SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 4
Baixar para ler offline
ANÁLISE
INDICE DE LIQUIDEZ GERAL (AC+RLP/PC+ELP)
Com o índice de liquidez geral analisamos a capacidade de pagamento da empresa
a longo prazo e envolve todas as contas do ativo e do passivo tanto de curto como a
longo prazo.
Em 2008 a empresa possuía R$ 2,29 de valores a receber para R$ 1,00 de contas a
pagar, já em 2009 esse valor aumentou para R$ 2,73 cada R$ 1,00, conclui-se que a
empresa tem potencial para honrar os seus compromissos em curto e longo prazo.
INDICE DE LIQUIDEZ CORRENTE (AC/PC)
Em 2008 a empresa possuía para cada R$ 1,00 de obrigação a curto prazo R$ 2,29
para cobertura da dívida, já em 2009 essa proporção aumentou para R$ 2,73 para
cada R$ 1,00.
INDICE DE LIQUIDEZ IMEDIATA (Disp/PC)
Para liquidação imediata da dívida a empresa possuía para cada R$ 1,00, R$ 0,73
centavos em 2008, o que diminui para R$ 0,13 centavos em 2009.
INDICE DE LIQUIDEZ SECA (AC-Est./PC)
Com este índice podemos analisar a capacidade da empresa em pagar suas dívidas
no caso de uma possível paralisação nas vendas, isto porque subtraímos do ativo
circulante, o estoque. Com um acréscimo de R$ 0,48 centavos na capacidade de
pagamento a empresa representa um bom índice.
ENDIVIDAMENTO TOTAL (Exg. Tot./PL*100)
Com este índice observamos que para cada R$ 100,00 de capital próprio investido,
existia R$ 203,77 de capital de terceiros em 2008 caindo para 33,13 em 2009.
COMPOSIÇÃO DO ENDIVIDAMENTO (PC/Exg. Tot*100.)
Com este índice apuramos que na composição do endividamento, 100% são dívidas
a curto prazo , um aumento de 79,7% em relação a 2008 que foi de 20,30%. Apesar
do aumento, o endividamento tem uma composição equilibrada o que da mais
tranqüilidade para a empresa.
IMOBILIZAÇÃO DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO (A Per./PL*100)
Indica a parcela dos recursos próprios investidos em Ativo Permanente. 21,28% dos
recursos próprios estão investidos em Ativo Permanente e, portanto, os restantes
78,72% dos recursos próprios estão sendo investidos em ativos realizáveis.
IMOBILIZAÇÃO DOS RECURSOS CORRENTES (A Per./PL+Exig a Longo Prazo)
ANÁLISE
Informa quanto de recursos permanentes e de longo prazo está investido em Ativo
Permanente. O calculo indica que 21,3% dos recursos permanentes e de longo
prazo está “imobilizado” e, portanto, 78,7% desses recursos estão sendo utilizados
por ativos realizáveis.
PRAZO MÉDIO DE CONTAS A RECEBER (Contas a Receber / Rec. Oper. Bruta *360.)
Indica o número de dias que a empresa leva para pagar seus fornecedores, de
modo geral quanto menor, melhor. Em 2008 a empresa levava em média 3 dias para
pagar seus fornecedores já em 2009 aumentou para 4 dias.
PRAZO MEDIO DE RENOVAÇÃO DE ESTOQUE (Estoque / Custo de Prod. Vendidos*360)
O índice de prazo médio de renovação de estoque mostra que em 2008 o prazo
médio de renovação de estoque era 78 dias, em 2009 reduziu para 44 dias. Este
prazo decorre do período da compra da mercadoria até o momento da venda, ou
seja, quanto menor o prazo de renovação de estoque, menor será o custo da
mercadoria parada aguardando realização.
PRAZO MÉDIO PARA LIQUIDAÇÃO DE COMPRAS (Fornecedor/Compras*360)
O índice mostra que em 2009 o prazo médio para pagamento de seus fornecedores
era 58 dias, Em 2009 a empresa está com prazo médio de renovação de estoque
maior do que o prazo médio de pagamento das compras, ou seja, os fornecedores
estão financiando apenas uma parte do estoque. Isso significa que maior será o
período dependente de recursos de terceiros para financiar seus estoques,
resultando no aumento do custo operacional.
CICLO FINANCEIRO (PMRE + PMPC + PMRV)
Tempo entre o pagamento a fornecedores e o recebimento das vendas. Quanto
maior o poder de negociação da empresa com fornecedores, menor o ciclo
financeiro.
CICLO OPERACIONAL (PMRE + PMRV)
O ciclo operacional da empresa em 2008 é de 112,52 dias, sendo que o prazo médio
de renovação de estoque é de 78 dias, o prazo médio de recebimento das vendas é
de 3 dias e o prazo médio de pagamento das compras é de 0 dias. Isso significa que
os fornecedores financiam apenas uma parte dos estoques, ou seja, o ciclo de caixa
é de 109,52 dias, tempo que a empresa precisa obter recursos para financiar parte
de seus estoques e suas vendas, resultando em maior custo operacional, sendo que
o ideal seria que os fornecedores financiassem todo o ciclo operacional da empresa,
da compra até o recebimento pelas vendas efetuadas. Em 2009, o ciclo operacional
da empresa aumentou para 113,07 dias.
ANÁLISE
RENTABILIDADE DO ATIVO ( Lucro Liquido/Ativo Total)
O quociente de Rentabilidade do Ativo evidencia o potencial de geração de lucros
por parte da empresa. Quanto à empresa obteve de lucro por cada real investido ou
para cada cem unidades na forma percentual. A análise mostra que a empresa
obteve no ano de 2009 R$ 16,93 de cada R$ 100,00 investido no Ativo Total. No ano
de 2008 o valor foi de R$ 29,99. Os valores mostram diminuição em investimento do
Ativo nos períodos estudados.
RENTABILIDADE DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO ( Lucro Liquido/Patrimônio Liquido)
A Rentabilidade do Patrimônio Líquido revela a taxa de rentabilidade obtida pelo
Capital Próprio investido na empresa.
Nos dois exercícios analisados a empresa não manteve evolução. No ano de 2008,
a Rentabilidade do Patrimônio Líquido foi de 42,45% no ano de 2009 diminui para
22,54.
CAPITAL DE GIRO (Ativo Circ Operacional - Passivo Circ Operacional)
A empresa apresentou índice de 0,38 ou 38%. Significa que a empresa vendeu R$
38,00 para cada R$ 100,00 de investimento total no exercício de 2009. No exercício
de 2008 o percentual foi de 23,66%. Este quociente mede a eficiência da empresa
medindo o volume de vendas em relação ao Capital Total investido na empresa
Fator de Insolvência Kanitz
A análise do fator de insolvência permite verificar se a empresa corre ou não o risco
de falir. Kanitz Apud Silva (2010) determinou faixas de solvência que vão de 0 a - 7,
o chamado termômetro de insolvência. Fator de Insolvência entre 0 e 7 é a faixa de
solvência, entre 0 a –3 é a região de penumbra e entre –4 a –7 é a faixa de
Insolvência. O fator de insolvência é o seguinte;
Fórmula;
X1 = (Lucro Líquido/Patrimônio Líquido)
X2 = (Ativo Circulante + Ativo Não Circulante) / Exigível Total
X3 = (Ativo Circulante – Estoques) / Passivo Circulante
X4 = Ativo Circulante / Passivo Circulante
X5 = Exigível Total / Patrimônio Líquido
Ano 2009 FI= (0,05 x 0,011) + (1,65 x 4,51) + (3,55 x 7,63) – (1,06 x 2,89) – (0,33 x
0,10)
Ano 2008 FI= (0,05 x 0,021) + (1,65 x 3,76) + (3,55 x 5,87) – (1,06 x 2,42) – (0,33 x
0,13)
Cálculo
Ano 2009 FI= (0,05 x X1) + (1,65 x X2) + (3,55 x X3) – (1,06 x X4) – (0,33 x X5)=
9,14
Ano 2008 FI= (0,05 x X1) + (1,65 x X2) + (3,55 x X3) – (1,06 x X4) – (0,33 x X5)=
7,10
ANÁLISE
O fator de insolvência mostrou que de 7,10 em 2008, aumentou para 9,14 em 2009,
nos dois períodos analisados a empresa está solvente, ou seja, não apresenta risco
de falência.
Alavancagem Financeira
A medida do grau de alavancagem financeira (GAF) de uma empresa é um
importante indicador do grau de risco a que empresa está submetida. Se existe a
presença de capital de terceiros de longo prazo na estrutura de capital, a empresa
estará "alavancada", ou seja, corre risco financeiro. Nos períodos analisados a GAF
foi maior que 1, então a alavancagem financeira é considerada favorável: o retorno
do Ativo Total (conjunto de bens e direitos da empresa, expressos em moeda) será
razoavelmente maior que a remuneração paga ao capital de terceiros.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Introdução à finanças corporativas
Introdução à finanças corporativasIntrodução à finanças corporativas
Introdução à finanças corporativasLuciano Pires
 
1000 exercicios resolvidos contabilidade
1000 exercicios resolvidos contabilidade1000 exercicios resolvidos contabilidade
1000 exercicios resolvidos contabilidaderazonetecontabil
 
1ª Lista de exercício de administração financeira completa com respostas
1ª Lista de exercício de administração financeira completa com respostas1ª Lista de exercício de administração financeira completa com respostas
1ª Lista de exercício de administração financeira completa com respostasFelipe Pontes
 
Aula 1 E 2 Economia e Mercado
Aula 1 E 2 Economia e MercadoAula 1 E 2 Economia e Mercado
Aula 1 E 2 Economia e Mercadoludwig.plata
 
Caderno - Análise Financeira
Caderno - Análise FinanceiraCaderno - Análise Financeira
Caderno - Análise FinanceiraCadernos PPT
 
Slides Introdução à Contabilidade
Slides  Introdução à ContabilidadeSlides  Introdução à Contabilidade
Slides Introdução à ContabilidadeAna Paula Bevilacqua
 
Apostila contabilidade geral 200 exercicios resolvidos
Apostila contabilidade geral 200 exercicios resolvidosApostila contabilidade geral 200 exercicios resolvidos
Apostila contabilidade geral 200 exercicios resolvidosnilsonapsouza
 
Balanço e as demonstrações de resultados
Balanço e as demonstrações de resultadosBalanço e as demonstrações de resultados
Balanço e as demonstrações de resultadosUniversidade Pedagogica
 
Balanço social - uma abordagem da transparencia
Balanço social -  uma abordagem da transparenciaBalanço social -  uma abordagem da transparencia
Balanço social - uma abordagem da transparenciaAna Paula Rodrigues
 
Conceitos básicos de contabilidade- Professor Danilo Pires
Conceitos básicos de contabilidade- Professor Danilo PiresConceitos básicos de contabilidade- Professor Danilo Pires
Conceitos básicos de contabilidade- Professor Danilo PiresDanilo Pires
 
Introdução às Finanças Corporativas.pdf
Introdução às Finanças Corporativas.pdfIntrodução às Finanças Corporativas.pdf
Introdução às Finanças Corporativas.pdfAntonioCarlosMarques20
 

Mais procurados (20)

Introdução à finanças corporativas
Introdução à finanças corporativasIntrodução à finanças corporativas
Introdução à finanças corporativas
 
Fluxo de caixa
Fluxo de caixaFluxo de caixa
Fluxo de caixa
 
Administração financeira
Administração financeiraAdministração financeira
Administração financeira
 
1000 exercicios resolvidos contabilidade
1000 exercicios resolvidos contabilidade1000 exercicios resolvidos contabilidade
1000 exercicios resolvidos contabilidade
 
Estruturas de mercado 2011_01
Estruturas de mercado 2011_01Estruturas de mercado 2011_01
Estruturas de mercado 2011_01
 
1ª Lista de exercício de administração financeira completa com respostas
1ª Lista de exercício de administração financeira completa com respostas1ª Lista de exercício de administração financeira completa com respostas
1ª Lista de exercício de administração financeira completa com respostas
 
Aula 1 E 2 Economia e Mercado
Aula 1 E 2 Economia e MercadoAula 1 E 2 Economia e Mercado
Aula 1 E 2 Economia e Mercado
 
Caderno - Análise Financeira
Caderno - Análise FinanceiraCaderno - Análise Financeira
Caderno - Análise Financeira
 
Aula 2
Aula 2Aula 2
Aula 2
 
Slides Introdução à Contabilidade
Slides  Introdução à ContabilidadeSlides  Introdução à Contabilidade
Slides Introdução à Contabilidade
 
Principais rácios da rendibilidade
Principais rácios da rendibilidadePrincipais rácios da rendibilidade
Principais rácios da rendibilidade
 
Apostila contabilidade geral 200 exercicios resolvidos
Apostila contabilidade geral 200 exercicios resolvidosApostila contabilidade geral 200 exercicios resolvidos
Apostila contabilidade geral 200 exercicios resolvidos
 
Balanço e as demonstrações de resultados
Balanço e as demonstrações de resultadosBalanço e as demonstrações de resultados
Balanço e as demonstrações de resultados
 
Balanço social - uma abordagem da transparencia
Balanço social -  uma abordagem da transparenciaBalanço social -  uma abordagem da transparencia
Balanço social - uma abordagem da transparencia
 
Conceitos básicos de contabilidade- Professor Danilo Pires
Conceitos básicos de contabilidade- Professor Danilo PiresConceitos básicos de contabilidade- Professor Danilo Pires
Conceitos básicos de contabilidade- Professor Danilo Pires
 
Introdução às Finanças Corporativas.pdf
Introdução às Finanças Corporativas.pdfIntrodução às Finanças Corporativas.pdf
Introdução às Finanças Corporativas.pdf
 
Mídias na Educação
Mídias na EducaçãoMídias na Educação
Mídias na Educação
 
Investimento
InvestimentoInvestimento
Investimento
 
Questões ENADE - Administração Financeira
Questões ENADE - Administração FinanceiraQuestões ENADE - Administração Financeira
Questões ENADE - Administração Financeira
 
DRE
DREDRE
DRE
 

Destaque

Analise das Demonstrações Financeiras
Analise das Demonstrações FinanceirasAnalise das Demonstrações Financeiras
Analise das Demonstrações FinanceirasIsabel Castilho
 
Análise da Estrutura de Liquidez do Grupo Pao de Açúcar
Análise da Estrutura de Liquidez do Grupo Pao de AçúcarAnálise da Estrutura de Liquidez do Grupo Pao de Açúcar
Análise da Estrutura de Liquidez do Grupo Pao de AçúcarPaulo Jose
 
Analise De DemonstraçõEs Financeiras
Analise De DemonstraçõEs FinanceirasAnalise De DemonstraçõEs Financeiras
Analise De DemonstraçõEs Financeirasadmfape
 
Analise das demonstrações financeiras
Analise das demonstrações financeirasAnalise das demonstrações financeiras
Analise das demonstrações financeirasbelyalmeida
 
Seminários em Administração
Seminários em AdministraçãoSeminários em Administração
Seminários em AdministraçãoCarlos Oliveira
 
Conheça o produto mais negociado na LHx Agente de Investimento XP.
Conheça o produto mais negociado na LHx Agente de Investimento XP.Conheça o produto mais negociado na LHx Agente de Investimento XP.
Conheça o produto mais negociado na LHx Agente de Investimento XP.Lhx Agente de Investimento XP.
 
SUPER INTERESSANTE – 250 – Março 2008
SUPER INTERESSANTE – 250 – Março 2008 SUPER INTERESSANTE – 250 – Março 2008
SUPER INTERESSANTE – 250 – Março 2008 MANCHETE
 
Revista Design Gráfico
Revista Design GráficoRevista Design Gráfico
Revista Design GráficoMelo Lima
 
Relatorio final alfa construã§ãµes, lda
Relatorio final alfa construã§ãµes, ldaRelatorio final alfa construã§ãµes, lda
Relatorio final alfa construã§ãµes, ldaRui Rodrigues
 
Aula de movimento de caixa cebrac
Aula de movimento de caixa cebracAula de movimento de caixa cebrac
Aula de movimento de caixa cebracValéria Lins
 
Aulas de matematica financeira (diagramas de fluxo de caixa)
Aulas de matematica financeira (diagramas de fluxo de caixa)Aulas de matematica financeira (diagramas de fluxo de caixa)
Aulas de matematica financeira (diagramas de fluxo de caixa)Adriano Bruni
 
E-book Matriz BCG | Série: Ferramentas de Planejamento na Gestão de Negócios
E-book Matriz BCG | Série: Ferramentas de Planejamento na Gestão de NegóciosE-book Matriz BCG | Série: Ferramentas de Planejamento na Gestão de Negócios
E-book Matriz BCG | Série: Ferramentas de Planejamento na Gestão de NegóciosLeonardo Hideki Anagusko
 
Exercicios resolvidos contabilidade aula 08
Exercicios resolvidos contabilidade   aula 08Exercicios resolvidos contabilidade   aula 08
Exercicios resolvidos contabilidade aula 08contacontabil
 

Destaque (20)

Analise de liquidez
Analise de liquidezAnalise de liquidez
Analise de liquidez
 
Analise das Demonstrações Financeiras
Analise das Demonstrações FinanceirasAnalise das Demonstrações Financeiras
Analise das Demonstrações Financeiras
 
Análise da Estrutura de Liquidez do Grupo Pao de Açúcar
Análise da Estrutura de Liquidez do Grupo Pao de AçúcarAnálise da Estrutura de Liquidez do Grupo Pao de Açúcar
Análise da Estrutura de Liquidez do Grupo Pao de Açúcar
 
Aula 05
Aula 05Aula 05
Aula 05
 
Analise De DemonstraçõEs Financeiras
Analise De DemonstraçõEs FinanceirasAnalise De DemonstraçõEs Financeiras
Analise De DemonstraçõEs Financeiras
 
Analise das demonstrações financeiras
Analise das demonstrações financeirasAnalise das demonstrações financeiras
Analise das demonstrações financeiras
 
Análise de Balanços
Análise de BalançosAnálise de Balanços
Análise de Balanços
 
Seminários em Administração
Seminários em AdministraçãoSeminários em Administração
Seminários em Administração
 
Conheça o produto mais negociado na LHx Agente de Investimento XP.
Conheça o produto mais negociado na LHx Agente de Investimento XP.Conheça o produto mais negociado na LHx Agente de Investimento XP.
Conheça o produto mais negociado na LHx Agente de Investimento XP.
 
SUPER INTERESSANTE – 250 – Março 2008
SUPER INTERESSANTE – 250 – Março 2008 SUPER INTERESSANTE – 250 – Março 2008
SUPER INTERESSANTE – 250 – Março 2008
 
Revista Design Gráfico
Revista Design GráficoRevista Design Gráfico
Revista Design Gráfico
 
Indices
IndicesIndices
Indices
 
Relatorio final alfa construã§ãµes, lda
Relatorio final alfa construã§ãµes, ldaRelatorio final alfa construã§ãµes, lda
Relatorio final alfa construã§ãµes, lda
 
Impostos Diferidos
Impostos DiferidosImpostos Diferidos
Impostos Diferidos
 
Aula de movimento de caixa cebrac
Aula de movimento de caixa cebracAula de movimento de caixa cebrac
Aula de movimento de caixa cebrac
 
Palestra sobre fluxo de caixa
Palestra sobre fluxo de caixaPalestra sobre fluxo de caixa
Palestra sobre fluxo de caixa
 
Aulas de matematica financeira (diagramas de fluxo de caixa)
Aulas de matematica financeira (diagramas de fluxo de caixa)Aulas de matematica financeira (diagramas de fluxo de caixa)
Aulas de matematica financeira (diagramas de fluxo de caixa)
 
E-book Matriz BCG | Série: Ferramentas de Planejamento na Gestão de Negócios
E-book Matriz BCG | Série: Ferramentas de Planejamento na Gestão de NegóciosE-book Matriz BCG | Série: Ferramentas de Planejamento na Gestão de Negócios
E-book Matriz BCG | Série: Ferramentas de Planejamento na Gestão de Negócios
 
Fluxo de caixa
Fluxo de caixaFluxo de caixa
Fluxo de caixa
 
Exercicios resolvidos contabilidade aula 08
Exercicios resolvidos contabilidade   aula 08Exercicios resolvidos contabilidade   aula 08
Exercicios resolvidos contabilidade aula 08
 

Semelhante a Indices de liquidez analise

2° análise de balanço
2° análise de balanço2° análise de balanço
2° análise de balançoJeferson Souza
 
Glossario financeiro indices
Glossario financeiro indicesGlossario financeiro indices
Glossario financeiro indicessimuladocontabil
 
Plano de negócios aula 11
Plano de negócios aula 11Plano de negócios aula 11
Plano de negócios aula 11Allyne Keyth
 
Apostila 04 variacoes do patrimonio liquido-c.geral
Apostila 04 variacoes do patrimonio liquido-c.geralApostila 04 variacoes do patrimonio liquido-c.geral
Apostila 04 variacoes do patrimonio liquido-c.geralzeramento contabil
 
Eng. economica análise de custo, volume, lucro e formação de preço
Eng. economica   análise de custo, volume, lucro e formação de preçoEng. economica   análise de custo, volume, lucro e formação de preço
Eng. economica análise de custo, volume, lucro e formação de preçoPaulo Ricardo Matos
 
Aula 05 balanço patrimonial - grupo de contas
Aula 05   balanço patrimonial - grupo de contasAula 05   balanço patrimonial - grupo de contas
Aula 05 balanço patrimonial - grupo de contasRaul Alberto
 
2014 02 13_análise demonstr. fin. - aula 03
2014 02 13_análise demonstr. fin. - aula 032014 02 13_análise demonstr. fin. - aula 03
2014 02 13_análise demonstr. fin. - aula 03Claudio Parra
 
Capital de giro: decisão de investimento e estratégia de financiamento
Capital de giro: decisão de investimento e estratégia de financiamentoCapital de giro: decisão de investimento e estratégia de financiamento
Capital de giro: decisão de investimento e estratégia de financiamentoUeliton Carvalho
 
Demonstrações contábeis balanço patrimonial, demonstração de resultado e flux...
Demonstrações contábeis balanço patrimonial, demonstração de resultado e flux...Demonstrações contábeis balanço patrimonial, demonstração de resultado e flux...
Demonstrações contábeis balanço patrimonial, demonstração de resultado e flux...Concurseiro Antenado
 
Release Resultados BR 3T12
Release Resultados BR 3T12Release Resultados BR 3T12
Release Resultados BR 3T12Embraer RI
 
Folha de índices
Folha de índicesFolha de índices
Folha de índicesistruckl
 
Administracao financeira - APOSTILA
Administracao financeira - APOSTILAAdministracao financeira - APOSTILA
Administracao financeira - APOSTILARoger Guimarães
 
Apresentação dos Resultados do Segundo Trimestre de 2009.
Apresentação dos Resultados do Segundo Trimestre de 2009.Apresentação dos Resultados do Segundo Trimestre de 2009.
Apresentação dos Resultados do Segundo Trimestre de 2009.MRVRI
 
Apresentação de resultados 2 t09
Apresentação de resultados 2 t09Apresentação de resultados 2 t09
Apresentação de resultados 2 t09BrasilEcodiesel
 
Material analise demonstracoes_contabeis
Material analise demonstracoes_contabeisMaterial analise demonstracoes_contabeis
Material analise demonstracoes_contabeiszeramento contabil
 
Administração financeira apostila
Administração financeira   apostilaAdministração financeira   apostila
Administração financeira apostilaRenan Miranda
 

Semelhante a Indices de liquidez analise (20)

2° análise de balanço
2° análise de balanço2° análise de balanço
2° análise de balanço
 
Ratios
RatiosRatios
Ratios
 
Atps estrutura (1)
Atps estrutura (1)Atps estrutura (1)
Atps estrutura (1)
 
Glossario financeiro indices
Glossario financeiro indicesGlossario financeiro indices
Glossario financeiro indices
 
Plano de negócios aula 11
Plano de negócios aula 11Plano de negócios aula 11
Plano de negócios aula 11
 
Apostila 04 variacoes do patrimonio liquido-c.geral
Apostila 04 variacoes do patrimonio liquido-c.geralApostila 04 variacoes do patrimonio liquido-c.geral
Apostila 04 variacoes do patrimonio liquido-c.geral
 
Eng. economica análise de custo, volume, lucro e formação de preço
Eng. economica   análise de custo, volume, lucro e formação de preçoEng. economica   análise de custo, volume, lucro e formação de preço
Eng. economica análise de custo, volume, lucro e formação de preço
 
Aula 05 balanço patrimonial - grupo de contas
Aula 05   balanço patrimonial - grupo de contasAula 05   balanço patrimonial - grupo de contas
Aula 05 balanço patrimonial - grupo de contas
 
2014 02 13_análise demonstr. fin. - aula 03
2014 02 13_análise demonstr. fin. - aula 032014 02 13_análise demonstr. fin. - aula 03
2014 02 13_análise demonstr. fin. - aula 03
 
Capital de giro: decisão de investimento e estratégia de financiamento
Capital de giro: decisão de investimento e estratégia de financiamentoCapital de giro: decisão de investimento e estratégia de financiamento
Capital de giro: decisão de investimento e estratégia de financiamento
 
Indicadores Financeiros
Indicadores FinanceirosIndicadores Financeiros
Indicadores Financeiros
 
Demonstrações contábeis balanço patrimonial, demonstração de resultado e flux...
Demonstrações contábeis balanço patrimonial, demonstração de resultado e flux...Demonstrações contábeis balanço patrimonial, demonstração de resultado e flux...
Demonstrações contábeis balanço patrimonial, demonstração de resultado e flux...
 
Gestão fiscal e orçamentária
Gestão fiscal e orçamentáriaGestão fiscal e orçamentária
Gestão fiscal e orçamentária
 
Release Resultados BR 3T12
Release Resultados BR 3T12Release Resultados BR 3T12
Release Resultados BR 3T12
 
Folha de índices
Folha de índicesFolha de índices
Folha de índices
 
Administracao financeira - APOSTILA
Administracao financeira - APOSTILAAdministracao financeira - APOSTILA
Administracao financeira - APOSTILA
 
Apresentação dos Resultados do Segundo Trimestre de 2009.
Apresentação dos Resultados do Segundo Trimestre de 2009.Apresentação dos Resultados do Segundo Trimestre de 2009.
Apresentação dos Resultados do Segundo Trimestre de 2009.
 
Apresentação de resultados 2 t09
Apresentação de resultados 2 t09Apresentação de resultados 2 t09
Apresentação de resultados 2 t09
 
Material analise demonstracoes_contabeis
Material analise demonstracoes_contabeisMaterial analise demonstracoes_contabeis
Material analise demonstracoes_contabeis
 
Administração financeira apostila
Administração financeira   apostilaAdministração financeira   apostila
Administração financeira apostila
 

Indices de liquidez analise

  • 1. ANÁLISE INDICE DE LIQUIDEZ GERAL (AC+RLP/PC+ELP) Com o índice de liquidez geral analisamos a capacidade de pagamento da empresa a longo prazo e envolve todas as contas do ativo e do passivo tanto de curto como a longo prazo. Em 2008 a empresa possuía R$ 2,29 de valores a receber para R$ 1,00 de contas a pagar, já em 2009 esse valor aumentou para R$ 2,73 cada R$ 1,00, conclui-se que a empresa tem potencial para honrar os seus compromissos em curto e longo prazo. INDICE DE LIQUIDEZ CORRENTE (AC/PC) Em 2008 a empresa possuía para cada R$ 1,00 de obrigação a curto prazo R$ 2,29 para cobertura da dívida, já em 2009 essa proporção aumentou para R$ 2,73 para cada R$ 1,00. INDICE DE LIQUIDEZ IMEDIATA (Disp/PC) Para liquidação imediata da dívida a empresa possuía para cada R$ 1,00, R$ 0,73 centavos em 2008, o que diminui para R$ 0,13 centavos em 2009. INDICE DE LIQUIDEZ SECA (AC-Est./PC) Com este índice podemos analisar a capacidade da empresa em pagar suas dívidas no caso de uma possível paralisação nas vendas, isto porque subtraímos do ativo circulante, o estoque. Com um acréscimo de R$ 0,48 centavos na capacidade de pagamento a empresa representa um bom índice. ENDIVIDAMENTO TOTAL (Exg. Tot./PL*100) Com este índice observamos que para cada R$ 100,00 de capital próprio investido, existia R$ 203,77 de capital de terceiros em 2008 caindo para 33,13 em 2009. COMPOSIÇÃO DO ENDIVIDAMENTO (PC/Exg. Tot*100.) Com este índice apuramos que na composição do endividamento, 100% são dívidas a curto prazo , um aumento de 79,7% em relação a 2008 que foi de 20,30%. Apesar do aumento, o endividamento tem uma composição equilibrada o que da mais tranqüilidade para a empresa. IMOBILIZAÇÃO DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO (A Per./PL*100) Indica a parcela dos recursos próprios investidos em Ativo Permanente. 21,28% dos recursos próprios estão investidos em Ativo Permanente e, portanto, os restantes 78,72% dos recursos próprios estão sendo investidos em ativos realizáveis. IMOBILIZAÇÃO DOS RECURSOS CORRENTES (A Per./PL+Exig a Longo Prazo)
  • 2. ANÁLISE Informa quanto de recursos permanentes e de longo prazo está investido em Ativo Permanente. O calculo indica que 21,3% dos recursos permanentes e de longo prazo está “imobilizado” e, portanto, 78,7% desses recursos estão sendo utilizados por ativos realizáveis. PRAZO MÉDIO DE CONTAS A RECEBER (Contas a Receber / Rec. Oper. Bruta *360.) Indica o número de dias que a empresa leva para pagar seus fornecedores, de modo geral quanto menor, melhor. Em 2008 a empresa levava em média 3 dias para pagar seus fornecedores já em 2009 aumentou para 4 dias. PRAZO MEDIO DE RENOVAÇÃO DE ESTOQUE (Estoque / Custo de Prod. Vendidos*360) O índice de prazo médio de renovação de estoque mostra que em 2008 o prazo médio de renovação de estoque era 78 dias, em 2009 reduziu para 44 dias. Este prazo decorre do período da compra da mercadoria até o momento da venda, ou seja, quanto menor o prazo de renovação de estoque, menor será o custo da mercadoria parada aguardando realização. PRAZO MÉDIO PARA LIQUIDAÇÃO DE COMPRAS (Fornecedor/Compras*360) O índice mostra que em 2009 o prazo médio para pagamento de seus fornecedores era 58 dias, Em 2009 a empresa está com prazo médio de renovação de estoque maior do que o prazo médio de pagamento das compras, ou seja, os fornecedores estão financiando apenas uma parte do estoque. Isso significa que maior será o período dependente de recursos de terceiros para financiar seus estoques, resultando no aumento do custo operacional. CICLO FINANCEIRO (PMRE + PMPC + PMRV) Tempo entre o pagamento a fornecedores e o recebimento das vendas. Quanto maior o poder de negociação da empresa com fornecedores, menor o ciclo financeiro. CICLO OPERACIONAL (PMRE + PMRV) O ciclo operacional da empresa em 2008 é de 112,52 dias, sendo que o prazo médio de renovação de estoque é de 78 dias, o prazo médio de recebimento das vendas é de 3 dias e o prazo médio de pagamento das compras é de 0 dias. Isso significa que os fornecedores financiam apenas uma parte dos estoques, ou seja, o ciclo de caixa é de 109,52 dias, tempo que a empresa precisa obter recursos para financiar parte de seus estoques e suas vendas, resultando em maior custo operacional, sendo que o ideal seria que os fornecedores financiassem todo o ciclo operacional da empresa, da compra até o recebimento pelas vendas efetuadas. Em 2009, o ciclo operacional da empresa aumentou para 113,07 dias.
  • 3. ANÁLISE RENTABILIDADE DO ATIVO ( Lucro Liquido/Ativo Total) O quociente de Rentabilidade do Ativo evidencia o potencial de geração de lucros por parte da empresa. Quanto à empresa obteve de lucro por cada real investido ou para cada cem unidades na forma percentual. A análise mostra que a empresa obteve no ano de 2009 R$ 16,93 de cada R$ 100,00 investido no Ativo Total. No ano de 2008 o valor foi de R$ 29,99. Os valores mostram diminuição em investimento do Ativo nos períodos estudados. RENTABILIDADE DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO ( Lucro Liquido/Patrimônio Liquido) A Rentabilidade do Patrimônio Líquido revela a taxa de rentabilidade obtida pelo Capital Próprio investido na empresa. Nos dois exercícios analisados a empresa não manteve evolução. No ano de 2008, a Rentabilidade do Patrimônio Líquido foi de 42,45% no ano de 2009 diminui para 22,54. CAPITAL DE GIRO (Ativo Circ Operacional - Passivo Circ Operacional) A empresa apresentou índice de 0,38 ou 38%. Significa que a empresa vendeu R$ 38,00 para cada R$ 100,00 de investimento total no exercício de 2009. No exercício de 2008 o percentual foi de 23,66%. Este quociente mede a eficiência da empresa medindo o volume de vendas em relação ao Capital Total investido na empresa Fator de Insolvência Kanitz A análise do fator de insolvência permite verificar se a empresa corre ou não o risco de falir. Kanitz Apud Silva (2010) determinou faixas de solvência que vão de 0 a - 7, o chamado termômetro de insolvência. Fator de Insolvência entre 0 e 7 é a faixa de solvência, entre 0 a –3 é a região de penumbra e entre –4 a –7 é a faixa de Insolvência. O fator de insolvência é o seguinte; Fórmula; X1 = (Lucro Líquido/Patrimônio Líquido) X2 = (Ativo Circulante + Ativo Não Circulante) / Exigível Total X3 = (Ativo Circulante – Estoques) / Passivo Circulante X4 = Ativo Circulante / Passivo Circulante X5 = Exigível Total / Patrimônio Líquido Ano 2009 FI= (0,05 x 0,011) + (1,65 x 4,51) + (3,55 x 7,63) – (1,06 x 2,89) – (0,33 x 0,10) Ano 2008 FI= (0,05 x 0,021) + (1,65 x 3,76) + (3,55 x 5,87) – (1,06 x 2,42) – (0,33 x 0,13) Cálculo Ano 2009 FI= (0,05 x X1) + (1,65 x X2) + (3,55 x X3) – (1,06 x X4) – (0,33 x X5)= 9,14 Ano 2008 FI= (0,05 x X1) + (1,65 x X2) + (3,55 x X3) – (1,06 x X4) – (0,33 x X5)= 7,10
  • 4. ANÁLISE O fator de insolvência mostrou que de 7,10 em 2008, aumentou para 9,14 em 2009, nos dois períodos analisados a empresa está solvente, ou seja, não apresenta risco de falência. Alavancagem Financeira A medida do grau de alavancagem financeira (GAF) de uma empresa é um importante indicador do grau de risco a que empresa está submetida. Se existe a presença de capital de terceiros de longo prazo na estrutura de capital, a empresa estará "alavancada", ou seja, corre risco financeiro. Nos períodos analisados a GAF foi maior que 1, então a alavancagem financeira é considerada favorável: o retorno do Ativo Total (conjunto de bens e direitos da empresa, expressos em moeda) será razoavelmente maior que a remuneração paga ao capital de terceiros.