SlideShare uma empresa Scribd logo
Idéias, concepções e teorias que sustentam a prática pedagógica do professor
Na prática pedagógica, as ações do professor se orientam por um conjunto de idéias, concepções,
teorias, mesmo que sua existência seja inconsciente. É possível compreender a ação docente, analisando a sua
concepção de mundo, de sociedade, de aluno, de ensino, entre outros, que se expressa em seus atos, referente a:
 Seleção dos conteúdos que os alunos vão aprender
 Como acredita que se dá o processo de aprendizagem – Os caminhos para a aprendizagem acontecer.
 Como acredita que deve ser o ensino.
A teoria empirista
 O modelo de aprendizagem estímulo-resposta. Substitui respostas erradas por certas.
 O aluno é vazio, mas vai ser preenchido pelas experiências com o mundo. Ele vai acumulando as
informações. (Paulo Freire chama isso de Educação bancária).
 A aprendizagem é o acumulo de informações.
 O processo de ensino é caracterizado pela cópia - questionário - repetições.
 O ensino se dá através da memorização.
 O aluno precisa memorizar e fixar as informações, que seguem das mais simples às mais complexas. (A
decorreba da tabuada, sem saber o que está decorando, é exemplo disso).
No construtivismo
 O conhecimento pressupõe uma atividade que organiza e integra os novos conhecimentos aos já
existentes (Conhecimentos Prévios).
 O conhecimento prévio é a base da aprendizagem.
 O conhecimento é uma transformação do que já existe. Precisa ser algo apreensível.
 O aluno é um sujeito ativo que para aprender: reflete e interage com outras pessoas. Ele precisa
transformar a informação para poder assimilar.
 A idéia distorcida do construtivismo levou professores a deixar o aluno livre, construindo sem próprios
conhecimentos, sem a importante intervenção pedagógica.
 O professor deve atuar o tempo inteiro, propondo atividades, encorajando os alunos em suas ousadias,
desafiando. A intervenção do professor é determinante no processo de aprendizagem.
 O modelo de ensino se dá através de resolução de problemas, onde o professor também é aprendiz.
 O professor deve tomar cuidados com os erros cometidos pelos alunos (não deixar o aluno “fazer do seu
jeito” sem corrigir os erros) e ir montando as atividades que levam a construção do conhecimento.
LIBÂNEO, J. Carlos. Didática. SP: Cortez, 1994, p.119-127.
OS OBJETIVOS DE ENSINO
2
Os objetivos são resultados esperados do trabalho desempenhado por professores e alunos. Expressam
conhecimentos, habilidades e hábitos a serem adquiridos para desenvolvimento das qualidades humanas.
Referências para a formulação dos objetivos:
 Valores e ideais presentes nas leis educacionais (os propósitos das forças políticas dominantes);
 Conteúdos básicos das ciências, produzidos e elaborados no decurso da prática social humana;
 Necessidades e expectativas de formação cultural exigidas pela população majoritária da sociedade.
Os objetivos requerem posicionamento ativo do professor no planejamento escolar e no
desenvolvimento das aulas. O professor deverá:
 Fazer uma avaliação crítica das referências acima.
 Saber avaliar a pertinência dos objetivos propostos pelo sistema escolar oficial.
 Saber compatibilizar os conteúdos com necessidades, aspirações, expectativas dos alunos.
 Tornar os conteúdos exeqüíveis face às condições sócio-culturais e de aprendizagem dos alunos.
 Perceber que é agente de uma prática profissional inserida no contexto da prática social.
Objetivos gerais - expressam propósito mais amplo acerca do papel da escola e do ensino diante das
exigências reais da sociedade e diante do desenvolvimento da personalidade do aluno.
Os objetivos gerais são explicitados em 3 níveis, pelo:
 Sistema escolar – expressa as finalidades educativas de acordo com ideais e valores dominantes.
 Escola - estabelece princípios e diretrizes do trabalho escolar com base no Projeto Político
Pedagógico.
 Professor - concretiza no ensino da matéria a sua própria visão de educação e de sociedade.
Os objetivos gerais que podem auxiliar os professores na seleção dos específicos e conteúdos são:
 Colocar a educação escolar no conjunto das lutas pela democratização – levar os alunos a se
perceberem como sujeitos ativos.
 Garantir a todos, (sem discriminação) sólida preparação cultural e científica, evitando reprovações.
 Assegurar a todos o máximo de desenvolvimento de suas potencialidades, buscando superação das
desvantagens decorrentes das condições sócio-econômica.
 Formar nos alunos a capacidade crítica e criativa em relação às matérias de ensino e à aplicação dos
conhecimentos e habilidades.
 Atender a função educativa - formação de convicções para a vida coletiva (ética, caráter, lealdade,
dignidade, solidariedade, educação física e estética - apreciação das artes).
 Envolver toda a comunidade escolar.
A partir desses objetivos gerais, o professor define os objetivos específicos.
Objetivos específicos - determinam exigências e resultados esperados da atividade dos alunos referentes a
conhecimento, habilidade, atitudes e convicções. O professor deve vincular os objetivos específicos aos
gerais e também:
 Especificar conhecimentos, habilidades, capacidades que sejam fundamentais para serem assimiladas
e aplicadas em situações futuras, na escola e na vida prática;
 Observar uma seqüência lógica, de formar que os conceitos e habilidades estejam inter-relacionados,
possibilitando aos alunos uma compreensão de conjunto;
 Expressar os objetivos com clareza, de modo que sejam compreensíveis aos alunos e permitam que
estes introjetem os objetivos de ensino como objetivos seus;
 Dosar o grau de dificuldades, de modo que expressem desafios, questões estimulantes e viáveis;
 Formular os objetivos como resultados a atingir, facilitando o processo de avaliação;
 Indicar os resultados do trabalho dos alunos (o que devem compreender, saber, fazer, etc).
ZABALA, Antoni. A prática educativa: como ensinar. Porto Alegre: ArtMed, 1998, p. 41-48.
Tipologia dos conteúdos
3
Conteúdos factuais
 Referem-se ao conhecimento de fatos, situações, dados e fenômenos concretos. (Idade de alguém,
conquista de terras, localização de algo, códigos, matemática, física, etc).
 Tradicionalmente é o que o “homem culto” sabe – é o conteúdo do vestibular e concursos.
 Não devem ser conhecimentos mecânicos, precisam está associado a conceitos.
 Percebe-se que alguém aprendeu quando é capaz de reproduzir (muitas vezes sem compreensão),
quando recorda e expressa a data e o nome de algum acontecimento (descobrimento do Brasil) ou
quando há lembrança dos acontecimentos (de um romance).
 Podem ser aprendidos através de cópias, memorização, exercício de repetição verbal (tabuada),
estratégias de organização significativa ou associações entre conteúdos.
Conteúdos conceituais
 Conceito é o conjunto de fatos, objetos, ou símbolos que tem características comuns. (mamífero,
sujeito, romantismo, cidade).
 Princípios – se referem às mudanças que se produzem num fato, objeto, ou situação relacionada a
outros fatos, objetos.
 Ambos necessitam de compreensão para se aprender. Se a pessoa não entende o significado do que
é um rio, se apenas repete sua definição e não utiliza o termo em qualquer outra atividade, não
aprendeu.
 Esta aprendizagem requer compreensão e não reprodução. É uma aprendizagem que nunca se caba
e que serve para construção de outras idéias.
Conteúdos procedimentais
 É um conjunto de ações ordenadas e dirigidas para realização de um objetivo (ler, desenhar, observar,
calcular, classificar, traduzir, saltar, etc)
 Como se aprende os conteúdos procedimentais?
1. Realizando a ação (aprende-se a ler, lendo).
2. Sempre exercitando (não basta fazer só uma vez).
3. Refletindo sobre a ação (tornar a ação consciente).
4. Aplicando em diversos contextos (Resolver 3 x 9 em qualquer situação).
Conteúdos atitudinais
 São conteúdos referentes a valores, atitudes e normas.
1. Valores – solidariedade, respeito aos outros, responsabilidade, liberdade – se adquire quando
é interiorizado e quando se elabora critérios para tomar posição.
2. Atitudes – cooperar com o grupo, ajudar aos colegas, respeitar o meio ambiente, participar de
tarefas escolares. – aprende-se quando a pessoa pensa e atua.
3. Normas – padrões ou regras de comportamento que os membros de um grupo devem seguir. –
(não rasgar cartazes, não roubar). – aprende-se quando se conforma se interioriza e se aceita
como regras para o funcionamento do grupo.
 A aprendizagem dos conteúdos atitudinais supõe conhecimento, reflexão, análise, tomada de posição,
revisão e avaliação da própria atuação.
LIBÂNEO, J. Carlos. Didática. SP: Cortez, 1994, p.149-172.
OS MÉTODOS DE ENSINO
Conceito de método de ensino.
 É o caminho para atingir um objetivo, com os meios adequados; (investigação científica; assimilação do
conhecimento, etc.)
 Ver o objeto de estudo nas suas propriedades e relações com outros objetos e fenômenos e sob vários ângulos;
 São ações, passos e procedimentos vinculados a reflexão, compreensão e transformação da realidade;
 São ações do professor pelas quais se organizam as atividades de ensino e dos alunos para atingir os objetivos;
 Deve expressar compreensão global do processo educativo na sociedade:
A escolha e organização dos métodos.
4
 Deve corresponder à necessária unidade objetivo-conteúdo-método. (um depende do outro para ter sucesso).
 Dependem dos conteúdos específicos;
 Implica o conhecimento das características dos alunos quanto à capacidade de assimilação e quanto as suas
características sócio-culturais e individuais; (ligação entre os objetivos e as condições de aprender do aluno);
Princípios básicos do ensino.
 Ter caráter científico e sistemático. (Ficar atento ao conteúdo científico);
 Ser compreensível e possível de ser assimilado. (Ver as condições dos alunos e ir dosando as dificuldades);
 Assegurar a relação conhecimento-prática. (Saber aplicar o conhecimento na sua vida prática);
 Apoiar-se na unidade ensino-aprendizagem. (Criar condições de ensino que resultem em aprendizagem);
 Garantir a solidez dos conhecimentos. (Recapitulação, fixação, etc);
 Levar à vinculação trabalho coletivo – particularidades individuais. (Educar a todos, observando as diferenças).
Classificação dos métodos de ensino.
1. Método de exposição pelo professor. Na exposição, o professor deve mobilizar a atividade interna do aluno de
concentrar-se e de pensar, e a combinar com outros procedimentos.
 Exposição verbal – sua função é explicar um assunto desconhecido. O professor deverá estimular sentimentos,
instigar a curiosidade, relatar sugestivamente um fato, descrever com vivacidade uma situação real, fazer leitura
expressiva, etc.
 Demonstração – é a forma de representar fenômenos e processos reais (germinação).
 Ilustração – é uma forma de representar fatos e fenômenos reais através de gráficos, mapas, esquemas,
gravuras, etc. (Requer dos alunos capacidade de concentração e observação).
 Exemplificação – é um meio de auxiliar a exposição verbal
2. Método de trabalho independente. (Uma das formas didática desse método é o estudo dirigido).
Atividades realizadas pelos alunos, dirigidas e orientadas pelo professor. Para que esse método seja eficiente, o
professor precisa: - Dar tarefas claras e acessíveis; - Assegurar condições de trabalho (silêncio, material, etc); -
Acompanhar de perto; - Aproveitar o resultado da tarefa para toda classe.
3. Método de elaboração conjunta. Interação entre alunos e professor. É a conversação, aula dialogada, com elaboração
de perguntas que leve os alunos a reflexão.
4. Método de trabalho em grupo. Sua finalidade é obter a cooperação dos alunos para realização de uma tarefa.
 Debate – os debatedores devem defender uma posição.
 Philips 66 – seis grupos de seis pessoas discutem uma questão em poucos minutos e apresentam a conclusão.
(Verifica o nível de conhecimento da turma antes ou depois de uma explicação).
 Tempestade mental – escrever no quadro o que vem em mente sobre determinado assunto, destacar o mais
relevante e discutir.
 Grupo de verbalização – grupo de observação (GV-GO) – uma parte da turma forma um círculo central para
discutir o tema, outra parte fica em volta observando se o que está sendo apresentado tem coerência.
 Seminário – pode ser exposição ou conversação sobre determinado assunto previamente estudado pelo grupo.
5. Atividades especiais. Complementam os métodos de ensino com objetivo de assimilação dos conteúdos. São os:
Jornal escolar, Museu escolar, Teatro, Biblioteca escolar, estudo do meio, etc.
O Estudo do meio não se limita só aos passeios, mas a todos os procedimentos que possibilitem a discussão e
compreensão do cotidiano. São necessárias 3 fases:
Planejamento – o que observar? Que perguntas poderão ser feitas? (O professor deverá fazer conhecer o local)
Execução – observar, tomar nota, conversar com as pessoas, etc.
Exploração dos resultados e avaliação – relatório, redação, sistematização pelo professor. Utilidade do estudo.
ZABALA, Antoni. A prática educativa: como ensinar. Porto Alegre: ArtMed, 1998, p. 195-209.
A AVALIAÇÃO
 A avaliação muitas vezes foi concebida apenas enquanto valorização dos resultados obtidos pelo
aluno. Hoje, a avaliação é um processo que envolve aluno, classe e professores.
 Se o objetivo do ensino é o desenvolvimento de todas as capacidades da pessoa (com a articulação
dos conteúdos atitudinais, conceituais e procedimentais), então a avaliação deve considerar todo esse
processo. Tudo depende dos objetivos selecionados.
5
 Avaliação serve para aperfeiçoar a prática educativa que levará o aluno a conseguir desenvolver
várias competências e avaliar a ação docente. Inclui todo o processo de ensino aprendizagem.
A avaliação em processo tem várias fases:
Avaliação inicial.
 Vai identificar o que cada aluno sabe fazer e como faz.
 É o ponto de partida para o objetivo, os conteúdos e as atividades que o professor vai elaborar.
 Conforme os alunos vão se desenvolvendo, o docente vai propondo novas atividades com novos
desafios para aprendizagem.
 Assim estaremos realizando a avaliação reguladora (com adaptações e adequações) ou formativa.
Avaliação final
 É o conhecimento dos resultados obtidos.
Avaliação integradora ou somativa
 É o conhecimento e avaliação de todo o percurso feito pelo aluno do início ao fim. Identificando o que
precisa ser feito ou refeito.
Avaliação dos conteúdos factuais
 A aprendizagem dos fatos implica o conhecimento significativo e a compreensão dos conteúdos.
 É preciso associar os fatos aos conceitos. O que é uma capital? É preciso citar determinada capital,
mas compreender o que significa capital. Entender e saber o que significou o descobrimento do Brasil.
Avaliação dos conteúdos conceituais
 Avaliar a aprendizagem desses conteúdos não é fácil, considerando que a aprendizagem de um
conceito dificilmente está concluída. Tudo depende do nível de profundidade de compreensão e da
capacidade dos alunos para utilizar convenientemente os conceitos apreendidos.
 É comum, nesse caso, o uso de perguntas orais ou escritas onde se espera que o aluno responda de
acordo com o livro.
 A aprendizagem dos conceitos não pode se prender as repetições.
 O professor precisa observar os alunos no uso dos conceitos em diversas situações e explicações
espontâneas (trabalho em equipe, debate, dialogo, etc).
 Tanto os conteúdos dos fatos, como dos conceitos se situam na capacidade cognitiva. É preciso
identificar o que os alunos sabem sobre estes conteúdos.
Avaliação dos conteúdos procedimentais
 Esses conteúdos implicam saber fazer.
 Para a sua avaliação é preciso fazer. Percebemos sua aprendizagem quando acontece a transposição
para a prática. O professor percebe isso através da observação sistemática. Como saber se um aluno
aprendeu a calcular? Fazendo com que calcule.
Avaliação dos conteúdos atitudinais
 Esses conteúdos são muitas vezes esquecidos nas escolas.
 Para a avaliação desses conteúdos é preciso situações conflitantes que permitam a observação do
comportamento e a opinião de cada aluno (no recreio, passeio, debates, atividade em equipe, etc.).
DELORS, Jacques. (org). Educação: Um tesouro a descobrir. Relatório para UNESCO da Comissão
Internacional sobre a Educação para o Século XXI. MEC- CORTEZ.
OS 4 PILARES DA EDUCAÇÃO
 Cabe a educação, de forma competente, fornecer os saberes que contribuam para a compreensão e
vivência no mundo atual, cheio de complexidade.
 Os conhecimentos precisam sempre está atualizado devendo ser, ao longo da vida, aprofundados e
enriquecidos.
6
 Para isso, a educação deve organizar-se em torno de 4 aprendizagens fundamentais:
APRENDER A CONHECER
 Combinando uma cultura geral, suficientemente vasta, com a possibilidade de trabalhar em
profundidade um pequeno numero de matérias. O que também significa: aprender a aprender, para
beneficiar-se das oportunidades oferecidas pela educação ao longo de toda a vida.
APRENDER A FAZER
 Afim de adquirir qualificação profissional e competências que tornem a pessoa apta a enfrentar as
situações e a trabalhar em equipes. Também aprender a fazer, no âmbito das diversas experiências
sociais ou de trabalho que se oferecem, quer espontaneamente, fruto do contexto local ou nacional, quer
formalmente, graças ao desenvolvimento do ensino alternado com o trabalho.
APRENDER A VIVER JUNTO
 Desenvolvendo a compreensão do outro e a percepção das interdependências - realizar projetos comuns
e preparar-se para gerir conflitos - no respeito pelos valores do pluralismo, da compreensão mutua e da
paz.
APRENDER A SER
 Para melhor desenvolver a sua personalidade e estar a altura de agir com cada vez maior capacidade de
autonomia, de discernimento e de responsabilidade pessoal. Para isso, não negligenciar na educação
nenhuma das potencialidades de cada indivíduo: memória, raciocínio, sentido estético, capacidades
físicas, aptidão para comunicar-se.
ABORDAGENS E PRÁTICA PEDAGÓGICA1
Maria da Conceição dos Reis
A prática pedagógica está fundamentada na concepção de vida e sociedade do professor. É a partir dela que o professor realiza as
atividades cotidianas nas escolas, seguindo uma linha pedagógica que fornece diretrizes para essas atividades, pois a pratica pedagógica
destinada à sala de aula é, ainda hoje, influenciada pelas várias tendências ou teorias pedagógicas que marcaram a história educacional no Brasil.
1 Texto elaborado a partir da dissertação de mestrado da autora para a disciplina Didática - 2006
7
Saviani (2002) classifica essas teorias em dois grupos: teorias não-críticas e teorias crítico-reprodutivista e apresenta uma nova
proposta através da teoria crítica. Essas idéias são apresentadas através de cinco enfoques: tradicional, escolanovismo, tecnicismo, crítico-
reprodutivista e histórico-crítica.
Pelas idéias abordadas nas teorias não-críticas, a educação é entendida como instrumento de superação social. O aluno
marginalizado deveria ser integrado a sociedade. Cabendo a educação corrigir as distorções sociais. As idéias das teorias não críticas se
expressam através da Pedagogia Tradicional, Pedagogia Nova e Pedagogia Tecnicista. Vejamos:
A Pedagogia Tradicional teve inicio juntamente com a educação escolar no Brasil, através dos jesuítas que, mesmo sem
facilitar uma prática pedagógica que contribuísse com a transformação da vida social e econômica da colônia, monopolizaram toda essa
educação desde 1549 até a expulsão da Companhia de Jesus em 1759.
Essa expulsou não fez mudar o princípio pedagógico, apenas mudou os interesses - por passar das mãos da igreja para a
burguesia - o que antes era pedagogia tradicional religiosa, transformou-se em pedagogia tradicional leiga. (Saviani, 2002).
Com o discurso de construir uma sociedade democrática, a burguesia, que acabara de se consolidar no poder, defendia o
conhecimento para todos. Cabia a escola e ao professor transmitir o conhecimento aos alunos organizados em classes. O professor era o centro
das atenções que, através das aulas expositivas, transmitia todo o conteúdo que ele mesmo determinava para o aluno. Esse, ouvia passivamente
e disciplinadamente, sem direito a desenvolver sua criatividade. Mas, começa a surgir os problemas, pois a escola não conseguia ser universal,
os alunos que ingressavam não obteriam os mesmos resultados esperados pela escola, "não se ajustavam ao tipo de sociedade que se queria
consolidar". (idem, p.7). A educação era totalmente dissociada das questões sociais vigentes. Também, não havia unidade entre prática e teoria.
A prática era vista como aplicação da teoria. (Veiga, 1989: 44). Porém, essa tendência predominou, aproximadamente, até 1930.
Com inspiração filosófica no humanismo moderno - visão de homem centrada na própria existência, - que ganha impulso em 1924
com a criação da Associação Brasileira de Educação, começa a surgir a Pedagogia Nova fazendo críticas à pedagogia tradicional. O
escolanovismo, como ficou sendo conhecido, acreditava no potencial da escola para erradicar a marginalidade social (o que a escola tradicional
não estava conseguindo). Foi a partir dessa percepção que começou o movimento de reforma dessa escola, que passou a ser vista como
"redentora da humanidade". O professor passou a ser o facilitador da aprendizagem. O aluno era o centro de tudo, que deveria ser respeitado
em suas escolhas. "A prática pedagógica é ancorada em si mesma, sem vinculação com o contexto mais amplo" (Veiga, 1989:52).
Essa tendência galgou forma no Brasil através da elaboração do projeto da primeira Lei de Diretrizes e Base da Educação, pois para
sua elaboração estavam presentes os principais educadores escolanovistas e representantes católicos, portanto puderam definir os caminhos da
educação brasileira.
Para atender aos pressupostos da Escola Nova, a educação católica, que ainda tinha muito poder, influência e predomínio em várias
escolas, buscou se renovar através do método pedagógico de Montessori e Lubienska, disseminando o amor que o professor deveria ter com as
crianças, para que as mesmas pudessem aprender num ambiente amoroso e feliz. Foi em 1932 que surgiu o Manifesto da Escola Nova, cuja
essência predominou até 1960, quando começa a apresentar os sinais de crise. Com isso, ganha força a concepção analítica com seus princípios
científicos objetivos, racionais e neutros.
Em 1969, começa a ascensão da Pedagogia Tecnicista,dando ênfase a formação de técnicos para educação. Ao professor competia
efetivar a prática: A relação professor-aluno é estritamente técnica, ou seja, visa a garantir a eficácia da transmissão dos conhecimentos.
(Veiga, 1989: 58)
O que mais tinha destaque nesta teoria eram as técnicas e os métodos, que se preocupavam em preparar a mão-de-obra para o
mercado de trabalho que atendia aos interesses do capitalismo. A autora chama atenção que nesta visão, a separação entre teoria e prática
fica mais acentuada.
8
Durante o governo militar esta pedagogia teve seu ponto alto, porém começam os estudos à crítica da educação dominante. Os
educadores não aceitavam este tipo de educação baseada no autoritarismo e tecnicismo, que confiava à escola, através dos seus meios de
instrução baseada no behaviorismo, a função de conservar a sociedade capitalista vigente.
A partir de 1974, com a abertura do regime militar no Brasil, os estudos e críticas dos educadores preocupados com os
caminhos da educação nacional, começam a se destacar através de denúncias à pedagogia oficial e fazendo surgir uma nova pedagogia
denominada por Saviani (2002) de crítico-reprodutivista, por conceber a função da educação como reprodução das relações sociais, sem
vislumbrar a possibilidade de uma educação que pudesse está comprometida em promover a transformação dessas relações.
Portanto, estas teorias apenas explicam/criticam como a escola esta constituída. Nasce da crítica, mas não elabora uma proposta
pedagógica, vive apenas a combater as que se apresentam.
É por esta falta de proposta da pedagogia crítico-reprodutivista e pelo descrédito na transformação da escola, que em 1979 começa a
se espalhar à discussão sobre uma nova tendência embasada na concepção dialética. É neste período que nasce a pedagogia que Saviani
denomina de histórico-crítica, procurando articular uma proposta pedagógica que busque a transformação social, através do resgate da
importância da escola, da interação entre os sujeitos e da reorganização do trabalho educativo. Sobre a interação professor-aluno, inclusa nesta
teoria histórico-crítica Veiga (1989) explica que:
O trabalho pedagógico está centrado não no professor e no aluno, mas na questão central da
formação do homem. O professor é valorizado no seu papel de autoridade que orienta e favorece o
processo de ensinar e de aprender.
(...) O aluno e visto como um ser concreto situado historicamente. Traz consigo um saber que Ihe é
próprio, e que precisa ser valorizado e reelaborado para que, concretamente, possa gerar mudanças
na realidade. Neste sentido, a relação pedagógica é calcada na autonomia e reciprocidade,
provenientes de um processo de maturação. (67)
É dessa forma que Saviani (2002) reconhece na educação um instrumento de luta, e diante da visão dialética, o professor, com
uma prática pedagógica reflexiva, crítica, criativa e transformadora, instrumentaliza seu aluno para a prática social através da construção
crítica do saber.
Portanto, o professor que se propõe crítico, precisa estar preparado para a prática pedagógica ancorada numa
concepção de educação articulada com a realidade social. Uma ação pedagógica que valorize a relação dialética teoria-
prática, em que a prática seja uma ação guiada e mediada pela teoria. A unidade entre o ideal (a teoria) e o real (a prática),
é de extrema importância no trabalho desenvolvido no cotidiano escolar para que os professores estejam atentos no pensar
e no fazer.
É nessa relação dialética, com a prática sendo alimentada pela teoria, e, ao mesmo tempo, a teoria sendo
alimentada pela prática, que se mantém a prática pedagógica do professor com características renovada, reflexiva e
transformadora.
Libâneo (2000, p. 37) afirma que os professores precisam ser críticos para compreender e analisar criticamente a
sociedade, a política, as diferenças sociais, a diversidade cultural, os interesses de classe, agir diante das situações
escolares e, assim, problematizar com os alunos o conhecimento.
Ao dissertar sobre prática pedagógica que busca uma transformação, ressalta-se a contribuição do educador Paulo
Freire, enquanto professor crítico/comprometido, que concebe a educação como um ato político, compreendendo-a como
9
um instrumento de luta que, em conjunto com as outras práticas sociais, está a serviço da transformação da sociedade
vigente.
Para Freire, a educação é uma forma de intervenção no mundo das pessoas, que se dá do local ao universal, de
forma dialética, em um esforço de desmistificação da ideologia dominante.
Conheça todos os simulados:
http://eshops.mercadolivre.com.br/LCMG2015
Concurso Professor - 1268 Questões
Todos os oitos produtos abaixo por apenas R$ 50,00
Você economizará R$ 14,00.
Clique nesse link para mais informações: http://bit.ly/1SZzsru
CONTATO VIA WHATAPPS: 8894457345
10
Valor R$ 12,00
Clique no link:
http://bit.ly/1VHPICW
Valor R$ 7,00
Clique no link:
http://bit.ly/1VmsQJo
Valor R$ 6,00
Clique no link:
http://bit.ly/1YIz6cp
Valor R$ 15,00
Clique no link:
http://bit.ly/232jQZ2
Valor R$ 6,00
Clique no link:
http://bit.ly/1rBoTUW
Valor R$ 6,00
Clique no link:
http://bit.ly/24DKH3J
Valor R$ 8,00
Clique no link:
http://bit.ly/1TNvfJW
Valor R$ 6,00
Clique no link:
http://bit.ly/1TO0IeZ
Valor R$ 6,00
Clique no link:
http://bit.ly/1XfEVzY
11
Quatro materiais no valor R$ 30,00
Clique no link:
http://bit.ly/1UdIm9n
Três materiais no valor R$ 30,00
Clique no link:
http://bit.ly/26q9KFV
12
R$ 10,00
Clique no link:
http://bit.ly/1U6V7T9
Valor R$ 8,00
Clique no link:
http://bit.ly/1VeSdwA
Valor R$ 10,00
Clique no link:
http://bit.ly/1qCCB9h
13
Valor R$ 35,00
Clique no link:
http://bit.ly/1Sbytrq

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Relação Professor Aluno
Relação Professor Aluno Relação Professor Aluno
Relação Professor Aluno
Universidade Federal do Ceará
 
Gestão de sala de aula
Gestão de sala de aulaGestão de sala de aula
Gestão de sala de aula
formacaodecoordenadores
 
Avaliação: tipos e funções
Avaliação: tipos e funçõesAvaliação: tipos e funções
Avaliação: tipos e funções
Kogen Gouveia
 
Slides Sextas inclusivas- práticas pedagógicas
Slides Sextas inclusivas- práticas pedagógicasSlides Sextas inclusivas- práticas pedagógicas
Slides Sextas inclusivas- práticas pedagógicas
Marily Oliveira
 
Gestão de sala de aula
Gestão de sala de aula Gestão de sala de aula
Gestão de sala de aula
mtolentino1507
 
Planejamento pedagógico alinhado à BNCC
Planejamento pedagógico alinhado à BNCCPlanejamento pedagógico alinhado à BNCC
Planejamento pedagógico alinhado à BNCC
ThalesSantos36
 
Plano Anual de Ação da Orientação Escolar
Plano Anual de Ação da Orientação Escolar Plano Anual de Ação da Orientação Escolar
Plano Anual de Ação da Orientação Escolar
LOCIMAR MASSALAI
 
Planejamento e ação docente 2
Planejamento e ação docente 2Planejamento e ação docente 2
Planejamento e ação docente 2
Joao Balbi
 
Didatica teórica e tendências
Didatica teórica e tendênciasDidatica teórica e tendências
Didatica teórica e tendências
Victor Nilu Fabiana Barros
 
1.9 quadro sintese das tendências pedagógicas (1)
1.9 quadro sintese das tendências pedagógicas (1)1.9 quadro sintese das tendências pedagógicas (1)
1.9 quadro sintese das tendências pedagógicas (1)
Eduardo Lopes
 
1.processo de ensino e aprendizagem
1.processo de ensino e aprendizagem1.processo de ensino e aprendizagem
1.processo de ensino e aprendizagem
Alba Mate Mate
 
Conselho de classe
Conselho de classeConselho de classe
Conselho de classe
Vadeilza Castilho
 
Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.
Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.
Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.
Instituto Consciência GO
 
Org do tempo e espaço
Org do tempo e espaçoOrg do tempo e espaço
Org do tempo e espaço
Fabiola Sampaio
 
Supervisao escolar-o-papel-do-supervisor-escolar
Supervisao escolar-o-papel-do-supervisor-escolarSupervisao escolar-o-papel-do-supervisor-escolar
Supervisao escolar-o-papel-do-supervisor-escolar
francinethmedeiros
 
PALESTRA: RELAÇÃO AFETIVA PROFESSOR E ALUNO
PALESTRA: RELAÇÃO AFETIVA PROFESSOR E ALUNOPALESTRA: RELAÇÃO AFETIVA PROFESSOR E ALUNO
PALESTRA: RELAÇÃO AFETIVA PROFESSOR E ALUNO
Cezar Sena
 
Gestão democrática na escola pública
Gestão democrática na escola públicaGestão democrática na escola pública
Gestão democrática na escola pública
Ulisses Vakirtzis
 
BNCC na prática
BNCC na práticaBNCC na prática
BNCC na prática
Grasiela Dourado
 
Currículo
CurrículoCurrículo
Plano de ação para coordenação pedagógica
Plano de ação para coordenação pedagógicaPlano de ação para coordenação pedagógica
Plano de ação para coordenação pedagógica
Blog Amiga da Pedagogia By Nathália
 

Mais procurados (20)

Relação Professor Aluno
Relação Professor Aluno Relação Professor Aluno
Relação Professor Aluno
 
Gestão de sala de aula
Gestão de sala de aulaGestão de sala de aula
Gestão de sala de aula
 
Avaliação: tipos e funções
Avaliação: tipos e funçõesAvaliação: tipos e funções
Avaliação: tipos e funções
 
Slides Sextas inclusivas- práticas pedagógicas
Slides Sextas inclusivas- práticas pedagógicasSlides Sextas inclusivas- práticas pedagógicas
Slides Sextas inclusivas- práticas pedagógicas
 
Gestão de sala de aula
Gestão de sala de aula Gestão de sala de aula
Gestão de sala de aula
 
Planejamento pedagógico alinhado à BNCC
Planejamento pedagógico alinhado à BNCCPlanejamento pedagógico alinhado à BNCC
Planejamento pedagógico alinhado à BNCC
 
Plano Anual de Ação da Orientação Escolar
Plano Anual de Ação da Orientação Escolar Plano Anual de Ação da Orientação Escolar
Plano Anual de Ação da Orientação Escolar
 
Planejamento e ação docente 2
Planejamento e ação docente 2Planejamento e ação docente 2
Planejamento e ação docente 2
 
Didatica teórica e tendências
Didatica teórica e tendênciasDidatica teórica e tendências
Didatica teórica e tendências
 
1.9 quadro sintese das tendências pedagógicas (1)
1.9 quadro sintese das tendências pedagógicas (1)1.9 quadro sintese das tendências pedagógicas (1)
1.9 quadro sintese das tendências pedagógicas (1)
 
1.processo de ensino e aprendizagem
1.processo de ensino e aprendizagem1.processo de ensino e aprendizagem
1.processo de ensino e aprendizagem
 
Conselho de classe
Conselho de classeConselho de classe
Conselho de classe
 
Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.
Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.
Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.
 
Org do tempo e espaço
Org do tempo e espaçoOrg do tempo e espaço
Org do tempo e espaço
 
Supervisao escolar-o-papel-do-supervisor-escolar
Supervisao escolar-o-papel-do-supervisor-escolarSupervisao escolar-o-papel-do-supervisor-escolar
Supervisao escolar-o-papel-do-supervisor-escolar
 
PALESTRA: RELAÇÃO AFETIVA PROFESSOR E ALUNO
PALESTRA: RELAÇÃO AFETIVA PROFESSOR E ALUNOPALESTRA: RELAÇÃO AFETIVA PROFESSOR E ALUNO
PALESTRA: RELAÇÃO AFETIVA PROFESSOR E ALUNO
 
Gestão democrática na escola pública
Gestão democrática na escola públicaGestão democrática na escola pública
Gestão democrática na escola pública
 
BNCC na prática
BNCC na práticaBNCC na prática
BNCC na prática
 
Currículo
CurrículoCurrículo
Currículo
 
Plano de ação para coordenação pedagógica
Plano de ação para coordenação pedagógicaPlano de ação para coordenação pedagógica
Plano de ação para coordenação pedagógica
 

Semelhante a Apostila de didatica

13.apostila de didatica.docx
13.apostila de didatica.docx13.apostila de didatica.docx
13.apostila de didatica.docx
AlineMelo123
 
Apostila Didática
Apostila Didática Apostila Didática
Apostila Didática
Luiz C. Melo
 
Resenha do livro do zabala
Resenha do livro do zabalaResenha do livro do zabala
Resenha do livro do zabala
reboferrari
 
Apresentação currículo para o curso PAA e PA
Apresentação currículo para o curso PAA e PAApresentação currículo para o curso PAA e PA
Apresentação currículo para o curso PAA e PA
Cesar Eduardo
 
Palestra Tipos de Conteúdos
Palestra Tipos de ConteúdosPalestra Tipos de Conteúdos
Palestra Tipos de Conteúdos
louisacarla
 
Métodos de ensino
Métodos de ensinoMétodos de ensino
Métodos de ensino
Mara Salvucci
 
Apresentação inicial agosto
Apresentação inicial agostoApresentação inicial agosto
Apresentação inicial agosto
Elvira Aliceda
 
A didatica para o ensino superior
A didatica para o ensino superiorA didatica para o ensino superior
A didatica para o ensino superior
tati mariano
 
U4
U4U4
Didatica i u4
Didatica i u4Didatica i u4
Didatica i u4
Cida Cerqueira
 
pesquisa ação
pesquisa açãopesquisa ação
pesquisa ação
Ana Valeria Silva
 
Estudo dirigido didatica
Estudo dirigido didaticaEstudo dirigido didatica
Estudo dirigido didatica
Josenilza Paiva
 
Novas formas de ensinar 06.03.2012
Novas formas de ensinar 06.03.2012Novas formas de ensinar 06.03.2012
Novas formas de ensinar 06.03.2012
SMEdeItabaianinha
 
Guia da disciplina Didática
Guia da disciplina DidáticaGuia da disciplina Didática
Guia da disciplina Didática
Rosiane Freitas
 
A prática educativa
A prática educativaA prática educativa
A prática educativa
Colegio Mario Evaldo Morski
 
A prática educativa
A prática educativaA prática educativa
A prática educativa
Murielle Gallant
 
A prática educativa zabala
A prática educativa    zabalaA prática educativa    zabala
A prática educativa zabala
Cláudia Helena
 
8. a prática educativa
8. a prática educativa8. a prática educativa
8. a prática educativa
Claudio Lima
 
A+prática+educativa
A+prática+educativaA+prática+educativa
A+prática+educativa
pedagogia para licenciados
 
A+prática+educativa
A+prática+educativaA+prática+educativa
A+prática+educativa
pedagogia para licenciados
 

Semelhante a Apostila de didatica (20)

13.apostila de didatica.docx
13.apostila de didatica.docx13.apostila de didatica.docx
13.apostila de didatica.docx
 
Apostila Didática
Apostila Didática Apostila Didática
Apostila Didática
 
Resenha do livro do zabala
Resenha do livro do zabalaResenha do livro do zabala
Resenha do livro do zabala
 
Apresentação currículo para o curso PAA e PA
Apresentação currículo para o curso PAA e PAApresentação currículo para o curso PAA e PA
Apresentação currículo para o curso PAA e PA
 
Palestra Tipos de Conteúdos
Palestra Tipos de ConteúdosPalestra Tipos de Conteúdos
Palestra Tipos de Conteúdos
 
Métodos de ensino
Métodos de ensinoMétodos de ensino
Métodos de ensino
 
Apresentação inicial agosto
Apresentação inicial agostoApresentação inicial agosto
Apresentação inicial agosto
 
A didatica para o ensino superior
A didatica para o ensino superiorA didatica para o ensino superior
A didatica para o ensino superior
 
U4
U4U4
U4
 
Didatica i u4
Didatica i u4Didatica i u4
Didatica i u4
 
pesquisa ação
pesquisa açãopesquisa ação
pesquisa ação
 
Estudo dirigido didatica
Estudo dirigido didaticaEstudo dirigido didatica
Estudo dirigido didatica
 
Novas formas de ensinar 06.03.2012
Novas formas de ensinar 06.03.2012Novas formas de ensinar 06.03.2012
Novas formas de ensinar 06.03.2012
 
Guia da disciplina Didática
Guia da disciplina DidáticaGuia da disciplina Didática
Guia da disciplina Didática
 
A prática educativa
A prática educativaA prática educativa
A prática educativa
 
A prática educativa
A prática educativaA prática educativa
A prática educativa
 
A prática educativa zabala
A prática educativa    zabalaA prática educativa    zabala
A prática educativa zabala
 
8. a prática educativa
8. a prática educativa8. a prática educativa
8. a prática educativa
 
A+prática+educativa
A+prática+educativaA+prática+educativa
A+prática+educativa
 
A+prática+educativa
A+prática+educativaA+prática+educativa
A+prática+educativa
 

Mais de Escola Estadual Deputado Emílio Justo

Ferramentas de desenvolvimento
Ferramentas de desenvolvimentoFerramentas de desenvolvimento
Ferramentas de desenvolvimento
Escola Estadual Deputado Emílio Justo
 
Desenvolvimento pessoal
Desenvolvimento pessoalDesenvolvimento pessoal
Gestão democrática 2017
Gestão democrática 2017Gestão democrática 2017
Gestão democrática 2017
Escola Estadual Deputado Emílio Justo
 
Metodologia doensino
Metodologia doensinoMetodologia doensino
Ensino com pesquisa
Ensino com pesquisaEnsino com pesquisa
Caracteristicas de-uma-boa-aula
Caracteristicas de-uma-boa-aulaCaracteristicas de-uma-boa-aula
Caracteristicas de-uma-boa-aula
Escola Estadual Deputado Emílio Justo
 
Avaliando a Gestão Escolar 2017
Avaliando a Gestão Escolar 2017Avaliando a Gestão Escolar 2017
Avaliando a Gestão Escolar 2017
Escola Estadual Deputado Emílio Justo
 
Práticas Inovadoras 2017
Práticas Inovadoras 2017Práticas Inovadoras 2017
Práticas Inovadoras 2017
Escola Estadual Deputado Emílio Justo
 
Atribuição 2017
Atribuição 2017Atribuição 2017
Educação inovadora
Educação inovadoraEducação inovadora
12 anos atrás 2017
12 anos atrás   201712 anos atrás   2017
Metodologias ativas
Metodologias ativas Metodologias ativas
Oficinas pedagógicas
Oficinas pedagógicasOficinas pedagógicas
Resolução se 72
Resolução se 72Resolução se 72
Mais educacao lancamentos no gdae
Mais educacao lancamentos no gdaeMais educacao lancamentos no gdae
Mais educacao lancamentos no gdae
Escola Estadual Deputado Emílio Justo
 
O processo de desenvolvimento de uma organiza
O processo de desenvolvimento de uma organizaO processo de desenvolvimento de uma organiza
O processo de desenvolvimento de uma organiza
Escola Estadual Deputado Emílio Justo
 
Personalizando o ensino
Personalizando o ensinoPersonalizando o ensino
Para aprender mais
Para aprender maisPara aprender mais

Mais de Escola Estadual Deputado Emílio Justo (20)

Ferramentas de desenvolvimento
Ferramentas de desenvolvimentoFerramentas de desenvolvimento
Ferramentas de desenvolvimento
 
Desenvolvimento pessoal
Desenvolvimento pessoalDesenvolvimento pessoal
Desenvolvimento pessoal
 
Saresp 2017
Saresp 2017Saresp 2017
Saresp 2017
 
Gestão democrática 2017
Gestão democrática 2017Gestão democrática 2017
Gestão democrática 2017
 
Metodologia doensino
Metodologia doensinoMetodologia doensino
Metodologia doensino
 
Ensino com pesquisa
Ensino com pesquisaEnsino com pesquisa
Ensino com pesquisa
 
Caracteristicas de-uma-boa-aula
Caracteristicas de-uma-boa-aulaCaracteristicas de-uma-boa-aula
Caracteristicas de-uma-boa-aula
 
Avaliando a Gestão Escolar 2017
Avaliando a Gestão Escolar 2017Avaliando a Gestão Escolar 2017
Avaliando a Gestão Escolar 2017
 
Práticas Inovadoras 2017
Práticas Inovadoras 2017Práticas Inovadoras 2017
Práticas Inovadoras 2017
 
Atribuição 2017
Atribuição 2017Atribuição 2017
Atribuição 2017
 
Educação inovadora
Educação inovadoraEducação inovadora
Educação inovadora
 
12 anos atrás 2017
12 anos atrás   201712 anos atrás   2017
12 anos atrás 2017
 
Metodologias ativas
Metodologias ativas Metodologias ativas
Metodologias ativas
 
Oficinas pedagógicas
Oficinas pedagógicasOficinas pedagógicas
Oficinas pedagógicas
 
Resolução se 72
Resolução se 72Resolução se 72
Resolução se 72
 
Mais educacao lancamentos no gdae
Mais educacao lancamentos no gdaeMais educacao lancamentos no gdae
Mais educacao lancamentos no gdae
 
Saresp 2016
Saresp 2016Saresp 2016
Saresp 2016
 
O processo de desenvolvimento de uma organiza
O processo de desenvolvimento de uma organizaO processo de desenvolvimento de uma organiza
O processo de desenvolvimento de uma organiza
 
Personalizando o ensino
Personalizando o ensinoPersonalizando o ensino
Personalizando o ensino
 
Para aprender mais
Para aprender maisPara aprender mais
Para aprender mais
 

Último

Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
Suzy De Abreu Santana
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
soaresdesouzaamanda8
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 

Último (20)

Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 

Apostila de didatica

  • 1. Idéias, concepções e teorias que sustentam a prática pedagógica do professor Na prática pedagógica, as ações do professor se orientam por um conjunto de idéias, concepções, teorias, mesmo que sua existência seja inconsciente. É possível compreender a ação docente, analisando a sua concepção de mundo, de sociedade, de aluno, de ensino, entre outros, que se expressa em seus atos, referente a:  Seleção dos conteúdos que os alunos vão aprender  Como acredita que se dá o processo de aprendizagem – Os caminhos para a aprendizagem acontecer.  Como acredita que deve ser o ensino. A teoria empirista  O modelo de aprendizagem estímulo-resposta. Substitui respostas erradas por certas.  O aluno é vazio, mas vai ser preenchido pelas experiências com o mundo. Ele vai acumulando as informações. (Paulo Freire chama isso de Educação bancária).  A aprendizagem é o acumulo de informações.  O processo de ensino é caracterizado pela cópia - questionário - repetições.  O ensino se dá através da memorização.  O aluno precisa memorizar e fixar as informações, que seguem das mais simples às mais complexas. (A decorreba da tabuada, sem saber o que está decorando, é exemplo disso). No construtivismo  O conhecimento pressupõe uma atividade que organiza e integra os novos conhecimentos aos já existentes (Conhecimentos Prévios).  O conhecimento prévio é a base da aprendizagem.  O conhecimento é uma transformação do que já existe. Precisa ser algo apreensível.  O aluno é um sujeito ativo que para aprender: reflete e interage com outras pessoas. Ele precisa transformar a informação para poder assimilar.  A idéia distorcida do construtivismo levou professores a deixar o aluno livre, construindo sem próprios conhecimentos, sem a importante intervenção pedagógica.  O professor deve atuar o tempo inteiro, propondo atividades, encorajando os alunos em suas ousadias, desafiando. A intervenção do professor é determinante no processo de aprendizagem.  O modelo de ensino se dá através de resolução de problemas, onde o professor também é aprendiz.  O professor deve tomar cuidados com os erros cometidos pelos alunos (não deixar o aluno “fazer do seu jeito” sem corrigir os erros) e ir montando as atividades que levam a construção do conhecimento. LIBÂNEO, J. Carlos. Didática. SP: Cortez, 1994, p.119-127. OS OBJETIVOS DE ENSINO
  • 2. 2 Os objetivos são resultados esperados do trabalho desempenhado por professores e alunos. Expressam conhecimentos, habilidades e hábitos a serem adquiridos para desenvolvimento das qualidades humanas. Referências para a formulação dos objetivos:  Valores e ideais presentes nas leis educacionais (os propósitos das forças políticas dominantes);  Conteúdos básicos das ciências, produzidos e elaborados no decurso da prática social humana;  Necessidades e expectativas de formação cultural exigidas pela população majoritária da sociedade. Os objetivos requerem posicionamento ativo do professor no planejamento escolar e no desenvolvimento das aulas. O professor deverá:  Fazer uma avaliação crítica das referências acima.  Saber avaliar a pertinência dos objetivos propostos pelo sistema escolar oficial.  Saber compatibilizar os conteúdos com necessidades, aspirações, expectativas dos alunos.  Tornar os conteúdos exeqüíveis face às condições sócio-culturais e de aprendizagem dos alunos.  Perceber que é agente de uma prática profissional inserida no contexto da prática social. Objetivos gerais - expressam propósito mais amplo acerca do papel da escola e do ensino diante das exigências reais da sociedade e diante do desenvolvimento da personalidade do aluno. Os objetivos gerais são explicitados em 3 níveis, pelo:  Sistema escolar – expressa as finalidades educativas de acordo com ideais e valores dominantes.  Escola - estabelece princípios e diretrizes do trabalho escolar com base no Projeto Político Pedagógico.  Professor - concretiza no ensino da matéria a sua própria visão de educação e de sociedade. Os objetivos gerais que podem auxiliar os professores na seleção dos específicos e conteúdos são:  Colocar a educação escolar no conjunto das lutas pela democratização – levar os alunos a se perceberem como sujeitos ativos.  Garantir a todos, (sem discriminação) sólida preparação cultural e científica, evitando reprovações.  Assegurar a todos o máximo de desenvolvimento de suas potencialidades, buscando superação das desvantagens decorrentes das condições sócio-econômica.  Formar nos alunos a capacidade crítica e criativa em relação às matérias de ensino e à aplicação dos conhecimentos e habilidades.  Atender a função educativa - formação de convicções para a vida coletiva (ética, caráter, lealdade, dignidade, solidariedade, educação física e estética - apreciação das artes).  Envolver toda a comunidade escolar. A partir desses objetivos gerais, o professor define os objetivos específicos. Objetivos específicos - determinam exigências e resultados esperados da atividade dos alunos referentes a conhecimento, habilidade, atitudes e convicções. O professor deve vincular os objetivos específicos aos gerais e também:  Especificar conhecimentos, habilidades, capacidades que sejam fundamentais para serem assimiladas e aplicadas em situações futuras, na escola e na vida prática;  Observar uma seqüência lógica, de formar que os conceitos e habilidades estejam inter-relacionados, possibilitando aos alunos uma compreensão de conjunto;  Expressar os objetivos com clareza, de modo que sejam compreensíveis aos alunos e permitam que estes introjetem os objetivos de ensino como objetivos seus;  Dosar o grau de dificuldades, de modo que expressem desafios, questões estimulantes e viáveis;  Formular os objetivos como resultados a atingir, facilitando o processo de avaliação;  Indicar os resultados do trabalho dos alunos (o que devem compreender, saber, fazer, etc). ZABALA, Antoni. A prática educativa: como ensinar. Porto Alegre: ArtMed, 1998, p. 41-48. Tipologia dos conteúdos
  • 3. 3 Conteúdos factuais  Referem-se ao conhecimento de fatos, situações, dados e fenômenos concretos. (Idade de alguém, conquista de terras, localização de algo, códigos, matemática, física, etc).  Tradicionalmente é o que o “homem culto” sabe – é o conteúdo do vestibular e concursos.  Não devem ser conhecimentos mecânicos, precisam está associado a conceitos.  Percebe-se que alguém aprendeu quando é capaz de reproduzir (muitas vezes sem compreensão), quando recorda e expressa a data e o nome de algum acontecimento (descobrimento do Brasil) ou quando há lembrança dos acontecimentos (de um romance).  Podem ser aprendidos através de cópias, memorização, exercício de repetição verbal (tabuada), estratégias de organização significativa ou associações entre conteúdos. Conteúdos conceituais  Conceito é o conjunto de fatos, objetos, ou símbolos que tem características comuns. (mamífero, sujeito, romantismo, cidade).  Princípios – se referem às mudanças que se produzem num fato, objeto, ou situação relacionada a outros fatos, objetos.  Ambos necessitam de compreensão para se aprender. Se a pessoa não entende o significado do que é um rio, se apenas repete sua definição e não utiliza o termo em qualquer outra atividade, não aprendeu.  Esta aprendizagem requer compreensão e não reprodução. É uma aprendizagem que nunca se caba e que serve para construção de outras idéias. Conteúdos procedimentais  É um conjunto de ações ordenadas e dirigidas para realização de um objetivo (ler, desenhar, observar, calcular, classificar, traduzir, saltar, etc)  Como se aprende os conteúdos procedimentais? 1. Realizando a ação (aprende-se a ler, lendo). 2. Sempre exercitando (não basta fazer só uma vez). 3. Refletindo sobre a ação (tornar a ação consciente). 4. Aplicando em diversos contextos (Resolver 3 x 9 em qualquer situação). Conteúdos atitudinais  São conteúdos referentes a valores, atitudes e normas. 1. Valores – solidariedade, respeito aos outros, responsabilidade, liberdade – se adquire quando é interiorizado e quando se elabora critérios para tomar posição. 2. Atitudes – cooperar com o grupo, ajudar aos colegas, respeitar o meio ambiente, participar de tarefas escolares. – aprende-se quando a pessoa pensa e atua. 3. Normas – padrões ou regras de comportamento que os membros de um grupo devem seguir. – (não rasgar cartazes, não roubar). – aprende-se quando se conforma se interioriza e se aceita como regras para o funcionamento do grupo.  A aprendizagem dos conteúdos atitudinais supõe conhecimento, reflexão, análise, tomada de posição, revisão e avaliação da própria atuação. LIBÂNEO, J. Carlos. Didática. SP: Cortez, 1994, p.149-172. OS MÉTODOS DE ENSINO Conceito de método de ensino.  É o caminho para atingir um objetivo, com os meios adequados; (investigação científica; assimilação do conhecimento, etc.)  Ver o objeto de estudo nas suas propriedades e relações com outros objetos e fenômenos e sob vários ângulos;  São ações, passos e procedimentos vinculados a reflexão, compreensão e transformação da realidade;  São ações do professor pelas quais se organizam as atividades de ensino e dos alunos para atingir os objetivos;  Deve expressar compreensão global do processo educativo na sociedade: A escolha e organização dos métodos.
  • 4. 4  Deve corresponder à necessária unidade objetivo-conteúdo-método. (um depende do outro para ter sucesso).  Dependem dos conteúdos específicos;  Implica o conhecimento das características dos alunos quanto à capacidade de assimilação e quanto as suas características sócio-culturais e individuais; (ligação entre os objetivos e as condições de aprender do aluno); Princípios básicos do ensino.  Ter caráter científico e sistemático. (Ficar atento ao conteúdo científico);  Ser compreensível e possível de ser assimilado. (Ver as condições dos alunos e ir dosando as dificuldades);  Assegurar a relação conhecimento-prática. (Saber aplicar o conhecimento na sua vida prática);  Apoiar-se na unidade ensino-aprendizagem. (Criar condições de ensino que resultem em aprendizagem);  Garantir a solidez dos conhecimentos. (Recapitulação, fixação, etc);  Levar à vinculação trabalho coletivo – particularidades individuais. (Educar a todos, observando as diferenças). Classificação dos métodos de ensino. 1. Método de exposição pelo professor. Na exposição, o professor deve mobilizar a atividade interna do aluno de concentrar-se e de pensar, e a combinar com outros procedimentos.  Exposição verbal – sua função é explicar um assunto desconhecido. O professor deverá estimular sentimentos, instigar a curiosidade, relatar sugestivamente um fato, descrever com vivacidade uma situação real, fazer leitura expressiva, etc.  Demonstração – é a forma de representar fenômenos e processos reais (germinação).  Ilustração – é uma forma de representar fatos e fenômenos reais através de gráficos, mapas, esquemas, gravuras, etc. (Requer dos alunos capacidade de concentração e observação).  Exemplificação – é um meio de auxiliar a exposição verbal 2. Método de trabalho independente. (Uma das formas didática desse método é o estudo dirigido). Atividades realizadas pelos alunos, dirigidas e orientadas pelo professor. Para que esse método seja eficiente, o professor precisa: - Dar tarefas claras e acessíveis; - Assegurar condições de trabalho (silêncio, material, etc); - Acompanhar de perto; - Aproveitar o resultado da tarefa para toda classe. 3. Método de elaboração conjunta. Interação entre alunos e professor. É a conversação, aula dialogada, com elaboração de perguntas que leve os alunos a reflexão. 4. Método de trabalho em grupo. Sua finalidade é obter a cooperação dos alunos para realização de uma tarefa.  Debate – os debatedores devem defender uma posição.  Philips 66 – seis grupos de seis pessoas discutem uma questão em poucos minutos e apresentam a conclusão. (Verifica o nível de conhecimento da turma antes ou depois de uma explicação).  Tempestade mental – escrever no quadro o que vem em mente sobre determinado assunto, destacar o mais relevante e discutir.  Grupo de verbalização – grupo de observação (GV-GO) – uma parte da turma forma um círculo central para discutir o tema, outra parte fica em volta observando se o que está sendo apresentado tem coerência.  Seminário – pode ser exposição ou conversação sobre determinado assunto previamente estudado pelo grupo. 5. Atividades especiais. Complementam os métodos de ensino com objetivo de assimilação dos conteúdos. São os: Jornal escolar, Museu escolar, Teatro, Biblioteca escolar, estudo do meio, etc. O Estudo do meio não se limita só aos passeios, mas a todos os procedimentos que possibilitem a discussão e compreensão do cotidiano. São necessárias 3 fases: Planejamento – o que observar? Que perguntas poderão ser feitas? (O professor deverá fazer conhecer o local) Execução – observar, tomar nota, conversar com as pessoas, etc. Exploração dos resultados e avaliação – relatório, redação, sistematização pelo professor. Utilidade do estudo. ZABALA, Antoni. A prática educativa: como ensinar. Porto Alegre: ArtMed, 1998, p. 195-209. A AVALIAÇÃO  A avaliação muitas vezes foi concebida apenas enquanto valorização dos resultados obtidos pelo aluno. Hoje, a avaliação é um processo que envolve aluno, classe e professores.  Se o objetivo do ensino é o desenvolvimento de todas as capacidades da pessoa (com a articulação dos conteúdos atitudinais, conceituais e procedimentais), então a avaliação deve considerar todo esse processo. Tudo depende dos objetivos selecionados.
  • 5. 5  Avaliação serve para aperfeiçoar a prática educativa que levará o aluno a conseguir desenvolver várias competências e avaliar a ação docente. Inclui todo o processo de ensino aprendizagem. A avaliação em processo tem várias fases: Avaliação inicial.  Vai identificar o que cada aluno sabe fazer e como faz.  É o ponto de partida para o objetivo, os conteúdos e as atividades que o professor vai elaborar.  Conforme os alunos vão se desenvolvendo, o docente vai propondo novas atividades com novos desafios para aprendizagem.  Assim estaremos realizando a avaliação reguladora (com adaptações e adequações) ou formativa. Avaliação final  É o conhecimento dos resultados obtidos. Avaliação integradora ou somativa  É o conhecimento e avaliação de todo o percurso feito pelo aluno do início ao fim. Identificando o que precisa ser feito ou refeito. Avaliação dos conteúdos factuais  A aprendizagem dos fatos implica o conhecimento significativo e a compreensão dos conteúdos.  É preciso associar os fatos aos conceitos. O que é uma capital? É preciso citar determinada capital, mas compreender o que significa capital. Entender e saber o que significou o descobrimento do Brasil. Avaliação dos conteúdos conceituais  Avaliar a aprendizagem desses conteúdos não é fácil, considerando que a aprendizagem de um conceito dificilmente está concluída. Tudo depende do nível de profundidade de compreensão e da capacidade dos alunos para utilizar convenientemente os conceitos apreendidos.  É comum, nesse caso, o uso de perguntas orais ou escritas onde se espera que o aluno responda de acordo com o livro.  A aprendizagem dos conceitos não pode se prender as repetições.  O professor precisa observar os alunos no uso dos conceitos em diversas situações e explicações espontâneas (trabalho em equipe, debate, dialogo, etc).  Tanto os conteúdos dos fatos, como dos conceitos se situam na capacidade cognitiva. É preciso identificar o que os alunos sabem sobre estes conteúdos. Avaliação dos conteúdos procedimentais  Esses conteúdos implicam saber fazer.  Para a sua avaliação é preciso fazer. Percebemos sua aprendizagem quando acontece a transposição para a prática. O professor percebe isso através da observação sistemática. Como saber se um aluno aprendeu a calcular? Fazendo com que calcule. Avaliação dos conteúdos atitudinais  Esses conteúdos são muitas vezes esquecidos nas escolas.  Para a avaliação desses conteúdos é preciso situações conflitantes que permitam a observação do comportamento e a opinião de cada aluno (no recreio, passeio, debates, atividade em equipe, etc.). DELORS, Jacques. (org). Educação: Um tesouro a descobrir. Relatório para UNESCO da Comissão Internacional sobre a Educação para o Século XXI. MEC- CORTEZ. OS 4 PILARES DA EDUCAÇÃO  Cabe a educação, de forma competente, fornecer os saberes que contribuam para a compreensão e vivência no mundo atual, cheio de complexidade.  Os conhecimentos precisam sempre está atualizado devendo ser, ao longo da vida, aprofundados e enriquecidos.
  • 6. 6  Para isso, a educação deve organizar-se em torno de 4 aprendizagens fundamentais: APRENDER A CONHECER  Combinando uma cultura geral, suficientemente vasta, com a possibilidade de trabalhar em profundidade um pequeno numero de matérias. O que também significa: aprender a aprender, para beneficiar-se das oportunidades oferecidas pela educação ao longo de toda a vida. APRENDER A FAZER  Afim de adquirir qualificação profissional e competências que tornem a pessoa apta a enfrentar as situações e a trabalhar em equipes. Também aprender a fazer, no âmbito das diversas experiências sociais ou de trabalho que se oferecem, quer espontaneamente, fruto do contexto local ou nacional, quer formalmente, graças ao desenvolvimento do ensino alternado com o trabalho. APRENDER A VIVER JUNTO  Desenvolvendo a compreensão do outro e a percepção das interdependências - realizar projetos comuns e preparar-se para gerir conflitos - no respeito pelos valores do pluralismo, da compreensão mutua e da paz. APRENDER A SER  Para melhor desenvolver a sua personalidade e estar a altura de agir com cada vez maior capacidade de autonomia, de discernimento e de responsabilidade pessoal. Para isso, não negligenciar na educação nenhuma das potencialidades de cada indivíduo: memória, raciocínio, sentido estético, capacidades físicas, aptidão para comunicar-se. ABORDAGENS E PRÁTICA PEDAGÓGICA1 Maria da Conceição dos Reis A prática pedagógica está fundamentada na concepção de vida e sociedade do professor. É a partir dela que o professor realiza as atividades cotidianas nas escolas, seguindo uma linha pedagógica que fornece diretrizes para essas atividades, pois a pratica pedagógica destinada à sala de aula é, ainda hoje, influenciada pelas várias tendências ou teorias pedagógicas que marcaram a história educacional no Brasil. 1 Texto elaborado a partir da dissertação de mestrado da autora para a disciplina Didática - 2006
  • 7. 7 Saviani (2002) classifica essas teorias em dois grupos: teorias não-críticas e teorias crítico-reprodutivista e apresenta uma nova proposta através da teoria crítica. Essas idéias são apresentadas através de cinco enfoques: tradicional, escolanovismo, tecnicismo, crítico- reprodutivista e histórico-crítica. Pelas idéias abordadas nas teorias não-críticas, a educação é entendida como instrumento de superação social. O aluno marginalizado deveria ser integrado a sociedade. Cabendo a educação corrigir as distorções sociais. As idéias das teorias não críticas se expressam através da Pedagogia Tradicional, Pedagogia Nova e Pedagogia Tecnicista. Vejamos: A Pedagogia Tradicional teve inicio juntamente com a educação escolar no Brasil, através dos jesuítas que, mesmo sem facilitar uma prática pedagógica que contribuísse com a transformação da vida social e econômica da colônia, monopolizaram toda essa educação desde 1549 até a expulsão da Companhia de Jesus em 1759. Essa expulsou não fez mudar o princípio pedagógico, apenas mudou os interesses - por passar das mãos da igreja para a burguesia - o que antes era pedagogia tradicional religiosa, transformou-se em pedagogia tradicional leiga. (Saviani, 2002). Com o discurso de construir uma sociedade democrática, a burguesia, que acabara de se consolidar no poder, defendia o conhecimento para todos. Cabia a escola e ao professor transmitir o conhecimento aos alunos organizados em classes. O professor era o centro das atenções que, através das aulas expositivas, transmitia todo o conteúdo que ele mesmo determinava para o aluno. Esse, ouvia passivamente e disciplinadamente, sem direito a desenvolver sua criatividade. Mas, começa a surgir os problemas, pois a escola não conseguia ser universal, os alunos que ingressavam não obteriam os mesmos resultados esperados pela escola, "não se ajustavam ao tipo de sociedade que se queria consolidar". (idem, p.7). A educação era totalmente dissociada das questões sociais vigentes. Também, não havia unidade entre prática e teoria. A prática era vista como aplicação da teoria. (Veiga, 1989: 44). Porém, essa tendência predominou, aproximadamente, até 1930. Com inspiração filosófica no humanismo moderno - visão de homem centrada na própria existência, - que ganha impulso em 1924 com a criação da Associação Brasileira de Educação, começa a surgir a Pedagogia Nova fazendo críticas à pedagogia tradicional. O escolanovismo, como ficou sendo conhecido, acreditava no potencial da escola para erradicar a marginalidade social (o que a escola tradicional não estava conseguindo). Foi a partir dessa percepção que começou o movimento de reforma dessa escola, que passou a ser vista como "redentora da humanidade". O professor passou a ser o facilitador da aprendizagem. O aluno era o centro de tudo, que deveria ser respeitado em suas escolhas. "A prática pedagógica é ancorada em si mesma, sem vinculação com o contexto mais amplo" (Veiga, 1989:52). Essa tendência galgou forma no Brasil através da elaboração do projeto da primeira Lei de Diretrizes e Base da Educação, pois para sua elaboração estavam presentes os principais educadores escolanovistas e representantes católicos, portanto puderam definir os caminhos da educação brasileira. Para atender aos pressupostos da Escola Nova, a educação católica, que ainda tinha muito poder, influência e predomínio em várias escolas, buscou se renovar através do método pedagógico de Montessori e Lubienska, disseminando o amor que o professor deveria ter com as crianças, para que as mesmas pudessem aprender num ambiente amoroso e feliz. Foi em 1932 que surgiu o Manifesto da Escola Nova, cuja essência predominou até 1960, quando começa a apresentar os sinais de crise. Com isso, ganha força a concepção analítica com seus princípios científicos objetivos, racionais e neutros. Em 1969, começa a ascensão da Pedagogia Tecnicista,dando ênfase a formação de técnicos para educação. Ao professor competia efetivar a prática: A relação professor-aluno é estritamente técnica, ou seja, visa a garantir a eficácia da transmissão dos conhecimentos. (Veiga, 1989: 58) O que mais tinha destaque nesta teoria eram as técnicas e os métodos, que se preocupavam em preparar a mão-de-obra para o mercado de trabalho que atendia aos interesses do capitalismo. A autora chama atenção que nesta visão, a separação entre teoria e prática fica mais acentuada.
  • 8. 8 Durante o governo militar esta pedagogia teve seu ponto alto, porém começam os estudos à crítica da educação dominante. Os educadores não aceitavam este tipo de educação baseada no autoritarismo e tecnicismo, que confiava à escola, através dos seus meios de instrução baseada no behaviorismo, a função de conservar a sociedade capitalista vigente. A partir de 1974, com a abertura do regime militar no Brasil, os estudos e críticas dos educadores preocupados com os caminhos da educação nacional, começam a se destacar através de denúncias à pedagogia oficial e fazendo surgir uma nova pedagogia denominada por Saviani (2002) de crítico-reprodutivista, por conceber a função da educação como reprodução das relações sociais, sem vislumbrar a possibilidade de uma educação que pudesse está comprometida em promover a transformação dessas relações. Portanto, estas teorias apenas explicam/criticam como a escola esta constituída. Nasce da crítica, mas não elabora uma proposta pedagógica, vive apenas a combater as que se apresentam. É por esta falta de proposta da pedagogia crítico-reprodutivista e pelo descrédito na transformação da escola, que em 1979 começa a se espalhar à discussão sobre uma nova tendência embasada na concepção dialética. É neste período que nasce a pedagogia que Saviani denomina de histórico-crítica, procurando articular uma proposta pedagógica que busque a transformação social, através do resgate da importância da escola, da interação entre os sujeitos e da reorganização do trabalho educativo. Sobre a interação professor-aluno, inclusa nesta teoria histórico-crítica Veiga (1989) explica que: O trabalho pedagógico está centrado não no professor e no aluno, mas na questão central da formação do homem. O professor é valorizado no seu papel de autoridade que orienta e favorece o processo de ensinar e de aprender. (...) O aluno e visto como um ser concreto situado historicamente. Traz consigo um saber que Ihe é próprio, e que precisa ser valorizado e reelaborado para que, concretamente, possa gerar mudanças na realidade. Neste sentido, a relação pedagógica é calcada na autonomia e reciprocidade, provenientes de um processo de maturação. (67) É dessa forma que Saviani (2002) reconhece na educação um instrumento de luta, e diante da visão dialética, o professor, com uma prática pedagógica reflexiva, crítica, criativa e transformadora, instrumentaliza seu aluno para a prática social através da construção crítica do saber. Portanto, o professor que se propõe crítico, precisa estar preparado para a prática pedagógica ancorada numa concepção de educação articulada com a realidade social. Uma ação pedagógica que valorize a relação dialética teoria- prática, em que a prática seja uma ação guiada e mediada pela teoria. A unidade entre o ideal (a teoria) e o real (a prática), é de extrema importância no trabalho desenvolvido no cotidiano escolar para que os professores estejam atentos no pensar e no fazer. É nessa relação dialética, com a prática sendo alimentada pela teoria, e, ao mesmo tempo, a teoria sendo alimentada pela prática, que se mantém a prática pedagógica do professor com características renovada, reflexiva e transformadora. Libâneo (2000, p. 37) afirma que os professores precisam ser críticos para compreender e analisar criticamente a sociedade, a política, as diferenças sociais, a diversidade cultural, os interesses de classe, agir diante das situações escolares e, assim, problematizar com os alunos o conhecimento. Ao dissertar sobre prática pedagógica que busca uma transformação, ressalta-se a contribuição do educador Paulo Freire, enquanto professor crítico/comprometido, que concebe a educação como um ato político, compreendendo-a como
  • 9. 9 um instrumento de luta que, em conjunto com as outras práticas sociais, está a serviço da transformação da sociedade vigente. Para Freire, a educação é uma forma de intervenção no mundo das pessoas, que se dá do local ao universal, de forma dialética, em um esforço de desmistificação da ideologia dominante. Conheça todos os simulados: http://eshops.mercadolivre.com.br/LCMG2015 Concurso Professor - 1268 Questões Todos os oitos produtos abaixo por apenas R$ 50,00 Você economizará R$ 14,00. Clique nesse link para mais informações: http://bit.ly/1SZzsru CONTATO VIA WHATAPPS: 8894457345
  • 10. 10 Valor R$ 12,00 Clique no link: http://bit.ly/1VHPICW Valor R$ 7,00 Clique no link: http://bit.ly/1VmsQJo Valor R$ 6,00 Clique no link: http://bit.ly/1YIz6cp Valor R$ 15,00 Clique no link: http://bit.ly/232jQZ2 Valor R$ 6,00 Clique no link: http://bit.ly/1rBoTUW Valor R$ 6,00 Clique no link: http://bit.ly/24DKH3J Valor R$ 8,00 Clique no link: http://bit.ly/1TNvfJW Valor R$ 6,00 Clique no link: http://bit.ly/1TO0IeZ Valor R$ 6,00 Clique no link: http://bit.ly/1XfEVzY
  • 11. 11 Quatro materiais no valor R$ 30,00 Clique no link: http://bit.ly/1UdIm9n Três materiais no valor R$ 30,00 Clique no link: http://bit.ly/26q9KFV
  • 12. 12 R$ 10,00 Clique no link: http://bit.ly/1U6V7T9 Valor R$ 8,00 Clique no link: http://bit.ly/1VeSdwA Valor R$ 10,00 Clique no link: http://bit.ly/1qCCB9h
  • 13. 13 Valor R$ 35,00 Clique no link: http://bit.ly/1Sbytrq