SlideShare uma empresa Scribd logo
1
©The McGraw-Hill Companies, Inc., 2004
Supply-Chain Management
Gestão da Cadeia de
Suprimentos
2
©The McGraw-Hill Companies, Inc., 2004
O que é Cadeia de Suprimentos?
 Cadeia de Suprimentos é um termo que descreve
como as organizações (fornecedores,
fabricantes, distribuidores, e clientes) estão
ligadas entre si.
Cliente Fábrica A Fábrica B Fábrica C
Fluxo de
Informações
Fluxo de
Materiais
Fluxo
Financeiro
Cadeia de Suprimento Sequencial
3
©The McGraw-Hill Companies, Inc., 2004
O que é Gestão da Cadeia de
Suprimentos?
“Gestão da Cadeia de Suprimentos
(SCM) é a integração dos processos
industriais e comerciais, partindo do
consumidor final e indo até os
fornecedores iniciais, gerando produtos,
serviços e informações que agreguem
valor para o cliente”.
4
©The McGraw-Hill Companies, Inc., 2004
Empresa 1 Empresa 2 Empresa 3
Empresa 4 Empresa 5 Empresa 6
Consumidor Final
Extrai minério de ferro Forma lingote de aço Forma metal laminado
Faz porta Monta Carro Preparação Final
Dirige carro
Metal
laminado
carro
Cadeia de Suprimentos para o aço utilizado numa porta de automóvel
5
©The McGraw-Hill Companies, Inc., 2004
Exemplo Cadeia de Suprimentos
Produção
de
matéria prima
Produção
de
componentes
Produção
de
submontagens
Produção
de
montagens
Montagem
do
produto
Distribuição Varejo
Usuário
6
©The McGraw-Hill Companies, Inc., 2004
Cadeia de Suprimentos - Serviço
Plano de
saúde
Hospital
Médicos
Serviço
de
laboratório
Laboratório
de análise
Serviço
de
radiologia
Serviço
de
limpeza
Serviço
de
alimentação
Locadora de
equipamento
Fornecedor
de reagentes
Fabricante de
equipamento
Cliente
Fluxo de serviço
Fluxo de pagamento
7
©The McGraw-Hill Companies, Inc., 2004
Gestão da Cadeia de
Suprimentos
 A tendência atual é a
terceirização
 A gestão do material e dos
fornecedores ficou mais complexa
 Tornou-se necessária a Gestão da
Cadeia de Suprimentos.
8
©The McGraw-Hill Companies, Inc., 2004
Gestão da Cadeia de Suprimentos
 a expectativa dos clientes, com relação
aos serviços aumentou;
 a competição é muito mais intensa;
 a aceitação do conceito de parceria
entre clientes e fornecedores se
estabeleceu;
 o benchmarking, entre indústrias, fez com
que as práticas existentes fossem
examinadas.
9
©The McGraw-Hill Companies, Inc., 2004
Troca de Informações na
Cadeia de Suprimentos
C
O
N
S
U
M
I
D
O
R
F
A
B
R
I
C
A
N
T
E
F
O
R
N
E
C
E
D
O
R
Preferências dos Clientes, Defeitos
Satisfação do cliente, etc..
Preço, Qualidade, Caraterísticas
Serviços de suporte, etc..
Previsão de Demanda
Disponibilidade de novos
serviços
Qualidade, Lead Time
Outros acordos
Programação da Demanda
Preço, Qualidade,
Outros acordos
Quebra de máquinas
Capacidade, embarque
Troca de Informações periódicas
Troca de informações em tempo real
10
©The McGraw-Hill Companies, Inc., 2004
Fornecedores
 Fornecedor único
 Multiplos fornecedores
11
©The McGraw-Hill Companies, Inc., 2004
Fórmulas para medição de
desempenho da CS
 Um dos mais conhecidos é o “Inventory
Turnover”
 Em situações onde o estoque de
distribuição predomina, é preferível utilizar
“Semanas de Suprimento” para medir
quantas semanas de estoque se encontram
no sistema em um período de tempo
específico.
estoquedoagregadovalordoMedia
vendidosprodutosdosCusto
estoquedoGiro =
semanas52
vendidosprodutosdoscusto
estoquedoagregadovalordomédia
suprimentodeSemanas 





=
12
©The McGraw-Hill Companies, Inc., 2004
Exemplos da Medição de
Desempenho da Cadeia de
Suprimentos
Suponha que o novo relatório anual da companhia
mostra custo do material vendido neste ano é $160
milhões e a média total do inventário (produção +
work-in-process) é equivalente a $35 milhões.
Nesta companhia normalmente o giro do
inventário é 10. Qual é taxa de inventário deste
ano? O que isto quer dizer?
Suponha que o novo relatório anual da companhia
mostra custo do material vendido neste ano é $160
milhões e a média total do inventário (produção +
work-in-process) é equivalente a $35 milhões.
Nesta companhia normalmente o giro do
inventário é 10. Qual é taxa de inventário deste
ano? O que isto quer dizer?
13
©The McGraw-Hill Companies, Inc., 2004
Exemplos da Medição de Desempenho da
Cadeia de Suprimentos
= $160/$35
= 4.57
 Como a taxa normal de giro de inventário na companhia
é 10, a diminuição para 4.57 quer dizer que o inventário
não está girando tão rápido quanto no passado. É
possível concluir que a empresa hoje tem mais inventário
que no passado.
= $160/$35
= 4.57
 Como a taxa normal de giro de inventário na companhia
é 10, a diminuição para 4.57 quer dizer que o inventário
não está girando tão rápido quanto no passado. É
possível concluir que a empresa hoje tem mais inventário
que no passado.
inventáriodoagregadovalordomédia
vendidosprodutosdosCusto
inventáriodoGiro =
14
©The McGraw-Hill Companies, Inc., 2004
Entregas
Pedidos
Fluxo de Informação
Fábrica Warehouse
Regional
AtacadistaArmazém
Central
Varejista Cliente
Final
Fluxo de Material
Dinâmica da Cadeia de
Suprimentos
15
©The McGraw-Hill Companies, Inc., 2004
Hau Lee (Conceitos de Gestão da
Cadeia de Suprimentos)
 Hau Lee ressalta que existem incertezas rodeando o
lado da oferta que são critérios igualmente
importantes para a estratégia da cadeia de
suprimentos.
 A processo de oferta estável como aquele em que o
processo de manufatura e a tecnologia subjacentes
são maduros e a base da oferta é bem estabelecida
 Tipos de SC
 SC Eficiente
 SC que restringem o risco
 SC Responsivas
 SC Ágeis
16
©The McGraw-Hill Companies, Inc., 2004
Estrutura da Incerteza de Hau Lee
Incerteza da Demanda
Baixa (Produtos
funcionais)
Alta (Produtos
inovadores)
SC Eficiente
Ex.: Alimentos,
roupas Petróleo
SC Responsiva
Ex.: Computadores,
moda, música
SC Restrige Risco
Ex.: Energia
hidroelétrica
SC Agil
Ex.: Telecom,
computadores de
ponta
Baixa
(Processo
estável)
Alta
(Processo
em
expansão)
Incerteza do
Suprimento
17
©The McGraw-Hill Companies, Inc., 2004
Tercerização (Outsourcing)
Tercerização é definida como o
ato de transferir atividades
internas e a responsabilidade
de decisões de uma empresa
para um fornecedor externo
18
©The McGraw-Hill Companies, Inc., 2004
Tercerização (Outsourcing)
 Fornecedores de peças
 Manutenção
 Fundição
 Limpeza
 Restaurante
 Embalagem
19
©The McGraw-Hill Companies, Inc., 2004
Razões para terceirização
 Motivos organizacionais
 Busca de melhorias
 Motivos financeiros
 Busca de receits
 Redução de custos
 Estímulo aos funcionários

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

AULA 4MOVIMENTAÇÃO E EXPEDIÇÃO (1) CONCEITO DE EXPEDIÇÃO.pptx
AULA 4MOVIMENTAÇÃO E EXPEDIÇÃO (1) CONCEITO DE EXPEDIÇÃO.pptxAULA 4MOVIMENTAÇÃO E EXPEDIÇÃO (1) CONCEITO DE EXPEDIÇÃO.pptx
AULA 4MOVIMENTAÇÃO E EXPEDIÇÃO (1) CONCEITO DE EXPEDIÇÃO.pptx
PalomaOliveira338538
 
Logística de armazenagem e distribuicao
Logística de armazenagem e distribuicaoLogística de armazenagem e distribuicao
Logística de armazenagem e distribuicao
Elvis Bruno
 
Logística Empresarial
Logística EmpresarialLogística Empresarial
Logística Empresarial
Adeildo Caboclo
 
Aula21082020 ferramentas de estoque
Aula21082020 ferramentas de estoqueAula21082020 ferramentas de estoque
Aula21082020 ferramentas de estoque
RicardoSilva562385
 
Cadeia de Suprimentos
Cadeia de SuprimentosCadeia de Suprimentos
Cadeia de Suprimentos
Willian dos Santos Abreu
 
Armazenagem Estratégica de CDs
Armazenagem Estratégica de CDsArmazenagem Estratégica de CDs
Armazenagem Estratégica de CDs
azevedoac
 
01 aula introdução a logística
01 aula introdução a logística01 aula introdução a logística
01 aula introdução a logística
Homero Alves de Lima
 
Logistica
LogisticaLogistica
Logistica
Studiesfree
 
08 aula armazenagem ii
08 aula armazenagem ii08 aula armazenagem ii
08 aula armazenagem ii
Homero Alves de Lima
 
Gestão de compras
Gestão de comprasGestão de compras
Gestão de compras
HealthMinds Academy
 
Logística - Fundamentos
Logística - FundamentosLogística - Fundamentos
Cross Docking
Cross DockingCross Docking
Gestão da Cadeia de Suprimentos
Gestão da Cadeia de SuprimentosGestão da Cadeia de Suprimentos
Gestão da Cadeia de Suprimentos
Gerisval Pessoa
 
Logística e distribuição
Logística e distribuiçãoLogística e distribuição
Logística e distribuição
Gilberto Freitas
 
Gestão de compras
Gestão de comprasGestão de compras
Gestão de compras
Danilo Pires
 
Gestão da Cadeia de Suprimentos - E-Commerce
Gestão da Cadeia de Suprimentos - E-CommerceGestão da Cadeia de Suprimentos - E-Commerce
Gestão da Cadeia de Suprimentos - E-Commerce
Valdir Junior
 
Planejamento de Compras
Planejamento de ComprasPlanejamento de Compras
Planejamento de Compras
Nyedson Barbosa
 
04 cadeia de suprimentos
04 cadeia de suprimentos04 cadeia de suprimentos
Logística e cadeia de suprimento
Logística e cadeia de suprimentoLogística e cadeia de suprimento
Logística e cadeia de suprimento
Jader Windson
 
Distribuição
DistribuiçãoDistribuição
Distribuição
Felippi Perez
 

Mais procurados (20)

AULA 4MOVIMENTAÇÃO E EXPEDIÇÃO (1) CONCEITO DE EXPEDIÇÃO.pptx
AULA 4MOVIMENTAÇÃO E EXPEDIÇÃO (1) CONCEITO DE EXPEDIÇÃO.pptxAULA 4MOVIMENTAÇÃO E EXPEDIÇÃO (1) CONCEITO DE EXPEDIÇÃO.pptx
AULA 4MOVIMENTAÇÃO E EXPEDIÇÃO (1) CONCEITO DE EXPEDIÇÃO.pptx
 
Logística de armazenagem e distribuicao
Logística de armazenagem e distribuicaoLogística de armazenagem e distribuicao
Logística de armazenagem e distribuicao
 
Logística Empresarial
Logística EmpresarialLogística Empresarial
Logística Empresarial
 
Aula21082020 ferramentas de estoque
Aula21082020 ferramentas de estoqueAula21082020 ferramentas de estoque
Aula21082020 ferramentas de estoque
 
Cadeia de Suprimentos
Cadeia de SuprimentosCadeia de Suprimentos
Cadeia de Suprimentos
 
Armazenagem Estratégica de CDs
Armazenagem Estratégica de CDsArmazenagem Estratégica de CDs
Armazenagem Estratégica de CDs
 
01 aula introdução a logística
01 aula introdução a logística01 aula introdução a logística
01 aula introdução a logística
 
Logistica
LogisticaLogistica
Logistica
 
08 aula armazenagem ii
08 aula armazenagem ii08 aula armazenagem ii
08 aula armazenagem ii
 
Gestão de compras
Gestão de comprasGestão de compras
Gestão de compras
 
Logística - Fundamentos
Logística - FundamentosLogística - Fundamentos
Logística - Fundamentos
 
Cross Docking
Cross DockingCross Docking
Cross Docking
 
Gestão da Cadeia de Suprimentos
Gestão da Cadeia de SuprimentosGestão da Cadeia de Suprimentos
Gestão da Cadeia de Suprimentos
 
Logística e distribuição
Logística e distribuiçãoLogística e distribuição
Logística e distribuição
 
Gestão de compras
Gestão de comprasGestão de compras
Gestão de compras
 
Gestão da Cadeia de Suprimentos - E-Commerce
Gestão da Cadeia de Suprimentos - E-CommerceGestão da Cadeia de Suprimentos - E-Commerce
Gestão da Cadeia de Suprimentos - E-Commerce
 
Planejamento de Compras
Planejamento de ComprasPlanejamento de Compras
Planejamento de Compras
 
04 cadeia de suprimentos
04 cadeia de suprimentos04 cadeia de suprimentos
04 cadeia de suprimentos
 
Logística e cadeia de suprimento
Logística e cadeia de suprimentoLogística e cadeia de suprimento
Logística e cadeia de suprimento
 
Distribuição
DistribuiçãoDistribuição
Distribuição
 

Destaque

Aula03
Aula03Aula03
4º Infra - Apresentação no Painel da Tercerização
4º Infra - Apresentação no Painel da Tercerização4º Infra - Apresentação no Painel da Tercerização
4º Infra - Apresentação no Painel da Tercerização
cesarml
 
Operadores Logísticos
Operadores LogísticosOperadores Logísticos
Operadores Logísticos
Cinthia Souza
 
Logística - Cadeia de Suprimentos - SCM -
Logística - Cadeia de Suprimentos - SCM - Logística - Cadeia de Suprimentos - SCM -
Logística - Cadeia de Suprimentos - SCM -
SOBRINHO, Samuel Rodrigues Lopes
 
Trabalho de Conclusão de Modulo - Tercerização
Trabalho de Conclusão de Modulo - TercerizaçãoTrabalho de Conclusão de Modulo - Tercerização
Trabalho de Conclusão de Modulo - Tercerização
Opengo,Espro,AllNet, Led Informática, Instituto Dom Bosco
 
Terceirização em logística slide share
Terceirização em logística slide shareTerceirização em logística slide share
Terceirização em logística slide share
Interlogis Planejamento das Operações Logísticas Ltda.
 
Blog friedrich engels
Blog friedrich engelsBlog friedrich engels
Blog friedrich engels
Eunice Carmo
 
Logística de Suprimentos
Logística de SuprimentosLogística de Suprimentos
Logística de Suprimentos
Willian dos Santos Abreu
 
Socialismo e Comunismo
Socialismo e ComunismoSocialismo e Comunismo
Socialismo e Comunismo
Leo Pipolo
 
Estruturas e processos organizacionais v 5.1
Estruturas e processos organizacionais  v 5.1Estruturas e processos organizacionais  v 5.1
Estruturas e processos organizacionais v 5.1
Aristeu Silveira, DMa, MSc.
 
Estrutura da organização
Estrutura da organizaçãoEstrutura da organização
Estrutura da organização
Vinicius Carvalho
 
Aula 5 estrutura organizacional
Aula 5   estrutura organizacionalAula 5   estrutura organizacional
Aula 5 estrutura organizacional
Correios
 
Estruturas organizacionais
Estruturas organizacionaisEstruturas organizacionais
Estruturas organizacionais
Rafael Evans
 

Destaque (13)

Aula03
Aula03Aula03
Aula03
 
4º Infra - Apresentação no Painel da Tercerização
4º Infra - Apresentação no Painel da Tercerização4º Infra - Apresentação no Painel da Tercerização
4º Infra - Apresentação no Painel da Tercerização
 
Operadores Logísticos
Operadores LogísticosOperadores Logísticos
Operadores Logísticos
 
Logística - Cadeia de Suprimentos - SCM -
Logística - Cadeia de Suprimentos - SCM - Logística - Cadeia de Suprimentos - SCM -
Logística - Cadeia de Suprimentos - SCM -
 
Trabalho de Conclusão de Modulo - Tercerização
Trabalho de Conclusão de Modulo - TercerizaçãoTrabalho de Conclusão de Modulo - Tercerização
Trabalho de Conclusão de Modulo - Tercerização
 
Terceirização em logística slide share
Terceirização em logística slide shareTerceirização em logística slide share
Terceirização em logística slide share
 
Blog friedrich engels
Blog friedrich engelsBlog friedrich engels
Blog friedrich engels
 
Logística de Suprimentos
Logística de SuprimentosLogística de Suprimentos
Logística de Suprimentos
 
Socialismo e Comunismo
Socialismo e ComunismoSocialismo e Comunismo
Socialismo e Comunismo
 
Estruturas e processos organizacionais v 5.1
Estruturas e processos organizacionais  v 5.1Estruturas e processos organizacionais  v 5.1
Estruturas e processos organizacionais v 5.1
 
Estrutura da organização
Estrutura da organizaçãoEstrutura da organização
Estrutura da organização
 
Aula 5 estrutura organizacional
Aula 5   estrutura organizacionalAula 5   estrutura organizacional
Aula 5 estrutura organizacional
 
Estruturas organizacionais
Estruturas organizacionaisEstruturas organizacionais
Estruturas organizacionais
 

Semelhante a Supply Chain Management

Cadeia de suprimentos
Cadeia de suprimentosCadeia de suprimentos
Cadeia de suprimentos
Jonathan Nascyn
 
Sistemas de Gestão
Sistemas de GestãoSistemas de Gestão
Sistemas de Gestão
Vinicius Bueno
 
Aula 7 gestão do relacionamento e nível de serviço
Aula 7 gestão do relacionamento e nível de serviçoAula 7 gestão do relacionamento e nível de serviço
Aula 7 gestão do relacionamento e nível de serviço
loivomar
 
Votorantim Metais e sua trajetória com a Ariba Network [São Paulo]
Votorantim Metais e sua trajetória com a Ariba Network [São Paulo]Votorantim Metais e sua trajetória com a Ariba Network [São Paulo]
Votorantim Metais e sua trajetória com a Ariba Network [São Paulo]
SAP Ariba
 
SCM - Supply Chain Management (Gestão da cadeia de suprimentos)
SCM - Supply Chain Management (Gestão da cadeia de suprimentos)SCM - Supply Chain Management (Gestão da cadeia de suprimentos)
SCM - Supply Chain Management (Gestão da cadeia de suprimentos)
Mauricio Mota da Silva
 
Aula 1 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 1 - Planejamento e Controle da Produção IIAula 1 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 1 - Planejamento e Controle da Produção II
Unidade Acedêmica de Engenharia de Produção
 
Aprovisionamento
AprovisionamentoAprovisionamento
Aprovisionamento
warier96
 
Gestao cadeia suprimento
Gestao cadeia suprimentoGestao cadeia suprimento
Gestao cadeia suprimento
lukasdalmeida
 
Prioridades Competitivas e Criterios Competitivos -Trade-Off.pptx
Prioridades Competitivas e Criterios Competitivos -Trade-Off.pptxPrioridades Competitivas e Criterios Competitivos -Trade-Off.pptx
Prioridades Competitivas e Criterios Competitivos -Trade-Off.pptx
ElisangelaRuthes
 
A Simulação como Ferramenta de Apoio às Decisões da Cadeia de Suprimentos: Pr...
A Simulação como Ferramenta de Apoio às Decisões da Cadeia de Suprimentos: Pr...A Simulação como Ferramenta de Apoio às Decisões da Cadeia de Suprimentos: Pr...
A Simulação como Ferramenta de Apoio às Decisões da Cadeia de Suprimentos: Pr...
Universidade de São Paulo (EEL USP)
 
Introdução à SCM
Introdução à SCMIntrodução à SCM
Introdução à SCM
CLT Valuebased Services
 
02 aula cadeia de fornecimento
02 aula cadeia de fornecimento02 aula cadeia de fornecimento
02 aula cadeia de fornecimento
Homero Alves de Lima
 
02 aula cadeia de fornecimento
02 aula cadeia de fornecimento02 aula cadeia de fornecimento
02 aula cadeia de fornecimento
Homero Alves de Lima
 
Revisão
RevisãoRevisão
Sistemas de gestão
Sistemas de gestãoSistemas de gestão
Sistemas de gestão
Julia Barreiros
 
Srm
SrmSrm
Aula 2 cã³pia
Aula 2   cã³piaAula 2   cã³pia
Aula 2 cã³pia
Jordeilson Amaral
 
Sistemas de gestão
Sistemas de gestãoSistemas de gestão
Sistemas de gestão
Luiz Eduardo de Oliveira
 
Administração da Produção - Supply Chain e Logistica
Administração da Produção - Supply Chain e LogisticaAdministração da Produção - Supply Chain e Logistica
Administração da Produção - Supply Chain e Logistica
douglas
 
GESTÃO DE OPERAÇÕES - conceitos básicos e logística
GESTÃO DE OPERAÇÕES - conceitos básicos e logísticaGESTÃO DE OPERAÇÕES - conceitos básicos e logística
GESTÃO DE OPERAÇÕES - conceitos básicos e logística
ssuserf1e067
 

Semelhante a Supply Chain Management (20)

Cadeia de suprimentos
Cadeia de suprimentosCadeia de suprimentos
Cadeia de suprimentos
 
Sistemas de Gestão
Sistemas de GestãoSistemas de Gestão
Sistemas de Gestão
 
Aula 7 gestão do relacionamento e nível de serviço
Aula 7 gestão do relacionamento e nível de serviçoAula 7 gestão do relacionamento e nível de serviço
Aula 7 gestão do relacionamento e nível de serviço
 
Votorantim Metais e sua trajetória com a Ariba Network [São Paulo]
Votorantim Metais e sua trajetória com a Ariba Network [São Paulo]Votorantim Metais e sua trajetória com a Ariba Network [São Paulo]
Votorantim Metais e sua trajetória com a Ariba Network [São Paulo]
 
SCM - Supply Chain Management (Gestão da cadeia de suprimentos)
SCM - Supply Chain Management (Gestão da cadeia de suprimentos)SCM - Supply Chain Management (Gestão da cadeia de suprimentos)
SCM - Supply Chain Management (Gestão da cadeia de suprimentos)
 
Aula 1 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 1 - Planejamento e Controle da Produção IIAula 1 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 1 - Planejamento e Controle da Produção II
 
Aprovisionamento
AprovisionamentoAprovisionamento
Aprovisionamento
 
Gestao cadeia suprimento
Gestao cadeia suprimentoGestao cadeia suprimento
Gestao cadeia suprimento
 
Prioridades Competitivas e Criterios Competitivos -Trade-Off.pptx
Prioridades Competitivas e Criterios Competitivos -Trade-Off.pptxPrioridades Competitivas e Criterios Competitivos -Trade-Off.pptx
Prioridades Competitivas e Criterios Competitivos -Trade-Off.pptx
 
A Simulação como Ferramenta de Apoio às Decisões da Cadeia de Suprimentos: Pr...
A Simulação como Ferramenta de Apoio às Decisões da Cadeia de Suprimentos: Pr...A Simulação como Ferramenta de Apoio às Decisões da Cadeia de Suprimentos: Pr...
A Simulação como Ferramenta de Apoio às Decisões da Cadeia de Suprimentos: Pr...
 
Introdução à SCM
Introdução à SCMIntrodução à SCM
Introdução à SCM
 
02 aula cadeia de fornecimento
02 aula cadeia de fornecimento02 aula cadeia de fornecimento
02 aula cadeia de fornecimento
 
02 aula cadeia de fornecimento
02 aula cadeia de fornecimento02 aula cadeia de fornecimento
02 aula cadeia de fornecimento
 
Revisão
RevisãoRevisão
Revisão
 
Sistemas de gestão
Sistemas de gestãoSistemas de gestão
Sistemas de gestão
 
Srm
SrmSrm
Srm
 
Aula 2 cã³pia
Aula 2   cã³piaAula 2   cã³pia
Aula 2 cã³pia
 
Sistemas de gestão
Sistemas de gestãoSistemas de gestão
Sistemas de gestão
 
Administração da Produção - Supply Chain e Logistica
Administração da Produção - Supply Chain e LogisticaAdministração da Produção - Supply Chain e Logistica
Administração da Produção - Supply Chain e Logistica
 
GESTÃO DE OPERAÇÕES - conceitos básicos e logística
GESTÃO DE OPERAÇÕES - conceitos básicos e logísticaGESTÃO DE OPERAÇÕES - conceitos básicos e logística
GESTÃO DE OPERAÇÕES - conceitos básicos e logística
 

Mais de Willian dos Santos Abreu

Tipos de Embalagens
Tipos de EmbalagensTipos de Embalagens
Tipos de Embalagens
Willian dos Santos Abreu
 
Produto - FVG
Produto - FVGProduto - FVG
Sistemas de Produção
Sistemas de ProduçãoSistemas de Produção
Sistemas de Produção
Willian dos Santos Abreu
 
Custos Logísticos - Conceitos
Custos Logísticos - ConceitosCustos Logísticos - Conceitos
Custos Logísticos - Conceitos
Willian dos Santos Abreu
 
PIS e COFINS Empresas Logisticas
PIS e COFINS Empresas LogisticasPIS e COFINS Empresas Logisticas
PIS e COFINS Empresas Logisticas
Willian dos Santos Abreu
 
Lucro Real
Lucro RealLucro Real
Introdução Tributos e Taxas Custos Logisticos
Introdução Tributos e Taxas Custos LogisticosIntrodução Tributos e Taxas Custos Logisticos
Introdução Tributos e Taxas Custos Logisticos
Willian dos Santos Abreu
 
E | Estatística
E | EstatísticaE | Estatística
E | Estatística
Willian dos Santos Abreu
 
Relação Fornecedor Cliente
Relação Fornecedor ClienteRelação Fornecedor Cliente
Relação Fornecedor Cliente
Willian dos Santos Abreu
 
Logistica Internacional
Logistica InternacionalLogistica Internacional
Logistica Internacional
Willian dos Santos Abreu
 
Logistica de Transportes - Slides
Logistica de Transportes - SlidesLogistica de Transportes - Slides
Logistica de Transportes - Slides
Willian dos Santos Abreu
 
A logística
A logísticaA logística

Mais de Willian dos Santos Abreu (12)

Tipos de Embalagens
Tipos de EmbalagensTipos de Embalagens
Tipos de Embalagens
 
Produto - FVG
Produto - FVGProduto - FVG
Produto - FVG
 
Sistemas de Produção
Sistemas de ProduçãoSistemas de Produção
Sistemas de Produção
 
Custos Logísticos - Conceitos
Custos Logísticos - ConceitosCustos Logísticos - Conceitos
Custos Logísticos - Conceitos
 
PIS e COFINS Empresas Logisticas
PIS e COFINS Empresas LogisticasPIS e COFINS Empresas Logisticas
PIS e COFINS Empresas Logisticas
 
Lucro Real
Lucro RealLucro Real
Lucro Real
 
Introdução Tributos e Taxas Custos Logisticos
Introdução Tributos e Taxas Custos LogisticosIntrodução Tributos e Taxas Custos Logisticos
Introdução Tributos e Taxas Custos Logisticos
 
E | Estatística
E | EstatísticaE | Estatística
E | Estatística
 
Relação Fornecedor Cliente
Relação Fornecedor ClienteRelação Fornecedor Cliente
Relação Fornecedor Cliente
 
Logistica Internacional
Logistica InternacionalLogistica Internacional
Logistica Internacional
 
Logistica de Transportes - Slides
Logistica de Transportes - SlidesLogistica de Transportes - Slides
Logistica de Transportes - Slides
 
A logística
A logísticaA logística
A logística
 

Último

Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
karinenobre2033
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 

Último (20)

Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 

Supply Chain Management

  • 1. 1 ©The McGraw-Hill Companies, Inc., 2004 Supply-Chain Management Gestão da Cadeia de Suprimentos
  • 2. 2 ©The McGraw-Hill Companies, Inc., 2004 O que é Cadeia de Suprimentos?  Cadeia de Suprimentos é um termo que descreve como as organizações (fornecedores, fabricantes, distribuidores, e clientes) estão ligadas entre si. Cliente Fábrica A Fábrica B Fábrica C Fluxo de Informações Fluxo de Materiais Fluxo Financeiro Cadeia de Suprimento Sequencial
  • 3. 3 ©The McGraw-Hill Companies, Inc., 2004 O que é Gestão da Cadeia de Suprimentos? “Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) é a integração dos processos industriais e comerciais, partindo do consumidor final e indo até os fornecedores iniciais, gerando produtos, serviços e informações que agreguem valor para o cliente”.
  • 4. 4 ©The McGraw-Hill Companies, Inc., 2004 Empresa 1 Empresa 2 Empresa 3 Empresa 4 Empresa 5 Empresa 6 Consumidor Final Extrai minério de ferro Forma lingote de aço Forma metal laminado Faz porta Monta Carro Preparação Final Dirige carro Metal laminado carro Cadeia de Suprimentos para o aço utilizado numa porta de automóvel
  • 5. 5 ©The McGraw-Hill Companies, Inc., 2004 Exemplo Cadeia de Suprimentos Produção de matéria prima Produção de componentes Produção de submontagens Produção de montagens Montagem do produto Distribuição Varejo Usuário
  • 6. 6 ©The McGraw-Hill Companies, Inc., 2004 Cadeia de Suprimentos - Serviço Plano de saúde Hospital Médicos Serviço de laboratório Laboratório de análise Serviço de radiologia Serviço de limpeza Serviço de alimentação Locadora de equipamento Fornecedor de reagentes Fabricante de equipamento Cliente Fluxo de serviço Fluxo de pagamento
  • 7. 7 ©The McGraw-Hill Companies, Inc., 2004 Gestão da Cadeia de Suprimentos  A tendência atual é a terceirização  A gestão do material e dos fornecedores ficou mais complexa  Tornou-se necessária a Gestão da Cadeia de Suprimentos.
  • 8. 8 ©The McGraw-Hill Companies, Inc., 2004 Gestão da Cadeia de Suprimentos  a expectativa dos clientes, com relação aos serviços aumentou;  a competição é muito mais intensa;  a aceitação do conceito de parceria entre clientes e fornecedores se estabeleceu;  o benchmarking, entre indústrias, fez com que as práticas existentes fossem examinadas.
  • 9. 9 ©The McGraw-Hill Companies, Inc., 2004 Troca de Informações na Cadeia de Suprimentos C O N S U M I D O R F A B R I C A N T E F O R N E C E D O R Preferências dos Clientes, Defeitos Satisfação do cliente, etc.. Preço, Qualidade, Caraterísticas Serviços de suporte, etc.. Previsão de Demanda Disponibilidade de novos serviços Qualidade, Lead Time Outros acordos Programação da Demanda Preço, Qualidade, Outros acordos Quebra de máquinas Capacidade, embarque Troca de Informações periódicas Troca de informações em tempo real
  • 10. 10 ©The McGraw-Hill Companies, Inc., 2004 Fornecedores  Fornecedor único  Multiplos fornecedores
  • 11. 11 ©The McGraw-Hill Companies, Inc., 2004 Fórmulas para medição de desempenho da CS  Um dos mais conhecidos é o “Inventory Turnover”  Em situações onde o estoque de distribuição predomina, é preferível utilizar “Semanas de Suprimento” para medir quantas semanas de estoque se encontram no sistema em um período de tempo específico. estoquedoagregadovalordoMedia vendidosprodutosdosCusto estoquedoGiro = semanas52 vendidosprodutosdoscusto estoquedoagregadovalordomédia suprimentodeSemanas       =
  • 12. 12 ©The McGraw-Hill Companies, Inc., 2004 Exemplos da Medição de Desempenho da Cadeia de Suprimentos Suponha que o novo relatório anual da companhia mostra custo do material vendido neste ano é $160 milhões e a média total do inventário (produção + work-in-process) é equivalente a $35 milhões. Nesta companhia normalmente o giro do inventário é 10. Qual é taxa de inventário deste ano? O que isto quer dizer? Suponha que o novo relatório anual da companhia mostra custo do material vendido neste ano é $160 milhões e a média total do inventário (produção + work-in-process) é equivalente a $35 milhões. Nesta companhia normalmente o giro do inventário é 10. Qual é taxa de inventário deste ano? O que isto quer dizer?
  • 13. 13 ©The McGraw-Hill Companies, Inc., 2004 Exemplos da Medição de Desempenho da Cadeia de Suprimentos = $160/$35 = 4.57  Como a taxa normal de giro de inventário na companhia é 10, a diminuição para 4.57 quer dizer que o inventário não está girando tão rápido quanto no passado. É possível concluir que a empresa hoje tem mais inventário que no passado. = $160/$35 = 4.57  Como a taxa normal de giro de inventário na companhia é 10, a diminuição para 4.57 quer dizer que o inventário não está girando tão rápido quanto no passado. É possível concluir que a empresa hoje tem mais inventário que no passado. inventáriodoagregadovalordomédia vendidosprodutosdosCusto inventáriodoGiro =
  • 14. 14 ©The McGraw-Hill Companies, Inc., 2004 Entregas Pedidos Fluxo de Informação Fábrica Warehouse Regional AtacadistaArmazém Central Varejista Cliente Final Fluxo de Material Dinâmica da Cadeia de Suprimentos
  • 15. 15 ©The McGraw-Hill Companies, Inc., 2004 Hau Lee (Conceitos de Gestão da Cadeia de Suprimentos)  Hau Lee ressalta que existem incertezas rodeando o lado da oferta que são critérios igualmente importantes para a estratégia da cadeia de suprimentos.  A processo de oferta estável como aquele em que o processo de manufatura e a tecnologia subjacentes são maduros e a base da oferta é bem estabelecida  Tipos de SC  SC Eficiente  SC que restringem o risco  SC Responsivas  SC Ágeis
  • 16. 16 ©The McGraw-Hill Companies, Inc., 2004 Estrutura da Incerteza de Hau Lee Incerteza da Demanda Baixa (Produtos funcionais) Alta (Produtos inovadores) SC Eficiente Ex.: Alimentos, roupas Petróleo SC Responsiva Ex.: Computadores, moda, música SC Restrige Risco Ex.: Energia hidroelétrica SC Agil Ex.: Telecom, computadores de ponta Baixa (Processo estável) Alta (Processo em expansão) Incerteza do Suprimento
  • 17. 17 ©The McGraw-Hill Companies, Inc., 2004 Tercerização (Outsourcing) Tercerização é definida como o ato de transferir atividades internas e a responsabilidade de decisões de uma empresa para um fornecedor externo
  • 18. 18 ©The McGraw-Hill Companies, Inc., 2004 Tercerização (Outsourcing)  Fornecedores de peças  Manutenção  Fundição  Limpeza  Restaurante  Embalagem
  • 19. 19 ©The McGraw-Hill Companies, Inc., 2004 Razões para terceirização  Motivos organizacionais  Busca de melhorias  Motivos financeiros  Busca de receits  Redução de custos  Estímulo aos funcionários