SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 3
AGRUPAMENTO DEESCOLAS IBN MUCANA
Ficha formativa
História e Geografia de Portugal

1820 e o Liberalismo
1. Caracteriza a sociedade francesa antes de 1789.
Antes de 1789, a sociedade francesa estava dividida entre os grupos privilegiados (a nobreza e o
clero) e os não privilegiados (a burguesia e o povo).
2. Diz o que aconteceu em França em 1789.
Havia um grande descontentamento em França por parte da burguesia e do povo porque eram os
únicos que pagavam impostos, enquanto que a nobreza e o clero tinham uma série de privilégios.
Para além disso, o rei tinha poder absoluto. Assim, em 1789, deu-se uma revolução.
3. Descreve as transformações ocorridas em França após a Revolução de 1789.
Com a Revolução Francesa, termina a monarquia absoluta e é declarada a igualdade de todos perante
a lei. Deste modo, são abolidos os privilégios da nobreza e do clero.
4. Diz em que consistiu o Bloqueio Continental. (mapa da p. 41)
O Bloqueio Continental consistiu na imposição decretada por Napoleão, em 1806, a todos os países
europeus, obrigando-os a fecharem os portos aos navios ingleses, de forma a arruinar
comercialmente a Inglaterra.
5. Justifica a não adesão de Portugal ao Bloqueio Continental.
Portugal não aderiu ao bloqueio devido à antiga aliança que existe entre os dois países e porque o
encerramento dos portos portugueses aos navios ingleses prejudicaria a economia portuguesa (visto
que o nosso comércio externo era feito principalmente com esse país).
6. Explica a ida de D. João VI para o Brasil.
Perante a invasão francesa do nosso país, em 1807, D. João VI decide refugiar-se no Brasil como
forma de assegurar a independência do nosso país.
7. Refere a data e o nome dos generais franceses que comandaram as três invasões de Portugal.
- 1ª invasão (1807-1808): Junot
- 2ª invasão (1809): Soult
- 3ª invasão (1810-1811): Massena
8. Localiza o percurso feito pelas tropas francesas durante as três invasões (mapa da p. 42).
- 1ª invasão– pelo Tejo, chegam a Lisboa
- 2ª invasão– entrando por Trás-os-Montes, ocupam a cidade do Porto
- 3ª invasão - entram pela Beira Alta, dirigem-se a Lisboa mas são detidos pelas Linhas de Torres
Vedras
9. Refere o nome das principais batalhas ocorridas durante as invasões francesas.
- 1ª invasão – Roliça e Vimeiro
- 3ª invasão - Buçaco
10. Justifica o descontentamento dos portugueses face à primeira invasão francesa.
As invasões francesas provocaram um grande descontentamento entre os portugueses porque
substituíram a bandeira portuguesa pela francesa no Castelo de S. Jorge, governaram Portugal como
terra conquistada e praticaram uma série de roubos e de violências por todo o país.
11. Descreve a saída dos franceses após a 1ª invasão.
Devido ao auxílio do exército inglês, chefiados pelo duque de Wellington, os franceses foram
derrotados nas batalhas da Roliça e do Vimeiro, tendo negociado os termos da sua saída na
Convenção de Sintra.
12. Refere o nome da cidade portuguesa ocupada durante a 2ª invasão.
Em 1809, os franceses ocuparam o Porto
13. Explica a derrota dos franceses na 3ªinvasão.
Os franceses avançavam sobre Lisboa mas foram detidos pelas Linhas de Torres Vedras, um conjunto
de fortificações que os ingleses construíram a norte da cidade. Em 1811, os franceses deixaram
Portugal.
14. Descreve as consequências das invasões francesas.
- consequências políticas: o rei e a Corte permaneciam no Brasil; os ingleses controlavam o exército, o
comércio e o governo portugueses;
- consequências económicas: devido às invasões francesas, o país ficou arruinado e as atividades
económicas estavam paralisadas; em 1808, D. João decreta a abertura dos portos brasileiros ao
comércio internacional, prejudicando os comerciantes portugueses
15. Descreve a conspiração ocorrida em 1817 e o seu desfecho.
Em 1817, Gomes Freire de Andrade foi acusado de chefiar uma conspiração que tinha como objectivo
acabar com o domínio inglês do nosso país. Foi enforcado, queimado e deitado ao mar.
16. Diz em que consistiu o Sinédrio.
O Sinédrio foi uma organização secreta organizada por um grupo de liberais, dirigidos por Manuel
Fernandes Tomás, com o objectivo de preparar uma revolta militar.
17. Descreve a Revolução Liberal de 1820.
No dia 24 de de 1820, um grupo de militares do Porto, dirigidos por Sepúlveda (que fazia parte do
Sinédrio), revoltaram-se contra o regime absoluto e o domínio inglês. No dia 1 de Outubro, os
revolucionários uniram-se aos liberais de Lisboa e, partindo daqui, a revolução espalhou-se por todo
o país. Os ingleses foram afastados e foi criada a Junta Provisional do Governo do Reino.
18. Diz em que consiste uma Constituição.
Constituição é a lei fundamental de um Estado, elaborada e aprovada por representantes eleitos pelo
povo, que define os direitos e os deveres dos cidadãos e o modo de governo do país.
19. Descreve a tarefa atribuída às Cortes Constituintes após a Revolução.
A Junta Provisional do Governo do Reino organizou as primeiras eleições para deputados às Cortes
Constituintes, órgão que tinha como tarefa elaborar uma Constituição Liberal para Portugal.
20. Refere as transformações operadas em Portugal com a Revolução de 1820.
As transformações registadas em Portugal com a Constituição de 1822 foram:
- foi declarada a igualdade de todos perante a lei: deixaram de existir grupos privilegiados, todos
passaram a pagar impostos e a justiça passou a ser aplicada a todos pelos mesmos tribunais.
- foi declarada a soberania da nação: os cidadãos escolhem os seus representantes (aqueles que irão
governar em seu nome)através do voto (votavam os homens com mais de 25 anos, exceto os frades,
os analfabetos e as mulheres); foi aplicada a divisão tripartida do poder político. Deste modo, o rei
ficou submetido à vontade dos cidadãos.
21. Distingue a monarquia absoluta da monarquia constitucional.
Na monarquia absoluta, o rei tem o poder total e concentra nas suas mãos os poderes legislativo,
executivo e judicial. Na monarquia liberal, os três poderes políticos estão divididos, sendo que o
poder legislativo pertence aos deputados nas Cortes, o poder executivo está nas mãos do rei e dos
seus ministros, e o poder judicial é aplicado pelos juízes.
22. Explica o desenvolvimento do Brasil após a ida do rei para o Brasil.
As razões do desenvolvimento do Brasil foram:
- políticas - a transferência da corte para o Brasil em 1808; a elevação do Brasil à categoria de Reino
em 1815;
- económicas - a abertura dos portos brasileiros ao comércio internacional em 1808;
- culturais – foram construídas estradas, escolas, hospitais, teatros e bibliotecas.
23. Descreve a reacção de D. Pedro às exigências das Cortes Constituintes.
Em 1821, as Cortes Constituintes exigiram o regresso do rei e do príncipe herdeiro a Portugal, o
retorno do Brasil à categoria de colónia e a anulação da abertura dos portos brasileiros ao comércio
internacional. D. João VI regressa a Portugal, onde aprovou a Constituição de 1822 mas D. Pedro
permanece no Brasil. No dia 7 de Setembro de 1822, nas margens do Rio Ipiranga, declara
“independência ou morte!”
24. Explica a concessão da regência a D. Miguel por parte de D. Pedro.
Com a morte de D. João VI em 1826, D. Pedro foi declarado rei de Portugal. No entanto, como D.
Pedro era já imperador do Brasil, se subisse ao trono, Portugal e Brasil voltariam a ficar unidos. Por
isso, abdica do trono a favor de sua filha, D. Maria, que casaria com seu tio, D. Miguel. Como este era
adepto do regime absolutista, D. Pedro fez com que D. Miguel prometesse governar segundo um
regime liberal.
25. Descreve o tipo de governo imposto por D. Miguel em 1828.
D. Miguel, com o apoio da nobreza e do clero, desrespeita a promessa feita, dissolve as Cortes e
declara-se rei absoluto.
26. Diz quem liderou o exército liberal.
D. Pedro, em 1931, abdica do trono brasileiro para o seu filho e decide voltar a Portugal para
organizar um exército liberal que abolisse a monarquia absoluta.
27. Descreve o cerco à cidade do Porto.
Na tentativa de obter apoio dos liberais no Norte do país, o exército liderado por D. Pedro
desembarcou na praia em Pampelido, no Porto. O cerco à cidade durou um ano.
28. Descreve a estratégia adotada pelos liberais para derrotar as tropas absolutistas.
Numa tentativa de provocar a divisão das tropas miguelistas, uma parte do exército liberal sai do
Porto e dirige-se para o Algarve. Daqui marcha para Lisboa, onde chegou em 1933.
29. Como terminou a guerra civil?
Entretanto, as tropas miguelistas saem do Porto e dirigem-se para Lisboa, tendo sito derrotadas nas
batalhas de Almoster e de Asseiceira. S. Miguel assinou a paz, em 1834, na Convenção de
Évoramonte, tendo sido obrigado ao exílio.
FIM

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A RevoluçãO Liberal De 1820
A RevoluçãO Liberal De 1820A RevoluçãO Liberal De 1820
A RevoluçãO Liberal De 1820
jdlimaaear
 
A revolução americana
A revolução americanaA revolução americana
A revolução americana
cattonia
 
Portugal do seculo_xviii_ao_seculo_xix
Portugal do seculo_xviii_ao_seculo_xixPortugal do seculo_xviii_ao_seculo_xix
Portugal do seculo_xviii_ao_seculo_xix
cattonia
 
A Crise do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIVA Crise do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIV
Carlos Vieira
 
Descobrimentos Portugueses
Descobrimentos PortuguesesDescobrimentos Portugueses
Descobrimentos Portugueses
João Fernandes
 
História 11ºano ( matéria do 1º período)
 História 11ºano ( matéria do 1º período) História 11ºano ( matéria do 1º período)
História 11ºano ( matéria do 1º período)
Andreia Pacheco
 
A sociedade de ordens 11º ano
A sociedade de ordens 11º anoA sociedade de ordens 11º ano
A sociedade de ordens 11º ano
Carla Teixeira
 
A primeira república portuguesa
A primeira república portuguesaA primeira república portuguesa
A primeira república portuguesa
cattonia
 

Mais procurados (20)

Vintismo
VintismoVintismo
Vintismo
 
A RevoluçãO Liberal De 1820
A RevoluçãO Liberal De 1820A RevoluçãO Liberal De 1820
A RevoluçãO Liberal De 1820
 
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
 
A revolução americana
A revolução americanaA revolução americana
A revolução americana
 
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
 
A Expansão marítima
A Expansão marítimaA Expansão marítima
A Expansão marítima
 
Poder régio
Poder régioPoder régio
Poder régio
 
Sociedade de ordens
Sociedade de ordensSociedade de ordens
Sociedade de ordens
 
Portugal do seculo_xviii_ao_seculo_xix
Portugal do seculo_xviii_ao_seculo_xixPortugal do seculo_xviii_ao_seculo_xix
Portugal do seculo_xviii_ao_seculo_xix
 
A Crise do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIVA Crise do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIV
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Descobrimentos Portugueses
Descobrimentos PortuguesesDescobrimentos Portugueses
Descobrimentos Portugueses
 
História 11ºano ( matéria do 1º período)
 História 11ºano ( matéria do 1º período) História 11ºano ( matéria do 1º período)
História 11ºano ( matéria do 1º período)
 
A sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo RegimeA sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo Regime
 
A sociedade de ordens 11º ano
A sociedade de ordens 11º anoA sociedade de ordens 11º ano
A sociedade de ordens 11º ano
 
Revolução liberal portuguesa - História 8ºano
Revolução liberal portuguesa - História 8ºanoRevolução liberal portuguesa - História 8ºano
Revolução liberal portuguesa - História 8ºano
 
Antigo regime
Antigo regimeAntigo regime
Antigo regime
 
Uniao iberica
Uniao ibericaUniao iberica
Uniao iberica
 
A primeira república portuguesa
A primeira república portuguesaA primeira república portuguesa
A primeira república portuguesa
 
O espaço português 1
O espaço português 1O espaço português 1
O espaço português 1
 

Destaque

Mini ficha avaliação correção
Mini ficha avaliação   correçãoMini ficha avaliação   correção
Mini ficha avaliação correção
Ana Pereira
 
RevisõEs 2.º Teste
RevisõEs 2.º TesteRevisõEs 2.º Teste
RevisõEs 2.º Teste
jdlimaaear
 
Casamento D. Leonor e frederico III
Casamento D. Leonor e frederico IIICasamento D. Leonor e frederico III
Casamento D. Leonor e frederico III
Ana Barreiros
 
Ficha "A Cultura do Palco"
Ficha "A Cultura do Palco"Ficha "A Cultura do Palco"
Ficha "A Cultura do Palco"
Ana Barreiros
 
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinemaCorrecao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Ana Barreiros
 
Preparação para a prova intermédia
Preparação para a prova intermédiaPreparação para a prova intermédia
Preparação para a prova intermédia
Ana Barreiros
 
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ana Barreiros
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ana Barreiros
 
O estadio e o teatro
O estadio e o teatroO estadio e o teatro
O estadio e o teatro
Ana Barreiros
 
Religião e Filosofia da grécia antiga
Religião e Filosofia da grécia antigaReligião e Filosofia da grécia antiga
Religião e Filosofia da grécia antiga
Ana Barreiros
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ana Barreiros
 
Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"
Ana Barreiros
 
Ficha formativa cultura da catedral
Ficha formativa cultura da catedralFicha formativa cultura da catedral
Ficha formativa cultura da catedral
Ana Barreiros
 
O século de péricles
O século de périclesO século de péricles
O século de péricles
Ana Barreiros
 

Destaque (20)

Ficha de Avaliação - 6º Ano - As Invasões Francesas/ A revolução Liberal de 1822
Ficha de Avaliação - 6º Ano - As Invasões Francesas/ A revolução Liberal de 1822Ficha de Avaliação - 6º Ano - As Invasões Francesas/ A revolução Liberal de 1822
Ficha de Avaliação - 6º Ano - As Invasões Francesas/ A revolução Liberal de 1822
 
Mini ficha avaliação
Mini ficha avaliaçãoMini ficha avaliação
Mini ficha avaliação
 
Mini ficha avaliação correção
Mini ficha avaliação   correçãoMini ficha avaliação   correção
Mini ficha avaliação correção
 
RevisõEs 2.º Teste
RevisõEs 2.º TesteRevisõEs 2.º Teste
RevisõEs 2.º Teste
 
Casamento D. Leonor e frederico III
Casamento D. Leonor e frederico IIICasamento D. Leonor e frederico III
Casamento D. Leonor e frederico III
 
O maneirismo
O maneirismoO maneirismo
O maneirismo
 
Linha conceptual 7º ano 2012-13
Linha conceptual   7º ano 2012-13Linha conceptual   7º ano 2012-13
Linha conceptual 7º ano 2012-13
 
Bairro dos museus
Bairro dos museusBairro dos museus
Bairro dos museus
 
Ficha "A Cultura do Palco"
Ficha "A Cultura do Palco"Ficha "A Cultura do Palco"
Ficha "A Cultura do Palco"
 
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinemaCorrecao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinema
 
Preparação para a prova intermédia
Preparação para a prova intermédiaPreparação para a prova intermédia
Preparação para a prova intermédia
 
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
 
O estadio e o teatro
O estadio e o teatroO estadio e o teatro
O estadio e o teatro
 
Religião e Filosofia da grécia antiga
Religião e Filosofia da grécia antigaReligião e Filosofia da grécia antiga
Religião e Filosofia da grécia antiga
 
Uma aventura no palácio...
Uma aventura no palácio...Uma aventura no palácio...
Uma aventura no palácio...
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
 
Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"
 
Ficha formativa cultura da catedral
Ficha formativa cultura da catedralFicha formativa cultura da catedral
Ficha formativa cultura da catedral
 
O século de péricles
O século de périclesO século de péricles
O século de péricles
 

Semelhante a Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao

Revolução liberal portuguesa 1820
Revolução liberal portuguesa 1820Revolução liberal portuguesa 1820
Revolução liberal portuguesa 1820
roxy2011
 
Revolução liberal portuguesa 1820
Revolução liberal portuguesa 1820Revolução liberal portuguesa 1820
Revolução liberal portuguesa 1820
roxy2011
 
Revolução liberal portuguesa 1820
Revolução liberal portuguesa 1820Revolução liberal portuguesa 1820
Revolução liberal portuguesa 1820
roxy2011
 
A ImplantaçãO Do Liberalismo Em Portugal Completo
A ImplantaçãO Do Liberalismo Em Portugal   CompletoA ImplantaçãO Do Liberalismo Em Portugal   Completo
A ImplantaçãO Do Liberalismo Em Portugal Completo
ricardup
 
Revolução liberal 1820
Revolução liberal 1820Revolução liberal 1820
Revolução liberal 1820
JoanaRitaSilva
 
1820 liberalismoppt-hgp6-2010-11-111128064940-phpapp01
1820 liberalismoppt-hgp6-2010-11-111128064940-phpapp011820 liberalismoppt-hgp6-2010-11-111128064940-phpapp01
1820 liberalismoppt-hgp6-2010-11-111128064940-phpapp01
blade40p
 
Processo de independência do Brasil
Processo de independência do BrasilProcesso de independência do Brasil
Processo de independência do Brasil
Ana Souza
 
A revolução liberal e a independência do brasil
A revolução liberal e a independência do brasilA revolução liberal e a independência do brasil
A revolução liberal e a independência do brasil
helenasoares
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
MC123456789
 

Semelhante a Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao (20)

1820 e o liberalismo
1820 e o liberalismo1820 e o liberalismo
1820 e o liberalismo
 
1820 e o liberalismo
1820 e o liberalismo1820 e o liberalismo
1820 e o liberalismo
 
A revolução liberal em portugal
A revolução liberal em portugalA revolução liberal em portugal
A revolução liberal em portugal
 
5 04 a implantacao do liberalismo em portugal
5 04 a implantacao do liberalismo em portugal5 04 a implantacao do liberalismo em portugal
5 04 a implantacao do liberalismo em portugal
 
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
 
Revolução liberal portuguesa 1820
Revolução liberal portuguesa 1820Revolução liberal portuguesa 1820
Revolução liberal portuguesa 1820
 
A revolução liberal de 1820
A revolução liberal de 1820A revolução liberal de 1820
A revolução liberal de 1820
 
Revolução liberal portuguesa 1820
Revolução liberal portuguesa 1820Revolução liberal portuguesa 1820
Revolução liberal portuguesa 1820
 
Revolução liberal portuguesa 1820
Revolução liberal portuguesa 1820Revolução liberal portuguesa 1820
Revolução liberal portuguesa 1820
 
As causas da rev 1820
As causas da rev 1820As causas da rev 1820
As causas da rev 1820
 
A ImplantaçãO Do Liberalismo Em Portugal Completo
A ImplantaçãO Do Liberalismo Em Portugal   CompletoA ImplantaçãO Do Liberalismo Em Portugal   Completo
A ImplantaçãO Do Liberalismo Em Portugal Completo
 
Apresentação resumida do liberalismo em Portugal
Apresentação resumida do liberalismo em PortugalApresentação resumida do liberalismo em Portugal
Apresentação resumida do liberalismo em Portugal
 
Revolução liberal 1820
Revolução liberal 1820Revolução liberal 1820
Revolução liberal 1820
 
1820 liberalismoppt-hgp6-2010-11-111128064940-phpapp01
1820 liberalismoppt-hgp6-2010-11-111128064940-phpapp011820 liberalismoppt-hgp6-2010-11-111128064940-phpapp01
1820 liberalismoppt-hgp6-2010-11-111128064940-phpapp01
 
00 05 revisoes_modulo_5
00 05 revisoes_modulo_500 05 revisoes_modulo_5
00 05 revisoes_modulo_5
 
Processo de independência do Brasil
Processo de independência do BrasilProcesso de independência do Brasil
Processo de independência do Brasil
 
A revolução liberal e a independência do brasil
A revolução liberal e a independência do brasilA revolução liberal e a independência do brasil
A revolução liberal e a independência do brasil
 
A IMPLANTAÇÃO DO LEBERALISMO EM PORTUGAL.pptx
A IMPLANTAÇÃO DO LEBERALISMO EM PORTUGAL.pptxA IMPLANTAÇÃO DO LEBERALISMO EM PORTUGAL.pptx
A IMPLANTAÇÃO DO LEBERALISMO EM PORTUGAL.pptx
 
A implantação do Liberalismo em Portugal - Antecedentes e conjuntura.pptx
A implantação do Liberalismo em Portugal - Antecedentes e conjuntura.pptxA implantação do Liberalismo em Portugal - Antecedentes e conjuntura.pptx
A implantação do Liberalismo em Portugal - Antecedentes e conjuntura.pptx
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 

Mais de Ana Barreiros

Pintura do quattrocento
Pintura do quattrocentoPintura do quattrocento
Pintura do quattrocento
Ana Barreiros
 
O aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte goticaO aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte gotica
Ana Barreiros
 
Ficha formativa grandes_civilizacoes
Ficha formativa grandes_civilizacoesFicha formativa grandes_civilizacoes
Ficha formativa grandes_civilizacoes
Ana Barreiros
 
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º anoFicha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
Ana Barreiros
 
As artes na atualidade
As artes na atualidadeAs artes na atualidade
As artes na atualidade
Ana Barreiros
 
Cultura do espaço virtual
Cultura do espaço virtual Cultura do espaço virtual
Cultura do espaço virtual
Ana Barreiros
 
A arquitetura da 1ª metade século xx
A arquitetura da 1ª metade século xxA arquitetura da 1ª metade século xx
A arquitetura da 1ª metade século xx
Ana Barreiros
 
A arte abstrata depois da 2ª guerra
A arte abstrata depois da 2ª guerraA arte abstrata depois da 2ª guerra
A arte abstrata depois da 2ª guerra
Ana Barreiros
 
Os caminhos da abstracao formal
Os caminhos da abstracao formalOs caminhos da abstracao formal
Os caminhos da abstracao formal
Ana Barreiros
 
Surrealismo e neorealismo
Surrealismo e neorealismoSurrealismo e neorealismo
Surrealismo e neorealismo
Ana Barreiros
 
O mundo comunista desenvolvimento e ruturas
O mundo comunista   desenvolvimento e ruturasO mundo comunista   desenvolvimento e ruturas
O mundo comunista desenvolvimento e ruturas
Ana Barreiros
 

Mais de Ana Barreiros (20)

Pintura barroca na Europa
Pintura barroca na EuropaPintura barroca na Europa
Pintura barroca na Europa
 
Rubrica de avaliação
Rubrica de avaliação Rubrica de avaliação
Rubrica de avaliação
 
Lista de verificação e-atividade
Lista de verificação e-atividade Lista de verificação e-atividade
Lista de verificação e-atividade
 
O romantismo
O romantismoO romantismo
O romantismo
 
Casa Sommer
Casa SommerCasa Sommer
Casa Sommer
 
Imagens de Arquitetura Barroca
Imagens de Arquitetura BarrocaImagens de Arquitetura Barroca
Imagens de Arquitetura Barroca
 
Pintura do quattrocento
Pintura do quattrocentoPintura do quattrocento
Pintura do quattrocento
 
O aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte goticaO aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte gotica
 
Escultura romana
Escultura romanaEscultura romana
Escultura romana
 
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºGA modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
 
Ficha formativa grandes_civilizacoes
Ficha formativa grandes_civilizacoesFicha formativa grandes_civilizacoes
Ficha formativa grandes_civilizacoes
 
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º anoFicha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
 
As artes na atualidade
As artes na atualidadeAs artes na atualidade
As artes na atualidade
 
Cultura do espaço virtual
Cultura do espaço virtual Cultura do espaço virtual
Cultura do espaço virtual
 
A arquitetura da 1ª metade século xx
A arquitetura da 1ª metade século xxA arquitetura da 1ª metade século xx
A arquitetura da 1ª metade século xx
 
A arte abstrata depois da 2ª guerra
A arte abstrata depois da 2ª guerraA arte abstrata depois da 2ª guerra
A arte abstrata depois da 2ª guerra
 
Arte abstrata
Arte abstrataArte abstrata
Arte abstrata
 
Os caminhos da abstracao formal
Os caminhos da abstracao formalOs caminhos da abstracao formal
Os caminhos da abstracao formal
 
Surrealismo e neorealismo
Surrealismo e neorealismoSurrealismo e neorealismo
Surrealismo e neorealismo
 
O mundo comunista desenvolvimento e ruturas
O mundo comunista   desenvolvimento e ruturasO mundo comunista   desenvolvimento e ruturas
O mundo comunista desenvolvimento e ruturas
 

Último

Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
andreaLisboa7
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 

Último (20)

APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 

Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao

  • 1. AGRUPAMENTO DEESCOLAS IBN MUCANA Ficha formativa História e Geografia de Portugal 1820 e o Liberalismo 1. Caracteriza a sociedade francesa antes de 1789. Antes de 1789, a sociedade francesa estava dividida entre os grupos privilegiados (a nobreza e o clero) e os não privilegiados (a burguesia e o povo). 2. Diz o que aconteceu em França em 1789. Havia um grande descontentamento em França por parte da burguesia e do povo porque eram os únicos que pagavam impostos, enquanto que a nobreza e o clero tinham uma série de privilégios. Para além disso, o rei tinha poder absoluto. Assim, em 1789, deu-se uma revolução. 3. Descreve as transformações ocorridas em França após a Revolução de 1789. Com a Revolução Francesa, termina a monarquia absoluta e é declarada a igualdade de todos perante a lei. Deste modo, são abolidos os privilégios da nobreza e do clero. 4. Diz em que consistiu o Bloqueio Continental. (mapa da p. 41) O Bloqueio Continental consistiu na imposição decretada por Napoleão, em 1806, a todos os países europeus, obrigando-os a fecharem os portos aos navios ingleses, de forma a arruinar comercialmente a Inglaterra. 5. Justifica a não adesão de Portugal ao Bloqueio Continental. Portugal não aderiu ao bloqueio devido à antiga aliança que existe entre os dois países e porque o encerramento dos portos portugueses aos navios ingleses prejudicaria a economia portuguesa (visto que o nosso comércio externo era feito principalmente com esse país). 6. Explica a ida de D. João VI para o Brasil. Perante a invasão francesa do nosso país, em 1807, D. João VI decide refugiar-se no Brasil como forma de assegurar a independência do nosso país. 7. Refere a data e o nome dos generais franceses que comandaram as três invasões de Portugal. - 1ª invasão (1807-1808): Junot - 2ª invasão (1809): Soult - 3ª invasão (1810-1811): Massena 8. Localiza o percurso feito pelas tropas francesas durante as três invasões (mapa da p. 42). - 1ª invasão– pelo Tejo, chegam a Lisboa - 2ª invasão– entrando por Trás-os-Montes, ocupam a cidade do Porto - 3ª invasão - entram pela Beira Alta, dirigem-se a Lisboa mas são detidos pelas Linhas de Torres Vedras 9. Refere o nome das principais batalhas ocorridas durante as invasões francesas. - 1ª invasão – Roliça e Vimeiro - 3ª invasão - Buçaco 10. Justifica o descontentamento dos portugueses face à primeira invasão francesa. As invasões francesas provocaram um grande descontentamento entre os portugueses porque substituíram a bandeira portuguesa pela francesa no Castelo de S. Jorge, governaram Portugal como terra conquistada e praticaram uma série de roubos e de violências por todo o país. 11. Descreve a saída dos franceses após a 1ª invasão.
  • 2. Devido ao auxílio do exército inglês, chefiados pelo duque de Wellington, os franceses foram derrotados nas batalhas da Roliça e do Vimeiro, tendo negociado os termos da sua saída na Convenção de Sintra. 12. Refere o nome da cidade portuguesa ocupada durante a 2ª invasão. Em 1809, os franceses ocuparam o Porto 13. Explica a derrota dos franceses na 3ªinvasão. Os franceses avançavam sobre Lisboa mas foram detidos pelas Linhas de Torres Vedras, um conjunto de fortificações que os ingleses construíram a norte da cidade. Em 1811, os franceses deixaram Portugal. 14. Descreve as consequências das invasões francesas. - consequências políticas: o rei e a Corte permaneciam no Brasil; os ingleses controlavam o exército, o comércio e o governo portugueses; - consequências económicas: devido às invasões francesas, o país ficou arruinado e as atividades económicas estavam paralisadas; em 1808, D. João decreta a abertura dos portos brasileiros ao comércio internacional, prejudicando os comerciantes portugueses 15. Descreve a conspiração ocorrida em 1817 e o seu desfecho. Em 1817, Gomes Freire de Andrade foi acusado de chefiar uma conspiração que tinha como objectivo acabar com o domínio inglês do nosso país. Foi enforcado, queimado e deitado ao mar. 16. Diz em que consistiu o Sinédrio. O Sinédrio foi uma organização secreta organizada por um grupo de liberais, dirigidos por Manuel Fernandes Tomás, com o objectivo de preparar uma revolta militar. 17. Descreve a Revolução Liberal de 1820. No dia 24 de de 1820, um grupo de militares do Porto, dirigidos por Sepúlveda (que fazia parte do Sinédrio), revoltaram-se contra o regime absoluto e o domínio inglês. No dia 1 de Outubro, os revolucionários uniram-se aos liberais de Lisboa e, partindo daqui, a revolução espalhou-se por todo o país. Os ingleses foram afastados e foi criada a Junta Provisional do Governo do Reino. 18. Diz em que consiste uma Constituição. Constituição é a lei fundamental de um Estado, elaborada e aprovada por representantes eleitos pelo povo, que define os direitos e os deveres dos cidadãos e o modo de governo do país. 19. Descreve a tarefa atribuída às Cortes Constituintes após a Revolução. A Junta Provisional do Governo do Reino organizou as primeiras eleições para deputados às Cortes Constituintes, órgão que tinha como tarefa elaborar uma Constituição Liberal para Portugal. 20. Refere as transformações operadas em Portugal com a Revolução de 1820. As transformações registadas em Portugal com a Constituição de 1822 foram: - foi declarada a igualdade de todos perante a lei: deixaram de existir grupos privilegiados, todos passaram a pagar impostos e a justiça passou a ser aplicada a todos pelos mesmos tribunais. - foi declarada a soberania da nação: os cidadãos escolhem os seus representantes (aqueles que irão governar em seu nome)através do voto (votavam os homens com mais de 25 anos, exceto os frades, os analfabetos e as mulheres); foi aplicada a divisão tripartida do poder político. Deste modo, o rei ficou submetido à vontade dos cidadãos. 21. Distingue a monarquia absoluta da monarquia constitucional. Na monarquia absoluta, o rei tem o poder total e concentra nas suas mãos os poderes legislativo, executivo e judicial. Na monarquia liberal, os três poderes políticos estão divididos, sendo que o poder legislativo pertence aos deputados nas Cortes, o poder executivo está nas mãos do rei e dos seus ministros, e o poder judicial é aplicado pelos juízes. 22. Explica o desenvolvimento do Brasil após a ida do rei para o Brasil.
  • 3. As razões do desenvolvimento do Brasil foram: - políticas - a transferência da corte para o Brasil em 1808; a elevação do Brasil à categoria de Reino em 1815; - económicas - a abertura dos portos brasileiros ao comércio internacional em 1808; - culturais – foram construídas estradas, escolas, hospitais, teatros e bibliotecas. 23. Descreve a reacção de D. Pedro às exigências das Cortes Constituintes. Em 1821, as Cortes Constituintes exigiram o regresso do rei e do príncipe herdeiro a Portugal, o retorno do Brasil à categoria de colónia e a anulação da abertura dos portos brasileiros ao comércio internacional. D. João VI regressa a Portugal, onde aprovou a Constituição de 1822 mas D. Pedro permanece no Brasil. No dia 7 de Setembro de 1822, nas margens do Rio Ipiranga, declara “independência ou morte!” 24. Explica a concessão da regência a D. Miguel por parte de D. Pedro. Com a morte de D. João VI em 1826, D. Pedro foi declarado rei de Portugal. No entanto, como D. Pedro era já imperador do Brasil, se subisse ao trono, Portugal e Brasil voltariam a ficar unidos. Por isso, abdica do trono a favor de sua filha, D. Maria, que casaria com seu tio, D. Miguel. Como este era adepto do regime absolutista, D. Pedro fez com que D. Miguel prometesse governar segundo um regime liberal. 25. Descreve o tipo de governo imposto por D. Miguel em 1828. D. Miguel, com o apoio da nobreza e do clero, desrespeita a promessa feita, dissolve as Cortes e declara-se rei absoluto. 26. Diz quem liderou o exército liberal. D. Pedro, em 1931, abdica do trono brasileiro para o seu filho e decide voltar a Portugal para organizar um exército liberal que abolisse a monarquia absoluta. 27. Descreve o cerco à cidade do Porto. Na tentativa de obter apoio dos liberais no Norte do país, o exército liderado por D. Pedro desembarcou na praia em Pampelido, no Porto. O cerco à cidade durou um ano. 28. Descreve a estratégia adotada pelos liberais para derrotar as tropas absolutistas. Numa tentativa de provocar a divisão das tropas miguelistas, uma parte do exército liberal sai do Porto e dirige-se para o Algarve. Daqui marcha para Lisboa, onde chegou em 1933. 29. Como terminou a guerra civil? Entretanto, as tropas miguelistas saem do Porto e dirigem-se para Lisboa, tendo sito derrotadas nas batalhas de Almoster e de Asseiceira. S. Miguel assinou a paz, em 1834, na Convenção de Évoramonte, tendo sido obrigado ao exílio. FIM