SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 74
O Romantismo
Romantismo
Realismo
Impressionismo
1850 1905
O TRIUNFO DO INDIVÍDUO E DA EMOÇÃO
1789
De c. 1789 a c. de 1850
Literatura Artes
Plásticas
Música
Mentalidade
O TRIUNFO DO INDIVÍDUO E DA EMOÇÃO
Reação ao Neoclassicismo
- anti-racionalismo
- valorização dos sentimentos e das emoções
A arte não se atinge através de regras académicas
A arte é uma “revelação da alma” , um produto da
inspiração e da genialidade
Thomas Philippe, Retrato de
Lord Byron, c. 1835
O TRIUNFO DO INDIVÍDUO E DA EMOÇÃO
O Romantismo é o produto da época
Apoiante da causa nacionalista do
povo grego, que lutava para se
libertar do domínio turco.
Em 1821, em Argostoli, organizou e
chefiou um exército privado de
apoio aos gregos
• Princípios do Liberalismo: individualismo, humanismo e
nacionalismo
• Identificação do povo como a verdadeira alma das
nações
• Valorização da cultura popular (tradição, folclore)
• idealismo revolucionário (democrático e socializante)
• Desilusão pela nova elite dominadora: a burguesia
• Novas correntes filosóficas: Kant, Schelling e
Schopanhauer
O TRIUNFO DO INDIVÍDUO E DA EMOÇÃO
O Romantismo é o produto da época
“O Romantismo nem se
encontra na eleição de um
tema nem na verdade exata,
mas sim numa certa maneira
de sentir.”
O TRIUNFO DO INDIVÍDUO E DA EMOÇÃO
Princípios do Romantismo
Charles Baudelaire
• A interioridade, o mundo
complexo dos sentimentos e
das emoções, os sonhos, os
devaneios, as fantasias, as
viagens ao interior de cada
um, numa incansável fuga ao
real, que desilude, magoa e
engana
O TRIUNFO DO INDIVÍDUO E DA EMOÇÃO
Princípios do Romantismo
T. Géricault, Retrato de um
Alienado Cleptómano, 1882
• A interioridade, o mundo
complexo dos sentimentos e das
emoções, os sonhos, os
devaneios, as fantasias, as
viagens ao interior de cada um,
numa incansável fuga ao real,
que desilude, magoa e engana
• Privilegia a emoção em
detrimento da razão, o sonho
em vez da realidade e o
idealismo acima do
pragmatismo
O TRIUNFO DO INDIVÍDUO E DA EMOÇÃO
Princípios do Romantismo
T. Géricault, Retrato de um
Alienado Cleptómano, 1882
• O isolamento da alma em
comunhão com a natureza,
manifestado na exaltação do
mundo rural e puro e no
interesse pelas sociedades
primitivas ou exóticas, não
maculadas pela civilização
ocidental
O TRIUNFO DO INDIVÍDUO E DA EMOÇÃO
Princípios do Romantismo
Caspar David Friedrich, O Caçador na Floresta,
1813-14
• A valorização do
passado de cada
nação, cujas raízes
mergulhavam na
Idade Média,
idealizada através
da literatura e das
suas ruínas
monumentais
O TRIUNFO DO INDIVÍDUO E DA EMOÇÃO
Princípios do Romantismo
Francis Danby, Abadia de Fonthill, c.
1854
• Convicção de que a
arte é essencialmente
inspiração e criação
(não nasce por receita,
academismo ou
encomenda), obede-
cendo unicamente a
impulsos pessoais,
despoletada por uma
necessidade inata e
sublime
O TRIUNFO DO INDIVÍDUO E DA EMOÇÃO
Princípios do Romantismo
Henri Füssli, Titânia, Bottom e as Fadas, 1794
• Convicção de que a arte é
essencialmente inspiração e
criação (não nasce por receita,
academismo ou encomenda),
obedecendo unicamente a
impulsos pessoais, despoletada
por uma necessidade inata e
sublime
Afronta aos critérios e normas
académicas: os esboços, os
desenhos ou as aguarelas como
obras definitivas
O TRIUNFO DO INDIVÍDUO E DA EMOÇÃO
Princípios do Romantismo
Henri Füssli, Titânia, Bottom e as Fadas, 1794
Afronta aos critérios e
normas académicas: os
esboços, os desenhos ou as
aguarelas como obras
definitivas
Técnicas mais experimentais
e expressivas, com
pincelada mais fluida
O TRIUNFO DO INDIVÍDUO E DA EMOÇÃO
Princípios do Romantismo
Henri Füssli, Titânia, Bottom e as Fadas, 1794
A ARQUITETURA DO ROMANTISMO
A ARQUITETURA DO ROMANTISMO
NEOCLASSICISMO ROMANTISMO
- Ordem
- Proporção
- Simetria
- Harmonia
- Irregularidade
- Organicismo das formas
- Efeitos de luz
- Movimento dos planos
- Pitoresco da decoração
- Encantamento e evasão
- Imaginação e sentidos
- Sonho e fantasia
- Espaços distantes ou imaginários
A ARQUITETURA DO ROMANTISMO
ROMANTISMO
- Irregularidade
- Organicismo das formas
- Efeitos de luz
- Movimento dos planos
- Pitoresco da decoração
- Encantamento e evasão
- Imaginação e sentidos
- Sonho e fantasia
- Espaços distantes ou imaginários
A arquitetura
deveria ser capaz
de provocar
sensações, motivar
estados de espírito
e transmitir ideias
A ARQUITETURA DO ROMANTISMO
NEOCLASSICISMO ROMANTISMO
“Forma medida” “Forma sentida”
A ARQUITETURA DO ROMANTISMO
Neoclassicismo Romantismo
Jardins à francesa Jardins à inglesa
Jardim racional e geométrico Jardim natural e selvagem, com
pavilhões chineses e falsas ruínas
A ARQUITETURA DO ROMANTISMO
Procura de uma estética própria
- Política de restauro de monumentos
- Preocupação pela forma e pela
decoração
- Menos preocupada pelos aspetos
técnicos e formais
- Utilização do ferro, do aço, do tijolo
vidrado e do vidro
- Predileção por materiais naturais
- Reprodução de estilos de épocas não
influenciadas pelo Classicismo, em
culturas exóticas e não contaminadas
pela civilização industrial
A. Boileau, Igreja de St. Eugénio, Paris, 1854
A ARQUITETURA DO ROMANTISMO
Revivalismos Reutilização de estilos do passado
- Interesse crescente pela
história das nações
- Valorização das tradições
nacionais
- Exaltação do misticismo
- Desejo de fuga ao presente
devido às desilusões
provocadas pelo Liberalismo e
pela industrialização Casa neogótica no parque do
Palácio de Wörlitz, 1769-73,
Alemanha
• Meados do século XVIII, em Inglaterra
• Arquitetos: Horace Walpole e filho, James Wyatt
• Teorizadores: arquiteto August Pugin filho,
historiador e crítico de arte John Ruskin e franceses
Chateaubriand e Viollet-le-Duc
“O gótico é superior ao classicismo, da mesma
maneira que o cristianismo é superior ao
paganismo”
A ARQUITETURA DO ROMANTISMO
1º REVIVALISMO
A ARQUITETURA DO ROMANTISMO
1º REVIVALISMO
John Ruskin
Enaltecia as qualidades do Gótico
Estilo verdadeiramente universal pois
aliou-se às necessidades práticas
sem receber influência de
movimentos anteriores
A ARQUITETURA DO ROMANTISMO
1º REVIVALISMO
Viollet-le-Duc
Apogeu do progresso e
expressão do génio humano
devido à invenção de nova
tecnologia construtiva
Charles Berry e August Pugin, filho, Palácio do Parlamento,
Londres, Inglaterra
A ARQUITETURA DO ROMANTISMO
A ARQUITETURA DO ROMANTISMO
Charles Berry e August Pugin, filho, Palácio
do Parlamento, Londres, Inglaterra
- Longa fachada,
simétrica
- Irregularidade gótica
(algumas torres
desirmanadas)
- Decoração tipicamente
medieval (esculturas,
pináculos, cúpulas)
A ARQUITETURA DO ROMANTISMO
Torre Vitória Torre do Relógio (Big Ben)
A ARQUITETURA DO ROMANTISMO
F.C. Bau,e Thérodore Ballu, Igreja de
Santa Clotilde, Paris
Características neogóticas:
• Planta em cruz latina
• Transepto pouco saliente
• Abóbadas nas naves
• Torres sineiras terminadas com
agulhas
• Portal ocidental triplo
+
Características modernas: utilização
de novos materiais (ferro, aço)
A ARQUITETURA DO ROMANTISMO
Georg von Dollman, Castelo de
Neuschwanstein, 1870, Baviera,
Alemanha
- Volumes irregulares
- Múltiplas torres aguçadas e esguias
A ARQUITETURA DO ROMANTISMO
James
Renwick,
Catedral
de São
Patrício,
Nova
Iorque,
1859-79
A ARQUITETURA DO ROMANTISMO
NOVOS REVIVALISMOS
- Neorromânico
Catedral de Speyer, Alemanha.
A ARQUITETURA DO ROMANTISMO
NOVOS REVIVALISMOS - Neorrenascentista
Prefeitura do distrito de Harburg (c.1889), Hamburgo,
Alemanha
A ARQUITETURA DO ROMANTISMO
NOVOS REVIVALISMOS - Neobizantino
Fachada neobizantina da
Catedral de Westminster,
Londres
A ARQUITETURA DO ROMANTISMO
NOVOS REVIVALISMOS
- Neobarroco
Palácio Dolmabahçe em Istambul, Turquia
A ARQUITETURA DO ROMANTISMO
Ecletismo
Combinação de vários estilos
arquitetónicos no mesmo edifício
Charles Garnier,
Ópera de Paris, c.
1862
Neoclassicismo
+
Neobarroco
A ARQUITETURA DO ROMANTISMO
Ecletismo
Igreja do Sacré-Coeur, Paris
Neoclassicismo
+
Neobizantino
A ARQUITETURA DO ROMANTISMO
Exotismos
Gosto pelas culturas não europeias, por
tudo aquilo que apela à imaginação e ao
mistério
Espírito irrequieto, insatisfeito
e sonhador
- Gosto por viagens
- Literatura: descrição de
histórias e terras estranhos
Estilo indo-muçulmano
A ARQUITETURA DO ROMANTISMO
Exotismos
Gosto pelas culturas não europeias, por
tudo aquilo que apela à imaginação e ao
mistério
Estilo neoárabe na
Península Ibérica
James Knoles, Palacete
de Monserrate, c. 1887,
Sintra
A ARQUITETURA ROMÂNTICA EM PORTUGAL
D. Fernando de Saxe-Coburgo-
Gotha, 2º marido de D. Maria II
Barão de Eschwege
A ARQUITETURA ROMÂNTICA EM PORTUGAL
D. Fernando de Saxe-Coburgo-
Gotha, 2º marido de D. Maria II
Barão de Eschwege
EncomendadorArquiteto
A ARQUITETURA ROMÂNTICA EM PORTUGAL
Revivalismos com
caráter nacionalista
Palácio do Buçaco (1888-
1907), Luigi Manini e outros
• Encomenda do ministro
das Obras Públicas Emídio
Navarro
• Corpo central: réplica da
Torre de Belém
• Arcada: réplica do
Mosteiro dos Jerónimos
A ARQUITETURA ROMÂNTICA EM PORTUGAL
Revivalismos com
caráter nacionalista
Palácio do Buçaco (1888-
1907), Luigi Manini e outros
• Encomenda do ministro
das Obras Públicas Emídio
Navarro
• Corpo central: réplica da
Torre de Belém
• Arcada: réplica do
Mosteiro dos Jerónimos
A ARQUITETURA ROMÂNTICA EM PORTUGAL
Revivalismos com
caráter nacionalista
Palácio do Buçaco (1888-
1907), Luigi Manini e outros
• Encomenda do ministro
das Obras Públicas Emídio
Navarro
• Corpo central: réplica da
Torre de Belém
• Arcada: réplica do
Mosteiro dos Jerónimos
A ARQUITETURA ROMÂNTICA EM PORTUGAL
Estação do Rossio
(1886-87), José Luís
Monteiro
Revivalismos com
caráter nacionalista
A ARQUITETURA ROMÂNTICA EM PORTUGAL
Palácio da Regaleira
(1905-11), projetado
por Luigi Manini para
o Dr. Carvalho
Monteiro
Obra mística e
misteriosa, eclética,
simbolista e esotérica
Revivalismos com
caráter nacionalista
A ARQUITETURA ROMÂNTICA EM PORTUGAL
Neogótico em 2º plano
Moradias
Igrejas
Jazigos fúnebres
Revivalismos com
caráter nacionalista
Costa Mota Tio, Jazigo dos Condes do
Ameal, c. 1893, Coimbra
A ARQUITETURA ROMÂNTICA EM PORTUGAL
• Sintra
• Álvaro Machado
• Jazigo do Visconde
de Valmor
Revivalismos com
caráter nacionalista
Colégio académico, 1904,
Álvaro Machado, Lisboa
A ARQUITETURA ROMÂNTICA EM PORTUGAL
Exotismos
Praça de Touros, 1892,
Campo Pequeno,
António José Dias da Silva
A ARQUITETURA ROMÂNTICA EM PORTUGAL
Exotismos
Praça de Touros, 1892,
Campo Pequeno,
António José Dias da Silva
A ARQUITETURA ROMÂNTICA EM PORTUGAL
Exotismos
Palácio de
Monserrate, c. 1887,
James Knowles (para
o comerciante inglês
Francis Cook)
A ARQUITETURA ROMÂNTICA EM PORTUGAL
Exotismos
Palácio de
Monserrate, c. 1887,
James Knowles (para
o comerciante inglês
Francis Cook)
A ARQUITETURA ROMÂNTICA EM PORTUGAL
Exotismos
Palácio de
Monserrate, c. 1887,
James Knowles (para
o comerciante inglês
Francis Cook)
A ARQUITETURA ROMÂNTICA EM PORTUGAL
Exotismos
Salão Árabe
do Palácio
da Bolsa do
Porto
A ARQUITETURA ROMÂNTICA EM PORTUGAL
Exotismos
Salão Árabe do
Palácio da Bolsa
do Porto
A ARQUITETURA ROMÂNTICA EM PORTUGAL
EcletismosBasílica de Santa Luzia, Viana
do Castelo, Ventura Terra
A ARQUITETURA ROMÂNTICA EM PORTUGAL
Influências neorromânicas,
neobizantinas e outras.
Inspirada na Igreja de Sacré-
Coeur, em Paris
A ARQUITETURA ROMÂNTICA EM PORTUGAL
CASO PRÁTICO: O PALÁCIO DA PENA
CASO PRÁTICO: O PALÁCIO DA PENA
D. Fernando de Saxe Coburgo-Gotha (1816-85)
D. Fernando II, 2º marido da rainha D. Maria II,
o Rei-Artista
- Tinha talento para a gravação, cerâmica e
desenho
- Gosto pelo colecionismo eclético
- Protegeu a Academia Real das Belas- Artes e
a Associação dos Arquitetos Civis e
Arqueólogos Portugueses
- Criou a Galeria Nacional de Pintura
- Foi mecenas de intelectuais e artistas
CASO PRÁTICO: O PALÁCIO DA PENA
D. Fernando de Saxe Coburgo-Gotha (1816-85)
- Responsável por algumas obras de restauro:
Custódia de Belém, túmulos de D. Pedro e D.
Inês, os mosteiros da Batalha e dos
Jerónimos, Convento de Cristo em Tomar,
Torre de Belém e a Sé de Lisboa
- Sedução pela Idade Média, pelo Gótico e
pelo Manuelino
- Espírito nacionalista, liberal e romântico
Reconstrução do mosteiro, na Pena, construído
c. de 1511 e destruído em 1755
CASO PRÁTICO: O PALÁCIO DA PENA
Mosteiro de Nossa Senhora da
Pena
Reconstrução do mosteiro, na Pena,
construído c. de 1511 e destruído em
1755
Barão de Eschwege
CASO PRÁTICO: O PALÁCIO DA PENA
As obras iniciam-
se em 1838 e
terminam em
1868.
Até 1885 foram
feitos trabalhos
de acabamento.
CASO PRÁTICO: O PALÁCIO DA PENA
Ecletismo:
- Neogótico
- Neomanuelino
- Neoárabe
+
Movimento de
volumes
(desnivelamentos
sucessivos)
CASO PRÁTICO: O PALÁCIO DA PENA
22 – Salão Nobre
20 – Sala Indiana
5 – Capela, sacristia e coro
13 – Sala de estar da família real
15 – Sala de Árabe
CASO PRÁTICO: O PALÁCIO DA PENA
1ª área:
Muralhas
envolventes
(estilo
neomedievalista
e neoárabe)
CASO PRÁTICO: O PALÁCIO DA PENA
2ª área: a zona do
antigo mosteiro
3ª zona: zona
palaciana
4ª zona: Pátio dos Arcos, em frente à capela, com
arcos mouriscos
CASO PRÁTICO: O PALÁCIO DA PENA
CASO PRÁTICO: O PALÁCIO DA PENA
Claustro manuelino
CASO PRÁTICO: O PALÁCIO DA PENA
Claustro manuelino
Dois andares,
divididos por uma
cornija em forma de
corda
Azulejos
quinhentistas
híspano-árabes
CASO PRÁTICO: O
PALÁCIO DA PENA
Contrafortes encimados por
pináculos torsos
Gárgulas
CASO PRÁTICO: O PALÁCIO DA PENA
Pórtico dos Tritões
Torre do Relógio
CASO PRÁTICO: O PALÁCIO DA PENA
Contrafortes inspirados na arquitetura militar mourisca
CASO PRÁTICO: O PALÁCIO DA PENA
Pórtico dos Tritões - pórtico alegórico
da criação do mundo:
- quatro arquivoltas submersas pela
vegetação
- concha com um tritão (desenhado
por D. Fernando II), que serve de
mísula à bow-window da Sala
Indiana
CASO PRÁTICO: O PALÁCIO DA PENA
Salão Árabe
Ecletismo:
neomourisco,
neogótico e
neoindiano
Relevos em estuque
+
Pinturas em trompe-
l’oeil (motivos
arquitetónicos e
vegetalistas)
Profundidade e
monumentalidade
O romantismo

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismoMódulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismoCarla Freitas
 
Cultura do espaço virtual
Cultura do espaço virtual Cultura do espaço virtual
Cultura do espaço virtual Ana Barreiros
 
Neoclassicismo em portugal
Neoclassicismo em portugalNeoclassicismo em portugal
Neoclassicismo em portugalAna Barreiros
 
Arte ao redor de 1900
Arte ao redor de 1900Arte ao redor de 1900
Arte ao redor de 1900Ana Barreiros
 
Módulo 8 - Naturalismo e Realismo
Módulo 8 - Naturalismo e RealismoMódulo 8 - Naturalismo e Realismo
Módulo 8 - Naturalismo e RealismoCarla Freitas
 
Módulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - RomantismoMódulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - RomantismoCarla Freitas
 
Módulo 8 contextualização histórica
Módulo 8   contextualização históricaMódulo 8   contextualização histórica
Módulo 8 contextualização históricaCarla Freitas
 
As artes na atualidade
As artes na atualidadeAs artes na atualidade
As artes na atualidadeAna Barreiros
 
Modulo 10 contexto
Modulo 10   contextoModulo 10   contexto
Modulo 10 contextocattonia
 
Pintura e escultura neoclássica
Pintura e escultura neoclássicaPintura e escultura neoclássica
Pintura e escultura neoclássicaAna Barreiros
 
A escultura no final do século XIX - Rodin
A escultura no final do século XIX - RodinA escultura no final do século XIX - Rodin
A escultura no final do século XIX - RodinCarlos Pinheiro
 
Módulo 9 arte
Módulo 9   arteMódulo 9   arte
Módulo 9 artecattonia
 
O romantismo na arquitetura e na pintura
O romantismo na arquitetura e na pinturaO romantismo na arquitetura e na pintura
O romantismo na arquitetura e na pinturaCarlos Pinheiro
 
Arquitectura romantica
Arquitectura romanticaArquitectura romantica
Arquitectura romanticaAndreia Ramos
 
HCA 11º, Espaço Virtual, Pintura e Arte Acontecimento
HCA 11º, Espaço Virtual, Pintura e Arte AcontecimentoHCA 11º, Espaço Virtual, Pintura e Arte Acontecimento
HCA 11º, Espaço Virtual, Pintura e Arte AcontecimentoValeriya Rozhkova
 

Mais procurados (20)

A Arte Neoclássica
A Arte NeoclássicaA Arte Neoclássica
A Arte Neoclássica
 
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismoMódulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
 
Cultura do espaço virtual
Cultura do espaço virtual Cultura do espaço virtual
Cultura do espaço virtual
 
Neoclassicismo em portugal
Neoclassicismo em portugalNeoclassicismo em portugal
Neoclassicismo em portugal
 
Arte ao redor de 1900
Arte ao redor de 1900Arte ao redor de 1900
Arte ao redor de 1900
 
Rococó
RococóRococó
Rococó
 
Módulo 8 - Naturalismo e Realismo
Módulo 8 - Naturalismo e RealismoMódulo 8 - Naturalismo e Realismo
Módulo 8 - Naturalismo e Realismo
 
Módulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - RomantismoMódulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - Romantismo
 
Módulo 8 contextualização histórica
Módulo 8   contextualização históricaMódulo 8   contextualização histórica
Módulo 8 contextualização histórica
 
As artes na atualidade
As artes na atualidadeAs artes na atualidade
As artes na atualidade
 
A Arte Rococó
A Arte RococóA Arte Rococó
A Arte Rococó
 
Modulo 10 contexto
Modulo 10   contextoModulo 10   contexto
Modulo 10 contexto
 
Pintura e escultura neoclássica
Pintura e escultura neoclássicaPintura e escultura neoclássica
Pintura e escultura neoclássica
 
A escultura no final do século XIX - Rodin
A escultura no final do século XIX - RodinA escultura no final do século XIX - Rodin
A escultura no final do século XIX - Rodin
 
Modulo 9 de HCA
Modulo 9 de HCAModulo 9 de HCA
Modulo 9 de HCA
 
Módulo 9 arte
Módulo 9   arteMódulo 9   arte
Módulo 9 arte
 
O romantismo na arquitetura e na pintura
O romantismo na arquitetura e na pinturaO romantismo na arquitetura e na pintura
O romantismo na arquitetura e na pintura
 
Arquitectura romantica
Arquitectura romanticaArquitectura romantica
Arquitectura romantica
 
HCA 11º, Espaço Virtual, Pintura e Arte Acontecimento
HCA 11º, Espaço Virtual, Pintura e Arte AcontecimentoHCA 11º, Espaço Virtual, Pintura e Arte Acontecimento
HCA 11º, Espaço Virtual, Pintura e Arte Acontecimento
 
A arte nova
A arte novaA arte nova
A arte nova
 

Semelhante a O romantismo

Semelhante a O romantismo (20)

Aula 05 neoclassicismo-romantismo
Aula 05 neoclassicismo-romantismoAula 05 neoclassicismo-romantismo
Aula 05 neoclassicismo-romantismo
 
Renascimento cultural
Renascimento culturalRenascimento cultural
Renascimento cultural
 
Romantismo grupo A
Romantismo grupo ARomantismo grupo A
Romantismo grupo A
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Roteiro de Estudos - Introdução à História da Arte, Pré-História e Egito
Roteiro de Estudos - Introdução à História da Arte, Pré-História e EgitoRoteiro de Estudos - Introdução à História da Arte, Pré-História e Egito
Roteiro de Estudos - Introdução à História da Arte, Pré-História e Egito
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Renascimento2
Renascimento2Renascimento2
Renascimento2
 
Renascimento Cultural e Científico
Renascimento Cultural e CientíficoRenascimento Cultural e Científico
Renascimento Cultural e Científico
 
1261615045 daniela 8oa
1261615045 daniela 8oa1261615045 daniela 8oa
1261615045 daniela 8oa
 
Aula 13 historia da arte.
Aula 13 historia da arte.Aula 13 historia da arte.
Aula 13 historia da arte.
 
Renascimento Cultural
Renascimento CulturalRenascimento Cultural
Renascimento Cultural
 
Estética romântica
Estética românticaEstética romântica
Estética romântica
 
Renascimento cultural2
Renascimento cultural2Renascimento cultural2
Renascimento cultural2
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 
Renascimento1
Renascimento1Renascimento1
Renascimento1
 
Renascimento moderna I
Renascimento moderna IRenascimento moderna I
Renascimento moderna I
 
Ufu 2019 Revisão
Ufu 2019 RevisãoUfu 2019 Revisão
Ufu 2019 Revisão
 
7
77
7
 
Pré renascimento
 Pré renascimento Pré renascimento
Pré renascimento
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 

Mais de Ana Barreiros

Pintura barroca na Europa
Pintura barroca na EuropaPintura barroca na Europa
Pintura barroca na EuropaAna Barreiros
 
Rubrica de avaliação
Rubrica de avaliação Rubrica de avaliação
Rubrica de avaliação Ana Barreiros
 
Lista de verificação e-atividade
Lista de verificação e-atividade Lista de verificação e-atividade
Lista de verificação e-atividade Ana Barreiros
 
Imagens de Arquitetura Barroca
Imagens de Arquitetura BarrocaImagens de Arquitetura Barroca
Imagens de Arquitetura BarrocaAna Barreiros
 
Pintura do quattrocento
Pintura do quattrocentoPintura do quattrocento
Pintura do quattrocentoAna Barreiros
 
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinemaCorrecao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinemaAna Barreiros
 
O aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte goticaO aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte goticaAna Barreiros
 
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºGA modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºGAna Barreiros
 
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"Ana Barreiros
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"Ana Barreiros
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"Ana Barreiros
 
Ficha "A Cultura do Palco"
Ficha "A Cultura do Palco"Ficha "A Cultura do Palco"
Ficha "A Cultura do Palco"Ana Barreiros
 
Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"Ana Barreiros
 
Ficha formativa grandes_civilizacoes
Ficha formativa grandes_civilizacoesFicha formativa grandes_civilizacoes
Ficha formativa grandes_civilizacoesAna Barreiros
 
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcaoFicha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcaoAna Barreiros
 
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º anoFicha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º anoAna Barreiros
 
A arquitetura da 1ª metade século xx
A arquitetura da 1ª metade século xxA arquitetura da 1ª metade século xx
A arquitetura da 1ª metade século xxAna Barreiros
 

Mais de Ana Barreiros (20)

Pintura barroca na Europa
Pintura barroca na EuropaPintura barroca na Europa
Pintura barroca na Europa
 
Rubrica de avaliação
Rubrica de avaliação Rubrica de avaliação
Rubrica de avaliação
 
Lista de verificação e-atividade
Lista de verificação e-atividade Lista de verificação e-atividade
Lista de verificação e-atividade
 
Casa Sommer
Casa SommerCasa Sommer
Casa Sommer
 
Bairro dos museus
Bairro dos museusBairro dos museus
Bairro dos museus
 
Imagens de Arquitetura Barroca
Imagens de Arquitetura BarrocaImagens de Arquitetura Barroca
Imagens de Arquitetura Barroca
 
Pintura do quattrocento
Pintura do quattrocentoPintura do quattrocento
Pintura do quattrocento
 
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinemaCorrecao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinema
 
O aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte goticaO aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte gotica
 
Escultura romana
Escultura romanaEscultura romana
Escultura romana
 
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºGA modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
 
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
 
Ficha "A Cultura do Palco"
Ficha "A Cultura do Palco"Ficha "A Cultura do Palco"
Ficha "A Cultura do Palco"
 
Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"
 
Ficha formativa grandes_civilizacoes
Ficha formativa grandes_civilizacoesFicha formativa grandes_civilizacoes
Ficha formativa grandes_civilizacoes
 
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcaoFicha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
 
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º anoFicha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
 
A arquitetura da 1ª metade século xx
A arquitetura da 1ª metade século xxA arquitetura da 1ª metade século xx
A arquitetura da 1ª metade século xx
 

Último

Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfRafaela Vieira
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...DominiqueFaria2
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 

Último (20)

Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 

O romantismo

  • 2. Romantismo Realismo Impressionismo 1850 1905 O TRIUNFO DO INDIVÍDUO E DA EMOÇÃO 1789 De c. 1789 a c. de 1850 Literatura Artes Plásticas Música Mentalidade
  • 3. O TRIUNFO DO INDIVÍDUO E DA EMOÇÃO Reação ao Neoclassicismo - anti-racionalismo - valorização dos sentimentos e das emoções A arte não se atinge através de regras académicas A arte é uma “revelação da alma” , um produto da inspiração e da genialidade
  • 4. Thomas Philippe, Retrato de Lord Byron, c. 1835 O TRIUNFO DO INDIVÍDUO E DA EMOÇÃO O Romantismo é o produto da época Apoiante da causa nacionalista do povo grego, que lutava para se libertar do domínio turco. Em 1821, em Argostoli, organizou e chefiou um exército privado de apoio aos gregos
  • 5. • Princípios do Liberalismo: individualismo, humanismo e nacionalismo • Identificação do povo como a verdadeira alma das nações • Valorização da cultura popular (tradição, folclore) • idealismo revolucionário (democrático e socializante) • Desilusão pela nova elite dominadora: a burguesia • Novas correntes filosóficas: Kant, Schelling e Schopanhauer O TRIUNFO DO INDIVÍDUO E DA EMOÇÃO O Romantismo é o produto da época
  • 6. “O Romantismo nem se encontra na eleição de um tema nem na verdade exata, mas sim numa certa maneira de sentir.” O TRIUNFO DO INDIVÍDUO E DA EMOÇÃO Princípios do Romantismo Charles Baudelaire
  • 7. • A interioridade, o mundo complexo dos sentimentos e das emoções, os sonhos, os devaneios, as fantasias, as viagens ao interior de cada um, numa incansável fuga ao real, que desilude, magoa e engana O TRIUNFO DO INDIVÍDUO E DA EMOÇÃO Princípios do Romantismo T. Géricault, Retrato de um Alienado Cleptómano, 1882
  • 8. • A interioridade, o mundo complexo dos sentimentos e das emoções, os sonhos, os devaneios, as fantasias, as viagens ao interior de cada um, numa incansável fuga ao real, que desilude, magoa e engana • Privilegia a emoção em detrimento da razão, o sonho em vez da realidade e o idealismo acima do pragmatismo O TRIUNFO DO INDIVÍDUO E DA EMOÇÃO Princípios do Romantismo T. Géricault, Retrato de um Alienado Cleptómano, 1882
  • 9. • O isolamento da alma em comunhão com a natureza, manifestado na exaltação do mundo rural e puro e no interesse pelas sociedades primitivas ou exóticas, não maculadas pela civilização ocidental O TRIUNFO DO INDIVÍDUO E DA EMOÇÃO Princípios do Romantismo Caspar David Friedrich, O Caçador na Floresta, 1813-14
  • 10. • A valorização do passado de cada nação, cujas raízes mergulhavam na Idade Média, idealizada através da literatura e das suas ruínas monumentais O TRIUNFO DO INDIVÍDUO E DA EMOÇÃO Princípios do Romantismo Francis Danby, Abadia de Fonthill, c. 1854
  • 11. • Convicção de que a arte é essencialmente inspiração e criação (não nasce por receita, academismo ou encomenda), obede- cendo unicamente a impulsos pessoais, despoletada por uma necessidade inata e sublime O TRIUNFO DO INDIVÍDUO E DA EMOÇÃO Princípios do Romantismo Henri Füssli, Titânia, Bottom e as Fadas, 1794
  • 12. • Convicção de que a arte é essencialmente inspiração e criação (não nasce por receita, academismo ou encomenda), obedecendo unicamente a impulsos pessoais, despoletada por uma necessidade inata e sublime Afronta aos critérios e normas académicas: os esboços, os desenhos ou as aguarelas como obras definitivas O TRIUNFO DO INDIVÍDUO E DA EMOÇÃO Princípios do Romantismo Henri Füssli, Titânia, Bottom e as Fadas, 1794
  • 13. Afronta aos critérios e normas académicas: os esboços, os desenhos ou as aguarelas como obras definitivas Técnicas mais experimentais e expressivas, com pincelada mais fluida O TRIUNFO DO INDIVÍDUO E DA EMOÇÃO Princípios do Romantismo Henri Füssli, Titânia, Bottom e as Fadas, 1794
  • 14. A ARQUITETURA DO ROMANTISMO
  • 15. A ARQUITETURA DO ROMANTISMO NEOCLASSICISMO ROMANTISMO - Ordem - Proporção - Simetria - Harmonia - Irregularidade - Organicismo das formas - Efeitos de luz - Movimento dos planos - Pitoresco da decoração - Encantamento e evasão - Imaginação e sentidos - Sonho e fantasia - Espaços distantes ou imaginários
  • 16. A ARQUITETURA DO ROMANTISMO ROMANTISMO - Irregularidade - Organicismo das formas - Efeitos de luz - Movimento dos planos - Pitoresco da decoração - Encantamento e evasão - Imaginação e sentidos - Sonho e fantasia - Espaços distantes ou imaginários A arquitetura deveria ser capaz de provocar sensações, motivar estados de espírito e transmitir ideias
  • 17. A ARQUITETURA DO ROMANTISMO NEOCLASSICISMO ROMANTISMO “Forma medida” “Forma sentida”
  • 18. A ARQUITETURA DO ROMANTISMO Neoclassicismo Romantismo Jardins à francesa Jardins à inglesa Jardim racional e geométrico Jardim natural e selvagem, com pavilhões chineses e falsas ruínas
  • 19. A ARQUITETURA DO ROMANTISMO Procura de uma estética própria - Política de restauro de monumentos - Preocupação pela forma e pela decoração - Menos preocupada pelos aspetos técnicos e formais - Utilização do ferro, do aço, do tijolo vidrado e do vidro - Predileção por materiais naturais - Reprodução de estilos de épocas não influenciadas pelo Classicismo, em culturas exóticas e não contaminadas pela civilização industrial A. Boileau, Igreja de St. Eugénio, Paris, 1854
  • 20. A ARQUITETURA DO ROMANTISMO Revivalismos Reutilização de estilos do passado - Interesse crescente pela história das nações - Valorização das tradições nacionais - Exaltação do misticismo - Desejo de fuga ao presente devido às desilusões provocadas pelo Liberalismo e pela industrialização Casa neogótica no parque do Palácio de Wörlitz, 1769-73, Alemanha
  • 21. • Meados do século XVIII, em Inglaterra • Arquitetos: Horace Walpole e filho, James Wyatt • Teorizadores: arquiteto August Pugin filho, historiador e crítico de arte John Ruskin e franceses Chateaubriand e Viollet-le-Duc “O gótico é superior ao classicismo, da mesma maneira que o cristianismo é superior ao paganismo” A ARQUITETURA DO ROMANTISMO 1º REVIVALISMO
  • 22. A ARQUITETURA DO ROMANTISMO 1º REVIVALISMO John Ruskin Enaltecia as qualidades do Gótico Estilo verdadeiramente universal pois aliou-se às necessidades práticas sem receber influência de movimentos anteriores
  • 23. A ARQUITETURA DO ROMANTISMO 1º REVIVALISMO Viollet-le-Duc Apogeu do progresso e expressão do génio humano devido à invenção de nova tecnologia construtiva
  • 24. Charles Berry e August Pugin, filho, Palácio do Parlamento, Londres, Inglaterra A ARQUITETURA DO ROMANTISMO
  • 25. A ARQUITETURA DO ROMANTISMO Charles Berry e August Pugin, filho, Palácio do Parlamento, Londres, Inglaterra - Longa fachada, simétrica - Irregularidade gótica (algumas torres desirmanadas) - Decoração tipicamente medieval (esculturas, pináculos, cúpulas)
  • 26. A ARQUITETURA DO ROMANTISMO Torre Vitória Torre do Relógio (Big Ben)
  • 27. A ARQUITETURA DO ROMANTISMO F.C. Bau,e Thérodore Ballu, Igreja de Santa Clotilde, Paris Características neogóticas: • Planta em cruz latina • Transepto pouco saliente • Abóbadas nas naves • Torres sineiras terminadas com agulhas • Portal ocidental triplo + Características modernas: utilização de novos materiais (ferro, aço)
  • 28. A ARQUITETURA DO ROMANTISMO Georg von Dollman, Castelo de Neuschwanstein, 1870, Baviera, Alemanha - Volumes irregulares - Múltiplas torres aguçadas e esguias
  • 29. A ARQUITETURA DO ROMANTISMO James Renwick, Catedral de São Patrício, Nova Iorque, 1859-79
  • 30. A ARQUITETURA DO ROMANTISMO NOVOS REVIVALISMOS - Neorromânico Catedral de Speyer, Alemanha.
  • 31. A ARQUITETURA DO ROMANTISMO NOVOS REVIVALISMOS - Neorrenascentista Prefeitura do distrito de Harburg (c.1889), Hamburgo, Alemanha
  • 32. A ARQUITETURA DO ROMANTISMO NOVOS REVIVALISMOS - Neobizantino Fachada neobizantina da Catedral de Westminster, Londres
  • 33. A ARQUITETURA DO ROMANTISMO NOVOS REVIVALISMOS - Neobarroco Palácio Dolmabahçe em Istambul, Turquia
  • 34. A ARQUITETURA DO ROMANTISMO Ecletismo Combinação de vários estilos arquitetónicos no mesmo edifício Charles Garnier, Ópera de Paris, c. 1862 Neoclassicismo + Neobarroco
  • 35. A ARQUITETURA DO ROMANTISMO Ecletismo Igreja do Sacré-Coeur, Paris Neoclassicismo + Neobizantino
  • 36. A ARQUITETURA DO ROMANTISMO Exotismos Gosto pelas culturas não europeias, por tudo aquilo que apela à imaginação e ao mistério Espírito irrequieto, insatisfeito e sonhador - Gosto por viagens - Literatura: descrição de histórias e terras estranhos Estilo indo-muçulmano
  • 37. A ARQUITETURA DO ROMANTISMO Exotismos Gosto pelas culturas não europeias, por tudo aquilo que apela à imaginação e ao mistério Estilo neoárabe na Península Ibérica James Knoles, Palacete de Monserrate, c. 1887, Sintra
  • 38. A ARQUITETURA ROMÂNTICA EM PORTUGAL D. Fernando de Saxe-Coburgo- Gotha, 2º marido de D. Maria II Barão de Eschwege
  • 39. A ARQUITETURA ROMÂNTICA EM PORTUGAL D. Fernando de Saxe-Coburgo- Gotha, 2º marido de D. Maria II Barão de Eschwege EncomendadorArquiteto
  • 40. A ARQUITETURA ROMÂNTICA EM PORTUGAL Revivalismos com caráter nacionalista Palácio do Buçaco (1888- 1907), Luigi Manini e outros • Encomenda do ministro das Obras Públicas Emídio Navarro • Corpo central: réplica da Torre de Belém • Arcada: réplica do Mosteiro dos Jerónimos
  • 41. A ARQUITETURA ROMÂNTICA EM PORTUGAL Revivalismos com caráter nacionalista Palácio do Buçaco (1888- 1907), Luigi Manini e outros • Encomenda do ministro das Obras Públicas Emídio Navarro • Corpo central: réplica da Torre de Belém • Arcada: réplica do Mosteiro dos Jerónimos
  • 42. A ARQUITETURA ROMÂNTICA EM PORTUGAL Revivalismos com caráter nacionalista Palácio do Buçaco (1888- 1907), Luigi Manini e outros • Encomenda do ministro das Obras Públicas Emídio Navarro • Corpo central: réplica da Torre de Belém • Arcada: réplica do Mosteiro dos Jerónimos
  • 43. A ARQUITETURA ROMÂNTICA EM PORTUGAL Estação do Rossio (1886-87), José Luís Monteiro Revivalismos com caráter nacionalista
  • 44. A ARQUITETURA ROMÂNTICA EM PORTUGAL Palácio da Regaleira (1905-11), projetado por Luigi Manini para o Dr. Carvalho Monteiro Obra mística e misteriosa, eclética, simbolista e esotérica Revivalismos com caráter nacionalista
  • 45. A ARQUITETURA ROMÂNTICA EM PORTUGAL Neogótico em 2º plano Moradias Igrejas Jazigos fúnebres Revivalismos com caráter nacionalista Costa Mota Tio, Jazigo dos Condes do Ameal, c. 1893, Coimbra
  • 46. A ARQUITETURA ROMÂNTICA EM PORTUGAL • Sintra • Álvaro Machado • Jazigo do Visconde de Valmor Revivalismos com caráter nacionalista Colégio académico, 1904, Álvaro Machado, Lisboa
  • 47. A ARQUITETURA ROMÂNTICA EM PORTUGAL Exotismos Praça de Touros, 1892, Campo Pequeno, António José Dias da Silva
  • 48. A ARQUITETURA ROMÂNTICA EM PORTUGAL Exotismos Praça de Touros, 1892, Campo Pequeno, António José Dias da Silva
  • 49. A ARQUITETURA ROMÂNTICA EM PORTUGAL Exotismos Palácio de Monserrate, c. 1887, James Knowles (para o comerciante inglês Francis Cook)
  • 50. A ARQUITETURA ROMÂNTICA EM PORTUGAL Exotismos Palácio de Monserrate, c. 1887, James Knowles (para o comerciante inglês Francis Cook)
  • 51. A ARQUITETURA ROMÂNTICA EM PORTUGAL Exotismos Palácio de Monserrate, c. 1887, James Knowles (para o comerciante inglês Francis Cook)
  • 52. A ARQUITETURA ROMÂNTICA EM PORTUGAL Exotismos Salão Árabe do Palácio da Bolsa do Porto
  • 53. A ARQUITETURA ROMÂNTICA EM PORTUGAL Exotismos Salão Árabe do Palácio da Bolsa do Porto
  • 54. A ARQUITETURA ROMÂNTICA EM PORTUGAL EcletismosBasílica de Santa Luzia, Viana do Castelo, Ventura Terra
  • 55. A ARQUITETURA ROMÂNTICA EM PORTUGAL Influências neorromânicas, neobizantinas e outras. Inspirada na Igreja de Sacré- Coeur, em Paris
  • 57. CASO PRÁTICO: O PALÁCIO DA PENA
  • 58. CASO PRÁTICO: O PALÁCIO DA PENA D. Fernando de Saxe Coburgo-Gotha (1816-85) D. Fernando II, 2º marido da rainha D. Maria II, o Rei-Artista - Tinha talento para a gravação, cerâmica e desenho - Gosto pelo colecionismo eclético - Protegeu a Academia Real das Belas- Artes e a Associação dos Arquitetos Civis e Arqueólogos Portugueses - Criou a Galeria Nacional de Pintura - Foi mecenas de intelectuais e artistas
  • 59. CASO PRÁTICO: O PALÁCIO DA PENA D. Fernando de Saxe Coburgo-Gotha (1816-85) - Responsável por algumas obras de restauro: Custódia de Belém, túmulos de D. Pedro e D. Inês, os mosteiros da Batalha e dos Jerónimos, Convento de Cristo em Tomar, Torre de Belém e a Sé de Lisboa - Sedução pela Idade Média, pelo Gótico e pelo Manuelino - Espírito nacionalista, liberal e romântico Reconstrução do mosteiro, na Pena, construído c. de 1511 e destruído em 1755
  • 60. CASO PRÁTICO: O PALÁCIO DA PENA Mosteiro de Nossa Senhora da Pena Reconstrução do mosteiro, na Pena, construído c. de 1511 e destruído em 1755 Barão de Eschwege
  • 61. CASO PRÁTICO: O PALÁCIO DA PENA As obras iniciam- se em 1838 e terminam em 1868. Até 1885 foram feitos trabalhos de acabamento.
  • 62. CASO PRÁTICO: O PALÁCIO DA PENA Ecletismo: - Neogótico - Neomanuelino - Neoárabe + Movimento de volumes (desnivelamentos sucessivos)
  • 63. CASO PRÁTICO: O PALÁCIO DA PENA 22 – Salão Nobre 20 – Sala Indiana 5 – Capela, sacristia e coro 13 – Sala de estar da família real 15 – Sala de Árabe
  • 64. CASO PRÁTICO: O PALÁCIO DA PENA 1ª área: Muralhas envolventes (estilo neomedievalista e neoárabe)
  • 65. CASO PRÁTICO: O PALÁCIO DA PENA 2ª área: a zona do antigo mosteiro 3ª zona: zona palaciana
  • 66. 4ª zona: Pátio dos Arcos, em frente à capela, com arcos mouriscos CASO PRÁTICO: O PALÁCIO DA PENA
  • 67. CASO PRÁTICO: O PALÁCIO DA PENA Claustro manuelino
  • 68. CASO PRÁTICO: O PALÁCIO DA PENA Claustro manuelino Dois andares, divididos por uma cornija em forma de corda Azulejos quinhentistas híspano-árabes
  • 69. CASO PRÁTICO: O PALÁCIO DA PENA Contrafortes encimados por pináculos torsos Gárgulas
  • 70. CASO PRÁTICO: O PALÁCIO DA PENA Pórtico dos Tritões Torre do Relógio
  • 71. CASO PRÁTICO: O PALÁCIO DA PENA Contrafortes inspirados na arquitetura militar mourisca
  • 72. CASO PRÁTICO: O PALÁCIO DA PENA Pórtico dos Tritões - pórtico alegórico da criação do mundo: - quatro arquivoltas submersas pela vegetação - concha com um tritão (desenhado por D. Fernando II), que serve de mísula à bow-window da Sala Indiana
  • 73. CASO PRÁTICO: O PALÁCIO DA PENA Salão Árabe Ecletismo: neomourisco, neogótico e neoindiano Relevos em estuque + Pinturas em trompe- l’oeil (motivos arquitetónicos e vegetalistas) Profundidade e monumentalidade