation Insigne 26 03 2007 Lucas Ferreira
Valuation Insigne 26 03 2007 Lucas Ferreira
guest395377
 
Avaliação de Empresas e Gestão de Investimentos
Avaliação de Empresas e Gestão de InvestimentosAvaliação de Empresas e Gestão de Investimentos
Avaliação de Empresas e Gestão de Investimentos
Milton Henrique do Couto Neto
 
Discursivas
DiscursivasDiscursivas
Discursivas
Lenilda Abreu
 
Projetos de avaliação de empresas
Projetos de avaliação de empresasProjetos de avaliação de empresas
Projetos de avaliação de empresas
Carvalhosa & Consultores Associados
 
Cap 1 fundamentos da gestao do capital de giro
Cap 1   fundamentos da gestao do capital de giroCap 1   fundamentos da gestao do capital de giro
Cap 1 fundamentos da gestao do capital de giro
adrielmfbranco
 
Cap 1 Fundamentos da gestao do capital de giro
Cap 1   Fundamentos da gestao do capital de giroCap 1   Fundamentos da gestao do capital de giro
Cap 1 Fundamentos da gestao do capital de giro
FEARP/USP
 
Apresentação seminario 4
Apresentação seminario 4Apresentação seminario 4
Apresentação seminario 4
Ana Carla Venicius
 
Aulas+de+adm+financeira+e+orçamentária+i+sms
Aulas+de+adm+financeira+e+orçamentária+i+smsAulas+de+adm+financeira+e+orçamentária+i+sms
Aulas+de+adm+financeira+e+orçamentária+i+sms
IFMG e COLTEC
 
Aulas+de+adm+financeira+e+orçamentária+i+sms
Aulas+de+adm+financeira+e+orçamentária+i+smsAulas+de+adm+financeira+e+orçamentária+i+sms
Aulas+de+adm+financeira+e+orçamentária+i+sms
IFMG e COLTEC
 
Investments & Valuation Class
Investments & Valuation ClassInvestments & Valuation Class
Investments & Valuation Class
Ricardo Moraes
 
ANÁLISE FINANCEIRA vertical e horizontal.ppt
ANÁLISE FINANCEIRA vertical e horizontal.pptANÁLISE FINANCEIRA vertical e horizontal.ppt
ANÁLISE FINANCEIRA vertical e horizontal.ppt
Leonel Ferreira
 
Apresentacao institucional 05 2019 por
Apresentacao institucional 05 2019 porApresentacao institucional 05 2019 por
Apresentacao institucional 05 2019 por
MRVRI
 
0000000000000000000000000000000000000 estrutura das demostracoes_contabeis
0000000000000000000000000000000000000 estrutura das demostracoes_contabeis0000000000000000000000000000000000000 estrutura das demostracoes_contabeis
0000000000000000000000000000000000000 estrutura das demostracoes_contabeis
João Fernando Borges Domingos
 
Exercicio contab alav e renta
Exercicio contab alav e rentaExercicio contab alav e renta
Exercicio contab alav e renta
Diana NG
 
Business Plan
Business PlanBusiness Plan
Tesouraria
TesourariaTesouraria
Tesouraria
simuladocontabil
 
Análise das Demonstrações Contábeis - B2W
Análise das Demonstrações Contábeis - B2WAnálise das Demonstrações Contábeis - B2W
Análise das Demonstrações Contábeis - B2W
Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Ceará
 

Semelhante a A Importância da Gestão Financeira nas Empresas (20)

Avaliação Econômica e Financeira - Aula 01 - Slides - Prof. Jerry Kato
Avaliação Econômica e Financeira - Aula 01 - Slides - Prof. Jerry KatoAvaliação Econômica e Financeira - Aula 01 - Slides - Prof. Jerry Kato
Avaliação Econômica e Financeira - Aula 01 - Slides - Prof. Jerry Kato
 
Aula 4-analise-vertical-e-horizontal
Aula 4-analise-vertical-e-horizontalAula 4-analise-vertical-e-horizontal
Aula 4-analise-vertical-e-horizontal
 
aula-4-analise-vertical-e-horizontal.ppt
aula-4-analise-vertical-e-horizontal.pptaula-4-analise-vertical-e-horizontal.ppt
aula-4-analise-vertical-e-horizontal.ppt
 
Valuation Insigne 26 03 2007 Lucas Ferreira
Valuation Insigne 26 03 2007 Lucas FerreiraValuation Insigne 26 03 2007 Lucas Ferreira
Valuation Insigne 26 03 2007 Lucas Ferreira
 
Avaliação de Empresas e Gestão de Investimentos
Avaliação de Empresas e Gestão de InvestimentosAvaliação de Empresas e Gestão de Investimentos
Avaliação de Empresas e Gestão de Investimentos
 
Discursivas
DiscursivasDiscursivas
Discursivas
 
Projetos de avaliação de empresas
Projetos de avaliação de empresasProjetos de avaliação de empresas
Projetos de avaliação de empresas
 
Cap 1 fundamentos da gestao do capital de giro
Cap 1   fundamentos da gestao do capital de giroCap 1   fundamentos da gestao do capital de giro
Cap 1 fundamentos da gestao do capital de giro
 
Cap 1 Fundamentos da gestao do capital de giro
Cap 1   Fundamentos da gestao do capital de giroCap 1   Fundamentos da gestao do capital de giro
Cap 1 Fundamentos da gestao do capital de giro
 
Apresentação seminario 4
Apresentação seminario 4Apresentação seminario 4
Apresentação seminario 4
 
Aulas+de+adm+financeira+e+orçamentária+i+sms
Aulas+de+adm+financeira+e+orçamentária+i+smsAulas+de+adm+financeira+e+orçamentária+i+sms
Aulas+de+adm+financeira+e+orçamentária+i+sms
 
Aulas+de+adm+financeira+e+orçamentária+i+sms
Aulas+de+adm+financeira+e+orçamentária+i+smsAulas+de+adm+financeira+e+orçamentária+i+sms
Aulas+de+adm+financeira+e+orçamentária+i+sms
 
Investments & Valuation Class
Investments & Valuation ClassInvestments & Valuation Class
Investments & Valuation Class
 
ANÁLISE FINANCEIRA vertical e horizontal.ppt
ANÁLISE FINANCEIRA vertical e horizontal.pptANÁLISE FINANCEIRA vertical e horizontal.ppt
ANÁLISE FINANCEIRA vertical e horizontal.ppt
 
Apresentacao institucional 05 2019 por
Apresentacao institucional 05 2019 porApresentacao institucional 05 2019 por
Apresentacao institucional 05 2019 por
 
0000000000000000000000000000000000000 estrutura das demostracoes_contabeis
0000000000000000000000000000000000000 estrutura das demostracoes_contabeis0000000000000000000000000000000000000 estrutura das demostracoes_contabeis
0000000000000000000000000000000000000 estrutura das demostracoes_contabeis
 
Exercicio contab alav e renta
Exercicio contab alav e rentaExercicio contab alav e renta
Exercicio contab alav e renta
 
Business Plan
Business PlanBusiness Plan
Business Plan
 
Tesouraria
TesourariaTesouraria
Tesouraria
 
Análise das Demonstrações Contábeis - B2W
Análise das Demonstrações Contábeis - B2WAnálise das Demonstrações Contábeis - B2W
Análise das Demonstrações Contábeis - B2W
 

Mais de Conselho Regional de Administração de São Paulo

Responsabilidade Social e Sustentabilidade no CRA-SP
Responsabilidade Social e Sustentabilidade no CRA-SPResponsabilidade Social e Sustentabilidade no CRA-SP
Responsabilidade Social e Sustentabilidade no CRA-SP
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
JORNADA DE TRANSFORMAÇÃO ÁGIL NAS EMPRESAS
JORNADA DE TRANSFORMAÇÃO ÁGIL NAS EMPRESAS JORNADA DE TRANSFORMAÇÃO ÁGIL NAS EMPRESAS
JORNADA DE TRANSFORMAÇÃO ÁGIL NAS EMPRESAS
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
COMO APLICAR A CULTURA ÁGIL EM SUA ORGANIZAÇÃO
COMO APLICAR A CULTURA ÁGIL EM SUA ORGANIZAÇÃOCOMO APLICAR A CULTURA ÁGIL EM SUA ORGANIZAÇÃO
COMO APLICAR A CULTURA ÁGIL EM SUA ORGANIZAÇÃO
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
Webinar - Mediação: como minimizar os riscos nas relações trabalhistas
Webinar - Mediação: como minimizar os riscos nas relações trabalhistasWebinar - Mediação: como minimizar os riscos nas relações trabalhistas
Webinar - Mediação: como minimizar os riscos nas relações trabalhistas
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
Administrador 5.0: Protagonista da Transformação Digital no Brasil
Administrador 5.0: Protagonista da Transformação Digital no BrasilAdministrador 5.0: Protagonista da Transformação Digital no Brasil
Administrador 5.0: Protagonista da Transformação Digital no Brasil
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
Ambiente favorável ao autodesenvolvimento
Ambiente favorável ao autodesenvolvimentoAmbiente favorável ao autodesenvolvimento
Ambiente favorável ao autodesenvolvimento
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
Compliance no setor de energia
Compliance no setor de energiaCompliance no setor de energia
A tributação na estruturação societária das empresas familiares
A tributação na estruturação societária das empresas familiaresA tributação na estruturação societária das empresas familiares
A tributação na estruturação societária das empresas familiares
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
A experiência feminina no sistema de franchising: como definir o segmento mai...
A experiência feminina no sistema de franchising: como definir o segmento mai...A experiência feminina no sistema de franchising: como definir o segmento mai...
A experiência feminina no sistema de franchising: como definir o segmento mai...
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
Dimensões Clínicas, Técnicas e Gerenciais da Farmácia Hospitalar
Dimensões Clínicas, Técnicas e Gerenciais da Farmácia HospitalarDimensões Clínicas, Técnicas e Gerenciais da Farmácia Hospitalar
Dimensões Clínicas, Técnicas e Gerenciais da Farmácia Hospitalar
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
Acolhimento, Hospitalidade e Hotelaria: excelência no atendimento
Acolhimento, Hospitalidade e Hotelaria: excelência no atendimentoAcolhimento, Hospitalidade e Hotelaria: excelência no atendimento
Acolhimento, Hospitalidade e Hotelaria: excelência no atendimento
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
Legislação Sanitária e Ambiental
Legislação Sanitária e AmbientalLegislação Sanitária e Ambiental
Legislação Sanitária e Ambiental
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
Logística 4.0: oportunidades e desafios
Logística 4.0: oportunidades e desafiosLogística 4.0: oportunidades e desafios
Logística 4.0: oportunidades e desafios
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
Como ser o lider que o mercado espera
Como ser o lider que o mercado esperaComo ser o lider que o mercado espera
Como ser o lider que o mercado espera
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
Coaching em grupos
Coaching em gruposCoaching em grupos
Mediação: onde estamos e para onde vamos?
Mediação: onde estamos e para onde vamos?Mediação: onde estamos e para onde vamos?
Mediação: onde estamos e para onde vamos?
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
Arbitragem: onde estamos e para onde vamos?
Arbitragem: onde estamos e para onde vamos?Arbitragem: onde estamos e para onde vamos?
Arbitragem: onde estamos e para onde vamos?
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
ADM Tendências (Episódio 06) Case Grow: Empreendedorismo e Negócios com Respo...
ADM Tendências (Episódio 06) Case Grow: Empreendedorismo e Negócios com Respo...ADM Tendências (Episódio 06) Case Grow: Empreendedorismo e Negócios com Respo...
ADM Tendências (Episódio 06) Case Grow: Empreendedorismo e Negócios com Respo...
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
As organizações estão doentes: como mudar este cenário
As organizações estão doentes: como mudar este cenárioAs organizações estão doentes: como mudar este cenário
As organizações estão doentes: como mudar este cenário
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
O Futuro do Branding, das Marcas e da Comunicação até 2050
O Futuro do Branding, das Marcas e da Comunicação até 2050O Futuro do Branding, das Marcas e da Comunicação até 2050
O Futuro do Branding, das Marcas e da Comunicação até 2050
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 

Mais de Conselho Regional de Administração de São Paulo (20)

Responsabilidade Social e Sustentabilidade no CRA-SP
Responsabilidade Social e Sustentabilidade no CRA-SPResponsabilidade Social e Sustentabilidade no CRA-SP
Responsabilidade Social e Sustentabilidade no CRA-SP
 
JORNADA DE TRANSFORMAÇÃO ÁGIL NAS EMPRESAS
JORNADA DE TRANSFORMAÇÃO ÁGIL NAS EMPRESAS JORNADA DE TRANSFORMAÇÃO ÁGIL NAS EMPRESAS
JORNADA DE TRANSFORMAÇÃO ÁGIL NAS EMPRESAS
 
COMO APLICAR A CULTURA ÁGIL EM SUA ORGANIZAÇÃO
COMO APLICAR A CULTURA ÁGIL EM SUA ORGANIZAÇÃOCOMO APLICAR A CULTURA ÁGIL EM SUA ORGANIZAÇÃO
COMO APLICAR A CULTURA ÁGIL EM SUA ORGANIZAÇÃO
 
Webinar - Mediação: como minimizar os riscos nas relações trabalhistas
Webinar - Mediação: como minimizar os riscos nas relações trabalhistasWebinar - Mediação: como minimizar os riscos nas relações trabalhistas
Webinar - Mediação: como minimizar os riscos nas relações trabalhistas
 
Administrador 5.0: Protagonista da Transformação Digital no Brasil
Administrador 5.0: Protagonista da Transformação Digital no BrasilAdministrador 5.0: Protagonista da Transformação Digital no Brasil
Administrador 5.0: Protagonista da Transformação Digital no Brasil
 
Ambiente favorável ao autodesenvolvimento
Ambiente favorável ao autodesenvolvimentoAmbiente favorável ao autodesenvolvimento
Ambiente favorável ao autodesenvolvimento
 
Compliance no setor de energia
Compliance no setor de energiaCompliance no setor de energia
Compliance no setor de energia
 
A tributação na estruturação societária das empresas familiares
A tributação na estruturação societária das empresas familiaresA tributação na estruturação societária das empresas familiares
A tributação na estruturação societária das empresas familiares
 
A experiência feminina no sistema de franchising: como definir o segmento mai...
A experiência feminina no sistema de franchising: como definir o segmento mai...A experiência feminina no sistema de franchising: como definir o segmento mai...
A experiência feminina no sistema de franchising: como definir o segmento mai...
 
Dimensões Clínicas, Técnicas e Gerenciais da Farmácia Hospitalar
Dimensões Clínicas, Técnicas e Gerenciais da Farmácia HospitalarDimensões Clínicas, Técnicas e Gerenciais da Farmácia Hospitalar
Dimensões Clínicas, Técnicas e Gerenciais da Farmácia Hospitalar
 
Acolhimento, Hospitalidade e Hotelaria: excelência no atendimento
Acolhimento, Hospitalidade e Hotelaria: excelência no atendimentoAcolhimento, Hospitalidade e Hotelaria: excelência no atendimento
Acolhimento, Hospitalidade e Hotelaria: excelência no atendimento
 
Legislação Sanitária e Ambiental
Legislação Sanitária e AmbientalLegislação Sanitária e Ambiental
Legislação Sanitária e Ambiental
 
Logística 4.0: oportunidades e desafios
Logística 4.0: oportunidades e desafiosLogística 4.0: oportunidades e desafios
Logística 4.0: oportunidades e desafios
 
Como ser o lider que o mercado espera
Como ser o lider que o mercado esperaComo ser o lider que o mercado espera
Como ser o lider que o mercado espera
 
Coaching em grupos
Coaching em gruposCoaching em grupos
Coaching em grupos
 
Mediação: onde estamos e para onde vamos?
Mediação: onde estamos e para onde vamos?Mediação: onde estamos e para onde vamos?
Mediação: onde estamos e para onde vamos?
 
Arbitragem: onde estamos e para onde vamos?
Arbitragem: onde estamos e para onde vamos?Arbitragem: onde estamos e para onde vamos?
Arbitragem: onde estamos e para onde vamos?
 
ADM Tendências (Episódio 06) Case Grow: Empreendedorismo e Negócios com Respo...
ADM Tendências (Episódio 06) Case Grow: Empreendedorismo e Negócios com Respo...ADM Tendências (Episódio 06) Case Grow: Empreendedorismo e Negócios com Respo...
ADM Tendências (Episódio 06) Case Grow: Empreendedorismo e Negócios com Respo...
 
As organizações estão doentes: como mudar este cenário
As organizações estão doentes: como mudar este cenárioAs organizações estão doentes: como mudar este cenário
As organizações estão doentes: como mudar este cenário
 
O Futuro do Branding, das Marcas e da Comunicação até 2050
O Futuro do Branding, das Marcas e da Comunicação até 2050O Futuro do Branding, das Marcas e da Comunicação até 2050
O Futuro do Branding, das Marcas e da Comunicação até 2050
 

A Importância da Gestão Financeira nas Empresas

  • 1.
  • 2. Sensibilizar os participantes sobre a importância da gestão econômica e financeira; Melhorar a visão econômica e financeira. Oquequeremos
  • 3.
  • 4.
  • 5. 1) Brasil: 6,78% 2) Rússia: 2,78% 3) China: 2,61% 4) Indonésia: 2,29% 5) Filipinas: 1,27% 6) Taiwan: 0,62% 7) Índia: 0,57% 8) Colômbia: 0,52% 9) Polônia: 0,50% 10) África do Sul: 0,26% Fonte: O Globo
  • 7.
  • 8. Não se sabe mais de onde vem a concorrência
  • 10. Necessidade de tomadas de decisões rápidas e seguras
  • 12. O PAPEL DO GESTÃO FINANCEIRA - Controlar da forma mais eficaz possível a concessão de crédito; - Planejamento e controle; - Analise de investimentos; - Obtenção de recursos para financiar operações e atividades da empresa.
  • 13. INTEGRAÇÃO DAS ÁREAS FINANÇAS E CUSTOS COMERCIAL ADMINISTRAÇÃO PRODUÇÃO CONTABILIDADE
  • 14. VENDAS DIÁRIAS R$ 20.000 PRAZO CONCEDIDO AO CLIENTE: 30 DIAS DIAS VENDAS RECEBIMENTO CONTAS A RECEBER 1 20.000 - 20.000 2 20.000 - 40.000 3 20.000 - 60.000 ... ... - ... 30 20.000 - 600.000 31 20.000 20.000 600.000 32 20.000 20.000 600.000
  • 15. VENDAS DIÁRIAS R$ 24.000 PRAZO CONCEDIDO AO CLIENTE: 60 DIAS DIAS VENDAS RECEBIMENTO CONTAS A RECEBER 1 24.000 - 24.000 2 24.000 - 48.000 3 24.000 - 72.000 ... ... - ... 60 24.000 - 1.440.000 61 24.000 24.000 1.440.000 62 24.000 24.000 1.440.000
  • 16. OBJETIVO DA GESTÃO FINANCEIRA MAXIMIZAR A RIQUEZA DO INVESTIDOR TOMAR ÓTIMAS DECISÕES ADMINISTRATIVAS MÉTODOS E INSTRUMENTOS DE ANÁLISES DADOS E INFORMAÇÕES SOBRE O PROJETO / EMPRESA
  • 17. OBJETIVOS SECUNDÁRIOS • Equilíbrio operacional da empresa; • Proporcionar, a longo prazo, maior lucro possível; • Melhor aproveitamento da capacidade produtiva; • Proporcionar maior retorno possível ao capital investido; • Medir o Resultado das Ações; • Analisar a Viabilidade da Empresa; • Planejar Cenários Futuros;
  • 18. COMO MAXIMIZAR A RIQUEZA DO INVESTIDOR
  • 19.
  • 20. Não basta aumentar apenas o lucro, mas sim o VALOR da empresa.
  • 21. Valor em economia Temos o valor de uso e o valor de troca.
  • 22. Valor em Contabilidade Em contabilidade o valor é definido como a expressão monetária do patrimônio.
  • 23. Valor em Finanças Determinado pelo fluxo de caixa descontado a uma taxa que represente o custo do capital, considerando também, um prêmio pela perpetuidade da empresa.
  • 24. Para gerar valor, é preciso gerar FLUXO DE CAIXA LIVRE
  • 25. FLUXO DE CAIXA LIVRE DRE FLUXO DE CAIXA (+) Receita Bruta (=) Lucro Antes do Imposto de Renda (-) Deduções (+) Depreciação (=) Receita Líquida (+) Despesas Financeiras (Juros) (-) Custo do Produto Vendido (=) EBITDA (=) Lucro Bruto (-) IR/CS (-) Depesas Comerciais (=) FCO - Fluxo de Caixa Operacional (-) Despesas Administrativas (-) Investimentos em Imobilizado (-) Despesas Financeiras (Juros) (-) Investimentos em Cap. Giro (=) Lucro Antes do Imposto de Renda (=) FCLE - Fluxo de Caixa para Empresa (-) IR/CS (+) Captações de Empréstimos e Financiamento (=) Lucro Líquido (-) Amortização de Empréstimos e Financiamentos (-) Juros (=) FLCS - Fluxo de Caixa dos Sócios
  • 27. Importante indicador de desempenho, operacional, mas não pode ser analisado isoladamente pela administração financeira: Não mostrar as necessidades de investimentos para a sua obtenção; Pode “mascarar” a destruição de VALOR de uma empresa; Característico de curto prazo e com foco em análises do passado e presente, pode levar a decisões errôneas, por não contemplar o futuro.
  • 28. OBJETIVO DA GESTÃO FINANCEIRA MAXIMIZAR A RIQUEZA DO INVESTIDOR TOMAR ÓTIMAS DECISÕES ADMINISTRATIVAS MÉTODOS E INSTRUMENTOS DE ANÁLISES DADOS E INFORMAÇÕES SOBRE O PROJETO / EMPRESA
  • 29. Verificar as necessidades de expansão alinhado com rentabilidade sobre os investimentos.  Dentre as alternativas, qual a melhor?  Comprar o concorrente?  Aplicar em renda fixa?  Montar uma nova fábrica? ONDE INVESTIR
  • 30. QUANTO INVESTIR Avaliar o VALOR financeiro do investimento em relação ao custo, assim como fazer um planejamento financeiro para evitar desencaixes futuros.  Qual o valor das empresas e projetos?  Quanto poderemos ou deveremos pagar?  Vale mais do que custa?  Custa mais do que vale?
  • 31. COMO FINANCIAR Verificar a melhor forma de financiar os investimentos operacionais e estruturais, levando em consideração custo do capital e capacidade de pagamento.  Capital Próprio ou de Terceiros  Qual a proporção de cada um?  Qual o custo de cada um?
  • 32. Faturamento - Custos e despesas variáveis - Custos e despesas fixas = LAJIR - Juros = LAIR - IR = Lucro Líquido - Reinvestimentos = Dividendos COMO DISTRIBUIR RESULTADOS
  • 33.
  • 34. Identificação da real situação financeira da empresa. Mensuração do resultado operacional e financeiro. Reduções de custos e maximização dos resultados. Verificação da viabilidade do negócio. Avaliação de empresas.
  • 35. SITUAÇÃO ATUAL CAUSA PROPOSTA DE MELHORIA Diagnóstico empresarial é o levantamento de informações de uma empresa com finalidade de se medir o seu desempenho e a sua situação. A partir do diagnóstico, podemos ter o plano de melhorias e resoluções de problemas.
  • 36. Fatos ou eventos econômico- financeiros Demonstrações Financeiras = Dados Informações financeiras para a tomada de decisões Processo Contábil Técnicas de Análise de Balanços ETAPAS
  • 37. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Objetivo: Fornecer Dados ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS Objetivo: Transformar Dados em Informações gerenciais. Dados = Números, eventos isolados. Informações = Produz alguma mensagem para quem recebe e pode causar reação ou decisão.
  • 38. Escolha de Indicadores METODOLOGIA DE ANÁLISE Comparação com padrões Diagnóstico ou conclusões Decisões ANÁLISE
  • 39. INFORMAÇÕES DIAGNÓSTICO DEFINIR E REDEFINIR ESTRATÉGIAS QUALIDADE DA INFORMAÇÃO CUIDADOS NA ELABORAÇÃO DO DIAGNÓSTICO
  • 45. ANÁLISE DO DESEMPENHO OPERACIONAL E RESULTADOS (DRE). - Representatividade dos custos e despesas; - Apurar o custo fixo e variável; - Análise das margens; - Análise da evolução.
  • 46. APURAÇÃO E ANÁLISE DO PONTO DE EQUILÍBRIO (DRE E BALANÇO) - Contábil; - Econômico; - Financeiro; - Análise da evolução.
  • 47. ANÁLISE DOS INDICADORES ECONÔMICOS E FINANCEIROS - Endividamento e estrutura - Liquidez - Rentabilidade - Análise da evolução.
  • 48. ANÁLISE DO CAPITAL DE GIRO - Ciclo operacional e financeiro; - Necessidade de Capital de Giro;
  • 49. APURAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA LIVRE - EBITDA; - Fluxo de Caixa Operacional; - Fluxo de Caixa Livre da Empresa; - Fluxo de Caixa Livre dos sócios.
  • 50. PROJETO DE MELHORIAS - Destacar pontos que merecem atenção; - Definir as metas e indicadores; - Definir as ações necessárias; - Acompanhamento da execução das ações; -Novo diagnóstico para mensurar os resultados.
  • 51. 2013 2014 RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 200.000 100% 240.000 100% (-) CUSTO DO PRODUTO VENDIDO 130.000 65% 144.000 60% (=) LUCRO BRUTO 70.000 35% 96.000 40% (-) DESPESAS OPERACIONAIS 40.000 20% 46.000 19,2% Despesas Comerciais 12.000 6% 12.000 5% Despesas Administrativas 27.000 13,5% 30.000 12,5% Resultado Financeiro 1.000 0,5% 4.000 1,7% (=) LUCRO ANTES DO IR/CS 30.000 15% 50.000 20,9% (-) IR/CS 7.200 3,6% 12.000 5% (=) LUCRO OPERACIONAL LÍQUIDO 22.800 11,4% 38.000 15,8% Um caso real
  • 52. 2013 2014 ATIVO 300.000,00 100,0% 348.625,00 100,0% Circulante 170.000,00 56,7% 205.000,00 58,8% Disponibilidades 20.000,00 6,7% 10.000,00 2,9% Valores a Receber 100.000,00 33,3% 130.000,00 37,3% Estoque 50.000,00 16,7% 65.000,00 18,6% Não Circulante 130.000,00 43,3% 143.625,00 41,2% Imobilizado 150.000,00 50,0% 165.000,00 47,3% Depreciação Acumulada - 20.000,00 -6,7% - 21.375,00 -6,1% PASSIVO 300.000,00 100,0% 348.625,00 100,0% Circulante 110.000,00 36,7% 141.520,00 40,6% Fornecedores 60.000,00 20,0% 72.000,00 20,7% Salários e Encargos 28.000,00 9,3% 33.600,00 9,6% Impostos 12.000,00 4,0% 14.400,00 4,1% Bancos 10.000,00 3,3% 21.520,00 6,2% Não Circulante 90.000,00 30,0% 69.105,00 19,8% Bancos 90.000,00 30,0% 69.105,00 19,8% PATRIMÔNIO LÍQUIDO 100.000,00 33,3% 138.000,00 39,6%
  • 53. Indicadores Endividamento Geral Passivo Circulante + Exigível LP Ativo Circulante Rentabilidade do PL Lucro Líquido Patrimônio Líquido Liquidez Corrente Ativo Circulante Passivo Circulante
  • 54. 2013 2014 ENDIVIDAMENTO (Exigível Total/Ativo) 66,7% 60,4% RENTABILIDADE DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO (LL/PL) 22,8% 27,5% MARGEM LÍQUIDA (LL/ROL) 11,4% 15,8% LIQUIDEZ SECA (AC-ESTOQUE/PC) 1,09 1,00 Como está essa empresa?
  • 56. Fluxo de Caixa EBITDA (-) IR/CS (=) FLUXO DE CAIXA OPERACIONAL (-) Variação do Capital de Giro (-) Investimentos em Imobilizado (=) FLUXO DE CAIXA LIVRE DA EMPRESA (-) Amortização Empréstimo (=) FLUXO DE CAIXA DOS SÓCIOS
  • 57. Necessidade de Capital de Giro Ativo Circulante Ativo Financeiro Ativo Operacional Passivo Financeiro Passivo Operacional Passivo Circulante
  • 58. Necessidade de Capital de Giro Ativo Circulante Ativo Financeiro Ativo Operacional Passivo Financeiro Passivo Operacional Passivo CirculanteAtivo Operacional Passivo Operacional
  • 59. Necessidade de Capital de Giro Passivo CirculanteAtivo Operacional Passivo Operacional Valores a Receber Estoques Outros Operacionais Fornecedores Salários Impostos
  • 60. 2013 2014 ATIVO 300.000,00 100,0% 348.625,00 100,0% Circulante 170.000,00 56,7% 205.000,00 58,8% Disponibilidades 20.000,00 6,7% 10.000,00 2,9% Valores a Receber 100.000,00 33,3% 130.000,00 37,3% Estoque 50.000,00 16,7% 65.000,00 18,6% Não Circulante 130.000,00 43,3% 143.625,00 41,2% Imobilizado 150.000,00 50,0% 165.000,00 47,3% Depreciação Acumulada - 20.000,00 -6,7% - 21.375,00 -6,1% PASSIVO 300.000,00 100,0% 348.625,00 100,0% Circulante 110.000,00 36,7% 141.520,00 40,6% Fornecedores 60.000,00 20,0% 72.000,00 20,7% Salários e Encargos 28.000,00 9,3% 33.600,00 9,6% Impostos 12.000,00 4,0% 14.400,00 4,1% Bancos 10.000,00 3,3% 21.520,00 6,2% Não Circulante 90.000,00 30,0% 69.105,00 19,8% Bancos 90.000,00 30,0% 69.105,00 19,8% PATRIMÔNIO LÍQUIDO 100.000,00 33,3% 138.000,00 39,6%
  • 61. Aquele mesmo caso … 2013 2014 VARIAÇÃO Ativo Circulante Operacional 150.000 195.000 45.000 Passivo Circulante Operacional 100.000 120.000 20.000 NCG 50.000 75.000 25.000
  • 62. Aquele mesmo caso EBITDA 32.250 55.375 23.125 (-) IR/CS 7.200 12.000 4.800 FLUXO CAIXA OPERACIONAL 25.050 43.375 18.325 (-) VARIAÇÃO NCG 5.000 25.000 20.000 (-) INVESTIMENTOS IMOBILIZADO 0 15.000 15.000 FLUXO CAIXA LIVRE 20.050 3.375 -16.675 2013 2014 VARIAÇÃO Como está mesmo essa empresa?
  • 63.
  • 64. OBRIGADO! BAURU Rua 13 de Maio 12-06 – Centro (14) 3234.6878 SÃO PAULO Av. Paulista, 726 - 17º Andar - Conj. 1704 Bela Vista - (11) 3254.7468 www.adrianofabri.com.br liandro@adrianofabri.com.br Cel: (14) 99831-8414