SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 91
IMPERIALISMO, BELLE ÉPOQUE EIMPERIALISMO, BELLE ÉPOQUE E
PRIMEIRA GUERRA MUNDIALPRIMEIRA GUERRA MUNDIAL
(1914-1918)(1914-1918)
PROF. DOUGLAS BARRAQUI
ANTECEDENTES DA GUERRA
 Imperialismo ou
neocolonialismo:
 Processo de dominação
política e econômica
estabelecido pelas potências
capitalistas emergentes ao
longo do século XIX e início
do século XX.
 Objetivo:
 Partilha da África e da Ásia.
Segunda metade do
século XIX
INDUSTRIALIZAÇÃO
Desenvolvimento
tecnológico
Alemanha;
Áustria-Hungria;
Inglaterra;
França;
NECESSIDADES:
Matéria Prima;
Mercado consumidor;
Resolver o problema do excedente
populacional;
IMPERIALISMO
Fundamental ao desenvolvimento
industrial e expansão do Capitalismo
Grandes potencias industriais estavam
determinadas a assegurar e alargar suas
áreas de influência
COLONIALISMO
(SÉC. XVI)
NEOCOLONIALISMO
SÉC. XIX e XX
AREA DE DOMINAÇÃO Ásia, África e América África e Ásia
FASE DO
CAPITALISMO
Capitalismo Comercial Capitalismo Industrial
Financeiro
POTENCIAS
IMPERIALISTAS Portugal e Espanha
Inglaterra, Itália,
França, Alemanha
OBJETIVO Matéria Prima
Pacto-colonial
Matéria Prima,
Mercado Consumidor e
investimentos.
JUSTIFICATIVA Fé Católica
Eurocentrismo,
“Missão Civilizadora”
Divisão da África
ANTECEDENTES DA GUERRA
O triunfo do modo de vida burguês: A
“Belle Époque”
Período entre 1871 e 1914, marcado por:
Otimismo;
Paz;
Prosperidade Econômica;
Progresso (Avanços tecnológicos)
“A indústria do Divertimento”
Frequentar parque de
diversão e cinemas;
Diminuição da jornada de trabalho
Pessoas passaram a ler mais livros
A cultura da moda
Richard Trevithick
Primeira Locomotiva a Vapor 1804.
Progresso em forma de avanços
tecnológicos
Samuel Finley Breese Morse
Em 1835 construiu seu primeiro protótipo
funcional de um telégrafo.
Progresso em forma de avanços
tecnológicos
Alexander Graham Bell,
Em 1876 apresentou o telefone e
patenteou seu invento.
Progresso em forma de avanços
tecnológicos
Karl Friedrich Benz
Engenheiro de automóveis alemão.
Desenvolveu 1885 o automóvel movido a
gasolina
Progresso em forma de avanços
tecnológicos
Progresso em forma de
avanços tecnológicos
Ferdinand Adolf von Zeppelin
Militar, general alemão. Realizou primeiro voo
do dirigível em 1900.
Progresso em forma de avanços
tecnológicos
Ford T
 Lançado 1908;
 Popularizou a indústria
automotiva;
 Velocidade máxima: 55 km/h
 Aeronauta, esportista é
considerado como o inventor do
dirigível, do avião e do ultraleve.
 Primeiro a decolar a bordo de um
avião impulsionado por um motor a
gasolina.
Alberto Santos Dumont
Progresso em forma de avanços
tecnológicos
Progresso em forma de avanços
tecnológicos
• "inafundável"
dizia um
folheto
publicitário
de 1910, da
White Star
Line,
• Madrugada
do dia 15 de
abril de 1912
Fatores que levaram a Primeira
Guerra:
Corrida imperialista;
Inglaterra perdia supremacia
industrial para o rápido
crescimento da Alemanha;
França queria revanche por
ter perdido as ricas regiões de
Alsácia e Lorena para a
Alemanha na Guerra Franco
Prussiana (1870-1871)
Disputas por colônias na
África e Ásia;
Fatores que levaram a Primeira
Guerra:
Nacionalismo
Pan-germanismo
Movimento político do século XIX que defendia a união dos povos
germânicos da Europa central.
Pan-eslavismo
Movimento político e sociocultural do século XIX, que buscava a união de
todos os povos eslavos.
Bandeira Pan-Eslava aprovada na
convenção Pan-Eslava de Praga em 1848.
Primeira bandeira de guerra utilizada pela
Confederação Germânica
Fatores que levaram a Primeira
Guerra:
Formação das alianças
 A corrida armamentista:
“a Paz Armada”
Morteiro MinenweferFatores que levaram a Primeira
Guerra:
OS NOVOS ARMAMENTOS
BAIONETA
Rifle Short Magazine Lee-
Enfield com uma baioneta
de 42cm acoplada
OS NOVOS ARMAMENTOS
Pistola
Pistola Luger 9mm P08
Usada pela Marinha britânica,
embora possuía cano único era
destruidora. Essa metralhadora
também ganhou uma versão de cano
duplo
METRALHADORA
GARDNER DE CANO ÚNICO
OS NOVOS ARMAMENTOS
Com 37 canos foi adotada
pelo exército Francês.
METRAILLEUSE DE
MONTIGNY
OS NOVOS ARMAMENTOS
 A Gatling entrou em ação pela primeira na guerra civil
americana, só foi oficialmente adotada pelo exército em 1866.
Posteriormente foi usada por muitos países da Europa.
METRALHADORA
AMERICANA GATLING
OS NOVOS ARMAMENTOS
Metralhadora média Britânica
perderia espaço para a
poderosa Vickers.
METRALHADORA
303 POL. MAXIN MARC 3
OS NOVOS ARMAMENTOS
Metralhadora média Britânica
METRALHADORA
VICKERS
OS NOVOS ARMAMENTOS
Desenhada por um
engenheiro alemão, prática,
leve e muito confiável.
METRALHADORA
SCHWARZLOSE
OS NOVOS ARMAMENTOS
LANÇA CHAMAS
OS NOVOS ARMAMENTOS
Rolls Royce
Rolls-Royce, totalmente revestidos de
armadura e com uma torre giratória
dotada de uma metralhadora Vickers
7,65 mm baseados em um chassi do
medlo Rolls-Royce Silver Ghost.
OS NOVOS ARMAMENTOS
TANQUE
FRANCÊS
ST. CHAMOND
OS NOVOS ARMAMENTOS
O tanque francês
St. Chamond foi o
tanque mais
pesado produzido
durante a Primeira
Guerra Mundial.
Após insucessos
iniciais em meados
de 1917, as falhas
apontadas pelas
tripulações e
oficiais de campo,
levaram à produção
de novos modelos
introduzidos na
frente de batalha
O A7V foi o único tanque alemão
produzido durante a Primeira
Guerra Mundial. Seu
desenvolvimento ocorreu
somente no final da guerra.A7V ALEMÃO
OS NOVOS ARMAMENTOS
Tanque médio movido com
motor Gás-Elétrico
Holt
OS NOVOS ARMAMENTOS
Carro de combate britânico
Mark I
OS NOVOS ARMAMENTOS
OS NOVOS ARMAMENTOS
Foi um carro de combate pesado
desenvolvido pela França para a
Primeira Guerra Em um desses
tanques a carga explosiva falhou
e ele acabou por ser capturado
pelos alemães e enviado à
Berlim, onde foram capturados
pelos soviéticos no fim da guerra.
O CHAR 2C (CONHECIDO
TAMBÉM COMO FCM 2C)
OS NOVOS ARMAMENTOS
SCHLANKE EMMA
Canhão utilizado
pelo Império
Austro-Húngaro
construído pela
empresa Skoda
cuja denominação
oficial era:
Belagerungsmörs
er 30,5 cm M11.
OS NOVOS ARMAMENTOS
Ordnance BL 5Canhão britânico
OS NOVOS ARMAMENTOS
U-Boot
OS NOVOS ARMAMENTOS
U-Boot SM UC-1 da classe Tipo UC I
(Primeira Guerra Mundial).
Airco
DH.2
Airco DH.2 era um monomotor biplano das
Força Aérea Britânica
OS NOVOS ARMAMENTOS
OS NOVOS ARMAMENTOS
Airco DH.10
foi um bombardeiro bimotor
médio britânico projetado e usado
logo antes do fim da Primeira
Guerra Mundial. Ele foi usado
durante um curto período pela
RAF.
OS NOVOS ARMAMENTOS
Armas químicas
Armas químicas nos campos de batalha, tática empregada por ambos
os lados. O gás mostarda foi uma das substâncias mais utilizadas;
Também houve emprego de gás lacrimogêneo, cloro e outros produtos
químicos,
OS NOVOS ARMAMENTOS
Estopim da guerra:
Assassinato de F. Ferdinando
28 de junho de 1914
Estopim da guerra:
Gavrilo Princip
Princip (dir.) sendo preso após assassinar o
arquiduque Francisco Fernando.
Fases da guerra:
Guerra de movimento Guerra de Trincheiras
Guerra de movimento
 Movimentação das tropas alemãs para invadir para invadir o território
francês;
 Porém as tropas teriam, incondicionalmente, que passar pelo território
belga;
 Quanto as tropas alemãs invadiram a Bélgica a Inglaterra declarou guerra
a Alemanha.
Guerra de Trincheiras
Uma trincheira típica tinha
pouco mais de 2 m de
profundidade e cerca de 1,80 m
de largura. À frente e atrás,
largas fileiras de sacos de areia,
com quase 1 m de altura,
aumentavam a proteção. Havia
ainda um degrau de tiro, 0,5 m
acima do chão. Ele era usado
por sentinelas de vigia e na hora
de atirar contra o inimigo
Guerra de Trincheiras
Os “banheiros” eram latrinas: buracos no chão com 1,5
m de profundidade. Quando estavam quase
preenchidas, eram cobertas com terra e escavavam-se
novos buracos – trabalho feito em geral por soldados
que levavam alguma punição. Quando não dava tempo
de chegar até a latrina, o jeito era mandar ver na cratera
de bomba mais próxima…
Guerra de
Trincheiras
A linha de frente para o inimigo não era a
única trincheira. Havia outras linhas na
retaguarda, interligadas por caminhos
escavados na terra. Esses caminhos
levavam também a abrigos usados como
hospitais, postos de comando ou
depósitos. Escorados por madeira, eram
abrigos subterrâneos e não a céu aberto
como as trincheiras
Guerra de Trincheiras
O terror da guerra e a quase insuportável
vida nas trincheiras enlouquecia muitos
soldados. Alguns feriam a si próprios para
serem mandados de volta pra casa –
fraude que, se descoberta, podia ser
punida com fuzilamento! Os mais
desesperados saíam da trincheira para ser
mortos pelo inimigo
Guerra de Trincheiras
Proteção barata e eficiente,
os sacos de areia eram
capazes de barrar os tiros
inimigos. As balas dos fuzis
da época só penetravam
cerca de 40 cm neles. Eram
tão úteis que cada soldado
sempre carregava dois
sacos vazios, que podia
encher rapidamente para se
proteger
Corpos em decomposição,
enterrados em covas
rasas perto das
trincheiras, atraíam ratos,
que proliferavam sem
controle.Além de transmitir
doenças, eles chegavam a
roubar comida do bolso
dos soldados e a roer o
corpo dos feridos! Na total
falta de higiene, piolhos
disseminavam a febre das
trincheiras, doença
contraída por mais de 10%
dos soldados
Guerra de
Trincheiras
EUA entram na guerra
Abril de 1917 – submarinos
alemães atacam navios
norte-americanos.
 Novos armamentos;
 Mais recursos;
 Mais soldados;
 A guerra muda de lado;
Em Maio de 1915, o U-Boot U-20 afundou o RMS Lusitania. Historiadores acreditam
que o Lusitania transportava 10 toneladas de armas abordo, tornando-o um alvo
válido sob as leis internacionais.
Tratado de Versalhes
A Paz dos Vencedores
 Assinado em 28 de junho de
1919;
 A responsabilidade pelo conflito
mundial recai sobre a Alemanha,
 Alemanha é obrigada a cumprir
uma série de exigências
políticas, econômicas e militares.
 Estas exigências foram impostas
à Alemanha pelas nações
vencedoras da Primeira Guerra,
principalmente Inglaterra e
França.
Autoridades reunidas: Lloyd George, Vittorio Emanuele Orlando, Georges
Clemenceau e o americano Woodrow Wilson
 Admissão de culpa e responsabilidade única
da Alemanha pela ocorrência da Grande
Guerra
 Proibição da união entre Alemanha e Áustria;
 Compromisso de reparações financeiras 132
milhões de marcos-ouro;
 Devolução da Alsácia e da Lorena à França;
 As colônias na África foram incorporadas a
Inglaterra, Francia e Bélgica;
 As colônias do pacífico passaram para o
domínio japonês e inglês;
 O exercito foi reduzido a 100 mil homens;
Tratado de Versalhes
A Paz dos Vencedores
 Declínio da economia
européia;
 EUA ascendem como
grande potência;
 Domínio monetário do
dólar;
 Crise financeira na
Europa;
 Diminuição da
produção agrícola e
industrial;
8 milhões de
pessoas morreram.
20 milhões de
pessoas ficaram
inválidas.
30% da riqueza da
França foi consumida
pela guerra.
22% da riqueza
inglesa foi consumida
pela guerra.
Os Estados Unidos
perderam 115 mil
soldados e 36 bilhões
de dólares.
Saldo da Guerra
“Você está
nisso”?
 Cartaz de Robert Baden
Powell – fundador do
escotismo.
 mostra soldados e
outros cidadãos
ocupados com o
trabalho na guerra;
 Objetivo do cartaz era
de incentivar alistamento
obrigatório na Inglaterra;
 um pensativo e bem
vestido homem os observa.
 O homem está sendo
pressionado a se alistar.
O Papel dos
Homens
 O papel dos homens era o
de estarem na linha de
frente dos combates.
O Papel das
Mulheres
 Cuidavam dos feridos,
crianças e idosos;
 Assumiram trabalho nas
fábricas de munição e
armas;
REFERÊNCIAS
• CAPELLARI, Marcos Alexandre; NOGUEIRA, Fausto Henrique
Gomes. História: ser protagonista - Volume único. Ensino Médio.
1ª Ed. São Paulo: SM. 2010.
• COTRIM, Gilberto. História Global – Brasil e Geral. Volume Único.
Ensino Médio. 8ª Ed. São Paulo: Saraiva 2005.
• Projeto Araribá: História – 7º ano. /Obra coletiva/ São Paulo:
Editora Moderna, 2010. Editora Responsável: Maria Raquel
Apolinário Melani.
• AZEVEDO, Gislane Campos; SERIACOPI, Reinaldo. Projeto
Teláris: história 7 ano. São Paulo: Ática, 1º ed., 2012.
• http://www.centralinternet.com.br/professortarcivan.blogspot.com.br
• http://mautexjrhistory.blogspot.com.br/2013/03/a-guerra-de-
trincheiras-mundo-estranho.html
• http://www.wdl.org/pt/item/4540/

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

2° ano - Brasil Império: Segundo Reinado
2° ano  - Brasil Império: Segundo Reinado2° ano  - Brasil Império: Segundo Reinado
2° ano - Brasil Império: Segundo ReinadoDaniel Alves Bronstrup
 
Primeiro Reinado (1822-1831)
Primeiro Reinado (1822-1831)Primeiro Reinado (1822-1831)
Primeiro Reinado (1822-1831)Edenilson Morais
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundialFatima Freitas
 
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
3º ano - Ditadura Militar e RedemocratizaçãoDaniel Alves Bronstrup
 
História 9º ano slide Guerra Fria
História   9º ano slide Guerra FriaHistória   9º ano slide Guerra Fria
História 9º ano slide Guerra FriaJanaína Bindá
 
Apresentação Revolução Russa
Apresentação Revolução RussaApresentação Revolução Russa
Apresentação Revolução Russamarcosfm32
 
Revoltas na República Velha
Revoltas na República VelhaRevoltas na República Velha
Revoltas na República VelhaEdenilson Morais
 
PPT - Revolução Russa de 1917
PPT - Revolução Russa de 1917PPT - Revolução Russa de 1917
PPT - Revolução Russa de 1917josafaslima
 
9º ano história rafa - era vargas
9º ano   história   rafa  - era vargas9º ano   história   rafa  - era vargas
9º ano história rafa - era vargasRafael Noronha
 
A primeira guerra mundial slides
A primeira guerra mundial   slidesA primeira guerra mundial   slides
A primeira guerra mundial slidesJuliana_hst
 
Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América EspanholaAulas de História
 
Era Vargas – 1937-1945 – O Estado Novo
Era Vargas – 1937-1945 – O Estado Novo Era Vargas – 1937-1945 – O Estado Novo
Era Vargas – 1937-1945 – O Estado Novo Valéria Shoujofan
 

Mais procurados (20)

3º ano primeira guerra mundial
3º ano   primeira guerra mundial3º ano   primeira guerra mundial
3º ano primeira guerra mundial
 
2° ano - Brasil Império: Segundo Reinado
2° ano  - Brasil Império: Segundo Reinado2° ano  - Brasil Império: Segundo Reinado
2° ano - Brasil Império: Segundo Reinado
 
Primeiro reinado
Primeiro reinadoPrimeiro reinado
Primeiro reinado
 
Primeiro Reinado (1822-1831)
Primeiro Reinado (1822-1831)Primeiro Reinado (1822-1831)
Primeiro Reinado (1822-1831)
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
 
3º ano - Brasil de 1945 a 1964.
3º ano - Brasil de 1945 a 1964.3º ano - Brasil de 1945 a 1964.
3º ano - Brasil de 1945 a 1964.
 
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
 
História 9º ano slide Guerra Fria
História   9º ano slide Guerra FriaHistória   9º ano slide Guerra Fria
História 9º ano slide Guerra Fria
 
Getulio vargas
Getulio vargasGetulio vargas
Getulio vargas
 
Apresentação Revolução Russa
Apresentação Revolução RussaApresentação Revolução Russa
Apresentação Revolução Russa
 
Neocolonialismo geral2
Neocolonialismo geral2Neocolonialismo geral2
Neocolonialismo geral2
 
Revoltas na República Velha
Revoltas na República VelhaRevoltas na República Velha
Revoltas na República Velha
 
Revolução Cubana
Revolução CubanaRevolução Cubana
Revolução Cubana
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
 
PPT - Revolução Russa de 1917
PPT - Revolução Russa de 1917PPT - Revolução Russa de 1917
PPT - Revolução Russa de 1917
 
9º ano história rafa - era vargas
9º ano   história   rafa  - era vargas9º ano   história   rafa  - era vargas
9º ano história rafa - era vargas
 
A primeira guerra mundial slides
A primeira guerra mundial   slidesA primeira guerra mundial   slides
A primeira guerra mundial slides
 
Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América Espanhola
 
República velha
República velhaRepública velha
República velha
 
Era Vargas – 1937-1945 – O Estado Novo
Era Vargas – 1937-1945 – O Estado Novo Era Vargas – 1937-1945 – O Estado Novo
Era Vargas – 1937-1945 – O Estado Novo
 

Destaque

A Belle Époque no Brasil
A Belle Époque no BrasilA Belle Époque no Brasil
A Belle Époque no Brasilshviana
 
Extração da borracha amazônia
Extração da borracha amazôniaExtração da borracha amazônia
Extração da borracha amazôniaJéssica Domaszak
 
A Belle Époque e As Feiras Internacionais do Século XIX
A Belle Époque e As Feiras Internacionais do Século XIXA Belle Époque e As Feiras Internacionais do Século XIX
A Belle Époque e As Feiras Internacionais do Século XIXtsgsolucoes
 
Arte e literatura na Belle Époque
Arte e literatura na Belle ÉpoqueArte e literatura na Belle Époque
Arte e literatura na Belle Époqueshviana
 

Destaque (11)

A Belle Époque no Brasil
A Belle Époque no BrasilA Belle Époque no Brasil
A Belle Époque no Brasil
 
BELLE ÉPOQUE
BELLE ÉPOQUEBELLE ÉPOQUE
BELLE ÉPOQUE
 
Belle Époque - Prof.Altair Aguilar.
Belle Époque - Prof.Altair Aguilar.Belle Époque - Prof.Altair Aguilar.
Belle Époque - Prof.Altair Aguilar.
 
Extração da borracha amazônia
Extração da borracha amazôniaExtração da borracha amazônia
Extração da borracha amazônia
 
belle epoqué
belle epoquébelle epoqué
belle epoqué
 
A Belle Époque e As Feiras Internacionais do Século XIX
A Belle Époque e As Feiras Internacionais do Século XIXA Belle Époque e As Feiras Internacionais do Século XIX
A Belle Époque e As Feiras Internacionais do Século XIX
 
Arte e literatura na Belle Époque
Arte e literatura na Belle ÉpoqueArte e literatura na Belle Époque
Arte e literatura na Belle Époque
 
Ciclo da Borracha
Ciclo da BorrachaCiclo da Borracha
Ciclo da Borracha
 
Ciclo da borracha
Ciclo da borrachaCiclo da borracha
Ciclo da borracha
 
1 ciclo da borracha
1 ciclo da borracha1 ciclo da borracha
1 ciclo da borracha
 
Ciclos Da Borracha Pdf
Ciclos Da Borracha PdfCiclos Da Borracha Pdf
Ciclos Da Borracha Pdf
 

Semelhante a Imperialismo, Belle Époque e Primeira Guerra Mundial

Semelhante a Imperialismo, Belle Époque e Primeira Guerra Mundial (20)

I Guerra Mundial - aula 1
I Guerra Mundial -  aula 1I Guerra Mundial -  aula 1
I Guerra Mundial - aula 1
 
A primeira guerra mundial
A primeira guerra mundialA primeira guerra mundial
A primeira guerra mundial
 
A primeira guerra mundial
A primeira guerra mundialA primeira guerra mundial
A primeira guerra mundial
 
A 1ª guerra mundial
A 1ª guerra mundialA 1ª guerra mundial
A 1ª guerra mundial
 
A 1ª guerra mundial
A 1ª guerra mundialA 1ª guerra mundial
A 1ª guerra mundial
 
A 1ª guerra mundial
A 1ª guerra mundialA 1ª guerra mundial
A 1ª guerra mundial
 
GUERRAS MUNDIAIS - PRIMEIRA GUERRA
GUERRAS MUNDIAIS -  PRIMEIRA GUERRA GUERRAS MUNDIAIS -  PRIMEIRA GUERRA
GUERRAS MUNDIAIS - PRIMEIRA GUERRA
 
1ª guerra
1ª guerra1ª guerra
1ª guerra
 
A 1ª guerra mundial
A 1ª guerra mundialA 1ª guerra mundial
A 1ª guerra mundial
 
Primeira guerra
Primeira guerraPrimeira guerra
Primeira guerra
 
Imperialismo e I Guerra Mundial (1914–1918)
Imperialismo e I Guerra Mundial (1914–1918)Imperialismo e I Guerra Mundial (1914–1918)
Imperialismo e I Guerra Mundial (1914–1918)
 
Aula 3 [3-2022] - A caminho da guerra.pptx
Aula 3 [3-2022] - A caminho da guerra.pptxAula 3 [3-2022] - A caminho da guerra.pptx
Aula 3 [3-2022] - A caminho da guerra.pptx
 
A primeira guerra mundial
A primeira guerra mundialA primeira guerra mundial
A primeira guerra mundial
 
A primeira guerra mundial
A primeira guerra mundialA primeira guerra mundial
A primeira guerra mundial
 
1 guerra mundial
1 guerra mundial1 guerra mundial
1 guerra mundial
 
3series cap32primeira guerra2
3series cap32primeira guerra23series cap32primeira guerra2
3series cap32primeira guerra2
 
3series cap32primeira guerra2
3series cap32primeira guerra23series cap32primeira guerra2
3series cap32primeira guerra2
 
3series cap32primeira guerra2
3series cap32primeira guerra23series cap32primeira guerra2
3series cap32primeira guerra2
 
Apogeu_e_declínio_da_influência_europeia.pptx
Apogeu_e_declínio_da_influência_europeia.pptxApogeu_e_declínio_da_influência_europeia.pptx
Apogeu_e_declínio_da_influência_europeia.pptx
 
A Grande Guerra
A Grande GuerraA Grande Guerra
A Grande Guerra
 

Mais de Douglas Barraqui

FILOSOFIA - MÓDULO 01 - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - MÓDULO 01 - O QUE É O SER HUMANO?FILOSOFIA - MÓDULO 01 - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - MÓDULO 01 - O QUE É O SER HUMANO?Douglas Barraqui
 
INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLA
INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLAINDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLA
INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLADouglas Barraqui
 
SOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADE
SOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADESOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADE
SOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADEDouglas Barraqui
 
A BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃO
A BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃOA BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃO
A BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃODouglas Barraqui
 
OS PRIMÓRDIOS DA FILOSOFIA GREGA
OS PRIMÓRDIOS DA FILOSOFIA GREGAOS PRIMÓRDIOS DA FILOSOFIA GREGA
OS PRIMÓRDIOS DA FILOSOFIA GREGADouglas Barraqui
 
FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTAS
FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTASFORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTAS
FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTASDouglas Barraqui
 
SOCIOLOGIA - DURKHEIM E WEBER
SOCIOLOGIA - DURKHEIM E WEBERSOCIOLOGIA - DURKHEIM E WEBER
SOCIOLOGIA - DURKHEIM E WEBERDouglas Barraqui
 
MÓDULO 01 – POSITIVISMO E REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
MÓDULO 01 – POSITIVISMO E REVOLUÇÃO INDUSTRIALMÓDULO 01 – POSITIVISMO E REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
MÓDULO 01 – POSITIVISMO E REVOLUÇÃO INDUSTRIALDouglas Barraqui
 
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?Douglas Barraqui
 
HIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINA
HIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINAHIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINA
HIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINADouglas Barraqui
 
História da américa anglo saxônica
História da américa anglo saxônicaHistória da américa anglo saxônica
História da américa anglo saxônicaDouglas Barraqui
 
Revolução Socialista na China e a Guerra do Vietnã
Revolução Socialista na China e a Guerra do VietnãRevolução Socialista na China e a Guerra do Vietnã
Revolução Socialista na China e a Guerra do VietnãDouglas Barraqui
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilDouglas Barraqui
 
Releitura das obras de Nice Nascimento Avanza
Releitura das obras de Nice Nascimento AvanzaReleitura das obras de Nice Nascimento Avanza
Releitura das obras de Nice Nascimento AvanzaDouglas Barraqui
 
Fenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persasFenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persasDouglas Barraqui
 
Período Entre Guerras e Segunda Guerra
Período Entre Guerras e Segunda GuerraPeríodo Entre Guerras e Segunda Guerra
Período Entre Guerras e Segunda GuerraDouglas Barraqui
 
Das Revoluções Inglesa à Revolução Industrial
Das Revoluções Inglesa à Revolução IndustrialDas Revoluções Inglesa à Revolução Industrial
Das Revoluções Inglesa à Revolução IndustrialDouglas Barraqui
 

Mais de Douglas Barraqui (20)

FILOSOFIA - MÓDULO 01 - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - MÓDULO 01 - O QUE É O SER HUMANO?FILOSOFIA - MÓDULO 01 - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - MÓDULO 01 - O QUE É O SER HUMANO?
 
INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLA
INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLAINDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLA
INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLA
 
SOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADE
SOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADESOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADE
SOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADE
 
A BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃO
A BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃOA BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃO
A BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃO
 
OS PRIMÓRDIOS DA FILOSOFIA GREGA
OS PRIMÓRDIOS DA FILOSOFIA GREGAOS PRIMÓRDIOS DA FILOSOFIA GREGA
OS PRIMÓRDIOS DA FILOSOFIA GREGA
 
FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTAS
FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTASFORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTAS
FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTAS
 
SOCIOLOGIA - DURKHEIM E WEBER
SOCIOLOGIA - DURKHEIM E WEBERSOCIOLOGIA - DURKHEIM E WEBER
SOCIOLOGIA - DURKHEIM E WEBER
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 
MÓDULO 01 – POSITIVISMO E REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
MÓDULO 01 – POSITIVISMO E REVOLUÇÃO INDUSTRIALMÓDULO 01 – POSITIVISMO E REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
MÓDULO 01 – POSITIVISMO E REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
 
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
 
HIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINA
HIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINAHIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINA
HIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINA
 
SEGUNDA GRANDE GUERRA
SEGUNDA GRANDE GUERRASEGUNDA GRANDE GUERRA
SEGUNDA GRANDE GUERRA
 
História da américa anglo saxônica
História da américa anglo saxônicaHistória da américa anglo saxônica
História da américa anglo saxônica
 
Revolução Socialista na China e a Guerra do Vietnã
Revolução Socialista na China e a Guerra do VietnãRevolução Socialista na China e a Guerra do Vietnã
Revolução Socialista na China e a Guerra do Vietnã
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasil
 
Grandes Navegações
Grandes NavegaçõesGrandes Navegações
Grandes Navegações
 
Releitura das obras de Nice Nascimento Avanza
Releitura das obras de Nice Nascimento AvanzaReleitura das obras de Nice Nascimento Avanza
Releitura das obras de Nice Nascimento Avanza
 
Fenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persasFenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persas
 
Período Entre Guerras e Segunda Guerra
Período Entre Guerras e Segunda GuerraPeríodo Entre Guerras e Segunda Guerra
Período Entre Guerras e Segunda Guerra
 
Das Revoluções Inglesa à Revolução Industrial
Das Revoluções Inglesa à Revolução IndustrialDas Revoluções Inglesa à Revolução Industrial
Das Revoluções Inglesa à Revolução Industrial
 

Último

Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Centro Jacques Delors
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 

Último (20)

Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
Em tempo de Quaresma .
Em tempo de Quaresma                            .Em tempo de Quaresma                            .
Em tempo de Quaresma .
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 

Imperialismo, Belle Époque e Primeira Guerra Mundial

  • 1. IMPERIALISMO, BELLE ÉPOQUE EIMPERIALISMO, BELLE ÉPOQUE E PRIMEIRA GUERRA MUNDIALPRIMEIRA GUERRA MUNDIAL (1914-1918)(1914-1918) PROF. DOUGLAS BARRAQUI
  • 2. ANTECEDENTES DA GUERRA  Imperialismo ou neocolonialismo:  Processo de dominação política e econômica estabelecido pelas potências capitalistas emergentes ao longo do século XIX e início do século XX.  Objetivo:  Partilha da África e da Ásia.
  • 3. Segunda metade do século XIX INDUSTRIALIZAÇÃO Desenvolvimento tecnológico Alemanha; Áustria-Hungria; Inglaterra; França; NECESSIDADES: Matéria Prima; Mercado consumidor; Resolver o problema do excedente populacional; IMPERIALISMO Fundamental ao desenvolvimento industrial e expansão do Capitalismo Grandes potencias industriais estavam determinadas a assegurar e alargar suas áreas de influência
  • 4. COLONIALISMO (SÉC. XVI) NEOCOLONIALISMO SÉC. XIX e XX AREA DE DOMINAÇÃO Ásia, África e América África e Ásia FASE DO CAPITALISMO Capitalismo Comercial Capitalismo Industrial Financeiro POTENCIAS IMPERIALISTAS Portugal e Espanha Inglaterra, Itália, França, Alemanha OBJETIVO Matéria Prima Pacto-colonial Matéria Prima, Mercado Consumidor e investimentos. JUSTIFICATIVA Fé Católica Eurocentrismo, “Missão Civilizadora”
  • 6. ANTECEDENTES DA GUERRA O triunfo do modo de vida burguês: A “Belle Époque” Período entre 1871 e 1914, marcado por: Otimismo; Paz; Prosperidade Econômica; Progresso (Avanços tecnológicos)
  • 7. “A indústria do Divertimento”
  • 8. Frequentar parque de diversão e cinemas; Diminuição da jornada de trabalho Pessoas passaram a ler mais livros
  • 9.
  • 10. A cultura da moda
  • 11. Richard Trevithick Primeira Locomotiva a Vapor 1804. Progresso em forma de avanços tecnológicos
  • 12. Samuel Finley Breese Morse Em 1835 construiu seu primeiro protótipo funcional de um telégrafo. Progresso em forma de avanços tecnológicos
  • 13. Alexander Graham Bell, Em 1876 apresentou o telefone e patenteou seu invento. Progresso em forma de avanços tecnológicos
  • 14. Karl Friedrich Benz Engenheiro de automóveis alemão. Desenvolveu 1885 o automóvel movido a gasolina Progresso em forma de avanços tecnológicos
  • 15. Progresso em forma de avanços tecnológicos Ferdinand Adolf von Zeppelin Militar, general alemão. Realizou primeiro voo do dirigível em 1900.
  • 16. Progresso em forma de avanços tecnológicos Ford T  Lançado 1908;  Popularizou a indústria automotiva;  Velocidade máxima: 55 km/h
  • 17.  Aeronauta, esportista é considerado como o inventor do dirigível, do avião e do ultraleve.  Primeiro a decolar a bordo de um avião impulsionado por um motor a gasolina. Alberto Santos Dumont Progresso em forma de avanços tecnológicos
  • 18. Progresso em forma de avanços tecnológicos
  • 19.
  • 20.
  • 21.
  • 22.
  • 23.
  • 24.
  • 25.
  • 26.
  • 27.
  • 28.
  • 29. • "inafundável" dizia um folheto publicitário de 1910, da White Star Line, • Madrugada do dia 15 de abril de 1912
  • 30.
  • 31.
  • 32.
  • 33.
  • 34.
  • 35. Fatores que levaram a Primeira Guerra: Corrida imperialista; Inglaterra perdia supremacia industrial para o rápido crescimento da Alemanha; França queria revanche por ter perdido as ricas regiões de Alsácia e Lorena para a Alemanha na Guerra Franco Prussiana (1870-1871) Disputas por colônias na África e Ásia;
  • 36. Fatores que levaram a Primeira Guerra: Nacionalismo Pan-germanismo Movimento político do século XIX que defendia a união dos povos germânicos da Europa central. Pan-eslavismo Movimento político e sociocultural do século XIX, que buscava a união de todos os povos eslavos. Bandeira Pan-Eslava aprovada na convenção Pan-Eslava de Praga em 1848. Primeira bandeira de guerra utilizada pela Confederação Germânica
  • 37. Fatores que levaram a Primeira Guerra: Formação das alianças
  • 38.  A corrida armamentista: “a Paz Armada” Morteiro MinenweferFatores que levaram a Primeira Guerra:
  • 39. OS NOVOS ARMAMENTOS BAIONETA Rifle Short Magazine Lee- Enfield com uma baioneta de 42cm acoplada
  • 41. Usada pela Marinha britânica, embora possuía cano único era destruidora. Essa metralhadora também ganhou uma versão de cano duplo METRALHADORA GARDNER DE CANO ÚNICO OS NOVOS ARMAMENTOS
  • 42. Com 37 canos foi adotada pelo exército Francês. METRAILLEUSE DE MONTIGNY OS NOVOS ARMAMENTOS
  • 43.  A Gatling entrou em ação pela primeira na guerra civil americana, só foi oficialmente adotada pelo exército em 1866. Posteriormente foi usada por muitos países da Europa. METRALHADORA AMERICANA GATLING OS NOVOS ARMAMENTOS
  • 44. Metralhadora média Britânica perderia espaço para a poderosa Vickers. METRALHADORA 303 POL. MAXIN MARC 3 OS NOVOS ARMAMENTOS
  • 46. Desenhada por um engenheiro alemão, prática, leve e muito confiável. METRALHADORA SCHWARZLOSE OS NOVOS ARMAMENTOS
  • 48. Rolls Royce Rolls-Royce, totalmente revestidos de armadura e com uma torre giratória dotada de uma metralhadora Vickers 7,65 mm baseados em um chassi do medlo Rolls-Royce Silver Ghost. OS NOVOS ARMAMENTOS
  • 49. TANQUE FRANCÊS ST. CHAMOND OS NOVOS ARMAMENTOS O tanque francês St. Chamond foi o tanque mais pesado produzido durante a Primeira Guerra Mundial. Após insucessos iniciais em meados de 1917, as falhas apontadas pelas tripulações e oficiais de campo, levaram à produção de novos modelos introduzidos na frente de batalha
  • 50. O A7V foi o único tanque alemão produzido durante a Primeira Guerra Mundial. Seu desenvolvimento ocorreu somente no final da guerra.A7V ALEMÃO OS NOVOS ARMAMENTOS
  • 51.
  • 52. Tanque médio movido com motor Gás-Elétrico Holt OS NOVOS ARMAMENTOS
  • 53. Carro de combate britânico Mark I OS NOVOS ARMAMENTOS
  • 55. Foi um carro de combate pesado desenvolvido pela França para a Primeira Guerra Em um desses tanques a carga explosiva falhou e ele acabou por ser capturado pelos alemães e enviado à Berlim, onde foram capturados pelos soviéticos no fim da guerra. O CHAR 2C (CONHECIDO TAMBÉM COMO FCM 2C) OS NOVOS ARMAMENTOS
  • 56. SCHLANKE EMMA Canhão utilizado pelo Império Austro-Húngaro construído pela empresa Skoda cuja denominação oficial era: Belagerungsmörs er 30,5 cm M11. OS NOVOS ARMAMENTOS
  • 57. Ordnance BL 5Canhão britânico OS NOVOS ARMAMENTOS
  • 58. U-Boot OS NOVOS ARMAMENTOS U-Boot SM UC-1 da classe Tipo UC I (Primeira Guerra Mundial).
  • 59. Airco DH.2 Airco DH.2 era um monomotor biplano das Força Aérea Britânica OS NOVOS ARMAMENTOS
  • 61. Airco DH.10 foi um bombardeiro bimotor médio britânico projetado e usado logo antes do fim da Primeira Guerra Mundial. Ele foi usado durante um curto período pela RAF. OS NOVOS ARMAMENTOS
  • 62. Armas químicas Armas químicas nos campos de batalha, tática empregada por ambos os lados. O gás mostarda foi uma das substâncias mais utilizadas; Também houve emprego de gás lacrimogêneo, cloro e outros produtos químicos, OS NOVOS ARMAMENTOS
  • 63. Estopim da guerra: Assassinato de F. Ferdinando 28 de junho de 1914
  • 64.
  • 66. Princip (dir.) sendo preso após assassinar o arquiduque Francisco Fernando.
  • 67.
  • 68. Fases da guerra: Guerra de movimento Guerra de Trincheiras
  • 69.
  • 70. Guerra de movimento  Movimentação das tropas alemãs para invadir para invadir o território francês;  Porém as tropas teriam, incondicionalmente, que passar pelo território belga;  Quanto as tropas alemãs invadiram a Bélgica a Inglaterra declarou guerra a Alemanha.
  • 71.
  • 72.
  • 73. Guerra de Trincheiras Uma trincheira típica tinha pouco mais de 2 m de profundidade e cerca de 1,80 m de largura. À frente e atrás, largas fileiras de sacos de areia, com quase 1 m de altura, aumentavam a proteção. Havia ainda um degrau de tiro, 0,5 m acima do chão. Ele era usado por sentinelas de vigia e na hora de atirar contra o inimigo
  • 74. Guerra de Trincheiras Os “banheiros” eram latrinas: buracos no chão com 1,5 m de profundidade. Quando estavam quase preenchidas, eram cobertas com terra e escavavam-se novos buracos – trabalho feito em geral por soldados que levavam alguma punição. Quando não dava tempo de chegar até a latrina, o jeito era mandar ver na cratera de bomba mais próxima…
  • 75. Guerra de Trincheiras A linha de frente para o inimigo não era a única trincheira. Havia outras linhas na retaguarda, interligadas por caminhos escavados na terra. Esses caminhos levavam também a abrigos usados como hospitais, postos de comando ou depósitos. Escorados por madeira, eram abrigos subterrâneos e não a céu aberto como as trincheiras
  • 76. Guerra de Trincheiras O terror da guerra e a quase insuportável vida nas trincheiras enlouquecia muitos soldados. Alguns feriam a si próprios para serem mandados de volta pra casa – fraude que, se descoberta, podia ser punida com fuzilamento! Os mais desesperados saíam da trincheira para ser mortos pelo inimigo
  • 77. Guerra de Trincheiras Proteção barata e eficiente, os sacos de areia eram capazes de barrar os tiros inimigos. As balas dos fuzis da época só penetravam cerca de 40 cm neles. Eram tão úteis que cada soldado sempre carregava dois sacos vazios, que podia encher rapidamente para se proteger
  • 78. Corpos em decomposição, enterrados em covas rasas perto das trincheiras, atraíam ratos, que proliferavam sem controle.Além de transmitir doenças, eles chegavam a roubar comida do bolso dos soldados e a roer o corpo dos feridos! Na total falta de higiene, piolhos disseminavam a febre das trincheiras, doença contraída por mais de 10% dos soldados Guerra de Trincheiras
  • 79.
  • 80.
  • 81. EUA entram na guerra Abril de 1917 – submarinos alemães atacam navios norte-americanos.  Novos armamentos;  Mais recursos;  Mais soldados;  A guerra muda de lado; Em Maio de 1915, o U-Boot U-20 afundou o RMS Lusitania. Historiadores acreditam que o Lusitania transportava 10 toneladas de armas abordo, tornando-o um alvo válido sob as leis internacionais.
  • 82. Tratado de Versalhes A Paz dos Vencedores  Assinado em 28 de junho de 1919;  A responsabilidade pelo conflito mundial recai sobre a Alemanha,  Alemanha é obrigada a cumprir uma série de exigências políticas, econômicas e militares.  Estas exigências foram impostas à Alemanha pelas nações vencedoras da Primeira Guerra, principalmente Inglaterra e França. Autoridades reunidas: Lloyd George, Vittorio Emanuele Orlando, Georges Clemenceau e o americano Woodrow Wilson
  • 83.  Admissão de culpa e responsabilidade única da Alemanha pela ocorrência da Grande Guerra  Proibição da união entre Alemanha e Áustria;  Compromisso de reparações financeiras 132 milhões de marcos-ouro;  Devolução da Alsácia e da Lorena à França;  As colônias na África foram incorporadas a Inglaterra, Francia e Bélgica;  As colônias do pacífico passaram para o domínio japonês e inglês;  O exercito foi reduzido a 100 mil homens; Tratado de Versalhes A Paz dos Vencedores
  • 84.
  • 85.
  • 86.  Declínio da economia européia;  EUA ascendem como grande potência;  Domínio monetário do dólar;  Crise financeira na Europa;  Diminuição da produção agrícola e industrial; 8 milhões de pessoas morreram. 20 milhões de pessoas ficaram inválidas. 30% da riqueza da França foi consumida pela guerra. 22% da riqueza inglesa foi consumida pela guerra. Os Estados Unidos perderam 115 mil soldados e 36 bilhões de dólares. Saldo da Guerra
  • 87. “Você está nisso”?  Cartaz de Robert Baden Powell – fundador do escotismo.  mostra soldados e outros cidadãos ocupados com o trabalho na guerra;  Objetivo do cartaz era de incentivar alistamento obrigatório na Inglaterra;
  • 88.  um pensativo e bem vestido homem os observa.  O homem está sendo pressionado a se alistar.
  • 89. O Papel dos Homens  O papel dos homens era o de estarem na linha de frente dos combates.
  • 90. O Papel das Mulheres  Cuidavam dos feridos, crianças e idosos;  Assumiram trabalho nas fábricas de munição e armas;
  • 91. REFERÊNCIAS • CAPELLARI, Marcos Alexandre; NOGUEIRA, Fausto Henrique Gomes. História: ser protagonista - Volume único. Ensino Médio. 1ª Ed. São Paulo: SM. 2010. • COTRIM, Gilberto. História Global – Brasil e Geral. Volume Único. Ensino Médio. 8ª Ed. São Paulo: Saraiva 2005. • Projeto Araribá: História – 7º ano. /Obra coletiva/ São Paulo: Editora Moderna, 2010. Editora Responsável: Maria Raquel Apolinário Melani. • AZEVEDO, Gislane Campos; SERIACOPI, Reinaldo. Projeto Teláris: história 7 ano. São Paulo: Ática, 1º ed., 2012. • http://www.centralinternet.com.br/professortarcivan.blogspot.com.br • http://mautexjrhistory.blogspot.com.br/2013/03/a-guerra-de- trincheiras-mundo-estranho.html • http://www.wdl.org/pt/item/4540/