SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 10
ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA IBN MUCANA
História da Cultura e das Artes – 11ºF – 2012/2013

Ficha formativa 1

_________________________________________________________________________________________

Módulo 6 – A Cultura do Palco
1. Caracteriza o século XVII nos seus aspetos económicos, sociais, políticos e religiosos.
- Aspetos económicos: economia essencialmente agrícola; desenvolvimetno do capitalismo comercial
devido ao comércio colonial; frequentes críses agrícolas no decorrer do século XVII; aplicação do
mercantilismo, uma política económica proteccionista que pretendia aumentar a riqueza de um país
através do aumento das exportações e da diminuição das importações;
- Aspetos sociais: sociedade de ordens ou seja, uma sociedade assente no princípio da desigualdade
social através do nascimento e do estatuto jurídico; regista-se o predomínio social do clero e da nobreza
e a ascensão económica da burguesia;
- Aspetos políticos: época de centralização do poder real, justificado pela prigem divina do poder real, o
que levou à criação de um aparelho administrativo centralizado;
- Aspetos religiosos: época conturbado a nível religioso com disputas e lutas entre protestantes e
católicos, depois de, no século XVI, se ter iniciado a Reforma Protestante e, como reação, a Igreja
Católica ter procedido à Contra-Reforma.
2. Descreve os reflexos do absolutismo régio na arte.
A arte surge como elemento de propaganda, quer nas reformas nas capitais, quer na construção de
enormes palácios, com sumptuosos jardins, pinturas, esculturas, espelhos, móveis e tapeçarias, onde se
realizam luxuosas festas (teatro, música e dança). A centralização do poder real vai permitir, portanto,
um

incremento das artes.

3. Em que consistiu a Guerra dos 30 anos?
A Guerra dos Trinta Anos (1618-1648) é a denominação genérica de uma série de guerras que diversas nações
europeias travaram entre si a partir de 1618, especialmente na Alemanha, por motivos variados: rivalidades
religiosas, dinásticas, territoriais e comerciais. As rivalidades entre católicos e protestantes gradualmente se
transformaram numa luta europeia. O conflito foi basicamente entre o Sacro Império Romano-Germânico,
católico e dominado pela casa de Habsburgo, e um vasto conjunto de cidades e principados alemães
protestantes, apoiados primeiro pelas principais potências anticatólicas, a Suécia e os Países Baixos, e depois
também pela França católica, em mais um capítulo das antigas rivalidades entre os franceses e os Habsburgos.

4. Descreve as consequências das guerras religiosas na arte.
As lutas religiosas tiveram repercussão na arte: enquanto que os católicos utilizaram as imagens
religiosas (martírios e êxtases de santos) e construíram inúmeras igrejas, os protestantes proibiram a
idolatria e vão limitar-se a representar retratos, paisagens e cenas do quotidiano.
5. Justifica a relação que se pode estabelecer entre a Idade Média e o Barroco quanto à finalidade da
produção arquitetónica.
Tal como na Idade Média, tamém no século XVII a arte barroca vai ser utilizada pela Igreja, após o
movimento da Contra-Reforma como um veículo de mensagem ideológica, através dos estímulos à
emoção e ao sentimento. Daí a utilização da imagem plástica, quer visual quer auditiva, como meios de
propaganda e de doutrinação católicos.
6. Quando foi, porque ocorreu e que países envolveu a Guerra de Sucessão de Espanha?
A Guerra de Sucessão de Espanha desenrolou-se entre 1702 e 1714 após a morte de Carlos II, sem ter
descendentes diretos. Disputou-se entre Filipe, duque de Anjou (neto de Luís XIV), apoiado pela França
e pela Baviera, e José Fernando da Baviera (neto de Leopoldo I, arquiduque da Áustria), com o apoio de,
por exemplo, Inglaterra e Portugal.
7. Quais as decisões mais importantes do tratado de Utreque?
Repartição de territórios:
-

Filipe V: fica na posse do reino de Espanha e das colónias espanholas na América

-

Áustria: Países Baixos Espanhóis, Nápoles, Milão e Sardenha

-

Inglaterra: Gibraltar e Minorca (Espanha); territórios coloniais na América do Norte (França)

8. Descreve as consequências para a França e para os países envolvidos.
A França vê terminada a sua tentativa de hegemonia na Europa, enquanto a Inglaterra vê reforçada a
sua posição na América do Norte.
9. Caracteriza a atuação de Luís XIV.
•

defensor do absolutismo régio, afirma-se “rei-sol” e identifica-se cm o Estado

•

limita os poderes da burguesia, do Parlamento e do clero

•

transfere a corte para Versalhes, onde constrói um palácio magnificente como forma de
demonstrar o seu poder e onde a vida girava à sua volta

•

nomeou Colbert como ministro das finanças, cuja política mercantilista permitiu enriquecer o
Estado (=rei) francês e, portanto, proceder à sua política de ostentação

10. Partindo do exemplo de Versalhes, descreve a vida nas cortes europeias deste período,
integrando-a no contexto sociopolítico.
•

O rei atraia à corte inúmeros funcionários e conselheiros da nobreza tradicional, seduzidos pela
expectativa de uma mercê ou favor real

•

desta forma, o rei controlava e disciplinava a nobreza, que se degladiava entre ela por um favor
real

•

O código de comportamento e de etiquetas, às quais a nobreza tinha de obedecer, permitia a
total subordinação desse grupo à vontade real, fazendo com que dependesse inteiramente dos
seus favores

•

A nobreza distraía-se com uma vertigem de festas, bailes, cerimónias, caçadas, jogos,
representações teatrais, torneios, sessões de leitura
•

A corte era o palco onde o rei é a personagem principal e os nobres meros figurantes

•

Objetivo: exibir e exaltar o poder real, de forma a subordinar a corte ao esplendor real

•

Palácio e jardins como autênticos palcos

•

Espetáculos organizados de forma espetacular, nos quais muitas vezes a própria corte e o rei
participavam.

11. Integra a“La cérémonie turque”, em “Le Bourgeois Gentilhomme” (1670) nas festividades
realizadas na corte de Luís XIV.
O gosto da corte absolutista de Versalhes pela encenação do poder e pelo artifício, por espectáculos
que associavam a representação à dança ou pelo «ballet de cour» levou ao desenvolvimento do teatro e
ao aparecimento, desenvolvimento e difusão da ópera.
Grandes festas da corte (exemplos):
• as festas são manifestações da grandeza do anfitrião;
• a magnificência da corte absolutista materializava uma encenação aparatosa, que buscava a pompa e
o artifício;
• em Versalhes, eram frequentes as representações de textos dançáveis, ou «ballet de cour», em que a
acção dançada era construída sobre um poema e executada pela própria corte.
Gosto pelo espectáculo encenado (exemplos):
• edificação do Palais Royal, o primeiro teatro francês construído em espaço fechado, e surgimento da
ópera de Versalhes;
• Luís XIV e a sua corte cultivaram o gosto por espectáculos que fundiam a representação e a dança,
como a comédia-ballet, de Jean-Baptiste Lully e Molière: Le Bourgeois Gentilhomme;
• “Le Bourgeois Gentilhomme”, com texto de Molière e música de Lully, é uma sátira social às
pretensões de grandeza dos novos ricos, que desejam aparentar o que não são (grupo personificado
pelo protagonista, Monsieur Jordain), associando o teatro, a música e a dança. Durante a Cerimónia
Turca, no IV Ato, Cléonte, o pretendente à mão de sua filha Lucille, disfarçado de turco (filho do
Grande Turco), numa cerimónia burlesca cheia de movimento, cor e exotismo, vê Monsieur Jourdin
aceitar o seu casamento com a sua filha.
•

desenvolvimento do estudo das condições técnicas e acústicas;

• maior complexidade dos cenários.
12. Demonstra que a igreja era um palco ao serviço da religião e da Igreja.
A igreja como espaço físico foi utilizado como um palco pela Igreja como instituição na sua luta contra o
protestantismo (Contra-Reforma) e como local de doutrinação e de sedução dos crentes, onde todos os
sentidos serão exacerbados de forma a intensificar a fé.
13. Descreve o papel desempenhado pelas academias na vida cultural da época.
As academias proporcionaram em França um estilo onde eram impostos a ordem, a unidade, a
harmonia e o gosto pela grandeza da Antiguidade Clássica. Foram utilizadas por Luís XIV como forma de
impor aos artistas a obediência ao gosto real, ou seja, ao estilo oficial. Daí a permanência do Classicismo
em França, aliado à adoção da linguagem decorativa do Barroco.
14. Justifica o termo “revolução científica” aplicado ao século XVII.
Devido ao aparecimetno do método científico no século XVII, várias áreas do conhecimento
conheceram um grande desenvolvimento, com o aparecimento de importantes descobertas: Galileu e a
comprovação da teoria heliocêntrica, a lei da gravidade de Newton, a descoberta da circulação
sanguinea por Harvey, Lavoisier e a química moderna, etc. O século XVII foi, portanto, um período de
transição entre as formas tradicionais de vivência religiosa e o novo mundo emergente de uma
sociedade secularizada e pragmática, decorrente da Revolução Científica.
15. Descreve o objetivo,

a função e as características da arte barroca, distinguindo-a da arte

renascentista.
A função da arte barroca é fascinar pelos sentidos e servir de veículo de uma mensagem ideológica.
Destina-se, portanto, ao grande público, e tem como principal objetivo estimular as emoções. Por isso,
opõe-se à arte renascentista porque tem como principais características o movimento curvilíneo, real
ou aparente, a assimetria, o jogo ostentatório entre luz e sombra, a busca do infinito e a procura do
teatral e do fantástico.
16. Relaciona a Contra-Reforma com o aparecimento da arte barroca.
Devido ao moveimento da Reforma protestante, iniciado por Lutero após a afixação das 95 Teses contra
a indulgências, vai fazer surgir o movimento da Contr-Reforma, como meio de lutar contra a expansão
do protestantismo. Daí que a arte passe a ser encarada como veículo de doutrinação, através do apelo
às emoções e aos sentidos.
17. Descreve o urbanismo implementado no século XVII na cidade de Roma.
O Papa Sisto V promoveu a reforma urbanística de Roma de forma a resolver problemas urbanísticos da
cidade e a ligar os principais lugares religiosos à Basílica de S. Pedro, permitindo a inauguração do
urbanismo moderno. Na remodelação da cidade, são construídas amplas artérias, abertas praças, onde
se destaca a igreja como símbolo da comunidade, e são colocados obeliscos, esculturas e fontes com
jogos de água. Roma torna-se uma cidade-espetáculo, símbolo do poder papal, com dinamismo,
esplendor e extensão.
18. Indica os elementos da arquitetura renascentista que permanecem na arquitetura barroca.
Permanecem: as ordens clássico-renascentistas (jónica, dórica, coríntia, compósita e colossal, às quais é
acrescentada a coluna torsa), a gramática formal (as colunas, os entablamentos e os

frontões

quebrados com cartelas e duplos) e as regras construtivas (proporções “à medida do Homem”).
19. Demonstra de que forma a arquitetura barroca corresponde a uma nova linguagem decorativa.
•

Fim da estaticidade e da simetria; busca da fantasia e do movimento

•

antítese espaço interior / espaço exterior

•

Aliança com pintura, escultura, jardinagem, jogos de água

•

Efeitos perspéticos e ilusórios através da decoração (linhas estruturais divergentes para dar
maior amplitude, jogos de claro-escuro e massas salientes e reentrantes), nomeadamente nos
tetos e nas cúpulas

•

Elementos construtivos meramente decorativos: movimento ascensional das fachadas, através
das colunas torsas, helicoidais, duplas ou triplas e dos frontões centrais

•

Paredes ondulantes: côncavas e/ou convexas, permitindo um efeito de surpresa e efeitos
luminosos; cobertura interior feita de estuques, pintura ou retábulos em talha dourada; Ilusão
de espaço maior, pela ligação parede/teto

•

Porta principal: acumulação de ornamentação para transmitir numa ilusão de verticalidade; a
torre sineira como elemento independente, que reforça a verticalidade

•

Decoração interior: exuberância decorativa pela utilização de mármores policromados,
esculturas, retábulos, telas, órgãos e pinturas a fresco com a utilização da técnica de Trompel’oeil ; os janelões, janelas e cúpulas com lanternim permitiam a entrada de luz celestial,
ascendendo ao infinito, na procura de Deus

20. Descreve os outros elementos formais da arquitetura barroca (planta, fachada, cobertura).
•

Plantas retangulares (nave central alonga-se + naves laterais reduzidas a capelas abertas para o
espaço central), elíptico-transversais e elíptico-longitudinais

•

Coberturas: abóbadas com contrafortes exteriores (com volutas, aletas ou orelhões); cúpula
colossal (= céu) prolonga harmoniosamente as paredes

•

Fachadas: esquema renascentista e maneirista (corpo central rematado por grande frontão+
verticalidade); fachada com dois andares sobrepostos, com formas onduladas (côncavas
/convexas)+ irregularidade bizarra

21. Identifica alguns dos mais importantes arquitetos italianos da época.
•

Giacomo della Porta (1533-1602) e Vignola (1507-73) – maneirismo e Contra-Reforma

•

Carlo Maderno (1576-1636) – Primeiro arquitecto barroco

•

Gian-Lorenzo Bernini (1598-1680) – Igreja de S. André do Quirinal

•

Francesco Borromini (1599-1667) – Igreja de S. Carlos das Quatro Fontes

•

Baltazar Longhena (1598-1682) – Igreja de S. Maria da Saúde (1631,Veneza)

22. Relaciona a arquitetura civil com a tentativa de afirrnação do poder político e social.
A construção de palácios nas cidades e de villas por parte de reis, nobres e burgueses, foi expressão do
poder absoluto por parte dos reis, da importânica social e política da nobreza e do poder económico da
burguesia.
23. Descreve os elementos formais que caracterizam os palácios e as villas.
•

Palácios:
◊

Integrados na paisagem e no espaço envolvente (jardins)

◊

planta em U ou duplo U

◊

Fachada: pilastras colossais, corpo central e portal com maior decoração, frontarias rm U ou
em formas onduladas (esquema côncavo – convexo – côncavo)

◊

Interiores: 1º andar (pinao nobile): sala de festas ao centro; galerias e escadarias a ligar os
andares (dois lanços simétricos)

•

Villas:
◊

Diálogo com a natureza: jardins arquiteturais (escadarias, terraços, estátuas) e utilização de
artifícios cenográficos (bosques, grutas artificiais, pavilhões, labirintos)

◊

O “jardim à francesa”: conceção arquitetónica geometrizante; a partir de um eixo central,
subdividia-se o jardim simetricamente em linhas transversais e radiais

24. Apresenta os aspetos da escultura barroca que a tornaram a forma de arte mais difundida da
época.
A escultura foi a arte mais praticada e difundida neste período porque foi associada à arquitetura e à
pintura, colocada isoladamente em praças e jardins ou sobre os mais variados objetos. As razões
devem-se à sua adaptabilidade a interiores e exteriores e às suas capacidades plásticas: a modelação de
volumes (realismo tridimensional), a

dialética de contrastes (luz/sombra), o movimento e

expressividade, a cenografia das composições.
25. Descreve a função simbólica da escultura barroca, dos relevos e das esculturas de vulto redondo,
religiosas ou laicas.
A escultura foi utilizada pela Igreja na transmissão da fé e dos dogmas e no reforço da mensagem
espiritual, pelos Reis na manifestação pública do seu poder e na divulgação da ordem ideológica que o
fundamenta, e pelas famílias ricas como manifestação do seu individualismo e gosto pelo quotidiano.
26. Refere os aspetos da expressão técnico-formal que caracterizam a escultura barroca.
•

preferência por grupos escultóricos (rutura do bloco único);

•

procura do efeito cenográfico na composição (teatralidade dos gestos e dos movimentos e
preocupação pelo enquadramento da peça);

•

Perfeição das formas (anatomias de cânones renascentistas mas de proporções mais esguias),
modeladas com pormenores de realismo e naturalismo levados ao exagero (grande rigor na
execução técnica)

•

dinamismo na composição e sugestão de movimento ( composições livres e soltas organizadas
segundo esquemas complexos, formando grupos escultóricos no qual as personagens são
captadas em ação, como num instatâneo fotográfico; exploração das capacidades expressivas
das personagens);
•

utilização dos panejamentos para dar volume e agitação à composição.

•

procura dos efeitos de contraste de textura e de cor

•

valorização da figura do Papa e dos Santos;

•

Escultura de vulto-redondo: nichos, consolas ou mísulas nas fachadas dos edifícios ou paredes
interiores; filas horizontais sobre os parapeitos das pontes e dos áticos dos edifícios, escadarias e
colunatas; estátuas-colunas sustentando tetos e entablamentos: atlantes (figuras masculinas) e
cariátides (figuras femininas); monumentos escultóricos, com mistura de estatuária, relevos e
elementos arquitetónicos : baldaquinos, retábulos e mausoléus

27. Descreve os aspetos inovadores da obra de Bernini.
A escultura de Bernini (Apolo e Dafne, O Êxtase de Sta. Teresa de Ávila, David, Plutão e Proserpia), ao captar o
estado de alma da personagem com expressividade e dramatismo, pretendeu atrair os fiéis e estimular a piedade
e o culto, segundo os princípios tridentinos (Concílio de Trento).
Temática (exemplos):
• temas relacionados com a Bíblia (a figura de Cristo, a Sagrada Família);
• temas marianos;
• temas relacionados com a vida e o culto dos santos;
• representação do êxtase místico.
Expressão técnico-formal (exemplos):
• expressividade exacerbada pelo dramatismo do movimento;
• modelação agitada dos volumes;
•

Posições em desequilíbrio

•

Sentido ascendente das figuras

• contraste luz/sombra;
• contraste das texturas (liso/rugoso).
Intencionalidade (exemplos):
• captação da atenção do espectador pela expressão do «pathos»;
• estímulo à piedade e ao culto;
•

Interiorização dos dogmas religiosos

•

Elevação do espirito

28. Relaciona a função da pintura barroca com as suas características gerais.
A pintura barroca, tal como as outras formas de arte nasceu em Itália e foi a aplicação dos princípios
propostos pela Igreja da Contra-Reforma. A Igreja, através da sedução dos sentidos, tentou captar a
atenção e a fé das multidões, ao contrário do espírito racional que tinha caracterizado o Renascimento.
Daí que o objetivo da pintura barroca seja o deslumbramento, a surpresa, a encenação e a luza,
integrando um “espetáculo” que se queria total. Estes objetivos têm reflexos nas características da
pintura barroca: a irracionalidade, os contrastes, a

exuberância, o dramatismo e os ambientes

grandiosos.
29. Reconhece as diferentes tendências e a diversidade temática da pintura barroca.
•

Classicismo: Carraci + Poussin + Lorrain

•

Naturalismo: Caravaggio + Ribera

•

Realismo: Vermeer + Rembrandt

30. Descreve as características técnico-formais da pintura barroca
•

Diversidade temática: temas religiosos, temas profanos,

temas mitológicos, retratos,

paisagens, naturezas mortas
•

Representação do momento, dando ênfase à ação

•

Linha do horizonte delineada abaixo do normal para dar primazia aos elementos
representados e destacar as figuras representadas

•

Composição aberta, onde o espaço compositivo se define em movimentos centrífugos, ou
seja, de dentro para fora

•

sobreposição de formas para conseguir a profundidade, sem descontinuidades, preservando
a unidade do espaço

•

formas dinâmicas e sinuosas, enquadradas ou combinadas com estruturas poligonais
(triângulo, quadrado e sosango) e com formas circulares ou ovaladas

•

União plástica da luz/sombra e da cor para focalizar a atenção nos principais elementos da
composição (por vezes de forma artificial); os restantes elementos ficam diluídos na
penumbra: a luz rasante chama a atenção para determinadas zonas do quadro, orientando a
leitura; a cor pura e cálida tem como objetivo captar e sensibilizar o espectador

31. Descreve os aspetos inovadores da pintura de Caravaggio.
Inovação técnica e formal na pintura de Caravaggio:
• O aspecto mais notável da sua obra é o tratamento da luz:a luz, rasante e descontínua, ilumina o
essencial da composição;
• acentua-se o contraste claro-escuro, ao pintar o fundo da tela com tons escuros – tenebrismo: a
luz é projetada sobre as formas, por vezes com violência, e em contraste intenso e brusco com as
sombras; as figuras e as cenas sobressaem num fundo sem fundo.
• a intensidade dramática é introduzida na composição através da luz, da cor e do realismo da
figuração;
• as personagens são representadas a partir de modelos de pessoas comuns, homens e mulheres do
povo;
• a representação do sagrado aproxima-se do profano, ao representar a realidade visível em vez da
beleza idealizada
32. Descreve as técnicas utilizadas na pintura mural.
Nas paredes e nos tetos das igrejas e dos palácios foram utilizadas as seguintes técnicas:
-

trompe-l’oeil - truques de perspetiva que criam uma ilusão óptica de objetos ou formas que não
existem realmente

-

soto in sú – perspetiva vista de baixo para cima, transmitindo a noção de espaço místico

- Quadri riportati – Imitação dos quadros de cavalete inscritos nas paredes ou nos tetos
33. Demonstra a presença da arte barroca noutros países europeus.
Arquitetura:
•

Barroco exuberante: Alemanah (Palácio de Sanssouci, Palácio Zwinger), Áustria (Palácio
Belvedere, Igreja de S. Carlos Borromeo), Flandres (Praça de Bruxelas)

•

Tradição gótica e divulgação do classicismo francês: Inglaterra (Catedral de S. Paulo, Londres

Escultura:
•

Países Baixos: Túmulo de GUilherme I, Estátua do Túmulo do Arcebispo André Crueson

•

Alemanha: Adrien de Vries, Johannes Juncker

Pintura:
•

Bélgica: Pieter Paul Rubens - formação em Itália; pintor oficial e diplomata mais influente da
corte do rei de Espanha nos Países Baixos; pintor da Europa da Contra-Reforma; pintura
requintada, sensual e faustosa cor e forma); temas: retratos, temas religiosos e mitológicos

•

Holanda: pintura executada em reduzidas dimensões, feita para casas de gente vulgar e
comerciada livremente, daí a sua grande diversidade temática (com destaque para os obetos
e as jarras) e o elevado realismo; William Heda, Jan de Heem, Jan de Vermeer, Franz Hals,
Rembrandt e Jacob von Ruysdael

Espanha: presença forte do Barroco devido ao absolutismo régio e à forte ação da Contra-Reforma
(Inquisição) – o século XVII como o “século de ouro” da arte espanhola
•

Palácio de San Lorenzo do Escorial, mandado construir por Filipe II em 1562, como tentativa
de reproduzir o templo de Salomão e como forma de conciliar o poder divino e poder
temporal; exerceu influência sobre toda a arquitetura espanhola e até francesa

•

Predomínio da escultura em madeira policromada

•

José de Ribera: pintura à maneira de Caravaggio; sensualidade e dramatismo próprios;
utilização de pessoas do povo como modelos; grande realismo; contrastes luz/sombra e cor

•

Diego Vélasquez: pintor oficial da corte espanhola; composição cuidada (jogos espaciais reais
e imaginados); formas tratadas com pequenas manchas de cor com leitura apenas à
distância; múltiplos focos de luz; cariz fotográfico e humano
•

Francisco Zurbarán: realismo das naturezasmortas; temas religiosos tratados como assuntos
rotineiros e vulgares

•

Bartolomé Esteban Murillo: elevado naturalismo, repleto de serenidade e suavidade, com
quase ausência de simbolismo

34. Insere o uso da talha e do azulejo no contexto do Barroco português.
- Situação político-económica no século XVII: domínio filipino, Guerra da Restauração, Crise dinástica (D.
Afonso VI / D. Pedro III), Inquisição
- Período de esplendor no século XVIII (D. João V e D. José I): a afirmação do absolutismo régio e a
chegada do ouro do Brasil permitem o apoio às artes e à cultura
- utilização do azulejo para revestir grandes superfícies parietais, convertendo os espaços em
verdadeiros panos cenográficos; usados como revestimento decorativo e como forma narrativa

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

01 cultura da catedral
01 cultura da catedral01 cultura da catedral
01 cultura da catedral
Vítor Santos
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ana Barreiros
 
Ficha cultura do palacio
Ficha cultura do palacioFicha cultura do palacio
Ficha cultura do palacio
Ana Barreiros
 
A cultura do palacio
A cultura do palacioA cultura do palacio
A cultura do palacio
Ana Barreiros
 
Arte do Renascimento - Pintura
Arte do Renascimento - PinturaArte do Renascimento - Pintura
Arte do Renascimento - Pintura
Carlos Vieira
 
A cultura do palco - contextualização
A cultura do palco - contextualizaçãoA cultura do palco - contextualização
A cultura do palco - contextualização
cattonia
 

Mais procurados (20)

Cultura do palco
Cultura do palcoCultura do palco
Cultura do palco
 
A Cultura do Salão
A Cultura do SalãoA Cultura do Salão
A Cultura do Salão
 
Cultura da catedral
Cultura da catedralCultura da catedral
Cultura da catedral
 
Módulo 1 – a cultura da ágora
Módulo 1 – a cultura da ágoraMódulo 1 – a cultura da ágora
Módulo 1 – a cultura da ágora
 
A cultura do senado
A cultura do senadoA cultura do senado
A cultura do senado
 
01 cultura da catedral
01 cultura da catedral01 cultura da catedral
01 cultura da catedral
 
Módulo 8 contextualização histórica
Módulo 8   contextualização históricaMódulo 8   contextualização histórica
Módulo 8 contextualização histórica
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
 
01 cultura da catedral
01 cultura da catedral01 cultura da catedral
01 cultura da catedral
 
Cultura do mosteiro
Cultura do mosteiroCultura do mosteiro
Cultura do mosteiro
 
Palácio da Pena
Palácio da PenaPalácio da Pena
Palácio da Pena
 
Ficha cultura do palacio
Ficha cultura do palacioFicha cultura do palacio
Ficha cultura do palacio
 
A cultura do palacio
A cultura do palacioA cultura do palacio
A cultura do palacio
 
Pintura renascentista
Pintura renascentistaPintura renascentista
Pintura renascentista
 
Módulo 6 arquitetura barroca
Módulo 6   arquitetura barrocaMódulo 6   arquitetura barroca
Módulo 6 arquitetura barroca
 
Arte barroca
Arte barrocaArte barroca
Arte barroca
 
Manuelino
ManuelinoManuelino
Manuelino
 
Arte do Renascimento - Pintura
Arte do Renascimento - PinturaArte do Renascimento - Pintura
Arte do Renascimento - Pintura
 
A cultura do palco - contextualização
A cultura do palco - contextualizaçãoA cultura do palco - contextualização
A cultura do palco - contextualização
 
Barroco em portugal
Barroco em portugalBarroco em portugal
Barroco em portugal
 

Destaque

Casamento D. Leonor e frederico III
Casamento D. Leonor e frederico IIICasamento D. Leonor e frederico III
Casamento D. Leonor e frederico III
Ana Barreiros
 
Preparação para a prova intermédia
Preparação para a prova intermédiaPreparação para a prova intermédia
Preparação para a prova intermédia
Ana Barreiros
 
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinemaCorrecao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Ana Barreiros
 
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ana Barreiros
 
Religião e Filosofia da grécia antiga
Religião e Filosofia da grécia antigaReligião e Filosofia da grécia antiga
Religião e Filosofia da grécia antiga
Ana Barreiros
 
O estadio e o teatro
O estadio e o teatroO estadio e o teatro
O estadio e o teatro
Ana Barreiros
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ana Barreiros
 
Ficha formativa cultura da catedral
Ficha formativa cultura da catedralFicha formativa cultura da catedral
Ficha formativa cultura da catedral
Ana Barreiros
 
O século de péricles
O século de périclesO século de péricles
O século de péricles
Ana Barreiros
 
Ficha formativa grandes_civilizacoes
Ficha formativa grandes_civilizacoesFicha formativa grandes_civilizacoes
Ficha formativa grandes_civilizacoes
Ana Barreiros
 
Ficha formativa Cultura do Mosteiro
Ficha formativa Cultura do MosteiroFicha formativa Cultura do Mosteiro
Ficha formativa Cultura do Mosteiro
Ana Barreiros
 
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º anoFicha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
Ana Barreiros
 

Destaque (20)

Casamento D. Leonor e frederico III
Casamento D. Leonor e frederico IIICasamento D. Leonor e frederico III
Casamento D. Leonor e frederico III
 
Bairro dos museus
Bairro dos museusBairro dos museus
Bairro dos museus
 
Linha conceptual 7º ano 2012-13
Linha conceptual   7º ano 2012-13Linha conceptual   7º ano 2012-13
Linha conceptual 7º ano 2012-13
 
O maneirismo
O maneirismoO maneirismo
O maneirismo
 
Preparação para a prova intermédia
Preparação para a prova intermédiaPreparação para a prova intermédia
Preparação para a prova intermédia
 
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcaoFicha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
 
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinemaCorrecao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinema
 
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
 
Religião e Filosofia da grécia antiga
Religião e Filosofia da grécia antigaReligião e Filosofia da grécia antiga
Religião e Filosofia da grécia antiga
 
O estadio e o teatro
O estadio e o teatroO estadio e o teatro
O estadio e o teatro
 
Uma aventura no palácio...
Uma aventura no palácio...Uma aventura no palácio...
Uma aventura no palácio...
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
 
Ficha formativa cultura da catedral
Ficha formativa cultura da catedralFicha formativa cultura da catedral
Ficha formativa cultura da catedral
 
O século de péricles
O século de périclesO século de péricles
O século de péricles
 
Ficha formativa grandes_civilizacoes
Ficha formativa grandes_civilizacoesFicha formativa grandes_civilizacoes
Ficha formativa grandes_civilizacoes
 
A pólis de atenas
A pólis de atenasA pólis de atenas
A pólis de atenas
 
Ficha formativa Cultura do Mosteiro
Ficha formativa Cultura do MosteiroFicha formativa Cultura do Mosteiro
Ficha formativa Cultura do Mosteiro
 
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º anoFicha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
 
Ficha trabalho cristianismo
Ficha trabalho cristianismoFicha trabalho cristianismo
Ficha trabalho cristianismo
 
Casa Sommer
Casa SommerCasa Sommer
Casa Sommer
 

Semelhante a Ficha "A Cultura do Palco"

Memorial do Convento: o tempo histórico
Memorial do Convento: o tempo históricoMemorial do Convento: o tempo histórico
Memorial do Convento: o tempo histórico
mariacel
 
Glossário para compreender Memorial do Convento
Glossário para compreender Memorial do ConventoGlossário para compreender Memorial do Convento
Glossário para compreender Memorial do Convento
ancrispereira
 
História da Cultura e das Artes - A cultura do palco
História da Cultura e das Artes - A cultura do palcoHistória da Cultura e das Artes - A cultura do palco
História da Cultura e das Artes - A cultura do palco
João Couto
 
Sociedade De Ordens
Sociedade De OrdensSociedade De Ordens
Sociedade De Ordens
restauracao
 
O absolutismo e a sociedade de corte 2308
O absolutismo e a sociedade de corte 2308O absolutismo e a sociedade de corte 2308
O absolutismo e a sociedade de corte 2308
nanablue2007
 
Saraus no séc. XVIII
Saraus no séc. XVIIISaraus no séc. XVIII
Saraus no séc. XVIII
andreaires
 
Absolutismo mercantilismo
Absolutismo   mercantilismoAbsolutismo   mercantilismo
Absolutismo mercantilismo
Kelly Delfino
 

Semelhante a Ficha "A Cultura do Palco" (20)

Hca-11º Ano[m6 a cultura do palco]p1
Hca-11º Ano[m6 a cultura do palco]p1Hca-11º Ano[m6 a cultura do palco]p1
Hca-11º Ano[m6 a cultura do palco]p1
 
Memorial do Convento: o tempo histórico
Memorial do Convento: o tempo históricoMemorial do Convento: o tempo histórico
Memorial do Convento: o tempo histórico
 
Glossário para compreender Memorial do Convento
Glossário para compreender Memorial do ConventoGlossário para compreender Memorial do Convento
Glossário para compreender Memorial do Convento
 
História da Cultura e das Artes - A cultura do palco
História da Cultura e das Artes - A cultura do palcoHistória da Cultura e das Artes - A cultura do palco
História da Cultura e das Artes - A cultura do palco
 
Arte Barroca, Luís XIV, Palácio de Versalhes
Arte Barroca, Luís XIV, Palácio de VersalhesArte Barroca, Luís XIV, Palácio de Versalhes
Arte Barroca, Luís XIV, Palácio de Versalhes
 
Sociedade De Ordens
Sociedade De OrdensSociedade De Ordens
Sociedade De Ordens
 
A-Cultura-Do-Palco-Modulo-6.pdf
A-Cultura-Do-Palco-Modulo-6.pdfA-Cultura-Do-Palco-Modulo-6.pdf
A-Cultura-Do-Palco-Modulo-6.pdf
 
O absolutismo e a sociedade de corte 2308
O absolutismo e a sociedade de corte 2308O absolutismo e a sociedade de corte 2308
O absolutismo e a sociedade de corte 2308
 
história(2).pdf
história(2).pdfhistória(2).pdf
história(2).pdf
 
1181
11811181
1181
 
O barroco
O barrocoO barroco
O barroco
 
K o jogo do poder centralização e descentralizaçao_cap_5
  K  o jogo do poder centralização e descentralizaçao_cap_5  K  o jogo do poder centralização e descentralizaçao_cap_5
K o jogo do poder centralização e descentralizaçao_cap_5
 
musica no tempo de d. joão V
musica no tempo de d. joão Vmusica no tempo de d. joão V
musica no tempo de d. joão V
 
Saraus no séc. XVIII
Saraus no séc. XVIIISaraus no séc. XVIII
Saraus no séc. XVIII
 
A França no contexto do sistema internacional no Século XVII.pptx
A França no contexto do sistema internacional no Século XVII.pptxA França no contexto do sistema internacional no Século XVII.pptx
A França no contexto do sistema internacional no Século XVII.pptx
 
A CULTURA DO PALÁCIO.pptx
A CULTURA DO PALÁCIO.pptxA CULTURA DO PALÁCIO.pptx
A CULTURA DO PALÁCIO.pptx
 
01 cultura palco muitos palcos um espetaculo blogue
01 cultura palco muitos palcos um espetaculo blogue01 cultura palco muitos palcos um espetaculo blogue
01 cultura palco muitos palcos um espetaculo blogue
 
Resumo aula 19 Absolutismo.pptx
Resumo aula 19 Absolutismo.pptxResumo aula 19 Absolutismo.pptx
Resumo aula 19 Absolutismo.pptx
 
Absolutismo europeu
Absolutismo europeuAbsolutismo europeu
Absolutismo europeu
 
Absolutismo mercantilismo
Absolutismo   mercantilismoAbsolutismo   mercantilismo
Absolutismo mercantilismo
 

Mais de Ana Barreiros

Pintura do quattrocento
Pintura do quattrocentoPintura do quattrocento
Pintura do quattrocento
Ana Barreiros
 
O aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte goticaO aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte gotica
Ana Barreiros
 
As artes na atualidade
As artes na atualidadeAs artes na atualidade
As artes na atualidade
Ana Barreiros
 
Cultura do espaço virtual
Cultura do espaço virtual Cultura do espaço virtual
Cultura do espaço virtual
Ana Barreiros
 
A arquitetura da 1ª metade século xx
A arquitetura da 1ª metade século xxA arquitetura da 1ª metade século xx
A arquitetura da 1ª metade século xx
Ana Barreiros
 
A arte abstrata depois da 2ª guerra
A arte abstrata depois da 2ª guerraA arte abstrata depois da 2ª guerra
A arte abstrata depois da 2ª guerra
Ana Barreiros
 
Os caminhos da abstracao formal
Os caminhos da abstracao formalOs caminhos da abstracao formal
Os caminhos da abstracao formal
Ana Barreiros
 
Surrealismo e neorealismo
Surrealismo e neorealismoSurrealismo e neorealismo
Surrealismo e neorealismo
Ana Barreiros
 
O mundo comunista desenvolvimento e ruturas
O mundo comunista   desenvolvimento e ruturasO mundo comunista   desenvolvimento e ruturas
O mundo comunista desenvolvimento e ruturas
Ana Barreiros
 
O dinamismo económico do mundo capitalista
O dinamismo económico do mundo capitalistaO dinamismo económico do mundo capitalista
O dinamismo económico do mundo capitalista
Ana Barreiros
 
As grandes ruturas no início do seculo xx
As grandes ruturas no início do seculo xxAs grandes ruturas no início do seculo xx
As grandes ruturas no início do seculo xx
Ana Barreiros
 

Mais de Ana Barreiros (19)

Pintura barroca na Europa
Pintura barroca na EuropaPintura barroca na Europa
Pintura barroca na Europa
 
Rubrica de avaliação
Rubrica de avaliação Rubrica de avaliação
Rubrica de avaliação
 
Lista de verificação e-atividade
Lista de verificação e-atividade Lista de verificação e-atividade
Lista de verificação e-atividade
 
O romantismo
O romantismoO romantismo
O romantismo
 
Imagens de Arquitetura Barroca
Imagens de Arquitetura BarrocaImagens de Arquitetura Barroca
Imagens de Arquitetura Barroca
 
Pintura do quattrocento
Pintura do quattrocentoPintura do quattrocento
Pintura do quattrocento
 
O aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte goticaO aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte gotica
 
Escultura romana
Escultura romanaEscultura romana
Escultura romana
 
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºGA modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
 
As artes na atualidade
As artes na atualidadeAs artes na atualidade
As artes na atualidade
 
Cultura do espaço virtual
Cultura do espaço virtual Cultura do espaço virtual
Cultura do espaço virtual
 
A arquitetura da 1ª metade século xx
A arquitetura da 1ª metade século xxA arquitetura da 1ª metade século xx
A arquitetura da 1ª metade século xx
 
A arte abstrata depois da 2ª guerra
A arte abstrata depois da 2ª guerraA arte abstrata depois da 2ª guerra
A arte abstrata depois da 2ª guerra
 
Arte abstrata
Arte abstrataArte abstrata
Arte abstrata
 
Os caminhos da abstracao formal
Os caminhos da abstracao formalOs caminhos da abstracao formal
Os caminhos da abstracao formal
 
Surrealismo e neorealismo
Surrealismo e neorealismoSurrealismo e neorealismo
Surrealismo e neorealismo
 
O mundo comunista desenvolvimento e ruturas
O mundo comunista   desenvolvimento e ruturasO mundo comunista   desenvolvimento e ruturas
O mundo comunista desenvolvimento e ruturas
 
O dinamismo económico do mundo capitalista
O dinamismo económico do mundo capitalistaO dinamismo económico do mundo capitalista
O dinamismo económico do mundo capitalista
 
As grandes ruturas no início do seculo xx
As grandes ruturas no início do seculo xxAs grandes ruturas no início do seculo xx
As grandes ruturas no início do seculo xx
 

Último

Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
sfwsoficial
 

Último (20)

Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdfSistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 

Ficha "A Cultura do Palco"

  • 1. ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA IBN MUCANA História da Cultura e das Artes – 11ºF – 2012/2013 Ficha formativa 1 _________________________________________________________________________________________ Módulo 6 – A Cultura do Palco 1. Caracteriza o século XVII nos seus aspetos económicos, sociais, políticos e religiosos. - Aspetos económicos: economia essencialmente agrícola; desenvolvimetno do capitalismo comercial devido ao comércio colonial; frequentes críses agrícolas no decorrer do século XVII; aplicação do mercantilismo, uma política económica proteccionista que pretendia aumentar a riqueza de um país através do aumento das exportações e da diminuição das importações; - Aspetos sociais: sociedade de ordens ou seja, uma sociedade assente no princípio da desigualdade social através do nascimento e do estatuto jurídico; regista-se o predomínio social do clero e da nobreza e a ascensão económica da burguesia; - Aspetos políticos: época de centralização do poder real, justificado pela prigem divina do poder real, o que levou à criação de um aparelho administrativo centralizado; - Aspetos religiosos: época conturbado a nível religioso com disputas e lutas entre protestantes e católicos, depois de, no século XVI, se ter iniciado a Reforma Protestante e, como reação, a Igreja Católica ter procedido à Contra-Reforma. 2. Descreve os reflexos do absolutismo régio na arte. A arte surge como elemento de propaganda, quer nas reformas nas capitais, quer na construção de enormes palácios, com sumptuosos jardins, pinturas, esculturas, espelhos, móveis e tapeçarias, onde se realizam luxuosas festas (teatro, música e dança). A centralização do poder real vai permitir, portanto, um incremento das artes. 3. Em que consistiu a Guerra dos 30 anos? A Guerra dos Trinta Anos (1618-1648) é a denominação genérica de uma série de guerras que diversas nações europeias travaram entre si a partir de 1618, especialmente na Alemanha, por motivos variados: rivalidades religiosas, dinásticas, territoriais e comerciais. As rivalidades entre católicos e protestantes gradualmente se transformaram numa luta europeia. O conflito foi basicamente entre o Sacro Império Romano-Germânico, católico e dominado pela casa de Habsburgo, e um vasto conjunto de cidades e principados alemães protestantes, apoiados primeiro pelas principais potências anticatólicas, a Suécia e os Países Baixos, e depois também pela França católica, em mais um capítulo das antigas rivalidades entre os franceses e os Habsburgos. 4. Descreve as consequências das guerras religiosas na arte. As lutas religiosas tiveram repercussão na arte: enquanto que os católicos utilizaram as imagens religiosas (martírios e êxtases de santos) e construíram inúmeras igrejas, os protestantes proibiram a idolatria e vão limitar-se a representar retratos, paisagens e cenas do quotidiano. 5. Justifica a relação que se pode estabelecer entre a Idade Média e o Barroco quanto à finalidade da produção arquitetónica.
  • 2. Tal como na Idade Média, tamém no século XVII a arte barroca vai ser utilizada pela Igreja, após o movimento da Contra-Reforma como um veículo de mensagem ideológica, através dos estímulos à emoção e ao sentimento. Daí a utilização da imagem plástica, quer visual quer auditiva, como meios de propaganda e de doutrinação católicos. 6. Quando foi, porque ocorreu e que países envolveu a Guerra de Sucessão de Espanha? A Guerra de Sucessão de Espanha desenrolou-se entre 1702 e 1714 após a morte de Carlos II, sem ter descendentes diretos. Disputou-se entre Filipe, duque de Anjou (neto de Luís XIV), apoiado pela França e pela Baviera, e José Fernando da Baviera (neto de Leopoldo I, arquiduque da Áustria), com o apoio de, por exemplo, Inglaterra e Portugal. 7. Quais as decisões mais importantes do tratado de Utreque? Repartição de territórios: - Filipe V: fica na posse do reino de Espanha e das colónias espanholas na América - Áustria: Países Baixos Espanhóis, Nápoles, Milão e Sardenha - Inglaterra: Gibraltar e Minorca (Espanha); territórios coloniais na América do Norte (França) 8. Descreve as consequências para a França e para os países envolvidos. A França vê terminada a sua tentativa de hegemonia na Europa, enquanto a Inglaterra vê reforçada a sua posição na América do Norte. 9. Caracteriza a atuação de Luís XIV. • defensor do absolutismo régio, afirma-se “rei-sol” e identifica-se cm o Estado • limita os poderes da burguesia, do Parlamento e do clero • transfere a corte para Versalhes, onde constrói um palácio magnificente como forma de demonstrar o seu poder e onde a vida girava à sua volta • nomeou Colbert como ministro das finanças, cuja política mercantilista permitiu enriquecer o Estado (=rei) francês e, portanto, proceder à sua política de ostentação 10. Partindo do exemplo de Versalhes, descreve a vida nas cortes europeias deste período, integrando-a no contexto sociopolítico. • O rei atraia à corte inúmeros funcionários e conselheiros da nobreza tradicional, seduzidos pela expectativa de uma mercê ou favor real • desta forma, o rei controlava e disciplinava a nobreza, que se degladiava entre ela por um favor real • O código de comportamento e de etiquetas, às quais a nobreza tinha de obedecer, permitia a total subordinação desse grupo à vontade real, fazendo com que dependesse inteiramente dos seus favores • A nobreza distraía-se com uma vertigem de festas, bailes, cerimónias, caçadas, jogos, representações teatrais, torneios, sessões de leitura
  • 3. • A corte era o palco onde o rei é a personagem principal e os nobres meros figurantes • Objetivo: exibir e exaltar o poder real, de forma a subordinar a corte ao esplendor real • Palácio e jardins como autênticos palcos • Espetáculos organizados de forma espetacular, nos quais muitas vezes a própria corte e o rei participavam. 11. Integra a“La cérémonie turque”, em “Le Bourgeois Gentilhomme” (1670) nas festividades realizadas na corte de Luís XIV. O gosto da corte absolutista de Versalhes pela encenação do poder e pelo artifício, por espectáculos que associavam a representação à dança ou pelo «ballet de cour» levou ao desenvolvimento do teatro e ao aparecimento, desenvolvimento e difusão da ópera. Grandes festas da corte (exemplos): • as festas são manifestações da grandeza do anfitrião; • a magnificência da corte absolutista materializava uma encenação aparatosa, que buscava a pompa e o artifício; • em Versalhes, eram frequentes as representações de textos dançáveis, ou «ballet de cour», em que a acção dançada era construída sobre um poema e executada pela própria corte. Gosto pelo espectáculo encenado (exemplos): • edificação do Palais Royal, o primeiro teatro francês construído em espaço fechado, e surgimento da ópera de Versalhes; • Luís XIV e a sua corte cultivaram o gosto por espectáculos que fundiam a representação e a dança, como a comédia-ballet, de Jean-Baptiste Lully e Molière: Le Bourgeois Gentilhomme; • “Le Bourgeois Gentilhomme”, com texto de Molière e música de Lully, é uma sátira social às pretensões de grandeza dos novos ricos, que desejam aparentar o que não são (grupo personificado pelo protagonista, Monsieur Jordain), associando o teatro, a música e a dança. Durante a Cerimónia Turca, no IV Ato, Cléonte, o pretendente à mão de sua filha Lucille, disfarçado de turco (filho do Grande Turco), numa cerimónia burlesca cheia de movimento, cor e exotismo, vê Monsieur Jourdin aceitar o seu casamento com a sua filha. • desenvolvimento do estudo das condições técnicas e acústicas; • maior complexidade dos cenários. 12. Demonstra que a igreja era um palco ao serviço da religião e da Igreja. A igreja como espaço físico foi utilizado como um palco pela Igreja como instituição na sua luta contra o protestantismo (Contra-Reforma) e como local de doutrinação e de sedução dos crentes, onde todos os sentidos serão exacerbados de forma a intensificar a fé. 13. Descreve o papel desempenhado pelas academias na vida cultural da época.
  • 4. As academias proporcionaram em França um estilo onde eram impostos a ordem, a unidade, a harmonia e o gosto pela grandeza da Antiguidade Clássica. Foram utilizadas por Luís XIV como forma de impor aos artistas a obediência ao gosto real, ou seja, ao estilo oficial. Daí a permanência do Classicismo em França, aliado à adoção da linguagem decorativa do Barroco. 14. Justifica o termo “revolução científica” aplicado ao século XVII. Devido ao aparecimetno do método científico no século XVII, várias áreas do conhecimento conheceram um grande desenvolvimento, com o aparecimento de importantes descobertas: Galileu e a comprovação da teoria heliocêntrica, a lei da gravidade de Newton, a descoberta da circulação sanguinea por Harvey, Lavoisier e a química moderna, etc. O século XVII foi, portanto, um período de transição entre as formas tradicionais de vivência religiosa e o novo mundo emergente de uma sociedade secularizada e pragmática, decorrente da Revolução Científica. 15. Descreve o objetivo, a função e as características da arte barroca, distinguindo-a da arte renascentista. A função da arte barroca é fascinar pelos sentidos e servir de veículo de uma mensagem ideológica. Destina-se, portanto, ao grande público, e tem como principal objetivo estimular as emoções. Por isso, opõe-se à arte renascentista porque tem como principais características o movimento curvilíneo, real ou aparente, a assimetria, o jogo ostentatório entre luz e sombra, a busca do infinito e a procura do teatral e do fantástico. 16. Relaciona a Contra-Reforma com o aparecimento da arte barroca. Devido ao moveimento da Reforma protestante, iniciado por Lutero após a afixação das 95 Teses contra a indulgências, vai fazer surgir o movimento da Contr-Reforma, como meio de lutar contra a expansão do protestantismo. Daí que a arte passe a ser encarada como veículo de doutrinação, através do apelo às emoções e aos sentidos. 17. Descreve o urbanismo implementado no século XVII na cidade de Roma. O Papa Sisto V promoveu a reforma urbanística de Roma de forma a resolver problemas urbanísticos da cidade e a ligar os principais lugares religiosos à Basílica de S. Pedro, permitindo a inauguração do urbanismo moderno. Na remodelação da cidade, são construídas amplas artérias, abertas praças, onde se destaca a igreja como símbolo da comunidade, e são colocados obeliscos, esculturas e fontes com jogos de água. Roma torna-se uma cidade-espetáculo, símbolo do poder papal, com dinamismo, esplendor e extensão. 18. Indica os elementos da arquitetura renascentista que permanecem na arquitetura barroca. Permanecem: as ordens clássico-renascentistas (jónica, dórica, coríntia, compósita e colossal, às quais é acrescentada a coluna torsa), a gramática formal (as colunas, os entablamentos e os frontões quebrados com cartelas e duplos) e as regras construtivas (proporções “à medida do Homem”). 19. Demonstra de que forma a arquitetura barroca corresponde a uma nova linguagem decorativa.
  • 5. • Fim da estaticidade e da simetria; busca da fantasia e do movimento • antítese espaço interior / espaço exterior • Aliança com pintura, escultura, jardinagem, jogos de água • Efeitos perspéticos e ilusórios através da decoração (linhas estruturais divergentes para dar maior amplitude, jogos de claro-escuro e massas salientes e reentrantes), nomeadamente nos tetos e nas cúpulas • Elementos construtivos meramente decorativos: movimento ascensional das fachadas, através das colunas torsas, helicoidais, duplas ou triplas e dos frontões centrais • Paredes ondulantes: côncavas e/ou convexas, permitindo um efeito de surpresa e efeitos luminosos; cobertura interior feita de estuques, pintura ou retábulos em talha dourada; Ilusão de espaço maior, pela ligação parede/teto • Porta principal: acumulação de ornamentação para transmitir numa ilusão de verticalidade; a torre sineira como elemento independente, que reforça a verticalidade • Decoração interior: exuberância decorativa pela utilização de mármores policromados, esculturas, retábulos, telas, órgãos e pinturas a fresco com a utilização da técnica de Trompel’oeil ; os janelões, janelas e cúpulas com lanternim permitiam a entrada de luz celestial, ascendendo ao infinito, na procura de Deus 20. Descreve os outros elementos formais da arquitetura barroca (planta, fachada, cobertura). • Plantas retangulares (nave central alonga-se + naves laterais reduzidas a capelas abertas para o espaço central), elíptico-transversais e elíptico-longitudinais • Coberturas: abóbadas com contrafortes exteriores (com volutas, aletas ou orelhões); cúpula colossal (= céu) prolonga harmoniosamente as paredes • Fachadas: esquema renascentista e maneirista (corpo central rematado por grande frontão+ verticalidade); fachada com dois andares sobrepostos, com formas onduladas (côncavas /convexas)+ irregularidade bizarra 21. Identifica alguns dos mais importantes arquitetos italianos da época. • Giacomo della Porta (1533-1602) e Vignola (1507-73) – maneirismo e Contra-Reforma • Carlo Maderno (1576-1636) – Primeiro arquitecto barroco • Gian-Lorenzo Bernini (1598-1680) – Igreja de S. André do Quirinal • Francesco Borromini (1599-1667) – Igreja de S. Carlos das Quatro Fontes • Baltazar Longhena (1598-1682) – Igreja de S. Maria da Saúde (1631,Veneza) 22. Relaciona a arquitetura civil com a tentativa de afirrnação do poder político e social. A construção de palácios nas cidades e de villas por parte de reis, nobres e burgueses, foi expressão do poder absoluto por parte dos reis, da importânica social e política da nobreza e do poder económico da burguesia.
  • 6. 23. Descreve os elementos formais que caracterizam os palácios e as villas. • Palácios: ◊ Integrados na paisagem e no espaço envolvente (jardins) ◊ planta em U ou duplo U ◊ Fachada: pilastras colossais, corpo central e portal com maior decoração, frontarias rm U ou em formas onduladas (esquema côncavo – convexo – côncavo) ◊ Interiores: 1º andar (pinao nobile): sala de festas ao centro; galerias e escadarias a ligar os andares (dois lanços simétricos) • Villas: ◊ Diálogo com a natureza: jardins arquiteturais (escadarias, terraços, estátuas) e utilização de artifícios cenográficos (bosques, grutas artificiais, pavilhões, labirintos) ◊ O “jardim à francesa”: conceção arquitetónica geometrizante; a partir de um eixo central, subdividia-se o jardim simetricamente em linhas transversais e radiais 24. Apresenta os aspetos da escultura barroca que a tornaram a forma de arte mais difundida da época. A escultura foi a arte mais praticada e difundida neste período porque foi associada à arquitetura e à pintura, colocada isoladamente em praças e jardins ou sobre os mais variados objetos. As razões devem-se à sua adaptabilidade a interiores e exteriores e às suas capacidades plásticas: a modelação de volumes (realismo tridimensional), a dialética de contrastes (luz/sombra), o movimento e expressividade, a cenografia das composições. 25. Descreve a função simbólica da escultura barroca, dos relevos e das esculturas de vulto redondo, religiosas ou laicas. A escultura foi utilizada pela Igreja na transmissão da fé e dos dogmas e no reforço da mensagem espiritual, pelos Reis na manifestação pública do seu poder e na divulgação da ordem ideológica que o fundamenta, e pelas famílias ricas como manifestação do seu individualismo e gosto pelo quotidiano. 26. Refere os aspetos da expressão técnico-formal que caracterizam a escultura barroca. • preferência por grupos escultóricos (rutura do bloco único); • procura do efeito cenográfico na composição (teatralidade dos gestos e dos movimentos e preocupação pelo enquadramento da peça); • Perfeição das formas (anatomias de cânones renascentistas mas de proporções mais esguias), modeladas com pormenores de realismo e naturalismo levados ao exagero (grande rigor na execução técnica) • dinamismo na composição e sugestão de movimento ( composições livres e soltas organizadas segundo esquemas complexos, formando grupos escultóricos no qual as personagens são
  • 7. captadas em ação, como num instatâneo fotográfico; exploração das capacidades expressivas das personagens); • utilização dos panejamentos para dar volume e agitação à composição. • procura dos efeitos de contraste de textura e de cor • valorização da figura do Papa e dos Santos; • Escultura de vulto-redondo: nichos, consolas ou mísulas nas fachadas dos edifícios ou paredes interiores; filas horizontais sobre os parapeitos das pontes e dos áticos dos edifícios, escadarias e colunatas; estátuas-colunas sustentando tetos e entablamentos: atlantes (figuras masculinas) e cariátides (figuras femininas); monumentos escultóricos, com mistura de estatuária, relevos e elementos arquitetónicos : baldaquinos, retábulos e mausoléus 27. Descreve os aspetos inovadores da obra de Bernini. A escultura de Bernini (Apolo e Dafne, O Êxtase de Sta. Teresa de Ávila, David, Plutão e Proserpia), ao captar o estado de alma da personagem com expressividade e dramatismo, pretendeu atrair os fiéis e estimular a piedade e o culto, segundo os princípios tridentinos (Concílio de Trento). Temática (exemplos): • temas relacionados com a Bíblia (a figura de Cristo, a Sagrada Família); • temas marianos; • temas relacionados com a vida e o culto dos santos; • representação do êxtase místico. Expressão técnico-formal (exemplos): • expressividade exacerbada pelo dramatismo do movimento; • modelação agitada dos volumes; • Posições em desequilíbrio • Sentido ascendente das figuras • contraste luz/sombra; • contraste das texturas (liso/rugoso). Intencionalidade (exemplos): • captação da atenção do espectador pela expressão do «pathos»; • estímulo à piedade e ao culto; • Interiorização dos dogmas religiosos • Elevação do espirito 28. Relaciona a função da pintura barroca com as suas características gerais. A pintura barroca, tal como as outras formas de arte nasceu em Itália e foi a aplicação dos princípios propostos pela Igreja da Contra-Reforma. A Igreja, através da sedução dos sentidos, tentou captar a atenção e a fé das multidões, ao contrário do espírito racional que tinha caracterizado o Renascimento. Daí que o objetivo da pintura barroca seja o deslumbramento, a surpresa, a encenação e a luza,
  • 8. integrando um “espetáculo” que se queria total. Estes objetivos têm reflexos nas características da pintura barroca: a irracionalidade, os contrastes, a exuberância, o dramatismo e os ambientes grandiosos. 29. Reconhece as diferentes tendências e a diversidade temática da pintura barroca. • Classicismo: Carraci + Poussin + Lorrain • Naturalismo: Caravaggio + Ribera • Realismo: Vermeer + Rembrandt 30. Descreve as características técnico-formais da pintura barroca • Diversidade temática: temas religiosos, temas profanos, temas mitológicos, retratos, paisagens, naturezas mortas • Representação do momento, dando ênfase à ação • Linha do horizonte delineada abaixo do normal para dar primazia aos elementos representados e destacar as figuras representadas • Composição aberta, onde o espaço compositivo se define em movimentos centrífugos, ou seja, de dentro para fora • sobreposição de formas para conseguir a profundidade, sem descontinuidades, preservando a unidade do espaço • formas dinâmicas e sinuosas, enquadradas ou combinadas com estruturas poligonais (triângulo, quadrado e sosango) e com formas circulares ou ovaladas • União plástica da luz/sombra e da cor para focalizar a atenção nos principais elementos da composição (por vezes de forma artificial); os restantes elementos ficam diluídos na penumbra: a luz rasante chama a atenção para determinadas zonas do quadro, orientando a leitura; a cor pura e cálida tem como objetivo captar e sensibilizar o espectador 31. Descreve os aspetos inovadores da pintura de Caravaggio. Inovação técnica e formal na pintura de Caravaggio: • O aspecto mais notável da sua obra é o tratamento da luz:a luz, rasante e descontínua, ilumina o essencial da composição; • acentua-se o contraste claro-escuro, ao pintar o fundo da tela com tons escuros – tenebrismo: a luz é projetada sobre as formas, por vezes com violência, e em contraste intenso e brusco com as sombras; as figuras e as cenas sobressaem num fundo sem fundo. • a intensidade dramática é introduzida na composição através da luz, da cor e do realismo da figuração; • as personagens são representadas a partir de modelos de pessoas comuns, homens e mulheres do povo;
  • 9. • a representação do sagrado aproxima-se do profano, ao representar a realidade visível em vez da beleza idealizada 32. Descreve as técnicas utilizadas na pintura mural. Nas paredes e nos tetos das igrejas e dos palácios foram utilizadas as seguintes técnicas: - trompe-l’oeil - truques de perspetiva que criam uma ilusão óptica de objetos ou formas que não existem realmente - soto in sú – perspetiva vista de baixo para cima, transmitindo a noção de espaço místico - Quadri riportati – Imitação dos quadros de cavalete inscritos nas paredes ou nos tetos 33. Demonstra a presença da arte barroca noutros países europeus. Arquitetura: • Barroco exuberante: Alemanah (Palácio de Sanssouci, Palácio Zwinger), Áustria (Palácio Belvedere, Igreja de S. Carlos Borromeo), Flandres (Praça de Bruxelas) • Tradição gótica e divulgação do classicismo francês: Inglaterra (Catedral de S. Paulo, Londres Escultura: • Países Baixos: Túmulo de GUilherme I, Estátua do Túmulo do Arcebispo André Crueson • Alemanha: Adrien de Vries, Johannes Juncker Pintura: • Bélgica: Pieter Paul Rubens - formação em Itália; pintor oficial e diplomata mais influente da corte do rei de Espanha nos Países Baixos; pintor da Europa da Contra-Reforma; pintura requintada, sensual e faustosa cor e forma); temas: retratos, temas religiosos e mitológicos • Holanda: pintura executada em reduzidas dimensões, feita para casas de gente vulgar e comerciada livremente, daí a sua grande diversidade temática (com destaque para os obetos e as jarras) e o elevado realismo; William Heda, Jan de Heem, Jan de Vermeer, Franz Hals, Rembrandt e Jacob von Ruysdael Espanha: presença forte do Barroco devido ao absolutismo régio e à forte ação da Contra-Reforma (Inquisição) – o século XVII como o “século de ouro” da arte espanhola • Palácio de San Lorenzo do Escorial, mandado construir por Filipe II em 1562, como tentativa de reproduzir o templo de Salomão e como forma de conciliar o poder divino e poder temporal; exerceu influência sobre toda a arquitetura espanhola e até francesa • Predomínio da escultura em madeira policromada • José de Ribera: pintura à maneira de Caravaggio; sensualidade e dramatismo próprios; utilização de pessoas do povo como modelos; grande realismo; contrastes luz/sombra e cor • Diego Vélasquez: pintor oficial da corte espanhola; composição cuidada (jogos espaciais reais e imaginados); formas tratadas com pequenas manchas de cor com leitura apenas à distância; múltiplos focos de luz; cariz fotográfico e humano
  • 10. • Francisco Zurbarán: realismo das naturezasmortas; temas religiosos tratados como assuntos rotineiros e vulgares • Bartolomé Esteban Murillo: elevado naturalismo, repleto de serenidade e suavidade, com quase ausência de simbolismo 34. Insere o uso da talha e do azulejo no contexto do Barroco português. - Situação político-económica no século XVII: domínio filipino, Guerra da Restauração, Crise dinástica (D. Afonso VI / D. Pedro III), Inquisição - Período de esplendor no século XVIII (D. João V e D. José I): a afirmação do absolutismo régio e a chegada do ouro do Brasil permitem o apoio às artes e à cultura - utilização do azulejo para revestir grandes superfícies parietais, convertendo os espaços em verdadeiros panos cenográficos; usados como revestimento decorativo e como forma narrativa