SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 36
PERÍODO REGENCIAL
(1831- 1840)
HISTÓRIA 2º ANO
CAP.20
PÁG. 238
CAP.20
PÁG.238
Transição até a maioridade de D. Pedro II.
Instabilidade política (agitações internas).
O Período Regencial corresponde ao período da
História, em que o Brasil foi governado por
Regentes.
REGENTES–são governantes que substituem o rei
ou Imperador se forem menores de idade, caso de
doenças ou outro impedimento.
Obs: O Período Regencial encerra o Primeiro Reinado
PERÍODO REGENCIAL
PERÍODO REGENCIAL
• Em 7 de Abril de 1831 –D. Pedro I, abdicou o trono brasileiro em favor
de seu filho, D. Pedro II, que contava com apenas cinco anos de idade.
• A Constituição de 1824, determinava que em caso de vacância ( trono
vago ), o Brasil deveria ser governado por TRÊS REGENTES eleitos pela
Assembleia –daí o termo Regência Trina.
• Porque os Regentes seriam eleitos pela Assembleia ( deputados e
Senadores ).
CAP.20
PÁG.238
O que estabelecia a Constituição do Brasil em caso de Vacância do
trono e na impossibilidade do novo Imperador Governar?
Por quê esse período ficou conhecido como “uma experiência
Republicana”?
CENÁRIO POLÍTICO
CAP.20
PÁG.238
• Restauradores ou Caramurus:
• Portugueses, descendentes de portugueses e burocratas ligados ao
antigo governo de D. Pedro I.
• Contrários a qualquer reforma política (conservadores).
• Absolutistas.
• Objetivo: volta de D. Pedro I.
• Liberais Moderados ou Chimangos:
• Proprietários rurais especialmente do Sudeste.
• Monarquistas e escravistas.
• Federalismo com forte controle do RJ (centralizadores).
• Principal força política que controlava o governo na época.
CENÁRIO POLÍTICO
CAP.20
PÁG.238
• Liberais Exaltados ou Farroupilhas ou Jurujubas:
• Proprietários rurais de regiões periféricas sem
influência do RJ, classe média urbana e setores do
exército.
• Fim da monarquia e proclamação da República.
• Federalismo (grande autonomia provincial).
• Alguns pregavam ideais democráticos inspirados
na Revolução Francesa.
• Foco de revoltas.
RESUMINDO
CAP.20
PÁG.238
GRUPO OBJETIVOS SETORES FIGURAS
Restauradores/
Caramurus
Volta de Pedro I;
Absolutismo.
Comerciantes portugueses,
militares de alta patente e
altos funcionários
José Bonifácio
Liberais exaltados
Jurujubas
Farroupilhas
Centralização do poder;
Autonomia administrativa das
Províncias;
Sistema federalista.
Profissionais liberais,
pequenos comerciantes,
funcionários e militares
modestos
Cipriano Barata, Borges da
Fonseca, Miguel Frias, Rangel
de Vasconcelos e Augusto
May
Liberais moderados
Chimangos
Unidade territorial;
Monarquia;
Escravidão e ordem social;
Aumento do poder das
Províncias.
Grandes proprietários
rurais (SP, RJ, MG e
Nordeste)
Diogo Antônio Feijó, Evaristo
da Veiga e Bernardo Pereira
de Vasconcelos.
AS REGÊNCIAS QUE GOVERNARAM O IMPÉRIO
CAP.20
PÁG.238
(abr/jul 1831) (1831 – 1834) • Regência Una do Padre
Feijó (1835 – 1837);
• Regência Una de Araújo
Lima (1837 – 1840).
REGÊNCIA TRINA PROVISÓRIA (abril/julho
1831):início do avanço liberal.
CAP.20
PÁG.238
Por que em Abril, mês da Abdicação, os
parlamentares ( deputados ) estavam em recesso
( férias), então formou-se um governo provisório.
POR QUE ESSA REGENCIA FOI PROVISÓRIA?
MEDIDAS TOMADAS:
 Readmitiu o ministério brasileiro, deposto
por D. Pedro I.
 Concedeu anistia ( perdão ) a preso
políticos.
 Expulsou os estrangeiros do exército
brasileiro.
 Suspendeu durante esse período o Poder
Moderador.
 Proibição de criar novos impostos.
 Proibição de dissolver a Câmara de
Deputados.
 Eleição de uma Regência Permanente.
REGÊNCIA TRINA PERMANENTE (1831 - 1834):
CAP.20
PÁG.238
REGENTES ELEITOS: Brigadeiro Francisco Lima e
Silva, João Bráulio Muniz (Norte) e José da Costa
Carvalho (sul).
 Criação da Guarda Nacional (ago/1831 – Padre
Diogo Feijó).
 Redução do exército e da Marinha.
 Comando: “coronéis” (patente vendida ou
eleita entre os chamados “cidadãos ativos” –
eleitores).
 Defesa de interesses pessoais dos grandes
fazendeiros.
Típico Coronel
CAP.20
PÁG.238
Padre Diogo Antônio Feijó –homem forte do Período Regencial
 foi nomeado Ministro da Justiça;
 em 1831 criou a Guarda Nacional,
composta por ricos proprietários
rurais;
 Objetivo: manter a ordem e defender
o governo, pois o Exército não
inspirava mais confiança aos
poderosos.
CAP.20
PÁG.238O ATO ADICIONAL DE 1834
• No ano de 1834, procurando atenuar as disputas políticas entre exaltados e moderados,
foi elaborado o Ato Adicional, que estabelecia algumas alterações na Constituição de
1824.
• A seguir, as emendas à Constituição de 1824:
- a substituição da Regência Trina pela Una;
- a criação das Assembleias Legislativas Provinciais, substituindo os Conselhos Provinciais
e garantindo uma maior descentralização administrativa;
- a extinção do Conselho de Estado, que assessorava o imperador no exercício do poder
Moderador;
- criação do Município Neutro do Rio de Janeiro, sede da administração central;
CAP.20
PÁG.238REGÊNCIA UNA DE FEIJÓ - 1835-1837
• Era Liberal–a favor da autonomia provincial (liberdade
para as províncias elegerem seu próprio governo).
• Apesar de Liberal –era autoritário .
• Enfrentou duas revoltas:
 Cabanagem –Pará
Farroupilha-Rio Grande do Sul
• Incapaz de manter a ordem e sem apoio da
Assembleia para governar renunciou ao cargo após
dois anos de governo.
CAP.20
PÁG.238REGÊNCIA UNA DE ARAÚJO LIMA –1837-1840
• Era representante dos CONSERVADORES
• Anulou todas as reformas dos Liberais
• Formou um no novo Ministério –“MINISTÉRIO DAS CAPACIDADES”
• Enfrentou mais duas revoltas:
 SABINADA –Bahia
 BALAIADA -Maranhão
• 1840 –decreta a LEI INTERPRETATIVA DO ATO ADICIONAL–foi uma nova reforma na
Constituição que modificava o ATO ADICIONAL de 1824.
• Essa lei buscava a centralização como forma de enfrentar os levantes
provinciais que ameaçavam a ordem estabelecida, limitando os poderes das
Assembleias Legislativas Provinciais.
• Acabou com a autonomia provincial –isto é, com a liberdade das províncias elegerem
seus governantes,
CAP.20
PÁG.238ANTECIPAÇÃO DA MAIORIDADE
• De acordo com a Constituição, Dom Pedro II só atingiria a sua
maioridade quando completasse 18 anos de idade;
• Foi fundado o Clube da Maioridade, que acionou a Campanha da
Maioridade, um movimento que defendia a ideia de que Dom Pedro II,
mesmo com menos de 15 anos, estava preparado para assumir o
governo do Brasil;
• O Partido Liberal apresentou um projeto para a antecipação da
maioridade do Imperador, declarando Dom Pedro II como maior de
idade, mas as forças conservadoras se colocaram em oposição aos
liberais, que por sua vez foram às ruas fazer manifestações e
recebendo o apoio do povo.
• E, com toda essa pressão popular em meados de 1840, Dom Pedro II
foi considerado maior de idade, com 15 anos incompletos, dando início
ao Segundo Reinado (1840 – 1889).
ATIVIDADE Nº 3: PERÍODO REGENCIAL
CAP.20
PÁG.238
1.COMPREENDENDO:
 PÁG. 240 ( 1 AO 2);
2. COMPREENDENDO:
 PÁG. 243 (1 AO 6).
4º BIMESTRE
CAP.20
PÁG.244REVOLTAS PROVINCIAIS
• Vários movimentos revolucionários explodiam pelo Brasil
e ameaçavam a unidade brasileira ( a união territorial do Brasil). )
CABANAGEM -
PARÁ
SABINADA -
BAHIA
FARROUPILHA –
RIO GRANDE
DO SUL
MALÊS - BAHIA
BALAIADA -
MARANHÃO
CAP.20
PÁG.244REVOLTAS PROVINCIAIS
•O agravamento da
situação econômica e o
anseio das camadas
popular e média por
uma maior participação
política vão gerar
revoltas em vários
pontos do país, sempre
esmagadas com rigor
pelas forças governistas.
Imagem: André Koehne / public domain
CAP.20
PÁG.244CABANAGEM (1835 – 1840) : GRÃO-PARÁ
• No início do Período Regencial, a
situação da população pobre do Grão-
Pará era péssima. Mestiços e índios
viviam na miséria total.
• Sem trabalho e sem condições
adequadas de vida, os cabanos sofriam
em suas pobres cabanas às margens
dos rios.
• Esta situação provocou o sentimento
de abandono com relação ao governo
central e, ao mesmo tempo, muita
revolta.
A Cabanagem explodiu no Pará,
região frouxamente ligada ao Rio
de Janeiro. A estrutura social
não tinha aí estabilidade de
outras províncias, nem havia
uma classe de proprietários
rurais bem estabelecida. Era um
mundo de índios, trabalhadores,
escravos ou independentes, e de
uma minoria branca, formada por
comerciantes portugueses e uns
poucos ingleses e franceses.
Boris Fausto
Um dos mais importantes movimentos sociais
ocorridos na história do Brasil, marcado pelo
controle do poder político pelas camadas populares.
CAP.20
PÁG.244CABANAGEM (1835 – 1840) : GRÃO-PARÁ
• Ampla participação popular (índios, negros, mestiços,
escravos ou livres, porém, todos sem posses).
• Luta contra desigualdades.
• Sem programa político definido.
• Chegaram a tomar o poder mas foram traídos
(Antônio Malcher, Francisco Vinagre e Eduardo
Angelim).
• Por ser a mais popular das revoltas, foi a mais
severamente reprimida (30 mil mortos ou 25% da
população total da Província).
CAP.20
PÁG.244CABANAGEM (1835 – 1840) : GRÃO PARÁ
• Contando com o apoio inclusive de tropas de
mercenários europeus, o governo central brasileiro
usou toda a força para reprimir a revolta, que
ganhava cada vez mais poder.
Após cinco anos de sangrentos combates, o
governo regencial conseguiu reprimir a revolta.
• Em 1840, muitos cabanos tinham sido presos ou
mortos em combates.
• A revolta terminou sem que os cabanos
conseguissem atingir seus objetivos.
CAP.20
PÁG.244CABANAGEM (1835 – 1840) : GRÃO PARÁ
• As lideranças anônimas da Cabanagem: Domingos Onça, Mãe
da Chuva, João do Mato, Sapateiro, Remeiro, Gigante do Fumo,
Piroca Cana, Chico Viado, Pepira, Zefa de Cima, Zefa de Baixo,
Maria da Bunda, etc.
CAP.20
PÁG.244
REVOLUÇÃO FARROUPILHA OU GUERRA DOS
FARRAPOS ( 1835 – 1845): Rio Grande do Sul
• A mais elitista e longa de todas as revoltas.
• Principais lideranças (estancieiros): Bento
Gonçalves (maior líder), Davi Canabarro,
Giuseppe Garibaldi.
• Causas:
• Altos impostos sobre o charque gaúcho;
• Baixos impostos de importação sobre o
charque platino (ARG e URU);
• Nomeação do Presidente de Província
(governador) pelo Rio de Janeiro,
contrário aos interesses gaúchos.
CAP.20
PÁG.244
REVOLUÇÃO FARROUPILHA OU GUERRA DOS
FARRAPOS ( 1835 – 1845): Rio Grande do Sul
• Proclamação da República do Piratini, ou República Rio-Grandense (RS, a partir de 1835) e
da República Juliana (SC, de jul-nov de 1839).
Bandeira dos farrapos
Bandeira da República Juliana
Garibaldi
CAP.20
PÁG.244
REVOLUÇÃO FARROUPILHA OU GUERRA DOS
FARRAPOS ( 1835 – 1845): Rio Grande do Sul
• Experiência de combate (guerras fronteiriças) e recursos
econômicos para manter a guerra (elite provincial).
• Não houve unanimidade: Porto Alegre apoiou o governo
central, bem como áreas de colonização germânica ou
ligadas ao comércio com a capital.
Brasão de Porto Alegre: o termo
“leal e valorosa” refere-se ao
apoio prestado pela cidade ao
governo central (RJ).
CAP.20
PÁG.244
REVOLUÇÃO FARROUPILHA OU GUERRA DOS
FARRAPOS ( 1835 – 1845): Rio Grande do Sul
• Acordo encerra conflito em 1845: “Paz de Ponche
Verde”
• Anistia dos envolvidos gaúchos;
• Incorporação dos farrapos no exército nacional;
• Permissão para escolher o Presidente de Província;
• Devolução de terras confiscadas na guerra;
• Proteção ao charque gaúcho da concorrência
externa;
• Libertação dos escravos envolvidos (?);
• “Surpresa de Porongos” (traição aos negros –
14/11/1844)
CAP.20
PÁG.244“SURPRESA DE PORONGOS”
• Os dias 13 e 14 de novembro marcam o dia de homenagem aos Lanceiros Negros, valente tropa farroupilha
formada por escravos, dizimada pelo exército do imperador Pedro II no chamado Massacre de Porongos.
• A chacina foi resultado de um traiçoeiro acordo entre um chefe dos farrapos (David Canabarro) e o
comandante do exército imperial, Barão (futuro Duque) de Caxias.
• Os farroupilhas prometiam dar liberdade aos escravos que batalhassem a seu favor. Ao final de 1844, já há 9
anos em conflito, a província desgastada, a guerra parecia perdida.
• Com o intuito de dar um fim ao conflito, David Canabarro teria mandado, na madrugada de 14 de novembro,
tirar todas as armas dos escravos.
• Afirmam as entidades que, numa carta de Caxias destinada ao coronel Francisco Pedro de Abreu, foram dadas
as ordens para o genocídio: "No conflito poupe o sangue brasileiro quanto puder, particularmente da gente
branca da Província ou índios, pois bem sabe que essa pobre gente ainda pode ser útil no futuro".
CAP.20
PÁG.244“SURPRESA DE PORONGOS”
 Assim, por volta das 2 horas da manhã, as tropas imperiais de Abreu, conhecido como Moringue,
entraram nos campos de Porongos, hoje município de Pinheiro Machado.
 O Corpo de Lanceiros Negros, desarmado, desprotegido, foi dizimado. "Era a Surpresa de Porongos,
que há décadas vem sendo discutida pelo movimento negro e agora passa a ser reescrita", diz o
texto das entidades.
 Numerosos Lanceiros foram mortos. Mais de 300 farrapos (principalmente brancos), além de 35
oficiais foram presos. Vinte negros sobreviveram e foram mandados para o Rio de Janeiro, onde
provavelmente voltaram a ser escravos.
 As entidades informam que os Lanceiros assassinados foram de 600 a 700. Outras versões falam de
100.
 O único entrave para as tratativas de conciliação não mais existia. Ou seja, as duas facções da
camada dominante mais tarde acabaram entrando em acordo e a massa, de negros e brancos
pobres, que combateu bravamente, doando seu sangue com generosidade, foi traída e descartada.
CAP.20
PÁG.244REVOLTA DOS MALÊS (1835) : SALVADOR
• Revolta de negros escravos islâmicos
(alfabetizados que liam o Alcorão). No
mínimo 100 negros foram
massacrados.
CAP.20
PÁG.244REVOLTA DOS MALÊS (1835) : SALVADOR
• A Revolta dos Malês foi um movimento que ocorreu na cidade
de Salvador (província da Bahia) entre os dias 25 e 27 de janeiro de
1835. Os principais personagens desta revolta foram os negros
islâmicos;
• Apesar de livres, sofriam muita discriminação por serem negros e
seguidores do Islamismo;
• Os revoltosos, cerca de 1500, estavam muito insatisfeitos com a
escravidão africana, a imposição do Catolicismo e com a
preconceito contra os negros.
• Portanto, tinham como objetivo principal a libertação dos
escravos.
• Queriam também acabar com o Catolicismo, o confisco dos bens
dos brancos e mulatos e a implantação de uma república islâmica.
CAP.20
PÁG.244REVOLTA DOS MALÊS (1835) : SALVADOR
• Uma mulher contou o plano da revolta para um Juiz de Paz de Salvador.
Os soldados das forças oficiais conseguiram reprimir a revolta.
• Bem preparados e armados, os soldados cercaram os revoltosos na
região da Água dos Meninos. Violentos combates aconteceram.
• No conflito morreram sete soldados e setenta revoltosos. Cerca de 200
integrantes da revolta foram presos pelas forças oficiais. Todos foram
julgados pelos tribunais.
• Os líderes foram condenados à pena de morte. Os outros revoltosos
foram condenados a trabalhos forçados, açoites e degredo (enviados
para a África).
• O governo local, para evitar outras revoltas do tipo, decretou leis
proibindo a circulação de muçulmanos no período da noite, bem como
a prática de suas cerimônias religiosas.
CAP.20
PÁG.244SABINADA (1837 – 1838): BAHIA
• Francisco Sabino Barroso (líder).
• Dificuldades econômicas da Província (causa principal) e recrutamento
forçado para lutar contra os Farrapos no sul (causa imediata).
• Objetivo: República Provisória até a maioridade de D. Pedro II.
• Adesão da classe média urbana.
• Líderes presos ou mortos e expulsos da Bahia.
Bandeira da República
Bahiense, proclamada
durante a rebelião.
CAP.20
PÁG.244BALAIADA (1838 – 1841) : MARANHÃO
• Manuel dos Anjos Ferreira (o “Balaio”), Raimundo Gomes (o “Cara Preta”) e Negro Cosme
Bento: principais líderes.
• Causas: pobreza generalizada: concorrência com algodão dos EUA, privilégios de
latifundiários e comerciantes portugueses.
• Vinganças pessoais (sem projeto político).
• Desunião entre participantes.
Manipulados e traídos pelos
liberais locais (“bem-te-vis”).
Reprimidos por Luís Alves de
Lima e Silva (futuro Duque de
Caxias).
CAP.20
PÁG.244BALAIADA (1838 – 1841) : MARANHÃO
• O governo maranhense organizou suas forças militares e passou a combater
fortemente os balaios.
• Com a participação de muitos escravos fugitivos, prisioneiros e trabalhadores
pobres da região, os balaios conseguiram obter algumas vitórias no início dos
conflitos.
• O coronel Luís Alves Lima e Silva foi nomeado pelo Império como
governador da província do Maranhão com o objetivo de pacificar a revolta;
• após perder a Vila de Caxias, o comandante dos balaios, Raimundo Gomes,
entregou-se às tropas oficiais;
• em 1841, já com o movimento enfraquecido, muitos balaios resolverem se
render, aproveitando a anistia concedida pelo governo;
• em 1841, o líder Cosme Bento foi capturado e enforcado. Era o fim da
revolta.
CAP.20
PÁG.244
Revolta Província Data Grupo Causa Objetivo Desfecho
Cabanagem Pará 1835-
1840
Negros, índios
e mestiços
A miséria e a
ganância das
oligarquias
locais
Acabar com a
escravi-
dão e
distribuir
terras
Repressão
violenta e
prisão dos
sobrevi-
ventes
Farroupilha Rio Grande
do
Sul
1835-
1845
Produtores
rurais
Concorrência do
Charque do
Prata, pelos
baixos preços
da importação
Autono-mia
provincial e
acabar com
os impostos
Acordo de
Paz, anistia
dos revoltosos
e imposto
para charque
do Prata
Revolta dos
Malês
Bahia 1835 Escravos
africanos
Escravidão dos
africanos
Matar os
brancos e
conseguir
liberdade
Morte e
prisão dos
revoltosos
CAP.20
PÁG.244
Revolta Província Data Grupo Causa Objetivo Desfecho
Sabinada Bahia 1837-
1838
Parte da
camada média
e do exército,
fazendeiros e
escravos
Centralização
do governo,
manutenção
da autonomia
República na
Bahia até a
maioridade
Repressão
violenta, prisão e
degredo dos
condenados
Balaiada Maranhão 183818
41
Pobres,
vaqueiros,
sertanejos e
escravos
negros
Crise pelo
declínio da
exporta-ção
de algodão;
pobreza da
popula-ção
Lutar contra
a miséria, a
escravidão e
os maus-
tratos
Repressão
violenta, morte
de cerca de 12
mil revoltosos
ATIVIDADE Nº 4: PERÍODO REGENCIAL
CAP.20
PÁG.238
1.COMPREENDENDO:
 PÁG. 249 ( 1 AO 2);
2. DE OLHO NA
UNIVERSIDADE:
 PÁG. 250 (1-FATEC).
4º BIMESTRE

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Independencia dos Estados Unidos
Independencia dos Estados UnidosIndependencia dos Estados Unidos
Independencia dos Estados UnidosSlides de Tudo
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilDouglas Barraqui
 
BRASIL REPÚBLICA: O INÍCIO
BRASIL REPÚBLICA: O INÍCIO BRASIL REPÚBLICA: O INÍCIO
BRASIL REPÚBLICA: O INÍCIO carlosbidu
 
Vinda Da Familia Real Para O Brasil
Vinda Da Familia Real Para O BrasilVinda Da Familia Real Para O Brasil
Vinda Da Familia Real Para O Brasilhenrique.jay
 
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
3º ano - Ditadura Militar e RedemocratizaçãoDaniel Alves Bronstrup
 
3° ano - Revoltas do Período Regencial
3° ano - Revoltas do Período Regencial3° ano - Revoltas do Período Regencial
3° ano - Revoltas do Período RegencialDaniel Alves Bronstrup
 
Segundo Reinado (1840-1889)
Segundo Reinado (1840-1889)Segundo Reinado (1840-1889)
Segundo Reinado (1840-1889)Edenilson Morais
 
História do Brasil: A República Velha ou Primeira República (1889-1930) - Pro...
História do Brasil: A República Velha ou Primeira República (1889-1930) - Pro...História do Brasil: A República Velha ou Primeira República (1889-1930) - Pro...
História do Brasil: A República Velha ou Primeira República (1889-1930) - Pro...João Medeiros
 
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 19183ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918Daniel Alves Bronstrup
 
Brasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareiraBrasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareiraNívia Sales
 
Formação e desenvolvimento dos EUA
Formação e desenvolvimento dos EUAFormação e desenvolvimento dos EUA
Formação e desenvolvimento dos EUAPaulo Alexandre
 

Mais procurados (20)

2º ano - Brasil segundo reinado
2º ano - Brasil segundo reinado2º ano - Brasil segundo reinado
2º ano - Brasil segundo reinado
 
Segundo reinado
Segundo reinadoSegundo reinado
Segundo reinado
 
Independencia dos Estados Unidos
Independencia dos Estados UnidosIndependencia dos Estados Unidos
Independencia dos Estados Unidos
 
Primeiro reinado
Primeiro reinadoPrimeiro reinado
Primeiro reinado
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasil
 
BRASIL REPÚBLICA: O INÍCIO
BRASIL REPÚBLICA: O INÍCIO BRASIL REPÚBLICA: O INÍCIO
BRASIL REPÚBLICA: O INÍCIO
 
Conjuração Mineira e Baiana
Conjuração Mineira e BaianaConjuração Mineira e Baiana
Conjuração Mineira e Baiana
 
Brasil colônia
Brasil colônia Brasil colônia
Brasil colônia
 
Vinda Da Familia Real Para O Brasil
Vinda Da Familia Real Para O BrasilVinda Da Familia Real Para O Brasil
Vinda Da Familia Real Para O Brasil
 
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
 
A Redemocratização do Brasil
A Redemocratização do BrasilA Redemocratização do Brasil
A Redemocratização do Brasil
 
3° ano - Revoltas do Período Regencial
3° ano - Revoltas do Período Regencial3° ano - Revoltas do Período Regencial
3° ano - Revoltas do Período Regencial
 
Segundo Reinado (1840-1889)
Segundo Reinado (1840-1889)Segundo Reinado (1840-1889)
Segundo Reinado (1840-1889)
 
Crise do sistema colonial
Crise do sistema colonialCrise do sistema colonial
Crise do sistema colonial
 
História do Brasil: A República Velha ou Primeira República (1889-1930) - Pro...
História do Brasil: A República Velha ou Primeira República (1889-1930) - Pro...História do Brasil: A República Velha ou Primeira República (1889-1930) - Pro...
História do Brasil: A República Velha ou Primeira República (1889-1930) - Pro...
 
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 19183ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
 
Brasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareiraBrasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareira
 
Segundo Reinado
Segundo ReinadoSegundo Reinado
Segundo Reinado
 
A colonização portuguesa
A colonização portuguesaA colonização portuguesa
A colonização portuguesa
 
Formação e desenvolvimento dos EUA
Formação e desenvolvimento dos EUAFormação e desenvolvimento dos EUA
Formação e desenvolvimento dos EUA
 

Semelhante a Período regencial (1831 1840)

Brasil Império2018
Brasil Império2018Brasil Império2018
Brasil Império2018Zeze Silva
 
PeríOdo RegêNcial
PeríOdo RegêNcialPeríOdo RegêNcial
PeríOdo RegêNcialYANBGA
 
A Partir Da Regencia Site
A Partir Da Regencia   SiteA Partir Da Regencia   Site
A Partir Da Regencia SiteCarlos Glufke
 
A Partir Da Regencia
A Partir Da RegenciaA Partir Da Regencia
A Partir Da Regenciaguest923616
 
A Partir De D. Joao VI
A Partir De D. Joao VIA Partir De D. Joao VI
A Partir De D. Joao VIguest923616
 
A Partir De D. Joao VI
A Partir De D. Joao VIA Partir De D. Joao VI
A Partir De D. Joao VIguest923616
 
Os caminhos da política imperial brasileira
Os caminhos da política imperial brasileiraOs caminhos da política imperial brasileira
Os caminhos da política imperial brasileiraWashington Souza
 
Periodo regencia ll.ppt aula 2⺠ano
Periodo regencia ll.ppt aula 2⺠anoPeriodo regencia ll.ppt aula 2⺠ano
Periodo regencia ll.ppt aula 2⺠anoIsadora Alves
 
Brasil império período regencial (1831-1840)
Brasil império   período regencial (1831-1840)Brasil império   período regencial (1831-1840)
Brasil império período regencial (1831-1840)sissapb
 
2º ano - Período Regencial e Revoltas
2º ano - Período Regencial e Revoltas2º ano - Período Regencial e Revoltas
2º ano - Período Regencial e RevoltasDaniel Alves Bronstrup
 

Semelhante a Período regencial (1831 1840) (20)

Brasil monárquico
Brasil monárquicoBrasil monárquico
Brasil monárquico
 
2° ano Primeiro Reinado e Regências
2° ano   Primeiro Reinado e Regências2° ano   Primeiro Reinado e Regências
2° ano Primeiro Reinado e Regências
 
Brasil Império2018
Brasil Império2018Brasil Império2018
Brasil Império2018
 
PeríOdo RegêNcial
PeríOdo RegêNcialPeríOdo RegêNcial
PeríOdo RegêNcial
 
A Partir Da Regencia Site
A Partir Da Regencia   SiteA Partir Da Regencia   Site
A Partir Da Regencia Site
 
A Partir Da Regencia
A Partir Da RegenciaA Partir Da Regencia
A Partir Da Regencia
 
3° ano período regencial
3° ano   período regencial3° ano   período regencial
3° ano período regencial
 
A Partir De D. Joao VI
A Partir De D. Joao VIA Partir De D. Joao VI
A Partir De D. Joao VI
 
A Partir De D. Joao VI
A Partir De D. Joao VIA Partir De D. Joao VI
A Partir De D. Joao VI
 
BRASIL 03 - BRASIL IMPÉRIO
BRASIL 03 - BRASIL IMPÉRIOBRASIL 03 - BRASIL IMPÉRIO
BRASIL 03 - BRASIL IMPÉRIO
 
I reinado - Período Regencial e II Reinado
I reinado -  Período Regencial e II ReinadoI reinado -  Período Regencial e II Reinado
I reinado - Período Regencial e II Reinado
 
Primeiro Reinado e Regencias
Primeiro Reinado e RegenciasPrimeiro Reinado e Regencias
Primeiro Reinado e Regencias
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
 
II reinado (1840 1889)
II reinado (1840 1889)II reinado (1840 1889)
II reinado (1840 1889)
 
Os caminhos da política imperial brasileira
Os caminhos da política imperial brasileiraOs caminhos da política imperial brasileira
Os caminhos da política imperial brasileira
 
3º ano Período Regencial
3º ano Período Regencial3º ano Período Regencial
3º ano Período Regencial
 
Periodo regencia ll.ppt aula 2⺠ano
Periodo regencia ll.ppt aula 2⺠anoPeriodo regencia ll.ppt aula 2⺠ano
Periodo regencia ll.ppt aula 2⺠ano
 
Brasil império período regencial (1831-1840)
Brasil império   período regencial (1831-1840)Brasil império   período regencial (1831-1840)
Brasil império período regencial (1831-1840)
 
oasegundoareinado.pdf
oasegundoareinado.pdfoasegundoareinado.pdf
oasegundoareinado.pdf
 
2º ano - Período Regencial e Revoltas
2º ano - Período Regencial e Revoltas2º ano - Período Regencial e Revoltas
2º ano - Período Regencial e Revoltas
 

Mais de Marilia Pimentel

1 colonizações espanhóis e ingleses na américa
1  colonizações espanhóis e ingleses na américa1  colonizações espanhóis e ingleses na américa
1 colonizações espanhóis e ingleses na américaMarilia Pimentel
 
1 história, cultura, patrimônio e tempo
1   história, cultura, patrimônio e tempo1   história, cultura, patrimônio e tempo
1 história, cultura, patrimônio e tempoMarilia Pimentel
 
1 primeira guerra mundial
1   primeira guerra mundial 1   primeira guerra mundial
1 primeira guerra mundial Marilia Pimentel
 
1 antigo regime e revolução inglesa
1  antigo regime e revolução inglesa1  antigo regime e revolução inglesa
1 antigo regime e revolução inglesaMarilia Pimentel
 
3 - As primeiras sociedades
3 -  As primeiras sociedades3 -  As primeiras sociedades
3 - As primeiras sociedadesMarilia Pimentel
 
1 tempo e historia - 1ºano do Ensino Médio
1   tempo e historia - 1ºano do Ensino Médio1   tempo e historia - 1ºano do Ensino Médio
1 tempo e historia - 1ºano do Ensino MédioMarilia Pimentel
 
História do Brasil: da República a Era Vargas
História do Brasil: da República a Era VargasHistória do Brasil: da República a Era Vargas
História do Brasil: da República a Era VargasMarilia Pimentel
 
Segundo Reinado (1840 – 1889)
Segundo Reinado (1840 – 1889)Segundo Reinado (1840 – 1889)
Segundo Reinado (1840 – 1889)Marilia Pimentel
 
História do Brasil: Brasil Colônia
História do Brasil: Brasil ColôniaHistória do Brasil: Brasil Colônia
História do Brasil: Brasil ColôniaMarilia Pimentel
 
História do Brasil : Brasil Colônia
História do Brasil : Brasil ColôniaHistória do Brasil : Brasil Colônia
História do Brasil : Brasil ColôniaMarilia Pimentel
 
Séculos finais da idade média
Séculos finais da idade médiaSéculos finais da idade média
Séculos finais da idade médiaMarilia Pimentel
 
Mundo islâmico: ontem e hoje
Mundo islâmico: ontem e hojeMundo islâmico: ontem e hoje
Mundo islâmico: ontem e hojeMarilia Pimentel
 

Mais de Marilia Pimentel (20)

1 colonizações espanhóis e ingleses na américa
1  colonizações espanhóis e ingleses na américa1  colonizações espanhóis e ingleses na américa
1 colonizações espanhóis e ingleses na américa
 
1 história, cultura, patrimônio e tempo
1   história, cultura, patrimônio e tempo1   história, cultura, patrimônio e tempo
1 história, cultura, patrimônio e tempo
 
2 revolução russa
2  revolução russa2  revolução russa
2 revolução russa
 
1 primeira guerra mundial
1   primeira guerra mundial 1   primeira guerra mundial
1 primeira guerra mundial
 
3 revolução industrial
3   revolução industrial3   revolução industrial
3 revolução industrial
 
2 iluminismo e despotismo
2   iluminismo e despotismo2   iluminismo e despotismo
2 iluminismo e despotismo
 
1 antigo regime e revolução inglesa
1  antigo regime e revolução inglesa1  antigo regime e revolução inglesa
1 antigo regime e revolução inglesa
 
3 - As primeiras sociedades
3 -  As primeiras sociedades3 -  As primeiras sociedades
3 - As primeiras sociedades
 
2 origem humana
2   origem humana2   origem humana
2 origem humana
 
1 tempo e historia - 1ºano do Ensino Médio
1   tempo e historia - 1ºano do Ensino Médio1   tempo e historia - 1ºano do Ensino Médio
1 tempo e historia - 1ºano do Ensino Médio
 
História do Brasil: da República a Era Vargas
História do Brasil: da República a Era VargasHistória do Brasil: da República a Era Vargas
História do Brasil: da República a Era Vargas
 
Segundo Reinado (1840 – 1889)
Segundo Reinado (1840 – 1889)Segundo Reinado (1840 – 1889)
Segundo Reinado (1840 – 1889)
 
Primeiro reinado
Primeiro reinadoPrimeiro reinado
Primeiro reinado
 
Independência do brasil
Independência do brasilIndependência do brasil
Independência do brasil
 
História do Brasil: Brasil Colônia
História do Brasil: Brasil ColôniaHistória do Brasil: Brasil Colônia
História do Brasil: Brasil Colônia
 
História do Brasil : Brasil Colônia
História do Brasil : Brasil ColôniaHistória do Brasil : Brasil Colônia
História do Brasil : Brasil Colônia
 
Séculos finais da idade média
Séculos finais da idade médiaSéculos finais da idade média
Séculos finais da idade média
 
Renascimento cultural
Renascimento culturalRenascimento cultural
Renascimento cultural
 
Mundo islâmico: ontem e hoje
Mundo islâmico: ontem e hojeMundo islâmico: ontem e hoje
Mundo islâmico: ontem e hoje
 
Igreja e cultura medieval
Igreja e cultura medievalIgreja e cultura medieval
Igreja e cultura medieval
 

Último

HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAElianeAlves383563
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasMonizeEvellin2
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxpatriciapedroso82
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdfdanielagracia9
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAbdLuxemBourg
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024azulassessoria9
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitlerhabiwo1978
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 

Último (20)

HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 

Período regencial (1831 1840)

  • 1. PERÍODO REGENCIAL (1831- 1840) HISTÓRIA 2º ANO CAP.20 PÁG. 238
  • 2. CAP.20 PÁG.238 Transição até a maioridade de D. Pedro II. Instabilidade política (agitações internas). O Período Regencial corresponde ao período da História, em que o Brasil foi governado por Regentes. REGENTES–são governantes que substituem o rei ou Imperador se forem menores de idade, caso de doenças ou outro impedimento. Obs: O Período Regencial encerra o Primeiro Reinado PERÍODO REGENCIAL
  • 3. PERÍODO REGENCIAL • Em 7 de Abril de 1831 –D. Pedro I, abdicou o trono brasileiro em favor de seu filho, D. Pedro II, que contava com apenas cinco anos de idade. • A Constituição de 1824, determinava que em caso de vacância ( trono vago ), o Brasil deveria ser governado por TRÊS REGENTES eleitos pela Assembleia –daí o termo Regência Trina. • Porque os Regentes seriam eleitos pela Assembleia ( deputados e Senadores ). CAP.20 PÁG.238 O que estabelecia a Constituição do Brasil em caso de Vacância do trono e na impossibilidade do novo Imperador Governar? Por quê esse período ficou conhecido como “uma experiência Republicana”?
  • 4. CENÁRIO POLÍTICO CAP.20 PÁG.238 • Restauradores ou Caramurus: • Portugueses, descendentes de portugueses e burocratas ligados ao antigo governo de D. Pedro I. • Contrários a qualquer reforma política (conservadores). • Absolutistas. • Objetivo: volta de D. Pedro I. • Liberais Moderados ou Chimangos: • Proprietários rurais especialmente do Sudeste. • Monarquistas e escravistas. • Federalismo com forte controle do RJ (centralizadores). • Principal força política que controlava o governo na época.
  • 5. CENÁRIO POLÍTICO CAP.20 PÁG.238 • Liberais Exaltados ou Farroupilhas ou Jurujubas: • Proprietários rurais de regiões periféricas sem influência do RJ, classe média urbana e setores do exército. • Fim da monarquia e proclamação da República. • Federalismo (grande autonomia provincial). • Alguns pregavam ideais democráticos inspirados na Revolução Francesa. • Foco de revoltas.
  • 6. RESUMINDO CAP.20 PÁG.238 GRUPO OBJETIVOS SETORES FIGURAS Restauradores/ Caramurus Volta de Pedro I; Absolutismo. Comerciantes portugueses, militares de alta patente e altos funcionários José Bonifácio Liberais exaltados Jurujubas Farroupilhas Centralização do poder; Autonomia administrativa das Províncias; Sistema federalista. Profissionais liberais, pequenos comerciantes, funcionários e militares modestos Cipriano Barata, Borges da Fonseca, Miguel Frias, Rangel de Vasconcelos e Augusto May Liberais moderados Chimangos Unidade territorial; Monarquia; Escravidão e ordem social; Aumento do poder das Províncias. Grandes proprietários rurais (SP, RJ, MG e Nordeste) Diogo Antônio Feijó, Evaristo da Veiga e Bernardo Pereira de Vasconcelos.
  • 7. AS REGÊNCIAS QUE GOVERNARAM O IMPÉRIO CAP.20 PÁG.238 (abr/jul 1831) (1831 – 1834) • Regência Una do Padre Feijó (1835 – 1837); • Regência Una de Araújo Lima (1837 – 1840).
  • 8. REGÊNCIA TRINA PROVISÓRIA (abril/julho 1831):início do avanço liberal. CAP.20 PÁG.238 Por que em Abril, mês da Abdicação, os parlamentares ( deputados ) estavam em recesso ( férias), então formou-se um governo provisório. POR QUE ESSA REGENCIA FOI PROVISÓRIA? MEDIDAS TOMADAS:  Readmitiu o ministério brasileiro, deposto por D. Pedro I.  Concedeu anistia ( perdão ) a preso políticos.  Expulsou os estrangeiros do exército brasileiro.  Suspendeu durante esse período o Poder Moderador.  Proibição de criar novos impostos.  Proibição de dissolver a Câmara de Deputados.  Eleição de uma Regência Permanente.
  • 9. REGÊNCIA TRINA PERMANENTE (1831 - 1834): CAP.20 PÁG.238 REGENTES ELEITOS: Brigadeiro Francisco Lima e Silva, João Bráulio Muniz (Norte) e José da Costa Carvalho (sul).  Criação da Guarda Nacional (ago/1831 – Padre Diogo Feijó).  Redução do exército e da Marinha.  Comando: “coronéis” (patente vendida ou eleita entre os chamados “cidadãos ativos” – eleitores).  Defesa de interesses pessoais dos grandes fazendeiros. Típico Coronel
  • 10. CAP.20 PÁG.238 Padre Diogo Antônio Feijó –homem forte do Período Regencial  foi nomeado Ministro da Justiça;  em 1831 criou a Guarda Nacional, composta por ricos proprietários rurais;  Objetivo: manter a ordem e defender o governo, pois o Exército não inspirava mais confiança aos poderosos.
  • 11. CAP.20 PÁG.238O ATO ADICIONAL DE 1834 • No ano de 1834, procurando atenuar as disputas políticas entre exaltados e moderados, foi elaborado o Ato Adicional, que estabelecia algumas alterações na Constituição de 1824. • A seguir, as emendas à Constituição de 1824: - a substituição da Regência Trina pela Una; - a criação das Assembleias Legislativas Provinciais, substituindo os Conselhos Provinciais e garantindo uma maior descentralização administrativa; - a extinção do Conselho de Estado, que assessorava o imperador no exercício do poder Moderador; - criação do Município Neutro do Rio de Janeiro, sede da administração central;
  • 12. CAP.20 PÁG.238REGÊNCIA UNA DE FEIJÓ - 1835-1837 • Era Liberal–a favor da autonomia provincial (liberdade para as províncias elegerem seu próprio governo). • Apesar de Liberal –era autoritário . • Enfrentou duas revoltas:  Cabanagem –Pará Farroupilha-Rio Grande do Sul • Incapaz de manter a ordem e sem apoio da Assembleia para governar renunciou ao cargo após dois anos de governo.
  • 13. CAP.20 PÁG.238REGÊNCIA UNA DE ARAÚJO LIMA –1837-1840 • Era representante dos CONSERVADORES • Anulou todas as reformas dos Liberais • Formou um no novo Ministério –“MINISTÉRIO DAS CAPACIDADES” • Enfrentou mais duas revoltas:  SABINADA –Bahia  BALAIADA -Maranhão • 1840 –decreta a LEI INTERPRETATIVA DO ATO ADICIONAL–foi uma nova reforma na Constituição que modificava o ATO ADICIONAL de 1824. • Essa lei buscava a centralização como forma de enfrentar os levantes provinciais que ameaçavam a ordem estabelecida, limitando os poderes das Assembleias Legislativas Provinciais. • Acabou com a autonomia provincial –isto é, com a liberdade das províncias elegerem seus governantes,
  • 14. CAP.20 PÁG.238ANTECIPAÇÃO DA MAIORIDADE • De acordo com a Constituição, Dom Pedro II só atingiria a sua maioridade quando completasse 18 anos de idade; • Foi fundado o Clube da Maioridade, que acionou a Campanha da Maioridade, um movimento que defendia a ideia de que Dom Pedro II, mesmo com menos de 15 anos, estava preparado para assumir o governo do Brasil; • O Partido Liberal apresentou um projeto para a antecipação da maioridade do Imperador, declarando Dom Pedro II como maior de idade, mas as forças conservadoras se colocaram em oposição aos liberais, que por sua vez foram às ruas fazer manifestações e recebendo o apoio do povo. • E, com toda essa pressão popular em meados de 1840, Dom Pedro II foi considerado maior de idade, com 15 anos incompletos, dando início ao Segundo Reinado (1840 – 1889).
  • 15. ATIVIDADE Nº 3: PERÍODO REGENCIAL CAP.20 PÁG.238 1.COMPREENDENDO:  PÁG. 240 ( 1 AO 2); 2. COMPREENDENDO:  PÁG. 243 (1 AO 6). 4º BIMESTRE
  • 16. CAP.20 PÁG.244REVOLTAS PROVINCIAIS • Vários movimentos revolucionários explodiam pelo Brasil e ameaçavam a unidade brasileira ( a união territorial do Brasil). ) CABANAGEM - PARÁ SABINADA - BAHIA FARROUPILHA – RIO GRANDE DO SUL MALÊS - BAHIA BALAIADA - MARANHÃO
  • 17. CAP.20 PÁG.244REVOLTAS PROVINCIAIS •O agravamento da situação econômica e o anseio das camadas popular e média por uma maior participação política vão gerar revoltas em vários pontos do país, sempre esmagadas com rigor pelas forças governistas. Imagem: André Koehne / public domain
  • 18. CAP.20 PÁG.244CABANAGEM (1835 – 1840) : GRÃO-PARÁ • No início do Período Regencial, a situação da população pobre do Grão- Pará era péssima. Mestiços e índios viviam na miséria total. • Sem trabalho e sem condições adequadas de vida, os cabanos sofriam em suas pobres cabanas às margens dos rios. • Esta situação provocou o sentimento de abandono com relação ao governo central e, ao mesmo tempo, muita revolta. A Cabanagem explodiu no Pará, região frouxamente ligada ao Rio de Janeiro. A estrutura social não tinha aí estabilidade de outras províncias, nem havia uma classe de proprietários rurais bem estabelecida. Era um mundo de índios, trabalhadores, escravos ou independentes, e de uma minoria branca, formada por comerciantes portugueses e uns poucos ingleses e franceses. Boris Fausto Um dos mais importantes movimentos sociais ocorridos na história do Brasil, marcado pelo controle do poder político pelas camadas populares.
  • 19. CAP.20 PÁG.244CABANAGEM (1835 – 1840) : GRÃO-PARÁ • Ampla participação popular (índios, negros, mestiços, escravos ou livres, porém, todos sem posses). • Luta contra desigualdades. • Sem programa político definido. • Chegaram a tomar o poder mas foram traídos (Antônio Malcher, Francisco Vinagre e Eduardo Angelim). • Por ser a mais popular das revoltas, foi a mais severamente reprimida (30 mil mortos ou 25% da população total da Província).
  • 20. CAP.20 PÁG.244CABANAGEM (1835 – 1840) : GRÃO PARÁ • Contando com o apoio inclusive de tropas de mercenários europeus, o governo central brasileiro usou toda a força para reprimir a revolta, que ganhava cada vez mais poder. Após cinco anos de sangrentos combates, o governo regencial conseguiu reprimir a revolta. • Em 1840, muitos cabanos tinham sido presos ou mortos em combates. • A revolta terminou sem que os cabanos conseguissem atingir seus objetivos.
  • 21. CAP.20 PÁG.244CABANAGEM (1835 – 1840) : GRÃO PARÁ • As lideranças anônimas da Cabanagem: Domingos Onça, Mãe da Chuva, João do Mato, Sapateiro, Remeiro, Gigante do Fumo, Piroca Cana, Chico Viado, Pepira, Zefa de Cima, Zefa de Baixo, Maria da Bunda, etc.
  • 22. CAP.20 PÁG.244 REVOLUÇÃO FARROUPILHA OU GUERRA DOS FARRAPOS ( 1835 – 1845): Rio Grande do Sul • A mais elitista e longa de todas as revoltas. • Principais lideranças (estancieiros): Bento Gonçalves (maior líder), Davi Canabarro, Giuseppe Garibaldi. • Causas: • Altos impostos sobre o charque gaúcho; • Baixos impostos de importação sobre o charque platino (ARG e URU); • Nomeação do Presidente de Província (governador) pelo Rio de Janeiro, contrário aos interesses gaúchos.
  • 23. CAP.20 PÁG.244 REVOLUÇÃO FARROUPILHA OU GUERRA DOS FARRAPOS ( 1835 – 1845): Rio Grande do Sul • Proclamação da República do Piratini, ou República Rio-Grandense (RS, a partir de 1835) e da República Juliana (SC, de jul-nov de 1839). Bandeira dos farrapos Bandeira da República Juliana Garibaldi
  • 24. CAP.20 PÁG.244 REVOLUÇÃO FARROUPILHA OU GUERRA DOS FARRAPOS ( 1835 – 1845): Rio Grande do Sul • Experiência de combate (guerras fronteiriças) e recursos econômicos para manter a guerra (elite provincial). • Não houve unanimidade: Porto Alegre apoiou o governo central, bem como áreas de colonização germânica ou ligadas ao comércio com a capital. Brasão de Porto Alegre: o termo “leal e valorosa” refere-se ao apoio prestado pela cidade ao governo central (RJ).
  • 25. CAP.20 PÁG.244 REVOLUÇÃO FARROUPILHA OU GUERRA DOS FARRAPOS ( 1835 – 1845): Rio Grande do Sul • Acordo encerra conflito em 1845: “Paz de Ponche Verde” • Anistia dos envolvidos gaúchos; • Incorporação dos farrapos no exército nacional; • Permissão para escolher o Presidente de Província; • Devolução de terras confiscadas na guerra; • Proteção ao charque gaúcho da concorrência externa; • Libertação dos escravos envolvidos (?); • “Surpresa de Porongos” (traição aos negros – 14/11/1844)
  • 26. CAP.20 PÁG.244“SURPRESA DE PORONGOS” • Os dias 13 e 14 de novembro marcam o dia de homenagem aos Lanceiros Negros, valente tropa farroupilha formada por escravos, dizimada pelo exército do imperador Pedro II no chamado Massacre de Porongos. • A chacina foi resultado de um traiçoeiro acordo entre um chefe dos farrapos (David Canabarro) e o comandante do exército imperial, Barão (futuro Duque) de Caxias. • Os farroupilhas prometiam dar liberdade aos escravos que batalhassem a seu favor. Ao final de 1844, já há 9 anos em conflito, a província desgastada, a guerra parecia perdida. • Com o intuito de dar um fim ao conflito, David Canabarro teria mandado, na madrugada de 14 de novembro, tirar todas as armas dos escravos. • Afirmam as entidades que, numa carta de Caxias destinada ao coronel Francisco Pedro de Abreu, foram dadas as ordens para o genocídio: "No conflito poupe o sangue brasileiro quanto puder, particularmente da gente branca da Província ou índios, pois bem sabe que essa pobre gente ainda pode ser útil no futuro".
  • 27. CAP.20 PÁG.244“SURPRESA DE PORONGOS”  Assim, por volta das 2 horas da manhã, as tropas imperiais de Abreu, conhecido como Moringue, entraram nos campos de Porongos, hoje município de Pinheiro Machado.  O Corpo de Lanceiros Negros, desarmado, desprotegido, foi dizimado. "Era a Surpresa de Porongos, que há décadas vem sendo discutida pelo movimento negro e agora passa a ser reescrita", diz o texto das entidades.  Numerosos Lanceiros foram mortos. Mais de 300 farrapos (principalmente brancos), além de 35 oficiais foram presos. Vinte negros sobreviveram e foram mandados para o Rio de Janeiro, onde provavelmente voltaram a ser escravos.  As entidades informam que os Lanceiros assassinados foram de 600 a 700. Outras versões falam de 100.  O único entrave para as tratativas de conciliação não mais existia. Ou seja, as duas facções da camada dominante mais tarde acabaram entrando em acordo e a massa, de negros e brancos pobres, que combateu bravamente, doando seu sangue com generosidade, foi traída e descartada.
  • 28. CAP.20 PÁG.244REVOLTA DOS MALÊS (1835) : SALVADOR • Revolta de negros escravos islâmicos (alfabetizados que liam o Alcorão). No mínimo 100 negros foram massacrados.
  • 29. CAP.20 PÁG.244REVOLTA DOS MALÊS (1835) : SALVADOR • A Revolta dos Malês foi um movimento que ocorreu na cidade de Salvador (província da Bahia) entre os dias 25 e 27 de janeiro de 1835. Os principais personagens desta revolta foram os negros islâmicos; • Apesar de livres, sofriam muita discriminação por serem negros e seguidores do Islamismo; • Os revoltosos, cerca de 1500, estavam muito insatisfeitos com a escravidão africana, a imposição do Catolicismo e com a preconceito contra os negros. • Portanto, tinham como objetivo principal a libertação dos escravos. • Queriam também acabar com o Catolicismo, o confisco dos bens dos brancos e mulatos e a implantação de uma república islâmica.
  • 30. CAP.20 PÁG.244REVOLTA DOS MALÊS (1835) : SALVADOR • Uma mulher contou o plano da revolta para um Juiz de Paz de Salvador. Os soldados das forças oficiais conseguiram reprimir a revolta. • Bem preparados e armados, os soldados cercaram os revoltosos na região da Água dos Meninos. Violentos combates aconteceram. • No conflito morreram sete soldados e setenta revoltosos. Cerca de 200 integrantes da revolta foram presos pelas forças oficiais. Todos foram julgados pelos tribunais. • Os líderes foram condenados à pena de morte. Os outros revoltosos foram condenados a trabalhos forçados, açoites e degredo (enviados para a África). • O governo local, para evitar outras revoltas do tipo, decretou leis proibindo a circulação de muçulmanos no período da noite, bem como a prática de suas cerimônias religiosas.
  • 31. CAP.20 PÁG.244SABINADA (1837 – 1838): BAHIA • Francisco Sabino Barroso (líder). • Dificuldades econômicas da Província (causa principal) e recrutamento forçado para lutar contra os Farrapos no sul (causa imediata). • Objetivo: República Provisória até a maioridade de D. Pedro II. • Adesão da classe média urbana. • Líderes presos ou mortos e expulsos da Bahia. Bandeira da República Bahiense, proclamada durante a rebelião.
  • 32. CAP.20 PÁG.244BALAIADA (1838 – 1841) : MARANHÃO • Manuel dos Anjos Ferreira (o “Balaio”), Raimundo Gomes (o “Cara Preta”) e Negro Cosme Bento: principais líderes. • Causas: pobreza generalizada: concorrência com algodão dos EUA, privilégios de latifundiários e comerciantes portugueses. • Vinganças pessoais (sem projeto político). • Desunião entre participantes. Manipulados e traídos pelos liberais locais (“bem-te-vis”). Reprimidos por Luís Alves de Lima e Silva (futuro Duque de Caxias).
  • 33. CAP.20 PÁG.244BALAIADA (1838 – 1841) : MARANHÃO • O governo maranhense organizou suas forças militares e passou a combater fortemente os balaios. • Com a participação de muitos escravos fugitivos, prisioneiros e trabalhadores pobres da região, os balaios conseguiram obter algumas vitórias no início dos conflitos. • O coronel Luís Alves Lima e Silva foi nomeado pelo Império como governador da província do Maranhão com o objetivo de pacificar a revolta; • após perder a Vila de Caxias, o comandante dos balaios, Raimundo Gomes, entregou-se às tropas oficiais; • em 1841, já com o movimento enfraquecido, muitos balaios resolverem se render, aproveitando a anistia concedida pelo governo; • em 1841, o líder Cosme Bento foi capturado e enforcado. Era o fim da revolta.
  • 34. CAP.20 PÁG.244 Revolta Província Data Grupo Causa Objetivo Desfecho Cabanagem Pará 1835- 1840 Negros, índios e mestiços A miséria e a ganância das oligarquias locais Acabar com a escravi- dão e distribuir terras Repressão violenta e prisão dos sobrevi- ventes Farroupilha Rio Grande do Sul 1835- 1845 Produtores rurais Concorrência do Charque do Prata, pelos baixos preços da importação Autono-mia provincial e acabar com os impostos Acordo de Paz, anistia dos revoltosos e imposto para charque do Prata Revolta dos Malês Bahia 1835 Escravos africanos Escravidão dos africanos Matar os brancos e conseguir liberdade Morte e prisão dos revoltosos
  • 35. CAP.20 PÁG.244 Revolta Província Data Grupo Causa Objetivo Desfecho Sabinada Bahia 1837- 1838 Parte da camada média e do exército, fazendeiros e escravos Centralização do governo, manutenção da autonomia República na Bahia até a maioridade Repressão violenta, prisão e degredo dos condenados Balaiada Maranhão 183818 41 Pobres, vaqueiros, sertanejos e escravos negros Crise pelo declínio da exporta-ção de algodão; pobreza da popula-ção Lutar contra a miséria, a escravidão e os maus- tratos Repressão violenta, morte de cerca de 12 mil revoltosos
  • 36. ATIVIDADE Nº 4: PERÍODO REGENCIAL CAP.20 PÁG.238 1.COMPREENDENDO:  PÁG. 249 ( 1 AO 2); 2. DE OLHO NA UNIVERSIDADE:  PÁG. 250 (1-FATEC). 4º BIMESTRE