SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 51
VIAS DE ADMINISTRAÇÃO
            MEDICAMENTOS


Curso de Atendente de Farmácia, Drogaria e Consultório Médico
Centrus Cursos|Profº Cláudio Luís Venturini
FARMACOLOGIA
• É a ciência que estuda como as substâncias químicas interagem com os
  sistemas biológicos.
• A farmacologia estuda os processos e a interação dos fármacos com o
  homem e com os animais.
• A farmacologia é, atualmente, o alicerce do cotidiano dos profissionais
  de saúde envolvidos na prescrição e administração de medicamentos,
  bem como no acompanhamento de resultados terapêuticos nos
  pacientes.
ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS
• Via de Administração é o caminho pelo qual uma droga é colocada
   em contato com o organismo.
• Os fármacos podem ser administrados por várias vias.
    – Podem ingerir-se (via oral) ou injetar numa veia (via endovenosa), num músculo (via
      intramuscular) ou por debaixo da pele (via subcutânea).
    – Podem colocar-se por debaixo da língua (via sublingual), introduzir no reto (via
      retal), instilar no olho (via ocular), vaporizar nas fossas nasais (via nasal) ou na boca
      (inalação), ou então aplicar na pele com efeito local (tópico) ou sistémico
      (transdérmico).
• Estas vias de administração têm objetivos específicos, assim como
  vantagens e desvantagens.
• A agência norte-americana FDA reconhece 111 tipos diferentes de vias de
  administração.
VIAGEM FANTÁSTICA
         MEDICAMENTO É ABSORVIDO PRINCIPALMENTE NO INTESTINO
        •    1.Assim que você ingere um remédio pela boca —-ou "via oral", como dizem os médicos — ele desce pela faringe e
             atinge o esôfago. Beber um copo de água ou de leite junto ajuda a pílula a atravessar mais facilmente esses dois primeiros
             "canais". Ao final do esôfago, o remédio chega ao estômago
        •    2. No estômago, as enzimas digestivas começam a triturar a pílula engolida — a mesma função que executam quando você
             come algo. Se o medicamento não tiver uma cápsula protetora para conter as enzimas, parte do princípio ativo do remédio
             já será absorvida no estômago, entrando na corrente sanguínea
        •    3. Do estômago a pílula triturada "desce" para o intestino. É lá que ocorrerá a absorção da maior parte do princípio ativo,
             pois esse órgão é rodeado por muitos vasos sanguíneos. Como a maioria dos remédios são bem solúveis, os princípios
             ativos atravessam as membranas permeáveis do intestino e penetram nesses vasos
        •    4. Uma vez dentro de um vaso sanguíneo, o princípio ativo do remédio começa a circular pelas artérias e veias do
             organismo, que funcionam como grandes avenidas e pequenas ruas responsáveis por levar a substância química do
             remédio até o exato ponto onde ela precisa agir
        •    5. Em geral, o remédio que circula na corrente sanguínea só não penetra numa parte do corpo: o cérebro. Para preservar
             essa sensível região de danos colaterais, existe uma proteção fisiológica chamada barreira hematoencefálica. Ela impede a
             passagem da maioria das substâncias químicas para o líquor, o líquido que banha o sistema nervoso central
        •    6. O segredo do remédio é que ele só entra em ação quando seu princípio ativo interage com moléculas do corpo chamadas
             de receptores. Como cada órgão (coração, pulmão, fígado...) tem receptores específicos, o medicamento só age quando seu
             princípio ativo encontra moléculas que se "encaixem" perfeitamente com sua fórmula química
http://mundoestranho.abril.com.br/materia/o-que-acontece-com-os-remedios-no-estomago
LOCAIS DE ABSORÇÃO DE MEDICAMENTOS
 • Trato gastrintestinal
    –   mucosa bucal
    –   mucosa gástrica
    –   mucosa do intestino delgado
    –   mucosa retal
 • Trato respiratório
    – mucosa nasal
    – mucosa traqueal e brônquica
    – alvéolos pulmonares
 • Pele
 • Regiões subcutânea, intramuscular e endovenosa
 • Mucosa geniturinária
    – mucosa vaginal
    – mucosa uretral
 • Mucosa conjuntival
CRITÉRIOS PARA ESCOLHA DA VIA
• Quanto ao paciente
   – “Compliance”
       • Aquiescência é sinônimo de consentimento, assentimento e concordância
   – Patologias existentes
   – Nível de consciência
   – Impedimento físico de acesso
• Quanto ao medicamento
   – Propriedades físico-químicas
       • Solubilidade ,Estabilidade em meio ácido, pKa
   – Propriedades organolépticas
   – Farmacocinética
   – Quanto ao efeito desejado
       • Sistêmico ou localizado
       • Latência
       • Duração
VIAS DE ADMINISTRAÇÃO   • Classificação
• Classificação
VIAS DE ADMINISTRAÇÃO
• Classificação
VIAS DE ADMINISTRAÇÃO
VIAS DE ADMINISTRAÇÃO - TÓPICA
• Via Tópica ou por Administração Epidérmica
   – Aplicação de substâncias ativas diretamente na pele ou mucosa, ou em áreas de
     superfície de feridas, com efeito local. Os princípios ativos penetram somente na
     epiderme.
   – A palavra tópica é derivado do grego antigo topos (plural: topoi), que significa
     "lugar" ou "local".
   – O uso é tópico porque é feito no lugar do corpo em que se manifesta o mal.
   – Tópico =>"uso na pele“
   – Uso tópico - Diz-se dos medicamentos que têm ação em lugares determinados.
   – Somente ação local ou tópica
   – Uso Externo: Todo o medicamento que não é engolido.
   – Ação Local: Região onde o medicamento fará efeito, sem cair na corrente
     sangüínea.
VIAS DE ADMINISTRAÇÃO - TÓPICA
• Medicação tópica:
   – Age somente no local onde foi aplicada.
   – Aplicação nas superfícies corporais tais como a pele ou membranas
     mucosas , tais como a vagina, , ânus , garganta , olhos e ouvidos.
   – Medicação tópica pode também ser por inalação, tais como
     medicamentos para a asma , ou aplicado à superfície de outros tecidos
     do que a pele, tais como colírio aplicado à conjuntiva, gotas colocado na
     orelha, ou medicações aplicadas à superfície de um dente.
   – Muitas medicações tópicas são epicutânea, o que significa que eles são
     aplicados diretamente na pele
   – Medicações tópicas incluem unguentos, cremes, géis, óleos, loções,
     patches(adesivos), pomadas e outros produtos que você aplica a sua
     pele.
VIAS DE ADMINISTRAÇÃO - ENTERAL
• Enteral
   – Adj. - Dentro dos intestinos, ou mediante eles; entérico, intestinal.
   – Efeito sistêmico (não-local); recebe-se a substância via trato digestivo
   – pela boca (oralmente- “per os”);
   – pelo tubo gástrico,
   – pelo reto.
VIAS DE ADMINISTRAÇÃO - PARENTERAL
• Parenteral
   – PARA = ao lado de / ENTERAL = tubo digestivo
   – Adj. - Que se faz por outra via que não a digestiva (boca, reto, falando-se da
     ministração de um medicamento).
   – Efeito sistêmico; recebe-se a substância por outra forma que não pelo trato
     digestivo
   – Parenteral por injeção ou infusão
   – Parenteral (que não por injeção ou infusão)
       • transdérmica (difusão através da pele intacta), p. ex. emplastro de opióide
         transdérmico para terapia da dor
       • transmucosa (difusão através de uma membrana mucosa), p. ex. inalação de cocaína,
         nitroglicerina sublingual
       • inalável, p. ex. inalação de anestésicos.
• Classificação
VIAS DE ADMINISTRAÇÃO
VIAS DE ADMINISTRAÇÃO
• Algumas vias de administração podem ser usadas tanto para
  propósitos tópicos quanto sistêmicos, dependendo das circunstâncias.
• Por exemplo, a inalação de drogas para asma visa agir sobre as vias
  aéreas (efeito tópico), enquanto que a mesma inalação, porém, de
  anestésicos voláteis visa agir sobre o cérebro (efeito sistêmico).
• Uma mesmo Fármaco pode produzir diferentes resultados
  dependendo da via de administração:
    – naloxona
        • um fármaco usado para reverter estado de coma e depressão respiratória nas
          intoxicações opiáceas (Via parenteral)
        • usado para tratar constipações sob terapia da dor com opiáceos (Via Oral)
ABSORÇÃO E DISTRIBUIÇÃO


• A menos que uma droga atue topicamente ou seja, no seu próprio
  local de aplicação, ela deve inicialmente penetrar no sangue para
  depois ser distribuída para o seu local de ação.
• A mera presença da droga no sangue, contudo, não provoca uma
  resposta farmacológica; para que seja eficaz, a droga deve deixar o
  espaço vascular e penetrar nos espaços intracelulares e/ou
  extracelulares.
• A absorção envolve a passagem da droga de seu local de
  administração para o sangue e a distribuição envolve o transporte da
  droga para os tecidos
VIAS DE ADMINISTRAÇÃO
     •   A concentração plasmática do fármaco varia com o tempo e depende
         da dose administrada e da via de administração;
     •   A biodisponibilidade varia conforme a via de administração




Biodisponibilidade:
  fração da dose
 administrada que
atinge a circulação
    sistêmica.
MEDICAMENTOS – DA FORMA AO LOCAL DE AÇÃO
O tratamento por medicamentos implica a introdução de uma substância no corpo (administração), para que chegue até a corrente sanguínea (absorção)
e seja transportada até onde é necessária (distribuição). A substância deixa o corpo (eliminação) pela urina ou pela conversão em outra substância.
TRATO GASTROINTESTINAL
VIA ORAL
•   É a administração de medicamentos pela boca
•   Os medicamentos administrados por via oral são absorvidos pelo trato gastrointestinal(TGI).
•   O estômago é revestido por uma membrana espessa, coberta de muco, com pequena área de superfície e alta
    resistência elétrica.
•   O epitélio do intestino possui uma área de superfície extremamente grande - ele é fino, tem baixa resistência
    elétrica e sua principal função é facilitar a absorção de nutrientes.
•   A forma não-ionizada de uma droga será absorvida mais rapidamente do que a forma ionizada em qualquer
    lugar do TGI.
•   No entanto, a velocidade de absorção de um fármaco no intestino será maior do que a no estômago mesmo
    quando o fármaco estiver predominantemente ionizado no intestino e em grande parte não-ionizado no
    estômago.
VIA ORAL
• Vantagens
   •   Facilidade de Administração
   •   Via de administração mais comum
   •   Distribuição do fármaco é lenta, evita-se a ocorrência de
       níveis sanguíneos elevados de uma forma rápida.
   •   Menor probabilidade de efeitos adversos
   •   Possibilidade do uso de lavagem gástrica, em caso de
       intoxicação.
VIA ORAL
• Desvantagens                                     Metabolismo pré-sistêmica (1ª passagem)
   •    Variação da taxa de absorção              – Parte do fármaco administrado por via oral é
         – motilidade gastrointestinal               absorvido no TGI, mas não chega a circulação
         – fluxo sanguíneo esplênico                 sistêmica porque é metabolizado (inativado)
         – tamanho das partículas e formulação       ao passar primeiro pelo fígado.
         – fatores físico-químicos
   •    Efeito de primeira passagem
   •    Irritação da mucosa gástrica

• Contra-indicação:
   •    náuseas e vômitos
   •    diarreias
   •    pacientes com dificuldades para engolir
VIA ORAL
VIA ORAL
• Medicamentos que devem ser tomados com o estômago vazio:
    – Necessitam do ambiente mais ácido do estômago para poderem ser absorvidos
    – Norfloxacino, Captopril, Omeprazol, Cefalexina, Cefadroxila, Azitromicina,
      Doxiciclina, Loratadina, Sulfato ferroso, Rifampicina, Ciprofloxacino (pode ser
      tomado com refeições leves, desde que não contenham leite e derivados)
    – Estômago vazio é considerado quando se está em jejum, ou 1 hora antes ou 2
      depois das refeições.
• Medicamentos que devem ser tomados com alimentos (estômago cheio):
    – Cetoconazol, Itraconazol, Hidralazina, Pentoxifilina, Predinisona, Valproato  de
      sódio, Carbamazepina
• Medicamentos que podem ser tomados com o estômago cheio ou vazio:
    – Alopurinol, Amoxicilina, Amiodarona, Diclofenaco
VIA SUBLINGUAL
•   Os medicamentos são colocados debaixo da língua para serem
    absorvidos diretamente pelos pequenos vasos sanguíneos ali situados.
•   O medicamento difunde-se para a trama capilar e passa diretamente à
    circulação sistémica.
•   Produz efeitos terapêuticos em poucos minutos após administração
•   Não apresenta o efeito de primeira passagem.
•   A maioria dos medicamentos não pode ser administrada por essa via,
    porque a absorção é, em geral, incompleta e errática.
•   Vantagens:
    •   Ideal para fármacos que possuem instabilidade química.
    •   Elevada taxa metabólica (meia-vida curta),
    •   Permite Redução das Dosagens de ½ a 1/4 (dosagem confiável, redução de
        custos);
    •   Ideal para fármacos de emergência (isordil), hormônios sexuais esteróides.
    •   Não sofre efeito de primeira passagem
VIA SUBLINGUAL
• Desvantagens
   – Poucas drogas são adequadamente absorvidas
   – Paciente não deve deglutir
   – Sabor desagradável
   – Pequenas doses
   – Somente para farmacos lipossolúvel e possuir elevada potência
VIA SUBLINGUAL

• Mecanismo de Absorção

                MUCOSA




                   A              B               C
                  PASSAGEM       PASSAGEM        TRANSPORTE POR
                  PARA-CELULAR   TRANS-CELULAR   RECEPTORES
VIA ORAL X VIA SUBLINGUAL
VIA CUTÂNEA
• A pele (cútis ou tez), em anatomia, é o órgão integrante do sistema tegumentar (junto ao
  cabelo e pêlos, unhas, glândulas sudoríparas e sebáceas), que tem por principais funções
  a proteção dos tecidos subjacentes, regulação da temperatura somática, reserva de
  nutrientes e ainda conter terminações nervosas sensitivas.
• A pele é o revestimento externo do corpo, considerado o maior órgão do corpo humano e
  o mais pesado.
• Compõe-se da pele propriamente dita e da tela subcutânea.
• A pele apresenta três camadas: a epiderme, a derme e o hipoderme subcutâneo
  (tecnicamente externo à pele, mas relacionado funcionalmente).
• Há ainda vários órgãos anexos, como folículos pilosos, glândulas sudoríparas e sebáceas.
• A pele é praticamente idêntica em todos os grupos étnicos humanos.
• Nos indivíduos de pele escura, os melanócitos produzem mais melanina que naqueles de
  pele clara, porém o seu número é semelhante.
• A pele é responsável pela termorregulação, pela defesa, pela percepção e pela proteção.
VIA CUTÂNEA
VIA CUTÂNEA
• É a aplicação de medicamentos na pele
• A pele apresenta efetiva barreira a passagem de substâncias.
• No entanto medicamentos podem ser administrados por via cutânea para
  obtenção fundamentalmente de efeitos tópicos (local).
• Sob certas circunstâncias produzem efeitos sistêmicos, terapêuticos ou
  tóxicos (Transdérmica).
• A absorção depende de área de exposição, difusão do fármaco na derme
  (alta lipossolibilidade), temperatura e estado de hidratação da pele.
• As formas farmacêuticas comumente empregadas:
    – Soluções, cremes, pomadas, óleos, loções, unguentos, geleias
    – Adesivos transdérmicos, esses destinados á absorção transcutânea para obtenção de
      efeitos sistêmicos.
VIA CUTÂNEA
• Vantagens:
   – Minimiza a ocorrência de efeitos adversos sistêmicos (Uso Tópico)
   – Evita o efeito de primeira passagem
• Desvantagens:
   – Absorção pobre e errática
   – Irritação local e alergias
   – Fotossensibilidade
VIA CUTÂNEA
• Via Transdérmica (Uso Sistêmico)
   – Alguns medicamentos podem ser administrados pela aplicação de um emplastro à
     pele.
   – Essas substâncias, às vezes misturadas a um agente químico que facilita a
     penetração cutânea, atravessam a pele e chegam à corrente sanguínea.
   – A via transdérmica permite que o medicamento seja fornecido de forma lenta e
     contínua, durante muitas horas ou dias, ou mesmo por mais tempo.
   – Além disso, a via transdérmica fica limitada pela velocidade com que a substância
     pode atravessar a pele.
   – Apenas medicamentos que devem ser administrados em doses diárias relativamente
     pequenas podem ser dados por via transdérmica.
   – Alguns exemplos são: nitroglicerina (para angina), escopolamina (contra o enjôo de
     viagem), nicotina (para a cessação do fumo), clonidina (contra a hipertensão) e
     fentanil (para o alívio da dor).
VIA RETAL
• É a introdução de medicamento no reto, em forma de
  supositórios ou clister medicamentoso.
• Empregada para administração de ação local ou
  sistêmica
• O revestimento fino do reto e a irrigação sanguínea
  abundante permitem uma absorção rápida do fármaco.
    • 50% do fluxo venoso retal tem acesso à circulação porta.

• Vantagens:
    • Pode ser usada quando o paciente não podem ingerir medicamento “per os”
    • Boa opção para uso pediátirco
    • Parte do medicamento não sofre efeito de primeira passagem
    • Não produz irritação gástrica
VIA RETAL
• Desvantagens:
   – Absorção errática e irregular
   – Pode irritar a mucosa anal
   – Pode desencadear o reflexo de defecação
   – Muitos pacientes tem aversão por esta via
VIA VAGINAL
• É a introdução de medicamentos no canal vaginal
• Medicamentos:
    – Preparações higiênicas femininas
    – Contraceptivos
    – Drogas para induzir trabalho de parto
APARELHO GENITURINÁRIO FEMININO
VIA URETRAL
VIA URETRAL
• Infecção Urinária
VIA NASAL
• Vantagens:
   – Para efeitos locais, minimiza a ocorrência de efeitos
     adversos
   – Evita o efeito de primeira passagem
   – Absorção relativamente rápida para algumas
     drogas
• Desvantagens:
   – Absorção pobre e errática
   – Irritação local e alergias
HIGIENIZAÇÃO DAS NARINAS
• O hábito traz tantas vantagens à saúde que deveria ser uma regra tão comum quanto escovar os
  dentes todos os dias.
• Lavar o nariz com soro fisiológico não só ajuda a limpá-lo de impurezas e secreção como combate
  mal-estar e doenças de ouvido ou garganta.
• Mistura caseira
     – Em um litro de água adicionar, aproximadamente, uma colher de chá de sal e ferver.
• Benefícios
     – Mais conforto em dias de tempo seco
     – Diminuição de crises de asma, bonquite e outras alergias
     – Prevenção de amidalite e faringite
     – Combate à otite
     – Alívio de mal-estar e dores de cabeça
     –  Corpo mais protegido da poluição
           • Para reduzir os danos da poluição, lavar o nariz pelo menos duas vezes por dia: ao acordar e ao dormir
     – Resultados melhores do que apenas assoar o nariz
VIA INALATÓRIA
• Algumas substâncias, como os gases utilizados em anestesia e os medicamentos contra a
  asma em recipientes aerossóis de dose medida, são inaladas.
• Essas substâncias transitam através das vias respiratórias diretamente até os pulmões,
  onde são absorvidas pela circulação sanguínea.
• Um número pequeno de medicamentos é administrado por essa via, porque a inalação
  precisa ser cuidadosamente monitorada para garantir que o paciente receba a
  quantidade certa do medicamento dentro de determinado período.
• Os sistemas de dose medida são úteis para os medicamentos que atuam diretamente nos
  canais condutores do ar até os pulmões.
• Considerando que a absorção até a corrente sanguínea é muito variável no caso da
  inalação por aerossol, raramente esse método é utilizado na administração de
  medicamentos que atuem em outros tecidos ou órgãos além dos pulmões.
• NEBULIZAÇÃO
     – Método utilizado para administração de fármacos ou fluidificação de secreções
       respiratórias. Utiliza um mecanismo vaporizador através do qual se favorece a
       penetração de água ou medicamentos na atmosfera bronquial.
VIA INALATÓRIA
• Via Pulmonar/Alveolar
  – Boa absorção alveolar:
      • membranas biológicas de fácil travessia
      • grande superfície de absorção
      • rica vascularização sanguínea
VIA INALATÓRIA
VIA AURICULAR
• É a introdução de medicamento no canal auditivo
• A medicação deve ser administrada à temperatura ambiente.
    – Se estiver na geladeira, retirar e aguardar o tempo necessário
VIA OFTÁLMICA/OCULAR/CONJUNTIVAL
• Uso Tópico/Efeitos locais
     – A absorção sistêmica pelo canal nasolacrimal geralmente é indesejável
• Só é empregada para um número restrito de fármacos
• Implantes: liberação lenta e contínua
• Medicamentos:
     – Mióticos e midriáticos ,Anestésicos locais, Antinfecciosos, Anti-inflamatórios
• Vantagens:
     – Absorção mínima
     – Minimiza a ocorrência de efeitos adversos
     – Evita o efeito de primeira passagem
• Desvantagens:
     – Irritação local e alergia
     – Risco de catarata
     – Absorção pobre e errática
VIA OFTÁLMICA/OCULAR/CONJUNTIVAL
  – Efeitos locais.
  – A absorção sistêmica pelo canal nasolacrimal geralmente é indesejável.
  – Absorção via córnea: evita-se efeitos sistêmicos.
  – Implantes: liberação lenta e contínua.
A via parenteral direta será vista junto
                             com a aplicação de injetáveis
VIAS DE ADMINISTRAÇÃO
• Vantagens e desvantagens
FORMAS FARMACÊUTICAS X VIAS DE
ADMINISTRAÇÃO
ia Oral
    – Sólidos Orais: Comprimidos , Cápsulas, Pós, Granulados (efervescentes, de Chocolate)
    – Líquidos Orais: Soluções, Xaropes, Suspensões, Magmas, Géis, Emulsões


ia Sublingual
    – Sólidos: Comprimidos, Pastilhas
    – Líquidos: Soluções, Sprays


ia Cutânea - Transdérmica:
    – Semi-sólidos: Cremes, Géis
    – Especiais: Adesivos Transdérmicos (Discos , patches)


ia Cutânea – Epidérmica:
VIAS DE ADMINISTRAÇÃO X FORMAS
FARMACÊUTICAS

ia Oftálmica, Conjuntival
     – Semi-sólidas: Pomadas
     – Líquidas: Soluções


ia Auricular
     – Líquidas: Soluções


ia Nasal
     – Líquidas: Soluções
     – Semi-sólidas: Pomadas
     – Especiais: Sprays
FORMAS FARMACÊUTICAS X VIAS DE
ADMINISTRAÇÃO
ia Vaginal
   – Sólidos: Óvulos, Comprimidos vaginais, Cápsulas vaginais
   – Semi-sólidas: Cremes, Pomadas, Gel (Pomada geléia)
   – Soluções


ia Uretral
   – Líquidas: Soluções
   – Sólidas: Velas

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
Renato Santos
 
Apresentação administração de medicamentos (1)
Apresentação administração de medicamentos (1)Apresentação administração de medicamentos (1)
Apresentação administração de medicamentos (1)
ANDRESSA POUBEL
 
Calculo de medicamentos
Calculo de medicamentosCalculo de medicamentos
Calculo de medicamentos
Viviane Campos
 
Aula 7 posições cirúrgicas
Aula 7 posições cirúrgicasAula 7 posições cirúrgicas
Aula 7 posições cirúrgicas
Marci Oliveira
 
Aula biossegurança
Aula biossegurançaAula biossegurança
Aula biossegurança
Renatbar
 
Farmacologia farmacocinética
Farmacologia farmacocinéticaFarmacologia farmacocinética
Farmacologia farmacocinética
Leonardo Souza
 

Mais procurados (20)

Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
 
Introdução à Farmacologia
Introdução à FarmacologiaIntrodução à Farmacologia
Introdução à Farmacologia
 
Punção venosa.
Punção venosa.Punção venosa.
Punção venosa.
 
Administração medicamentos: regras gerais e tipos de seringas
Administração medicamentos: regras gerais e tipos de seringas Administração medicamentos: regras gerais e tipos de seringas
Administração medicamentos: regras gerais e tipos de seringas
 
Aula 1 (1)
Aula 1 (1)Aula 1 (1)
Aula 1 (1)
 
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
 
Apresentação administração de medicamentos (1)
Apresentação administração de medicamentos (1)Apresentação administração de medicamentos (1)
Apresentação administração de medicamentos (1)
 
Educação Permanente em Enfermagem
Educação Permanente em EnfermagemEducação Permanente em Enfermagem
Educação Permanente em Enfermagem
 
Formas farmacêuticas
Formas farmacêuticasFormas farmacêuticas
Formas farmacêuticas
 
7ª aula classes de medicamentos
7ª aula   classes de medicamentos7ª aula   classes de medicamentos
7ª aula classes de medicamentos
 
Calculo de medicamentos
Calculo de medicamentosCalculo de medicamentos
Calculo de medicamentos
 
Aula 7 posições cirúrgicas
Aula 7 posições cirúrgicasAula 7 posições cirúrgicas
Aula 7 posições cirúrgicas
 
INTERAÇ
INTERAÇINTERAÇ
INTERAÇ
 
Aula biossegurança
Aula biossegurançaAula biossegurança
Aula biossegurança
 
Bases da farmacologia
Bases da farmacologiaBases da farmacologia
Bases da farmacologia
 
Farmacologia aula-1
Farmacologia aula-1Farmacologia aula-1
Farmacologia aula-1
 
Noções de farmacologia
Noções de farmacologiaNoções de farmacologia
Noções de farmacologia
 
Farmacodinâmica
FarmacodinâmicaFarmacodinâmica
Farmacodinâmica
 
Cálculos para administração de medicamentos
Cálculos para administração de medicamentosCálculos para administração de medicamentos
Cálculos para administração de medicamentos
 
Farmacologia farmacocinética
Farmacologia farmacocinéticaFarmacologia farmacocinética
Farmacologia farmacocinética
 

Destaque

Administração de medicamentos em enfermagem
Administração de medicamentos em enfermagemAdministração de medicamentos em enfermagem
Administração de medicamentos em enfermagem
Marcio Pinto da Silva
 
Admnistração de medicamentos via parenteral
Admnistração de medicamentos   via parenteralAdmnistração de medicamentos   via parenteral
Admnistração de medicamentos via parenteral
willian cesar
 
Administração de Medicamentos
Administração de MedicamentosAdministração de Medicamentos
Administração de Medicamentos
Fabricio Lopes
 
Candidíase
CandidíaseCandidíase
Candidíase
9aGrupo7
 

Destaque (20)

Administração de medicamentos em enfermagem
Administração de medicamentos em enfermagemAdministração de medicamentos em enfermagem
Administração de medicamentos em enfermagem
 
Administração de medicamentos por via parenteral
Administração de medicamentos por via parenteralAdministração de medicamentos por via parenteral
Administração de medicamentos por via parenteral
 
Administração medicamenos via vaginal
Administração medicamenos via vaginalAdministração medicamenos via vaginal
Administração medicamenos via vaginal
 
Vias de administração de medicamentos
Vias de administração de medicamentosVias de administração de medicamentos
Vias de administração de medicamentos
 
Controle de microrganismos por agentes in vivo
Controle de microrganismos por agentes in vivoControle de microrganismos por agentes in vivo
Controle de microrganismos por agentes in vivo
 
11. antivirais 27 e 28 mai
11. antivirais 27 e 28 mai11. antivirais 27 e 28 mai
11. antivirais 27 e 28 mai
 
Admnistração de medicamentos via parenteral
Admnistração de medicamentos   via parenteralAdmnistração de medicamentos   via parenteral
Admnistração de medicamentos via parenteral
 
Antivirais
AntiviraisAntivirais
Antivirais
 
Calculo de medicação_2
Calculo de medicação_2Calculo de medicação_2
Calculo de medicação_2
 
Trabalho de onicomicose
Trabalho de onicomicoseTrabalho de onicomicose
Trabalho de onicomicose
 
Leucorrea
LeucorreaLeucorrea
Leucorrea
 
Lista de Medicamentos Genéricos e suas Referências
Lista de Medicamentos Genéricos e suas ReferênciasLista de Medicamentos Genéricos e suas Referências
Lista de Medicamentos Genéricos e suas Referências
 
Administração de Medicamentos
Administração de MedicamentosAdministração de Medicamentos
Administração de Medicamentos
 
Calculo de medicação
Calculo de medicaçãoCalculo de medicação
Calculo de medicação
 
ONICOMICOSE (OM)
ONICOMICOSE (OM)ONICOMICOSE (OM)
ONICOMICOSE (OM)
 
Farmacologia
FarmacologiaFarmacologia
Farmacologia
 
Treinamento Vendedor
Treinamento VendedorTreinamento Vendedor
Treinamento Vendedor
 
Via respiratoria
Via respiratoriaVia respiratoria
Via respiratoria
 
Candidíase
CandidíaseCandidíase
Candidíase
 
Antibióticos e Quimioterápicos
Antibióticos e QuimioterápicosAntibióticos e Quimioterápicos
Antibióticos e Quimioterápicos
 

Semelhante a 5ª aula vias de administração

aula vias de administração.pptx
aula vias de administração.pptxaula vias de administração.pptx
aula vias de administração.pptx
LarissaMachado97
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ
 

Semelhante a 5ª aula vias de administração (20)

aula vias de administração.pptx
aula vias de administração.pptxaula vias de administração.pptx
aula vias de administração.pptx
 
AULA 1 FARMACOLOGIA .pdf
AULA 1 FARMACOLOGIA .pdfAULA 1 FARMACOLOGIA .pdf
AULA 1 FARMACOLOGIA .pdf
 
Resumo np1
Resumo np1Resumo np1
Resumo np1
 
prodPrincípios básicos em farmacologia
prodPrincípios básicos em farmacologiaprodPrincípios básicos em farmacologia
prodPrincípios básicos em farmacologia
 
aula 2 farmacologia – Farmacocinética.ppt
aula 2 farmacologia – Farmacocinética.pptaula 2 farmacologia – Farmacocinética.ppt
aula 2 farmacologia – Farmacocinética.ppt
 
FARMACOCINETICA E MECANISMO MOLECULAR DE AÇAO DOS FARMACOS.pdf
FARMACOCINETICA E MECANISMO MOLECULAR DE AÇAO DOS FARMACOS.pdfFARMACOCINETICA E MECANISMO MOLECULAR DE AÇAO DOS FARMACOS.pdf
FARMACOCINETICA E MECANISMO MOLECULAR DE AÇAO DOS FARMACOS.pdf
 
TRABALHO PESQUISA DOS TIPOS DE VIAS ADM MED
TRABALHO PESQUISA DOS TIPOS DE VIAS ADM MEDTRABALHO PESQUISA DOS TIPOS DE VIAS ADM MED
TRABALHO PESQUISA DOS TIPOS DE VIAS ADM MED
 
Farmacocinetica aula 18.09.21
Farmacocinetica aula 18.09.21Farmacocinetica aula 18.09.21
Farmacocinetica aula 18.09.21
 
Aula 04 farmacologia - prof. clara mota
Aula 04   farmacologia - prof. clara motaAula 04   farmacologia - prof. clara mota
Aula 04 farmacologia - prof. clara mota
 
FARMACONIÉTICA.pptx
FARMACONIÉTICA.pptxFARMACONIÉTICA.pptx
FARMACONIÉTICA.pptx
 
2364091 farmacologia
2364091 farmacologia2364091 farmacologia
2364091 farmacologia
 
NOCOES DE FARMACOLOGIA 5.pptx
NOCOES DE FARMACOLOGIA 5.pptxNOCOES DE FARMACOLOGIA 5.pptx
NOCOES DE FARMACOLOGIA 5.pptx
 
slide-farmacologia.pptx
slide-farmacologia.pptxslide-farmacologia.pptx
slide-farmacologia.pptx
 
Aula - Farmacologia básica - Adsorção
Aula - Farmacologia básica - AdsorçãoAula - Farmacologia básica - Adsorção
Aula - Farmacologia básica - Adsorção
 
CLASSIFICAÇÃO DAS FORMAS FARMACÊUTICAS.ppt
CLASSIFICAÇÃO DAS FORMAS FARMACÊUTICAS.pptCLASSIFICAÇÃO DAS FORMAS FARMACÊUTICAS.ppt
CLASSIFICAÇÃO DAS FORMAS FARMACÊUTICAS.ppt
 
Apostila de farmacologia 1
Apostila de farmacologia 1Apostila de farmacologia 1
Apostila de farmacologia 1
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
 
Básico de farmacologia
Básico de farmacologiaBásico de farmacologia
Básico de farmacologia
 
Farmacologia introdução e desenvolvimento
Farmacologia introdução e desenvolvimentoFarmacologia introdução e desenvolvimento
Farmacologia introdução e desenvolvimento
 
Vias de administração e formas farmacêuticas.pptx
Vias de administração e formas farmacêuticas.pptxVias de administração e formas farmacêuticas.pptx
Vias de administração e formas farmacêuticas.pptx
 

5ª aula vias de administração

  • 1. VIAS DE ADMINISTRAÇÃO MEDICAMENTOS Curso de Atendente de Farmácia, Drogaria e Consultório Médico Centrus Cursos|Profº Cláudio Luís Venturini
  • 2. FARMACOLOGIA • É a ciência que estuda como as substâncias químicas interagem com os sistemas biológicos. • A farmacologia estuda os processos e a interação dos fármacos com o homem e com os animais. • A farmacologia é, atualmente, o alicerce do cotidiano dos profissionais de saúde envolvidos na prescrição e administração de medicamentos, bem como no acompanhamento de resultados terapêuticos nos pacientes.
  • 3. ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS • Via de Administração é o caminho pelo qual uma droga é colocada em contato com o organismo. • Os fármacos podem ser administrados por várias vias. – Podem ingerir-se (via oral) ou injetar numa veia (via endovenosa), num músculo (via intramuscular) ou por debaixo da pele (via subcutânea). – Podem colocar-se por debaixo da língua (via sublingual), introduzir no reto (via retal), instilar no olho (via ocular), vaporizar nas fossas nasais (via nasal) ou na boca (inalação), ou então aplicar na pele com efeito local (tópico) ou sistémico (transdérmico). • Estas vias de administração têm objetivos específicos, assim como vantagens e desvantagens. • A agência norte-americana FDA reconhece 111 tipos diferentes de vias de administração.
  • 4. VIAGEM FANTÁSTICA MEDICAMENTO É ABSORVIDO PRINCIPALMENTE NO INTESTINO • 1.Assim que você ingere um remédio pela boca —-ou "via oral", como dizem os médicos — ele desce pela faringe e atinge o esôfago. Beber um copo de água ou de leite junto ajuda a pílula a atravessar mais facilmente esses dois primeiros "canais". Ao final do esôfago, o remédio chega ao estômago • 2. No estômago, as enzimas digestivas começam a triturar a pílula engolida — a mesma função que executam quando você come algo. Se o medicamento não tiver uma cápsula protetora para conter as enzimas, parte do princípio ativo do remédio já será absorvida no estômago, entrando na corrente sanguínea • 3. Do estômago a pílula triturada "desce" para o intestino. É lá que ocorrerá a absorção da maior parte do princípio ativo, pois esse órgão é rodeado por muitos vasos sanguíneos. Como a maioria dos remédios são bem solúveis, os princípios ativos atravessam as membranas permeáveis do intestino e penetram nesses vasos • 4. Uma vez dentro de um vaso sanguíneo, o princípio ativo do remédio começa a circular pelas artérias e veias do organismo, que funcionam como grandes avenidas e pequenas ruas responsáveis por levar a substância química do remédio até o exato ponto onde ela precisa agir • 5. Em geral, o remédio que circula na corrente sanguínea só não penetra numa parte do corpo: o cérebro. Para preservar essa sensível região de danos colaterais, existe uma proteção fisiológica chamada barreira hematoencefálica. Ela impede a passagem da maioria das substâncias químicas para o líquor, o líquido que banha o sistema nervoso central • 6. O segredo do remédio é que ele só entra em ação quando seu princípio ativo interage com moléculas do corpo chamadas de receptores. Como cada órgão (coração, pulmão, fígado...) tem receptores específicos, o medicamento só age quando seu princípio ativo encontra moléculas que se "encaixem" perfeitamente com sua fórmula química http://mundoestranho.abril.com.br/materia/o-que-acontece-com-os-remedios-no-estomago
  • 5. LOCAIS DE ABSORÇÃO DE MEDICAMENTOS • Trato gastrintestinal – mucosa bucal – mucosa gástrica – mucosa do intestino delgado – mucosa retal • Trato respiratório – mucosa nasal – mucosa traqueal e brônquica – alvéolos pulmonares • Pele • Regiões subcutânea, intramuscular e endovenosa • Mucosa geniturinária – mucosa vaginal – mucosa uretral • Mucosa conjuntival
  • 6. CRITÉRIOS PARA ESCOLHA DA VIA • Quanto ao paciente – “Compliance” • Aquiescência é sinônimo de consentimento, assentimento e concordância – Patologias existentes – Nível de consciência – Impedimento físico de acesso • Quanto ao medicamento – Propriedades físico-químicas • Solubilidade ,Estabilidade em meio ácido, pKa – Propriedades organolépticas – Farmacocinética – Quanto ao efeito desejado • Sistêmico ou localizado • Latência • Duração
  • 7. VIAS DE ADMINISTRAÇÃO • Classificação
  • 8. • Classificação VIAS DE ADMINISTRAÇÃO
  • 9. • Classificação VIAS DE ADMINISTRAÇÃO
  • 10. VIAS DE ADMINISTRAÇÃO - TÓPICA • Via Tópica ou por Administração Epidérmica – Aplicação de substâncias ativas diretamente na pele ou mucosa, ou em áreas de superfície de feridas, com efeito local. Os princípios ativos penetram somente na epiderme. – A palavra tópica é derivado do grego antigo topos (plural: topoi), que significa "lugar" ou "local". – O uso é tópico porque é feito no lugar do corpo em que se manifesta o mal. – Tópico =>"uso na pele“ – Uso tópico - Diz-se dos medicamentos que têm ação em lugares determinados. – Somente ação local ou tópica – Uso Externo: Todo o medicamento que não é engolido. – Ação Local: Região onde o medicamento fará efeito, sem cair na corrente sangüínea.
  • 11. VIAS DE ADMINISTRAÇÃO - TÓPICA • Medicação tópica: – Age somente no local onde foi aplicada. – Aplicação nas superfícies corporais tais como a pele ou membranas mucosas , tais como a vagina, , ânus , garganta , olhos e ouvidos. – Medicação tópica pode também ser por inalação, tais como medicamentos para a asma , ou aplicado à superfície de outros tecidos do que a pele, tais como colírio aplicado à conjuntiva, gotas colocado na orelha, ou medicações aplicadas à superfície de um dente. – Muitas medicações tópicas são epicutânea, o que significa que eles são aplicados diretamente na pele – Medicações tópicas incluem unguentos, cremes, géis, óleos, loções, patches(adesivos), pomadas e outros produtos que você aplica a sua pele.
  • 12. VIAS DE ADMINISTRAÇÃO - ENTERAL • Enteral – Adj. - Dentro dos intestinos, ou mediante eles; entérico, intestinal. – Efeito sistêmico (não-local); recebe-se a substância via trato digestivo – pela boca (oralmente- “per os”); – pelo tubo gástrico, – pelo reto.
  • 13. VIAS DE ADMINISTRAÇÃO - PARENTERAL • Parenteral – PARA = ao lado de / ENTERAL = tubo digestivo – Adj. - Que se faz por outra via que não a digestiva (boca, reto, falando-se da ministração de um medicamento). – Efeito sistêmico; recebe-se a substância por outra forma que não pelo trato digestivo – Parenteral por injeção ou infusão – Parenteral (que não por injeção ou infusão) • transdérmica (difusão através da pele intacta), p. ex. emplastro de opióide transdérmico para terapia da dor • transmucosa (difusão através de uma membrana mucosa), p. ex. inalação de cocaína, nitroglicerina sublingual • inalável, p. ex. inalação de anestésicos.
  • 14. • Classificação VIAS DE ADMINISTRAÇÃO
  • 15. VIAS DE ADMINISTRAÇÃO • Algumas vias de administração podem ser usadas tanto para propósitos tópicos quanto sistêmicos, dependendo das circunstâncias. • Por exemplo, a inalação de drogas para asma visa agir sobre as vias aéreas (efeito tópico), enquanto que a mesma inalação, porém, de anestésicos voláteis visa agir sobre o cérebro (efeito sistêmico). • Uma mesmo Fármaco pode produzir diferentes resultados dependendo da via de administração: – naloxona • um fármaco usado para reverter estado de coma e depressão respiratória nas intoxicações opiáceas (Via parenteral) • usado para tratar constipações sob terapia da dor com opiáceos (Via Oral)
  • 16. ABSORÇÃO E DISTRIBUIÇÃO • A menos que uma droga atue topicamente ou seja, no seu próprio local de aplicação, ela deve inicialmente penetrar no sangue para depois ser distribuída para o seu local de ação. • A mera presença da droga no sangue, contudo, não provoca uma resposta farmacológica; para que seja eficaz, a droga deve deixar o espaço vascular e penetrar nos espaços intracelulares e/ou extracelulares. • A absorção envolve a passagem da droga de seu local de administração para o sangue e a distribuição envolve o transporte da droga para os tecidos
  • 17. VIAS DE ADMINISTRAÇÃO • A concentração plasmática do fármaco varia com o tempo e depende da dose administrada e da via de administração; • A biodisponibilidade varia conforme a via de administração Biodisponibilidade: fração da dose administrada que atinge a circulação sistêmica.
  • 18. MEDICAMENTOS – DA FORMA AO LOCAL DE AÇÃO O tratamento por medicamentos implica a introdução de uma substância no corpo (administração), para que chegue até a corrente sanguínea (absorção) e seja transportada até onde é necessária (distribuição). A substância deixa o corpo (eliminação) pela urina ou pela conversão em outra substância.
  • 20. VIA ORAL • É a administração de medicamentos pela boca • Os medicamentos administrados por via oral são absorvidos pelo trato gastrointestinal(TGI). • O estômago é revestido por uma membrana espessa, coberta de muco, com pequena área de superfície e alta resistência elétrica. • O epitélio do intestino possui uma área de superfície extremamente grande - ele é fino, tem baixa resistência elétrica e sua principal função é facilitar a absorção de nutrientes. • A forma não-ionizada de uma droga será absorvida mais rapidamente do que a forma ionizada em qualquer lugar do TGI. • No entanto, a velocidade de absorção de um fármaco no intestino será maior do que a no estômago mesmo quando o fármaco estiver predominantemente ionizado no intestino e em grande parte não-ionizado no estômago.
  • 21. VIA ORAL • Vantagens • Facilidade de Administração • Via de administração mais comum • Distribuição do fármaco é lenta, evita-se a ocorrência de níveis sanguíneos elevados de uma forma rápida. • Menor probabilidade de efeitos adversos • Possibilidade do uso de lavagem gástrica, em caso de intoxicação.
  • 22. VIA ORAL • Desvantagens  Metabolismo pré-sistêmica (1ª passagem) • Variação da taxa de absorção – Parte do fármaco administrado por via oral é – motilidade gastrointestinal absorvido no TGI, mas não chega a circulação – fluxo sanguíneo esplênico sistêmica porque é metabolizado (inativado) – tamanho das partículas e formulação ao passar primeiro pelo fígado. – fatores físico-químicos • Efeito de primeira passagem • Irritação da mucosa gástrica • Contra-indicação: • náuseas e vômitos • diarreias • pacientes com dificuldades para engolir
  • 24. VIA ORAL • Medicamentos que devem ser tomados com o estômago vazio: – Necessitam do ambiente mais ácido do estômago para poderem ser absorvidos – Norfloxacino, Captopril, Omeprazol, Cefalexina, Cefadroxila, Azitromicina, Doxiciclina, Loratadina, Sulfato ferroso, Rifampicina, Ciprofloxacino (pode ser tomado com refeições leves, desde que não contenham leite e derivados) – Estômago vazio é considerado quando se está em jejum, ou 1 hora antes ou 2 depois das refeições. • Medicamentos que devem ser tomados com alimentos (estômago cheio): – Cetoconazol, Itraconazol, Hidralazina, Pentoxifilina, Predinisona, Valproato  de sódio, Carbamazepina • Medicamentos que podem ser tomados com o estômago cheio ou vazio: – Alopurinol, Amoxicilina, Amiodarona, Diclofenaco
  • 25. VIA SUBLINGUAL • Os medicamentos são colocados debaixo da língua para serem absorvidos diretamente pelos pequenos vasos sanguíneos ali situados. • O medicamento difunde-se para a trama capilar e passa diretamente à circulação sistémica. • Produz efeitos terapêuticos em poucos minutos após administração • Não apresenta o efeito de primeira passagem. • A maioria dos medicamentos não pode ser administrada por essa via, porque a absorção é, em geral, incompleta e errática. • Vantagens: • Ideal para fármacos que possuem instabilidade química. • Elevada taxa metabólica (meia-vida curta), • Permite Redução das Dosagens de ½ a 1/4 (dosagem confiável, redução de custos); • Ideal para fármacos de emergência (isordil), hormônios sexuais esteróides. • Não sofre efeito de primeira passagem
  • 26. VIA SUBLINGUAL • Desvantagens – Poucas drogas são adequadamente absorvidas – Paciente não deve deglutir – Sabor desagradável – Pequenas doses – Somente para farmacos lipossolúvel e possuir elevada potência
  • 27. VIA SUBLINGUAL • Mecanismo de Absorção MUCOSA A B C PASSAGEM PASSAGEM TRANSPORTE POR PARA-CELULAR TRANS-CELULAR RECEPTORES
  • 28. VIA ORAL X VIA SUBLINGUAL
  • 29. VIA CUTÂNEA • A pele (cútis ou tez), em anatomia, é o órgão integrante do sistema tegumentar (junto ao cabelo e pêlos, unhas, glândulas sudoríparas e sebáceas), que tem por principais funções a proteção dos tecidos subjacentes, regulação da temperatura somática, reserva de nutrientes e ainda conter terminações nervosas sensitivas. • A pele é o revestimento externo do corpo, considerado o maior órgão do corpo humano e o mais pesado. • Compõe-se da pele propriamente dita e da tela subcutânea. • A pele apresenta três camadas: a epiderme, a derme e o hipoderme subcutâneo (tecnicamente externo à pele, mas relacionado funcionalmente). • Há ainda vários órgãos anexos, como folículos pilosos, glândulas sudoríparas e sebáceas. • A pele é praticamente idêntica em todos os grupos étnicos humanos. • Nos indivíduos de pele escura, os melanócitos produzem mais melanina que naqueles de pele clara, porém o seu número é semelhante. • A pele é responsável pela termorregulação, pela defesa, pela percepção e pela proteção.
  • 31. VIA CUTÂNEA • É a aplicação de medicamentos na pele • A pele apresenta efetiva barreira a passagem de substâncias. • No entanto medicamentos podem ser administrados por via cutânea para obtenção fundamentalmente de efeitos tópicos (local). • Sob certas circunstâncias produzem efeitos sistêmicos, terapêuticos ou tóxicos (Transdérmica). • A absorção depende de área de exposição, difusão do fármaco na derme (alta lipossolibilidade), temperatura e estado de hidratação da pele. • As formas farmacêuticas comumente empregadas: – Soluções, cremes, pomadas, óleos, loções, unguentos, geleias – Adesivos transdérmicos, esses destinados á absorção transcutânea para obtenção de efeitos sistêmicos.
  • 32. VIA CUTÂNEA • Vantagens: – Minimiza a ocorrência de efeitos adversos sistêmicos (Uso Tópico) – Evita o efeito de primeira passagem • Desvantagens: – Absorção pobre e errática – Irritação local e alergias – Fotossensibilidade
  • 33. VIA CUTÂNEA • Via Transdérmica (Uso Sistêmico) – Alguns medicamentos podem ser administrados pela aplicação de um emplastro à pele. – Essas substâncias, às vezes misturadas a um agente químico que facilita a penetração cutânea, atravessam a pele e chegam à corrente sanguínea. – A via transdérmica permite que o medicamento seja fornecido de forma lenta e contínua, durante muitas horas ou dias, ou mesmo por mais tempo. – Além disso, a via transdérmica fica limitada pela velocidade com que a substância pode atravessar a pele. – Apenas medicamentos que devem ser administrados em doses diárias relativamente pequenas podem ser dados por via transdérmica. – Alguns exemplos são: nitroglicerina (para angina), escopolamina (contra o enjôo de viagem), nicotina (para a cessação do fumo), clonidina (contra a hipertensão) e fentanil (para o alívio da dor).
  • 34. VIA RETAL • É a introdução de medicamento no reto, em forma de supositórios ou clister medicamentoso. • Empregada para administração de ação local ou sistêmica • O revestimento fino do reto e a irrigação sanguínea abundante permitem uma absorção rápida do fármaco. • 50% do fluxo venoso retal tem acesso à circulação porta. • Vantagens: • Pode ser usada quando o paciente não podem ingerir medicamento “per os” • Boa opção para uso pediátirco • Parte do medicamento não sofre efeito de primeira passagem • Não produz irritação gástrica
  • 35. VIA RETAL • Desvantagens: – Absorção errática e irregular – Pode irritar a mucosa anal – Pode desencadear o reflexo de defecação – Muitos pacientes tem aversão por esta via
  • 36. VIA VAGINAL • É a introdução de medicamentos no canal vaginal • Medicamentos: – Preparações higiênicas femininas – Contraceptivos – Drogas para induzir trabalho de parto
  • 40. VIA NASAL • Vantagens: – Para efeitos locais, minimiza a ocorrência de efeitos adversos – Evita o efeito de primeira passagem – Absorção relativamente rápida para algumas drogas • Desvantagens: – Absorção pobre e errática – Irritação local e alergias
  • 41. HIGIENIZAÇÃO DAS NARINAS • O hábito traz tantas vantagens à saúde que deveria ser uma regra tão comum quanto escovar os dentes todos os dias. • Lavar o nariz com soro fisiológico não só ajuda a limpá-lo de impurezas e secreção como combate mal-estar e doenças de ouvido ou garganta. • Mistura caseira – Em um litro de água adicionar, aproximadamente, uma colher de chá de sal e ferver. • Benefícios – Mais conforto em dias de tempo seco – Diminuição de crises de asma, bonquite e outras alergias – Prevenção de amidalite e faringite – Combate à otite – Alívio de mal-estar e dores de cabeça –  Corpo mais protegido da poluição • Para reduzir os danos da poluição, lavar o nariz pelo menos duas vezes por dia: ao acordar e ao dormir – Resultados melhores do que apenas assoar o nariz
  • 42. VIA INALATÓRIA • Algumas substâncias, como os gases utilizados em anestesia e os medicamentos contra a asma em recipientes aerossóis de dose medida, são inaladas. • Essas substâncias transitam através das vias respiratórias diretamente até os pulmões, onde são absorvidas pela circulação sanguínea. • Um número pequeno de medicamentos é administrado por essa via, porque a inalação precisa ser cuidadosamente monitorada para garantir que o paciente receba a quantidade certa do medicamento dentro de determinado período. • Os sistemas de dose medida são úteis para os medicamentos que atuam diretamente nos canais condutores do ar até os pulmões. • Considerando que a absorção até a corrente sanguínea é muito variável no caso da inalação por aerossol, raramente esse método é utilizado na administração de medicamentos que atuem em outros tecidos ou órgãos além dos pulmões. • NEBULIZAÇÃO – Método utilizado para administração de fármacos ou fluidificação de secreções respiratórias. Utiliza um mecanismo vaporizador através do qual se favorece a penetração de água ou medicamentos na atmosfera bronquial.
  • 43. VIA INALATÓRIA • Via Pulmonar/Alveolar – Boa absorção alveolar: • membranas biológicas de fácil travessia • grande superfície de absorção • rica vascularização sanguínea
  • 45. VIA AURICULAR • É a introdução de medicamento no canal auditivo • A medicação deve ser administrada à temperatura ambiente. – Se estiver na geladeira, retirar e aguardar o tempo necessário
  • 46. VIA OFTÁLMICA/OCULAR/CONJUNTIVAL • Uso Tópico/Efeitos locais – A absorção sistêmica pelo canal nasolacrimal geralmente é indesejável • Só é empregada para um número restrito de fármacos • Implantes: liberação lenta e contínua • Medicamentos: – Mióticos e midriáticos ,Anestésicos locais, Antinfecciosos, Anti-inflamatórios • Vantagens: – Absorção mínima – Minimiza a ocorrência de efeitos adversos – Evita o efeito de primeira passagem • Desvantagens: – Irritação local e alergia – Risco de catarata – Absorção pobre e errática
  • 47. VIA OFTÁLMICA/OCULAR/CONJUNTIVAL – Efeitos locais. – A absorção sistêmica pelo canal nasolacrimal geralmente é indesejável. – Absorção via córnea: evita-se efeitos sistêmicos. – Implantes: liberação lenta e contínua.
  • 48. A via parenteral direta será vista junto com a aplicação de injetáveis VIAS DE ADMINISTRAÇÃO • Vantagens e desvantagens
  • 49. FORMAS FARMACÊUTICAS X VIAS DE ADMINISTRAÇÃO ia Oral – Sólidos Orais: Comprimidos , Cápsulas, Pós, Granulados (efervescentes, de Chocolate) – Líquidos Orais: Soluções, Xaropes, Suspensões, Magmas, Géis, Emulsões ia Sublingual – Sólidos: Comprimidos, Pastilhas – Líquidos: Soluções, Sprays ia Cutânea - Transdérmica: – Semi-sólidos: Cremes, Géis – Especiais: Adesivos Transdérmicos (Discos , patches) ia Cutânea – Epidérmica:
  • 50. VIAS DE ADMINISTRAÇÃO X FORMAS FARMACÊUTICAS ia Oftálmica, Conjuntival – Semi-sólidas: Pomadas – Líquidas: Soluções ia Auricular – Líquidas: Soluções ia Nasal – Líquidas: Soluções – Semi-sólidas: Pomadas – Especiais: Sprays
  • 51. FORMAS FARMACÊUTICAS X VIAS DE ADMINISTRAÇÃO ia Vaginal – Sólidos: Óvulos, Comprimidos vaginais, Cápsulas vaginais – Semi-sólidas: Cremes, Pomadas, Gel (Pomada geléia) – Soluções ia Uretral – Líquidas: Soluções – Sólidas: Velas