SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 134
2º PERÍODO DE FISIOTERAPIA
Profº: OlavoValente
 Controla e coordena as funções de todos os
sistemas do organismo e ainda, recebendo
estímulos aplicados à superfície do copo
animal, é capaz de interpreta-los e
desencadear respostas adequadas a estes
estímulos
 Sistema Nervoso Central (SNC):
 Porção de recepção de estímulos, de comando e
desencadeadora de respostas.
 Sistema Nervoso Periférico (SNP):
 Vias que conduzem os estímulos ao SNC ou que
levam até os órgãos efetuadores.
 SNC: pode –se dizer que são as estruturas que
se localizam no esqueleto axial ( coluna
vertebral e crânio:
 Medula espinhal
 Encéfalo
 SNP:
 Nervos cranianos
 Nervos espinhais
 Gânglios e terminações nervosas
• Desenvolve-se da Placa Neural (Ectoderma Embrionário na 3 Semana)
• Notocorda e Mesoderma Induzem o Ectoderma
• Placa Neural Pregas e Crista Neural
• Tubo Neural SNC
• Crista Neural SNP, Meninges e componentes esqueléticos e musculares da
cabeça
• Formação do Tubo Neural Região do 4 ao 6 Par de somitos
• Fusão da pregas nas direções caudal e cranial com áreas abertas nas
extremidades Neuróporos rostral e caudal
MOORE, Keith. Embriologia Clínica. 5ª. Edição. Editora Guanabara, Rio de Janeiro, 2000.
1) Eventos Iniciais
a) Quarta Semana
-Tubo Neural ao quarto par de somitos
-Fusão das Pregas Neurais
-Fechamento no Neuróporo Rostral
-Formação das Vesículas Encefálicas Primárias:
• Anterior (Prosencéfalo)
• Médio (Mesencéfalo)
• Posterior (Rombencéfalo)
MOORE, Keith. Embriologia Clínica. 5ª. Edição. Editora Guanabara, Rio de Janeiro, 2000.
PERSAUD, Taylor. Embriologia Básica. 6ª. Edição. Editora Guanabara, Rio de Janeiro, 2001.
b) Quinta Semana
-Formação das Vesículas Encefálicas Secundárias
• Prosencéfalo – Telencéfalo e Diencéfalo
• Mesencéfalo – Mesencéfalo
• Rombencéfalo – Metencéfalo e Mielencéfalo
MOORE, Keith. Embriologia Clínica. 5ª. Edição. Editora Guanabara, Rio de Janeiro, 2000.
PERSAUD, Taylor. Embriologia Básica. 6ª. Edição. Editora Guanabara, Rio de Janeiro, 2001.
Quarta Semana Quinta Semana
Fonte: Embriologia del Sistema Nervioso. Disponível no http:www.medicosecuador em 02/07/2006 as 21 h.
 Vesículas primordiais:
 Tubo neural: apresentam 3 dilatações
denominadas vesículas primordiais:
▪ Prosencéfalo;
▪ Mesencéfalo;
▪ Rombencéfalo;
▪ Medula primitiva.
 Dentro do tubo existe cavidade
Desenvolvimento de Embriológico do Encéfalo
Tubo neural
Rombencéfalo Mesencéfalo Prosencéfalo
IIIIII
IaIbIIIIIaIIIb
Mielencéfalo Metencéfalo Mesencéfalo TelencéfaloDiencéfalo
PROSENCÉFALO
Diencéfalo Telencéfalo
MesencéfaloRombencéfalo
Medula
Cérebro
Tálamo
Hipotálamo
Hipófise
PonteBulbo
Cerebelo
 Telencéfalo e diencéfalo originam:
 Cérebro (hemisférios cerebrais).
 Mesencéfalo permanece com a mesma
denominação;
 Metencéfalo originam:
 Cerebelo e a Ponte
 Mielencéfalo origina:
 Bulbo
 O mesencéfalo, a Ponte e o Bulbo formam o
Tronco Encefálico.
 Líquido que circula nos ventrículos, de
composição pobre em proteínas.
 Função: proteger o SNC, agindo como
amortecedor de choques.
 Pode ser retirado para diagnósticos de várias
doenças.
 Produzidos em formações especiais chamadas
Plexo-corióide.
 Neurônios = unidade fundamental
 Células gliais = neuróglia= células que
ocupam lugar entre os nerônios
 Células nucleadas especiais;
 Morfologia complexa, mas quase todos
apresentam 3 componentes :
1. Dentritos: recebe estímulos do meio ambiente e
de outros neurônios;
2. Corpo celular: centro do tráfico dos impulsos
nervosos;
3. Axônio: condução dos impulsos nervoso.
Nódulo
de
Ranvier
Bainha
de
mielina
Núcleo
CORPO
CELULAR Bainha
de
mielina
AXÔNIO
DENDRITO
S
Célula de
Schwann
Axônio
TIPOS DE NEURÔNIOS
CORPO
CELULAR CORPO
CELULAR
DENDRITOS
Direção da
condução AXÔNIO
AXÔNIO
AXÔNIO
NEURÔNIO
SENSORIAL
NEURÔNIO
ASSOCIATIV
O
NEURÔNIO
MOTOR
 Comunicação entre neurônios e comunicação
com outras celulas não neuronais, como exemplo
as células musculares esqueléticos e cardíaco e
glândulas, controlando suas funções.
 Sinapse Elétrica:
 raras em vertebrados e exclusivamente
interneuronais;
 Membrana plasmática dos neurôniso entram em
contato (2-3 nm);
 Não são polarizadas, a comunicação se faz nos
dois sentidos.
 Maioria das sinapses interneuronais e todas
as sinapses efetuadoras.
 Depende da liberação de substâncias
químicas, denominadas neurotrasmissores;
 Entre os conhecidos estão:
 Acetilcolina;
 Glicina (aminoácido)
 Glutamato (aminoácido);
 Aspartato (aminoácido);
 Ácido gama-amino-butírico ou GABA (aminoácido);
 Dopamina
 Noradrenalina;
 Adrenalina;
 Histamina.
 Substância P (peptídeo);
 Opióides = mesmo grupo químico que a
morfina.
 Entre eles estão as endorfinas e encefalinas.
 Acreditava-se que cada neurônio sintetizava
apenas um neurotransmissor;
 São polarizadas;
 Apenas o elemento pré-sináptico possui o
neurotransmissor;
 Neurotrasmissores são armazenados em
vesículas especiais chamadas vesículas
sinápticas;
 Visíveis a microscopia eletrônica;
 Mais comuns:
 vesículas agranulares;
 vesículas granulares pequenas.
 Acreditava-se que as vesículas sinápticas
eram produzidas apenas no pericário e
levadas até a terminação axonal.
 Hoje sabe-se que podem ser produzidas nas
próprias terminações, por brotamento do
retículo endoplasmático agranular.
 Na maioria dessas sinapses uma terminação
axonal entra em contato com qualquer parte
de outro neurônio formando as seguinte
conexões:
 Sinapse axodendríticas;
 Sinapses axossomáticas;
 Sinapses axoaxônicas.
 Envolvem os axônios dos nervos periféricos e uma
célula efetuadora não neuronal.
 Quando existe a junção de um neurônio com uam
celula muscular esquelética chama-se Junção
neuroefetuadora somática.
 Quando existe junção entre um neurônio e celulas
musculares lisas, cardíacas ou glandulares tem-se
uma junção neuroefetuadora visceral.
 Neurotransmissor precisa ser retirado rapidamente
da fenda sináptica = impedir efeito prolongado.
 A remoção pode ser feita por ação enzimática:
 acetilcolina é hidrolisada pela enzima acetilcolinesterase
▪ acetilcolina degradada em acetato e colina.
▪ Colina é captada pela terminação nervosa colinérgica
 Tanto no SNC como no SNP os neurônios
relacionam-se com células coletivamente,
denominadas neuróglia, glia ou gliócitos.
 No sistema nervoso central, a neuróglia
compreende:
 astrócitos;
 oligodendrócitos;
 microgliócitos;
 células ependimárias.
 Macróglia:
 astrócitos e oligodendrócitos.
 Micróglia:
 microgliócitos
 Macróglia e micróglia colocam-se entre os
neurônios e possuem massa citoplasmática
distribuída em prolongamentos.
 Nome vem da forma semelhante a uma
estrela.
 São abundantes e caracterizados por
inúmeros prolongamentos.
 Reconhece-se dois tipos:
 astrócitos protoplasmáticos;
 astrócitos fibrosos.
 Tem a função de sustentação e isolamento dos
neurônios.
 Importantes para a função neuronal, uma vez que
participam do controle dos níveis de potássio
extraneuronal, captando esse íon e, assim, ajudando
na manutenção de sua baixa concentração
extracelular.
 Principal sítio de armazenamento de glicogênio no
SNC
 Em caso de degeneração axônica, adquirem
função fagocítica ao nível das sinapses.
 Menores que os astrócitos e possuem poucos
prolongamentos, que também podem formar
pés vasculares.
 Distinguem-se em dois tipos:
 oligodendrócito satélite;
 oligodendrócito fascicular = formam a bainha de
mielina nas fibras nervosas.
 Células pequenas e alongadas, com núcleo denso
também alongado de contorno irregular.
 Possuem poucos prolongamentos que partem de
suas extremidades.
 Possui função fagocítica.
 Obs: alguns autores acreditam que sejam celulas
poucos diferenciadas, capazes de transformar-se
em astrócitos ou oligodendrócitos.
 Função: funciona como um tipo de
macrófago, com funções de remoção, por
fagocitose, de células mortas, detritos e
microrganismos invasores.
 Em caso de injúria, aumentam a inflamação,
especialmente por novo aporte de
monócitos, vindos pela corrente sanguínea.
 Células Satélites ou anfícitos;
 Células de Schwann.
 Envolvem o pericário dos neurônios dos
neurônios dos gânglios sensitivos e do
sistema nervoso autônomo.
 Circundam os axônios, formando seus
envoltórios, quais sejam, a bainha de mielina
e o neurilema.
 Em caso de injúria, desempenham
importante papel na regeneração das fibras
nervosas, fornecendo substrato que permite
o apoio e o crescimento dos axônios em
regeneração.
 Além disso nessas condições apresentam
capacidade fagocítica e podem secretar
fatores tróficos para regeneração axônica.
 Uma fibra nervosa compreende um axônio e,
quando presentes, seus envoltórios de
origem glial. O principal envoltório das fibras
nervosas é a bainha de mielina, que funciona
como isolante elétrico.
 Quando envolvidos por bainha de mielina, os
axônios são denominados fibras mielínicas.
 Na ausência de mielina, denominam-se
fibras nervosas amielínicas.
 Ambos os tipos acontecem tanto no siatema
nervoso central como no periférico.
 No sistema nervoso central quem forma a
bainha de mielina são oligodendrócitos.
 No sistema nervoso periférico quem forma a
bainha de mielina são as células de Schwann.
 No sistema nervoso central distinguem-se
macroscopicamente, as áreas contendo
basicamente fibras nervosas mielínicas e
neuróglia daquelas onde se concentram os
corpos dos neurônios, fibras amielínicas,
além de neuróglia. Áreas denominadas
substância branca e substância cinzenta.
 No sistema nervoso central as fibras
nervosas se reúnem-se em feixes formando
os fascículos e tractos.
 Processo de formação da bainha de mielina
acontece na última parte do
desenvolvimento fetal e durante o primeiro
ano pós-natal
 Células são envolvidas por células de
Schwann porém não há formação de mielina.
 Conduzem o impulso nervoso mais
lentamente, pois a falta da mielina impede o
impulso saltatório.
 Logo após saírem do tronco encefálico,
medula espinhal e gânglios sensitivos, as
fibras nervosas motoras e sensitivas reúnem-
se em feixes que se associam a estruturas
conjuntivas (fibras de colágeno), constituindo
os nervos cranianos e espinhais.
Introdução Neuroanatomia
Introdução Neuroanatomia
Introdução Neuroanatomia
Introdução Neuroanatomia

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Neurofisiologia - organização do sistema nervoso - aula 1 capítulo 1
Neurofisiologia - organização do sistema nervoso - aula 1 capítulo 1Neurofisiologia - organização do sistema nervoso - aula 1 capítulo 1
Neurofisiologia - organização do sistema nervoso - aula 1 capítulo 1Cleanto Santos Vieira
 
Aula 06 sistema nervoso - anatomia e fisiologia
Aula 06   sistema nervoso - anatomia e fisiologiaAula 06   sistema nervoso - anatomia e fisiologia
Aula 06 sistema nervoso - anatomia e fisiologiaHamilton Nobrega
 
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso AutônomoAula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso AutônomoMauro Cunha Xavier Pinto
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervosoemanuel
 
Sistema nervoso - anatomia humana
Sistema nervoso - anatomia humanaSistema nervoso - anatomia humana
Sistema nervoso - anatomia humanaMarília Gomes
 
Aula 08 sistema sensorial - anatomia e fisiologia
Aula 08   sistema sensorial - anatomia e fisiologiaAula 08   sistema sensorial - anatomia e fisiologia
Aula 08 sistema sensorial - anatomia e fisiologiaHamilton Nobrega
 
Aula sistema-nervoso
Aula sistema-nervosoAula sistema-nervoso
Aula sistema-nervosopropazleite
 
FORMAÇÃO DO SISTEMA NERVOSO
FORMAÇÃO DO SISTEMA NERVOSO FORMAÇÃO DO SISTEMA NERVOSO
FORMAÇÃO DO SISTEMA NERVOSO Laiz Cristina
 

Mais procurados (20)

Neurofisiologia - organização do sistema nervoso - aula 1 capítulo 1
Neurofisiologia - organização do sistema nervoso - aula 1 capítulo 1Neurofisiologia - organização do sistema nervoso - aula 1 capítulo 1
Neurofisiologia - organização do sistema nervoso - aula 1 capítulo 1
 
Princípios de neuroanatomia
Princípios de neuroanatomiaPrincípios de neuroanatomia
Princípios de neuroanatomia
 
Neurotransmissores e receptores sensitivos
Neurotransmissores e receptores sensitivos Neurotransmissores e receptores sensitivos
Neurotransmissores e receptores sensitivos
 
Aula 06 sistema nervoso - anatomia e fisiologia
Aula 06   sistema nervoso - anatomia e fisiologiaAula 06   sistema nervoso - anatomia e fisiologia
Aula 06 sistema nervoso - anatomia e fisiologia
 
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso AutônomoAula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
 
Neuroanatomia
NeuroanatomiaNeuroanatomia
Neuroanatomia
 
Neurofisiologia 1
Neurofisiologia 1Neurofisiologia 1
Neurofisiologia 1
 
Sistema nervoso central
Sistema nervoso centralSistema nervoso central
Sistema nervoso central
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Sistema nervoso - anatomia humana
Sistema nervoso - anatomia humanaSistema nervoso - anatomia humana
Sistema nervoso - anatomia humana
 
Aula 08 sistema sensorial - anatomia e fisiologia
Aula 08   sistema sensorial - anatomia e fisiologiaAula 08   sistema sensorial - anatomia e fisiologia
Aula 08 sistema sensorial - anatomia e fisiologia
 
Neuroanatomia 20
Neuroanatomia 20Neuroanatomia 20
Neuroanatomia 20
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Sistema sensorial humano
Sistema sensorial humanoSistema sensorial humano
Sistema sensorial humano
 
Aula 03 sitema nervoso
Aula 03 sitema nervosoAula 03 sitema nervoso
Aula 03 sitema nervoso
 
Transmissao sinaptica
Transmissao sinapticaTransmissao sinaptica
Transmissao sinaptica
 
Princípios da neuropsicologia
Princípios da neuropsicologiaPrincípios da neuropsicologia
Princípios da neuropsicologia
 
Aula sistema-nervoso
Aula sistema-nervosoAula sistema-nervoso
Aula sistema-nervoso
 
Neuroplasticidade
NeuroplasticidadeNeuroplasticidade
Neuroplasticidade
 
FORMAÇÃO DO SISTEMA NERVOSO
FORMAÇÃO DO SISTEMA NERVOSO FORMAÇÃO DO SISTEMA NERVOSO
FORMAÇÃO DO SISTEMA NERVOSO
 

Semelhante a Introdução Neuroanatomia (20)

Filogenese do Sistema Nervoso
Filogenese do Sistema NervosoFilogenese do Sistema Nervoso
Filogenese do Sistema Nervoso
 
Estrutura..
Estrutura..Estrutura..
Estrutura..
 
Introdução a Neuroanatomia e Neurofisiologia
Introdução a Neuroanatomia e NeurofisiologiaIntrodução a Neuroanatomia e Neurofisiologia
Introdução a Neuroanatomia e Neurofisiologia
 
Histo II - Sist. Nervoso
Histo II - Sist. NervosoHisto II - Sist. Nervoso
Histo II - Sist. Nervoso
 
Anatomia do Sistema Nervoso Humano
Anatomia do Sistema Nervoso HumanoAnatomia do Sistema Nervoso Humano
Anatomia do Sistema Nervoso Humano
 
Célula nervosa pronto mesmo!
Célula nervosa pronto mesmo!Célula nervosa pronto mesmo!
Célula nervosa pronto mesmo!
 
4tecnervoso.pdf
4tecnervoso.pdf4tecnervoso.pdf
4tecnervoso.pdf
 
Introdução ao sistema nervoso.ppt
Introdução ao sistema nervoso.pptIntrodução ao sistema nervoso.ppt
Introdução ao sistema nervoso.ppt
 
CóPia De Snc NeurogêNese 2
CóPia De Snc NeurogêNese 2CóPia De Snc NeurogêNese 2
CóPia De Snc NeurogêNese 2
 
Tecido nervoso
Tecido nervosoTecido nervoso
Tecido nervoso
 
Fisiologia1 - SN
Fisiologia1 - SNFisiologia1 - SN
Fisiologia1 - SN
 
Neuroanatomia Inicial
Neuroanatomia Inicial Neuroanatomia Inicial
Neuroanatomia Inicial
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Sistema Nervoso
Sistema NervosoSistema Nervoso
Sistema Nervoso
 
06 sistema nervoso central-snc
06 sistema nervoso central-snc06 sistema nervoso central-snc
06 sistema nervoso central-snc
 
Tecido nervoso aula 2
Tecido nervoso   aula 2Tecido nervoso   aula 2
Tecido nervoso aula 2
 
04 EMBRIOLOGIA SN.ppt
04 EMBRIOLOGIA SN.ppt04 EMBRIOLOGIA SN.ppt
04 EMBRIOLOGIA SN.ppt
 
Desenvolvimento do sistema nervoso (1)
Desenvolvimento do sistema nervoso (1)Desenvolvimento do sistema nervoso (1)
Desenvolvimento do sistema nervoso (1)
 
Desenvolvimento do sistema nervoso
Desenvolvimento do sistema nervosoDesenvolvimento do sistema nervoso
Desenvolvimento do sistema nervoso
 

Mais de Olavo Valente

Vascularização arterial e venosa do sistema nervoso
Vascularização arterial e venosa do sistema nervosoVascularização arterial e venosa do sistema nervoso
Vascularização arterial e venosa do sistema nervosoOlavo Valente
 
áReas encefálicas relacionadas com a emoção
áReas encefálicas relacionadas com a emoçãoáReas encefálicas relacionadas com a emoção
áReas encefálicas relacionadas com a emoçãoOlavo Valente
 
Sistema Nervoso Autônomo
Sistema Nervoso AutônomoSistema Nervoso Autônomo
Sistema Nervoso AutônomoOlavo Valente
 
Nervos em geral – terminações nervosas – nervos espinhais
Nervos em geral – terminações nervosas – nervos espinhaisNervos em geral – terminações nervosas – nervos espinhais
Nervos em geral – terminações nervosas – nervos espinhaisOlavo Valente
 
Anatomia macroscópica dos hemisférios cerebrais
Anatomia macroscópica dos hemisférios cerebraisAnatomia macroscópica dos hemisférios cerebrais
Anatomia macroscópica dos hemisférios cerebraisOlavo Valente
 

Mais de Olavo Valente (10)

Cortex cerebral
Cortex cerebralCortex cerebral
Cortex cerebral
 
Vascularização arterial e venosa do sistema nervoso
Vascularização arterial e venosa do sistema nervosoVascularização arterial e venosa do sistema nervoso
Vascularização arterial e venosa do sistema nervoso
 
áReas encefálicas relacionadas com a emoção
áReas encefálicas relacionadas com a emoçãoáReas encefálicas relacionadas com a emoção
áReas encefálicas relacionadas com a emoção
 
Meninges
MeningesMeninges
Meninges
 
Sistema Nervoso Autônomo
Sistema Nervoso AutônomoSistema Nervoso Autônomo
Sistema Nervoso Autônomo
 
Nervos cranianos
Nervos cranianosNervos cranianos
Nervos cranianos
 
Nervos em geral – terminações nervosas – nervos espinhais
Nervos em geral – terminações nervosas – nervos espinhaisNervos em geral – terminações nervosas – nervos espinhais
Nervos em geral – terminações nervosas – nervos espinhais
 
Anatomia macroscópica dos hemisférios cerebrais
Anatomia macroscópica dos hemisférios cerebraisAnatomia macroscópica dos hemisférios cerebrais
Anatomia macroscópica dos hemisférios cerebrais
 
Tronco encefálico
Tronco encefálicoTronco encefálico
Tronco encefálico
 
Medula Espinhal
Medula EspinhalMedula Espinhal
Medula Espinhal
 

Último

Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdfCarinaSofiaDiasBoteq
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSPedroMatos469278
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................mariagrave
 
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!Centro Jacques Delors
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Pauloririg29454
 
Questões sobre o Mito da Caverna de Platão
Questões sobre o Mito da Caverna de PlatãoQuestões sobre o Mito da Caverna de Platão
Questões sobre o Mito da Caverna de PlatãoCelimaraTiski
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja Mary Alvarenga
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024azulassessoria9
 
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da provaESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da provaANNAPAULAAIRESDESOUZ
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfGisellySobral
 
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdfVIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdfbragamoysesaline
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024azulassessoria9
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfManuais Formação
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Centro Jacques Delors
 

Último (20)

Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Novena de Pentecostes com textos de São João Eudes
Novena de Pentecostes com textos de São João EudesNovena de Pentecostes com textos de São João Eudes
Novena de Pentecostes com textos de São João Eudes
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................
 
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
 
Questões sobre o Mito da Caverna de Platão
Questões sobre o Mito da Caverna de PlatãoQuestões sobre o Mito da Caverna de Platão
Questões sobre o Mito da Caverna de Platão
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da provaESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdfVIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
 

Introdução Neuroanatomia

  • 1. 2º PERÍODO DE FISIOTERAPIA
  • 3.  Controla e coordena as funções de todos os sistemas do organismo e ainda, recebendo estímulos aplicados à superfície do copo animal, é capaz de interpreta-los e desencadear respostas adequadas a estes estímulos
  • 4.  Sistema Nervoso Central (SNC):  Porção de recepção de estímulos, de comando e desencadeadora de respostas.  Sistema Nervoso Periférico (SNP):  Vias que conduzem os estímulos ao SNC ou que levam até os órgãos efetuadores.
  • 5.  SNC: pode –se dizer que são as estruturas que se localizam no esqueleto axial ( coluna vertebral e crânio:  Medula espinhal  Encéfalo  SNP:  Nervos cranianos  Nervos espinhais  Gânglios e terminações nervosas
  • 6.
  • 7. • Desenvolve-se da Placa Neural (Ectoderma Embrionário na 3 Semana) • Notocorda e Mesoderma Induzem o Ectoderma • Placa Neural Pregas e Crista Neural • Tubo Neural SNC • Crista Neural SNP, Meninges e componentes esqueléticos e musculares da cabeça • Formação do Tubo Neural Região do 4 ao 6 Par de somitos • Fusão da pregas nas direções caudal e cranial com áreas abertas nas extremidades Neuróporos rostral e caudal MOORE, Keith. Embriologia Clínica. 5ª. Edição. Editora Guanabara, Rio de Janeiro, 2000.
  • 8.
  • 9. 1) Eventos Iniciais a) Quarta Semana -Tubo Neural ao quarto par de somitos -Fusão das Pregas Neurais -Fechamento no Neuróporo Rostral -Formação das Vesículas Encefálicas Primárias: • Anterior (Prosencéfalo) • Médio (Mesencéfalo) • Posterior (Rombencéfalo) MOORE, Keith. Embriologia Clínica. 5ª. Edição. Editora Guanabara, Rio de Janeiro, 2000. PERSAUD, Taylor. Embriologia Básica. 6ª. Edição. Editora Guanabara, Rio de Janeiro, 2001.
  • 10. b) Quinta Semana -Formação das Vesículas Encefálicas Secundárias • Prosencéfalo – Telencéfalo e Diencéfalo • Mesencéfalo – Mesencéfalo • Rombencéfalo – Metencéfalo e Mielencéfalo MOORE, Keith. Embriologia Clínica. 5ª. Edição. Editora Guanabara, Rio de Janeiro, 2000. PERSAUD, Taylor. Embriologia Básica. 6ª. Edição. Editora Guanabara, Rio de Janeiro, 2001.
  • 11. Quarta Semana Quinta Semana Fonte: Embriologia del Sistema Nervioso. Disponível no http:www.medicosecuador em 02/07/2006 as 21 h.
  • 12.  Vesículas primordiais:  Tubo neural: apresentam 3 dilatações denominadas vesículas primordiais: ▪ Prosencéfalo; ▪ Mesencéfalo; ▪ Rombencéfalo; ▪ Medula primitiva.
  • 13.
  • 14.  Dentro do tubo existe cavidade
  • 15.
  • 16. Desenvolvimento de Embriológico do Encéfalo Tubo neural Rombencéfalo Mesencéfalo Prosencéfalo IIIIII IaIbIIIIIaIIIb Mielencéfalo Metencéfalo Mesencéfalo TelencéfaloDiencéfalo
  • 17.
  • 19.  Telencéfalo e diencéfalo originam:  Cérebro (hemisférios cerebrais).  Mesencéfalo permanece com a mesma denominação;  Metencéfalo originam:  Cerebelo e a Ponte  Mielencéfalo origina:  Bulbo
  • 20.
  • 21.
  • 22.  O mesencéfalo, a Ponte e o Bulbo formam o Tronco Encefálico.
  • 23.
  • 24.
  • 25.
  • 26.
  • 27.
  • 28.  Líquido que circula nos ventrículos, de composição pobre em proteínas.  Função: proteger o SNC, agindo como amortecedor de choques.  Pode ser retirado para diagnósticos de várias doenças.  Produzidos em formações especiais chamadas Plexo-corióide.
  • 29.
  • 30.
  • 31.
  • 32.
  • 33.
  • 34.  Neurônios = unidade fundamental  Células gliais = neuróglia= células que ocupam lugar entre os nerônios
  • 35.
  • 36.  Células nucleadas especiais;  Morfologia complexa, mas quase todos apresentam 3 componentes : 1. Dentritos: recebe estímulos do meio ambiente e de outros neurônios; 2. Corpo celular: centro do tráfico dos impulsos nervosos; 3. Axônio: condução dos impulsos nervoso.
  • 37.
  • 38.
  • 39.
  • 41. TIPOS DE NEURÔNIOS CORPO CELULAR CORPO CELULAR DENDRITOS Direção da condução AXÔNIO AXÔNIO AXÔNIO NEURÔNIO SENSORIAL NEURÔNIO ASSOCIATIV O NEURÔNIO MOTOR
  • 42.
  • 43.
  • 44.
  • 45.
  • 46.
  • 47.
  • 48.
  • 49.
  • 50.
  • 51.
  • 52.  Comunicação entre neurônios e comunicação com outras celulas não neuronais, como exemplo as células musculares esqueléticos e cardíaco e glândulas, controlando suas funções.
  • 53.  Sinapse Elétrica:  raras em vertebrados e exclusivamente interneuronais;  Membrana plasmática dos neurôniso entram em contato (2-3 nm);  Não são polarizadas, a comunicação se faz nos dois sentidos.
  • 54.
  • 55.  Maioria das sinapses interneuronais e todas as sinapses efetuadoras.  Depende da liberação de substâncias químicas, denominadas neurotrasmissores;
  • 56.
  • 57.
  • 58.  Entre os conhecidos estão:  Acetilcolina;  Glicina (aminoácido)  Glutamato (aminoácido);  Aspartato (aminoácido);  Ácido gama-amino-butírico ou GABA (aminoácido);  Dopamina  Noradrenalina;  Adrenalina;  Histamina.
  • 59.  Substância P (peptídeo);  Opióides = mesmo grupo químico que a morfina.  Entre eles estão as endorfinas e encefalinas.
  • 60.  Acreditava-se que cada neurônio sintetizava apenas um neurotransmissor;
  • 61.  São polarizadas;  Apenas o elemento pré-sináptico possui o neurotransmissor;  Neurotrasmissores são armazenados em vesículas especiais chamadas vesículas sinápticas;
  • 62.  Visíveis a microscopia eletrônica;  Mais comuns:  vesículas agranulares;  vesículas granulares pequenas.
  • 63.
  • 64.  Acreditava-se que as vesículas sinápticas eram produzidas apenas no pericário e levadas até a terminação axonal.  Hoje sabe-se que podem ser produzidas nas próprias terminações, por brotamento do retículo endoplasmático agranular.
  • 65.  Na maioria dessas sinapses uma terminação axonal entra em contato com qualquer parte de outro neurônio formando as seguinte conexões:  Sinapse axodendríticas;  Sinapses axossomáticas;  Sinapses axoaxônicas.
  • 66.
  • 67.
  • 68.
  • 69.
  • 70.  Envolvem os axônios dos nervos periféricos e uma célula efetuadora não neuronal.  Quando existe a junção de um neurônio com uam celula muscular esquelética chama-se Junção neuroefetuadora somática.  Quando existe junção entre um neurônio e celulas musculares lisas, cardíacas ou glandulares tem-se uma junção neuroefetuadora visceral.
  • 71.
  • 72.
  • 73.
  • 74.
  • 75.
  • 76.  Neurotransmissor precisa ser retirado rapidamente da fenda sináptica = impedir efeito prolongado.  A remoção pode ser feita por ação enzimática:  acetilcolina é hidrolisada pela enzima acetilcolinesterase ▪ acetilcolina degradada em acetato e colina. ▪ Colina é captada pela terminação nervosa colinérgica
  • 77.
  • 78.  Tanto no SNC como no SNP os neurônios relacionam-se com células coletivamente, denominadas neuróglia, glia ou gliócitos.
  • 79.
  • 80.  No sistema nervoso central, a neuróglia compreende:  astrócitos;  oligodendrócitos;  microgliócitos;  células ependimárias.
  • 81.  Macróglia:  astrócitos e oligodendrócitos.  Micróglia:  microgliócitos  Macróglia e micróglia colocam-se entre os neurônios e possuem massa citoplasmática distribuída em prolongamentos.
  • 82.  Nome vem da forma semelhante a uma estrela.  São abundantes e caracterizados por inúmeros prolongamentos.  Reconhece-se dois tipos:  astrócitos protoplasmáticos;  astrócitos fibrosos.
  • 83.
  • 84.  Tem a função de sustentação e isolamento dos neurônios.  Importantes para a função neuronal, uma vez que participam do controle dos níveis de potássio extraneuronal, captando esse íon e, assim, ajudando na manutenção de sua baixa concentração extracelular.  Principal sítio de armazenamento de glicogênio no SNC
  • 85.  Em caso de degeneração axônica, adquirem função fagocítica ao nível das sinapses.
  • 86.
  • 87.  Menores que os astrócitos e possuem poucos prolongamentos, que também podem formar pés vasculares.  Distinguem-se em dois tipos:  oligodendrócito satélite;  oligodendrócito fascicular = formam a bainha de mielina nas fibras nervosas.
  • 88.
  • 89.  Células pequenas e alongadas, com núcleo denso também alongado de contorno irregular.  Possuem poucos prolongamentos que partem de suas extremidades.  Possui função fagocítica.  Obs: alguns autores acreditam que sejam celulas poucos diferenciadas, capazes de transformar-se em astrócitos ou oligodendrócitos.
  • 90.  Função: funciona como um tipo de macrófago, com funções de remoção, por fagocitose, de células mortas, detritos e microrganismos invasores.  Em caso de injúria, aumentam a inflamação, especialmente por novo aporte de monócitos, vindos pela corrente sanguínea.
  • 91.
  • 92.
  • 93.
  • 94.
  • 95.  Células Satélites ou anfícitos;  Células de Schwann.
  • 96.  Envolvem o pericário dos neurônios dos neurônios dos gânglios sensitivos e do sistema nervoso autônomo.
  • 97.  Circundam os axônios, formando seus envoltórios, quais sejam, a bainha de mielina e o neurilema.
  • 98.
  • 99.
  • 100.
  • 101.
  • 102.
  • 103.
  • 104.  Em caso de injúria, desempenham importante papel na regeneração das fibras nervosas, fornecendo substrato que permite o apoio e o crescimento dos axônios em regeneração.
  • 105.
  • 106.
  • 107.  Além disso nessas condições apresentam capacidade fagocítica e podem secretar fatores tróficos para regeneração axônica.
  • 108.
  • 109.  Uma fibra nervosa compreende um axônio e, quando presentes, seus envoltórios de origem glial. O principal envoltório das fibras nervosas é a bainha de mielina, que funciona como isolante elétrico.
  • 110.  Quando envolvidos por bainha de mielina, os axônios são denominados fibras mielínicas.  Na ausência de mielina, denominam-se fibras nervosas amielínicas.
  • 111.  Ambos os tipos acontecem tanto no siatema nervoso central como no periférico.  No sistema nervoso central quem forma a bainha de mielina são oligodendrócitos.  No sistema nervoso periférico quem forma a bainha de mielina são as células de Schwann.
  • 112.  No sistema nervoso central distinguem-se macroscopicamente, as áreas contendo basicamente fibras nervosas mielínicas e neuróglia daquelas onde se concentram os corpos dos neurônios, fibras amielínicas, além de neuróglia. Áreas denominadas substância branca e substância cinzenta.
  • 113.
  • 114.
  • 115.  No sistema nervoso central as fibras nervosas se reúnem-se em feixes formando os fascículos e tractos.
  • 116.
  • 117.
  • 118.
  • 119.
  • 120.
  • 121.
  • 122.
  • 123.
  • 124.  Processo de formação da bainha de mielina acontece na última parte do desenvolvimento fetal e durante o primeiro ano pós-natal
  • 125.
  • 126.
  • 127.
  • 128.  Células são envolvidas por células de Schwann porém não há formação de mielina.  Conduzem o impulso nervoso mais lentamente, pois a falta da mielina impede o impulso saltatório.
  • 129.
  • 130.  Logo após saírem do tronco encefálico, medula espinhal e gânglios sensitivos, as fibras nervosas motoras e sensitivas reúnem- se em feixes que se associam a estruturas conjuntivas (fibras de colágeno), constituindo os nervos cranianos e espinhais.