O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.
Click to edit Master text styles
A arte portuguesa até aos anos 60
Click to edit Master text styles
• Nas primeiras décadas do século XX, Portugal era um país atrasado devido à sua
posição ...
Click to edit Master text styles• O Modernismo entrou em Portugal pelo humor, pela caricatura e pela ilustração,
dando-se ...
Click to edit Master text styles• Surgem correntes mais ou menos antagónicas, como o Integralismo Lusitano (liderado
por A...
Click to edit Master text styles
Na literatura, o modernismo teve dois momentos:
• O primeiro modernismo foi praticado pel...
Click to edit Master text styles
NA PINTURA
Primeiro Modernismo (1911-1918):
• Destes regressos resultou a formação de doi...
Click to edit Master text styles• Futurista, morreu prematuramente e, da
sua obra, pouco restou. Foi polémico,
provocador ...
Click to edit Master text styles• Escritor e artista plástico, José Sobral de Almada Negreiros foi um dos fundadores
da re...
Click to edit Master text styles
As banhistas
Maternidade
Click to edit Master text styles
• No Norte, em torno do casal Delaunay, Eduardo Viana e Amadeo de Souza-Cardoso,
desenvol...
Click to edit Master text styles
AMADEO DE SOUZA-CARDOSO
• Precursor da arte moderna, Amadeo de Souza-Cardozo não teve opo...
Click to edit Master text styles
Cavalo Salamandra
Parto da Viola Bom Ménage
Click to edit Master text styles
EDUARDO VIANA
• O pintor instala-se, com o casal Delaunay, em Vila do Conde. Datam dessa ...
Click to edit Master text styles
Untitled
Rapaz das louças
Click to edit Master text styles
Segundo Modernismo (anos 20 e 30):
• Nos anos 20 e 30, decorreu um novo ciclo no moviment...
Click to edit Master text styles
• Em 1933, António Ferro, jornalista e admirador do modernismo, é nomeado Chefe do
Secret...
Click to edit Master text styles• Expressionismo: Mário Eloy (representação dos sonhos, figuras humanas com
arabescos insi...
Click to edit Master text styles• Neorrealismo: Júlio Pomar; representação do mundo do trabalho com verismo e
expressivida...
Click to edit Master text styles• Surrealismo: Mário Césariny, imagética
brutalista/informalista com colagens e
frottages,...
Click to edit Master text styles• Abstracionismo: Vieira da Silva (sugestão de profundidade, aplicação de metáforas;
cidad...
Click to edit Master text styles
• Cubismo: Almada Negreiros (decoração de espaços, nomeadamente para as gares
de Alcântar...
Click to edit Master text styles
António Domingues, Fernando Azevedo, António Pedro, Vespeira, Moniz Pereira
Cadavre Exquis
Click to edit Master text styles
Terceiro Modernismo (na literatura):
• É a fase do Neorrealismo. Surgem em Portugal os pr...
O MODERNISMO NA ESCULTURA EM PORTUGAL
Click to edit Master text styles
• A escultura da primeira década do século XX ficou marcada pela hegemonia do
gosto natur...
Click to edit Master text styles
O MODERNISMO NA ARQUITETURA EM PORTUGAL
Click to edit Master text styles
• A arquitetura não registou grandes desenvolvimentos neste período. As dificuldades
polí...
Click to edit Master text styles
• Raul Lino formulou a filosofia de “casa portuguesa” através da recuperação dos
valores ...
Click to edit Master text styles
• Nos anos 20 verificam-se os primeiros sinais de uma nova linguagem arquitetónica.
• Des...
Click to edit Master text styles
• Nos anos 30 e 40, as experiências modernistas consolidaram-se devido ao apoio
recebido ...
Click to edit Master text styles
• A fachada revela composição livre e assimétrica, seguindo as propostas estéticas do
fun...
Click to edit Master text styles
• A sede da Fundação Gulbenkian é incontornável neste contexto, testemunhando a
passagem ...
Módulo 9  em portugal
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Módulo 9 em portugal

Modernismo em Portugal

  • Seja o primeiro a comentar

Módulo 9 em portugal

  1. 1. Click to edit Master text styles A arte portuguesa até aos anos 60
  2. 2. Click to edit Master text styles • Nas primeiras décadas do século XX, Portugal era um país atrasado devido à sua posição periférica em relação à Europa, com elevado analfabetismo e pobre em termos económicos e sociais. • Politicamente, assiste-se à revolução republicana de 1910 a que se sucede uma grande instabilidade política, que culminou com o golpe militar de 28 de Maio de 1926 e, posteriormente, com a implantação da ditadura do Estado Novo. • Por estas razões, mantinha-se uma corrente caracterizada por uma pintura naturalista, dominada por retratos, naturezas- mortas e paisagens, assim como desenhos humoristas e caricaturas.
  3. 3. Click to edit Master text styles• O Modernismo entrou em Portugal pelo humor, pela caricatura e pela ilustração, dando-se a conhecer em variadas exposições realizadas regularmente entre Lisboa e Porto. • A agitação política fomentou o debate ideológico, o livre exame e a crítica. Desde 1911, uma série de artistas plásticos e escritores lutaram por colocar Portugal no mapa cultural da Europa. Começaram a surgir movimentos de vanguardas pelo país: o modernismo, divulgado em revistas e exposições. • Para além dos participantes na Exposição de 1911, nelas se encontraram já os nomes de Almada Negreiros, Cristiano Cruz, Jorge Barradas, António Soares, entre outros.
  4. 4. Click to edit Master text styles• Surgem correntes mais ou menos antagónicas, como o Integralismo Lusitano (liderado por António Sardinha) e o grupo Seara Nova (Jaime Cortesão ou Raul Brandão). Os primeiros pretendiam recuperar a tradição portuguesa, ao passo que os segundos eram fortes defensores do racionalismo critico e da política social democrática.
  5. 5. Click to edit Master text styles Na literatura, o modernismo teve dois momentos: • O primeiro modernismo foi praticado pela revista Orpheu, que o introduziu no país com a publicação de poemas de contestação à antiga ordem literária, de Almada Negreiros, Fernando Pessoa, entre outros e com a publicação de pinturas futuristas. • A revista foi considerada um escândalo e acabou por ser proibida, pois continha gostos e padrões culturais que o regime não aprovava: agitar, subverter, difundir as novidades europeias e incorporar as propostas das vanguardas. • Regressaram a Portugal Amadeo de Souza- Cardoso, Santa-Rita, Eduardo Viana e José Pacheco, ou seja, os pintores mais talentosos e que estudavam em Paris. Com eles veio também Sónia e Robert Delaunay, pintores da nova corrente do Orfismo.
  6. 6. Click to edit Master text styles NA PINTURA Primeiro Modernismo (1911-1918): • Destes regressos resultou a formação de dois polos ativos e inovadores: • Em Lisboa: • liderado por Almada Negreiros e Santa-Rita, que se juntaram a Fernando Pessoa e Mário de Sá-Carneiro. Estes “fizeram o encontro das letras com a pintura”. Deixaram o país escandalizado com o repúdio ao homem contemplativo e exaltando o homem de ação, denunciado a morbidez saudosista dos Portugueses e incitando ao orgulho, ação, aventura e glória. • Face às críticas indignadas do escritor e académico Júlio Dantas, os futuristas explodiram de raiva. O Manifesto Anti Dantas, atacou violentamente o escritor, associando-o a uma cultura retrógrada que urgia abater.
  7. 7. Click to edit Master text styles• Futurista, morreu prematuramente e, da sua obra, pouco restou. Foi polémico, provocador e um dos mais carismáticos artistas portugueses. SANTA-RITA PINTOR
  8. 8. Click to edit Master text styles• Escritor e artista plástico, José Sobral de Almada Negreiros foi um dos fundadores da revista “Orpheu” e um verdadeiro pintor-pensador. Foi praticante de uma arte elaborada que pressupõe uma aprendizagem que não se esgota nas escolas de arte; bem pelo contrário, uma aprendizagem que implica um percurso introspetivo e universal. ALMADA NEGREIROS • Na sua evolução como pintor, Almada passou do figurativismo e da representação convencional dos primeiros tempos, para a abstracção geométrica, matemática e numérica que caracteriza as suas últimas obras. Fernando Pessoa
  9. 9. Click to edit Master text styles As banhistas Maternidade
  10. 10. Click to edit Master text styles • No Norte, em torno do casal Delaunay, Eduardo Viana e Amadeo de Souza-Cardoso, desenvolve-se um outro núcleo destes primeiro modernismo. • Amadeo de Souza-Cardoso, influenciado pelo futurismo realizou duas exposições individuais, não tendo o apoio da crítica nem do público. • A agitação futurista culminou com a apresentação do Ultimatum futurista às gerações portuguesas do século XX, no Teatro da República. • Saiu também o número único da revista Portugal Futurista, que teve a apreensão da polícia. O regime republicano atacado nos gostos e opções culturais não se desvinculava dos cânones passados.
  11. 11. Click to edit Master text styles AMADEO DE SOUZA-CARDOSO • Precursor da arte moderna, Amadeo de Souza-Cardozo não teve oportunidade de ver o seu trabalho reconhecido morrendo prematuramente aos 31 anos. As suas primeiras experiências deram-se no desenho, especialmente como caricaturista. Aos 19 anos, mudou-se para Paris, onde tomou contacto primeiro com o Impressionismo e depois com o Expressionismo e o Cubismo.
  12. 12. Click to edit Master text styles Cavalo Salamandra Parto da Viola Bom Ménage
  13. 13. Click to edit Master text styles EDUARDO VIANA • O pintor instala-se, com o casal Delaunay, em Vila do Conde. Datam dessa época as suas incursões, na decomposição das formas, à maneira cubista, e da luz, à maneira órfica. Deixa-se fascinar pelo brilho do sol português e pelas cores da olaria minhota. • A modernidade de Viana, o que melhor o individualiza e o engrandece, reside na pujança da cor, que usa em contrastes vibrantes e luminosos, quer componha retratos, nus, paisagens ou naturezas-mortas.
  14. 14. Click to edit Master text styles Untitled Rapaz das louças
  15. 15. Click to edit Master text styles Segundo Modernismo (anos 20 e 30): • Nos anos 20 e 30, decorreu um novo ciclo no movimento modernista, que continuou a conciliar as letras com as artes plásticas. Distinguiram-se escritores como José Régio e pintores como Sarah Afonso ou Vieira da Silva. • Mais uma vez as revistas assumiram a dinamização literária e artística, sendo de destacar a Contemporânea e a Presença. • Mais uma vez, também, os artistas continuaram a deparar-se com a rejeição pelos organismos oficiais. • A decoração modernista de A Brasileira do Chiado e a de Bristol Club causaram polémica, acabando por se tornar o museu da arte contemporânea que Lisboa ainda não tinha.
  16. 16. Click to edit Master text styles • Em 1933, António Ferro, jornalista e admirador do modernismo, é nomeado Chefe do Secretariado de Propaganda Nacional (organismo que controlava a arte durante o Estado Novo). • António Ferro contrata os modernistas com o objetivo destes transmitirem a imagem que o Estado Novo pretendia criar. Os modernistas passam a representantes da arte oficial. • Esta subordinação do modernismo é contestada pelo pintor António Pedro que promove, na década de 30, uma exposição de artistas independentes que pretendida ser uma homenagem aos membros do primeiro modernismo e fazer a oposição à “arte oficial” do Estado Novo.
  17. 17. Click to edit Master text styles• Expressionismo: Mário Eloy (representação dos sonhos, figuras humanas com arabescos insignificantes e angustiados) e Dominguez Alvarez (cores baças, expressividades das formas, quase sem volumes, linhas serpenteadas e figuras alongadas); CORRENTES ARTÍSTICAS O Bailarico no Bairro Casario e figuras num sonho
  18. 18. Click to edit Master text styles• Neorrealismo: Júlio Pomar; representação do mundo do trabalho com verismo e expressividade, cores escuras e pouco variadas; oposta à arte oficial; CORRENTES ARTÍSTICAS O almoço do trolha
  19. 19. Click to edit Master text styles• Surrealismo: Mário Césariny, imagética brutalista/informalista com colagens e frottages, onde se nota mais a acção, a matéria e a textura do que a figuração; CORRENTES ARTÍSTICAS Figuras de sopro
  20. 20. Click to edit Master text styles• Abstracionismo: Vieira da Silva (sugestão de profundidade, aplicação de metáforas; cidades como representação dos seus sentimentos); CORRENTES ARTÍSTICAS Bibliothèque
  21. 21. Click to edit Master text styles • Cubismo: Almada Negreiros (decoração de espaços, nomeadamente para as gares de Alcântara e da Rocha do Conde de Óbidos), onde estão representadas cenas relacionadas com os locais: CORRENTES ARTÍSTICAS
  22. 22. Click to edit Master text styles António Domingues, Fernando Azevedo, António Pedro, Vespeira, Moniz Pereira Cadavre Exquis
  23. 23. Click to edit Master text styles Terceiro Modernismo (na literatura): • É a fase do Neorrealismo. Surgem em Portugal os primeiros cultores do neorrealismo, claramente em rutura com o individualismo e intelectualismo psicológico do movimento Presença. Ferreira de Castro, nos seus romances Emigrantes e A Selva, introduz a análise de problemas de natureza social, trata as populações que emigram, que se empregam e desempregam. Alves Redol, Soeiro Pereira Gomes, Manuel da Fonseca, Álvaro Cunhal, Mário Dionísio, José Gomes Ferreira, entre outros, continuam a tratar os problemas, as tristezas e as misérias do povo laborioso esmagado pela ganância de uma minoria de representantes do capital, adaptando à realidade nacional o rigor formal e temático dos escritores neorrealistas europeus. • Denunciar as injustiças sociais. • Apelo à consciência e luta de classes.
  24. 24. O MODERNISMO NA ESCULTURA EM PORTUGAL
  25. 25. Click to edit Master text styles • A escultura da primeira década do século XX ficou marcada pela hegemonia do gosto naturalista. • Mestre António Teixeira Lopes, o grande escultor desta corrente, continuou as preferências do público. • Tal não impediu a manifestação de características modernistas dos anos 20, em escultores como Francisco Franco, Diogo Macedo e Canto da Maia. • À semelhança da pintura, a modernidade escultórica acabou condicionada nos anos 30 e 40 pelas encomendas oficiais, servindo de veículo para o Estado Novo. Adão e Eva - Canto da Maia O Padrão dos Descobrimentos, Leopoldo de Almeida
  26. 26. Click to edit Master text styles
  27. 27. O MODERNISMO NA ARQUITETURA EM PORTUGAL
  28. 28. Click to edit Master text styles • A arquitetura não registou grandes desenvolvimentos neste período. As dificuldades políticas, económicas e financeiras vividas durante a I República, dificultaram as construções. Assim, o pouco que se construiu revela a persistência dos esquemas arquitetónicos clássicos. «Casa do Major Pessoa», Aveiro
  29. 29. Click to edit Master text styles • Raul Lino formulou a filosofia de “casa portuguesa” através da recuperação dos valores tradicionais da cultura portuguesa, definindo os princípios orientadores para a sua construção. • Segundo este, os edifícios devem ser integrados na paisagem natural e na tradição cultural do país. • Devem obedecer à caiação branca, aplicação de azulejos nas fachadas e à valorização do alpendre, adequado a uma arquitetura do sol, com um beiral, a rematar os telhados. Casas no Monte Estoril
  30. 30. Click to edit Master text styles • Nos anos 20 verificam-se os primeiros sinais de uma nova linguagem arquitetónica. • Destacam-se os nomes de Cristino da Silva, Carlos Ramos, Pardal Monteiro, Cottinelli Telmo e Cassiano Branco, como primeiros autores de projetos arquitetónicos modernistas. • A arquitetura modernista caracterizou-se pelo uso do betão armado, do predomínio da linha reta sobre a curva, do despojamento decorativo das paredes ou na utilização de grandes superfícies de vidros. INE, Pardal Monteiro
  31. 31. Click to edit Master text styles • Nos anos 30 e 40, as experiências modernistas consolidaram-se devido ao apoio recebido pela política de obras públicas do Estado Novo. Cinema Eden- Cassiano Branco Praça do Areeiro
  32. 32. Click to edit Master text styles • A fachada revela composição livre e assimétrica, seguindo as propostas estéticas do funcionalismo (Le Corbusier, Bauhaus). As estruturas foram assentes em pilares que permitem alargar os espaços internos, seguindo Le Corbusier. Regista-se um contraste entre a linha horizontal com a torre vertical. São patentes ainda influências da Art Déco, na simplicidade estrutural. edifício "Franjinhas, Nuno Teotónio Pereira
  33. 33. Click to edit Master text styles • A sede da Fundação Gulbenkian é incontornável neste contexto, testemunhando a passagem do estado novo para a revolução.

    Seja o primeiro a comentar

    Entre para ver os comentários

  • anabarrelas

    Jun. 10, 2017
  • MiguelMartins179

    May. 22, 2019
  • acsf

    May. 18, 2020
  • sjabouille

    Jun. 4, 2021

Modernismo em Portugal

Vistos

Vistos totais

2.148

No Slideshare

0

De incorporações

0

Número de incorporações

5

Ações

Baixados

0

Compartilhados

0

Comentários

0

Curtir

4

×