SlideShare uma empresa Scribd logo
1
FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS
NACIONAIS
ABSOLUTISMO
MONARQUIAS NACIONAIS
Formadas na Idade Média:
1. França
2. Inglaterra
3. Espanha
4. Portugal
Que tiveram sua unificação
prejudicada pelo conflito entre o
Papa e o Imperador:
1. Itália
2. Alemanha
CONFLITO DE PODERES
PODERES UNIVERSAIS
(PAPA/IMPERADOR)
PODERES NACIONAIS (REIS)
PODERES LOCAIS (SENHORES
FEUDAIS)
CRIANDO UM ESTADO NACIONAL
•Monopólio da força pelo REI → criação
de um exército permanente.
•Moeda única.
•Estabelecimento de um quadro de
funcionários (nobres e burgueses).
•Aliança com a burguesia e a pequena
nobreza.
•Crescimento do comércio e arrecadação
de impostos.
•Crise dos poderes universais.
E O ABSOLUTISMO?
•É um regime político existente entre os
séculos XVI-XVIII em que uma pessoa
exerce poderes ilimitados, onde só ele
manda, geralmente um rei ou uma rainha.
Os monarcas podim fazer leis sem
aprovação da sociedade, criar impostos e
tributos que financiassem seus projetos
ou guerras, muitas vezes, um rei absoluto
se envolvia em temas religiosos,
chegando a controlar o clero nacional. A
justificativa desse poder se assentava no
Direito Divino.
•Nem todos os monarcas absolutos eram
tão absolutos assim, o regime só
funcionou de forma completa na França.
Luís XIV (1638-1715) ,
rei da França,
representa o auge do
Absolutismo em seu
país e modelo para
todos os monarcas do
gênero.
Chamado de “rei sol”,
ele criou a luxuosa
corte de Versalhes,
com rígidas regras de
etiqueta que
marcavam a
importância e o lugar
de cada um dentro do
chamado Antigo
Regime.
7
PORTUGAL
ESTADO NACIONAL PIONEIRO
•A origem do Estado português está
relacionada à Reconquista a partir do
século XI, dos territórios da Península
ibérica sob o domínio dos mouros
(árabes) que haviam se fixado na região,
a partir do séc. VIII.
• A Reconquista atraiu nobres de toda a
Europa e Henrique de Borgonha recebeu
como recompensa de Afonso VI, rei de
Leão, a mão da princesa D. Teresa e o
Condado Portucalense. É este território
que dará origem a Portugal.
8
PORTUGAL
ESTADO NACIONAL PIONEIRO
•O filho de D. Henrique
de Borgonha, Afonso
Henriques, declarou
independência no ano
de 1139, derrotando
tropas de Castela e
Leão. A independência
é reconhecida em 1143.
•A Dinastia de
Borgonha e Portugal
terminou o processo de
Reconquista ainda no
século XIII.
Portugal nasceu de
uma cisão do Reino
de Leão.
9
EVOLUÇÃO DA RECONQUISTA
PORTUGUESA
Com o fim da Ordem dos Templários em
1307, o Rei de Portugal recebe do papa o
privilégio de criar uma nova ordem militar
que os acolhesse: a Ordem de Cristo.
10
PORTUGAL
ESTADO NACIONAL PIONEIRO
•Uma nova rota
comercial ligando as
cidades italianas, no
sul, à Flandres, no
norte, com escala em
Lisboa impulsionou a
economia do país e a
burguesia mercantil
se fortaleceu.
•Lembre-se da Guerra dos Cem Anos e da
Peste Negra. Passar por Portugal é mais
seguro do que ir por terra.
11
O PAPA CONFIRMA A INDEPENDÊNCIA DE
PORTUGAL
Bula Manifestis Probatum do papa
Alexandre III (23/05/1179)
"Concedemos e confirmamos por
autoridade apostólica ao teu excelso
domínio o reino de Portugal com inteiras
honras de reino e a dignidade que aos reis
pertence, bem como todos os lugares que
com o auxílio da graça celeste
conquistaste das mãos dos sarracenos e
nos quais não podem reivindicar direitos
os vizinhos príncipes cristãos.”
(Fonte)
12
• Após a morte do último rei da dinastia de
Borgonha, D. Fernando I, formaram-se em Portugal
dois grupos: o da burguesia mercantil e pequena
nobreza, que apoiava a ascensão de D. João,
Mestre d’Avis, filho bastardo rei; e outro, liderado
pela nobreza que apoiava a anexação de Portugal
ao reino de Castela, pois a princesa Beatriz, única
filha do falecido rei, era casada com o rei de
Castela, essa facção tinha o apoio da grande
nobreza e alto clero.
• A vitória na Batalha de Aljubarrota marcou o
início da Dinastia de Avis, garantiu-se a
independência e reforçou-se a centralização do
poder nas mãos do rei.
REVOLUÇÃO DE AVIS
(1383-85)
13
• A construção do Reino da Espanha foi fruto de
um longo processo de Reconquista (711-1492).
• A Reconquista somente foi finalizada com a
conquista de Granada em 1492, mesmo ano em
que Colombo chegou ao novo continente, depois
batizado de América.
FORMAÇÃO DA ESPANHA:
UMA LONGA RECONQUISTA
14
• No século XV, a Espanha
estava partida em dois reinos, a
união foi selada com o
casamento (1469) de Fernando II
de Aragão e Isabel I de Castela,
conhecidos como os “Reis
Católicos”.
• A criação do reinos espanhol
foi dificultado pela co-existência
de vários povos, nacionalidades,
sistemas jurídicos e de cobrança
de impostos diferentes.
• Conciliar os vários interesses
e grupos, garantindo a unidade
duradoura foi uma árdua tarefa.
NASCE O REINO DA ESPANHA
Isabel I de Castela
(1451-1504)
15
•Isabel herdou o reino de
seu irmão, Henrique IV,
mas o rei tivera uma
filha, a princesa Joana.
•“Beltraneja” era o seu
apelido, pois muitos a
acreditavam filha do
nobre Beltrán de La
Cueva.
•Há outra teoria: o rei era
impotente e um médico
judeu foi chamado, ele
teria executado uma uma
inseminação artificial,
talvez a primeira da
história.
JOANA BELTRANEJA: QUASE RAINHA
DE CASTELA
A princesa Joana foi casada
com o rei Afonso V de
Portugal, houve guerra civil
(1474-1479), vencida por
Isabel.
16
• A união entre Aragão e
Castela, oficializada em 1479,
era frágil. Cada reino tinha
suas próprias leis e era
administrado de forma
separada por seus monarcas,
sem um herdeiro homem, o
reino poderia se fragmentar.
• Em 1478, a Inquisição se
estabeleceu na Espanha à
pedido dos reis católicos, seu
alvo principal eram os judeus
e mouros convertidos. A
tolerância para com minorias
religiosas chegava ao fim, ser
espanhol deveria ser sinônimo
de ser católico.
NASCE O REINO DA ESPANHA
Fernando II (1452-
1516) fez o
possível para
garantir a união
dos reinos após a
morte da esposa.
17
• Em 1492, todos os judeus foram
expulsos da Espanha. Para se casar com
uma das filhas dos reis católicos, o Rei de
Portugal baixou decreto semelhante em
1496.
• Os judeus convertidos ao catolicismo
eram chamados de cristãos-novos, em
oposição aos cristãos-velhos.
• Houve conversões genuínas, mas a
maioria era fruto da violência, ou da
conveniência social. O convertido, no
entanto, acabava sendo discriminado
(*sangue impuro*) e tornava-se alvo da
Inquisição.
QUEM ERAM OS CRISTÃOS-NOVOS
18
• Em Portugal, diante do êxodo dos judeus,
que resistiam à conversão, o Rei D. Manuel
I deixou somente o porto de Lisboa aberto
para a migração e ordenou que todas as
crianças menores de 14 anos fossem
tomadas de seus pais e educadas como
católicas.
• Em 1506, a população, instigada pelos
dominicanos, promoveu uma grande
matança (Pogrom de Lisboa ou Matança da
Páscoa). O rei puniu os envolvidos, mas o
estrago estava feito.
• As leis contra os judeus e casamentos
de cristãos novos e velhos só foram
suspensas no século XVIII.
QUEM ERAM OS CRISTÃOS-NOVOS
19
O documentário “A Estrela Oculta do
Sertão” fala dos descendentes de judeus
(cristãos novos) no Nordeste do Brasil. A
maioria não tinha ideia de suas origens.
20
• "Mourisco do reino de Granada,
passeando no campo com a esposa e um
filho", de Christoph Weiditz (1529)
21
• Em Castela, em 1502, foi ordenado a
conversão forçada dos mouros (mouriscos).
• No Reino de Aragão, a mesma ordem só
veio em 1525-26.
• Apesar da pressão, a maioria dos mouros
manteve seus costumes e religião (*em
segredo*), ainda que tenham abandonado a
língua árabe.
• Depois de alguns conflitos, veio a ordem
de expulsão de todos os mouriscos em
1609, o norte da África foi seu destino.
• A Espanha perdeu 4% da população, a
maioria trabalhadores rurais. Parece
pouco, mas algumas regiões sofreram
grande impacto.
E O QUE ACONTECEU COM OS
MOUROS?
22
• Mais tarde, em 1512, a parte sul do Reino
de Navarra foi incorporada à Espanha.
• A riqueza fruto das terras conquistadas
forneceu à Coroa espanhola os meios
financeiros não só para garantir a
estabilidade do novo estado como para dar
à Espanha um lugar de grande relevo na
economia europeia.
• Em 1519, Carlos V se torna rei da
Espanha e Imperador do Sacro Império
Romano Germânico, além de possuir
territórios na Itália e Países Baixos, criou-se
um império no qual o sol nunca se punha.
(No slide seguinte quadro de Antonio Arias Fernández, c.1639–
1640, Carlos V e seu filho Felipe II)
A ESPANHA SE TORNA UM IMPÉRIO
23
24
Todos os territórios em verde pertenciam aos
Habsburgos na Europa, concentrados nas mãos de
Carlos V (1500-1558).
25
A Batalha de
Lepanto foi
travada entre uma
esquadra da Santa
Liga (República de
Veneza, Reino de
Espanha,
Cavaleiros de
Malta e Estados
Pontifícios) sob o
comando de João
da Áustria e o
Império Otomano,
no dia 7 de
outubro de 1571,
próximo de
Lepanto, na
Grécia.
Esta batalha representou o fim
da expansão islâmica no
Mediterrâneo. A Igreja
Católica celebra a 5data
associada à Nossa Senhora do
Rosário.
26
• Até que Luís XIV pudesse pronunciar a
frase “Je suis la Loi, Je suis l'Etat; l'Etat
c'est moi” (Eu sou a Lei, eu sou o Estado; o
Estado sou eu!), os reis da França tiveram
que lutar muito para se impor aos grandes
senhores feudais consolidando seu poder
em todo o território nacional.
• O processo iniciado com Filipe II (1180-
1223), que conseguiu tomar vários feudos
dos reis da Inglaterra, e continuado por
Luís IX (1214-1270) e Filipe IV (1268-1314)
foi interrompido pela Guerra dos Cem Anos
(1337-1453). Porém, o enfraquecimento
geral da nobreza atuou em favor do rei.
FRANÇA: DO FEUDALISMO AO
ABSOLUTISMO
• A Guerra dos Cem
Anos foi o conflito entre
França e Inglaterra por
questões dinásticas e
pelo controle da região
da Flandres.
• A França venceu, mas
se enfraqueceu, assim
como a Inglaterra.
• Ambas as nações
não tiveram condições
de participar das
Grandes Navegações de
imediato.
FRANÇA: DO FEUDALISMO AO
ABSOLUTISMO
• O século XIV foi
marcado pela Guerra dos
Cem Anos, pela Peste
Negra e por revoltas
camponesas.
• O surto de peste
bubônica causou uma
fratura demográfica.
• A Jacquerie ajudou a
reforçar o poder do rei
francês, pois a nobreza
teve que unir forças com o
soberano para se impor
aos camponeses.
• Carlos V recomeçou
(1364) a ofensiva contra os
ingleses, estabelecendo o
que seria o primeiro
exército regular do país.
•Na Inglaterra, a Rebelião
de Wat Tyler (1381) contra
os altos impostos, quase
tomou Londres, obrigando
a nobreza e o rei a se
unirem para derrotar um
“inimigo” comum, os
camponeses rebelados.
• A criação de impostos
ajudou a fortalecer o
poder dos reis. Um dos
primeiros tributos foi a
talha real (taille royale) de
Carlos VII (1403-1461) em
1439, o rei que Joana
D’Arc colocou no trono.
• O imposto criado para
armar tropas que seriam
usadas na expulsão dos
ingleses, terminou se
tornando permanente.
FRANÇA: DO FEUDALISMO AO
ABSOLUTISMO
A talha real foi autorizada
pelos Estados Gerais,
assembleia que reunia o
clero, a nobreza e a
burguesia.
• Com Francisco I o
poder dos Estados-Gerais
foi reduzido em 1515.
• Em 1516, o rei firmou a
com o Concordata de
Bolonha papa Leão X. A
Igreja estaria submetida
ao Estado (galicanismo)
dando ao rei o direito de
indicar os bispos e outras
autoridades eclesiásticas.
• O rei patrocinou vários
artistas do Renascimento,
como Leonardo Da Vinci.
FRANÇA: DO FEUDALISMO AO
ABSOLUTISMO
Francisco I (1547) por
Jean Clouet, 1525.
Francisco I e Suleimão, o Magnífico de Ticiano.
França e o Império turco firmaram uma aliança em
1536. O objetivo era atingir os Habsburgos, mas
terminou durando até a Era Napoleônica.
AS GUERRAS DE RELIGIÃO
• Entre 1562 e 1598, houve oito guerras
motivadas por questões religiosas na
França. Considerado o ápice do conflito,
o Massacre de São Bartolomeu (23-24
/08/1572) foi somente o maior (*entre 30
mil e 100 mil mortos*) de vários.
• O conflito entre nobres católicos e
protestantes terminou por retardar início
do absolutismo.
• Catarina de Médicis, governando através
de seus filhos (Francisco II, Carlos IX e
Henrique III), não conseguiu conter a
carnificina entre a Liga Católica, liderada
pelo Duque de Guise, e os Protestantes,
apoiados por Henrique, rei de Navarra. 32
A Guerra dos Três Henriques (1587-1589)
aconteceu foi disputada por Henrique de Guise
(esq.), Henrique de Navarra (cent.) e o rei
Henrique III (dir.). O rei encomenda a morte do
Duque de Guise e termina sendo assassinado por
um fanático católico. Henrique de Bourbon
converte-se ao catolicismo e assume o trono
dando inicio a Dinastia dos Bourbons. Ele baixa o
Edito de Nantes Em 1610, foi morto por um
católico que o via como traidor.
A RELIGIÃO DO PRÍNCIPE É A
RELIGIÃO DO POVO
• O Edito de Nantes, baixado
por Henrique IV, pôs fim às
guerras de religião, dando
aos protestantes liberdade
de culto limitada e controle
de cidades fortificadas.
• Em 1685, Luís XIV revogou o
Edito de Nantes com o Edito
de Fontainebleau (1685). Os
huguenotes voltaram a ser
perseguidos e muitos deles
saíram do país. A migração
dos huguenotes causou
problemas econômicos ao
país.
OS MINISTROS CARDEAIS
• Richelieu, ministro do
rei Luís XIII (1601-1643), é
considerado o construtor
do absolutismo francês,
buscou debilitar a
nobreza, e tornar a França
a maior potência da
Europa, derrotando os
Habsburgos. Alterou o
Edito de Nantes e retirou
dos protestantes o direito
de possuírem fortalezas,
estimulou a produção de
manufaturas e envolveu a
França na Guerra dos 30
Anos (1618-48) e apoiou a
luta de independência de
Portugal.
Cardeal Richelieu
(1585-1642)
• O Cardeal Richelieu no cerco de La
Rochelle, cidade fortaleza protestante.
Quadro de Henri Motte, 1881.
GUERRA DOS TRINTA ANOS
(1618-1648)
• Uma das guerras mais destrutivas da
História, produziu milhões de mortos, além
de fome, miséria e esvaziamento de várias
regiões do Império.
• Iniciada por motivações religiosas, o
Imperador Fernando II (1578-1637) queria
impor o catolicismo em todos os seus
domínios, degenerou para um conflito
internacional com a participação da
Espanha, Holanda, Dinamarca, Suécia e
França, que mesmo católica, posicionou-se
com os protestantes para enfraquecer os
Habsburgos. A Inglaterra participou
indiretamente, apesar do rei da Boêmia,
Frederico V, um calvinista, tenha sido
central para o início do conflito.
• Ocorrido em 1618, o episódio da segunda
defenestração de Praga foi o estopim da
Guerra dos Trinta Anos, quando alguns
integrantes da nobreza tcheca atiraram
pelas janelas do palácio real de Praga os
representantes do sacro imperador
romano-germânico Fernando II.
GUERRA DOS TRINTA ANOS
(1618-1648)
• Durante o conflito, as questões religiosas
se tornaram secundárias e muitos líderes
mudaram de lado, havia o uso intenso de
mercenários. Saques, massacres e abusos
eram comuns.
• A Paz de Westfália, um conjunto de
tratados envolvendo 194 estados, assinada
em 30/01/1648, pôs fim ao conflito algumas
das decisões foram: a Espanha reconheceu
a independência definitiva da Holanda; o
Sacro Império reconheceu a independência
da Suíça; o Ducado da Prússia (*logo, um
reino independente*) ganhou grande
autonomia em relação ao imperador; a
França recebeu a Alsácia-Lorena.
• A Guerra dos 30 anos foi o conflito mais
sangrento dentro da Europa antes da I
Grande Guerra.
OS MINISTROS CARDEAIS
• Tendo servido sob o Cardeal
Richelieu, Mazarino tornou-se
seu sucessor como principal
ministro de Luís XIII e
comandou o país durante a
menoridade de Luís XIV (1638-
1715).
• Enfrentou as duas últimas
revoltas da grande nobreza, a
Fronda do Parlamento (1648-
1649) e a Fronda dos Príncipes
(1650-1653) contra o excesso
de centralização política.
• Ambas foram motivadas por
aumentos de impostos para
garantir a ação francesa em
várias guerras como a dos 30
Anos e a Franco-Espanhola
(1635-1659).
Cardeal Mazarino
(1602-1661)
Tornou-se rei aos 4 anos de idade e reinou por 72
anos. Governou por tanto tempo que passou o
trono para seu bisneto.
Nomeou
intendentes
para governar
as províncias.
Era chamado
de Rei Sol.
Colbert, seu
ministro das
finanças,
tentou
equilibrar as
despesas.
Reforçou a
marinha para
competir com
a Inglaterra.
Cuidava
pessoalmente
de todos os
negócios de
Estado.
Colocou fim à
liberdade
religiosa. Luís XIV
(1638-1715)
Palácio construído em várias etapas, Versalhes
tornou-se sede da corte em 1682. Lá, instalou-
se uma etiqueta rígida e uma série de rituais
que obrigavam os nobres a orbitar em torno do
rei como uma forma de ter prestígio, cargos e
privilégios.
GUERRA DE SUCESSÃO AO
TRONO DE ESPANHA
• Chamado de “el Hechizado”,
o enfeitiçado, Carlos II foi o
último Habsburgo espanhol.
Em virtude da intensa
endogamia, casamentos entre
parentes muito próximos, o rei
acumulava uma série de
deformidades e sua saúde era
precária.
• Morreu sem deixar herdeiros
e iniciou-se uma disputa entre
Luís XIV e os Habsburgos
austríacos, que governavam o
Sacro Império pelo trono
espanhol e suas muitas
colônias.
Carlos II
(1665-1700)
GUERRA DE SUCESSÃO AO
TRONO DE ESPANHA
• Luís XIV, filho de uma
princesa espanhola e casado
com uma princesa Habsburgo,
queria o trono para um de seus
netos, Filipe.
• A possibilidade de uma
futura união das coroas de
França e Espanha mobilizou as
potências europeias.
• A Guerra estendeu-se de
1700 à 1714. A Inglaterra
apoiou o Império, mas quando
o candidato do Império, o
Arquiduque Charles, tornou-se
imperador, decidiu-se pela
negociação.
Rei Filipe V
(1683-1746)
GUERRA DE SUCESSÃO AO
TRONO DE ESPANHA
• Nem França, nem Inglaterra,
Holanda, Portugal (que mudou
de lado no conflito) além de
outros envolvidos desejava
um Habsburgo governando a
Espanha e o Império. Buscou-
se um acordo.
• Pelo Tratado de Utrecht I
(1713), o neto de Luís XIV
ganhou o trono da Espanha,
mas teve que abrir mão de
qualquer direito de sucessão
na França. A Inglaterra
ganhava o direito de fornecer
escravos (Assiento) para
todas as colônias da Espanha
O arquiduque
Carlos tornou-se
imperador em
1711.
INGLATERRA NORMANDA
• Os normandos ocuparam a
Inglaterra em 1066. Seu líder,
o duque Guilherme, tornou-se
rei e manteve suas terras na
França.
• Com os normandos foi
trazido para a Inglaterra o
modelo feudal com alguns
ajustes: o rei guardou muitas
terras para si, os grandes
barões tinham terras
descontínuas, havia um
rascunho de sistema de
justiça e impostos nas mãos
do rei, além de camponeses
livres a disposição de suas
tropas.
•
Fragmento da
Tapeçaria de
Bayeux, que narra a
conquista normanda.
O REI SE CURVA
• Nos séculos XII-XIII, a má
administração e os conflitos
com o rei da França, a
nobreza, a Igreja e mesmo o
povo comum debilitaram os
reis ingleses.
• Em 1215, a nobreza, com o
apoio da Igreja e da
burguesia impôs ao rei João
Sem Terra (1199-1216) a
Magna Carta.
• A Magna Carta é uma
declaração de direitos
feudais em que cada um dos
envolvidos (rei, nobreza,
clero e o povo comum) tem
seus direitos e deveres
reconhecidos.
Página 1 da Magna
Carta, cópia da
Biblioteca do
Congresso Norte
Americano.
O PARLAMENTO
• Criado em 1258 para moderar as
ações do rei Henrique III (1216-
1272). Inicialmente, tratava-se de
um conselho (*imposto*) de nobre
e clérigos. No governo de
Eduardo I (1272-1307) passou a
receber também petições
populares, mas somente se reunia
a pedido do rei.
• Se o rei, ou rainha era forte,
pouco convocava e consultava o
Parlamento.
• No entanto, se o rei desejasse
criar novos impostos, deveria
convocar o Parlamento que, neste
caso, contava com a participação
de burgueses e da pequena
nobreza.
Parlamento de
Eduardo I,
manuscrito do
século XVI.
A GUERRA DAS DUAS ROSAS
• O último Plantageneta,
Ricardo II, foi deposto em
1399 por uma revolta da
nobreza e os Lancaster
assumem o trono. Preso na
Torre de Londres, ele foi
executado no ano seguinte.
• Perdida a Guerra dos Cem
Anos, os Lancaster e os
York passam a lutar pelo
trono. Interesses mercantis
(Lancaster/rosa vermelha)
contra as antigas estruturas
feudais (York/rosa branca),
estamos na Guerra das Duas
Rosas (1455-1485).
•
A GUERRA DAS DUAS ROSAS
• A guerra enfraqueceu a
nobreza senhora de terras,
pois muitas famílias foram
dizimadas.
• Empobrecidos, muitos
nobres passaram a arrendar
suas terras para burgueses
ricos ou membros da
pequena nobreza (gentry). A
resistência feudal estava
morta na Inglaterra.
• O fim da guerra colocou no
poder Henrique VII que sem
grandes entraves para
fortalecimento do poder real.
• Com os Tudor (Henrique
VII, Henrique VIII, Eduardo
VI, Mary I e Elizabeth I)
temos o breve absolutismo
inglês.
Ricardo III (1483-
85) foi o último
monarca da casa
de York e o último
rei da Inglaterra a
morrer em
combate.
HENRIQUE VIII E ELIZABETH I
• Dentro da dinastia Tudor,
Henrique VIII (1509-1547) foi
quem exercitou ao máximo o
poder absoluto, rompeu com o
catolicismo, tornando-se chefe
da nova Igreja Anglicana.
• Tomou as terras da igreja e
dissolveu os mosteiros. Tais
expropriações que lhe deram
riqueza suficiente para não se
incomodar com o Parlamento.
• Eliminou sem piedade todos
os que se opunham a ele, ou
podiam ameaçar seu poder. A
grande nobreza debilitada não
tinha como opor grande
resistência.
ERA ELISABETANA
• O governo de Elizabeth I é
chamado de Era ou Período
Elisabetano (1558-1603). É o
ápice da renascença inglesa,
na qual se viu florescer a
literatura e a poesia do país
sendo William Shakespeare,
o grande destaque. Francis
Bacon, um dos pais da
ciência moderna, viveu na
Inglaterra da época.
• Foi marcada pela expansão
marítima e pela derrota da
Invencível Armada lançada
sobre a Inglaterra por Felipe
II, rei da Espanha, em 1588. “Darnley Portrait”,
c. de 1575.
Nascida em 1533, reinou de
1558 até 1603.Apesar de chefe
da Igreja
Anglicana,
permitiu que
católicos e
outros
protestante
tivessem
liberdade
religiosa.
Corsários ingleses
saqueavam galeões
e colônias da
Espanha.
Virginia, a
primeira
colônia
inglesa na
América,
recebeu o
nome em sua
homenagem.
Para não ter que
recorrer ao
Parlamento,
vendeu terras
pertencentes à
Coroa.
Convocou o
Parlamento
apenas 13
vezes em 45
anos de
governo.
Sua poderosa
rede de espiões
agia dentro e fora
da Inglaterra.
Evitou se envolver
nos conflitos
religiosos do
continente.
DINASTIA STUART
• Com a morte de Elizabeth I
sem deixar herdeiros, seu
primo, Jaime VI da Escócia,
tornou-se também rei da
Inglaterra.
• Jaime reforçou o absolutismo
baseado na ideia de direito
divino dos reis e pela imposição
do anglicanismo. Promoveu a
caça às bruxas e patrocinou
uma tradução oficial da Bíblia
conhecida como King James
Bible (1611).
• Entrou em conflito com o
Parlamento, que foi dissolvido
(1614), e criou novos impostos.
Jaime I
(1603-1625)
DINASTIA STUART
• Em 1605, foi desmantelada a Conspiração da
Pólvora, também chamada de Traição Jesuíta.
Um grupo de católicos, insatisfeitos com a
perseguição promovida pelo rei, pretendiam
explodir o Parlamento na abertura dos trabalhos
em 5 de novembro. Guy Fawkes, um soldado
católico, foi preso colocando os barris de
pólvora no porão do prédio.
• Desbaratada a conspiração, o rei tornou ainda
mais dura a perseguição aos católicos.
• Os puritanos também foram duramente
perseguidos, por conta disso, ocorreu em 1620,
a viagem do Mayflower levando os chamados de
peregrinos ou pais peregrinos (pilgrim fathers).
Eles fundaram a colônia de Plymouth, em
Massachusetts.
• Os puritanos e outras minorias religiosas viam
a América como a “terra prometida” e são
chamados de “pais fundadores da nação”.
DINASTIA STUART
• O sucessor de Jaime I, seu
filho Carlos, continuou com o
projeto de fortalecimento do
poder real.
• Obrigado pelo Parlamento a
assinar a Petição dos
Direitos, que exigia do rei o
compromisso de não criar
novos impostos de forma
irregular, dissolveu a
assembleia. O rei reativou
velhas taxas medievais e
estendeu o “ship money”,
cobrado de algumas cidades
costeiras, a todo o país.
• A tentativa de imposição do
anglicanismo na Escócia
gerou uma revolta.
Carlos I
(1625-1649)
DINASTIA STUART
• Precisando de recursos, teve que recorrer
ao Parlamento que fez uma série de
exigências, como o fim do “ship money”.
• Atendido, o Parlamento permitiu o aumento
de impostos.
• Em 1641, houve uma revolta na Irlanda, que
tinha sido duramente tratada pelo rei
anterior.
• Carlos queria recursos do Parlamento, que
exigiu que o rei submetesse à assembleia a
escolha de seus conselheiros. A recusa do
rei e sua tentativa de prender os líderes do
Parlamento, conduziu à guerra civil.
• Os puritanos, liderados por Oliver Cromwell e
chamados de cabeças redondas, ou ironsides,
terminaram por vencer o conflito. O rei, capturado,
foi condenado à morte e decapitado em 30 de
janeiro de 1649.
• Execução de Carlos I, um evento sem
precedentes e que colocava em questão a
tese do direito divino dos reis.
• É permitido o uso
dos slides desde
que citada a fonte.
• 07 de agosto de
2019.
• Contato:
shoujofan@gmail.com
Henrietta Maria de
França (1609-69),
esposa católica de
Carlos I.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Primeiro Reinado
Primeiro ReinadoPrimeiro Reinado
Primeiro Reinado
Claudenilson da Silva
 
As revolucoes inglesas - 8-ano
As revolucoes inglesas - 8-anoAs revolucoes inglesas - 8-ano
As revolucoes inglesas - 8-ano
Lucas Degiovani
 
Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Egito Antigo - 6º Ano (2018)Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Nefer19
 
Revoluções inglesas
Revoluções inglesasRevoluções inglesas
Revoluções inglesas
Edenilson Morais
 
A colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesaA colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesa
Edenilson Morais
 
Primeiro reinado
Primeiro reinadoPrimeiro reinado
Primeiro reinado
Ramiro Bicca
 
Independência dos EUA
Independência dos EUAIndependência dos EUA
Independência dos EUA
Portal do Vestibulando
 
Revoluções inglesas
Revoluções inglesasRevoluções inglesas
Revoluções inglesas
Professor de História
 
REINOS AFRICANOS
REINOS AFRICANOSREINOS AFRICANOS
REINOS AFRICANOS
ElvisJohnR
 
Formação e desenvolvimento dos EUA
Formação e desenvolvimento dos EUAFormação e desenvolvimento dos EUA
Formação e desenvolvimento dos EUA
Paulo Alexandre
 
1° ano - Grécia Antiga
1° ano -  Grécia Antiga1° ano -  Grécia Antiga
1° ano - Grécia Antiga
Daniel Alves Bronstrup
 
1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia
Daniel Alves Bronstrup
 
3º ano primeira guerra mundial
3º ano   primeira guerra mundial3º ano   primeira guerra mundial
3º ano primeira guerra mundial
Daniel Alves Bronstrup
 
Segundo Reinado
Segundo ReinadoSegundo Reinado
Segundo Reinado
Portal do Vestibulando
 
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
Nefer19
 
A Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados NacionaisA Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados Nacionais
Douglas Barraqui
 
INDEPENDÊNCIA DO HAITI E AMÉRICA ESPANHOLA
INDEPENDÊNCIA DO HAITI E AMÉRICA ESPANHOLAINDEPENDÊNCIA DO HAITI E AMÉRICA ESPANHOLA
INDEPENDÊNCIA DO HAITI E AMÉRICA ESPANHOLA
Isabel Aguiar
 
Crise do feudalismo: as transformações no sistema feudal
Crise do feudalismo: as transformações no sistema feudalCrise do feudalismo: as transformações no sistema feudal
Crise do feudalismo: as transformações no sistema feudal
Douglas Barraqui
 
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da ÁsiaImperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
Portal do Vestibulando
 
Slide revolução francesa
Slide revolução francesaSlide revolução francesa
Slide revolução francesa
Isabel Aguiar
 

Mais procurados (20)

Primeiro Reinado
Primeiro ReinadoPrimeiro Reinado
Primeiro Reinado
 
As revolucoes inglesas - 8-ano
As revolucoes inglesas - 8-anoAs revolucoes inglesas - 8-ano
As revolucoes inglesas - 8-ano
 
Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Egito Antigo - 6º Ano (2018)Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Egito Antigo - 6º Ano (2018)
 
Revoluções inglesas
Revoluções inglesasRevoluções inglesas
Revoluções inglesas
 
A colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesaA colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesa
 
Primeiro reinado
Primeiro reinadoPrimeiro reinado
Primeiro reinado
 
Independência dos EUA
Independência dos EUAIndependência dos EUA
Independência dos EUA
 
Revoluções inglesas
Revoluções inglesasRevoluções inglesas
Revoluções inglesas
 
REINOS AFRICANOS
REINOS AFRICANOSREINOS AFRICANOS
REINOS AFRICANOS
 
Formação e desenvolvimento dos EUA
Formação e desenvolvimento dos EUAFormação e desenvolvimento dos EUA
Formação e desenvolvimento dos EUA
 
1° ano - Grécia Antiga
1° ano -  Grécia Antiga1° ano -  Grécia Antiga
1° ano - Grécia Antiga
 
1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia
 
3º ano primeira guerra mundial
3º ano   primeira guerra mundial3º ano   primeira guerra mundial
3º ano primeira guerra mundial
 
Segundo Reinado
Segundo ReinadoSegundo Reinado
Segundo Reinado
 
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
 
A Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados NacionaisA Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados Nacionais
 
INDEPENDÊNCIA DO HAITI E AMÉRICA ESPANHOLA
INDEPENDÊNCIA DO HAITI E AMÉRICA ESPANHOLAINDEPENDÊNCIA DO HAITI E AMÉRICA ESPANHOLA
INDEPENDÊNCIA DO HAITI E AMÉRICA ESPANHOLA
 
Crise do feudalismo: as transformações no sistema feudal
Crise do feudalismo: as transformações no sistema feudalCrise do feudalismo: as transformações no sistema feudal
Crise do feudalismo: as transformações no sistema feudal
 
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da ÁsiaImperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
 
Slide revolução francesa
Slide revolução francesaSlide revolução francesa
Slide revolução francesa
 

Semelhante a Formação das Monarquias Nacionais e Absolutismo

Semi extensivo - frente 2 módulo 6-baixa idade média
Semi extensivo - frente 2 módulo 6-baixa idade médiaSemi extensivo - frente 2 módulo 6-baixa idade média
Semi extensivo - frente 2 módulo 6-baixa idade médiaLú Carvalho
 
Formacao dos-estados-nacionais-absolutismo
Formacao dos-estados-nacionais-absolutismoFormacao dos-estados-nacionais-absolutismo
Formacao dos-estados-nacionais-absolutismo
Marcio Cicchelli
 
Transicao do Feudalismo para o Capitalismo I
Transicao do Feudalismo para o Capitalismo ITransicao do Feudalismo para o Capitalismo I
Transicao do Feudalismo para o Capitalismo I
Alexandre Protásio
 
monarquias nacionais 2022.pptx
monarquias nacionais 2022.pptxmonarquias nacionais 2022.pptx
monarquias nacionais 2022.pptx
AlineS17
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
Daniel Leitão
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Formação dos estados nacionais
Formação dos estados nacionaisFormação dos estados nacionais
Formação dos estados nacionais
lazarooy
 
Ahistriadeportugal
Ahistriadeportugal Ahistriadeportugal
Ahistriadeportugal
Sonia Valente
 
A Formação das Monarquias Nacionais
A Formação das Monarquias NacionaisA Formação das Monarquias Nacionais
A Formação das Monarquias Nacionais
Bruce Portes
 
3 transicaodofeudalismoparaocapitalismo
3 transicaodofeudalismoparaocapitalismo3 transicaodofeudalismoparaocapitalismo
3 transicaodofeudalismoparaocapitalismo
Kerol Brombal
 
Pamela 2
Pamela 2Pamela 2
Pamela 2
Italo Emanoel
 
Monarquias
MonarquiasMonarquias
A Formação dos Estados Nacionais Europeus
A Formação dos Estados Nacionais EuropeusA Formação dos Estados Nacionais Europeus
A Formação dos Estados Nacionais Europeus
Acrópole - História & Educação
 
Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)
Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)
Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)
Nefer19
 
Criação de uma identidade nacional CEF B9
Criação de uma identidade nacional CEF B9Criação de uma identidade nacional CEF B9
Criação de uma identidade nacional CEF B9
profribeiro
 
União ibérica
União ibéricaUnião ibérica
União ibérica
Pedro Henrique
 
Revisão per. transição-2°_ano
Revisão per. transição-2°_anoRevisão per. transição-2°_ano
Revisão per. transição-2°_ano
Luan Furtado
 
29 crise, união ibérica, restauração
29   crise, união ibérica, restauração29   crise, união ibérica, restauração
29 crise, união ibérica, restauração
Carla Freitas
 
7º ano - Estados Nacionais.pptx
7º ano - Estados Nacionais.pptx7º ano - Estados Nacionais.pptx
7º ano - Estados Nacionais.pptx
Júlio Sandes
 
www.AulasDeHistoriaApoio.com - História - A formação dos estados nacionais
www.AulasDeHistoriaApoio.com  - História -  A formação dos estados nacionaiswww.AulasDeHistoriaApoio.com  - História -  A formação dos estados nacionais
www.AulasDeHistoriaApoio.com - História - A formação dos estados nacionais
AulasDeHistoriaApoio
 

Semelhante a Formação das Monarquias Nacionais e Absolutismo (20)

Semi extensivo - frente 2 módulo 6-baixa idade média
Semi extensivo - frente 2 módulo 6-baixa idade médiaSemi extensivo - frente 2 módulo 6-baixa idade média
Semi extensivo - frente 2 módulo 6-baixa idade média
 
Formacao dos-estados-nacionais-absolutismo
Formacao dos-estados-nacionais-absolutismoFormacao dos-estados-nacionais-absolutismo
Formacao dos-estados-nacionais-absolutismo
 
Transicao do Feudalismo para o Capitalismo I
Transicao do Feudalismo para o Capitalismo ITransicao do Feudalismo para o Capitalismo I
Transicao do Feudalismo para o Capitalismo I
 
monarquias nacionais 2022.pptx
monarquias nacionais 2022.pptxmonarquias nacionais 2022.pptx
monarquias nacionais 2022.pptx
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Formação dos estados nacionais
Formação dos estados nacionaisFormação dos estados nacionais
Formação dos estados nacionais
 
Ahistriadeportugal
Ahistriadeportugal Ahistriadeportugal
Ahistriadeportugal
 
A Formação das Monarquias Nacionais
A Formação das Monarquias NacionaisA Formação das Monarquias Nacionais
A Formação das Monarquias Nacionais
 
3 transicaodofeudalismoparaocapitalismo
3 transicaodofeudalismoparaocapitalismo3 transicaodofeudalismoparaocapitalismo
3 transicaodofeudalismoparaocapitalismo
 
Pamela 2
Pamela 2Pamela 2
Pamela 2
 
Monarquias
MonarquiasMonarquias
Monarquias
 
A Formação dos Estados Nacionais Europeus
A Formação dos Estados Nacionais EuropeusA Formação dos Estados Nacionais Europeus
A Formação dos Estados Nacionais Europeus
 
Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)
Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)
Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)
 
Criação de uma identidade nacional CEF B9
Criação de uma identidade nacional CEF B9Criação de uma identidade nacional CEF B9
Criação de uma identidade nacional CEF B9
 
União ibérica
União ibéricaUnião ibérica
União ibérica
 
Revisão per. transição-2°_ano
Revisão per. transição-2°_anoRevisão per. transição-2°_ano
Revisão per. transição-2°_ano
 
29 crise, união ibérica, restauração
29   crise, união ibérica, restauração29   crise, união ibérica, restauração
29 crise, união ibérica, restauração
 
7º ano - Estados Nacionais.pptx
7º ano - Estados Nacionais.pptx7º ano - Estados Nacionais.pptx
7º ano - Estados Nacionais.pptx
 
www.AulasDeHistoriaApoio.com - História - A formação dos estados nacionais
www.AulasDeHistoriaApoio.com  - História -  A formação dos estados nacionaiswww.AulasDeHistoriaApoio.com  - História -  A formação dos estados nacionais
www.AulasDeHistoriaApoio.com - História - A formação dos estados nacionais
 

Mais de Valéria Shoujofan

América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados NacionaisAmérica Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
Valéria Shoujofan
 
Segundo Reinando: Escravidão e Imigração
Segundo Reinando: Escravidão e ImigraçãoSegundo Reinando: Escravidão e Imigração
Segundo Reinando: Escravidão e Imigração
Valéria Shoujofan
 
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptxEntre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
Valéria Shoujofan
 
Revolução Americana
Revolução AmericanaRevolução Americana
Revolução Americana
Valéria Shoujofan
 
Iluminismo e Déspotas Esclarecidos
Iluminismo e Déspotas EsclarecidosIluminismo e Déspotas Esclarecidos
Iluminismo e Déspotas Esclarecidos
Valéria Shoujofan
 
Primeira e Segunda Revolução Industrial
Primeira e Segunda Revolução IndustrialPrimeira e Segunda Revolução Industrial
Primeira e Segunda Revolução Industrial
Valéria Shoujofan
 
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos ContratualistasAbsolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Valéria Shoujofan
 
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução AgrícolaInglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
Valéria Shoujofan
 
Reformas Religiosas (novo)
Reformas Religiosas (novo)Reformas Religiosas (novo)
Reformas Religiosas (novo)
Valéria Shoujofan
 
Revoluções Inglesas - século XVII
Revoluções Inglesas - século XVIIRevoluções Inglesas - século XVII
Revoluções Inglesas - século XVII
Valéria Shoujofan
 
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICACONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
Valéria Shoujofan
 
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
Valéria Shoujofan
 
Revoltas Emancipacionistas
Revoltas EmancipacionistasRevoltas Emancipacionistas
Revoltas Emancipacionistas
Valéria Shoujofan
 
Período Joanino (1808-1821)
Período Joanino (1808-1821)Período Joanino (1808-1821)
Período Joanino (1808-1821)
Valéria Shoujofan
 
Independência do Brasil e Primeiro Reinado
Independência do Brasil e Primeiro ReinadoIndependência do Brasil e Primeiro Reinado
Independência do Brasil e Primeiro Reinado
Valéria Shoujofan
 
Renascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
Renascimento Urbano e Comercial e CruzadasRenascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
Renascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
Valéria Shoujofan
 
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
Valéria Shoujofan
 
Sociedade feudal - Parte 1
Sociedade feudal - Parte 1Sociedade feudal - Parte 1
Sociedade feudal - Parte 1
Valéria Shoujofan
 
Reformas religiosas do Século XVI
Reformas religiosas do Século XVIReformas religiosas do Século XVI
Reformas religiosas do Século XVI
Valéria Shoujofan
 
Renascimento Cultural
Renascimento CulturalRenascimento Cultural
Renascimento Cultural
Valéria Shoujofan
 

Mais de Valéria Shoujofan (20)

América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados NacionaisAmérica Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
 
Segundo Reinando: Escravidão e Imigração
Segundo Reinando: Escravidão e ImigraçãoSegundo Reinando: Escravidão e Imigração
Segundo Reinando: Escravidão e Imigração
 
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptxEntre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
 
Revolução Americana
Revolução AmericanaRevolução Americana
Revolução Americana
 
Iluminismo e Déspotas Esclarecidos
Iluminismo e Déspotas EsclarecidosIluminismo e Déspotas Esclarecidos
Iluminismo e Déspotas Esclarecidos
 
Primeira e Segunda Revolução Industrial
Primeira e Segunda Revolução IndustrialPrimeira e Segunda Revolução Industrial
Primeira e Segunda Revolução Industrial
 
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos ContratualistasAbsolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
 
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução AgrícolaInglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
 
Reformas Religiosas (novo)
Reformas Religiosas (novo)Reformas Religiosas (novo)
Reformas Religiosas (novo)
 
Revoluções Inglesas - século XVII
Revoluções Inglesas - século XVIIRevoluções Inglesas - século XVII
Revoluções Inglesas - século XVII
 
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICACONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
 
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
 
Revoltas Emancipacionistas
Revoltas EmancipacionistasRevoltas Emancipacionistas
Revoltas Emancipacionistas
 
Período Joanino (1808-1821)
Período Joanino (1808-1821)Período Joanino (1808-1821)
Período Joanino (1808-1821)
 
Independência do Brasil e Primeiro Reinado
Independência do Brasil e Primeiro ReinadoIndependência do Brasil e Primeiro Reinado
Independência do Brasil e Primeiro Reinado
 
Renascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
Renascimento Urbano e Comercial e CruzadasRenascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
Renascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
 
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
 
Sociedade feudal - Parte 1
Sociedade feudal - Parte 1Sociedade feudal - Parte 1
Sociedade feudal - Parte 1
 
Reformas religiosas do Século XVI
Reformas religiosas do Século XVIReformas religiosas do Século XVI
Reformas religiosas do Século XVI
 
Renascimento Cultural
Renascimento CulturalRenascimento Cultural
Renascimento Cultural
 

Último

As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdfTrabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
erico paulo rocha guedes
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
AntonioLobosco3
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
erssstcontato
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 

Último (20)

As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdfTrabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 

Formação das Monarquias Nacionais e Absolutismo

  • 2. MONARQUIAS NACIONAIS Formadas na Idade Média: 1. França 2. Inglaterra 3. Espanha 4. Portugal Que tiveram sua unificação prejudicada pelo conflito entre o Papa e o Imperador: 1. Itália 2. Alemanha
  • 3. CONFLITO DE PODERES PODERES UNIVERSAIS (PAPA/IMPERADOR) PODERES NACIONAIS (REIS) PODERES LOCAIS (SENHORES FEUDAIS)
  • 4. CRIANDO UM ESTADO NACIONAL •Monopólio da força pelo REI → criação de um exército permanente. •Moeda única. •Estabelecimento de um quadro de funcionários (nobres e burgueses). •Aliança com a burguesia e a pequena nobreza. •Crescimento do comércio e arrecadação de impostos. •Crise dos poderes universais.
  • 5. E O ABSOLUTISMO? •É um regime político existente entre os séculos XVI-XVIII em que uma pessoa exerce poderes ilimitados, onde só ele manda, geralmente um rei ou uma rainha. Os monarcas podim fazer leis sem aprovação da sociedade, criar impostos e tributos que financiassem seus projetos ou guerras, muitas vezes, um rei absoluto se envolvia em temas religiosos, chegando a controlar o clero nacional. A justificativa desse poder se assentava no Direito Divino. •Nem todos os monarcas absolutos eram tão absolutos assim, o regime só funcionou de forma completa na França.
  • 6. Luís XIV (1638-1715) , rei da França, representa o auge do Absolutismo em seu país e modelo para todos os monarcas do gênero. Chamado de “rei sol”, ele criou a luxuosa corte de Versalhes, com rígidas regras de etiqueta que marcavam a importância e o lugar de cada um dentro do chamado Antigo Regime.
  • 7. 7 PORTUGAL ESTADO NACIONAL PIONEIRO •A origem do Estado português está relacionada à Reconquista a partir do século XI, dos territórios da Península ibérica sob o domínio dos mouros (árabes) que haviam se fixado na região, a partir do séc. VIII. • A Reconquista atraiu nobres de toda a Europa e Henrique de Borgonha recebeu como recompensa de Afonso VI, rei de Leão, a mão da princesa D. Teresa e o Condado Portucalense. É este território que dará origem a Portugal.
  • 8. 8 PORTUGAL ESTADO NACIONAL PIONEIRO •O filho de D. Henrique de Borgonha, Afonso Henriques, declarou independência no ano de 1139, derrotando tropas de Castela e Leão. A independência é reconhecida em 1143. •A Dinastia de Borgonha e Portugal terminou o processo de Reconquista ainda no século XIII. Portugal nasceu de uma cisão do Reino de Leão.
  • 9. 9 EVOLUÇÃO DA RECONQUISTA PORTUGUESA Com o fim da Ordem dos Templários em 1307, o Rei de Portugal recebe do papa o privilégio de criar uma nova ordem militar que os acolhesse: a Ordem de Cristo.
  • 10. 10 PORTUGAL ESTADO NACIONAL PIONEIRO •Uma nova rota comercial ligando as cidades italianas, no sul, à Flandres, no norte, com escala em Lisboa impulsionou a economia do país e a burguesia mercantil se fortaleceu. •Lembre-se da Guerra dos Cem Anos e da Peste Negra. Passar por Portugal é mais seguro do que ir por terra.
  • 11. 11 O PAPA CONFIRMA A INDEPENDÊNCIA DE PORTUGAL Bula Manifestis Probatum do papa Alexandre III (23/05/1179) "Concedemos e confirmamos por autoridade apostólica ao teu excelso domínio o reino de Portugal com inteiras honras de reino e a dignidade que aos reis pertence, bem como todos os lugares que com o auxílio da graça celeste conquistaste das mãos dos sarracenos e nos quais não podem reivindicar direitos os vizinhos príncipes cristãos.” (Fonte)
  • 12. 12 • Após a morte do último rei da dinastia de Borgonha, D. Fernando I, formaram-se em Portugal dois grupos: o da burguesia mercantil e pequena nobreza, que apoiava a ascensão de D. João, Mestre d’Avis, filho bastardo rei; e outro, liderado pela nobreza que apoiava a anexação de Portugal ao reino de Castela, pois a princesa Beatriz, única filha do falecido rei, era casada com o rei de Castela, essa facção tinha o apoio da grande nobreza e alto clero. • A vitória na Batalha de Aljubarrota marcou o início da Dinastia de Avis, garantiu-se a independência e reforçou-se a centralização do poder nas mãos do rei. REVOLUÇÃO DE AVIS (1383-85)
  • 13. 13 • A construção do Reino da Espanha foi fruto de um longo processo de Reconquista (711-1492). • A Reconquista somente foi finalizada com a conquista de Granada em 1492, mesmo ano em que Colombo chegou ao novo continente, depois batizado de América. FORMAÇÃO DA ESPANHA: UMA LONGA RECONQUISTA
  • 14. 14 • No século XV, a Espanha estava partida em dois reinos, a união foi selada com o casamento (1469) de Fernando II de Aragão e Isabel I de Castela, conhecidos como os “Reis Católicos”. • A criação do reinos espanhol foi dificultado pela co-existência de vários povos, nacionalidades, sistemas jurídicos e de cobrança de impostos diferentes. • Conciliar os vários interesses e grupos, garantindo a unidade duradoura foi uma árdua tarefa. NASCE O REINO DA ESPANHA Isabel I de Castela (1451-1504)
  • 15. 15 •Isabel herdou o reino de seu irmão, Henrique IV, mas o rei tivera uma filha, a princesa Joana. •“Beltraneja” era o seu apelido, pois muitos a acreditavam filha do nobre Beltrán de La Cueva. •Há outra teoria: o rei era impotente e um médico judeu foi chamado, ele teria executado uma uma inseminação artificial, talvez a primeira da história. JOANA BELTRANEJA: QUASE RAINHA DE CASTELA A princesa Joana foi casada com o rei Afonso V de Portugal, houve guerra civil (1474-1479), vencida por Isabel.
  • 16. 16 • A união entre Aragão e Castela, oficializada em 1479, era frágil. Cada reino tinha suas próprias leis e era administrado de forma separada por seus monarcas, sem um herdeiro homem, o reino poderia se fragmentar. • Em 1478, a Inquisição se estabeleceu na Espanha à pedido dos reis católicos, seu alvo principal eram os judeus e mouros convertidos. A tolerância para com minorias religiosas chegava ao fim, ser espanhol deveria ser sinônimo de ser católico. NASCE O REINO DA ESPANHA Fernando II (1452- 1516) fez o possível para garantir a união dos reinos após a morte da esposa.
  • 17. 17 • Em 1492, todos os judeus foram expulsos da Espanha. Para se casar com uma das filhas dos reis católicos, o Rei de Portugal baixou decreto semelhante em 1496. • Os judeus convertidos ao catolicismo eram chamados de cristãos-novos, em oposição aos cristãos-velhos. • Houve conversões genuínas, mas a maioria era fruto da violência, ou da conveniência social. O convertido, no entanto, acabava sendo discriminado (*sangue impuro*) e tornava-se alvo da Inquisição. QUEM ERAM OS CRISTÃOS-NOVOS
  • 18. 18 • Em Portugal, diante do êxodo dos judeus, que resistiam à conversão, o Rei D. Manuel I deixou somente o porto de Lisboa aberto para a migração e ordenou que todas as crianças menores de 14 anos fossem tomadas de seus pais e educadas como católicas. • Em 1506, a população, instigada pelos dominicanos, promoveu uma grande matança (Pogrom de Lisboa ou Matança da Páscoa). O rei puniu os envolvidos, mas o estrago estava feito. • As leis contra os judeus e casamentos de cristãos novos e velhos só foram suspensas no século XVIII. QUEM ERAM OS CRISTÃOS-NOVOS
  • 19. 19 O documentário “A Estrela Oculta do Sertão” fala dos descendentes de judeus (cristãos novos) no Nordeste do Brasil. A maioria não tinha ideia de suas origens.
  • 20. 20 • "Mourisco do reino de Granada, passeando no campo com a esposa e um filho", de Christoph Weiditz (1529)
  • 21. 21 • Em Castela, em 1502, foi ordenado a conversão forçada dos mouros (mouriscos). • No Reino de Aragão, a mesma ordem só veio em 1525-26. • Apesar da pressão, a maioria dos mouros manteve seus costumes e religião (*em segredo*), ainda que tenham abandonado a língua árabe. • Depois de alguns conflitos, veio a ordem de expulsão de todos os mouriscos em 1609, o norte da África foi seu destino. • A Espanha perdeu 4% da população, a maioria trabalhadores rurais. Parece pouco, mas algumas regiões sofreram grande impacto. E O QUE ACONTECEU COM OS MOUROS?
  • 22. 22 • Mais tarde, em 1512, a parte sul do Reino de Navarra foi incorporada à Espanha. • A riqueza fruto das terras conquistadas forneceu à Coroa espanhola os meios financeiros não só para garantir a estabilidade do novo estado como para dar à Espanha um lugar de grande relevo na economia europeia. • Em 1519, Carlos V se torna rei da Espanha e Imperador do Sacro Império Romano Germânico, além de possuir territórios na Itália e Países Baixos, criou-se um império no qual o sol nunca se punha. (No slide seguinte quadro de Antonio Arias Fernández, c.1639– 1640, Carlos V e seu filho Felipe II) A ESPANHA SE TORNA UM IMPÉRIO
  • 23. 23
  • 24. 24 Todos os territórios em verde pertenciam aos Habsburgos na Europa, concentrados nas mãos de Carlos V (1500-1558).
  • 25. 25 A Batalha de Lepanto foi travada entre uma esquadra da Santa Liga (República de Veneza, Reino de Espanha, Cavaleiros de Malta e Estados Pontifícios) sob o comando de João da Áustria e o Império Otomano, no dia 7 de outubro de 1571, próximo de Lepanto, na Grécia. Esta batalha representou o fim da expansão islâmica no Mediterrâneo. A Igreja Católica celebra a 5data associada à Nossa Senhora do Rosário.
  • 26. 26 • Até que Luís XIV pudesse pronunciar a frase “Je suis la Loi, Je suis l'Etat; l'Etat c'est moi” (Eu sou a Lei, eu sou o Estado; o Estado sou eu!), os reis da França tiveram que lutar muito para se impor aos grandes senhores feudais consolidando seu poder em todo o território nacional. • O processo iniciado com Filipe II (1180- 1223), que conseguiu tomar vários feudos dos reis da Inglaterra, e continuado por Luís IX (1214-1270) e Filipe IV (1268-1314) foi interrompido pela Guerra dos Cem Anos (1337-1453). Porém, o enfraquecimento geral da nobreza atuou em favor do rei. FRANÇA: DO FEUDALISMO AO ABSOLUTISMO
  • 27. • A Guerra dos Cem Anos foi o conflito entre França e Inglaterra por questões dinásticas e pelo controle da região da Flandres. • A França venceu, mas se enfraqueceu, assim como a Inglaterra. • Ambas as nações não tiveram condições de participar das Grandes Navegações de imediato. FRANÇA: DO FEUDALISMO AO ABSOLUTISMO
  • 28. • O século XIV foi marcado pela Guerra dos Cem Anos, pela Peste Negra e por revoltas camponesas. • O surto de peste bubônica causou uma fratura demográfica. • A Jacquerie ajudou a reforçar o poder do rei francês, pois a nobreza teve que unir forças com o soberano para se impor aos camponeses. • Carlos V recomeçou (1364) a ofensiva contra os ingleses, estabelecendo o que seria o primeiro exército regular do país. •Na Inglaterra, a Rebelião de Wat Tyler (1381) contra os altos impostos, quase tomou Londres, obrigando a nobreza e o rei a se unirem para derrotar um “inimigo” comum, os camponeses rebelados.
  • 29. • A criação de impostos ajudou a fortalecer o poder dos reis. Um dos primeiros tributos foi a talha real (taille royale) de Carlos VII (1403-1461) em 1439, o rei que Joana D’Arc colocou no trono. • O imposto criado para armar tropas que seriam usadas na expulsão dos ingleses, terminou se tornando permanente. FRANÇA: DO FEUDALISMO AO ABSOLUTISMO A talha real foi autorizada pelos Estados Gerais, assembleia que reunia o clero, a nobreza e a burguesia.
  • 30. • Com Francisco I o poder dos Estados-Gerais foi reduzido em 1515. • Em 1516, o rei firmou a com o Concordata de Bolonha papa Leão X. A Igreja estaria submetida ao Estado (galicanismo) dando ao rei o direito de indicar os bispos e outras autoridades eclesiásticas. • O rei patrocinou vários artistas do Renascimento, como Leonardo Da Vinci. FRANÇA: DO FEUDALISMO AO ABSOLUTISMO Francisco I (1547) por Jean Clouet, 1525.
  • 31. Francisco I e Suleimão, o Magnífico de Ticiano. França e o Império turco firmaram uma aliança em 1536. O objetivo era atingir os Habsburgos, mas terminou durando até a Era Napoleônica.
  • 32. AS GUERRAS DE RELIGIÃO • Entre 1562 e 1598, houve oito guerras motivadas por questões religiosas na França. Considerado o ápice do conflito, o Massacre de São Bartolomeu (23-24 /08/1572) foi somente o maior (*entre 30 mil e 100 mil mortos*) de vários. • O conflito entre nobres católicos e protestantes terminou por retardar início do absolutismo. • Catarina de Médicis, governando através de seus filhos (Francisco II, Carlos IX e Henrique III), não conseguiu conter a carnificina entre a Liga Católica, liderada pelo Duque de Guise, e os Protestantes, apoiados por Henrique, rei de Navarra. 32
  • 33. A Guerra dos Três Henriques (1587-1589) aconteceu foi disputada por Henrique de Guise (esq.), Henrique de Navarra (cent.) e o rei Henrique III (dir.). O rei encomenda a morte do Duque de Guise e termina sendo assassinado por um fanático católico. Henrique de Bourbon converte-se ao catolicismo e assume o trono dando inicio a Dinastia dos Bourbons. Ele baixa o Edito de Nantes Em 1610, foi morto por um católico que o via como traidor.
  • 34. A RELIGIÃO DO PRÍNCIPE É A RELIGIÃO DO POVO • O Edito de Nantes, baixado por Henrique IV, pôs fim às guerras de religião, dando aos protestantes liberdade de culto limitada e controle de cidades fortificadas. • Em 1685, Luís XIV revogou o Edito de Nantes com o Edito de Fontainebleau (1685). Os huguenotes voltaram a ser perseguidos e muitos deles saíram do país. A migração dos huguenotes causou problemas econômicos ao país.
  • 35. OS MINISTROS CARDEAIS • Richelieu, ministro do rei Luís XIII (1601-1643), é considerado o construtor do absolutismo francês, buscou debilitar a nobreza, e tornar a França a maior potência da Europa, derrotando os Habsburgos. Alterou o Edito de Nantes e retirou dos protestantes o direito de possuírem fortalezas, estimulou a produção de manufaturas e envolveu a França na Guerra dos 30 Anos (1618-48) e apoiou a luta de independência de Portugal. Cardeal Richelieu (1585-1642)
  • 36. • O Cardeal Richelieu no cerco de La Rochelle, cidade fortaleza protestante. Quadro de Henri Motte, 1881.
  • 37. GUERRA DOS TRINTA ANOS (1618-1648) • Uma das guerras mais destrutivas da História, produziu milhões de mortos, além de fome, miséria e esvaziamento de várias regiões do Império. • Iniciada por motivações religiosas, o Imperador Fernando II (1578-1637) queria impor o catolicismo em todos os seus domínios, degenerou para um conflito internacional com a participação da Espanha, Holanda, Dinamarca, Suécia e França, que mesmo católica, posicionou-se com os protestantes para enfraquecer os Habsburgos. A Inglaterra participou indiretamente, apesar do rei da Boêmia, Frederico V, um calvinista, tenha sido central para o início do conflito.
  • 38. • Ocorrido em 1618, o episódio da segunda defenestração de Praga foi o estopim da Guerra dos Trinta Anos, quando alguns integrantes da nobreza tcheca atiraram pelas janelas do palácio real de Praga os representantes do sacro imperador romano-germânico Fernando II.
  • 39. GUERRA DOS TRINTA ANOS (1618-1648) • Durante o conflito, as questões religiosas se tornaram secundárias e muitos líderes mudaram de lado, havia o uso intenso de mercenários. Saques, massacres e abusos eram comuns. • A Paz de Westfália, um conjunto de tratados envolvendo 194 estados, assinada em 30/01/1648, pôs fim ao conflito algumas das decisões foram: a Espanha reconheceu a independência definitiva da Holanda; o Sacro Império reconheceu a independência da Suíça; o Ducado da Prússia (*logo, um reino independente*) ganhou grande autonomia em relação ao imperador; a França recebeu a Alsácia-Lorena. • A Guerra dos 30 anos foi o conflito mais sangrento dentro da Europa antes da I Grande Guerra.
  • 40. OS MINISTROS CARDEAIS • Tendo servido sob o Cardeal Richelieu, Mazarino tornou-se seu sucessor como principal ministro de Luís XIII e comandou o país durante a menoridade de Luís XIV (1638- 1715). • Enfrentou as duas últimas revoltas da grande nobreza, a Fronda do Parlamento (1648- 1649) e a Fronda dos Príncipes (1650-1653) contra o excesso de centralização política. • Ambas foram motivadas por aumentos de impostos para garantir a ação francesa em várias guerras como a dos 30 Anos e a Franco-Espanhola (1635-1659). Cardeal Mazarino (1602-1661)
  • 41. Tornou-se rei aos 4 anos de idade e reinou por 72 anos. Governou por tanto tempo que passou o trono para seu bisneto. Nomeou intendentes para governar as províncias. Era chamado de Rei Sol. Colbert, seu ministro das finanças, tentou equilibrar as despesas. Reforçou a marinha para competir com a Inglaterra. Cuidava pessoalmente de todos os negócios de Estado. Colocou fim à liberdade religiosa. Luís XIV (1638-1715)
  • 42. Palácio construído em várias etapas, Versalhes tornou-se sede da corte em 1682. Lá, instalou- se uma etiqueta rígida e uma série de rituais que obrigavam os nobres a orbitar em torno do rei como uma forma de ter prestígio, cargos e privilégios.
  • 43. GUERRA DE SUCESSÃO AO TRONO DE ESPANHA • Chamado de “el Hechizado”, o enfeitiçado, Carlos II foi o último Habsburgo espanhol. Em virtude da intensa endogamia, casamentos entre parentes muito próximos, o rei acumulava uma série de deformidades e sua saúde era precária. • Morreu sem deixar herdeiros e iniciou-se uma disputa entre Luís XIV e os Habsburgos austríacos, que governavam o Sacro Império pelo trono espanhol e suas muitas colônias. Carlos II (1665-1700)
  • 44. GUERRA DE SUCESSÃO AO TRONO DE ESPANHA • Luís XIV, filho de uma princesa espanhola e casado com uma princesa Habsburgo, queria o trono para um de seus netos, Filipe. • A possibilidade de uma futura união das coroas de França e Espanha mobilizou as potências europeias. • A Guerra estendeu-se de 1700 à 1714. A Inglaterra apoiou o Império, mas quando o candidato do Império, o Arquiduque Charles, tornou-se imperador, decidiu-se pela negociação. Rei Filipe V (1683-1746)
  • 45. GUERRA DE SUCESSÃO AO TRONO DE ESPANHA • Nem França, nem Inglaterra, Holanda, Portugal (que mudou de lado no conflito) além de outros envolvidos desejava um Habsburgo governando a Espanha e o Império. Buscou- se um acordo. • Pelo Tratado de Utrecht I (1713), o neto de Luís XIV ganhou o trono da Espanha, mas teve que abrir mão de qualquer direito de sucessão na França. A Inglaterra ganhava o direito de fornecer escravos (Assiento) para todas as colônias da Espanha O arquiduque Carlos tornou-se imperador em 1711.
  • 46. INGLATERRA NORMANDA • Os normandos ocuparam a Inglaterra em 1066. Seu líder, o duque Guilherme, tornou-se rei e manteve suas terras na França. • Com os normandos foi trazido para a Inglaterra o modelo feudal com alguns ajustes: o rei guardou muitas terras para si, os grandes barões tinham terras descontínuas, havia um rascunho de sistema de justiça e impostos nas mãos do rei, além de camponeses livres a disposição de suas tropas. • Fragmento da Tapeçaria de Bayeux, que narra a conquista normanda.
  • 47. O REI SE CURVA • Nos séculos XII-XIII, a má administração e os conflitos com o rei da França, a nobreza, a Igreja e mesmo o povo comum debilitaram os reis ingleses. • Em 1215, a nobreza, com o apoio da Igreja e da burguesia impôs ao rei João Sem Terra (1199-1216) a Magna Carta. • A Magna Carta é uma declaração de direitos feudais em que cada um dos envolvidos (rei, nobreza, clero e o povo comum) tem seus direitos e deveres reconhecidos. Página 1 da Magna Carta, cópia da Biblioteca do Congresso Norte Americano.
  • 48. O PARLAMENTO • Criado em 1258 para moderar as ações do rei Henrique III (1216- 1272). Inicialmente, tratava-se de um conselho (*imposto*) de nobre e clérigos. No governo de Eduardo I (1272-1307) passou a receber também petições populares, mas somente se reunia a pedido do rei. • Se o rei, ou rainha era forte, pouco convocava e consultava o Parlamento. • No entanto, se o rei desejasse criar novos impostos, deveria convocar o Parlamento que, neste caso, contava com a participação de burgueses e da pequena nobreza. Parlamento de Eduardo I, manuscrito do século XVI.
  • 49. A GUERRA DAS DUAS ROSAS • O último Plantageneta, Ricardo II, foi deposto em 1399 por uma revolta da nobreza e os Lancaster assumem o trono. Preso na Torre de Londres, ele foi executado no ano seguinte. • Perdida a Guerra dos Cem Anos, os Lancaster e os York passam a lutar pelo trono. Interesses mercantis (Lancaster/rosa vermelha) contra as antigas estruturas feudais (York/rosa branca), estamos na Guerra das Duas Rosas (1455-1485). •
  • 50. A GUERRA DAS DUAS ROSAS • A guerra enfraqueceu a nobreza senhora de terras, pois muitas famílias foram dizimadas. • Empobrecidos, muitos nobres passaram a arrendar suas terras para burgueses ricos ou membros da pequena nobreza (gentry). A resistência feudal estava morta na Inglaterra. • O fim da guerra colocou no poder Henrique VII que sem grandes entraves para fortalecimento do poder real. • Com os Tudor (Henrique VII, Henrique VIII, Eduardo VI, Mary I e Elizabeth I) temos o breve absolutismo inglês. Ricardo III (1483- 85) foi o último monarca da casa de York e o último rei da Inglaterra a morrer em combate.
  • 51. HENRIQUE VIII E ELIZABETH I • Dentro da dinastia Tudor, Henrique VIII (1509-1547) foi quem exercitou ao máximo o poder absoluto, rompeu com o catolicismo, tornando-se chefe da nova Igreja Anglicana. • Tomou as terras da igreja e dissolveu os mosteiros. Tais expropriações que lhe deram riqueza suficiente para não se incomodar com o Parlamento. • Eliminou sem piedade todos os que se opunham a ele, ou podiam ameaçar seu poder. A grande nobreza debilitada não tinha como opor grande resistência.
  • 52. ERA ELISABETANA • O governo de Elizabeth I é chamado de Era ou Período Elisabetano (1558-1603). É o ápice da renascença inglesa, na qual se viu florescer a literatura e a poesia do país sendo William Shakespeare, o grande destaque. Francis Bacon, um dos pais da ciência moderna, viveu na Inglaterra da época. • Foi marcada pela expansão marítima e pela derrota da Invencível Armada lançada sobre a Inglaterra por Felipe II, rei da Espanha, em 1588. “Darnley Portrait”, c. de 1575.
  • 53. Nascida em 1533, reinou de 1558 até 1603.Apesar de chefe da Igreja Anglicana, permitiu que católicos e outros protestante tivessem liberdade religiosa. Corsários ingleses saqueavam galeões e colônias da Espanha. Virginia, a primeira colônia inglesa na América, recebeu o nome em sua homenagem. Para não ter que recorrer ao Parlamento, vendeu terras pertencentes à Coroa. Convocou o Parlamento apenas 13 vezes em 45 anos de governo. Sua poderosa rede de espiões agia dentro e fora da Inglaterra. Evitou se envolver nos conflitos religiosos do continente.
  • 54. DINASTIA STUART • Com a morte de Elizabeth I sem deixar herdeiros, seu primo, Jaime VI da Escócia, tornou-se também rei da Inglaterra. • Jaime reforçou o absolutismo baseado na ideia de direito divino dos reis e pela imposição do anglicanismo. Promoveu a caça às bruxas e patrocinou uma tradução oficial da Bíblia conhecida como King James Bible (1611). • Entrou em conflito com o Parlamento, que foi dissolvido (1614), e criou novos impostos. Jaime I (1603-1625)
  • 55. DINASTIA STUART • Em 1605, foi desmantelada a Conspiração da Pólvora, também chamada de Traição Jesuíta. Um grupo de católicos, insatisfeitos com a perseguição promovida pelo rei, pretendiam explodir o Parlamento na abertura dos trabalhos em 5 de novembro. Guy Fawkes, um soldado católico, foi preso colocando os barris de pólvora no porão do prédio. • Desbaratada a conspiração, o rei tornou ainda mais dura a perseguição aos católicos. • Os puritanos também foram duramente perseguidos, por conta disso, ocorreu em 1620, a viagem do Mayflower levando os chamados de peregrinos ou pais peregrinos (pilgrim fathers). Eles fundaram a colônia de Plymouth, em Massachusetts. • Os puritanos e outras minorias religiosas viam a América como a “terra prometida” e são chamados de “pais fundadores da nação”.
  • 56. DINASTIA STUART • O sucessor de Jaime I, seu filho Carlos, continuou com o projeto de fortalecimento do poder real. • Obrigado pelo Parlamento a assinar a Petição dos Direitos, que exigia do rei o compromisso de não criar novos impostos de forma irregular, dissolveu a assembleia. O rei reativou velhas taxas medievais e estendeu o “ship money”, cobrado de algumas cidades costeiras, a todo o país. • A tentativa de imposição do anglicanismo na Escócia gerou uma revolta. Carlos I (1625-1649)
  • 57. DINASTIA STUART • Precisando de recursos, teve que recorrer ao Parlamento que fez uma série de exigências, como o fim do “ship money”. • Atendido, o Parlamento permitiu o aumento de impostos. • Em 1641, houve uma revolta na Irlanda, que tinha sido duramente tratada pelo rei anterior. • Carlos queria recursos do Parlamento, que exigiu que o rei submetesse à assembleia a escolha de seus conselheiros. A recusa do rei e sua tentativa de prender os líderes do Parlamento, conduziu à guerra civil. • Os puritanos, liderados por Oliver Cromwell e chamados de cabeças redondas, ou ironsides, terminaram por vencer o conflito. O rei, capturado, foi condenado à morte e decapitado em 30 de janeiro de 1649.
  • 58. • Execução de Carlos I, um evento sem precedentes e que colocava em questão a tese do direito divino dos reis.
  • 59. • É permitido o uso dos slides desde que citada a fonte. • 07 de agosto de 2019. • Contato: shoujofan@gmail.com Henrietta Maria de França (1609-69), esposa católica de Carlos I.