SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 61
FeLV
Leucemia
Viral Felina
Medicina Veterinária - UFPR
Residência em clínica médica
de cães e gatos – UTP
Especialização em clínica
médica de felinos – Qualittas
Mestre em ciências
veterinárias – UFPR
Doutoranda em ciências
veterinárias – UFPR
Epidemiologia
Little, Susan, et al. "2020 AAFP feline retrovirus testing and management guidelines." Journal of Feline Medicine and Surgery 2020
Transmissão
Saliva
1 ml =
1 milhão de partículas virais
* Vírus facilmente inativado
(desinfetantes,sabão, ...)
* 20 min em meio seco
+ tempo em meio úmido
Fatores de risco
Fatores de risco
Fatores de risco
A suscetibilidade para a infecção por FeLV é maior em gatos
jovens, mas o risco é alto quando ocorre contato contínuo
com gato positivo. Devido a isso a prevalência em gatos mais
velhos é um pouco mais alta
Little, Susan, et al. "2020 AAFP feline retrovirus testing and management guidelines." Journal of Feline Medicine and Surgery 2020
J Feline Med Surg 2009; 11: 565-574
J Feline Med Surg 2013; 15: 534-535
J Feline Med Surg 2009; 11: 565-574 ; J Feline Med Surg 2013; 15: 534-535
DNA
pró viral
Little, Susan, et al. "2020 AAFP feline retrovirus testing and management guidelines." Journal of Feline Medicine and Surgery 2020
Subtipos:
FELV – A = forma
transmissível - viremia
transitória ou anemia
hemolítica e linfoma
FELV – B = Neoplasias –
Linfoma e Leucemia
FELV – C = Desordens
hematopoiéticas
(Anemia)
FELV – T =
Imunossupressão
2% 0,5% 21%
Infec.
PROGRESSIVA
1% 2% 25%
Infec.
REGRESSIVA
4% 11% 9%
Infec. ABORTIVA
Infecção
Linfóide
Sistêmica
Viremia
Macrofag
os
Linfócito
s
2% 0,5% 21%
Infec.
PRORESSIVA
Infecção
Linfóide
Sistêmica
Leucócitos, plaquetas, linfócitos...
M.O.
Intestino
Diagnóstico
• ELISA (snap)
Vírus circulante no sangue
Diagnóstico
• Imunofluorescencia
Leucócitos, Linfócitos, Plaquetas, . . .
*Cuidados com erros
laboratoriais que podem causar
falso positivo ou falso negativo
*Leva um tempo para dar
POSITIVO
*Infecção REGRESSIVA =
Negativo
*Leucopenia grave ou infecção
grave = FALSO negativo
Diagnóstico
• PCR
Em qualquer célula, tecido ou sangue
que CONTENHA o vírus ou partes dele
Viremia
DNA
RNA viral
Detectável no plasma em
1 semana pós exposição
DNA pró viral
Detectável no plasma em
2 semanas pós exposição
DNA pró viral
Viremia transitória
•Apatia, febre e
linfoadenomegalia
ELISA +
IFI -
PCR +
GREENE C. E. (Ed.). . Infectious diseases of the dog and cat. 2012.
Viremia
• 3 a 6 semanas
• Infecção da medula
óssea
ELISA +
IFI +
PCR +
Infecção
Progressiva
• 3% “Isolado”
• 30% Colônias
ELISA +
IFI +
PCR +
Infecção
Progressiva
Doenças clínicas ligadas
a FeLV
Gato “com cara” de
FeLV
Morte em até 3 anos
Como eu sei quem está
com a medula óssea
infectada e está
definitivamente FELV+ ?
Viremia transitória
ELISA +
IFI -
PCR +
Viremia
ELISA +
IFI +
PCR +
Infecção Progressiva
ELISA +
IFI +
PCR +
Eliminação Completa
•Infecção controlada na
orofaringe
•2 % sem anticorpos
PCR -
ELISA –
IFI -
Eliminação Completa
pós viremia
•Até 3 semanas
ELISA + -> -
IFI -
PCR + -> -
Infecção abortiva
Latente
ELISA -
IFI -
PCR + *
Eliminação
completa
Após anos
ELISA -
IFI -
PCR - / + ?
Infecção
regressiva
DNA proviral
e RNA viral
Gato “saudável”
Pode ficar assim por anos
Após anos = pode fazer viremia se
imunossuprimir e dai sim doença
com “cara de FeLV”
OU = Linfoma ou supressão de
medula óssea
Contamina sangue se doador
Alto no ínicio e depois
caindo ao longo do tempo
Pode chegar a indetectável
Gatos
doadores
de sangue
ou tecidos
devem ser
testados e
confirmados
como
NEGATIVOS
para FeLV
antígeno e
FeLV
próvirus
com PCR, o
mesmo para
anticorpos
de FIV
Little, Susan, et al. "2020 AAFP feline retrovirus testing and management guidelines." Journal of Feline Medicine and Surgery 2020
Gatos podem
ser testados
em diversas
situações e
por diversos
motivos, por
tanto um
protocolo
para testes é
dificil de ser
recomendado
para todos os
gatos
Little, Susan, et al. "2020 AAFP feline retrovirus testing and management guidelines." Journal of Feline Medicine and Surgery 2020
Little, Susan, et al. "2020 AAFP feline retrovirus testing and management guidelines." Journal of Feline Medicine and Surgery 2020
Resultados discordante
entre PCR, IFI ou
ELISA
Tempo da infecção
Sistema imune
Sensibilidade do teste
Little, Susan, et al. "2020 AAFP feline retrovirus testing and management guidelines." Journal of Feline Medicine and Surgery 2020
A presença de
infecção pode
variar
individulamente
entre gatos de
ninhadas,
colônias (5) e
coabitantes. Por
isso não é
recomendado,
para reduzir
custos, testar
apenas um gato
e generalizar o
resultado
Little, Susan, et al. "2020 AAFP feline retrovirus testing and management guidelines." Journal of Feline Medicine and Surgery 2020
Sinais clínicos
• Variáveis e múltiplos
• Idade, subtipo viral, resposta
imune...
• Perda de peso (63%)
• Crônica e progressiva
• Febre (42%)
• Desidratação (35%)
• Aumento de linfonodos periféricos
(13%)
Sinais: imunossupressão
• Mais severa que na FIV (quali e quanti)
• Linfopenia, neutropenia, trombocitopenia...
• Redução de CD4 e CD8
• Atrofia de timo
Filgrastin
(Fator estimulador de colônias de granulócitos)
EF: Febre, esplenomegalia, reações alérgicas e
aumento de carga viral
J Feline Med Surg 2009; 11: 565-574 ; J Feline Med Surg 2013; 15: 534-535
Anemia
- Micoplasma (90% são FELV) (Regenerativa - reticulocitos)
- Doenças Imunomediadas (Regenerativa - reticulocitos)
- M.O. (Arregenerativa)
-Transfusão (se Ht<20% ? !)
-Doxiciclina (Micoplasma)
- Corticoide ?
Sinais: Anemia
Sinais: Neoplásia
• Leucemias
• Leucograma “doido”
• Linfomas
• 25% com menos de 2 anos
• Mais comum:
• Timico (90%)
• Mediastinal
• Predominante de céls T
Predisposição a
Linfomas
FELV = 60 X
FIV + FELV = 75 X
Contactantes = 40 X
J Feline Med Surg 2009; 11: 565-574 ; J Feline Med Surg 2013; 15: 534-535
J Feline Med Surg 2009; 11: 565-574 ; J Feline Med Surg 2013; 15: 534-535
* Enterite crônica
pela ação do vírus :
degeneração das
células epiteliais
intestinais e necrose
de cripta (Reinacher,
1987)
Prognóstico: FELV + Neo
• “Bom”
• Pequeno
• Função normal dos outros órgãos
• Normorexia
• Perda de peso mínima
• Ruim
• Anemia
• Neutropenia, trombocitopenia...
• Paralisia
• Febre
• Gengivite, rinite crônica, ...
Tratamento?
FOTOS: Rolim et al. "Clinical, pathological, immunohistochemical and molecular characterization
of feline chronic gingivostomatitis." Journal of feline medicine and surgery 2017
A causa da síndrome é
incerta,
mas os achados
histopatológicos sugerem
resposta imune ao estimulo
crônico de antígenos
ou resposta imune
desregulada
Linfócitos, neutrófilos,
eosinófilos e citocinas
Hartmann, Katrin. "Clinical aspects of feline
immunodeficiency and feline leukemia virus
infection." Veterinary immunology and
immunopathology 2011
Sinais: Complexo gengivoestomatite
Correlacionado a:
• FIV (50% dos pacientes)
• Calicivirus (colônias ou pior
quadro)
• Bactérias anaeróbicas (2ª)
• FeLV (15% dos pacientes)
• “É possível que o FeLV
desempenha um papel
como agente causal de
lesões nos casos em que a
presença do vírus foi
confirmada por
imuno-histoquímica em
amostras epiteliais”
Rolim et al. "Clinical, pathological,
immunohistochemical and molecular
characterization of feline chronic
gingivostomatitis." Journal of feline medicine
and surgery 2017
Interferon ? !
Corticoide ? ! Ciclosporina ? !
Antibiótico ? !
Depósito de imuno-complexos
• DRC
• Poliartrite
• Claudicação e dor
Sinais: Uveíte
• Blefaroespasmo
• Hiperemia conjuntival
• Glóbulos brancos ou albumina ou Fibrina ou
hemorragia na câmara anterior
• Miose
• Perda de visão
• Dor
*Hifema = sangue
Maior
vascularizaçã
o esclera
Edema de
córnea
Maggs, D. (2009). Feline uveitis: An ‘intraocular
lymphadenopathy’.
Hipópio =
Glóbulos brancos
Maggs, D. (2009). Feline uveitis: An ‘intraocular
lymphadenopathy’.
Hifema e hipopio
Maggs, D. (2009). Feline uveitis: An ‘intraocular
lymphadenopathy’.
Aumento de pressão
intraocular =
glaucoma
Stiles, J., & Kimmitt, B. (2016). Eye examination in the cat:
Step-by-step approach and common findings.
Sinais: Neurológicos
• Mudanças de comportamento
• Alteração na deambulação e marcha
• Paralisia ascendente
• Paresia dos membros pélvicos ou tetraparalisia
• Alt. na micção
Sinais:
Neurológicos Oculares
Síndrome da pupila hemidilatada
ou em formato de “D”
Lesão em nervo malar ou nervo lateral
(90% FELV ou FIV)
Prognóstico FELV
• Ruim
• 70 a 90 % morre em 18 a 36 meses
• Depende também:
• Idade na infecção
• Fatores virais
• Resposta imune individual
Tratamento
• Diagnóstico e tratamento rápido de doenças secundárias
• Mais longo
• Mais agressivo
• Check-up cd 6 meses
• Hemograma = cd 6
• Completo +urinálise + cultura = cd 12
• Fezes = se necessário
•
Tratamento
Antivirais
• Ótimos resultados em humanos (coquetel)
• Alto custo a longo prazo e /ou E.Col.
• AZT
• Inibe a replicação viral
• Maior tempo de sobrevida
• Maior qualidade de vida
• Melhora de sinais neurológicos e estomatite
• E.Col.: anemia e anorexia
Brasil
Tratamento
• Imunomoduladores
• Interferon Humano
• Sem diferença estatistica (McCaw et al, 2001)
• Interferon Felino
• Maior tempo de sobrevida (Mari et al, 2004)
• Doenças secundárias
Manejo do +
• Castração !!!
• Isolado em casa
• Evitar transmissão
• Evitar doenças secundárias
• Vacinação
• Resposta mais fraca ?
• Vacina inativada / morta / atenuada?
Panleucopenia e respiratórias = pior quadro
Raiva de acordo com a região
Pouca evidência sobre resposta a vacinas
atenuadas, mas hipótese de resposta dos felv
assintomáticos = sem vírus ?
E no internamento??
Gatos positivos para retroviroses quando hospitalizados
podem ser colocados no internamento geral, mas não
podem ter contato direto com outros gatos hospitalizados.
Little, Susan, et al. "2020 AAFP feline retrovirus testing and management guidelines." Journal of Feline Medicine and Surgery 2020
Há um pequeno
risco de
transmição de
retrovirose aos
outros gatos por
contato indireto.
Simples
precauções e
rotina de
limpeza devem
ser seguidos
E no internamento??
Little, Susan, et al. "2020 AAFP feline retrovirus testing and management guidelines." Journal of Feline Medicine and Surgery 2020
Vacinação e prevenção
Vacinação
conta o vírus
da FeLV não
diminui a
importânci
a do teste,
identificação e
isolamento de
gatos com
infecção
progressiva
O mais
importante
para
mensurar e
controlar a
FeLV e a FIV
são a
identificaçã
o e
segregação
dos gatos
infectados
Little, Susan, et al. "2020 AAFP feline retrovirus testing and management guidelines." Journal of Feline Medicine and Surgery 2020
Vacinação e prevenção
• Testagem + Vacinação
• Provavelmente é razão para o controle na Europa e América do Norte
• Prevalência alta = mais esforço
• Devem sempre ser testados antes
• mas não interfere nos testes posteriores
• Em teoria vacinar um positivo não faz mal, mas não existe isso nos artigos
Little, Susan, et al. "2020 AAFP feline retrovirus testing and management guidelines." Journal of Feline Medicine and Surgery 2020
Vacinação e prevenção
• Eficácia da vacina ?
• Diversos tipos em diversos países
• Estudos pequenos e pelas empresas
• Estudos sem padronização de desafio e teste
• Não impede a integração do DNA !!!!
• Estudo: mordida /abscesso
• Infecção baixa em vacinados
• 7,5X mais chance de FeLV em não vacinados
Little, Susan, et al. "2020 AAFP feline retrovirus testing and management guidelines." Journal of Feline Medicine and Surgery 2020
Não se pode concluir que a vacinação contra a
FeLV protege contra todas as infecções pelo
vírus da FeLV.
No entanto, várias vacinas atuais são de
grande importância clínica porque parecem
ser eficazes na prevenção da infecção
progressiva e dessa forma reduzem as
doenças associadas a FeLV.
Little, Susan, et al. "2020 AAFP feline retrovirus testing and management guidelines." Journal of Feline Medicine and Surgery 2020
Vacinação e prevenção
• AAFP 2013
• Gatos adultos que tem risco de infecção
• Todos os gatinhos de até 1 ano*
• *Não se sabe qual será o risco depois
• *Maior risco de progressiva
• Recomendação para áreas de risco (NÓS!)
Vacinação e prevenção
• AAFP 2013
• Vacinação FeLV = MPE
• 8 semanas – 1ª dose
• 3 a 4 semanas – 2ª dose
• Reforço anual (risco) ou cd 2 anos (-risco)
• Ou descontinuar se fora de risco
Uma prevenção maior da
infecção pelos retrovírus pode
ser alcançada com uma parceria
entre veterinários e tutores
Little, Susan, et al. "2020 AAFP feline retrovirus testing and management guidelines." Journal of Feline Medicine and Surgery 2020
Obrigada!!!
caroltrochmann@gmail.com
mvfelinos.carol@gmail.com
@CarolTrochmann @Confraria.Felina
Fred

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Displasia coxofemoral em felinos - Simposio Especialidades Veteduka
Displasia coxofemoral em felinos - Simposio Especialidades Veteduka Displasia coxofemoral em felinos - Simposio Especialidades Veteduka
Displasia coxofemoral em felinos - Simposio Especialidades Veteduka
Carolina Trochmann
 

Mais procurados (20)

Doença Inflamatória Intestinal em gatos
Doença Inflamatória Intestinal em gatosDoença Inflamatória Intestinal em gatos
Doença Inflamatória Intestinal em gatos
 
Gatos e Toxoplasmose: derrubando fake news
Gatos e Toxoplasmose: derrubando fake newsGatos e Toxoplasmose: derrubando fake news
Gatos e Toxoplasmose: derrubando fake news
 
Febre aftosa
Febre aftosaFebre aftosa
Febre aftosa
 
O gato na emergência: Dispneia
O gato na emergência: DispneiaO gato na emergência: Dispneia
O gato na emergência: Dispneia
 
Exame clínico equinos
Exame clínico equinosExame clínico equinos
Exame clínico equinos
 
Abra a boca do gato! + gengivoestomatite
Abra a boca do gato! + gengivoestomatiteAbra a boca do gato! + gengivoestomatite
Abra a boca do gato! + gengivoestomatite
 
O gato na emergencia: obstrução
O gato na emergencia: obstruçãoO gato na emergencia: obstrução
O gato na emergencia: obstrução
 
PCR - Benefícios na rotina clínica
PCR - Benefícios na rotina clínica PCR - Benefícios na rotina clínica
PCR - Benefícios na rotina clínica
 
Protocolos de Vacinação e Vermifugação em Cães e Gatos
Protocolos de Vacinação e Vermifugação em Cães e GatosProtocolos de Vacinação e Vermifugação em Cães e Gatos
Protocolos de Vacinação e Vermifugação em Cães e Gatos
 
Principais
afecções da cavidade oral de pequenos animais
Principais
afecções da cavidade oral  de pequenos animais Principais
afecções da cavidade oral  de pequenos animais
Principais
afecções da cavidade oral de pequenos animais
 
Terapeutica felina - Eu não sou cachorro não!
Terapeutica felina - Eu não sou cachorro não!Terapeutica felina - Eu não sou cachorro não!
Terapeutica felina - Eu não sou cachorro não!
 
Como atender um gato sem ser atacado
Como atender um gato sem ser atacadoComo atender um gato sem ser atacado
Como atender um gato sem ser atacado
 
Aula de Dermatopatologia
Aula de DermatopatologiaAula de Dermatopatologia
Aula de Dermatopatologia
 
Caso clínico
Caso clínicoCaso clínico
Caso clínico
 
Leptospirose em cães
Leptospirose em cãesLeptospirose em cães
Leptospirose em cães
 
O que deveriamos orientar o tutor do gato na primeira consulta?
O que deveriamos orientar o tutor do gato na primeira consulta?O que deveriamos orientar o tutor do gato na primeira consulta?
O que deveriamos orientar o tutor do gato na primeira consulta?
 
Lipidose hepática
Lipidose hepáticaLipidose hepática
Lipidose hepática
 
Displasia coxofemoral em felinos - Simposio Especialidades Veteduka
Displasia coxofemoral em felinos - Simposio Especialidades Veteduka Displasia coxofemoral em felinos - Simposio Especialidades Veteduka
Displasia coxofemoral em felinos - Simposio Especialidades Veteduka
 
Patologia do Sistema Respiratório
Patologia do Sistema RespiratórioPatologia do Sistema Respiratório
Patologia do Sistema Respiratório
 
Dermatopatias Crônicas em Cães
Dermatopatias Crônicas em CãesDermatopatias Crônicas em Cães
Dermatopatias Crônicas em Cães
 

Semelhante a FELV atualizada 2022

Sífilis diagnóstico clínico e laboratorial
Sífilis diagnóstico clínico e laboratorialSífilis diagnóstico clínico e laboratorial
Sífilis diagnóstico clínico e laboratorial
itsufpr
 
2-SIFILIS_ADQUIRIDA_QUALISUS_final_(8).ppt
2-SIFILIS_ADQUIRIDA_QUALISUS_final_(8).ppt2-SIFILIS_ADQUIRIDA_QUALISUS_final_(8).ppt
2-SIFILIS_ADQUIRIDA_QUALISUS_final_(8).ppt
TaisdeJesusSantos
 
Hepatites virais aula 04 junio
Hepatites virais aula 04 junioHepatites virais aula 04 junio
Hepatites virais aula 04 junio
BeatrisMaria
 
Úlceras Genitais Infecciosas
Úlceras Genitais InfecciosasÚlceras Genitais Infecciosas
Úlceras Genitais Infecciosas
clinican
 

Semelhante a FELV atualizada 2022 (20)

Interpretacao leucograma
Interpretacao leucogramaInterpretacao leucograma
Interpretacao leucograma
 
Infeccoes perinatais torch
Infeccoes perinatais torchInfeccoes perinatais torch
Infeccoes perinatais torch
 
Hospital da Criança de Brasília José Alencar
Hospital da Criança de Brasília José AlencarHospital da Criança de Brasília José Alencar
Hospital da Criança de Brasília José Alencar
 
Aula de digestivo parte 2
Aula de digestivo parte 2Aula de digestivo parte 2
Aula de digestivo parte 2
 
Microcephaly and Zika in Brazil
Microcephaly and Zika in BrazilMicrocephaly and Zika in Brazil
Microcephaly and Zika in Brazil
 
INFECTOLOGIA.pdf
INFECTOLOGIA.pdfINFECTOLOGIA.pdf
INFECTOLOGIA.pdf
 
Leptospirose
LeptospiroseLeptospirose
Leptospirose
 
sífilis.pdf
sífilis.pdfsífilis.pdf
sífilis.pdf
 
Sífilis diagnóstico clínico e laboratorial
Sífilis diagnóstico clínico e laboratorialSífilis diagnóstico clínico e laboratorial
Sífilis diagnóstico clínico e laboratorial
 
IST-HIV e HPV Estratégia (1).pptx
IST-HIV e HPV Estratégia (1).pptxIST-HIV e HPV Estratégia (1).pptx
IST-HIV e HPV Estratégia (1).pptx
 
Doenças de suídeos OIE 2
Doenças de suídeos OIE 2Doenças de suídeos OIE 2
Doenças de suídeos OIE 2
 
HIV
HIVHIV
HIV
 
Infecção de transmissão vertical
Infecção de transmissão verticalInfecção de transmissão vertical
Infecção de transmissão vertical
 
Sífilis e manejo clínico da profilaxia da transmissão vertical
Sífilis e manejo clínico da profilaxia da transmissão verticalSífilis e manejo clínico da profilaxia da transmissão vertical
Sífilis e manejo clínico da profilaxia da transmissão vertical
 
Resumo tudo sobre AIDS
Resumo tudo sobre AIDSResumo tudo sobre AIDS
Resumo tudo sobre AIDS
 
2-SIFILIS_ADQUIRIDA_QUALISUS_final_(8).ppt
2-SIFILIS_ADQUIRIDA_QUALISUS_final_(8).ppt2-SIFILIS_ADQUIRIDA_QUALISUS_final_(8).ppt
2-SIFILIS_ADQUIRIDA_QUALISUS_final_(8).ppt
 
2-SIFILIS_ADQUIRIDA_QUALISUS_final.ppt
2-SIFILIS_ADQUIRIDA_QUALISUS_final.ppt2-SIFILIS_ADQUIRIDA_QUALISUS_final.ppt
2-SIFILIS_ADQUIRIDA_QUALISUS_final.ppt
 
Hepatites virais aula 04 junio
Hepatites virais aula 04 junioHepatites virais aula 04 junio
Hepatites virais aula 04 junio
 
Linfadenopatias cervicais na infância
Linfadenopatias cervicais na infânciaLinfadenopatias cervicais na infância
Linfadenopatias cervicais na infância
 
Úlceras Genitais Infecciosas
Úlceras Genitais InfecciosasÚlceras Genitais Infecciosas
Úlceras Genitais Infecciosas
 

Mais de Carolina Trochmann (8)

Gatos não são cães!
Gatos não são cães!Gatos não são cães!
Gatos não são cães!
 
Obesidade em felinos
Obesidade em felinosObesidade em felinos
Obesidade em felinos
 
Encefalopatia hepatica
Encefalopatia hepatica Encefalopatia hepatica
Encefalopatia hepatica
 
O gato com anorexia - cuidados com o quinto sinal vital, a nutrição
O gato com anorexia - cuidados com o quinto sinal vital, a nutriçãoO gato com anorexia - cuidados com o quinto sinal vital, a nutrição
O gato com anorexia - cuidados com o quinto sinal vital, a nutrição
 
Obesidade em felinos
Obesidade em felinosObesidade em felinos
Obesidade em felinos
 
Cistite Intersticial Felina - Tratamento Comportamental
Cistite Intersticial Felina - Tratamento Comportamental Cistite Intersticial Felina - Tratamento Comportamental
Cistite Intersticial Felina - Tratamento Comportamental
 
Leptospira spp em gatos: estamos subestimando essa infecção?
Leptospira spp em gatos: estamos subestimando essa infecção? Leptospira spp em gatos: estamos subestimando essa infecção?
Leptospira spp em gatos: estamos subestimando essa infecção?
 
Como o conhecimento do comportamento felino pode nos ajudar na rotina clínica...
Como o conhecimento do comportamento felino pode nos ajudar na rotina clínica...Como o conhecimento do comportamento felino pode nos ajudar na rotina clínica...
Como o conhecimento do comportamento felino pode nos ajudar na rotina clínica...
 

Último

PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
LuanaAlves940822
 

Último (20)

Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e SenegalTrabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdfDiálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
 

FELV atualizada 2022

  • 1. FeLV Leucemia Viral Felina Medicina Veterinária - UFPR Residência em clínica médica de cães e gatos – UTP Especialização em clínica médica de felinos – Qualittas Mestre em ciências veterinárias – UFPR Doutoranda em ciências veterinárias – UFPR
  • 2. Epidemiologia Little, Susan, et al. "2020 AAFP feline retrovirus testing and management guidelines." Journal of Feline Medicine and Surgery 2020
  • 3. Transmissão Saliva 1 ml = 1 milhão de partículas virais * Vírus facilmente inativado (desinfetantes,sabão, ...) * 20 min em meio seco + tempo em meio úmido
  • 6. Fatores de risco A suscetibilidade para a infecção por FeLV é maior em gatos jovens, mas o risco é alto quando ocorre contato contínuo com gato positivo. Devido a isso a prevalência em gatos mais velhos é um pouco mais alta Little, Susan, et al. "2020 AAFP feline retrovirus testing and management guidelines." Journal of Feline Medicine and Surgery 2020
  • 7. J Feline Med Surg 2009; 11: 565-574 J Feline Med Surg 2013; 15: 534-535
  • 8. J Feline Med Surg 2009; 11: 565-574 ; J Feline Med Surg 2013; 15: 534-535 DNA pró viral Little, Susan, et al. "2020 AAFP feline retrovirus testing and management guidelines." Journal of Feline Medicine and Surgery 2020 Subtipos: FELV – A = forma transmissível - viremia transitória ou anemia hemolítica e linfoma FELV – B = Neoplasias – Linfoma e Leucemia FELV – C = Desordens hematopoiéticas (Anemia) FELV – T = Imunossupressão
  • 9. 2% 0,5% 21% Infec. PROGRESSIVA 1% 2% 25% Infec. REGRESSIVA 4% 11% 9% Infec. ABORTIVA Infecção Linfóide Sistêmica Viremia Macrofag os Linfócito s
  • 11. Diagnóstico • ELISA (snap) Vírus circulante no sangue
  • 12. Diagnóstico • Imunofluorescencia Leucócitos, Linfócitos, Plaquetas, . . . *Cuidados com erros laboratoriais que podem causar falso positivo ou falso negativo *Leva um tempo para dar POSITIVO *Infecção REGRESSIVA = Negativo *Leucopenia grave ou infecção grave = FALSO negativo
  • 13. Diagnóstico • PCR Em qualquer célula, tecido ou sangue que CONTENHA o vírus ou partes dele Viremia DNA RNA viral Detectável no plasma em 1 semana pós exposição DNA pró viral Detectável no plasma em 2 semanas pós exposição DNA pró viral
  • 14. Viremia transitória •Apatia, febre e linfoadenomegalia ELISA + IFI - PCR + GREENE C. E. (Ed.). . Infectious diseases of the dog and cat. 2012.
  • 15. Viremia • 3 a 6 semanas • Infecção da medula óssea ELISA + IFI + PCR +
  • 16. Infecção Progressiva • 3% “Isolado” • 30% Colônias ELISA + IFI + PCR + Infecção Progressiva Doenças clínicas ligadas a FeLV Gato “com cara” de FeLV Morte em até 3 anos
  • 17. Como eu sei quem está com a medula óssea infectada e está definitivamente FELV+ ? Viremia transitória ELISA + IFI - PCR + Viremia ELISA + IFI + PCR + Infecção Progressiva ELISA + IFI + PCR +
  • 18. Eliminação Completa •Infecção controlada na orofaringe •2 % sem anticorpos PCR - ELISA – IFI - Eliminação Completa pós viremia •Até 3 semanas ELISA + -> - IFI - PCR + -> - Infecção abortiva
  • 19. Latente ELISA - IFI - PCR + * Eliminação completa Após anos ELISA - IFI - PCR - / + ? Infecção regressiva DNA proviral e RNA viral Gato “saudável” Pode ficar assim por anos Após anos = pode fazer viremia se imunossuprimir e dai sim doença com “cara de FeLV” OU = Linfoma ou supressão de medula óssea Contamina sangue se doador Alto no ínicio e depois caindo ao longo do tempo Pode chegar a indetectável
  • 20. Gatos doadores de sangue ou tecidos devem ser testados e confirmados como NEGATIVOS para FeLV antígeno e FeLV próvirus com PCR, o mesmo para anticorpos de FIV Little, Susan, et al. "2020 AAFP feline retrovirus testing and management guidelines." Journal of Feline Medicine and Surgery 2020
  • 21. Gatos podem ser testados em diversas situações e por diversos motivos, por tanto um protocolo para testes é dificil de ser recomendado para todos os gatos Little, Susan, et al. "2020 AAFP feline retrovirus testing and management guidelines." Journal of Feline Medicine and Surgery 2020
  • 22. Little, Susan, et al. "2020 AAFP feline retrovirus testing and management guidelines." Journal of Feline Medicine and Surgery 2020
  • 23. Resultados discordante entre PCR, IFI ou ELISA Tempo da infecção Sistema imune Sensibilidade do teste Little, Susan, et al. "2020 AAFP feline retrovirus testing and management guidelines." Journal of Feline Medicine and Surgery 2020
  • 24. A presença de infecção pode variar individulamente entre gatos de ninhadas, colônias (5) e coabitantes. Por isso não é recomendado, para reduzir custos, testar apenas um gato e generalizar o resultado Little, Susan, et al. "2020 AAFP feline retrovirus testing and management guidelines." Journal of Feline Medicine and Surgery 2020
  • 25. Sinais clínicos • Variáveis e múltiplos • Idade, subtipo viral, resposta imune... • Perda de peso (63%) • Crônica e progressiva • Febre (42%) • Desidratação (35%) • Aumento de linfonodos periféricos (13%)
  • 26. Sinais: imunossupressão • Mais severa que na FIV (quali e quanti) • Linfopenia, neutropenia, trombocitopenia... • Redução de CD4 e CD8 • Atrofia de timo Filgrastin (Fator estimulador de colônias de granulócitos) EF: Febre, esplenomegalia, reações alérgicas e aumento de carga viral
  • 27.
  • 28.
  • 29. J Feline Med Surg 2009; 11: 565-574 ; J Feline Med Surg 2013; 15: 534-535 Anemia - Micoplasma (90% são FELV) (Regenerativa - reticulocitos) - Doenças Imunomediadas (Regenerativa - reticulocitos) - M.O. (Arregenerativa) -Transfusão (se Ht<20% ? !) -Doxiciclina (Micoplasma) - Corticoide ? Sinais: Anemia
  • 30. Sinais: Neoplásia • Leucemias • Leucograma “doido” • Linfomas • 25% com menos de 2 anos • Mais comum: • Timico (90%) • Mediastinal • Predominante de céls T Predisposição a Linfomas FELV = 60 X FIV + FELV = 75 X Contactantes = 40 X
  • 31. J Feline Med Surg 2009; 11: 565-574 ; J Feline Med Surg 2013; 15: 534-535
  • 32. J Feline Med Surg 2009; 11: 565-574 ; J Feline Med Surg 2013; 15: 534-535 * Enterite crônica pela ação do vírus : degeneração das células epiteliais intestinais e necrose de cripta (Reinacher, 1987)
  • 33. Prognóstico: FELV + Neo • “Bom” • Pequeno • Função normal dos outros órgãos • Normorexia • Perda de peso mínima • Ruim • Anemia • Neutropenia, trombocitopenia... • Paralisia • Febre • Gengivite, rinite crônica, ... Tratamento?
  • 34. FOTOS: Rolim et al. "Clinical, pathological, immunohistochemical and molecular characterization of feline chronic gingivostomatitis." Journal of feline medicine and surgery 2017 A causa da síndrome é incerta, mas os achados histopatológicos sugerem resposta imune ao estimulo crônico de antígenos ou resposta imune desregulada Linfócitos, neutrófilos, eosinófilos e citocinas Hartmann, Katrin. "Clinical aspects of feline immunodeficiency and feline leukemia virus infection." Veterinary immunology and immunopathology 2011 Sinais: Complexo gengivoestomatite
  • 35. Correlacionado a: • FIV (50% dos pacientes) • Calicivirus (colônias ou pior quadro) • Bactérias anaeróbicas (2ª) • FeLV (15% dos pacientes) • “É possível que o FeLV desempenha um papel como agente causal de lesões nos casos em que a presença do vírus foi confirmada por imuno-histoquímica em amostras epiteliais” Rolim et al. "Clinical, pathological, immunohistochemical and molecular characterization of feline chronic gingivostomatitis." Journal of feline medicine and surgery 2017 Interferon ? ! Corticoide ? ! Ciclosporina ? ! Antibiótico ? !
  • 36. Depósito de imuno-complexos • DRC • Poliartrite • Claudicação e dor
  • 37. Sinais: Uveíte • Blefaroespasmo • Hiperemia conjuntival • Glóbulos brancos ou albumina ou Fibrina ou hemorragia na câmara anterior • Miose • Perda de visão • Dor
  • 39. Maior vascularizaçã o esclera Edema de córnea Maggs, D. (2009). Feline uveitis: An ‘intraocular lymphadenopathy’.
  • 40. Hipópio = Glóbulos brancos Maggs, D. (2009). Feline uveitis: An ‘intraocular lymphadenopathy’.
  • 41. Hifema e hipopio Maggs, D. (2009). Feline uveitis: An ‘intraocular lymphadenopathy’.
  • 42. Aumento de pressão intraocular = glaucoma Stiles, J., & Kimmitt, B. (2016). Eye examination in the cat: Step-by-step approach and common findings.
  • 43. Sinais: Neurológicos • Mudanças de comportamento • Alteração na deambulação e marcha • Paralisia ascendente • Paresia dos membros pélvicos ou tetraparalisia • Alt. na micção
  • 44.
  • 46. Síndrome da pupila hemidilatada ou em formato de “D” Lesão em nervo malar ou nervo lateral (90% FELV ou FIV)
  • 47. Prognóstico FELV • Ruim • 70 a 90 % morre em 18 a 36 meses • Depende também: • Idade na infecção • Fatores virais • Resposta imune individual
  • 48. Tratamento • Diagnóstico e tratamento rápido de doenças secundárias • Mais longo • Mais agressivo • Check-up cd 6 meses • Hemograma = cd 6 • Completo +urinálise + cultura = cd 12 • Fezes = se necessário •
  • 49. Tratamento Antivirais • Ótimos resultados em humanos (coquetel) • Alto custo a longo prazo e /ou E.Col. • AZT • Inibe a replicação viral • Maior tempo de sobrevida • Maior qualidade de vida • Melhora de sinais neurológicos e estomatite • E.Col.: anemia e anorexia Brasil
  • 50. Tratamento • Imunomoduladores • Interferon Humano • Sem diferença estatistica (McCaw et al, 2001) • Interferon Felino • Maior tempo de sobrevida (Mari et al, 2004) • Doenças secundárias
  • 51. Manejo do + • Castração !!! • Isolado em casa • Evitar transmissão • Evitar doenças secundárias • Vacinação • Resposta mais fraca ? • Vacina inativada / morta / atenuada? Panleucopenia e respiratórias = pior quadro Raiva de acordo com a região Pouca evidência sobre resposta a vacinas atenuadas, mas hipótese de resposta dos felv assintomáticos = sem vírus ?
  • 52. E no internamento?? Gatos positivos para retroviroses quando hospitalizados podem ser colocados no internamento geral, mas não podem ter contato direto com outros gatos hospitalizados. Little, Susan, et al. "2020 AAFP feline retrovirus testing and management guidelines." Journal of Feline Medicine and Surgery 2020
  • 53. Há um pequeno risco de transmição de retrovirose aos outros gatos por contato indireto. Simples precauções e rotina de limpeza devem ser seguidos E no internamento?? Little, Susan, et al. "2020 AAFP feline retrovirus testing and management guidelines." Journal of Feline Medicine and Surgery 2020
  • 54. Vacinação e prevenção Vacinação conta o vírus da FeLV não diminui a importânci a do teste, identificação e isolamento de gatos com infecção progressiva O mais importante para mensurar e controlar a FeLV e a FIV são a identificaçã o e segregação dos gatos infectados Little, Susan, et al. "2020 AAFP feline retrovirus testing and management guidelines." Journal of Feline Medicine and Surgery 2020
  • 55. Vacinação e prevenção • Testagem + Vacinação • Provavelmente é razão para o controle na Europa e América do Norte • Prevalência alta = mais esforço • Devem sempre ser testados antes • mas não interfere nos testes posteriores • Em teoria vacinar um positivo não faz mal, mas não existe isso nos artigos Little, Susan, et al. "2020 AAFP feline retrovirus testing and management guidelines." Journal of Feline Medicine and Surgery 2020
  • 56. Vacinação e prevenção • Eficácia da vacina ? • Diversos tipos em diversos países • Estudos pequenos e pelas empresas • Estudos sem padronização de desafio e teste • Não impede a integração do DNA !!!! • Estudo: mordida /abscesso • Infecção baixa em vacinados • 7,5X mais chance de FeLV em não vacinados Little, Susan, et al. "2020 AAFP feline retrovirus testing and management guidelines." Journal of Feline Medicine and Surgery 2020
  • 57. Não se pode concluir que a vacinação contra a FeLV protege contra todas as infecções pelo vírus da FeLV. No entanto, várias vacinas atuais são de grande importância clínica porque parecem ser eficazes na prevenção da infecção progressiva e dessa forma reduzem as doenças associadas a FeLV. Little, Susan, et al. "2020 AAFP feline retrovirus testing and management guidelines." Journal of Feline Medicine and Surgery 2020
  • 58. Vacinação e prevenção • AAFP 2013 • Gatos adultos que tem risco de infecção • Todos os gatinhos de até 1 ano* • *Não se sabe qual será o risco depois • *Maior risco de progressiva • Recomendação para áreas de risco (NÓS!)
  • 59. Vacinação e prevenção • AAFP 2013 • Vacinação FeLV = MPE • 8 semanas – 1ª dose • 3 a 4 semanas – 2ª dose • Reforço anual (risco) ou cd 2 anos (-risco) • Ou descontinuar se fora de risco
  • 60. Uma prevenção maior da infecção pelos retrovírus pode ser alcançada com uma parceria entre veterinários e tutores Little, Susan, et al. "2020 AAFP feline retrovirus testing and management guidelines." Journal of Feline Medicine and Surgery 2020