SlideShare uma empresa Scribd logo
ESTÁGIO E
DOCÊNCIA:DIFERENTES
CONCEPÇÕES
Seleção de trechos e Comentários ao texto de
PIMENTA e LIMA (2006)- Por Nádia D F Biavati
Objetivos
 Apresentar concepções de estágio e seus
percursos em cursos de licenciatura.
 Relacionar as práticas de estágio como
exercício do conhecimento.
 Relacionar a visão de estágio ao exercício de
pesquisa.
Estágio na atualidade
 Enquanto campo de conhecimento, o estágio
se produz na interação dos cursos de
formação com o campo social no qual se
desenvolvem as práticas educativas.
 O estágio poderá se constituir em atividade
de pesquisa.
Teoria e prática: relações
possíveis
 “...é necessário explicitar-se os conceitos de
prática e de teoria e como compreendemos a
superação da fragmentação entre elas a partir
do conceito de práxis, o que aponta para o
desenvolvimento do estágio como uma atitude
investigativa, que envolve a reflexão e a
intervenção na vida da escola, dos
professores, dos alunos e da sociedade.”
 O estágio como pesquisa já se encontra
presente em práticas de grupos isolados. É
necessário entender como isso funciona.
A prática como imitação de
modelos
 “o modo de aprender a profissão, conforme a
perspectiva da imitação, será a partir da
observação, imitação, reprodução e, às vezes,
da re-elaboração dos modelos existentes na
prática, consagrados como bons.”
 “Muitas vezes nossos alunos aprendem
conosco, observando-nos, imitando, mas
também elaborando seu próprio modo de ser
a partir da análise crítica do nosso modo de
ser.”
Aprendizado como imitação
 Prática como imitação: „artesanal‟,
caracterizando o modo tradicional da atuação
docente, ainda presente em nossos dias.
 O pressuposto dessa concepção é o de que a
realidade do ensino é imutável e os alunos
que frequentam a escola também o são.
Aprendizado como imitação
 observação e tentativa de reprodução da prática
modelar do professor; como um aprendiz que
aprende o saber acumulado.
 Ao valorizar as práticas e os instrumentos
consagrados tradicionalmente como modelos
eficientes, a escola resume seu papel a ensinar;
ignora o aprender do aluno.
 visão de que se os alunos não aprendem, o
problema “é deles, de suas famílias, de sua
cultura diversa daquela tradicionalmente
valorizada pela escola.”
Atividade docente tradicional
 Repasse de conhecimentos aprendidos,
ensinando o que aprendeu por imitação.
 Não valoriza a formação intelectual, reduzindo
a atividade docente apenas a um fazer, que
será bem sucedido quanto mais se aproximar
dos modelos que observou.
 Por isso, gera o conformismo.
A prática como
instrumentalização técnica
 É necessária a utilização de técnicas para
executar as operações e ações próprias.
 Algumas profissões necessitam desenvolver
habilidades específicas para operar os
instrumentos próprios de seu fazer. O
professor também, mas não é só isso.
 A redução às técnicas não dá conta do
conhecimento científico nem da complexidade
das situações do exercício profissional.
A prática como instrumentalização
técnica
 Nessa perspectiva, o profissional fica reduzido ao
„prático‟, o qual não necessita dominar os
conhecimentos científicos, mas tão somente as
rotinas de intervenção técnica deles derivadas.
 Essa visão gera posturas dicotômicas em que teoria e
prática são tratadas isoladamente, o que gera
equívocos graves nos processos de formação
profissional. A prática pela prática e o emprego de
técnicas sem a devida reflexão pode reforçar a ilusão
de que há uma prática sem teoria ou de uma teoria
desvinculada da prática.
 Por isso, os alunos afirmam que prática e teoria são
dissonantes.
A prática como instrumentalização
técnica
 “Nessa perspectiva, a atividade de estágio fica
reduzida à hora da prática, ao como fazer, às
técnicas a ser empregadas em sala de aula,
ao desenvolvimento de habilidades
específicas do manejo de classe, ao
preenchimento de fichas de observação,
diagramas, fluxogramas”.
 Polêmica: oficinas pedagógicas, confecção de
material didático sem a devida reflexão segue
essa visão
Consequência da visão prática
como instrumentalização ao
estágio
 Atividades de estágio têm sido utilizadas como
cursos de prestação de serviço às redes de
ensino, obras sociais e eventos, o que acaba
submetendo os estagiários como mão-de-obra
gratuita e substitutos de profissionais formados.
 Micro-ensino e mini-aulas costumam valorizar a
instrumentalização técnica se não forem objeto de
reflexão.
 “O processo educativo é mais amplo, complexo e
inclui situações específicas de treino, mas não
pode a ele ser reduzido”.
O perigo das técnicas e
metodologias sem reflexão
 “A exigência dos alunos em formação, por sua
vez, reforça essa perspectiva, quando
solicitam novas técnicas e metodologias
universais, acreditando no poder destas para
resolver as deficiências da profissão e do
ensino, fortalecendo, assim, o mito das
técnicas e das metodologias”.
 Esse mito está presente não apenas nos
anseios dos alunos, mas também entre
professores.
O papel do estágio- uma tendência
 Deve-se (re)pensar a didática de ensino
assumindo a crítica da realidade existente,
mas numa perspectiva de encaminhar
propostas e soluções considerando os
problemas estruturais, sociais, políticos e
econômicos dos sistemas de ensino e seus
reflexos no espaço escolar e na ação de seus
profissionais.
Defesa das autoras
 a universidade é o espaço formativo por
excelência da docência, uma vez que não é
simples formar para o exercício da docência
de qualidade e que a pesquisa é o caminho
metodológico para essa formação.
 Se contrapõem, portanto, às orientações das
políticas geradas a partir do Banco Mundial
que reduzem a formação a simples
treinamento de habilidades e competências.
Teoria, prática e ação docente
 Ação docente: prática e ação. A profissão docente
é uma prática social, ou seja, como tantas outras,
é uma forma de se intervir na realidade social, no
caso, por meio da educação que ocorre, não só,
mas essencialmente nas instituições de ensino.
 Para melhor compreendê-la, necessário se faz
distinguir a atividade docente como prática e
como ação.
 Para Sacristán (1999), a prática é
institucionalizada; são as formas de educar que
ocorrem em diferentes contextos
institucionalizados, configurando a cultura e a
tradição das instituições
Ação docente
 A ação (cf. Sacristán, 1999) refere-se aos
sujeitos, seus modos de agir e pensar, seus
valores, seus compromissos, suas opções,
seus desejos e vontade, seu conhecimento,
seus esquemas teóricos de leitura do mundo,
seus modos de ensinar, de se relacionar com
os alunos, de planejar e desenvolver seus
cursos, e se realiza nas práticas institucionais.
Ação pedagógica
 ação pedagógica: “ Atividades que os
professores realizam no coletivo escolar,
supondo o desenvolvimento de certas
atividades materiais, orientadas e
estruturadas. Tais atividades têm por
finalidade a efetivação do ensino e da
aprendizagem por parte dos professores e
alunos”.
E as teorias....
 o papel das teorias é o de iluminar e oferecer
instrumentos e esquemas para análise e
investigação, que permitam questionar as
práticas institucionalizadas e as ações dos
sujeitos e, ao mesmo tempo, se colocar elas
próprias em questionamento, uma vez que as
teorias são explicações sempre provisórias da
realidade.
E o estágio? Qual é o lugar do
estágio?
 A prática educativa (institucional) é um traço
cultural compartilhado e que tem relações com o
que acontece em outros âmbitos da sociedade e
de suas instituições.
 Portanto, no estágio dos cursos de formação de
professores, compete possibilitar que os futuros
professores se apropriem da compreensão dessa
complexidade das práticas institucionais e das
ações aí praticadas por seus profissionais, como
possibilidade de se prepararem para sua inserção
profissional
A formação de professores
 Num curso de formação de professores, todas
as disciplinas, as de fundamentos e as
didáticas, devem contribuir para a sua
finalidade que é a de formar professores, a
partir da análise, da crítica e da proposição de
novas maneiras de fazer educação. Nesse
sentido, todas as disciplinas necessitam
oferecer conhecimentos e métodos para esse
processo.
Estágio de aproximação entre
teoria e prática
 Pimenta e Gonçalves (1990) consideram que a
finalidade do estágio é a de propiciar ao aluno
uma aproximação à realidade na qual atuará.
 Assim, o estágio se afasta da compreensão até
então corrente, de que seria a parte prática do
curso. Defendem uma nova postura, uma
redefinição do estágio que deve caminhar para a
reflexão, a partir da realidade.
 Não considera metodologias prontas ou certezas
absolutas. Teoria e(m)prática, constante
reelaboração.
Pesquisa no estágio e estágio de
pesquisa
 A pesquisa no estágio, como método de formação
dos estagiários futuros professores, se traduz pela
mobilização de pesquisas que permitam a ampliação
e análise dos contextos onde os estágios se realizam.
Mas também e, em especial, na possibilidade de os
estagiários desenvolverem postura e habilidades de
pesquisador a partir das situações de estágio,
elaborando projetos que lhes permitam ao mesmo
tempo compreender e problematizar as situações que
observam.
 Esse estágio pressupõe outra postura diante do
conhecimento, que passe a considerá-lo não mais
como verdade capaz de explicar toda e qualquer
situação observada
Estágio de observação e
pesquisa
 Tendência que remonta aos anos 1990.
 Mobilização de pesquisas que permitam
análise dos contextos e possível atuação.
 Projetos que permitam compreender e
problematizar as situações que observam.
 Formulação do estágio como atividade teórica
instrumentalizadora da práxis.
 Prevê a formação do profissional reflexivo.
Profissional reflexivo e professor-
pesquisador
 Base na epistemologia da prática: ação docente
do professor pesquisador da própria prática.
 Não separação entre teoria e prática:
 Portanto, o papel da teoria é oferecer aos
professores perspectivas de análise para
compreenderem os contextos históricos, sociais,
culturais, organizacionais e de si mesmos como
profissionais, nos quais se dá sua atividade
docente, para neles intervir, transformando-os.
Daí, é fundamental o permanente exercício da
crítica das condições materiais nas quais o ensino
ocorre.
Epistemologia da prática
 Os saberes teóricos propositivos se articulam,
pois, aos saberes da ação dos professores e
da prática institucional, resignificando- os e
sendo por eles re-significados.
 Segredo: reconhecer as limitações e tentar
superá-las pela pesquisa e reflexão na
docência em formação.
Epistemologia da prática
 “Procedendo a uma análise de pesquisas realizadas
no campo da didática e prática de ensino (Pimenta,
2002), conclui-se que as pesquisas estão
privilegiando a análise de situações da prática e dos
contextos escolares e revelando a importância que a
perspectiva da epistemologia da prática vem
assumindo.”
 “As pesquisas sobre avaliação e fracasso escolar, por
exemplo, revelam avanço significativo na abordagem
do tema ao trazerem dados das situações concretas e
propositivas, superando os discursos e adentrando a
complexidade prática.”
 O Desenvolvimento e amadurecimento da prática se
dá pela pesquisa.
Professor- orientador e
pesquisador
 O estágio abre possibilidade para os
professores orientadores proporem tanto a
mobilização de pesquisas para ampliar a
compreensão das situações vivenciadas e
observadas nas escolas, nos sistemas de
ensino e nas demais situações, como pode
provocar, a partir dessa vivência, a elaboração
de projetos de pesquisa a ser desenvolvidos
concomitante ou após o período de estágio.
Professor pesquisador em
formação
 Quanto à concepção do professor como
pesquisador, desenvolvida por Stenhouse,
aponta que este não inclui a crítica ao
contexto social em que se dá a ação
educativa. Assim, reduz a investigação sobre
a prática aos problemas pedagógicos que
geram ações particulares em aula,
perspectiva essa restrita, pois desconsidera a
influência da realidade social sobre ações e
pensamentos e sobre o conhecimento como
produto de contextos sociais e históricos.
Professor pesquisador em
formação
 Giroux (1990) de que a mera reflexão sobre o
trabalho docente de sala de aula é insuficiente
para uma compreensão teórica dos elementos
que condicionam a prática profissional. Por isso, o
processo de emancipação a que se refere
Stenhouse é mais o de liberação de amarras
psicológicas individuais do que o de uma
emancipação social.
 superação de limites a partir de teoria(s) que
permita(m) aos professores entenderem as
restrições impostas pela prática institucional e
pelo histórico social ao ensino, de modo a
identificar o potencial transformador das práticas.
Professor pesquisador em
formação
 teoria(s) que permita(m) aos professores
entenderem as restrições impostas pela
prática institucional e pelo histórico social ao
ensino, de modo a identificar o potencial
transformador das práticas.
 Libâneo: apropriação e produção de teorias.
 Carr: Caráter transitório das práticas dos
professores.
 Charlot: Atenção aos professores e pares.
Conceito de professor reflexivo
 A análise crítica contextualizada do conceito
de professor reflexivo permite superar suas
limitações, afirmando-o como um conceito
político-epistemológico que requer o suporte
de políticas públicas consequentes para sua
efetivação.
Estágio como pesquisa
 A complexidade da educação como prática social
permite tratar o professor como imerso num sistema
educacional, em uma dada sociedade e em um tempo
histórico determinado. Uma organização curricular
propiciadora dessa compreensão parte da análise do
real com o recurso das teorias e da cultura
pedagógica, para propor e gestar novas práticas, num
exercício coletivo de criatividade.
 Os lugares da prática educativa, as escolas e outras
instâncias existentes num tempo e num espaço, são o
campo de atuação dos professores (os já formados e
os em formação). O conhecimento e a interpretação
desse real existente serão o ponto de partida dos
cursos de licenciatura.
Estágio como pesquisa
 Esse conhecimento envolve o estudo, a análise, a
problematização, a reflexão e a proposição de soluções às
situações de ensinar e aprender. Envolve também
experimentar situações de ensinar, aprender a elaborar,
executar e avaliar projetos de ensino não apenas nas salas
de aula, mas também nos diferentes espaços da escola.
 Postura teórico- metodológica que visa desenvolver nos
alunos, futuros professores, habilidades para o conhecimento
e a análise das escolas, espaço institucional onde ocorre o
ensino e a aprendizagem, bem como das comunidades onde
se insere. Envolve, também, o conhecimento, a utilização e a
avaliação de técnicas, métodos e estratégias de ensinar em
situações diversas. Envolve a habilidade de leitura e
reconhecimento das teorias presentes nas práticas
pedagógicas das instituições
Estágio como pesquisa
 Possibilita a relação entre os saberes teóricos
e os saberes das práticas ocorra durante todo
o percurso da formação, garantindo, inclusive,
que os alunos aprimorem sua escolha de
serem professores a partir do contato com as
realidades de sua profissão.
 Desafios: intercâmbio com trabalho coletivo.
Conexões entre teoria e práticas exigem
amadurecimento.
Referências
 PIMENTA, Selma Garrido; LIMA, Maria. Estágio e
docência: diferentes concepções. In: Revista
Poíesis -Volume 3, Números 3 e 4, pp.5-24,
2005/2006. Disponível em:
http://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=&esrc
=s&source=web&cd=1&ved=0CCwQFjAA&url=htt
p%3A%2F%2Fwww.revistas.ufg.br%2Findex.php
%2Fpoiesis%2Farticle%2Fdownload%2F10542%
2F7012&ei=rd9CUqvHIfDs2AXT24CACg&usg=AF
QjCNEE_dQkI-
UUpRbEZs1kDbiQxhsnAQ&bvm=bv.53077864,d.
dmg. Acesso em 10-9-2013.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Pedagogia da Autonomia - Paulo Freire
Pedagogia da Autonomia - Paulo FreirePedagogia da Autonomia - Paulo Freire
Pedagogia da Autonomia - Paulo Freire
Bruno Carrasco
 
Educação de Jovens e Adultos - Profª Dra Jaqueline Ventura
Educação de Jovens e Adultos - Profª Dra Jaqueline VenturaEducação de Jovens e Adultos - Profª Dra Jaqueline Ventura
Educação de Jovens e Adultos - Profª Dra Jaqueline Ventura
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Alfabetização e letramento (slide)
Alfabetização e letramento (slide)Alfabetização e letramento (slide)
Alfabetização e letramento (slide)
PamelaAschoff
 
Modelo banner 90 x 120
Modelo banner 90 x 120Modelo banner 90 x 120
Modelo banner 90 x 120
PotenzaWD
 
Educação inclusiva pre-projeto mestrado
Educação inclusiva pre-projeto mestradoEducação inclusiva pre-projeto mestrado
Educação inclusiva pre-projeto mestrado
packarde2709
 
Oficina de idéias sobre estágio e docencia
Oficina de idéias sobre estágio e docenciaOficina de idéias sobre estágio e docencia
Oficina de idéias sobre estágio e docencia
Celia Santos
 
Libâneo, josé carlos
Libâneo, josé carlosLibâneo, josé carlos
Libâneo, josé carlos
Soares Junior
 
Slide introduçao a pedagogia
Slide introduçao a pedagogiaSlide introduçao a pedagogia
Slide introduçao a pedagogia
Camilla Follador
 
Antonio Novoa
Antonio NovoaAntonio Novoa
Antonio Novoa
Maristela Couto
 
BNCC na prática
BNCC na práticaBNCC na prática
BNCC na prática
Grasiela Dourado
 
Resumo inclusão escolar pontos e contrapontos Mantoan
Resumo inclusão escolar  pontos e contrapontos   MantoanResumo inclusão escolar  pontos e contrapontos   Mantoan
Resumo inclusão escolar pontos e contrapontos Mantoan
♥Marcinhatinelli♥
 
RESUMO - Formação de Professores: Identidades e Saberes da Docência - Selma G...
RESUMO - Formação de Professores: Identidades e Saberes da Docência - Selma G...RESUMO - Formação de Professores: Identidades e Saberes da Docência - Selma G...
RESUMO - Formação de Professores: Identidades e Saberes da Docência - Selma G...
Thaynã Guedes
 
EJA
EJA EJA
A educação e os desafios da contemporaneidade.
A educação e os desafios da contemporaneidade.A educação e os desafios da contemporaneidade.
A educação e os desafios da contemporaneidade.
Edvanise Souza Barbosa Cordeiro
 
Saberes Docentes final
Saberes Docentes finalSaberes Docentes final
Saberes Docentes final
mefurb
 
Pedagogia Histórico-Crítica de Dermeval Saviani
Pedagogia Histórico-Crítica de Dermeval SavianiPedagogia Histórico-Crítica de Dermeval Saviani
Pedagogia Histórico-Crítica de Dermeval Saviani
Natalia Ribeiro
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO NA EJA-CARUTAPERA
RELATÓRIO DE ESTÁGIO NA EJA-CARUTAPERARELATÓRIO DE ESTÁGIO NA EJA-CARUTAPERA
RELATÓRIO DE ESTÁGIO NA EJA-CARUTAPERA
UFMA e UEMA
 
Tendências Pedagógicas
Tendências PedagógicasTendências Pedagógicas
Tendências Pedagógicas
Marcelo Assis
 
Meu pré projeto joiara nara
Meu pré projeto joiara naraMeu pré projeto joiara nara
Meu pré projeto joiara nara
joiramara
 
Avaliação: tipos e funções
Avaliação: tipos e funçõesAvaliação: tipos e funções
Avaliação: tipos e funções
Kogen Gouveia
 

Mais procurados (20)

Pedagogia da Autonomia - Paulo Freire
Pedagogia da Autonomia - Paulo FreirePedagogia da Autonomia - Paulo Freire
Pedagogia da Autonomia - Paulo Freire
 
Educação de Jovens e Adultos - Profª Dra Jaqueline Ventura
Educação de Jovens e Adultos - Profª Dra Jaqueline VenturaEducação de Jovens e Adultos - Profª Dra Jaqueline Ventura
Educação de Jovens e Adultos - Profª Dra Jaqueline Ventura
 
Alfabetização e letramento (slide)
Alfabetização e letramento (slide)Alfabetização e letramento (slide)
Alfabetização e letramento (slide)
 
Modelo banner 90 x 120
Modelo banner 90 x 120Modelo banner 90 x 120
Modelo banner 90 x 120
 
Educação inclusiva pre-projeto mestrado
Educação inclusiva pre-projeto mestradoEducação inclusiva pre-projeto mestrado
Educação inclusiva pre-projeto mestrado
 
Oficina de idéias sobre estágio e docencia
Oficina de idéias sobre estágio e docenciaOficina de idéias sobre estágio e docencia
Oficina de idéias sobre estágio e docencia
 
Libâneo, josé carlos
Libâneo, josé carlosLibâneo, josé carlos
Libâneo, josé carlos
 
Slide introduçao a pedagogia
Slide introduçao a pedagogiaSlide introduçao a pedagogia
Slide introduçao a pedagogia
 
Antonio Novoa
Antonio NovoaAntonio Novoa
Antonio Novoa
 
BNCC na prática
BNCC na práticaBNCC na prática
BNCC na prática
 
Resumo inclusão escolar pontos e contrapontos Mantoan
Resumo inclusão escolar  pontos e contrapontos   MantoanResumo inclusão escolar  pontos e contrapontos   Mantoan
Resumo inclusão escolar pontos e contrapontos Mantoan
 
RESUMO - Formação de Professores: Identidades e Saberes da Docência - Selma G...
RESUMO - Formação de Professores: Identidades e Saberes da Docência - Selma G...RESUMO - Formação de Professores: Identidades e Saberes da Docência - Selma G...
RESUMO - Formação de Professores: Identidades e Saberes da Docência - Selma G...
 
EJA
EJA EJA
EJA
 
A educação e os desafios da contemporaneidade.
A educação e os desafios da contemporaneidade.A educação e os desafios da contemporaneidade.
A educação e os desafios da contemporaneidade.
 
Saberes Docentes final
Saberes Docentes finalSaberes Docentes final
Saberes Docentes final
 
Pedagogia Histórico-Crítica de Dermeval Saviani
Pedagogia Histórico-Crítica de Dermeval SavianiPedagogia Histórico-Crítica de Dermeval Saviani
Pedagogia Histórico-Crítica de Dermeval Saviani
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO NA EJA-CARUTAPERA
RELATÓRIO DE ESTÁGIO NA EJA-CARUTAPERARELATÓRIO DE ESTÁGIO NA EJA-CARUTAPERA
RELATÓRIO DE ESTÁGIO NA EJA-CARUTAPERA
 
Tendências Pedagógicas
Tendências PedagógicasTendências Pedagógicas
Tendências Pedagógicas
 
Meu pré projeto joiara nara
Meu pré projeto joiara naraMeu pré projeto joiara nara
Meu pré projeto joiara nara
 
Avaliação: tipos e funções
Avaliação: tipos e funçõesAvaliação: tipos e funções
Avaliação: tipos e funções
 

Semelhante a Estágio e docência

8eixo
8eixo8eixo
PROFESSOR INICIANTE: O SER E ESTAR NA PROFISSÃO DOCENTE
PROFESSOR INICIANTE: O SER E ESTAR NA PROFISSÃO DOCENTEPROFESSOR INICIANTE: O SER E ESTAR NA PROFISSÃO DOCENTE
PROFESSOR INICIANTE: O SER E ESTAR NA PROFISSÃO DOCENTE
ProfessorPrincipiante
 
A investigação ação na formação
A investigação ação na formaçãoA investigação ação na formação
A investigação ação na formação
Mary Carneiro Rezende
 
Artigo sobre projetos interdisciplinares
Artigo sobre projetos interdisciplinaresArtigo sobre projetos interdisciplinares
Artigo sobre projetos interdisciplinares
Sebastião Gessy Fonseca
 
TrajetóRia Profissional Prof
TrajetóRia Profissional ProfTrajetóRia Profissional Prof
TrajetóRia Profissional Prof
wtedeschi
 
O PROFESSOR INCIANTE DE MATEMÁTICA E SUA CONSTITUIÇÃO PARA O TRABALHO DOCENTE
O PROFESSOR INCIANTE DE MATEMÁTICA E SUA CONSTITUIÇÃO PARA O TRABALHO DOCENTEO PROFESSOR INCIANTE DE MATEMÁTICA E SUA CONSTITUIÇÃO PARA O TRABALHO DOCENTE
O PROFESSOR INCIANTE DE MATEMÁTICA E SUA CONSTITUIÇÃO PARA O TRABALHO DOCENTE
ProfessorPrincipiante
 
DIÁLOGOS ENTRE OS SABERES DA PRÁTICA E A TEORIA: O QUE DIZEM OS (AS) ACADÊMIC...
DIÁLOGOS ENTRE OS SABERES DA PRÁTICA E A TEORIA: O QUE DIZEM OS (AS) ACADÊMIC...DIÁLOGOS ENTRE OS SABERES DA PRÁTICA E A TEORIA: O QUE DIZEM OS (AS) ACADÊMIC...
DIÁLOGOS ENTRE OS SABERES DA PRÁTICA E A TEORIA: O QUE DIZEM OS (AS) ACADÊMIC...
ProfessorPrincipiante
 
pesquisa ação
pesquisa açãopesquisa ação
pesquisa ação
Ana Valeria Silva
 
Uma Metodologia de Desenvolvimento de competências.pdf
Uma Metodologia de Desenvolvimento de competências.pdfUma Metodologia de Desenvolvimento de competências.pdf
Uma Metodologia de Desenvolvimento de competências.pdf
LilideMenesesCerquei
 
Estagio supervisionado
Estagio supervisionadoEstagio supervisionado
Estagio supervisionado
Fernanda Marques
 
A FORMAÇÃO DOS PROFESSORES NO SÉCULO XXI
A FORMAÇÃO DOS PROFESSORES NO SÉCULO XXIA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES NO SÉCULO XXI
A FORMAÇÃO DOS PROFESSORES NO SÉCULO XXI
Julhinha Camara
 
DIÁLOGOS E ACOMPANHAMENTO: OS PROFESSORES INICIANTES E SUAS PRÁTICAS EM QUESTÃO
DIÁLOGOS E ACOMPANHAMENTO: OS PROFESSORES INICIANTES E SUAS PRÁTICAS EM QUESTÃODIÁLOGOS E ACOMPANHAMENTO: OS PROFESSORES INICIANTES E SUAS PRÁTICAS EM QUESTÃO
DIÁLOGOS E ACOMPANHAMENTO: OS PROFESSORES INICIANTES E SUAS PRÁTICAS EM QUESTÃO
ProfessorPrincipiante
 
TEXTO3.2-Percepção acerca do prof reflexivo.pdf
TEXTO3.2-Percepção acerca do prof reflexivo.pdfTEXTO3.2-Percepção acerca do prof reflexivo.pdf
TEXTO3.2-Percepção acerca do prof reflexivo.pdf
DrikaSato
 
DIMENSÕES DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: PIBID E COMUNIDADES DE PR...
DIMENSÕES DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: PIBID E COMUNIDADES DE PR...DIMENSÕES DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: PIBID E COMUNIDADES DE PR...
DIMENSÕES DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: PIBID E COMUNIDADES DE PR...
ProfessorPrincipiante
 
Formação contínua de prof novas tenden new caminhos
Formação contínua de prof novas tenden new caminhosFormação contínua de prof novas tenden new caminhos
Formação contínua de prof novas tenden new caminhos
Marcélia Amorim Cardoso
 
A FORMAÇÃO DO LICENCIADO EM PEDAGOGIA E O ESTÁGIO SUPERVISIONADO: CONSTRUINDO...
A FORMAÇÃO DO LICENCIADO EM PEDAGOGIA E O ESTÁGIO SUPERVISIONADO: CONSTRUINDO...A FORMAÇÃO DO LICENCIADO EM PEDAGOGIA E O ESTÁGIO SUPERVISIONADO: CONSTRUINDO...
A FORMAÇÃO DO LICENCIADO EM PEDAGOGIA E O ESTÁGIO SUPERVISIONADO: CONSTRUINDO...
ProfessorPrincipiante
 
Texto 1 ewerton1
Texto 1 ewerton1Texto 1 ewerton1
Texto 1 ewerton1
Hermes Thorvalden
 
A REFLEXÃO NO PROCESSO FORMATIVO EM PRÁTICA DE ENSINO E NO ESTÁGIO: CONTRIBUI...
A REFLEXÃO NO PROCESSO FORMATIVO EM PRÁTICA DE ENSINO E NO ESTÁGIO: CONTRIBUI...A REFLEXÃO NO PROCESSO FORMATIVO EM PRÁTICA DE ENSINO E NO ESTÁGIO: CONTRIBUI...
A REFLEXÃO NO PROCESSO FORMATIVO EM PRÁTICA DE ENSINO E NO ESTÁGIO: CONTRIBUI...
ProfessorPrincipiante
 
Masetto docencia universitaria
Masetto   docencia universitariaMasetto   docencia universitaria
Masetto docencia universitaria
Renata Vieira da Cunha
 
Zabala
ZabalaZabala
Zabala
Maria Maria
 

Semelhante a Estágio e docência (20)

8eixo
8eixo8eixo
8eixo
 
PROFESSOR INICIANTE: O SER E ESTAR NA PROFISSÃO DOCENTE
PROFESSOR INICIANTE: O SER E ESTAR NA PROFISSÃO DOCENTEPROFESSOR INICIANTE: O SER E ESTAR NA PROFISSÃO DOCENTE
PROFESSOR INICIANTE: O SER E ESTAR NA PROFISSÃO DOCENTE
 
A investigação ação na formação
A investigação ação na formaçãoA investigação ação na formação
A investigação ação na formação
 
Artigo sobre projetos interdisciplinares
Artigo sobre projetos interdisciplinaresArtigo sobre projetos interdisciplinares
Artigo sobre projetos interdisciplinares
 
TrajetóRia Profissional Prof
TrajetóRia Profissional ProfTrajetóRia Profissional Prof
TrajetóRia Profissional Prof
 
O PROFESSOR INCIANTE DE MATEMÁTICA E SUA CONSTITUIÇÃO PARA O TRABALHO DOCENTE
O PROFESSOR INCIANTE DE MATEMÁTICA E SUA CONSTITUIÇÃO PARA O TRABALHO DOCENTEO PROFESSOR INCIANTE DE MATEMÁTICA E SUA CONSTITUIÇÃO PARA O TRABALHO DOCENTE
O PROFESSOR INCIANTE DE MATEMÁTICA E SUA CONSTITUIÇÃO PARA O TRABALHO DOCENTE
 
DIÁLOGOS ENTRE OS SABERES DA PRÁTICA E A TEORIA: O QUE DIZEM OS (AS) ACADÊMIC...
DIÁLOGOS ENTRE OS SABERES DA PRÁTICA E A TEORIA: O QUE DIZEM OS (AS) ACADÊMIC...DIÁLOGOS ENTRE OS SABERES DA PRÁTICA E A TEORIA: O QUE DIZEM OS (AS) ACADÊMIC...
DIÁLOGOS ENTRE OS SABERES DA PRÁTICA E A TEORIA: O QUE DIZEM OS (AS) ACADÊMIC...
 
pesquisa ação
pesquisa açãopesquisa ação
pesquisa ação
 
Uma Metodologia de Desenvolvimento de competências.pdf
Uma Metodologia de Desenvolvimento de competências.pdfUma Metodologia de Desenvolvimento de competências.pdf
Uma Metodologia de Desenvolvimento de competências.pdf
 
Estagio supervisionado
Estagio supervisionadoEstagio supervisionado
Estagio supervisionado
 
A FORMAÇÃO DOS PROFESSORES NO SÉCULO XXI
A FORMAÇÃO DOS PROFESSORES NO SÉCULO XXIA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES NO SÉCULO XXI
A FORMAÇÃO DOS PROFESSORES NO SÉCULO XXI
 
DIÁLOGOS E ACOMPANHAMENTO: OS PROFESSORES INICIANTES E SUAS PRÁTICAS EM QUESTÃO
DIÁLOGOS E ACOMPANHAMENTO: OS PROFESSORES INICIANTES E SUAS PRÁTICAS EM QUESTÃODIÁLOGOS E ACOMPANHAMENTO: OS PROFESSORES INICIANTES E SUAS PRÁTICAS EM QUESTÃO
DIÁLOGOS E ACOMPANHAMENTO: OS PROFESSORES INICIANTES E SUAS PRÁTICAS EM QUESTÃO
 
TEXTO3.2-Percepção acerca do prof reflexivo.pdf
TEXTO3.2-Percepção acerca do prof reflexivo.pdfTEXTO3.2-Percepção acerca do prof reflexivo.pdf
TEXTO3.2-Percepção acerca do prof reflexivo.pdf
 
DIMENSÕES DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: PIBID E COMUNIDADES DE PR...
DIMENSÕES DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: PIBID E COMUNIDADES DE PR...DIMENSÕES DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: PIBID E COMUNIDADES DE PR...
DIMENSÕES DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: PIBID E COMUNIDADES DE PR...
 
Formação contínua de prof novas tenden new caminhos
Formação contínua de prof novas tenden new caminhosFormação contínua de prof novas tenden new caminhos
Formação contínua de prof novas tenden new caminhos
 
A FORMAÇÃO DO LICENCIADO EM PEDAGOGIA E O ESTÁGIO SUPERVISIONADO: CONSTRUINDO...
A FORMAÇÃO DO LICENCIADO EM PEDAGOGIA E O ESTÁGIO SUPERVISIONADO: CONSTRUINDO...A FORMAÇÃO DO LICENCIADO EM PEDAGOGIA E O ESTÁGIO SUPERVISIONADO: CONSTRUINDO...
A FORMAÇÃO DO LICENCIADO EM PEDAGOGIA E O ESTÁGIO SUPERVISIONADO: CONSTRUINDO...
 
Texto 1 ewerton1
Texto 1 ewerton1Texto 1 ewerton1
Texto 1 ewerton1
 
A REFLEXÃO NO PROCESSO FORMATIVO EM PRÁTICA DE ENSINO E NO ESTÁGIO: CONTRIBUI...
A REFLEXÃO NO PROCESSO FORMATIVO EM PRÁTICA DE ENSINO E NO ESTÁGIO: CONTRIBUI...A REFLEXÃO NO PROCESSO FORMATIVO EM PRÁTICA DE ENSINO E NO ESTÁGIO: CONTRIBUI...
A REFLEXÃO NO PROCESSO FORMATIVO EM PRÁTICA DE ENSINO E NO ESTÁGIO: CONTRIBUI...
 
Masetto docencia universitaria
Masetto   docencia universitariaMasetto   docencia universitaria
Masetto docencia universitaria
 
Zabala
ZabalaZabala
Zabala
 

Mais de Nadia Biavati

Múltiplas linguagens para o ensino médio - apresentação da obra de Bunzen e M...
Múltiplas linguagens para o ensino médio - apresentação da obra de Bunzen e M...Múltiplas linguagens para o ensino médio - apresentação da obra de Bunzen e M...
Múltiplas linguagens para o ensino médio - apresentação da obra de Bunzen e M...
Nadia Biavati
 
concepção sociointeracionista no ensino
concepção sociointeracionista no ensinoconcepção sociointeracionista no ensino
concepção sociointeracionista no ensino
Nadia Biavati
 
O conhecimento científico gerais
O conhecimento científico   geraisO conhecimento científico   gerais
O conhecimento científico gerais
Nadia Biavati
 
Lingua(gem) e identidade livro org signorini
Lingua(gem) e identidade  livro org signoriniLingua(gem) e identidade  livro org signorini
Lingua(gem) e identidade livro org signorini
Nadia Biavati
 
A análise de discurso crítica para leigos
A análise de discurso crítica  para leigosA análise de discurso crítica  para leigos
A análise de discurso crítica para leigos
Nadia Biavati
 
Palestra discurso e poder
Palestra discurso e poderPalestra discurso e poder
Palestra discurso e poder
Nadia Biavati
 

Mais de Nadia Biavati (6)

Múltiplas linguagens para o ensino médio - apresentação da obra de Bunzen e M...
Múltiplas linguagens para o ensino médio - apresentação da obra de Bunzen e M...Múltiplas linguagens para o ensino médio - apresentação da obra de Bunzen e M...
Múltiplas linguagens para o ensino médio - apresentação da obra de Bunzen e M...
 
concepção sociointeracionista no ensino
concepção sociointeracionista no ensinoconcepção sociointeracionista no ensino
concepção sociointeracionista no ensino
 
O conhecimento científico gerais
O conhecimento científico   geraisO conhecimento científico   gerais
O conhecimento científico gerais
 
Lingua(gem) e identidade livro org signorini
Lingua(gem) e identidade  livro org signoriniLingua(gem) e identidade  livro org signorini
Lingua(gem) e identidade livro org signorini
 
A análise de discurso crítica para leigos
A análise de discurso crítica  para leigosA análise de discurso crítica  para leigos
A análise de discurso crítica para leigos
 
Palestra discurso e poder
Palestra discurso e poderPalestra discurso e poder
Palestra discurso e poder
 

Estágio e docência

  • 1. ESTÁGIO E DOCÊNCIA:DIFERENTES CONCEPÇÕES Seleção de trechos e Comentários ao texto de PIMENTA e LIMA (2006)- Por Nádia D F Biavati
  • 2. Objetivos  Apresentar concepções de estágio e seus percursos em cursos de licenciatura.  Relacionar as práticas de estágio como exercício do conhecimento.  Relacionar a visão de estágio ao exercício de pesquisa.
  • 3. Estágio na atualidade  Enquanto campo de conhecimento, o estágio se produz na interação dos cursos de formação com o campo social no qual se desenvolvem as práticas educativas.  O estágio poderá se constituir em atividade de pesquisa.
  • 4. Teoria e prática: relações possíveis  “...é necessário explicitar-se os conceitos de prática e de teoria e como compreendemos a superação da fragmentação entre elas a partir do conceito de práxis, o que aponta para o desenvolvimento do estágio como uma atitude investigativa, que envolve a reflexão e a intervenção na vida da escola, dos professores, dos alunos e da sociedade.”  O estágio como pesquisa já se encontra presente em práticas de grupos isolados. É necessário entender como isso funciona.
  • 5. A prática como imitação de modelos  “o modo de aprender a profissão, conforme a perspectiva da imitação, será a partir da observação, imitação, reprodução e, às vezes, da re-elaboração dos modelos existentes na prática, consagrados como bons.”  “Muitas vezes nossos alunos aprendem conosco, observando-nos, imitando, mas também elaborando seu próprio modo de ser a partir da análise crítica do nosso modo de ser.”
  • 6. Aprendizado como imitação  Prática como imitação: „artesanal‟, caracterizando o modo tradicional da atuação docente, ainda presente em nossos dias.  O pressuposto dessa concepção é o de que a realidade do ensino é imutável e os alunos que frequentam a escola também o são.
  • 7. Aprendizado como imitação  observação e tentativa de reprodução da prática modelar do professor; como um aprendiz que aprende o saber acumulado.  Ao valorizar as práticas e os instrumentos consagrados tradicionalmente como modelos eficientes, a escola resume seu papel a ensinar; ignora o aprender do aluno.  visão de que se os alunos não aprendem, o problema “é deles, de suas famílias, de sua cultura diversa daquela tradicionalmente valorizada pela escola.”
  • 8. Atividade docente tradicional  Repasse de conhecimentos aprendidos, ensinando o que aprendeu por imitação.  Não valoriza a formação intelectual, reduzindo a atividade docente apenas a um fazer, que será bem sucedido quanto mais se aproximar dos modelos que observou.  Por isso, gera o conformismo.
  • 9. A prática como instrumentalização técnica  É necessária a utilização de técnicas para executar as operações e ações próprias.  Algumas profissões necessitam desenvolver habilidades específicas para operar os instrumentos próprios de seu fazer. O professor também, mas não é só isso.  A redução às técnicas não dá conta do conhecimento científico nem da complexidade das situações do exercício profissional.
  • 10. A prática como instrumentalização técnica  Nessa perspectiva, o profissional fica reduzido ao „prático‟, o qual não necessita dominar os conhecimentos científicos, mas tão somente as rotinas de intervenção técnica deles derivadas.  Essa visão gera posturas dicotômicas em que teoria e prática são tratadas isoladamente, o que gera equívocos graves nos processos de formação profissional. A prática pela prática e o emprego de técnicas sem a devida reflexão pode reforçar a ilusão de que há uma prática sem teoria ou de uma teoria desvinculada da prática.  Por isso, os alunos afirmam que prática e teoria são dissonantes.
  • 11. A prática como instrumentalização técnica  “Nessa perspectiva, a atividade de estágio fica reduzida à hora da prática, ao como fazer, às técnicas a ser empregadas em sala de aula, ao desenvolvimento de habilidades específicas do manejo de classe, ao preenchimento de fichas de observação, diagramas, fluxogramas”.  Polêmica: oficinas pedagógicas, confecção de material didático sem a devida reflexão segue essa visão
  • 12. Consequência da visão prática como instrumentalização ao estágio  Atividades de estágio têm sido utilizadas como cursos de prestação de serviço às redes de ensino, obras sociais e eventos, o que acaba submetendo os estagiários como mão-de-obra gratuita e substitutos de profissionais formados.  Micro-ensino e mini-aulas costumam valorizar a instrumentalização técnica se não forem objeto de reflexão.  “O processo educativo é mais amplo, complexo e inclui situações específicas de treino, mas não pode a ele ser reduzido”.
  • 13. O perigo das técnicas e metodologias sem reflexão  “A exigência dos alunos em formação, por sua vez, reforça essa perspectiva, quando solicitam novas técnicas e metodologias universais, acreditando no poder destas para resolver as deficiências da profissão e do ensino, fortalecendo, assim, o mito das técnicas e das metodologias”.  Esse mito está presente não apenas nos anseios dos alunos, mas também entre professores.
  • 14. O papel do estágio- uma tendência  Deve-se (re)pensar a didática de ensino assumindo a crítica da realidade existente, mas numa perspectiva de encaminhar propostas e soluções considerando os problemas estruturais, sociais, políticos e econômicos dos sistemas de ensino e seus reflexos no espaço escolar e na ação de seus profissionais.
  • 15. Defesa das autoras  a universidade é o espaço formativo por excelência da docência, uma vez que não é simples formar para o exercício da docência de qualidade e que a pesquisa é o caminho metodológico para essa formação.  Se contrapõem, portanto, às orientações das políticas geradas a partir do Banco Mundial que reduzem a formação a simples treinamento de habilidades e competências.
  • 16. Teoria, prática e ação docente  Ação docente: prática e ação. A profissão docente é uma prática social, ou seja, como tantas outras, é uma forma de se intervir na realidade social, no caso, por meio da educação que ocorre, não só, mas essencialmente nas instituições de ensino.  Para melhor compreendê-la, necessário se faz distinguir a atividade docente como prática e como ação.  Para Sacristán (1999), a prática é institucionalizada; são as formas de educar que ocorrem em diferentes contextos institucionalizados, configurando a cultura e a tradição das instituições
  • 17. Ação docente  A ação (cf. Sacristán, 1999) refere-se aos sujeitos, seus modos de agir e pensar, seus valores, seus compromissos, suas opções, seus desejos e vontade, seu conhecimento, seus esquemas teóricos de leitura do mundo, seus modos de ensinar, de se relacionar com os alunos, de planejar e desenvolver seus cursos, e se realiza nas práticas institucionais.
  • 18. Ação pedagógica  ação pedagógica: “ Atividades que os professores realizam no coletivo escolar, supondo o desenvolvimento de certas atividades materiais, orientadas e estruturadas. Tais atividades têm por finalidade a efetivação do ensino e da aprendizagem por parte dos professores e alunos”.
  • 19. E as teorias....  o papel das teorias é o de iluminar e oferecer instrumentos e esquemas para análise e investigação, que permitam questionar as práticas institucionalizadas e as ações dos sujeitos e, ao mesmo tempo, se colocar elas próprias em questionamento, uma vez que as teorias são explicações sempre provisórias da realidade.
  • 20. E o estágio? Qual é o lugar do estágio?  A prática educativa (institucional) é um traço cultural compartilhado e que tem relações com o que acontece em outros âmbitos da sociedade e de suas instituições.  Portanto, no estágio dos cursos de formação de professores, compete possibilitar que os futuros professores se apropriem da compreensão dessa complexidade das práticas institucionais e das ações aí praticadas por seus profissionais, como possibilidade de se prepararem para sua inserção profissional
  • 21. A formação de professores  Num curso de formação de professores, todas as disciplinas, as de fundamentos e as didáticas, devem contribuir para a sua finalidade que é a de formar professores, a partir da análise, da crítica e da proposição de novas maneiras de fazer educação. Nesse sentido, todas as disciplinas necessitam oferecer conhecimentos e métodos para esse processo.
  • 22. Estágio de aproximação entre teoria e prática  Pimenta e Gonçalves (1990) consideram que a finalidade do estágio é a de propiciar ao aluno uma aproximação à realidade na qual atuará.  Assim, o estágio se afasta da compreensão até então corrente, de que seria a parte prática do curso. Defendem uma nova postura, uma redefinição do estágio que deve caminhar para a reflexão, a partir da realidade.  Não considera metodologias prontas ou certezas absolutas. Teoria e(m)prática, constante reelaboração.
  • 23. Pesquisa no estágio e estágio de pesquisa  A pesquisa no estágio, como método de formação dos estagiários futuros professores, se traduz pela mobilização de pesquisas que permitam a ampliação e análise dos contextos onde os estágios se realizam. Mas também e, em especial, na possibilidade de os estagiários desenvolverem postura e habilidades de pesquisador a partir das situações de estágio, elaborando projetos que lhes permitam ao mesmo tempo compreender e problematizar as situações que observam.  Esse estágio pressupõe outra postura diante do conhecimento, que passe a considerá-lo não mais como verdade capaz de explicar toda e qualquer situação observada
  • 24. Estágio de observação e pesquisa  Tendência que remonta aos anos 1990.  Mobilização de pesquisas que permitam análise dos contextos e possível atuação.  Projetos que permitam compreender e problematizar as situações que observam.  Formulação do estágio como atividade teórica instrumentalizadora da práxis.  Prevê a formação do profissional reflexivo.
  • 25. Profissional reflexivo e professor- pesquisador  Base na epistemologia da prática: ação docente do professor pesquisador da própria prática.  Não separação entre teoria e prática:  Portanto, o papel da teoria é oferecer aos professores perspectivas de análise para compreenderem os contextos históricos, sociais, culturais, organizacionais e de si mesmos como profissionais, nos quais se dá sua atividade docente, para neles intervir, transformando-os. Daí, é fundamental o permanente exercício da crítica das condições materiais nas quais o ensino ocorre.
  • 26. Epistemologia da prática  Os saberes teóricos propositivos se articulam, pois, aos saberes da ação dos professores e da prática institucional, resignificando- os e sendo por eles re-significados.  Segredo: reconhecer as limitações e tentar superá-las pela pesquisa e reflexão na docência em formação.
  • 27. Epistemologia da prática  “Procedendo a uma análise de pesquisas realizadas no campo da didática e prática de ensino (Pimenta, 2002), conclui-se que as pesquisas estão privilegiando a análise de situações da prática e dos contextos escolares e revelando a importância que a perspectiva da epistemologia da prática vem assumindo.”  “As pesquisas sobre avaliação e fracasso escolar, por exemplo, revelam avanço significativo na abordagem do tema ao trazerem dados das situações concretas e propositivas, superando os discursos e adentrando a complexidade prática.”  O Desenvolvimento e amadurecimento da prática se dá pela pesquisa.
  • 28. Professor- orientador e pesquisador  O estágio abre possibilidade para os professores orientadores proporem tanto a mobilização de pesquisas para ampliar a compreensão das situações vivenciadas e observadas nas escolas, nos sistemas de ensino e nas demais situações, como pode provocar, a partir dessa vivência, a elaboração de projetos de pesquisa a ser desenvolvidos concomitante ou após o período de estágio.
  • 29. Professor pesquisador em formação  Quanto à concepção do professor como pesquisador, desenvolvida por Stenhouse, aponta que este não inclui a crítica ao contexto social em que se dá a ação educativa. Assim, reduz a investigação sobre a prática aos problemas pedagógicos que geram ações particulares em aula, perspectiva essa restrita, pois desconsidera a influência da realidade social sobre ações e pensamentos e sobre o conhecimento como produto de contextos sociais e históricos.
  • 30. Professor pesquisador em formação  Giroux (1990) de que a mera reflexão sobre o trabalho docente de sala de aula é insuficiente para uma compreensão teórica dos elementos que condicionam a prática profissional. Por isso, o processo de emancipação a que se refere Stenhouse é mais o de liberação de amarras psicológicas individuais do que o de uma emancipação social.  superação de limites a partir de teoria(s) que permita(m) aos professores entenderem as restrições impostas pela prática institucional e pelo histórico social ao ensino, de modo a identificar o potencial transformador das práticas.
  • 31. Professor pesquisador em formação  teoria(s) que permita(m) aos professores entenderem as restrições impostas pela prática institucional e pelo histórico social ao ensino, de modo a identificar o potencial transformador das práticas.  Libâneo: apropriação e produção de teorias.  Carr: Caráter transitório das práticas dos professores.  Charlot: Atenção aos professores e pares.
  • 32. Conceito de professor reflexivo  A análise crítica contextualizada do conceito de professor reflexivo permite superar suas limitações, afirmando-o como um conceito político-epistemológico que requer o suporte de políticas públicas consequentes para sua efetivação.
  • 33. Estágio como pesquisa  A complexidade da educação como prática social permite tratar o professor como imerso num sistema educacional, em uma dada sociedade e em um tempo histórico determinado. Uma organização curricular propiciadora dessa compreensão parte da análise do real com o recurso das teorias e da cultura pedagógica, para propor e gestar novas práticas, num exercício coletivo de criatividade.  Os lugares da prática educativa, as escolas e outras instâncias existentes num tempo e num espaço, são o campo de atuação dos professores (os já formados e os em formação). O conhecimento e a interpretação desse real existente serão o ponto de partida dos cursos de licenciatura.
  • 34. Estágio como pesquisa  Esse conhecimento envolve o estudo, a análise, a problematização, a reflexão e a proposição de soluções às situações de ensinar e aprender. Envolve também experimentar situações de ensinar, aprender a elaborar, executar e avaliar projetos de ensino não apenas nas salas de aula, mas também nos diferentes espaços da escola.  Postura teórico- metodológica que visa desenvolver nos alunos, futuros professores, habilidades para o conhecimento e a análise das escolas, espaço institucional onde ocorre o ensino e a aprendizagem, bem como das comunidades onde se insere. Envolve, também, o conhecimento, a utilização e a avaliação de técnicas, métodos e estratégias de ensinar em situações diversas. Envolve a habilidade de leitura e reconhecimento das teorias presentes nas práticas pedagógicas das instituições
  • 35. Estágio como pesquisa  Possibilita a relação entre os saberes teóricos e os saberes das práticas ocorra durante todo o percurso da formação, garantindo, inclusive, que os alunos aprimorem sua escolha de serem professores a partir do contato com as realidades de sua profissão.  Desafios: intercâmbio com trabalho coletivo. Conexões entre teoria e práticas exigem amadurecimento.
  • 36. Referências  PIMENTA, Selma Garrido; LIMA, Maria. Estágio e docência: diferentes concepções. In: Revista Poíesis -Volume 3, Números 3 e 4, pp.5-24, 2005/2006. Disponível em: http://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=&esrc =s&source=web&cd=1&ved=0CCwQFjAA&url=htt p%3A%2F%2Fwww.revistas.ufg.br%2Findex.php %2Fpoiesis%2Farticle%2Fdownload%2F10542% 2F7012&ei=rd9CUqvHIfDs2AXT24CACg&usg=AF QjCNEE_dQkI- UUpRbEZs1kDbiQxhsnAQ&bvm=bv.53077864,d. dmg. Acesso em 10-9-2013.