SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 35
Baixar para ler offline
Sistemas de Administração daSistemas de Administração da
ProduçãoProdução
Sistemas de Administração daSistemas de Administração da
ProduçãoProdução
UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE - UFCG
CENTRO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO SEMIÁRIDO -CDSA
ProduçãoProdução
(SAP)(SAP)
Prof. João Pereira LeiteProf. João Pereira Leite
ProduçãoProdução
(SAP)(SAP)
Prof. João Pereira LeiteProf. João Pereira Leite
DefiniçãoDefinição
Chamamos de SAP (Sistemas de
Administração da Produção) os sistemas que
buscam responder às seguintes questões:
2
• O que produzir e comprar?
• Quanto produzir e comprar?
• Quando produzir e comprar?
• Com que recursos produzir?
DefiniçãoDefinição
As três principais técnicas que buscam
responder essas questões são:
• Os Sistemas MRPII, que se baseiam na lógica
3
• Os Sistemas MRPII, que se baseiam na lógica
do cálculo de necessidade de recursos a partir
das necessidades futuras de produtos;
• O Just in Time, de inspiração japonesa
• OS sistemas de programação da produção
com capacidade finita, que se utilizam de
técnicas de simulação em computador.
1 Planejar as necessidades futuras de capacidade produtiva da
organização;
2 Planejar os materiais comprados;
3 Planejar os níveis de estoques de matéria-prima, semi-acabados e
produtos finais, nos pontos certos;
4 Programar atividades de produção para garantir que os recursos
O que se espera de um sistema deO que se espera de um sistema de
administração da produção?administração da produção?
4
4 Programar atividades de produção para garantir que os recursos
produtivos envolvidos estejam sendo utilizados, em cada momento nas
coisas certas;
5 Ser capaz de saber e de informar corretamente a respeito da situação
corrente dos recursos (pessoas, equipamentos, instalações, materiais) e
ordens (de compra e de produção);
6 Ser capaz de prometer os menores prazos possíveis aos clientes e
depois fazer cumpri-los;
7 Ser capaz de reagir eficazmente.
• Planejar as necessidades futuras de
capacidade produtiva da organização
O que se espera de um sistema deO que se espera de um sistema de
administração da produção?administração da produção?
“Se faz necessário pois há uma inércia entre se
5
“Se faz necessário pois há uma inércia entre se
tomar a decisão de incrementar a capacidade e o
tempo em que isso passará a ocorrer. Quanto maior
for a necessidade de incremento de capacidade
maior será essa inércia. Ex: recrutar MO, treinar,
comprar máquinas, aumentar um galpão”.
• Planejar os materiais comprados
O que se espera de um sistema deO que se espera de um sistema de
administração da produção?administração da produção?
“Se faz necessário para que os materiais
comprados não cheguem nem antes nem depois,
6
comprados não cheguem nem antes nem depois,
nem em quantidades maiores nem menores do que
as necessárias para o atingimento da demanda. A
falta de materiais pode reduzir a utilização dos
recursos produtivos e o excesso pode levar a sobra
de material e a custos de manutenção de estoque e
obsolescência”.
• Planejar os níveis adequados de estoque de
matérias primas, semi-acabados e produtos
finais nos pontos certos
O que se espera de um sistema deO que se espera de um sistema de
administração da produção?administração da produção?
7
“Significa planejar os níveis mínimos de estoque
em cada ponto da cadeia de valor. O estoque zero é
uma meta difícil de alcançar. Na realidade deve-se
calcular os níveis mínimos necessários para
atender estrategicamente as necessidades do
negócio e buscar reduzi-lo continuamente”.
• Programar atividades de produção para
garantir que os recursos produtivos
envolvidos estejam sendo utilizados, em cada
momento, nas atividades certas e prioritárias
O que se espera de um sistema deO que se espera de um sistema de
administração da produção?administração da produção?
8
“Os recursos de produção são escassos, devendo-
se priorizar sua utilização nas atividades certas.
Quando uma máquina é liberada deve-se decidir
dentre as atividades aguardando para serem
executadas, qual deve ser priorizada. A que requer
menos tempo? A mais antiga que aguarda? A que
implica em faturamento?”.
• Ser capaz de saber e de informar
corretamente a respeito da situação corrente
dos recursos (pessoas, equipamentos,
instalações) e das ordens (de compra e
produção)
O que se espera de um sistema deO que se espera de um sistema de
administração da produção?administração da produção?
9
produção)
“Faz parte da função de CONTROLE da produção. A
informação é essencial para que cada parceiro
(cliente, fornecedores, etc) possam contribuir com
os objetivos estratégicos do negócio. Apesar de ser
um objetivo óbvio de qualquer sistema de
administração da produção, no Brasil é difícil de ser
atingido”
• Ser capaz de prometer os menores prazos
possíveis aos cliente e depois, fazer cumpri-
los
O que se espera de um sistema deO que se espera de um sistema de
administração da produção?administração da produção? (Aqui)(Aqui)
“É comum que para que para se lograr sucesso nas
10
“É comum que para que para se lograr sucesso nas
vendas se utilize prazos IMPOSSÍVEIS de serem
alcançados pela fábrica. O resultado é turbulência,
redução dos tamanhos de lote, mudanças de
prioridade, que acabam não só atrasando essas
entregas com prazos irreais como as demais
entregas”
• Ser capaz de reagir eficazmente
O que se espera de um sistema deO que se espera de um sistema de
administração da produção?administração da produção?
“As condições planejadas para o futuro mudam e
nem sempre o que se planejou vai ocorrer conforme
11
nem sempre o que se planejou vai ocorrer conforme
previsto (podem ocorrer mudanças no processo
produtivo, mudanças na disponibilidade de
suprimento, mudanças na demanda). O negócio
precisa estar preparado para enxergar os desvios
da realidade em relação ao plano e rapidamente
replanejar o futuro, levando em consideração as
novas ocorrências”
“Ser competitivo é ser capaz de superar a
concorrência naqueles aspectos de desempenho
que os nichos de mercado visados
(clientes=empresas) mais valorizam”.
Definição
Produção e competitividadeProdução e competitividade
12
(clientes=empresas) mais valorizam”.
São eles:
Custo percebido pelo cliente
Velocidade de entrega
Confiabilidade de entrega
Flexibilidade das saídas
Qualidade dos produtos
Serviços prestados ao cliente
“É uma forma mais ampla de enxergar o aspecto
“preço”. No custo percebido pelo cliente não se
leva em consideração apenas o preço de venda de
Custo percebido pelo cliente (cliente empresa)
Produção e competitividadeProdução e competitividade
13
leva em consideração apenas o preço de venda de
algo mas outros custos, como transporte do
fornecedor ao comprador; custos com qualidade
não conforme; custos com estoques devido alguns
fornecedores só venderem em grandes lotes”.
“É o tempo que decorre desde a colocação do
pedido no fornecedor até a entrega do material ao
cliente”. Empresas que trabalham em ambientes
Velocidade de entrega
Produção e competitividadeProdução e competitividade
14
cliente”. Empresas que trabalham em ambientes
pouco previsíveis preferem fornecedores com
velocidade de entrega maior, pois assim podem
colocar os pedidos mais tarde e diminuir os riscos
devido a imprevisibilidade”.
“Refere-se a capacidade do fornecedor de cumprir
suas promessas de entrega. É um aspecto bastante
valorizado pelo cliente, pois se a confiabilidade de
Confiabilidade de entrega
Produção e competitividadeProdução e competitividade
15
valorizado pelo cliente, pois se a confiabilidade de
entrega do fornecedor for baixa, ele
obrigatoriamente terá que manter um estoque maior
para evitar falta de material”.
“Refere-se a capacidade do sistema produtivo
mudar o que faz, seja mudando muito o que se faz
ou rapidamente o que se faz. Ex: introdução de
Flexibilidade de saídas
Produção e competitividadeProdução e competitividade
16
ou rapidamente o que se faz. Ex: introdução de
novos produtos ou alteração de produtos
existentes, mudança no mix de produtos, alteração
nas datas de entrega (adiamento ou antecipação)”.
“Se refere a capacidade de oferecer produtos livres
de defeitos, em conformidade absoluta às
especificações. Hoje em dia é uma condição sine
qua non de aspecto qualificador para a empresa.
Qualidade de produtos
Produção e competitividadeProdução e competitividade
17
qua non de aspecto qualificador para a empresa.
Por si só não garante competitividade, já que se
trata de uma condição básica necessária para que
uma empresa possa concorrer de igual a igual pelos
mercados”.
“Relaciona-se com aqueles componentes do pacote
oferecido ao cliente que não são tangíveis, ou em
outra palavras não são bens físicos. Ex:
Assistência técnica pré e pós-venda, informações
Serviço prestado ao cliente
Produção e competitividadeProdução e competitividade
18
Assistência técnica pré e pós-venda, informações
técnicas, garantia de qualidade para dispensar
controle de qualidade de entrada no cliente, item
oferecido ao cliente diretamente na linha de
montagem, etc”.
Como os sistemas de administração da
produção (SAP) podem influenciar nos seis
Impacto das decisões de planejamento e controle daImpacto das decisões de planejamento e controle da
produção nos objetivos de desempenhoprodução nos objetivos de desempenho
19
produção (SAP) podem influenciar nos seis
aspectos de desempenho dos sistemas
produtivos que tem impacto estratégico na
competitividade da organização?
Influência nos custos vistos pelo cliente
Impacto das decisões de planejamento e controle daImpacto das decisões de planejamento e controle da
produção nos objetivos de desempenhoprodução nos objetivos de desempenho
Os sistemas de administração da produção são os responsáveis
pelo estabelecimento e manutenção de níveis adequados de estoque.
Uma gestão adequada pode reduzir esses níveis ao mínimo
necessário;
20
necessário;
Também são responsáveis pelo gerenciamento das datas de
entrega. Se bem gerenciadas evitarão multas contratuais causadas
por atrasos e que implicam em custo;
Também definem o que vai ser comprado: comprar certo minimiza
custos financeiros, de obsolescência ou sobras e interrupções no
sistema por falta de material;
Influência na velocidade de entrega
Impacto das decisões de planejamento e controle daImpacto das decisões de planejamento e controle da
produção nos objetivos de desempenhoprodução nos objetivos de desempenho
A velocidade de entrega é influenciada pelo tempo de
atravessamento de materiais pelo sistema produtivo. Os sistemas de
administração da produção são os responsáveis pela gestão do
21
administração da produção são os responsáveis pela gestão do
estoque em processo (WIP) espalhado nas filas e que influenciam no
tempo de atravessamento e na velocidade de entrega , por sua vez;
O SAP também deve se preocupar com a situação corrente dos
recursos. Se uma máquina quebra, se não for tomada nenhuma
atitude com relação a este recurso, as ordens de fabricação ali
alocadas não serão processadas, mas se a função controle estiver
funcionando bem, isso será detectado e essas ordens poderão ser
relocadas para outras máquinas alternativas;
Influência na confiabilidade de entregas
Impacto das decisões de planejamento e controle daImpacto das decisões de planejamento e controle da
produção nos objetivos de desempenhoprodução nos objetivos de desempenho
As influências consideradas no item anterior também são válidas e
podem afetar na confiabilidade de entregas;
Além disso os SAP devem se preocupar em prover o depto de
22
Além disso os SAP devem se preocupar em prover o depto de
VENDAS com informações precisas, para que esta possa prometer
prazos viáveis mínimos e depois a fábrica possa cumprir;
Por fim os SAP podem ainda contribuir para a manutenção de uma
BOA IMAGEM da organização junto aos clientes, por exemplo,
informando-os com máxima brevidade o não cumprimento de
prazos, de forma que o mesmo possa agir e minimizar as
conseqüências do atraso.
Influência sobre a flexibilidade de saídas
Impacto das decisões de planejamento e controle daImpacto das decisões de planejamento e controle da
produção nos objetivos de desempenhoprodução nos objetivos de desempenho
A influência dos SAP sobre a flexibilidade de saídas está
principalmente relacionada com a capacidade de reação que esses
sistemas proporcionam;
23
A flexibilidade pode ser definida como a “habilidade de reagir
eficazmente a mudanças não planejadas”. A habilidade maior ou
menor de um sistema produtivo reconhecer que determinada
mudança ocorreu e de disparar ações que tratem a mudança de
forma eficaz, dada pelo seu SAP determina quão flexível é o sistema
produtivo.
Influência sobre a qualidade do produto
Impacto das decisões de planejamento e controle daImpacto das decisões de planejamento e controle da
produção nos objetivos de desempenhoprodução nos objetivos de desempenho
Os SAP manterá informações da composição de produtos (lista de
materiais e estrutura de produto) que se estiverem bem atualizadas
evitarão a produção de defeitos;
24
Os SAP também controlam os níveis de estoque em cada etapa da
fabricação e dessa maneira pode minimizá-los e mantê-los em um
nível que “desacoberte” imperfeições nestes que acabarão por se
transformar em defeitos.
Influência sobre o serviço prestado ao
cliente
Impacto das decisões de planejamento e controle daImpacto das decisões de planejamento e controle da
produção nos objetivos de desempenhoprodução nos objetivos de desempenho
Os SAP podem disponibilizar informações diversas que são
compartilhadas pelos cliente e fornecedor. Podem ser fornecidas
25
compartilhadas pelos cliente e fornecedor. Podem ser fornecidas
informações sobre o estado de completamento de determinado
pedido, níveis de estoque no cliente (integrado diretamente ao
fornecedor, para que ele possa assumir para si a responsabilidade
dos cálculos de necessidade), serviços de gerenciamento de
estoques de materiais fornecidos em consignação, etc;
Conceito de planejamentoConceito de planejamento
“Planejar é entender como a consideração
conjunta da situação presente e da visão de
26
conjunta da situação presente e da visão de
futuro influencia as decisões tomadas no
presente para que se atinjam determinados
objetivos no futuro” Corrêa et al
Planejar é projetar um futuro que é diferente do passado
por causas sobre as quais se tem controle.
A dinâmica do processo de planejamentoA dinâmica do processo de planejamento
“O processo de planejamento deve ser
contínuo. Em cada momento devemos ter
noção da situação presente, a visão de
27
noção da situação presente, a visão de
futuro, os objetivos pretendidos e o
entendimento de como esses elementos afetam
as decisões que se devem tomar no presente”
A dinâmica do processo de planejamentoA dinâmica do processo de planejamento
Em termos práticos a dinâmica se dá em 5
passos:
Passo 1 – Levantamento da situação presente
O sistema de planejamento deve “fotografar” a situação
28
O sistema de planejamento deve “fotografar” a situação
em que se encontram as atividades e os recursos para
que esta esteja presente no processo de planejamento;
Passo 2 – Desenvolvimento e reconhecimento da
visão de futuro
O sistema deve considerar a visão de futuro para que
possa emprestar sua influência ao processo decisório;
A dinâmica do processo de planejamentoA dinâmica do processo de planejamento
Passo 3 – Tratamento conjunto da situação
presente e da visão de futuro
Por alguma lógica que transforme os dados coletados
sobre o presente e o futuro em informações que
passam a ser disponibilizadas numa forma útil para a
29
passam a ser disponibilizadas numa forma útil para a
tomada de decisão gerencial;
Passo 4 – Tomada de decisão gerencial
Com base nas informações disponibilizadas pelo
sistema, os tomadores de decisão efetivamente tomam
decisões logísticas sobre o que, quanto e quando
produzir e comprar e com que recursos produzir;
A dinâmica do processo de planejamentoA dinâmica do processo de planejamento
Passo 5 – Execução do plano
Decorre de um período em que efetivamente as
diversas decisões vão tomando efeito. Naturalmente
algumas coisas não ocorrerão como planejadas. O
30
algumas coisas não ocorrerão como planejadas. O
tempo decorre até que se chega a um determinado
momento em que é mais prudente tirar outra
“fotografia”da situação presente e redisparar o
processo. Esse é o momento de voltar ao passo 1;
O Horizonte de planejamentoO Horizonte de planejamento
O tamanho do tempo futuro sobre o qual se tenha
interesse em desenvolver uma visão é chamado
HORIZONTE DO PLANEJAMENTO.
Como regra prática para definição DO HORIZONTE
31
Como regra prática para definição DO HORIZONTE
A PLANEJAR, pode-se considerar aquele ponto no
futuro que deixe de ser relevante nas decisões
tomadas no presente. Este ponto será representa o
limite do horizonte do planejamento.
O Horizonte de planejamentoO Horizonte de planejamento
O tamanho do tempo futuro sobre o qual se tenha
interesse em desenvolver uma visão é chamado
HORIZONTE DO PLANEJAMENTO.
32
Como regra prática para definição DO HORIZONTE
A PLANEJAR, pode-se considerar aquele ponto no
futuro que deixe de ser relevante nas decisões
tomadas no presente.
O Horizonte de planejamentoO Horizonte de planejamento
Ex: Imagine uma fábrica de calçados. Seu horizonte
de planejamento deve ser 8 anos?
O ponto futuro em 8 anos provavelmente terá muito
pouca influência sobre decisões tomadas no
presente.
33
presente.
E daqui a 5 anos? Em 4 anos? Em 1 ano?
Deve-se buscar um ponto que valha a pena analisar
e que sofra influência sobre decisões tomadas no
presente.
O Horizonte de planejamentoO Horizonte de planejamento
Horizontes de planejamento
hoje
tempocurto prazo
médio prazo
Por que prever?
34
decisões
Efeito da
decisão A
Efeito da
decisão B
Efeito da
decisão C
Longo prazo
A
B
C
O horizonte de curto prazo possibilitará boas tomadas de decisão
para decisões de inércia pequena. O de médio pra decisões de média
inércia e o de longo para decisões de grande inércia
O Horizonte de planejamentoO Horizonte de planejamento
Previsão de
demanda / erro
Erros esperados de previsão crescem com o horizonte
35
(tempo)Hoje Horizonte futuro
Faixadeerroesperado
Previsão

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Introdução a Administração de Produção e Operações
Introdução a Administração de Produção e OperaçõesIntrodução a Administração de Produção e Operações
Introdução a Administração de Produção e Operaçõesdouglas
 
Gestao estoques apresentação
Gestao estoques apresentaçãoGestao estoques apresentação
Gestao estoques apresentaçãoCharles Rebouças
 
Gerenciamento de Projetos
Gerenciamento de ProjetosGerenciamento de Projetos
Gerenciamento de ProjetosMarcos Abreu
 
Aula 1.4 GestãO De Estoques
Aula 1.4 GestãO De EstoquesAula 1.4 GestãO De Estoques
Aula 1.4 GestãO De EstoquesVinícius Luiz
 
Programa de qualidade aplicado na produção
Programa de qualidade aplicado na produçãoPrograma de qualidade aplicado na produção
Programa de qualidade aplicado na produçãoMarcelo Aparecido Sampaio
 
Planejamento e controle da produção
Planejamento e controle da produçãoPlanejamento e controle da produção
Planejamento e controle da produçãoLuiza Mucida
 
Aula 1 Administração da Produção - definições básicas
Aula 1   Administração da Produção - definições básicasAula 1   Administração da Produção - definições básicas
Aula 1 Administração da Produção - definições básicasCorreios
 
Aula 02 introducao adm da produção - db
Aula 02   introducao adm da produção - dbAula 02   introducao adm da produção - db
Aula 02 introducao adm da produção - dbDaniela Brauner
 
Capacidade de produção
Capacidade de produçãoCapacidade de produção
Capacidade de produçãoMauro Enrique
 
Previsão da Demanda I
Previsão da Demanda IPrevisão da Demanda I
Previsão da Demanda IMauro Enrique
 
Carregamento, Sequenciamento e Programação da produção
Carregamento, Sequenciamento e Programação da produçãoCarregamento, Sequenciamento e Programação da produção
Carregamento, Sequenciamento e Programação da produçãoMauro Enrique
 
Sistema de Planejamento e Controle da Produção - PCP
Sistema de Planejamento e Controle da Produção - PCPSistema de Planejamento e Controle da Produção - PCP
Sistema de Planejamento e Controle da Produção - PCPMauro Enrique
 
Arranjo físico (layout)
Arranjo físico (layout)Arranjo físico (layout)
Arranjo físico (layout)Maritta Barbosa
 
Planejamento, organização, direcao e controle
Planejamento, organização, direcao e controlePlanejamento, organização, direcao e controle
Planejamento, organização, direcao e controleRodrigo Ribeiro
 

Mais procurados (20)

Introdução a Administração de Produção e Operações
Introdução a Administração de Produção e OperaçõesIntrodução a Administração de Produção e Operações
Introdução a Administração de Produção e Operações
 
Gestao estoques apresentação
Gestao estoques apresentaçãoGestao estoques apresentação
Gestao estoques apresentação
 
04 aula estocagem
04 aula estocagem04 aula estocagem
04 aula estocagem
 
Gerenciamento de Projetos
Gerenciamento de ProjetosGerenciamento de Projetos
Gerenciamento de Projetos
 
Aula 1.4 GestãO De Estoques
Aula 1.4 GestãO De EstoquesAula 1.4 GestãO De Estoques
Aula 1.4 GestãO De Estoques
 
Programa de qualidade aplicado na produção
Programa de qualidade aplicado na produçãoPrograma de qualidade aplicado na produção
Programa de qualidade aplicado na produção
 
Planejamento e controle da produção
Planejamento e controle da produçãoPlanejamento e controle da produção
Planejamento e controle da produção
 
Aula 1 Administração da Produção - definições básicas
Aula 1   Administração da Produção - definições básicasAula 1   Administração da Produção - definições básicas
Aula 1 Administração da Produção - definições básicas
 
06 aula just in time e kanban
06 aula just in time e kanban06 aula just in time e kanban
06 aula just in time e kanban
 
Função Produção
Função ProduçãoFunção Produção
Função Produção
 
Aula 02 introducao adm da produção - db
Aula 02   introducao adm da produção - dbAula 02   introducao adm da produção - db
Aula 02 introducao adm da produção - db
 
Importância do Layout Interno
Importância do Layout InternoImportância do Layout Interno
Importância do Layout Interno
 
Capacidade de produção
Capacidade de produçãoCapacidade de produção
Capacidade de produção
 
Previsão da Demanda I
Previsão da Demanda IPrevisão da Demanda I
Previsão da Demanda I
 
Aula 2 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 2 - Planejamento e Controle da Produção IIAula 2 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 2 - Planejamento e Controle da Produção II
 
Carregamento, Sequenciamento e Programação da produção
Carregamento, Sequenciamento e Programação da produçãoCarregamento, Sequenciamento e Programação da produção
Carregamento, Sequenciamento e Programação da produção
 
Sistema de Planejamento e Controle da Produção - PCP
Sistema de Planejamento e Controle da Produção - PCPSistema de Planejamento e Controle da Produção - PCP
Sistema de Planejamento e Controle da Produção - PCP
 
Arranjo físico (layout)
Arranjo físico (layout)Arranjo físico (layout)
Arranjo físico (layout)
 
Planejamento, organização, direcao e controle
Planejamento, organização, direcao e controlePlanejamento, organização, direcao e controle
Planejamento, organização, direcao e controle
 
Lean Manufacturing 5
Lean Manufacturing 5Lean Manufacturing 5
Lean Manufacturing 5
 

Semelhante a SAP e competitividade

[Planejamento e controle da produ -o - tubino] lista de exerc-cios resolvidos
[Planejamento e controle da produ -o - tubino]  lista de exerc-cios resolvidos[Planejamento e controle da produ -o - tubino]  lista de exerc-cios resolvidos
[Planejamento e controle da produ -o - tubino] lista de exerc-cios resolvidosLuiz Fabiano Bonetti
 
Princípios da administração das operações
Princípios da administração das operaçõesPrincípios da administração das operações
Princípios da administração das operaçõesLucas Mendes
 
Caderno - Gestão de Operações
Caderno - Gestão de OperaçõesCaderno - Gestão de Operações
Caderno - Gestão de OperaçõesCadernos PPT
 
Vantagens e desvantagens do justin time
Vantagens e desvantagens do justin timeVantagens e desvantagens do justin time
Vantagens e desvantagens do justin timeDanny Moura
 
Apresentação PCP - Produção Puxada - Manufatura Enxuta ( Lean Manufacturing )
Apresentação PCP - Produção Puxada - Manufatura Enxuta ( Lean Manufacturing )Apresentação PCP - Produção Puxada - Manufatura Enxuta ( Lean Manufacturing )
Apresentação PCP - Produção Puxada - Manufatura Enxuta ( Lean Manufacturing )Rafael Santos Adriano
 
Lean Manufacturing
Lean ManufacturingLean Manufacturing
Lean ManufacturingVicenteTino
 
Lean Manufacturing
Lean ManufacturingLean Manufacturing
Lean ManufacturingVicenteTino
 
Aula 1.1 sistema de administração da produção
Aula 1.1  sistema de administração da produçãoAula 1.1  sistema de administração da produção
Aula 1.1 sistema de administração da produçãoJosefina Ladeia Lima
 
Apresentação JMC LOGISTICA .
Apresentação JMC LOGISTICA .Apresentação JMC LOGISTICA .
Apresentação JMC LOGISTICA .JMC LOGÍSTICA
 
Apresentação JMC LOGISTICA
Apresentação JMC LOGISTICAApresentação JMC LOGISTICA
Apresentação JMC LOGISTICAJMC LOGÍSTICA
 
Apresentação JMC LOGÍSTICA.som
Apresentação JMC LOGÍSTICA.somApresentação JMC LOGÍSTICA.som
Apresentação JMC LOGÍSTICA.somJMC LOGÍSTICA
 
132 slides engenharia da qualidade sistema de manufatura
132 slides engenharia da qualidade  sistema  de  manufatura  132 slides engenharia da qualidade  sistema  de  manufatura
132 slides engenharia da qualidade sistema de manufatura delano chaves gurgel do amaral
 
Gestão dinâmica planejamento e controle de produção - suporte microsiga ,cr...
Gestão dinâmica   planejamento e controle de produção - suporte microsiga ,cr...Gestão dinâmica   planejamento e controle de produção - suporte microsiga ,cr...
Gestão dinâmica planejamento e controle de produção - suporte microsiga ,cr...Lucas Braga
 

Semelhante a SAP e competitividade (20)

Aula2 producao i
Aula2 producao iAula2 producao i
Aula2 producao i
 
[Planejamento e controle da produ -o - tubino] lista de exerc-cios resolvidos
[Planejamento e controle da produ -o - tubino]  lista de exerc-cios resolvidos[Planejamento e controle da produ -o - tubino]  lista de exerc-cios resolvidos
[Planejamento e controle da produ -o - tubino] lista de exerc-cios resolvidos
 
Princípios da administração das operações
Princípios da administração das operaçõesPrincípios da administração das operações
Princípios da administração das operações
 
Porque devo devo ter um setor de ppcp
Porque devo devo ter um setor de ppcpPorque devo devo ter um setor de ppcp
Porque devo devo ter um setor de ppcp
 
Caderno - Gestão de Operações
Caderno - Gestão de OperaçõesCaderno - Gestão de Operações
Caderno - Gestão de Operações
 
Vantagens e desvantagens do justin time
Vantagens e desvantagens do justin timeVantagens e desvantagens do justin time
Vantagens e desvantagens do justin time
 
Just in Time
Just in TimeJust in Time
Just in Time
 
Sistemas de Produção
Sistemas de ProduçãoSistemas de Produção
Sistemas de Produção
 
Aula just in time
Aula just in timeAula just in time
Aula just in time
 
Apresentação PCP - Produção Puxada - Manufatura Enxuta ( Lean Manufacturing )
Apresentação PCP - Produção Puxada - Manufatura Enxuta ( Lean Manufacturing )Apresentação PCP - Produção Puxada - Manufatura Enxuta ( Lean Manufacturing )
Apresentação PCP - Produção Puxada - Manufatura Enxuta ( Lean Manufacturing )
 
Sistemas de Informação 2 - Aula04 - Sistemas de informação nas organizações p...
Sistemas de Informação 2 - Aula04 - Sistemas de informação nas organizações p...Sistemas de Informação 2 - Aula04 - Sistemas de informação nas organizações p...
Sistemas de Informação 2 - Aula04 - Sistemas de informação nas organizações p...
 
Lean Manufacturing
Lean ManufacturingLean Manufacturing
Lean Manufacturing
 
Lean Manufacturing
Lean ManufacturingLean Manufacturing
Lean Manufacturing
 
PALESTRA ERP
PALESTRA ERPPALESTRA ERP
PALESTRA ERP
 
Aula 1.1 sistema de administração da produção
Aula 1.1  sistema de administração da produçãoAula 1.1  sistema de administração da produção
Aula 1.1 sistema de administração da produção
 
Apresentação JMC LOGISTICA .
Apresentação JMC LOGISTICA .Apresentação JMC LOGISTICA .
Apresentação JMC LOGISTICA .
 
Apresentação JMC LOGISTICA
Apresentação JMC LOGISTICAApresentação JMC LOGISTICA
Apresentação JMC LOGISTICA
 
Apresentação JMC LOGÍSTICA.som
Apresentação JMC LOGÍSTICA.somApresentação JMC LOGÍSTICA.som
Apresentação JMC LOGÍSTICA.som
 
132 slides engenharia da qualidade sistema de manufatura
132 slides engenharia da qualidade  sistema  de  manufatura  132 slides engenharia da qualidade  sistema  de  manufatura
132 slides engenharia da qualidade sistema de manufatura
 
Gestão dinâmica planejamento e controle de produção - suporte microsiga ,cr...
Gestão dinâmica   planejamento e controle de produção - suporte microsiga ,cr...Gestão dinâmica   planejamento e controle de produção - suporte microsiga ,cr...
Gestão dinâmica planejamento e controle de produção - suporte microsiga ,cr...
 

Mais de Unidade Acedêmica de Engenharia de Produção

Mais de Unidade Acedêmica de Engenharia de Produção (20)

Aula 4 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 4 - Planejamento e Controle da Produção IIAula 4 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 4 - Planejamento e Controle da Produção II
 
Aula 3 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 3 - Planejamento e Controle da Produção IIAula 3 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 3 - Planejamento e Controle da Produção II
 
Aula 6 - Gestão da Qualidade
Aula 6 - Gestão da QualidadeAula 6 - Gestão da Qualidade
Aula 6 - Gestão da Qualidade
 
Aula 3 - Gestão da Qualidade
Aula 3 - Gestão da QualidadeAula 3 - Gestão da Qualidade
Aula 3 - Gestão da Qualidade
 
Aula 2 - Gestão da Qualidade
Aula 2 - Gestão da QualidadeAula 2 - Gestão da Qualidade
Aula 2 - Gestão da Qualidade
 
Aula 1 - Gestão da Qualidade
Aula 1 - Gestão da QualidadeAula 1 - Gestão da Qualidade
Aula 1 - Gestão da Qualidade
 
Aula 4 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 4 - Projeto de Fábrica e Layout Aula 4 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 4 - Projeto de Fábrica e Layout
 
Aula 3 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 3 - Projeto de Fábrica e Layout Aula 3 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 3 - Projeto de Fábrica e Layout
 
Aula 2.1 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 2.1 - Projeto de Fábrica e Layout Aula 2.1 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 2.1 - Projeto de Fábrica e Layout
 
Aula 2 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 2 - Projeto de Fábrica e Layout Aula 2 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 2 - Projeto de Fábrica e Layout
 
Aula 1 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 1 - Projeto de Fábrica e Layout Aula 1 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 1 - Projeto de Fábrica e Layout
 
Aula 6 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 6 - Higiene e Segurança do TrabalhoAula 6 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 6 - Higiene e Segurança do Trabalho
 
Aula 5 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 5 - Higiene e Segurança do TrabalhoAula 5 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 5 - Higiene e Segurança do Trabalho
 
Aula 4 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 4 - Higiene e Segurança do Trabalho Aula 4 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 4 - Higiene e Segurança do Trabalho
 
Aula 3.1 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 3.1 - Higiene e Segurança do Trabalho Aula 3.1 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 3.1 - Higiene e Segurança do Trabalho
 
Aula 3 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 3 - Higiene e Segurança do Trabalho Aula 3 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 3 - Higiene e Segurança do Trabalho
 
Aula 2 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 2 - Higiene e Segurança do Trabalho Aula 2 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 2 - Higiene e Segurança do Trabalho
 
Aula 1 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 1 - Higiene e Segurança do TrabalhoAula 1 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 1 - Higiene e Segurança do Trabalho
 
Aula 9 - Sistemas de Produção
Aula 9 - Sistemas de ProduçãoAula 9 - Sistemas de Produção
Aula 9 - Sistemas de Produção
 
Aula 8 - Sistemas de Produção
Aula 8 - Sistemas de ProduçãoAula 8 - Sistemas de Produção
Aula 8 - Sistemas de Produção
 

Último

Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalJacqueline Cerqueira
 
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaAula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaaulasgege
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Bullying - Texto e cruzadinha
Bullying        -     Texto e cruzadinhaBullying        -     Texto e cruzadinha
Bullying - Texto e cruzadinhaMary Alvarenga
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdfJorge Andrade
 
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.keislayyovera123
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Centro Jacques Delors
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxfabiolalopesmartins1
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
Regência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfRegência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfmirandadudu08
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBCRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBAline Santana
 
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarCaixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarIedaGoethe
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesMary Alvarenga
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
 
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaAula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Bullying - Texto e cruzadinha
Bullying        -     Texto e cruzadinhaBullying        -     Texto e cruzadinha
Bullying - Texto e cruzadinha
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
 
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
Regência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfRegência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdf
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBCRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
 
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarCaixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 

SAP e competitividade

  • 1. Sistemas de Administração daSistemas de Administração da ProduçãoProdução Sistemas de Administração daSistemas de Administração da ProduçãoProdução UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE - UFCG CENTRO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO SEMIÁRIDO -CDSA ProduçãoProdução (SAP)(SAP) Prof. João Pereira LeiteProf. João Pereira Leite ProduçãoProdução (SAP)(SAP) Prof. João Pereira LeiteProf. João Pereira Leite
  • 2. DefiniçãoDefinição Chamamos de SAP (Sistemas de Administração da Produção) os sistemas que buscam responder às seguintes questões: 2 • O que produzir e comprar? • Quanto produzir e comprar? • Quando produzir e comprar? • Com que recursos produzir?
  • 3. DefiniçãoDefinição As três principais técnicas que buscam responder essas questões são: • Os Sistemas MRPII, que se baseiam na lógica 3 • Os Sistemas MRPII, que se baseiam na lógica do cálculo de necessidade de recursos a partir das necessidades futuras de produtos; • O Just in Time, de inspiração japonesa • OS sistemas de programação da produção com capacidade finita, que se utilizam de técnicas de simulação em computador.
  • 4. 1 Planejar as necessidades futuras de capacidade produtiva da organização; 2 Planejar os materiais comprados; 3 Planejar os níveis de estoques de matéria-prima, semi-acabados e produtos finais, nos pontos certos; 4 Programar atividades de produção para garantir que os recursos O que se espera de um sistema deO que se espera de um sistema de administração da produção?administração da produção? 4 4 Programar atividades de produção para garantir que os recursos produtivos envolvidos estejam sendo utilizados, em cada momento nas coisas certas; 5 Ser capaz de saber e de informar corretamente a respeito da situação corrente dos recursos (pessoas, equipamentos, instalações, materiais) e ordens (de compra e de produção); 6 Ser capaz de prometer os menores prazos possíveis aos clientes e depois fazer cumpri-los; 7 Ser capaz de reagir eficazmente.
  • 5. • Planejar as necessidades futuras de capacidade produtiva da organização O que se espera de um sistema deO que se espera de um sistema de administração da produção?administração da produção? “Se faz necessário pois há uma inércia entre se 5 “Se faz necessário pois há uma inércia entre se tomar a decisão de incrementar a capacidade e o tempo em que isso passará a ocorrer. Quanto maior for a necessidade de incremento de capacidade maior será essa inércia. Ex: recrutar MO, treinar, comprar máquinas, aumentar um galpão”.
  • 6. • Planejar os materiais comprados O que se espera de um sistema deO que se espera de um sistema de administração da produção?administração da produção? “Se faz necessário para que os materiais comprados não cheguem nem antes nem depois, 6 comprados não cheguem nem antes nem depois, nem em quantidades maiores nem menores do que as necessárias para o atingimento da demanda. A falta de materiais pode reduzir a utilização dos recursos produtivos e o excesso pode levar a sobra de material e a custos de manutenção de estoque e obsolescência”.
  • 7. • Planejar os níveis adequados de estoque de matérias primas, semi-acabados e produtos finais nos pontos certos O que se espera de um sistema deO que se espera de um sistema de administração da produção?administração da produção? 7 “Significa planejar os níveis mínimos de estoque em cada ponto da cadeia de valor. O estoque zero é uma meta difícil de alcançar. Na realidade deve-se calcular os níveis mínimos necessários para atender estrategicamente as necessidades do negócio e buscar reduzi-lo continuamente”.
  • 8. • Programar atividades de produção para garantir que os recursos produtivos envolvidos estejam sendo utilizados, em cada momento, nas atividades certas e prioritárias O que se espera de um sistema deO que se espera de um sistema de administração da produção?administração da produção? 8 “Os recursos de produção são escassos, devendo- se priorizar sua utilização nas atividades certas. Quando uma máquina é liberada deve-se decidir dentre as atividades aguardando para serem executadas, qual deve ser priorizada. A que requer menos tempo? A mais antiga que aguarda? A que implica em faturamento?”.
  • 9. • Ser capaz de saber e de informar corretamente a respeito da situação corrente dos recursos (pessoas, equipamentos, instalações) e das ordens (de compra e produção) O que se espera de um sistema deO que se espera de um sistema de administração da produção?administração da produção? 9 produção) “Faz parte da função de CONTROLE da produção. A informação é essencial para que cada parceiro (cliente, fornecedores, etc) possam contribuir com os objetivos estratégicos do negócio. Apesar de ser um objetivo óbvio de qualquer sistema de administração da produção, no Brasil é difícil de ser atingido”
  • 10. • Ser capaz de prometer os menores prazos possíveis aos cliente e depois, fazer cumpri- los O que se espera de um sistema deO que se espera de um sistema de administração da produção?administração da produção? (Aqui)(Aqui) “É comum que para que para se lograr sucesso nas 10 “É comum que para que para se lograr sucesso nas vendas se utilize prazos IMPOSSÍVEIS de serem alcançados pela fábrica. O resultado é turbulência, redução dos tamanhos de lote, mudanças de prioridade, que acabam não só atrasando essas entregas com prazos irreais como as demais entregas”
  • 11. • Ser capaz de reagir eficazmente O que se espera de um sistema deO que se espera de um sistema de administração da produção?administração da produção? “As condições planejadas para o futuro mudam e nem sempre o que se planejou vai ocorrer conforme 11 nem sempre o que se planejou vai ocorrer conforme previsto (podem ocorrer mudanças no processo produtivo, mudanças na disponibilidade de suprimento, mudanças na demanda). O negócio precisa estar preparado para enxergar os desvios da realidade em relação ao plano e rapidamente replanejar o futuro, levando em consideração as novas ocorrências”
  • 12. “Ser competitivo é ser capaz de superar a concorrência naqueles aspectos de desempenho que os nichos de mercado visados (clientes=empresas) mais valorizam”. Definição Produção e competitividadeProdução e competitividade 12 (clientes=empresas) mais valorizam”. São eles: Custo percebido pelo cliente Velocidade de entrega Confiabilidade de entrega Flexibilidade das saídas Qualidade dos produtos Serviços prestados ao cliente
  • 13. “É uma forma mais ampla de enxergar o aspecto “preço”. No custo percebido pelo cliente não se leva em consideração apenas o preço de venda de Custo percebido pelo cliente (cliente empresa) Produção e competitividadeProdução e competitividade 13 leva em consideração apenas o preço de venda de algo mas outros custos, como transporte do fornecedor ao comprador; custos com qualidade não conforme; custos com estoques devido alguns fornecedores só venderem em grandes lotes”.
  • 14. “É o tempo que decorre desde a colocação do pedido no fornecedor até a entrega do material ao cliente”. Empresas que trabalham em ambientes Velocidade de entrega Produção e competitividadeProdução e competitividade 14 cliente”. Empresas que trabalham em ambientes pouco previsíveis preferem fornecedores com velocidade de entrega maior, pois assim podem colocar os pedidos mais tarde e diminuir os riscos devido a imprevisibilidade”.
  • 15. “Refere-se a capacidade do fornecedor de cumprir suas promessas de entrega. É um aspecto bastante valorizado pelo cliente, pois se a confiabilidade de Confiabilidade de entrega Produção e competitividadeProdução e competitividade 15 valorizado pelo cliente, pois se a confiabilidade de entrega do fornecedor for baixa, ele obrigatoriamente terá que manter um estoque maior para evitar falta de material”.
  • 16. “Refere-se a capacidade do sistema produtivo mudar o que faz, seja mudando muito o que se faz ou rapidamente o que se faz. Ex: introdução de Flexibilidade de saídas Produção e competitividadeProdução e competitividade 16 ou rapidamente o que se faz. Ex: introdução de novos produtos ou alteração de produtos existentes, mudança no mix de produtos, alteração nas datas de entrega (adiamento ou antecipação)”.
  • 17. “Se refere a capacidade de oferecer produtos livres de defeitos, em conformidade absoluta às especificações. Hoje em dia é uma condição sine qua non de aspecto qualificador para a empresa. Qualidade de produtos Produção e competitividadeProdução e competitividade 17 qua non de aspecto qualificador para a empresa. Por si só não garante competitividade, já que se trata de uma condição básica necessária para que uma empresa possa concorrer de igual a igual pelos mercados”.
  • 18. “Relaciona-se com aqueles componentes do pacote oferecido ao cliente que não são tangíveis, ou em outra palavras não são bens físicos. Ex: Assistência técnica pré e pós-venda, informações Serviço prestado ao cliente Produção e competitividadeProdução e competitividade 18 Assistência técnica pré e pós-venda, informações técnicas, garantia de qualidade para dispensar controle de qualidade de entrada no cliente, item oferecido ao cliente diretamente na linha de montagem, etc”.
  • 19. Como os sistemas de administração da produção (SAP) podem influenciar nos seis Impacto das decisões de planejamento e controle daImpacto das decisões de planejamento e controle da produção nos objetivos de desempenhoprodução nos objetivos de desempenho 19 produção (SAP) podem influenciar nos seis aspectos de desempenho dos sistemas produtivos que tem impacto estratégico na competitividade da organização?
  • 20. Influência nos custos vistos pelo cliente Impacto das decisões de planejamento e controle daImpacto das decisões de planejamento e controle da produção nos objetivos de desempenhoprodução nos objetivos de desempenho Os sistemas de administração da produção são os responsáveis pelo estabelecimento e manutenção de níveis adequados de estoque. Uma gestão adequada pode reduzir esses níveis ao mínimo necessário; 20 necessário; Também são responsáveis pelo gerenciamento das datas de entrega. Se bem gerenciadas evitarão multas contratuais causadas por atrasos e que implicam em custo; Também definem o que vai ser comprado: comprar certo minimiza custos financeiros, de obsolescência ou sobras e interrupções no sistema por falta de material;
  • 21. Influência na velocidade de entrega Impacto das decisões de planejamento e controle daImpacto das decisões de planejamento e controle da produção nos objetivos de desempenhoprodução nos objetivos de desempenho A velocidade de entrega é influenciada pelo tempo de atravessamento de materiais pelo sistema produtivo. Os sistemas de administração da produção são os responsáveis pela gestão do 21 administração da produção são os responsáveis pela gestão do estoque em processo (WIP) espalhado nas filas e que influenciam no tempo de atravessamento e na velocidade de entrega , por sua vez; O SAP também deve se preocupar com a situação corrente dos recursos. Se uma máquina quebra, se não for tomada nenhuma atitude com relação a este recurso, as ordens de fabricação ali alocadas não serão processadas, mas se a função controle estiver funcionando bem, isso será detectado e essas ordens poderão ser relocadas para outras máquinas alternativas;
  • 22. Influência na confiabilidade de entregas Impacto das decisões de planejamento e controle daImpacto das decisões de planejamento e controle da produção nos objetivos de desempenhoprodução nos objetivos de desempenho As influências consideradas no item anterior também são válidas e podem afetar na confiabilidade de entregas; Além disso os SAP devem se preocupar em prover o depto de 22 Além disso os SAP devem se preocupar em prover o depto de VENDAS com informações precisas, para que esta possa prometer prazos viáveis mínimos e depois a fábrica possa cumprir; Por fim os SAP podem ainda contribuir para a manutenção de uma BOA IMAGEM da organização junto aos clientes, por exemplo, informando-os com máxima brevidade o não cumprimento de prazos, de forma que o mesmo possa agir e minimizar as conseqüências do atraso.
  • 23. Influência sobre a flexibilidade de saídas Impacto das decisões de planejamento e controle daImpacto das decisões de planejamento e controle da produção nos objetivos de desempenhoprodução nos objetivos de desempenho A influência dos SAP sobre a flexibilidade de saídas está principalmente relacionada com a capacidade de reação que esses sistemas proporcionam; 23 A flexibilidade pode ser definida como a “habilidade de reagir eficazmente a mudanças não planejadas”. A habilidade maior ou menor de um sistema produtivo reconhecer que determinada mudança ocorreu e de disparar ações que tratem a mudança de forma eficaz, dada pelo seu SAP determina quão flexível é o sistema produtivo.
  • 24. Influência sobre a qualidade do produto Impacto das decisões de planejamento e controle daImpacto das decisões de planejamento e controle da produção nos objetivos de desempenhoprodução nos objetivos de desempenho Os SAP manterá informações da composição de produtos (lista de materiais e estrutura de produto) que se estiverem bem atualizadas evitarão a produção de defeitos; 24 Os SAP também controlam os níveis de estoque em cada etapa da fabricação e dessa maneira pode minimizá-los e mantê-los em um nível que “desacoberte” imperfeições nestes que acabarão por se transformar em defeitos.
  • 25. Influência sobre o serviço prestado ao cliente Impacto das decisões de planejamento e controle daImpacto das decisões de planejamento e controle da produção nos objetivos de desempenhoprodução nos objetivos de desempenho Os SAP podem disponibilizar informações diversas que são compartilhadas pelos cliente e fornecedor. Podem ser fornecidas 25 compartilhadas pelos cliente e fornecedor. Podem ser fornecidas informações sobre o estado de completamento de determinado pedido, níveis de estoque no cliente (integrado diretamente ao fornecedor, para que ele possa assumir para si a responsabilidade dos cálculos de necessidade), serviços de gerenciamento de estoques de materiais fornecidos em consignação, etc;
  • 26. Conceito de planejamentoConceito de planejamento “Planejar é entender como a consideração conjunta da situação presente e da visão de 26 conjunta da situação presente e da visão de futuro influencia as decisões tomadas no presente para que se atinjam determinados objetivos no futuro” Corrêa et al Planejar é projetar um futuro que é diferente do passado por causas sobre as quais se tem controle.
  • 27. A dinâmica do processo de planejamentoA dinâmica do processo de planejamento “O processo de planejamento deve ser contínuo. Em cada momento devemos ter noção da situação presente, a visão de 27 noção da situação presente, a visão de futuro, os objetivos pretendidos e o entendimento de como esses elementos afetam as decisões que se devem tomar no presente”
  • 28. A dinâmica do processo de planejamentoA dinâmica do processo de planejamento Em termos práticos a dinâmica se dá em 5 passos: Passo 1 – Levantamento da situação presente O sistema de planejamento deve “fotografar” a situação 28 O sistema de planejamento deve “fotografar” a situação em que se encontram as atividades e os recursos para que esta esteja presente no processo de planejamento; Passo 2 – Desenvolvimento e reconhecimento da visão de futuro O sistema deve considerar a visão de futuro para que possa emprestar sua influência ao processo decisório;
  • 29. A dinâmica do processo de planejamentoA dinâmica do processo de planejamento Passo 3 – Tratamento conjunto da situação presente e da visão de futuro Por alguma lógica que transforme os dados coletados sobre o presente e o futuro em informações que passam a ser disponibilizadas numa forma útil para a 29 passam a ser disponibilizadas numa forma útil para a tomada de decisão gerencial; Passo 4 – Tomada de decisão gerencial Com base nas informações disponibilizadas pelo sistema, os tomadores de decisão efetivamente tomam decisões logísticas sobre o que, quanto e quando produzir e comprar e com que recursos produzir;
  • 30. A dinâmica do processo de planejamentoA dinâmica do processo de planejamento Passo 5 – Execução do plano Decorre de um período em que efetivamente as diversas decisões vão tomando efeito. Naturalmente algumas coisas não ocorrerão como planejadas. O 30 algumas coisas não ocorrerão como planejadas. O tempo decorre até que se chega a um determinado momento em que é mais prudente tirar outra “fotografia”da situação presente e redisparar o processo. Esse é o momento de voltar ao passo 1;
  • 31. O Horizonte de planejamentoO Horizonte de planejamento O tamanho do tempo futuro sobre o qual se tenha interesse em desenvolver uma visão é chamado HORIZONTE DO PLANEJAMENTO. Como regra prática para definição DO HORIZONTE 31 Como regra prática para definição DO HORIZONTE A PLANEJAR, pode-se considerar aquele ponto no futuro que deixe de ser relevante nas decisões tomadas no presente. Este ponto será representa o limite do horizonte do planejamento.
  • 32. O Horizonte de planejamentoO Horizonte de planejamento O tamanho do tempo futuro sobre o qual se tenha interesse em desenvolver uma visão é chamado HORIZONTE DO PLANEJAMENTO. 32 Como regra prática para definição DO HORIZONTE A PLANEJAR, pode-se considerar aquele ponto no futuro que deixe de ser relevante nas decisões tomadas no presente.
  • 33. O Horizonte de planejamentoO Horizonte de planejamento Ex: Imagine uma fábrica de calçados. Seu horizonte de planejamento deve ser 8 anos? O ponto futuro em 8 anos provavelmente terá muito pouca influência sobre decisões tomadas no presente. 33 presente. E daqui a 5 anos? Em 4 anos? Em 1 ano? Deve-se buscar um ponto que valha a pena analisar e que sofra influência sobre decisões tomadas no presente.
  • 34. O Horizonte de planejamentoO Horizonte de planejamento Horizontes de planejamento hoje tempocurto prazo médio prazo Por que prever? 34 decisões Efeito da decisão A Efeito da decisão B Efeito da decisão C Longo prazo A B C O horizonte de curto prazo possibilitará boas tomadas de decisão para decisões de inércia pequena. O de médio pra decisões de média inércia e o de longo para decisões de grande inércia
  • 35. O Horizonte de planejamentoO Horizonte de planejamento Previsão de demanda / erro Erros esperados de previsão crescem com o horizonte 35 (tempo)Hoje Horizonte futuro Faixadeerroesperado Previsão