SlideShare uma empresa Scribd logo
Psicofarmacologia
Evidências científicas de
eficácia em farmacoterapia
ConteúdosConteúdos
1.Definições básicas
2.Pirâmide de evidência
3.Princípios fundamentais para analisar evidência
4.Estatísticas de eficácia
●
Procurar estudos relevantes e tomar decisões clínicas
com base em dados
●
Diminuir o custo da intervenção para o paciente
●
Se proteger do marketing enganoso da indústria e do
desconhecimento dos clínicos
●
Manejar resultados conflitantes
Porque evidência éPorque evidência é
importante?importante?
Princípios básicos de umaPrincípios básicos de uma
prática baseada em evidênciasprática baseada em evidências
1) Construir uma questão clínica bem construída e classificá-la em
uma categoria (terapia, diagnóstico, etiologia ou prognóstico)
2) Encontrar a evidência na literatura sobre cuidados de saúde
3) Avaliar criticamente ou avaliar formalmente a validade e utilidade
4) Integrar as evidências aos fatores do paciente para executar a
decisão
5) Avaliar todo o processo
Tipos de perguntaTipos de pergunta
relacionadas à evidênciarelacionadas à evidência
●
Perguntas de fundo
– Relativas ao conhecimento geral sobre o transtorno
– Normalmente respondidas em livros-texto
●
Perguntas em primeiro plano
– Conhecimento específico sobre o transtorno, com base em
●
Paciente / População
●
Intervenção
●
Comparação
●
Desfecho
Perguntas sobre pacientePerguntas sobre paciente
ou populaçãoou população
●
Qual é o principal problema, doença ou condição
coexistente?
●
Sobre quais grupos você deseja obter informações?
●
Como você descreveria um grupo de pacientes
semelhante ao em questão?
●
Às vezes, a idade ou o sexo de um paciente podem ser
relevantes e devem ser incluídos.
Perguntas sobre a intervençãoPerguntas sobre a intervenção
●
De que evento médico você deseja estudar o
efeito?
●
Qual a principal intervenção que você está
considerando? Medicamento, terapia,
intervenção grupal, etc.
Perguntas sobre comparaçãoPerguntas sobre comparação
●
Comparado com o que?
●
Melhor ou pior que nenhuma intervenção? ou que outra
intervenção?
●
Qual é a principal alternativa para comparar com a
intervenção? Você está tentando decidir entre dois
medicamentos, ou um medicamento e um placebo?
●
Às vezes não há comparação
Perguntas sobre desfechoPerguntas sobre desfecho
●
Qual é o efeito da intervenção?
●
O que você espera conseguir, medir, melhorar
ou afetar com esta intervenção?
●
O que você está tentando fazer pelo paciente?
Aliviar ou eliminar os sintomas, reduzir efeitos
colaterais, reduzir custos?
Questões estatísticas:Questões estatísticas:
Magnitudes de efeitoMagnitudes de efeito
●
Tamanho de efeito padronizado (effect size)
– Reflete a magnitude da diferença entre, p.ex., grupos de intervenção e controle
– d de Cohen é a principal medida
●
<0.2 trivial (ordinário, sem valor)
●
0.2-0.5 pequeno
●
0.5-0.8 moderado
●
> 0.8 grande
●
Razão de chances (Odds ratio)
– Proporção de sujeitos do grupo tratamento com o resultado (positivo) dividido pela proporção de sujeitos
do grupo controle com o resultado
●
Probabilidade relativa
– Probabilidade de um resultado (positivo) ocorrer no grupo tratamento dividido pela probabilidade de
ocorrer no grupo controle/comparação
●
RR ou OR = 1 indica que não há diferença entre os resultados dos tratamentos
Intervalos de confiançaIntervalos de confiança
Buscando evidênciaBuscando evidência
●
Literatura primária
●
Literatura secundária (revisões narrativas ou
sistemáticas)
●
Literatura terciária (compêndios, livros-texto)
●
Bases comumente usadas: OVID, Cochrane Library,
Cochrane Brasil
Avaliando criticamenteAvaliando criticamente
a evidênciaa evidência
●
"Avaliação crítica" refere-se à determinação da adequação
de algumas evidências (geralmente um artigo de periódico)
para uma situação clínica específica.
●
Validade interna (qualidade da metodologia) vs. validade
externa (generalidade)
●
Três perguntas fundamentais:
– Os resultados são válidos?
– Quais são os resultados?
– Como posso aplicar esses resultados ao meu paciente?
Aplicando a evidênciaAplicando a evidência
ao pacienteao paciente
●
Comparar o paciente com aqueles do estudo
(similaridade do estágio da doença, do estado atual,
de características comuns…)
●
Considerar os riscos do paciente (p. ex., status renal,
gênero, etc.) para o desfecho de interesse e outros
riscos associados com tratamento
●
Considerar os valores, crenças, e preocupações do
paciente
Um exemploUm exemplo
●
O paciente que você está atendendo está
tomando fluoxetina para um transtorno
depressivo maior, e você acha que ele pode se
beneficiar da mudança da medicação. Como
ajudá-lo a definir se a paroxetina seria um
remédio melhor?
Perguntas de fundoPerguntas de fundo
●
Qual o mecanismo de ação da fluoxetina e da
paroxetina?
●
Quais são as opções de tratamento para TDM?
●
Etc.
Questões em primeiro planoQuestões em primeiro plano
●
Paciente – qualquer paciente apresentando TDM
●
Intervenção – tratamento com paroxetina
●
Comparação – outros antidepressivos
●
Desfecho – melhora sintomática, medida por escalas
padronizadas
●
Será que a paroxetina irá melhorar os sintomas depressivos em
pacientes com transtorno depressivo maior?
Paroxetine versus other anti-Paroxetine versus other anti-
depressive agents for depressiondepressive agents for depression
●
Um total de 115 ensaios clínicos randomizados (26.134
participantes) foram incluídos. Em 54 estudos, a
paroxetina foi comparada com antidepressivos mais
antigos, em 21 estudos com outro ISRS e em 40 estudos
com um antidepressivo mais novo ou não convencional
que não seja o ISRS.
●
Desfecho primário: pacientes que respondem ao
tratamento
●
●
Outros desfechos: diferença média estandardizada
Qualidade do estudoQualidade do estudo
O que você aconselharia?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Unknown parameter value (2)
Unknown parameter value (2)Unknown parameter value (2)
Unknown parameter value (2)
Marília Mota
 
Pesquisa Experimental em Marketing
Pesquisa Experimental em MarketingPesquisa Experimental em Marketing
Pesquisa Experimental em Marketing
Graziela Rodrigues
 
Variáveis e mensuração
Variáveis e mensuraçãoVariáveis e mensuração
Variáveis e mensuração
Caio Maximino
 
Delineamento experimental básico
Delineamento experimental básicoDelineamento experimental básico
Delineamento experimental básico
Caio Maximino
 
Investigação Experimental em Psicologia
Investigação Experimental em PsicologiaInvestigação Experimental em Psicologia
Investigação Experimental em Psicologia
Jorge Barbosa
 
Método estatístico
Método estatísticoMétodo estatístico
Método estatístico
Paulo Carioca
 
PESQUISA EXPERIMENTAL
PESQUISA EXPERIMENTALPESQUISA EXPERIMENTAL
PESQUISA EXPERIMENTAL
Dior FG
 
Perguntas de avaliação para responder parte teórica
Perguntas de avaliação para responder   parte teóricaPerguntas de avaliação para responder   parte teórica
Perguntas de avaliação para responder parte teórica
Isabel Alexandra
 
Metodologia da pesquisa como fazer
Metodologia da pesquisa como fazerMetodologia da pesquisa como fazer
Metodologia da pesquisa como fazer
Wallace Rodrigues
 
Insulinoterapia na DM tipo 2: Quê evidências?
Insulinoterapia na DM tipo 2: Quê evidências?Insulinoterapia na DM tipo 2: Quê evidências?
Insulinoterapia na DM tipo 2: Quê evidências?
Javier Rodriguez-Vera
 
Inferência estatística nas ciências experimentais
Inferência estatística nas ciências experimentaisInferência estatística nas ciências experimentais
Inferência estatística nas ciências experimentais
Caio Maximino
 
Ufpe Introdução a Pesquisa Quanti e Delineamentos
Ufpe   Introdução a Pesquisa Quanti e DelineamentosUfpe   Introdução a Pesquisa Quanti e Delineamentos
Ufpe Introdução a Pesquisa Quanti e Delineamentos
Tony Santos
 
Psicodiagnóstico infantil
Psicodiagnóstico infantilPsicodiagnóstico infantil
Psicodiagnóstico infantil
Jorge Bombeiro
 
Aula 2: Um pouco de filosofia da ciência
Aula 2: Um pouco de filosofia da ciênciaAula 2: Um pouco de filosofia da ciência
Aula 2: Um pouco de filosofia da ciência
Caio Maximino
 
0 método científico - power point
0   método científico - power point0   método científico - power point
0 método científico - power point
margaridabt
 
Modelos_analise_Hipoteses_Variaveis (MIP 5)
Modelos_analise_Hipoteses_Variaveis (MIP 5)Modelos_analise_Hipoteses_Variaveis (MIP 5)
Modelos_analise_Hipoteses_Variaveis (MIP 5)
guest1668ef
 
Como se manter atualizado em medicina de família
Como se manter atualizado em medicina de famíliaComo se manter atualizado em medicina de família
Como se manter atualizado em medicina de família
Inaiara Bragante
 
Anna silvia-tosin - psicodiagnostico e abord sistemico familiar
Anna silvia-tosin - psicodiagnostico e abord sistemico familiarAnna silvia-tosin - psicodiagnostico e abord sistemico familiar
Anna silvia-tosin - psicodiagnostico e abord sistemico familiar
Pat Queiroz
 
19 elaboração da metodologia
19 elaboração da metodologia19 elaboração da metodologia
19 elaboração da metodologia
Joao Balbi
 
Revisões Sistemáticas e Meta-análise FOP-UNICAMP 2009
Revisões Sistemáticas e Meta-análise FOP-UNICAMP 2009Revisões Sistemáticas e Meta-análise FOP-UNICAMP 2009
Revisões Sistemáticas e Meta-análise FOP-UNICAMP 2009
Fernando Neves Hugo
 

Mais procurados (20)

Unknown parameter value (2)
Unknown parameter value (2)Unknown parameter value (2)
Unknown parameter value (2)
 
Pesquisa Experimental em Marketing
Pesquisa Experimental em MarketingPesquisa Experimental em Marketing
Pesquisa Experimental em Marketing
 
Variáveis e mensuração
Variáveis e mensuraçãoVariáveis e mensuração
Variáveis e mensuração
 
Delineamento experimental básico
Delineamento experimental básicoDelineamento experimental básico
Delineamento experimental básico
 
Investigação Experimental em Psicologia
Investigação Experimental em PsicologiaInvestigação Experimental em Psicologia
Investigação Experimental em Psicologia
 
Método estatístico
Método estatísticoMétodo estatístico
Método estatístico
 
PESQUISA EXPERIMENTAL
PESQUISA EXPERIMENTALPESQUISA EXPERIMENTAL
PESQUISA EXPERIMENTAL
 
Perguntas de avaliação para responder parte teórica
Perguntas de avaliação para responder   parte teóricaPerguntas de avaliação para responder   parte teórica
Perguntas de avaliação para responder parte teórica
 
Metodologia da pesquisa como fazer
Metodologia da pesquisa como fazerMetodologia da pesquisa como fazer
Metodologia da pesquisa como fazer
 
Insulinoterapia na DM tipo 2: Quê evidências?
Insulinoterapia na DM tipo 2: Quê evidências?Insulinoterapia na DM tipo 2: Quê evidências?
Insulinoterapia na DM tipo 2: Quê evidências?
 
Inferência estatística nas ciências experimentais
Inferência estatística nas ciências experimentaisInferência estatística nas ciências experimentais
Inferência estatística nas ciências experimentais
 
Ufpe Introdução a Pesquisa Quanti e Delineamentos
Ufpe   Introdução a Pesquisa Quanti e DelineamentosUfpe   Introdução a Pesquisa Quanti e Delineamentos
Ufpe Introdução a Pesquisa Quanti e Delineamentos
 
Psicodiagnóstico infantil
Psicodiagnóstico infantilPsicodiagnóstico infantil
Psicodiagnóstico infantil
 
Aula 2: Um pouco de filosofia da ciência
Aula 2: Um pouco de filosofia da ciênciaAula 2: Um pouco de filosofia da ciência
Aula 2: Um pouco de filosofia da ciência
 
0 método científico - power point
0   método científico - power point0   método científico - power point
0 método científico - power point
 
Modelos_analise_Hipoteses_Variaveis (MIP 5)
Modelos_analise_Hipoteses_Variaveis (MIP 5)Modelos_analise_Hipoteses_Variaveis (MIP 5)
Modelos_analise_Hipoteses_Variaveis (MIP 5)
 
Como se manter atualizado em medicina de família
Como se manter atualizado em medicina de famíliaComo se manter atualizado em medicina de família
Como se manter atualizado em medicina de família
 
Anna silvia-tosin - psicodiagnostico e abord sistemico familiar
Anna silvia-tosin - psicodiagnostico e abord sistemico familiarAnna silvia-tosin - psicodiagnostico e abord sistemico familiar
Anna silvia-tosin - psicodiagnostico e abord sistemico familiar
 
19 elaboração da metodologia
19 elaboração da metodologia19 elaboração da metodologia
19 elaboração da metodologia
 
Revisões Sistemáticas e Meta-análise FOP-UNICAMP 2009
Revisões Sistemáticas e Meta-análise FOP-UNICAMP 2009Revisões Sistemáticas e Meta-análise FOP-UNICAMP 2009
Revisões Sistemáticas e Meta-análise FOP-UNICAMP 2009
 

Semelhante a Evidências científicas de eficácia em farmacoterapia

Insulin theraphy on DM type 2: What´s the evidence?
Insulin theraphy on DM type 2: What´s the evidence?Insulin theraphy on DM type 2: What´s the evidence?
Insulin theraphy on DM type 2: What´s the evidence?
Javier Rodriguez-Vera
 
Saúde Coletica - 4. pesquisa epidemiológica
Saúde Coletica - 4. pesquisa epidemiológicaSaúde Coletica - 4. pesquisa epidemiológica
Saúde Coletica - 4. pesquisa epidemiológica
Mario Gandra
 
Aula 2 - AF
Aula 2 - AFAula 2 - AF
1 fichamento-diagnostico-do-paciente-e-a-escolha-da-psicoterapia
1 fichamento-diagnostico-do-paciente-e-a-escolha-da-psicoterapia1 fichamento-diagnostico-do-paciente-e-a-escolha-da-psicoterapia
1 fichamento-diagnostico-do-paciente-e-a-escolha-da-psicoterapia
narasc
 
Avaliação cognitivo comportamental
Avaliação cognitivo comportamentalAvaliação cognitivo comportamental
Avaliação cognitivo comportamental
Elizabeth Barbosa
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula - Estudos experimentais.pptx
Aula - Estudos experimentais.pptxAula - Estudos experimentais.pptx
Aula - Estudos experimentais.pptx
CarolineTianeze
 
Tese ana c. melchiors
Tese ana c. melchiorsTese ana c. melchiors
Tese ana c. melchiors
LASCES UFPR
 
Clínica OHR Psiquiatria
Clínica OHR PsiquiatriaClínica OHR Psiquiatria
Clínica OHR Psiquiatria
Clínica OHR Psiquiatria
 
Meu paciente está tomando medicação. E agora?
Meu paciente está tomando medicação. E agora?Meu paciente está tomando medicação. E agora?
Meu paciente está tomando medicação. E agora?
eduardo guagliardi
 
SLIDE PADRÃO CURSO PARECERISTA-FINAL (1).pptx
SLIDE PADRÃO CURSO PARECERISTA-FINAL (1).pptxSLIDE PADRÃO CURSO PARECERISTA-FINAL (1).pptx
SLIDE PADRÃO CURSO PARECERISTA-FINAL (1).pptx
MrcioFlvioArajo
 
Grupo ansiedade act.pdf
Grupo ansiedade act.pdfGrupo ansiedade act.pdf
Grupo ansiedade act.pdf
BrenoNegreiros4
 
Aderência ao Tratamento Pós Bariátrica
Aderência ao Tratamento Pós BariátricaAderência ao Tratamento Pós Bariátrica
Aderência ao Tratamento Pós Bariátrica
Simone Marchesini
 
Apresentação Monografia_public
Apresentação Monografia_publicApresentação Monografia_public
Apresentação Monografia_public
Nome Sobrenome
 
Leitura crítica em Medicina
Leitura crítica em MedicinaLeitura crítica em Medicina
Leitura crítica em Medicina
Petronio Fagundes de Oliveira Filho
 
eBook - Teste farmacogenético no auxílio a remissão dos sintomas depressivos
eBook - Teste farmacogenético no auxílio a remissão dos sintomas depressivoseBook - Teste farmacogenético no auxílio a remissão dos sintomas depressivos
eBook - Teste farmacogenético no auxílio a remissão dos sintomas depressivos
GnTech
 
Custo e efetividade em programas de promoção de saúde versão 28.11.17 - Exemp...
Custo e efetividade em programas de promoção de saúde versão 28.11.17 - Exemp...Custo e efetividade em programas de promoção de saúde versão 28.11.17 - Exemp...
Custo e efetividade em programas de promoção de saúde versão 28.11.17 - Exemp...
Eduardo Myung
 
Avaliação Psicológica.pptx
Avaliação Psicológica.pptxAvaliação Psicológica.pptx
Avaliação Psicológica.pptx
PastorGuilhermeViana
 
C:\Fakepath\Refractory OCD
C:\Fakepath\Refractory OCDC:\Fakepath\Refractory OCD
C:\Fakepath\Refractory OCD
ygoraf
 
C:\Fakepath\Refractory OCD
C:\Fakepath\Refractory OCDC:\Fakepath\Refractory OCD
C:\Fakepath\Refractory OCD
ygoraf
 

Semelhante a Evidências científicas de eficácia em farmacoterapia (20)

Insulin theraphy on DM type 2: What´s the evidence?
Insulin theraphy on DM type 2: What´s the evidence?Insulin theraphy on DM type 2: What´s the evidence?
Insulin theraphy on DM type 2: What´s the evidence?
 
Saúde Coletica - 4. pesquisa epidemiológica
Saúde Coletica - 4. pesquisa epidemiológicaSaúde Coletica - 4. pesquisa epidemiológica
Saúde Coletica - 4. pesquisa epidemiológica
 
Aula 2 - AF
Aula 2 - AFAula 2 - AF
Aula 2 - AF
 
1 fichamento-diagnostico-do-paciente-e-a-escolha-da-psicoterapia
1 fichamento-diagnostico-do-paciente-e-a-escolha-da-psicoterapia1 fichamento-diagnostico-do-paciente-e-a-escolha-da-psicoterapia
1 fichamento-diagnostico-do-paciente-e-a-escolha-da-psicoterapia
 
Avaliação cognitivo comportamental
Avaliação cognitivo comportamentalAvaliação cognitivo comportamental
Avaliação cognitivo comportamental
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
Aula - Estudos experimentais.pptx
Aula - Estudos experimentais.pptxAula - Estudos experimentais.pptx
Aula - Estudos experimentais.pptx
 
Tese ana c. melchiors
Tese ana c. melchiorsTese ana c. melchiors
Tese ana c. melchiors
 
Clínica OHR Psiquiatria
Clínica OHR PsiquiatriaClínica OHR Psiquiatria
Clínica OHR Psiquiatria
 
Meu paciente está tomando medicação. E agora?
Meu paciente está tomando medicação. E agora?Meu paciente está tomando medicação. E agora?
Meu paciente está tomando medicação. E agora?
 
SLIDE PADRÃO CURSO PARECERISTA-FINAL (1).pptx
SLIDE PADRÃO CURSO PARECERISTA-FINAL (1).pptxSLIDE PADRÃO CURSO PARECERISTA-FINAL (1).pptx
SLIDE PADRÃO CURSO PARECERISTA-FINAL (1).pptx
 
Grupo ansiedade act.pdf
Grupo ansiedade act.pdfGrupo ansiedade act.pdf
Grupo ansiedade act.pdf
 
Aderência ao Tratamento Pós Bariátrica
Aderência ao Tratamento Pós BariátricaAderência ao Tratamento Pós Bariátrica
Aderência ao Tratamento Pós Bariátrica
 
Apresentação Monografia_public
Apresentação Monografia_publicApresentação Monografia_public
Apresentação Monografia_public
 
Leitura crítica em Medicina
Leitura crítica em MedicinaLeitura crítica em Medicina
Leitura crítica em Medicina
 
eBook - Teste farmacogenético no auxílio a remissão dos sintomas depressivos
eBook - Teste farmacogenético no auxílio a remissão dos sintomas depressivoseBook - Teste farmacogenético no auxílio a remissão dos sintomas depressivos
eBook - Teste farmacogenético no auxílio a remissão dos sintomas depressivos
 
Custo e efetividade em programas de promoção de saúde versão 28.11.17 - Exemp...
Custo e efetividade em programas de promoção de saúde versão 28.11.17 - Exemp...Custo e efetividade em programas de promoção de saúde versão 28.11.17 - Exemp...
Custo e efetividade em programas de promoção de saúde versão 28.11.17 - Exemp...
 
Avaliação Psicológica.pptx
Avaliação Psicológica.pptxAvaliação Psicológica.pptx
Avaliação Psicológica.pptx
 
C:\Fakepath\Refractory OCD
C:\Fakepath\Refractory OCDC:\Fakepath\Refractory OCD
C:\Fakepath\Refractory OCD
 
C:\Fakepath\Refractory OCD
C:\Fakepath\Refractory OCDC:\Fakepath\Refractory OCD
C:\Fakepath\Refractory OCD
 

Mais de Caio Maximino

Papel de receptores 5-HT2CL en la socialidad del pez cebra
Papel de receptores 5-HT2CL en la socialidad del pez cebraPapel de receptores 5-HT2CL en la socialidad del pez cebra
Papel de receptores 5-HT2CL en la socialidad del pez cebra
Caio Maximino
 
Efectos de fluoxetina sobre la agresión del pez cebra dependiente del fenotipo
Efectos de fluoxetina sobre la agresión del pez cebra dependiente del fenotipoEfectos de fluoxetina sobre la agresión del pez cebra dependiente del fenotipo
Efectos de fluoxetina sobre la agresión del pez cebra dependiente del fenotipo
Caio Maximino
 
Impacto del pez cebra en biología y neurociencias
Impacto del pez cebra en biología y neurocienciasImpacto del pez cebra en biología y neurociencias
Impacto del pez cebra en biología y neurociencias
Caio Maximino
 
El pez cebra en el estudio de psicofarmacos
El pez cebra en el estudio de psicofarmacosEl pez cebra en el estudio de psicofarmacos
El pez cebra en el estudio de psicofarmacos
Caio Maximino
 
Minicurso "Primeiros socorros: Em caso de ataque de pânico"
Minicurso "Primeiros socorros: Em caso de ataque de pânico"Minicurso "Primeiros socorros: Em caso de ataque de pânico"
Minicurso "Primeiros socorros: Em caso de ataque de pânico"
Caio Maximino
 
A cerebralização do sofrimento psíquico
A cerebralização do sofrimento psíquicoA cerebralização do sofrimento psíquico
A cerebralização do sofrimento psíquico
Caio Maximino
 
Human physiological response in perspective: Focus on the capitalocene
Human physiological response in perspective: Focus on the capitaloceneHuman physiological response in perspective: Focus on the capitalocene
Human physiological response in perspective: Focus on the capitalocene
Caio Maximino
 
Vertebrate stress mechanisms under change
Vertebrate stress mechanisms under changeVertebrate stress mechanisms under change
Vertebrate stress mechanisms under change
Caio Maximino
 
The nervous system: an evolutionary approach
The nervous system: an evolutionary approachThe nervous system: an evolutionary approach
The nervous system: an evolutionary approach
Caio Maximino
 
O monstruoso do capital: Ansiedades culturais e subjetividade
O monstruoso do capital: Ansiedades culturais e subjetividadeO monstruoso do capital: Ansiedades culturais e subjetividade
O monstruoso do capital: Ansiedades culturais e subjetividade
Caio Maximino
 
Por um cérebro histórico-cultural: Uma introdução à neurociência crítica
Por um cérebro histórico-cultural: Uma introdução à neurociência críticaPor um cérebro histórico-cultural: Uma introdução à neurociência crítica
Por um cérebro histórico-cultural: Uma introdução à neurociência crítica
Caio Maximino
 
Genética dos transtornos mentais: Cultura, genética e epigenética em uma pers...
Genética dos transtornos mentais: Cultura, genética e epigenética em uma pers...Genética dos transtornos mentais: Cultura, genética e epigenética em uma pers...
Genética dos transtornos mentais: Cultura, genética e epigenética em uma pers...
Caio Maximino
 
Aprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remoto
Aprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remotoAprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remoto
Aprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remoto
Caio Maximino
 
Transtornos do neurodesenvolvimento
Transtornos do neurodesenvolvimentoTranstornos do neurodesenvolvimento
Transtornos do neurodesenvolvimento
Caio Maximino
 
Transtornos alimentares
Transtornos alimentaresTranstornos alimentares
Transtornos alimentares
Caio Maximino
 
Journal club: "Contextual fear learning and memory differ between stress copi...
Journal club: "Contextual fear learning and memory differ between stress copi...Journal club: "Contextual fear learning and memory differ between stress copi...
Journal club: "Contextual fear learning and memory differ between stress copi...
Caio Maximino
 
Memória I
Memória IMemória I
Memória I
Caio Maximino
 
Aprendizagem II
Aprendizagem IIAprendizagem II
Aprendizagem II
Caio Maximino
 
Transtorno bipolar e transtornos relacionados
Transtorno bipolar e transtornos relacionadosTranstorno bipolar e transtornos relacionados
Transtorno bipolar e transtornos relacionados
Caio Maximino
 
Aprendizagem I
Aprendizagem IAprendizagem I
Aprendizagem I
Caio Maximino
 

Mais de Caio Maximino (20)

Papel de receptores 5-HT2CL en la socialidad del pez cebra
Papel de receptores 5-HT2CL en la socialidad del pez cebraPapel de receptores 5-HT2CL en la socialidad del pez cebra
Papel de receptores 5-HT2CL en la socialidad del pez cebra
 
Efectos de fluoxetina sobre la agresión del pez cebra dependiente del fenotipo
Efectos de fluoxetina sobre la agresión del pez cebra dependiente del fenotipoEfectos de fluoxetina sobre la agresión del pez cebra dependiente del fenotipo
Efectos de fluoxetina sobre la agresión del pez cebra dependiente del fenotipo
 
Impacto del pez cebra en biología y neurociencias
Impacto del pez cebra en biología y neurocienciasImpacto del pez cebra en biología y neurociencias
Impacto del pez cebra en biología y neurociencias
 
El pez cebra en el estudio de psicofarmacos
El pez cebra en el estudio de psicofarmacosEl pez cebra en el estudio de psicofarmacos
El pez cebra en el estudio de psicofarmacos
 
Minicurso "Primeiros socorros: Em caso de ataque de pânico"
Minicurso "Primeiros socorros: Em caso de ataque de pânico"Minicurso "Primeiros socorros: Em caso de ataque de pânico"
Minicurso "Primeiros socorros: Em caso de ataque de pânico"
 
A cerebralização do sofrimento psíquico
A cerebralização do sofrimento psíquicoA cerebralização do sofrimento psíquico
A cerebralização do sofrimento psíquico
 
Human physiological response in perspective: Focus on the capitalocene
Human physiological response in perspective: Focus on the capitaloceneHuman physiological response in perspective: Focus on the capitalocene
Human physiological response in perspective: Focus on the capitalocene
 
Vertebrate stress mechanisms under change
Vertebrate stress mechanisms under changeVertebrate stress mechanisms under change
Vertebrate stress mechanisms under change
 
The nervous system: an evolutionary approach
The nervous system: an evolutionary approachThe nervous system: an evolutionary approach
The nervous system: an evolutionary approach
 
O monstruoso do capital: Ansiedades culturais e subjetividade
O monstruoso do capital: Ansiedades culturais e subjetividadeO monstruoso do capital: Ansiedades culturais e subjetividade
O monstruoso do capital: Ansiedades culturais e subjetividade
 
Por um cérebro histórico-cultural: Uma introdução à neurociência crítica
Por um cérebro histórico-cultural: Uma introdução à neurociência críticaPor um cérebro histórico-cultural: Uma introdução à neurociência crítica
Por um cérebro histórico-cultural: Uma introdução à neurociência crítica
 
Genética dos transtornos mentais: Cultura, genética e epigenética em uma pers...
Genética dos transtornos mentais: Cultura, genética e epigenética em uma pers...Genética dos transtornos mentais: Cultura, genética e epigenética em uma pers...
Genética dos transtornos mentais: Cultura, genética e epigenética em uma pers...
 
Aprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remoto
Aprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remotoAprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remoto
Aprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remoto
 
Transtornos do neurodesenvolvimento
Transtornos do neurodesenvolvimentoTranstornos do neurodesenvolvimento
Transtornos do neurodesenvolvimento
 
Transtornos alimentares
Transtornos alimentaresTranstornos alimentares
Transtornos alimentares
 
Journal club: "Contextual fear learning and memory differ between stress copi...
Journal club: "Contextual fear learning and memory differ between stress copi...Journal club: "Contextual fear learning and memory differ between stress copi...
Journal club: "Contextual fear learning and memory differ between stress copi...
 
Memória I
Memória IMemória I
Memória I
 
Aprendizagem II
Aprendizagem IIAprendizagem II
Aprendizagem II
 
Transtorno bipolar e transtornos relacionados
Transtorno bipolar e transtornos relacionadosTranstorno bipolar e transtornos relacionados
Transtorno bipolar e transtornos relacionados
 
Aprendizagem I
Aprendizagem IAprendizagem I
Aprendizagem I
 

Último

Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Centro Jacques Delors
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
Manuais Formação
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.pptLITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
EdimaresSilvestre
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptxCLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
Deiciane Chaves
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
ConservoConstrues
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
KarollayneRodriguesV1
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 

Último (20)

Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
 
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.pptLITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptxCLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 

Evidências científicas de eficácia em farmacoterapia

  • 2. ConteúdosConteúdos 1.Definições básicas 2.Pirâmide de evidência 3.Princípios fundamentais para analisar evidência 4.Estatísticas de eficácia
  • 3. ● Procurar estudos relevantes e tomar decisões clínicas com base em dados ● Diminuir o custo da intervenção para o paciente ● Se proteger do marketing enganoso da indústria e do desconhecimento dos clínicos ● Manejar resultados conflitantes Porque evidência éPorque evidência é importante?importante?
  • 4.
  • 5. Princípios básicos de umaPrincípios básicos de uma prática baseada em evidênciasprática baseada em evidências 1) Construir uma questão clínica bem construída e classificá-la em uma categoria (terapia, diagnóstico, etiologia ou prognóstico) 2) Encontrar a evidência na literatura sobre cuidados de saúde 3) Avaliar criticamente ou avaliar formalmente a validade e utilidade 4) Integrar as evidências aos fatores do paciente para executar a decisão 5) Avaliar todo o processo
  • 6. Tipos de perguntaTipos de pergunta relacionadas à evidênciarelacionadas à evidência ● Perguntas de fundo – Relativas ao conhecimento geral sobre o transtorno – Normalmente respondidas em livros-texto ● Perguntas em primeiro plano – Conhecimento específico sobre o transtorno, com base em ● Paciente / População ● Intervenção ● Comparação ● Desfecho
  • 7. Perguntas sobre pacientePerguntas sobre paciente ou populaçãoou população ● Qual é o principal problema, doença ou condição coexistente? ● Sobre quais grupos você deseja obter informações? ● Como você descreveria um grupo de pacientes semelhante ao em questão? ● Às vezes, a idade ou o sexo de um paciente podem ser relevantes e devem ser incluídos.
  • 8. Perguntas sobre a intervençãoPerguntas sobre a intervenção ● De que evento médico você deseja estudar o efeito? ● Qual a principal intervenção que você está considerando? Medicamento, terapia, intervenção grupal, etc.
  • 9. Perguntas sobre comparaçãoPerguntas sobre comparação ● Comparado com o que? ● Melhor ou pior que nenhuma intervenção? ou que outra intervenção? ● Qual é a principal alternativa para comparar com a intervenção? Você está tentando decidir entre dois medicamentos, ou um medicamento e um placebo? ● Às vezes não há comparação
  • 10. Perguntas sobre desfechoPerguntas sobre desfecho ● Qual é o efeito da intervenção? ● O que você espera conseguir, medir, melhorar ou afetar com esta intervenção? ● O que você está tentando fazer pelo paciente? Aliviar ou eliminar os sintomas, reduzir efeitos colaterais, reduzir custos?
  • 11. Questões estatísticas:Questões estatísticas: Magnitudes de efeitoMagnitudes de efeito ● Tamanho de efeito padronizado (effect size) – Reflete a magnitude da diferença entre, p.ex., grupos de intervenção e controle – d de Cohen é a principal medida ● <0.2 trivial (ordinário, sem valor) ● 0.2-0.5 pequeno ● 0.5-0.8 moderado ● > 0.8 grande ● Razão de chances (Odds ratio) – Proporção de sujeitos do grupo tratamento com o resultado (positivo) dividido pela proporção de sujeitos do grupo controle com o resultado ● Probabilidade relativa – Probabilidade de um resultado (positivo) ocorrer no grupo tratamento dividido pela probabilidade de ocorrer no grupo controle/comparação ● RR ou OR = 1 indica que não há diferença entre os resultados dos tratamentos
  • 13. Buscando evidênciaBuscando evidência ● Literatura primária ● Literatura secundária (revisões narrativas ou sistemáticas) ● Literatura terciária (compêndios, livros-texto) ● Bases comumente usadas: OVID, Cochrane Library, Cochrane Brasil
  • 14. Avaliando criticamenteAvaliando criticamente a evidênciaa evidência ● "Avaliação crítica" refere-se à determinação da adequação de algumas evidências (geralmente um artigo de periódico) para uma situação clínica específica. ● Validade interna (qualidade da metodologia) vs. validade externa (generalidade) ● Três perguntas fundamentais: – Os resultados são válidos? – Quais são os resultados? – Como posso aplicar esses resultados ao meu paciente?
  • 15. Aplicando a evidênciaAplicando a evidência ao pacienteao paciente ● Comparar o paciente com aqueles do estudo (similaridade do estágio da doença, do estado atual, de características comuns…) ● Considerar os riscos do paciente (p. ex., status renal, gênero, etc.) para o desfecho de interesse e outros riscos associados com tratamento ● Considerar os valores, crenças, e preocupações do paciente
  • 16. Um exemploUm exemplo ● O paciente que você está atendendo está tomando fluoxetina para um transtorno depressivo maior, e você acha que ele pode se beneficiar da mudança da medicação. Como ajudá-lo a definir se a paroxetina seria um remédio melhor?
  • 17. Perguntas de fundoPerguntas de fundo ● Qual o mecanismo de ação da fluoxetina e da paroxetina? ● Quais são as opções de tratamento para TDM? ● Etc.
  • 18. Questões em primeiro planoQuestões em primeiro plano ● Paciente – qualquer paciente apresentando TDM ● Intervenção – tratamento com paroxetina ● Comparação – outros antidepressivos ● Desfecho – melhora sintomática, medida por escalas padronizadas ● Será que a paroxetina irá melhorar os sintomas depressivos em pacientes com transtorno depressivo maior?
  • 19.
  • 20. Paroxetine versus other anti-Paroxetine versus other anti- depressive agents for depressiondepressive agents for depression ● Um total de 115 ensaios clínicos randomizados (26.134 participantes) foram incluídos. Em 54 estudos, a paroxetina foi comparada com antidepressivos mais antigos, em 21 estudos com outro ISRS e em 40 estudos com um antidepressivo mais novo ou não convencional que não seja o ISRS. ● Desfecho primário: pacientes que respondem ao tratamento ● ● Outros desfechos: diferença média estandardizada
  • 22. O que você aconselharia?