SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 45
UNIFESSP
A
Psicofarmacologia
Aula 4:
Revisão de anatomia e
fisiologia do SN
UNIFESSP
A
ObjetivosObjetivos
1. Revisar alguns princípios básicos da
organização do sistema nervoso central
relevantes para o estudo da psicofarmacologia
2.Analisar alguns sistemas de
neurotransmissores importantes para a
psicofarmacologia
3.Revisar princípios básicos de
neurotransmissão e sua base morfológica
UNIFESSP
A
Neuroanatomia básicaNeuroanatomia básica
●
A neuroanatomia funcional é o estudo de sistemas e grupos de neurônios
interdependentes e em interação, e das regiões encefálicas associadas a determinadas
funções
●
Os três sistemas neurais de maior interesse para a psicofarmacologia e para a
psicopatologia são os sistemas tálamo-corticais, os gânglios da base, e o sistema límbico.
– Na década de 1970, o foco da pesquisa estava no tálamo; no entanto, suas interações com o córtex
são mais importantes para as funções sensoriais, motoras, e associativas do encéfalo
– O tálamo e suas interações com o córtex cerebelar também são importantes para a cognição
– Os gânglios da base são importantes no controle motor, mas também tem papel importante na
cognição
– O sistema límbico vêm sendo há tempos implicado na experiência e expressão das emoções
●
Complementação com aula prática
UNIFESSP
A
NeurotransmissoresNeurotransmissores
● Existem seis grandes classes de substâncias
neurotransmissoras e neuromoduladoras
– Aminoácidos
– Monoaminas
– Peptídeos
– Neurotrofinas
– Gasotransmissores
– Purinas
● Os neurônios podem liberar mais de um neurotransmissor
(inclusive ao mesmo tempo), e apresentam receptores para
diferentes tipos de transmissores
UNIFESSP
A
MonoaminasMonoaminas
● Seis monoaminas clássicas
– Três catecolaminas – Adrenalina (Epi), noradrenalina (NE),
dopamina (DA)
– Serotonina (5-HT)
– Acetilcolina (ACh)
– Histamina (HA)
● Pequeno número de neurônios produzem cada uma
dessas monoaminas, mas o impacto na atividade
cerebral é grande, porque apresentam projeções difusas
UNIFESSP
A
Serotonina: Síntese eSerotonina: Síntese e
localizaçãolocalização
UNIFESSP
A
Receptores de serotoninaReceptores de serotonina
Receptor Via de sinalização Ligantes
5-HT1A
Gi
Buspirona (Agonista parcial)
5-HT1B
Gi
Triptanos (Agonistas)
5-HT1D
Gi
Triptanos (Agonistas)
5-HT1E
Gi
5-HT1F
Gi
5-HT2A
Gq
Psicodélicos (Agonistas
parciais), antipsicóticos atípicos
(Antagonistas), Cetanserina
(Antagonista)
5-HT2B
Gq
Cetanserina (Antagonista)
5-HT2C
Gq
Cetanserina (Antagonista),
Lorcarserin (Agonista)
5-HT3
Ionotrópico (canais de sódio,
canais de potássio)
Anti-eméticos (Antagonistas)
5-HT4
Gs
Tegaserod (Pró-cinético)
5-HT5A
Gi
5-HT5B
Gi
5-HT6
Gs
5-HT7
Gs
UNIFESSP
A
UNIFESSP
A
Dopamina: Síntese eDopamina: Síntese e
localizaçãolocalização
UNIFESSP
A
Receptores de dopaminaReceptores de dopamina
Receptor Via de sinalização Ligantes
D1
Gs
D2
Gi
Antipsicóticos de primeira
geração, antipsicóticos
atípicos (antagonistas)
D3
Gi
Antipsicóticos de primeira
geração (antagonistas)
D4
Gi
Antipsicóticos de primeira
geração (antagonistas)
D5
Gs
UNIFESSP
A
Noradrenalina e adrenalina:Noradrenalina e adrenalina:
Síntese e localizaçãoSíntese e localização
UNIFESSP
A
Receptor Ordem de potência
dos ligantes
Mecanismo Ligantes
α1
: A, B, D Noradrenalina >
adrenalina >>
isoprotenerol
Gq
Doxazosina,
Silodosina, Prazosina,
Tansulosina,
Alfuzosina,
Terazosina
(Antagonistas)
α2
: A, B, C Adrenalina >
noradrenalina >>
isoprotenerol
Gi
Clonidina (Agonista),
Ioimbina
(Antagonista)
β1
Isoprotenerol >
adrenalina =
noradrenalina
Gs
Dobutamina
(Agonista),
Propanolol,
Metoprolol, Atenolol
(Antagonistas)
β2
Isoprotenerol >
adrenalina >>
noradrenalina
Gs
Salbutamol
(Agonista), Propanolol
(Antagonista)
β3
Isoprotenerol =
noradrenalina >
adrenalina
Gs
Mirabegron (Agonista)
UNIFESSP
A
Acetilcolina: Síntese eAcetilcolina: Síntese e
localizaçãolocalização
UNIFESSP
A
Receptores colinérgicosReceptores colinérgicos
Receptor Via de sinalização Ligantes
Nicotínico Ionotrópico (canais de sódio,
canais de potássio)
Carbacol, nicotina
(Agonistas), Curare
(Antagonistas)
M1 Gq
Muscarina (Agonista),
Atropina, Escopolamina
(Antagonista)
M2 Gi
Muscarina (Agonista),
Atropina (Antagonista)
M3 Gq
Muscarina, Pilocarpina
(Agonista), Atropina
(Antagonista)
M4 Gi
Atropina (Antagonista)
M5 Gq
Atropina (Antagonista)
UNIFESSP
A
Aminoácidos excitatórios:Aminoácidos excitatórios:
GlutamatoGlutamato
● Neurotransmissor excitatório; maior
número de circuitos locais
●
Envolvido em condições
neuropatológicas crônicas, como ELA
● A estimulação prolongada dos
neurônios por Glu leva a morte ou
injúria neuronal (excitotoxicidade).
– Ações excitotóxicas implicadas na doença
de Alzheimer
– Memantina (antagonista NMDA-R) atrasa
os sintomas
UNIFESSP
A
Aminoácidos inibitórios:Aminoácidos inibitórios:
GABAGABA
● Principal neurotransmissor inibitório em
microcircuitos e em circuitos reginais
●
Alterações em neurotransmissão GABAérgica
implicada na patologia da doença de Huntington,
doença de Parkinson, demência senil, doença de
Alzheimer, e esquizofrenia
● A GAD requer vitamina B6 como co-enzima; a
deficiência dietária dessa vitamina pode levar à
diminuição na síntese do GABA
● Como as convulsões podem ser facilitadas pela
ausência de inibição, aumentos no GABA ou na
atv de seus receptores podem ser estratégias
úteis para ação anti-convulsivante
– Valproato inibe GABA transaminase, aumentando
níveis de GABA
UNIFESSP
A
Peptídeos neuroativosPeptídeos neuroativos
● 100+ descritos até o momento
● Opióides: endorfinas, encefalinas, dinorfina
● CRF: responsividade de ACTH diminuída em
TDM e TEPT; CRF elevado no fluido
cerebroespinal em TDM; retorno aos níveis
normais após tratamento
UNIFESSP
A
NeurotrofinasNeurotrofinas
● O primeiro fator de crescimento descrito foi o NGF (“nerve growth factor”, fator de
crescimento do nervo)
● Polipeptídeos que apresentam função regulatória de longo prazo → pico de
concentração nas fases iniciais do desenvolvimento
● BDNF, NT-3, NT-4/5 – alta expressão no córtex e hipocampo
● Receptores tirosina cinase
● Estresse diminui BDNF e aumenta NT-3; tratamento com antidepressivos produz
efeito contrário
● Aumento da eficácia da neurotransmissão
UNIFESSP
A
GasotransmissoresGasotransmissores
● H2
S, NO CO
– Não são armazenados em vesículas; gerados por demanda
– Não são liberados por mecanismos dependentes de cálcio
– Inativação passiva
– Ação limitada pela difusão, permitindo ação em vários alvos
ao mesmo tempo
– Podem agir como transmissores retrógrados
● NO é o prototípico
– Síntese por NOS
UNIFESSP
A
Síntese e ações do NOSíntese e ações do NO
UNIFESSP
A
UNIFESSP
A
Adenosina e ATPAdenosina e ATP
● A adenosina é uma purina, e o ATP é derivado da
adenosina
● Receptores P1
(alta afinidade por adenosina) e P2
(alta afinidade por ATP)
● Adenosina diminui a liberação de alguns
neurotransmissores; o ATP é normalmente co-
liberado com catecolaminas
UNIFESSP
A
Receptores purinérgicosReceptores purinérgicosReceptor Via de sinalização Ligantes
A1
Gi
Teofilina, cafeína (Antagonistas)
A2A
Gs
Teofilina, cafeína (Antagonistas)
A2B
Gs
Teofilina, cafeína (Antagonistas)
A3
Gi
Teofilina, cafeína (Antagonistas)
P2X Ionotrópico
P2RY1
Gq
P2RY2
Gq
P2RY4
Gi
e Gq
P2RY6
Gq
P2YR11
Gs
e Gq
P2YR12
Gi
Clopidogrel
P2YR13
Gi
P2YR14
Gi
UNIFESSP
A
UNIFESSP
A
Neurônios e gliócitosNeurônios e gliócitos
●
Multiplicidade de propriedades morfológicas e fisiológicas
– Presença vs. ausência de axônio e dendritos
– Excitabilidade
– Propriedades passivas de membrana
– Funções
●
A propriedade comum a todos os neurônios é “a capacidade de gerar sinais
elétricos que funcionam como unidades de informação”.
● Os gliócitos apresentam função de “infraestrutura”, dando sustentação aos
neurônios, conduzindo nutrientes, controlando as concentrações de íons no
meio extracelular, armazenando glicogênio, participando dos mecanismos
de cicatrização e defesa do SNC, e processando informação
UNIFESSP
A
Diversidade morfológicaDiversidade morfológica
dos neurôniosdos neurônios
LENT, R. Cem bilhões de neurônios? Conceitos fundamentais de neurociência. 2.ed. Rio de Janeiro: Atheneu, 2002
UNIFESSP
A
Diversidade morfológicaDiversidade morfológica
dos neurôniosdos neurônios
PAREKH, R.; ASCOLI, G. A. Neuronal morphology goes digital: A research hub for cellular and system neuroscience. Neuron, v. 77, pp.
1017-1038, 2013. doi: 10.1016/j.neuron.2013.03.008
UNIFESSP
A
Um exemplo de gliócito comUm exemplo de gliócito com
função sináptica: O astrócitofunção sináptica: O astrócito
NAVARRETE, M.; ARAQUE, A. The Cajal school and the physiological role of astrocytes: A way of thinking. Frontiers in Neuroanatomy, v.
8, art. 33, 2014. doi: 10.3389/fnana.2014.00033
UNIFESSP
A
O neurônio é a principalO neurônio é a principal
unidade sinalizadora do SNunidade sinalizadora do SN
● A estrutura geral do neurônio serve à sua
função:
– Os dendritos são a principal região de integração
– O soma propaga o sinal e contém as organelas
para as respostas de longo prazo
– O axônio conduz o P. A. e, nos terminais, libera
neurotransmissor
UNIFESSP
A
UNIFESSP
A
O neurônio é a principalO neurônio é a principal
unidade sinalizadora do SNunidade sinalizadora do SN
UNIFESSP
A
Tipos morfológicos eTipos morfológicos e
funcionais de sinapsefuncionais de sinapse
●
Quanto à função:
– Excitatórias (PPSE)
– Inibitórias (PPSI)
● Quanto à localização subcelular:
– Axodendrítica
– Axossomática
– Axoaxônica
– Dendrodendrítica
– Somatossomática
●
Quanto à morfologia:
– Assimétricas: membrana pós-sináptica + espessa
que a pré-sináptica; vesículas esféricas;
normalmente excitatórias
– Simétricas: membrana pós-sináptica = pré-sináptica;
vesículas achatadas; normalmente inibitórias
UNIFESSP
A
A membrana plasmática e os sinaisA membrana plasmática e os sinais
elétricos do sistema nervosoelétricos do sistema nervoso
UNIFESSP
A
A membrana plasmática e os sinaisA membrana plasmática e os sinais
elétricos do sistema nervosoelétricos do sistema nervoso
● Os canais iônicos são proteínas integrais de
membrana que apresentam permeabilidade
seletiva a diferentes espécies iônicas
– Permeabilidade contínua ou em resposta a
estímulos (mecânicos, elétricos, ou químicos) –
comportas
● Canais de cátions (sódio, potássio, cálcio) e
ânions (principalmente cloreto)
UNIFESSP
A
Gradientes eletroquímicosGradientes eletroquímicos
UNIFESSP
A
Potencial de repousoPotencial de repouso
● Em repouso, o potencial elétrico é negativo, refletindo a separação de cargas
positivas e negativas através da membrana
●
O potencial de repouso da membrana do neurônio é mais próximo do potencial de
equilíbrio do K+
, sugerindo que essa espécie iônica é importante para o repouso
– Como o gradiente químico do K+
sobrepuja o gradiente elétrico contrário, em repouso o K+
flui na direção do gradiente
– A saída do K+
produz um gradiente elétrico no sentido contrário
– O gradiente elétrico e o gradiente químico do K+
se equilibram, produzindo um potencial de
equilíbrio do K+
● Diferenças numéricas apontam para o papel de outras espécies iônicas
● Bomba de sódio-potássio restaura os gradientes químicos constantemente
UNIFESSP
A
Potencial pós-sinápticoPotencial pós-sináptico
UNIFESSP
A
Potencial pós-sinápticoPotencial pós-sináptico
Na+
K+
Cl-
+
-
+
-
+
-
+
-
+
-
+
-
+
-
+
-
+
-
+
-
NT inibitório
NT excitatório
PPSE PPSI
UNIFESSP
A
Somação espacial e temporalSomação espacial e temporal
UNIFESSP
A
Circuitos dendríticosCircuitos dendríticos
excitatórios e inibitóriosexcitatórios e inibitórios
Fibra excitatória (E)
Fibra inibitória (I)
Fibra inibitória (I)
Fibra excitatória (E)
UNIFESSP
A
Circuitos dendríticosCircuitos dendríticos
excitatórios e inibitóriosexcitatórios e inibitórios
UNIFESSP
A
A propagação do PA no axônioA propagação do PA no axônio
UNIFESSP
A
Acoplamento excitação-Acoplamento excitação-
secreção no SNCsecreção no SNC
UNIFESSP
A
Acoplamento excitação-Acoplamento excitação-
secreção no SNCsecreção no SNC
UNIFESSP
A
Resumo da integração sinápticaResumo da integração sináptica
1) Síntese do neurotransmissor e
armazenamento em vesículas
2) Propagação do potencial de ação
até o terminal
3) Abertura de canais de cálcio
dependentes de voltagem
4) Exocitose (dependente de [Ca2+
])
5) Ligação do neurotransmissor ao
receptor e efeitos celulares
6) Recaptação e/ou degradação do
neurotransmissor
7) Degradação de segundos
mensageiros

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso AutônomoAula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso AutônomoMauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
Aula - Farmacologia básica - FarmacodinâmicaAula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
Aula - Farmacologia básica - FarmacodinâmicaMauro Cunha Xavier Pinto
 
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAISANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAISpauloalambert
 
Aula - SNC - Tratamento da Doença de Parkinson
Aula - SNC - Tratamento da Doença de ParkinsonAula - SNC - Tratamento da Doença de Parkinson
Aula - SNC - Tratamento da Doença de ParkinsonMauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - Cardiovascular - Tratamento da insuficiência cardíaca
Aula - Cardiovascular - Tratamento da insuficiência cardíacaAula - Cardiovascular - Tratamento da insuficiência cardíaca
Aula - Cardiovascular - Tratamento da insuficiência cardíacaMauro Cunha Xavier Pinto
 
Neurofarmacologia da neurotransmissão GABAérgica e glutamatérgica
Neurofarmacologia da neurotransmissão GABAérgica e glutamatérgicaNeurofarmacologia da neurotransmissão GABAérgica e glutamatérgica
Neurofarmacologia da neurotransmissão GABAérgica e glutamatérgicaCaio Maximino
 
Fisiologia cardiaca 2015
Fisiologia cardiaca 2015Fisiologia cardiaca 2015
Fisiologia cardiaca 2015resenfe2013
 
Anticoagulante e Antiagregante
Anticoagulante e AntiagreganteAnticoagulante e Antiagregante
Anticoagulante e Antiagreganteresenfe2013
 
Aula - Anti-inflamatórios não esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios não esteróidaisAula - Anti-inflamatórios não esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios não esteróidaisMauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivosAula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivosJaqueline Almeida
 

Mais procurados (20)

Aula - Autacoides
Aula - AutacoidesAula - Autacoides
Aula - Autacoides
 
Agonista e antagonista colinérgico
Agonista e antagonista colinérgicoAgonista e antagonista colinérgico
Agonista e antagonista colinérgico
 
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso AutônomoAula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
 
Aula - SNC - Anestésicos
Aula - SNC - AnestésicosAula - SNC - Anestésicos
Aula - SNC - Anestésicos
 
Aula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
Aula - Farmacologia básica - FarmacodinâmicaAula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
Aula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
 
Aula - Cardiovascular - Vasodilatadores
Aula - Cardiovascular - VasodilatadoresAula - Cardiovascular - Vasodilatadores
Aula - Cardiovascular - Vasodilatadores
 
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAISANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
 
Aula - Anti-inflamatórios esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios esteróidaisAula - Anti-inflamatórios esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios esteróidais
 
Aula - SNC - Tratamento da Doença de Parkinson
Aula - SNC - Tratamento da Doença de ParkinsonAula - SNC - Tratamento da Doença de Parkinson
Aula - SNC - Tratamento da Doença de Parkinson
 
Aula - SNC - Ansiolíticos e Hipnóticos
Aula - SNC - Ansiolíticos e HipnóticosAula - SNC - Ansiolíticos e Hipnóticos
Aula - SNC - Ansiolíticos e Hipnóticos
 
Aula - Cardiovascular - Tratamento da insuficiência cardíaca
Aula - Cardiovascular - Tratamento da insuficiência cardíacaAula - Cardiovascular - Tratamento da insuficiência cardíaca
Aula - Cardiovascular - Tratamento da insuficiência cardíaca
 
Farmacologia 2 introdução a farmacocinética
Farmacologia 2 introdução a farmacocinéticaFarmacologia 2 introdução a farmacocinética
Farmacologia 2 introdução a farmacocinética
 
Neurofarmacologia da neurotransmissão GABAérgica e glutamatérgica
Neurofarmacologia da neurotransmissão GABAérgica e glutamatérgicaNeurofarmacologia da neurotransmissão GABAérgica e glutamatérgica
Neurofarmacologia da neurotransmissão GABAérgica e glutamatérgica
 
Fisiologia cardiaca 2015
Fisiologia cardiaca 2015Fisiologia cardiaca 2015
Fisiologia cardiaca 2015
 
Anticoagulante e Antiagregante
Anticoagulante e AntiagreganteAnticoagulante e Antiagregante
Anticoagulante e Antiagregante
 
Farmacologia dos opiaceos
  Farmacologia dos opiaceos   Farmacologia dos opiaceos
Farmacologia dos opiaceos
 
Tireóide
TireóideTireóide
Tireóide
 
Aula - Anti-inflamatórios não esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios não esteróidaisAula - Anti-inflamatórios não esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios não esteróidais
 
Reflexos
ReflexosReflexos
Reflexos
 
Aula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivosAula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivos
 

Destaque

Materialismo eliminativista e naturalismo
Materialismo eliminativista e naturalismoMaterialismo eliminativista e naturalismo
Materialismo eliminativista e naturalismoCaio Maximino
 
Tecido conjuntivo e adiposo
Tecido conjuntivo e adiposoTecido conjuntivo e adiposo
Tecido conjuntivo e adiposoCaio Maximino
 
Anatomia do membro superior
Anatomia do membro superiorAnatomia do membro superior
Anatomia do membro superiorCaio Maximino
 
Transtornos de ansiedade
Transtornos de ansiedadeTranstornos de ansiedade
Transtornos de ansiedadeCaio Maximino
 
Psicofarmacologia e psicoterapia dos transtornos psicóticos
Psicofarmacologia e psicoterapia dos transtornos psicóticosPsicofarmacologia e psicoterapia dos transtornos psicóticos
Psicofarmacologia e psicoterapia dos transtornos psicóticosCaio Maximino
 
Neurociência da esquizofrenia
Neurociência da esquizofreniaNeurociência da esquizofrenia
Neurociência da esquizofreniaCaio Maximino
 
Materialismo reducionista: As teorias da identidade
Materialismo reducionista: As teorias da identidadeMaterialismo reducionista: As teorias da identidade
Materialismo reducionista: As teorias da identidadeCaio Maximino
 
Interação fármaco-receptor
Interação fármaco-receptorInteração fármaco-receptor
Interação fármaco-receptorCaio Maximino
 
Espectro agonista-antagonista
Espectro agonista-antagonistaEspectro agonista-antagonista
Espectro agonista-antagonistaCaio Maximino
 
Memória e aprendizagem
Memória e aprendizagemMemória e aprendizagem
Memória e aprendizagemCaio Maximino
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervosoAna Xavier
 
Histologia do tecido nervoso
Histologia do tecido nervosoHistologia do tecido nervoso
Histologia do tecido nervosoCaio Maximino
 
Anatomia do diencéfalo
Anatomia do diencéfaloAnatomia do diencéfalo
Anatomia do diencéfaloCaio Maximino
 
Farmacocinética e ADME
Farmacocinética e ADMEFarmacocinética e ADME
Farmacocinética e ADMECaio Maximino
 
Farmacologia da neurotransmissao serotoninergica e adrenergica central
Farmacologia da neurotransmissao serotoninergica e adrenergica centralFarmacologia da neurotransmissao serotoninergica e adrenergica central
Farmacologia da neurotransmissao serotoninergica e adrenergica centralNome Sobrenome
 

Destaque (20)

9° aula sistema nervoso
9° aula   sistema nervoso9° aula   sistema nervoso
9° aula sistema nervoso
 
Materialismo eliminativista e naturalismo
Materialismo eliminativista e naturalismoMaterialismo eliminativista e naturalismo
Materialismo eliminativista e naturalismo
 
Tecido conjuntivo e adiposo
Tecido conjuntivo e adiposoTecido conjuntivo e adiposo
Tecido conjuntivo e adiposo
 
Anatomia do membro superior
Anatomia do membro superiorAnatomia do membro superior
Anatomia do membro superior
 
Transtornos de ansiedade
Transtornos de ansiedadeTranstornos de ansiedade
Transtornos de ansiedade
 
Psicofarmacologia e psicoterapia dos transtornos psicóticos
Psicofarmacologia e psicoterapia dos transtornos psicóticosPsicofarmacologia e psicoterapia dos transtornos psicóticos
Psicofarmacologia e psicoterapia dos transtornos psicóticos
 
Neurociência da esquizofrenia
Neurociência da esquizofreniaNeurociência da esquizofrenia
Neurociência da esquizofrenia
 
Materialismo reducionista: As teorias da identidade
Materialismo reducionista: As teorias da identidadeMaterialismo reducionista: As teorias da identidade
Materialismo reducionista: As teorias da identidade
 
Interação fármaco-receptor
Interação fármaco-receptorInteração fármaco-receptor
Interação fármaco-receptor
 
Aula 5 - Medicina 1
Aula 5 - Medicina 1Aula 5 - Medicina 1
Aula 5 - Medicina 1
 
Serotonina
SerotoninaSerotonina
Serotonina
 
Espectro agonista-antagonista
Espectro agonista-antagonistaEspectro agonista-antagonista
Espectro agonista-antagonista
 
Funcionalismo
FuncionalismoFuncionalismo
Funcionalismo
 
Memória e aprendizagem
Memória e aprendizagemMemória e aprendizagem
Memória e aprendizagem
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Aula Sistema Nervoso
Aula Sistema NervosoAula Sistema Nervoso
Aula Sistema Nervoso
 
Histologia do tecido nervoso
Histologia do tecido nervosoHistologia do tecido nervoso
Histologia do tecido nervoso
 
Anatomia do diencéfalo
Anatomia do diencéfaloAnatomia do diencéfalo
Anatomia do diencéfalo
 
Farmacocinética e ADME
Farmacocinética e ADMEFarmacocinética e ADME
Farmacocinética e ADME
 
Farmacologia da neurotransmissao serotoninergica e adrenergica central
Farmacologia da neurotransmissao serotoninergica e adrenergica centralFarmacologia da neurotransmissao serotoninergica e adrenergica central
Farmacologia da neurotransmissao serotoninergica e adrenergica central
 

Semelhante a Revisão de anatomia e fisiologia do sistema nervoso

Sna by lazoinacio slide neuroliga 2011
Sna by lazoinacio slide neuroliga 2011Sna by lazoinacio slide neuroliga 2011
Sna by lazoinacio slide neuroliga 2011neuroliga-nortemineira
 
808 einstein on-linetraduzida_vol.5(4)_miolo_pág.387 a 391
808 einstein on-linetraduzida_vol.5(4)_miolo_pág.387 a 391808 einstein on-linetraduzida_vol.5(4)_miolo_pág.387 a 391
808 einstein on-linetraduzida_vol.5(4)_miolo_pág.387 a 391Emy Karla Rodrigues Silva
 
Linfomas do SNC - Protocolo de Avaliação para Estudo Longitudinal
Linfomas do SNC - Protocolo de Avaliação para Estudo LongitudinalLinfomas do SNC - Protocolo de Avaliação para Estudo Longitudinal
Linfomas do SNC - Protocolo de Avaliação para Estudo LongitudinalUnidade de Neuropsicologia HEM|CHLO
 
Apostila - tópicos em fisiologia comparada (USP)
Apostila - tópicos em fisiologia comparada (USP)Apostila - tópicos em fisiologia comparada (USP)
Apostila - tópicos em fisiologia comparada (USP)Guellity Marcel
 
rmacao Aula de formação reticular
rmacao Aula de formação reticularrmacao Aula de formação reticular
rmacao Aula de formação reticularAndré Mahmoud
 
Psicoterapia, neuroplasticidade e neurorreligação
Psicoterapia, neuroplasticidade e neurorreligaçãoPsicoterapia, neuroplasticidade e neurorreligação
Psicoterapia, neuroplasticidade e neurorreligaçãoArgos Arruda Pinto
 
01+Introdução+à+Neurociência.pptx
01+Introdução+à+Neurociência.pptx01+Introdução+à+Neurociência.pptx
01+Introdução+à+Neurociência.pptxceciliamonteiro12
 
Introdução Neuroanatomia
Introdução NeuroanatomiaIntrodução Neuroanatomia
Introdução NeuroanatomiaOlavo Valente
 
Slides SNA - Profa.Glauce Crivelaro - USP
Slides SNA - Profa.Glauce Crivelaro - USPSlides SNA - Profa.Glauce Crivelaro - USP
Slides SNA - Profa.Glauce Crivelaro - USPgarciabohrerdaniel
 
Neuro@1987neuropsicologia#neuro#mapasneuro
Neuro@1987neuropsicologia#neuro#mapasneuroNeuro@1987neuropsicologia#neuro#mapasneuro
Neuro@1987neuropsicologia#neuro#mapasneuropsikarinaaiosa
 
Fatores Neurotrófico
 Fatores Neurotrófico Fatores Neurotrófico
Fatores Neurotróficoodair jose
 
Paradigma interações neuroendócrinas cerebrais endócrinas baixa estatura
Paradigma interações neuroendócrinas cerebrais endócrinas baixa estaturaParadigma interações neuroendócrinas cerebrais endócrinas baixa estatura
Paradigma interações neuroendócrinas cerebrais endócrinas baixa estaturaVan Der Häägen Brazil
 
questionário sistema nervoso
questionário sistema nervosoquestionário sistema nervoso
questionário sistema nervosoMarcos Valadares
 
Biomedicina Plano De Aula4
Biomedicina Plano De Aula4Biomedicina Plano De Aula4
Biomedicina Plano De Aula4Caio Maximino
 

Semelhante a Revisão de anatomia e fisiologia do sistema nervoso (20)

Opioides e antagonistas
Opioides e antagonistasOpioides e antagonistas
Opioides e antagonistas
 
Opioides e antagonistas
Opioides e antagonistasOpioides e antagonistas
Opioides e antagonistas
 
Neurociencia 3/5
Neurociencia 3/5Neurociencia 3/5
Neurociencia 3/5
 
Sna by lazoinacio slide neuroliga 2011
Sna by lazoinacio slide neuroliga 2011Sna by lazoinacio slide neuroliga 2011
Sna by lazoinacio slide neuroliga 2011
 
808 einstein on-linetraduzida_vol.5(4)_miolo_pág.387 a 391
808 einstein on-linetraduzida_vol.5(4)_miolo_pág.387 a 391808 einstein on-linetraduzida_vol.5(4)_miolo_pág.387 a 391
808 einstein on-linetraduzida_vol.5(4)_miolo_pág.387 a 391
 
Ciclo da visicula
Ciclo da visiculaCiclo da visicula
Ciclo da visicula
 
Linfomas do SNC - Protocolo de Avaliação para Estudo Longitudinal
Linfomas do SNC - Protocolo de Avaliação para Estudo LongitudinalLinfomas do SNC - Protocolo de Avaliação para Estudo Longitudinal
Linfomas do SNC - Protocolo de Avaliação para Estudo Longitudinal
 
Apostila - tópicos em fisiologia comparada (USP)
Apostila - tópicos em fisiologia comparada (USP)Apostila - tópicos em fisiologia comparada (USP)
Apostila - tópicos em fisiologia comparada (USP)
 
T4 formacao reticular
T4 formacao reticularT4 formacao reticular
T4 formacao reticular
 
rmacao Aula de formação reticular
rmacao Aula de formação reticularrmacao Aula de formação reticular
rmacao Aula de formação reticular
 
Psicoterapia, neuroplasticidade e neurorreligação
Psicoterapia, neuroplasticidade e neurorreligaçãoPsicoterapia, neuroplasticidade e neurorreligação
Psicoterapia, neuroplasticidade e neurorreligação
 
01+Introdução+à+Neurociência.pptx
01+Introdução+à+Neurociência.pptx01+Introdução+à+Neurociência.pptx
01+Introdução+à+Neurociência.pptx
 
Introdução Neuroanatomia
Introdução NeuroanatomiaIntrodução Neuroanatomia
Introdução Neuroanatomia
 
Aula - SNC - Antidepressivos
Aula - SNC - AntidepressivosAula - SNC - Antidepressivos
Aula - SNC - Antidepressivos
 
Slides SNA - Profa.Glauce Crivelaro - USP
Slides SNA - Profa.Glauce Crivelaro - USPSlides SNA - Profa.Glauce Crivelaro - USP
Slides SNA - Profa.Glauce Crivelaro - USP
 
Neuro@1987neuropsicologia#neuro#mapasneuro
Neuro@1987neuropsicologia#neuro#mapasneuroNeuro@1987neuropsicologia#neuro#mapasneuro
Neuro@1987neuropsicologia#neuro#mapasneuro
 
Fatores Neurotrófico
 Fatores Neurotrófico Fatores Neurotrófico
Fatores Neurotrófico
 
Paradigma interações neuroendócrinas cerebrais endócrinas baixa estatura
Paradigma interações neuroendócrinas cerebrais endócrinas baixa estaturaParadigma interações neuroendócrinas cerebrais endócrinas baixa estatura
Paradigma interações neuroendócrinas cerebrais endócrinas baixa estatura
 
questionário sistema nervoso
questionário sistema nervosoquestionário sistema nervoso
questionário sistema nervoso
 
Biomedicina Plano De Aula4
Biomedicina Plano De Aula4Biomedicina Plano De Aula4
Biomedicina Plano De Aula4
 

Mais de Caio Maximino

Papel de receptores 5-HT2CL en la socialidad del pez cebra
Papel de receptores 5-HT2CL en la socialidad del pez cebraPapel de receptores 5-HT2CL en la socialidad del pez cebra
Papel de receptores 5-HT2CL en la socialidad del pez cebraCaio Maximino
 
Efectos de fluoxetina sobre la agresión del pez cebra dependiente del fenotipo
Efectos de fluoxetina sobre la agresión del pez cebra dependiente del fenotipoEfectos de fluoxetina sobre la agresión del pez cebra dependiente del fenotipo
Efectos de fluoxetina sobre la agresión del pez cebra dependiente del fenotipoCaio Maximino
 
Impacto del pez cebra en biología y neurociencias
Impacto del pez cebra en biología y neurocienciasImpacto del pez cebra en biología y neurociencias
Impacto del pez cebra en biología y neurocienciasCaio Maximino
 
El pez cebra en el estudio de psicofarmacos
El pez cebra en el estudio de psicofarmacosEl pez cebra en el estudio de psicofarmacos
El pez cebra en el estudio de psicofarmacosCaio Maximino
 
Minicurso "Primeiros socorros: Em caso de ataque de pânico"
Minicurso "Primeiros socorros: Em caso de ataque de pânico"Minicurso "Primeiros socorros: Em caso de ataque de pânico"
Minicurso "Primeiros socorros: Em caso de ataque de pânico"Caio Maximino
 
A cerebralização do sofrimento psíquico
A cerebralização do sofrimento psíquicoA cerebralização do sofrimento psíquico
A cerebralização do sofrimento psíquicoCaio Maximino
 
Human physiological response in perspective: Focus on the capitalocene
Human physiological response in perspective: Focus on the capitaloceneHuman physiological response in perspective: Focus on the capitalocene
Human physiological response in perspective: Focus on the capitaloceneCaio Maximino
 
Vertebrate stress mechanisms under change
Vertebrate stress mechanisms under changeVertebrate stress mechanisms under change
Vertebrate stress mechanisms under changeCaio Maximino
 
The nervous system: an evolutionary approach
The nervous system: an evolutionary approachThe nervous system: an evolutionary approach
The nervous system: an evolutionary approachCaio Maximino
 
O monstruoso do capital: Ansiedades culturais e subjetividade
O monstruoso do capital: Ansiedades culturais e subjetividadeO monstruoso do capital: Ansiedades culturais e subjetividade
O monstruoso do capital: Ansiedades culturais e subjetividadeCaio Maximino
 
Por um cérebro histórico-cultural: Uma introdução à neurociência crítica
Por um cérebro histórico-cultural: Uma introdução à neurociência críticaPor um cérebro histórico-cultural: Uma introdução à neurociência crítica
Por um cérebro histórico-cultural: Uma introdução à neurociência críticaCaio Maximino
 
Genética dos transtornos mentais: Cultura, genética e epigenética em uma pers...
Genética dos transtornos mentais: Cultura, genética e epigenética em uma pers...Genética dos transtornos mentais: Cultura, genética e epigenética em uma pers...
Genética dos transtornos mentais: Cultura, genética e epigenética em uma pers...Caio Maximino
 
Métodos quantitativos na pesquisa em educação e ensino
Métodos quantitativos na pesquisa em educação e ensinoMétodos quantitativos na pesquisa em educação e ensino
Métodos quantitativos na pesquisa em educação e ensinoCaio Maximino
 
Aula 2: Um pouco de filosofia da ciência
Aula 2: Um pouco de filosofia da ciênciaAula 2: Um pouco de filosofia da ciência
Aula 2: Um pouco de filosofia da ciênciaCaio Maximino
 
Inferência estatística nas ciências experimentais
Inferência estatística nas ciências experimentaisInferência estatística nas ciências experimentais
Inferência estatística nas ciências experimentaisCaio Maximino
 
Aprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remoto
Aprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remotoAprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remoto
Aprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remotoCaio Maximino
 
A importância das práticas corporais para a saúde mental
A importância das práticas corporais para a saúde mentalA importância das práticas corporais para a saúde mental
A importância das práticas corporais para a saúde mentalCaio Maximino
 
Transtornos do neurodesenvolvimento
Transtornos do neurodesenvolvimentoTranstornos do neurodesenvolvimento
Transtornos do neurodesenvolvimentoCaio Maximino
 
Evidências científicas de eficácia em farmacoterapia
Evidências científicas de eficácia em farmacoterapiaEvidências científicas de eficácia em farmacoterapia
Evidências científicas de eficácia em farmacoterapiaCaio Maximino
 
Transtornos alimentares
Transtornos alimentaresTranstornos alimentares
Transtornos alimentaresCaio Maximino
 

Mais de Caio Maximino (20)

Papel de receptores 5-HT2CL en la socialidad del pez cebra
Papel de receptores 5-HT2CL en la socialidad del pez cebraPapel de receptores 5-HT2CL en la socialidad del pez cebra
Papel de receptores 5-HT2CL en la socialidad del pez cebra
 
Efectos de fluoxetina sobre la agresión del pez cebra dependiente del fenotipo
Efectos de fluoxetina sobre la agresión del pez cebra dependiente del fenotipoEfectos de fluoxetina sobre la agresión del pez cebra dependiente del fenotipo
Efectos de fluoxetina sobre la agresión del pez cebra dependiente del fenotipo
 
Impacto del pez cebra en biología y neurociencias
Impacto del pez cebra en biología y neurocienciasImpacto del pez cebra en biología y neurociencias
Impacto del pez cebra en biología y neurociencias
 
El pez cebra en el estudio de psicofarmacos
El pez cebra en el estudio de psicofarmacosEl pez cebra en el estudio de psicofarmacos
El pez cebra en el estudio de psicofarmacos
 
Minicurso "Primeiros socorros: Em caso de ataque de pânico"
Minicurso "Primeiros socorros: Em caso de ataque de pânico"Minicurso "Primeiros socorros: Em caso de ataque de pânico"
Minicurso "Primeiros socorros: Em caso de ataque de pânico"
 
A cerebralização do sofrimento psíquico
A cerebralização do sofrimento psíquicoA cerebralização do sofrimento psíquico
A cerebralização do sofrimento psíquico
 
Human physiological response in perspective: Focus on the capitalocene
Human physiological response in perspective: Focus on the capitaloceneHuman physiological response in perspective: Focus on the capitalocene
Human physiological response in perspective: Focus on the capitalocene
 
Vertebrate stress mechanisms under change
Vertebrate stress mechanisms under changeVertebrate stress mechanisms under change
Vertebrate stress mechanisms under change
 
The nervous system: an evolutionary approach
The nervous system: an evolutionary approachThe nervous system: an evolutionary approach
The nervous system: an evolutionary approach
 
O monstruoso do capital: Ansiedades culturais e subjetividade
O monstruoso do capital: Ansiedades culturais e subjetividadeO monstruoso do capital: Ansiedades culturais e subjetividade
O monstruoso do capital: Ansiedades culturais e subjetividade
 
Por um cérebro histórico-cultural: Uma introdução à neurociência crítica
Por um cérebro histórico-cultural: Uma introdução à neurociência críticaPor um cérebro histórico-cultural: Uma introdução à neurociência crítica
Por um cérebro histórico-cultural: Uma introdução à neurociência crítica
 
Genética dos transtornos mentais: Cultura, genética e epigenética em uma pers...
Genética dos transtornos mentais: Cultura, genética e epigenética em uma pers...Genética dos transtornos mentais: Cultura, genética e epigenética em uma pers...
Genética dos transtornos mentais: Cultura, genética e epigenética em uma pers...
 
Métodos quantitativos na pesquisa em educação e ensino
Métodos quantitativos na pesquisa em educação e ensinoMétodos quantitativos na pesquisa em educação e ensino
Métodos quantitativos na pesquisa em educação e ensino
 
Aula 2: Um pouco de filosofia da ciência
Aula 2: Um pouco de filosofia da ciênciaAula 2: Um pouco de filosofia da ciência
Aula 2: Um pouco de filosofia da ciência
 
Inferência estatística nas ciências experimentais
Inferência estatística nas ciências experimentaisInferência estatística nas ciências experimentais
Inferência estatística nas ciências experimentais
 
Aprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remoto
Aprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remotoAprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remoto
Aprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remoto
 
A importância das práticas corporais para a saúde mental
A importância das práticas corporais para a saúde mentalA importância das práticas corporais para a saúde mental
A importância das práticas corporais para a saúde mental
 
Transtornos do neurodesenvolvimento
Transtornos do neurodesenvolvimentoTranstornos do neurodesenvolvimento
Transtornos do neurodesenvolvimento
 
Evidências científicas de eficácia em farmacoterapia
Evidências científicas de eficácia em farmacoterapiaEvidências científicas de eficácia em farmacoterapia
Evidências científicas de eficácia em farmacoterapia
 
Transtornos alimentares
Transtornos alimentaresTranstornos alimentares
Transtornos alimentares
 

Último

Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...Eró Cunha
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxKeslleyAFerreira
 
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...GisellySobral
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja Mary Alvarenga
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxprofbrunogeo95
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfManuais Formação
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAbdLuxemBourg
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024azulassessoria9
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na Áfricajuekfuek
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfManuais Formação
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSPedroMatos469278
 

Último (20)

Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 

Revisão de anatomia e fisiologia do sistema nervoso

  • 2. UNIFESSP A ObjetivosObjetivos 1. Revisar alguns princípios básicos da organização do sistema nervoso central relevantes para o estudo da psicofarmacologia 2.Analisar alguns sistemas de neurotransmissores importantes para a psicofarmacologia 3.Revisar princípios básicos de neurotransmissão e sua base morfológica
  • 3. UNIFESSP A Neuroanatomia básicaNeuroanatomia básica ● A neuroanatomia funcional é o estudo de sistemas e grupos de neurônios interdependentes e em interação, e das regiões encefálicas associadas a determinadas funções ● Os três sistemas neurais de maior interesse para a psicofarmacologia e para a psicopatologia são os sistemas tálamo-corticais, os gânglios da base, e o sistema límbico. – Na década de 1970, o foco da pesquisa estava no tálamo; no entanto, suas interações com o córtex são mais importantes para as funções sensoriais, motoras, e associativas do encéfalo – O tálamo e suas interações com o córtex cerebelar também são importantes para a cognição – Os gânglios da base são importantes no controle motor, mas também tem papel importante na cognição – O sistema límbico vêm sendo há tempos implicado na experiência e expressão das emoções ● Complementação com aula prática
  • 4. UNIFESSP A NeurotransmissoresNeurotransmissores ● Existem seis grandes classes de substâncias neurotransmissoras e neuromoduladoras – Aminoácidos – Monoaminas – Peptídeos – Neurotrofinas – Gasotransmissores – Purinas ● Os neurônios podem liberar mais de um neurotransmissor (inclusive ao mesmo tempo), e apresentam receptores para diferentes tipos de transmissores
  • 5. UNIFESSP A MonoaminasMonoaminas ● Seis monoaminas clássicas – Três catecolaminas – Adrenalina (Epi), noradrenalina (NE), dopamina (DA) – Serotonina (5-HT) – Acetilcolina (ACh) – Histamina (HA) ● Pequeno número de neurônios produzem cada uma dessas monoaminas, mas o impacto na atividade cerebral é grande, porque apresentam projeções difusas
  • 6. UNIFESSP A Serotonina: Síntese eSerotonina: Síntese e localizaçãolocalização
  • 7. UNIFESSP A Receptores de serotoninaReceptores de serotonina Receptor Via de sinalização Ligantes 5-HT1A Gi Buspirona (Agonista parcial) 5-HT1B Gi Triptanos (Agonistas) 5-HT1D Gi Triptanos (Agonistas) 5-HT1E Gi 5-HT1F Gi 5-HT2A Gq Psicodélicos (Agonistas parciais), antipsicóticos atípicos (Antagonistas), Cetanserina (Antagonista) 5-HT2B Gq Cetanserina (Antagonista) 5-HT2C Gq Cetanserina (Antagonista), Lorcarserin (Agonista) 5-HT3 Ionotrópico (canais de sódio, canais de potássio) Anti-eméticos (Antagonistas) 5-HT4 Gs Tegaserod (Pró-cinético) 5-HT5A Gi 5-HT5B Gi 5-HT6 Gs 5-HT7 Gs
  • 9. UNIFESSP A Dopamina: Síntese eDopamina: Síntese e localizaçãolocalização
  • 10. UNIFESSP A Receptores de dopaminaReceptores de dopamina Receptor Via de sinalização Ligantes D1 Gs D2 Gi Antipsicóticos de primeira geração, antipsicóticos atípicos (antagonistas) D3 Gi Antipsicóticos de primeira geração (antagonistas) D4 Gi Antipsicóticos de primeira geração (antagonistas) D5 Gs
  • 11. UNIFESSP A Noradrenalina e adrenalina:Noradrenalina e adrenalina: Síntese e localizaçãoSíntese e localização
  • 12. UNIFESSP A Receptor Ordem de potência dos ligantes Mecanismo Ligantes α1 : A, B, D Noradrenalina > adrenalina >> isoprotenerol Gq Doxazosina, Silodosina, Prazosina, Tansulosina, Alfuzosina, Terazosina (Antagonistas) α2 : A, B, C Adrenalina > noradrenalina >> isoprotenerol Gi Clonidina (Agonista), Ioimbina (Antagonista) β1 Isoprotenerol > adrenalina = noradrenalina Gs Dobutamina (Agonista), Propanolol, Metoprolol, Atenolol (Antagonistas) β2 Isoprotenerol > adrenalina >> noradrenalina Gs Salbutamol (Agonista), Propanolol (Antagonista) β3 Isoprotenerol = noradrenalina > adrenalina Gs Mirabegron (Agonista)
  • 13. UNIFESSP A Acetilcolina: Síntese eAcetilcolina: Síntese e localizaçãolocalização
  • 14. UNIFESSP A Receptores colinérgicosReceptores colinérgicos Receptor Via de sinalização Ligantes Nicotínico Ionotrópico (canais de sódio, canais de potássio) Carbacol, nicotina (Agonistas), Curare (Antagonistas) M1 Gq Muscarina (Agonista), Atropina, Escopolamina (Antagonista) M2 Gi Muscarina (Agonista), Atropina (Antagonista) M3 Gq Muscarina, Pilocarpina (Agonista), Atropina (Antagonista) M4 Gi Atropina (Antagonista) M5 Gq Atropina (Antagonista)
  • 15. UNIFESSP A Aminoácidos excitatórios:Aminoácidos excitatórios: GlutamatoGlutamato ● Neurotransmissor excitatório; maior número de circuitos locais ● Envolvido em condições neuropatológicas crônicas, como ELA ● A estimulação prolongada dos neurônios por Glu leva a morte ou injúria neuronal (excitotoxicidade). – Ações excitotóxicas implicadas na doença de Alzheimer – Memantina (antagonista NMDA-R) atrasa os sintomas
  • 16. UNIFESSP A Aminoácidos inibitórios:Aminoácidos inibitórios: GABAGABA ● Principal neurotransmissor inibitório em microcircuitos e em circuitos reginais ● Alterações em neurotransmissão GABAérgica implicada na patologia da doença de Huntington, doença de Parkinson, demência senil, doença de Alzheimer, e esquizofrenia ● A GAD requer vitamina B6 como co-enzima; a deficiência dietária dessa vitamina pode levar à diminuição na síntese do GABA ● Como as convulsões podem ser facilitadas pela ausência de inibição, aumentos no GABA ou na atv de seus receptores podem ser estratégias úteis para ação anti-convulsivante – Valproato inibe GABA transaminase, aumentando níveis de GABA
  • 17. UNIFESSP A Peptídeos neuroativosPeptídeos neuroativos ● 100+ descritos até o momento ● Opióides: endorfinas, encefalinas, dinorfina ● CRF: responsividade de ACTH diminuída em TDM e TEPT; CRF elevado no fluido cerebroespinal em TDM; retorno aos níveis normais após tratamento
  • 18. UNIFESSP A NeurotrofinasNeurotrofinas ● O primeiro fator de crescimento descrito foi o NGF (“nerve growth factor”, fator de crescimento do nervo) ● Polipeptídeos que apresentam função regulatória de longo prazo → pico de concentração nas fases iniciais do desenvolvimento ● BDNF, NT-3, NT-4/5 – alta expressão no córtex e hipocampo ● Receptores tirosina cinase ● Estresse diminui BDNF e aumenta NT-3; tratamento com antidepressivos produz efeito contrário ● Aumento da eficácia da neurotransmissão
  • 19. UNIFESSP A GasotransmissoresGasotransmissores ● H2 S, NO CO – Não são armazenados em vesículas; gerados por demanda – Não são liberados por mecanismos dependentes de cálcio – Inativação passiva – Ação limitada pela difusão, permitindo ação em vários alvos ao mesmo tempo – Podem agir como transmissores retrógrados ● NO é o prototípico – Síntese por NOS
  • 20. UNIFESSP A Síntese e ações do NOSíntese e ações do NO
  • 22. UNIFESSP A Adenosina e ATPAdenosina e ATP ● A adenosina é uma purina, e o ATP é derivado da adenosina ● Receptores P1 (alta afinidade por adenosina) e P2 (alta afinidade por ATP) ● Adenosina diminui a liberação de alguns neurotransmissores; o ATP é normalmente co- liberado com catecolaminas
  • 23. UNIFESSP A Receptores purinérgicosReceptores purinérgicosReceptor Via de sinalização Ligantes A1 Gi Teofilina, cafeína (Antagonistas) A2A Gs Teofilina, cafeína (Antagonistas) A2B Gs Teofilina, cafeína (Antagonistas) A3 Gi Teofilina, cafeína (Antagonistas) P2X Ionotrópico P2RY1 Gq P2RY2 Gq P2RY4 Gi e Gq P2RY6 Gq P2YR11 Gs e Gq P2YR12 Gi Clopidogrel P2YR13 Gi P2YR14 Gi
  • 25. UNIFESSP A Neurônios e gliócitosNeurônios e gliócitos ● Multiplicidade de propriedades morfológicas e fisiológicas – Presença vs. ausência de axônio e dendritos – Excitabilidade – Propriedades passivas de membrana – Funções ● A propriedade comum a todos os neurônios é “a capacidade de gerar sinais elétricos que funcionam como unidades de informação”. ● Os gliócitos apresentam função de “infraestrutura”, dando sustentação aos neurônios, conduzindo nutrientes, controlando as concentrações de íons no meio extracelular, armazenando glicogênio, participando dos mecanismos de cicatrização e defesa do SNC, e processando informação
  • 26. UNIFESSP A Diversidade morfológicaDiversidade morfológica dos neurôniosdos neurônios LENT, R. Cem bilhões de neurônios? Conceitos fundamentais de neurociência. 2.ed. Rio de Janeiro: Atheneu, 2002
  • 27. UNIFESSP A Diversidade morfológicaDiversidade morfológica dos neurôniosdos neurônios PAREKH, R.; ASCOLI, G. A. Neuronal morphology goes digital: A research hub for cellular and system neuroscience. Neuron, v. 77, pp. 1017-1038, 2013. doi: 10.1016/j.neuron.2013.03.008
  • 28. UNIFESSP A Um exemplo de gliócito comUm exemplo de gliócito com função sináptica: O astrócitofunção sináptica: O astrócito NAVARRETE, M.; ARAQUE, A. The Cajal school and the physiological role of astrocytes: A way of thinking. Frontiers in Neuroanatomy, v. 8, art. 33, 2014. doi: 10.3389/fnana.2014.00033
  • 29. UNIFESSP A O neurônio é a principalO neurônio é a principal unidade sinalizadora do SNunidade sinalizadora do SN ● A estrutura geral do neurônio serve à sua função: – Os dendritos são a principal região de integração – O soma propaga o sinal e contém as organelas para as respostas de longo prazo – O axônio conduz o P. A. e, nos terminais, libera neurotransmissor
  • 31. UNIFESSP A O neurônio é a principalO neurônio é a principal unidade sinalizadora do SNunidade sinalizadora do SN
  • 32. UNIFESSP A Tipos morfológicos eTipos morfológicos e funcionais de sinapsefuncionais de sinapse ● Quanto à função: – Excitatórias (PPSE) – Inibitórias (PPSI) ● Quanto à localização subcelular: – Axodendrítica – Axossomática – Axoaxônica – Dendrodendrítica – Somatossomática ● Quanto à morfologia: – Assimétricas: membrana pós-sináptica + espessa que a pré-sináptica; vesículas esféricas; normalmente excitatórias – Simétricas: membrana pós-sináptica = pré-sináptica; vesículas achatadas; normalmente inibitórias
  • 33. UNIFESSP A A membrana plasmática e os sinaisA membrana plasmática e os sinais elétricos do sistema nervosoelétricos do sistema nervoso
  • 34. UNIFESSP A A membrana plasmática e os sinaisA membrana plasmática e os sinais elétricos do sistema nervosoelétricos do sistema nervoso ● Os canais iônicos são proteínas integrais de membrana que apresentam permeabilidade seletiva a diferentes espécies iônicas – Permeabilidade contínua ou em resposta a estímulos (mecânicos, elétricos, ou químicos) – comportas ● Canais de cátions (sódio, potássio, cálcio) e ânions (principalmente cloreto)
  • 36. UNIFESSP A Potencial de repousoPotencial de repouso ● Em repouso, o potencial elétrico é negativo, refletindo a separação de cargas positivas e negativas através da membrana ● O potencial de repouso da membrana do neurônio é mais próximo do potencial de equilíbrio do K+ , sugerindo que essa espécie iônica é importante para o repouso – Como o gradiente químico do K+ sobrepuja o gradiente elétrico contrário, em repouso o K+ flui na direção do gradiente – A saída do K+ produz um gradiente elétrico no sentido contrário – O gradiente elétrico e o gradiente químico do K+ se equilibram, produzindo um potencial de equilíbrio do K+ ● Diferenças numéricas apontam para o papel de outras espécies iônicas ● Bomba de sódio-potássio restaura os gradientes químicos constantemente
  • 39. UNIFESSP A Somação espacial e temporalSomação espacial e temporal
  • 40. UNIFESSP A Circuitos dendríticosCircuitos dendríticos excitatórios e inibitóriosexcitatórios e inibitórios Fibra excitatória (E) Fibra inibitória (I) Fibra inibitória (I) Fibra excitatória (E)
  • 41. UNIFESSP A Circuitos dendríticosCircuitos dendríticos excitatórios e inibitóriosexcitatórios e inibitórios
  • 42. UNIFESSP A A propagação do PA no axônioA propagação do PA no axônio
  • 45. UNIFESSP A Resumo da integração sinápticaResumo da integração sináptica 1) Síntese do neurotransmissor e armazenamento em vesículas 2) Propagação do potencial de ação até o terminal 3) Abertura de canais de cálcio dependentes de voltagem 4) Exocitose (dependente de [Ca2+ ]) 5) Ligação do neurotransmissor ao receptor e efeitos celulares 6) Recaptação e/ou degradação do neurotransmissor 7) Degradação de segundos mensageiros