As artes na atualidade

26.174 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
22 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
26.174
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
9.745
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
22
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

As artes na atualidade

  1. 1. Numa sociedade caracterizadapelo consumo, estimulado poruma publicidade agressiva quecria necessidades, a Arte surgecomo reflexo de novas formas derelacionamento social, ondecertos objectos e imagens seimpõe como ícones.Andy Warhol serviu-se dessasimagens, objectos e até figurascom notoriedade para formular aessência da PopArt.Peter Blake,The otingns of POP(1961)
  2. 2. Nascida ainda nos anos50, sobretudo nos centrosurbanos, primeiro Londres edepois Nova Iorque, a Pop Artutilizou uma linguagemfigurativa recorrendo asímbolos, figuras e objectospróprios da cidade e do seuquotidiano.Peter Blake, Capa do álbumSgt.Peppers Lonnely hearts clubband. –Beatles – Feito a partir decolagens de imagens de pessoasfamosas
  3. 3. A sua temática esteve ligada à“cultura popular” constituídapor imagens doquotidiano, retiradas da BD, dasrevistas e dos jornais, dafotografia, do cinema e datelevisão.São conhecidos os retratos deMarilyn Monroe, JackieKennedy, Liz Taylor e ElvisPresley.AndyWarhol
  4. 4. A Pop Art foi influenciada pelas recolhasdadaístas e surrealistas efetuadas porRobert Motherwell nos anos 50 (The DadaPaintings and Poets), pelos ready-made deDuchamp e pelas colagens de KurtSchwuitters.De relembrar que estes dois movimentostambém utilizaram a descontextualizaçãodos objectos em relação ao quotidiano,tornando-os ícones da sociedade deconsumo.AndyWarhol
  5. 5. - Inglaterra – Richard Hamilton, PeterBlake, David Hockney (objectos deconsumo); Allen Jones ( temaseróticos e sexuais).Richard Hamilton
  6. 6. - EUA – 1ª vertente:- “neodadaísta”: Robert Rauchenberg(“combine paitings”), Jasper Jones(bandeiras americanas, alvos e letras), JimDine (combinações de objectos reaiscolados sobre fundos de pintura)Robert RauchenbergJasper Jones
  7. 7. - EUA – 2ª vertente:- Andy Warhol (imagens de BD, objectosde consumo, retratos depersonalidades), Roy Lichtenstein(personagens da Walt Disney e da BDpintadas com cores puras , lisas ebrilhantes), Tom Wesselmann(ambientes de tipo “classe média”AndyWarhol
  8. 8. Roy Lichtenstein
  9. 9. TomWesselmann
  10. 10. AndyWarhol, Garrafas de Coca-Cola, 1961
  11. 11. Andy Warhol é a figura maisconhecida e controversa da PopArt.A sua obra centra-se na cultura demassas americanas, comosímbolos das grandes marcas eprodutos, como o simpleshamburger ou à garrafa de Coca-Cola, cujo objectivo é denunciar avulgaridade e o mau gosto quecaracterizavam a cultura demassas e que conduziram àglobalização.
  12. 12. A popularização da sua obra torna-seevidente com a imortalização deícones de referência da sociedade deconsumo tais como o Rato Mickey ougarrafa da CocaCola.De realçar que ícones como a CocaCola estão também relacionadoscom a verdadeira democratização dasociedade na qual os consumidoresricos compravam essencialmente asmesmas coisas que os pobres.
  13. 13. Fazia arte a partir de marcas eprodutos massificados (símbolos doamerican way of life) mas, por outrolado, convertia a arte num produtode massas
  14. 14. Abreviatura de Optical Arte ouArte Ótica, designa uma formade arte que utiliza a ilusão deótica do movimento, ou seja, omesmo que cinetismo.É uma arte que explora afiabilidade do olho e o uso deilusões ópticas.Defendia para a arte "menosexpressão e mais visualização".Apesar do rigor com que éconstruída, simboliza um mundomutável e instável, que não semantém nunca o mesmo.VictorVasarely,Veja 200, 1968
  15. 15. Os trabalhos de Op Art sãoem geral abstratos, emuitas das peças maisconhecidas usam apenas opreto e o branco.Quando sãoobservados, dão aimpressão demovimento, clarões ouvibração, ou por vezesparecem inchar oudeformar-se.Ilusões de ótica VictorVasarely
  16. 16. Apesar de ter ganho força nametade da década de 1950, aOp Art passou por umdesenvolvimento relativamentelento. Ela não tem o apeloemocional da Pop Art; emcomparação, pareceexcessivamente cerebral esistemática, mais próxima dasciências do que dashumanidades.Bridget Riley
  17. 17. Artistas:- Alexander Calder: “mobiles”com movimentos permanentesdevido a um equilíbrio instável;“stabiles”, figuras abstractasestáticas-VictorVasarely- Bridget Riley: jogosgeométrico, normalmente apreto e branco, que provocamsensações dinâmicas e ilusões deótica que sugerem movimento esolicitam a participação ativa doespectador.Alexander Calder
  18. 18. Bridget Riley
  19. 19. Bridget Riley
  20. 20. A arte-Acontecimento é umaarte efémera que recebeuinfluências das primeirasvanguardas (Futurismo, Dadaísmo, Surrealismo) pois assumiram odesenraizamento do objecto.Também recebeu influência doInformalismo, em particular doAction Paiting, pois entende aacção como atitude.Allan Kaprow
  21. 21. As primeiras manifestações da “artecomo atitude e como acontecimento”estiveram ligadas às acçõesdesenvolvidas pelo músico John Cage epelo coreógrafo Merce Cunningham, queconstituíram verdadeiros happenings.Nestas obras, não se conta uma históriamas o drama está presente pelaintensidade cinética e teatral domovimento.
  22. 22. Os bailarinos não pretendemrepresentar nada, senão elespróprios, e muitas vezes nemtinham conhecimento prévio damúsica.Como dizia Cunningham, em palco“ tu não estás necessariamenteno teu melhor, mas no maishumano”.Nestas novas formas de arte, temum papel fundamental a relaçãofísica do bailarino consigo próprioe com o outro, sugerida poratitudes, gestos ou expressõesfaciais.
  23. 23. Happening Enquanto movimento, esta forma de artenão tem definição nem regras específicas,podendo apenas ser considerada comouma vivência que põe em relevo umaestreita ligação entre a Arte e aVida.Não é uma representação teatral namedida em que não é uma narrativa.Coloca o espectador e o seu autor numaatitude expectante e atenta adeterminados factos, acontecimentos ouvivências. E, como vive de uma só vez,nascendo e desparecendo no ato de fazer,constitui a mais pura expressão de arteefémera.Allan Kaprow
  24. 24. À semelhança dos ready-made(objectos descontextualizados etronados artísticos), também umfacto ou uma acção sãodescontextualizados, tomando adimensão de um ritual que reavivaa função mágica da arte.O Happening pretendeu chegar aum público vasto, consideradoespectador e participante nacriação e desenvolvimento daacção. Ao mesmotempo, combatia-se omercantilismo artístico.HappeningAllan Kaprow
  25. 25. Artistas:O iniciador do Happening é AllanKaprow, nos anos 50. Destaque tambémpara os artistas do grupo Gutai, criadoem 1954 no Japão.O seu fundador foi JiroYoshihara que levou a cabo diversasacções onde representou o horror daguerra e as experiências de Hiroshima eNagasáqui.HappeningGrupo Gutai
  26. 26. Na Alemanha foi criado o grupoFluxus, cujos protagonistasforam Wolf Vostel e JosephBeüys, sendo este último umdos mais importantesprotagonistas das grandestransformações artísticas nasúltimas décadas do séculoXX, principalmente com os seusEnvironments.HappeningGrupo Fluxus
  27. 27. A PerformanceA Performance é umaactividade artística que seconfunde com oHappening.Tem uma raiz conceptualmas a sua acção é decarácter único eirrepetível, esgotando-seno próprio ato de fazer. Hermann Nitsch, performance
  28. 28. O autor ou autoresdesenvolvem uma actividadebaseada na expressãocorporal, estando presente aestética do espectáculo massem se assemelhar nem àdança, nem ao teatro.Os performers são, namaioria, artistas que sededicam ao Happening, comoKaprow e JosephBeüys, Günter Brus e HermannNitsch.A PerformanceGünter Brus
  29. 29. A Body ArtA Body Art tambémdesenvolve acções de curtaduração e rápido desgaste.Enraíza-se no conceito de Arte-Acontecimento e confunde-secom o Happening e aPerformance, pois todas sãoperformativas.No entanto, aqui o corpo é oprotagonista, sendo utilizadocomo principal meio deexpressão. Nesta arteestiveram incluídas acçõesmuito variadas que levaram apráticas brutais, de tiposadomasoquista.
  30. 30. O grupo vienense, ondese incluem Günter Bruse Hermann Nitsch, éconhecido pelas suasperformances onde ocorpo é violentamenteagredido.Outros artistas destemovimento foramGilbert e George, VitoAcconci eYves Klein.A Body ArtYves Klein
  31. 31. VitoAconcci
  32. 32. Pina Bausch(1940-2009)20 de maio de 1978Nova estética nobailado:os espaçosfragmentados e ascenografias impõem-seà dançaLink noYoutube
  33. 33. destruir a barreira existente entre avida real e a representação cénica+evidenciar a artificialidadeexistente do quotidianodançarinos vestem roupas vulgares+Espaços realistas+coreografias baseiam-se em movimentos egestos recolhidos na vulgaridade do dia-a-diaque, em palco, adquirem uma função estética.
  34. 34. As coreografias baseiam-se em movimentos egestos recolhidos na vulgaridade do dia-a-diaque, em palco, adquirem uma função estética.Assunto centrado na repetiçãoritmada de gestos comuns e naintegração de elementos doquotidiano no espaçocénico, causando um forte impactoplástico e dramático
  35. 35.  espectáculo de dança-teatro, misturade dança e de teatro; performance livre dos actores ebailarinos, que improvisammovimentos e histórias; um único cenário – um café – comolocal de acção, um café; envolvimento de um grupo alargadode artes e de artistasperformativos, bailarinos, actores ecantores; introdução de movimento a solo, quepermite focar momentaneamente aacção no desempenho de um únicobailarino.
  36. 36. Obrasurrealista, demonstra, pelanegação, o carácterconceptual das obras destemovimento, através dadestruição dascorrespondências entre asimagens e os objetivos.Magritte é considerado opercursor do movimentoconceptualRené Magritte, ATraição das Imagens, 1929
  37. 37. A arte conceptual, iniciada em 1965, prolongou-se pela década de 70 e implicouuma profunda revisão nos processos criativos e expressivos, passando a sermais importante a ideia (o conceito ou conceção do objecto) do que a suarealização enquanto obra acabada.JosephKosuth
  38. 38. Passou a ser valorizado o processo mental e a reflexão sobre otrabalho, tendo a teoria ocupado o lugar da prática concreta.JosephKosuth
  39. 39. Recorreu a referências e basesteóricas, questionando osfundamentos da arte, acolocação da obra de arte nasociedade e o reconhecimentopúblico do artista.KeithArnatt, Autofuneral, 1969
  40. 40. Pôs, portanto, em causa, a razão deexistir e a função da arte, afirmandoque a “arte é uma coisamental”, uma “reflexão filosóficadesprovida de aplicação prática”.Como diziam os artistas do grupoArt and Language, “o artista dasociedade multimédia e da era dainformática trata exclusivamente deproblemas filosóficos.Keith Arnatt, Autofuneral, 1969
  41. 41. Este movimento consideroua arte como acçãolinguística, comocomunicação e formação dopensamento. Foi utilizada afotografia, vídeo, gravações,telefonemas, documentosescritos e telegramas.Joseph Kosuth
  42. 42. Esta proposta artística controversainspirou-se em MarcelDuchamp, considerado seupercursor, e teve comoantecedentes remotos oConstrutivismo, o Abstracionismo, oAction Painting e o Informalismo.Entre os autores, destacam-se:Bruce Nauman, Joseph Kosuth, HansHaacke, Joseph Beüys, Keith Arnatte Denis OppenheimDenis Oppenheim
  43. 43. Esteve ligada a preocupaçõesecológicas, questionou a obra dearte como objecto comercial eintegrou o grupo das atividadesartísticas de tipo conceptual.Esta forma de arte efémeraesgota-se no próprio ato da suaexecução. Consiste numaintervenção interventiva napaisagem, em grandes espaçosnaturais.Land Art:Robert Smithson, Spiral Jetty, 1970
  44. 44. Utilizou elementos naturaisque se degradam ouelementos artificiais que sedesmontam. As criaçõesmais conhecidas são deRobert Smithson, Walter deMaria, DenisOppenheim, JeanDibbets, RichardLong, Christo e a sua mulherJeanne-Claude.Land Art:Christo e Jeanne-Claude, Os guarda-sóis, 1984-91
  45. 45. Land Art:Christo e Jeanne-Claude, ReichtagEmbrulhado, 1971-1995
  46. 46. Foi o nome atribuído por Richard Wollheim, em1965, à forma de arte que apelou para anecessidade de recorrer a elementos básicos eessenciais da matéria plástica.Decorrente da Land Art, manifestou desprezopela figuração e empregou um número mínimode elementos plásticos cujo efeito impessoal édevido ao uso de materiais industriais.Minimal ArtDonald Judd
  47. 47.  Surge nos E.U.A. por volta de1960-1970 Necessidade de reduzir a arteao básico Reação contra oexpressionismo abstracto e opop Erradicaram a emoção, aimagem, e mensagem e tudoque é considerado essencial àarte Aspecto limpo, nu, simplesT écnica feito á máquina,materiais pré-fabricados emformas geométricasDonald Judd
  48. 48. Na maioria, as obras sãotridimensionais, chamadas “estruturasprimordiais”.Minimal ArtRichard Serra, Casa deCartas, 1968-69
  49. 49. Na pintura utilizam-se um número reduzido deelementos, sendo maioritariamente constituída porsuperfícies monocromáticas, sem qualquer alteraçãotonal.Entre os seus representantes destacam-se DonaldJudd, Richard Serra, Carl Andre, Júlio Paolini, ClaudioParmigiano, Robert Smithson e Christo.Minimal ArtFrank Stella
  50. 50. Filiada na Arte Conceptual, surge na década de 70 e define-se como umprocesso de realização plástica que contempla a construção de cenários eambientes, muitas vezes povoados de objectos e detritos do quotidiano.InstalaçãoMartinKippenberger
  51. 51. A sua expressão écomplexa, contestandotambém aspectos sociais. Opendor crítico e satírico érevelado também pelocarácter não comercial dassuas obras.InstalaçãoBruce Nauman
  52. 52. Nas décadas de 80 e 90 integrouas novas tecnologias(fotografia, vídeo, computador), criando ambientes e narrativascom som e imagem.Os artistas mais representativossão: Joseph Beüys, WolfVostell, Peter Campus, DanielBuren, Pistoletto, NamHoover, Fabrizio Plassi, BruceNauman, ChristianBoltanski, Martin Kippenberger eMarie Jo Lafontaine.Instalação
  53. 53. Nascido nos EUA, no final dos anos 60 eprolongando-se pela década de 70, oHiper-Realismo abrangeu as artesplásticas (pintura/escultura) e propôs umavisão fotográfica de aproximação àrealidade.Reagiu às artes maisintelectualizadas das duasdécadas anteriores.LópezGarcia, Lavabo y Espejo, 1967
  54. 54. Utilizou o recurso à máquinafotográfica e às técnicas defotografia como fonte deinformação e de registo darealidade. Usou meiosmecânicos ou semi-mecânicos para transportedessas imagens para a tela(projecção de diapositivos) etelas fotossensíveis comosuporte plástico. Daí serdesignado, também, fotorrealismo.Don Eddy
  55. 55. Constituiu uma expressão artística maisfria e impessoal, onde não estão patentesas acções ou emoções do artista. Apintura apresenta-se lisa e sem marcas deindividualidade, parecendo fotografias deformato gigante.GrantWood, Gótico Amereicano, 1930
  56. 56. Andrey Flack referiu que a “Níkon se tinha convertido no prolongamento dos seusolhos. Outros representantes desta pintura foram Chuck Close, RobertCottingham, Don Eddy, Grant Wood e John Salt.Andrey Flack
  57. 57. O Hiper-Realismo teve algumasrepercussões na Europa, apesar denão muito significativas. Este novointeresse pela figuração, que levoualguns artistas europeus a usarem amáquina fotográfica, foi designadopor Nova Figuração ou NovoRealismo Europeu. Entre os artistaseuropeus destacam-se LópezGarcia, Lucian Freud, Francis Bacone Paula Rego.Lucien Freud, Retrato da Mãe doArtista Descansando, 1976
  58. 58. Foi um movimento estritamente formal, nascido na América, nos anos60, sendo caracterizada por uma certa frieza e impessoalidade.FrankStella,Quathlamba, 1964
  59. 59. Constitui uma arte estruturalista ouliteralista, pois a forma ou a estruturaforam o seu único veículo designificação, não permitindo juízos devalor de carácter subjectivo.Foi uma pintura de tipogeométrico, caracterizada pelabidimensionalidade e pela purezaplástica. São obras reducionistas nasestruturas, nas formas e nas cores.Muitos autores enveredaram, maistarde, pela arte minimalista.Frank Stella, Six Mile Bottom, 1960
  60. 60. Os pintores mais significativos foram FrankStella, Ellsworth Kelly, Kenneth Noland eJules Olitsky.Ellsworth KellyKenneth Noland
  61. 61. Surgiu em Itália, em1967, através domanifesto do crítico dearte genovês GermanoCelant.É uma forma de arteconstituída poractividades artísticasvariadas, poucodefinidas, cujo ponto emcomum é a suaelaboração com materiaispobres, jáusados, desgastados oupouco usuais em arte.Jannis Kounellis
  62. 62. Criticada por alguns como repressora da criatividade artística devido à escassezdos materiais empregues, teve inúmeros adeptos em Itália, como PieroManzoni, Mario Merz, Jannis Kounellis, Luciano Fabro e Giullio Paolini.MarioMerz,CheFare?, 1968
  63. 63. Michelangelo Pistoletto,Vénus deTrapos, 1967
  64. 64. Nascida na década de80, é o mais recentemovimento artístico decaracterísticasfigurativas, consideradocomo uma metamorfosedo Expres-sionismo econstituindo a primeiramanifestação pós-moderna.Enzo Cucchi, Un sospiro di un onda, 1983
  65. 65. É tida como a mais recentetendência artísticacontemporânea, sendo umaresposta europeia à arte minimal econceptual que se tinha afirmadonaAmérica.Retomando a tradição da pinturaconvencional, teve como principaisartistas Sandro Chia, Enzo Cuchi eFrancescoClemente.Francesco Clemente
  66. 66. Achille Bonito Oliva classificou-acomo “instrumento detransição, de passagem, de umaobra para outra, e de um estilopara outro. Tem uma atitudeinconstante, revertendo todasas linguagens artísticas dopassado”.Sandro Chia
  67. 67. Nas últimas décadas doséculo XX, a artediversificou-se edesmultiplicou-se eminúmeras correntes eexpressõesindividuais, que, de algummodo, retomam conceitos eexpressões do passado masagora com novas roupagense conceitos.Enzo Cuchi

×