SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 34
Baixar para ler offline
Doença
Inflamatória Intestinal
Carolina Trochmann Cordeiro
MEDICINA VETERINÁRIA - UFPR
RESIDÊNCIA EM CLÍNICA MÉDICA DE CÃES E GATOS – UTP
ESPECIALIZAÇÃO EM CLÍNICA MÉDICA DE FELINOS – QUALITTAS
MESTRANDA EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS – UFPR
Doença Inflamatória Intestinal
Enteropatia crônica
imunologicamente mediada
com sinais de inflamação histopatológicas
e caracterizada por sinais
gastrointestinais crônicos ou recorrentes
* perda de peso
(Crônicos = mais de 3 semanas)
Doença Inflamatória Intestinal
 Sinal mais comum = Vômito
 Quanto é comum um gato vomitar?
 Perda de peso?
 Animais de meia idade (5 a 10 anos)
 *2 anos ou menos
 Sem evidências genéticas (?)
 mas predisposição racial: Siameses, persas e himalaias
 Sem predisposição por gênero
Hipótese - etiologia
Sist.
imune
Ambiente
Genética
Permeabilidade da mucosa
Falha no reconhecimento
de patógenos
Desequilíbrio Microbiano
Componentes dietéticos
Resposta exagerada
= aumento da
permeabilidade
Etiologia: Dieta = diferenciais
Doença intestinal
inflamatória
Sensibilidade alimentar
secundária a inflamação
intestinal
Dieta:
Resposta transitória e
incompleta
Hipersensibilidade
Alimentar
Reação adversa aos
ingredientes ou aditivos
com resposta imune
Dieta:
Resposta completa e
duradoura
Intolerância
Alimentar
Reação adversa aos
ingredientes ou aditivos sem
resposta imune
Dieta:
Resposta completa e
duradoura
Fonte: TREPANIER, Lauren, Idiopathic inflammatory
bowel disease in cats, Journal of Feline Medicine &
Surgery, v. 11, p. 32–38, 2008.
Sinais Clínicos
•Mais comum / primário
•Gástrica e duodenalVômito
•Mais grave / tardio
•Intestino delgado
•Intestino grosso
•Mista
Diarreia
•Alteração no apetite
•Perda de peso
•Desidratação
•Alt. Comportamental
Outros
Duodenal:
+ Fígado
+ Pâncreas
Sinais Clínicos
NORSWORTHY, Gary D et al, Diagnosis of chronic small bowel
disease in cats: 100 cases (2008–2012), Journal of the American
Veterinary Medical Association, v. 243, n. 10, p. 1455–1461, 2013.
“Os sinais clínicos de doenças do intestino delgado,
especialmente a perda de peso e vômito crônico ou
recorrente, são extremamente comuns em
gatos. Estes sinais não devem ser considerados como
uma condição normal e não devem ser ignorados,
independente de explicações comuns dadas pelos
proprietários. Gatos com estes sinais devem ser
submetidos a testes diagnósticos apropriados”
Diagnóstico
 De EXCLUSÃO!!!
 Histórico
 + Exame Físico
 + Exames Complementares
Diagnósticos Diferenciais
Doenças com quadro clínico semelhante!
Linfoma
 Intolerância/alergia alimentar
 Infecção parasitária
 Infecção bacteriana
 Infecção fúngica
 Doenças virais (FIV/FELV)
 Hipertireoidismo
 Diabetes mellitus
 Doença renal crônica
 Pancreatite/Insuficiência pancreática exócrina
 Hepatopatia
Dieta
Coproparasitológico
Painel PCR Diarreia
Felino
Cultura de fezes
SNAP e PCR para FIV e FELV
T4
Glicemia e Urinálise
Bioquímicos, US e Urinálise
Bioquímicos e US
Bioquímicos e Copro
Funcional
Histopatológico
Hemograma
Bioquímicos
T4
US bem completo
Exames de fezes
Dieta
Neutrofilia
Monocitose
Hiperglobulinemia
Enzimas hepáticas
moderadamente
aumentadas
Diagnósticos Diferenciais
Idade Meia idade
(*2 anos)
Meia idade idosos Jovens
Sinais Clínicos Letargia, perda de
peso, anorexia,
vômito e/ou
diarreia
Letargia, perda de
peso, anorexia,
vômito, diarreia
e/ou icterícia
Diarreia de int.
grosso, perda de
peso e/ou lesão
cutânea
Curso clínico Sinais progressivos
ou cíclicos
Sinais progressivos Sinais progressivos
ou cíclicos
Exame Físico Normal, dor
abdominal ou alças
espessadas
Normal, alças
espessadas ou
massas palpáveis
Normal ou com
sinais cutâneos
Diagnóstico Biópsia Biópsia Dieta
DII Linfoma Alimentar
JERGENS, A E, Feline idiopathic inflammatory bowel disease: what we know and what remains to be unraveled, J Feline Med Surg, 2012.
Ultrassonografia
August J.R. (2011) –Medicina Interna de Felinos
DANIAUX, Lise A et al, Ultrasonographic thickening of the muscularis propria in feline small
intestinal small cell T-cell lymphoma and inflammatory bowel disease, J Feline Med Surg,
v. 16, n. 2, p. 89–98, 2014.
Ultrassonografia
Ultrassonografia
70%
30%
Endoscopia
JERGENS, A E, Feline idiopathic inflammatory bowel disease: what we know and what remains to
be unraveled, J Feline Med Surg, v. 14, n. 7, p. 445–458, 2012.
Endoscopia x Laparotomia
 Biópsia minimamente invasiva e
rápida
 Acesso visual da mucosa
 Visualização até duodeno
 Se todas as causas excluidas
+ histopato sem alterações
= Laparotomia + Biópsia!
 Mais invasivo
 Possibilidade de coleta de todas as
camadas intestinais
 Possibilidade de coleta de
linfonodos aumentados
 Melhores resultados no histopato e
boa diferenciação de linfoma
Importância do
Diagnóstico Diferencial
 100 gatos:
 Vomito crônico (3 semanas)
 Perda de peso
 Diarreia (episódios recorrentes)
 95%
 50% Linfoma
 50% DII
NORSWORTHY, Gary D et al, Diagnosis of chronic
small bowel disease in cats: 100 cases (2008–2012),
Journal of the American Veterinary Medical
Association, v. 243, n. 10, p. 1455–1461, 2013.
Várias amostras de biópsia de
tecidos gastrointestinais, bem
como de fígado, pâncreas, e
linfonodos
Histopatológico
 Enterite ou colite linfoplasmocítica
 Mais frequente (Associada a parasitas, dieta ou hipertireoidismo)
 Enterite linfocítica
 Diferencial difícil: imunohistoquímico
 Eosinofílica
 Tipicamente mais grave(Associada a Alergias ou parasitas)
 Neutrofílica
 (Associada a infecção Bacteriana)
Histopatológico
 Gravidade das lesões (leve/moderado/severa)
 Comprometimento da digestão e absorção = agravamento do quadro
Cobalamina (Vit.B12)
 Cobalamina
 Participa do metabolismo dos enterócitos = perpetua diarreia
 Diminuição da concentração sérica
 Diarreia grave
 Alteração no íleo
 Pancreatite
 Suplementação?
Suplementação:
250 mg SC cada 7 dias
por 6 semanas
Cada 2 semanas por 6 semanas
1 x/mês {...}
Tratamento - Metronidazol
 Metronidazol:
 Sozinho = casos leves
 Associado = moderados e graves = menor dose de corticóide
 Altera microbiota intestinal (parasitária e bacteriana)
 Efeito imunomodulador e anti-inflamatório
 Efeitos colaterais raros: inaptênica, neurotoxicidade, náusea e vomito
7,5 ou 10 a 15 mg/kg – BID
6 a 8 semanas – reduzir dose
Tratamento – Corticoides
 Investigação prévia:
 Teste para FIV / FELV
 Linfoma (*corticóide)
 Efeitos Colaterais dos corticóides:
 Poliúria, polidpsia, polifagia, dermatopatias, ganho de peso
 Diabetes mellitus
Tratamento – Corticoides
 Prednisolona:
 Histopato moderado a severo ou inflamação eosinofílica
 Potencial antiinflamatório e imunossupressor
Dose inicial = 1 a 2 mg/kg – SID ou BID
Colite eosinofílica – 2 a 4 mg/kg
Melhora clínica = - 25% da dose cd 2 semanas - . . .
Sem melhora/severa = + Dexametasona 0,22 a 0,5 mg/kg SID SC
e predinisolona (1/7 da dose)
Tratamento – Dieta
 Características ideais
 Nova proteína ou proteína hidrolisada
 Carboidratos de fácil digestão
 Livre de glúten
 Baixo teor de lactose
 Fibras equilibradas
 Altamente palatável
 Período de teste: ao menos 7 dias
Tratamento – Dieta
 Ajuste Requerimento Energético Basal = 1,25 a 1,5
(Depende das alterações de vilosidades)
 + Ácidos graxos - Ômega 3
 Atividade antinflamátoria = colites ulcerativas
Tratamento – Dieta
 Gordura:
 Reduzir!
 Evitar restrição total
 deficiência de ácidos graxos essenciais = reparo das células intestinais
Gordura
Ácidos
Graxos
Diarreia
Osmótica
Tratamento – Dieta
 Proteína:
 Não restringir proteína (glutamina) = energia para enterócitos
 Dieta hipoalergênica (caseira = coelho ou cordeiro)
 Dieta com proteína hidrolizada
Tratamento – Dieta
 Carboidratos
 Alta digestibilidade ou reduzido
 Má absorção
 Diarreia osmótica
 Síndrome de super crescimento bacteriano (SIBO)
 Produção de ácidos graxos hidrolisados no cólon
Tratamento – Dieta
 Fibras:
 Principalmente para colites
 Normaliza a motilidade
 “Camada” de proteção das células intestinas
 Produção de Butirato = substrato energético aos colonócitos
Psyllium – 2 colheres de chá por refeição
Farelo de aveia – 1 colher de sobremesa por refeição
Benefiber – 2 colheres de chá por dia
Tratamento – Probiótico
Bactérias com efeitos benéficos – diminuição da inflamação intestinal e
efeitos imunomodulatórios
Tratamento – Resumo
 Tratamento empírico para giárdia ou parasitas
 Teste de dieta – 7 dias (*manter para sempre depois)
 Caso leve = Metronidazol – 14 dias
 Boa resposta = redução de 25% cada 1-2 semanas
 Sem resposta = + Corticóide
 redução de 25% cada 1-2 semanas
 Moderado a grave = Corticoide + Metronidazol
 + Psyllium + Cobalamina + Ômega 3 + Probiótico
JERGENS, A E, Feline idiopathic inflammatory bowel disease: what we know and what remains to be unraveled, J Feline Med
Surg, v. 14, n. 7, p. 445–458, 2012.
Tratamento – Prop. Complicado
 Dieta de exclusão por 2 semanas – proteína nova
 Metronidazol por 14 dias
 Suspeita de alteração em íleo ou colon? = Cobalamina!
 Colite? = Psyllium
 Não respondeu = Prednisolona
JERGENS, A E, Feline idiopathic inflammatory bowel disease: what we know and what remains to be unraveled, J Feline Med
Surg, v. 14, n. 7, p. 445–458, 2012.
“Score de inflamação”
 Pontuação final relacionada ao grau de inflamação
 Útil para avaliar resposta
a terapia e retornos
 Motivacional
JERGENS, A. E. et al, A clinical index for disease activity in
cats with chronic enteropathy, Journal of Veterinary
Internal Medicine, v. 24, n. 5, p. 1027–1033, 2010.
Prognóstico
 Variável
 Boa resposta a terapêutica em 80% dos casos
 Remissão com recidivas
 Controle sem cura
 Reservado para:
 Lesões histopatológicas severas
 Fibrose da mucosa intestinal
 Enterite eosinofílica
Obrigada!!!
caroltrochmann@gmail.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Peritonite Infecciosa Felina PIF
Peritonite Infecciosa Felina PIF Peritonite Infecciosa Felina PIF
Peritonite Infecciosa Felina PIF Carolina Trochmann
 
Aula de Patologia do Sist. Digestório - Parte 1
Aula de Patologia do Sist. Digestório - Parte 1Aula de Patologia do Sist. Digestório - Parte 1
Aula de Patologia do Sist. Digestório - Parte 1Raimundo Tostes
 
Lipidose hepatica - comer ou não comer eis a questão
Lipidose hepatica - comer ou não comer eis a questão Lipidose hepatica - comer ou não comer eis a questão
Lipidose hepatica - comer ou não comer eis a questão Carolina Trochmann
 
Bloqueios regionais e anestesia local para odontologia veterinária
Bloqueios regionais e anestesia local para odontologia veterináriaBloqueios regionais e anestesia local para odontologia veterinária
Bloqueios regionais e anestesia local para odontologia veterináriaDaniel Ferro
 
Aula de digestivo parte 3
Aula de digestivo parte 3Aula de digestivo parte 3
Aula de digestivo parte 3Raimundo Tostes
 
O gato na emergência: Dispneia
O gato na emergência: DispneiaO gato na emergência: Dispneia
O gato na emergência: DispneiaCarolina Trochmann
 
Sistema digestório Cães
Sistema digestório CãesSistema digestório Cães
Sistema digestório CãesHelena Amaral
 
Ética e qualificação profissional - bioética e bem-estar animal
Ética e qualificação profissional - bioética e bem-estar animalÉtica e qualificação profissional - bioética e bem-estar animal
Ética e qualificação profissional - bioética e bem-estar animalMarília Gomes
 
Patologias do sistema reprodutor
Patologias do sistema reprodutorPatologias do sistema reprodutor
Patologias do sistema reprodutorMarília Gomes
 
Terapeutica felina - Eu não sou cachorro não!
Terapeutica felina - Eu não sou cachorro não!Terapeutica felina - Eu não sou cachorro não!
Terapeutica felina - Eu não sou cachorro não!Carolina Trochmann
 
Cardio 1
Cardio 1Cardio 1
Cardio 1UFPEL
 
Aula Digestivo 5 2010 1
Aula Digestivo 5 2010 1Aula Digestivo 5 2010 1
Aula Digestivo 5 2010 1UFPEL
 

Mais procurados (20)

Peritonite Infecciosa Felina PIF
Peritonite Infecciosa Felina PIF Peritonite Infecciosa Felina PIF
Peritonite Infecciosa Felina PIF
 
Caso clínico
Caso clínicoCaso clínico
Caso clínico
 
Exame fisico geral
Exame fisico geralExame fisico geral
Exame fisico geral
 
Aula de Patologia do Sist. Digestório - Parte 1
Aula de Patologia do Sist. Digestório - Parte 1Aula de Patologia do Sist. Digestório - Parte 1
Aula de Patologia do Sist. Digestório - Parte 1
 
Lipidose hepatica - comer ou não comer eis a questão
Lipidose hepatica - comer ou não comer eis a questão Lipidose hepatica - comer ou não comer eis a questão
Lipidose hepatica - comer ou não comer eis a questão
 
Bloqueios regionais e anestesia local para odontologia veterinária
Bloqueios regionais e anestesia local para odontologia veterináriaBloqueios regionais e anestesia local para odontologia veterinária
Bloqueios regionais e anestesia local para odontologia veterinária
 
Caderno - Anemias
Caderno - AnemiasCaderno - Anemias
Caderno - Anemias
 
Aula de digestivo parte 3
Aula de digestivo parte 3Aula de digestivo parte 3
Aula de digestivo parte 3
 
Lipidose hepática
Lipidose hepáticaLipidose hepática
Lipidose hepática
 
O gato na emergência: Dispneia
O gato na emergência: DispneiaO gato na emergência: Dispneia
O gato na emergência: Dispneia
 
Sistema digestório Cães
Sistema digestório CãesSistema digestório Cães
Sistema digestório Cães
 
Particularidades Terapêuticas Em Felinos
Particularidades Terapêuticas Em FelinosParticularidades Terapêuticas Em Felinos
Particularidades Terapêuticas Em Felinos
 
Semiologia Geral
Semiologia GeralSemiologia Geral
Semiologia Geral
 
Ética e qualificação profissional - bioética e bem-estar animal
Ética e qualificação profissional - bioética e bem-estar animalÉtica e qualificação profissional - bioética e bem-estar animal
Ética e qualificação profissional - bioética e bem-estar animal
 
Patologias do sistema reprodutor
Patologias do sistema reprodutorPatologias do sistema reprodutor
Patologias do sistema reprodutor
 
Simpósio de Cardiologia
Simpósio de CardiologiaSimpósio de Cardiologia
Simpósio de Cardiologia
 
Terapeutica felina - Eu não sou cachorro não!
Terapeutica felina - Eu não sou cachorro não!Terapeutica felina - Eu não sou cachorro não!
Terapeutica felina - Eu não sou cachorro não!
 
Cardio 1
Cardio 1Cardio 1
Cardio 1
 
Antiinflamatórios veterinária
Antiinflamatórios veterinária Antiinflamatórios veterinária
Antiinflamatórios veterinária
 
Aula Digestivo 5 2010 1
Aula Digestivo 5 2010 1Aula Digestivo 5 2010 1
Aula Digestivo 5 2010 1
 

Semelhante a Doença Inflamatória Intestinal em Felinos: Diagnóstico e Tratamento

Avaliação nutricional: Investigação dietética- reações adversas aos alimentos
Avaliação nutricional: Investigação dietética- reações adversas aos alimentosAvaliação nutricional: Investigação dietética- reações adversas aos alimentos
Avaliação nutricional: Investigação dietética- reações adversas aos alimentosKetlenBatista
 
suporte-alimentar-doenca-gastroenterica.pdf
suporte-alimentar-doenca-gastroenterica.pdfsuporte-alimentar-doenca-gastroenterica.pdf
suporte-alimentar-doenca-gastroenterica.pdfBrunoPelosoSignorett
 
Doença celíaca
 Doença celíaca Doença celíaca
Doença celíacaRaquelrenno
 
Leucinose
Leucinose Leucinose
Leucinose caticc94
 
DOENÇA CELÍACA, Intolerância ao glúten
DOENÇA CELÍACA, Intolerância ao glútenDOENÇA CELÍACA, Intolerância ao glúten
DOENÇA CELÍACA, Intolerância ao glútenVanessa Paiva
 
Doenças metabólicas ovinocaprinos.pptx
Doenças metabólicas ovinocaprinos.pptxDoenças metabólicas ovinocaprinos.pptx
Doenças metabólicas ovinocaprinos.pptxDouglasMartins629640
 
nutrição enteral e parenteral farmacia 2015 (2).ppt
nutrição enteral e parenteral farmacia 2015 (2).pptnutrição enteral e parenteral farmacia 2015 (2).ppt
nutrição enteral e parenteral farmacia 2015 (2).pptMarina3112
 
Nutrição enteral e parenteral no doente crítico
Nutrição enteral e parenteral no doente críticoNutrição enteral e parenteral no doente crítico
Nutrição enteral e parenteral no doente críticoEduardo Tibali
 
Consenso Dor Abdominal Recorrente
Consenso Dor Abdominal RecorrenteConsenso Dor Abdominal Recorrente
Consenso Dor Abdominal Recorrenteblogped1
 
Disturbio do sistema digestorio parte 2
Disturbio do sistema digestorio parte 2Disturbio do sistema digestorio parte 2
Disturbio do sistema digestorio parte 2ReginaReiniger
 
Caso clínico – Sistema digestório
Caso clínico – Sistema digestórioCaso clínico – Sistema digestório
Caso clínico – Sistema digestórioLUAH
 

Semelhante a Doença Inflamatória Intestinal em Felinos: Diagnóstico e Tratamento (20)

Avaliação nutricional: Investigação dietética- reações adversas aos alimentos
Avaliação nutricional: Investigação dietética- reações adversas aos alimentosAvaliação nutricional: Investigação dietética- reações adversas aos alimentos
Avaliação nutricional: Investigação dietética- reações adversas aos alimentos
 
214
214214
214
 
suporte-alimentar-doenca-gastroenterica.pdf
suporte-alimentar-doenca-gastroenterica.pdfsuporte-alimentar-doenca-gastroenterica.pdf
suporte-alimentar-doenca-gastroenterica.pdf
 
Nutrição
NutriçãoNutrição
Nutrição
 
Doença celíaca
 Doença celíaca Doença celíaca
Doença celíaca
 
Leucinose
Leucinose Leucinose
Leucinose
 
DOENÇA CELÍACA, Intolerância ao glúten
DOENÇA CELÍACA, Intolerância ao glútenDOENÇA CELÍACA, Intolerância ao glúten
DOENÇA CELÍACA, Intolerância ao glúten
 
Aula 2 alergias alimentares
Aula 2   alergias alimentaresAula 2   alergias alimentares
Aula 2 alergias alimentares
 
Doenca celiaca
Doenca celiacaDoenca celiaca
Doenca celiaca
 
Doenças metabólicas ovinocaprinos.pptx
Doenças metabólicas ovinocaprinos.pptxDoenças metabólicas ovinocaprinos.pptx
Doenças metabólicas ovinocaprinos.pptx
 
Diarreia
DiarreiaDiarreia
Diarreia
 
Enterocolites Infecciosa
Enterocolites InfecciosaEnterocolites Infecciosa
Enterocolites Infecciosa
 
nutrição enteral e parenteral farmacia 2015 (2).ppt
nutrição enteral e parenteral farmacia 2015 (2).pptnutrição enteral e parenteral farmacia 2015 (2).ppt
nutrição enteral e parenteral farmacia 2015 (2).ppt
 
Oncologia
OncologiaOncologia
Oncologia
 
parasitoses
parasitosesparasitoses
parasitoses
 
Nutrição enteral e parenteral no doente crítico
Nutrição enteral e parenteral no doente críticoNutrição enteral e parenteral no doente crítico
Nutrição enteral e parenteral no doente crítico
 
Consenso Dor Abdominal Recorrente
Consenso Dor Abdominal RecorrenteConsenso Dor Abdominal Recorrente
Consenso Dor Abdominal Recorrente
 
Síndrome nefrotica
Síndrome nefroticaSíndrome nefrotica
Síndrome nefrotica
 
Disturbio do sistema digestorio parte 2
Disturbio do sistema digestorio parte 2Disturbio do sistema digestorio parte 2
Disturbio do sistema digestorio parte 2
 
Caso clínico – Sistema digestório
Caso clínico – Sistema digestórioCaso clínico – Sistema digestório
Caso clínico – Sistema digestório
 

Mais de Carolina Trochmann

Como atender um gato sem ser atacado
Como atender um gato sem ser atacadoComo atender um gato sem ser atacado
Como atender um gato sem ser atacadoCarolina Trochmann
 
Displasia coxofemoral em felinos - Simposio Especialidades Veteduka
Displasia coxofemoral em felinos - Simposio Especialidades Veteduka Displasia coxofemoral em felinos - Simposio Especialidades Veteduka
Displasia coxofemoral em felinos - Simposio Especialidades Veteduka Carolina Trochmann
 
Manejo drc: muito mais do que medicações
Manejo drc: muito mais do que medicaçõesManejo drc: muito mais do que medicações
Manejo drc: muito mais do que medicaçõesCarolina Trochmann
 
Abra a boca do gato! + gengivoestomatite
Abra a boca do gato! + gengivoestomatiteAbra a boca do gato! + gengivoestomatite
Abra a boca do gato! + gengivoestomatiteCarolina Trochmann
 
O que deveriamos orientar o tutor do gato na primeira consulta?
O que deveriamos orientar o tutor do gato na primeira consulta?O que deveriamos orientar o tutor do gato na primeira consulta?
O que deveriamos orientar o tutor do gato na primeira consulta?Carolina Trochmann
 
PCR - Benefícios na rotina clínica
PCR - Benefícios na rotina clínica PCR - Benefícios na rotina clínica
PCR - Benefícios na rotina clínica Carolina Trochmann
 
O gato na emergencia: obstrução
O gato na emergencia: obstruçãoO gato na emergencia: obstrução
O gato na emergencia: obstruçãoCarolina Trochmann
 
O gato com anorexia - cuidados com o quinto sinal vital, a nutrição
O gato com anorexia - cuidados com o quinto sinal vital, a nutriçãoO gato com anorexia - cuidados com o quinto sinal vital, a nutrição
O gato com anorexia - cuidados com o quinto sinal vital, a nutriçãoCarolina Trochmann
 
Cistite Intersticial Felina - Tratamento Comportamental
Cistite Intersticial Felina - Tratamento Comportamental Cistite Intersticial Felina - Tratamento Comportamental
Cistite Intersticial Felina - Tratamento Comportamental Carolina Trochmann
 
Leptospira spp em gatos: estamos subestimando essa infecção?
Leptospira spp em gatos: estamos subestimando essa infecção? Leptospira spp em gatos: estamos subestimando essa infecção?
Leptospira spp em gatos: estamos subestimando essa infecção? Carolina Trochmann
 
Como o conhecimento do comportamento felino pode nos ajudar na rotina clínica...
Como o conhecimento do comportamento felino pode nos ajudar na rotina clínica...Como o conhecimento do comportamento felino pode nos ajudar na rotina clínica...
Como o conhecimento do comportamento felino pode nos ajudar na rotina clínica...Carolina Trochmann
 
Cistite Intersticial Felina e Síndrome de pandora
Cistite Intersticial Felina e Síndrome de pandoraCistite Intersticial Felina e Síndrome de pandora
Cistite Intersticial Felina e Síndrome de pandoraCarolina Trochmann
 

Mais de Carolina Trochmann (16)

Como atender um gato sem ser atacado
Como atender um gato sem ser atacadoComo atender um gato sem ser atacado
Como atender um gato sem ser atacado
 
Gatos não são cães!
Gatos não são cães!Gatos não são cães!
Gatos não são cães!
 
Displasia coxofemoral em felinos - Simposio Especialidades Veteduka
Displasia coxofemoral em felinos - Simposio Especialidades Veteduka Displasia coxofemoral em felinos - Simposio Especialidades Veteduka
Displasia coxofemoral em felinos - Simposio Especialidades Veteduka
 
Obesidade em felinos
Obesidade em felinosObesidade em felinos
Obesidade em felinos
 
Manejo drc: muito mais do que medicações
Manejo drc: muito mais do que medicaçõesManejo drc: muito mais do que medicações
Manejo drc: muito mais do que medicações
 
Abra a boca do gato! + gengivoestomatite
Abra a boca do gato! + gengivoestomatiteAbra a boca do gato! + gengivoestomatite
Abra a boca do gato! + gengivoestomatite
 
Encefalopatia hepatica
Encefalopatia hepatica Encefalopatia hepatica
Encefalopatia hepatica
 
O que deveriamos orientar o tutor do gato na primeira consulta?
O que deveriamos orientar o tutor do gato na primeira consulta?O que deveriamos orientar o tutor do gato na primeira consulta?
O que deveriamos orientar o tutor do gato na primeira consulta?
 
PCR - Benefícios na rotina clínica
PCR - Benefícios na rotina clínica PCR - Benefícios na rotina clínica
PCR - Benefícios na rotina clínica
 
O gato na emergencia: obstrução
O gato na emergencia: obstruçãoO gato na emergencia: obstrução
O gato na emergencia: obstrução
 
O gato com anorexia - cuidados com o quinto sinal vital, a nutrição
O gato com anorexia - cuidados com o quinto sinal vital, a nutriçãoO gato com anorexia - cuidados com o quinto sinal vital, a nutrição
O gato com anorexia - cuidados com o quinto sinal vital, a nutrição
 
Obesidade em felinos
Obesidade em felinosObesidade em felinos
Obesidade em felinos
 
Cistite Intersticial Felina - Tratamento Comportamental
Cistite Intersticial Felina - Tratamento Comportamental Cistite Intersticial Felina - Tratamento Comportamental
Cistite Intersticial Felina - Tratamento Comportamental
 
Leptospira spp em gatos: estamos subestimando essa infecção?
Leptospira spp em gatos: estamos subestimando essa infecção? Leptospira spp em gatos: estamos subestimando essa infecção?
Leptospira spp em gatos: estamos subestimando essa infecção?
 
Como o conhecimento do comportamento felino pode nos ajudar na rotina clínica...
Como o conhecimento do comportamento felino pode nos ajudar na rotina clínica...Como o conhecimento do comportamento felino pode nos ajudar na rotina clínica...
Como o conhecimento do comportamento felino pode nos ajudar na rotina clínica...
 
Cistite Intersticial Felina e Síndrome de pandora
Cistite Intersticial Felina e Síndrome de pandoraCistite Intersticial Felina e Síndrome de pandora
Cistite Intersticial Felina e Síndrome de pandora
 

Último

HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfSandra Pratas
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTEJoaquim Colôa
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e Américawilson778875
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfRafaela Vieira
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do BrasilMary Alvarenga
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfmúsica paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfWALDIRENEPINTODEMACE
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º BimestreProfaCintiaDosSantos
 
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.pptDaniloConceiodaSilva
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonAlgumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonRosiniaGonalves
 

Último (20)

HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e América
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
 
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfmúsica paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
 
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonAlgumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
 

Doença Inflamatória Intestinal em Felinos: Diagnóstico e Tratamento

  • 1. Doença Inflamatória Intestinal Carolina Trochmann Cordeiro MEDICINA VETERINÁRIA - UFPR RESIDÊNCIA EM CLÍNICA MÉDICA DE CÃES E GATOS – UTP ESPECIALIZAÇÃO EM CLÍNICA MÉDICA DE FELINOS – QUALITTAS MESTRANDA EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS – UFPR
  • 2. Doença Inflamatória Intestinal Enteropatia crônica imunologicamente mediada com sinais de inflamação histopatológicas e caracterizada por sinais gastrointestinais crônicos ou recorrentes * perda de peso (Crônicos = mais de 3 semanas)
  • 3. Doença Inflamatória Intestinal  Sinal mais comum = Vômito  Quanto é comum um gato vomitar?  Perda de peso?  Animais de meia idade (5 a 10 anos)  *2 anos ou menos  Sem evidências genéticas (?)  mas predisposição racial: Siameses, persas e himalaias  Sem predisposição por gênero
  • 4. Hipótese - etiologia Sist. imune Ambiente Genética Permeabilidade da mucosa Falha no reconhecimento de patógenos Desequilíbrio Microbiano Componentes dietéticos Resposta exagerada = aumento da permeabilidade
  • 5. Etiologia: Dieta = diferenciais Doença intestinal inflamatória Sensibilidade alimentar secundária a inflamação intestinal Dieta: Resposta transitória e incompleta Hipersensibilidade Alimentar Reação adversa aos ingredientes ou aditivos com resposta imune Dieta: Resposta completa e duradoura Intolerância Alimentar Reação adversa aos ingredientes ou aditivos sem resposta imune Dieta: Resposta completa e duradoura Fonte: TREPANIER, Lauren, Idiopathic inflammatory bowel disease in cats, Journal of Feline Medicine & Surgery, v. 11, p. 32–38, 2008.
  • 6. Sinais Clínicos •Mais comum / primário •Gástrica e duodenalVômito •Mais grave / tardio •Intestino delgado •Intestino grosso •Mista Diarreia •Alteração no apetite •Perda de peso •Desidratação •Alt. Comportamental Outros Duodenal: + Fígado + Pâncreas
  • 7. Sinais Clínicos NORSWORTHY, Gary D et al, Diagnosis of chronic small bowel disease in cats: 100 cases (2008–2012), Journal of the American Veterinary Medical Association, v. 243, n. 10, p. 1455–1461, 2013. “Os sinais clínicos de doenças do intestino delgado, especialmente a perda de peso e vômito crônico ou recorrente, são extremamente comuns em gatos. Estes sinais não devem ser considerados como uma condição normal e não devem ser ignorados, independente de explicações comuns dadas pelos proprietários. Gatos com estes sinais devem ser submetidos a testes diagnósticos apropriados”
  • 8. Diagnóstico  De EXCLUSÃO!!!  Histórico  + Exame Físico  + Exames Complementares
  • 9. Diagnósticos Diferenciais Doenças com quadro clínico semelhante! Linfoma  Intolerância/alergia alimentar  Infecção parasitária  Infecção bacteriana  Infecção fúngica  Doenças virais (FIV/FELV)  Hipertireoidismo  Diabetes mellitus  Doença renal crônica  Pancreatite/Insuficiência pancreática exócrina  Hepatopatia Dieta Coproparasitológico Painel PCR Diarreia Felino Cultura de fezes SNAP e PCR para FIV e FELV T4 Glicemia e Urinálise Bioquímicos, US e Urinálise Bioquímicos e US Bioquímicos e Copro Funcional Histopatológico Hemograma Bioquímicos T4 US bem completo Exames de fezes Dieta Neutrofilia Monocitose Hiperglobulinemia Enzimas hepáticas moderadamente aumentadas
  • 10. Diagnósticos Diferenciais Idade Meia idade (*2 anos) Meia idade idosos Jovens Sinais Clínicos Letargia, perda de peso, anorexia, vômito e/ou diarreia Letargia, perda de peso, anorexia, vômito, diarreia e/ou icterícia Diarreia de int. grosso, perda de peso e/ou lesão cutânea Curso clínico Sinais progressivos ou cíclicos Sinais progressivos Sinais progressivos ou cíclicos Exame Físico Normal, dor abdominal ou alças espessadas Normal, alças espessadas ou massas palpáveis Normal ou com sinais cutâneos Diagnóstico Biópsia Biópsia Dieta DII Linfoma Alimentar JERGENS, A E, Feline idiopathic inflammatory bowel disease: what we know and what remains to be unraveled, J Feline Med Surg, 2012.
  • 11. Ultrassonografia August J.R. (2011) –Medicina Interna de Felinos
  • 12. DANIAUX, Lise A et al, Ultrasonographic thickening of the muscularis propria in feline small intestinal small cell T-cell lymphoma and inflammatory bowel disease, J Feline Med Surg, v. 16, n. 2, p. 89–98, 2014. Ultrassonografia
  • 14. Endoscopia JERGENS, A E, Feline idiopathic inflammatory bowel disease: what we know and what remains to be unraveled, J Feline Med Surg, v. 14, n. 7, p. 445–458, 2012.
  • 15. Endoscopia x Laparotomia  Biópsia minimamente invasiva e rápida  Acesso visual da mucosa  Visualização até duodeno  Se todas as causas excluidas + histopato sem alterações = Laparotomia + Biópsia!  Mais invasivo  Possibilidade de coleta de todas as camadas intestinais  Possibilidade de coleta de linfonodos aumentados  Melhores resultados no histopato e boa diferenciação de linfoma
  • 16. Importância do Diagnóstico Diferencial  100 gatos:  Vomito crônico (3 semanas)  Perda de peso  Diarreia (episódios recorrentes)  95%  50% Linfoma  50% DII NORSWORTHY, Gary D et al, Diagnosis of chronic small bowel disease in cats: 100 cases (2008–2012), Journal of the American Veterinary Medical Association, v. 243, n. 10, p. 1455–1461, 2013. Várias amostras de biópsia de tecidos gastrointestinais, bem como de fígado, pâncreas, e linfonodos
  • 17. Histopatológico  Enterite ou colite linfoplasmocítica  Mais frequente (Associada a parasitas, dieta ou hipertireoidismo)  Enterite linfocítica  Diferencial difícil: imunohistoquímico  Eosinofílica  Tipicamente mais grave(Associada a Alergias ou parasitas)  Neutrofílica  (Associada a infecção Bacteriana)
  • 18. Histopatológico  Gravidade das lesões (leve/moderado/severa)  Comprometimento da digestão e absorção = agravamento do quadro
  • 19. Cobalamina (Vit.B12)  Cobalamina  Participa do metabolismo dos enterócitos = perpetua diarreia  Diminuição da concentração sérica  Diarreia grave  Alteração no íleo  Pancreatite  Suplementação? Suplementação: 250 mg SC cada 7 dias por 6 semanas Cada 2 semanas por 6 semanas 1 x/mês {...}
  • 20. Tratamento - Metronidazol  Metronidazol:  Sozinho = casos leves  Associado = moderados e graves = menor dose de corticóide  Altera microbiota intestinal (parasitária e bacteriana)  Efeito imunomodulador e anti-inflamatório  Efeitos colaterais raros: inaptênica, neurotoxicidade, náusea e vomito 7,5 ou 10 a 15 mg/kg – BID 6 a 8 semanas – reduzir dose
  • 21. Tratamento – Corticoides  Investigação prévia:  Teste para FIV / FELV  Linfoma (*corticóide)  Efeitos Colaterais dos corticóides:  Poliúria, polidpsia, polifagia, dermatopatias, ganho de peso  Diabetes mellitus
  • 22. Tratamento – Corticoides  Prednisolona:  Histopato moderado a severo ou inflamação eosinofílica  Potencial antiinflamatório e imunossupressor Dose inicial = 1 a 2 mg/kg – SID ou BID Colite eosinofílica – 2 a 4 mg/kg Melhora clínica = - 25% da dose cd 2 semanas - . . . Sem melhora/severa = + Dexametasona 0,22 a 0,5 mg/kg SID SC e predinisolona (1/7 da dose)
  • 23. Tratamento – Dieta  Características ideais  Nova proteína ou proteína hidrolisada  Carboidratos de fácil digestão  Livre de glúten  Baixo teor de lactose  Fibras equilibradas  Altamente palatável  Período de teste: ao menos 7 dias
  • 24. Tratamento – Dieta  Ajuste Requerimento Energético Basal = 1,25 a 1,5 (Depende das alterações de vilosidades)  + Ácidos graxos - Ômega 3  Atividade antinflamátoria = colites ulcerativas
  • 25. Tratamento – Dieta  Gordura:  Reduzir!  Evitar restrição total  deficiência de ácidos graxos essenciais = reparo das células intestinais Gordura Ácidos Graxos Diarreia Osmótica
  • 26. Tratamento – Dieta  Proteína:  Não restringir proteína (glutamina) = energia para enterócitos  Dieta hipoalergênica (caseira = coelho ou cordeiro)  Dieta com proteína hidrolizada
  • 27. Tratamento – Dieta  Carboidratos  Alta digestibilidade ou reduzido  Má absorção  Diarreia osmótica  Síndrome de super crescimento bacteriano (SIBO)  Produção de ácidos graxos hidrolisados no cólon
  • 28. Tratamento – Dieta  Fibras:  Principalmente para colites  Normaliza a motilidade  “Camada” de proteção das células intestinas  Produção de Butirato = substrato energético aos colonócitos Psyllium – 2 colheres de chá por refeição Farelo de aveia – 1 colher de sobremesa por refeição Benefiber – 2 colheres de chá por dia
  • 29. Tratamento – Probiótico Bactérias com efeitos benéficos – diminuição da inflamação intestinal e efeitos imunomodulatórios
  • 30. Tratamento – Resumo  Tratamento empírico para giárdia ou parasitas  Teste de dieta – 7 dias (*manter para sempre depois)  Caso leve = Metronidazol – 14 dias  Boa resposta = redução de 25% cada 1-2 semanas  Sem resposta = + Corticóide  redução de 25% cada 1-2 semanas  Moderado a grave = Corticoide + Metronidazol  + Psyllium + Cobalamina + Ômega 3 + Probiótico JERGENS, A E, Feline idiopathic inflammatory bowel disease: what we know and what remains to be unraveled, J Feline Med Surg, v. 14, n. 7, p. 445–458, 2012.
  • 31. Tratamento – Prop. Complicado  Dieta de exclusão por 2 semanas – proteína nova  Metronidazol por 14 dias  Suspeita de alteração em íleo ou colon? = Cobalamina!  Colite? = Psyllium  Não respondeu = Prednisolona JERGENS, A E, Feline idiopathic inflammatory bowel disease: what we know and what remains to be unraveled, J Feline Med Surg, v. 14, n. 7, p. 445–458, 2012.
  • 32. “Score de inflamação”  Pontuação final relacionada ao grau de inflamação  Útil para avaliar resposta a terapia e retornos  Motivacional JERGENS, A. E. et al, A clinical index for disease activity in cats with chronic enteropathy, Journal of Veterinary Internal Medicine, v. 24, n. 5, p. 1027–1033, 2010.
  • 33. Prognóstico  Variável  Boa resposta a terapêutica em 80% dos casos  Remissão com recidivas  Controle sem cura  Reservado para:  Lesões histopatológicas severas  Fibrose da mucosa intestinal  Enterite eosinofílica