SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 29
A arquitetura gótica
Objetivo da arquitetura gótica


  Louvar Deus                         Louvar os homens



  “Deus é Luz”            Os pobres, que              Os ricos, que
                   participavam na construção   financiavam a construção


Catedrais são as               Catedrais eram motivo de
moradas de Deus            orgulho dos habitantes das cidades



                       Expansão da cidade em torno da catedral
Originalidade da
               arquitetura
                 gótica




                               Alterações na
Inovações
             Nova estética        estrutura
 técnicas
                                   formal
Inovações técnicas
                         Arco ogival, surgido na Borgonha, devido à
                         necessidade de elevar os 4 arcos
                         (principais e formeiros) à mesma altura, o
                         que só se poderia fazer agudizando os
                         arcos dos lados menores


Abóbadas de cruz ou cruzaria de ogivas
Abóbada cruzada simples




                          Abóbada cruzada sexpartida
Inovações técnicas
Vantagens:
- É     exercida     menos
  pressão            lateral,
  permitindo uma melhor
  articulação de forças
- Através das nervuras
  estruturais dos arcos em
  ogiva, as forças eram
  desviadas     para      os
  pilares de sustentação e
  para os contrafortes no
  exterior
Inovações técnicas
Vantagens:
- Permitiu aumentar as áreas de construção e a verticalidade
   dos edifícios
Inovações técnicas
Vantagens:
- Permitiu aumentar as áreas de construção e a verticalidade
   dos edifícios
Inovações técnicas
Consequências: necessidade de reforçar os apoios
exteriores com contrafortes mais esbeltos e elegantes:
                                        1. Nave central
                                        2. Naves laterais
                                        3. Botaréus
                                        4. Arcobotantes

                                   Os botaréus eram elementos
                                   maciços verticais adossados
                                   às paredes exteriores das
                                   naves        laterais;      os
                                   arcobotantes     eram     uma
                                   espécie de meios arcos
                                   construídos por cima da
                                   cobertura das naves laterais.
Inovações técnicas
A nova estética
• Aumentou a altura das
  abóbadas
• Pilares e colunelos mais
  delgados
• Acentuação da verticalidade
• Espaços internos mais amplos
• Paredes libertas do seu papel de
  suporte, passando a delimitar e
  proteger espaços
• Interiores iluminados (melhor
  aproveitamento da luz)

 Catedral de Notre-Dame de Amiens
Alterações na estrutura formal
                      -Planta tipo basilical,
                      em cruz latina
                      - cabeceira virada para
                      este
                      - Corpo geralmente
                      com 3 naves
Alterações na estrutura formal
Alterações na estrutura formal
        - Transepto quase tão largo como
        o corpo principal mas, em
        compensação, pouco ou nada
        saliente
Alterações na estrutura formal




        A cabeceira tornou-se mais
        complexa, ocupando cerca de um
        terço da área da igreja
Alterações na estrutura formal
                  -os pilares das arcadas
                  interiores  aumentam     em
                  número e são colocados mais
                  próximos uns dos outros pois
                  os tramos eram retangulares
                  (e não quadrados);


                  - em contrapartida, ficam mais
                  finos    e altos,      o  que,
                  juntamente com a maior altura
                  dos tetos, criava a noção de
                  verticalidade.
Alterações na estrutura formal
                  - os pilares das arcadas
                  interiores  aumentam     em
                  número e são colocados mais
                  próximos uns dos outros pois
                  os tramos eram retangulares
                  (e não quadrados);


                  - em contrapartida, ficam mais
                  finos    e altos,      o  que,
                  juntamente com a maior altura
                  dos tetos, criava a noção de
                  verticalidade.
Alterações na estrutura formal
- Nova ordenação nas paredes laterais: devido ao desaparecimento da galeria,
passam a ter 3 níveis (arcadas, trifório e janelas clerestóricas)

Alongamento das arcadas e do clerestório, sublinhando as linhas verticais



                                                               1. Arcadas da nave
                                                                  central
                                                               2. Galeria
                                                               3. Trifório
                                                               4. Janelas do
                                                                  clerestório




     Laon, 1160-90        Paris, 1183-1270   Ameins, 1220-69
Alterações na estrutura formal
         - as janelas, mais alongadas, ocupavam toda a
         largura das paredes
         - as rosáceas tornam-se imponentes, permitindo uma
         melhor iluminação
Alterações na estrutura formal
                      Alterações nos portais:


                      - portais talhados num corpo saliente
                      da fachada, o qual avançava até à
                      espessura da base dos contrafortes


                      - as arquivoltas ogivais tornam-se
                      mais esguias, acentuado pelos
                      gabletes (empenas decorativas, de
                      forma triangular, que servem de
                      moldura e remate), em que, em
                      alguns casos, estavam contidas



 Catedral de Amiens
Alterações na estrutura formal
- Acentuação da verticalidade pelas torres sineiras, elevando-se em relação ao
cruzeiro, terminando em telhados cónicos ou em flechas rendilhadas e
prolongando-se em pináculos e agulhas




                                                             Catedral de Chartes
Alterações na estrutura formal
-Decoração       exterior
abundante (estatuária e
relevos):
- tímpanos,
- arquivoltas,
- colunelos,
- mainéis,
- cornijas,
- gárgulas,
- botaréus,
- arcobotantes,
- pináculos
                            Catedral de Burgos
Alterações na estrutura formal

- Interligação da catedral
com o espaço que a rodeia:
os contrafortes afastados
das     paredes     parecem
prolongar a igreja pelo
espaço          circundante,
enquanto, no alto das torres
e telhados, pináculos e
flechas se perdem no céu.




                               Catedral de Notre Dame, Paris
Escolas
França: foi o modelo que se impôs, seguido em
vários países

Inglaterra: mais austero pela prevalência das
catedrais monásticas (corpo alongado, aberturas
menores, cabeceiras quadradas, transeptos duplos)




                                                    Catedral de Gloucester


                                           Alemanha: estilo Hallenkirchen
                                           ou igrejas-salão, pelo seu
                                           espaço unificado



             Catedral de Friburgo
Escolas
Espanha: desenvolveu-se a partir do século
XIII e distinguiu-se pela inclusão de
elementos decorativos de e influência árabe
(estilo plateresco)




                                              Catedral Nova de Salamanca

                                 Itália: introdução tardia, com a manutenção
                                 de poucas aberturas nas paredes e da
                                 pintura mural em detrimento dos vitrais; a
                                 Catedral de Milão é dos finais do século
      Catedral de Milão          XV, exemplo do Gótico flamejante
A arquitetura gótica
A arquitetura gótica

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

01 cultura da catedral
01 cultura da catedral01 cultura da catedral
01 cultura da catedralVítor Santos
 
A arte românica
A arte românicaA arte românica
A arte românicabecresforte
 
Módulo 4 - Pintura Gótica
Módulo 4 - Pintura GóticaMódulo 4 - Pintura Gótica
Módulo 4 - Pintura GóticaCarla Freitas
 
Romanico em portugal
Romanico em portugalRomanico em portugal
Romanico em portugalcattonia
 
O aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte goticaO aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte goticaAna Barreiros
 
Arquitetura renascentista
Arquitetura renascentistaArquitetura renascentista
Arquitetura renascentistaAna Barreiros
 
03 escultura e pintura gótica
03 escultura e pintura gótica03 escultura e pintura gótica
03 escultura e pintura góticaVítor Santos
 
Cultura do Mosteiro - Arte Românica
Cultura do Mosteiro - Arte RomânicaCultura do Mosteiro - Arte Românica
Cultura do Mosteiro - Arte RomânicaCarlos Vieira
 
Arquitetura romana i
Arquitetura romana iArquitetura romana i
Arquitetura romana iAna Barreiros
 
Aula 05 arquitetura gótica
Aula 05 arquitetura góticaAula 05 arquitetura gótica
Aula 05 arquitetura góticaLila Donato
 
A cultura do palacio
A cultura do palacioA cultura do palacio
A cultura do palacioAna Barreiros
 
Arte gótica
Arte gótica Arte gótica
Arte gótica kyzinha
 
02 arquitetura gótica
02 arquitetura gótica02 arquitetura gótica
02 arquitetura góticaVítor Santos
 

Mais procurados (20)

Cultura do mosteiro
Cultura do mosteiroCultura do mosteiro
Cultura do mosteiro
 
Arte Gótica
Arte GóticaArte Gótica
Arte Gótica
 
01 cultura da catedral
01 cultura da catedral01 cultura da catedral
01 cultura da catedral
 
A arte românica
A arte românicaA arte românica
A arte românica
 
Módulo 4 - Pintura Gótica
Módulo 4 - Pintura GóticaMódulo 4 - Pintura Gótica
Módulo 4 - Pintura Gótica
 
Romanico em portugal
Romanico em portugalRomanico em portugal
Romanico em portugal
 
O aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte goticaO aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte gotica
 
Arquitetura renascentista
Arquitetura renascentistaArquitetura renascentista
Arquitetura renascentista
 
Catedral de Notre Dame
Catedral de Notre Dame Catedral de Notre Dame
Catedral de Notre Dame
 
03 escultura e pintura gótica
03 escultura e pintura gótica03 escultura e pintura gótica
03 escultura e pintura gótica
 
Cultura do Mosteiro - Arte Românica
Cultura do Mosteiro - Arte RomânicaCultura do Mosteiro - Arte Românica
Cultura do Mosteiro - Arte Românica
 
Arquitetura romana i
Arquitetura romana iArquitetura romana i
Arquitetura romana i
 
Cultura da catedral
Cultura da catedralCultura da catedral
Cultura da catedral
 
Aula 05 arquitetura gótica
Aula 05 arquitetura góticaAula 05 arquitetura gótica
Aula 05 arquitetura gótica
 
A cultura do palacio
A cultura do palacioA cultura do palacio
A cultura do palacio
 
Arte gótica
Arte gótica Arte gótica
Arte gótica
 
Estilo românico e gótico
Estilo românico e góticoEstilo românico e gótico
Estilo românico e gótico
 
Gotico em Portugal
Gotico em PortugalGotico em Portugal
Gotico em Portugal
 
02 arquitetura gótica
02 arquitetura gótica02 arquitetura gótica
02 arquitetura gótica
 
Pintura romana
Pintura romanaPintura romana
Pintura romana
 

Destaque

GóTico Elementos Arquitectonicos
GóTico   Elementos ArquitectonicosGóTico   Elementos Arquitectonicos
GóTico Elementos ArquitectonicosIsidro Santos
 
Cultura do espaço virtual
Cultura do espaço virtual Cultura do espaço virtual
Cultura do espaço virtual Ana Barreiros
 
As artes na atualidade
As artes na atualidadeAs artes na atualidade
As artes na atualidadeAna Barreiros
 
Maneirismo
ManeirismoManeirismo
Maneirismocattonia
 
A anunciação
A anunciaçãoA anunciação
A anunciaçãocattonia
 
A pintura gótica iii
A pintura gótica iiiA pintura gótica iii
A pintura gótica iiiAna Barreiros
 
A arquitetura da 1ª metade século xx
A arquitetura da 1ª metade século xxA arquitetura da 1ª metade século xx
A arquitetura da 1ª metade século xxAna Barreiros
 
A arte abstrata depois da 2ª guerra
A arte abstrata depois da 2ª guerraA arte abstrata depois da 2ª guerra
A arte abstrata depois da 2ª guerraAna Barreiros
 
Ficha formativa cultura da catedral
Ficha formativa cultura da catedralFicha formativa cultura da catedral
Ficha formativa cultura da catedralAna Barreiros
 

Destaque (14)

GóTico Elementos Arquitectonicos
GóTico   Elementos ArquitectonicosGóTico   Elementos Arquitectonicos
GóTico Elementos Arquitectonicos
 
Arte abstrata
Arte abstrataArte abstrata
Arte abstrata
 
Cultura do espaço virtual
Cultura do espaço virtual Cultura do espaço virtual
Cultura do espaço virtual
 
As artes na atualidade
As artes na atualidadeAs artes na atualidade
As artes na atualidade
 
Maneirismo
ManeirismoManeirismo
Maneirismo
 
A anunciação
A anunciaçãoA anunciação
A anunciação
 
MóDulo 4
MóDulo 4MóDulo 4
MóDulo 4
 
Arte Gótica
Arte GóticaArte Gótica
Arte Gótica
 
A pintura gótica i
A pintura gótica iA pintura gótica i
A pintura gótica i
 
A pintura gótica iii
A pintura gótica iiiA pintura gótica iii
A pintura gótica iii
 
A arquitetura da 1ª metade século xx
A arquitetura da 1ª metade século xxA arquitetura da 1ª metade século xx
A arquitetura da 1ª metade século xx
 
A arte abstrata depois da 2ª guerra
A arte abstrata depois da 2ª guerraA arte abstrata depois da 2ª guerra
A arte abstrata depois da 2ª guerra
 
Ficha formativa cultura da catedral
Ficha formativa cultura da catedralFicha formativa cultura da catedral
Ficha formativa cultura da catedral
 
Arquitectura del siglo XX
Arquitectura del siglo XXArquitectura del siglo XX
Arquitectura del siglo XX
 

Semelhante a A arquitetura gótica

Semelhante a A arquitetura gótica (20)

A cultura do mosteiro 2
A cultura do mosteiro 2A cultura do mosteiro 2
A cultura do mosteiro 2
 
Gótico
GóticoGótico
Gótico
 
Reconhecer Arte Gotica
Reconhecer Arte GoticaReconhecer Arte Gotica
Reconhecer Arte Gotica
 
A arte gótica I
A arte gótica IA arte gótica I
A arte gótica I
 
Arte idade média 8º ano
Arte  idade média 8º anoArte  idade média 8º ano
Arte idade média 8º ano
 
Arquitetura medieval
Arquitetura medievalArquitetura medieval
Arquitetura medieval
 
Arquiteuta românica
Arquiteuta românicaArquiteuta românica
Arquiteuta românica
 
Módulo 3 a arte românica
Módulo 3   a arte românicaMódulo 3   a arte românica
Módulo 3 a arte românica
 
Tempietto di San Pietro
Tempietto di San PietroTempietto di San Pietro
Tempietto di San Pietro
 
ANALISE_TEMPIETTO_pdf.pdf
ANALISE_TEMPIETTO_pdf.pdfANALISE_TEMPIETTO_pdf.pdf
ANALISE_TEMPIETTO_pdf.pdf
 
Arte Gótica
Arte GóticaArte Gótica
Arte Gótica
 
ARTE GÓTICA
ARTE GÓTICAARTE GÓTICA
ARTE GÓTICA
 
Sant'Andrea Della Valle
Sant'Andrea Della ValleSant'Andrea Della Valle
Sant'Andrea Della Valle
 
Catedral de Lincoln(Lincoln Cathedral) Análise para História e Culturea das A...
Catedral de Lincoln(Lincoln Cathedral) Análise para História e Culturea das A...Catedral de Lincoln(Lincoln Cathedral) Análise para História e Culturea das A...
Catedral de Lincoln(Lincoln Cathedral) Análise para História e Culturea das A...
 
Igreja pirenopolis analise arq
Igreja pirenopolis analise arqIgreja pirenopolis analise arq
Igreja pirenopolis analise arq
 
Trabalho Individual
Trabalho IndividualTrabalho Individual
Trabalho Individual
 
Cultura medieval
Cultura medievalCultura medieval
Cultura medieval
 
Catedral da Sé - A História da construção
Catedral da Sé - A História da construçãoCatedral da Sé - A História da construção
Catedral da Sé - A História da construção
 
artegotica
artegoticaartegotica
artegotica
 
Gótico
GóticoGótico
Gótico
 

Mais de Ana Barreiros

Pintura barroca na Europa
Pintura barroca na EuropaPintura barroca na Europa
Pintura barroca na EuropaAna Barreiros
 
Rubrica de avaliação
Rubrica de avaliação Rubrica de avaliação
Rubrica de avaliação Ana Barreiros
 
Lista de verificação e-atividade
Lista de verificação e-atividade Lista de verificação e-atividade
Lista de verificação e-atividade Ana Barreiros
 
Imagens de Arquitetura Barroca
Imagens de Arquitetura BarrocaImagens de Arquitetura Barroca
Imagens de Arquitetura BarrocaAna Barreiros
 
Pintura do quattrocento
Pintura do quattrocentoPintura do quattrocento
Pintura do quattrocentoAna Barreiros
 
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinemaCorrecao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinemaAna Barreiros
 
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºGA modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºGAna Barreiros
 
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"Ana Barreiros
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"Ana Barreiros
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"Ana Barreiros
 
Ficha "A Cultura do Palco"
Ficha "A Cultura do Palco"Ficha "A Cultura do Palco"
Ficha "A Cultura do Palco"Ana Barreiros
 
Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"Ana Barreiros
 
Ficha formativa grandes_civilizacoes
Ficha formativa grandes_civilizacoesFicha formativa grandes_civilizacoes
Ficha formativa grandes_civilizacoesAna Barreiros
 
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcaoFicha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcaoAna Barreiros
 
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º anoFicha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º anoAna Barreiros
 
Os caminhos da abstracao formal
Os caminhos da abstracao formalOs caminhos da abstracao formal
Os caminhos da abstracao formalAna Barreiros
 
Surrealismo e neorealismo
Surrealismo e neorealismoSurrealismo e neorealismo
Surrealismo e neorealismoAna Barreiros
 

Mais de Ana Barreiros (20)

Pintura barroca na Europa
Pintura barroca na EuropaPintura barroca na Europa
Pintura barroca na Europa
 
Rubrica de avaliação
Rubrica de avaliação Rubrica de avaliação
Rubrica de avaliação
 
Lista de verificação e-atividade
Lista de verificação e-atividade Lista de verificação e-atividade
Lista de verificação e-atividade
 
O romantismo
O romantismoO romantismo
O romantismo
 
Casa Sommer
Casa SommerCasa Sommer
Casa Sommer
 
Bairro dos museus
Bairro dos museusBairro dos museus
Bairro dos museus
 
Imagens de Arquitetura Barroca
Imagens de Arquitetura BarrocaImagens de Arquitetura Barroca
Imagens de Arquitetura Barroca
 
Pintura do quattrocento
Pintura do quattrocentoPintura do quattrocento
Pintura do quattrocento
 
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinemaCorrecao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinema
 
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºGA modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
 
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
 
Ficha "A Cultura do Palco"
Ficha "A Cultura do Palco"Ficha "A Cultura do Palco"
Ficha "A Cultura do Palco"
 
Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"
 
Ficha formativa grandes_civilizacoes
Ficha formativa grandes_civilizacoesFicha formativa grandes_civilizacoes
Ficha formativa grandes_civilizacoes
 
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcaoFicha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
 
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º anoFicha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
 
Os caminhos da abstracao formal
Os caminhos da abstracao formalOs caminhos da abstracao formal
Os caminhos da abstracao formal
 
Surrealismo e neorealismo
Surrealismo e neorealismoSurrealismo e neorealismo
Surrealismo e neorealismo
 

Último

A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e Américawilson778875
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfceajajacu
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfmúsica paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfWALDIRENEPINTODEMACE
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTEJoaquim Colôa
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Mary Alvarenga
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...MANUELJESUSVENTURASA
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMHenrique Pontes
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
Pizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literaturaPizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literaturagomescostamma
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesGilbraz Aragão
 

Último (20)

A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e América
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfmúsica paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
Pizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literaturaPizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literatura
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das Religiões
 

A arquitetura gótica

  • 2. Objetivo da arquitetura gótica Louvar Deus Louvar os homens “Deus é Luz” Os pobres, que Os ricos, que participavam na construção financiavam a construção Catedrais são as Catedrais eram motivo de moradas de Deus orgulho dos habitantes das cidades Expansão da cidade em torno da catedral
  • 3. Originalidade da arquitetura gótica Alterações na Inovações Nova estética estrutura técnicas formal
  • 4. Inovações técnicas Arco ogival, surgido na Borgonha, devido à necessidade de elevar os 4 arcos (principais e formeiros) à mesma altura, o que só se poderia fazer agudizando os arcos dos lados menores Abóbadas de cruz ou cruzaria de ogivas
  • 5. Abóbada cruzada simples Abóbada cruzada sexpartida
  • 6. Inovações técnicas Vantagens: - É exercida menos pressão lateral, permitindo uma melhor articulação de forças - Através das nervuras estruturais dos arcos em ogiva, as forças eram desviadas para os pilares de sustentação e para os contrafortes no exterior
  • 7.
  • 8.
  • 9. Inovações técnicas Vantagens: - Permitiu aumentar as áreas de construção e a verticalidade dos edifícios
  • 10. Inovações técnicas Vantagens: - Permitiu aumentar as áreas de construção e a verticalidade dos edifícios
  • 11. Inovações técnicas Consequências: necessidade de reforçar os apoios exteriores com contrafortes mais esbeltos e elegantes: 1. Nave central 2. Naves laterais 3. Botaréus 4. Arcobotantes Os botaréus eram elementos maciços verticais adossados às paredes exteriores das naves laterais; os arcobotantes eram uma espécie de meios arcos construídos por cima da cobertura das naves laterais.
  • 13. A nova estética • Aumentou a altura das abóbadas • Pilares e colunelos mais delgados • Acentuação da verticalidade • Espaços internos mais amplos • Paredes libertas do seu papel de suporte, passando a delimitar e proteger espaços • Interiores iluminados (melhor aproveitamento da luz) Catedral de Notre-Dame de Amiens
  • 14. Alterações na estrutura formal -Planta tipo basilical, em cruz latina - cabeceira virada para este - Corpo geralmente com 3 naves
  • 16. Alterações na estrutura formal - Transepto quase tão largo como o corpo principal mas, em compensação, pouco ou nada saliente
  • 17. Alterações na estrutura formal A cabeceira tornou-se mais complexa, ocupando cerca de um terço da área da igreja
  • 18. Alterações na estrutura formal -os pilares das arcadas interiores aumentam em número e são colocados mais próximos uns dos outros pois os tramos eram retangulares (e não quadrados); - em contrapartida, ficam mais finos e altos, o que, juntamente com a maior altura dos tetos, criava a noção de verticalidade.
  • 19. Alterações na estrutura formal - os pilares das arcadas interiores aumentam em número e são colocados mais próximos uns dos outros pois os tramos eram retangulares (e não quadrados); - em contrapartida, ficam mais finos e altos, o que, juntamente com a maior altura dos tetos, criava a noção de verticalidade.
  • 20. Alterações na estrutura formal - Nova ordenação nas paredes laterais: devido ao desaparecimento da galeria, passam a ter 3 níveis (arcadas, trifório e janelas clerestóricas) Alongamento das arcadas e do clerestório, sublinhando as linhas verticais 1. Arcadas da nave central 2. Galeria 3. Trifório 4. Janelas do clerestório Laon, 1160-90 Paris, 1183-1270 Ameins, 1220-69
  • 21. Alterações na estrutura formal - as janelas, mais alongadas, ocupavam toda a largura das paredes - as rosáceas tornam-se imponentes, permitindo uma melhor iluminação
  • 22. Alterações na estrutura formal Alterações nos portais: - portais talhados num corpo saliente da fachada, o qual avançava até à espessura da base dos contrafortes - as arquivoltas ogivais tornam-se mais esguias, acentuado pelos gabletes (empenas decorativas, de forma triangular, que servem de moldura e remate), em que, em alguns casos, estavam contidas Catedral de Amiens
  • 23. Alterações na estrutura formal - Acentuação da verticalidade pelas torres sineiras, elevando-se em relação ao cruzeiro, terminando em telhados cónicos ou em flechas rendilhadas e prolongando-se em pináculos e agulhas Catedral de Chartes
  • 24. Alterações na estrutura formal -Decoração exterior abundante (estatuária e relevos): - tímpanos, - arquivoltas, - colunelos, - mainéis, - cornijas, - gárgulas, - botaréus, - arcobotantes, - pináculos Catedral de Burgos
  • 25. Alterações na estrutura formal - Interligação da catedral com o espaço que a rodeia: os contrafortes afastados das paredes parecem prolongar a igreja pelo espaço circundante, enquanto, no alto das torres e telhados, pináculos e flechas se perdem no céu. Catedral de Notre Dame, Paris
  • 26. Escolas França: foi o modelo que se impôs, seguido em vários países Inglaterra: mais austero pela prevalência das catedrais monásticas (corpo alongado, aberturas menores, cabeceiras quadradas, transeptos duplos) Catedral de Gloucester Alemanha: estilo Hallenkirchen ou igrejas-salão, pelo seu espaço unificado Catedral de Friburgo
  • 27. Escolas Espanha: desenvolveu-se a partir do século XIII e distinguiu-se pela inclusão de elementos decorativos de e influência árabe (estilo plateresco) Catedral Nova de Salamanca Itália: introdução tardia, com a manutenção de poucas aberturas nas paredes e da pintura mural em detrimento dos vitrais; a Catedral de Milão é dos finais do século Catedral de Milão XV, exemplo do Gótico flamejante