SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 31
Quanto tempo durou a
          Revolução?




Prof.ª Valéria Fernandes     11/9/2012   2
O Trono Balança...
 Forte crise econômica;
 Resistência da Nobreza e do Clero
  retirada de privilégios ou taxação;
 Tratado Comercial de 1886 com a
  Inglaterra.
 Quebras de colheitas;
 Inverno rigoroso em 1788-89;
 Incapacidade do Rei Luís XVI em
  cortar gastos e promover reformas;
 Pressão do Terceiro Estado;
   Prof.ª Valéria Fernandes             11/9/2012   3
Os Estados Gerais




• Aberta em 5 de maio de 1789 reunia nobreza (291), clero
  (300) e o terceiro estado (610). Sua última convocação
  tinha sido em 1614. Cada Estado tinha direito a 1 voto.
    Prof.ª Valéria Fernandes                    11/9/2012   4
Rumo à Revolução
• O Terceiro Estado
  passou se intitular
  os “comuns”.
• A       Assembléia
  Nacional        foi
  “aberta” em 17 de
  junho.
                      • O “juramento do campo de
• No dia 20, o rei
                        péla”: os deputados não se
  mandou fechar os
                        desmobilizariam   até    que
  Estados Gerais.
                        tivessem uma constituição.
   Prof.ª Valéria Fernandes                 11/9/2012   5
Rumo à Revolução
• Jacques Necker, estadista e
  banqueiro suíço, foi ministro
  de Luís XVI por duas vezes
  (1777/81 e 1788/89).
• Defendia o voto por cabeça
  nos Estados Gerais e a
  tributação do clero e da
  nobreza.
• Muito popular, sua demissão
  em 11 de julho, ajudou a
  precipitar a Revolução.
                                  Protestante, Necker nunca pode ser
   Prof.ª Valéria Fernandes            oficialmente “ministro”.
                                                         11/9/2012 6
A Queda da Bastilha


   14 de
   julho
     de
   1789.


• Símbolo da opressão do Antigo Regime, a Queda da
  Bastilha é o marco simbólico da Revolução.
   Prof.ª Valéria Fernandes                11/9/2012   7
As Jornadas de Outubro




• A Marcha das Mulheres sobre Versalhes aconteceu
  em 5 de outubro e obrigou a família real a se mudar
  de Versalhes para o Palácio das Tulherias.
    Prof.ª Valéria Fernandes                   11/9/2012   8
As Fases da Revolução
 Assembléia Nacional Constituinte
  (1789-1791):
  – Abolição dos direitos feudais.
  – Declaração dos Direitos do
    Homem e do Cidadão.
  – Fim da monarquia absoluta.
  – Nacionalização dos bens da
    Igreja.
  – Constituição Civil do Clero (a
    questão do clero refratário).
  – Voto censitário masculino.
   Prof.ª Valéria Fernandes          11/9/2012   9
 Assembléia Nacional Constituinte (1789-1791):
  – A nova moeda os “assignants”.
  – Divisão em Três Poderes.
  – Camponeses puderam adquirir propriedades à
    preços baixos.

 Monarquia Constitucional (1791-1792):
  – O rei mantém o direito de veto, mas a pressão
    popular o impede de usá-lo.
  – Mobilização das potências estrangeiras contra a
    França.
  – O Rei é acusado de traição por manter contato com
    os emigrados.
  – A Família Real tenta fugir (Fuga para Varennes –
    20-25 de junho de 1791).
 Prof.ª Valéria Fernandes                    11/9/2012   10
Os Partidos na Assembléia
• Os Girondinos se sentavam na parte baixa
  (Planície), à direita, representavam a alta
  burguesia, o clero e a nobreza liberal. Massacrados
  em 02/06/1793, depois, tomaram o poder.
• Os Jacobinos queriam aprofundar a revolução.
  Sentavam-se à esquerda e buscaram o apoio dos
  Cordeliers, partido mais radical, que se sentava na
  parte alta da assembléia (Montanha) e tinha fortes
  ligações com os sans-culottes. Eram republicanos.
• Já os feuillants representavam a burguesia
  financeira, e havia os deputados sem convicções
  políticas, chamados de (sapos do) Pântano.
  Prof.ª Valéria Fernandes                   11/9/2012   11
 A Invasão do Palácio das Tulherias, em 10 de agosto de
  1792, quase resultou no massacre da família real. No
  mês seguinte, os famosos Massacres de Setembro
  possibilitaram a expressão de toda a “fúria”
  revolucionária.
   Prof.ª Valéria Fernandes                     11/9/2012   12
 A Batalha de Valmy (20 de setembro de 1792) foi a
  primeira grande vitória militar da Revolução.    A
  Convenção         Nacional,     impulsionada  pelo
  triunfo, proclamou a República.
   Prof.ª Valéria Fernandes                11/9/2012   13
 A Convenção Nacional
  (1792-1795):
  – Aliança entre jacobinos
    e sans-culottes.
  – O rei (21/01/1793) e a
    rainha (16/10/1793) são
    executados.
  – Guerra     da    Vendéia
    (1793-1796).
  – A Primeira Coligação
    (1792-97).
  – Girondinos perdem o
    poder    entre     31/05-
    02/06/1793 → vários
    são guilhotinados.
   Prof.ª Valéria Fernandes     11/9/2012   14
– No poder, os jacobinos promovem uma série de
reformas mas o uso indiscriminado da guilhotina faz
com que o período seja conhecido como “Terror”:
•   Abolição da escravatura nas colônias.
•   Lei do Máximo.
•   Reforma agrária e pensões para os necessitados.
•   Nova constituição e novo calendário.
•   Voto universal masculino.
•   Nova Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão.
•   Ensino público e gratuito.
•   Criação do Museu do Louvre.
•   Criação do Sistema de Pesos e Medidas.
•   Instituição do Tribunal Revolucionário, do Comitê de
    Salvação Pública e do Comitê de Salvação
    Nacional, criação da Lei dos Suspeitos.
    Prof.ª Valéria Fernandes                    11/9/2012   15
O Calendário Revolucionário
Vigorou de 22/09/1792 a 31/12/1805. Napoleão
Bonaparte restabeleceu o Calendário Gregoriano, que
voltaria a vigorar durante a Comuna de Paris.
• No outono:                    • Na primavera:
    Vindimiário: 22/09-21/10      Germinal: 21/03-19/04
    Brumário: 22/10-20/11         Floreal: 20/04-19/05
    Frimário: 21/11-20/12         Pradial: 20/05-18/06
• No inverno:                   • No verão:
    Nivoso: 21/12-19/01           Messidor: 19/06-18/07
    Pluvioso: 20/01-18/02         Termidor: 19/07-17/08
    Ventoso: 19/02-20/03          Fructidor: 18/08-20/09
  Prof.ª Valéria Fernandes                         11/9/2012   16
 A Morte de Marat (13/07/1793), líder dos sans-
  culottes, jornalista e instigador de levantes populares
  e Robespierre, um dos mais importantes líderes
  jacobinos e um dos idealizadores do “Terror”.
   Prof.ª Valéria Fernandes                     11/9/2012   17
 As mulheres participaram ativamente da Revolução, mas
  foram sendo excluídas da vida política. Olympe de
  Gouges escreveu A Declaração dos Direitos da Mulher e
  da Cidadã. Charlotte Corday matou Marat e disse em
  seu julgamento “Matei um homem para salvar 100 mil!”.
  Ambas morreram na guilhotina.
   Prof.ª Valéria Fernandes                    11/9/2012   18
– Em 27 de julho (09 de
  Termidor do ano II do novo
  Calendário da Revolução), os
  girondinos     sobreviventes
  retomaram o poder. Inicia-se a
  Convenção Termidoriana.
– Várias das leis e medidas
  baixadas    pelos jacobinos
  foram anuladas.
– Os girondinos promoveram a
  perseguição     dos  inimigos       Cabeça de
  políticos. É o chamado “Terror    Robespierre é
  Branco”.                         exibida ao povo.
  Prof.ª Valéria Fernandes                  11/9/2012   19
– O Diretório (1795-1799):
   Em agosto de 1795, criaram uma nova
    constituição nacional.
   Os direitos de propriedade revogados pelos
    jacobinos foram revalidados.
   O governo era formado pelo Conselho dos 500
    (encarregado de elaborar os projetos de lei) e o
    Conselho      dos   Anciãos  (250    deputados
    encarregados de aprovar ou rejeitar os projetos
    de lei).
   O poder executivo foi entregue ao Diretório →
    colegiado de 5 membros eleitos por 5 anos pelo
    Conselho dos Anciãos.
   Retorno do voto censitário.
   Prof.ª Valéria Fernandes                 11/9/2012   20
– O Diretório (1795-1799):
    Pressões                tanto por   parte          dos
      monarquistas, quanto de setores da esquerda
      (Conspiração dos Iguais).
    Criada uma nova moeda, o franco.
    Greves são proibidas → Repressão aos
      trabalhadores urbanos (sans-culottes).
    formou-se                   a    2a      Coligação
      (Inglaterra, Áustria, Rússia, Sardenha, reino de
      Nápoles e Turquia).
    Aumenta a dependência em relação ao exército →
      O jovem Napoleão se projeta política e
      militarmente.
    Por fim, Napoleão dissolveu o Diretório no dia
      9/11/1799 → o Golpe do 18 Brumário →
    Prof.ª Valéria Fernandes                   11/9/2012 21
      estabeleceu o Consulado.
Período Napoleônico
 Napoleão Bonaparte (1769-
  1821) foi um importante líder
  militar que destacou-se contra a
  1a e a 2a Coligação.
 Em               1799,       tomou     o
  poder,                  criando        o
  consulado,             inaugurando     o
  império em 1804.
 Vitorioso na maioria de suas
  batalhas, tentou promover a
  modernização                do    Estado
  francês, com destaque para o
  Código de leis que leva o seu
  nome. Fernandes
    Prof.ª Valéria                           11/9/2012   22
Período Napoleônico
 1800 – Banco da França.
 1801 – Concordata com a Igreja
  Católica.
 1802 – Plebiscito: cônsul vitalício.
 1803 – Venda de colônias
  francesas aos EUA.
 1804 – Código Napoleônico.
 Reformou a educação: abriu
  escolas primárias públicas em
  todas as aldeias, estimulou o
  ensino superior e subordinou as
  escolas técnicas ao Estado.
 Grandes obras públicas.
   Prof.ª Valéria Fernandes              11/9/2012   23
Período Napoleônico
 A vitória dos britânicos na
  Batalha de Trafalgar (1805)
  evidenciou a supremacia naval
  inglesa.
 Napoleão decreta o Bloqueio
  Continental (1806).
 Os britânicos então passam a
  atacar navios franceses e com
  carga de produtos franceses.
 Os americanos baixam a Lei do
  Embargo (1807), porque a ação    Esquema da Batalha
  inglesa    causa    danos    a      de Trafalgar.
  economia americana.
   Prof.ª Valéria Fernandes                   11/9/2012   24
Período Napoleônico




Prof.ª Valéria Fernandes           11/9/2012   25
Coroação de Napoleão: depois de um plebiscito em
1804, Napoleão se torna imperador e coroa a si mesmo e
               sua esposa, Josefina, humilhando o papa.
  Prof.ª Valéria Fernandes                            11/9/2012 26
Os fuzilamentos de 3 de Maio: Goya pinta (1814)a
resistência dos espanhóis às tropas napoleônicas a guerra
    Prof.ª Valéria Fernandes
                             durou de 1807-1814. 11/9/2012 27
Josefina, primeira esposa de Napoleão, o ajudou a chegar
 ao poder, mas não lhe deu filhos. Perdeu seu lugar para
   Prof.ª Valéria Fernandes
                            Maria Luísa da Austria. 11/9/2012 28
Período Napoleônico
 Depois da campanha da
  Rússia                  (1812),      foi
  derrotado na Batalha de
  Leipzig (1813), forçado a
  renunciar e partir para o
  Exílio na Ilha de Elba.
 Napoleão                  retomou     o
  poder                   em         1815
  e,                            derrotado
  definitivamente                      na
  Batalha                de      Waterloo
  (1815), morreu na Ilha de
   Prof.ª Valéria Fernandes                  11/9/2012   29
  Santa Helena.
A Campanha da Rússia (1812) levou ao colapso as
          forças militares francesas.
Prof.ª Valéria Fernandes                11/9/2012   30
O Congresso de Viena (02/05/1814 a 09/06/1815) tentou
  restaurar o absolutismo na Europa, poucos de seus
  Prof.ª Valéria Fernandes objetivos foram atingidos. 11/9/2012 31

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Marqês de Pombal e as reformas pombalinas
Marqês de Pombal e as reformas pombalinasMarqês de Pombal e as reformas pombalinas
Marqês de Pombal e as reformas pombalinasDeaaSouza
 
Independencia dos Estados Unidos
Independencia dos Estados UnidosIndependencia dos Estados Unidos
Independencia dos Estados UnidosKleison
 
Crise do Feudalismo - Séc. XIV
Crise do Feudalismo - Séc. XIVCrise do Feudalismo - Séc. XIV
Crise do Feudalismo - Séc. XIVseixasmarianas
 
Colonização portuguesa na américa
Colonização portuguesa na américaColonização portuguesa na américa
Colonização portuguesa na américaCarolina Medeiros
 
Independencia dos Estados Unidos
Independencia dos Estados UnidosIndependencia dos Estados Unidos
Independencia dos Estados UnidosSlides de Tudo
 
A vinda da familia real e a independência do brasil
A vinda da familia real e a independência do brasilA vinda da familia real e a independência do brasil
A vinda da familia real e a independência do brasilJanayna Lira
 
A Baixa Idade Média - 7º Ano (2018)
A Baixa Idade Média - 7º Ano (2018)A Baixa Idade Média - 7º Ano (2018)
A Baixa Idade Média - 7º Ano (2018)Nefer19
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilDouglas Barraqui
 
1º ano - transição da idade média para a idade moderna
1º ano - transição da idade média para a idade moderna1º ano - transição da idade média para a idade moderna
1º ano - transição da idade média para a idade modernaDaniel Alves Bronstrup
 
Chegada da família real ao brasil
Chegada da família real ao brasilChegada da família real ao brasil
Chegada da família real ao brasilGeová da Silva
 
Brasil independencia e constituicao 1824
Brasil independencia e constituicao 1824 Brasil independencia e constituicao 1824
Brasil independencia e constituicao 1824 Dismael Sagás
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesaMaria Gomes
 

Mais procurados (20)

Era Napoleônica
Era NapoleônicaEra Napoleônica
Era Napoleônica
 
Marqês de Pombal e as reformas pombalinas
Marqês de Pombal e as reformas pombalinasMarqês de Pombal e as reformas pombalinas
Marqês de Pombal e as reformas pombalinas
 
Independencia dos Estados Unidos
Independencia dos Estados UnidosIndependencia dos Estados Unidos
Independencia dos Estados Unidos
 
Crise do Feudalismo - Séc. XIV
Crise do Feudalismo - Séc. XIVCrise do Feudalismo - Séc. XIV
Crise do Feudalismo - Séc. XIV
 
Colonização portuguesa na américa
Colonização portuguesa na américaColonização portuguesa na américa
Colonização portuguesa na américa
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
Brasil imperial
Brasil imperialBrasil imperial
Brasil imperial
 
A Idade Moderna
A Idade ModernaA Idade Moderna
A Idade Moderna
 
Independencia dos Estados Unidos
Independencia dos Estados UnidosIndependencia dos Estados Unidos
Independencia dos Estados Unidos
 
Crise de 1929
Crise de 1929Crise de 1929
Crise de 1929
 
A vinda da familia real e a independência do brasil
A vinda da familia real e a independência do brasilA vinda da familia real e a independência do brasil
A vinda da familia real e a independência do brasil
 
A Baixa Idade Média - 7º Ano (2018)
A Baixa Idade Média - 7º Ano (2018)A Baixa Idade Média - 7º Ano (2018)
A Baixa Idade Média - 7º Ano (2018)
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasil
 
Idade Média
Idade MédiaIdade Média
Idade Média
 
1º ano - transição da idade média para a idade moderna
1º ano - transição da idade média para a idade moderna1º ano - transição da idade média para a idade moderna
1º ano - transição da idade média para a idade moderna
 
Brasil colonia 1
Brasil colonia 1Brasil colonia 1
Brasil colonia 1
 
Conjuração Mineira e Baiana
Conjuração Mineira e BaianaConjuração Mineira e Baiana
Conjuração Mineira e Baiana
 
Chegada da família real ao brasil
Chegada da família real ao brasilChegada da família real ao brasil
Chegada da família real ao brasil
 
Brasil independencia e constituicao 1824
Brasil independencia e constituicao 1824 Brasil independencia e constituicao 1824
Brasil independencia e constituicao 1824
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 

Destaque

Revolução francesa e Era Napoleônica
Revolução francesa e Era NapoleônicaRevolução francesa e Era Napoleônica
Revolução francesa e Era Napoleônicaalunoitv
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesaedna2
 
Slide trabalho historia - Revolução Francesa e Era Napoleonica
Slide trabalho historia - Revolução Francesa e Era NapoleonicaSlide trabalho historia - Revolução Francesa e Era Napoleonica
Slide trabalho historia - Revolução Francesa e Era Napoleonicaivonete moresco
 
Revolução Francesa e Império Napoleônico
Revolução Francesa e Império NapoleônicoRevolução Francesa e Império Napoleônico
Revolução Francesa e Império Napoleônicoalunoitv
 
Napoleão Bonaparte
Napoleão BonaparteNapoleão Bonaparte
Napoleão BonaparteCRIATIVO
 
Era Napoleônica
Era NapoleônicaEra Napoleônica
Era Napoleônicaeiprofessor
 
O período napoleônico (1799 1815)
O período napoleônico (1799 1815)O período napoleônico (1799 1815)
O período napoleônico (1799 1815)Vitor Ferreira
 
RevoluçãO Francesa Power Point
RevoluçãO Francesa Power PointRevoluçãO Francesa Power Point
RevoluçãO Francesa Power PointSilvânio Barcelos
 
O Império Napoleônico (PDF)
O Império Napoleônico (PDF)O Império Napoleônico (PDF)
O Império Napoleônico (PDF)Paulo Alexandre
 
A revolução americana
A revolução americanaA revolução americana
A revolução americanacattonia
 

Destaque (20)

Revolução francesa e Era Napoleônica
Revolução francesa e Era NapoleônicaRevolução francesa e Era Napoleônica
Revolução francesa e Era Napoleônica
 
O império napoleônico
O império napoleônicoO império napoleônico
O império napoleônico
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Slide trabalho historia - Revolução Francesa e Era Napoleonica
Slide trabalho historia - Revolução Francesa e Era NapoleonicaSlide trabalho historia - Revolução Francesa e Era Napoleonica
Slide trabalho historia - Revolução Francesa e Era Napoleonica
 
Revolução Francesa e Império Napoleônico
Revolução Francesa e Império NapoleônicoRevolução Francesa e Império Napoleônico
Revolução Francesa e Império Napoleônico
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Período napoleônico
Período napoleônicoPeríodo napoleônico
Período napoleônico
 
Napoleão Bonaparte
Napoleão BonaparteNapoleão Bonaparte
Napoleão Bonaparte
 
Era Napoleônica
Era NapoleônicaEra Napoleônica
Era Napoleônica
 
Segundo Império Brasileiro
Segundo Império BrasileiroSegundo Império Brasileiro
Segundo Império Brasileiro
 
O período napoleônico (1799 1815)
O período napoleônico (1799 1815)O período napoleônico (1799 1815)
O período napoleônico (1799 1815)
 
Período napoleônico
Período napoleônicoPeríodo napoleônico
Período napoleônico
 
RevoluçãO Francesa Power Point
RevoluçãO Francesa Power PointRevoluçãO Francesa Power Point
RevoluçãO Francesa Power Point
 
O Império Napoleônico (PDF)
O Império Napoleônico (PDF)O Império Napoleônico (PDF)
O Império Napoleônico (PDF)
 
Revolução americana
Revolução americanaRevolução americana
Revolução americana
 
Revolução Americana
Revolução AmericanaRevolução Americana
Revolução Americana
 
A revolução americana
A revolução americanaA revolução americana
A revolução americana
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
Indígenas no Brasil
Indígenas no BrasilIndígenas no Brasil
Indígenas no Brasil
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Iluminismo
 

Semelhante a Revolução Francesa e Período Napoleônico

Revoluã§ã£o francesa
Revoluã§ã£o francesaRevoluã§ã£o francesa
Revoluã§ã£o francesaJulia Selistre
 
Amanda e gabriella rev. francesa e império napoleônico
Amanda e gabriella rev. francesa e império napoleônicoAmanda e gabriella rev. francesa e império napoleônico
Amanda e gabriella rev. francesa e império napoleônicoAmandaKikuti
 
Revolução Francesa.pptx
Revolução Francesa.pptxRevolução Francesa.pptx
Revolução Francesa.pptxRAFAELASCARI1
 
3º ano Revolução Francesa e outros movimentos franceses.
3º ano Revolução Francesa e outros movimentos franceses.3º ano Revolução Francesa e outros movimentos franceses.
3º ano Revolução Francesa e outros movimentos franceses.Daniel Alves Bronstrup
 
Revolucao francesa (1)
Revolucao francesa (1)Revolucao francesa (1)
Revolucao francesa (1)Érica Alegre
 
Revoluã§ã£o francesa.
Revoluã§ã£o francesa.Revoluã§ã£o francesa.
Revoluã§ã£o francesa.Jornal Ovale
 
Aula Revolução Francesa 2
Aula Revolução Francesa   2Aula Revolução Francesa   2
Aula Revolução Francesa 2seixasmarianas
 
Revolucao francesa
Revolucao francesaRevolucao francesa
Revolucao francesaAriel Prado
 
Revolução francesa e o governo napoleônico luis augusto e joao vitor fernande...
Revolução francesa e o governo napoleônico luis augusto e joao vitor fernande...Revolução francesa e o governo napoleônico luis augusto e joao vitor fernande...
Revolução francesa e o governo napoleônico luis augusto e joao vitor fernande...alunoitv
 

Semelhante a Revolução Francesa e Período Napoleônico (20)

Revolucoes
RevolucoesRevolucoes
Revolucoes
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
Revoluã§ã£o francesa
Revoluã§ã£o francesaRevoluã§ã£o francesa
Revoluã§ã£o francesa
 
Revolucao francesa
Revolucao francesaRevolucao francesa
Revolucao francesa
 
Amanda e gabriella rev. francesa e império napoleônico
Amanda e gabriella rev. francesa e império napoleônicoAmanda e gabriella rev. francesa e império napoleônico
Amanda e gabriella rev. francesa e império napoleônico
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
Revolução Francesa.pptx
Revolução Francesa.pptxRevolução Francesa.pptx
Revolução Francesa.pptx
 
3º ano Revolução Francesa e outros movimentos franceses.
3º ano Revolução Francesa e outros movimentos franceses.3º ano Revolução Francesa e outros movimentos franceses.
3º ano Revolução Francesa e outros movimentos franceses.
 
Revolucao francesa (1)
Revolucao francesa (1)Revolucao francesa (1)
Revolucao francesa (1)
 
Revoluã§ã£o francesa.
Revoluã§ã£o francesa.Revoluã§ã£o francesa.
Revoluã§ã£o francesa.
 
Aula Revolução Francesa 2
Aula Revolução Francesa   2Aula Revolução Francesa   2
Aula Revolução Francesa 2
 
Revolução francesa (aula)
Revolução francesa  (aula)Revolução francesa  (aula)
Revolução francesa (aula)
 
Revolucao francesa
Revolucao francesaRevolucao francesa
Revolucao francesa
 
Revolução francesa e o governo napoleônico luis augusto e joao vitor fernande...
Revolução francesa e o governo napoleônico luis augusto e joao vitor fernande...Revolução francesa e o governo napoleônico luis augusto e joao vitor fernande...
Revolução francesa e o governo napoleônico luis augusto e joao vitor fernande...
 
A grande revolução francesa
A grande revolução francesaA grande revolução francesa
A grande revolução francesa
 
Período napoleônico
Período napoleônicoPeríodo napoleônico
Período napoleônico
 
Período napoleônico
Período napoleônicoPeríodo napoleônico
Período napoleônico
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 

Mais de Valéria Shoujofan

Segundo Reinando: Escravidão e Imigração
Segundo Reinando: Escravidão e ImigraçãoSegundo Reinando: Escravidão e Imigração
Segundo Reinando: Escravidão e ImigraçãoValéria Shoujofan
 
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptxEntre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptxValéria Shoujofan
 
Iluminismo e Déspotas Esclarecidos
Iluminismo e Déspotas EsclarecidosIluminismo e Déspotas Esclarecidos
Iluminismo e Déspotas EsclarecidosValéria Shoujofan
 
Primeira e Segunda Revolução Industrial
Primeira e Segunda Revolução IndustrialPrimeira e Segunda Revolução Industrial
Primeira e Segunda Revolução IndustrialValéria Shoujofan
 
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos ContratualistasAbsolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos ContratualistasValéria Shoujofan
 
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução AgrícolaInglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução AgrícolaValéria Shoujofan
 
Revoluções Inglesas - século XVII
Revoluções Inglesas - século XVIIRevoluções Inglesas - século XVII
Revoluções Inglesas - século XVIIValéria Shoujofan
 
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICACONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICAValéria Shoujofan
 
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)Valéria Shoujofan
 
Independência do Brasil e Primeiro Reinado
Independência do Brasil e Primeiro ReinadoIndependência do Brasil e Primeiro Reinado
Independência do Brasil e Primeiro ReinadoValéria Shoujofan
 
Renascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
Renascimento Urbano e Comercial e CruzadasRenascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
Renascimento Urbano e Comercial e CruzadasValéria Shoujofan
 
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2Valéria Shoujofan
 
Reformas religiosas do Século XVI
Reformas religiosas do Século XVIReformas religiosas do Século XVI
Reformas religiosas do Século XVIValéria Shoujofan
 
E Machado de Assis virou Mangá: Reflexões sobre a releitura em quadrinhos do ...
E Machado de Assis virou Mangá: Reflexões sobre a releitura em quadrinhos do ...E Machado de Assis virou Mangá: Reflexões sobre a releitura em quadrinhos do ...
E Machado de Assis virou Mangá: Reflexões sobre a releitura em quadrinhos do ...Valéria Shoujofan
 

Mais de Valéria Shoujofan (20)

Segundo Reinando: Escravidão e Imigração
Segundo Reinando: Escravidão e ImigraçãoSegundo Reinando: Escravidão e Imigração
Segundo Reinando: Escravidão e Imigração
 
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptxEntre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
 
Revolução Americana
Revolução AmericanaRevolução Americana
Revolução Americana
 
Iluminismo e Déspotas Esclarecidos
Iluminismo e Déspotas EsclarecidosIluminismo e Déspotas Esclarecidos
Iluminismo e Déspotas Esclarecidos
 
Primeira e Segunda Revolução Industrial
Primeira e Segunda Revolução IndustrialPrimeira e Segunda Revolução Industrial
Primeira e Segunda Revolução Industrial
 
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos ContratualistasAbsolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
 
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução AgrícolaInglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
 
Reformas Religiosas (novo)
Reformas Religiosas (novo)Reformas Religiosas (novo)
Reformas Religiosas (novo)
 
Revoluções Inglesas - século XVII
Revoluções Inglesas - século XVIIRevoluções Inglesas - século XVII
Revoluções Inglesas - século XVII
 
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICACONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
 
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
 
Revoltas Emancipacionistas
Revoltas EmancipacionistasRevoltas Emancipacionistas
Revoltas Emancipacionistas
 
Período Joanino (1808-1821)
Período Joanino (1808-1821)Período Joanino (1808-1821)
Período Joanino (1808-1821)
 
Independência do Brasil e Primeiro Reinado
Independência do Brasil e Primeiro ReinadoIndependência do Brasil e Primeiro Reinado
Independência do Brasil e Primeiro Reinado
 
Renascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
Renascimento Urbano e Comercial e CruzadasRenascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
Renascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
 
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
 
Sociedade feudal - Parte 1
Sociedade feudal - Parte 1Sociedade feudal - Parte 1
Sociedade feudal - Parte 1
 
Reformas religiosas do Século XVI
Reformas religiosas do Século XVIReformas religiosas do Século XVI
Reformas religiosas do Século XVI
 
Renascimento Cultural
Renascimento CulturalRenascimento Cultural
Renascimento Cultural
 
E Machado de Assis virou Mangá: Reflexões sobre a releitura em quadrinhos do ...
E Machado de Assis virou Mangá: Reflexões sobre a releitura em quadrinhos do ...E Machado de Assis virou Mangá: Reflexões sobre a releitura em quadrinhos do ...
E Machado de Assis virou Mangá: Reflexões sobre a releitura em quadrinhos do ...
 

Último

Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!Centro Jacques Delors
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da CapivaraPré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivararambomarcos
 
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptxRENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptxAntonioVieira539017
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na Áfricajuekfuek
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Pauloririg29454
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfGisellySobral
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMary Alvarenga
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresAna Isabel Correia
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdfCarinaSofiaDiasBoteq
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Centro Jacques Delors
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaREGIANELAURALOUREIRO1
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)Centro Jacques Delors
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfManuais Formação
 
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptxProva nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptxLucasFCapistrano
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...Eró Cunha
 

Último (20)

Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da CapivaraPré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
 
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptxRENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptxProva nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 

Revolução Francesa e Período Napoleônico

  • 1.
  • 2. Quanto tempo durou a Revolução? Prof.ª Valéria Fernandes 11/9/2012 2
  • 3. O Trono Balança...  Forte crise econômica;  Resistência da Nobreza e do Clero retirada de privilégios ou taxação;  Tratado Comercial de 1886 com a Inglaterra.  Quebras de colheitas;  Inverno rigoroso em 1788-89;  Incapacidade do Rei Luís XVI em cortar gastos e promover reformas;  Pressão do Terceiro Estado; Prof.ª Valéria Fernandes 11/9/2012 3
  • 4. Os Estados Gerais • Aberta em 5 de maio de 1789 reunia nobreza (291), clero (300) e o terceiro estado (610). Sua última convocação tinha sido em 1614. Cada Estado tinha direito a 1 voto. Prof.ª Valéria Fernandes 11/9/2012 4
  • 5. Rumo à Revolução • O Terceiro Estado passou se intitular os “comuns”. • A Assembléia Nacional foi “aberta” em 17 de junho. • O “juramento do campo de • No dia 20, o rei péla”: os deputados não se mandou fechar os desmobilizariam até que Estados Gerais. tivessem uma constituição. Prof.ª Valéria Fernandes 11/9/2012 5
  • 6. Rumo à Revolução • Jacques Necker, estadista e banqueiro suíço, foi ministro de Luís XVI por duas vezes (1777/81 e 1788/89). • Defendia o voto por cabeça nos Estados Gerais e a tributação do clero e da nobreza. • Muito popular, sua demissão em 11 de julho, ajudou a precipitar a Revolução. Protestante, Necker nunca pode ser Prof.ª Valéria Fernandes oficialmente “ministro”. 11/9/2012 6
  • 7. A Queda da Bastilha 14 de julho de 1789. • Símbolo da opressão do Antigo Regime, a Queda da Bastilha é o marco simbólico da Revolução. Prof.ª Valéria Fernandes 11/9/2012 7
  • 8. As Jornadas de Outubro • A Marcha das Mulheres sobre Versalhes aconteceu em 5 de outubro e obrigou a família real a se mudar de Versalhes para o Palácio das Tulherias. Prof.ª Valéria Fernandes 11/9/2012 8
  • 9. As Fases da Revolução  Assembléia Nacional Constituinte (1789-1791): – Abolição dos direitos feudais. – Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão. – Fim da monarquia absoluta. – Nacionalização dos bens da Igreja. – Constituição Civil do Clero (a questão do clero refratário). – Voto censitário masculino. Prof.ª Valéria Fernandes 11/9/2012 9
  • 10.  Assembléia Nacional Constituinte (1789-1791): – A nova moeda os “assignants”. – Divisão em Três Poderes. – Camponeses puderam adquirir propriedades à preços baixos.  Monarquia Constitucional (1791-1792): – O rei mantém o direito de veto, mas a pressão popular o impede de usá-lo. – Mobilização das potências estrangeiras contra a França. – O Rei é acusado de traição por manter contato com os emigrados. – A Família Real tenta fugir (Fuga para Varennes – 20-25 de junho de 1791). Prof.ª Valéria Fernandes 11/9/2012 10
  • 11. Os Partidos na Assembléia • Os Girondinos se sentavam na parte baixa (Planície), à direita, representavam a alta burguesia, o clero e a nobreza liberal. Massacrados em 02/06/1793, depois, tomaram o poder. • Os Jacobinos queriam aprofundar a revolução. Sentavam-se à esquerda e buscaram o apoio dos Cordeliers, partido mais radical, que se sentava na parte alta da assembléia (Montanha) e tinha fortes ligações com os sans-culottes. Eram republicanos. • Já os feuillants representavam a burguesia financeira, e havia os deputados sem convicções políticas, chamados de (sapos do) Pântano. Prof.ª Valéria Fernandes 11/9/2012 11
  • 12.  A Invasão do Palácio das Tulherias, em 10 de agosto de 1792, quase resultou no massacre da família real. No mês seguinte, os famosos Massacres de Setembro possibilitaram a expressão de toda a “fúria” revolucionária. Prof.ª Valéria Fernandes 11/9/2012 12
  • 13.  A Batalha de Valmy (20 de setembro de 1792) foi a primeira grande vitória militar da Revolução. A Convenção Nacional, impulsionada pelo triunfo, proclamou a República. Prof.ª Valéria Fernandes 11/9/2012 13
  • 14.  A Convenção Nacional (1792-1795): – Aliança entre jacobinos e sans-culottes. – O rei (21/01/1793) e a rainha (16/10/1793) são executados. – Guerra da Vendéia (1793-1796). – A Primeira Coligação (1792-97). – Girondinos perdem o poder entre 31/05- 02/06/1793 → vários são guilhotinados. Prof.ª Valéria Fernandes 11/9/2012 14
  • 15. – No poder, os jacobinos promovem uma série de reformas mas o uso indiscriminado da guilhotina faz com que o período seja conhecido como “Terror”: • Abolição da escravatura nas colônias. • Lei do Máximo. • Reforma agrária e pensões para os necessitados. • Nova constituição e novo calendário. • Voto universal masculino. • Nova Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão. • Ensino público e gratuito. • Criação do Museu do Louvre. • Criação do Sistema de Pesos e Medidas. • Instituição do Tribunal Revolucionário, do Comitê de Salvação Pública e do Comitê de Salvação Nacional, criação da Lei dos Suspeitos. Prof.ª Valéria Fernandes 11/9/2012 15
  • 16. O Calendário Revolucionário Vigorou de 22/09/1792 a 31/12/1805. Napoleão Bonaparte restabeleceu o Calendário Gregoriano, que voltaria a vigorar durante a Comuna de Paris. • No outono: • Na primavera:  Vindimiário: 22/09-21/10  Germinal: 21/03-19/04  Brumário: 22/10-20/11  Floreal: 20/04-19/05  Frimário: 21/11-20/12  Pradial: 20/05-18/06 • No inverno: • No verão:  Nivoso: 21/12-19/01  Messidor: 19/06-18/07  Pluvioso: 20/01-18/02  Termidor: 19/07-17/08  Ventoso: 19/02-20/03  Fructidor: 18/08-20/09 Prof.ª Valéria Fernandes 11/9/2012 16
  • 17.  A Morte de Marat (13/07/1793), líder dos sans- culottes, jornalista e instigador de levantes populares e Robespierre, um dos mais importantes líderes jacobinos e um dos idealizadores do “Terror”. Prof.ª Valéria Fernandes 11/9/2012 17
  • 18.  As mulheres participaram ativamente da Revolução, mas foram sendo excluídas da vida política. Olympe de Gouges escreveu A Declaração dos Direitos da Mulher e da Cidadã. Charlotte Corday matou Marat e disse em seu julgamento “Matei um homem para salvar 100 mil!”. Ambas morreram na guilhotina. Prof.ª Valéria Fernandes 11/9/2012 18
  • 19. – Em 27 de julho (09 de Termidor do ano II do novo Calendário da Revolução), os girondinos sobreviventes retomaram o poder. Inicia-se a Convenção Termidoriana. – Várias das leis e medidas baixadas pelos jacobinos foram anuladas. – Os girondinos promoveram a perseguição dos inimigos Cabeça de políticos. É o chamado “Terror Robespierre é Branco”. exibida ao povo. Prof.ª Valéria Fernandes 11/9/2012 19
  • 20. – O Diretório (1795-1799):  Em agosto de 1795, criaram uma nova constituição nacional.  Os direitos de propriedade revogados pelos jacobinos foram revalidados.  O governo era formado pelo Conselho dos 500 (encarregado de elaborar os projetos de lei) e o Conselho dos Anciãos (250 deputados encarregados de aprovar ou rejeitar os projetos de lei).  O poder executivo foi entregue ao Diretório → colegiado de 5 membros eleitos por 5 anos pelo Conselho dos Anciãos.  Retorno do voto censitário. Prof.ª Valéria Fernandes 11/9/2012 20
  • 21. – O Diretório (1795-1799):  Pressões tanto por parte dos monarquistas, quanto de setores da esquerda (Conspiração dos Iguais).  Criada uma nova moeda, o franco.  Greves são proibidas → Repressão aos trabalhadores urbanos (sans-culottes).  formou-se a 2a Coligação (Inglaterra, Áustria, Rússia, Sardenha, reino de Nápoles e Turquia).  Aumenta a dependência em relação ao exército → O jovem Napoleão se projeta política e militarmente.  Por fim, Napoleão dissolveu o Diretório no dia 9/11/1799 → o Golpe do 18 Brumário → Prof.ª Valéria Fernandes 11/9/2012 21 estabeleceu o Consulado.
  • 22. Período Napoleônico  Napoleão Bonaparte (1769- 1821) foi um importante líder militar que destacou-se contra a 1a e a 2a Coligação.  Em 1799, tomou o poder, criando o consulado, inaugurando o império em 1804.  Vitorioso na maioria de suas batalhas, tentou promover a modernização do Estado francês, com destaque para o Código de leis que leva o seu nome. Fernandes Prof.ª Valéria 11/9/2012 22
  • 23. Período Napoleônico  1800 – Banco da França.  1801 – Concordata com a Igreja Católica.  1802 – Plebiscito: cônsul vitalício.  1803 – Venda de colônias francesas aos EUA.  1804 – Código Napoleônico.  Reformou a educação: abriu escolas primárias públicas em todas as aldeias, estimulou o ensino superior e subordinou as escolas técnicas ao Estado.  Grandes obras públicas. Prof.ª Valéria Fernandes 11/9/2012 23
  • 24. Período Napoleônico  A vitória dos britânicos na Batalha de Trafalgar (1805) evidenciou a supremacia naval inglesa.  Napoleão decreta o Bloqueio Continental (1806).  Os britânicos então passam a atacar navios franceses e com carga de produtos franceses.  Os americanos baixam a Lei do Embargo (1807), porque a ação Esquema da Batalha inglesa causa danos a de Trafalgar. economia americana. Prof.ª Valéria Fernandes 11/9/2012 24
  • 25. Período Napoleônico Prof.ª Valéria Fernandes 11/9/2012 25
  • 26. Coroação de Napoleão: depois de um plebiscito em 1804, Napoleão se torna imperador e coroa a si mesmo e sua esposa, Josefina, humilhando o papa. Prof.ª Valéria Fernandes 11/9/2012 26
  • 27. Os fuzilamentos de 3 de Maio: Goya pinta (1814)a resistência dos espanhóis às tropas napoleônicas a guerra Prof.ª Valéria Fernandes durou de 1807-1814. 11/9/2012 27
  • 28. Josefina, primeira esposa de Napoleão, o ajudou a chegar ao poder, mas não lhe deu filhos. Perdeu seu lugar para Prof.ª Valéria Fernandes Maria Luísa da Austria. 11/9/2012 28
  • 29. Período Napoleônico  Depois da campanha da Rússia (1812), foi derrotado na Batalha de Leipzig (1813), forçado a renunciar e partir para o Exílio na Ilha de Elba.  Napoleão retomou o poder em 1815 e, derrotado definitivamente na Batalha de Waterloo (1815), morreu na Ilha de Prof.ª Valéria Fernandes 11/9/2012 29 Santa Helena.
  • 30. A Campanha da Rússia (1812) levou ao colapso as forças militares francesas. Prof.ª Valéria Fernandes 11/9/2012 30
  • 31. O Congresso de Viena (02/05/1814 a 09/06/1815) tentou restaurar o absolutismo na Europa, poucos de seus Prof.ª Valéria Fernandes objetivos foram atingidos. 11/9/2012 31