SlideShare uma empresa Scribd logo
REVOLUÇÃO AGRÍCOLA (1650-1800)
REVOLUÇÃO CIENTÍFICA (1550-1770)
ERA DAS REVOLUÇÕES
• A IDADE MODERNA FOI MARCADA POR VÁRIAS
REVOLUÇÕES. NORMALMENTE, DESTACAMOS AS
QUE OCORRERAM NO SÉCULO XVIII, A 1ª
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL, A REVOLUÇÃO
AMERICANA E A REVOLUÇÃO FRANCESA, QUE
MARCA O INÍCIO DA IDADE CONTEMPORÂNEA.
• ESSAS REVOLUÇÕES MAIS FAMOSAS FORAM
ANTECEDIDAS POR OUTRAS IGUALMENTE
IMPORTANTES, AS REVOLUÇÕES INGLESAS, A
REVOLUÇÃO CIENTÍFICA (1570-1770) E A
REVOLUÇÃO AGRÁRIA (1650-1800).
ERA DAS REVOLUÇÕES
• AO LONGO DO SÉCULO XVII, NA INGLATERRA,
TIVEMOS DUAS REVOLUÇÕES QUE COMEÇARAM A
ERODIR A IDEIA DE ABSOLUTISMO MONÁRQUICO E
LANÇARAM AS BASES DO MODELO DE ESTADO
LIBERAL.
• ESSAS REVOLUÇÕES POLÍTICAS ESTABELECERAM
MUDANÇAS NA FORMA COMO A TERRA ERA
UTILIZADA, COLOCANDO FIM AO MODELO MEDIEVAL
E O SUBSTITUINDO POR UMA EXPLORAÇÃO
CAPITALISTA DO CAMPO, ALÉM DISSO, CRIARAM UM
CLIMA FAVORÁVEL PARA O AVANÇO DAS PESQUISAS
CIENTÍFICAS.
A NOVA REVOLUÇÃO AGRÍCOLA
• APERFEIÇOAMENTOS TÉCNICOS.
• ROTAÇÃO DE CULTURAS COM 4 CAMPOS.
• CERCAMENTOS COM FIM DOS DIREITOS
COMUNAIS DOS CAMPONESES.
• DESENVOLVIMENTO DE UM MERCADO
NACIONAL LIVRE DE TARIFAS, PEDÁGIOS
E BARREIRAS ALFANDEGÁRIAS.
• MELHORIA NA INFRAESTRUTURA DE
TRANSPORTE.
• AUMENTO NO TAMANHO DAS FAZENDAS.
• PLANTIO E REPRODUÇÃO SELECIONADA.
DO RENASCIMENTO ÀS REVOLUÇÃO
CIENTÍFICA
• DURANTE O RENASCIMENTO, UMA SÉRIE DE
PESQUISAS E DESCOBERTAS CIENTÍFICAS QUE
POSSIBILITARAM O ROMPIMENTO COM O MODELO
MEDIEVAL (ESCOLÁSTICO) QUE BUSCAVA CONCILIAR
FÉ E RAZÃO.
• A OBSERVAÇÃO E A EXPERIMENTAÇÃO ALIADAS A
RAZÃO MATEMÁTICA, CONTRIBUIRAM PARA O
DESENVOLVIMENTO DAS CIÊNCIAS MODERNAS.
DO RENASCIMENTO ÀS REVOLUÇÃO
CIENTÍFICA
• O POLONÊS NICOLAU COPÉRNICO (1473-
1543) PROVOU O HELIOCÊNTRISMO,
DESCARTANDO O MODELO GEOCÊNTRICO,
APOIADO PELA IGREJA CATÓLICA.
• O EQUIVOCO DE COPÉRNICO, QUE
CONSIDERAVA AS ÓRBITAS CIRCULARES,
FOI CORRIGIDO MAIS TARDE POR TYCHO
BRAHE (1546-1601) E SEU DISCÍPULO
JOHANNES KEPLER (1571-1630), QUE
PROVOU QUE ELAS ERAM ELÍPTICAS.
DIAGRAMA DE COPERNICO.
COPÉRNICO E GALILEU GALILEI.
DO RENASCIMENTO ÀS REVOLUÇÃO
CIENTÍFICA
• GALILEU GALILEI (1564-1642) FEZ VÁRIAS DESCOBERTAS
IMPORTANTES PARA A CIÊNCIA DE SUA ÉPOCA E ALÉM. AO
ESTUDAR A ÓRBITA DOS PLANETAS, PROVANDO, POR
EXEMPLO, QUE VÊNUS TINHA FASES, COMO A DA LUA, E
DESCOBRINDO AS GRANDES LUAS DE JÚPITER.
• AS DESCOBERTAS DE GALILEU FORAM IMPORTANTES
PARA COMPROVAR O HELIOCENTRISMO, MAS ELE FOI
ACUSADO DE HERESIA E OBRIGADO A SE RETRATAR PELA
INQUISIÇÃO CATÓLICA.
REVOLUÇÃO CIENTÍFICA: CLIMA
FAVORÁVEL
• O UNIVERSO ENCARADO COMO ALGO QUE
PODE SER EXPLICADO, E MAIS, EXPLICADO
MATEMATICAMENTE, ERA ALGO RADICAL NO
SÉCULO XVI, MAS SE TORNOU ALGO VIÁVEL
NO SÉCULO SEGUINTE.
• NA INGLATERRA, FRANCIS BACON, PAI DO
EMPIRICISMO, TEVE UM PAPEL IMPORTANTE
NA CRIAÇÃO DO MÉTODO CIENTÍFICO AO
DEFENDER QUE O CONHECIMENTO PODERIA
SER ALCANÇADO COM O USO DO
RACIOCÍNIO INDUTIVO E NA OBSERVAÇÃO
CUIDADOSA DOS EVENTOS NA NATUREZA. FRANCIS BACON (1561-
1626)
REVOLUÇÃO CIENTÍFICA: CLIMA
FAVORÁVEL
• EM SOLO INGLÊS, OS DEBATES CIENTÍFICOS
TIVERAM GRANDE IMPULSO NAS UNIVERSIDADES E
FORA DELAS.
• POR EXEMPLO, O AVANÇO TÉCNICO ERA VISTO
COMO INTERESSANTE PELA BURGUESIA, QUE
DESEJAVA AUMENTAR A PRODUTIVIDADE DA
AGRICULTURA E PROMOVER O DESENVOLVIMENTO
DAS CIÊNCIAS NÁUTICAS, O QUE OCORREU MESMO
DURANTE A REPÚBLICA PURITANA.
REVOLUÇÃO CIENTÍFICA: CLIMA
FAVORÁVEL
• COM A RESTAURAÇÃO (1660), A INGLATERRA TERÁ
UM REI, CARLOS II, COM PARTICULAR INTERESSE
PELAS PESQUISAS CIENTÍFICAS, ESPECIALMENTE,
DAS CIÊNCIAS NATURAIS.
• O REI FUNDOU A ROYAL SOCIETY (1662) COM O
INTUITO DE PROMOVER O DESENVOLVIMENTO
CIENTÍFICO SOB PATROCÍNIO REAL E ELA
TERMINOU SERVINDO DE MODELO PARA OUTRAS DO
MESMO TIPO NA FRANÇA (1666) E OUTROS PAÍSES
DA EUROPA.
REVOLUÇÃO CIENTÍFICA: CLIMA
FAVORÁVEL
• UM DOS GRANDES BENEFICIADOS
POR ESSE CLIMA DE ESTÍMULO À
PESQUISA CIENTÍFICA FOI ISAAC
NEWTON (1643-1727) QUE FEZ
ESTUDOS EM ÓTICA, FÍSICA,
MATEMÁTICA, MAS, TAMBÉM, EM
FILOSOFIA, TEOLOGIA E ALQUIMIA.
• DEDUZIU AS TRÊS LEIS DA FÍSICA
MECÂNICA, A DA INÉRCIA, O
PRINCÍPIO FUNDAMENTAL DA
DINÂMICA E LEI DA AÇÃO E REAÇÃO.
• FORA DA INGLATERRA O GRANDE
NOME DA MATEMÁTICA FOI O
TEÓLOGO, JURISTA, FILÓSOFO,
FÍSICO E MATEMÁTICO ALEMÃO
LEIBNIZ, QUE DIVIDE COM
NEWTON A PRIMAZIA NOS
ESTUDOS DE CÁLCULO.
• EM OUTRAS CIÊNCIAS, PODEMOS
DESTACAR OS TRABALHOS NA
QUÍMICA DE ROBERT BOYLE
(1627-1691), NA BIOLOGIA DE
ROBERT HOOKE (1635-1703), NA
MEDICINA DE WILLIAM HARVEY
(1578-1657). TODOS FORAM
MEMBROS DA ROYAL SOCIETY NA
MESMA ÉPOCA.
GOTTFRIED LEIBNIZ
(1646-1716)
REVOLUÇÃO CIENTÍFICA: PENSO,
LOGO, EXISTO
• FORA DA INGLATERRA, UM DOS MAIORES
NOMES DAS CIÊNCIAS NO SÉCULO XVII FOI
O FRANCÊS RENÉ DESCARTES (1596-1650.
• FILÓSOFO, ADVOGADO, ESTRATEGISTA
MILITAR, FÍSICO, MATEMÁTICO,
DESCARTES RESGATOU O PENSAMENTO
PLATÔNICO E DEFENDIA QUE A RAZÃO E
TODO O CONHECIMENTO RACIONAL SÃO
INATOS AO SER HUMANO E QUE É
NECESSÁRIO ESTABELECER UM MÉTODO
PARA QUE O CONHECIMENTO FILOSÓFICO
ATINJA A VERDADE.
• OS CIENTISTAS E FILÓSOFOS DO
SÉCULO XVII ERAM EM SUA
MAIORIA, HOMENS DE FÉ, NO
ENTANTO, UMA IDEIA FORTE NA
ÉPOCA É QUE O UNIVERSO
FUNCIONAVA COMO UMA
MÁQUINA PERFEITA, COM LEIS
PRÓPRIAS, PASSÍVEIS DE SEREM
DEDUZIDAS E QUE SEU CRIADOR
NÃO INTERVIRIA NO SEU
FUNCIONAMENTO.
• ESTA IDEIA TERÁ INFLUÊNCIA
NO ILUMINISMO, DIVIDINDO
SEUS FILÓSOFOS EM DEÍSTAS E
TEÍSTAS.
UMA DAS TEORIAS
IMPORTANTES SURGIDAS
NESSA ÉPOCA É A DE
QUE DEUS TERIA CRIADO
O UNIVERSO COM SUAS
LEIS E O DEIXADO
FUNCIONAR.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A revolução francesa 1
A revolução francesa 1A revolução francesa 1
A revolução francesa 1
Susana Simões
 
3º ano primeira guerra mundial
3º ano   primeira guerra mundial3º ano   primeira guerra mundial
3º ano primeira guerra mundial
Daniel Alves Bronstrup
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
9. revolução inglesa
9. revolução inglesa9. revolução inglesa
9. revolução inglesa
José Augusto Fiorin
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
joana71
 
Slide cruzadas
Slide cruzadasSlide cruzadas
Slide cruzadas
Isabel Aguiar
 
1º ano - Reforma Religiosa
1º ano - Reforma Religiosa1º ano - Reforma Religiosa
1º ano - Reforma Religiosa
Daniel Alves Bronstrup
 
Ato de navegação
Ato de navegaçãoAto de navegação
Ato de navegação
Ana Margarida
 
As capitanias hereditárias
As capitanias hereditáriasAs capitanias hereditárias
As capitanias hereditárias
Alê Maldonado
 
Ciclo do ouro
Ciclo do ouroCiclo do ouro
Brasil Colônia
Brasil ColôniaBrasil Colônia
Brasil Colônia
Aulas de História
 
Revolucao Industrial
Revolucao  Industrial   Revolucao  Industrial
Revolucao Industrial
Fatima Freitas
 
O Renascimento
O RenascimentoO Renascimento
O Renascimento
Carlos Pinheiro
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasil
Douglas Barraqui
 
Tráfico negreiro
Tráfico negreiroTráfico negreiro
Tráfico negreiro
Pedro Gervásio
 
26 - Renascimento
26 - Renascimento26 - Renascimento
26 - Renascimento
Carla Freitas
 
Os problemas urbanos
Os problemas urbanosOs problemas urbanos
Os problemas urbanos
Paula Melo
 
6 01 as transformações economicas na europa e no mundo_alunos
6 01 as transformações economicas na europa e no mundo_alunos6 01 as transformações economicas na europa e no mundo_alunos
6 01 as transformações economicas na europa e no mundo_alunos
Vítor Santos
 
Guerra dos cem anos
Guerra dos cem anosGuerra dos cem anos
Guerra dos cem anos
Eduard Henry
 
Proclamação da república
Proclamação da repúblicaProclamação da república
Proclamação da república
Fabiana Tonsis
 

Mais procurados (20)

A revolução francesa 1
A revolução francesa 1A revolução francesa 1
A revolução francesa 1
 
3º ano primeira guerra mundial
3º ano   primeira guerra mundial3º ano   primeira guerra mundial
3º ano primeira guerra mundial
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
9. revolução inglesa
9. revolução inglesa9. revolução inglesa
9. revolução inglesa
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
Slide cruzadas
Slide cruzadasSlide cruzadas
Slide cruzadas
 
1º ano - Reforma Religiosa
1º ano - Reforma Religiosa1º ano - Reforma Religiosa
1º ano - Reforma Religiosa
 
Ato de navegação
Ato de navegaçãoAto de navegação
Ato de navegação
 
As capitanias hereditárias
As capitanias hereditáriasAs capitanias hereditárias
As capitanias hereditárias
 
Ciclo do ouro
Ciclo do ouroCiclo do ouro
Ciclo do ouro
 
Brasil Colônia
Brasil ColôniaBrasil Colônia
Brasil Colônia
 
Revolucao Industrial
Revolucao  Industrial   Revolucao  Industrial
Revolucao Industrial
 
O Renascimento
O RenascimentoO Renascimento
O Renascimento
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasil
 
Tráfico negreiro
Tráfico negreiroTráfico negreiro
Tráfico negreiro
 
26 - Renascimento
26 - Renascimento26 - Renascimento
26 - Renascimento
 
Os problemas urbanos
Os problemas urbanosOs problemas urbanos
Os problemas urbanos
 
6 01 as transformações economicas na europa e no mundo_alunos
6 01 as transformações economicas na europa e no mundo_alunos6 01 as transformações economicas na europa e no mundo_alunos
6 01 as transformações economicas na europa e no mundo_alunos
 
Guerra dos cem anos
Guerra dos cem anosGuerra dos cem anos
Guerra dos cem anos
 
Proclamação da república
Proclamação da repúblicaProclamação da república
Proclamação da república
 

Semelhante a Inglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola

A revolução cientifica
A revolução cientificaA revolução cientifica
A revolução cientifica
Tiago Simoes
 
Introdução ao estudo do espiritismo - cientistas
Introdução ao estudo do espiritismo - cientistasIntrodução ao estudo do espiritismo - cientistas
Introdução ao estudo do espiritismo - cientistas
Denise Aguiar
 
A Revolução Científica
A Revolução CientíficaA Revolução Científica
A Revolução Científica
Rui Neto
 
Galileu Galilei Biografia
Galileu Galilei BiografiaGalileu Galilei Biografia
Galileu Galilei Biografia
Luis Hamilton Arruda
 
O Renascimento
O RenascimentoO Renascimento
O Renascimento
Ramiro Bicca
 
( Espiritismo) # - alvaro chirispino - o livro dos espiritos no contexto do...
( Espiritismo)   # - alvaro chirispino - o livro dos espiritos no contexto do...( Espiritismo)   # - alvaro chirispino - o livro dos espiritos no contexto do...
( Espiritismo) # - alvaro chirispino - o livro dos espiritos no contexto do...
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
( Espiritismo) # - alvaro chirispino - o livro dos espiritos no contexto do...
( Espiritismo)   # - alvaro chirispino - o livro dos espiritos no contexto do...( Espiritismo)   # - alvaro chirispino - o livro dos espiritos no contexto do...
( Espiritismo) # - alvaro chirispino - o livro dos espiritos no contexto do...
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
Prefácio da dialética da natureza natureza
Prefácio da dialética da natureza naturezaPrefácio da dialética da natureza natureza
Prefácio da dialética da natureza natureza
Fabiani Figueiredo Caseira
 
SLIDE 1.pptx
SLIDE 1.pptxSLIDE 1.pptx
SLIDE 1.pptx
JOSIMEIRE5
 
História da ciência
História da ciênciaHistória da ciência
História da ciência
professoraivanilda
 
4 as revoluções da modernidade - agrícola, religiosa e científica
4   as revoluções da modernidade - agrícola, religiosa e científica4   as revoluções da modernidade - agrícola, religiosa e científica
4 as revoluções da modernidade - agrícola, religiosa e científica
Octavio Silvério de Souza Vieira Neto
 
Renascimento cientifico
Renascimento cientificoRenascimento cientifico
Renascimento cientifico
Samuel Moura
 
Apresentação CEFE - Antecedentes Históricos Mundiais face à Terceira Revolução
Apresentação CEFE - Antecedentes Históricos  Mundiais face à Terceira RevoluçãoApresentação CEFE - Antecedentes Históricos  Mundiais face à Terceira Revolução
Apresentação CEFE - Antecedentes Históricos Mundiais face à Terceira Revolução
CEFEbr
 
Renascimento Científico - Prof. Altair Aguilar
Renascimento Científico - Prof. Altair AguilarRenascimento Científico - Prof. Altair Aguilar
Renascimento Científico - Prof. Altair Aguilar
Altair Moisés Aguilar
 
02 o alargamento do conhecimento do mundo
02 o alargamento do conhecimento do mundo02 o alargamento do conhecimento do mundo
02 o alargamento do conhecimento do mundo
Vítor Santos
 
Ceep resumo3ªrev cientifica-regência
Ceep resumo3ªrev cientifica-regênciaCeep resumo3ªrev cientifica-regência
Ceep resumo3ªrev cientifica-regência
andrecarlosocosta
 
Breve História da Ciência Moderna
Breve História da Ciência ModernaBreve História da Ciência Moderna
Breve História da Ciência Moderna
Elcielle .
 
O método experimental e o progresso do conhecimento
O método experimental e o progresso do conhecimentoO método experimental e o progresso do conhecimento
O método experimental e o progresso do conhecimento
Diogo.Verissimo
 
ECOLBAS_1.pptx
ECOLBAS_1.pptxECOLBAS_1.pptx
ECOLBAS_1.pptx
Márcio Azevedo
 
A Ciência Através dos Tempos
A Ciência Através dos TemposA Ciência Através dos Tempos
A Ciência Através dos Tempos
Lucas Campos
 

Semelhante a Inglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola (20)

A revolução cientifica
A revolução cientificaA revolução cientifica
A revolução cientifica
 
Introdução ao estudo do espiritismo - cientistas
Introdução ao estudo do espiritismo - cientistasIntrodução ao estudo do espiritismo - cientistas
Introdução ao estudo do espiritismo - cientistas
 
A Revolução Científica
A Revolução CientíficaA Revolução Científica
A Revolução Científica
 
Galileu Galilei Biografia
Galileu Galilei BiografiaGalileu Galilei Biografia
Galileu Galilei Biografia
 
O Renascimento
O RenascimentoO Renascimento
O Renascimento
 
( Espiritismo) # - alvaro chirispino - o livro dos espiritos no contexto do...
( Espiritismo)   # - alvaro chirispino - o livro dos espiritos no contexto do...( Espiritismo)   # - alvaro chirispino - o livro dos espiritos no contexto do...
( Espiritismo) # - alvaro chirispino - o livro dos espiritos no contexto do...
 
( Espiritismo) # - alvaro chirispino - o livro dos espiritos no contexto do...
( Espiritismo)   # - alvaro chirispino - o livro dos espiritos no contexto do...( Espiritismo)   # - alvaro chirispino - o livro dos espiritos no contexto do...
( Espiritismo) # - alvaro chirispino - o livro dos espiritos no contexto do...
 
Prefácio da dialética da natureza natureza
Prefácio da dialética da natureza naturezaPrefácio da dialética da natureza natureza
Prefácio da dialética da natureza natureza
 
SLIDE 1.pptx
SLIDE 1.pptxSLIDE 1.pptx
SLIDE 1.pptx
 
História da ciência
História da ciênciaHistória da ciência
História da ciência
 
4 as revoluções da modernidade - agrícola, religiosa e científica
4   as revoluções da modernidade - agrícola, religiosa e científica4   as revoluções da modernidade - agrícola, religiosa e científica
4 as revoluções da modernidade - agrícola, religiosa e científica
 
Renascimento cientifico
Renascimento cientificoRenascimento cientifico
Renascimento cientifico
 
Apresentação CEFE - Antecedentes Históricos Mundiais face à Terceira Revolução
Apresentação CEFE - Antecedentes Históricos  Mundiais face à Terceira RevoluçãoApresentação CEFE - Antecedentes Históricos  Mundiais face à Terceira Revolução
Apresentação CEFE - Antecedentes Históricos Mundiais face à Terceira Revolução
 
Renascimento Científico - Prof. Altair Aguilar
Renascimento Científico - Prof. Altair AguilarRenascimento Científico - Prof. Altair Aguilar
Renascimento Científico - Prof. Altair Aguilar
 
02 o alargamento do conhecimento do mundo
02 o alargamento do conhecimento do mundo02 o alargamento do conhecimento do mundo
02 o alargamento do conhecimento do mundo
 
Ceep resumo3ªrev cientifica-regência
Ceep resumo3ªrev cientifica-regênciaCeep resumo3ªrev cientifica-regência
Ceep resumo3ªrev cientifica-regência
 
Breve História da Ciência Moderna
Breve História da Ciência ModernaBreve História da Ciência Moderna
Breve História da Ciência Moderna
 
O método experimental e o progresso do conhecimento
O método experimental e o progresso do conhecimentoO método experimental e o progresso do conhecimento
O método experimental e o progresso do conhecimento
 
ECOLBAS_1.pptx
ECOLBAS_1.pptxECOLBAS_1.pptx
ECOLBAS_1.pptx
 
A Ciência Através dos Tempos
A Ciência Através dos TemposA Ciência Através dos Tempos
A Ciência Através dos Tempos
 

Mais de Valéria Shoujofan

América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados NacionaisAmérica Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
Valéria Shoujofan
 
Segundo Reinando: Escravidão e Imigração
Segundo Reinando: Escravidão e ImigraçãoSegundo Reinando: Escravidão e Imigração
Segundo Reinando: Escravidão e Imigração
Valéria Shoujofan
 
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptxEntre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
Valéria Shoujofan
 
Revolução Americana
Revolução AmericanaRevolução Americana
Revolução Americana
Valéria Shoujofan
 
Iluminismo e Déspotas Esclarecidos
Iluminismo e Déspotas EsclarecidosIluminismo e Déspotas Esclarecidos
Iluminismo e Déspotas Esclarecidos
Valéria Shoujofan
 
Primeira e Segunda Revolução Industrial
Primeira e Segunda Revolução IndustrialPrimeira e Segunda Revolução Industrial
Primeira e Segunda Revolução Industrial
Valéria Shoujofan
 
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos ContratualistasAbsolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Valéria Shoujofan
 
Reformas Religiosas (novo)
Reformas Religiosas (novo)Reformas Religiosas (novo)
Reformas Religiosas (novo)
Valéria Shoujofan
 
Revoluções Inglesas - século XVII
Revoluções Inglesas - século XVIIRevoluções Inglesas - século XVII
Revoluções Inglesas - século XVII
Valéria Shoujofan
 
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICACONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
Valéria Shoujofan
 
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
Valéria Shoujofan
 
Revoltas Emancipacionistas
Revoltas EmancipacionistasRevoltas Emancipacionistas
Revoltas Emancipacionistas
Valéria Shoujofan
 
Período Joanino (1808-1821)
Período Joanino (1808-1821)Período Joanino (1808-1821)
Período Joanino (1808-1821)
Valéria Shoujofan
 
Independência do Brasil e Primeiro Reinado
Independência do Brasil e Primeiro ReinadoIndependência do Brasil e Primeiro Reinado
Independência do Brasil e Primeiro Reinado
Valéria Shoujofan
 
Renascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
Renascimento Urbano e Comercial e CruzadasRenascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
Renascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
Valéria Shoujofan
 
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
Valéria Shoujofan
 
Sociedade feudal - Parte 1
Sociedade feudal - Parte 1Sociedade feudal - Parte 1
Sociedade feudal - Parte 1
Valéria Shoujofan
 
Formação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Formação das Monarquias Nacionais e AbsolutismoFormação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Formação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Valéria Shoujofan
 
Reformas religiosas do Século XVI
Reformas religiosas do Século XVIReformas religiosas do Século XVI
Reformas religiosas do Século XVI
Valéria Shoujofan
 
Renascimento Cultural
Renascimento CulturalRenascimento Cultural
Renascimento Cultural
Valéria Shoujofan
 

Mais de Valéria Shoujofan (20)

América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados NacionaisAmérica Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
 
Segundo Reinando: Escravidão e Imigração
Segundo Reinando: Escravidão e ImigraçãoSegundo Reinando: Escravidão e Imigração
Segundo Reinando: Escravidão e Imigração
 
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptxEntre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
 
Revolução Americana
Revolução AmericanaRevolução Americana
Revolução Americana
 
Iluminismo e Déspotas Esclarecidos
Iluminismo e Déspotas EsclarecidosIluminismo e Déspotas Esclarecidos
Iluminismo e Déspotas Esclarecidos
 
Primeira e Segunda Revolução Industrial
Primeira e Segunda Revolução IndustrialPrimeira e Segunda Revolução Industrial
Primeira e Segunda Revolução Industrial
 
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos ContratualistasAbsolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
 
Reformas Religiosas (novo)
Reformas Religiosas (novo)Reformas Religiosas (novo)
Reformas Religiosas (novo)
 
Revoluções Inglesas - século XVII
Revoluções Inglesas - século XVIIRevoluções Inglesas - século XVII
Revoluções Inglesas - século XVII
 
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICACONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
 
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
 
Revoltas Emancipacionistas
Revoltas EmancipacionistasRevoltas Emancipacionistas
Revoltas Emancipacionistas
 
Período Joanino (1808-1821)
Período Joanino (1808-1821)Período Joanino (1808-1821)
Período Joanino (1808-1821)
 
Independência do Brasil e Primeiro Reinado
Independência do Brasil e Primeiro ReinadoIndependência do Brasil e Primeiro Reinado
Independência do Brasil e Primeiro Reinado
 
Renascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
Renascimento Urbano e Comercial e CruzadasRenascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
Renascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
 
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
 
Sociedade feudal - Parte 1
Sociedade feudal - Parte 1Sociedade feudal - Parte 1
Sociedade feudal - Parte 1
 
Formação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Formação das Monarquias Nacionais e AbsolutismoFormação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Formação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
 
Reformas religiosas do Século XVI
Reformas religiosas do Século XVIReformas religiosas do Século XVI
Reformas religiosas do Século XVI
 
Renascimento Cultural
Renascimento CulturalRenascimento Cultural
Renascimento Cultural
 

Último

1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
soaresdesouzaamanda8
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
Suzy De Abreu Santana
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 

Último (20)

1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 

Inglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola

  • 2. ERA DAS REVOLUÇÕES • A IDADE MODERNA FOI MARCADA POR VÁRIAS REVOLUÇÕES. NORMALMENTE, DESTACAMOS AS QUE OCORRERAM NO SÉCULO XVIII, A 1ª REVOLUÇÃO INDUSTRIAL, A REVOLUÇÃO AMERICANA E A REVOLUÇÃO FRANCESA, QUE MARCA O INÍCIO DA IDADE CONTEMPORÂNEA. • ESSAS REVOLUÇÕES MAIS FAMOSAS FORAM ANTECEDIDAS POR OUTRAS IGUALMENTE IMPORTANTES, AS REVOLUÇÕES INGLESAS, A REVOLUÇÃO CIENTÍFICA (1570-1770) E A REVOLUÇÃO AGRÁRIA (1650-1800).
  • 3. ERA DAS REVOLUÇÕES • AO LONGO DO SÉCULO XVII, NA INGLATERRA, TIVEMOS DUAS REVOLUÇÕES QUE COMEÇARAM A ERODIR A IDEIA DE ABSOLUTISMO MONÁRQUICO E LANÇARAM AS BASES DO MODELO DE ESTADO LIBERAL. • ESSAS REVOLUÇÕES POLÍTICAS ESTABELECERAM MUDANÇAS NA FORMA COMO A TERRA ERA UTILIZADA, COLOCANDO FIM AO MODELO MEDIEVAL E O SUBSTITUINDO POR UMA EXPLORAÇÃO CAPITALISTA DO CAMPO, ALÉM DISSO, CRIARAM UM CLIMA FAVORÁVEL PARA O AVANÇO DAS PESQUISAS CIENTÍFICAS.
  • 4. A NOVA REVOLUÇÃO AGRÍCOLA • APERFEIÇOAMENTOS TÉCNICOS. • ROTAÇÃO DE CULTURAS COM 4 CAMPOS. • CERCAMENTOS COM FIM DOS DIREITOS COMUNAIS DOS CAMPONESES. • DESENVOLVIMENTO DE UM MERCADO NACIONAL LIVRE DE TARIFAS, PEDÁGIOS E BARREIRAS ALFANDEGÁRIAS. • MELHORIA NA INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTE. • AUMENTO NO TAMANHO DAS FAZENDAS. • PLANTIO E REPRODUÇÃO SELECIONADA.
  • 5. DO RENASCIMENTO ÀS REVOLUÇÃO CIENTÍFICA • DURANTE O RENASCIMENTO, UMA SÉRIE DE PESQUISAS E DESCOBERTAS CIENTÍFICAS QUE POSSIBILITARAM O ROMPIMENTO COM O MODELO MEDIEVAL (ESCOLÁSTICO) QUE BUSCAVA CONCILIAR FÉ E RAZÃO. • A OBSERVAÇÃO E A EXPERIMENTAÇÃO ALIADAS A RAZÃO MATEMÁTICA, CONTRIBUIRAM PARA O DESENVOLVIMENTO DAS CIÊNCIAS MODERNAS.
  • 6. DO RENASCIMENTO ÀS REVOLUÇÃO CIENTÍFICA • O POLONÊS NICOLAU COPÉRNICO (1473- 1543) PROVOU O HELIOCÊNTRISMO, DESCARTANDO O MODELO GEOCÊNTRICO, APOIADO PELA IGREJA CATÓLICA. • O EQUIVOCO DE COPÉRNICO, QUE CONSIDERAVA AS ÓRBITAS CIRCULARES, FOI CORRIGIDO MAIS TARDE POR TYCHO BRAHE (1546-1601) E SEU DISCÍPULO JOHANNES KEPLER (1571-1630), QUE PROVOU QUE ELAS ERAM ELÍPTICAS. DIAGRAMA DE COPERNICO.
  • 8. DO RENASCIMENTO ÀS REVOLUÇÃO CIENTÍFICA • GALILEU GALILEI (1564-1642) FEZ VÁRIAS DESCOBERTAS IMPORTANTES PARA A CIÊNCIA DE SUA ÉPOCA E ALÉM. AO ESTUDAR A ÓRBITA DOS PLANETAS, PROVANDO, POR EXEMPLO, QUE VÊNUS TINHA FASES, COMO A DA LUA, E DESCOBRINDO AS GRANDES LUAS DE JÚPITER. • AS DESCOBERTAS DE GALILEU FORAM IMPORTANTES PARA COMPROVAR O HELIOCENTRISMO, MAS ELE FOI ACUSADO DE HERESIA E OBRIGADO A SE RETRATAR PELA INQUISIÇÃO CATÓLICA.
  • 9. REVOLUÇÃO CIENTÍFICA: CLIMA FAVORÁVEL • O UNIVERSO ENCARADO COMO ALGO QUE PODE SER EXPLICADO, E MAIS, EXPLICADO MATEMATICAMENTE, ERA ALGO RADICAL NO SÉCULO XVI, MAS SE TORNOU ALGO VIÁVEL NO SÉCULO SEGUINTE. • NA INGLATERRA, FRANCIS BACON, PAI DO EMPIRICISMO, TEVE UM PAPEL IMPORTANTE NA CRIAÇÃO DO MÉTODO CIENTÍFICO AO DEFENDER QUE O CONHECIMENTO PODERIA SER ALCANÇADO COM O USO DO RACIOCÍNIO INDUTIVO E NA OBSERVAÇÃO CUIDADOSA DOS EVENTOS NA NATUREZA. FRANCIS BACON (1561- 1626)
  • 10. REVOLUÇÃO CIENTÍFICA: CLIMA FAVORÁVEL • EM SOLO INGLÊS, OS DEBATES CIENTÍFICOS TIVERAM GRANDE IMPULSO NAS UNIVERSIDADES E FORA DELAS. • POR EXEMPLO, O AVANÇO TÉCNICO ERA VISTO COMO INTERESSANTE PELA BURGUESIA, QUE DESEJAVA AUMENTAR A PRODUTIVIDADE DA AGRICULTURA E PROMOVER O DESENVOLVIMENTO DAS CIÊNCIAS NÁUTICAS, O QUE OCORREU MESMO DURANTE A REPÚBLICA PURITANA.
  • 11. REVOLUÇÃO CIENTÍFICA: CLIMA FAVORÁVEL • COM A RESTAURAÇÃO (1660), A INGLATERRA TERÁ UM REI, CARLOS II, COM PARTICULAR INTERESSE PELAS PESQUISAS CIENTÍFICAS, ESPECIALMENTE, DAS CIÊNCIAS NATURAIS. • O REI FUNDOU A ROYAL SOCIETY (1662) COM O INTUITO DE PROMOVER O DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO SOB PATROCÍNIO REAL E ELA TERMINOU SERVINDO DE MODELO PARA OUTRAS DO MESMO TIPO NA FRANÇA (1666) E OUTROS PAÍSES DA EUROPA.
  • 12. REVOLUÇÃO CIENTÍFICA: CLIMA FAVORÁVEL • UM DOS GRANDES BENEFICIADOS POR ESSE CLIMA DE ESTÍMULO À PESQUISA CIENTÍFICA FOI ISAAC NEWTON (1643-1727) QUE FEZ ESTUDOS EM ÓTICA, FÍSICA, MATEMÁTICA, MAS, TAMBÉM, EM FILOSOFIA, TEOLOGIA E ALQUIMIA. • DEDUZIU AS TRÊS LEIS DA FÍSICA MECÂNICA, A DA INÉRCIA, O PRINCÍPIO FUNDAMENTAL DA DINÂMICA E LEI DA AÇÃO E REAÇÃO.
  • 13. • FORA DA INGLATERRA O GRANDE NOME DA MATEMÁTICA FOI O TEÓLOGO, JURISTA, FILÓSOFO, FÍSICO E MATEMÁTICO ALEMÃO LEIBNIZ, QUE DIVIDE COM NEWTON A PRIMAZIA NOS ESTUDOS DE CÁLCULO. • EM OUTRAS CIÊNCIAS, PODEMOS DESTACAR OS TRABALHOS NA QUÍMICA DE ROBERT BOYLE (1627-1691), NA BIOLOGIA DE ROBERT HOOKE (1635-1703), NA MEDICINA DE WILLIAM HARVEY (1578-1657). TODOS FORAM MEMBROS DA ROYAL SOCIETY NA MESMA ÉPOCA. GOTTFRIED LEIBNIZ (1646-1716)
  • 14. REVOLUÇÃO CIENTÍFICA: PENSO, LOGO, EXISTO • FORA DA INGLATERRA, UM DOS MAIORES NOMES DAS CIÊNCIAS NO SÉCULO XVII FOI O FRANCÊS RENÉ DESCARTES (1596-1650. • FILÓSOFO, ADVOGADO, ESTRATEGISTA MILITAR, FÍSICO, MATEMÁTICO, DESCARTES RESGATOU O PENSAMENTO PLATÔNICO E DEFENDIA QUE A RAZÃO E TODO O CONHECIMENTO RACIONAL SÃO INATOS AO SER HUMANO E QUE É NECESSÁRIO ESTABELECER UM MÉTODO PARA QUE O CONHECIMENTO FILOSÓFICO ATINJA A VERDADE.
  • 15. • OS CIENTISTAS E FILÓSOFOS DO SÉCULO XVII ERAM EM SUA MAIORIA, HOMENS DE FÉ, NO ENTANTO, UMA IDEIA FORTE NA ÉPOCA É QUE O UNIVERSO FUNCIONAVA COMO UMA MÁQUINA PERFEITA, COM LEIS PRÓPRIAS, PASSÍVEIS DE SEREM DEDUZIDAS E QUE SEU CRIADOR NÃO INTERVIRIA NO SEU FUNCIONAMENTO. • ESTA IDEIA TERÁ INFLUÊNCIA NO ILUMINISMO, DIVIDINDO SEUS FILÓSOFOS EM DEÍSTAS E TEÍSTAS. UMA DAS TEORIAS IMPORTANTES SURGIDAS NESSA ÉPOCA É A DE QUE DEUS TERIA CRIADO O UNIVERSO COM SUAS LEIS E O DEIXADO FUNCIONAR.