SlideShare uma empresa Scribd logo
5/10/2021 Prof.ª Valéria Fernandes 2
A fragmentação do Império Carolíngio com o Tratado de
Verdun (843) acelerou o processo de descentralização
política e feudalização.
5/10/2021 Prof.ª Valéria Fernandes 3
• O Feudalismo é um
sistema, porque envolve
todos os aspectos da
vida de uma pessoa. A
forma como uma pessoa vê
o mundo, a estrutura do
sociedade
• A forma como a economia
é organizada e a política é
feita.
• A maneira como a pessoa
vive a religião no dia-a-dia.
• Lembram do “American
Way of Life”? A ideia é a
mesma.
• Em sua forma completa só existiu na França e
Constituiu-se sobre as ruínas do Império Carolíngio
e pelas novas invasões (vikings, magiares,
sarracenos etc.).
• Perda do conceito de Estado-Território (coisa
pública, uma herança romana, que a maioria dos
povos bárbaros não tinha aprendido) → privatização
de direitos de deveres pertencentes ao rei.
• Descentralização do poder → grandes senhores
(duques, marqueses, condes etc.) tinham exércitos,
moeda própria, faziam leis, executavam a justiça, etc.
• Tinha mais poder, quem tinha mais terras → O
status dos reis dependia do reforço religioso.
5/10/2021 Prof.ª Valéria Fernandes 4
Compare os
domínios do
rei da França
(em azul)
com os dos
grandes
duques,
condes e
marqueses.
5/10/2021 Prof.ª Valéria Fernandes 5
•Durante parte do período que se estende do séc.
IX ao final do séc. XIII, os reis franceses tinham
poucos feudos diretamente sob seu controle →
poucas terras = poucos homens = pouco poder.
•Na França, alguns nobres, especialmente os
duques, eram mais poderosos e ricos que os reis
franceses, que tinham um poder muito mais
simbólico do que efetivo.
•Já os reis ingleses (séc. XI-XIII) possuíam vários
feudos sob seu domínio direto na França e na
Inglaterra e nunca permitiram que os grandes
nobres possuíssem domínios extensos contínuos,
dificultando-lhes a convocação rápida de tropas.
5/10/2021 Prof.ª Valéria Fernandes 6
Os reis franceses vão conquistando novos territórios
(em azul), tomando domínios dos reis da Inglaterra,
principalmente (em vermelho).
5/10/2021 Prof.ª Valéria Fernandes 7
• Havia mais de uma forma de
pensar a organização da
sociedade feudal, o mais
conhecido é o formulado pelo
bispo Adalbéron de Laon (947-
1030) → a “sociedade das
três ordens”.
• Os que oram (oratores), os que
guerreiam (bellatores) e os que
trabalham (laboratores).
• O modelo foi pensado para uma
sociedade estática → as ordens
foram estabelecidas por “Deus” e
eram imutávei.
5/10/2021 Prof.ª Valéria Fernandes 8
O modelo não leva em
consideração o
comércio, a cidade
(burgo) e a presença
da burguesia.
• Nesse modelo de mundo, os
grupos tinham direitos e deveres:
• Aos camponeses cabia obedecer
e garantir a produção;
• Aos guerreiros, que eram da
nobreza, respeitar o clero e
protegê-lo, assim como aos
camponeses;
• Já o clero, e os nobres desse
grupo se viam como os
verdadeiros guerreiros, pois
lutavam contra as hostes
espirituais, deveria interceder
pelos dois outros grupos.
5/10/2021 Prof.ª Valéria Fernandes 9
• Não precisava ser terra,
mas nós estudamos o
feudo-terra, a unidade
de produção.
• Os feudos deveriam ser
autossuficientes.
• Dividido em três partes
(mansos) → senhorial,
servil e comunal.
• Estavam localizadas no
manso servil os lotes
dos servos, que eram
chamados de tenências
5/10/2021 Prof.ª Valéria Fernandes 10
• O mundo feudal era dividido entre livres e não-livres,
laicos e clérigos (seculares e regulares) e, no
feudo, senhores (nobres) e servos (não-nobres).
• Os servos estavam ligados à terra.
• Os senhores (nobres) → divididos entre suseranos
(dá o feudo) e vassalos (recebe o feudo).
• Todos tinham direitos e deveres baseados em laços
pessoais de fidelidade e nos costumes.
• A obediência dos servos podia ser mantida pela
violência, mas, especialmente entre os senhores, a
Igreja tinha a função de garantir a ordem social.
• Deus era o suserano dos suseranos → A Igreja
legitimava e regulava o sistema.
5/10/2021 Prof.ª Valéria Fernandes 11
• Dentro dos feudos poderiam existir vilas, nelas residiam
os vilões, que não eram servos, mas pagavam impostos
ao senhor e poderiam ser artesãos, comerciantes, ou
mesmo camponeses livres.
5/10/2021 Prof.ª Valéria Fernandes 12
•Prestar homenagem → renovação dos juramentos
de fidelidade, sempre que o suserano solicitasse.
•Prestar 40 dias serviço militar por ano → as
guerras medievais precisavam ser curtas, ou o
suserano tinha que compensar o vassalo.
•Participar da corte de justiça do suserano.
•Hospedagem → Sempre que o suserano
passasse por suas terras, deveria hospedá-lo.
•Presentear o filho mais velho do suserano, quando
ele fosse armado cavaleiro e a filha mais velha do
suserano, quando ela se casasse.
•Pagar o resgate do suserano caso ele fosse
capturado em uma guerra → Ás vezes, o
cumprimento dessa obrigação poderia demorar
anos.
5/10/2021 Prof.ª Valéria Fernandes 13
5/10/2021 Prof.ª Valéria Fernandes 14
• O xadrez era um jogo popular na Idade Média entre
homens e mulheres e reproduzia a prática guerreira
do período. O objetivo é capturar as peças do
oponente. Na guerra medieval, alguns oponentes
eram muito valiosos, porque seu resgate poderia
ser elevado.
5/10/2021 Prof.ª Valéria Fernandes 15
• O suserano tinha o dever de apoiar e proteger os
seus vassalos, além disso, deveria pedir-lhes
conselho em decisões importantes, convidá-los a
participar de sua corte de Justiça.
• Quando um rei era vassalo do outro, caso do rei da
Inglaterra em relação ao da França, era prestada a
homenagem lígia, sem a necessidade de ajoelhar e
com os dois trocando um beijo nos lábios.
• Um vassalo poderia ter dois suseranos, se ambos
entrassem em guerra, deveria lutar do lado daquele
que fosse seu suserano mais antigo.
• Trair o senhor, a felonia era crime grave → a
excomunhão poderia ser a pena imposta pela Igreja
→ isso dissolvia os laços feudais → o suserano
podia ser inclusive morto por seus vassalos.
5/10/2021 Prof.ª Valéria Fernandes 16
5/10/2021 Prof.ª Valéria Fernandes 17
• Os deveres dos servos poderiam variar de região para
região, mas os que sempre estavam presentes eram:
• Corveia → trabalho obrigatório gratuito nas terras do
senhor → poderia ser de três ou quatro dias → com o
avançar da Idade Média, passou a ser cobrado em
dinheiro e era exigido mesmo das cidades que ficavam
nas terras do senhor → ainda havia camponeses
pagando corveia às vésperas da Revolução Francesa.
• Talha → dever de entregar metade da produção de seu
lote ao senhor.
• Banalidades → Taxa para usar o que era do senhor →
forno, moinho, algumas ferramentas etc.
• Dízimo (Tostão de São Pedro) → dever de entregar
10% de seus ganhos à Igreja em certas épocas do ano
→ normalmente era em espécie (cereais, animais), com o
passar do tempo, passou a ser em dinheiro.
5/10/2021 Prof.ª Valéria Fernandes 18
5/10/2021 Prof.ª Valéria Fernandes 19
• Albergagem → o dever de hospedar o senhor, se ele
assim desejasse.
• Outras obrigações que variavam a depender da região:
• Mão-morta → para que a tenência passasse para a
próxima geração, o servo deveria pagar uma taxa.
• Formariage → taxa paga ao senhor para que o servo
pudesse se casar.
• Capitação → Imposto pago em época de recenseamento
e que variava a depender do número de pessoas na
família.
• Não era uma obrigação feudal a prima nocta ou droit du
seigneur → direito do senhor de obrigar suas servas a
passar sua noite de núpcias com ele → mesmo
aparecendo muito na TV e no cinema, é uma invenção
do séc. XVIII que pode, sim, ter sido cometida como
abuso por algum senhor.
5/10/2021 Prof.ª Valéria Fernandes 20
5/10/2021 Prof.ª Valéria Fernandes 21
• O filme Coração Valente (1995) e O Senhor da Guerra
(1966) apresentam a prima nocta como um direito feudal
reconhecido e que, em algum momento, teria sido
abandonado, mas que poderia ser retomado a qualquer
momento, porque era legal. Pensem que a sociedade
medieval era cristã e suas relações eram validades pela
Igreja Católica, que irá se preocupar particularmente em
regular os casamentos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

As missões jesuíticas
As missões jesuíticasAs missões jesuíticas
As missões jesuíticas
lyslley
 
Reformas religiosas
Reformas religiosasReformas religiosas
Reformas religiosas
Nelson Faustino
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
Elaine Bogo Pavani
 
Reforma Protestante
Reforma ProtestanteReforma Protestante
Reforma Protestante
josepinho
 
Idade média 1 ano
Idade média 1 anoIdade média 1 ano
Idade média 1 ano
Over Lane
 
As capitanias hereditárias
As capitanias hereditáriasAs capitanias hereditárias
As capitanias hereditárias
Alê Maldonado
 
Modernidade
ModernidadeModernidade
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
Alê Maldonado
 
Capitanias hereditárias
Capitanias hereditáriasCapitanias hereditárias
Capitanias hereditárias
Creusa Lima
 
Idade media - Feudalismo.pptx
Idade media - Feudalismo.pptxIdade media - Feudalismo.pptx
Idade media - Feudalismo.pptx
Daniel Alves Bronstrup
 
Idade média feudalismo
Idade média   feudalismoIdade média   feudalismo
Idade média feudalismo
Fatima Freitas
 
1º ano - Reforma Religiosa
1º ano - Reforma Religiosa1º ano - Reforma Religiosa
1º ano - Reforma Religiosa
Daniel Alves Bronstrup
 
Brasil Colônia
Brasil ColôniaBrasil Colônia
Brasil Colônia
Aulas de História
 
Primeira e Segunda Revolução Industrial
Primeira e Segunda Revolução IndustrialPrimeira e Segunda Revolução Industrial
Primeira e Segunda Revolução Industrial
Valéria Shoujofan
 
Império bizantino
Império bizantinoImpério bizantino
Império bizantino
alinemaiahistoria
 
Brasil colônia
Brasil colônia Brasil colônia
Brasil colônia
Elaine Bogo Pavani
 
Colonização da america
Colonização da americaColonização da america
Colonização da america
Isabel Aguiar
 
O Renascimento
O RenascimentoO Renascimento
O Renascimento
Carlos Pinheiro
 
O Estado Moderno
O Estado ModernoO Estado Moderno
O Estado Moderno
Aulas de História
 
renascimento cultural 7º ano
  renascimento cultural 7º ano  renascimento cultural 7º ano
renascimento cultural 7º ano
Colégio Basic e Colégio Imperatrice
 

Mais procurados (20)

As missões jesuíticas
As missões jesuíticasAs missões jesuíticas
As missões jesuíticas
 
Reformas religiosas
Reformas religiosasReformas religiosas
Reformas religiosas
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
Reforma Protestante
Reforma ProtestanteReforma Protestante
Reforma Protestante
 
Idade média 1 ano
Idade média 1 anoIdade média 1 ano
Idade média 1 ano
 
As capitanias hereditárias
As capitanias hereditáriasAs capitanias hereditárias
As capitanias hereditárias
 
Modernidade
ModernidadeModernidade
Modernidade
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
Capitanias hereditárias
Capitanias hereditáriasCapitanias hereditárias
Capitanias hereditárias
 
Idade media - Feudalismo.pptx
Idade media - Feudalismo.pptxIdade media - Feudalismo.pptx
Idade media - Feudalismo.pptx
 
Idade média feudalismo
Idade média   feudalismoIdade média   feudalismo
Idade média feudalismo
 
1º ano - Reforma Religiosa
1º ano - Reforma Religiosa1º ano - Reforma Religiosa
1º ano - Reforma Religiosa
 
Brasil Colônia
Brasil ColôniaBrasil Colônia
Brasil Colônia
 
Primeira e Segunda Revolução Industrial
Primeira e Segunda Revolução IndustrialPrimeira e Segunda Revolução Industrial
Primeira e Segunda Revolução Industrial
 
Império bizantino
Império bizantinoImpério bizantino
Império bizantino
 
Brasil colônia
Brasil colônia Brasil colônia
Brasil colônia
 
Colonização da america
Colonização da americaColonização da america
Colonização da america
 
O Renascimento
O RenascimentoO Renascimento
O Renascimento
 
O Estado Moderno
O Estado ModernoO Estado Moderno
O Estado Moderno
 
renascimento cultural 7º ano
  renascimento cultural 7º ano  renascimento cultural 7º ano
renascimento cultural 7º ano
 

Semelhante a Sociedade feudal - Parte 1

O conceito de feudalismo como um sistema, envolvendo o nível econômico, o soc...
O conceito de feudalismo como um sistema, envolvendo o nível econômico, o soc...O conceito de feudalismo como um sistema, envolvendo o nível econômico, o soc...
O conceito de feudalismo como um sistema, envolvendo o nível econômico, o soc...
NetoSilva76
 
Feudalismo (476-1453)
Feudalismo (476-1453)Feudalismo (476-1453)
Feudalismo (476-1453)
Munis Pedro
 
7º ano-história
7º ano-história7º ano-história
7º ano-história
Nivea Neves
 
7º ano-história
7º ano-história7º ano-história
7º ano-história
Nivea Neves
 
A sociedade feudal
A sociedade feudalA sociedade feudal
A sociedade feudal
Nelia Salles Nantes
 
A sociedade feudal
A sociedade feudalA sociedade feudal
A sociedade feudal
Nelia Salles Nantes
 
Idade Média
Idade MédiaIdade Média
Idade Média
Valéria Shoujofan
 
A Sociedade Europeia nos séculos IX a XII
A Sociedade Europeia nos séculos IX a XIIA Sociedade Europeia nos séculos IX a XII
A Sociedade Europeia nos séculos IX a XII
Jorge Almeida
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
harlissoncarvalho
 
O FEUDALISMO.pptx
O FEUDALISMO.pptxO FEUDALISMO.pptx
O FEUDALISMO.pptx
WirlanPaje2
 
A_sociedade_europeia_nos_séculos_IX_a_XII.pptx
A_sociedade_europeia_nos_séculos_IX_a_XII.pptxA_sociedade_europeia_nos_séculos_IX_a_XII.pptx
A_sociedade_europeia_nos_séculos_IX_a_XII.pptx
JuditeBarbosa1
 
Pré barra mundo feudal
Pré barra mundo feudalPré barra mundo feudal
Pré barra mundo feudal
Jorge Marcos Oliveira
 
Pré barra mundo feudal
Pré barra mundo feudalPré barra mundo feudal
Pré barra mundo feudal
Jorge Marcos Oliveira
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
Renan Sancio
 
A Sociedade Senhorial
A Sociedade SenhorialA Sociedade Senhorial
A Sociedade Senhorial
Patrícia Morais
 
Capitanias Hereditárias
Capitanias HereditáriasCapitanias Hereditárias
Capitanias Hereditárias
Valéria Shoujofan
 
A formação da europa feudal
A formação da europa feudalA formação da europa feudal
A formação da europa feudal
Salete Lima
 
A intervenção no poder local
A intervenção no poder localA intervenção no poder local
A intervenção no poder local
Karina Bastos
 
3º ano resumão - feudalismo
3º ano resumão - feudalismo3º ano resumão - feudalismo
3º ano resumão - feudalismo
Daniel Alves Bronstrup
 
A sociedade de três ordens e a vida feudal
A sociedade de três ordens e a vida feudalA sociedade de três ordens e a vida feudal
A sociedade de três ordens e a vida feudal
Gilberto Amorim
 

Semelhante a Sociedade feudal - Parte 1 (20)

O conceito de feudalismo como um sistema, envolvendo o nível econômico, o soc...
O conceito de feudalismo como um sistema, envolvendo o nível econômico, o soc...O conceito de feudalismo como um sistema, envolvendo o nível econômico, o soc...
O conceito de feudalismo como um sistema, envolvendo o nível econômico, o soc...
 
Feudalismo (476-1453)
Feudalismo (476-1453)Feudalismo (476-1453)
Feudalismo (476-1453)
 
7º ano-história
7º ano-história7º ano-história
7º ano-história
 
7º ano-história
7º ano-história7º ano-história
7º ano-história
 
A sociedade feudal
A sociedade feudalA sociedade feudal
A sociedade feudal
 
A sociedade feudal
A sociedade feudalA sociedade feudal
A sociedade feudal
 
Idade Média
Idade MédiaIdade Média
Idade Média
 
A Sociedade Europeia nos séculos IX a XII
A Sociedade Europeia nos séculos IX a XIIA Sociedade Europeia nos séculos IX a XII
A Sociedade Europeia nos séculos IX a XII
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
O FEUDALISMO.pptx
O FEUDALISMO.pptxO FEUDALISMO.pptx
O FEUDALISMO.pptx
 
A_sociedade_europeia_nos_séculos_IX_a_XII.pptx
A_sociedade_europeia_nos_séculos_IX_a_XII.pptxA_sociedade_europeia_nos_séculos_IX_a_XII.pptx
A_sociedade_europeia_nos_séculos_IX_a_XII.pptx
 
Pré barra mundo feudal
Pré barra mundo feudalPré barra mundo feudal
Pré barra mundo feudal
 
Pré barra mundo feudal
Pré barra mundo feudalPré barra mundo feudal
Pré barra mundo feudal
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
A Sociedade Senhorial
A Sociedade SenhorialA Sociedade Senhorial
A Sociedade Senhorial
 
Capitanias Hereditárias
Capitanias HereditáriasCapitanias Hereditárias
Capitanias Hereditárias
 
A formação da europa feudal
A formação da europa feudalA formação da europa feudal
A formação da europa feudal
 
A intervenção no poder local
A intervenção no poder localA intervenção no poder local
A intervenção no poder local
 
3º ano resumão - feudalismo
3º ano resumão - feudalismo3º ano resumão - feudalismo
3º ano resumão - feudalismo
 
A sociedade de três ordens e a vida feudal
A sociedade de três ordens e a vida feudalA sociedade de três ordens e a vida feudal
A sociedade de três ordens e a vida feudal
 

Mais de Valéria Shoujofan

América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados NacionaisAmérica Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
Valéria Shoujofan
 
Segundo Reinando: Escravidão e Imigração
Segundo Reinando: Escravidão e ImigraçãoSegundo Reinando: Escravidão e Imigração
Segundo Reinando: Escravidão e Imigração
Valéria Shoujofan
 
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptxEntre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
Valéria Shoujofan
 
Revolução Americana
Revolução AmericanaRevolução Americana
Revolução Americana
Valéria Shoujofan
 
Iluminismo e Déspotas Esclarecidos
Iluminismo e Déspotas EsclarecidosIluminismo e Déspotas Esclarecidos
Iluminismo e Déspotas Esclarecidos
Valéria Shoujofan
 
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos ContratualistasAbsolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Valéria Shoujofan
 
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução AgrícolaInglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
Valéria Shoujofan
 
Reformas Religiosas (novo)
Reformas Religiosas (novo)Reformas Religiosas (novo)
Reformas Religiosas (novo)
Valéria Shoujofan
 
Revoluções Inglesas - século XVII
Revoluções Inglesas - século XVIIRevoluções Inglesas - século XVII
Revoluções Inglesas - século XVII
Valéria Shoujofan
 
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICACONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
Valéria Shoujofan
 
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
Valéria Shoujofan
 
Revoltas Emancipacionistas
Revoltas EmancipacionistasRevoltas Emancipacionistas
Revoltas Emancipacionistas
Valéria Shoujofan
 
Período Joanino (1808-1821)
Período Joanino (1808-1821)Período Joanino (1808-1821)
Período Joanino (1808-1821)
Valéria Shoujofan
 
Independência do Brasil e Primeiro Reinado
Independência do Brasil e Primeiro ReinadoIndependência do Brasil e Primeiro Reinado
Independência do Brasil e Primeiro Reinado
Valéria Shoujofan
 
Renascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
Renascimento Urbano e Comercial e CruzadasRenascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
Renascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
Valéria Shoujofan
 
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
Valéria Shoujofan
 
Formação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Formação das Monarquias Nacionais e AbsolutismoFormação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Formação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Valéria Shoujofan
 
Reformas religiosas do Século XVI
Reformas religiosas do Século XVIReformas religiosas do Século XVI
Reformas religiosas do Século XVI
Valéria Shoujofan
 
Renascimento Cultural
Renascimento CulturalRenascimento Cultural
Renascimento Cultural
Valéria Shoujofan
 
E Machado de Assis virou Mangá: Reflexões sobre a releitura em quadrinhos do ...
E Machado de Assis virou Mangá: Reflexões sobre a releitura em quadrinhos do ...E Machado de Assis virou Mangá: Reflexões sobre a releitura em quadrinhos do ...
E Machado de Assis virou Mangá: Reflexões sobre a releitura em quadrinhos do ...
Valéria Shoujofan
 

Mais de Valéria Shoujofan (20)

América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados NacionaisAmérica Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
 
Segundo Reinando: Escravidão e Imigração
Segundo Reinando: Escravidão e ImigraçãoSegundo Reinando: Escravidão e Imigração
Segundo Reinando: Escravidão e Imigração
 
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptxEntre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
 
Revolução Americana
Revolução AmericanaRevolução Americana
Revolução Americana
 
Iluminismo e Déspotas Esclarecidos
Iluminismo e Déspotas EsclarecidosIluminismo e Déspotas Esclarecidos
Iluminismo e Déspotas Esclarecidos
 
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos ContratualistasAbsolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
 
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução AgrícolaInglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
 
Reformas Religiosas (novo)
Reformas Religiosas (novo)Reformas Religiosas (novo)
Reformas Religiosas (novo)
 
Revoluções Inglesas - século XVII
Revoluções Inglesas - século XVIIRevoluções Inglesas - século XVII
Revoluções Inglesas - século XVII
 
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICACONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
 
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
 
Revoltas Emancipacionistas
Revoltas EmancipacionistasRevoltas Emancipacionistas
Revoltas Emancipacionistas
 
Período Joanino (1808-1821)
Período Joanino (1808-1821)Período Joanino (1808-1821)
Período Joanino (1808-1821)
 
Independência do Brasil e Primeiro Reinado
Independência do Brasil e Primeiro ReinadoIndependência do Brasil e Primeiro Reinado
Independência do Brasil e Primeiro Reinado
 
Renascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
Renascimento Urbano e Comercial e CruzadasRenascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
Renascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
 
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
 
Formação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Formação das Monarquias Nacionais e AbsolutismoFormação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Formação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
 
Reformas religiosas do Século XVI
Reformas religiosas do Século XVIReformas religiosas do Século XVI
Reformas religiosas do Século XVI
 
Renascimento Cultural
Renascimento CulturalRenascimento Cultural
Renascimento Cultural
 
E Machado de Assis virou Mangá: Reflexões sobre a releitura em quadrinhos do ...
E Machado de Assis virou Mangá: Reflexões sobre a releitura em quadrinhos do ...E Machado de Assis virou Mangá: Reflexões sobre a releitura em quadrinhos do ...
E Machado de Assis virou Mangá: Reflexões sobre a releitura em quadrinhos do ...
 

Último

Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Centro Jacques Delors
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
Manuais Formação
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
TathyLopes1
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Centro Jacques Delors
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
KarollayneRodriguesV1
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 

Último (20)

Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 

Sociedade feudal - Parte 1

  • 1.
  • 2. 5/10/2021 Prof.ª Valéria Fernandes 2 A fragmentação do Império Carolíngio com o Tratado de Verdun (843) acelerou o processo de descentralização política e feudalização.
  • 3. 5/10/2021 Prof.ª Valéria Fernandes 3 • O Feudalismo é um sistema, porque envolve todos os aspectos da vida de uma pessoa. A forma como uma pessoa vê o mundo, a estrutura do sociedade • A forma como a economia é organizada e a política é feita. • A maneira como a pessoa vive a religião no dia-a-dia. • Lembram do “American Way of Life”? A ideia é a mesma.
  • 4. • Em sua forma completa só existiu na França e Constituiu-se sobre as ruínas do Império Carolíngio e pelas novas invasões (vikings, magiares, sarracenos etc.). • Perda do conceito de Estado-Território (coisa pública, uma herança romana, que a maioria dos povos bárbaros não tinha aprendido) → privatização de direitos de deveres pertencentes ao rei. • Descentralização do poder → grandes senhores (duques, marqueses, condes etc.) tinham exércitos, moeda própria, faziam leis, executavam a justiça, etc. • Tinha mais poder, quem tinha mais terras → O status dos reis dependia do reforço religioso. 5/10/2021 Prof.ª Valéria Fernandes 4
  • 5. Compare os domínios do rei da França (em azul) com os dos grandes duques, condes e marqueses. 5/10/2021 Prof.ª Valéria Fernandes 5
  • 6. •Durante parte do período que se estende do séc. IX ao final do séc. XIII, os reis franceses tinham poucos feudos diretamente sob seu controle → poucas terras = poucos homens = pouco poder. •Na França, alguns nobres, especialmente os duques, eram mais poderosos e ricos que os reis franceses, que tinham um poder muito mais simbólico do que efetivo. •Já os reis ingleses (séc. XI-XIII) possuíam vários feudos sob seu domínio direto na França e na Inglaterra e nunca permitiram que os grandes nobres possuíssem domínios extensos contínuos, dificultando-lhes a convocação rápida de tropas. 5/10/2021 Prof.ª Valéria Fernandes 6
  • 7. Os reis franceses vão conquistando novos territórios (em azul), tomando domínios dos reis da Inglaterra, principalmente (em vermelho). 5/10/2021 Prof.ª Valéria Fernandes 7
  • 8. • Havia mais de uma forma de pensar a organização da sociedade feudal, o mais conhecido é o formulado pelo bispo Adalbéron de Laon (947- 1030) → a “sociedade das três ordens”. • Os que oram (oratores), os que guerreiam (bellatores) e os que trabalham (laboratores). • O modelo foi pensado para uma sociedade estática → as ordens foram estabelecidas por “Deus” e eram imutávei. 5/10/2021 Prof.ª Valéria Fernandes 8 O modelo não leva em consideração o comércio, a cidade (burgo) e a presença da burguesia.
  • 9. • Nesse modelo de mundo, os grupos tinham direitos e deveres: • Aos camponeses cabia obedecer e garantir a produção; • Aos guerreiros, que eram da nobreza, respeitar o clero e protegê-lo, assim como aos camponeses; • Já o clero, e os nobres desse grupo se viam como os verdadeiros guerreiros, pois lutavam contra as hostes espirituais, deveria interceder pelos dois outros grupos. 5/10/2021 Prof.ª Valéria Fernandes 9
  • 10. • Não precisava ser terra, mas nós estudamos o feudo-terra, a unidade de produção. • Os feudos deveriam ser autossuficientes. • Dividido em três partes (mansos) → senhorial, servil e comunal. • Estavam localizadas no manso servil os lotes dos servos, que eram chamados de tenências 5/10/2021 Prof.ª Valéria Fernandes 10
  • 11. • O mundo feudal era dividido entre livres e não-livres, laicos e clérigos (seculares e regulares) e, no feudo, senhores (nobres) e servos (não-nobres). • Os servos estavam ligados à terra. • Os senhores (nobres) → divididos entre suseranos (dá o feudo) e vassalos (recebe o feudo). • Todos tinham direitos e deveres baseados em laços pessoais de fidelidade e nos costumes. • A obediência dos servos podia ser mantida pela violência, mas, especialmente entre os senhores, a Igreja tinha a função de garantir a ordem social. • Deus era o suserano dos suseranos → A Igreja legitimava e regulava o sistema. 5/10/2021 Prof.ª Valéria Fernandes 11
  • 12. • Dentro dos feudos poderiam existir vilas, nelas residiam os vilões, que não eram servos, mas pagavam impostos ao senhor e poderiam ser artesãos, comerciantes, ou mesmo camponeses livres. 5/10/2021 Prof.ª Valéria Fernandes 12
  • 13. •Prestar homenagem → renovação dos juramentos de fidelidade, sempre que o suserano solicitasse. •Prestar 40 dias serviço militar por ano → as guerras medievais precisavam ser curtas, ou o suserano tinha que compensar o vassalo. •Participar da corte de justiça do suserano. •Hospedagem → Sempre que o suserano passasse por suas terras, deveria hospedá-lo. •Presentear o filho mais velho do suserano, quando ele fosse armado cavaleiro e a filha mais velha do suserano, quando ela se casasse. •Pagar o resgate do suserano caso ele fosse capturado em uma guerra → Ás vezes, o cumprimento dessa obrigação poderia demorar anos. 5/10/2021 Prof.ª Valéria Fernandes 13
  • 14. 5/10/2021 Prof.ª Valéria Fernandes 14 • O xadrez era um jogo popular na Idade Média entre homens e mulheres e reproduzia a prática guerreira do período. O objetivo é capturar as peças do oponente. Na guerra medieval, alguns oponentes eram muito valiosos, porque seu resgate poderia ser elevado.
  • 16. • O suserano tinha o dever de apoiar e proteger os seus vassalos, além disso, deveria pedir-lhes conselho em decisões importantes, convidá-los a participar de sua corte de Justiça. • Quando um rei era vassalo do outro, caso do rei da Inglaterra em relação ao da França, era prestada a homenagem lígia, sem a necessidade de ajoelhar e com os dois trocando um beijo nos lábios. • Um vassalo poderia ter dois suseranos, se ambos entrassem em guerra, deveria lutar do lado daquele que fosse seu suserano mais antigo. • Trair o senhor, a felonia era crime grave → a excomunhão poderia ser a pena imposta pela Igreja → isso dissolvia os laços feudais → o suserano podia ser inclusive morto por seus vassalos. 5/10/2021 Prof.ª Valéria Fernandes 16
  • 18. • Os deveres dos servos poderiam variar de região para região, mas os que sempre estavam presentes eram: • Corveia → trabalho obrigatório gratuito nas terras do senhor → poderia ser de três ou quatro dias → com o avançar da Idade Média, passou a ser cobrado em dinheiro e era exigido mesmo das cidades que ficavam nas terras do senhor → ainda havia camponeses pagando corveia às vésperas da Revolução Francesa. • Talha → dever de entregar metade da produção de seu lote ao senhor. • Banalidades → Taxa para usar o que era do senhor → forno, moinho, algumas ferramentas etc. • Dízimo (Tostão de São Pedro) → dever de entregar 10% de seus ganhos à Igreja em certas épocas do ano → normalmente era em espécie (cereais, animais), com o passar do tempo, passou a ser em dinheiro. 5/10/2021 Prof.ª Valéria Fernandes 18
  • 20. • Albergagem → o dever de hospedar o senhor, se ele assim desejasse. • Outras obrigações que variavam a depender da região: • Mão-morta → para que a tenência passasse para a próxima geração, o servo deveria pagar uma taxa. • Formariage → taxa paga ao senhor para que o servo pudesse se casar. • Capitação → Imposto pago em época de recenseamento e que variava a depender do número de pessoas na família. • Não era uma obrigação feudal a prima nocta ou droit du seigneur → direito do senhor de obrigar suas servas a passar sua noite de núpcias com ele → mesmo aparecendo muito na TV e no cinema, é uma invenção do séc. XVIII que pode, sim, ter sido cometida como abuso por algum senhor. 5/10/2021 Prof.ª Valéria Fernandes 20
  • 21. 5/10/2021 Prof.ª Valéria Fernandes 21 • O filme Coração Valente (1995) e O Senhor da Guerra (1966) apresentam a prima nocta como um direito feudal reconhecido e que, em algum momento, teria sido abandonado, mas que poderia ser retomado a qualquer momento, porque era legal. Pensem que a sociedade medieval era cristã e suas relações eram validades pela Igreja Católica, que irá se preocupar particularmente em regular os casamentos.