SlideShare uma empresa Scribd logo
Módulo 8
A Cultura da Gare
O Romantismo
11º Ano HCA Curso Profissional de Design de Moda Prof. Carla Freitas
Romantismo (1789/1820-1850)
Romantismo: nova corrente cultural
•Reação ao Neoclassicismo
•Corrente antirracionalista (valorização dos
sentimentos e emoções)
•Época de contradições:
– Individualismo, Humanismo, Nacionalismo
valorização do passado de cada Nação
Valorização da cultura popular
Povo anónimo = a alma das nações
– Idealismo revolucionário
Herói romântico e popular
– Época de desilusões:
com a Industrialização e a urbanização, que levam ao
aparecimento de graves problemas sociais
com a “reacção burguesa” que se torna a classe
dominadora e abandona os ideais humanistas
Aparecimento de correntes filosóficas como a de
Kant, Schelling e pessimismo de Schopenhauer.
A Liberdade guiando o povo.
Eugène Delacroix
Romantismo (1789/1820-1850)
Princípios do Romantismo:
•Interioridade do Homem
– Valorização das emoções, sentimentos,
devaneios e fantasias
– Fuga do real
•Isolamento da Alma
– Comunhão com a natureza
– Exaltação do mundo rural (bucólico e puro)
– Gosto pelo exótico, pitoresco, primitivo
•Valorização do passado histórico
– Idealização do período medieval (literatura,
ruínas, teoria da arte)
•Arte = Inspiração e Criação
– Não obedece a regras académicas
– Obedece a impulsos pessoais – “revelação
da alma”
Auto-retrato (O Homem desesperado)
Gustave Courbet, c. 1843
ROMANTISMO - ARQUITETURA
Romantismo - Arquitetura
Características Gerais
•Valorização da decoração em detrimento dos
aspetos técnico-formais
•Irregularidade espacial e volumétrica
•Formas orgânicas
•Efeitos de luz
•Movimento dos planos
•Pitoresco das decorações
•Objetivos
– Estimular a imaginação e os sentidos
– Provocar encantamento e evasão
– Convidar ao sonho e à fantasia
Provocar sensações, estados de espírito
Transmitir ideias
G. Von Dolmann,
Castelo de Neuschwanstein, Baviera, 1870
Romantismo - Arquitetura
Os Jardins românticos
•1ª manifestação deste
pensamento
– Mistura de características dos
jardins franceses (geometrismo
e racionalidade) com o jardim à
inglesa (natural e selvagem)
– Utilização de ruinas e pavilhões
chineses
– Imitação de espaços da
Natureza irregular e não
controlada
Jardim Terra Nostra
Ilha de São Miguel, Açores
Romantismo - Arquitetura
Jardins do Palácio da Pena
Sintra
Romantismo - Arquitetura
Jardins do Palácio da Regaleira
Sintra
Romantismo - Arquitetura
Jardins do Chalet da Condessa de Elba
Sintra
Romantismo - Arquitetura
Arquitetura
•Aspectos técnicos e estruturais
seguem as tendências da época
– Materiais industriais como o ferro e o
vidro (ferro estruturalmente e de forma
decorativa)
– Preferência por materiais naturais
•Manifestação pela forma e decoração
– Recriação de estilos do passado
(Revivalismos)
– Mistura de diversos estilos num
mesmo edifício (ecletismo)
– Estilos de outras culturas não
europeias (exotismos) Basílica de Santa Luzia
Viana do Castelo
Romantismo - Arquitetura
Charles Barry e August Pugin,
Parlamento de Londres, 1834
Romantismo - Arquitetura
James Wyatt, Abadia de Fonthill
Romantismo - Arquitetura
Château d'Abbadie, Viollet le Duc, 1860 -1870.
Romantismo - Arquitetura
Château de Pierrefonds , Viollet le Duc
Romantismo - Arquitetura
Basílica de Santa Clotilde, Paris, 1846-56
Thèodore Ballu e F. C. Bau
Romantismo - Arquitetura
G. Von Dolmann, Castelo de Neuschwanstein, Baviera, 1870
Romantismo - Arquitetura
Catedral de São Patrício , Nova Iorque 1858 -1878
James Renwick, Jr.
Romantismo - Arquitetura
Museu de História Natural, Londres
Romantismo - Arquitetura
Henri Labrouste, Biblioteca de Sta Genoveva,1843-50, Paris
Romantismo - Arquitetura
Catedral de Berlim, 1895-1905
Romantismo - Arquitetura
Paul Abadie,Igreja do Sagrado Coração, Paris, 1876-1919
Romantismo - Arquitetura
Charles Garnier, Ópera de Paris, c.1862
Romantismo - Arquitetura
Revivalismos e Ecletismos
•Interesse pela História
– nacionalismo político
– valorização tradição nacional
– exaltação do misticismo
– desilusão do presente
•Idade Média: fonte do 1º revivalismo (neo gótico)
– 1º na Inglaterra (séc. XVIII)
– Conhecimento superficial
– Aplicado em edifícios públicos e privados
•Outros neos, sobretudo ao longo séc. XIX:
– Neo-românico
– Neo-renascentista
– Neo-bizantino
– Neo-barroco
•Excentricidade, superficialidade, grandes dimensões
– “carnaval de estilos” – Ecletismo (meados século
XIX)
Catedral Naval de Kronstadt, Kronstadt,
Vasily Kosyakov, 1903-13
Romantismo - Arquitetura
Pagode Chinês, William Chambers, 1762. Royal Botanic Gardens, Kew, Inglaterra
Romantismo - Arquitetura
Jonh Nash, Pavilhão Real Brighton, 1818
Romantismo - Arquitetura
Casa Sezincote, Samuel Peppys Cockerell, 1805
Romantismo - Arquitetura
Exotismo
•Espírito romântico: inquieto e
sonhador
– gosto pelas viagens
– estampas japonesas
– individualismo e excentricidade da
burguesia
•Influências:
– Chinesa
– Japonesa
– Muçulmana/árabe
Royal Pavilion, Brighton, 1826
Romantismo – Arquitetura
Portugal
Introdução do Romantismo em Portugal
•Meados séc. XIX
•Introdutores:
– D. Fernando de Saxe-Coburgo-Gotha, marido de
D. Maria II (1816-85)
– Barão de Eschwege (1777-1855)
•Revivalismos Históricos:
– Predominância do Neomanuelino (nacionalismo)
– Neogótico (mais tardio) com poucos exemplares
• Moradias particulares
• Igrejas e capelas
• Jazigos fúnebres
– Neo-românico (só finais do séc. XIX)
•Exotismos e Ecletismos
– 2ª metade do século XIX
– Encomendas particulares de palacetes e moradias
– Influências orientais (neo-árabe)
D. Fernando
de Saxe-Coburgo-Gotha
Barão de Eschwege
Romantismo – Arquitetura
Portugal
Neomanuelino
Mosteiro Dos Jerónimos
Séc. XVII Séc. XVIII
Restauro de Cinatti e Rambois (1874); terminado já no séc. XXRestauro de Cinatti e Rambois (1874); terminado já no séc. XX
Romantismo – Arquitetura
Portugal
Neomanuelino
Palácio do Bussaco; Luigi Manini e Nicolau Bigaglia; 1888 -1907
Romantismo – Arquitetura
Portugal
Neomanuelino
Palácio da Regaleira; Sintra; Luigi Manini; 1900-1912
Romantismo – Arquitetura
Portugal
Neomanuelino
Estação do Rossio; Lisboa; José Luís Monteiro; 1886-87
Romantismo – Arquitetura
Portugal
Neogótico
Capela dos Pestanas; Porto; José de Macedo Araújo Júnior, 1878- 1890
Romantismo – Arquitetura
Portugal
Neogótico
Jazigo dos Condes do Ameal;
Coimbra; Costa Mota, c.1893 Jazigo da Família Igreja; Lisboa
Romantismo – Arquitetura
Portugal
Neogótico
Livraria Lello; Porto; Francisco Xavier Esteves, c.1906
Romantismo – Arquitetura
Portugal
Neo-românico
Challet Barros; Estoril, Cesare Ianz, 1896
Romantismo – Arquitetura
Portugal
Neo-românico
Jazigo do Visconde de Valmor; Lisboa, Álvaro Machado
Romantismo – Arquitetura
Portugal
Exotismos e Ecletismos
Praça de Touros do Campo Pequeno; Lisboa; António José Dias da Silva; c. 1892
Romantismo – Arquitetura
Portugal
Exotismos e Ecletismos
Palácio de Monserrate; Sintra; James Knowles; c. 1887
Romantismo – Arquitetura
Portugal
Exotismos e Ecletismos
Pátio do Monumental Clube (Casa do Alentejo); Lisboa; Silva Júnior; 1918
Romantismo – Arquitetura
Portugal
Exotismos e Ecletismos
Salão árabe do palácio da Bolsa; Porto; Gustavo de Sousa, 1862-68
Romantismo – Arquitetura
Portugal
Exotismos e Ecletismos
Basílica de Santa Luzia; Viana do Castelo; Ventura Terra; c. 1903
Romantismo – Arquitetura
Portugal – Caso Prático 1
Palácio da Pena
Palácio da Pena; Sintra; Von Eschwege e D. Fernando de Saxe Coburgo-Gota; 1840-47
Romantismo – Arquitetura
Portugal – Caso Prático 1
Palácio da Pena
Palácio da Pena; Sintra; Von Eschwege e D. Fernando de Saxe Coburgo-Gota; 1840-47
Romantismo – Arquitetura
Portugal – Caso Prático 1
Palácio da Pena
Palácio da Pena; Sintra; Von Eschwege e D. Fernando de Saxe Coburgo-Gota; 1840-47
Romantismo – Arquitetura
Portugal – Caso Prático 1
Palácio da Pena
Palácio da Pena; Sintra; Von Eschwege e D. Fernando de Saxe Coburgo-Gota; 1840-47
Romantismo – Arquitetura
Portugal – Caso Prático 1
Palácio da Pena
Encomendante ( e autor)
D. Fernando II)
Projeto arquitetónico:
Barão de Eschwege
Começou por ser o restauro do mosteiro
manuelino aí existente com uma residência
real anexa
•Planta
• irregular e orgânica, com desnivelamentos
Romantismo – Arquitetura
Portugal – Caso Prático 1
Palácio da Pena
Estilisticamente:
revivalismos (neomanuelino, neogótico,
neo-renascimento) e exotismos (neo-
islâmico e neo-mudéjar)
Decoração:
exuberante, revivalista, exótica, fantasista
e esotérica
Interiores:
• decoração caprichosa;
• colecções de D. Fernando
Reflete o gosto de D. Fernando II
e a mentalidade da época
Romantismo – Arquitetura
Portugal – Caso Prático 1
Romantismo - Pintura
Características Gerais
•Primado da liberdade e da criação
individual
– O artista já não tem uma
clientela precisa
•Experiência
•Sonho, imaginação
•Sentimentos, sensibilidade
•Estilos pessoais independentes (temas
e estilos:
– Obra de arte: reflexo do mundo
íntimo do artista
– Sentimento e individualismo
William BLAKE; Deus como Arquitecto
(Ilustração dos Dias Antigos)
Romantismo - Pintura
Características Gerais Comuns
•Prevalência da cor sobre o desenho
linear
•Cores variadas que exploram
contrastes fortes
•Intensos efeitos de claro/escuro
•Preferência do óleo sobre a aguarela
•Pincelada larga, fluída, vigorosa e
espontânea
•Composição de estruturas agitadas e
movimentadas (linhas oblíquas e
sinuosas)
•Representação da figura humana
acentua dramatismo e movimento. Johann Heinrich Fussli, (Henry Fuseli); Lady Macbeth
1784, óleo sobre tela, 221 x 160 cm
Musée du Louvre, Paris
Romantismo – Pintura
Temática
Eugène Delacroix (Francês,1798-1863),; A barca de Dante; 1822; óleo
sobre tela; 189 x 242 cm; Musee du Louvre, Paris
Literatura
Do passado e do presente
Romances medievais e de
cavalaria
Obras clássicas e
renascentistas:
Virgílio
Dante
Shakespeare
Romantismo – Pintura
Temática
Theodore Gericault; Os fantasmas de Paolo e Francesca aparecem a Dante e Virgílio; 1855;
óleo sobre tela, 171 x 239 cm; Musée du Louvre, Paris
Romantismo – Pintura
Temática
William BLAKE, Os amantes Whirlwind, Francesca da Rimini e Paolo Malatesta; (da Divina Comédia)1824-
27;caneta de tinta e aguarela, 374 x 530 mm
City Museum and Art Gallery, Birmingham
Romantismo – Pintura
Temática
Johann Heinrich Fussli, (Henry Fuseli); Ezzelin e Meduna; 1779; óleo sobre tela, 45,7 x 50,8 cm; Sir
John Soane's Museum, London
Romantismo – Pintura
Temática
Joseph Wright of Derby (1734-1797 Inglês)
Retrato de Susannah Leigh (1736-1804),
óleo sobre tela, (74 x 63 cm)
Retrato
Oficial, honorífico
Auto-retrato
Inovação: figuras populares,
anónimas
Subjectividade na captação
Romantismo – Pintura
Temática
Theodore Gericault , (francês, 1791-1824)
Retrato de um cleptomaníaco, 1821-24;
óleo sobre tela. Museum Van Schoone,
Kunsten, Gent
Theodore Gericault
Retrato de mulher sofrendo de cleptomania;
c. 1822, óleo sobre tela; 72 x 58 cm; Musee
des Beaux-Arts, Lyons, France
Romantismo – Pintura
Temática
BLAKE, William; Hecate e as três fadas; c. 1795; caneta e tinta
com aguarela, 430x580 mm; Tate Gallery, London
Mitologia/
Misticismo
Cristã
Clássica
Nórdica
Romantismo – Pintura
Temática
Henry Fuseli (inglês, 1741 -1825) Brunhilde
Observa Gunther, que amarrou ao tecto, 1807
Francisco de GOYA Y LUCIENTES
Saturno devorando os filhos, 1819-23
146 x 83 cm, Museo del Prado, Madrid
Romantismo – Pintura
Temática
THÉODORE GÉRICAULT
“Cavalo matizado", c. 1820-22, Christie's
Images, London
NATUREZA
Paisagem
Início do género em termos
modernos
Sem musa, sem história
Marítimas e campestres (com
ruínas, por vezes)
Céu alto, horizonte baixo
Envolvimento pessoal, emotivo,
dramático
Animalista:
Intensidade, força, dramatismo
Romantismo – Pintura
Temática
George Stubbs, (Inglês 1724-1806) – Leão devorando um cavalo, 1763
Romantismo – Pintura
Temática
Eugène Delacroix; Caçada ao leão; 1860-61; óleo sobre tela; Art Institute of Chicago
Romantismo – Pintura
Temática
Eugène Delacroix; Cavalos árabes lutando no estábulo; 1860; óleo sobre tela, 64.5 x 81 cm;
Musee d'Orsay, Paris
Romantismo – Pintura
Temática
Caspar David Friedrich; O caminhante sobre o
mar de névoa; c. 1818, óleo sobre tela
94.8 x 74.8 cm, Kunsthalle, Hamburg Caspar David Friedrich, O caçador na floresta
Romantismo – Pintura
Temática
Caspar David Friedrich, ; O mar de gelo; c. 1823-25; óleo sobre tela; 96.7 x 126.9 cm; Kunsthalle, Hamburg
Romantismo – Pintura
Temática
John Constable, Chain Pier, Brighton ; 1827; óleo sobre tela, 127 x 183 cm
Romantismo – Pintura
Temática
John Constable; Catedral de Salisbúria; c. 1825; óleo sobre tela, 88 x 112 cm
Metropolitan Museum of Art, New York
Romantismo – Pintura
Temática
Turner (Joseph Mallord William) Tempestade; 1842; óleo sobre tela, 91.5 x 122 cm
Romantismo – Pintura
Temática
Turner (Joseph Mallord William); O navio negreiro; 1840; óleo sobre tela, 90.8 x 122.6 cm;
Museum of Fine Arts, Boston
Romantismo – Pintura
Temática
Johann Heinrich Fussli; Silêncio, 1799-1801
óleo sobre tela, 63,5 x 51,5 cm
Kunsthaus, Zürich
PINTURA ONÍRICA E
FANTÁSTICA
Fantasia, imaginação, mundo
interior, subconsciente
Magia e lendas
Metafísica
absurdo
Romantismo – Pintura
Temática
Johann Heinrich Fussli; (Henry Fuseli); O pesadelo; 1781; óleo sobre tela; 127 x 102 cm; Detroit Institute of
the Arts
Romantismo – Pintura
Temática
William Blake
(inglês, 1757-1827)O Dragão Vermelho e a
mulher vestida de sol, 1805-10; aguarela
Johann Heinrich Fussli, (Henry Fuseli); TiTania
e Oberon (“Sonho de uma noite de Verão”)
óleo sobre tela
Romantismo – Pintura
Temática
Eugène Delacroix; Mulheres de Argel nos seus aposentos; 1834; óleo
sobre tela; 180 x 229 cm; Musee du Louvre, Paris
EXOTISMO
Civilizações não
europeias
Tradições, raças,
hábitos
Gosto pelo pitoresco
Romantismo – Pintura
Temática
Eugène Delacroix; A morte de Sardanapalo ; 1827 ; óleo sobre tela, 392 x 496 cm; Musee du Louvre, Paris
Romantismo – Pintura
Temática
Eugène Delacroix, Massacre de Chios
1824, óleo sobre tela (Musée du Louvre, Paris
ACTUALIDADE
Pintura de Intervencão:
Lutas nacionalistas
e libertárias
Revoltas sociais
Tragédias
Romantismo – Pintura
Temática
Eugène Delacroix, Liberdade guiando o Povo, 28 Julho 1830; 1830, óleo sobre tela (Musée du Louvre, Paris)
Romantismo – Pintura
Temática
Francisco de GOYA Y LUCIENTES ; O 3 de Maio, 1808: a execução dos defensores de Madrid; 1814; óleo
sobre tela, 266 x 345 cm; Museu do Prado, Madrid
Romantismo – Pintura
Principais artistas
William BLAKE, Nebuchadnezzar; 1795;gravaura,
446 x 620 mm; Tate Gallery, London
França:
Théodore GERICAULT
Eugène DELACROIX
Alemanha:
Gaspar David FRIEDRICH
Inglaterra:
William BLAKE
CONSTABLE
TURNER
Espanha:
GOYA
Romantismo – Pintura
Portugal
August Roquemont, Auto-retrato, s/d
Passagem lenta e tardia do neoclassicismo para
o Romantismo
Introduzida por artistas estrangeiros no país
Temáticas:
Históricas
Pintura de género:
Vida rural e costumes populares
Paisagens
Retratos
Pintura romântica:
artistas isolados
sobretudo pintura de género e paisagens
confunde-se com o Naturalismo
Romantismo – Pintura
Portugal
A. Roquemont, Juramento de Viriato
Romantismo – Pintura
Portugal
Tomás da Anunciação, Na Pastagem
Romantismo – Pintura
Portugal
Tomás da Anunciação, Caminho na Mata de Sintra
Romantismo – Pintura
Portugal
Tomás de Anunciação, “Vista da Penha de França ,Lisboa”, 1857, 68,9x105cm
Romantismo – Pintura
Portugal
Alfredo Keil, Primavera Cristino da Silva, “Auto-retrato”, 1854
50x40cm
Romantismo – Pintura
Portugal
Cristino da Silva, “5 artistas em Sintra”, 1855, 87x129cm
Romantismo – Pintura
Portugal
José Rodrigues, Penhascos da Mancha
Romantismo – Pintura
Portugal
Leonel Marques Pereira, “Festa na Aldeia”, s/d
Romantismo – Pintura
Portugal
Luís de Meneses, “Viscondesa de Meneses”, 1862
Luís Pereira de Meneses, “Viscondessa de
Meneses
Romantismo – Pintura
Portugal
Miguel Ângelo Lupi, Morte de Maria Teles
Romantismo – Pintura
Portugal
Miguel Ângelo Lupi, Serenata Napolitana
Romantismo – Pintura
Portugal
Francisco Metrass, “Camões na gruta de Macau”
Francisco Metrass, “Só Deus”, 1856
A Saber
Contextualizar o movimento romântico
Caracterizar a arquitetura do romantismo
Contextualizar o romantismo em Portugal
Caracterizar a arquitetura do romantismo em Portugal
Explicar a importância do Palácio da Pena como expoente máximo do
romantismo em Portugal
Caracterizar a pintura romântica
Identificar as diferentes temáticas da pintura romântica
Identificar os principais artistas da pintura romântica
Caracterizar a pintura romântica em Portugal
Identificar as diferentes temáticas da pintura romântica em Portugal
Identificar os principais artistas da pintura romântica em Portugal

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Rococó
RococóRococó
Rococó
Ana Barreiros
 
As grandes ruturas no início do seculo xx
As grandes ruturas no início do seculo xxAs grandes ruturas no início do seculo xx
As grandes ruturas no início do seculo xx
Ana Barreiros
 
Arquitectura romantica
Arquitectura romanticaArquitectura romantica
Arquitectura romantica
Andreia Ramos
 
Pintura barroca
Pintura barrocaPintura barroca
Pintura barroca
Ana Barreiros
 
A cultura do palco
A cultura do palcoA cultura do palco
A cultura do palco
Carlos Pinheiro
 
A Arte Rococó
A Arte RococóA Arte Rococó
A Arte Rococó
Carlos Pinheiro
 
Neoclassicismo em portugal
Neoclassicismo em portugalNeoclassicismo em portugal
Neoclassicismo em portugal
Ana Barreiros
 
O romantismo na arquitetura e na pintura
O romantismo na arquitetura e na pinturaO romantismo na arquitetura e na pintura
O romantismo na arquitetura e na pintura
Carlos Pinheiro
 
A cultura da gare contexto
A cultura da gare contextoA cultura da gare contexto
A cultura da gare contexto
cattonia
 
A cultura do cinema
A cultura do cinemaA cultura do cinema
A cultura do cinema
Tekas1967
 
A cultura da gare
A cultura da gareA cultura da gare
A cultura da gare
Catarina Barbosa
 
Naturalismo e Realismo na Pintura
Naturalismo e Realismo na PinturaNaturalismo e Realismo na Pintura
Naturalismo e Realismo na Pintura
Carlos Pinheiro
 
Palácio da Pena - caso prático
Palácio da Pena - caso práticoPalácio da Pena - caso prático
Palácio da Pena - caso prático
Hca Faro
 
Módulo 8 - Naturalismo e Realismo
Módulo 8 - Naturalismo e RealismoMódulo 8 - Naturalismo e Realismo
Módulo 8 - Naturalismo e Realismo
Carla Freitas
 
A Morte de Marat, David - A Cultura do Salão: caso prático 3
A Morte de Marat, David - A Cultura do Salão: caso prático 3A Morte de Marat, David - A Cultura do Salão: caso prático 3
A Morte de Marat, David - A Cultura do Salão: caso prático 3
Hca Faro
 
O romantismo
O romantismoO romantismo
O romantismo
Ana Barreiros
 
Módulo 7 arquitetura neoclássica
Módulo 7   arquitetura neoclássicaMódulo 7   arquitetura neoclássica
Módulo 7 arquitetura neoclássica
Carla Freitas
 
Rococó, HCA 11º
Rococó, HCA 11ºRococó, HCA 11º
Rococó, HCA 11º
Valeriya Rozhkova
 
A Arte Neoclássica
A Arte NeoclássicaA Arte Neoclássica
A Arte Neoclássica
Carlos Pinheiro
 
A cultura da gare
A cultura da gareA cultura da gare
A cultura da gare
Ana Barreiros
 

Mais procurados (20)

Rococó
RococóRococó
Rococó
 
As grandes ruturas no início do seculo xx
As grandes ruturas no início do seculo xxAs grandes ruturas no início do seculo xx
As grandes ruturas no início do seculo xx
 
Arquitectura romantica
Arquitectura romanticaArquitectura romantica
Arquitectura romantica
 
Pintura barroca
Pintura barrocaPintura barroca
Pintura barroca
 
A cultura do palco
A cultura do palcoA cultura do palco
A cultura do palco
 
A Arte Rococó
A Arte RococóA Arte Rococó
A Arte Rococó
 
Neoclassicismo em portugal
Neoclassicismo em portugalNeoclassicismo em portugal
Neoclassicismo em portugal
 
O romantismo na arquitetura e na pintura
O romantismo na arquitetura e na pinturaO romantismo na arquitetura e na pintura
O romantismo na arquitetura e na pintura
 
A cultura da gare contexto
A cultura da gare contextoA cultura da gare contexto
A cultura da gare contexto
 
A cultura do cinema
A cultura do cinemaA cultura do cinema
A cultura do cinema
 
A cultura da gare
A cultura da gareA cultura da gare
A cultura da gare
 
Naturalismo e Realismo na Pintura
Naturalismo e Realismo na PinturaNaturalismo e Realismo na Pintura
Naturalismo e Realismo na Pintura
 
Palácio da Pena - caso prático
Palácio da Pena - caso práticoPalácio da Pena - caso prático
Palácio da Pena - caso prático
 
Módulo 8 - Naturalismo e Realismo
Módulo 8 - Naturalismo e RealismoMódulo 8 - Naturalismo e Realismo
Módulo 8 - Naturalismo e Realismo
 
A Morte de Marat, David - A Cultura do Salão: caso prático 3
A Morte de Marat, David - A Cultura do Salão: caso prático 3A Morte de Marat, David - A Cultura do Salão: caso prático 3
A Morte de Marat, David - A Cultura do Salão: caso prático 3
 
O romantismo
O romantismoO romantismo
O romantismo
 
Módulo 7 arquitetura neoclássica
Módulo 7   arquitetura neoclássicaMódulo 7   arquitetura neoclássica
Módulo 7 arquitetura neoclássica
 
Rococó, HCA 11º
Rococó, HCA 11ºRococó, HCA 11º
Rococó, HCA 11º
 
A Arte Neoclássica
A Arte NeoclássicaA Arte Neoclássica
A Arte Neoclássica
 
A cultura da gare
A cultura da gareA cultura da gare
A cultura da gare
 

Semelhante a Módulo 8 - Romantismo

A Arte do Século XIX - O Romantismo.pptx
A Arte do Século XIX - O Romantismo.pptxA Arte do Século XIX - O Romantismo.pptx
A Arte do Século XIX - O Romantismo.pptx
JoanaPereira737226
 
Romantismo grupo A
Romantismo grupo ARomantismo grupo A
Romantismo grupo A
becresforte
 
A arquitectura do ferro
A arquitectura do ferroA arquitectura do ferro
A arquitectura do ferro
becresforte
 
Riqueza cultural brasileira_e_pelot
Riqueza cultural brasileira_e_pelotRiqueza cultural brasileira_e_pelot
Riqueza cultural brasileira_e_pelot
Jhoritza
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Viviane Marques
 
A cultura do salão neoclássico
A cultura do salão   neoclássicoA cultura do salão   neoclássico
A cultura do salão neoclássico
cattonia
 
02 romantismo
02 romantismo02 romantismo
02 romantismo
Vítor Santos
 
Neoclassicismo
NeoclassicismoNeoclassicismo
Neoclassicismo
Ana Barreiros
 
1261615045 daniela 8oa
1261615045 daniela 8oa1261615045 daniela 8oa
1261615045 daniela 8oa
Pelo Siro
 
Arte moderna (Séc. XIV a XVIII)
Arte moderna (Séc. XIV a XVIII)Arte moderna (Séc. XIV a XVIII)
Arte moderna (Séc. XIV a XVIII)
Rafael Lucas da Silva
 
NEOCLASSICISMO
NEOCLASSICISMONEOCLASSICISMO
NEOCLASSICISMO
Cristiane Seibt
 
Barroco(s)
Barroco(s)Barroco(s)
Barroco(s)
cattonia
 
Neoclassicismo
NeoclassicismoNeoclassicismo
Neoclassicismo
Arte Educadora
 
arte no século XVIII e XIX
arte no século XVIII e XIXarte no século XVIII e XIX
arte no século XVIII e XIX
Alcir Costa
 
Museus, monumentos e construções históricas do rio
Museus, monumentos e construções históricas do rioMuseus, monumentos e construções históricas do rio
Museus, monumentos e construções históricas do rio
Ed de Souza
 
Resumo idade media- CBG
Resumo idade media- CBGResumo idade media- CBG
Resumo idade media- CBG
Aline Raposo
 
História da arte ii- Séculos XVIII e XIX- aula 2
História da arte ii- Séculos XVIII e XIX-  aula 2História da arte ii- Séculos XVIII e XIX-  aula 2
História da arte ii- Séculos XVIII e XIX- aula 2
Paula Poiet
 
A cultura do salão arte rococó
A cultura do salão   arte rococóA cultura do salão   arte rococó
A cultura do salão arte rococó
cattonia
 
Escola CEJAR - Aquidauana - Apostila 8 A,B e C 1ºB
Escola CEJAR - Aquidauana - Apostila 8 A,B e C 1ºBEscola CEJAR - Aquidauana - Apostila 8 A,B e C 1ºB
Escola CEJAR - Aquidauana - Apostila 8 A,B e C 1ºB
Priscila Barbosa
 
Histarte resumos
Histarte resumosHistarte resumos
Histarte resumos
Fernanda Duarte
 

Semelhante a Módulo 8 - Romantismo (20)

A Arte do Século XIX - O Romantismo.pptx
A Arte do Século XIX - O Romantismo.pptxA Arte do Século XIX - O Romantismo.pptx
A Arte do Século XIX - O Romantismo.pptx
 
Romantismo grupo A
Romantismo grupo ARomantismo grupo A
Romantismo grupo A
 
A arquitectura do ferro
A arquitectura do ferroA arquitectura do ferro
A arquitectura do ferro
 
Riqueza cultural brasileira_e_pelot
Riqueza cultural brasileira_e_pelotRiqueza cultural brasileira_e_pelot
Riqueza cultural brasileira_e_pelot
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
A cultura do salão neoclássico
A cultura do salão   neoclássicoA cultura do salão   neoclássico
A cultura do salão neoclássico
 
02 romantismo
02 romantismo02 romantismo
02 romantismo
 
Neoclassicismo
NeoclassicismoNeoclassicismo
Neoclassicismo
 
1261615045 daniela 8oa
1261615045 daniela 8oa1261615045 daniela 8oa
1261615045 daniela 8oa
 
Arte moderna (Séc. XIV a XVIII)
Arte moderna (Séc. XIV a XVIII)Arte moderna (Séc. XIV a XVIII)
Arte moderna (Séc. XIV a XVIII)
 
NEOCLASSICISMO
NEOCLASSICISMONEOCLASSICISMO
NEOCLASSICISMO
 
Barroco(s)
Barroco(s)Barroco(s)
Barroco(s)
 
Neoclassicismo
NeoclassicismoNeoclassicismo
Neoclassicismo
 
arte no século XVIII e XIX
arte no século XVIII e XIXarte no século XVIII e XIX
arte no século XVIII e XIX
 
Museus, monumentos e construções históricas do rio
Museus, monumentos e construções históricas do rioMuseus, monumentos e construções históricas do rio
Museus, monumentos e construções históricas do rio
 
Resumo idade media- CBG
Resumo idade media- CBGResumo idade media- CBG
Resumo idade media- CBG
 
História da arte ii- Séculos XVIII e XIX- aula 2
História da arte ii- Séculos XVIII e XIX-  aula 2História da arte ii- Séculos XVIII e XIX-  aula 2
História da arte ii- Séculos XVIII e XIX- aula 2
 
A cultura do salão arte rococó
A cultura do salão   arte rococóA cultura do salão   arte rococó
A cultura do salão arte rococó
 
Escola CEJAR - Aquidauana - Apostila 8 A,B e C 1ºB
Escola CEJAR - Aquidauana - Apostila 8 A,B e C 1ºBEscola CEJAR - Aquidauana - Apostila 8 A,B e C 1ºB
Escola CEJAR - Aquidauana - Apostila 8 A,B e C 1ºB
 
Histarte resumos
Histarte resumosHistarte resumos
Histarte resumos
 

Mais de Carla Freitas

11 ha m6 u1
11 ha m6 u111 ha m6 u1
11 ha m6 u1
Carla Freitas
 
11 Ha M5 u3
11 Ha M5 u311 Ha M5 u3
11 Ha M5 u3
Carla Freitas
 
11 Ha M5 u5 1
11 Ha M5 u5 111 Ha M5 u5 1
11 Ha M5 u5 1
Carla Freitas
 
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismoMódulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
Carla Freitas
 
11 ha m5 u4
11 ha m5 u411 ha m5 u4
11 ha m5 u4
Carla Freitas
 
11 ha m5 u2
11 ha m5 u211 ha m5 u2
11 ha m5 u2
Carla Freitas
 
11 ha m4 u3 3
11 ha m4 u3 311 ha m4 u3 3
11 ha m4 u3 3
Carla Freitas
 
11 ha m5 u1
11 ha m5 u111 ha m5 u1
11 ha m5 u1
Carla Freitas
 
11 ha m4 u4 3
11 ha m4 u4 311 ha m4 u4 3
11 ha m4 u4 3
Carla Freitas
 
11 ha m4 u4 2
11 ha m4 u4 211 ha m4 u4 2
11 ha m4 u4 2
Carla Freitas
 
11 ha m4 u4 1
11 ha m4 u4 111 ha m4 u4 1
11 ha m4 u4 1
Carla Freitas
 
11 ha m4 u3 2
11 ha m4 u3 211 ha m4 u3 2
11 ha m4 u3 2
Carla Freitas
 
11 ha m4 u3 1
11 ha m4 u3 111 ha m4 u3 1
11 ha m4 u3 1
Carla Freitas
 
11 ha m4 u2 2
11 ha m4 u2 211 ha m4 u2 2
11 ha m4 u2 2
Carla Freitas
 
11 ha m4 u2 1
11 ha m4 u2 111 ha m4 u2 1
11 ha m4 u2 1
Carla Freitas
 
11 ha m4 u1
11 ha m4 u111 ha m4 u1
11 ha m4 u1
Carla Freitas
 
11 ha m4 u2 3
11 ha m4 u2 311 ha m4 u2 3
11 ha m4 u2 3
Carla Freitas
 
Módulo 5 - Pintura Renascentista
Módulo 5 - Pintura RenascentistaMódulo 5 - Pintura Renascentista
Módulo 5 - Pintura Renascentista
Carla Freitas
 
Módulo 5 - Contexto Histórico
Módulo 5 - Contexto HistóricoMódulo 5 - Contexto Histórico
Módulo 5 - Contexto Histórico
Carla Freitas
 
Módulo 10 - Caso Prático Inicial
Módulo 10 - Caso Prático InicialMódulo 10 - Caso Prático Inicial
Módulo 10 - Caso Prático Inicial
Carla Freitas
 

Mais de Carla Freitas (20)

11 ha m6 u1
11 ha m6 u111 ha m6 u1
11 ha m6 u1
 
11 Ha M5 u3
11 Ha M5 u311 Ha M5 u3
11 Ha M5 u3
 
11 Ha M5 u5 1
11 Ha M5 u5 111 Ha M5 u5 1
11 Ha M5 u5 1
 
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismoMódulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
 
11 ha m5 u4
11 ha m5 u411 ha m5 u4
11 ha m5 u4
 
11 ha m5 u2
11 ha m5 u211 ha m5 u2
11 ha m5 u2
 
11 ha m4 u3 3
11 ha m4 u3 311 ha m4 u3 3
11 ha m4 u3 3
 
11 ha m5 u1
11 ha m5 u111 ha m5 u1
11 ha m5 u1
 
11 ha m4 u4 3
11 ha m4 u4 311 ha m4 u4 3
11 ha m4 u4 3
 
11 ha m4 u4 2
11 ha m4 u4 211 ha m4 u4 2
11 ha m4 u4 2
 
11 ha m4 u4 1
11 ha m4 u4 111 ha m4 u4 1
11 ha m4 u4 1
 
11 ha m4 u3 2
11 ha m4 u3 211 ha m4 u3 2
11 ha m4 u3 2
 
11 ha m4 u3 1
11 ha m4 u3 111 ha m4 u3 1
11 ha m4 u3 1
 
11 ha m4 u2 2
11 ha m4 u2 211 ha m4 u2 2
11 ha m4 u2 2
 
11 ha m4 u2 1
11 ha m4 u2 111 ha m4 u2 1
11 ha m4 u2 1
 
11 ha m4 u1
11 ha m4 u111 ha m4 u1
11 ha m4 u1
 
11 ha m4 u2 3
11 ha m4 u2 311 ha m4 u2 3
11 ha m4 u2 3
 
Módulo 5 - Pintura Renascentista
Módulo 5 - Pintura RenascentistaMódulo 5 - Pintura Renascentista
Módulo 5 - Pintura Renascentista
 
Módulo 5 - Contexto Histórico
Módulo 5 - Contexto HistóricoMódulo 5 - Contexto Histórico
Módulo 5 - Contexto Histórico
 
Módulo 10 - Caso Prático Inicial
Módulo 10 - Caso Prático InicialMódulo 10 - Caso Prático Inicial
Módulo 10 - Caso Prático Inicial
 

Último

LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptxLIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
WelidaFreitas1
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Mary Alvarenga
 
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptxFato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
MariaFatima425285
 
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdflivro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
Escola Municipal Jesus Cristo
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
CarinaSoto12
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Luana Neres
 
Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
KeilianeOliveira3
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023
MatildeBrites
 
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docxPROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Mary Alvarenga
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
ssuser701e2b
 
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Luana Neres
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 

Último (20)

LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptxLIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
 
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptxFato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
 
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdflivro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
 
Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
 
Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023
 
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
 
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docxPROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
 
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 

Módulo 8 - Romantismo