SlideShare uma empresa Scribd logo
A   Revolução Francesa 1789 A Tomada da Bastilha 14 de Julho de 1789
Enquanto na América se afirmavam os novos valores da Liberdade , no Velho Continente, e particularmente em França, o  Antigo Regime  resistia aos ventos da mudança. Joseph Siffred Duplessis Retrato de Luís XVI com os trajes da coroação Museu do Palácio de Versalhes 1777
O  rei  detinha o  poder absoluto.  A sociedade dividia-se em  ordens , subsistindo uma desigualdade natural entre os grupos privilegiados e o  Terceiro Estado . Os  camponeses  viviam em condições miseráveis, submetidos ainda ao poder dos senhores na França rural. Nas cidades, o desemprego e os baixos salários afetavam a maior parte da população urbana. A  burguesia , embora poderosa e culta, desejava mais protagonismo político e social.
No último quarto do séc. XVIII, viveram-se tempos difíceis em França. Aumentavam os preços dos generos alimentares, pairava a insegurança do desemprego, as manufaturas pagavam salários baixos pois não suportavam a concorrência dos têxteis ingleses, os trabalhadores revoltavam-se. Verificaram-se vários tumultos populares. A violência saiu à rua.
Os pesados impostos lançados para cobrir os deficits do Estado, em grande parte resultantes dos custos das várias guerras em que a França se envolveu, não eram suportados de igual modo por todos os grupos sociais. François Boucher Retrato   de Mme Pompadour 1756 Alte Pinakothek, Munique A corte vivia num ambiente de luxo e esbanjamento, completamente alheada da realidade social.
O descontentamento popular era grande. A violência  dominava as ruas. O rei tentou amenizar a situação  mandando que as classes privilegiadas contribuíssem para as contas do estado. Em face do insucesso, Luís XVI convocou os Estados Gerais, o que já não sucedia desde 1614. Docs. 5 e 6 p. 21
Jacques-Louis David O Juramento da sala do jogo da pela Musée National du Château, Versailles O clero e a nobreza pretendiam o sistema de 1614 (voto por ordem),  o terceiro estado, que representava c. 98% da população, exigia o voto por cabeça. Estava-se num impasse. Por isso, os representantes do Terceiro Estado, aos quais se juntaram alguns membros do baixo clero, formaram uma Assembleia Nacional, declarando nulas todas as votações do clero e da nobreza. Quando verificaram que a sala estava cerrada, juntaram-se num pavilhão de Versalhes onde se jogava a pela, jurando não se separar até que fosse redigida uma constituição sobre bases sólidas.
Luis XVI cede às exigências do Terceiro Estado, depois de alguns membros do clero e nobreza se terem juntado à Assembleia. Em 9 de Julho de 1789, a Assembleia Nacional declara-se Constituinte, isto é, com o objetivo de redigir uma Constituição que, naturalmente, determinaria o fim do Antigo Regime e dos privilégios do clero e da nobreza. O despertar do terceiro estado Sans-cullotes
Entretanto, em Paris, aumentava a agitação nas ruas. A  14 de Julho de 1789 , atacam a  Bastilha , prisão que simbolizava o poder do rei. O povo em fúria atacou o forte, libertou os prisioneiros, matou o governador da fortaleza e passeou a sua cabeça espetada num pau pelas ruas de Paris.
A violência alastra,  cometem-se barbaridades nunca vistas. Os palácios da nobreza e os conventos e igrejas são assaltados, incendiados e destruídos, obrigando muitos nobres à fuga e à conspiração. São assaltados os túmulos reais da abadia de S. Dinis, destruída a abadia de Cluny, símbolos máximos do Antigo Regime e do poder da Igreja. Léon-Maxime Faivre (1856-1941) Morte de Mme Lamballe Musée national du Château de Versailles
Enquanto isso, a Assembleia Constituinte extingue os títulos nobiliárquicos e os impostos feudais (banalidades, dízimos, corveias), bem como os privilégios senhoriais. Os bens do clero são nacionalizados. É aprovada a  Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão , em Agosto de 1789 Doc. 3, p. 23
Em 1791 é aprovada a  Constituição .
 
A violência nas ruas, no entanto, prossegue. A Áustria e a Prússia, temendo que os ideais revolucionários alastrassem, preparam-se para a guerra. A Assembleia revolucionária, antecipando-se, declara a guerra. O rei Luís XVI é preso, acusado de conluio com os defensores da monarquia absoluta. Nesta ocasião, Rouget de Lisle compõe uma canção destinada a encorajar os combatentes na fronteira do Reno. Chamava-se  Canto de Guerra para o Exército do Reno,  ficando conhecida como  A Marselhesa . É hoje o hino nacional francês. Auguste Pinelli Rouget de Lisle compondo «A Marselhesa» Musée de la Révolution Française, Vizille Allons enfants de la patrie, Le jour de gloire est arrivé ! Contre nous de la tyrannie L'étendard sanglant est levé ! (bis) Entendez-vous dans les campagnes, Mugir ces féroces soldats ? Ils viennent jusque dans  nos bras Égorger nos fils, nos  compagnes !  Aux armes, citoyens ! Formez vos bataillons ! Marchons ! Marchons ! Qu'un sang impur Abreuve nos sillons 
Robespierre 1758 - 1794 A situação agrava-se cada vez mais, a violência parece incontrolável. O povo francês elege, por sufrágio universal (não censitário), excluindo no entanto as mulheres, uma  Convenção Nacional . É abolida a Monarquia e declarada a  República , em Setembro de 1792.  É nomeado um  Comité de Salvação Pública   (1793) que exerce o poder. Robespierre , conhecido pelo seu radicalismo,   foi a figura mais destacada deste período.
Abolição da escravatura pela Convenção no 16 Pluvioso do ano II  (4 Fevereiro de 1794) Anne Louis Girode de Roucy  Trioson  (1767-1824) Jean-Baptiste Belley, deputado de Saint Dominique à Convenção Museu Nacional do Palácio de Versailles
Nesta etapa revolucionária, conhecida como o  período do terror,  caiu-se numa violência extrema. O rei Luis XVI é condenado à morte na guilhotina na praça pública, logo no início de 1793. Condenação de Luís XVI
Milhares de franceses foram mortos na  guilhotina , incluindo o próprio Robespierre, em 28 de Julho  1794. É o fim do Terror jacobino. Joseph-Ignace Guillotin 1738 - 1814 Antoine Lavoisier , o pai da Química moderna, foi guilhotinado em 1794.
Vindimiário  Brumário Frimário Nivoso  Pluvioso Ventoso Germinal Florial Pradial  Messidor Termidor Fructidor O ano começava a 22 Setembro 28 de Julho de 1794, data da execução de Robespierre, correspondia ao dia 10 do Thermidor do ano II da era republicana. Por isso, chama-se  reacção termidoriana  ao  período que põe fim ao terror jacobino .
A reacção burguesa de 1795 conduz à  redacç ão de uma nova Constituição. É criado um Directório constituído por 5  elem entos.  Este perí odo é também chamado República Burguesa e durará até 1799. Os desentendimentos entre os membros do Directório criaram as condições para um golpe de Estado. No 18 Brumário do ano VIII da era republicana (9 de Novembro de 1799), Napoleão Bonaparte derruba o Directório. François Bouchot O golpe de 18 Brumário Museu Nacional do Palácio de Versalhes
Louis-François Lejeune  (1775-1848) Batalha das Pirâmides  (1798) Museu Nacional do Palácio de Versalhes Napoleão tinha granjeado fama na  Batalha das Pirâmides , onde derrotou os mamelucos, apesar de depois ser derrotado pelos ingleses na batalha do Nilo. Napoleão era, para muitos franceses, particularmente para a burguesia, a esperança para colocar a França num novo rumo.
Feito o golpe, Napoleão institui um  consulado  formado por 3 cônsules
Em 1801 é assinada uma  Concordata  entre Napoleão e o papa Pio VII. São regulamentadas e pacificadas as relações com a Igreja Católica,  reconhecida como religião maioritária dos franceses.
Em 1802, foi instituído o  ensino primário oficial, obrigatório e gratuito . A Nação forma-se na escola e a instrução pública é uma das prioridades do Estado.
Em 1804, é publicado o Código Civil, também designado  Código Napoleónico  e que influenciará muitos outros códigos na Europa e no Mundo.  O Código Napoleónico consagra os princípios do individualismo burguês, protege a propriedade privada, garante a igualdade de todos perante a lei e assegura  liberdades individuais. Institui-se o casamento civil e a possibilidade do divórcio. Jacques-Louis David Napoleão no seu gabinente de trabalho National Gallery of Art, Washington
Como primeiro-cônsul, Napoleão Bonaparte não tardou a apoderar-se do poder. Ainda 1802, depois de um plebiscito, adopta o título de  cônsul vitalício  e em 1804 é  proclamado  imperador dos franceses,  coroando-se a si próprio. Jacques-Louis David Coroação de Napoleão Bonaparte como Imperador dos Franceses Museu do Louvre
No plano externo, o imperador francês promove uma política expansionista, enfrentando sucessivas coligações dos estados europeus que se sentiam ameaçados.
Valmy Jemmapes Fleurus Montenotte Lodi Castiglione Arcole Rivoli Les Pyramides Aboukir Alkmaer Zurich Heliopolis Marengo Hohenliden Ulm Austerlizt Iéna Friedland Sierra Essling Dietikon Mutta Thal Genes  Wagram Moscowa Lutzen Bleutzen Dresde Hanau Montmirail Montereau Lagny Lille Hondschootte Wattignies Arlon Courtrai Tourcoing Weissembourg Maestricht Aldenhoven Landau Neuwied Rastadt Chebreisse Bassignano San Giuliano Sagonte Valence Le Var Montebello Le Mincio Caldiero Castel Franco Raguse Gaete Le Bastan Le Boulou Burgos Espinosa Etlingen Neresheim Bamberg Amberg Friedberg Biberach Altenkirchen Schliengen Kehl Engen Moeskirch Hochstett Wertingen Guntzbourg Elchingen Dierstein Hollabrunn Saalfeld Halle Prentzlow Lubeck Pultusk Eylau Ostrolenska Gebora Badajoz Tudela  TarragonE  Uclez La Corogne Sarragosse Valls Medelin Maria-Belchite Almonacid Ocana Alba de Tormes Vique Lerida Gudad-Rodrigo Almeida Tortose
François Gerard  (1770-1837) Batalha de Austerlitz  (1805) Museu Nacional do Palácio de Versalhes
Denis-Auguste-Marie Raffet  (1804-1860) Campanha da Rússia Museu do Louvre Em 1812, a Campanha da Rússia é um desastre. Dos cerca de 600 000 soldados invasores, apenas regressam c. de 100 000. Muitos desertam, outros morrem de fome e frio. Chegados a Moscovo, encontram a cidade abandonada e a arder. A retirada faz-se  em condições lastimáveis. O exército russo persegue os franceses, as temperaturas ultrapassam os 30 graus negativos.
Louis-François, Baron Lejeune  (1775–1848) La bataille de Somo-Sierra 1810 www.peninsularwar.org Na frente ocidental, na  Guerra Peninsular  (1807 – 1814), Napoleão sofre pesadas derrotas.
Auguste Mayer  (1805-1890) Batalha de Trafalgar  (1805) Museu da Marinha; Paris No mar, a Inglaterra impunha o seu poderio naval
Jean-Louis-Ernest Meissonier  (1815-1891) Campanha de França de 1814 Museu d'Orsay As tropas da coligação antifrancesa invadem a França. Napoleão vê-se forçado à rendição e é enviado para o exílio, na ilha mediterrânica de Elba. A monarquia é restaurada.
Conseguirá, no entanto, escapar do exílio, regressando a Paris: é o  governo dos cem dias .
Em 18 de Junho de 1815 é finalmente derrotado em  Waterloo , na atual Bélgica, pelas forças da Coligação comandadas por Arthur Welleslley, o  duque de Wellington . Clément-Auguste Andrieux  (1829-1880) Waterloo  Museu Nacional do Palácio de Versalhes Francisco de Goya Retrato do duque de Wellington National Gallery Londres
Napoleão é enviado para a ilha de Santa Helena. Aqui morrerá, em 1821. Em 1840, o corpo foi exumado e trasladado para Paris, sendo depositado num sarcófago especialmente desenhado no edifício do  Les Invalides .
A Europa em 1815 após o Congresso de Viena Os representantes  das potências vencedoras reúnem-se no  Congresso de Viena , em 1815, e redesenham o mapa político da Europa de acordo com os seus interesses.  Imagens: wikipedia Histoire de France par l’image (1789 – 1939):  http://www.histoire-image.org/index.php Web Gallery of Art:  http://www.wga.hu/index1.html   Digitalizadas a partir do manual escolar.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
isameucci
 
Congresso de viena (1814 1815 ) pdf
Congresso de viena (1814   1815 ) pdfCongresso de viena (1814   1815 ) pdf
Congresso de viena (1814 1815 ) pdf
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 
O império napoleônico
O império napoleônicoO império napoleônico
O império napoleônico
Edenilson Morais
 
Marquês de Pombal
Marquês de PombalMarquês de Pombal
Marquês de Pombal
guest985edebc
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
Fatima Freitas
 
O Nazismo
O NazismoO Nazismo
O Nazismo
Jorge Almeida
 
A revolução americana
A revolução americanaA revolução americana
A revolução americana
cattonia
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
Alexandre Ribeiro
 
Segunda Guerra Mundial
Segunda Guerra MundialSegunda Guerra Mundial
Segunda Guerra Mundial
Valéria Shoujofan
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
Susana Simões
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Edenilson Morais
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
Matheus Fellipe
 
Iluminismo
Iluminismo Iluminismo
Iluminismo
Susana Simões
 
A Idade Média
A Idade MédiaA Idade Média
A Idade Média
Gisele Finatti Baraglio
 
5 03 a geografia dos movimentos revolucionários
5 03 a geografia dos movimentos revolucionários5 03 a geografia dos movimentos revolucionários
5 03 a geografia dos movimentos revolucionários
Vítor Santos
 
Revolução francesa versão atual
Revolução francesa   versão atualRevolução francesa   versão atual
Revolução francesa versão atual
Maíra Rosa Rosa
 
Crise 1929
Crise 1929Crise 1929
Crise 1929
Rui Neto
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
eunamahcado
 
Apresentação Revolução Russa
Apresentação Revolução RussaApresentação Revolução Russa
Apresentação Revolução Russa
marcosfm32
 
Reforma Protestante e Contra Reforma
Reforma Protestante e Contra ReformaReforma Protestante e Contra Reforma
Reforma Protestante e Contra Reforma
Luiz Henrique Ferreira
 

Mais procurados (20)

Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Congresso de viena (1814 1815 ) pdf
Congresso de viena (1814   1815 ) pdfCongresso de viena (1814   1815 ) pdf
Congresso de viena (1814 1815 ) pdf
 
O império napoleônico
O império napoleônicoO império napoleônico
O império napoleônico
 
Marquês de Pombal
Marquês de PombalMarquês de Pombal
Marquês de Pombal
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
 
O Nazismo
O NazismoO Nazismo
O Nazismo
 
A revolução americana
A revolução americanaA revolução americana
A revolução americana
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Segunda Guerra Mundial
Segunda Guerra MundialSegunda Guerra Mundial
Segunda Guerra Mundial
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Iluminismo
Iluminismo Iluminismo
Iluminismo
 
A Idade Média
A Idade MédiaA Idade Média
A Idade Média
 
5 03 a geografia dos movimentos revolucionários
5 03 a geografia dos movimentos revolucionários5 03 a geografia dos movimentos revolucionários
5 03 a geografia dos movimentos revolucionários
 
Revolução francesa versão atual
Revolução francesa   versão atualRevolução francesa   versão atual
Revolução francesa versão atual
 
Crise 1929
Crise 1929Crise 1929
Crise 1929
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
Apresentação Revolução Russa
Apresentação Revolução RussaApresentação Revolução Russa
Apresentação Revolução Russa
 
Reforma Protestante e Contra Reforma
Reforma Protestante e Contra ReformaReforma Protestante e Contra Reforma
Reforma Protestante e Contra Reforma
 

Destaque

1820 e o liberalismo
1820 e o liberalismo1820 e o liberalismo
1820 e o liberalismo
cruchinho
 
Invasões francesas ppt
Invasões francesas   pptInvasões francesas   ppt
Invasões francesas ppt
Álvaro Maurício
 
Revolução francesa (1789 1799)
Revolução francesa (1789 1799)Revolução francesa (1789 1799)
Revolução francesa (1789 1799)
fernandacarolinestang
 
Invasões francesas em portugal
Invasões francesas em portugalInvasões francesas em portugal
Invasões francesas em portugal
Sara Catarina
 
Invasões Francesas
Invasões FrancesasInvasões Francesas
Invasões Francesas
Edite Bartissol
 
Marqês de Pombal e as reformas pombalinas
Marqês de Pombal e as reformas pombalinasMarqês de Pombal e as reformas pombalinas
Marqês de Pombal e as reformas pombalinas
DeaaSouza
 
Ficha de Avaliação - 6º Ano - As Invasões Francesas/ A revolução Liberal de 1822
Ficha de Avaliação - 6º Ano - As Invasões Francesas/ A revolução Liberal de 1822Ficha de Avaliação - 6º Ano - As Invasões Francesas/ A revolução Liberal de 1822
Ficha de Avaliação - 6º Ano - As Invasões Francesas/ A revolução Liberal de 1822
maria.antonia
 

Destaque (7)

1820 e o liberalismo
1820 e o liberalismo1820 e o liberalismo
1820 e o liberalismo
 
Invasões francesas ppt
Invasões francesas   pptInvasões francesas   ppt
Invasões francesas ppt
 
Revolução francesa (1789 1799)
Revolução francesa (1789 1799)Revolução francesa (1789 1799)
Revolução francesa (1789 1799)
 
Invasões francesas em portugal
Invasões francesas em portugalInvasões francesas em portugal
Invasões francesas em portugal
 
Invasões Francesas
Invasões FrancesasInvasões Francesas
Invasões Francesas
 
Marqês de Pombal e as reformas pombalinas
Marqês de Pombal e as reformas pombalinasMarqês de Pombal e as reformas pombalinas
Marqês de Pombal e as reformas pombalinas
 
Ficha de Avaliação - 6º Ano - As Invasões Francesas/ A revolução Liberal de 1822
Ficha de Avaliação - 6º Ano - As Invasões Francesas/ A revolução Liberal de 1822Ficha de Avaliação - 6º Ano - As Invasões Francesas/ A revolução Liberal de 1822
Ficha de Avaliação - 6º Ano - As Invasões Francesas/ A revolução Liberal de 1822
 

Semelhante a Revolução Francesa

Revolucao francesa
Revolucao francesaRevolucao francesa
Revolucao francesa
Isabel Ribeiro
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
Diego Silva
 
Revoluofrancesa 090608171102-phpapp02-170603150541
Revoluofrancesa 090608171102-phpapp02-170603150541Revoluofrancesa 090608171102-phpapp02-170603150541
Revoluofrancesa 090608171102-phpapp02-170603150541
JUNIOR MADRUGA MADRUGA
 
revoluofrancesa-090608171102-phpapp02-170603150541.pdf
revoluofrancesa-090608171102-phpapp02-170603150541.pdfrevoluofrancesa-090608171102-phpapp02-170603150541.pdf
revoluofrancesa-090608171102-phpapp02-170603150541.pdf
JUNIOR MADRUGA MADRUGA
 
Rf1
Rf1Rf1
Rf1
luisant
 
Rf2 A
Rf2 ARf2 A
Rf2 A
luisant
 
2˚ano rev francesa blog
2˚ano rev francesa blog2˚ano rev francesa blog
2˚ano rev francesa blog
Kerol Brombal
 
Rf3
Rf3Rf3
Rf3
luisant
 
Revolução francesa
Revolução francesa Revolução francesa
Revolução francesa
alunoitv
 
As fases da revolução
As fases da revoluçãoAs fases da revolução
As fases da revolução
Carla Teixeira
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
Bruno da Silva
 
Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3
Carla Teixeira
 
Revolução Francesa
Revolução Francesa Revolução Francesa
Revolução Francesa
secretaria estadual de educação
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
ADRIANEMONTAGNER
 
Aula 2 - Revolução Francesa e suas características
Aula 2 - Revolução Francesa e suas característicasAula 2 - Revolução Francesa e suas características
Aula 2 - Revolução Francesa e suas características
GiseleDias67
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
GabrielaLimaPereira
 
3º ano Revolução Francesa e outros movimentos franceses.
3º ano Revolução Francesa e outros movimentos franceses.3º ano Revolução Francesa e outros movimentos franceses.
3º ano Revolução Francesa e outros movimentos franceses.
Daniel Alves Bronstrup
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
GabrielaLimaPereira
 
A revolução francesa ( 1789 à 1799 )
A revolução francesa ( 1789 à 1799 )A revolução francesa ( 1789 à 1799 )
A revolução francesa ( 1789 à 1799 )
Adauto Ferreira
 
A revolução francesa ( 1789 à 1799 )
A revolução francesa ( 1789 à 1799 )A revolução francesa ( 1789 à 1799 )
A revolução francesa ( 1789 à 1799 )
Adauto Ferreira
 

Semelhante a Revolução Francesa (20)

Revolucao francesa
Revolucao francesaRevolucao francesa
Revolucao francesa
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Revoluofrancesa 090608171102-phpapp02-170603150541
Revoluofrancesa 090608171102-phpapp02-170603150541Revoluofrancesa 090608171102-phpapp02-170603150541
Revoluofrancesa 090608171102-phpapp02-170603150541
 
revoluofrancesa-090608171102-phpapp02-170603150541.pdf
revoluofrancesa-090608171102-phpapp02-170603150541.pdfrevoluofrancesa-090608171102-phpapp02-170603150541.pdf
revoluofrancesa-090608171102-phpapp02-170603150541.pdf
 
Rf1
Rf1Rf1
Rf1
 
Rf2 A
Rf2 ARf2 A
Rf2 A
 
2˚ano rev francesa blog
2˚ano rev francesa blog2˚ano rev francesa blog
2˚ano rev francesa blog
 
Rf3
Rf3Rf3
Rf3
 
Revolução francesa
Revolução francesa Revolução francesa
Revolução francesa
 
As fases da revolução
As fases da revoluçãoAs fases da revolução
As fases da revolução
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3
 
Revolução Francesa
Revolução Francesa Revolução Francesa
Revolução Francesa
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
Aula 2 - Revolução Francesa e suas características
Aula 2 - Revolução Francesa e suas característicasAula 2 - Revolução Francesa e suas características
Aula 2 - Revolução Francesa e suas características
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
3º ano Revolução Francesa e outros movimentos franceses.
3º ano Revolução Francesa e outros movimentos franceses.3º ano Revolução Francesa e outros movimentos franceses.
3º ano Revolução Francesa e outros movimentos franceses.
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
A revolução francesa ( 1789 à 1799 )
A revolução francesa ( 1789 à 1799 )A revolução francesa ( 1789 à 1799 )
A revolução francesa ( 1789 à 1799 )
 
A revolução francesa ( 1789 à 1799 )
A revolução francesa ( 1789 à 1799 )A revolução francesa ( 1789 à 1799 )
A revolução francesa ( 1789 à 1799 )
 

Mais de Lucas Nunes de Souza

Constituição da republica velha
Constituição da republica velhaConstituição da republica velha
Constituição da republica velha
Lucas Nunes de Souza
 
Trabalho de geografia
Trabalho de geografiaTrabalho de geografia
Trabalho de geografia
Lucas Nunes de Souza
 
Ibge
IbgeIbge
República velha,
República velha,República velha,
República velha,
Lucas Nunes de Souza
 
Roma antiga resumo ilustrado rafa
Roma antiga resumo ilustrado rafaRoma antiga resumo ilustrado rafa
Roma antiga resumo ilustrado rafa
Lucas Nunes de Souza
 
Roma antiga victória
Roma antiga   victóriaRoma antiga   victória
Roma antiga victória
Lucas Nunes de Souza
 
Kerollen dias
Kerollen diasKerollen dias
Kerollen dias
Lucas Nunes de Souza
 
Roma antiga trabalho slide prof lucas - ana duda
Roma antiga trabalho slide prof lucas - ana dudaRoma antiga trabalho slide prof lucas - ana duda
Roma antiga trabalho slide prof lucas - ana duda
Lucas Nunes de Souza
 
Semelhanças
SemelhançasSemelhanças
Semelhanças
Lucas Nunes de Souza
 
Semelhanças
SemelhançasSemelhanças
Semelhanças
Lucas Nunes de Souza
 
Roma 10.10
Roma 10.10Roma 10.10
Contrastes brasileiros
Contrastes brasileirosContrastes brasileiros
Contrastes brasileiros
Lucas Nunes de Souza
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
Lucas Nunes de Souza
 
Trabalho geografia
Trabalho geografiaTrabalho geografia
Trabalho geografia
Lucas Nunes de Souza
 
Roma 10.10
Roma 10.10Roma 10.10
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
Lucas Nunes de Souza
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
Lucas Nunes de Souza
 
Semelhanças
SemelhançasSemelhanças
Semelhanças
Lucas Nunes de Souza
 
Absolutismo MonáRquico
Absolutismo MonáRquicoAbsolutismo MonáRquico
Absolutismo MonáRquico
Lucas Nunes de Souza
 
Absolutismo MonáRquico
Absolutismo MonáRquicoAbsolutismo MonáRquico
Absolutismo MonáRquico
Lucas Nunes de Souza
 

Mais de Lucas Nunes de Souza (20)

Constituição da republica velha
Constituição da republica velhaConstituição da republica velha
Constituição da republica velha
 
Trabalho de geografia
Trabalho de geografiaTrabalho de geografia
Trabalho de geografia
 
Ibge
IbgeIbge
Ibge
 
República velha,
República velha,República velha,
República velha,
 
Roma antiga resumo ilustrado rafa
Roma antiga resumo ilustrado rafaRoma antiga resumo ilustrado rafa
Roma antiga resumo ilustrado rafa
 
Roma antiga victória
Roma antiga   victóriaRoma antiga   victória
Roma antiga victória
 
Kerollen dias
Kerollen diasKerollen dias
Kerollen dias
 
Roma antiga trabalho slide prof lucas - ana duda
Roma antiga trabalho slide prof lucas - ana dudaRoma antiga trabalho slide prof lucas - ana duda
Roma antiga trabalho slide prof lucas - ana duda
 
Semelhanças
SemelhançasSemelhanças
Semelhanças
 
Semelhanças
SemelhançasSemelhanças
Semelhanças
 
Roma 10.10
Roma 10.10Roma 10.10
Roma 10.10
 
Contrastes brasileiros
Contrastes brasileirosContrastes brasileiros
Contrastes brasileiros
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
 
Trabalho geografia
Trabalho geografiaTrabalho geografia
Trabalho geografia
 
Roma 10.10
Roma 10.10Roma 10.10
Roma 10.10
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
 
Semelhanças
SemelhançasSemelhanças
Semelhanças
 
Absolutismo MonáRquico
Absolutismo MonáRquicoAbsolutismo MonáRquico
Absolutismo MonáRquico
 
Absolutismo MonáRquico
Absolutismo MonáRquicoAbsolutismo MonáRquico
Absolutismo MonáRquico
 

Revolução Francesa

  • 1. A Revolução Francesa 1789 A Tomada da Bastilha 14 de Julho de 1789
  • 2. Enquanto na América se afirmavam os novos valores da Liberdade , no Velho Continente, e particularmente em França, o Antigo Regime resistia aos ventos da mudança. Joseph Siffred Duplessis Retrato de Luís XVI com os trajes da coroação Museu do Palácio de Versalhes 1777
  • 3. O rei detinha o poder absoluto. A sociedade dividia-se em ordens , subsistindo uma desigualdade natural entre os grupos privilegiados e o Terceiro Estado . Os camponeses viviam em condições miseráveis, submetidos ainda ao poder dos senhores na França rural. Nas cidades, o desemprego e os baixos salários afetavam a maior parte da população urbana. A burguesia , embora poderosa e culta, desejava mais protagonismo político e social.
  • 4. No último quarto do séc. XVIII, viveram-se tempos difíceis em França. Aumentavam os preços dos generos alimentares, pairava a insegurança do desemprego, as manufaturas pagavam salários baixos pois não suportavam a concorrência dos têxteis ingleses, os trabalhadores revoltavam-se. Verificaram-se vários tumultos populares. A violência saiu à rua.
  • 5. Os pesados impostos lançados para cobrir os deficits do Estado, em grande parte resultantes dos custos das várias guerras em que a França se envolveu, não eram suportados de igual modo por todos os grupos sociais. François Boucher Retrato de Mme Pompadour 1756 Alte Pinakothek, Munique A corte vivia num ambiente de luxo e esbanjamento, completamente alheada da realidade social.
  • 6. O descontentamento popular era grande. A violência dominava as ruas. O rei tentou amenizar a situação mandando que as classes privilegiadas contribuíssem para as contas do estado. Em face do insucesso, Luís XVI convocou os Estados Gerais, o que já não sucedia desde 1614. Docs. 5 e 6 p. 21
  • 7. Jacques-Louis David O Juramento da sala do jogo da pela Musée National du Château, Versailles O clero e a nobreza pretendiam o sistema de 1614 (voto por ordem), o terceiro estado, que representava c. 98% da população, exigia o voto por cabeça. Estava-se num impasse. Por isso, os representantes do Terceiro Estado, aos quais se juntaram alguns membros do baixo clero, formaram uma Assembleia Nacional, declarando nulas todas as votações do clero e da nobreza. Quando verificaram que a sala estava cerrada, juntaram-se num pavilhão de Versalhes onde se jogava a pela, jurando não se separar até que fosse redigida uma constituição sobre bases sólidas.
  • 8. Luis XVI cede às exigências do Terceiro Estado, depois de alguns membros do clero e nobreza se terem juntado à Assembleia. Em 9 de Julho de 1789, a Assembleia Nacional declara-se Constituinte, isto é, com o objetivo de redigir uma Constituição que, naturalmente, determinaria o fim do Antigo Regime e dos privilégios do clero e da nobreza. O despertar do terceiro estado Sans-cullotes
  • 9. Entretanto, em Paris, aumentava a agitação nas ruas. A 14 de Julho de 1789 , atacam a Bastilha , prisão que simbolizava o poder do rei. O povo em fúria atacou o forte, libertou os prisioneiros, matou o governador da fortaleza e passeou a sua cabeça espetada num pau pelas ruas de Paris.
  • 10. A violência alastra, cometem-se barbaridades nunca vistas. Os palácios da nobreza e os conventos e igrejas são assaltados, incendiados e destruídos, obrigando muitos nobres à fuga e à conspiração. São assaltados os túmulos reais da abadia de S. Dinis, destruída a abadia de Cluny, símbolos máximos do Antigo Regime e do poder da Igreja. Léon-Maxime Faivre (1856-1941) Morte de Mme Lamballe Musée national du Château de Versailles
  • 11. Enquanto isso, a Assembleia Constituinte extingue os títulos nobiliárquicos e os impostos feudais (banalidades, dízimos, corveias), bem como os privilégios senhoriais. Os bens do clero são nacionalizados. É aprovada a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão , em Agosto de 1789 Doc. 3, p. 23
  • 12. Em 1791 é aprovada a Constituição .
  • 13.  
  • 14. A violência nas ruas, no entanto, prossegue. A Áustria e a Prússia, temendo que os ideais revolucionários alastrassem, preparam-se para a guerra. A Assembleia revolucionária, antecipando-se, declara a guerra. O rei Luís XVI é preso, acusado de conluio com os defensores da monarquia absoluta. Nesta ocasião, Rouget de Lisle compõe uma canção destinada a encorajar os combatentes na fronteira do Reno. Chamava-se Canto de Guerra para o Exército do Reno, ficando conhecida como A Marselhesa . É hoje o hino nacional francês. Auguste Pinelli Rouget de Lisle compondo «A Marselhesa» Musée de la Révolution Française, Vizille Allons enfants de la patrie, Le jour de gloire est arrivé ! Contre nous de la tyrannie L'étendard sanglant est levé ! (bis) Entendez-vous dans les campagnes, Mugir ces féroces soldats ? Ils viennent jusque dans nos bras Égorger nos fils, nos compagnes ! Aux armes, citoyens ! Formez vos bataillons ! Marchons ! Marchons ! Qu'un sang impur Abreuve nos sillons 
  • 15. Robespierre 1758 - 1794 A situação agrava-se cada vez mais, a violência parece incontrolável. O povo francês elege, por sufrágio universal (não censitário), excluindo no entanto as mulheres, uma Convenção Nacional . É abolida a Monarquia e declarada a República , em Setembro de 1792. É nomeado um Comité de Salvação Pública (1793) que exerce o poder. Robespierre , conhecido pelo seu radicalismo, foi a figura mais destacada deste período.
  • 16. Abolição da escravatura pela Convenção no 16 Pluvioso do ano II (4 Fevereiro de 1794) Anne Louis Girode de Roucy Trioson (1767-1824) Jean-Baptiste Belley, deputado de Saint Dominique à Convenção Museu Nacional do Palácio de Versailles
  • 17. Nesta etapa revolucionária, conhecida como o período do terror, caiu-se numa violência extrema. O rei Luis XVI é condenado à morte na guilhotina na praça pública, logo no início de 1793. Condenação de Luís XVI
  • 18. Milhares de franceses foram mortos na guilhotina , incluindo o próprio Robespierre, em 28 de Julho 1794. É o fim do Terror jacobino. Joseph-Ignace Guillotin 1738 - 1814 Antoine Lavoisier , o pai da Química moderna, foi guilhotinado em 1794.
  • 19. Vindimiário Brumário Frimário Nivoso Pluvioso Ventoso Germinal Florial Pradial Messidor Termidor Fructidor O ano começava a 22 Setembro 28 de Julho de 1794, data da execução de Robespierre, correspondia ao dia 10 do Thermidor do ano II da era republicana. Por isso, chama-se reacção termidoriana ao período que põe fim ao terror jacobino .
  • 20. A reacção burguesa de 1795 conduz à redacç ão de uma nova Constituição. É criado um Directório constituído por 5 elem entos. Este perí odo é também chamado República Burguesa e durará até 1799. Os desentendimentos entre os membros do Directório criaram as condições para um golpe de Estado. No 18 Brumário do ano VIII da era republicana (9 de Novembro de 1799), Napoleão Bonaparte derruba o Directório. François Bouchot O golpe de 18 Brumário Museu Nacional do Palácio de Versalhes
  • 21. Louis-François Lejeune (1775-1848) Batalha das Pirâmides (1798) Museu Nacional do Palácio de Versalhes Napoleão tinha granjeado fama na Batalha das Pirâmides , onde derrotou os mamelucos, apesar de depois ser derrotado pelos ingleses na batalha do Nilo. Napoleão era, para muitos franceses, particularmente para a burguesia, a esperança para colocar a França num novo rumo.
  • 22. Feito o golpe, Napoleão institui um consulado formado por 3 cônsules
  • 23. Em 1801 é assinada uma Concordata entre Napoleão e o papa Pio VII. São regulamentadas e pacificadas as relações com a Igreja Católica, reconhecida como religião maioritária dos franceses.
  • 24. Em 1802, foi instituído o ensino primário oficial, obrigatório e gratuito . A Nação forma-se na escola e a instrução pública é uma das prioridades do Estado.
  • 25. Em 1804, é publicado o Código Civil, também designado Código Napoleónico e que influenciará muitos outros códigos na Europa e no Mundo. O Código Napoleónico consagra os princípios do individualismo burguês, protege a propriedade privada, garante a igualdade de todos perante a lei e assegura liberdades individuais. Institui-se o casamento civil e a possibilidade do divórcio. Jacques-Louis David Napoleão no seu gabinente de trabalho National Gallery of Art, Washington
  • 26. Como primeiro-cônsul, Napoleão Bonaparte não tardou a apoderar-se do poder. Ainda 1802, depois de um plebiscito, adopta o título de cônsul vitalício e em 1804 é proclamado imperador dos franceses, coroando-se a si próprio. Jacques-Louis David Coroação de Napoleão Bonaparte como Imperador dos Franceses Museu do Louvre
  • 27. No plano externo, o imperador francês promove uma política expansionista, enfrentando sucessivas coligações dos estados europeus que se sentiam ameaçados.
  • 28. Valmy Jemmapes Fleurus Montenotte Lodi Castiglione Arcole Rivoli Les Pyramides Aboukir Alkmaer Zurich Heliopolis Marengo Hohenliden Ulm Austerlizt Iéna Friedland Sierra Essling Dietikon Mutta Thal Genes Wagram Moscowa Lutzen Bleutzen Dresde Hanau Montmirail Montereau Lagny Lille Hondschootte Wattignies Arlon Courtrai Tourcoing Weissembourg Maestricht Aldenhoven Landau Neuwied Rastadt Chebreisse Bassignano San Giuliano Sagonte Valence Le Var Montebello Le Mincio Caldiero Castel Franco Raguse Gaete Le Bastan Le Boulou Burgos Espinosa Etlingen Neresheim Bamberg Amberg Friedberg Biberach Altenkirchen Schliengen Kehl Engen Moeskirch Hochstett Wertingen Guntzbourg Elchingen Dierstein Hollabrunn Saalfeld Halle Prentzlow Lubeck Pultusk Eylau Ostrolenska Gebora Badajoz Tudela TarragonE Uclez La Corogne Sarragosse Valls Medelin Maria-Belchite Almonacid Ocana Alba de Tormes Vique Lerida Gudad-Rodrigo Almeida Tortose
  • 29. François Gerard (1770-1837) Batalha de Austerlitz (1805) Museu Nacional do Palácio de Versalhes
  • 30. Denis-Auguste-Marie Raffet (1804-1860) Campanha da Rússia Museu do Louvre Em 1812, a Campanha da Rússia é um desastre. Dos cerca de 600 000 soldados invasores, apenas regressam c. de 100 000. Muitos desertam, outros morrem de fome e frio. Chegados a Moscovo, encontram a cidade abandonada e a arder. A retirada faz-se em condições lastimáveis. O exército russo persegue os franceses, as temperaturas ultrapassam os 30 graus negativos.
  • 31. Louis-François, Baron Lejeune (1775–1848) La bataille de Somo-Sierra 1810 www.peninsularwar.org Na frente ocidental, na Guerra Peninsular (1807 – 1814), Napoleão sofre pesadas derrotas.
  • 32. Auguste Mayer (1805-1890) Batalha de Trafalgar (1805) Museu da Marinha; Paris No mar, a Inglaterra impunha o seu poderio naval
  • 33. Jean-Louis-Ernest Meissonier (1815-1891) Campanha de França de 1814 Museu d'Orsay As tropas da coligação antifrancesa invadem a França. Napoleão vê-se forçado à rendição e é enviado para o exílio, na ilha mediterrânica de Elba. A monarquia é restaurada.
  • 34. Conseguirá, no entanto, escapar do exílio, regressando a Paris: é o governo dos cem dias .
  • 35. Em 18 de Junho de 1815 é finalmente derrotado em Waterloo , na atual Bélgica, pelas forças da Coligação comandadas por Arthur Welleslley, o duque de Wellington . Clément-Auguste Andrieux (1829-1880) Waterloo Museu Nacional do Palácio de Versalhes Francisco de Goya Retrato do duque de Wellington National Gallery Londres
  • 36. Napoleão é enviado para a ilha de Santa Helena. Aqui morrerá, em 1821. Em 1840, o corpo foi exumado e trasladado para Paris, sendo depositado num sarcófago especialmente desenhado no edifício do Les Invalides .
  • 37. A Europa em 1815 após o Congresso de Viena Os representantes das potências vencedoras reúnem-se no Congresso de Viena , em 1815, e redesenham o mapa político da Europa de acordo com os seus interesses. Imagens: wikipedia Histoire de France par l’image (1789 – 1939): http://www.histoire-image.org/index.php Web Gallery of Art: http://www.wga.hu/index1.html Digitalizadas a partir do manual escolar.