SlideShare uma empresa Scribd logo
1
A prática educativa–Como ensinar
Antonio ZABALA
O argumento deste livro consiste em uma atuação profissional baseada no pensamento prático, mas com
capacidade reflexiva e que necessitamos de meios teóricos para que a análise da prática seja
verdadeiramente reflexiva.
• Parâmetros institucionais e organizados;
• Tradições metodológicas, possibilidades reais dos professores;
• Meios e condições físicas existentes.
• Num modelo em que a aula se configura como um microssistema definido por determinados espaços,
uma organização social, certas relações interativas, forma de distribuir o tempo e um determinado uso de
recursos didáticos, numa interação entre todos os elementos.
• Ao momento em que se produzem os processos educacionais, ela tem um antes e um depois: o
planejamento e a avaliação dos processos educacionais.
• Dentro de um modelo de percepção da realidade da aula, onde estão estreitamente vinculados o
planejamento, a aplicação e a avaliação, teremos que delimitar a unidade de análise que representa este
processo, ou seja, a atividade ou tarefa. Por exemplo: uma exposição, um debate, uma leitura, uma
pesquisa bibliográfica.
- Atividades ou tarefas → unidade básica do processo de ensino/aprendizagem, cujas diversas variáveis
apresentam estabilidade e diferenciação: relações interativas professor-aluno, e alunos, alunos; uma
organização grupal, determinados conteúdos de aprendizagem, certos recursos didáticos, distribuição de
tempo e de espaço, um critério avaliador.
- Atividades ou tarefas são insuficientes para proporcionar uma análise dos diferentes estilos
pedagógicos, é preciso ampliar esta unidade elementar e identificar como nova unidade de análise, as
seqüências de atividades ou seqüências didáticas, que permitem a avaliação sob uma perspectiva
processual, incluindo as fases de planejamento, aplicação e avaliação.
- Desde o modelo aula magistral ( com a seqüência: apontamentos ou manual, prova, qualificação) até o
método de projetos (escolha do tema, planejamento, pesquisa...) têm como elementos indicador as
atividades, que só adquirem personalidade diferencial conforme sua organização em seqüências
ordenadas.
- As variações Metodológicas da Intervenção na aula
1 – Seqüências de atividades – maneiras de encadear e articular as diferentes atividades ao longo de
uma unidade didática.
- Indicam a função que tem cada uma das atividades.
2 – O papel dos professores e alunos ou alunos/alunos → clima de convivência de acordo com as
necessidades de aprendizagem.
3 – Organização social da aula – grandes grupos, grupos fixos e variáveis contribuem para o trabalho
coletivo e pessoal.
4 – Utilização dos espaços e do tempo – concretizam as diferentes formas de ensinar.
5 – Organização dos conteúdos – provém da própria estrutura formal das disciplinas e formas
organizativas globais e integradoras.
6 – Uso dos materiais curriculares – importância que adquirem nas diferentes formas de intervenção (nas
exposições, experimentação).
7 – Sentido e papel da avaliação – entendida no seu sentido restrito de controle de resultados, como na
concepção global do processo de ensino/aprendizagem.
- A Função Social – finalidade (por que ensinar)
• São colocadas as intenções educacionais, o que pretendemos que nossos alunos consigam;
• C. Coll estabelece um agrupamento de capacidade: cognitivas, motoras, autonomia pessoal (afetiva),
de relação interpessoal e de inserção e atuação social.
- Os conteúdos – explicam as intenções educativas ( o que ensinar)
• Tudo que se tem que aprender para alcançar determinados objetivos:
• Devemos falar de conteúdos de natureza variada: dados, habilidades técnicas, atitudes, conceitos, etc.
• Coll propõe a classificação dos conteúdos em:
2
a) conceituais – englobam: fatos, conceitos, princípios (“O que se deve saber”);
b) procedimentos: dizem respeito a técnicas e métodos (“O que se deve saber fazer”);
c) Atitudinais: abrangem valores, atitudes, normas (“Como se deve ser”).
- Não é possível ensinar nada sem partir de uma idéia de como as aprendizagem se produzem (conhecer
as teorias).
- As formas de intervenção devem levar em conta a diversidade dos alunos, identificando o desafio de
que necessitam, a fim de que se sintam estimulados em seu trabalho.
- O Construtivismo
• Estruturas cognitivas – esquemas de conhecimento.
• Esquemas de conhecimentos depende: - nível de desenvolvimento e – conhecimentos prévios.
• Papel ativo do aluno e do professor → atividade mental → sucessivos equilíbrio, desequilíbrio e
requilibrio.
• Zonas de desenvolvimento proximal.
• Na perspectiva construtivistas, as atividades de ensino têm que integrar ao máximo os conteúdos e por
mais específico que seja, sempre está associado a conteúdos de outra natureza.
• Aprendizagem dos conteúdos atuais:- fatos, conhecimentos, situações, dados e fenômenos concretos e
singulares, conhecimento estes indispensáveis para compreender informações e problemas.
• Ensino baseado em exercícios de repetição mediante organizações significativas ou associações.
• Aprendizagem de princípios e conceitos – Termos abstratos
○ Ex de princípios:- leis, regras
○ Ex de conceitos – densidade, impressionismo
○ Implica em compreensão que vai além dos enunciados.
○ Característica dos conteúdos conceituais – não estar acabado
○ Processo de elaboração pessoal requerem compreensão do significado.
• Aprendizagem dos conteúdos procedimentais:- destreza ou habilidades
○ É um conjunto de leis ordenadas e com um fim.
○ Ex:- ler, desenhar, calcular, traduzir.
○ São ações ou conjuntos de ações, que são o ponto de partida.
○ Só se aprende fazer, fazendo e pela exposição do professor
○ È exercitação múltipla, refletindo sobre a atividade (atuação).
○ É preciso aplicá-los em contextos diferenciados.
• Aprendizagem de conteúdos atitudinais:- valores, atitudes, normas
○ Valores – Idéias éticas (solidariedade, liberdade, respeito)
○ Atitudes – Tendências ou predisposições (cooperar, participar, ajudar)
○ Normas – padrões ou regras de comportamento (conforme grupo social), análise dos fatores positivos e
negativos, envolvimento afetivo e avaliação.
• É necessário saber se a seqüência didática programada para desenvolver determinado conteúdo serve
para alcançar os objetivos previstos.
• Para reconhecer a validade das seqüências didáticas tendo em vista a concepção construtivista e a
atenção à diversidade é interessante verificar se as atividades propostas:
○ Permitem verificar os conhecimentos prévios;
○ Os conteúdos são significativos e funcionais;
○ Estão adequados ao nível de desenvolvimento;
○ Representam desafios que permitam criar zonas de desenvolvimento proximal;
○ Provoquem conflito cognitivo;
○ Promovam uma atitude favorável à aprendizagem;
○ Estimulam a auto-estima;
○ Ajudam a adquirir habilidades para aprender a aprender
AS SEQUENCIAS DE CONTEÚDO – OUTRA UNIDADE DE ANÁLISE
• Definida como um conjunto ordenado de atividades estruturadas e articuladas para a consecução de um
objetivo em relação a um conteúdo concreto.
○ Ex:- conteúdo conceitual “componentes da paisagem” – será realizada uma série de atividades de
ensino com objetivo de que no final da unidade a aprendizagem desse conteúdo, seja dominada por
todos os alunos.
AS RELAÇÕES INTERATIVAS EM SALA DE AULA:- o papel dos professores e alunos
• A influência da concepção construtivista na estruturação das interações educativas na aula para facilitar
a aprendizagem:-
○ Planejar a atuação docente de forma flexível para permitir a adaptação às necessidades dos alunos;
3
○ Contar com as contribuições e conhecimentos dos alunos;
○ Ajudá-los a encontrar sentido no que estão fazendo;
○ Estabelecer metas ao alcance dos alunos;
○ Oferecer ajudas adequadas;
○ Promover a atividade mental auto-estruturante;
○ Estabelecer ambientes que promovam a auto-estima e o autoconceito;
○ Promover canais de comunicação;
○ Potencializar a autonomia;
○ Avaliar os alunos conforme suas necessidades e seus esforços;
○ Incentivar a auto-avaliação;
• É imprescindível prever situações que favoreçam diferentes formas de se relacionar e interagir (grupos,
equipes fixas e móveis, assembléias, trabalhos de campos, etc.)
PAPEL DOS AGRUPAMENTOS
• Cada tipo de agrupamento comporta vantagens e inconvenientes, certas possibilidades e certas
potencialidades educativas diferentes.
A Escola como grande grupo
• As características da organização grupal estão determinadas pela organização e pela estrutura de
gestão: relações interpessoais, papéis, responsabilidades, participações, etc.
• Distribuição da escola em grupos/ classificações
○ Classes homogêneas e heterogêneas;
○ Conveniência dos grupos heterogêneos:- modelos diferentes de pensar e atuar, surgimentos de
conflitos cognitivos, a possibilidade de receber ajuda de colegas;
• Distribuição da escola em grupos/Classes móveis ou flexíveis:-
○ Atender ao diferentes interesses (escolas que trabalham com créditos ou matérias opcionais);
○ Atender as diferentes competências;
Organização da Classe em grande grupo
• Apropriado – ensino de conteúdos factuais
• Limitado – ensino de conteúdos conceituais, porque não permitem inter-relações, poucas oportunidades
de conhecer o processo de elaboração mental que cada aluno segue. – Dificuldade de prestar a ajuda que
o aluno precisa.
• Útil aos conteúdos procedimentos para dar a conhecer a utilidade do procedimento, técnica ou
estratégia, mais difícil poder propor atividades de aplicação e exercitação necessárias para cada aluno;
• Conteúdos atitudinais podem ser feitos em grandes grupos porque o componente cognitivo destes
conteúdos exigem trabalho de compreensão, mas os componentes afetivos e comportamentais dos
conteúdos atitudinais exigem atividades que coloquem os alunos em situações problemáticas ou de
conflitos. Situações que dificilmente podem se realizar em grande grupo, com exceção da assembléia de
alunos. A assembléia é adequada, mas é insuficiente.
Organização da classe em equipes fixas
• Oferecem oportunidades para trabalhar conteúdos atitudinais;
• Oferecem oportunidades de debates, de receber, e dar ajuda (solidariedade e cooperação);
• Aceitação da diversidade;
Organização da Classe em equipes móveis e flexíveis
• Atender as características diferencias dos alunos;
• Oportunidade de atenção personalidade do professor ao grupo;
• Período de tempo dos agrupamentos é limitado;
• Eles poderão ser algumas vezes homogêneos e outras heterogêneos;
• São adequados aos conteúdos procedimentais (matemática, artes)
Trabalho individual
• É oportuno porque a aprendizagem em última instância é sempre uma apropriação pessoal;
• Ele será efetivo, uma vez entendido o conceito, realize atividades e exercícios que permitirão ampliar,
detalhar, recordar, e reforça ou que foi aprendido;
• É útil para memorização de fatos, para aprofundamentos de conceitos e para maioria dos conteúdos
procedimentos em que se deve adaptar o ritmo e a proposição de atividades às características dos
alunos.
• Os Contratos de Trabalho (Freinet) – consiste em facilitar a tarefa do professor. O aluno faz um acordo
4
com o professor. É imprescindível contar com materiais preparados e que as atividades sejam
seqüenciadas e progressivas. (Número de atividades que deveram fazer).
Distribuição do tempo e do espaço
• Distribuição tradicional
• Os cantos e as pequenas oficinas, bibliotecas, sala ambiente;
• Prédios grandes, são radicalmente contrários as propostas educativas pois é impossível promover
determinadas atitudes, ou um bom clima afetivo onde não podem se sentir seguros, no anonimato.
A distribuição do tempo não é o menos importante.
• Devem variar de acordo com as atividades previstas e necessidades educacionais.
A ORGANIZAÇÃO DOS CONTEÚDOS
• Diz respeito a relação e a forma de veicular os diferentes conteúdos conteúdos de aprendizagem que
formam as unidades didáticas
• Podemos encontrar propostas que rompem com a organização centrada por disciplinas (propostas
metodológicas globalizadoras).
• Nos métodos globalizados as disciplinas nunca são a finalidade do ensino, elas têm a função de
proporcionar os meios ou instrumentos para realização dos objetivos educacionais;
• Nos métodos globalizados a organização se realiza a partir da perspectivas de como os alunos
aprendem;
○ Nascem quando o aluno se transforma em protagonista do ensino.
○ Ex;- centros de interesse, projetos, investigações do meio, projetos de trabalho (todos partem de uma
situação real).
• As disciplinas com organizadoras dos conteúdos.
• A fragmentação do saber e a diversificação do saber em múltiplas disciplinas;
• Podemos estabelecer três graus de relações disciplinares:-
1-) a multidiciplinaridade – conteúdos apresentados por matérias independentes uma das outra;
2-) a interdisciplinaridade – interação entre dias ou mais disciplinas, integrando os conceitos idéias,
metodologia;
3-) a transdicciplinaridade – integração global, dentro de um sistema totalizador
OS MATERIAIS CURRICULARES E OUTROS RECURSOS DIDÁTICOS
• São aqueles que proporcionam ao educador referências e critérios para tomar decisões, no
planejamento e na intervenção no ensino e na avaliação;
• Podem ser tipicados conforme;-
1-) o âmbito de intervenção (planejamento da aula, grupo, classe, individual);
2-) a intecionalidade da função (orientar, exemplificar, ilustrar);
3-) os conteúdos e as maneiras de organizá-los (integradoras, globalizadoras, conteúdos procedimentos,
conceituais);
4-) suporte (quadro negro, papel, cadernos, fichas, livro didático)
Observação:- Quanto aos conteúdos atitudinais, não existem suportes a serem usados comprofusão, a
não ser o vídeo e os textos.
• Criticas ao livro didático e materiais curriculares:-
• Esteriótipos culturais;
• Proposições vinculadas a determinadas correntes ideológicas;
• Não podem oferecer toda informação necessária para garantir a comparação;
• Fomentam atitudes passivas do aluno;
• Impedem o desenvolvimento de propostas mais próximas da realidade;
• Não favorecem a comparação entre realidade e ensino escolar;
• Não respeitam a forma nem o ritmo de aprendizagem do aluno (uniformização do ensino)
• Fomentam as estratégias de memorização
Observação:- Proceder a busca de referências e critérios para análise e confecção dos materiais
curriculares.
• Projeção estática (retroprojetor, slides) suporte e elementos esclarecedores de muitas idéias e facilitam
o diálogo, ajudam a centrar a atenção, mas é preciso não pecar pelo excesso de uso.
• Imagem de movimento – (filmes, gravações de vídeo).
• Atuam como suporte nas exposições e como fonte de informação.
• É importante ir gerando e cortando, para estabelecer com a classe
• Suporte de Informática:-
5
• Possibilidade de estabelecer um diálogo mais ou menos aberto entre o programa e o aluno:
• Permite fazer simulações de técnicas e procedimentos;
• Contribui para formação de conceitos.
• Suporte Multimídia:-
• Uso do disc laser, CDI ou CD-ROM (interessante ver a disposição) banco de dados de fácil acesso.
Conclusão:- A existência de materiais curriculares diversificados facilitará a elaboração de propostas
singulares. A pertinência dos materiais estará determinada pelo uso que se faça deles, nos diferentes
contextos educativos.
A AVALIAÇÃO
• Não deve se limitar somente a avaliação do aluno, mas também o grupo / classe, inclusive o professor
ou a equipe docente, o processo de ensino é a própria forma de avaliação.
• A avaliação inicial (diagnóstica);
• A avaliação reguladora (como cada aluno aprende) modificação e melhora contínua do aluno;
• A avaliação integradora (todo percurso do aluno) informe global do processo;
• A avaliamos para o aperfeiçoamento da prática educativa;
• Compartilhar objetivos – condições para avaliação formativa;
• A informação dos resultados de aprendizagem.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Relatório de gestão escolar
Relatório de gestão escolarRelatório de gestão escolar
Relatório de gestão escolar
Maryanne Monteiro
 
Slide tendências pedagógicas
Slide   tendências pedagógicasSlide   tendências pedagógicas
Slide tendências pedagógicas
Prof. Antônio Martins de Almeida Filho
 
Apresentação planejamento e avaliação
Apresentação   planejamento e avaliaçãoApresentação   planejamento e avaliação
Apresentação planejamento e avaliação
Ana Lúcia M. Benício
 
BNCC - LINGUAGENS
BNCC - LINGUAGENSBNCC - LINGUAGENS
BNCC - LINGUAGENS
Sandra Lourenco
 
Tendência crítico social dos conteúdos
Tendência crítico social dos conteúdosTendência crítico social dos conteúdos
Tendência crítico social dos conteúdos
Colégio Estadual Padre Fernando Gomes de Melo
 
P.P.P.- Projeto Político Pedagógico da EM Professora Rosa Maria Martins dos S...
P.P.P.- Projeto Político Pedagógico da EM Professora Rosa Maria Martins dos S...P.P.P.- Projeto Político Pedagógico da EM Professora Rosa Maria Martins dos S...
P.P.P.- Projeto Político Pedagógico da EM Professora Rosa Maria Martins dos S...
Rosana Maciel
 
Planejamento e ação docente 2
Planejamento e ação docente 2Planejamento e ação docente 2
Planejamento e ação docente 2
Joao Balbi
 
Documento Curricular Referencial da Bahia - DCRB
Documento Curricular Referencial da Bahia - DCRBDocumento Curricular Referencial da Bahia - DCRB
Documento Curricular Referencial da Bahia - DCRB
Josy Abner Santana
 
Teorias do curriculo
Teorias do curriculoTeorias do curriculo
Teorias do curriculo
Natália Luz
 
Pedagogia Renovada
Pedagogia RenovadaPedagogia Renovada
Pedagogia Renovada
Lourienny Ellen
 
03 dimensões da gestão escolar
03 dimensões da gestão escolar03 dimensões da gestão escolar
03 dimensões da gestão escolar
Joao Balbi
 
A PRÁTICA EDUCATIVA: COMO ENSINAR - ANTONI ZABALA
A PRÁTICA EDUCATIVA: COMO ENSINAR - ANTONI ZABALAA PRÁTICA EDUCATIVA: COMO ENSINAR - ANTONI ZABALA
A PRÁTICA EDUCATIVA: COMO ENSINAR - ANTONI ZABALA
PREFEITURA MUNICIPAL DE CATU
 
Avaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagemAvaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagem
Gerdian Teixeira
 
Slides Sextas inclusivas- práticas pedagógicas
Slides Sextas inclusivas- práticas pedagógicasSlides Sextas inclusivas- práticas pedagógicas
Slides Sextas inclusivas- práticas pedagógicas
Marily Oliveira
 
Planejamento escolar
Planejamento escolarPlanejamento escolar
Planejamento escolar
Joao Balbi
 
Planejamento educacional
Planejamento educacionalPlanejamento educacional
Planejamento educacional
Maryanne Monteiro
 
Planejamento e política educacional
Planejamento e política educacionalPlanejamento e política educacional
Planejamento e política educacional
Jose Arnaldo Silva
 
Planejamento do ensino e sequências didáticas
Planejamento do ensino e sequências didáticasPlanejamento do ensino e sequências didáticas
Planejamento do ensino e sequências didáticas
César Moura
 
Pedagogia crítico social dos conteúdos (final)
Pedagogia crítico social dos conteúdos (final)Pedagogia crítico social dos conteúdos (final)
Pedagogia crítico social dos conteúdos (final)
Thiago Manfredi
 
Plano de aula
Plano de aulaPlano de aula
Plano de aula
Aline Wilson
 

Mais procurados (20)

Relatório de gestão escolar
Relatório de gestão escolarRelatório de gestão escolar
Relatório de gestão escolar
 
Slide tendências pedagógicas
Slide   tendências pedagógicasSlide   tendências pedagógicas
Slide tendências pedagógicas
 
Apresentação planejamento e avaliação
Apresentação   planejamento e avaliaçãoApresentação   planejamento e avaliação
Apresentação planejamento e avaliação
 
BNCC - LINGUAGENS
BNCC - LINGUAGENSBNCC - LINGUAGENS
BNCC - LINGUAGENS
 
Tendência crítico social dos conteúdos
Tendência crítico social dos conteúdosTendência crítico social dos conteúdos
Tendência crítico social dos conteúdos
 
P.P.P.- Projeto Político Pedagógico da EM Professora Rosa Maria Martins dos S...
P.P.P.- Projeto Político Pedagógico da EM Professora Rosa Maria Martins dos S...P.P.P.- Projeto Político Pedagógico da EM Professora Rosa Maria Martins dos S...
P.P.P.- Projeto Político Pedagógico da EM Professora Rosa Maria Martins dos S...
 
Planejamento e ação docente 2
Planejamento e ação docente 2Planejamento e ação docente 2
Planejamento e ação docente 2
 
Documento Curricular Referencial da Bahia - DCRB
Documento Curricular Referencial da Bahia - DCRBDocumento Curricular Referencial da Bahia - DCRB
Documento Curricular Referencial da Bahia - DCRB
 
Teorias do curriculo
Teorias do curriculoTeorias do curriculo
Teorias do curriculo
 
Pedagogia Renovada
Pedagogia RenovadaPedagogia Renovada
Pedagogia Renovada
 
03 dimensões da gestão escolar
03 dimensões da gestão escolar03 dimensões da gestão escolar
03 dimensões da gestão escolar
 
A PRÁTICA EDUCATIVA: COMO ENSINAR - ANTONI ZABALA
A PRÁTICA EDUCATIVA: COMO ENSINAR - ANTONI ZABALAA PRÁTICA EDUCATIVA: COMO ENSINAR - ANTONI ZABALA
A PRÁTICA EDUCATIVA: COMO ENSINAR - ANTONI ZABALA
 
Avaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagemAvaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagem
 
Slides Sextas inclusivas- práticas pedagógicas
Slides Sextas inclusivas- práticas pedagógicasSlides Sextas inclusivas- práticas pedagógicas
Slides Sextas inclusivas- práticas pedagógicas
 
Planejamento escolar
Planejamento escolarPlanejamento escolar
Planejamento escolar
 
Planejamento educacional
Planejamento educacionalPlanejamento educacional
Planejamento educacional
 
Planejamento e política educacional
Planejamento e política educacionalPlanejamento e política educacional
Planejamento e política educacional
 
Planejamento do ensino e sequências didáticas
Planejamento do ensino e sequências didáticasPlanejamento do ensino e sequências didáticas
Planejamento do ensino e sequências didáticas
 
Pedagogia crítico social dos conteúdos (final)
Pedagogia crítico social dos conteúdos (final)Pedagogia crítico social dos conteúdos (final)
Pedagogia crítico social dos conteúdos (final)
 
Plano de aula
Plano de aulaPlano de aula
Plano de aula
 

Destaque

1. zabala. prática educativa prof. iara
1. zabala. prática educativa prof. iara1. zabala. prática educativa prof. iara
1. zabala. prática educativa prof. iara
Claudia Andrade
 
20130207110206anexo10
20130207110206anexo1020130207110206anexo10
20130207110206anexo10
afermartins
 
3. prática educativa e sociedade
3. prática educativa e sociedade3. prática educativa e sociedade
3. prática educativa e sociedade
joaovitorinopolacimatos
 
A prática educativa zabala
A prática educativa zabalaA prática educativa zabala
A prática educativa zabala
Somos Cristo.
 
A OrganizaçãO Dos ConteúDos
A OrganizaçãO Dos ConteúDosA OrganizaçãO Dos ConteúDos
A OrganizaçãO Dos ConteúDos
Socorro
 
Procedimentos de aprendizagem socializante
Procedimentos de aprendizagem socializanteProcedimentos de aprendizagem socializante
Procedimentos de aprendizagem socializante
Sueli Menezes
 
As práticas educativas
As práticas educativasAs práticas educativas
As práticas educativas
Taynná Barcellos
 
Pressupostos da Aprendizagem e do Ensino da Alfabetização
Pressupostos da Aprendizagem e do Ensino da AlfabetizaçãoPressupostos da Aprendizagem e do Ensino da Alfabetização
Pressupostos da Aprendizagem e do Ensino da Alfabetização
Celismara Seleguin
 
Apresentação Conteúdos Procedimentais
Apresentação Conteúdos ProcedimentaisApresentação Conteúdos Procedimentais
Apresentação Conteúdos Procedimentais
louisacarla
 
Slide (drogas no contexto escolar)
Slide (drogas no contexto escolar)Slide (drogas no contexto escolar)
Slide (drogas no contexto escolar)
Fernnandaok
 
Avaliação da aprendizagem escolar
Avaliação da aprendizagem escolarAvaliação da aprendizagem escolar
Avaliação da aprendizagem escolar
Maria Bárbara Floriano
 
Como fazer um plano de aula para o ensino infantil simone helen drumond
Como fazer um plano de aula para o ensino infantil simone helen drumondComo fazer um plano de aula para o ensino infantil simone helen drumond
Como fazer um plano de aula para o ensino infantil simone helen drumond
SimoneHelenDrumond
 
Plano de aula pronto
Plano de aula prontoPlano de aula pronto
Plano de aula pronto
Marina Panciarelli
 
Planejamento anual 2 ano fund
Planejamento anual 2 ano fundPlanejamento anual 2 ano fund
Planejamento anual 2 ano fund
Atividades Diversas Cláudia
 
Resenha do livro do zabala
Resenha do livro do zabalaResenha do livro do zabala
Resenha do livro do zabala
reboferrari
 
Plano do 4° bimestre de quimica 1° ano
Plano do 4° bimestre de quimica 1° anoPlano do 4° bimestre de quimica 1° ano
Plano do 4° bimestre de quimica 1° ano
PROFESSOR JOSÉ ANTÔNIO PEREIRA - QUÍMICO
 
Planos de aula
Planos de aulaPlanos de aula
Planos de aula
Gutto Vieira
 
Modelo MEM
Modelo MEMModelo MEM
Modelo MEM
EducPaz
 
Técnicas e práticas educativas - Tecnófobo
Técnicas e práticas educativas - TecnófoboTécnicas e práticas educativas - Tecnófobo
Técnicas e práticas educativas - Tecnófobo
ArthurDuran
 
2ª edição oficina de formação
2ª edição oficina de formação2ª edição oficina de formação
2ª edição oficina de formação
Maria Pedro Silva
 

Destaque (20)

1. zabala. prática educativa prof. iara
1. zabala. prática educativa prof. iara1. zabala. prática educativa prof. iara
1. zabala. prática educativa prof. iara
 
20130207110206anexo10
20130207110206anexo1020130207110206anexo10
20130207110206anexo10
 
3. prática educativa e sociedade
3. prática educativa e sociedade3. prática educativa e sociedade
3. prática educativa e sociedade
 
A prática educativa zabala
A prática educativa zabalaA prática educativa zabala
A prática educativa zabala
 
A OrganizaçãO Dos ConteúDos
A OrganizaçãO Dos ConteúDosA OrganizaçãO Dos ConteúDos
A OrganizaçãO Dos ConteúDos
 
Procedimentos de aprendizagem socializante
Procedimentos de aprendizagem socializanteProcedimentos de aprendizagem socializante
Procedimentos de aprendizagem socializante
 
As práticas educativas
As práticas educativasAs práticas educativas
As práticas educativas
 
Pressupostos da Aprendizagem e do Ensino da Alfabetização
Pressupostos da Aprendizagem e do Ensino da AlfabetizaçãoPressupostos da Aprendizagem e do Ensino da Alfabetização
Pressupostos da Aprendizagem e do Ensino da Alfabetização
 
Apresentação Conteúdos Procedimentais
Apresentação Conteúdos ProcedimentaisApresentação Conteúdos Procedimentais
Apresentação Conteúdos Procedimentais
 
Slide (drogas no contexto escolar)
Slide (drogas no contexto escolar)Slide (drogas no contexto escolar)
Slide (drogas no contexto escolar)
 
Avaliação da aprendizagem escolar
Avaliação da aprendizagem escolarAvaliação da aprendizagem escolar
Avaliação da aprendizagem escolar
 
Como fazer um plano de aula para o ensino infantil simone helen drumond
Como fazer um plano de aula para o ensino infantil simone helen drumondComo fazer um plano de aula para o ensino infantil simone helen drumond
Como fazer um plano de aula para o ensino infantil simone helen drumond
 
Plano de aula pronto
Plano de aula prontoPlano de aula pronto
Plano de aula pronto
 
Planejamento anual 2 ano fund
Planejamento anual 2 ano fundPlanejamento anual 2 ano fund
Planejamento anual 2 ano fund
 
Resenha do livro do zabala
Resenha do livro do zabalaResenha do livro do zabala
Resenha do livro do zabala
 
Plano do 4° bimestre de quimica 1° ano
Plano do 4° bimestre de quimica 1° anoPlano do 4° bimestre de quimica 1° ano
Plano do 4° bimestre de quimica 1° ano
 
Planos de aula
Planos de aulaPlanos de aula
Planos de aula
 
Modelo MEM
Modelo MEMModelo MEM
Modelo MEM
 
Técnicas e práticas educativas - Tecnófobo
Técnicas e práticas educativas - TecnófoboTécnicas e práticas educativas - Tecnófobo
Técnicas e práticas educativas - Tecnófobo
 
2ª edição oficina de formação
2ª edição oficina de formação2ª edição oficina de formação
2ª edição oficina de formação
 

Semelhante a Zabala, antonio a pratica educativa, como ensinar

U4
U4U4
Didatica i u4
Didatica i u4Didatica i u4
Didatica i u4
Cida Cerqueira
 
Zabala
ZabalaZabala
Zabala
Maria Maria
 
Zabala
ZabalaZabala
Palestra Tipos de Conteúdos
Palestra Tipos de ConteúdosPalestra Tipos de Conteúdos
Palestra Tipos de Conteúdos
louisacarla
 
Apostila Didática
Apostila Didática Apostila Didática
Apostila Didática
Luiz C. Melo
 
Apresentação currículo para o curso PAA e PA
Apresentação currículo para o curso PAA e PAApresentação currículo para o curso PAA e PA
Apresentação currículo para o curso PAA e PA
Cesar Eduardo
 
Planejamento de ensino[1]
Planejamento de ensino[1]Planejamento de ensino[1]
Planejamento de ensino[1]
UNICEP
 
A prática educativa
A prática educativaA prática educativa
A prática educativa
Colegio Mario Evaldo Morski
 
Projetos
ProjetosProjetos
Métodos de ensino
Métodos de ensinoMétodos de ensino
Métodos de ensino
Mara Salvucci
 
Apostila de didatica
Apostila de didaticaApostila de didatica
Aprendizagem baseada em projectos
Aprendizagem baseada em projectosAprendizagem baseada em projectos
Aprendizagem baseada em projectos
julia811
 
ufcd_9637_-_principais_modelos_pedagogicos.pdf
ufcd_9637_-_principais_modelos_pedagogicos.pdfufcd_9637_-_principais_modelos_pedagogicos.pdf
ufcd_9637_-_principais_modelos_pedagogicos.pdf
evapinto19
 
A didatica para o ensino superior
A didatica para o ensino superiorA didatica para o ensino superior
A didatica para o ensino superior
tati mariano
 
Pedagogiaedidtica 130113065032-phpapp02
Pedagogiaedidtica 130113065032-phpapp02Pedagogiaedidtica 130113065032-phpapp02
Pedagogiaedidtica 130113065032-phpapp02
Robson S
 
Slid estrategia pedagógicas.pptx
Slid estrategia pedagógicas.pptxSlid estrategia pedagógicas.pptx
Slid estrategia pedagógicas.pptx
li43
 
ot_-formao-pca.pptx
ot_-formao-pca.pptxot_-formao-pca.pptx
ot_-formao-pca.pptx
LinaKelly3
 
Modelo construtivista
Modelo construtivistaModelo construtivista
Modelo construtivista
Catia Ferreira
 
Slid estrategia pedagógicas
Slid estrategia pedagógicas Slid estrategia pedagógicas
Slid estrategia pedagógicas
Vlaudemir Vieira
 

Semelhante a Zabala, antonio a pratica educativa, como ensinar (20)

U4
U4U4
U4
 
Didatica i u4
Didatica i u4Didatica i u4
Didatica i u4
 
Zabala
ZabalaZabala
Zabala
 
Zabala
ZabalaZabala
Zabala
 
Palestra Tipos de Conteúdos
Palestra Tipos de ConteúdosPalestra Tipos de Conteúdos
Palestra Tipos de Conteúdos
 
Apostila Didática
Apostila Didática Apostila Didática
Apostila Didática
 
Apresentação currículo para o curso PAA e PA
Apresentação currículo para o curso PAA e PAApresentação currículo para o curso PAA e PA
Apresentação currículo para o curso PAA e PA
 
Planejamento de ensino[1]
Planejamento de ensino[1]Planejamento de ensino[1]
Planejamento de ensino[1]
 
A prática educativa
A prática educativaA prática educativa
A prática educativa
 
Projetos
ProjetosProjetos
Projetos
 
Métodos de ensino
Métodos de ensinoMétodos de ensino
Métodos de ensino
 
Apostila de didatica
Apostila de didaticaApostila de didatica
Apostila de didatica
 
Aprendizagem baseada em projectos
Aprendizagem baseada em projectosAprendizagem baseada em projectos
Aprendizagem baseada em projectos
 
ufcd_9637_-_principais_modelos_pedagogicos.pdf
ufcd_9637_-_principais_modelos_pedagogicos.pdfufcd_9637_-_principais_modelos_pedagogicos.pdf
ufcd_9637_-_principais_modelos_pedagogicos.pdf
 
A didatica para o ensino superior
A didatica para o ensino superiorA didatica para o ensino superior
A didatica para o ensino superior
 
Pedagogiaedidtica 130113065032-phpapp02
Pedagogiaedidtica 130113065032-phpapp02Pedagogiaedidtica 130113065032-phpapp02
Pedagogiaedidtica 130113065032-phpapp02
 
Slid estrategia pedagógicas.pptx
Slid estrategia pedagógicas.pptxSlid estrategia pedagógicas.pptx
Slid estrategia pedagógicas.pptx
 
ot_-formao-pca.pptx
ot_-formao-pca.pptxot_-formao-pca.pptx
ot_-formao-pca.pptx
 
Modelo construtivista
Modelo construtivistaModelo construtivista
Modelo construtivista
 
Slid estrategia pedagógicas
Slid estrategia pedagógicas Slid estrategia pedagógicas
Slid estrategia pedagógicas
 

Mais de marcaocampos

Vigotsky, a formacao social da mente cap. 6, 7 e 8
Vigotsky, a formacao social da mente  cap. 6, 7 e 8Vigotsky, a formacao social da mente  cap. 6, 7 e 8
Vigotsky, a formacao social da mente cap. 6, 7 e 8
marcaocampos
 
Tardif, maurice saberes docentes e formação profissioanal
Tardif, maurice   saberes docentes e formação profissioanalTardif, maurice   saberes docentes e formação profissioanal
Tardif, maurice saberes docentes e formação profissioanal
marcaocampos
 
Sousa. sandra m. zakia avaliacao na organizacao do ensino
Sousa. sandra m. zakia   avaliacao na organizacao do ensino Sousa. sandra m. zakia   avaliacao na organizacao do ensino
Sousa. sandra m. zakia avaliacao na organizacao do ensino
marcaocampos
 
Soares, magda linguagem e escola
Soares, magda   linguagem e escolaSoares, magda   linguagem e escola
Soares, magda linguagem e escola
marcaocampos
 
Sawaia, bader as artimanhas da exclusao
Sawaia, bader   as artimanhas da exclusaoSawaia, bader   as artimanhas da exclusao
Sawaia, bader as artimanhas da exclusao
marcaocampos
 
Saul, ana maria paulo freire e a formacao de educadores
Saul, ana maria   paulo freire e a formacao de educadoresSaul, ana maria   paulo freire e a formacao de educadores
Saul, ana maria paulo freire e a formacao de educadores
marcaocampos
 
Sacristan, jose g., a educacao que temos
Sacristan, jose g., a educacao que temosSacristan, jose g., a educacao que temos
Sacristan, jose g., a educacao que temos
marcaocampos
 
Sacristan, josé e gomes, peres, a.i as funções sociais da
Sacristan, josé e gomes, peres, a.i   as funções sociais da Sacristan, josé e gomes, peres, a.i   as funções sociais da
Sacristan, josé e gomes, peres, a.i as funções sociais da
marcaocampos
 
Piaget, jean para onde vai a educação
Piaget, jean para onde vai a educaçãoPiaget, jean para onde vai a educação
Piaget, jean para onde vai a educação
marcaocampos
 
Perrenoud, phillipie ensinando competencias
Perrenoud, phillipie   ensinando competenciasPerrenoud, phillipie   ensinando competencias
Perrenoud, phillipie ensinando competencias
marcaocampos
 
Perrenoud, phillipie dez competencias para ensinar
Perrenoud, phillipie   dez competencias para ensinarPerrenoud, phillipie   dez competencias para ensinar
Perrenoud, phillipie dez competencias para ensinar
marcaocampos
 
Perrenoud, phillipe pedagogia diferenciada- da inteção a a
Perrenoud, phillipe   pedagogia diferenciada- da inteção a aPerrenoud, phillipe   pedagogia diferenciada- da inteção a a
Perrenoud, phillipe pedagogia diferenciada- da inteção a a
marcaocampos
 
Peb i hipóteses de escrita texto
Peb i hipóteses de  escrita  textoPeb i hipóteses de  escrita  texto
Peb i hipóteses de escrita texto
marcaocampos
 
Peb i hipotese leitura texto
Peb i hipotese leitura   textoPeb i hipotese leitura   texto
Peb i hipotese leitura texto
marcaocampos
 
PEB l analise de texto
PEB l analise de textoPEB l analise de texto
PEB l analise de texto
marcaocampos
 
Oliveira, marta kholl vigostski - aprendizado e desenvolvi
Oliveira, marta kholl   vigostski - aprendizado e desenvolviOliveira, marta kholl   vigostski - aprendizado e desenvolvi
Oliveira, marta kholl vigostski - aprendizado e desenvolvi
marcaocampos
 
Mantoan, maria tereza égler, integracao de pessoas com defi
Mantoan, maria tereza égler, integracao  de pessoas com defiMantoan, maria tereza égler, integracao  de pessoas com defi
Mantoan, maria tereza égler, integracao de pessoas com defi
marcaocampos
 
Macedo, lino, como construir uma escola para todos
Macedo, lino, como construir uma escola para todosMacedo, lino, como construir uma escola para todos
Macedo, lino, como construir uma escola para todos
marcaocampos
 
Linhares, célia os professores e a reinvencao da escola
Linhares, célia   os professores e a reinvencao da escolaLinhares, célia   os professores e a reinvencao da escola
Linhares, célia os professores e a reinvencao da escola
marcaocampos
 
Lerner,delia ler e escrever na escola 3
Lerner,delia   ler e escrever na escola 3Lerner,delia   ler e escrever na escola 3
Lerner,delia ler e escrever na escola 3
marcaocampos
 

Mais de marcaocampos (20)

Vigotsky, a formacao social da mente cap. 6, 7 e 8
Vigotsky, a formacao social da mente  cap. 6, 7 e 8Vigotsky, a formacao social da mente  cap. 6, 7 e 8
Vigotsky, a formacao social da mente cap. 6, 7 e 8
 
Tardif, maurice saberes docentes e formação profissioanal
Tardif, maurice   saberes docentes e formação profissioanalTardif, maurice   saberes docentes e formação profissioanal
Tardif, maurice saberes docentes e formação profissioanal
 
Sousa. sandra m. zakia avaliacao na organizacao do ensino
Sousa. sandra m. zakia   avaliacao na organizacao do ensino Sousa. sandra m. zakia   avaliacao na organizacao do ensino
Sousa. sandra m. zakia avaliacao na organizacao do ensino
 
Soares, magda linguagem e escola
Soares, magda   linguagem e escolaSoares, magda   linguagem e escola
Soares, magda linguagem e escola
 
Sawaia, bader as artimanhas da exclusao
Sawaia, bader   as artimanhas da exclusaoSawaia, bader   as artimanhas da exclusao
Sawaia, bader as artimanhas da exclusao
 
Saul, ana maria paulo freire e a formacao de educadores
Saul, ana maria   paulo freire e a formacao de educadoresSaul, ana maria   paulo freire e a formacao de educadores
Saul, ana maria paulo freire e a formacao de educadores
 
Sacristan, jose g., a educacao que temos
Sacristan, jose g., a educacao que temosSacristan, jose g., a educacao que temos
Sacristan, jose g., a educacao que temos
 
Sacristan, josé e gomes, peres, a.i as funções sociais da
Sacristan, josé e gomes, peres, a.i   as funções sociais da Sacristan, josé e gomes, peres, a.i   as funções sociais da
Sacristan, josé e gomes, peres, a.i as funções sociais da
 
Piaget, jean para onde vai a educação
Piaget, jean para onde vai a educaçãoPiaget, jean para onde vai a educação
Piaget, jean para onde vai a educação
 
Perrenoud, phillipie ensinando competencias
Perrenoud, phillipie   ensinando competenciasPerrenoud, phillipie   ensinando competencias
Perrenoud, phillipie ensinando competencias
 
Perrenoud, phillipie dez competencias para ensinar
Perrenoud, phillipie   dez competencias para ensinarPerrenoud, phillipie   dez competencias para ensinar
Perrenoud, phillipie dez competencias para ensinar
 
Perrenoud, phillipe pedagogia diferenciada- da inteção a a
Perrenoud, phillipe   pedagogia diferenciada- da inteção a aPerrenoud, phillipe   pedagogia diferenciada- da inteção a a
Perrenoud, phillipe pedagogia diferenciada- da inteção a a
 
Peb i hipóteses de escrita texto
Peb i hipóteses de  escrita  textoPeb i hipóteses de  escrita  texto
Peb i hipóteses de escrita texto
 
Peb i hipotese leitura texto
Peb i hipotese leitura   textoPeb i hipotese leitura   texto
Peb i hipotese leitura texto
 
PEB l analise de texto
PEB l analise de textoPEB l analise de texto
PEB l analise de texto
 
Oliveira, marta kholl vigostski - aprendizado e desenvolvi
Oliveira, marta kholl   vigostski - aprendizado e desenvolviOliveira, marta kholl   vigostski - aprendizado e desenvolvi
Oliveira, marta kholl vigostski - aprendizado e desenvolvi
 
Mantoan, maria tereza égler, integracao de pessoas com defi
Mantoan, maria tereza égler, integracao  de pessoas com defiMantoan, maria tereza égler, integracao  de pessoas com defi
Mantoan, maria tereza égler, integracao de pessoas com defi
 
Macedo, lino, como construir uma escola para todos
Macedo, lino, como construir uma escola para todosMacedo, lino, como construir uma escola para todos
Macedo, lino, como construir uma escola para todos
 
Linhares, célia os professores e a reinvencao da escola
Linhares, célia   os professores e a reinvencao da escolaLinhares, célia   os professores e a reinvencao da escola
Linhares, célia os professores e a reinvencao da escola
 
Lerner,delia ler e escrever na escola 3
Lerner,delia   ler e escrever na escola 3Lerner,delia   ler e escrever na escola 3
Lerner,delia ler e escrever na escola 3
 

Zabala, antonio a pratica educativa, como ensinar

  • 1. 1 A prática educativa–Como ensinar Antonio ZABALA O argumento deste livro consiste em uma atuação profissional baseada no pensamento prático, mas com capacidade reflexiva e que necessitamos de meios teóricos para que a análise da prática seja verdadeiramente reflexiva. • Parâmetros institucionais e organizados; • Tradições metodológicas, possibilidades reais dos professores; • Meios e condições físicas existentes. • Num modelo em que a aula se configura como um microssistema definido por determinados espaços, uma organização social, certas relações interativas, forma de distribuir o tempo e um determinado uso de recursos didáticos, numa interação entre todos os elementos. • Ao momento em que se produzem os processos educacionais, ela tem um antes e um depois: o planejamento e a avaliação dos processos educacionais. • Dentro de um modelo de percepção da realidade da aula, onde estão estreitamente vinculados o planejamento, a aplicação e a avaliação, teremos que delimitar a unidade de análise que representa este processo, ou seja, a atividade ou tarefa. Por exemplo: uma exposição, um debate, uma leitura, uma pesquisa bibliográfica. - Atividades ou tarefas → unidade básica do processo de ensino/aprendizagem, cujas diversas variáveis apresentam estabilidade e diferenciação: relações interativas professor-aluno, e alunos, alunos; uma organização grupal, determinados conteúdos de aprendizagem, certos recursos didáticos, distribuição de tempo e de espaço, um critério avaliador. - Atividades ou tarefas são insuficientes para proporcionar uma análise dos diferentes estilos pedagógicos, é preciso ampliar esta unidade elementar e identificar como nova unidade de análise, as seqüências de atividades ou seqüências didáticas, que permitem a avaliação sob uma perspectiva processual, incluindo as fases de planejamento, aplicação e avaliação. - Desde o modelo aula magistral ( com a seqüência: apontamentos ou manual, prova, qualificação) até o método de projetos (escolha do tema, planejamento, pesquisa...) têm como elementos indicador as atividades, que só adquirem personalidade diferencial conforme sua organização em seqüências ordenadas. - As variações Metodológicas da Intervenção na aula 1 – Seqüências de atividades – maneiras de encadear e articular as diferentes atividades ao longo de uma unidade didática. - Indicam a função que tem cada uma das atividades. 2 – O papel dos professores e alunos ou alunos/alunos → clima de convivência de acordo com as necessidades de aprendizagem. 3 – Organização social da aula – grandes grupos, grupos fixos e variáveis contribuem para o trabalho coletivo e pessoal. 4 – Utilização dos espaços e do tempo – concretizam as diferentes formas de ensinar. 5 – Organização dos conteúdos – provém da própria estrutura formal das disciplinas e formas organizativas globais e integradoras. 6 – Uso dos materiais curriculares – importância que adquirem nas diferentes formas de intervenção (nas exposições, experimentação). 7 – Sentido e papel da avaliação – entendida no seu sentido restrito de controle de resultados, como na concepção global do processo de ensino/aprendizagem. - A Função Social – finalidade (por que ensinar) • São colocadas as intenções educacionais, o que pretendemos que nossos alunos consigam; • C. Coll estabelece um agrupamento de capacidade: cognitivas, motoras, autonomia pessoal (afetiva), de relação interpessoal e de inserção e atuação social. - Os conteúdos – explicam as intenções educativas ( o que ensinar) • Tudo que se tem que aprender para alcançar determinados objetivos: • Devemos falar de conteúdos de natureza variada: dados, habilidades técnicas, atitudes, conceitos, etc. • Coll propõe a classificação dos conteúdos em:
  • 2. 2 a) conceituais – englobam: fatos, conceitos, princípios (“O que se deve saber”); b) procedimentos: dizem respeito a técnicas e métodos (“O que se deve saber fazer”); c) Atitudinais: abrangem valores, atitudes, normas (“Como se deve ser”). - Não é possível ensinar nada sem partir de uma idéia de como as aprendizagem se produzem (conhecer as teorias). - As formas de intervenção devem levar em conta a diversidade dos alunos, identificando o desafio de que necessitam, a fim de que se sintam estimulados em seu trabalho. - O Construtivismo • Estruturas cognitivas – esquemas de conhecimento. • Esquemas de conhecimentos depende: - nível de desenvolvimento e – conhecimentos prévios. • Papel ativo do aluno e do professor → atividade mental → sucessivos equilíbrio, desequilíbrio e requilibrio. • Zonas de desenvolvimento proximal. • Na perspectiva construtivistas, as atividades de ensino têm que integrar ao máximo os conteúdos e por mais específico que seja, sempre está associado a conteúdos de outra natureza. • Aprendizagem dos conteúdos atuais:- fatos, conhecimentos, situações, dados e fenômenos concretos e singulares, conhecimento estes indispensáveis para compreender informações e problemas. • Ensino baseado em exercícios de repetição mediante organizações significativas ou associações. • Aprendizagem de princípios e conceitos – Termos abstratos ○ Ex de princípios:- leis, regras ○ Ex de conceitos – densidade, impressionismo ○ Implica em compreensão que vai além dos enunciados. ○ Característica dos conteúdos conceituais – não estar acabado ○ Processo de elaboração pessoal requerem compreensão do significado. • Aprendizagem dos conteúdos procedimentais:- destreza ou habilidades ○ É um conjunto de leis ordenadas e com um fim. ○ Ex:- ler, desenhar, calcular, traduzir. ○ São ações ou conjuntos de ações, que são o ponto de partida. ○ Só se aprende fazer, fazendo e pela exposição do professor ○ È exercitação múltipla, refletindo sobre a atividade (atuação). ○ É preciso aplicá-los em contextos diferenciados. • Aprendizagem de conteúdos atitudinais:- valores, atitudes, normas ○ Valores – Idéias éticas (solidariedade, liberdade, respeito) ○ Atitudes – Tendências ou predisposições (cooperar, participar, ajudar) ○ Normas – padrões ou regras de comportamento (conforme grupo social), análise dos fatores positivos e negativos, envolvimento afetivo e avaliação. • É necessário saber se a seqüência didática programada para desenvolver determinado conteúdo serve para alcançar os objetivos previstos. • Para reconhecer a validade das seqüências didáticas tendo em vista a concepção construtivista e a atenção à diversidade é interessante verificar se as atividades propostas: ○ Permitem verificar os conhecimentos prévios; ○ Os conteúdos são significativos e funcionais; ○ Estão adequados ao nível de desenvolvimento; ○ Representam desafios que permitam criar zonas de desenvolvimento proximal; ○ Provoquem conflito cognitivo; ○ Promovam uma atitude favorável à aprendizagem; ○ Estimulam a auto-estima; ○ Ajudam a adquirir habilidades para aprender a aprender AS SEQUENCIAS DE CONTEÚDO – OUTRA UNIDADE DE ANÁLISE • Definida como um conjunto ordenado de atividades estruturadas e articuladas para a consecução de um objetivo em relação a um conteúdo concreto. ○ Ex:- conteúdo conceitual “componentes da paisagem” – será realizada uma série de atividades de ensino com objetivo de que no final da unidade a aprendizagem desse conteúdo, seja dominada por todos os alunos. AS RELAÇÕES INTERATIVAS EM SALA DE AULA:- o papel dos professores e alunos • A influência da concepção construtivista na estruturação das interações educativas na aula para facilitar a aprendizagem:- ○ Planejar a atuação docente de forma flexível para permitir a adaptação às necessidades dos alunos;
  • 3. 3 ○ Contar com as contribuições e conhecimentos dos alunos; ○ Ajudá-los a encontrar sentido no que estão fazendo; ○ Estabelecer metas ao alcance dos alunos; ○ Oferecer ajudas adequadas; ○ Promover a atividade mental auto-estruturante; ○ Estabelecer ambientes que promovam a auto-estima e o autoconceito; ○ Promover canais de comunicação; ○ Potencializar a autonomia; ○ Avaliar os alunos conforme suas necessidades e seus esforços; ○ Incentivar a auto-avaliação; • É imprescindível prever situações que favoreçam diferentes formas de se relacionar e interagir (grupos, equipes fixas e móveis, assembléias, trabalhos de campos, etc.) PAPEL DOS AGRUPAMENTOS • Cada tipo de agrupamento comporta vantagens e inconvenientes, certas possibilidades e certas potencialidades educativas diferentes. A Escola como grande grupo • As características da organização grupal estão determinadas pela organização e pela estrutura de gestão: relações interpessoais, papéis, responsabilidades, participações, etc. • Distribuição da escola em grupos/ classificações ○ Classes homogêneas e heterogêneas; ○ Conveniência dos grupos heterogêneos:- modelos diferentes de pensar e atuar, surgimentos de conflitos cognitivos, a possibilidade de receber ajuda de colegas; • Distribuição da escola em grupos/Classes móveis ou flexíveis:- ○ Atender ao diferentes interesses (escolas que trabalham com créditos ou matérias opcionais); ○ Atender as diferentes competências; Organização da Classe em grande grupo • Apropriado – ensino de conteúdos factuais • Limitado – ensino de conteúdos conceituais, porque não permitem inter-relações, poucas oportunidades de conhecer o processo de elaboração mental que cada aluno segue. – Dificuldade de prestar a ajuda que o aluno precisa. • Útil aos conteúdos procedimentos para dar a conhecer a utilidade do procedimento, técnica ou estratégia, mais difícil poder propor atividades de aplicação e exercitação necessárias para cada aluno; • Conteúdos atitudinais podem ser feitos em grandes grupos porque o componente cognitivo destes conteúdos exigem trabalho de compreensão, mas os componentes afetivos e comportamentais dos conteúdos atitudinais exigem atividades que coloquem os alunos em situações problemáticas ou de conflitos. Situações que dificilmente podem se realizar em grande grupo, com exceção da assembléia de alunos. A assembléia é adequada, mas é insuficiente. Organização da classe em equipes fixas • Oferecem oportunidades para trabalhar conteúdos atitudinais; • Oferecem oportunidades de debates, de receber, e dar ajuda (solidariedade e cooperação); • Aceitação da diversidade; Organização da Classe em equipes móveis e flexíveis • Atender as características diferencias dos alunos; • Oportunidade de atenção personalidade do professor ao grupo; • Período de tempo dos agrupamentos é limitado; • Eles poderão ser algumas vezes homogêneos e outras heterogêneos; • São adequados aos conteúdos procedimentais (matemática, artes) Trabalho individual • É oportuno porque a aprendizagem em última instância é sempre uma apropriação pessoal; • Ele será efetivo, uma vez entendido o conceito, realize atividades e exercícios que permitirão ampliar, detalhar, recordar, e reforça ou que foi aprendido; • É útil para memorização de fatos, para aprofundamentos de conceitos e para maioria dos conteúdos procedimentos em que se deve adaptar o ritmo e a proposição de atividades às características dos alunos. • Os Contratos de Trabalho (Freinet) – consiste em facilitar a tarefa do professor. O aluno faz um acordo
  • 4. 4 com o professor. É imprescindível contar com materiais preparados e que as atividades sejam seqüenciadas e progressivas. (Número de atividades que deveram fazer). Distribuição do tempo e do espaço • Distribuição tradicional • Os cantos e as pequenas oficinas, bibliotecas, sala ambiente; • Prédios grandes, são radicalmente contrários as propostas educativas pois é impossível promover determinadas atitudes, ou um bom clima afetivo onde não podem se sentir seguros, no anonimato. A distribuição do tempo não é o menos importante. • Devem variar de acordo com as atividades previstas e necessidades educacionais. A ORGANIZAÇÃO DOS CONTEÚDOS • Diz respeito a relação e a forma de veicular os diferentes conteúdos conteúdos de aprendizagem que formam as unidades didáticas • Podemos encontrar propostas que rompem com a organização centrada por disciplinas (propostas metodológicas globalizadoras). • Nos métodos globalizados as disciplinas nunca são a finalidade do ensino, elas têm a função de proporcionar os meios ou instrumentos para realização dos objetivos educacionais; • Nos métodos globalizados a organização se realiza a partir da perspectivas de como os alunos aprendem; ○ Nascem quando o aluno se transforma em protagonista do ensino. ○ Ex;- centros de interesse, projetos, investigações do meio, projetos de trabalho (todos partem de uma situação real). • As disciplinas com organizadoras dos conteúdos. • A fragmentação do saber e a diversificação do saber em múltiplas disciplinas; • Podemos estabelecer três graus de relações disciplinares:- 1-) a multidiciplinaridade – conteúdos apresentados por matérias independentes uma das outra; 2-) a interdisciplinaridade – interação entre dias ou mais disciplinas, integrando os conceitos idéias, metodologia; 3-) a transdicciplinaridade – integração global, dentro de um sistema totalizador OS MATERIAIS CURRICULARES E OUTROS RECURSOS DIDÁTICOS • São aqueles que proporcionam ao educador referências e critérios para tomar decisões, no planejamento e na intervenção no ensino e na avaliação; • Podem ser tipicados conforme;- 1-) o âmbito de intervenção (planejamento da aula, grupo, classe, individual); 2-) a intecionalidade da função (orientar, exemplificar, ilustrar); 3-) os conteúdos e as maneiras de organizá-los (integradoras, globalizadoras, conteúdos procedimentos, conceituais); 4-) suporte (quadro negro, papel, cadernos, fichas, livro didático) Observação:- Quanto aos conteúdos atitudinais, não existem suportes a serem usados comprofusão, a não ser o vídeo e os textos. • Criticas ao livro didático e materiais curriculares:- • Esteriótipos culturais; • Proposições vinculadas a determinadas correntes ideológicas; • Não podem oferecer toda informação necessária para garantir a comparação; • Fomentam atitudes passivas do aluno; • Impedem o desenvolvimento de propostas mais próximas da realidade; • Não favorecem a comparação entre realidade e ensino escolar; • Não respeitam a forma nem o ritmo de aprendizagem do aluno (uniformização do ensino) • Fomentam as estratégias de memorização Observação:- Proceder a busca de referências e critérios para análise e confecção dos materiais curriculares. • Projeção estática (retroprojetor, slides) suporte e elementos esclarecedores de muitas idéias e facilitam o diálogo, ajudam a centrar a atenção, mas é preciso não pecar pelo excesso de uso. • Imagem de movimento – (filmes, gravações de vídeo). • Atuam como suporte nas exposições e como fonte de informação. • É importante ir gerando e cortando, para estabelecer com a classe • Suporte de Informática:-
  • 5. 5 • Possibilidade de estabelecer um diálogo mais ou menos aberto entre o programa e o aluno: • Permite fazer simulações de técnicas e procedimentos; • Contribui para formação de conceitos. • Suporte Multimídia:- • Uso do disc laser, CDI ou CD-ROM (interessante ver a disposição) banco de dados de fácil acesso. Conclusão:- A existência de materiais curriculares diversificados facilitará a elaboração de propostas singulares. A pertinência dos materiais estará determinada pelo uso que se faça deles, nos diferentes contextos educativos. A AVALIAÇÃO • Não deve se limitar somente a avaliação do aluno, mas também o grupo / classe, inclusive o professor ou a equipe docente, o processo de ensino é a própria forma de avaliação. • A avaliação inicial (diagnóstica); • A avaliação reguladora (como cada aluno aprende) modificação e melhora contínua do aluno; • A avaliação integradora (todo percurso do aluno) informe global do processo; • A avaliamos para o aperfeiçoamento da prática educativa; • Compartilhar objetivos – condições para avaliação formativa; • A informação dos resultados de aprendizagem.