SlideShare uma empresa Scribd logo
REVOLUÇÃO FRANCESA
Introdução
 Foi o conjunto de eventos que, de 1789 a 1799, alterou o
quadro político, econômico e social da França.
 Antes da revolução, a França era caracterizada pelo
Antigo Regime, ou seja, o absolutismo monárquico, o
mercantilismo e a sociedade estamental.
 A revolução rompeu com o antigo regime, que dominava a
Europa desde o século XV. Tornou-se, assim, um
importante marco histórico, iniciando a Idade
Contemporânea.
 A Revolução Francesa inspirou reformas em outros
países, além de ter influenciado na independência das
colônias espanholas e na proclamação da independência
do Brasil.
Introdução
Embora seja uma revolução burguesa,
houve forte participação popular;
Representa o momento em que a burguesia,
já detentora do poder econômico, atinge o
PODER POLÍTICO.
Causas
 Dentre as principais causas da Revolução Francesa,
podemos destacar o custo da monarquia, pois o rei
Luís XVI e a sua corte gastavam enormes quantias
para sustentar seus privilégios.
 As ideias iluministas também influenciaram o desejo
por reformas políticas e econômicas. Os ideais de
liberdade, igualdade e fraternidade acabaram
estampados nas cores da bandeira e também no hino
da França.
 O gasto com guerras pesou na economia do país. A
França participou da Guerra da Independência dos
Estados Unidos e perdeu a Guerra dos Sete Anos,
contra a Inglaterra.
Causas
 Além disso, o quadro econômico na França era
péssimo e a fome ameaçava a população. Secas
prejudicavam a agricultura e acentuavam a miséria.
Havia escassez de alimentos, o que aumentava ainda
mais a revolta da população.
 A divisão da sociedade francesa também pode ser
considerada causa da revolução, pois não havia
mobilidade e a posição social dependia do
nascimento.
Causas
No século XVIII, a burguesia se sentia
prejudicada pela intervenção do
Estado na economia (Mercantilismo)
 Politicamente, o reinado de Luís XVI
caracterizava uma monarquia absolutista
(poder ilimitado e de origem divina).
Divisão da sociedade
 A sociedade francesa era estamental, dividida em três estados ou
ordens. sem mobilidade social, que mantinha os privilégios de
nascimento da nobreza.
 Primeiro estado: CLERO
 Segundo estado: NOBREZA

 Terceiro estado: POVO
ALTO - Bispos, abades (origem nobre)
BAIXO - Padres (origem popular)
DE SANGUE (herdeiros da nobreza feudal)
DE TOGA (Burgueses que compravam ou
ganhavam títulos de nobreza)
BURGUESIA: Alta, Média e Pequena.
POBRES – Camponeses, trabalhadores
urbanos e desempregados.
Divisão da sociedade
 Obs.: O primeiro e o segundo estados tinham isenção de impostos, logo
o Estado francês era sustentado pelo terceiro estado (burguesia).
No início da década de 1780, a França se
encontrava em uma grave crise econômico-
financeira . Suas principais causas foram:
 Guerra dos Sete Anos (1756-63), contra a
Inglaterra: muitas despesas militares e perda de
regiões coloniais;
 Guerra de Independência dos EUA: empobreceu
os cofres públicos em mais de dois bilhões de libras;
 Tratado comercial de 1786, assinado com a
Inglaterra (vinhos franceses em troca de tecidos
ingleses) levou à falência de indústrias francesas e
aumentou o descontentamento burguês.
 Fenômenos climáticos prejudicaram as colheitas e
aumentaram o preço do trigo e do pão, causando fome e
aumentando a insatisfação popular;
 Os gastos da nobreza parasitária e o luxo das festas da corte
francesa no Palácio de Versalhes eram bancados pelos
impostos pagos pela burguesia.
 A INSATISFAÇÃO
da maioria
esmagadora da
população contra a
monarquia fazia da
França um terreno
fértil para os ideais
iluministas de “
Liberdade,
Igualdade e
Fraternidade”.
A Liberdade guiando o povo,
de Eugène Delacroix
Etapas da Revolução.
Assembleia dos Estados Gerais (1789):
Para resolver a questão dos impostos, o rei
convoca a Assembleia dos Estados Gerais,
com representantes dos três estados;
 Cada estado tinha direito a um voto, mas a
burguesia queria uma votação por indivíduo, o
que levou a violentas discussões;
Diante da impossibilidade de resolver a
questão, o terceiro estado se separou dos
demais, declarando-se ASSEMBLEIA
NACIONAL CONSTITUINTE.
1ª fase: Assembleia Nacional
Constituinte (1789-91)
 A Constituição representaria o fim do absolutismo
monárquico na França;
 Em Paris, o povo invadiu a antiga prisão da Bastilha,
num momento que representou, simbolicamente, o
fim do Antigo Regime;
 Na zona rural, os camponeses invadiram castelos,
incendiaram plantações e massacraram membros da
nobreza e do clero (o Grande Medo ).
 A Tomada da Bastilha, 14 de julho de 1789.
Decisões da Assembleia
Nacional Constituinte:
 Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão (todos
têm direito à liberdade e à defesa da propriedade
privada);
 Extinção dos privilégios feudais da nobreza;
 Aprovação da Constituição Civil do Clero : confisco das
terras da Igreja e subordinação de seus membros ao
Estado francês;
 Promulgação da Constituição de 1791 , que estabelecia
o voto censitário e a tripartição dos poderes .
Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão.
Monarquia constitucional
(1791-92)
 Luís XVI aceitou a Constituição, mas foi pego ao tentar
fugir com sua família para a Áustria e preso no Palácio das
Tulherias;
 As monarquias absolutistas da Europa começaram a
organizar uma ofensiva contra a França e, diante da
invasão prussiana, a Assembleia convocou todos os
cidadãos à guerra;
Às armas cidadãos! Formai
vossos batalhões!
Marchemos, marchemos!
Nossa terra do sangue
impuro se saciará!
 A multidão, enfurecida, invadiu o local onde o rei estava
preso, considerando-o um traidor. Os revolucionários
aboliram a monarquia e proclamaram a República .
Invasão ao Palácio das Tulherias, 10 de agosto de 1792.
2ª FASE: A Convenção (1792-93)
 Girondinos – sentavam-se à direita na Assembleia e
representavam a alta burguesia;
 Jacobinos – sentavam-se à esquerda, na parte mais
alta da Assembleia e defendiam os interesses da
pequena burguesia e dos sans-culottes;
 Planície ou Pântano – sem posição política definida,
sentava-se ao centro da Assembleia, na parte mais
baixa.
 Seus membros foram escolhidos por sufrágio universal
Masculino e pertenciam aos seguintes partidos políticos:
2ª fase: A Convenção (1792-93)
 A Convenção decidiu, por votação, mandar o rei deposto
(Cidadão Luís Capeto) à guilhotina;
 A execução do rei levou as nações absolutistas – Áustria, Prússia,
Espanha, reinos italianos, Países Baixos – e a Inglaterra a formar
a Primeira Coligação, contra a França;
 Dentro da França, houve levantes antirrevolucionários de
camponeses, instigados por padres reacionários e pela pequena
nobreza (Vendeia).
Sans-culotte parisiense.
 Em junho de 1793, tem início a REPÚBLICA
JACOBINA (“o Terror”), quando os sans-culotes
e os jacobinos, invadiram a Convenção e
prenderam os líderes girondinos.
República Jacobina (junho
de 1793 – julho de 1794)
 Criação do Tribunal Revolucionário, que
julgava os opositores da Revolução e
condenava-os à morte na guilhotina;
 Houve a criação do ensino público e
gratuito, abolição da escravidão nas
colônias, tabelamento dos preços dos
alimentos e a instituição do sufrágio
universal masculino;
 Os jacobinos perderam popularidade
graças à carnificina das execuções, o
que levou à volta dos girondinos ao
poder no Golpe do 9 Termidor .
Reação termidoriana (1794-95)
 Execução de Robespierre na guilhotina e anulação das
medidas populares tomadas pelos jacobinos;
 Restabelecimento da liberdade de preços e promulgação
de uma nova Constituição, que estabelecia que o
Poder Executivo seria exercido pelo Diretório, além do
retorno do voto censitário .
3ª fase: O Diretório (1795-99)
 Após a queda de Robespierre, a alta burguesia voltou ao poder
disposta a consolidar suas conquistas.
 Em agosto de 1795, foi criado o Diretório, no qual cinco
membros – chamados de diretores – exerciam o Poder
Executivo. Esta fase encerrou em 799.
 A crise econômica agravava-se a cada dia, a corrupção
aumentava e faltavam alimentos. Com o passar do tempo, o
governo do Diretório foi ficando cada vez mais enfraquecido.
 Com a França imersa no caos, e sob a ameaça de ataques
internos e externos, a burguesia articulou entregar o poder a
alguém influente e poderoso.
 Esse alguém foi o jovem general Napoleão Bonaparte, que, a
partir de 1799, começou a governar a França.
O Diretório (1795-99)
 Teve maioria girondina e sofria
oposição dos jacobinos e dos
monarquistas;
 Enfrentou tentativas de golpes
dos dois grupos, como a
Conspiração dos Iguais , cujo
líder jacobino foi preso e
guilhotinado pelos girondinos.
“Graco” Babeuf.
 Externamente, a França ainda
enfrentava, com sucesso, os
países absolutistas e começou a
se destacar o gênio militar de
Napoleão Bonaparte;
 Para consolidar sua República
burguesa, os girondinos apoiaram
o Golpe do 18 Brumário
(Bonaparte derrubou o Diretório e
instituiu o Consulado.
Napoleão Bonaparte
Fontes: História Digital, google imagens...

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Slide feudalismo 7 ano
Slide feudalismo 7 anoSlide feudalismo 7 ano
Slide feudalismo 7 ano
profbrenoazevedo
 
Independência dos EUA
Independência dos EUAIndependência dos EUA
Independência dos EUA
Portal do Vestibulando
 
1º ano - Reforma Religiosa
1º ano - Reforma Religiosa1º ano - Reforma Religiosa
1º ano - Reforma Religiosa
Daniel Alves Bronstrup
 
Revolucão Francesa
Revolucão FrancesaRevolucão Francesa
Revolucão Francesa
eiprofessor
 
A Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados NacionaisA Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados Nacionais
Douglas Barraqui
 
O Renascimento - 7º Ano (2017)
O Renascimento - 7º Ano (2017)O Renascimento - 7º Ano (2017)
O Renascimento - 7º Ano (2017)
Nefer19
 
Segundo reinado (1840 1889)
Segundo reinado (1840 1889)Segundo reinado (1840 1889)
Segundo reinado (1840 1889)
Isaquel Silva
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
Paulo Alexandre
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Tavinho Koneski Westphal
 
Descolonização da Ásia - Prof. Altair Aguilar
Descolonização da Ásia - Prof. Altair AguilarDescolonização da Ásia - Prof. Altair Aguilar
Descolonização da Ásia - Prof. Altair Aguilar
Altair Moisés Aguilar
 
Revolução Puritana
Revolução PuritanaRevolução Puritana
Revolução Puritana
Leonardo Caputo
 
Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)
Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)
Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)
Nefer19
 
Colonizacao inglesa
Colonizacao inglesaColonizacao inglesa
Colonizacao inglesa
Fabiana Tonsis
 
Capítulo 5 Organização político-administrativa na América Portuguesa
Capítulo 5 Organização político-administrativa na América PortuguesaCapítulo 5 Organização político-administrativa na América Portuguesa
Capítulo 5 Organização político-administrativa na América Portuguesa
Vitor Ferreira
 
Conjuração Mineira e Baiana
Conjuração Mineira e BaianaConjuração Mineira e Baiana
Conjuração Mineira e Baiana
Aulas de História
 
A Idade Moderna
A Idade ModernaA Idade Moderna
A Idade Moderna
Paulo Alexandre
 
A revolta pernambucana de 1817
A revolta pernambucana de 1817A revolta pernambucana de 1817
A revolta pernambucana de 1817
Fabiana Tonsis
 
1º ano rafa história - rafael - índia, china e japão
1º ano   rafa história - rafael - índia, china e japão1º ano   rafa história - rafael - índia, china e japão
1º ano rafa história - rafael - índia, china e japão
Rafael Noronha
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
Alê Maldonado
 
renascimento cultural 7º ano
  renascimento cultural 7º ano  renascimento cultural 7º ano
renascimento cultural 7º ano
Colégio Basic e Colégio Imperatrice
 

Mais procurados (20)

Slide feudalismo 7 ano
Slide feudalismo 7 anoSlide feudalismo 7 ano
Slide feudalismo 7 ano
 
Independência dos EUA
Independência dos EUAIndependência dos EUA
Independência dos EUA
 
1º ano - Reforma Religiosa
1º ano - Reforma Religiosa1º ano - Reforma Religiosa
1º ano - Reforma Religiosa
 
Revolucão Francesa
Revolucão FrancesaRevolucão Francesa
Revolucão Francesa
 
A Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados NacionaisA Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados Nacionais
 
O Renascimento - 7º Ano (2017)
O Renascimento - 7º Ano (2017)O Renascimento - 7º Ano (2017)
O Renascimento - 7º Ano (2017)
 
Segundo reinado (1840 1889)
Segundo reinado (1840 1889)Segundo reinado (1840 1889)
Segundo reinado (1840 1889)
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Descolonização da Ásia - Prof. Altair Aguilar
Descolonização da Ásia - Prof. Altair AguilarDescolonização da Ásia - Prof. Altair Aguilar
Descolonização da Ásia - Prof. Altair Aguilar
 
Revolução Puritana
Revolução PuritanaRevolução Puritana
Revolução Puritana
 
Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)
Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)
Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)
 
Colonizacao inglesa
Colonizacao inglesaColonizacao inglesa
Colonizacao inglesa
 
Capítulo 5 Organização político-administrativa na América Portuguesa
Capítulo 5 Organização político-administrativa na América PortuguesaCapítulo 5 Organização político-administrativa na América Portuguesa
Capítulo 5 Organização político-administrativa na América Portuguesa
 
Conjuração Mineira e Baiana
Conjuração Mineira e BaianaConjuração Mineira e Baiana
Conjuração Mineira e Baiana
 
A Idade Moderna
A Idade ModernaA Idade Moderna
A Idade Moderna
 
A revolta pernambucana de 1817
A revolta pernambucana de 1817A revolta pernambucana de 1817
A revolta pernambucana de 1817
 
1º ano rafa história - rafael - índia, china e japão
1º ano   rafa história - rafael - índia, china e japão1º ano   rafa história - rafael - índia, china e japão
1º ano rafa história - rafael - índia, china e japão
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
renascimento cultural 7º ano
  renascimento cultural 7º ano  renascimento cultural 7º ano
renascimento cultural 7º ano
 

Semelhante a Aula Revolução Francesa 2

Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
Lutero Ramos
 
Revoluã§ã£o francesa
Revoluã§ã£o francesaRevoluã§ã£o francesa
Revoluã§ã£o francesa
Julia Selistre
 
Revolucaofrancesa 1789 1799
Revolucaofrancesa 1789 1799Revolucaofrancesa 1789 1799
Revolucaofrancesa 1789 1799
Rondinelly Silva
 
_Resumo Revolução Francesa
_Resumo Revolução Francesa_Resumo Revolução Francesa
_Resumo Revolução Francesa
Lela Leite
 
2013 2o. ano 1o
2013   2o. ano 1o2013   2o. ano 1o
2013 2o. ano 1o
Gustavo Cuin
 
Cap. 1 Revolução Francesa
Cap. 1 Revolução Francesa Cap. 1 Revolução Francesa
Cap. 1 Revolução Francesa
Laguat
 
2013 2o. ano 1o
2013   2o. ano 1o2013   2o. ano 1o
2013 2o. ano 1o
Laguat
 
2013 2o. ano 1o(1)
2013   2o. ano 1o(1)2013   2o. ano 1o(1)
2013 2o. ano 1o(1)
Gustavo Cuin
 
Revolucao francesa 2o ano
Revolucao francesa 2o anoRevolucao francesa 2o ano
Revolucao francesa 2o ano
Fernando Sergio Leão Castilho
 
Revolução francesa - Prof. Elvis John
Revolução francesa - Prof. Elvis JohnRevolução francesa - Prof. Elvis John
Revolução francesa - Prof. Elvis John
ElvisJohnR
 
Revolucoes
RevolucoesRevolucoes
Revolucoes
Norma Almeida
 
RevoluçãO Francesa
RevoluçãO FrancesaRevoluçãO Francesa
RevoluçãO Francesa
LianaSuzuki
 
Revolução Francesa - Prof. Altair Aguilar
Revolução  Francesa - Prof. Altair AguilarRevolução  Francesa - Prof. Altair Aguilar
Revolução Francesa - Prof. Altair Aguilar
Altair Moisés Aguilar
 
A grande revolução francesa
A grande revolução francesaA grande revolução francesa
A grande revolução francesa
Fernando Alcoforado
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
gueste79b40
 
Revolucao francesa
Revolucao francesaRevolucao francesa
Revolucao francesa
mesmoeumesmo
 
REVOLUÇÃO FRANCESA
REVOLUÇÃO FRANCESAREVOLUÇÃO FRANCESA
REVOLUÇÃO FRANCESA
FelipeBicudo1
 
Roteiro de Aula - Da Revolução Francesa ao Imperialismo do Séc. XIX
Roteiro de Aula - Da Revolução Francesa ao Imperialismo do Séc. XIXRoteiro de Aula - Da Revolução Francesa ao Imperialismo do Séc. XIX
Roteiro de Aula - Da Revolução Francesa ao Imperialismo do Séc. XIX
josafaslima
 
Resumo revolucao francesa
Resumo revolucao francesaResumo revolucao francesa
Resumo revolucao francesa
David Muniz
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
Joemille Leal
 

Semelhante a Aula Revolução Francesa 2 (20)

Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Revoluã§ã£o francesa
Revoluã§ã£o francesaRevoluã§ã£o francesa
Revoluã§ã£o francesa
 
Revolucaofrancesa 1789 1799
Revolucaofrancesa 1789 1799Revolucaofrancesa 1789 1799
Revolucaofrancesa 1789 1799
 
_Resumo Revolução Francesa
_Resumo Revolução Francesa_Resumo Revolução Francesa
_Resumo Revolução Francesa
 
2013 2o. ano 1o
2013   2o. ano 1o2013   2o. ano 1o
2013 2o. ano 1o
 
Cap. 1 Revolução Francesa
Cap. 1 Revolução Francesa Cap. 1 Revolução Francesa
Cap. 1 Revolução Francesa
 
2013 2o. ano 1o
2013   2o. ano 1o2013   2o. ano 1o
2013 2o. ano 1o
 
2013 2o. ano 1o(1)
2013   2o. ano 1o(1)2013   2o. ano 1o(1)
2013 2o. ano 1o(1)
 
Revolucao francesa 2o ano
Revolucao francesa 2o anoRevolucao francesa 2o ano
Revolucao francesa 2o ano
 
Revolução francesa - Prof. Elvis John
Revolução francesa - Prof. Elvis JohnRevolução francesa - Prof. Elvis John
Revolução francesa - Prof. Elvis John
 
Revolucoes
RevolucoesRevolucoes
Revolucoes
 
RevoluçãO Francesa
RevoluçãO FrancesaRevoluçãO Francesa
RevoluçãO Francesa
 
Revolução Francesa - Prof. Altair Aguilar
Revolução  Francesa - Prof. Altair AguilarRevolução  Francesa - Prof. Altair Aguilar
Revolução Francesa - Prof. Altair Aguilar
 
A grande revolução francesa
A grande revolução francesaA grande revolução francesa
A grande revolução francesa
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Revolucao francesa
Revolucao francesaRevolucao francesa
Revolucao francesa
 
REVOLUÇÃO FRANCESA
REVOLUÇÃO FRANCESAREVOLUÇÃO FRANCESA
REVOLUÇÃO FRANCESA
 
Roteiro de Aula - Da Revolução Francesa ao Imperialismo do Séc. XIX
Roteiro de Aula - Da Revolução Francesa ao Imperialismo do Séc. XIXRoteiro de Aula - Da Revolução Francesa ao Imperialismo do Séc. XIX
Roteiro de Aula - Da Revolução Francesa ao Imperialismo do Séc. XIX
 
Resumo revolucao francesa
Resumo revolucao francesaResumo revolucao francesa
Resumo revolucao francesa
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 

Mais de seixasmarianas

Aula regimes totalitários
Aula regimes totalitáriosAula regimes totalitários
Aula regimes totalitários
seixasmarianas
 
Discussão Iconográfica da Independência do Brasil
Discussão Iconográfica da Independência do BrasilDiscussão Iconográfica da Independência do Brasil
Discussão Iconográfica da Independência do Brasil
seixasmarianas
 
Origens do homo sapiens e primeiras civilizações
Origens do homo sapiens e primeiras civilizaçõesOrigens do homo sapiens e primeiras civilizações
Origens do homo sapiens e primeiras civilizações
seixasmarianas
 
Reforma Protestante
Reforma ProtestanteReforma Protestante
Reforma Protestante
seixasmarianas
 
Grécia e Roma - Informações Básicas
Grécia e Roma - Informações BásicasGrécia e Roma - Informações Básicas
Grécia e Roma - Informações Básicas
seixasmarianas
 
Primeiras civilizações sociedades africanas da antiguidade
Primeiras civilizações   sociedades africanas da antiguidadePrimeiras civilizações   sociedades africanas da antiguidade
Primeiras civilizações sociedades africanas da antiguidade
seixasmarianas
 
Aula II Guerra Mundial
Aula II Guerra MundialAula II Guerra Mundial
Aula II Guerra Mundial
seixasmarianas
 
Formação das Cidades Coloniais
Formação das Cidades ColoniaisFormação das Cidades Coloniais
Formação das Cidades Coloniais
seixasmarianas
 
Independência e Independências
Independência e IndependênciasIndependência e Independências
Independência e Independências
seixasmarianas
 
A Era Vargas (1930 1945)
A Era Vargas (1930 1945)A Era Vargas (1930 1945)
A Era Vargas (1930 1945)
seixasmarianas
 
Aula família real portuguesa no brasil
Aula família real portuguesa no brasilAula família real portuguesa no brasil
Aula família real portuguesa no brasil
seixasmarianas
 
A Crise da República Velha
A Crise da República VelhaA Crise da República Velha
A Crise da República Velha
seixasmarianas
 
Semana de arte moderna 1922
Semana de arte moderna 1922Semana de arte moderna 1922
Semana de arte moderna 1922
seixasmarianas
 
I Guerra Mundial - aula 1
I Guerra Mundial -  aula 1I Guerra Mundial -  aula 1
I Guerra Mundial - aula 1
seixasmarianas
 
Crise do Feudalismo - Séc. XIV
Crise do Feudalismo - Séc. XIVCrise do Feudalismo - Séc. XIV
Crise do Feudalismo - Séc. XIV
seixasmarianas
 
Era Napoleônica e Congresso de Viena
Era Napoleônica e Congresso de VienaEra Napoleônica e Congresso de Viena
Era Napoleônica e Congresso de Viena
seixasmarianas
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
seixasmarianas
 
A Formação do Islamismo e do Mundo Árabe
A Formação do Islamismo e do Mundo ÁrabeA Formação do Islamismo e do Mundo Árabe
A Formação do Islamismo e do Mundo Árabe
seixasmarianas
 
Aula Revolta da Chibata
Aula Revolta da ChibataAula Revolta da Chibata
Aula Revolta da Chibata
seixasmarianas
 
Revolta da Vacina
Revolta da VacinaRevolta da Vacina
Revolta da Vacina
seixasmarianas
 

Mais de seixasmarianas (20)

Aula regimes totalitários
Aula regimes totalitáriosAula regimes totalitários
Aula regimes totalitários
 
Discussão Iconográfica da Independência do Brasil
Discussão Iconográfica da Independência do BrasilDiscussão Iconográfica da Independência do Brasil
Discussão Iconográfica da Independência do Brasil
 
Origens do homo sapiens e primeiras civilizações
Origens do homo sapiens e primeiras civilizaçõesOrigens do homo sapiens e primeiras civilizações
Origens do homo sapiens e primeiras civilizações
 
Reforma Protestante
Reforma ProtestanteReforma Protestante
Reforma Protestante
 
Grécia e Roma - Informações Básicas
Grécia e Roma - Informações BásicasGrécia e Roma - Informações Básicas
Grécia e Roma - Informações Básicas
 
Primeiras civilizações sociedades africanas da antiguidade
Primeiras civilizações   sociedades africanas da antiguidadePrimeiras civilizações   sociedades africanas da antiguidade
Primeiras civilizações sociedades africanas da antiguidade
 
Aula II Guerra Mundial
Aula II Guerra MundialAula II Guerra Mundial
Aula II Guerra Mundial
 
Formação das Cidades Coloniais
Formação das Cidades ColoniaisFormação das Cidades Coloniais
Formação das Cidades Coloniais
 
Independência e Independências
Independência e IndependênciasIndependência e Independências
Independência e Independências
 
A Era Vargas (1930 1945)
A Era Vargas (1930 1945)A Era Vargas (1930 1945)
A Era Vargas (1930 1945)
 
Aula família real portuguesa no brasil
Aula família real portuguesa no brasilAula família real portuguesa no brasil
Aula família real portuguesa no brasil
 
A Crise da República Velha
A Crise da República VelhaA Crise da República Velha
A Crise da República Velha
 
Semana de arte moderna 1922
Semana de arte moderna 1922Semana de arte moderna 1922
Semana de arte moderna 1922
 
I Guerra Mundial - aula 1
I Guerra Mundial -  aula 1I Guerra Mundial -  aula 1
I Guerra Mundial - aula 1
 
Crise do Feudalismo - Séc. XIV
Crise do Feudalismo - Séc. XIVCrise do Feudalismo - Séc. XIV
Crise do Feudalismo - Séc. XIV
 
Era Napoleônica e Congresso de Viena
Era Napoleônica e Congresso de VienaEra Napoleônica e Congresso de Viena
Era Napoleônica e Congresso de Viena
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
A Formação do Islamismo e do Mundo Árabe
A Formação do Islamismo e do Mundo ÁrabeA Formação do Islamismo e do Mundo Árabe
A Formação do Islamismo e do Mundo Árabe
 
Aula Revolta da Chibata
Aula Revolta da ChibataAula Revolta da Chibata
Aula Revolta da Chibata
 
Revolta da Vacina
Revolta da VacinaRevolta da Vacina
Revolta da Vacina
 

Último

reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CristviaFerreira
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docxPlanejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
marcos oliveira
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 

Último (20)

reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docxPlanejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 

Aula Revolução Francesa 2

  • 2. Introdução  Foi o conjunto de eventos que, de 1789 a 1799, alterou o quadro político, econômico e social da França.  Antes da revolução, a França era caracterizada pelo Antigo Regime, ou seja, o absolutismo monárquico, o mercantilismo e a sociedade estamental.  A revolução rompeu com o antigo regime, que dominava a Europa desde o século XV. Tornou-se, assim, um importante marco histórico, iniciando a Idade Contemporânea.  A Revolução Francesa inspirou reformas em outros países, além de ter influenciado na independência das colônias espanholas e na proclamação da independência do Brasil.
  • 3. Introdução Embora seja uma revolução burguesa, houve forte participação popular; Representa o momento em que a burguesia, já detentora do poder econômico, atinge o PODER POLÍTICO.
  • 4. Causas  Dentre as principais causas da Revolução Francesa, podemos destacar o custo da monarquia, pois o rei Luís XVI e a sua corte gastavam enormes quantias para sustentar seus privilégios.  As ideias iluministas também influenciaram o desejo por reformas políticas e econômicas. Os ideais de liberdade, igualdade e fraternidade acabaram estampados nas cores da bandeira e também no hino da França.  O gasto com guerras pesou na economia do país. A França participou da Guerra da Independência dos Estados Unidos e perdeu a Guerra dos Sete Anos, contra a Inglaterra.
  • 5. Causas  Além disso, o quadro econômico na França era péssimo e a fome ameaçava a população. Secas prejudicavam a agricultura e acentuavam a miséria. Havia escassez de alimentos, o que aumentava ainda mais a revolta da população.  A divisão da sociedade francesa também pode ser considerada causa da revolução, pois não havia mobilidade e a posição social dependia do nascimento.
  • 6. Causas No século XVIII, a burguesia se sentia prejudicada pela intervenção do Estado na economia (Mercantilismo)  Politicamente, o reinado de Luís XVI caracterizava uma monarquia absolutista (poder ilimitado e de origem divina).
  • 7. Divisão da sociedade  A sociedade francesa era estamental, dividida em três estados ou ordens. sem mobilidade social, que mantinha os privilégios de nascimento da nobreza.  Primeiro estado: CLERO  Segundo estado: NOBREZA   Terceiro estado: POVO ALTO - Bispos, abades (origem nobre) BAIXO - Padres (origem popular) DE SANGUE (herdeiros da nobreza feudal) DE TOGA (Burgueses que compravam ou ganhavam títulos de nobreza) BURGUESIA: Alta, Média e Pequena. POBRES – Camponeses, trabalhadores urbanos e desempregados.
  • 8. Divisão da sociedade  Obs.: O primeiro e o segundo estados tinham isenção de impostos, logo o Estado francês era sustentado pelo terceiro estado (burguesia).
  • 9. No início da década de 1780, a França se encontrava em uma grave crise econômico- financeira . Suas principais causas foram:  Guerra dos Sete Anos (1756-63), contra a Inglaterra: muitas despesas militares e perda de regiões coloniais;  Guerra de Independência dos EUA: empobreceu os cofres públicos em mais de dois bilhões de libras;  Tratado comercial de 1786, assinado com a Inglaterra (vinhos franceses em troca de tecidos ingleses) levou à falência de indústrias francesas e aumentou o descontentamento burguês.
  • 10.  Fenômenos climáticos prejudicaram as colheitas e aumentaram o preço do trigo e do pão, causando fome e aumentando a insatisfação popular;  Os gastos da nobreza parasitária e o luxo das festas da corte francesa no Palácio de Versalhes eram bancados pelos impostos pagos pela burguesia.
  • 11.  A INSATISFAÇÃO da maioria esmagadora da população contra a monarquia fazia da França um terreno fértil para os ideais iluministas de “ Liberdade, Igualdade e Fraternidade”. A Liberdade guiando o povo, de Eugène Delacroix
  • 12. Etapas da Revolução. Assembleia dos Estados Gerais (1789): Para resolver a questão dos impostos, o rei convoca a Assembleia dos Estados Gerais, com representantes dos três estados;  Cada estado tinha direito a um voto, mas a burguesia queria uma votação por indivíduo, o que levou a violentas discussões; Diante da impossibilidade de resolver a questão, o terceiro estado se separou dos demais, declarando-se ASSEMBLEIA NACIONAL CONSTITUINTE.
  • 13. 1ª fase: Assembleia Nacional Constituinte (1789-91)  A Constituição representaria o fim do absolutismo monárquico na França;  Em Paris, o povo invadiu a antiga prisão da Bastilha, num momento que representou, simbolicamente, o fim do Antigo Regime;  Na zona rural, os camponeses invadiram castelos, incendiaram plantações e massacraram membros da nobreza e do clero (o Grande Medo ).
  • 14.  A Tomada da Bastilha, 14 de julho de 1789.
  • 15. Decisões da Assembleia Nacional Constituinte:  Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão (todos têm direito à liberdade e à defesa da propriedade privada);  Extinção dos privilégios feudais da nobreza;  Aprovação da Constituição Civil do Clero : confisco das terras da Igreja e subordinação de seus membros ao Estado francês;  Promulgação da Constituição de 1791 , que estabelecia o voto censitário e a tripartição dos poderes .
  • 16. Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão.
  • 17. Monarquia constitucional (1791-92)  Luís XVI aceitou a Constituição, mas foi pego ao tentar fugir com sua família para a Áustria e preso no Palácio das Tulherias;  As monarquias absolutistas da Europa começaram a organizar uma ofensiva contra a França e, diante da invasão prussiana, a Assembleia convocou todos os cidadãos à guerra; Às armas cidadãos! Formai vossos batalhões! Marchemos, marchemos! Nossa terra do sangue impuro se saciará!
  • 18.  A multidão, enfurecida, invadiu o local onde o rei estava preso, considerando-o um traidor. Os revolucionários aboliram a monarquia e proclamaram a República . Invasão ao Palácio das Tulherias, 10 de agosto de 1792.
  • 19. 2ª FASE: A Convenção (1792-93)  Girondinos – sentavam-se à direita na Assembleia e representavam a alta burguesia;  Jacobinos – sentavam-se à esquerda, na parte mais alta da Assembleia e defendiam os interesses da pequena burguesia e dos sans-culottes;  Planície ou Pântano – sem posição política definida, sentava-se ao centro da Assembleia, na parte mais baixa.  Seus membros foram escolhidos por sufrágio universal Masculino e pertenciam aos seguintes partidos políticos:
  • 20. 2ª fase: A Convenção (1792-93)  A Convenção decidiu, por votação, mandar o rei deposto (Cidadão Luís Capeto) à guilhotina;  A execução do rei levou as nações absolutistas – Áustria, Prússia, Espanha, reinos italianos, Países Baixos – e a Inglaterra a formar a Primeira Coligação, contra a França;  Dentro da França, houve levantes antirrevolucionários de camponeses, instigados por padres reacionários e pela pequena nobreza (Vendeia). Sans-culotte parisiense.  Em junho de 1793, tem início a REPÚBLICA JACOBINA (“o Terror”), quando os sans-culotes e os jacobinos, invadiram a Convenção e prenderam os líderes girondinos.
  • 21. República Jacobina (junho de 1793 – julho de 1794)  Criação do Tribunal Revolucionário, que julgava os opositores da Revolução e condenava-os à morte na guilhotina;  Houve a criação do ensino público e gratuito, abolição da escravidão nas colônias, tabelamento dos preços dos alimentos e a instituição do sufrágio universal masculino;  Os jacobinos perderam popularidade graças à carnificina das execuções, o que levou à volta dos girondinos ao poder no Golpe do 9 Termidor .
  • 22. Reação termidoriana (1794-95)  Execução de Robespierre na guilhotina e anulação das medidas populares tomadas pelos jacobinos;  Restabelecimento da liberdade de preços e promulgação de uma nova Constituição, que estabelecia que o Poder Executivo seria exercido pelo Diretório, além do retorno do voto censitário .
  • 23. 3ª fase: O Diretório (1795-99)  Após a queda de Robespierre, a alta burguesia voltou ao poder disposta a consolidar suas conquistas.  Em agosto de 1795, foi criado o Diretório, no qual cinco membros – chamados de diretores – exerciam o Poder Executivo. Esta fase encerrou em 799.  A crise econômica agravava-se a cada dia, a corrupção aumentava e faltavam alimentos. Com o passar do tempo, o governo do Diretório foi ficando cada vez mais enfraquecido.  Com a França imersa no caos, e sob a ameaça de ataques internos e externos, a burguesia articulou entregar o poder a alguém influente e poderoso.  Esse alguém foi o jovem general Napoleão Bonaparte, que, a partir de 1799, começou a governar a França.
  • 24. O Diretório (1795-99)  Teve maioria girondina e sofria oposição dos jacobinos e dos monarquistas;  Enfrentou tentativas de golpes dos dois grupos, como a Conspiração dos Iguais , cujo líder jacobino foi preso e guilhotinado pelos girondinos. “Graco” Babeuf.
  • 25.  Externamente, a França ainda enfrentava, com sucesso, os países absolutistas e começou a se destacar o gênio militar de Napoleão Bonaparte;  Para consolidar sua República burguesa, os girondinos apoiaram o Golpe do 18 Brumário (Bonaparte derrubou o Diretório e instituiu o Consulado. Napoleão Bonaparte Fontes: História Digital, google imagens...