SlideShare uma empresa Scribd logo
Revolução Americana
 A Revolução Americana, ou Independência das
Treze Colônias foi um marco em vários sentidos,
ela rompeu com o Eurocentrismo da História
Ocidental dando ao continente americano o
protagonismo, mesmo que temporário.
 Pela primeira vez, uma colônia derrotou sua
metrópole no campo de batalha.
 Ela colocou em prática as ideias iluministas
instrumentalizando as ideias de Locke, Rousseau,
Montesquieu e outros pensadores.
 A Revolução Americana impactou com seu exemplo
a principal revolução do século XVIII e que
aconteceu na França. 4/6/2022
Prof.ª Valéria Fernandes 2
Revolução Americana
 Quando observamos as Treze Colônias é o alto grau
de autonomia gozado por elas se comparado com as
colônias ibéricas. É o chamado Autogoverno (Self-
Government).
 A formação das Treze Colônias também foi muito
heterogênea quanto à fundação, ao governo, à
formação social e religiosa, assim como ao modelo
econômico. Além disso, é preciso lembrar que os
ingleses tomaram colônias holandesas, francesas,
alemães, dinamarquesas etc.
 Para efeito de estudo para os concursos, divida
essas colônias em de povoamento e de exploração.
4/6/2022
Prof.ª Valéria Fernandes 4
 O que definia o modelo econômico seguido nas
colônias eram alguns fatores os interesses da
metrópole, o clima e o tipo de solo e relevo.
 Assim, as colônias do Norte, a chamada Nova
Inglaterra, em especial, foi ocupada por famílias
fugitivos religiosos agindo de forma autônoma, tinha
clima semelhante ao da Inglaterra. Adotou-se um
modelo de pequena propriedade familiar, com a
fundação de pequenas vilas e cidades que produziam
algumas manufaturas, faziam comércio entre si e o
famoso Comércio Triangular.
 A escravidão, ou a servidão, nunca foram centrais
nessa região. 4/6/2022
Prof.ª Valéria Fernandes 5
 As colônias do Centro, como Maryland, fundada
para receber os católicos, poderiam ter um clima
mais ou menos favorável ao desenvolvimento de
alguma lavoura mais extensiva, como arroz, anil,
algodão, mas no Sul o clima e o relevo eram
favoráveis à plantation. O modelo variava.
 A plantation se sustenta sobre um tripé: grande
propriedade (latifúndio), monocultura e mão-de-
obra barata. As colônias do Sul, mesmo gozando
de certa autonomia, estruturava sua sociedade e
economia de forma semelhante ao que vemos no
Brasil.
4/6/2022
Prof.ª Valéria Fernandes 6
A Guerra dos Sete Anos
(1754-1763) foi mundial.
Houve batalhas na Ásia,
Europa, América, e
África.
Os colonos cobiçavam as
terras para além dos
Montes Apalaches e
outras vantagens que
deveriam vir com a
vitória dos ingleses.
4/6/2022
Prof.ª Valéria Fernandes 7
AMÉRICA
DO
NORTE
APÓS
A
GUERRA
DOS
SETE
ANOS.
4/6/2022
Prof.ª Valéria Fernandes 8
 Os primeiros séculos de colonização inglesa na
América foram marcados pelos chamado auto-
governo (self government) com grande autonomia
para as colônias, este tipo de atitude era chamado
de “negligência salutar”.
 Com o fim da Guerra dos Sete Anos, no entanto, as
coisas mudaram. Mesmo vitoriosa, a Inglaterra
precisava recompor suas reservas e a atitude em
relação às colônias mudou com a tentativa de
imposição de uma série de impostos e exigências.
4/6/2022
Prof.ª Valéria Fernandes 9
 Com o fim da Guerra dos Sete
Anos, os colonos não recebem a
recompensa esperada por sua
colaboração.
 Declaração de 1763 → Terras
além dos Montes Apalaches são
transformadas em reserva
indígena.
 “Os americanos são filhos, não
bastardos da Inglaterra.” William
Pitt defendeu os colonos e perdeu
seu lugar no ministério.
4/6/2022
Prof.ª Valéria Fernandes 10
William Pitt, the
Elder, foi primeiro-
ministro da Inglaterra.
 Lei do Açúcar (Sugar Act) → 1764 → Aumentava os
impostos sobre o açúcar e derivados e estabelecia
que os colonos só poderiam comprar melaço das
Antilhas Inglesas. As reclamações dos colonos não
foram ouvidas.
 Lei da Moeda (Currency Act) → 1764 → Proibia a
cunhagem ou emissão de moeda nas colônias e que
o dinheiro já existente pudesse ser usado no
comércio com a metrópole.
 Lei do Selo (Stamp Act) → 1765 → Tudo que fosse
impresso na colônia deveria receber o selo real e ser
taxado. 4/6/2022
Prof.ª Valéria Fernandes 11
4/6/2022
Prof.ª Valéria Fernandes 12
 Congresso da Lei do Selo (1765) → Contando com a
participação de nove colônias, reafirma a fidelidade
à Metrópole, mas promove o boicote aos produtos
ingleses enquanto a lei não for revogada.
 Lei de Aquartelamento (Quartering Acts) → 1765 →
Obrigava os colonos a pagarem pelo alojamento e
comida de tropas inglesas nas colônias.
 O Parlamento Inglês votou a suspensão da Lei do
Selo (1766) sob pressão dos comerciantes
prejudicados em seus negócios. Esse recuo será
compensado por com novas taxações sobre
importados. (Atos Townshend/1767)
4/6/2022
Prof.ª Valéria Fernandes 13
 Gravura de Paul Revere mostrando as tropas britânicas que desembarcaram
em Boston, capital de Massachussets, em resposta a eventos
desencadeados pela resistência aos Atos Townshend. 4/6/2022
Prof.ª Valéria Fernandes 14
15
4/6/2022
Prof.ª Valéria Fernandes
 A pressão fiscal britânica e a
presença de tropas em Boston
levou a um confronto em 5 de
março de 1770.
 Colonos atacaram um soldado que
guardava uma guarnição com bolas
de neve, gelo e pedras. O militar
deu o alarme e as tropas atiraram
sobre a população, foram cinco
mortos e seis feridos.
 John Adams, que viria a ser o
segundo presidente dos EUA,
defendeu os soldados na corte
argumentando legítima defesa e
falta de provas.
Gravura de Paul Revere,
retratando o massacre.
16
4/6/2022
Prof.ª Valéria Fernandes
 Crispus Attucks, em destaque, é considerado o primeiro
mártir da independência dos Estados Unidos. (Litografia
sem autor declarado e de data desconhecida)
17
4/6/2022
Prof.ª Valéria Fernandes
"Os fatos são coisas teimosas; e quaisquer que sejam
os nossos desejos, nossas inclinações ou os ditames de
nossa paixão, eles não podem alterar o estado dos
fatos e das evidências. É mais importante que a
inocência seja protegida do que é que a culpa é punida,
pois a culpa e os crimes são tão frequentes neste
mundo que nem todos podem ser punidos, mas se a
própria inocência é levada ao tribunal e condenada,
talvez à morte, então o cidadão diz: 'se eu devo' o bem
ou se faço o mal é imaterial, pois a inocência em si não
é proteção ', e se uma ideia como essa se instalasse na
mente do cidadão, seria o fim da segurança. "
 Argumento usado por John Adams em sua defesa dos
soldados julgados pelo Massacre de Boston.
18
4/6/2022
Prof.ª Valéria Fernandes
 A Lei do Chá (Tea Act) → 1773 →
Como forma de combater o
contrabando e impor o monopólio, os
colonos só poderiam comprar chá
vendido pela Companhia das Índias
Orientais.
 A reação foi a chamada Festa do Chá
de Boston (The Boston Tea Party) →
um grupo de colonos invadiu três
navios ingleses no porto de Boston,
atiraram a carga no mar (342 baús) e
cometeram atos violentos contra os
marinheiros ingleses.
Cartaz de época
criticando os
impostos criados
pela metrópole.
 São chamadas de Leis Intoleráveis (1774) uma série
de medidas tomadas pela metrópole depois da
“Boston Tea Party”, tais como: a interdição do porto
de Boston até o pagamento dos prejuízos;
funcionários ingleses acusados de crimes seriam
julgados em outra colônia ou na Inglaterra; o
governador de Massachusetts teria poderes
excepcionais; tropas inglesas ficariam aquarteladas
em Boston; as terras do oeste seriam militarmente
ocupadas impedindo a expansão territorial das
colônias etc.
19
4/6/2022
Prof.ª Valéria Fernandes
 Nascido na Inglaterra, migrou para as
colônias já com 37 anos. Especialista
na fabricação de espartilhos, foi
também um dos pensadores mais
importantes da Revolução Americana.
 Adepto das ideias iluministas, uma de
suas obras mais influentes, o panfleto
“Senso Comum” (1776), defendia com
argumentos simples e acessíveis por
qual motivo a luta de independência
era justa.
20
4/6/2022
Prof.ª Valéria Fernandes
Thomas Paine
(1737-1809)
 Senso Comum é até nossos dias o livro
de maior tiragem e vendagem dos
Estados Unidos e fundamental para
alimentar o engajamento dos colonos.
Suas ideias influenciaram diretamente
a Declaração de Independência.
 Finda a Independência, Paine se
engajou na Revolução Francesa e
chegou a ser preso pelos jacobinos,
escapando por pouco da guilhotina.
 Na Inglaterra, seus escritos fizeram
com que a censura fosse ressuscitada
durante o governo do primeiro-ministro
William Pitt, the Younger. 21
4/6/2022
Prof.ª Valéria Fernandes
 1º Congresso Continental da Filadélfia (1774) →
boicote comercial à Inglaterra.
 2º Congresso Continental da Filadélfia (1775) →
rompimento político com a metrópole.
 Declaração de Independência (1776) → seu texto tem
forte influência das idéias de Locke e Rousseau →
Contrato Social (Governo existe para garantir os
direitos naturais e o poder emana do povo), Direitos
Naturais (vida, liberdade e propriedade) e Direito à
Rebelião.
22
4/6/2022
Prof.ª Valéria Fernandes
 “Consideramos estas verdades como
auto evidentes, que todos os homens
são criados iguais, que são dotados
pelo Criador de certos direitos
inalienáveis, que entre estes são
vida, liberdade e busca da
felicidade.”
 Este é um dos trechos mais belos da
Declaração de Independência dos
Estados Unidos, mas seus efeitos só
foram estendidos para todo o
conjunto da população, isto é, afro-
americanos, nativos, mulheres,
depois de muitas lutas ao longo do
século XIX e XX.
23
4/6/2022
Prof.ª Valéria Fernandes
Thomas Jefferson,
principal redator da
Declaração de
Independência, foi o
terceiro presidente
dos Estados Unidos.
 Todos os homens foram criados iguais;
 Todos têm direito à vida, à liberdade e à
busca da felicidade;
 Todo Governo deriva da vontade geral e seu
poder é delegado e não absoluto;
 Sempre que um governo não atender a isso
tudo, o povo pode tirar esse governo;
 As colônias unidas são Estados livres e
independentes;
 Nenhuma colônia deve obedecer à Coroa
Inglesa;
24
4/6/2022
Prof.ª Valéria Fernandes
Os colonos se organizavam
em milícias e tiveram muita
dificuldade em enfrentar os
ingleses, perdendo boa parte
das primeiras batalhas.
25
4/6/2022
Prof.ª Valéria Fernandes
 Em 19 de abril de 1775, as
Batalhas de Lexington e
Concord foram o ponto de
partida da Guerra de
Independência.
 George Washington, rico
fazendeiro da Virgínia, foi
colocado pelo Congresso
Continental, em 1775, como
comandante das tropas
coloniais.
 As Batalhas de Saratoga (19/09-
7/10/1777) marcam o início da
virada da guerra a favor dos
colonos.
 Os colonos receberam o
precioso auxílio militar de
inimigos da Inglaterra: a
Espanha (comerciantes desde
1776, tropas em 1779), França
(1778) e Holanda (1779)
apoiaram os colonos contra a
Inglaterra.
26
4/6/2022
Prof.ª Valéria Fernandes
George Washington,
primeiro presidente do país.
 Em 19 de outubro de 1781, depois
de três semanas de Cerco à
Yorktown, os ingleses se renderam
ao exército formado por norte
americanos e franceses.
 Apesar de alguns conflitos
persistirem até 1782, esta batalha
é considerada o marco final da
guerra.
27
4/6/2022
Prof.ª Valéria Fernandes
 Sua negociação começou em
1782 e foi assinado em 03 de
setembro de 1783.
 O tratado reconhecia a
independência dos EUA.
 Os ingleses tiveram que
compensar econômica e
territorialmente a antiga
colônia e seus aliados.
 A paz com Holanda, Espanha e
França foi firmada em
separado.
28
4/6/2022
Prof.ª Valéria Fernandes
Pintura de Benjamin West com a
delegação Americana em Paris:
John Jay, John Adams, Benjamin
Franklin, Henry Laurens, e
William Temple Franklin.
 A Grã-Bretanha entregou aos EUA o território entre os
Grandes Lagos, os Montes Apalaches e os rios Ohio e
Mississippi, neste último, os ingleses mantinham o direito
de navegação.
 França recebeu de volta alguns territórios perdidos na
Guerra dos Sete Anos: Senegal e as ilhas de Santa Lúcia,
São Pedro e Miquelon e Tobago, nas Antilhas, além do
direito de pesca na Terra Nova. Ainda assim, os danos à
economia francesa foram enormes.
 A Espanha recuperou a Flórida e a ilha de Minorca, no
Mediterrâneo, perdida também na Guerra dos Sete Anos,
mas ficou sem Gibraltar;
 A Holanda teve uma participação pífia na guerra e recebeu
muito pouco, recuperou seus territórios nas Índias
Orientais (Ásia) e o direito de comércio na região.
29
4/6/2022
Prof.ª Valéria Fernandes
 George III (1738-1820) foi o primeiro
rei a nascer em solo inglês em 130
anos, não definiu os rumos da guerra,
pois boa parte da política estava nas
mãos do Parlamento.
 Ainda assim, mesmo conhecendo
muito pouco das questões coloniais,
interferia na formação dos ministérios
e se recusou a receber as petições
dos colonos.
 Persistiu decidido a submeter as
colônias, mesmo quando a guerra já
estava perdida. O Parlamento o
obrigou a ceder em 1782.
30
4/6/2022
Prof.ª Valéria Fernandes
Conhecido como “rei
louco”, suas primeiras
crises começaram
somente em 1788.
 O texto foi aprovado em 17 de
setembro de 1787, pela Convenção
Constitucional da Filadélfia. Foi
colocada em aplicação em 4 de
março de 1789.
 As dez primeiras emendas são
chamadas de Bill of Rights e foram
vinte e sete emendas até nossos
dias.
 O Residence Act de 1790 definiu a
localização da capital do país,
Washington DC. A cidade foi
fundada em 1791. 31
4/6/2022
Prof.ª Valéria Fernandes
 A Revolução Americana tornou o
continente protagonista do
processo histórico, rompendo
com o Eurocentrismo vigente até
então.
 Teve influência direta sobre a
Revolução Francesa e nas
Independências do resto da
América.
 Pela primeira vez, o Pacto
Colonial é quebrado por uma
colônia, que derrotou sua
metrópole no campo de batalha.
32
4/6/2022
Prof.ª Valéria Fernandes
 O novo país é uma república
presidencialista com forte
autonomia dos Estados.
 Apesar do texto da Declaração de
Independência e da Constituição
do novo país defenderem a
“igualdade”, a escravidão foi
mantida e índios, negros e
mulheres continuaram sem
direito à cidadania plena.
33
4/6/2022
Prof.ª Valéria Fernandes
34
4/6/2022
Prof.ª Valéria Fernandes
 O Brasil “nasce”, ainda com o
Tratado de Tordesilhas, do
todo para as partes.
 Portugal sabe onde começa e
termina a colônia, são os
colonos é que muitas vezes
não tem noção do todo.
 No período Regencial (1831-
41) definiu-se que a nação
teria um governo central forte
com pouca autonomia para as
províncias, depois, estados.
35
4/6/2022
Prof.ª Valéria Fernandes
 As Treze Colônias nascem
separadas, cada uma com um
processo de formação diferente.
 Houve a necessidade, portanto,
de garantir o respeito à
diversidade na construção de
uma nação unificada.
 A constituição federal é enxuta
com grande autonomia para os
estados.
 John Adams (1735-1826), segundo presidente dos
Estados Unidos e um dos principais “Pais Fundadores
da nação” (Founding Fathers), isto é, aqueles que
assinaram a declaração de independência, trocou
intensa correspondência com a esposa, Abigail (1744-
1818), sobre vários temas enquanto ele estava na
Filadélfia. Algumas cartas sobreviveram até os dias
de hoje.
 Abigail Adams defendeu a cidadania feminina, se
posicionou, também, pelo fim da escravidão e o direito
à educação para as mulheres e negros. John Quincy
Adams, filho de Abigail e John, foi o sexto presidente
dos Estados Unidos.
36
4/6/2022
Prof.ª Valéria Fernandes
“... no novo código de leis que vós
estais redigindo desejo que vos
lembreis das mulheres e sejais mais
generosos e favoráveis com elas do
que foram vossos antepassados... Se
não for dada a devida atenção às
mulheres, estamos decididas a
fomentar uma rebelião e não nos
sentiremos obrigadas a cumprir leis
para as quais não tivemos nem voz nem
representação”. (carta de 31/03/1776 )
37
4/6/2022
Prof.ª Valéria Fernandes
Abigail Adams
“Quanto ao seu extraordinário Código de
Leis, eu só posso rir. Nossa luta, na
verdade, afrouxou os laços de autoridade
em todo o país. Crianças e aprendizes
desobedecem, escolas e universidades se
rebelam, índios afrontam seus guardiães e
negros se tornam insolentes com seus
senhores. Mas a sua carta é a primeira
intimação de uma outra tribo, mais
numerosa e poderosa do que todos estes
descontentes. (...) Esteja certa, nós
somos suficientemente lúcidos para não
abrir mão do nosso sistema masculino.”
38
4/6/2022
Prof.ª Valéria Fernandes
John Adams
 A resposta de John Adams mostra bem que, no geral,
os “Fundadores da Nação” não desejavam a extensão
dos direitos de cidadania plena aos mais jovens, mais
pobres, índios, negros e mulheres, maioria dos
habitantes da nova nação.
 Na prática, boa parte do poder político ainda estava
concentrado nas mãos dos mais ricos, seja no norte,
ou no Sul.
 A eleição para presidente dos Estados Unidos é
indireta, não prevalecendo o voto popular, mas o
colégio eleitoral, sendo seus representantes eleitos de
forma diferente em cada estado da federação.
39
4/6/2022
Prof.ª Valéria Fernandes
 A Pensilvânia foi o primeiro estado a abolir a
escravidão, em 1780. O tema era sensível e pôs em
risco a unidade da nova nação.
 Havia aproximadamente 3 milhões de habitantes nos
EUA quando da independência, desses, cerca de 600
mil eram escravos. Nas negociações da
constituição, os estados sulistas queriam que os
escravizados fossem contados na definição do
colégio eleitoral. Já os estados do norte, queriam
que somente os homens livres fossem
contabilizados.
40
4/6/2022
Prof.ª Valéria Fernandes
 Ficou decidido que um escravo equivaleria a 3/5 de
um homem livre.
 O Sul saiu vitorioso conseguindo garantir 1/3 a
mais de cadeiras no Congresso e um 1/3 a mais de
eleitores. Os sulistas conseguiram manter um
grande controle sobre a política do país até as
mudanças promovidas em 1868.
 Como boa parte das regras eleitorais são definidas
nos estados e o voto é facultativo, os negros e os
mais pobres ainda tem o direito de voto dificultado
em alguns estados.
41
4/6/2022
Prof.ª Valéria Fernandes
 “Despertar”, panfleto de 1915 mostrando o avanço do
direito de voto feminino nos estados dos EUA.
42
4/6/2022
Prof.ª Valéria Fernandes
 Sobre os temas que afligiam Abigail Adams já no
momento da independência, sua resolução foi lenta:
 A escravidão negra terminou oficialmente nos EUA em
1863, os homens negros receberam o direito de voto
em 1870 (15ª Emenda).
 O voto feminino foi concedido, depois de intensa
campanha, que se estendeu por décadas, em 18 de
agosto de 1919 (18ª Emenda), mas as restrições ao
voto das mulheres negras permaneceram.
 Somente em 1965 com o “Voting Rights Act” foram
abolidas as restrições ao direito de voto de homens e
mulheres negras existentes em alguns estados dos
Estados Unidos. 43
4/6/2022
Prof.ª Valéria Fernandes

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
Paulo Alexandre
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
Maria Gomes
 
Historia Iluminismo 8ano
Historia Iluminismo 8anoHistoria Iluminismo 8ano
Historia Iluminismo 8ano
Leonardo Caputo
 
2° ano - Processos de Independência na América
2° ano - Processos de Independência na América2° ano - Processos de Independência na América
2° ano - Processos de Independência na América
Daniel Alves Bronstrup
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Edenilson Morais
 
O iluminismo
O iluminismoO iluminismo
O iluminismo
José Gomes
 
Povos pré colombianos
Povos pré colombianosPovos pré colombianos
Povos pré colombianos
Nila Michele Bastos Santos
 
A colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesaA colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesa
Edenilson Morais
 
A revolução haitiana
A revolução haitiana A revolução haitiana
A revolução haitiana
DeaaSouza
 
3º ano - Era Vargas 1930-1945
3º ano  - Era Vargas 1930-19453º ano  - Era Vargas 1930-1945
3º ano - Era Vargas 1930-1945
Daniel Alves Bronstrup
 
Colonização portuguesa na américa
Colonização portuguesa na américaColonização portuguesa na américa
Colonização portuguesa na américa
Carolina Medeiros
 
Republica Romana - Prof.Altair Aguilar
Republica Romana -  Prof.Altair AguilarRepublica Romana -  Prof.Altair Aguilar
Republica Romana - Prof.Altair Aguilar
Altair Moisés Aguilar
 
Aula sobre 1ª Guerra Mundial - 9º ano
Aula sobre 1ª Guerra Mundial - 9º anoAula sobre 1ª Guerra Mundial - 9º ano
Aula sobre 1ª Guerra Mundial - 9º ano
7 de Setembro
 
Revolução Americana
Revolução AmericanaRevolução Americana
Revolução Americana
Claudenilson da Silva
 
1° ano - Grécia Antiga
1° ano -  Grécia Antiga1° ano -  Grécia Antiga
1° ano - Grécia Antiga
Daniel Alves Bronstrup
 
Idade média
Idade médiaIdade média
Idade média
Dirair
 
Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil
Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil
Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil
Isabela Espíndola
 
A União Ibérica e o Brasil holandês
A União Ibérica e o Brasil holandêsA União Ibérica e o Brasil holandês
A União Ibérica e o Brasil holandês
Ramiro Bicca
 
Grandes navegações
Grandes navegaçõesGrandes navegações
Grandes navegações
Fabiana Tonsis
 
Antiguidade Clássica: Grécia e Roma
Antiguidade Clássica: Grécia e RomaAntiguidade Clássica: Grécia e Roma
Antiguidade Clássica: Grécia e Roma
Marilia Pimentel
 

Mais procurados (20)

Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
Historia Iluminismo 8ano
Historia Iluminismo 8anoHistoria Iluminismo 8ano
Historia Iluminismo 8ano
 
2° ano - Processos de Independência na América
2° ano - Processos de Independência na América2° ano - Processos de Independência na América
2° ano - Processos de Independência na América
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
O iluminismo
O iluminismoO iluminismo
O iluminismo
 
Povos pré colombianos
Povos pré colombianosPovos pré colombianos
Povos pré colombianos
 
A colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesaA colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesa
 
A revolução haitiana
A revolução haitiana A revolução haitiana
A revolução haitiana
 
3º ano - Era Vargas 1930-1945
3º ano  - Era Vargas 1930-19453º ano  - Era Vargas 1930-1945
3º ano - Era Vargas 1930-1945
 
Colonização portuguesa na américa
Colonização portuguesa na américaColonização portuguesa na américa
Colonização portuguesa na américa
 
Republica Romana - Prof.Altair Aguilar
Republica Romana -  Prof.Altair AguilarRepublica Romana -  Prof.Altair Aguilar
Republica Romana - Prof.Altair Aguilar
 
Aula sobre 1ª Guerra Mundial - 9º ano
Aula sobre 1ª Guerra Mundial - 9º anoAula sobre 1ª Guerra Mundial - 9º ano
Aula sobre 1ª Guerra Mundial - 9º ano
 
Revolução Americana
Revolução AmericanaRevolução Americana
Revolução Americana
 
1° ano - Grécia Antiga
1° ano -  Grécia Antiga1° ano -  Grécia Antiga
1° ano - Grécia Antiga
 
Idade média
Idade médiaIdade média
Idade média
 
Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil
Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil
Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil
 
A União Ibérica e o Brasil holandês
A União Ibérica e o Brasil holandêsA União Ibérica e o Brasil holandês
A União Ibérica e o Brasil holandês
 
Grandes navegações
Grandes navegaçõesGrandes navegações
Grandes navegações
 
Antiguidade Clássica: Grécia e Roma
Antiguidade Clássica: Grécia e RomaAntiguidade Clássica: Grécia e Roma
Antiguidade Clássica: Grécia e Roma
 

Semelhante a Revolução Americana

A Independência das 13 colônias inglesas na América.ppt
A Independência das 13 colônias inglesas na América.pptA Independência das 13 colônias inglesas na América.ppt
A Independência das 13 colônias inglesas na América.ppt
dawdsoncangussu
 
A Independência das 13 colônias inglesas na América (1).ppt
A Independência das 13 colônias inglesas na América (1).pptA Independência das 13 colônias inglesas na América (1).ppt
A Independência das 13 colônias inglesas na América (1).ppt
NayaraSales13
 
Esquema a independência das 13 colônias
Esquema   a independência das 13 colôniasEsquema   a independência das 13 colônias
Esquema a independência das 13 colônias
ProfessoresColeguium
 
Formação dos EUA america escola - 8 ano.pptx
Formação dos EUA america escola - 8 ano.pptxFormação dos EUA america escola - 8 ano.pptx
Formação dos EUA america escola - 8 ano.pptx
profcarlitto
 
60248.pptx
60248.pptx60248.pptx
60248.pptx
MarcosRamos392778
 
11ºb história
11ºb história11ºb história
11ºb história
Ricardo Martins
 
Independência dos EUA
Independência dos EUAIndependência dos EUA
Independência dos EUA
Ricardo Martins
 
A independência dos eua
A independência dos euaA independência dos eua
A independência dos eua
Matheus Alencar
 
Revolução Americana
Revolução AmericanaRevolução Americana
Revolução Americana
Valéria Shoujofan
 
23092016112747239.pdf
23092016112747239.pdf23092016112747239.pdf
23092016112747239.pdf
AquilaBarreiraAlves
 
História dos E.U.A
História dos E.U.AHistória dos E.U.A
História dos E.U.A
Alex Ferreira dos Santos
 
Estados unidos
Estados unidosEstados unidos
Estados unidos
Dirair
 
A Independência das 13 colônias inglesas na América.ppt
A Independência das 13 colônias inglesas na América.pptA Independência das 13 colônias inglesas na América.ppt
A Independência das 13 colônias inglesas na América.ppt
JOSE597407
 
A Independência das 13 colônias inglesas na América.ppt
A Independência das 13 colônias inglesas na América.pptA Independência das 13 colônias inglesas na América.ppt
A Independência das 13 colônias inglesas na América.ppt
Elizeu filho
 
A Independência das 13 colônias inglesas na América.ppt
A Independência das 13 colônias inglesas na América.pptA Independência das 13 colônias inglesas na América.ppt
A Independência das 13 colônias inglesas na América.ppt
MarceloAraujo720109
 
2˚ano independência eua cap28
2˚ano  independência eua cap282˚ano  independência eua cap28
2˚ano independência eua cap28
Kerol Brombal
 
Independência dos Estados Unidos da América
Independência dos Estados Unidos da AméricaIndependência dos Estados Unidos da América
Independência dos Estados Unidos da América
Adriana Gomes Messias
 
Independencia dos Estados Unidos
Independencia dos Estados UnidosIndependencia dos Estados Unidos
Independencia dos Estados Unidos
Kleison
 
Resumos História A
Resumos História AResumos História A
Resumos História A
Ana Catarina
 
E.u.a. panorama histórico
E.u.a.   panorama históricoE.u.a.   panorama histórico
E.u.a. panorama histórico
profcacocardozo
 

Semelhante a Revolução Americana (20)

A Independência das 13 colônias inglesas na América.ppt
A Independência das 13 colônias inglesas na América.pptA Independência das 13 colônias inglesas na América.ppt
A Independência das 13 colônias inglesas na América.ppt
 
A Independência das 13 colônias inglesas na América (1).ppt
A Independência das 13 colônias inglesas na América (1).pptA Independência das 13 colônias inglesas na América (1).ppt
A Independência das 13 colônias inglesas na América (1).ppt
 
Esquema a independência das 13 colônias
Esquema   a independência das 13 colôniasEsquema   a independência das 13 colônias
Esquema a independência das 13 colônias
 
Formação dos EUA america escola - 8 ano.pptx
Formação dos EUA america escola - 8 ano.pptxFormação dos EUA america escola - 8 ano.pptx
Formação dos EUA america escola - 8 ano.pptx
 
60248.pptx
60248.pptx60248.pptx
60248.pptx
 
11ºb história
11ºb história11ºb história
11ºb história
 
Independência dos EUA
Independência dos EUAIndependência dos EUA
Independência dos EUA
 
A independência dos eua
A independência dos euaA independência dos eua
A independência dos eua
 
Revolução Americana
Revolução AmericanaRevolução Americana
Revolução Americana
 
23092016112747239.pdf
23092016112747239.pdf23092016112747239.pdf
23092016112747239.pdf
 
História dos E.U.A
História dos E.U.AHistória dos E.U.A
História dos E.U.A
 
Estados unidos
Estados unidosEstados unidos
Estados unidos
 
A Independência das 13 colônias inglesas na América.ppt
A Independência das 13 colônias inglesas na América.pptA Independência das 13 colônias inglesas na América.ppt
A Independência das 13 colônias inglesas na América.ppt
 
A Independência das 13 colônias inglesas na América.ppt
A Independência das 13 colônias inglesas na América.pptA Independência das 13 colônias inglesas na América.ppt
A Independência das 13 colônias inglesas na América.ppt
 
A Independência das 13 colônias inglesas na América.ppt
A Independência das 13 colônias inglesas na América.pptA Independência das 13 colônias inglesas na América.ppt
A Independência das 13 colônias inglesas na América.ppt
 
2˚ano independência eua cap28
2˚ano  independência eua cap282˚ano  independência eua cap28
2˚ano independência eua cap28
 
Independência dos Estados Unidos da América
Independência dos Estados Unidos da AméricaIndependência dos Estados Unidos da América
Independência dos Estados Unidos da América
 
Independencia dos Estados Unidos
Independencia dos Estados UnidosIndependencia dos Estados Unidos
Independencia dos Estados Unidos
 
Resumos História A
Resumos História AResumos História A
Resumos História A
 
E.u.a. panorama histórico
E.u.a.   panorama históricoE.u.a.   panorama histórico
E.u.a. panorama histórico
 

Mais de Valéria Shoujofan

América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados NacionaisAmérica Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
Valéria Shoujofan
 
Segundo Reinando: Escravidão e Imigração
Segundo Reinando: Escravidão e ImigraçãoSegundo Reinando: Escravidão e Imigração
Segundo Reinando: Escravidão e Imigração
Valéria Shoujofan
 
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptxEntre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
Valéria Shoujofan
 
Iluminismo e Déspotas Esclarecidos
Iluminismo e Déspotas EsclarecidosIluminismo e Déspotas Esclarecidos
Iluminismo e Déspotas Esclarecidos
Valéria Shoujofan
 
Primeira e Segunda Revolução Industrial
Primeira e Segunda Revolução IndustrialPrimeira e Segunda Revolução Industrial
Primeira e Segunda Revolução Industrial
Valéria Shoujofan
 
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos ContratualistasAbsolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Valéria Shoujofan
 
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução AgrícolaInglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
Valéria Shoujofan
 
Reformas Religiosas (novo)
Reformas Religiosas (novo)Reformas Religiosas (novo)
Reformas Religiosas (novo)
Valéria Shoujofan
 
Revoluções Inglesas - século XVII
Revoluções Inglesas - século XVIIRevoluções Inglesas - século XVII
Revoluções Inglesas - século XVII
Valéria Shoujofan
 
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICACONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
Valéria Shoujofan
 
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
Valéria Shoujofan
 
Revoltas Emancipacionistas
Revoltas EmancipacionistasRevoltas Emancipacionistas
Revoltas Emancipacionistas
Valéria Shoujofan
 
Período Joanino (1808-1821)
Período Joanino (1808-1821)Período Joanino (1808-1821)
Período Joanino (1808-1821)
Valéria Shoujofan
 
Independência do Brasil e Primeiro Reinado
Independência do Brasil e Primeiro ReinadoIndependência do Brasil e Primeiro Reinado
Independência do Brasil e Primeiro Reinado
Valéria Shoujofan
 
Renascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
Renascimento Urbano e Comercial e CruzadasRenascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
Renascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
Valéria Shoujofan
 
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
Valéria Shoujofan
 
Sociedade feudal - Parte 1
Sociedade feudal - Parte 1Sociedade feudal - Parte 1
Sociedade feudal - Parte 1
Valéria Shoujofan
 
Formação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Formação das Monarquias Nacionais e AbsolutismoFormação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Formação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Valéria Shoujofan
 
Reformas religiosas do Século XVI
Reformas religiosas do Século XVIReformas religiosas do Século XVI
Reformas religiosas do Século XVI
Valéria Shoujofan
 
Renascimento Cultural
Renascimento CulturalRenascimento Cultural
Renascimento Cultural
Valéria Shoujofan
 

Mais de Valéria Shoujofan (20)

América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados NacionaisAmérica Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
 
Segundo Reinando: Escravidão e Imigração
Segundo Reinando: Escravidão e ImigraçãoSegundo Reinando: Escravidão e Imigração
Segundo Reinando: Escravidão e Imigração
 
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptxEntre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
 
Iluminismo e Déspotas Esclarecidos
Iluminismo e Déspotas EsclarecidosIluminismo e Déspotas Esclarecidos
Iluminismo e Déspotas Esclarecidos
 
Primeira e Segunda Revolução Industrial
Primeira e Segunda Revolução IndustrialPrimeira e Segunda Revolução Industrial
Primeira e Segunda Revolução Industrial
 
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos ContratualistasAbsolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
 
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução AgrícolaInglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
 
Reformas Religiosas (novo)
Reformas Religiosas (novo)Reformas Religiosas (novo)
Reformas Religiosas (novo)
 
Revoluções Inglesas - século XVII
Revoluções Inglesas - século XVIIRevoluções Inglesas - século XVII
Revoluções Inglesas - século XVII
 
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICACONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
 
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
 
Revoltas Emancipacionistas
Revoltas EmancipacionistasRevoltas Emancipacionistas
Revoltas Emancipacionistas
 
Período Joanino (1808-1821)
Período Joanino (1808-1821)Período Joanino (1808-1821)
Período Joanino (1808-1821)
 
Independência do Brasil e Primeiro Reinado
Independência do Brasil e Primeiro ReinadoIndependência do Brasil e Primeiro Reinado
Independência do Brasil e Primeiro Reinado
 
Renascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
Renascimento Urbano e Comercial e CruzadasRenascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
Renascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
 
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
 
Sociedade feudal - Parte 1
Sociedade feudal - Parte 1Sociedade feudal - Parte 1
Sociedade feudal - Parte 1
 
Formação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Formação das Monarquias Nacionais e AbsolutismoFormação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Formação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
 
Reformas religiosas do Século XVI
Reformas religiosas do Século XVIReformas religiosas do Século XVI
Reformas religiosas do Século XVI
 
Renascimento Cultural
Renascimento CulturalRenascimento Cultural
Renascimento Cultural
 

Último

Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdfIntendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Falcão Brasil
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
Estuda.com
 

Último (20)

Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Festa dos Finalistas .
Festa dos Finalistas                    .Festa dos Finalistas                    .
Festa dos Finalistas .
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdfIntendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
 

Revolução Americana

  • 2.  A Revolução Americana, ou Independência das Treze Colônias foi um marco em vários sentidos, ela rompeu com o Eurocentrismo da História Ocidental dando ao continente americano o protagonismo, mesmo que temporário.  Pela primeira vez, uma colônia derrotou sua metrópole no campo de batalha.  Ela colocou em prática as ideias iluministas instrumentalizando as ideias de Locke, Rousseau, Montesquieu e outros pensadores.  A Revolução Americana impactou com seu exemplo a principal revolução do século XVIII e que aconteceu na França. 4/6/2022 Prof.ª Valéria Fernandes 2
  • 4.  Quando observamos as Treze Colônias é o alto grau de autonomia gozado por elas se comparado com as colônias ibéricas. É o chamado Autogoverno (Self- Government).  A formação das Treze Colônias também foi muito heterogênea quanto à fundação, ao governo, à formação social e religiosa, assim como ao modelo econômico. Além disso, é preciso lembrar que os ingleses tomaram colônias holandesas, francesas, alemães, dinamarquesas etc.  Para efeito de estudo para os concursos, divida essas colônias em de povoamento e de exploração. 4/6/2022 Prof.ª Valéria Fernandes 4
  • 5.  O que definia o modelo econômico seguido nas colônias eram alguns fatores os interesses da metrópole, o clima e o tipo de solo e relevo.  Assim, as colônias do Norte, a chamada Nova Inglaterra, em especial, foi ocupada por famílias fugitivos religiosos agindo de forma autônoma, tinha clima semelhante ao da Inglaterra. Adotou-se um modelo de pequena propriedade familiar, com a fundação de pequenas vilas e cidades que produziam algumas manufaturas, faziam comércio entre si e o famoso Comércio Triangular.  A escravidão, ou a servidão, nunca foram centrais nessa região. 4/6/2022 Prof.ª Valéria Fernandes 5
  • 6.  As colônias do Centro, como Maryland, fundada para receber os católicos, poderiam ter um clima mais ou menos favorável ao desenvolvimento de alguma lavoura mais extensiva, como arroz, anil, algodão, mas no Sul o clima e o relevo eram favoráveis à plantation. O modelo variava.  A plantation se sustenta sobre um tripé: grande propriedade (latifúndio), monocultura e mão-de- obra barata. As colônias do Sul, mesmo gozando de certa autonomia, estruturava sua sociedade e economia de forma semelhante ao que vemos no Brasil. 4/6/2022 Prof.ª Valéria Fernandes 6
  • 7. A Guerra dos Sete Anos (1754-1763) foi mundial. Houve batalhas na Ásia, Europa, América, e África. Os colonos cobiçavam as terras para além dos Montes Apalaches e outras vantagens que deveriam vir com a vitória dos ingleses. 4/6/2022 Prof.ª Valéria Fernandes 7
  • 9.  Os primeiros séculos de colonização inglesa na América foram marcados pelos chamado auto- governo (self government) com grande autonomia para as colônias, este tipo de atitude era chamado de “negligência salutar”.  Com o fim da Guerra dos Sete Anos, no entanto, as coisas mudaram. Mesmo vitoriosa, a Inglaterra precisava recompor suas reservas e a atitude em relação às colônias mudou com a tentativa de imposição de uma série de impostos e exigências. 4/6/2022 Prof.ª Valéria Fernandes 9
  • 10.  Com o fim da Guerra dos Sete Anos, os colonos não recebem a recompensa esperada por sua colaboração.  Declaração de 1763 → Terras além dos Montes Apalaches são transformadas em reserva indígena.  “Os americanos são filhos, não bastardos da Inglaterra.” William Pitt defendeu os colonos e perdeu seu lugar no ministério. 4/6/2022 Prof.ª Valéria Fernandes 10 William Pitt, the Elder, foi primeiro- ministro da Inglaterra.
  • 11.  Lei do Açúcar (Sugar Act) → 1764 → Aumentava os impostos sobre o açúcar e derivados e estabelecia que os colonos só poderiam comprar melaço das Antilhas Inglesas. As reclamações dos colonos não foram ouvidas.  Lei da Moeda (Currency Act) → 1764 → Proibia a cunhagem ou emissão de moeda nas colônias e que o dinheiro já existente pudesse ser usado no comércio com a metrópole.  Lei do Selo (Stamp Act) → 1765 → Tudo que fosse impresso na colônia deveria receber o selo real e ser taxado. 4/6/2022 Prof.ª Valéria Fernandes 11
  • 13.  Congresso da Lei do Selo (1765) → Contando com a participação de nove colônias, reafirma a fidelidade à Metrópole, mas promove o boicote aos produtos ingleses enquanto a lei não for revogada.  Lei de Aquartelamento (Quartering Acts) → 1765 → Obrigava os colonos a pagarem pelo alojamento e comida de tropas inglesas nas colônias.  O Parlamento Inglês votou a suspensão da Lei do Selo (1766) sob pressão dos comerciantes prejudicados em seus negócios. Esse recuo será compensado por com novas taxações sobre importados. (Atos Townshend/1767) 4/6/2022 Prof.ª Valéria Fernandes 13
  • 14.  Gravura de Paul Revere mostrando as tropas britânicas que desembarcaram em Boston, capital de Massachussets, em resposta a eventos desencadeados pela resistência aos Atos Townshend. 4/6/2022 Prof.ª Valéria Fernandes 14
  • 15. 15 4/6/2022 Prof.ª Valéria Fernandes  A pressão fiscal britânica e a presença de tropas em Boston levou a um confronto em 5 de março de 1770.  Colonos atacaram um soldado que guardava uma guarnição com bolas de neve, gelo e pedras. O militar deu o alarme e as tropas atiraram sobre a população, foram cinco mortos e seis feridos.  John Adams, que viria a ser o segundo presidente dos EUA, defendeu os soldados na corte argumentando legítima defesa e falta de provas. Gravura de Paul Revere, retratando o massacre.
  • 16. 16 4/6/2022 Prof.ª Valéria Fernandes  Crispus Attucks, em destaque, é considerado o primeiro mártir da independência dos Estados Unidos. (Litografia sem autor declarado e de data desconhecida)
  • 17. 17 4/6/2022 Prof.ª Valéria Fernandes "Os fatos são coisas teimosas; e quaisquer que sejam os nossos desejos, nossas inclinações ou os ditames de nossa paixão, eles não podem alterar o estado dos fatos e das evidências. É mais importante que a inocência seja protegida do que é que a culpa é punida, pois a culpa e os crimes são tão frequentes neste mundo que nem todos podem ser punidos, mas se a própria inocência é levada ao tribunal e condenada, talvez à morte, então o cidadão diz: 'se eu devo' o bem ou se faço o mal é imaterial, pois a inocência em si não é proteção ', e se uma ideia como essa se instalasse na mente do cidadão, seria o fim da segurança. "  Argumento usado por John Adams em sua defesa dos soldados julgados pelo Massacre de Boston.
  • 18. 18 4/6/2022 Prof.ª Valéria Fernandes  A Lei do Chá (Tea Act) → 1773 → Como forma de combater o contrabando e impor o monopólio, os colonos só poderiam comprar chá vendido pela Companhia das Índias Orientais.  A reação foi a chamada Festa do Chá de Boston (The Boston Tea Party) → um grupo de colonos invadiu três navios ingleses no porto de Boston, atiraram a carga no mar (342 baús) e cometeram atos violentos contra os marinheiros ingleses. Cartaz de época criticando os impostos criados pela metrópole.
  • 19.  São chamadas de Leis Intoleráveis (1774) uma série de medidas tomadas pela metrópole depois da “Boston Tea Party”, tais como: a interdição do porto de Boston até o pagamento dos prejuízos; funcionários ingleses acusados de crimes seriam julgados em outra colônia ou na Inglaterra; o governador de Massachusetts teria poderes excepcionais; tropas inglesas ficariam aquarteladas em Boston; as terras do oeste seriam militarmente ocupadas impedindo a expansão territorial das colônias etc. 19 4/6/2022 Prof.ª Valéria Fernandes
  • 20.  Nascido na Inglaterra, migrou para as colônias já com 37 anos. Especialista na fabricação de espartilhos, foi também um dos pensadores mais importantes da Revolução Americana.  Adepto das ideias iluministas, uma de suas obras mais influentes, o panfleto “Senso Comum” (1776), defendia com argumentos simples e acessíveis por qual motivo a luta de independência era justa. 20 4/6/2022 Prof.ª Valéria Fernandes Thomas Paine (1737-1809)
  • 21.  Senso Comum é até nossos dias o livro de maior tiragem e vendagem dos Estados Unidos e fundamental para alimentar o engajamento dos colonos. Suas ideias influenciaram diretamente a Declaração de Independência.  Finda a Independência, Paine se engajou na Revolução Francesa e chegou a ser preso pelos jacobinos, escapando por pouco da guilhotina.  Na Inglaterra, seus escritos fizeram com que a censura fosse ressuscitada durante o governo do primeiro-ministro William Pitt, the Younger. 21 4/6/2022 Prof.ª Valéria Fernandes
  • 22.  1º Congresso Continental da Filadélfia (1774) → boicote comercial à Inglaterra.  2º Congresso Continental da Filadélfia (1775) → rompimento político com a metrópole.  Declaração de Independência (1776) → seu texto tem forte influência das idéias de Locke e Rousseau → Contrato Social (Governo existe para garantir os direitos naturais e o poder emana do povo), Direitos Naturais (vida, liberdade e propriedade) e Direito à Rebelião. 22 4/6/2022 Prof.ª Valéria Fernandes
  • 23.  “Consideramos estas verdades como auto evidentes, que todos os homens são criados iguais, que são dotados pelo Criador de certos direitos inalienáveis, que entre estes são vida, liberdade e busca da felicidade.”  Este é um dos trechos mais belos da Declaração de Independência dos Estados Unidos, mas seus efeitos só foram estendidos para todo o conjunto da população, isto é, afro- americanos, nativos, mulheres, depois de muitas lutas ao longo do século XIX e XX. 23 4/6/2022 Prof.ª Valéria Fernandes Thomas Jefferson, principal redator da Declaração de Independência, foi o terceiro presidente dos Estados Unidos.
  • 24.  Todos os homens foram criados iguais;  Todos têm direito à vida, à liberdade e à busca da felicidade;  Todo Governo deriva da vontade geral e seu poder é delegado e não absoluto;  Sempre que um governo não atender a isso tudo, o povo pode tirar esse governo;  As colônias unidas são Estados livres e independentes;  Nenhuma colônia deve obedecer à Coroa Inglesa; 24 4/6/2022 Prof.ª Valéria Fernandes
  • 25. Os colonos se organizavam em milícias e tiveram muita dificuldade em enfrentar os ingleses, perdendo boa parte das primeiras batalhas. 25 4/6/2022 Prof.ª Valéria Fernandes  Em 19 de abril de 1775, as Batalhas de Lexington e Concord foram o ponto de partida da Guerra de Independência.  George Washington, rico fazendeiro da Virgínia, foi colocado pelo Congresso Continental, em 1775, como comandante das tropas coloniais.
  • 26.  As Batalhas de Saratoga (19/09- 7/10/1777) marcam o início da virada da guerra a favor dos colonos.  Os colonos receberam o precioso auxílio militar de inimigos da Inglaterra: a Espanha (comerciantes desde 1776, tropas em 1779), França (1778) e Holanda (1779) apoiaram os colonos contra a Inglaterra. 26 4/6/2022 Prof.ª Valéria Fernandes George Washington, primeiro presidente do país.
  • 27.  Em 19 de outubro de 1781, depois de três semanas de Cerco à Yorktown, os ingleses se renderam ao exército formado por norte americanos e franceses.  Apesar de alguns conflitos persistirem até 1782, esta batalha é considerada o marco final da guerra. 27 4/6/2022 Prof.ª Valéria Fernandes
  • 28.  Sua negociação começou em 1782 e foi assinado em 03 de setembro de 1783.  O tratado reconhecia a independência dos EUA.  Os ingleses tiveram que compensar econômica e territorialmente a antiga colônia e seus aliados.  A paz com Holanda, Espanha e França foi firmada em separado. 28 4/6/2022 Prof.ª Valéria Fernandes Pintura de Benjamin West com a delegação Americana em Paris: John Jay, John Adams, Benjamin Franklin, Henry Laurens, e William Temple Franklin.
  • 29.  A Grã-Bretanha entregou aos EUA o território entre os Grandes Lagos, os Montes Apalaches e os rios Ohio e Mississippi, neste último, os ingleses mantinham o direito de navegação.  França recebeu de volta alguns territórios perdidos na Guerra dos Sete Anos: Senegal e as ilhas de Santa Lúcia, São Pedro e Miquelon e Tobago, nas Antilhas, além do direito de pesca na Terra Nova. Ainda assim, os danos à economia francesa foram enormes.  A Espanha recuperou a Flórida e a ilha de Minorca, no Mediterrâneo, perdida também na Guerra dos Sete Anos, mas ficou sem Gibraltar;  A Holanda teve uma participação pífia na guerra e recebeu muito pouco, recuperou seus territórios nas Índias Orientais (Ásia) e o direito de comércio na região. 29 4/6/2022 Prof.ª Valéria Fernandes
  • 30.  George III (1738-1820) foi o primeiro rei a nascer em solo inglês em 130 anos, não definiu os rumos da guerra, pois boa parte da política estava nas mãos do Parlamento.  Ainda assim, mesmo conhecendo muito pouco das questões coloniais, interferia na formação dos ministérios e se recusou a receber as petições dos colonos.  Persistiu decidido a submeter as colônias, mesmo quando a guerra já estava perdida. O Parlamento o obrigou a ceder em 1782. 30 4/6/2022 Prof.ª Valéria Fernandes Conhecido como “rei louco”, suas primeiras crises começaram somente em 1788.
  • 31.  O texto foi aprovado em 17 de setembro de 1787, pela Convenção Constitucional da Filadélfia. Foi colocada em aplicação em 4 de março de 1789.  As dez primeiras emendas são chamadas de Bill of Rights e foram vinte e sete emendas até nossos dias.  O Residence Act de 1790 definiu a localização da capital do país, Washington DC. A cidade foi fundada em 1791. 31 4/6/2022 Prof.ª Valéria Fernandes
  • 32.  A Revolução Americana tornou o continente protagonista do processo histórico, rompendo com o Eurocentrismo vigente até então.  Teve influência direta sobre a Revolução Francesa e nas Independências do resto da América.  Pela primeira vez, o Pacto Colonial é quebrado por uma colônia, que derrotou sua metrópole no campo de batalha. 32 4/6/2022 Prof.ª Valéria Fernandes
  • 33.  O novo país é uma república presidencialista com forte autonomia dos Estados.  Apesar do texto da Declaração de Independência e da Constituição do novo país defenderem a “igualdade”, a escravidão foi mantida e índios, negros e mulheres continuaram sem direito à cidadania plena. 33 4/6/2022 Prof.ª Valéria Fernandes
  • 34. 34 4/6/2022 Prof.ª Valéria Fernandes  O Brasil “nasce”, ainda com o Tratado de Tordesilhas, do todo para as partes.  Portugal sabe onde começa e termina a colônia, são os colonos é que muitas vezes não tem noção do todo.  No período Regencial (1831- 41) definiu-se que a nação teria um governo central forte com pouca autonomia para as províncias, depois, estados.
  • 35. 35 4/6/2022 Prof.ª Valéria Fernandes  As Treze Colônias nascem separadas, cada uma com um processo de formação diferente.  Houve a necessidade, portanto, de garantir o respeito à diversidade na construção de uma nação unificada.  A constituição federal é enxuta com grande autonomia para os estados.
  • 36.  John Adams (1735-1826), segundo presidente dos Estados Unidos e um dos principais “Pais Fundadores da nação” (Founding Fathers), isto é, aqueles que assinaram a declaração de independência, trocou intensa correspondência com a esposa, Abigail (1744- 1818), sobre vários temas enquanto ele estava na Filadélfia. Algumas cartas sobreviveram até os dias de hoje.  Abigail Adams defendeu a cidadania feminina, se posicionou, também, pelo fim da escravidão e o direito à educação para as mulheres e negros. John Quincy Adams, filho de Abigail e John, foi o sexto presidente dos Estados Unidos. 36 4/6/2022 Prof.ª Valéria Fernandes
  • 37. “... no novo código de leis que vós estais redigindo desejo que vos lembreis das mulheres e sejais mais generosos e favoráveis com elas do que foram vossos antepassados... Se não for dada a devida atenção às mulheres, estamos decididas a fomentar uma rebelião e não nos sentiremos obrigadas a cumprir leis para as quais não tivemos nem voz nem representação”. (carta de 31/03/1776 ) 37 4/6/2022 Prof.ª Valéria Fernandes Abigail Adams
  • 38. “Quanto ao seu extraordinário Código de Leis, eu só posso rir. Nossa luta, na verdade, afrouxou os laços de autoridade em todo o país. Crianças e aprendizes desobedecem, escolas e universidades se rebelam, índios afrontam seus guardiães e negros se tornam insolentes com seus senhores. Mas a sua carta é a primeira intimação de uma outra tribo, mais numerosa e poderosa do que todos estes descontentes. (...) Esteja certa, nós somos suficientemente lúcidos para não abrir mão do nosso sistema masculino.” 38 4/6/2022 Prof.ª Valéria Fernandes John Adams
  • 39.  A resposta de John Adams mostra bem que, no geral, os “Fundadores da Nação” não desejavam a extensão dos direitos de cidadania plena aos mais jovens, mais pobres, índios, negros e mulheres, maioria dos habitantes da nova nação.  Na prática, boa parte do poder político ainda estava concentrado nas mãos dos mais ricos, seja no norte, ou no Sul.  A eleição para presidente dos Estados Unidos é indireta, não prevalecendo o voto popular, mas o colégio eleitoral, sendo seus representantes eleitos de forma diferente em cada estado da federação. 39 4/6/2022 Prof.ª Valéria Fernandes
  • 40.  A Pensilvânia foi o primeiro estado a abolir a escravidão, em 1780. O tema era sensível e pôs em risco a unidade da nova nação.  Havia aproximadamente 3 milhões de habitantes nos EUA quando da independência, desses, cerca de 600 mil eram escravos. Nas negociações da constituição, os estados sulistas queriam que os escravizados fossem contados na definição do colégio eleitoral. Já os estados do norte, queriam que somente os homens livres fossem contabilizados. 40 4/6/2022 Prof.ª Valéria Fernandes
  • 41.  Ficou decidido que um escravo equivaleria a 3/5 de um homem livre.  O Sul saiu vitorioso conseguindo garantir 1/3 a mais de cadeiras no Congresso e um 1/3 a mais de eleitores. Os sulistas conseguiram manter um grande controle sobre a política do país até as mudanças promovidas em 1868.  Como boa parte das regras eleitorais são definidas nos estados e o voto é facultativo, os negros e os mais pobres ainda tem o direito de voto dificultado em alguns estados. 41 4/6/2022 Prof.ª Valéria Fernandes
  • 42.  “Despertar”, panfleto de 1915 mostrando o avanço do direito de voto feminino nos estados dos EUA. 42 4/6/2022 Prof.ª Valéria Fernandes
  • 43.  Sobre os temas que afligiam Abigail Adams já no momento da independência, sua resolução foi lenta:  A escravidão negra terminou oficialmente nos EUA em 1863, os homens negros receberam o direito de voto em 1870 (15ª Emenda).  O voto feminino foi concedido, depois de intensa campanha, que se estendeu por décadas, em 18 de agosto de 1919 (18ª Emenda), mas as restrições ao voto das mulheres negras permaneceram.  Somente em 1965 com o “Voting Rights Act” foram abolidas as restrições ao direito de voto de homens e mulheres negras existentes em alguns estados dos Estados Unidos. 43 4/6/2022 Prof.ª Valéria Fernandes