SlideShare uma empresa Scribd logo
Esp. Arthur Hipolito da Silva Neves
Dra. Adriana Lourenço da Silva (Orientadora)
AGENTES ANSIOLÍTICOS
Introdução
Ansiolíticos são psicofármacos empregados para
aliviar os sintomas promovidos pela ansiedade e estados
de tensão
2
ANSIEDADE
3
Quais as causas?
Quando é considerada um
quadro patológico?
O que é?
Qual o tratamento?
Quais os sinais e
sintomas?
Quais os quadros clínicos? Qual o impacto?
Ansiedade
Sensação de tensão, apreensão, desconforto a qual
se origina de perigo interno ou externo iminente,
podendo ser resposta ao estresse ou a estímulo
ambiental
Pode ocorrer sem causa aparente
4
O que é?
Associação Americana de Psiquiatria
• Experiência humana natural
• Assegura a sobrevivência
Ansiedade
O termo ansiedade engloba uma série de quadros
clínicos, que apresentam prognósticos diferentes e
terapêutica específica
5
Celmo Celeno Porto, 2007; Penildon Silva, 2006
Quais os quadros clínicos?
• Reação de ajustamento com humor ansioso
• Transtorno do pânico
• Transtorno do pânico com agorafobia
• Agorafobia sem ataques do pânico
• Fobia social
• Fobias específicas
• Transtorno obsessivo-compulsivo
• Transtorno de ansiedade generalizado
• Transtorno de estresse pós-traumático
Ansiedade
Quais as causas?
Transtornos de ansiedade apresentam
etiologia multifatorial
• Genético
• Neurobiológico
• Psicológico
• Ambiental
Filho S; Pereira M. Transtornos de ansiedade em adolescentes: considerações para a pediatria e hebiatria. Adolesc. Saude,
Rio de Janeiro, v. 10, supl. 3, p. 31-41, outubro 2013
Ansiedade
Pode ocorrer sem causa aparente
Associada a outros quadros patológicos
Independente o fator desencadeante, a apresenta o
desequilíbrio entre mediadores químicos estimulantes e
depressores centrais
7
Celmo Celeno Porto, 2007, Penildon Silva, 2006
Quais as causas?
Quais os sinais e
sintomas?
Ansiedade
8
Físico Psíquicos
• Taquicardia e palpitações
• Sudoreses
• Distúrbios gastrointestinais
• Tensão e/ou tremor muscular
• Dispnéia
• Entre outros...
• Agitação e inquietação
• Irritabilidade
• Insônia
• Tensão mental
• Dificuldade de concentração
• Entre outros...
Dependem do quadro
De modo geral
Ansiedade
9
Quando é considerada um
quadro patológico?
Interferência na atividade diária normal
– Freqüentes interrupções nas tarefas
– Atitudes precipitadas
– Queixa verbal freqüente
Ansiedade
10
Celmo Celeno Porto, 2007, Penildon Silva, 2006
Qual o
tratamento?
Psicológico
Farmacológico
Situações que
não requerem
tratamento
Ansiedade
• Farmacológico
– Reduzir a ansiedade e produzir calma com mínimo efeito
em função motora ou mental
• Psicológico
– Psicoterapia em individual ou em grupo
11
Celmo Celeno Porto, 2007, Penildon Silva, 2006
Qual o tratamento?
Ansiedade
12
Qual dos tratamentos??
Psicoterapia
X
Farmacoterápia
• Combinação superior ao tratamento isolado
– Agorafobia
– TOC
• Psicoterapia superior
– Fobias simples
• Farmacoterápia superior
– Transtorno Pânico
– Ansiedade Generalizada
Ansiedade
13
• Ansiedade generalizada
– Prevalência 2,5 a 8% em um ano
• Stress pós-traumático
– Prevalência de 9% ao longo da vida
– A prevalência de exposição a um evento traumático ao longo de
vida é de 39%.
• Nos EUA
– Prevalência dos transtornos de ansiedade ao longo da vida: 29%
Qual o impacto?
MACHADO, MARIA CRISTINA PALHARES. TRANSTORNOS MENTAIS: DADOS ESTATÍSTICOS 26ª JORNADA DA AMINT
NOVEMBRO/2012
ESTATÍSTICA MUNDIAL
Ansiedade
14
TRANSTORNOS MENTAIS: DADOS ESTATÍSTICOS BRASILEIROS
Doenças mentais que mais afastam do trabalho
1º lugar: transtornos do humor – depressão
2º lugar: transtornos neuróticos – transtornos ansiosos e reações
ao estresse
3º lugar: transtorno por uso de drogas e álcool – uso de álcool
4º lugar: transtornos psicóticos – esquizofrenia
5º lugar transtornos orgânicos – por lesão ou disfunção cerebral
Qual o impacto?
MACHADO, MARIA CRISTINA PALHARES. TRANSTORNOS MENTAIS: DADOS ESTATÍSTICOS 26ª JORNADA DA AMINT
NOVEMBRO/2012
“Os transtornos de ansiedade fazem parte das doenças
psiquiátricas mais comuns na adolescência, com uma prevalência
em torno de 10 a 30%, sendo mais comuns em meninas, estando
associados à menor escolaridade”
Filho S; Pereira M. Transtornos de ansiedade em adolescentes: considerações para a pediatria e hebiatria. Adolesc. Saude,
Rio de Janeiro, v. 10, supl. 3, p. 31-41, outubro 2013
Objetivo: Identificar a prevalência de sintomas de transtornos psiquiátricos menores
em estudantes de medicina de uma universidade do Vale do Paraíba e a procura por
cuidados durante a graduação
Amostra: 343 estudantes
CUNHA, Marco Antonio Buch et al . Transtornos psiquiátricos menores e procura por cuidados em estudantes de
Medicina. Rev. bras. educ. med., Rio de Janeiro , v. 33, n. 3, Sept. 2009 .
CLASSIFICAÇÃO DOS AGENTES ANSIOLÍTICOS
• Benzodiazepínicos
• GABA e derivados
• Agonistas parciais do receptor 5HT
• Barbitúricos
• Diversos
17
Penildon Silva, 2006
• Terminações
– “Zepam” (p. ex: Diazepam)
– “Zolam” (p. ex: Lorazepam)
• Exceção
– Clordiazapóxido
– Clobazam
18
BENZODIAZEPÍNICOS
19
BENZODIAZEPÍNICOS
ESTRUTURA QUÍMICA
20
Penildon Silva, 2006
Alprazolam Bromazepam Clonazepam
Diazepam Lorazepam Midazolam Flunitrazepam
Benzodiazepínicos
21
NOTIFICAÇÃO DE RECEITA AZUL
Benzodiazepínicos
22
FARMACOCINÉTICA
Benzodiazepínicos
• Absorção
– Bem absorvidos pelo TGI
– Absorvidos em 1 a 3h (VO)
– Concentração plasmática máxima – 30 a 120mim
– Absorção IM irregular (exceto lorazepam)
– Administração IV, pode causar dor local, flebites e
trombose (exceto midazolam)
23
FARMACOCINÉTICA
Benzodiazepínicos
• Distribuição
– Elevada afinidade pelas proteínas plasmáticas
• 85 a 90% (na média)
– Volume aparente de distribuição
• 1 a 3L/kg (na média)
• Biotransformação
– Hepática
• Oxidação – Metabólitos ativos e inativos
• Conjugação – Metabólitos inativos
24
FARMACOCINÉTICA
Benzodiazepínicos
FARMACOCINÉTICA
Benzodiazepínicos
HASAN, Rosa et al. Transtornos do sono. RBM rev. bras. med, v. 66, n. 12, 2009.
FARMACOCINÉTICA
Benzodiazepínicos
Quevedo J, Schmitt R, Kapczinski F. Emergências psiquiátricas – 2º ed. Porto Alegre: Artmed; 2008
27
FARMACODINÂMICA
Benzodiazepínicos
• Mecanismo de ação
– Potencializam a ação
inibidora neuronal mediada
pelo GABA
Penildon Silva, 2006
– O efeito dos BZD quase desaparece quando ocorre a
administração prévia de um antagonista ou inibidor da síntese do
GABA
28
FARMACODINÂMICA
Benzodiazepínicos
Complexo GABA - Receptor
– Abertura de um canal de Cl-
– Hiperpolarização da membrana
do neurônio
Receptor Tipo Ação
GABAa Ionotrópico Abertura dos canais de Cl-
Causam hiperpolarização direta
GABAb Metabotrópico Abertura dos canais de K+
Causam hiperpolarização indireta
29
FARMACODINÂMICA
Benzodiazepínicos
• Hipóteses
– BZD promovem alterações
alostéricas que facilitam a
interação entre o GABA e o
receptor
Penildon Silva, 2006
– Receptores do GABA mantidos em estado de baixa afinidade
pela ação de um peptídio endógeno modular – Gabamudulina
– BZD atuem nas terminações nervosas, promovendo maior
liberação de GABA
30
USOS TERAPÊUTICOS
INDICAÇÕES CLÍNICAS
Benzodiazepínicos
• Alivio da ansiedade
– Considerados fármacos de 1º escolha
– Relativamente seguros e mais eficazes
• Redução da agressividade
• Pré-anestesico
• Sedação
• Indução do sono (manutenção)
• Miorrelaxante
• Anticonvulsivante
Penildon Silva, 2006
31
USOS TERAPÊUTICOS
INDICAÇÕES CLÍNICAS
Benzodiazepínicos
• A escolha do BZD de atender o diagnóstico da disfunção
– Considerar as condições físicas do paciente
– Considerar a idade do paciente
Penildon Silva, 2006
32
USOS TERAPÊUTICOS
INDICAÇÕES CLÍNICAS
Benzodiazepínicos
• O paciente de ser alertado quanto as efeitos colaterais
– Sedação e incoordenação motora
– Podem alterar a capacidade de dirigir e operar máquinas e
veículos
– Esses efeitos reduzem a medida do tratamento, assim como o
efeito ansiolítico (em menor taxa)
Penildon Silva, 2006
33
Benzodiazepínicos
Penildon Silva, 2006
EFEITOS ADVERSOS
• Sedação
• Incoordenção motora
•  da velocidade de raciocínio
•  das funções física e mentais
O uso prolongado pode levar a dependência física e psíquica
Doses maciças podem resultar em coma e morte
• Ataxia
• Confusão
• Boca seca
• Entre outros...
34
Benzodiazepínicos
Penildon Silva, 2006
TOLERÂNCIA E DEPENDÊNCIA
• Ocorre com todos o BZD
•  frequente que barbitúricos e opióides
• Tolerância
– Ocorre ao nível do receptor
• Abstinência
– Ansiedade, agitação, irritabilidade, insônia, cefaléia, tremores,
tonturas, nâuseas, vômitos, fraqueza, anorexia, diarréia...
Relacionados ao uso terapêutico e irracional
35
Benzodiazepínicos
FLUMAZENIL
– Nome comercial: Lanexat
Antagoniza a ligação do BZD no sítio de
ligação do receptor GABA A
Penildon Silva, 2006
ANTAGONISTA
Eficaz na reversão de quadros de superdosagem e/ou
intoxicações específicas causadas pelos BZD
Indicado na reversão dos efeitos sedativos dos BZD usados em
anestesia
36
Benzodiazepínicos
A dose deve ser estabelecida individualmente
– Pacientes não hospitalizados: 1,5-3,0mg,
VO, 1-3 vezes/dia
– Pacientes hospitalizados: 6-12mg, VO, 2-3
vezes/dia.
ALPRAZOLAM
BROMAZEPAM
Transtornos de ansiedade e transtorno do pânico
com ou sem agorafobia
A dose adequada é baseada na gravidade dos
sintomas
Atentar a paciente com IH
37
Benzodiazepínicos
Ansiedade
10mg, VO, 2-3 vezes/dia ou 20mg 2 vezes/dia
Dose máx. 60mg/dia
Atentar a paciente com IR e IH
CLOBAZAM
CLONAZEPAM
Distúrbios epilépticos, transtornos de ansiedade,
transtorno de humor, síndromes psicóticas, síndrome das
pernas inquietas, vertigem...
Dose máx. 20mg/dia fracionada em 3 doses
38
Benzodiazepínicos
Distúrbios emocionais, comportamentais e
do sono; sintomas somáticos, funcionais de origem
psicogênica, sentimentos de opressão e certos
tipos de dores; pré-anestésico; coadjuvante em
psicopatia ...
CLOXAZOLAM
DIAZEPAM
Ansiedade, estados convulsivos, sedação
antes de procedimentos ou intervenções, pré-
anestésico e espasmos musculares
Benzodiazepínicos
Tratamento da insônia severa,
incapacitante ou quando submete o individuo a
estresse ou desgaste severo
FLUNITRAZEPAM
MIDAZOLAM
Indução do sono para sedação consciente antes
de procedimentos diagnósticos ou terapêuticos com ou
sem anestesia local, pré-medicação antes da indução
anestésica, indução e manutenção da anestesia, sedação
de pacientes internados em UTI e insônia
medicamento de alta vigilância
CALAIS et al. Transtornos de ansiedade . Saúde e economia. Ano V nº 10, Dezembro de 2013
GABA E DERIVADOS
Neurotransmissor central mais
importante relacionado ao efeito
depressor e ao mecanismo de ação do BZD
41
Penildon Silva, 2006
GABA
•  lipofilicidade
• Dificuldade de atravessar a BHE
• Torna o TTO com o GABA difícil
BARBITÚRICOS
42
Penildon Silva, 2006
• Amplamente empregados ate 1960
– Ansiolíticos
– Sedativos
– Hiponóticos
– Anticonvulsivantes
BARBITÚRICOS
43
Penildon Silva, 2006
Fenobarbital PentobarbitalTiopental
BARBITÚRICOS
44
Penildon Silva, 2006
• Potentes depressores do SNC
– Promovem letalidade em doses inadequadas
– Falência respiratório
– Falência cardiovascular
• Facilmente desenvolvem tolerância, dependência física e
graves sintomas de abstinência
• Potentes indutores de enzimas hepáticas – Citocromo P 450
BARBITÚRICOS
45
Penildon Silva, 2006
• Indicações atuais
– Anestésicos gerais
– Anticonvulsivantes
• Mecanismo de ação
– Potencializam a ação do GABA, ligando-se a a um sitio
específico na receptor GABAA
46
FENOBARBITAL
• Nome Comercial/Apresentação
– Gardenal 4% (40mg/mL) – gotas pediátricas
– Gardenal 50mg e 100mg/cp
• Indicações
– Crises convulsivas
– Estado epilético
– Insônia
– Pré-anestésico
– Sedação
47
TIOPENTAL
• Nome Comercial/Apresentação
– Thiopentax 0,5g – injetavel (frasco-ampola)
• Indicações
– Produção da anestesia completa de curta
duração
– Indução da anestesia geral
– auxiliar em anestesia regional
– controle de convulsões
– hipnótico na anestesia equilibrada
ANGONISTA PARCIAL DOS RECEPTOR 5-HT1A
48
Penildon Silva, 2006
Considerado ansiolítico de 2ª geração
Efeito ansiolítico semelhante ao diazepam
49
Penildon Silva, 2006
• Não tem afinidade pelo receptor dos BZD
• Atua no sistema serotoninérgico
• Ação deve-se à ligação com receptores de serotonina
• Doses terapêuticas não promovem sedação ou relaxamento
muscular
• Não apresenta as propriedade hipnótica, anticonvulsivante e
miorrelaxante dos BZD
ANGONISTA PARCIAL DOS RECEPTOR 5-HT1A
A ausência de efeitos sedativos explica em parte a
preferência dos pacientes aos BDZ para alivio da ansiedade
Eliminação
– Em 24h
– De 29 a 63% na urina
– De 18 a 38% nas fezes 50
FARMACOCINÉTICA
Buspirona
Absorção
– Bem absorvida por VO
– Ligação as proteínas plasmática 95%
– Meia vida 2,1 – 2,7h
Biotransformação
– Hepática
– 1ª passagem
– 20% em metabolito ativo
51
FARMACODINÂMICA
Buspirona
• Mecanismo de ação
– Em seres humanos, os detalhes sobre a ação
ansiolítica ainda não foram elucidados
– Em animais, sabe-se que a buspirona interage com os
sistemas da serotonina, norepinefrina, acetilcolina e
dopamina do SNC
• Intensifica a atividade das vias noradrenérgicas e
dopaminérgicas específicas e reduz a atividade da
serotonina e da acetilcolina
http://www.libbs.com.br/Arquivos/Produto/bula_ansitec%20(v.%203_731891).pdf
52
FARMACODINÂMICA
Buspirona
53
EFEITOS ADVERSOS
Buspirona
• Sonolência
• Tontura
• Cefaléia
• Náuseas
• Fadiga
• Disforia
Em menor nível que os BZD
Em doses elevadas
54
Penildon Silva, 2006
• Inibidores Seletivos da Recaptação de Serotonina (ISRSs)
• Inibidores da Recaptação de Serotonina e Noradrenalina (IRSNs)
Indicações
― Transtorno de ansiedade generalisada
― TOC
― Fobias sociais
― Transtorno da pânico
ANTIDEPRESSIVOS
55
Penildon Silva, 2006
O efeitos ansiolíticos se manifestam após tto crônico
ANTIDEPRESSIVOS
Os efeitos parecem estar relacionados com a capacidade da
serotonina regular a atividade cerebral em estruturas como a
amígdala e a substância ferruginosa
- Acredita-se que esses locais estão envolvidos com a
gênese da ansiedade
56
Diversos
Cloridrato de Propranolol
• Agonista beta-adrenérgico
• Indicação:
– Ansiedade de desempenho
– Medo de falar em publico
• Hipotensão
57
Diversos
Cloridrato de Hidroxizina
• Anti-histamínico
• Leva a sedação de curta duração
• Indicação
– Pacientes com histórico de abuso fármacos e
álcool, situação a qual BDZ devem ser
evitados
58
DIVERSOS
• Kava-kava
• Passiflora incarnata
CALAIS et al. Transtornos de ansiedade . Saúde e economia. Ano V nº 10, Dezembro de 2013
Fármacos TAG
TAG +
depressão
Fobia Pânico TOC
BZD
Clonazepam
alprazolam
X
Não
Clonazepam?
Clonazepam
Lorazepam
Alprazolam
Dose mais alta
Não
ADT
Clomipramin
a
X
Após 6
semanas
X
Após
semanas
X
X (princ)
imipramina
X
IMAO
fenelzina
X
Social
Agorafobia
Fármacos TAG
TAG +
depressão
Fobia
social
Pânico TOC TEPT
Paroxetina X X X? X
X
6-12 semanas
XXX
Fluoxetina xx x
Sertralina X xx x xxx
Escitalopram X X
Venlafaxina X X X
Buspirona
X
(2 sem.)
Não Não Não Não
Obrigado!!!
62

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
ANTIDEPRESSIVOS
ANTIDEPRESSIVOSANTIDEPRESSIVOS
ANTIDEPRESSIVOS
lucasvlmattos
 
Farmacodinâmica
FarmacodinâmicaFarmacodinâmica
Farmacodinâmica
Leonardo Souza
 
Agonista e antagonista colinérgico
Agonista e antagonista colinérgicoAgonista e antagonista colinérgico
Agonista e antagonista colinérgico
tatiany ferreira de oliveira
 
Introdução à farmacologia
Introdução à farmacologiaIntrodução à farmacologia
Introdução à farmacologia
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivosAula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivos
Jaqueline Almeida
 
Anti-hipertensivos
Anti-hipertensivosAnti-hipertensivos
Anti-hipertensivos
resenfe2013
 
Aula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
Aula - Farmacologia básica - FarmacodinâmicaAula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
Aula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAISANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
pauloalambert
 
Aula - Anti-inflamatórios não esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios não esteróidaisAula - Anti-inflamatórios não esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios não esteróidais
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Farmacologia das drogas do snc
Farmacologia das drogas do sncFarmacologia das drogas do snc
Farmacologia das drogas do snc
Julia Martins Ulhoa
 
Aula - Básica - Adsorção & Distribuição
Aula - Básica - Adsorção & DistribuiçãoAula - Básica - Adsorção & Distribuição
Aula - Básica - Adsorção & Distribuição
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticos
Aula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticosAula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticos
Aula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticos
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
introdução à farmacologia
 introdução à farmacologia introdução à farmacologia
introdução à farmacologia
Jaqueline Almeida
 
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores NeuromuscularesAula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - Anti-inflamatórios esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios esteróidaisAula - Anti-inflamatórios esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios esteróidais
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacosAula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e SimpatolíticosAula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - SNC - Opioides
Aula  - SNC - OpioidesAula  - SNC - Opioides
Aula - SNC - Opioides
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - Autacoides
Aula - AutacoidesAula - Autacoides
Aula - Autacoides
Mauro Cunha Xavier Pinto
 

Mais procurados (20)

Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
 
ANTIDEPRESSIVOS
ANTIDEPRESSIVOSANTIDEPRESSIVOS
ANTIDEPRESSIVOS
 
Farmacodinâmica
FarmacodinâmicaFarmacodinâmica
Farmacodinâmica
 
Agonista e antagonista colinérgico
Agonista e antagonista colinérgicoAgonista e antagonista colinérgico
Agonista e antagonista colinérgico
 
Introdução à farmacologia
Introdução à farmacologiaIntrodução à farmacologia
Introdução à farmacologia
 
Aula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivosAula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivos
 
Anti-hipertensivos
Anti-hipertensivosAnti-hipertensivos
Anti-hipertensivos
 
Aula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
Aula - Farmacologia básica - FarmacodinâmicaAula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
Aula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
 
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAISANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
 
Aula - Anti-inflamatórios não esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios não esteróidaisAula - Anti-inflamatórios não esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios não esteróidais
 
Farmacologia das drogas do snc
Farmacologia das drogas do sncFarmacologia das drogas do snc
Farmacologia das drogas do snc
 
Aula - Básica - Adsorção & Distribuição
Aula - Básica - Adsorção & DistribuiçãoAula - Básica - Adsorção & Distribuição
Aula - Básica - Adsorção & Distribuição
 
Aula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticos
Aula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticosAula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticos
Aula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticos
 
introdução à farmacologia
 introdução à farmacologia introdução à farmacologia
introdução à farmacologia
 
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores NeuromuscularesAula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
 
Aula - Anti-inflamatórios esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios esteróidaisAula - Anti-inflamatórios esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios esteróidais
 
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacosAula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
 
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e SimpatolíticosAula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
 
Aula - SNC - Opioides
Aula  - SNC - OpioidesAula  - SNC - Opioides
Aula - SNC - Opioides
 
Aula - Autacoides
Aula - AutacoidesAula - Autacoides
Aula - Autacoides
 

Destaque

Farmacodinâmica
FarmacodinâmicaFarmacodinâmica
Farmacodinâmica
Vinicius Henrique
 
Farmacodinâmica
FarmacodinâmicaFarmacodinâmica
Farmacodinâmica
Anderson Santana
 
Espectro agonista-antagonista
Espectro agonista-antagonistaEspectro agonista-antagonista
Espectro agonista-antagonista
Caio Maximino
 
Aula 4 Medicina
Aula 4 MedicinaAula 4 Medicina
Aula 4 Medicina
Caio Maximino
 
Farmacologia 2 introdução a farmacocinética
Farmacologia 2 introdução a farmacocinéticaFarmacologia 2 introdução a farmacocinética
Farmacologia 2 introdução a farmacocinética
Universidade Anhanguera de São Paulo - Unidade Pirituba
 
Bases da farmacologia
Bases da farmacologiaBases da farmacologia
Bases da farmacologia
Glaudstone Agra
 
Farmacodinâmica e farmacocinética
Farmacodinâmica e farmacocinéticaFarmacodinâmica e farmacocinética
Farmacodinâmica e farmacocinética
anafreato
 

Destaque (7)

Farmacodinâmica
FarmacodinâmicaFarmacodinâmica
Farmacodinâmica
 
Farmacodinâmica
FarmacodinâmicaFarmacodinâmica
Farmacodinâmica
 
Espectro agonista-antagonista
Espectro agonista-antagonistaEspectro agonista-antagonista
Espectro agonista-antagonista
 
Aula 4 Medicina
Aula 4 MedicinaAula 4 Medicina
Aula 4 Medicina
 
Farmacologia 2 introdução a farmacocinética
Farmacologia 2 introdução a farmacocinéticaFarmacologia 2 introdução a farmacocinética
Farmacologia 2 introdução a farmacocinética
 
Bases da farmacologia
Bases da farmacologiaBases da farmacologia
Bases da farmacologia
 
Farmacodinâmica e farmacocinética
Farmacodinâmica e farmacocinéticaFarmacodinâmica e farmacocinética
Farmacodinâmica e farmacocinética
 

Semelhante a Ansiolíticos

Aula depressao cícero mais médicos
Aula depressao cícero mais médicosAula depressao cícero mais médicos
Aula depressao cícero mais médicos
Tereza Paula
 
Pg2017
Pg2017Pg2017
psicofarmacologia 2
psicofarmacologia 2psicofarmacologia 2
psicofarmacologia 2
Aroldo Gavioli
 
Bupropiona
BupropionaBupropiona
Transtornos comportamentais em demências
Transtornos comportamentais em demênciasTranstornos comportamentais em demências
Transtornos comportamentais em demências
Rubens De Fraga Junior
 
Fármacos usados na psiquiatria com interesse mesico
Fármacos usados na psiquiatria com interesse mesicoFármacos usados na psiquiatria com interesse mesico
Fármacos usados na psiquiatria com interesse mesico
Basilio4
 
eBook - Tratamentos para a Depressão
eBook - Tratamentos para a DepressãoeBook - Tratamentos para a Depressão
eBook - Tratamentos para a Depressão
GnTech
 
Os usos e limites da psicofarmacologia e o paciente em análise
Os usos e limites da psicofarmacologia e o paciente em análiseOs usos e limites da psicofarmacologia e o paciente em análise
Os usos e limites da psicofarmacologia e o paciente em análise
Miriam Gorender
 
Uso da Lamotrigina na Epilepsia
Uso da Lamotrigina na EpilepsiaUso da Lamotrigina na Epilepsia
Uso da Lamotrigina na Epilepsia
Dr. Rafael Higashi
 
psicofarmacologia.pptx
psicofarmacologia.pptxpsicofarmacologia.pptx
psicofarmacologia.pptx
RafaelLoureno59
 
Antidepressivos
AntidepressivosAntidepressivos
Antidepressivos
Kimberly Casemiro
 
microbiota intestinal.pdf
microbiota intestinal.pdfmicrobiota intestinal.pdf
microbiota intestinal.pdf
TreinadorMauroNery1
 
Fármacos psicotrópicos
Fármacos psicotrópicosFármacos psicotrópicos
Fármacos psicotrópicos
Eloi Lago
 
Bipolaridade.pptx
Bipolaridade.pptxBipolaridade.pptx
Bipolaridade.pptx
GenilsonSantos40
 
Depressão palestra uniplac
Depressão   palestra uniplacDepressão   palestra uniplac
Depressão palestra uniplac
eduardo guagliardi
 
Doença de parkinson
Doença de parkinsonDoença de parkinson
Doença de parkinson
migascouto
 
Seminário ansiolíticos e hipnóticos ok
Seminário ansiolíticos e hipnóticos okSeminário ansiolíticos e hipnóticos ok
Seminário ansiolíticos e hipnóticos ok
Robeísa Danya
 
SNC.pptx
SNC.pptxSNC.pptx
Depressao puerperal 09.09.12
Depressao puerperal 09.09.12Depressao puerperal 09.09.12
Depressao puerperal 09.09.12
Elisa Brietzke
 
TRANSTORNO BIPOLAR (1).pptx
TRANSTORNO BIPOLAR (1).pptxTRANSTORNO BIPOLAR (1).pptx
TRANSTORNO BIPOLAR (1).pptx
MIRIAN FARIA
 

Semelhante a Ansiolíticos (20)

Aula depressao cícero mais médicos
Aula depressao cícero mais médicosAula depressao cícero mais médicos
Aula depressao cícero mais médicos
 
Pg2017
Pg2017Pg2017
Pg2017
 
psicofarmacologia 2
psicofarmacologia 2psicofarmacologia 2
psicofarmacologia 2
 
Bupropiona
BupropionaBupropiona
Bupropiona
 
Transtornos comportamentais em demências
Transtornos comportamentais em demênciasTranstornos comportamentais em demências
Transtornos comportamentais em demências
 
Fármacos usados na psiquiatria com interesse mesico
Fármacos usados na psiquiatria com interesse mesicoFármacos usados na psiquiatria com interesse mesico
Fármacos usados na psiquiatria com interesse mesico
 
eBook - Tratamentos para a Depressão
eBook - Tratamentos para a DepressãoeBook - Tratamentos para a Depressão
eBook - Tratamentos para a Depressão
 
Os usos e limites da psicofarmacologia e o paciente em análise
Os usos e limites da psicofarmacologia e o paciente em análiseOs usos e limites da psicofarmacologia e o paciente em análise
Os usos e limites da psicofarmacologia e o paciente em análise
 
Uso da Lamotrigina na Epilepsia
Uso da Lamotrigina na EpilepsiaUso da Lamotrigina na Epilepsia
Uso da Lamotrigina na Epilepsia
 
psicofarmacologia.pptx
psicofarmacologia.pptxpsicofarmacologia.pptx
psicofarmacologia.pptx
 
Antidepressivos
AntidepressivosAntidepressivos
Antidepressivos
 
microbiota intestinal.pdf
microbiota intestinal.pdfmicrobiota intestinal.pdf
microbiota intestinal.pdf
 
Fármacos psicotrópicos
Fármacos psicotrópicosFármacos psicotrópicos
Fármacos psicotrópicos
 
Bipolaridade.pptx
Bipolaridade.pptxBipolaridade.pptx
Bipolaridade.pptx
 
Depressão palestra uniplac
Depressão   palestra uniplacDepressão   palestra uniplac
Depressão palestra uniplac
 
Doença de parkinson
Doença de parkinsonDoença de parkinson
Doença de parkinson
 
Seminário ansiolíticos e hipnóticos ok
Seminário ansiolíticos e hipnóticos okSeminário ansiolíticos e hipnóticos ok
Seminário ansiolíticos e hipnóticos ok
 
SNC.pptx
SNC.pptxSNC.pptx
SNC.pptx
 
Depressao puerperal 09.09.12
Depressao puerperal 09.09.12Depressao puerperal 09.09.12
Depressao puerperal 09.09.12
 
TRANSTORNO BIPOLAR (1).pptx
TRANSTORNO BIPOLAR (1).pptxTRANSTORNO BIPOLAR (1).pptx
TRANSTORNO BIPOLAR (1).pptx
 

Mais de Dr.João Calais.:

Roteiro identificação e montagem de radiografias intrabucais
Roteiro identificação e montagem de radiografias intrabucaisRoteiro identificação e montagem de radiografias intrabucais
Roteiro identificação e montagem de radiografias intrabucais
Dr.João Calais.:
 
Sistema arterial da cabeça e do pescoço
Sistema arterial da cabeça e do pescoçoSistema arterial da cabeça e do pescoço
Sistema arterial da cabeça e do pescoço
Dr.João Calais.:
 
Sistemas adesivos
Sistemas adesivosSistemas adesivos
Sistemas adesivos
Dr.João Calais.:
 
Mutação
MutaçãoMutação
Filmes radiográficos udei
Filmes radiográficos  udeiFilmes radiográficos  udei
Filmes radiográficos udei
Dr.João Calais.:
 
Livro dentistica - saude e estetica 2 ed (completo)
Livro   dentistica - saude e estetica 2 ed (completo)Livro   dentistica - saude e estetica 2 ed (completo)
Livro dentistica - saude e estetica 2 ed (completo)
Dr.João Calais.:
 
Ortodontia1
Ortodontia1Ortodontia1
Ortodontia1
Dr.João Calais.:
 
Motricidade
MotricidadeMotricidade
Motricidade
Dr.João Calais.:
 
Músculos do pescoço e da cabeça
Músculos do pescoço e da cabeçaMúsculos do pescoço e da cabeça
Músculos do pescoço e da cabeça
Dr.João Calais.:
 
Microbiota humana
Microbiota humanaMicrobiota humana
Microbiota humana
Dr.João Calais.:
 
Microbiota bucal 2014
Microbiota bucal 2014Microbiota bucal 2014
Microbiota bucal 2014
Dr.João Calais.:
 
Miologia cabeça e pescoço
Miologia cabeça e pescoçoMiologia cabeça e pescoço
Miologia cabeça e pescoço
Dr.João Calais.:
 
Flúor
FlúorFlúor
Junqueira & carneiro biologia celular e molecular
Junqueira & carneiro   biologia celular e molecularJunqueira & carneiro   biologia celular e molecular
Junqueira & carneiro biologia celular e molecular
Dr.João Calais.:
 
Infecções pulpares e periapicais 2014
Infecções pulpares e periapicais  2014Infecções pulpares e periapicais  2014
Infecções pulpares e periapicais 2014
Dr.João Calais.:
 
Farmacologia!0
Farmacologia!0Farmacologia!0
Farmacologia!0
Dr.João Calais.:
 
Farmacologia resumo completo
Farmacologia resumo completoFarmacologia resumo completo
Farmacologia resumo completo
Dr.João Calais.:
 
Diagnóstico em endodontia le
Diagnóstico em endodontia leDiagnóstico em endodontia le
Diagnóstico em endodontia le
Dr.João Calais.:
 
Resinas compostas posteriores
Resinas compostas   posterioresResinas compostas   posteriores
Resinas compostas posteriores
Dr.João Calais.:
 
Analise ex-vivo-de-cortes-apicais-de-dentes-humanos-em-3 d-empregando-microto...
Analise ex-vivo-de-cortes-apicais-de-dentes-humanos-em-3 d-empregando-microto...Analise ex-vivo-de-cortes-apicais-de-dentes-humanos-em-3 d-empregando-microto...
Analise ex-vivo-de-cortes-apicais-de-dentes-humanos-em-3 d-empregando-microto...
Dr.João Calais.:
 

Mais de Dr.João Calais.: (20)

Roteiro identificação e montagem de radiografias intrabucais
Roteiro identificação e montagem de radiografias intrabucaisRoteiro identificação e montagem de radiografias intrabucais
Roteiro identificação e montagem de radiografias intrabucais
 
Sistema arterial da cabeça e do pescoço
Sistema arterial da cabeça e do pescoçoSistema arterial da cabeça e do pescoço
Sistema arterial da cabeça e do pescoço
 
Sistemas adesivos
Sistemas adesivosSistemas adesivos
Sistemas adesivos
 
Mutação
MutaçãoMutação
Mutação
 
Filmes radiográficos udei
Filmes radiográficos  udeiFilmes radiográficos  udei
Filmes radiográficos udei
 
Livro dentistica - saude e estetica 2 ed (completo)
Livro   dentistica - saude e estetica 2 ed (completo)Livro   dentistica - saude e estetica 2 ed (completo)
Livro dentistica - saude e estetica 2 ed (completo)
 
Ortodontia1
Ortodontia1Ortodontia1
Ortodontia1
 
Motricidade
MotricidadeMotricidade
Motricidade
 
Músculos do pescoço e da cabeça
Músculos do pescoço e da cabeçaMúsculos do pescoço e da cabeça
Músculos do pescoço e da cabeça
 
Microbiota humana
Microbiota humanaMicrobiota humana
Microbiota humana
 
Microbiota bucal 2014
Microbiota bucal 2014Microbiota bucal 2014
Microbiota bucal 2014
 
Miologia cabeça e pescoço
Miologia cabeça e pescoçoMiologia cabeça e pescoço
Miologia cabeça e pescoço
 
Flúor
FlúorFlúor
Flúor
 
Junqueira & carneiro biologia celular e molecular
Junqueira & carneiro   biologia celular e molecularJunqueira & carneiro   biologia celular e molecular
Junqueira & carneiro biologia celular e molecular
 
Infecções pulpares e periapicais 2014
Infecções pulpares e periapicais  2014Infecções pulpares e periapicais  2014
Infecções pulpares e periapicais 2014
 
Farmacologia!0
Farmacologia!0Farmacologia!0
Farmacologia!0
 
Farmacologia resumo completo
Farmacologia resumo completoFarmacologia resumo completo
Farmacologia resumo completo
 
Diagnóstico em endodontia le
Diagnóstico em endodontia leDiagnóstico em endodontia le
Diagnóstico em endodontia le
 
Resinas compostas posteriores
Resinas compostas   posterioresResinas compostas   posteriores
Resinas compostas posteriores
 
Analise ex-vivo-de-cortes-apicais-de-dentes-humanos-em-3 d-empregando-microto...
Analise ex-vivo-de-cortes-apicais-de-dentes-humanos-em-3 d-empregando-microto...Analise ex-vivo-de-cortes-apicais-de-dentes-humanos-em-3 d-empregando-microto...
Analise ex-vivo-de-cortes-apicais-de-dentes-humanos-em-3 d-empregando-microto...
 

Último

LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdfLEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LucliaMartins5
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Texto e atividade -  Fontes alternativas de energiaTexto e atividade -  Fontes alternativas de energia
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Mary Alvarenga
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redaçãoRedação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
GrazielaTorrezan
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
mozalgebrista
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdfLEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Texto e atividade -  Fontes alternativas de energiaTexto e atividade -  Fontes alternativas de energia
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redaçãoRedação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 

Ansiolíticos

  • 1. Esp. Arthur Hipolito da Silva Neves Dra. Adriana Lourenço da Silva (Orientadora)
  • 2. AGENTES ANSIOLÍTICOS Introdução Ansiolíticos são psicofármacos empregados para aliviar os sintomas promovidos pela ansiedade e estados de tensão 2
  • 3. ANSIEDADE 3 Quais as causas? Quando é considerada um quadro patológico? O que é? Qual o tratamento? Quais os sinais e sintomas? Quais os quadros clínicos? Qual o impacto?
  • 4. Ansiedade Sensação de tensão, apreensão, desconforto a qual se origina de perigo interno ou externo iminente, podendo ser resposta ao estresse ou a estímulo ambiental Pode ocorrer sem causa aparente 4 O que é? Associação Americana de Psiquiatria • Experiência humana natural • Assegura a sobrevivência
  • 5. Ansiedade O termo ansiedade engloba uma série de quadros clínicos, que apresentam prognósticos diferentes e terapêutica específica 5 Celmo Celeno Porto, 2007; Penildon Silva, 2006 Quais os quadros clínicos? • Reação de ajustamento com humor ansioso • Transtorno do pânico • Transtorno do pânico com agorafobia • Agorafobia sem ataques do pânico • Fobia social • Fobias específicas • Transtorno obsessivo-compulsivo • Transtorno de ansiedade generalizado • Transtorno de estresse pós-traumático
  • 6. Ansiedade Quais as causas? Transtornos de ansiedade apresentam etiologia multifatorial • Genético • Neurobiológico • Psicológico • Ambiental Filho S; Pereira M. Transtornos de ansiedade em adolescentes: considerações para a pediatria e hebiatria. Adolesc. Saude, Rio de Janeiro, v. 10, supl. 3, p. 31-41, outubro 2013
  • 7. Ansiedade Pode ocorrer sem causa aparente Associada a outros quadros patológicos Independente o fator desencadeante, a apresenta o desequilíbrio entre mediadores químicos estimulantes e depressores centrais 7 Celmo Celeno Porto, 2007, Penildon Silva, 2006 Quais as causas?
  • 8. Quais os sinais e sintomas? Ansiedade 8 Físico Psíquicos • Taquicardia e palpitações • Sudoreses • Distúrbios gastrointestinais • Tensão e/ou tremor muscular • Dispnéia • Entre outros... • Agitação e inquietação • Irritabilidade • Insônia • Tensão mental • Dificuldade de concentração • Entre outros... Dependem do quadro De modo geral
  • 9. Ansiedade 9 Quando é considerada um quadro patológico? Interferência na atividade diária normal – Freqüentes interrupções nas tarefas – Atitudes precipitadas – Queixa verbal freqüente
  • 10. Ansiedade 10 Celmo Celeno Porto, 2007, Penildon Silva, 2006 Qual o tratamento? Psicológico Farmacológico Situações que não requerem tratamento
  • 11. Ansiedade • Farmacológico – Reduzir a ansiedade e produzir calma com mínimo efeito em função motora ou mental • Psicológico – Psicoterapia em individual ou em grupo 11 Celmo Celeno Porto, 2007, Penildon Silva, 2006 Qual o tratamento?
  • 12. Ansiedade 12 Qual dos tratamentos?? Psicoterapia X Farmacoterápia • Combinação superior ao tratamento isolado – Agorafobia – TOC • Psicoterapia superior – Fobias simples • Farmacoterápia superior – Transtorno Pânico – Ansiedade Generalizada
  • 13. Ansiedade 13 • Ansiedade generalizada – Prevalência 2,5 a 8% em um ano • Stress pós-traumático – Prevalência de 9% ao longo da vida – A prevalência de exposição a um evento traumático ao longo de vida é de 39%. • Nos EUA – Prevalência dos transtornos de ansiedade ao longo da vida: 29% Qual o impacto? MACHADO, MARIA CRISTINA PALHARES. TRANSTORNOS MENTAIS: DADOS ESTATÍSTICOS 26ª JORNADA DA AMINT NOVEMBRO/2012 ESTATÍSTICA MUNDIAL
  • 14. Ansiedade 14 TRANSTORNOS MENTAIS: DADOS ESTATÍSTICOS BRASILEIROS Doenças mentais que mais afastam do trabalho 1º lugar: transtornos do humor – depressão 2º lugar: transtornos neuróticos – transtornos ansiosos e reações ao estresse 3º lugar: transtorno por uso de drogas e álcool – uso de álcool 4º lugar: transtornos psicóticos – esquizofrenia 5º lugar transtornos orgânicos – por lesão ou disfunção cerebral Qual o impacto? MACHADO, MARIA CRISTINA PALHARES. TRANSTORNOS MENTAIS: DADOS ESTATÍSTICOS 26ª JORNADA DA AMINT NOVEMBRO/2012
  • 15. “Os transtornos de ansiedade fazem parte das doenças psiquiátricas mais comuns na adolescência, com uma prevalência em torno de 10 a 30%, sendo mais comuns em meninas, estando associados à menor escolaridade” Filho S; Pereira M. Transtornos de ansiedade em adolescentes: considerações para a pediatria e hebiatria. Adolesc. Saude, Rio de Janeiro, v. 10, supl. 3, p. 31-41, outubro 2013
  • 16. Objetivo: Identificar a prevalência de sintomas de transtornos psiquiátricos menores em estudantes de medicina de uma universidade do Vale do Paraíba e a procura por cuidados durante a graduação Amostra: 343 estudantes CUNHA, Marco Antonio Buch et al . Transtornos psiquiátricos menores e procura por cuidados em estudantes de Medicina. Rev. bras. educ. med., Rio de Janeiro , v. 33, n. 3, Sept. 2009 .
  • 17. CLASSIFICAÇÃO DOS AGENTES ANSIOLÍTICOS • Benzodiazepínicos • GABA e derivados • Agonistas parciais do receptor 5HT • Barbitúricos • Diversos 17 Penildon Silva, 2006
  • 18. • Terminações – “Zepam” (p. ex: Diazepam) – “Zolam” (p. ex: Lorazepam) • Exceção – Clordiazapóxido – Clobazam 18 BENZODIAZEPÍNICOS
  • 20. ESTRUTURA QUÍMICA 20 Penildon Silva, 2006 Alprazolam Bromazepam Clonazepam Diazepam Lorazepam Midazolam Flunitrazepam Benzodiazepínicos
  • 21. 21 NOTIFICAÇÃO DE RECEITA AZUL Benzodiazepínicos
  • 22. 22 FARMACOCINÉTICA Benzodiazepínicos • Absorção – Bem absorvidos pelo TGI – Absorvidos em 1 a 3h (VO) – Concentração plasmática máxima – 30 a 120mim – Absorção IM irregular (exceto lorazepam) – Administração IV, pode causar dor local, flebites e trombose (exceto midazolam)
  • 23. 23 FARMACOCINÉTICA Benzodiazepínicos • Distribuição – Elevada afinidade pelas proteínas plasmáticas • 85 a 90% (na média) – Volume aparente de distribuição • 1 a 3L/kg (na média) • Biotransformação – Hepática • Oxidação – Metabólitos ativos e inativos • Conjugação – Metabólitos inativos
  • 25. FARMACOCINÉTICA Benzodiazepínicos HASAN, Rosa et al. Transtornos do sono. RBM rev. bras. med, v. 66, n. 12, 2009.
  • 26. FARMACOCINÉTICA Benzodiazepínicos Quevedo J, Schmitt R, Kapczinski F. Emergências psiquiátricas – 2º ed. Porto Alegre: Artmed; 2008
  • 27. 27 FARMACODINÂMICA Benzodiazepínicos • Mecanismo de ação – Potencializam a ação inibidora neuronal mediada pelo GABA Penildon Silva, 2006 – O efeito dos BZD quase desaparece quando ocorre a administração prévia de um antagonista ou inibidor da síntese do GABA
  • 28. 28 FARMACODINÂMICA Benzodiazepínicos Complexo GABA - Receptor – Abertura de um canal de Cl- – Hiperpolarização da membrana do neurônio Receptor Tipo Ação GABAa Ionotrópico Abertura dos canais de Cl- Causam hiperpolarização direta GABAb Metabotrópico Abertura dos canais de K+ Causam hiperpolarização indireta
  • 29. 29 FARMACODINÂMICA Benzodiazepínicos • Hipóteses – BZD promovem alterações alostéricas que facilitam a interação entre o GABA e o receptor Penildon Silva, 2006 – Receptores do GABA mantidos em estado de baixa afinidade pela ação de um peptídio endógeno modular – Gabamudulina – BZD atuem nas terminações nervosas, promovendo maior liberação de GABA
  • 30. 30 USOS TERAPÊUTICOS INDICAÇÕES CLÍNICAS Benzodiazepínicos • Alivio da ansiedade – Considerados fármacos de 1º escolha – Relativamente seguros e mais eficazes • Redução da agressividade • Pré-anestesico • Sedação • Indução do sono (manutenção) • Miorrelaxante • Anticonvulsivante Penildon Silva, 2006
  • 31. 31 USOS TERAPÊUTICOS INDICAÇÕES CLÍNICAS Benzodiazepínicos • A escolha do BZD de atender o diagnóstico da disfunção – Considerar as condições físicas do paciente – Considerar a idade do paciente Penildon Silva, 2006
  • 32. 32 USOS TERAPÊUTICOS INDICAÇÕES CLÍNICAS Benzodiazepínicos • O paciente de ser alertado quanto as efeitos colaterais – Sedação e incoordenação motora – Podem alterar a capacidade de dirigir e operar máquinas e veículos – Esses efeitos reduzem a medida do tratamento, assim como o efeito ansiolítico (em menor taxa) Penildon Silva, 2006
  • 33. 33 Benzodiazepínicos Penildon Silva, 2006 EFEITOS ADVERSOS • Sedação • Incoordenção motora •  da velocidade de raciocínio •  das funções física e mentais O uso prolongado pode levar a dependência física e psíquica Doses maciças podem resultar em coma e morte • Ataxia • Confusão • Boca seca • Entre outros...
  • 34. 34 Benzodiazepínicos Penildon Silva, 2006 TOLERÂNCIA E DEPENDÊNCIA • Ocorre com todos o BZD •  frequente que barbitúricos e opióides • Tolerância – Ocorre ao nível do receptor • Abstinência – Ansiedade, agitação, irritabilidade, insônia, cefaléia, tremores, tonturas, nâuseas, vômitos, fraqueza, anorexia, diarréia... Relacionados ao uso terapêutico e irracional
  • 35. 35 Benzodiazepínicos FLUMAZENIL – Nome comercial: Lanexat Antagoniza a ligação do BZD no sítio de ligação do receptor GABA A Penildon Silva, 2006 ANTAGONISTA Eficaz na reversão de quadros de superdosagem e/ou intoxicações específicas causadas pelos BZD Indicado na reversão dos efeitos sedativos dos BZD usados em anestesia
  • 36. 36 Benzodiazepínicos A dose deve ser estabelecida individualmente – Pacientes não hospitalizados: 1,5-3,0mg, VO, 1-3 vezes/dia – Pacientes hospitalizados: 6-12mg, VO, 2-3 vezes/dia. ALPRAZOLAM BROMAZEPAM Transtornos de ansiedade e transtorno do pânico com ou sem agorafobia A dose adequada é baseada na gravidade dos sintomas Atentar a paciente com IH
  • 37. 37 Benzodiazepínicos Ansiedade 10mg, VO, 2-3 vezes/dia ou 20mg 2 vezes/dia Dose máx. 60mg/dia Atentar a paciente com IR e IH CLOBAZAM CLONAZEPAM Distúrbios epilépticos, transtornos de ansiedade, transtorno de humor, síndromes psicóticas, síndrome das pernas inquietas, vertigem... Dose máx. 20mg/dia fracionada em 3 doses
  • 38. 38 Benzodiazepínicos Distúrbios emocionais, comportamentais e do sono; sintomas somáticos, funcionais de origem psicogênica, sentimentos de opressão e certos tipos de dores; pré-anestésico; coadjuvante em psicopatia ... CLOXAZOLAM DIAZEPAM Ansiedade, estados convulsivos, sedação antes de procedimentos ou intervenções, pré- anestésico e espasmos musculares
  • 39. Benzodiazepínicos Tratamento da insônia severa, incapacitante ou quando submete o individuo a estresse ou desgaste severo FLUNITRAZEPAM MIDAZOLAM Indução do sono para sedação consciente antes de procedimentos diagnósticos ou terapêuticos com ou sem anestesia local, pré-medicação antes da indução anestésica, indução e manutenção da anestesia, sedação de pacientes internados em UTI e insônia medicamento de alta vigilância
  • 40. CALAIS et al. Transtornos de ansiedade . Saúde e economia. Ano V nº 10, Dezembro de 2013
  • 41. GABA E DERIVADOS Neurotransmissor central mais importante relacionado ao efeito depressor e ao mecanismo de ação do BZD 41 Penildon Silva, 2006 GABA •  lipofilicidade • Dificuldade de atravessar a BHE • Torna o TTO com o GABA difícil
  • 42. BARBITÚRICOS 42 Penildon Silva, 2006 • Amplamente empregados ate 1960 – Ansiolíticos – Sedativos – Hiponóticos – Anticonvulsivantes
  • 44. BARBITÚRICOS 44 Penildon Silva, 2006 • Potentes depressores do SNC – Promovem letalidade em doses inadequadas – Falência respiratório – Falência cardiovascular • Facilmente desenvolvem tolerância, dependência física e graves sintomas de abstinência • Potentes indutores de enzimas hepáticas – Citocromo P 450
  • 45. BARBITÚRICOS 45 Penildon Silva, 2006 • Indicações atuais – Anestésicos gerais – Anticonvulsivantes • Mecanismo de ação – Potencializam a ação do GABA, ligando-se a a um sitio específico na receptor GABAA
  • 46. 46 FENOBARBITAL • Nome Comercial/Apresentação – Gardenal 4% (40mg/mL) – gotas pediátricas – Gardenal 50mg e 100mg/cp • Indicações – Crises convulsivas – Estado epilético – Insônia – Pré-anestésico – Sedação
  • 47. 47 TIOPENTAL • Nome Comercial/Apresentação – Thiopentax 0,5g – injetavel (frasco-ampola) • Indicações – Produção da anestesia completa de curta duração – Indução da anestesia geral – auxiliar em anestesia regional – controle de convulsões – hipnótico na anestesia equilibrada
  • 48. ANGONISTA PARCIAL DOS RECEPTOR 5-HT1A 48 Penildon Silva, 2006 Considerado ansiolítico de 2ª geração Efeito ansiolítico semelhante ao diazepam
  • 49. 49 Penildon Silva, 2006 • Não tem afinidade pelo receptor dos BZD • Atua no sistema serotoninérgico • Ação deve-se à ligação com receptores de serotonina • Doses terapêuticas não promovem sedação ou relaxamento muscular • Não apresenta as propriedade hipnótica, anticonvulsivante e miorrelaxante dos BZD ANGONISTA PARCIAL DOS RECEPTOR 5-HT1A A ausência de efeitos sedativos explica em parte a preferência dos pacientes aos BDZ para alivio da ansiedade
  • 50. Eliminação – Em 24h – De 29 a 63% na urina – De 18 a 38% nas fezes 50 FARMACOCINÉTICA Buspirona Absorção – Bem absorvida por VO – Ligação as proteínas plasmática 95% – Meia vida 2,1 – 2,7h Biotransformação – Hepática – 1ª passagem – 20% em metabolito ativo
  • 51. 51 FARMACODINÂMICA Buspirona • Mecanismo de ação – Em seres humanos, os detalhes sobre a ação ansiolítica ainda não foram elucidados – Em animais, sabe-se que a buspirona interage com os sistemas da serotonina, norepinefrina, acetilcolina e dopamina do SNC • Intensifica a atividade das vias noradrenérgicas e dopaminérgicas específicas e reduz a atividade da serotonina e da acetilcolina http://www.libbs.com.br/Arquivos/Produto/bula_ansitec%20(v.%203_731891).pdf
  • 53. 53 EFEITOS ADVERSOS Buspirona • Sonolência • Tontura • Cefaléia • Náuseas • Fadiga • Disforia Em menor nível que os BZD Em doses elevadas
  • 54. 54 Penildon Silva, 2006 • Inibidores Seletivos da Recaptação de Serotonina (ISRSs) • Inibidores da Recaptação de Serotonina e Noradrenalina (IRSNs) Indicações ― Transtorno de ansiedade generalisada ― TOC ― Fobias sociais ― Transtorno da pânico ANTIDEPRESSIVOS
  • 55. 55 Penildon Silva, 2006 O efeitos ansiolíticos se manifestam após tto crônico ANTIDEPRESSIVOS Os efeitos parecem estar relacionados com a capacidade da serotonina regular a atividade cerebral em estruturas como a amígdala e a substância ferruginosa - Acredita-se que esses locais estão envolvidos com a gênese da ansiedade
  • 56. 56 Diversos Cloridrato de Propranolol • Agonista beta-adrenérgico • Indicação: – Ansiedade de desempenho – Medo de falar em publico • Hipotensão
  • 57. 57 Diversos Cloridrato de Hidroxizina • Anti-histamínico • Leva a sedação de curta duração • Indicação – Pacientes com histórico de abuso fármacos e álcool, situação a qual BDZ devem ser evitados
  • 59. CALAIS et al. Transtornos de ansiedade . Saúde e economia. Ano V nº 10, Dezembro de 2013
  • 60. Fármacos TAG TAG + depressão Fobia Pânico TOC BZD Clonazepam alprazolam X Não Clonazepam? Clonazepam Lorazepam Alprazolam Dose mais alta Não ADT Clomipramin a X Após 6 semanas X Após semanas X X (princ) imipramina X IMAO fenelzina X Social Agorafobia
  • 61. Fármacos TAG TAG + depressão Fobia social Pânico TOC TEPT Paroxetina X X X? X X 6-12 semanas XXX Fluoxetina xx x Sertralina X xx x xxx Escitalopram X X Venlafaxina X X X Buspirona X (2 sem.) Não Não Não Não