SlideShare uma empresa Scribd logo
REFORMAS RELIGIOSAS
HISTÓRIA GERALProf.ª Valéria Fernandes 1
PRÉ-REFORMA
RELIGIOSA
• John Wycliffe (c. 1320-1384) e
os lollardos – Inglaterra.
• Jan Hus – Boêmia (*atual
República Tcheca*).
• O Concílio de Constança
(1414-1418).
• Rainha Isabel de Castela e o
Cardeal Cisneros – Espanha.
• Humanistas como Erasmo de
Roterdã. Jan Hus
(c. 1369-1415)
Prof.ª Valéria Fernandes 2
Europaem1500
Prof.ª Valéria Fernandes 3
“Gostaria que a mais fraca mulher lesse os
Evangelhos e as Epístolas de São Paulo [...]
Gostaria que essas palavras fossem traduzidas
para todas as línguas, afim de que não só os
escoceses e irlandeses, como também turcos e
sarracenos pudessem lê-las. Anseio que o
lavrador as cante para si mesmo quando
acompanha o arado, o tecelão as murmure ao
som de sua lançadeira, que o viajante iluda
com elas a monotonia da jornada.”
Novum Testamentum omne de Erasmo de Roterdã
Prof.ª Valéria Fernandes 4
MOTIVAÇÕES DA
REFORMA RELIGIOSA
• Corrupção e despreparo do clero.
• Papas que se comportavam como príncipes
seculares e, não, como líderes da igreja.
• Sentimentos nacionais, associados, ou não, a
existência de um Estado.
• As críticas dos humanistas.
• Uma maior difusão da Bíblia e textos
teológicos graças à invenção da imprensa.
Prof.ª Valéria Fernandes 5
MOTIVAÇÕES DA
REFORMA RELIGIOSA
• Simonia é a venda de objetos considerados
sagrados ou a venda de cargos religiosos. Os
grandes senhores compravam cargos
eclesiásticos como forma de aumentar seu poder
ou garantir uma fonte de renda para seus filhos,
o padre da paróquia enfurecia os fiáis ao cobrar
por serviços que deveriam ser gratuitos. Já o
Nicolaísmo está ligado ao desregramento sexual
do clero. Obrigados ao celibato, muitos não
mantinham a castidade e envolviam-se em
escândalos sexuais.
Prof.ª Valéria Fernandes 6
HUMANISMO REFORMISTA
• Um dos maiores intelectuais de seu
tempo, ele defendeu a seu modo uma
reforma de Igreja Católica e foi
defensor da tolerância.
• Propôs que a Bíblia estivesse na
língua do povo, o fim do celibato
obrigatório, questionou o culto às
relíquias e à Virgem Maria, criticou o
comportamento moral de membros
do clero, inclusive os papas.
• Respeitado por Lutero, discordava
dele principalmente em relação ao
livre-arbítrio.
Prof.ª Valéria Fernandes 7
Erasmo de
Rotterdam
(1466-1536)
REFORMA LUTERANA
• Em 15 de março de 1517,
o papa Leão X ofereceu
indulgência (perdão) aos
que contribuíssem para a
construção da basílica de
São Pedro em Roma.
• Lutero e outros teólogos
questionam a validade
das indulgências.
Prof.ª Valéria Fernandes 8
REFORMA LUTERANA
• Lutero (1483-1546), professor na
Universidade de Wittenberg, se
insurge contra a cobrança das
indulgências.
• Em a 31/10/1517, como forma de
protesto, Lutero pregou (*ou não*)
as 95 Teses na porta da Igreja do
Castelo de Wittenberg.
• As conciliações fracassaram e o
Papa Leão X excomungou Lutero
em 03/01/1521, na bula "Decet
Romanum Pontificem".
Prof.ª Valéria Fernandes 9
REFORMA LUTERANA
• A reforma de Lutero está ligada a ao processo
de afirmação nacional alemã.
• Foi apoiada por parte da nobreza e havia o
interesse pelas terras da Igreja Católica.
• Lutero não era o único a propor uma reforma,
mas seu caso terminou por iniciar a
fragmentação da Cristandade.
• Confissão de Augsburgo (1530) → Melanchton.
• Paz de Augsburgo (1555) → “A religião do
príncipe é a religião do povo”.
Prof.ª Valéria Fernandes 10
REFORMA LUTERANA
• A Guerra dos Camponeses fomentada pelas idéias
anabatistas de Thomas Müntzer tinha por base a
idéia de que “os pobres são demasiado infelizes para
ter tempo de conhecer a Bíblia e rezar. Nenhuma
reforma religiosa é possível sem revolução social”.
• Müntzer e seus discípulos compuseram os 12 Artigos
e defendiam entre outras coisas: a livre escolha dos
pastores, a abolição da corvéia e dos pequenos
dízimos, que os grandes dízimos fossem usados em
benefício da comunidade, e que a servidão fosse
abolida.
Prof.ª Valéria Fernandes 11
REFORMA LUTERANA
• Lutero termina por defender:
 Salvação pela graça mediante a fé.
 A Bíblia na língua do povo → alemão.
 Comunhão nas duas espécies → pão e vinho.
 Cabia ao príncipe escolher os pastores.
 Sacerdócio universal.
 Fim do celibato obrigatório.
 A veneração aos santos não foi abolida.
 Manteve o batismo infantil.
Prof.ª Valéria Fernandes 12
REFORMA LUTERANA
• Philipp Melanchthon (1497-
1560), filólogo e teólogo redigiu
a Confissão de Augsburg (1530)
e tornou-se o principal líder do
luteranismo após a morte de
seu fundador. Conhecido como
o "educador da Alemanha"
(Praeceptor Germaniae) por
reformar o ensino em território
alemão e escrever a primeira
gramática dessa língua.
Prof.ª Valéria Fernandes 13
REFORMA NA SUÍÇA
• A Reforma religiosa na Suíça
começou quase ao mesmo tempo
que na Alemanha.
• A região também não tinha uma
unidade nacional e estava
obrigada a enviar soldados para
os exércitos de vários países.
• O padre Ulrich Zwinglio começa
a pregar em Zurique o chamado
“evangelho puro” em 1519 e se
coloca contra as indulgências.
Prof.ª Valéria Fernandes
Zwinglio
(1484-1531)
14
REFORMA NA SUÍÇA
• Se a pergunta de Lutero era “como eu posso ser
salvo?”, a de Zwinglio era “como salvar o meu
povo?”.
• Zwinglio era humanista, admirador de Erasmo de
Roterdã e pregava que a Bíblia deveria pautar todas
as ações das pessoas.
• Ele e Lutero discordavam em vários pontos,
especialmente em relação à Eucaristia.
• Zwinglio era contra o envio de soldados suíços para
guerras que não eram suas. Isso fez com que Zurique
fosse atacada e o reformador morreu em batalha.
Prof.ª Valéria Fernandes 15
OS ANABATISTAS
Prof.ª Valéria Fernandes 16
• Chamados de reformadores
radicais em alguns livros.
• Defendiam que somente os
adultos fossem batizados.
• Alguns eram pacifistas.
• Com as perseguições de
católicos e protestantes, o
movimento assumiu posturas
místicas e participaram de
revoltas populares.
• Seus descendentes são os
atuais menonitas.
Anabatista recebendo o
“terceiro” batismo.
PIONEIRO DO ECUMENISMO
• Martinho Bucero (1491-1551) não tem uma igreja com
seu nome, mas foi um dos reformadores mais
importantes de sua época, atuando principalmente
na cidade de Estrasburgo. Dominicano, tornou-se
protestante depois de ouvir uma pregação de Lutero.
Tentou conciliar o reformador alemão e Zwinglio,
mas fracassou. Muito próximo de Melanchthon,
negociou com Carlos V um acordo entre protestantes
e católicos no Sacro Império e fracassou. Terminou
obrigado a se exilar na Inglaterra, em 1549, onde, sob
a proteção de Eduardo VI, ajudou na segunda revisão
do Livro de Oração Comum.
Prof.ª Valéria Fernandes 17
JOÃO CALVINO
• Calvino nasceu na França
(1509) e recebeu uma sólida
formação humanista.
• Sua educação foi patrocinada
pelo bispo de sua cidade
(Noyon), patrão de seu pai.
• A Reforma na França já estava
em andamento quando Calvino
nasceu e o reformador teve
contato com ideias luteranas e
de outros reformadores.
Prof.ª Valéria Fernandes
João Calvino
(1509-1564)
18
JOÃO CALVINO
• Diferentemente de Lutero, não se sabe quando
Calvino rompeu com a Igreja Católica, mas em 1534,
ele voltou a sua cidade e abriu mão do dinheiro
dado pelo bispo para patrocinar-lhe os estudos.
• A Reforma na França estava condicionada pela
vontade do Rei → Se o monarca se sentisse
ameaçado em seu poder, haveria perseguição.
• Não havia um “perfil” protestante na França.
Nobres, burgueses (*como Calvino*), camponeses,
todos aderiram à Reforma e eram chamados de
huguenotes.
Prof.ª Valéria Fernandes 19
SIGNIFICADO DA PALAVRA
HUGUENOTE
 A origem da palavra não é clara. Há quem defenda que o
termo vem do nome de Besançon Hugues, líder da revolta
protestante de Genebra. Bernard Cottret diz que o termo
vem de “confederados”, em francês "eidguenot", derivado
do suíço-alemão “eidgenossen”, ou “partidário da
Reforma”. Já Owen I.A. Roche diz que “huguenote” era
uma combinação de dois termos, um flamengo e outro
alemão, “eid Genossen” (colegas de juramento), já que as
reuniões protestantes eram secretas. Outros afirmam que
o termo derive do nome de um lugar no qual os
protestantes franceses celebravam o próprio culto; esse
lugar era chamado "Torre de Hugon" e se encontra em
Tours.
Prof.ª Valéria Fernandes 20
JOÃO CALVINO
• Em março de 1536, Calvino publica a 1ª versão da
sua obra mais importante Institutas da Religião
Cristã em latim, com dedicatória ao rei da França.
• Com a perseguição, Calvino parte para Estrasbugo,
cidade de língua francesa reformada e liderada por
Bucero. Chegando em Genebra, é instado por
Guilherme Farel a permanecer.
• Genebra nem sempre foi acolhedora para com
Calvino, mas foi ali que ele desenvolveu sua reforma
religiosa e a cidade passou a ser conhecida como a
Jerusalém ou Roma do Protestantismo.
Prof.ª Valéria Fernandes 21
MURO DA REFORMA
Calvino fundou a Universidade de Genebra e o homenageou no
Muro da Reforma junto com Theodore Beza, Guilherme Farel e
John Knox.Prof.ª Valéria Fernandes 22
JOÃO CALVINO
• “Por decreto de Deus, para manifestação de sua
glória, alguns homens são predestinados à vida
eterna e outros são predestinados à morte eterna.”
→ A predestinação é fundamental ao Calvinismo.
• Justificação do trabalho e do lucro; ênfase na
austeridade e na disciplina; preocupação com a
educação.
• A burguesia adere mais ao calvinismo →
identificação de classe X identificação nacional.
• Puritanos, presbiterianos, reformados etc. são todos
calvinistas.
Prof.ª Valéria Fernandes 23
REFORMA NA ESCÓCIA
• Na Escócia, o avanço da reforma
se deveu a John Knox (1505-1572),
discípulo de Calvino. Perseguido,
foi condenado às galés, refugiou-
se depois em Genebra. Seu texto
“Primeiro Toque da Trombeta
contra o Monstruoso Governo de
Mulheres”, o indispôs com a
rainha Elizabeth I da Inglaterra.
De volta à Escócia, entrou em
conflito com a Rainha Mary, que
era católica e venceu.
Prof.ª Valéria Fernandes 24
• O parlamento escocês abraçou a reforma em 1560,
estabelecendo oficialmente o presbiterianismo.
REFORMA NA FRANÇA
• Houve 8 guerras de religião entre 1562 e 1598.
• O Massacre de São Bartolomeu foi somente o maior
(*entre 30 mil e 100 mil mortos*) de vários.
• A nobreza protestante e católica disputava o poder e
o apoio do rei, que oscilava entre os dois lados.
• Após se converter ao catolicismo, Henrique de
Navarra tornou-se rei da França e baixou o Edito de
Nantes (1598) que colocou fim ao conflito religioso.
• Mais tarde, o Cardeal Richelieu fez guerra aos
protestantes e diminuiu-lhes os direitos como forma
de fortalecer o poder do rei.
Prof.ª Valéria Fernandes 25
REFORMA NA FRANÇA
• Durante a regência de Catarina de
Médicis e o governo de seus filhos
(Francisco II, Carlos IX e Henrique III)
explodiu a violência religiosa na França.
• Os Bourbon (huguenotes) e os Guise
(católicos) disputavam a influência
sobre o rei.
• Catarina tentou a conciliação entre as
partes, mas a Liga Católica via esses
movimentos como inaceitáveis.
• Durante o seu governo foi fundada a
França Antártica (1555) uma tentativa
de colonização francesa no território
brasileiro, um local de abrigo para os
huguenotes fora da França.
Prof.ª Valéria Fernandes 26
Catarina de Médicis (1519-
1559), de família burguesa,
foi mãe de três reis da
França.
REFORMA NA FRANÇA
• Massacre da Noite de São Bartolomeu em 23 e 24 de agosto de
1572.
Prof.ª Valéria Fernandes 27
REFORMA NA FRANÇA
• O Edito de Nantes colocou fim
às guerras de religião, dando
aos protestantes liberdade de
culto limitada e controle de
algumas cidades fortificadas.
• Em 1685, Luís XIV revogou o
Edito de Nantes com o Edito de
Fontainebleau. Os huguenotes
voltaram a ser perseguidos e
muitos deles saíram do país. A
migração dos huguenotes
causou problemas econômicos
ao país.
Prof.ª Valéria Fernandes 28
REFORMA NA INGLATERRA
• Henrique VIII era um dos reis
mais católicos da Europa.
• Em 1521, publicou um livro em
que atacava as idéias de Lutero,
recebendo do papa o título de
Defensor Fidei.
• Por questões pessoais (relação com
Ana Bolena, a esperança de um
herdeiro do sexo masculino), o rei
pleiteou junto à Roma a anulação
de seu casamento com Catarina de
Aragão.
Prof.ª Valéria Fernandes 29
Evangelho de João
traduzido por William
Tyndale.
REFORMA NA INGLATERRA
• O rompimento com Roma foi um
processo que se estendeu de 1525
até 1534.
• No continente, a ruptura com o
catolicismo foi feita por razões
teológicas e levada adiante por
homens comuns.
• Na Inglaterra, a Reforma esteve
condicionada a motivos pessoais e
políticos e foi forçada de cima para
baixo pelo rei.
Prof.ª Valéria Fernandes 30
Prof.ª Valéria Fernandes 31
REFORMA NA INGLATERRA
• Em 1531, Henrique VIII exigiu ser reconhecido pela
Igreja como Protetor e único chefe supremo da
Igreja e do clero da Inglaterra.
• Pelo Ato de Supremacia, novembro de 1534, o
Parlamento reconheceu Henrique VIII como "o
único chefe supremo na Terra da Igreja na
Inglaterra".
• Durante o governo de Henrique VIII, mosteiros
foram destruídos e os bens da Igreja Católica
confiscados. Já em termos de teologia e doutrina, a
Igreja permaneceu próxima do Catolicismo.
Prof.ª Valéria Fernandes 32
REFORMA NA INGLATERRA
• Eduardo VI (1537-1553) consolidou aproximou a
Igreja da Inglaterra do Calvinismo → Promoveu a
revisão do Livro de Oração Comum (1549).
• Mary I (1553-1558) forçou o retorno ao Catolicismo e
a Inquisição se estabeleceu na Inglaterra.
• Elizabeth I (1558 -1603) governou como protestante,
mas levou adiante uma política de conciliação,
excluindo somente católicos radicais e puritanos. Em
1559, foi reconhecida como Governante Suprema da
Igreja e em 1552 foi publicado um novo Livro de
Oração Comum.
Prof.ª Valéria Fernandes 33
• Mary Stuart (1542-1587), rainha da Escócia, era considerada
pelos católicos legítima herdeira do trono inglês. Derrotada
pelos protestantes em seu país, pediu asilo a sua prima
Elizabeth I. Passou 19 anos presa. Uma conspiração frustrada
colocá-la no trono, fez com que fosse condenada à morte e
decapitada.Prof.ª Valéria Fernandes 34
• A Invencível Armada foi lançada sobre a Inglaterra por Filipe
II, rei da Espanha, em 1588, em retaliação à execução de Mary.Prof.ª Valéria Fernandes 35
PONTOS COMUNS A TODOS
OS PROTESTANTES
• Sola fide (somente a fé);
• Sola scriptura (somente a
Escritura);
• Solus Christus (somente
Cristo);
• Sola gratia (somente a graça);
• Soli Deo gloria (glória
somente a Deus).
36Prof.ª Valéria Fernandes
REFORMA CATÓLICA
• Convocado por Paulo III, o Concílio de Trento (1545-
1563) teve existência tumultuada e interrompido
diversas vezes.
• Os protestantes participaram de parte do Concílio,
pois havia o desejo de conciliação.
• Foi aceito em parte da Itália, em Sabóia, na Polônia,
em Portugal, na Espanha, nos Países-Baixos, e na
Suíça católica, depois, com reticências, em Veneza. Só
foi aceito na França em 1615. Na Alemanha, o
imperador, subordinado às decisões da dieta de
Augsburgo, só ratifica os decretos sobre a fé e o culto.
Prof.ª Valéria Fernandes 37
REFORMA CATÓLICA
• Reconhecidos pelo papa em 1528, dedicaram-se a
zelar pelos mais pobres, buscando impedir o avanço
do protestantismo, e eram também pregadores
famosos por seu poder de persuasão.Prof.ª Valéria Fernandes 38
• Durante a Contrarreforma, foram
fundadas ordens e comunidades
religiosas com o intuito de conter
o avanço protestante. As duas
mais importantes são os jesuítas e
os capuchinhos.
• Surgidos em 1525, os capuchinhos
são franciscanos e defendiam que
a regra da ordem não estava
sendo seguida da forma correta. Matteo Bassi (1495–1552)
REFORMA CATÓLICA
• Depois de alguma resistência por parte dos cardeais
e suspeitas da Inquisição, a nova ordem foi
reconhecida pelo papa em 1540.
• Combateram a reforma protestante dentro da
Europa, destacaram-se na área da educação no e
trabalho missionário pelo mundo.Prof.ª Valéria Fernandes 39
• O militar Inácio de
Loyola fundou em 1534,
a Sociedade de Jesus.
• O lema da ordem é "Ad
maiorem Dei gloriam"
("Para a maior glória de
Deus"). A ordem exige
total obediência ao papa.
Inácio de Loyola (1491-1556)
REFORMA CATÓLICA
• Decisões do Concílio de Trento:
 Salvação pela fé e pelas obras.
 Tradição tinha o mesmo peso da Bíblia.
 Bíblia e Missa deveriam permanecer em Latim.
 Criação do Index → Lista dos livros proibidos.
 Manutenção do celibato dos padres.
 Somente os sacerdotes poderiam interpretar a
Bíblia, rezar a missa e ministrar os sacramentos.
 Proibida a comunhão nas duas espécies.
 Criação de seminários para a formação de padres.
 Bispos deveriam residir nas dioceses e padres nas
suas paróquias.
 Reativação da Inquisição.
 Proibição da venda de indulgências.
Prof.ª Valéria Fernandes 40
BIBLIOGRAFIA
DUFFY, Eamon. Santos e Pecadores – História dos
Papas. São Paulo: Cosac & Naify, 1998.
COLLINSON, Patrick. A Reforma. Rio de Janeiro:
Objetiva, 2006.
HEINZE, Rudolph W. Reform and Conflict – From the
Medieval to the Wars of Religion – AD 1350-1648.
Michigan: Baker Books, 2005, v.4.
GONZÁLEZ, Justo L. Uma História Ilustrada do
Cristianismo – A Era dos Reformadores, vol. 6, 2ª
ed. São Paulo: Vida Nova, 1995.
MACCULLOCH, Diarmaid. The Reformation – A
History. Nova York: Penguin, 2003.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Reforma protestante e protestantismo brasileiro
Reforma protestante e protestantismo brasileiro   Reforma protestante e protestantismo brasileiro
Reforma protestante e protestantismo brasileiro
Paulo Dias Nogueira
 
Igreja medieval
Igreja medievalIgreja medieval
Igreja medieval
PROFºWILTONREIS
 
1º ano - Reforma Religiosa
1º ano - Reforma Religiosa1º ano - Reforma Religiosa
1º ano - Reforma Religiosa
Daniel Alves Bronstrup
 
Reforma religiosa
Reforma religiosaReforma religiosa
Reforma religiosa
Kerol Brombal
 
Resumo reforma protestante
Resumo   reforma protestanteResumo   reforma protestante
Resumo reforma protestante
Claudenilson da Silva
 
A história da igreja cristã
A história da igreja cristãA história da igreja cristã
A história da igreja cristã
Filipe
 
Estudos pastores fiéis e infiéis
Estudos  pastores fiéis e infiéisEstudos  pastores fiéis e infiéis
Estudos pastores fiéis e infiéis
Joel Silva
 
O império carolíngio
O império carolíngioO império carolíngio
O império carolíngio
Dalton Lopes Reis Jr.
 
A Reforma protestante
A Reforma protestanteA Reforma protestante
A Reforma protestante
Luiz Angelo
 
Reformas religiosas
Reformas religiosasReformas religiosas
Reformas religiosas
Nelson Faustino
 
História (Roma)
História (Roma)História (Roma)
História (Roma)
Giorgia Marrone
 
Renascimento Cultural
Renascimento CulturalRenascimento Cultural
Renascimento Cultural
Edenilson Morais
 
O cristianismo em roma
O cristianismo em romaO cristianismo em roma
O cristianismo em roma
Ana Barreiros
 
Igreja na Idade Média
Igreja na Idade MédiaIgreja na Idade Média
Igreja na Idade Média
Glauco Gonçalves
 
SLIDES – A PARTICIPAÇÃO DO BRASIL NA SEGUNDA GUERRA.
SLIDES – A PARTICIPAÇÃO DO BRASIL NA SEGUNDA GUERRA.SLIDES – A PARTICIPAÇÃO DO BRASIL NA SEGUNDA GUERRA.
SLIDES – A PARTICIPAÇÃO DO BRASIL NA SEGUNDA GUERRA.
Tissiane Gomes
 
Quadro religião comparadas
Quadro religião comparadasQuadro religião comparadas
Quadro religião comparadas
Vítor Santos
 
Ecumenismo - ESTUDO SOBRE A UNIÃO DAS RELIGIÕES
Ecumenismo - ESTUDO SOBRE A UNIÃO DAS RELIGIÕES Ecumenismo - ESTUDO SOBRE A UNIÃO DAS RELIGIÕES
Ecumenismo - ESTUDO SOBRE A UNIÃO DAS RELIGIÕES
diego_juviniano
 
Aula 4 - Quarto Período - A Idade Média Cristã
Aula 4 - Quarto Período - A Idade Média CristãAula 4 - Quarto Período - A Idade Média Cristã
Aula 4 - Quarto Período - A Idade Média Cristã
Adriano Pascoa
 
Reforma protestante
Reforma protestanteReforma protestante
Reforma protestante
harlissoncarvalho
 
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIAINTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
Francelia Carvalho Oliveira
 

Mais procurados (20)

Reforma protestante e protestantismo brasileiro
Reforma protestante e protestantismo brasileiro   Reforma protestante e protestantismo brasileiro
Reforma protestante e protestantismo brasileiro
 
Igreja medieval
Igreja medievalIgreja medieval
Igreja medieval
 
1º ano - Reforma Religiosa
1º ano - Reforma Religiosa1º ano - Reforma Religiosa
1º ano - Reforma Religiosa
 
Reforma religiosa
Reforma religiosaReforma religiosa
Reforma religiosa
 
Resumo reforma protestante
Resumo   reforma protestanteResumo   reforma protestante
Resumo reforma protestante
 
A história da igreja cristã
A história da igreja cristãA história da igreja cristã
A história da igreja cristã
 
Estudos pastores fiéis e infiéis
Estudos  pastores fiéis e infiéisEstudos  pastores fiéis e infiéis
Estudos pastores fiéis e infiéis
 
O império carolíngio
O império carolíngioO império carolíngio
O império carolíngio
 
A Reforma protestante
A Reforma protestanteA Reforma protestante
A Reforma protestante
 
Reformas religiosas
Reformas religiosasReformas religiosas
Reformas religiosas
 
História (Roma)
História (Roma)História (Roma)
História (Roma)
 
Renascimento Cultural
Renascimento CulturalRenascimento Cultural
Renascimento Cultural
 
O cristianismo em roma
O cristianismo em romaO cristianismo em roma
O cristianismo em roma
 
Igreja na Idade Média
Igreja na Idade MédiaIgreja na Idade Média
Igreja na Idade Média
 
SLIDES – A PARTICIPAÇÃO DO BRASIL NA SEGUNDA GUERRA.
SLIDES – A PARTICIPAÇÃO DO BRASIL NA SEGUNDA GUERRA.SLIDES – A PARTICIPAÇÃO DO BRASIL NA SEGUNDA GUERRA.
SLIDES – A PARTICIPAÇÃO DO BRASIL NA SEGUNDA GUERRA.
 
Quadro religião comparadas
Quadro religião comparadasQuadro religião comparadas
Quadro religião comparadas
 
Ecumenismo - ESTUDO SOBRE A UNIÃO DAS RELIGIÕES
Ecumenismo - ESTUDO SOBRE A UNIÃO DAS RELIGIÕES Ecumenismo - ESTUDO SOBRE A UNIÃO DAS RELIGIÕES
Ecumenismo - ESTUDO SOBRE A UNIÃO DAS RELIGIÕES
 
Aula 4 - Quarto Período - A Idade Média Cristã
Aula 4 - Quarto Período - A Idade Média CristãAula 4 - Quarto Período - A Idade Média Cristã
Aula 4 - Quarto Período - A Idade Média Cristã
 
Reforma protestante
Reforma protestanteReforma protestante
Reforma protestante
 
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIAINTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
 

Semelhante a Reformas religiosas do Século XVI

Reformas Religiosas - Século XVI
Reformas Religiosas - Século XVIReformas Religiosas - Século XVI
Reformas Religiosas - Século XVI
Valéria Shoujofan
 
Reformas Religiosas (novo)
Reformas Religiosas (novo)Reformas Religiosas (novo)
Reformas Religiosas (novo)
Valéria Shoujofan
 
Reformas religiosas
Reformas religiosas Reformas religiosas
Reformas religiosas
Marcelo Ferreira Boia
 
O reinicio de uma igreja espiritual e o fim de uma igreja estatal
O reinicio de uma igreja espiritual e o fim de uma igreja estatalO reinicio de uma igreja espiritual e o fim de uma igreja estatal
O reinicio de uma igreja espiritual e o fim de uma igreja estatal
Samir Isac Dantas
 
A reforma protestante
A reforma protestanteA reforma protestante
A reforma protestante
Romulo Roosemberg
 
A Reforma Protestante-180214001905.pdf
A Reforma Protestante-180214001905.pdfA Reforma Protestante-180214001905.pdf
A Reforma Protestante-180214001905.pdf
GilvanBarretoSantos
 
Reforma protestante (1) rafael
Reforma protestante (1) rafaelReforma protestante (1) rafael
Reforma protestante (1) rafael
Tito Romeu Gomes de Sousa Maia Mendes
 
História da Igreja - Reforma e Contra-reforma
História da Igreja - Reforma e Contra-reformaHistória da Igreja - Reforma e Contra-reforma
História da Igreja - Reforma e Contra-reforma
Glauco Gonçalves
 
A reforma religiosa
A reforma religiosaA reforma religiosa
A reforma religiosa
historiando
 
A reforma protestante e sua relação com o pensamento moderno
A reforma protestante e sua relação com o pensamento modernoA reforma protestante e sua relação com o pensamento moderno
A reforma protestante e sua relação com o pensamento moderno
Debora Barros
 
Reforma-Protestante-movimentos-e-solas.ppt
Reforma-Protestante-movimentos-e-solas.pptReforma-Protestante-movimentos-e-solas.ppt
Reforma-Protestante-movimentos-e-solas.ppt
varjaomelo
 
T100 a trajetória do reformador martinho lutero parte ii-10.10.13
T100 a trajetória do reformador martinho lutero   parte ii-10.10.13T100 a trajetória do reformador martinho lutero   parte ii-10.10.13
T100 a trajetória do reformador martinho lutero parte ii-10.10.13
GersonPrates
 
Timothy george joão calvino
Timothy george   joão calvinoTimothy george   joão calvino
Timothy george joão calvino
LÊNIO GRAVAÇÕES
 
História da Igreja II: Aula 3: Reforma na Suíça: Zuínglio e Calvino
História da Igreja II: Aula 3: Reforma na Suíça: Zuínglio e CalvinoHistória da Igreja II: Aula 3: Reforma na Suíça: Zuínglio e Calvino
História da Igreja II: Aula 3: Reforma na Suíça: Zuínglio e Calvino
Andre Nascimento
 
Igreja pentecostalismo, missiologia e discipulado b
Igreja pentecostalismo, missiologia e  discipulado bIgreja pentecostalismo, missiologia e  discipulado b
Igreja pentecostalismo, missiologia e discipulado b
Elson Juvenal Pinto Loureiro
 
HISTÓRIA DA IGREJA (AULA 04 - BÁSICO - IBADEP)
HISTÓRIA DA IGREJA (AULA 04 - BÁSICO - IBADEP)HISTÓRIA DA IGREJA (AULA 04 - BÁSICO - IBADEP)
HISTÓRIA DA IGREJA (AULA 04 - BÁSICO - IBADEP)
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
Reforma protestante
Reforma protestanteReforma protestante
Reforma protestante
Alexandre Guanaes Buongermino
 
Reforma religiosa 2
Reforma religiosa 2Reforma religiosa 2
Reforma religiosa 2
Fatima Freitas
 
História da Igreja Martinho Lutero e a Expansão da Reforma
História da Igreja Martinho Lutero e a Expansão da ReformaHistória da Igreja Martinho Lutero e a Expansão da Reforma
História da Igreja Martinho Lutero e a Expansão da Reforma
Luciana Evangelista
 
Reforma protestante 2013
Reforma protestante 2013Reforma protestante 2013
Reforma protestante 2013
Adriana Gomes Messias
 

Semelhante a Reformas religiosas do Século XVI (20)

Reformas Religiosas - Século XVI
Reformas Religiosas - Século XVIReformas Religiosas - Século XVI
Reformas Religiosas - Século XVI
 
Reformas Religiosas (novo)
Reformas Religiosas (novo)Reformas Religiosas (novo)
Reformas Religiosas (novo)
 
Reformas religiosas
Reformas religiosas Reformas religiosas
Reformas religiosas
 
O reinicio de uma igreja espiritual e o fim de uma igreja estatal
O reinicio de uma igreja espiritual e o fim de uma igreja estatalO reinicio de uma igreja espiritual e o fim de uma igreja estatal
O reinicio de uma igreja espiritual e o fim de uma igreja estatal
 
A reforma protestante
A reforma protestanteA reforma protestante
A reforma protestante
 
A Reforma Protestante-180214001905.pdf
A Reforma Protestante-180214001905.pdfA Reforma Protestante-180214001905.pdf
A Reforma Protestante-180214001905.pdf
 
Reforma protestante (1) rafael
Reforma protestante (1) rafaelReforma protestante (1) rafael
Reforma protestante (1) rafael
 
História da Igreja - Reforma e Contra-reforma
História da Igreja - Reforma e Contra-reformaHistória da Igreja - Reforma e Contra-reforma
História da Igreja - Reforma e Contra-reforma
 
A reforma religiosa
A reforma religiosaA reforma religiosa
A reforma religiosa
 
A reforma protestante e sua relação com o pensamento moderno
A reforma protestante e sua relação com o pensamento modernoA reforma protestante e sua relação com o pensamento moderno
A reforma protestante e sua relação com o pensamento moderno
 
Reforma-Protestante-movimentos-e-solas.ppt
Reforma-Protestante-movimentos-e-solas.pptReforma-Protestante-movimentos-e-solas.ppt
Reforma-Protestante-movimentos-e-solas.ppt
 
T100 a trajetória do reformador martinho lutero parte ii-10.10.13
T100 a trajetória do reformador martinho lutero   parte ii-10.10.13T100 a trajetória do reformador martinho lutero   parte ii-10.10.13
T100 a trajetória do reformador martinho lutero parte ii-10.10.13
 
Timothy george joão calvino
Timothy george   joão calvinoTimothy george   joão calvino
Timothy george joão calvino
 
História da Igreja II: Aula 3: Reforma na Suíça: Zuínglio e Calvino
História da Igreja II: Aula 3: Reforma na Suíça: Zuínglio e CalvinoHistória da Igreja II: Aula 3: Reforma na Suíça: Zuínglio e Calvino
História da Igreja II: Aula 3: Reforma na Suíça: Zuínglio e Calvino
 
Igreja pentecostalismo, missiologia e discipulado b
Igreja pentecostalismo, missiologia e  discipulado bIgreja pentecostalismo, missiologia e  discipulado b
Igreja pentecostalismo, missiologia e discipulado b
 
HISTÓRIA DA IGREJA (AULA 04 - BÁSICO - IBADEP)
HISTÓRIA DA IGREJA (AULA 04 - BÁSICO - IBADEP)HISTÓRIA DA IGREJA (AULA 04 - BÁSICO - IBADEP)
HISTÓRIA DA IGREJA (AULA 04 - BÁSICO - IBADEP)
 
Reforma protestante
Reforma protestanteReforma protestante
Reforma protestante
 
Reforma religiosa 2
Reforma religiosa 2Reforma religiosa 2
Reforma religiosa 2
 
História da Igreja Martinho Lutero e a Expansão da Reforma
História da Igreja Martinho Lutero e a Expansão da ReformaHistória da Igreja Martinho Lutero e a Expansão da Reforma
História da Igreja Martinho Lutero e a Expansão da Reforma
 
Reforma protestante 2013
Reforma protestante 2013Reforma protestante 2013
Reforma protestante 2013
 

Mais de Valéria Shoujofan

América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados NacionaisAmérica Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
Valéria Shoujofan
 
Segundo Reinando: Escravidão e Imigração
Segundo Reinando: Escravidão e ImigraçãoSegundo Reinando: Escravidão e Imigração
Segundo Reinando: Escravidão e Imigração
Valéria Shoujofan
 
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptxEntre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
Valéria Shoujofan
 
Revolução Americana
Revolução AmericanaRevolução Americana
Revolução Americana
Valéria Shoujofan
 
Iluminismo e Déspotas Esclarecidos
Iluminismo e Déspotas EsclarecidosIluminismo e Déspotas Esclarecidos
Iluminismo e Déspotas Esclarecidos
Valéria Shoujofan
 
Primeira e Segunda Revolução Industrial
Primeira e Segunda Revolução IndustrialPrimeira e Segunda Revolução Industrial
Primeira e Segunda Revolução Industrial
Valéria Shoujofan
 
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos ContratualistasAbsolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Valéria Shoujofan
 
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução AgrícolaInglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
Valéria Shoujofan
 
Revoluções Inglesas - século XVII
Revoluções Inglesas - século XVIIRevoluções Inglesas - século XVII
Revoluções Inglesas - século XVII
Valéria Shoujofan
 
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICACONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
Valéria Shoujofan
 
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
Valéria Shoujofan
 
Revoltas Emancipacionistas
Revoltas EmancipacionistasRevoltas Emancipacionistas
Revoltas Emancipacionistas
Valéria Shoujofan
 
Período Joanino (1808-1821)
Período Joanino (1808-1821)Período Joanino (1808-1821)
Período Joanino (1808-1821)
Valéria Shoujofan
 
Independência do Brasil e Primeiro Reinado
Independência do Brasil e Primeiro ReinadoIndependência do Brasil e Primeiro Reinado
Independência do Brasil e Primeiro Reinado
Valéria Shoujofan
 
Renascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
Renascimento Urbano e Comercial e CruzadasRenascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
Renascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
Valéria Shoujofan
 
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
Valéria Shoujofan
 
Sociedade feudal - Parte 1
Sociedade feudal - Parte 1Sociedade feudal - Parte 1
Sociedade feudal - Parte 1
Valéria Shoujofan
 
Formação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Formação das Monarquias Nacionais e AbsolutismoFormação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Formação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Valéria Shoujofan
 
Renascimento Cultural
Renascimento CulturalRenascimento Cultural
Renascimento Cultural
Valéria Shoujofan
 
E Machado de Assis virou Mangá: Reflexões sobre a releitura em quadrinhos do ...
E Machado de Assis virou Mangá: Reflexões sobre a releitura em quadrinhos do ...E Machado de Assis virou Mangá: Reflexões sobre a releitura em quadrinhos do ...
E Machado de Assis virou Mangá: Reflexões sobre a releitura em quadrinhos do ...
Valéria Shoujofan
 

Mais de Valéria Shoujofan (20)

América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados NacionaisAmérica Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
 
Segundo Reinando: Escravidão e Imigração
Segundo Reinando: Escravidão e ImigraçãoSegundo Reinando: Escravidão e Imigração
Segundo Reinando: Escravidão e Imigração
 
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptxEntre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
 
Revolução Americana
Revolução AmericanaRevolução Americana
Revolução Americana
 
Iluminismo e Déspotas Esclarecidos
Iluminismo e Déspotas EsclarecidosIluminismo e Déspotas Esclarecidos
Iluminismo e Déspotas Esclarecidos
 
Primeira e Segunda Revolução Industrial
Primeira e Segunda Revolução IndustrialPrimeira e Segunda Revolução Industrial
Primeira e Segunda Revolução Industrial
 
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos ContratualistasAbsolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
 
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução AgrícolaInglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
 
Revoluções Inglesas - século XVII
Revoluções Inglesas - século XVIIRevoluções Inglesas - século XVII
Revoluções Inglesas - século XVII
 
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICACONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
 
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
 
Revoltas Emancipacionistas
Revoltas EmancipacionistasRevoltas Emancipacionistas
Revoltas Emancipacionistas
 
Período Joanino (1808-1821)
Período Joanino (1808-1821)Período Joanino (1808-1821)
Período Joanino (1808-1821)
 
Independência do Brasil e Primeiro Reinado
Independência do Brasil e Primeiro ReinadoIndependência do Brasil e Primeiro Reinado
Independência do Brasil e Primeiro Reinado
 
Renascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
Renascimento Urbano e Comercial e CruzadasRenascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
Renascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
 
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
 
Sociedade feudal - Parte 1
Sociedade feudal - Parte 1Sociedade feudal - Parte 1
Sociedade feudal - Parte 1
 
Formação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Formação das Monarquias Nacionais e AbsolutismoFormação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Formação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
 
Renascimento Cultural
Renascimento CulturalRenascimento Cultural
Renascimento Cultural
 
E Machado de Assis virou Mangá: Reflexões sobre a releitura em quadrinhos do ...
E Machado de Assis virou Mangá: Reflexões sobre a releitura em quadrinhos do ...E Machado de Assis virou Mangá: Reflexões sobre a releitura em quadrinhos do ...
E Machado de Assis virou Mangá: Reflexões sobre a releitura em quadrinhos do ...
 

Último

O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
nunesly
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
TathyLopes1
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
samucajaime015
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
FernandaOliveira758273
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 

Reformas religiosas do Século XVI

  • 2. PRÉ-REFORMA RELIGIOSA • John Wycliffe (c. 1320-1384) e os lollardos – Inglaterra. • Jan Hus – Boêmia (*atual República Tcheca*). • O Concílio de Constança (1414-1418). • Rainha Isabel de Castela e o Cardeal Cisneros – Espanha. • Humanistas como Erasmo de Roterdã. Jan Hus (c. 1369-1415) Prof.ª Valéria Fernandes 2
  • 4. “Gostaria que a mais fraca mulher lesse os Evangelhos e as Epístolas de São Paulo [...] Gostaria que essas palavras fossem traduzidas para todas as línguas, afim de que não só os escoceses e irlandeses, como também turcos e sarracenos pudessem lê-las. Anseio que o lavrador as cante para si mesmo quando acompanha o arado, o tecelão as murmure ao som de sua lançadeira, que o viajante iluda com elas a monotonia da jornada.” Novum Testamentum omne de Erasmo de Roterdã Prof.ª Valéria Fernandes 4
  • 5. MOTIVAÇÕES DA REFORMA RELIGIOSA • Corrupção e despreparo do clero. • Papas que se comportavam como príncipes seculares e, não, como líderes da igreja. • Sentimentos nacionais, associados, ou não, a existência de um Estado. • As críticas dos humanistas. • Uma maior difusão da Bíblia e textos teológicos graças à invenção da imprensa. Prof.ª Valéria Fernandes 5
  • 6. MOTIVAÇÕES DA REFORMA RELIGIOSA • Simonia é a venda de objetos considerados sagrados ou a venda de cargos religiosos. Os grandes senhores compravam cargos eclesiásticos como forma de aumentar seu poder ou garantir uma fonte de renda para seus filhos, o padre da paróquia enfurecia os fiáis ao cobrar por serviços que deveriam ser gratuitos. Já o Nicolaísmo está ligado ao desregramento sexual do clero. Obrigados ao celibato, muitos não mantinham a castidade e envolviam-se em escândalos sexuais. Prof.ª Valéria Fernandes 6
  • 7. HUMANISMO REFORMISTA • Um dos maiores intelectuais de seu tempo, ele defendeu a seu modo uma reforma de Igreja Católica e foi defensor da tolerância. • Propôs que a Bíblia estivesse na língua do povo, o fim do celibato obrigatório, questionou o culto às relíquias e à Virgem Maria, criticou o comportamento moral de membros do clero, inclusive os papas. • Respeitado por Lutero, discordava dele principalmente em relação ao livre-arbítrio. Prof.ª Valéria Fernandes 7 Erasmo de Rotterdam (1466-1536)
  • 8. REFORMA LUTERANA • Em 15 de março de 1517, o papa Leão X ofereceu indulgência (perdão) aos que contribuíssem para a construção da basílica de São Pedro em Roma. • Lutero e outros teólogos questionam a validade das indulgências. Prof.ª Valéria Fernandes 8
  • 9. REFORMA LUTERANA • Lutero (1483-1546), professor na Universidade de Wittenberg, se insurge contra a cobrança das indulgências. • Em a 31/10/1517, como forma de protesto, Lutero pregou (*ou não*) as 95 Teses na porta da Igreja do Castelo de Wittenberg. • As conciliações fracassaram e o Papa Leão X excomungou Lutero em 03/01/1521, na bula "Decet Romanum Pontificem". Prof.ª Valéria Fernandes 9
  • 10. REFORMA LUTERANA • A reforma de Lutero está ligada a ao processo de afirmação nacional alemã. • Foi apoiada por parte da nobreza e havia o interesse pelas terras da Igreja Católica. • Lutero não era o único a propor uma reforma, mas seu caso terminou por iniciar a fragmentação da Cristandade. • Confissão de Augsburgo (1530) → Melanchton. • Paz de Augsburgo (1555) → “A religião do príncipe é a religião do povo”. Prof.ª Valéria Fernandes 10
  • 11. REFORMA LUTERANA • A Guerra dos Camponeses fomentada pelas idéias anabatistas de Thomas Müntzer tinha por base a idéia de que “os pobres são demasiado infelizes para ter tempo de conhecer a Bíblia e rezar. Nenhuma reforma religiosa é possível sem revolução social”. • Müntzer e seus discípulos compuseram os 12 Artigos e defendiam entre outras coisas: a livre escolha dos pastores, a abolição da corvéia e dos pequenos dízimos, que os grandes dízimos fossem usados em benefício da comunidade, e que a servidão fosse abolida. Prof.ª Valéria Fernandes 11
  • 12. REFORMA LUTERANA • Lutero termina por defender:  Salvação pela graça mediante a fé.  A Bíblia na língua do povo → alemão.  Comunhão nas duas espécies → pão e vinho.  Cabia ao príncipe escolher os pastores.  Sacerdócio universal.  Fim do celibato obrigatório.  A veneração aos santos não foi abolida.  Manteve o batismo infantil. Prof.ª Valéria Fernandes 12
  • 13. REFORMA LUTERANA • Philipp Melanchthon (1497- 1560), filólogo e teólogo redigiu a Confissão de Augsburg (1530) e tornou-se o principal líder do luteranismo após a morte de seu fundador. Conhecido como o "educador da Alemanha" (Praeceptor Germaniae) por reformar o ensino em território alemão e escrever a primeira gramática dessa língua. Prof.ª Valéria Fernandes 13
  • 14. REFORMA NA SUÍÇA • A Reforma religiosa na Suíça começou quase ao mesmo tempo que na Alemanha. • A região também não tinha uma unidade nacional e estava obrigada a enviar soldados para os exércitos de vários países. • O padre Ulrich Zwinglio começa a pregar em Zurique o chamado “evangelho puro” em 1519 e se coloca contra as indulgências. Prof.ª Valéria Fernandes Zwinglio (1484-1531) 14
  • 15. REFORMA NA SUÍÇA • Se a pergunta de Lutero era “como eu posso ser salvo?”, a de Zwinglio era “como salvar o meu povo?”. • Zwinglio era humanista, admirador de Erasmo de Roterdã e pregava que a Bíblia deveria pautar todas as ações das pessoas. • Ele e Lutero discordavam em vários pontos, especialmente em relação à Eucaristia. • Zwinglio era contra o envio de soldados suíços para guerras que não eram suas. Isso fez com que Zurique fosse atacada e o reformador morreu em batalha. Prof.ª Valéria Fernandes 15
  • 16. OS ANABATISTAS Prof.ª Valéria Fernandes 16 • Chamados de reformadores radicais em alguns livros. • Defendiam que somente os adultos fossem batizados. • Alguns eram pacifistas. • Com as perseguições de católicos e protestantes, o movimento assumiu posturas místicas e participaram de revoltas populares. • Seus descendentes são os atuais menonitas. Anabatista recebendo o “terceiro” batismo.
  • 17. PIONEIRO DO ECUMENISMO • Martinho Bucero (1491-1551) não tem uma igreja com seu nome, mas foi um dos reformadores mais importantes de sua época, atuando principalmente na cidade de Estrasburgo. Dominicano, tornou-se protestante depois de ouvir uma pregação de Lutero. Tentou conciliar o reformador alemão e Zwinglio, mas fracassou. Muito próximo de Melanchthon, negociou com Carlos V um acordo entre protestantes e católicos no Sacro Império e fracassou. Terminou obrigado a se exilar na Inglaterra, em 1549, onde, sob a proteção de Eduardo VI, ajudou na segunda revisão do Livro de Oração Comum. Prof.ª Valéria Fernandes 17
  • 18. JOÃO CALVINO • Calvino nasceu na França (1509) e recebeu uma sólida formação humanista. • Sua educação foi patrocinada pelo bispo de sua cidade (Noyon), patrão de seu pai. • A Reforma na França já estava em andamento quando Calvino nasceu e o reformador teve contato com ideias luteranas e de outros reformadores. Prof.ª Valéria Fernandes João Calvino (1509-1564) 18
  • 19. JOÃO CALVINO • Diferentemente de Lutero, não se sabe quando Calvino rompeu com a Igreja Católica, mas em 1534, ele voltou a sua cidade e abriu mão do dinheiro dado pelo bispo para patrocinar-lhe os estudos. • A Reforma na França estava condicionada pela vontade do Rei → Se o monarca se sentisse ameaçado em seu poder, haveria perseguição. • Não havia um “perfil” protestante na França. Nobres, burgueses (*como Calvino*), camponeses, todos aderiram à Reforma e eram chamados de huguenotes. Prof.ª Valéria Fernandes 19
  • 20. SIGNIFICADO DA PALAVRA HUGUENOTE  A origem da palavra não é clara. Há quem defenda que o termo vem do nome de Besançon Hugues, líder da revolta protestante de Genebra. Bernard Cottret diz que o termo vem de “confederados”, em francês "eidguenot", derivado do suíço-alemão “eidgenossen”, ou “partidário da Reforma”. Já Owen I.A. Roche diz que “huguenote” era uma combinação de dois termos, um flamengo e outro alemão, “eid Genossen” (colegas de juramento), já que as reuniões protestantes eram secretas. Outros afirmam que o termo derive do nome de um lugar no qual os protestantes franceses celebravam o próprio culto; esse lugar era chamado "Torre de Hugon" e se encontra em Tours. Prof.ª Valéria Fernandes 20
  • 21. JOÃO CALVINO • Em março de 1536, Calvino publica a 1ª versão da sua obra mais importante Institutas da Religião Cristã em latim, com dedicatória ao rei da França. • Com a perseguição, Calvino parte para Estrasbugo, cidade de língua francesa reformada e liderada por Bucero. Chegando em Genebra, é instado por Guilherme Farel a permanecer. • Genebra nem sempre foi acolhedora para com Calvino, mas foi ali que ele desenvolveu sua reforma religiosa e a cidade passou a ser conhecida como a Jerusalém ou Roma do Protestantismo. Prof.ª Valéria Fernandes 21
  • 22. MURO DA REFORMA Calvino fundou a Universidade de Genebra e o homenageou no Muro da Reforma junto com Theodore Beza, Guilherme Farel e John Knox.Prof.ª Valéria Fernandes 22
  • 23. JOÃO CALVINO • “Por decreto de Deus, para manifestação de sua glória, alguns homens são predestinados à vida eterna e outros são predestinados à morte eterna.” → A predestinação é fundamental ao Calvinismo. • Justificação do trabalho e do lucro; ênfase na austeridade e na disciplina; preocupação com a educação. • A burguesia adere mais ao calvinismo → identificação de classe X identificação nacional. • Puritanos, presbiterianos, reformados etc. são todos calvinistas. Prof.ª Valéria Fernandes 23
  • 24. REFORMA NA ESCÓCIA • Na Escócia, o avanço da reforma se deveu a John Knox (1505-1572), discípulo de Calvino. Perseguido, foi condenado às galés, refugiou- se depois em Genebra. Seu texto “Primeiro Toque da Trombeta contra o Monstruoso Governo de Mulheres”, o indispôs com a rainha Elizabeth I da Inglaterra. De volta à Escócia, entrou em conflito com a Rainha Mary, que era católica e venceu. Prof.ª Valéria Fernandes 24 • O parlamento escocês abraçou a reforma em 1560, estabelecendo oficialmente o presbiterianismo.
  • 25. REFORMA NA FRANÇA • Houve 8 guerras de religião entre 1562 e 1598. • O Massacre de São Bartolomeu foi somente o maior (*entre 30 mil e 100 mil mortos*) de vários. • A nobreza protestante e católica disputava o poder e o apoio do rei, que oscilava entre os dois lados. • Após se converter ao catolicismo, Henrique de Navarra tornou-se rei da França e baixou o Edito de Nantes (1598) que colocou fim ao conflito religioso. • Mais tarde, o Cardeal Richelieu fez guerra aos protestantes e diminuiu-lhes os direitos como forma de fortalecer o poder do rei. Prof.ª Valéria Fernandes 25
  • 26. REFORMA NA FRANÇA • Durante a regência de Catarina de Médicis e o governo de seus filhos (Francisco II, Carlos IX e Henrique III) explodiu a violência religiosa na França. • Os Bourbon (huguenotes) e os Guise (católicos) disputavam a influência sobre o rei. • Catarina tentou a conciliação entre as partes, mas a Liga Católica via esses movimentos como inaceitáveis. • Durante o seu governo foi fundada a França Antártica (1555) uma tentativa de colonização francesa no território brasileiro, um local de abrigo para os huguenotes fora da França. Prof.ª Valéria Fernandes 26 Catarina de Médicis (1519- 1559), de família burguesa, foi mãe de três reis da França.
  • 27. REFORMA NA FRANÇA • Massacre da Noite de São Bartolomeu em 23 e 24 de agosto de 1572. Prof.ª Valéria Fernandes 27
  • 28. REFORMA NA FRANÇA • O Edito de Nantes colocou fim às guerras de religião, dando aos protestantes liberdade de culto limitada e controle de algumas cidades fortificadas. • Em 1685, Luís XIV revogou o Edito de Nantes com o Edito de Fontainebleau. Os huguenotes voltaram a ser perseguidos e muitos deles saíram do país. A migração dos huguenotes causou problemas econômicos ao país. Prof.ª Valéria Fernandes 28
  • 29. REFORMA NA INGLATERRA • Henrique VIII era um dos reis mais católicos da Europa. • Em 1521, publicou um livro em que atacava as idéias de Lutero, recebendo do papa o título de Defensor Fidei. • Por questões pessoais (relação com Ana Bolena, a esperança de um herdeiro do sexo masculino), o rei pleiteou junto à Roma a anulação de seu casamento com Catarina de Aragão. Prof.ª Valéria Fernandes 29 Evangelho de João traduzido por William Tyndale.
  • 30. REFORMA NA INGLATERRA • O rompimento com Roma foi um processo que se estendeu de 1525 até 1534. • No continente, a ruptura com o catolicismo foi feita por razões teológicas e levada adiante por homens comuns. • Na Inglaterra, a Reforma esteve condicionada a motivos pessoais e políticos e foi forçada de cima para baixo pelo rei. Prof.ª Valéria Fernandes 30
  • 32. REFORMA NA INGLATERRA • Em 1531, Henrique VIII exigiu ser reconhecido pela Igreja como Protetor e único chefe supremo da Igreja e do clero da Inglaterra. • Pelo Ato de Supremacia, novembro de 1534, o Parlamento reconheceu Henrique VIII como "o único chefe supremo na Terra da Igreja na Inglaterra". • Durante o governo de Henrique VIII, mosteiros foram destruídos e os bens da Igreja Católica confiscados. Já em termos de teologia e doutrina, a Igreja permaneceu próxima do Catolicismo. Prof.ª Valéria Fernandes 32
  • 33. REFORMA NA INGLATERRA • Eduardo VI (1537-1553) consolidou aproximou a Igreja da Inglaterra do Calvinismo → Promoveu a revisão do Livro de Oração Comum (1549). • Mary I (1553-1558) forçou o retorno ao Catolicismo e a Inquisição se estabeleceu na Inglaterra. • Elizabeth I (1558 -1603) governou como protestante, mas levou adiante uma política de conciliação, excluindo somente católicos radicais e puritanos. Em 1559, foi reconhecida como Governante Suprema da Igreja e em 1552 foi publicado um novo Livro de Oração Comum. Prof.ª Valéria Fernandes 33
  • 34. • Mary Stuart (1542-1587), rainha da Escócia, era considerada pelos católicos legítima herdeira do trono inglês. Derrotada pelos protestantes em seu país, pediu asilo a sua prima Elizabeth I. Passou 19 anos presa. Uma conspiração frustrada colocá-la no trono, fez com que fosse condenada à morte e decapitada.Prof.ª Valéria Fernandes 34
  • 35. • A Invencível Armada foi lançada sobre a Inglaterra por Filipe II, rei da Espanha, em 1588, em retaliação à execução de Mary.Prof.ª Valéria Fernandes 35
  • 36. PONTOS COMUNS A TODOS OS PROTESTANTES • Sola fide (somente a fé); • Sola scriptura (somente a Escritura); • Solus Christus (somente Cristo); • Sola gratia (somente a graça); • Soli Deo gloria (glória somente a Deus). 36Prof.ª Valéria Fernandes
  • 37. REFORMA CATÓLICA • Convocado por Paulo III, o Concílio de Trento (1545- 1563) teve existência tumultuada e interrompido diversas vezes. • Os protestantes participaram de parte do Concílio, pois havia o desejo de conciliação. • Foi aceito em parte da Itália, em Sabóia, na Polônia, em Portugal, na Espanha, nos Países-Baixos, e na Suíça católica, depois, com reticências, em Veneza. Só foi aceito na França em 1615. Na Alemanha, o imperador, subordinado às decisões da dieta de Augsburgo, só ratifica os decretos sobre a fé e o culto. Prof.ª Valéria Fernandes 37
  • 38. REFORMA CATÓLICA • Reconhecidos pelo papa em 1528, dedicaram-se a zelar pelos mais pobres, buscando impedir o avanço do protestantismo, e eram também pregadores famosos por seu poder de persuasão.Prof.ª Valéria Fernandes 38 • Durante a Contrarreforma, foram fundadas ordens e comunidades religiosas com o intuito de conter o avanço protestante. As duas mais importantes são os jesuítas e os capuchinhos. • Surgidos em 1525, os capuchinhos são franciscanos e defendiam que a regra da ordem não estava sendo seguida da forma correta. Matteo Bassi (1495–1552)
  • 39. REFORMA CATÓLICA • Depois de alguma resistência por parte dos cardeais e suspeitas da Inquisição, a nova ordem foi reconhecida pelo papa em 1540. • Combateram a reforma protestante dentro da Europa, destacaram-se na área da educação no e trabalho missionário pelo mundo.Prof.ª Valéria Fernandes 39 • O militar Inácio de Loyola fundou em 1534, a Sociedade de Jesus. • O lema da ordem é "Ad maiorem Dei gloriam" ("Para a maior glória de Deus"). A ordem exige total obediência ao papa. Inácio de Loyola (1491-1556)
  • 40. REFORMA CATÓLICA • Decisões do Concílio de Trento:  Salvação pela fé e pelas obras.  Tradição tinha o mesmo peso da Bíblia.  Bíblia e Missa deveriam permanecer em Latim.  Criação do Index → Lista dos livros proibidos.  Manutenção do celibato dos padres.  Somente os sacerdotes poderiam interpretar a Bíblia, rezar a missa e ministrar os sacramentos.  Proibida a comunhão nas duas espécies.  Criação de seminários para a formação de padres.  Bispos deveriam residir nas dioceses e padres nas suas paróquias.  Reativação da Inquisição.  Proibição da venda de indulgências. Prof.ª Valéria Fernandes 40
  • 41. BIBLIOGRAFIA DUFFY, Eamon. Santos e Pecadores – História dos Papas. São Paulo: Cosac & Naify, 1998. COLLINSON, Patrick. A Reforma. Rio de Janeiro: Objetiva, 2006. HEINZE, Rudolph W. Reform and Conflict – From the Medieval to the Wars of Religion – AD 1350-1648. Michigan: Baker Books, 2005, v.4. GONZÁLEZ, Justo L. Uma História Ilustrada do Cristianismo – A Era dos Reformadores, vol. 6, 2ª ed. São Paulo: Vida Nova, 1995. MACCULLOCH, Diarmaid. The Reformation – A History. Nova York: Penguin, 2003.