SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIFESSP
A
Tópicos Especiais em Psicologia IV:
Introdução à Filosofia da Mente
Aula 4:
Materialismo reducionista:
As teorias da identidade
UNIFESSP
A
Uma definição das
teorias da identidade
●
“por serem empíricos, sintéticos, contingentes, os estados mentais
eram idênticos aos estados do cérebro e do sistema nervoso
central” (Searle, p. 55)
●
A experiência da dor, as imagens mentais, ou as memórias são
processos cerebrais, não estão meramente correlacionados com
eles
● Estritamente falando, não é necessário postular que a mente é
idêntica ao cérebro – simplesmente que identificar cérebro e mente
é uma questão de identificar processos e estados da mente e do
cérebro
SEARLE, J. A redescoberta da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1997
UNIFESSP
A
Antecedentes
●
Leucipo, Hobbes, La Mettrie, d’Holbach
●
Pierre Cabanis: “O cérebro secreta pensamentos da mesma forma como o fígado secreta
bile” (séc. XVIII)
● E. Boring (1933): The Physical Dimensions of Consciousness; “Para este autor, uma
correlação perfeita é uma identidade. Dois eventos que sempre ocorrem juntos ao mesmo
tempo e no mesmo lugar, sem quaisquer diferenciações temporais ou espaciais, não são dois
eventos mas um só. As correlações mente-corpo formuladas até o presente não admitem
consideração sobre a correlação espacial, então se reduzem a questões de correlação
simples no tempo. A necessidade de identificação não é menos urgente nesse caso”
● Reichenbach (1938): eventos mentais podem ser identificados podem ser identificados pelos
estímulos e respostas assim como o estado interno de uma célula fotoelétrica pode ser
identificada pelos estímulos e respostas que a controlam
UNIFESSP
A
Antecedentes: Argumento da
linguagem privada
● Qualquer linguagem que deve servir como meio para comunicação inter-pessoal deve
pressupor a existência de um mundo material espacialmente extenso ao qual os
conceitos básicos se ancoram
● Reconhecimento de que a linguagem ordinária que utilizamos para descrever nossas
experiências privadas e sensações é uma extensão metafórica de uma linguagem cuja
função básica é descrever objetos materiais e suas propriedades
● Colapso do fenomenalismo e do idealismo berkeleyano como posições filosóficas
defensáveis
● Assunção de um realismo ingênuo, no qual aquilo que percebemos diretamente
corresponde objetos materiais espacialmente extensos em um mundo tridimensional
FREGE, G. Lógica e filosofia da linguagem. São Paulo:Cultrix 1978
UNIFESSP
A
Antecedentes: Behaviorismo
filosófico ryleano
●
Se o que fazemos quando usamos conceitos mentais é falar de
forma logicamente complexa sobre o comportamento observável
em humanos, segue-se
A)que não há uma classe de estados e eventos mentais separada
dos eventos e disposições comportamentais; e
B)que a relação entre mente e cérebro é simplesmente a relação
relativamente não-problemática entre atividade cerebral e
comportamento observável
UNIFESSP
A
Marcos históricos e
conceituais
● U. T. Place (1956): Is
consciousness a brain
process?’
● Feigl (1958): The ‘mental’
and the ‘physical’
● J. J. C. Smart (1959):
Sensations and brain
processes
UNIFESSP
A
Exemplos
(1)“Sensação de dor = certos efeitos corticais resultantes de
estimulações pré-corticais (no tálamo e na formação
reticular), as quais são geralmente produzidas pela
estimulação de células nociceptoras periféricas.
(2)Ansiedade = certos efeitos corticais resultantes da
reverberação de descargas em circuitos neuronais no
sistema límbico
(3)Impressão visual consciente = certos efeitos no nexo
prefrontal, resultantes da estimulação da área V1 do córtex
occipital...” (Costa, 2005)
COSTA, C. Filosofia da mente. Rio de Janeiro:Jorge Zahar Editora, 2005
UNIFESSP
A
Redução inter-teórica
●
Grosso modo, uma forma de sucessão teórica no qual a teoria sucessora (“redutora”) é substancialmente
similar a, ou contínua com, sua predecessora (teoria “reduzida”) no nível das leis, estrutura, ou ontologia
– Reduções ocorrem comumente quando a teoria reduzida é parcial ou aproximadamente correta, ou quando é
verdadeira somente em um domínio relativamente limitado
– O estudo aprofundado da redução inter-teórica iniciou-se com The structure of science, de Ernest Nagel (1951)
●
“Concluímos, então, que apreendemos exatamente a mesma realidade que era incompletamente descrita
no antigo arcabouço conceitual, mas por meio de um novo e mais penetrante arcabouço. E afirmamos o
que os filósofos da ciência chamam de ‘identidades interteóricas’: a luz é idêntica a ondas magnéticas, a
temperatura é energia cinética molecular média, e assim por diante” (Churchland, p 54)
● “a redução interteórica ocorre não apenas entre os arcabouços conceituais situados na estratosfera
teórica: os observáveis do senso comum também podem ser reduzidos” (Churchland, p. 55)
UNIFESSP
A
Exemplo 1: De Kepler a
Newton
● Baseando-se em suas observações e nas de Tycho Brahe, Kepler criou três leis
que governam os movimentos planetários:
1) Todos os planetas movem-se em elipses com o sol em um foco;
2) Um dado planeta sempre cobre áreas iguais em tempos iguais;
3) O quadrado do período do planeta é proporcional ao cubo de seu raio orbital médio
● Newton criou um conjunto de leis governando todos os objetos em movimentos
1)O movimento inercial é constante e retilíneo
2) Aceleração = força/massa
3) Para toda mudança no momento algo sofre uma mudança igual e oposta em momento
4) Lei da gravitação: F = -Gm1
m2
/r²
● Podemos derivar as leis de Kepler das leis de Newton
UNIFESSP
A
Exemplo 2: Da temperatura ao
movimento molecular médio
● A Lei dos Gases de Boyle-Charles faz referência à temperatura:
– PV = µR·T
● Mas o que é temperatura?
– A teoria cinética dos gases substituiu o lado direito da equação por PV
= (2n/3mv²)/2, no qual a temperatura é entendida como a velocidade
média das partículas
● O movimento médio das partículas de um gás não é algo que
observamos; é uma entidade teórica nova
UNIFESSP
A
UNIFESSP
A
Versões iniciais da teoria
da identidade
● Place e Smart inicialmente aceitam as explicações do behaviorismo filosófico
para conceitos cognitivos e conativos, mas consideram-no insuficiente para
explicar alguns coneitos (p. ex., sensações)
● Place afirmou que sensações e outras funções psicológicas similares são
processos do cérebro – independente do fato de que afirmações sobre funções
psicológicas não podem ser analizadas logicamente através de afirmações
sobre processos cerebrais
– “Materialismo de estado central”: Noção versão limitada da teoria da identidade que
identifica as sensações a estados do SNC
● Fazendo analogia com reduções interteóricas, Place citou a potência
explanatória potencial dessas analogias como uma boa razão para hipotetizar
identidade das relações mente-cérebro
UNIFESSP
A
Sensations and the brain
processes (Smart, 1959)
● “não há um experimento concebível que possa decidir
entre o materialismo e o epifenomenalismo”
● A afirmação “sensações são processos cerebrais” não é
uma hipótese científica, mas deve ser assumida como
verdadeira com base na navalha de Occam:
– Mesmo se a teoria da identidade e o dualismo forem igualmente
consistentes com os fatos empíricos, a primeira tem vantagem
por sua simplicidade e utilidade explanatória
UNIFESSP
A
Representation of stationary polar coordinate stimuli (rays and rings, respectively) in human V1.
Roger B. H. Tootell et al. PNAS 1998;95:811-817
©1998 by National Academy of Sciences
UNIFESSP
A
O problema da introspecção
● Não é possível explicar o resultado da introspecção em termos de processos
cerebrais, porque esses processos fazem referência a entidades não-neurais
– p. ex., uma pós-imagem verde não pode ser explicada em termos cerebrais porque
não há nada “verde” no cérebro
● Place chamou atenção à “falácia fenomenológica” - afirmação errada de que
as observações introspectivas reportam “o estado real das coisas em algum
ambiente interno misterioso”
●
A teoria da identidade só precisa demonstrar que o processo cerebral
causando a descrição da experiência em uma forma particular é o tipo de
processo que normalmente acontece quando há algo no ambiente
correspondendo à sua descrição
UNIFESSP
A
A noção de “identidade”
● Place: A relação de identidade é uma relação assimétrica de composição
– Eventos mentais de nível superior são compostos de eventos físicos de nível
inferior, e serão eventualmente reduzidos analiticamente a esses
● Para Feigl e Smart, a identidade é interpretada como entre referentes de
duas descrições que referem-se à mesma coisa
– P. ex., “estrela d’alva” e “Vésper” referem-se ao planeta Vênus
– A resposta à objeção é fregeana; “sensações” e “processos cerebrais” significam
coisas diferentes, mas referem-se ao mesmo fenômeno físico
UNIFESSP
A
Identidade versus igualdade
● Dois conceitos contrastantes de identidade
● Leibniz: uma afirmação de identidade é uma afirmação na forma
tautológica x = x, ou uma afirmação que se reduz a essa forma por uma
substituição matemática
● Frege: a identidade é uma relação entre dois nomes ou descrições
diferentes que referem-se ao mesmo referente
– Se tenho quatro moedas no meu bolso direito, e quatro moedas no meu bolso
esquerdo, a relação x = x é satisfeita, mas não se trata de uma identidade
● Feigl e Smart subscrevem ao conceito fregeano
UNIFESSP
A
Identidade versus composição
● Para Place, a consciência não é a mesma coisa que o processo cerebral
ao qual se correlaciona, mas é composta inteiramente do processo
cerebral
– As experiências subjetivas são entendidas em termos de uma “micro-redução”
substancial às partes constituintes dos processos cerebrais
● Place (1967): formular identidade como composição ou pelo conceito
fregeano são duas formas de afirmar a mesma coisa
– Ambas são igualmente efetivas para eliminar eventos e processos mentais como
uma classe separada de eventos e processos
– Ambas implicam que a relação é contingente
PLACE,U. Comments on Putnam’s “Psychological predicates”, in W. H. Capitan e D. D. Merrill
(eds.), Art, Mind, and Religion. Pittsburgh: Pittsburgh University Press, 1967
UNIFESSP
A
Identidade versus composição
● O contra-argumento é que a relação de composição é assimétrica, enquanto a
relação de identidade é simétrica
– Identidade: Se A é a mesma coisa que B, segue-se necessariamente que B é a mesma
coisa que A
– Composição: Se A é composto inteiramente por B’s, não podemos afirmar que B é
composto inteiramente por A’s
● Redução inter-teórica ≠ redução substancial
– Na redução substancial, a entidade é decomposta em seus componentes; na redução
inter-teórica, o conceito do qual a entidade faz parte é decomposto em seus elementos
conceituais componentes
– A redução substancial explica características da mente que não estão presentes na
descrição psicológica
– A descrição psicol ica não pode explicar a micro-descrição (ou seja, mente não explicaǵ
neurônio, mas neurônio explica mente)
UNIFESSP
A
Pontos comuns entre Place,
Smart e Feigl
1) As experiências privadas ou sensações do indivíduo são
redutíveis sem resíduo a eventos ou processos do cérebro (=
tese da identidade)
2) A tese da identidade é uma proposição contingente (i.e., não é
uma verdade logicamente necessária)
-As descrições da experiência privada não tem o mesmo sentido ou significado que
as descrições dos processos cerebrais hipotéticos a que de fato se identificam
3) A verdade da tese da identidade é pelo menos em parte uma
questão de determinação empírica
4) A tese da identidade aplica-se somente a certos aspectos da
vida mental: consciência (Place), as sensações cruas da
experiência (Feigl), sensações (Smart)
UNIFESSP
A
Identidade de ocorrência (token)
versus identidade de tipo (type)
● Nagel: distinção entre identidades “gerais” e “particulares”
● Charles Taylor (1967): “a falha em encontrar correlações [gerais]… ainda
nos permitiria procurar identidades particulares, não entre, digamos, uma
pós-imagem amarela e um certo tipo de processo cerebral no geral, mas
entre uma ocorrência particular dessa pós-imagem amarela e uma
ocorrência particular de um processo cerebral”
● Ao perguntar se coisas mentais são a mesma coisa que coisas físicas, ou
se são diferentes, devemos clarificar se a questão aplica-se a particulares
concretos (casos individuais e particulares) ou ao tipo de estado ou evento
a que se referem esses casos particulares
– O segundo caso afirma que os próprios tipos mentais são tipos físicos
UNIFESSP
A
Identidade de ocorrência
● Todo particular concreto pertencente a um tipo mental pode ser identificado com um
evento físico (talvez neurofisiológico)
– Para cada exemplo ocorrência de um estado mental há algum evento neurofisiológico
ocorrência a qual é idêntico
● Ocorrências de dor são instâncias não só de um estado mental, mas de algum
estado neurofisiológico (p. ex., excitação de nociceptores)
● Fodor (1974): a teoria da identidade de ocorrência pode ser derivada da teoria da
identidade de tipo, mas o contrário não é verdadeiro
– Se tipos mentais são tipos físicos, então qualquer ocorrência de um tipo mental também será
uma instância individual de um tipo físico
– Mesmo se um particular concreto equivale tanto a um tipo mental quanto a um tipo físico,
esse fato é contingente e não garante a identidade dos tipos cuja instanciação constitui os
particulares concretos

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Freud e os mecanismos de defesa
Freud e os mecanismos de defesaFreud e os mecanismos de defesa
Freud e os mecanismos de defesa
Fábio Vasconcelos
 
Psicodrama
Psicodrama   Psicodrama
Aula 3 - Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
Aula 3 -  Personalidade e Processos Psicológicos BásicosAula 3 -  Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
Aula 3 - Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Psicologia humanista
Psicologia humanistaPsicologia humanista
Psicologia humanista
Juliermeson Morais
 
Introdução À Psicologia
Introdução À PsicologiaIntrodução À Psicologia
Introdução À Psicologia
psicologiaisecensa
 
Aula - Introdução à Psicologia 1
Aula - Introdução à Psicologia 1Aula - Introdução à Psicologia 1
Aula - Introdução à Psicologia 1
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
A psicologia da Gestalt - histórico e princípios
A psicologia da Gestalt - histórico e princípiosA psicologia da Gestalt - histórico e princípios
A psicologia da Gestalt - histórico e princípios
Ludmila Moura
 
Gestalt
GestaltGestalt
Gestalt
lilalemos
 
História da psicologia
História da psicologiaHistória da psicologia
História da psicologia
Leila Bezerra
 
Gestalt Terapia - Psicologia
Gestalt Terapia - PsicologiaGestalt Terapia - Psicologia
Gestalt Terapia - Psicologia
Adriane Fernandes
 
Psicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoPsicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimento
Marcela Montalvão Teti
 
GESTALT
GESTALTGESTALT
Psicologia da forma GESTALT
Psicologia da forma GESTALTPsicologia da forma GESTALT
Psicologia da forma GESTALT
Elizabeth Fantauzzi
 
Psicologia Fenomenológico-Existencial
Psicologia Fenomenológico-ExistencialPsicologia Fenomenológico-Existencial
Psicologia Fenomenológico-Existencial
Sara Campagnaro
 
Teoria da Gestalt
Teoria da GestaltTeoria da Gestalt
Teoria da Gestalt
Lilian Mascarenhas
 
Personalidade
PersonalidadePersonalidade
Personalidade
Liliane Ennes
 
Psicologia geral fabiola
Psicologia geral fabiolaPsicologia geral fabiola
Psicologia geral fabiola
Rovanildo Vieira Soares
 
Gestalt
GestaltGestalt
Gestalt
Isaac Santos
 
Grupo E Seus FenôMenos ContribuiçãO Da Psicologia
Grupo E Seus FenôMenos  ContribuiçãO Da PsicologiaGrupo E Seus FenôMenos  ContribuiçãO Da Psicologia
Grupo E Seus FenôMenos ContribuiçãO Da Psicologia
Silvia Marina Anaruma
 
O que é a psicologia
O que é a psicologiaO que é a psicologia
O que é a psicologia
psicologiaazambuja
 

Mais procurados (20)

Freud e os mecanismos de defesa
Freud e os mecanismos de defesaFreud e os mecanismos de defesa
Freud e os mecanismos de defesa
 
Psicodrama
Psicodrama   Psicodrama
Psicodrama
 
Aula 3 - Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
Aula 3 -  Personalidade e Processos Psicológicos BásicosAula 3 -  Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
Aula 3 - Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
 
Psicologia humanista
Psicologia humanistaPsicologia humanista
Psicologia humanista
 
Introdução À Psicologia
Introdução À PsicologiaIntrodução À Psicologia
Introdução À Psicologia
 
Aula - Introdução à Psicologia 1
Aula - Introdução à Psicologia 1Aula - Introdução à Psicologia 1
Aula - Introdução à Psicologia 1
 
A psicologia da Gestalt - histórico e princípios
A psicologia da Gestalt - histórico e princípiosA psicologia da Gestalt - histórico e princípios
A psicologia da Gestalt - histórico e princípios
 
Gestalt
GestaltGestalt
Gestalt
 
História da psicologia
História da psicologiaHistória da psicologia
História da psicologia
 
Gestalt Terapia - Psicologia
Gestalt Terapia - PsicologiaGestalt Terapia - Psicologia
Gestalt Terapia - Psicologia
 
Psicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoPsicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimento
 
GESTALT
GESTALTGESTALT
GESTALT
 
Psicologia da forma GESTALT
Psicologia da forma GESTALTPsicologia da forma GESTALT
Psicologia da forma GESTALT
 
Psicologia Fenomenológico-Existencial
Psicologia Fenomenológico-ExistencialPsicologia Fenomenológico-Existencial
Psicologia Fenomenológico-Existencial
 
Teoria da Gestalt
Teoria da GestaltTeoria da Gestalt
Teoria da Gestalt
 
Personalidade
PersonalidadePersonalidade
Personalidade
 
Psicologia geral fabiola
Psicologia geral fabiolaPsicologia geral fabiola
Psicologia geral fabiola
 
Gestalt
GestaltGestalt
Gestalt
 
Grupo E Seus FenôMenos ContribuiçãO Da Psicologia
Grupo E Seus FenôMenos  ContribuiçãO Da PsicologiaGrupo E Seus FenôMenos  ContribuiçãO Da Psicologia
Grupo E Seus FenôMenos ContribuiçãO Da Psicologia
 
O que é a psicologia
O que é a psicologiaO que é a psicologia
O que é a psicologia
 

Destaque

Transtornos de ansiedade
Transtornos de ansiedadeTranstornos de ansiedade
Transtornos de ansiedade
Caio Maximino
 
Psicofarmacologia e psicoterapia dos transtornos psicóticos
Psicofarmacologia e psicoterapia dos transtornos psicóticosPsicofarmacologia e psicoterapia dos transtornos psicóticos
Psicofarmacologia e psicoterapia dos transtornos psicóticos
Caio Maximino
 
Neurociência da esquizofrenia
Neurociência da esquizofreniaNeurociência da esquizofrenia
Neurociência da esquizofrenia
Caio Maximino
 
Interação fármaco-receptor
Interação fármaco-receptorInteração fármaco-receptor
Interação fármaco-receptor
Caio Maximino
 
Aula 5 - Medicina 1
Aula 5 - Medicina 1Aula 5 - Medicina 1
Aula 5 - Medicina 1
Caio Maximino
 
Espectro agonista-antagonista
Espectro agonista-antagonistaEspectro agonista-antagonista
Espectro agonista-antagonista
Caio Maximino
 
Memória e aprendizagem
Memória e aprendizagemMemória e aprendizagem
Memória e aprendizagem
Caio Maximino
 
Materialismo eliminativista e naturalismo
Materialismo eliminativista e naturalismoMaterialismo eliminativista e naturalismo
Materialismo eliminativista e naturalismo
Caio Maximino
 
Revisão de anatomia e fisiologia do sistema nervoso
Revisão de anatomia e fisiologia do sistema nervosoRevisão de anatomia e fisiologia do sistema nervoso
Revisão de anatomia e fisiologia do sistema nervoso
Caio Maximino
 
Teoria da identidade
Teoria da identidadeTeoria da identidade
Teoria da identidade
Fabiana Maiorino
 
Anatomia do diencéfalo
Anatomia do diencéfaloAnatomia do diencéfalo
Anatomia do diencéfalo
Caio Maximino
 
Farmacocinética e ADME
Farmacocinética e ADMEFarmacocinética e ADME
Farmacocinética e ADME
Caio Maximino
 
Corpo mente2
Corpo mente2Corpo mente2
Corpo mente2
Elisama Lopes
 
Operações estabelecedoras
Operações estabelecedorasOperações estabelecedoras
Operações estabelecedoras
Caio Maximino
 
História da fisiologia no Brasil
História da fisiologia no BrasilHistória da fisiologia no Brasil
História da fisiologia no Brasil
Caio Maximino
 
Aula 4
Aula 4Aula 4
A sinapse tripartite
A sinapse tripartiteA sinapse tripartite
A sinapse tripartite
Caio Maximino
 
As organizações como sistema aberto
As organizações como sistema abertoAs organizações como sistema aberto
As organizações como sistema aberto
Universidade Pedagogica
 
Seminário neuroendocrinologia
Seminário neuroendocrinologiaSeminário neuroendocrinologia
Seminário neuroendocrinologia
Caio Maximino
 

Destaque (20)

Transtornos de ansiedade
Transtornos de ansiedadeTranstornos de ansiedade
Transtornos de ansiedade
 
Psicofarmacologia e psicoterapia dos transtornos psicóticos
Psicofarmacologia e psicoterapia dos transtornos psicóticosPsicofarmacologia e psicoterapia dos transtornos psicóticos
Psicofarmacologia e psicoterapia dos transtornos psicóticos
 
Neurociência da esquizofrenia
Neurociência da esquizofreniaNeurociência da esquizofrenia
Neurociência da esquizofrenia
 
Interação fármaco-receptor
Interação fármaco-receptorInteração fármaco-receptor
Interação fármaco-receptor
 
Aula 5 - Medicina 1
Aula 5 - Medicina 1Aula 5 - Medicina 1
Aula 5 - Medicina 1
 
Espectro agonista-antagonista
Espectro agonista-antagonistaEspectro agonista-antagonista
Espectro agonista-antagonista
 
Memória e aprendizagem
Memória e aprendizagemMemória e aprendizagem
Memória e aprendizagem
 
Materialismo eliminativista e naturalismo
Materialismo eliminativista e naturalismoMaterialismo eliminativista e naturalismo
Materialismo eliminativista e naturalismo
 
Revisão de anatomia e fisiologia do sistema nervoso
Revisão de anatomia e fisiologia do sistema nervosoRevisão de anatomia e fisiologia do sistema nervoso
Revisão de anatomia e fisiologia do sistema nervoso
 
Teoria da identidade
Teoria da identidadeTeoria da identidade
Teoria da identidade
 
Anatomia do diencéfalo
Anatomia do diencéfaloAnatomia do diencéfalo
Anatomia do diencéfalo
 
Farmacocinética e ADME
Farmacocinética e ADMEFarmacocinética e ADME
Farmacocinética e ADME
 
Corpo mente2
Corpo mente2Corpo mente2
Corpo mente2
 
Operações estabelecedoras
Operações estabelecedorasOperações estabelecedoras
Operações estabelecedoras
 
História da fisiologia no Brasil
História da fisiologia no BrasilHistória da fisiologia no Brasil
História da fisiologia no Brasil
 
Aula 4
Aula 4Aula 4
Aula 4
 
A sinapse tripartite
A sinapse tripartiteA sinapse tripartite
A sinapse tripartite
 
Aula 4 Cf1
Aula 4 Cf1Aula 4 Cf1
Aula 4 Cf1
 
As organizações como sistema aberto
As organizações como sistema abertoAs organizações como sistema aberto
As organizações como sistema aberto
 
Seminário neuroendocrinologia
Seminário neuroendocrinologiaSeminário neuroendocrinologia
Seminário neuroendocrinologia
 

Semelhante a Materialismo reducionista: As teorias da identidade

Epistemologia naturalizada.pptx
Epistemologia naturalizada.pptxEpistemologia naturalizada.pptx
Epistemologia naturalizada.pptx
ManoelAlves66
 
Dualismo de propriedades
Dualismo de propriedadesDualismo de propriedades
Dualismo de propriedades
Caio Maximino
 
Psicologia 1850 a 1950 foucault
Psicologia 1850 a 1950 foucaultPsicologia 1850 a 1950 foucault
Psicologia 1850 a 1950 foucault
Fluminense Federal University
 
Hfc aula 004
Hfc aula 004Hfc aula 004
Hfc aula 004
Luiz
 
Bergson, henri. matéria e memória
Bergson, henri. matéria e memóriaBergson, henri. matéria e memória
Bergson, henri. matéria e memória
Jaqueline Cristina Sosi
 
Bergson, henri. matéria e memória
Bergson, henri. matéria e memóriaBergson, henri. matéria e memória
Bergson, henri. matéria e memória
Marcio da Mota Silva
 
Filósofos Pré-Socráticos
Filósofos Pré-SocráticosFilósofos Pré-Socráticos
Filósofos Pré-Socráticos
Jecyane
 
Portfólio Historia da Psicologia.pdf
Portfólio Historia da Psicologia.pdfPortfólio Historia da Psicologia.pdf
Portfólio Historia da Psicologia.pdf
Vilciele
 
Fenomenologia e a psicologia
Fenomenologia e a psicologiaFenomenologia e a psicologia
Fenomenologia e a psicologia
Clínica Evolução vida
 
Psic doc2 m1
Psic doc2 m1Psic doc2 m1
Psic doc2 m1
psicologiaazambuja
 
Bergson. O cérebroe o pensamento
Bergson. O cérebroe o pensamentoBergson. O cérebroe o pensamento
Bergson. O cérebroe o pensamento
daniellncruz
 
Behaviorismo filosófico
Behaviorismo filosóficoBehaviorismo filosófico
Behaviorismo filosófico
Caio Maximino
 
Bergson 1608 ensaio sobre a relação do corpo
Bergson 1608 ensaio sobre a relação do corpoBergson 1608 ensaio sobre a relação do corpo
Bergson 1608 ensaio sobre a relação do corpo
Dany Pereira
 
O problema mente-cérebro por Jerry Fodor - Scientific American 1981
O problema mente-cérebro por Jerry Fodor - Scientific American 1981O problema mente-cérebro por Jerry Fodor - Scientific American 1981
O problema mente-cérebro por Jerry Fodor - Scientific American 1981
Rodnei Reis
 
Bases Epistemológicas da Psicologia Cognitiva Experimental
Bases Epistemológicas da Psicologia Cognitiva ExperimentalBases Epistemológicas da Psicologia Cognitiva Experimental
Bases Epistemológicas da Psicologia Cognitiva Experimental
Eliane68
 
Matéria e memória
Matéria e memóriaMatéria e memória
Matéria e memória
escritamemorialistica
 
A companion to the philosophy of mind
A companion to the philosophy of mindA companion to the philosophy of mind
A companion to the philosophy of mind
Anderson Balbinot
 
Trabalho de filosofia leonardo 21 mp
Trabalho de filosofia leonardo 21 mpTrabalho de filosofia leonardo 21 mp
Trabalho de filosofia leonardo 21 mp
alemisturini
 
Psicologia pastoral
Psicologia pastoralPsicologia pastoral
Psicologia pastoral
Edleusa Silva
 
A imagem física do mundo: de Parmênides a Eistein - José Leite Lopes
A imagem física do mundo: de Parmênides a Eistein - José Leite LopesA imagem física do mundo: de Parmênides a Eistein - José Leite Lopes
A imagem física do mundo: de Parmênides a Eistein - José Leite Lopes
beherega
 

Semelhante a Materialismo reducionista: As teorias da identidade (20)

Epistemologia naturalizada.pptx
Epistemologia naturalizada.pptxEpistemologia naturalizada.pptx
Epistemologia naturalizada.pptx
 
Dualismo de propriedades
Dualismo de propriedadesDualismo de propriedades
Dualismo de propriedades
 
Psicologia 1850 a 1950 foucault
Psicologia 1850 a 1950 foucaultPsicologia 1850 a 1950 foucault
Psicologia 1850 a 1950 foucault
 
Hfc aula 004
Hfc aula 004Hfc aula 004
Hfc aula 004
 
Bergson, henri. matéria e memória
Bergson, henri. matéria e memóriaBergson, henri. matéria e memória
Bergson, henri. matéria e memória
 
Bergson, henri. matéria e memória
Bergson, henri. matéria e memóriaBergson, henri. matéria e memória
Bergson, henri. matéria e memória
 
Filósofos Pré-Socráticos
Filósofos Pré-SocráticosFilósofos Pré-Socráticos
Filósofos Pré-Socráticos
 
Portfólio Historia da Psicologia.pdf
Portfólio Historia da Psicologia.pdfPortfólio Historia da Psicologia.pdf
Portfólio Historia da Psicologia.pdf
 
Fenomenologia e a psicologia
Fenomenologia e a psicologiaFenomenologia e a psicologia
Fenomenologia e a psicologia
 
Psic doc2 m1
Psic doc2 m1Psic doc2 m1
Psic doc2 m1
 
Bergson. O cérebroe o pensamento
Bergson. O cérebroe o pensamentoBergson. O cérebroe o pensamento
Bergson. O cérebroe o pensamento
 
Behaviorismo filosófico
Behaviorismo filosóficoBehaviorismo filosófico
Behaviorismo filosófico
 
Bergson 1608 ensaio sobre a relação do corpo
Bergson 1608 ensaio sobre a relação do corpoBergson 1608 ensaio sobre a relação do corpo
Bergson 1608 ensaio sobre a relação do corpo
 
O problema mente-cérebro por Jerry Fodor - Scientific American 1981
O problema mente-cérebro por Jerry Fodor - Scientific American 1981O problema mente-cérebro por Jerry Fodor - Scientific American 1981
O problema mente-cérebro por Jerry Fodor - Scientific American 1981
 
Bases Epistemológicas da Psicologia Cognitiva Experimental
Bases Epistemológicas da Psicologia Cognitiva ExperimentalBases Epistemológicas da Psicologia Cognitiva Experimental
Bases Epistemológicas da Psicologia Cognitiva Experimental
 
Matéria e memória
Matéria e memóriaMatéria e memória
Matéria e memória
 
A companion to the philosophy of mind
A companion to the philosophy of mindA companion to the philosophy of mind
A companion to the philosophy of mind
 
Trabalho de filosofia leonardo 21 mp
Trabalho de filosofia leonardo 21 mpTrabalho de filosofia leonardo 21 mp
Trabalho de filosofia leonardo 21 mp
 
Psicologia pastoral
Psicologia pastoralPsicologia pastoral
Psicologia pastoral
 
A imagem física do mundo: de Parmênides a Eistein - José Leite Lopes
A imagem física do mundo: de Parmênides a Eistein - José Leite LopesA imagem física do mundo: de Parmênides a Eistein - José Leite Lopes
A imagem física do mundo: de Parmênides a Eistein - José Leite Lopes
 

Mais de Caio Maximino

Papel de receptores 5-HT2CL en la socialidad del pez cebra
Papel de receptores 5-HT2CL en la socialidad del pez cebraPapel de receptores 5-HT2CL en la socialidad del pez cebra
Papel de receptores 5-HT2CL en la socialidad del pez cebra
Caio Maximino
 
Efectos de fluoxetina sobre la agresión del pez cebra dependiente del fenotipo
Efectos de fluoxetina sobre la agresión del pez cebra dependiente del fenotipoEfectos de fluoxetina sobre la agresión del pez cebra dependiente del fenotipo
Efectos de fluoxetina sobre la agresión del pez cebra dependiente del fenotipo
Caio Maximino
 
Impacto del pez cebra en biología y neurociencias
Impacto del pez cebra en biología y neurocienciasImpacto del pez cebra en biología y neurociencias
Impacto del pez cebra en biología y neurociencias
Caio Maximino
 
El pez cebra en el estudio de psicofarmacos
El pez cebra en el estudio de psicofarmacosEl pez cebra en el estudio de psicofarmacos
El pez cebra en el estudio de psicofarmacos
Caio Maximino
 
Minicurso "Primeiros socorros: Em caso de ataque de pânico"
Minicurso "Primeiros socorros: Em caso de ataque de pânico"Minicurso "Primeiros socorros: Em caso de ataque de pânico"
Minicurso "Primeiros socorros: Em caso de ataque de pânico"
Caio Maximino
 
A cerebralização do sofrimento psíquico
A cerebralização do sofrimento psíquicoA cerebralização do sofrimento psíquico
A cerebralização do sofrimento psíquico
Caio Maximino
 
Human physiological response in perspective: Focus on the capitalocene
Human physiological response in perspective: Focus on the capitaloceneHuman physiological response in perspective: Focus on the capitalocene
Human physiological response in perspective: Focus on the capitalocene
Caio Maximino
 
Vertebrate stress mechanisms under change
Vertebrate stress mechanisms under changeVertebrate stress mechanisms under change
Vertebrate stress mechanisms under change
Caio Maximino
 
The nervous system: an evolutionary approach
The nervous system: an evolutionary approachThe nervous system: an evolutionary approach
The nervous system: an evolutionary approach
Caio Maximino
 
O monstruoso do capital: Ansiedades culturais e subjetividade
O monstruoso do capital: Ansiedades culturais e subjetividadeO monstruoso do capital: Ansiedades culturais e subjetividade
O monstruoso do capital: Ansiedades culturais e subjetividade
Caio Maximino
 
Por um cérebro histórico-cultural: Uma introdução à neurociência crítica
Por um cérebro histórico-cultural: Uma introdução à neurociência críticaPor um cérebro histórico-cultural: Uma introdução à neurociência crítica
Por um cérebro histórico-cultural: Uma introdução à neurociência crítica
Caio Maximino
 
Genética dos transtornos mentais: Cultura, genética e epigenética em uma pers...
Genética dos transtornos mentais: Cultura, genética e epigenética em uma pers...Genética dos transtornos mentais: Cultura, genética e epigenética em uma pers...
Genética dos transtornos mentais: Cultura, genética e epigenética em uma pers...
Caio Maximino
 
Métodos quantitativos na pesquisa em educação e ensino
Métodos quantitativos na pesquisa em educação e ensinoMétodos quantitativos na pesquisa em educação e ensino
Métodos quantitativos na pesquisa em educação e ensino
Caio Maximino
 
Aula 2: Um pouco de filosofia da ciência
Aula 2: Um pouco de filosofia da ciênciaAula 2: Um pouco de filosofia da ciência
Aula 2: Um pouco de filosofia da ciência
Caio Maximino
 
Inferência estatística nas ciências experimentais
Inferência estatística nas ciências experimentaisInferência estatística nas ciências experimentais
Inferência estatística nas ciências experimentais
Caio Maximino
 
Aprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remoto
Aprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remotoAprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remoto
Aprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remoto
Caio Maximino
 
A importância das práticas corporais para a saúde mental
A importância das práticas corporais para a saúde mentalA importância das práticas corporais para a saúde mental
A importância das práticas corporais para a saúde mental
Caio Maximino
 
Transtornos do neurodesenvolvimento
Transtornos do neurodesenvolvimentoTranstornos do neurodesenvolvimento
Transtornos do neurodesenvolvimento
Caio Maximino
 
Evidências científicas de eficácia em farmacoterapia
Evidências científicas de eficácia em farmacoterapiaEvidências científicas de eficácia em farmacoterapia
Evidências científicas de eficácia em farmacoterapia
Caio Maximino
 
Transtornos alimentares
Transtornos alimentaresTranstornos alimentares
Transtornos alimentares
Caio Maximino
 

Mais de Caio Maximino (20)

Papel de receptores 5-HT2CL en la socialidad del pez cebra
Papel de receptores 5-HT2CL en la socialidad del pez cebraPapel de receptores 5-HT2CL en la socialidad del pez cebra
Papel de receptores 5-HT2CL en la socialidad del pez cebra
 
Efectos de fluoxetina sobre la agresión del pez cebra dependiente del fenotipo
Efectos de fluoxetina sobre la agresión del pez cebra dependiente del fenotipoEfectos de fluoxetina sobre la agresión del pez cebra dependiente del fenotipo
Efectos de fluoxetina sobre la agresión del pez cebra dependiente del fenotipo
 
Impacto del pez cebra en biología y neurociencias
Impacto del pez cebra en biología y neurocienciasImpacto del pez cebra en biología y neurociencias
Impacto del pez cebra en biología y neurociencias
 
El pez cebra en el estudio de psicofarmacos
El pez cebra en el estudio de psicofarmacosEl pez cebra en el estudio de psicofarmacos
El pez cebra en el estudio de psicofarmacos
 
Minicurso "Primeiros socorros: Em caso de ataque de pânico"
Minicurso "Primeiros socorros: Em caso de ataque de pânico"Minicurso "Primeiros socorros: Em caso de ataque de pânico"
Minicurso "Primeiros socorros: Em caso de ataque de pânico"
 
A cerebralização do sofrimento psíquico
A cerebralização do sofrimento psíquicoA cerebralização do sofrimento psíquico
A cerebralização do sofrimento psíquico
 
Human physiological response in perspective: Focus on the capitalocene
Human physiological response in perspective: Focus on the capitaloceneHuman physiological response in perspective: Focus on the capitalocene
Human physiological response in perspective: Focus on the capitalocene
 
Vertebrate stress mechanisms under change
Vertebrate stress mechanisms under changeVertebrate stress mechanisms under change
Vertebrate stress mechanisms under change
 
The nervous system: an evolutionary approach
The nervous system: an evolutionary approachThe nervous system: an evolutionary approach
The nervous system: an evolutionary approach
 
O monstruoso do capital: Ansiedades culturais e subjetividade
O monstruoso do capital: Ansiedades culturais e subjetividadeO monstruoso do capital: Ansiedades culturais e subjetividade
O monstruoso do capital: Ansiedades culturais e subjetividade
 
Por um cérebro histórico-cultural: Uma introdução à neurociência crítica
Por um cérebro histórico-cultural: Uma introdução à neurociência críticaPor um cérebro histórico-cultural: Uma introdução à neurociência crítica
Por um cérebro histórico-cultural: Uma introdução à neurociência crítica
 
Genética dos transtornos mentais: Cultura, genética e epigenética em uma pers...
Genética dos transtornos mentais: Cultura, genética e epigenética em uma pers...Genética dos transtornos mentais: Cultura, genética e epigenética em uma pers...
Genética dos transtornos mentais: Cultura, genética e epigenética em uma pers...
 
Métodos quantitativos na pesquisa em educação e ensino
Métodos quantitativos na pesquisa em educação e ensinoMétodos quantitativos na pesquisa em educação e ensino
Métodos quantitativos na pesquisa em educação e ensino
 
Aula 2: Um pouco de filosofia da ciência
Aula 2: Um pouco de filosofia da ciênciaAula 2: Um pouco de filosofia da ciência
Aula 2: Um pouco de filosofia da ciência
 
Inferência estatística nas ciências experimentais
Inferência estatística nas ciências experimentaisInferência estatística nas ciências experimentais
Inferência estatística nas ciências experimentais
 
Aprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remoto
Aprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remotoAprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remoto
Aprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remoto
 
A importância das práticas corporais para a saúde mental
A importância das práticas corporais para a saúde mentalA importância das práticas corporais para a saúde mental
A importância das práticas corporais para a saúde mental
 
Transtornos do neurodesenvolvimento
Transtornos do neurodesenvolvimentoTranstornos do neurodesenvolvimento
Transtornos do neurodesenvolvimento
 
Evidências científicas de eficácia em farmacoterapia
Evidências científicas de eficácia em farmacoterapiaEvidências científicas de eficácia em farmacoterapia
Evidências científicas de eficácia em farmacoterapia
 
Transtornos alimentares
Transtornos alimentaresTranstornos alimentares
Transtornos alimentares
 

Último

iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
jbellas2
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
carlaslr1
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
Giovana Gomes da Silva
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 

Último (20)

iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 

Materialismo reducionista: As teorias da identidade

  • 1. UNIFESSP A Tópicos Especiais em Psicologia IV: Introdução à Filosofia da Mente Aula 4: Materialismo reducionista: As teorias da identidade
  • 2. UNIFESSP A Uma definição das teorias da identidade ● “por serem empíricos, sintéticos, contingentes, os estados mentais eram idênticos aos estados do cérebro e do sistema nervoso central” (Searle, p. 55) ● A experiência da dor, as imagens mentais, ou as memórias são processos cerebrais, não estão meramente correlacionados com eles ● Estritamente falando, não é necessário postular que a mente é idêntica ao cérebro – simplesmente que identificar cérebro e mente é uma questão de identificar processos e estados da mente e do cérebro SEARLE, J. A redescoberta da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1997
  • 3. UNIFESSP A Antecedentes ● Leucipo, Hobbes, La Mettrie, d’Holbach ● Pierre Cabanis: “O cérebro secreta pensamentos da mesma forma como o fígado secreta bile” (séc. XVIII) ● E. Boring (1933): The Physical Dimensions of Consciousness; “Para este autor, uma correlação perfeita é uma identidade. Dois eventos que sempre ocorrem juntos ao mesmo tempo e no mesmo lugar, sem quaisquer diferenciações temporais ou espaciais, não são dois eventos mas um só. As correlações mente-corpo formuladas até o presente não admitem consideração sobre a correlação espacial, então se reduzem a questões de correlação simples no tempo. A necessidade de identificação não é menos urgente nesse caso” ● Reichenbach (1938): eventos mentais podem ser identificados podem ser identificados pelos estímulos e respostas assim como o estado interno de uma célula fotoelétrica pode ser identificada pelos estímulos e respostas que a controlam
  • 4. UNIFESSP A Antecedentes: Argumento da linguagem privada ● Qualquer linguagem que deve servir como meio para comunicação inter-pessoal deve pressupor a existência de um mundo material espacialmente extenso ao qual os conceitos básicos se ancoram ● Reconhecimento de que a linguagem ordinária que utilizamos para descrever nossas experiências privadas e sensações é uma extensão metafórica de uma linguagem cuja função básica é descrever objetos materiais e suas propriedades ● Colapso do fenomenalismo e do idealismo berkeleyano como posições filosóficas defensáveis ● Assunção de um realismo ingênuo, no qual aquilo que percebemos diretamente corresponde objetos materiais espacialmente extensos em um mundo tridimensional FREGE, G. Lógica e filosofia da linguagem. São Paulo:Cultrix 1978
  • 5. UNIFESSP A Antecedentes: Behaviorismo filosófico ryleano ● Se o que fazemos quando usamos conceitos mentais é falar de forma logicamente complexa sobre o comportamento observável em humanos, segue-se A)que não há uma classe de estados e eventos mentais separada dos eventos e disposições comportamentais; e B)que a relação entre mente e cérebro é simplesmente a relação relativamente não-problemática entre atividade cerebral e comportamento observável
  • 6. UNIFESSP A Marcos históricos e conceituais ● U. T. Place (1956): Is consciousness a brain process?’ ● Feigl (1958): The ‘mental’ and the ‘physical’ ● J. J. C. Smart (1959): Sensations and brain processes
  • 7. UNIFESSP A Exemplos (1)“Sensação de dor = certos efeitos corticais resultantes de estimulações pré-corticais (no tálamo e na formação reticular), as quais são geralmente produzidas pela estimulação de células nociceptoras periféricas. (2)Ansiedade = certos efeitos corticais resultantes da reverberação de descargas em circuitos neuronais no sistema límbico (3)Impressão visual consciente = certos efeitos no nexo prefrontal, resultantes da estimulação da área V1 do córtex occipital...” (Costa, 2005) COSTA, C. Filosofia da mente. Rio de Janeiro:Jorge Zahar Editora, 2005
  • 8. UNIFESSP A Redução inter-teórica ● Grosso modo, uma forma de sucessão teórica no qual a teoria sucessora (“redutora”) é substancialmente similar a, ou contínua com, sua predecessora (teoria “reduzida”) no nível das leis, estrutura, ou ontologia – Reduções ocorrem comumente quando a teoria reduzida é parcial ou aproximadamente correta, ou quando é verdadeira somente em um domínio relativamente limitado – O estudo aprofundado da redução inter-teórica iniciou-se com The structure of science, de Ernest Nagel (1951) ● “Concluímos, então, que apreendemos exatamente a mesma realidade que era incompletamente descrita no antigo arcabouço conceitual, mas por meio de um novo e mais penetrante arcabouço. E afirmamos o que os filósofos da ciência chamam de ‘identidades interteóricas’: a luz é idêntica a ondas magnéticas, a temperatura é energia cinética molecular média, e assim por diante” (Churchland, p 54) ● “a redução interteórica ocorre não apenas entre os arcabouços conceituais situados na estratosfera teórica: os observáveis do senso comum também podem ser reduzidos” (Churchland, p. 55)
  • 9. UNIFESSP A Exemplo 1: De Kepler a Newton ● Baseando-se em suas observações e nas de Tycho Brahe, Kepler criou três leis que governam os movimentos planetários: 1) Todos os planetas movem-se em elipses com o sol em um foco; 2) Um dado planeta sempre cobre áreas iguais em tempos iguais; 3) O quadrado do período do planeta é proporcional ao cubo de seu raio orbital médio ● Newton criou um conjunto de leis governando todos os objetos em movimentos 1)O movimento inercial é constante e retilíneo 2) Aceleração = força/massa 3) Para toda mudança no momento algo sofre uma mudança igual e oposta em momento 4) Lei da gravitação: F = -Gm1 m2 /r² ● Podemos derivar as leis de Kepler das leis de Newton
  • 10. UNIFESSP A Exemplo 2: Da temperatura ao movimento molecular médio ● A Lei dos Gases de Boyle-Charles faz referência à temperatura: – PV = µR·T ● Mas o que é temperatura? – A teoria cinética dos gases substituiu o lado direito da equação por PV = (2n/3mv²)/2, no qual a temperatura é entendida como a velocidade média das partículas ● O movimento médio das partículas de um gás não é algo que observamos; é uma entidade teórica nova
  • 12. UNIFESSP A Versões iniciais da teoria da identidade ● Place e Smart inicialmente aceitam as explicações do behaviorismo filosófico para conceitos cognitivos e conativos, mas consideram-no insuficiente para explicar alguns coneitos (p. ex., sensações) ● Place afirmou que sensações e outras funções psicológicas similares são processos do cérebro – independente do fato de que afirmações sobre funções psicológicas não podem ser analizadas logicamente através de afirmações sobre processos cerebrais – “Materialismo de estado central”: Noção versão limitada da teoria da identidade que identifica as sensações a estados do SNC ● Fazendo analogia com reduções interteóricas, Place citou a potência explanatória potencial dessas analogias como uma boa razão para hipotetizar identidade das relações mente-cérebro
  • 13. UNIFESSP A Sensations and the brain processes (Smart, 1959) ● “não há um experimento concebível que possa decidir entre o materialismo e o epifenomenalismo” ● A afirmação “sensações são processos cerebrais” não é uma hipótese científica, mas deve ser assumida como verdadeira com base na navalha de Occam: – Mesmo se a teoria da identidade e o dualismo forem igualmente consistentes com os fatos empíricos, a primeira tem vantagem por sua simplicidade e utilidade explanatória
  • 14. UNIFESSP A Representation of stationary polar coordinate stimuli (rays and rings, respectively) in human V1. Roger B. H. Tootell et al. PNAS 1998;95:811-817 ©1998 by National Academy of Sciences
  • 15. UNIFESSP A O problema da introspecção ● Não é possível explicar o resultado da introspecção em termos de processos cerebrais, porque esses processos fazem referência a entidades não-neurais – p. ex., uma pós-imagem verde não pode ser explicada em termos cerebrais porque não há nada “verde” no cérebro ● Place chamou atenção à “falácia fenomenológica” - afirmação errada de que as observações introspectivas reportam “o estado real das coisas em algum ambiente interno misterioso” ● A teoria da identidade só precisa demonstrar que o processo cerebral causando a descrição da experiência em uma forma particular é o tipo de processo que normalmente acontece quando há algo no ambiente correspondendo à sua descrição
  • 16. UNIFESSP A A noção de “identidade” ● Place: A relação de identidade é uma relação assimétrica de composição – Eventos mentais de nível superior são compostos de eventos físicos de nível inferior, e serão eventualmente reduzidos analiticamente a esses ● Para Feigl e Smart, a identidade é interpretada como entre referentes de duas descrições que referem-se à mesma coisa – P. ex., “estrela d’alva” e “Vésper” referem-se ao planeta Vênus – A resposta à objeção é fregeana; “sensações” e “processos cerebrais” significam coisas diferentes, mas referem-se ao mesmo fenômeno físico
  • 17. UNIFESSP A Identidade versus igualdade ● Dois conceitos contrastantes de identidade ● Leibniz: uma afirmação de identidade é uma afirmação na forma tautológica x = x, ou uma afirmação que se reduz a essa forma por uma substituição matemática ● Frege: a identidade é uma relação entre dois nomes ou descrições diferentes que referem-se ao mesmo referente – Se tenho quatro moedas no meu bolso direito, e quatro moedas no meu bolso esquerdo, a relação x = x é satisfeita, mas não se trata de uma identidade ● Feigl e Smart subscrevem ao conceito fregeano
  • 18. UNIFESSP A Identidade versus composição ● Para Place, a consciência não é a mesma coisa que o processo cerebral ao qual se correlaciona, mas é composta inteiramente do processo cerebral – As experiências subjetivas são entendidas em termos de uma “micro-redução” substancial às partes constituintes dos processos cerebrais ● Place (1967): formular identidade como composição ou pelo conceito fregeano são duas formas de afirmar a mesma coisa – Ambas são igualmente efetivas para eliminar eventos e processos mentais como uma classe separada de eventos e processos – Ambas implicam que a relação é contingente PLACE,U. Comments on Putnam’s “Psychological predicates”, in W. H. Capitan e D. D. Merrill (eds.), Art, Mind, and Religion. Pittsburgh: Pittsburgh University Press, 1967
  • 19. UNIFESSP A Identidade versus composição ● O contra-argumento é que a relação de composição é assimétrica, enquanto a relação de identidade é simétrica – Identidade: Se A é a mesma coisa que B, segue-se necessariamente que B é a mesma coisa que A – Composição: Se A é composto inteiramente por B’s, não podemos afirmar que B é composto inteiramente por A’s ● Redução inter-teórica ≠ redução substancial – Na redução substancial, a entidade é decomposta em seus componentes; na redução inter-teórica, o conceito do qual a entidade faz parte é decomposto em seus elementos conceituais componentes – A redução substancial explica características da mente que não estão presentes na descrição psicológica – A descrição psicol ica não pode explicar a micro-descrição (ou seja, mente não explicaǵ neurônio, mas neurônio explica mente)
  • 20. UNIFESSP A Pontos comuns entre Place, Smart e Feigl 1) As experiências privadas ou sensações do indivíduo são redutíveis sem resíduo a eventos ou processos do cérebro (= tese da identidade) 2) A tese da identidade é uma proposição contingente (i.e., não é uma verdade logicamente necessária) -As descrições da experiência privada não tem o mesmo sentido ou significado que as descrições dos processos cerebrais hipotéticos a que de fato se identificam 3) A verdade da tese da identidade é pelo menos em parte uma questão de determinação empírica 4) A tese da identidade aplica-se somente a certos aspectos da vida mental: consciência (Place), as sensações cruas da experiência (Feigl), sensações (Smart)
  • 21. UNIFESSP A Identidade de ocorrência (token) versus identidade de tipo (type) ● Nagel: distinção entre identidades “gerais” e “particulares” ● Charles Taylor (1967): “a falha em encontrar correlações [gerais]… ainda nos permitiria procurar identidades particulares, não entre, digamos, uma pós-imagem amarela e um certo tipo de processo cerebral no geral, mas entre uma ocorrência particular dessa pós-imagem amarela e uma ocorrência particular de um processo cerebral” ● Ao perguntar se coisas mentais são a mesma coisa que coisas físicas, ou se são diferentes, devemos clarificar se a questão aplica-se a particulares concretos (casos individuais e particulares) ou ao tipo de estado ou evento a que se referem esses casos particulares – O segundo caso afirma que os próprios tipos mentais são tipos físicos
  • 22. UNIFESSP A Identidade de ocorrência ● Todo particular concreto pertencente a um tipo mental pode ser identificado com um evento físico (talvez neurofisiológico) – Para cada exemplo ocorrência de um estado mental há algum evento neurofisiológico ocorrência a qual é idêntico ● Ocorrências de dor são instâncias não só de um estado mental, mas de algum estado neurofisiológico (p. ex., excitação de nociceptores) ● Fodor (1974): a teoria da identidade de ocorrência pode ser derivada da teoria da identidade de tipo, mas o contrário não é verdadeiro – Se tipos mentais são tipos físicos, então qualquer ocorrência de um tipo mental também será uma instância individual de um tipo físico – Mesmo se um particular concreto equivale tanto a um tipo mental quanto a um tipo físico, esse fato é contingente e não garante a identidade dos tipos cuja instanciação constitui os particulares concretos

Notas do Editor

  1. Representation of stationary polar coordinate stimuli (rays and rings, respectively) in human V1. This experiment was designed to produce a “bulls-eye” or “spider web” pattern in area V1 and examine the response by using fMRI, analogous to the pattern produced in macaque V1 previously by using different functional imaging techniques (34, 35). Here, the ray and ring stimuli were presented separately, during different scan acquisitions. During the first scan, the subjects viewed alternating 16-sec epochs of ray stimuli (“S1” and “S2”) composed of flickering black and white checks. This viewing produced the activity patterns shown in A and B. Preferential activation by the first stimulus is coded in red, and preferential activation by the second stimulus is coded green. A is a flattened section of the cortical surface from the right hemisphere, and B is from the left hemisphere. Both sections are taken from the same hemisphere shown in Fig. 1. Area V1 is the large middle region enclosed in dotted lines (i.e., the representation of the vertical meridian, based on the field sign map). V1 is flanked on both sides by V2, then V3/VP. The foveal representation is represented by a white asterisk. As one would expect from previous retinotopic maps in macaques and humans, rays of equal polar angle produce bands of approximately equal width in flattened cortex. During the second scan, the stimuli were composed of interleaved rings, again composed of flickering black and white checks (“S3” and “S4”). The rings were of equal polar width, thus quite unequal in width in the visual display. This stimulus produced activity bands of approximately equal width in cortex (C and D, same red–green pseudocolor conventions), oriented roughly at right angles to the bands of equal-polar-angle in A and B. During the third scan, stimuli were circular in shape (S5 and S6). The diameters of the stimulus circles were equal in polar coordinates. Thus the circles were much larger in angular subtense at greater eccentricities (large blue arrows), compared with the circles at more central eccentricities (smaller blue arrows). Nevertheless, the roughly circular activity representation of the two sets of circles in V1 was approximately equal in cortical extent (E and F). The stimulus circles are rerepresented, but progressively more faintly, in V2 and V3/VP. [The scale bar represents 1 cm (on average) across the cortical surface.]