SlideShare uma empresa Scribd logo
Monitorização Hemodinâmica Não-
Invasiva
R1 Enf. Suelen Olivia
PRONTO SOCORRO CARDIOLÓGICO DE PERNAMBUCO
PROFº LUIZ TAVARES
PROGRAMA DE ESPECIALIZAÇÃO EM CARDIOLOGIA
MODALIDADE RESIDÊNCIA
Recife
2015
Objetivos
• Abordar os conceitos de Monitorização, Monitorização
hemodinâmica e Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva;
• Descrever os principais parâmetros analisados na monitorização
hemodinâmica não-invasiva;
• Destacar os principais cuidados de enfermagem frente ao paciente
em monitorização hemodinâmica não-invasiva.
Introdução
O que é monitorização?
Processo contínuo e diário que envolve três etapas:
•Coleta de dados;
•Análise e interpretação dos dados e;
•Tomada de decisão.
(BRIDI, 2013)
Coleta de dados
• Informa sobre o estado geral do paciente.
- Frequência cardíaca (FC);
- Pressão arterial (PA);
- Frequência respiratória (FR);
- Temperatura (T) e;
- Saturação Parcial de Oxigênio (SpO2).
(GUIMARÃES, 2009; BRIDI, 2013)
Monitorar além dos parâmetros
• Edemas;
• Úlceras por pressão;
• Motricidade;
• Comunicação;
• Oxigenação;
• Sondagens;
• Hidratação;
• Eliminações fisiológicas;
• Etc.
(REZENDE et al., 2005; REZENDE et al., 2006)
Análise de dados
• Exige o conhecimento sobre os parâmetros normais e
anormais, incluindo a sua importância e varias
patologias.
(GUIMARÃES, 2009; BRIDI, 2013)
Tomada de decisão
• É realizada após a coleta e interpretação CORRETA
dos dados.
O melhor monitor é o profissional
observador e dedicado
(Donald F. Eagan).
(GUIMARÃES, 2009; BRIDI, 2013)
Monitorização hemodinâmica
• Reconhecer e avaliar possíveis problemas em tempo
hábil para se estabelecer terapêutica adequada e
imediata;
• Função diagnóstica, terapêutica e prognóstica,
(BRIDI, 2013)
• Menor risco de complicações;
• Fácil manuseio;
• Menor custo;
• Confirmações por exames complementares.
Monitorização Hemodinâmica
Não-Invasiva
É aquele que não há comprometimento das barreiras de proteção
do paciente.
(GUIMARÃES, 2009; BRIDI, 2013)
Indicações da Monitorização Hemodinâmica Não-
Invasiva
Sinais vitais instáveis; Infarto Agudo do Miocárdio;
Traumas; Sepse ou choque séptico;
Hipotensão; Exacerbação da ICC;
Oligúria Cetoacidose;
Perda sanguínea; Pneumonia;
Taquicardia; PCR;
Febre; Asma aguda com angústia respiratória;
Desidratação; Injúrias cerebrais: Glasgow < 9;
(GUIMARÃES, 2009)
O monitor multiparamétricos
Posição dos eletrodos
(SESAP/RN, 2010)
BRAÇO DIREITO RA – RIGHT ARM
BRAÇO
ESQUERDO
LA - LEFT ARM
PERNA DIREITA RL - RIGHT LEG
PERNA
ESQUERDA
LL – LEFT LEG
TÓRAX C - CHEST
Posição dos
eletrodos
Frequência Cardíaca - FC
(POTTER & PERRY, 2009)
Frequência cardíaca ou ritmo cardíaco é o número de vezes que o coração bate
por minuto (ROQUE, 2009).
(PORTO & PORTO, 2014)
Saturação Parcial de Oxigênio (SpO2)
• Avalia a oxigenação do paciente;
• Reflete a quantia de hemoglobina que está ligada com oxigênio;
‘’Os valores normais de SpO2 em ar ambiente, onde a fração inspirada de
oxigênio (FiO2) é próxima a 21%, temos SpO2 de 96% e 100%, o que
corresponde a uma pressão parcial de O2 no sangue arterial (PaO2)
em torno de 90 a 100 mmHg (KROKOSCK In: PADILHA et al. 2010).’’
SpO2 aceitáveis de > 92 %
Pressão arterial - PA
É a força exercida pelo sangue sobre as paredes dos vasos.
A pressão arterial é determinada de maneira simplificada
pela relação:
PA=DC X RVP
(PORTO & PORTO, 2014)
Pressão arterial - PA
(PORTO & PORTO, 2014).
Temperatura
Coluna de Mercúrio
Digital
Sensor
A temperatura corporal é diferença entre a quantidade
de calor produzida pelos processos corporais e a
quantidade de calor perdida para o ambiente.
Temperatura aceitável dos seres
humanos 36º a 38ºC,
(POTTER & PERRY, 2009)
(GUIMARÃES, 2009)
Aumento da Temperatura poder ser por:
•Processo infeccioso;
•Não infeccioso.
Frequência respiratória - FR
A respiração é o mecanismo que o organismo utiliza para trocar os gases
entre atmosfera e o sangue, bem como entre o sangue e as células.
(POTTER & PERRY, 2009)
IDADE FR
NEONATO 30-60
LACTENTE <6M 30-50
PRÉ-ESCOLAR 25-32
CRIANÇA 20-30
ADOLESCENTE 16-19
ADULTO 12-20
Fatores que influenciam o caráter respiratório
• Exercícios;
• Dor aguda;
• Ansiedade;
• Tabagismo;
• Medicamentos: analgésicos narcóticos, anestésicos gerais, hipnóticos sedativos,
broncodilatadores e anfetaminas;
• Lesão neurológica;
• Função da hemoglobina.
Cuidados de Enfermagem
• Higiene das mãos;
• Verificar se a área de colocação dos eletrodos está limpa e sem pelos;
• Realizar tricotomia nos locais de colocação dos eletrodos, se
necessário;
• Colocar os eletrodos nos locais corretos;
• Certificar-se do funcionamento adequado do monitor;
• Verificar se os parâmetros para disparar os alarmes estão ajustados;
• Verificar se o alarme está funcionando corretamente;
• Certificar-se de que o cabo do monitor esta conectado adequadamente
aos eletrodos;
• Observar a integridade da pele no local de colocação dos eletrodos;
• Manter o paciente e os familiares orientados quanto aos
procedimentos;
• Anotar no prontuário do paciente valores encontrados, conforme rotina
da instituição de saúde;
• Durante o banho no leito, não molhar os eletrodos devido a
possibilidade de micro-choques (não retirar os eletrodos,
principalmente em caso de pacientes de alta complexidade);
• Eletrodos devidamente aplicados vão garantir uma monitorização
cardíaca adequada e livre de intercorrências;
• Realizar desinfecção do monitor antes e após o uso de cada paciente;
• Atentar aos pacientes passíveis de cardioversão e desfibrilação com os
eletrodos RA e LL por coincidirem com os locais de colocação das pás
do desfibrilador. Recomenda-se afastar os eletrodos das áreas.
• Manter o paciente confortável;
• Se as extremidades do paciente estiverem frias, procurar aquece-
las, pois a hiporperfusão distal provocará interferência nos valores
da saturação de oxigênio no sangue;
• Remover esmaltes coloridos, pois impossibilitam a leitura optica
infravermelha;
• Alternar o local de posicionamento do sensor a fim de evitar lesões
de pele;
• Atentar para risco de desenvolver UPP;
• Atentar para edemas;
• Atentar para nível de consciência do paciente.
REFERÊNCIAS
• BRIDI, Adriana Carla. Fatores determinantes do tempo estímulo-resposta da equipe de
enfermagem aos alarmes dos monitores multiparamétricos em terapia intensiva :
implicações para a segurança do paciente grave. Dissertação (Mestrado em Enfermagem)
– Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013.
• BRUNNER & SUDDARTH. Tratado de enfermagem médico cirúrgica/ [editores] Suzanne
C. Smeltzer...[et al.]; [revisão técnica Isabel Cristina Fonseca da Cruz, Ivone Evangelista
Cabral; tradução Fernando Diniz Mundim, José Eduardo Ferreira de Figueiredo]. – Rio de
Janeiro: Guanabara Koogan, 4v: 11th ed., 2009.
• GUIMARÃES, Hélio Penna. Guia Prático de UTI da AMIB. São Paulo: Atheneu, 2009.
• HUDAK, Carolyn M; GALLO, Barbara M. Cuidados intensivos de enfermagem: uma
abordagem holística. 8ªed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2007.
• KNOBEL, Elias. Enfermagem em Terapia Intensiva. Rio de Janeiro: Atheneu, 2006.
• PORTO & PORTO. Semiologia médica. 7. ed.- Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2014.
• POTTER, P.A.; PERRY, A.G. Fundamentos de Enfermagem. 7. ed. Rio
de Janeiro: Elsivier, 2009.
• REZENDE et al. Consenso Brasileiro de Monitorização e Suporte
Hemodinâmico. Revista Brasileira de Terapia Intensiva. Vol. 18 Nº 2,
Abril – Junho, 2006.
• REZENDE et al. Consenso Brasileiro de Monitorização e Suporte
Hemodinâmico - Parte III: Métodos Alternativos de Monitorização do Débito
Cardíaco e da Volemia. Revista Brasileira Terapia Intensiva. Volume 18 -
Número 1 - Janeiro/Março 2006.
• REZENDE et al. Consenso Brasileiro de Monitorização e Suporte
Hemodinâmico - Parte I: Métodos e Definições. Revista Brasileira Terapia
Intensiva. Volume 17 - Número 4 - Outubro/Dezembro 2005.
• ROQUE, Juliano Miguel Amado. Variabilidade da Frequência Cardíaca.
Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física da Universidade de
Coimbra-FCDEF, Coimbra, 2009.
• SILVA, Carlos Magno Carvalho da; TEIXEIRA, Enéas Rangel. Exame físico
e processo de enfermagem na complexidade. Esc Anna Nery (impr.) out-
dez; 15 (4):723-729, 2011.
Obrigada!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Oxigenoterapia
Oxigenoterapia Oxigenoterapia
Oxigenoterapia
resenfe2013
 
Sinais vitais
Sinais vitaisSinais vitais
Sinais vitais
Marcos Antonio
 
Sinais Vitais
Sinais VitaisSinais Vitais
Sinais Vitais
Tamyres Magalhães
 
Monitorização UTI
Monitorização UTIMonitorização UTI
Monitorização UTI
Julio Cesar Matias
 
Monitorização a beira do leito
Monitorização a beira do leitoMonitorização a beira do leito
Monitorização a beira do leito
resenfe2013
 
Assistência de Enfermagem na administração de drogas vasoativas
Assistência de Enfermagem na administração de drogas vasoativasAssistência de Enfermagem na administração de drogas vasoativas
Assistência de Enfermagem na administração de drogas vasoativas
resenfe2013
 
Avaliação e o processo de Enfermagem
Avaliação e o processo de EnfermagemAvaliação e o processo de Enfermagem
Avaliação e o processo de Enfermagem
resenfe2013
 
Choque
Choque Choque
Choque
resenfe2013
 
Choque
ChoqueChoque
Choque
dapab
 
Sistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemSistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagem
Danilo Nunes Anunciação
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentos
Janaína Lassala
 
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
Mateus Camargo
 
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE (2) (1).pdf
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE  (2) (1).pdfAula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE  (2) (1).pdf
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE (2) (1).pdf
LarissaMachado97
 
Historia Da Enfermagem
Historia Da EnfermagemHistoria Da Enfermagem
Historia Da Enfermagem
Fernando Dias
 
TABELA de Sinais Vitais - EEEP WALFRIDO 2017
TABELA de Sinais Vitais - EEEP WALFRIDO 2017TABELA de Sinais Vitais - EEEP WALFRIDO 2017
TABELA de Sinais Vitais - EEEP WALFRIDO 2017
WALFRIDO Farias Gomes
 
Sinais vitais aula 4
Sinais vitais aula 4Sinais vitais aula 4
Sinais vitais aula 4
Morgana Oliveira
 
Ressuscitação Cardiopulmonar
Ressuscitação Cardiopulmonar Ressuscitação Cardiopulmonar
Ressuscitação Cardiopulmonar
resenfe2013
 
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com redeSaúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
Angelica Reis Angel
 
Registros de Enfermagem
Registros de EnfermagemRegistros de Enfermagem
Registros de Enfermagem
Andréa Dantas
 
Balanco hidrico
Balanco hidricoBalanco hidrico
Balanco hidrico
eduardo leao
 

Mais procurados (20)

Oxigenoterapia
Oxigenoterapia Oxigenoterapia
Oxigenoterapia
 
Sinais vitais
Sinais vitaisSinais vitais
Sinais vitais
 
Sinais Vitais
Sinais VitaisSinais Vitais
Sinais Vitais
 
Monitorização UTI
Monitorização UTIMonitorização UTI
Monitorização UTI
 
Monitorização a beira do leito
Monitorização a beira do leitoMonitorização a beira do leito
Monitorização a beira do leito
 
Assistência de Enfermagem na administração de drogas vasoativas
Assistência de Enfermagem na administração de drogas vasoativasAssistência de Enfermagem na administração de drogas vasoativas
Assistência de Enfermagem na administração de drogas vasoativas
 
Avaliação e o processo de Enfermagem
Avaliação e o processo de EnfermagemAvaliação e o processo de Enfermagem
Avaliação e o processo de Enfermagem
 
Choque
Choque Choque
Choque
 
Choque
ChoqueChoque
Choque
 
Sistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemSistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagem
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentos
 
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
 
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE (2) (1).pdf
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE  (2) (1).pdfAula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE  (2) (1).pdf
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE (2) (1).pdf
 
Historia Da Enfermagem
Historia Da EnfermagemHistoria Da Enfermagem
Historia Da Enfermagem
 
TABELA de Sinais Vitais - EEEP WALFRIDO 2017
TABELA de Sinais Vitais - EEEP WALFRIDO 2017TABELA de Sinais Vitais - EEEP WALFRIDO 2017
TABELA de Sinais Vitais - EEEP WALFRIDO 2017
 
Sinais vitais aula 4
Sinais vitais aula 4Sinais vitais aula 4
Sinais vitais aula 4
 
Ressuscitação Cardiopulmonar
Ressuscitação Cardiopulmonar Ressuscitação Cardiopulmonar
Ressuscitação Cardiopulmonar
 
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com redeSaúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
 
Registros de Enfermagem
Registros de EnfermagemRegistros de Enfermagem
Registros de Enfermagem
 
Balanco hidrico
Balanco hidricoBalanco hidrico
Balanco hidrico
 

Semelhante a Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva

Pós-operatório de Cirurgia Cardíaca
Pós-operatório de Cirurgia CardíacaPós-operatório de Cirurgia Cardíaca
Pós-operatório de Cirurgia Cardíaca
resenfe2013
 
EVOLUÇÃO CLINICA em UTI (1).pdf
EVOLUÇÃO CLINICA em  UTI (1).pdfEVOLUÇÃO CLINICA em  UTI (1).pdf
EVOLUÇÃO CLINICA em UTI (1).pdf
LENISECHIESACITOLIN
 
Cuidados De Enfermagem Em Uti Pediátrica
Cuidados De Enfermagem Em Uti PediátricaCuidados De Enfermagem Em Uti Pediátrica
Cuidados De Enfermagem Em Uti Pediátrica
Renato Bach
 
Cuidadosdeenfermagememutiped 090725184926-phpapp02
Cuidadosdeenfermagememutiped 090725184926-phpapp02Cuidadosdeenfermagememutiped 090725184926-phpapp02
Cuidadosdeenfermagememutiped 090725184926-phpapp02
vhmsantos
 
ECMO
ECMOECMO
PCR - RCP
PCR - RCPPCR - RCP
Equipamentos 2017
Equipamentos 2017Equipamentos 2017
Equipamentos 2017
Fabricio Mendonca
 
Aula PCR.pptx
Aula PCR.pptxAula PCR.pptx
Aula PCR.pptx
FrancielleConstantin
 
ENFERMAGEM EM Unidade de terapia intensiva
ENFERMAGEM EM Unidade de terapia intensivaENFERMAGEM EM Unidade de terapia intensiva
ENFERMAGEM EM Unidade de terapia intensiva
AdmilsonSoares3
 
ECO na avaliação da hipotensão
ECO na avaliação da hipotensãoECO na avaliação da hipotensão
ECO na avaliação da hipotensão
gisa_legal
 
Manual de-espirometria-2008
Manual de-espirometria-2008Manual de-espirometria-2008
Manual de-espirometria-2008
blogpneumo
 
Manual de-espirometria-2008
Manual de-espirometria-2008Manual de-espirometria-2008
Manual de-espirometria-2008
blogpneumo
 
Pós-operatório de cirurgia cardíaca pediátrica
Pós-operatório de cirurgia cardíaca pediátricaPós-operatório de cirurgia cardíaca pediátrica
Pós-operatório de cirurgia cardíaca pediátrica
resenfe2013
 
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
Rodrigo Abreu
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar NeopediátricaNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
resenfe2013
 
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
voceduardomscsousa
 
Trabalho Final_Instrumentação Biomedica.pdf
Trabalho Final_Instrumentação Biomedica.pdfTrabalho Final_Instrumentação Biomedica.pdf
Trabalho Final_Instrumentação Biomedica.pdf
TalitadaSilva16
 
DECANULAÇÃO.pptx
DECANULAÇÃO.pptxDECANULAÇÃO.pptx
DECANULAÇÃO.pptx
Andrei Cuzuioc
 
Dpoc
DpocDpoc
Exames radiológicos II
Exames radiológicos IIExames radiológicos II
Exames radiológicos II
resenfe2013
 

Semelhante a Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva (20)

Pós-operatório de Cirurgia Cardíaca
Pós-operatório de Cirurgia CardíacaPós-operatório de Cirurgia Cardíaca
Pós-operatório de Cirurgia Cardíaca
 
EVOLUÇÃO CLINICA em UTI (1).pdf
EVOLUÇÃO CLINICA em  UTI (1).pdfEVOLUÇÃO CLINICA em  UTI (1).pdf
EVOLUÇÃO CLINICA em UTI (1).pdf
 
Cuidados De Enfermagem Em Uti Pediátrica
Cuidados De Enfermagem Em Uti PediátricaCuidados De Enfermagem Em Uti Pediátrica
Cuidados De Enfermagem Em Uti Pediátrica
 
Cuidadosdeenfermagememutiped 090725184926-phpapp02
Cuidadosdeenfermagememutiped 090725184926-phpapp02Cuidadosdeenfermagememutiped 090725184926-phpapp02
Cuidadosdeenfermagememutiped 090725184926-phpapp02
 
ECMO
ECMOECMO
ECMO
 
PCR - RCP
PCR - RCPPCR - RCP
PCR - RCP
 
Equipamentos 2017
Equipamentos 2017Equipamentos 2017
Equipamentos 2017
 
Aula PCR.pptx
Aula PCR.pptxAula PCR.pptx
Aula PCR.pptx
 
ENFERMAGEM EM Unidade de terapia intensiva
ENFERMAGEM EM Unidade de terapia intensivaENFERMAGEM EM Unidade de terapia intensiva
ENFERMAGEM EM Unidade de terapia intensiva
 
ECO na avaliação da hipotensão
ECO na avaliação da hipotensãoECO na avaliação da hipotensão
ECO na avaliação da hipotensão
 
Manual de-espirometria-2008
Manual de-espirometria-2008Manual de-espirometria-2008
Manual de-espirometria-2008
 
Manual de-espirometria-2008
Manual de-espirometria-2008Manual de-espirometria-2008
Manual de-espirometria-2008
 
Pós-operatório de cirurgia cardíaca pediátrica
Pós-operatório de cirurgia cardíaca pediátricaPós-operatório de cirurgia cardíaca pediátrica
Pós-operatório de cirurgia cardíaca pediátrica
 
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar NeopediátricaNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
 
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
 
Trabalho Final_Instrumentação Biomedica.pdf
Trabalho Final_Instrumentação Biomedica.pdfTrabalho Final_Instrumentação Biomedica.pdf
Trabalho Final_Instrumentação Biomedica.pdf
 
DECANULAÇÃO.pptx
DECANULAÇÃO.pptxDECANULAÇÃO.pptx
DECANULAÇÃO.pptx
 
Dpoc
DpocDpoc
Dpoc
 
Exames radiológicos II
Exames radiológicos IIExames radiológicos II
Exames radiológicos II
 

Mais de resenfe2013

Doenças da Aorta
Doenças da AortaDoenças da Aorta
Doenças da Aorta
resenfe2013
 
Crises Hipertensivas
Crises HipertensivasCrises Hipertensivas
Crises Hipertensivas
resenfe2013
 
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de VálvulasCirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
resenfe2013
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em AdultosNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
resenfe2013
 
Hemodiálise
HemodiáliseHemodiálise
Hemodiálise
resenfe2013
 
Caso clínico Febre Reumática
Caso clínico Febre ReumáticaCaso clínico Febre Reumática
Caso clínico Febre Reumática
resenfe2013
 
Caso clínico Endocardite
Caso clínico EndocarditeCaso clínico Endocardite
Caso clínico Endocardite
resenfe2013
 
Caso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
Caso clínico Hipertensão Arterial PulmonarCaso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
Caso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
resenfe2013
 
Insuficiência Respiratória
Insuficiência RespiratóriaInsuficiência Respiratória
Insuficiência Respiratória
resenfe2013
 
Hipertensão Arterial Pulmonar
Hipertensão Arterial PulmonarHipertensão Arterial Pulmonar
Hipertensão Arterial Pulmonar
resenfe2013
 
Exames Diagnósticos em Cardiologia II
Exames Diagnósticos em Cardiologia IIExames Diagnósticos em Cardiologia II
Exames Diagnósticos em Cardiologia II
resenfe2013
 
Edema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de PulmãoEdema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de Pulmão
resenfe2013
 
Estimulação Cardíaca Artificial
Estimulação Cardíaca ArtificialEstimulação Cardíaca Artificial
Estimulação Cardíaca Artificial
resenfe2013
 
Coagulação Sanguínea
Coagulação SanguíneaCoagulação Sanguínea
Coagulação Sanguínea
resenfe2013
 
Exame Físico Neurologico
Exame Físico NeurologicoExame Físico Neurologico
Exame Físico Neurologico
resenfe2013
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
resenfe2013
 
Valvopatias semilunares
Valvopatias semilunaresValvopatias semilunares
Valvopatias semilunares
resenfe2013
 
Técnicas de conservação de energia
Técnicas de conservação de energiaTécnicas de conservação de energia
Técnicas de conservação de energia
resenfe2013
 
Ventilação Não-invasiva
Ventilação Não-invasivaVentilação Não-invasiva
Ventilação Não-invasiva
resenfe2013
 
Exame Físico Multidisciplinar
Exame Físico MultidisciplinarExame Físico Multidisciplinar
Exame Físico Multidisciplinar
resenfe2013
 

Mais de resenfe2013 (20)

Doenças da Aorta
Doenças da AortaDoenças da Aorta
Doenças da Aorta
 
Crises Hipertensivas
Crises HipertensivasCrises Hipertensivas
Crises Hipertensivas
 
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de VálvulasCirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em AdultosNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
 
Hemodiálise
HemodiáliseHemodiálise
Hemodiálise
 
Caso clínico Febre Reumática
Caso clínico Febre ReumáticaCaso clínico Febre Reumática
Caso clínico Febre Reumática
 
Caso clínico Endocardite
Caso clínico EndocarditeCaso clínico Endocardite
Caso clínico Endocardite
 
Caso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
Caso clínico Hipertensão Arterial PulmonarCaso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
Caso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
 
Insuficiência Respiratória
Insuficiência RespiratóriaInsuficiência Respiratória
Insuficiência Respiratória
 
Hipertensão Arterial Pulmonar
Hipertensão Arterial PulmonarHipertensão Arterial Pulmonar
Hipertensão Arterial Pulmonar
 
Exames Diagnósticos em Cardiologia II
Exames Diagnósticos em Cardiologia IIExames Diagnósticos em Cardiologia II
Exames Diagnósticos em Cardiologia II
 
Edema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de PulmãoEdema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de Pulmão
 
Estimulação Cardíaca Artificial
Estimulação Cardíaca ArtificialEstimulação Cardíaca Artificial
Estimulação Cardíaca Artificial
 
Coagulação Sanguínea
Coagulação SanguíneaCoagulação Sanguínea
Coagulação Sanguínea
 
Exame Físico Neurologico
Exame Físico NeurologicoExame Físico Neurologico
Exame Físico Neurologico
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Valvopatias semilunares
Valvopatias semilunaresValvopatias semilunares
Valvopatias semilunares
 
Técnicas de conservação de energia
Técnicas de conservação de energiaTécnicas de conservação de energia
Técnicas de conservação de energia
 
Ventilação Não-invasiva
Ventilação Não-invasivaVentilação Não-invasiva
Ventilação Não-invasiva
 
Exame Físico Multidisciplinar
Exame Físico MultidisciplinarExame Físico Multidisciplinar
Exame Físico Multidisciplinar
 

Último

Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdfos-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
GiselaAlves15
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
Manuais Formação
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Mary Alvarenga
 
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptxLIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
WelidaFreitas1
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
KeilianeOliveira3
 
Acróstico - Reciclar é preciso
Acróstico   -  Reciclar é preciso Acróstico   -  Reciclar é preciso
Acróstico - Reciclar é preciso
Mary Alvarenga
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdfEJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
jbellas2
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docxPROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
Escola Municipal Jesus Cristo
 

Último (20)

Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdfos-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
 
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptxLIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
 
Acróstico - Reciclar é preciso
Acróstico   -  Reciclar é preciso Acróstico   -  Reciclar é preciso
Acróstico - Reciclar é preciso
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdfEJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docxPROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
 

Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva

  • 1. Monitorização Hemodinâmica Não- Invasiva R1 Enf. Suelen Olivia PRONTO SOCORRO CARDIOLÓGICO DE PERNAMBUCO PROFº LUIZ TAVARES PROGRAMA DE ESPECIALIZAÇÃO EM CARDIOLOGIA MODALIDADE RESIDÊNCIA Recife 2015
  • 2. Objetivos • Abordar os conceitos de Monitorização, Monitorização hemodinâmica e Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva; • Descrever os principais parâmetros analisados na monitorização hemodinâmica não-invasiva; • Destacar os principais cuidados de enfermagem frente ao paciente em monitorização hemodinâmica não-invasiva.
  • 3. Introdução O que é monitorização? Processo contínuo e diário que envolve três etapas: •Coleta de dados; •Análise e interpretação dos dados e; •Tomada de decisão. (BRIDI, 2013)
  • 4. Coleta de dados • Informa sobre o estado geral do paciente. - Frequência cardíaca (FC); - Pressão arterial (PA); - Frequência respiratória (FR); - Temperatura (T) e; - Saturação Parcial de Oxigênio (SpO2). (GUIMARÃES, 2009; BRIDI, 2013)
  • 5. Monitorar além dos parâmetros • Edemas; • Úlceras por pressão; • Motricidade; • Comunicação; • Oxigenação; • Sondagens; • Hidratação; • Eliminações fisiológicas; • Etc. (REZENDE et al., 2005; REZENDE et al., 2006)
  • 6. Análise de dados • Exige o conhecimento sobre os parâmetros normais e anormais, incluindo a sua importância e varias patologias. (GUIMARÃES, 2009; BRIDI, 2013)
  • 7. Tomada de decisão • É realizada após a coleta e interpretação CORRETA dos dados. O melhor monitor é o profissional observador e dedicado (Donald F. Eagan). (GUIMARÃES, 2009; BRIDI, 2013)
  • 8. Monitorização hemodinâmica • Reconhecer e avaliar possíveis problemas em tempo hábil para se estabelecer terapêutica adequada e imediata; • Função diagnóstica, terapêutica e prognóstica, (BRIDI, 2013)
  • 9. • Menor risco de complicações; • Fácil manuseio; • Menor custo; • Confirmações por exames complementares. Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva É aquele que não há comprometimento das barreiras de proteção do paciente. (GUIMARÃES, 2009; BRIDI, 2013)
  • 10. Indicações da Monitorização Hemodinâmica Não- Invasiva Sinais vitais instáveis; Infarto Agudo do Miocárdio; Traumas; Sepse ou choque séptico; Hipotensão; Exacerbação da ICC; Oligúria Cetoacidose; Perda sanguínea; Pneumonia; Taquicardia; PCR; Febre; Asma aguda com angústia respiratória; Desidratação; Injúrias cerebrais: Glasgow < 9; (GUIMARÃES, 2009)
  • 12. Posição dos eletrodos (SESAP/RN, 2010) BRAÇO DIREITO RA – RIGHT ARM BRAÇO ESQUERDO LA - LEFT ARM PERNA DIREITA RL - RIGHT LEG PERNA ESQUERDA LL – LEFT LEG TÓRAX C - CHEST
  • 14. Frequência Cardíaca - FC (POTTER & PERRY, 2009) Frequência cardíaca ou ritmo cardíaco é o número de vezes que o coração bate por minuto (ROQUE, 2009).
  • 15.
  • 17. Saturação Parcial de Oxigênio (SpO2) • Avalia a oxigenação do paciente; • Reflete a quantia de hemoglobina que está ligada com oxigênio; ‘’Os valores normais de SpO2 em ar ambiente, onde a fração inspirada de oxigênio (FiO2) é próxima a 21%, temos SpO2 de 96% e 100%, o que corresponde a uma pressão parcial de O2 no sangue arterial (PaO2) em torno de 90 a 100 mmHg (KROKOSCK In: PADILHA et al. 2010).’’ SpO2 aceitáveis de > 92 %
  • 18. Pressão arterial - PA É a força exercida pelo sangue sobre as paredes dos vasos. A pressão arterial é determinada de maneira simplificada pela relação: PA=DC X RVP (PORTO & PORTO, 2014)
  • 20. (PORTO & PORTO, 2014).
  • 21. Temperatura Coluna de Mercúrio Digital Sensor A temperatura corporal é diferença entre a quantidade de calor produzida pelos processos corporais e a quantidade de calor perdida para o ambiente. Temperatura aceitável dos seres humanos 36º a 38ºC, (POTTER & PERRY, 2009)
  • 22. (GUIMARÃES, 2009) Aumento da Temperatura poder ser por: •Processo infeccioso; •Não infeccioso.
  • 23. Frequência respiratória - FR A respiração é o mecanismo que o organismo utiliza para trocar os gases entre atmosfera e o sangue, bem como entre o sangue e as células. (POTTER & PERRY, 2009) IDADE FR NEONATO 30-60 LACTENTE <6M 30-50 PRÉ-ESCOLAR 25-32 CRIANÇA 20-30 ADOLESCENTE 16-19 ADULTO 12-20
  • 24. Fatores que influenciam o caráter respiratório • Exercícios; • Dor aguda; • Ansiedade; • Tabagismo; • Medicamentos: analgésicos narcóticos, anestésicos gerais, hipnóticos sedativos, broncodilatadores e anfetaminas; • Lesão neurológica; • Função da hemoglobina.
  • 25. Cuidados de Enfermagem • Higiene das mãos; • Verificar se a área de colocação dos eletrodos está limpa e sem pelos; • Realizar tricotomia nos locais de colocação dos eletrodos, se necessário; • Colocar os eletrodos nos locais corretos; • Certificar-se do funcionamento adequado do monitor; • Verificar se os parâmetros para disparar os alarmes estão ajustados; • Verificar se o alarme está funcionando corretamente;
  • 26. • Certificar-se de que o cabo do monitor esta conectado adequadamente aos eletrodos; • Observar a integridade da pele no local de colocação dos eletrodos; • Manter o paciente e os familiares orientados quanto aos procedimentos; • Anotar no prontuário do paciente valores encontrados, conforme rotina da instituição de saúde; • Durante o banho no leito, não molhar os eletrodos devido a possibilidade de micro-choques (não retirar os eletrodos, principalmente em caso de pacientes de alta complexidade);
  • 27. • Eletrodos devidamente aplicados vão garantir uma monitorização cardíaca adequada e livre de intercorrências; • Realizar desinfecção do monitor antes e após o uso de cada paciente; • Atentar aos pacientes passíveis de cardioversão e desfibrilação com os eletrodos RA e LL por coincidirem com os locais de colocação das pás do desfibrilador. Recomenda-se afastar os eletrodos das áreas. • Manter o paciente confortável;
  • 28. • Se as extremidades do paciente estiverem frias, procurar aquece- las, pois a hiporperfusão distal provocará interferência nos valores da saturação de oxigênio no sangue; • Remover esmaltes coloridos, pois impossibilitam a leitura optica infravermelha; • Alternar o local de posicionamento do sensor a fim de evitar lesões de pele; • Atentar para risco de desenvolver UPP; • Atentar para edemas; • Atentar para nível de consciência do paciente.
  • 29. REFERÊNCIAS • BRIDI, Adriana Carla. Fatores determinantes do tempo estímulo-resposta da equipe de enfermagem aos alarmes dos monitores multiparamétricos em terapia intensiva : implicações para a segurança do paciente grave. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) – Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013. • BRUNNER & SUDDARTH. Tratado de enfermagem médico cirúrgica/ [editores] Suzanne C. Smeltzer...[et al.]; [revisão técnica Isabel Cristina Fonseca da Cruz, Ivone Evangelista Cabral; tradução Fernando Diniz Mundim, José Eduardo Ferreira de Figueiredo]. – Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 4v: 11th ed., 2009. • GUIMARÃES, Hélio Penna. Guia Prático de UTI da AMIB. São Paulo: Atheneu, 2009. • HUDAK, Carolyn M; GALLO, Barbara M. Cuidados intensivos de enfermagem: uma abordagem holística. 8ªed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2007. • KNOBEL, Elias. Enfermagem em Terapia Intensiva. Rio de Janeiro: Atheneu, 2006. • PORTO & PORTO. Semiologia médica. 7. ed.- Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2014.
  • 30. • POTTER, P.A.; PERRY, A.G. Fundamentos de Enfermagem. 7. ed. Rio de Janeiro: Elsivier, 2009. • REZENDE et al. Consenso Brasileiro de Monitorização e Suporte Hemodinâmico. Revista Brasileira de Terapia Intensiva. Vol. 18 Nº 2, Abril – Junho, 2006. • REZENDE et al. Consenso Brasileiro de Monitorização e Suporte Hemodinâmico - Parte III: Métodos Alternativos de Monitorização do Débito Cardíaco e da Volemia. Revista Brasileira Terapia Intensiva. Volume 18 - Número 1 - Janeiro/Março 2006. • REZENDE et al. Consenso Brasileiro de Monitorização e Suporte Hemodinâmico - Parte I: Métodos e Definições. Revista Brasileira Terapia Intensiva. Volume 17 - Número 4 - Outubro/Dezembro 2005. • ROQUE, Juliano Miguel Amado. Variabilidade da Frequência Cardíaca. Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física da Universidade de Coimbra-FCDEF, Coimbra, 2009. • SILVA, Carlos Magno Carvalho da; TEIXEIRA, Enéas Rangel. Exame físico e processo de enfermagem na complexidade. Esc Anna Nery (impr.) out- dez; 15 (4):723-729, 2011.