SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 51
UNIDADE DE TERAPIA
INTENSIVA-UTI
Prof. Jardson Soares
Pioneirismo e evolução da UTI
A enfermeira Florence Nightingale, durante a
guerra da Criméia, conseguiu idealizar uma
unidade de monitoração de pacientes graves,
diminuindo em 2% o índice de mortalidade por
infecção dos soldados.
Ela recrutou e treinou um grupo de 38 voluntárias
para colaborarem nos cuidados e higiene dos
soldados feridos;
 Surgiu a ideia de classificar os doentes de acordo
com o grau de dependência dispondo-os nas
enfermarias, de tal maneira que os mais graves
ficassem próximos à área de trabalho da
enfermeiras, para maior vigilância e atendimento.
1854 Era Florence, primeira enfermeira
intensivista;
Médico Walter Edward criou A
1ª UTI em Boston;
1926
1º medico intensivista Peter Safer preconizou o
atendimento de urgência emergência, criou a técnica
de ventilação artificial boca a boca e massagem
cardíaca.
PORTARIA Nº 895, DE 31 DE
MARÇO DE 2017.
 Institui o cuidado progressivo ao paciente crítico ou
grave com
classificação
os critérios para admissão e alta, de
e de de T
erapia
habilitação de leitos
Intensiva adulto, pediátrico, UCO, queimados e
Cuidados Intermediários adulto e pediátrico no âmbito
do Sistema Único de Saúde – SUS.
O cuidado intensivo poderá ser realizado em Unidade de
Terapia Intensiva - UTI ou Unidades de Cuidados
Intermediários - UCI.
A Unidade de Cuidado Intermediário - UCI destinada a
usuários em situação clínica de risco moderado, que
requerem monitorização e cuidados semi-intensivos,
entre a unidade de internação e
contínua durante
a UTI,
as 24h,
de monitorização
equipamentos e equipe multidisciplinar
intermediários
necessitando
além de
especializada.
UTI / CONCEITO
Serviço hospitalar destinado a usuários
em situação clínica grave ou de risco clínico ou cirúrgico,
necessitando de cuidados intensivos assistência médica,
de enfermagem e fisiote,,rapia ininterruptos de
monitorização contínua durante a, s 24h, além de
equipamentos e equipe multidisciplinar especializada.
(Ministério da Saúde, 2017)
UTI / CONCEITO
Serviço hospitalar destinado a usuários
em situação clínica grave risco clínico ou
ou de
cirúrgico, necessitando de cuidados intensivos
e fisioterapia
durante
as 24h, além de equipamentos e equipe
multidisciplinar especializada. (Ministério da Saúde,
2017)
assistência médica, de enfe,,rmagem
ininterruptos de monitorização contí,
nua
CLASSIFICAÇÃO
Unidade de T
erapia IntensivaAdulto UTI-a;
Unidade de Terapia Intensiva Coronariana - UCO;
Unidade de Terapia Intensiva Queimados UTI-q;
Unidade de Terapia Intensiva Pediátrico UTI-ped;
Unidade de Terapia Intensiva Neonatal - UTIN.
nº 7, de 24 de fevereiro de
De acordo com a RDC
2010 , define-se:
UTI Neonatal – destinada à assistência a pacientes
admitidos com idade entre 0 e 28 dias;
UTI Pediátrica – assistência a pcts com idade de 29 dias a
14 ou 18 anos, sendo este limite definido de acordo com as
rotinas da instituição ;
UTI Adulto – destinada à assistência de pcts com
idade igual ou superior a 18 anos, podendo admitir
pcts de 15 a 17 anos, se definido nas normas da
instituição;
UTI Especializada – destinada à assistência a pcts
selecionados por tipo de doença ou intervenção, como
cardiopatas, neurológicos, cirúrgicos, entre outras.
Centro de Terapia Intensiva (CTI): agrupamento,
numa mesma área física de mais de uma UTI;
Paciente grave: paciente com comprometimento de
um ou mais dos principais sistemas fisiológicos, com
perda de sua auto-regulação, necessitando de
assistência contínua.
ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DA UTI
Estrutura física: área geográfica distinta dentro do hospital,
com acesso controlado, sem transito para outros departamentos.
Localização deve ter acesso direto e ser próxima de elevador,
serviços de emergência, centro cirúrgico, sala recuperação pós-
anestésica, unidades intermediárias de terapia e serviço de
laboratório e radiologia.
Número de leitos de UTI
Todo hospital de nível terciário, com capacidade instalada igual
ou superior a 100 leitos, deve dispor de leitos de tratamento
intensivo correspondente a no mínimo 6% dos leitos totais,
Ou seja,
No mínimo 6 leitos de UTI para cada 100 leitos.
COMPOSIÇÃO DA EQUIPE DA UTI
Deve ser designada uma equipe multiprofissional, legalmente
habilitada, a qual deve ser dimensionada, quantitativa e
assistencial, a
qualitativamente, de acordo com o perfil
demanda da unidade e legislação vigente, contendo, para
no mínimo, os seguintes
atuação exclusiva na unidade,
profissionais:
Deve ser designado 1 responsável Técnico médico, 1 enfermeiro
coordenador da equipe de enfermagem e 1 fisioterapeuta coordenador
da equipe de fisioterapia, assim como seus respectivos substitutos.
ATENÇÃO!!! O Responsável Técnico deve ter título de especialista em
Medicina Intensiva para responder por UTI Adulto; habilitação em
Medicina Intensiva Pediátrica, para responder por UTI Pediátrica; título
de especialista em Pediatria com área de atuação em Neonatologia,
para responder por UTI Neonatal;
leitos ou
Médico diarista: 01 (um) para cada 10 (dez)
fração, nos turnos matutino e vespertino;
Médicos plantonistas: no mínimo 01 (um) para cada 10
(dez) leitos ou fração, em cada turno;
Enfermeiros assistenciais: no mínimo 01 (um) para cada 10
(dez) leitos ou fração, em cada turno;
Funcionários exclusivospara serviço de limpeza da unidade,
em cada turno;
Fisioterapeutas: no mínimo 01 (um) para cada 10
(dez) leitos ou fração, nos turnos matutino, vespertino e
noturno, perfazendo um total de 18 horas diárias de
atuação;
Técnicos de enfermagem: no mínimo 01 (um) para
cada 02 (dois) leitos em cada turno;
Auxiliares administrativos: no mínimo 01 (um)
exclusivo da unidade;
ATENÇÃO!!!
Todos os profissionais da
estar imunizados contra
difiteria, hepatite B e
UTI devem
tétano,
outros
imunobiológicos, acordo com a NR 32.
MATERIAIS E
EQUIPAMENTOS
Cama hospitalar com ajuste de posição, grades laterais
e rodízios;
Carro ressuscitador com monitor, desfibrilador,
cardioversor medicações e material para intubação
endotraqueal (carrinho de parada);
Ventilador pulmonar com misturador tipo blender;
Maca para transporte, com grades laterais, com
suporte para equipamento de infusão controlada
de fluídos, suporte para cilindro de oxigênio;
Monitor para monitorização contínua de múltiplos
parâmetros (oximetria de pulso, pressão arterial
não invasiva, frequência respiratória);
Material para monitorização de pressão venosa central;
Equipamento para aferição de glicemia capilar;
Oxímetro de pulso;
Bomba de infusão;
Conjunto de nebulização, em máscara;
Conjunto padronizado de beira de leito, contendo
termômetro, esfigmomanômetro, estetoscópio,
bolsa- válvula-máscara (AMBU).
Bandejas para procedimentos como: dialise
drenagem torácica, toracotomia, punção
peritonal,
pericárdica
curativos, punção lo,mbar, sondagem vesical e traqueostomia;
Materiais e equipamento para monitorização de pressão arterial
invasiva;
Poltronas removíveis, com revestimento impermeável,
para pct;
externo, eletrodos e
Marcapasso cardíaco
geradorna unidade;
Eletrocardiógrafo portátil;
Capnógrafo (monitora a concentração de
dióxido de carbono nos gases respiratórios);
Máscaras facial (Venturi);
Materiais para aspiração traqueal;
Negatoscópio ou sistema informatizado
para visualização de imagens;
Oftalmoscópio (examina interior dos olhos);
Otoscópio (examina membrana do tímpano);
Pontos de oxigênio e ar comprimido medicinal com
válvulas reguladoras de pressão e pontos de vácuo
para cada leito;
Cilindro de oxigênio e ar comprimido,
transportável;
Conjunto CPAP nasal mais umidificador;
Capacete para oxigenioterapia para
UTI pediátrica e neonatal (hood);
Foco auxiliar portátil e Aspirador cirúrgico portátil.
Dispositivo para elevar, transpor e pesar o paciente.
Desfibrilador e cardioversor, com bateria.
Equipamento para mensurarpressão de balonete de
tubo/cânula endotraqueal (cuffômetro).
Relógios e calendários posicionados de forma a permitir
visualização em todos os leitos.
Refrigerador, com temperatura interna de 2 a 8°C, de uso
exclusivo para guarda de medicamentos, com monitorização e
registro de temperatura.
AMBIENTE HUMANIZADO
Climatização;
Iluminação natural;
Divisórias entre os leitos;
Relógios visíveis para todos os leitos;
familiares, a
Garantia de visitas diárias dos
beira do leito;
Garantia de informações da evolução diária dos pacientes aos
familiares por meio de boletins.
precoce
além de
É muito importante para a equipe de saúde o
reconhecimento da severidade da doença,
medidas prioritárias, destacando-se:
Reanimação imediata e controle respiratório;
Controle da hipercalemia, hipoglicemia e arritmia;
Monitoramento e suporte à condição do paciente e a resposta
do enfermeiro;
CRITÉRIOS PARA
ADMISSÃO NA UTI
Pacientes com doença pulmonar ou de vias respiratórias
(Necessidade de ventilação mecânica e suplementação de
oxigênio);
Pacientes com doença cardiovascular (choque, IAM, pós rcp,
síndrome coronariana, arritmias, emergências
hipertensivas...);
Pacientes
responsivas
com doença neurológica
ao tratamento, infecções
(Convulsões não
meníngeas, TCE,
coma,AVC...);
Pacientes com doença oncológica ou hematológica
instável ou sangramento ativo (transplante de medula
óssea);
Pacientes com doenças endócrinas e/ou alterações
metabólicas ou eletrolíticas com descompensação , que
causem risco ou instabilidade hemodinâmica ou
respiratória (cetoacidose diabética...);
gastrointestinal instável
Pacientes com doença
(perfuração de víscera oca...);
Pacientes em pós-operatório necessitandode
monitorização ventilatório
ou intenso cuidado multidisciplinar;
Pacientes com doença renal instável (IR);
ou requerendo suporte
x
Intoxicação exógena (overdose);
Disfunção de múltiplos órgãos;
Hipertermia maligna;
 Grande queimado ou queimadura com risco
de comprometimento respiratório;
Hipotermia levando a instabilidade;
Acidentes elétricos ou ambientais;
Sepse;
Afogamento.
PARÂMETROS UTILIZADOS PARA ADMISSÃO NAUTI
São critérios objetivos utilizados na admissãode
críticos, podendo ser modificados a
do modelo padronizado para cada
pacientes
depender
instituição.
Sinais vitais com valores acima ou abaixo dos padrões
de normalidade (PA, pulso, temp., dor e respiração
alterados);
Outros: anúria (ausência de produção da urina),
obstrução de vias aéreas, coma, crises convulsivas
contínuas, cianose.
Valores de sinais vitais
Temperatura - 36 a 38 °C
Frequência cardíaca (pulso) - 60 a 100 bcpm
Frequência respiratória - 12 a 20 irpm
Pressão arterial - menor ou = a 120/80 mmHg
Dor - sem dor a dor grave.
NORMAS E ROTINAS DA
EQUIPE DE
ENFERMAGEM NO
PROCESSO DE
ADMISSÃO NA UTI
EQUIPE DE ENFERMAGEM
Montar a unidade, receber o paciente e transferir da
maca para o leito em segurança;
Promover oxigenação adequada, monitorização,
manutenção de acessos e infusões;
Promover proteção para evitar perda de tubos, sondas e
drenos, checar drenos de tórax e sonda vesical quanto a
permeabilidade (se aberto ou fechado);
Observar nível de consciência, sinais vitais, presença de
próteses, talas, órteses, integridade da pele;
Identificar grau de dependência (deficiência visual,
mobilidade, comunicação);
Proceder a rotina de controles e medicações conforme
prescrições medicas e de enfermagem, priorizar as
atividades conforme gravidade do paciente;
prontuário
Anotar todas as observações no
devidamente assinado e carimbado;
Orientar o
rotinas do
paciente e os familiares sobre
setor: visitas, pertences,
informações, lista de materiais de higiene.
Foco no estudos!
Foco no jaleco!
REFERÊNCIAS
• BRASIL. Ministério da saúde. Agência Nacional de
Vigilância Sanitária. Portaria nº 895, de 31 de março
de 2017.
da saúde. Agência Nacional de
RDC nº 7, de 24 de fevereiro de
• BRASIL. Ministério
Vigilância Sanitária.
2010.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Enfermagem em Uti neonatal e pediátrica
Enfermagem em Uti neonatal e pediátricaEnfermagem em Uti neonatal e pediátrica
Enfermagem em Uti neonatal e pediátricaRegiane Ribeiro
 
Urgencia e emergencia - aula 1 (1).pptx
Urgencia e emergencia - aula 1 (1).pptxUrgencia e emergencia - aula 1 (1).pptx
Urgencia e emergencia - aula 1 (1).pptxEnfermeiraLuciana1
 
Anotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemAnotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemIvanete Dias
 
Paciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.pptPaciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.pptgizaraposo
 
Admissão do paciente na unidade
Admissão do paciente na unidadeAdmissão do paciente na unidade
Admissão do paciente na unidadeISCISA
 
Aula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergênciaAula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergênciaRicardo Augusto
 
Clínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
Clínica Cirúrgica e Centro CirúrgicoClínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
Clínica Cirúrgica e Centro CirúrgicoSou Enfermagem
 
Slide Centro Cirúrgico
Slide Centro CirúrgicoSlide Centro Cirúrgico
Slide Centro CirúrgicoLuana Santos
 
UTI- CONCEITO,HISTORIA E ESTRUTURA.ppt
UTI- CONCEITO,HISTORIA E ESTRUTURA.pptUTI- CONCEITO,HISTORIA E ESTRUTURA.ppt
UTI- CONCEITO,HISTORIA E ESTRUTURA.pptEvaWilmaMartinsTimb
 
Aph conceitos, modalidades, histórico (aula 1)
Aph   conceitos, modalidades, histórico (aula 1)Aph   conceitos, modalidades, histórico (aula 1)
Aph conceitos, modalidades, histórico (aula 1)Prof Silvio Rosa
 
higiene e conforto do paciente
higiene e conforto do pacientehigiene e conforto do paciente
higiene e conforto do pacienteViviane da Silva
 
Paciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.pptPaciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.ppttuttitutti1
 
Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem   Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem universitária
 
Aula Central de material Esterilizado
Aula Central de material EsterilizadoAula Central de material Esterilizado
Aula Central de material EsterilizadoConceição Quirino
 

Mais procurados (20)

Enfermagem em Uti neonatal e pediátrica
Enfermagem em Uti neonatal e pediátricaEnfermagem em Uti neonatal e pediátrica
Enfermagem em Uti neonatal e pediátrica
 
Transporte de pacientes
Transporte de pacientesTransporte de pacientes
Transporte de pacientes
 
Urgencia e emergencia - aula 1 (1).pptx
Urgencia e emergencia - aula 1 (1).pptxUrgencia e emergencia - aula 1 (1).pptx
Urgencia e emergencia - aula 1 (1).pptx
 
Centro CirúRgico Parte 1
Centro CirúRgico Parte 1Centro CirúRgico Parte 1
Centro CirúRgico Parte 1
 
Centro cirurgico
Centro cirurgico Centro cirurgico
Centro cirurgico
 
Urgência e emergência
Urgência e emergênciaUrgência e emergência
Urgência e emergência
 
Sala de recuperação
Sala de recuperaçãoSala de recuperação
Sala de recuperação
 
Anotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemAnotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagem
 
Paciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.pptPaciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.ppt
 
Admissão do paciente na unidade
Admissão do paciente na unidadeAdmissão do paciente na unidade
Admissão do paciente na unidade
 
Aula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergênciaAula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergência
 
Clínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
Clínica Cirúrgica e Centro CirúrgicoClínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
Clínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
 
Slide Centro Cirúrgico
Slide Centro CirúrgicoSlide Centro Cirúrgico
Slide Centro Cirúrgico
 
UTI- CONCEITO,HISTORIA E ESTRUTURA.ppt
UTI- CONCEITO,HISTORIA E ESTRUTURA.pptUTI- CONCEITO,HISTORIA E ESTRUTURA.ppt
UTI- CONCEITO,HISTORIA E ESTRUTURA.ppt
 
Aph conceitos, modalidades, histórico (aula 1)
Aph   conceitos, modalidades, histórico (aula 1)Aph   conceitos, modalidades, histórico (aula 1)
Aph conceitos, modalidades, histórico (aula 1)
 
higiene e conforto do paciente
higiene e conforto do pacientehigiene e conforto do paciente
higiene e conforto do paciente
 
Paciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.pptPaciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.ppt
 
Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem   Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem
 
Enfermagem em Urgência Emergência
Enfermagem em Urgência EmergênciaEnfermagem em Urgência Emergência
Enfermagem em Urgência Emergência
 
Aula Central de material Esterilizado
Aula Central de material EsterilizadoAula Central de material Esterilizado
Aula Central de material Esterilizado
 

Semelhante a Aula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptx

1 ENCONTRO CONCEITOS UTI.pptx
1 ENCONTRO CONCEITOS UTI.pptx1 ENCONTRO CONCEITOS UTI.pptx
1 ENCONTRO CONCEITOS UTI.pptxssuser51d27c1
 
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341voceduardomscsousa
 
AULA UTI SEXTA 13.pdf w,dwej,.jgpogipigj
AULA UTI SEXTA 13.pdf w,dwej,.jgpogipigjAULA UTI SEXTA 13.pdf w,dwej,.jgpogipigj
AULA UTI SEXTA 13.pdf w,dwej,.jgpogipigjElainneChrisFerreira
 
manual sobre emergência médica na hotelaria
manual sobre emergência médica na hotelariamanual sobre emergência médica na hotelaria
manual sobre emergência médica na hotelariaAureaLopes7
 
UPA - O que faz un enfermeiro (aula 10).PDF
UPA - O que faz un enfermeiro (aula 10).PDFUPA - O que faz un enfermeiro (aula 10).PDF
UPA - O que faz un enfermeiro (aula 10).PDFCaroBatista3
 
Aula 2- Alta complexidade.pptx
Aula 2- Alta complexidade.pptxAula 2- Alta complexidade.pptx
Aula 2- Alta complexidade.pptxFlávia Vaz
 
Folheto informativo uti
Folheto informativo utiFolheto informativo uti
Folheto informativo utiFabiane Fabihh
 
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxcontatofelipearaujos
 
AULA-01- Cuidado Sistematizado de Enfermagem no período pré-operatório.pptx
AULA-01- Cuidado Sistematizado de Enfermagem no período pré-operatório.pptxAULA-01- Cuidado Sistematizado de Enfermagem no período pré-operatório.pptx
AULA-01- Cuidado Sistematizado de Enfermagem no período pré-operatório.pptxRenata Sousa
 
AULA 08-10-22 - PAPEL DO TECNICO DE ENFERMEIRO NA URGÊNCIA E EMERGÊNCIA CERTO...
AULA 08-10-22 - PAPEL DO TECNICO DE ENFERMEIRO NA URGÊNCIA E EMERGÊNCIA CERTO...AULA 08-10-22 - PAPEL DO TECNICO DE ENFERMEIRO NA URGÊNCIA E EMERGÊNCIA CERTO...
AULA 08-10-22 - PAPEL DO TECNICO DE ENFERMEIRO NA URGÊNCIA E EMERGÊNCIA CERTO...VivianePereira485260
 
AULA 08-10-22 - PAPEL DO TECNICO DE ENFERMEIRO NA URGÊNCIA E EMERGÊNCIA CERTO...
AULA 08-10-22 - PAPEL DO TECNICO DE ENFERMEIRO NA URGÊNCIA E EMERGÊNCIA CERTO...AULA 08-10-22 - PAPEL DO TECNICO DE ENFERMEIRO NA URGÊNCIA E EMERGÊNCIA CERTO...
AULA 08-10-22 - PAPEL DO TECNICO DE ENFERMEIRO NA URGÊNCIA E EMERGÊNCIA CERTO...VivianePereira485260
 
PRONTO SOCORRO LIDERANÇA PARTE 1.pptx
PRONTO SOCORRO LIDERANÇA PARTE 1.pptxPRONTO SOCORRO LIDERANÇA PARTE 1.pptx
PRONTO SOCORRO LIDERANÇA PARTE 1.pptxtuttitutti1
 
Apostila completa uti
Apostila completa   utiApostila completa   uti
Apostila completa utiElisama Cruz
 
Pacientes críticos - enf 19 pdf.pdf
Pacientes críticos - enf 19 pdf.pdfPacientes críticos - enf 19 pdf.pdf
Pacientes críticos - enf 19 pdf.pdfThiagosilvaDeoliveir6
 

Semelhante a Aula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptx (20)

1 ENCONTRO CONCEITOS UTI.pptx
1 ENCONTRO CONCEITOS UTI.pptx1 ENCONTRO CONCEITOS UTI.pptx
1 ENCONTRO CONCEITOS UTI.pptx
 
Uti
UtiUti
Uti
 
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
 
AULA UTI SEXTA 13.pdf w,dwej,.jgpogipigj
AULA UTI SEXTA 13.pdf w,dwej,.jgpogipigjAULA UTI SEXTA 13.pdf w,dwej,.jgpogipigj
AULA UTI SEXTA 13.pdf w,dwej,.jgpogipigj
 
AULA UTI.pptx
AULA UTI.pptxAULA UTI.pptx
AULA UTI.pptx
 
manual sobre emergência médica na hotelaria
manual sobre emergência médica na hotelariamanual sobre emergência médica na hotelaria
manual sobre emergência médica na hotelaria
 
Urgencia-e-Emergencia.pptx
Urgencia-e-Emergencia.pptxUrgencia-e-Emergencia.pptx
Urgencia-e-Emergencia.pptx
 
Pacientes Graves - 1.pptx
Pacientes Graves - 1.pptxPacientes Graves - 1.pptx
Pacientes Graves - 1.pptx
 
aula 2 APH.pptx
aula 2 APH.pptxaula 2 APH.pptx
aula 2 APH.pptx
 
UPA - O que faz un enfermeiro (aula 10).PDF
UPA - O que faz un enfermeiro (aula 10).PDFUPA - O que faz un enfermeiro (aula 10).PDF
UPA - O que faz un enfermeiro (aula 10).PDF
 
Aula 2- Alta complexidade.pptx
Aula 2- Alta complexidade.pptxAula 2- Alta complexidade.pptx
Aula 2- Alta complexidade.pptx
 
Folheto informativo uti
Folheto informativo utiFolheto informativo uti
Folheto informativo uti
 
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
 
AULA-01- Cuidado Sistematizado de Enfermagem no período pré-operatório.pptx
AULA-01- Cuidado Sistematizado de Enfermagem no período pré-operatório.pptxAULA-01- Cuidado Sistematizado de Enfermagem no período pré-operatório.pptx
AULA-01- Cuidado Sistematizado de Enfermagem no período pré-operatório.pptx
 
AULA 08-10-22 - PAPEL DO TECNICO DE ENFERMEIRO NA URGÊNCIA E EMERGÊNCIA CERTO...
AULA 08-10-22 - PAPEL DO TECNICO DE ENFERMEIRO NA URGÊNCIA E EMERGÊNCIA CERTO...AULA 08-10-22 - PAPEL DO TECNICO DE ENFERMEIRO NA URGÊNCIA E EMERGÊNCIA CERTO...
AULA 08-10-22 - PAPEL DO TECNICO DE ENFERMEIRO NA URGÊNCIA E EMERGÊNCIA CERTO...
 
AULA 08-10-22 - PAPEL DO TECNICO DE ENFERMEIRO NA URGÊNCIA E EMERGÊNCIA CERTO...
AULA 08-10-22 - PAPEL DO TECNICO DE ENFERMEIRO NA URGÊNCIA E EMERGÊNCIA CERTO...AULA 08-10-22 - PAPEL DO TECNICO DE ENFERMEIRO NA URGÊNCIA E EMERGÊNCIA CERTO...
AULA 08-10-22 - PAPEL DO TECNICO DE ENFERMEIRO NA URGÊNCIA E EMERGÊNCIA CERTO...
 
PRONTO SOCORRO LIDERANÇA PARTE 1.pptx
PRONTO SOCORRO LIDERANÇA PARTE 1.pptxPRONTO SOCORRO LIDERANÇA PARTE 1.pptx
PRONTO SOCORRO LIDERANÇA PARTE 1.pptx
 
Apostila completa uti
Apostila completa   utiApostila completa   uti
Apostila completa uti
 
Pacientes críticos - enf 19 pdf.pdf
Pacientes críticos - enf 19 pdf.pdfPacientes críticos - enf 19 pdf.pdf
Pacientes críticos - enf 19 pdf.pdf
 
07 hospital
07 hospital07 hospital
07 hospital
 

Último

Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAndersonMoreira538200
 
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOPROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOvilcielepazebem
 
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obrasosnikobus1
 
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfAULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfAULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteinaaula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteinajarlianezootecnista
 
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdfHELLEN CRISTINA
 
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdfAULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
avaliação pratica. pdf
avaliação pratica.                           pdfavaliação pratica.                           pdf
avaliação pratica. pdfHELLEN CRISTINA
 
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de EnfermagemAula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de EnfermagemCarlosLinsJr
 
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxAULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxEnfaVivianeCampos
 
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfNutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfThiagoAlmeida458596
 
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALDEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALCarlosLinsJr
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfEduardoSilva185439
 
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfA HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfMarceloMonteiro213738
 

Último (15)

Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
 
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOPROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
 
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
 
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfAULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
 
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfAULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
 
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteinaaula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
 
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
 
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdfAULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
 
avaliação pratica. pdf
avaliação pratica.                           pdfavaliação pratica.                           pdf
avaliação pratica. pdf
 
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de EnfermagemAula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
 
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxAULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
 
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfNutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
 
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALDEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
 
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfA HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
 

Aula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptx

  • 2. Pioneirismo e evolução da UTI A enfermeira Florence Nightingale, durante a guerra da Criméia, conseguiu idealizar uma unidade de monitoração de pacientes graves, diminuindo em 2% o índice de mortalidade por infecção dos soldados.
  • 3. Ela recrutou e treinou um grupo de 38 voluntárias para colaborarem nos cuidados e higiene dos soldados feridos;  Surgiu a ideia de classificar os doentes de acordo com o grau de dependência dispondo-os nas enfermarias, de tal maneira que os mais graves ficassem próximos à área de trabalho da enfermeiras, para maior vigilância e atendimento.
  • 4. 1854 Era Florence, primeira enfermeira intensivista; Médico Walter Edward criou A 1ª UTI em Boston; 1926 1º medico intensivista Peter Safer preconizou o atendimento de urgência emergência, criou a técnica de ventilação artificial boca a boca e massagem cardíaca.
  • 5. PORTARIA Nº 895, DE 31 DE MARÇO DE 2017.  Institui o cuidado progressivo ao paciente crítico ou grave com classificação os critérios para admissão e alta, de e de de T erapia habilitação de leitos Intensiva adulto, pediátrico, UCO, queimados e Cuidados Intermediários adulto e pediátrico no âmbito do Sistema Único de Saúde – SUS.
  • 6. O cuidado intensivo poderá ser realizado em Unidade de Terapia Intensiva - UTI ou Unidades de Cuidados Intermediários - UCI. A Unidade de Cuidado Intermediário - UCI destinada a usuários em situação clínica de risco moderado, que requerem monitorização e cuidados semi-intensivos, entre a unidade de internação e contínua durante a UTI, as 24h, de monitorização equipamentos e equipe multidisciplinar intermediários necessitando além de especializada.
  • 7. UTI / CONCEITO Serviço hospitalar destinado a usuários em situação clínica grave ou de risco clínico ou cirúrgico, necessitando de cuidados intensivos assistência médica, de enfermagem e fisiote,,rapia ininterruptos de monitorização contínua durante a, s 24h, além de equipamentos e equipe multidisciplinar especializada. (Ministério da Saúde, 2017)
  • 8. UTI / CONCEITO Serviço hospitalar destinado a usuários em situação clínica grave risco clínico ou ou de cirúrgico, necessitando de cuidados intensivos e fisioterapia durante as 24h, além de equipamentos e equipe multidisciplinar especializada. (Ministério da Saúde, 2017) assistência médica, de enfe,,rmagem ininterruptos de monitorização contí, nua
  • 9. CLASSIFICAÇÃO Unidade de T erapia IntensivaAdulto UTI-a; Unidade de Terapia Intensiva Coronariana - UCO; Unidade de Terapia Intensiva Queimados UTI-q; Unidade de Terapia Intensiva Pediátrico UTI-ped; Unidade de Terapia Intensiva Neonatal - UTIN.
  • 10. nº 7, de 24 de fevereiro de De acordo com a RDC 2010 , define-se: UTI Neonatal – destinada à assistência a pacientes admitidos com idade entre 0 e 28 dias; UTI Pediátrica – assistência a pcts com idade de 29 dias a 14 ou 18 anos, sendo este limite definido de acordo com as rotinas da instituição ;
  • 11. UTI Adulto – destinada à assistência de pcts com idade igual ou superior a 18 anos, podendo admitir pcts de 15 a 17 anos, se definido nas normas da instituição; UTI Especializada – destinada à assistência a pcts selecionados por tipo de doença ou intervenção, como cardiopatas, neurológicos, cirúrgicos, entre outras.
  • 12. Centro de Terapia Intensiva (CTI): agrupamento, numa mesma área física de mais de uma UTI; Paciente grave: paciente com comprometimento de um ou mais dos principais sistemas fisiológicos, com perda de sua auto-regulação, necessitando de assistência contínua.
  • 13. ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DA UTI Estrutura física: área geográfica distinta dentro do hospital, com acesso controlado, sem transito para outros departamentos. Localização deve ter acesso direto e ser próxima de elevador, serviços de emergência, centro cirúrgico, sala recuperação pós- anestésica, unidades intermediárias de terapia e serviço de laboratório e radiologia.
  • 14. Número de leitos de UTI Todo hospital de nível terciário, com capacidade instalada igual ou superior a 100 leitos, deve dispor de leitos de tratamento intensivo correspondente a no mínimo 6% dos leitos totais, Ou seja, No mínimo 6 leitos de UTI para cada 100 leitos.
  • 15. COMPOSIÇÃO DA EQUIPE DA UTI Deve ser designada uma equipe multiprofissional, legalmente habilitada, a qual deve ser dimensionada, quantitativa e assistencial, a qualitativamente, de acordo com o perfil demanda da unidade e legislação vigente, contendo, para no mínimo, os seguintes atuação exclusiva na unidade, profissionais:
  • 16. Deve ser designado 1 responsável Técnico médico, 1 enfermeiro coordenador da equipe de enfermagem e 1 fisioterapeuta coordenador da equipe de fisioterapia, assim como seus respectivos substitutos. ATENÇÃO!!! O Responsável Técnico deve ter título de especialista em Medicina Intensiva para responder por UTI Adulto; habilitação em Medicina Intensiva Pediátrica, para responder por UTI Pediátrica; título de especialista em Pediatria com área de atuação em Neonatologia, para responder por UTI Neonatal;
  • 17. leitos ou Médico diarista: 01 (um) para cada 10 (dez) fração, nos turnos matutino e vespertino; Médicos plantonistas: no mínimo 01 (um) para cada 10 (dez) leitos ou fração, em cada turno; Enfermeiros assistenciais: no mínimo 01 (um) para cada 10 (dez) leitos ou fração, em cada turno; Funcionários exclusivospara serviço de limpeza da unidade, em cada turno;
  • 18. Fisioterapeutas: no mínimo 01 (um) para cada 10 (dez) leitos ou fração, nos turnos matutino, vespertino e noturno, perfazendo um total de 18 horas diárias de atuação; Técnicos de enfermagem: no mínimo 01 (um) para cada 02 (dois) leitos em cada turno; Auxiliares administrativos: no mínimo 01 (um) exclusivo da unidade;
  • 19. ATENÇÃO!!! Todos os profissionais da estar imunizados contra difiteria, hepatite B e UTI devem tétano, outros imunobiológicos, acordo com a NR 32.
  • 21. Cama hospitalar com ajuste de posição, grades laterais e rodízios; Carro ressuscitador com monitor, desfibrilador, cardioversor medicações e material para intubação endotraqueal (carrinho de parada); Ventilador pulmonar com misturador tipo blender;
  • 22.
  • 23. Maca para transporte, com grades laterais, com suporte para equipamento de infusão controlada de fluídos, suporte para cilindro de oxigênio; Monitor para monitorização contínua de múltiplos parâmetros (oximetria de pulso, pressão arterial não invasiva, frequência respiratória);
  • 24.
  • 25. Material para monitorização de pressão venosa central; Equipamento para aferição de glicemia capilar;
  • 26. Oxímetro de pulso; Bomba de infusão; Conjunto de nebulização, em máscara; Conjunto padronizado de beira de leito, contendo termômetro, esfigmomanômetro, estetoscópio, bolsa- válvula-máscara (AMBU).
  • 27.
  • 28. Bandejas para procedimentos como: dialise drenagem torácica, toracotomia, punção peritonal, pericárdica curativos, punção lo,mbar, sondagem vesical e traqueostomia; Materiais e equipamento para monitorização de pressão arterial invasiva; Poltronas removíveis, com revestimento impermeável, para pct;
  • 29.
  • 30. externo, eletrodos e Marcapasso cardíaco geradorna unidade; Eletrocardiógrafo portátil; Capnógrafo (monitora a concentração de dióxido de carbono nos gases respiratórios); Máscaras facial (Venturi);
  • 31.
  • 32. Materiais para aspiração traqueal; Negatoscópio ou sistema informatizado para visualização de imagens; Oftalmoscópio (examina interior dos olhos); Otoscópio (examina membrana do tímpano); Pontos de oxigênio e ar comprimido medicinal com válvulas reguladoras de pressão e pontos de vácuo para cada leito;
  • 33.
  • 34. Cilindro de oxigênio e ar comprimido, transportável; Conjunto CPAP nasal mais umidificador; Capacete para oxigenioterapia para UTI pediátrica e neonatal (hood); Foco auxiliar portátil e Aspirador cirúrgico portátil.
  • 35.
  • 36. Dispositivo para elevar, transpor e pesar o paciente. Desfibrilador e cardioversor, com bateria. Equipamento para mensurarpressão de balonete de tubo/cânula endotraqueal (cuffômetro). Relógios e calendários posicionados de forma a permitir visualização em todos os leitos. Refrigerador, com temperatura interna de 2 a 8°C, de uso exclusivo para guarda de medicamentos, com monitorização e registro de temperatura.
  • 37. AMBIENTE HUMANIZADO Climatização; Iluminação natural; Divisórias entre os leitos; Relógios visíveis para todos os leitos; familiares, a Garantia de visitas diárias dos beira do leito; Garantia de informações da evolução diária dos pacientes aos familiares por meio de boletins.
  • 38. precoce além de É muito importante para a equipe de saúde o reconhecimento da severidade da doença, medidas prioritárias, destacando-se: Reanimação imediata e controle respiratório; Controle da hipercalemia, hipoglicemia e arritmia; Monitoramento e suporte à condição do paciente e a resposta do enfermeiro;
  • 40. Pacientes com doença pulmonar ou de vias respiratórias (Necessidade de ventilação mecânica e suplementação de oxigênio); Pacientes com doença cardiovascular (choque, IAM, pós rcp, síndrome coronariana, arritmias, emergências hipertensivas...); Pacientes responsivas com doença neurológica ao tratamento, infecções (Convulsões não meníngeas, TCE, coma,AVC...);
  • 41. Pacientes com doença oncológica ou hematológica instável ou sangramento ativo (transplante de medula óssea); Pacientes com doenças endócrinas e/ou alterações metabólicas ou eletrolíticas com descompensação , que causem risco ou instabilidade hemodinâmica ou respiratória (cetoacidose diabética...);
  • 42. gastrointestinal instável Pacientes com doença (perfuração de víscera oca...); Pacientes em pós-operatório necessitandode monitorização ventilatório ou intenso cuidado multidisciplinar; Pacientes com doença renal instável (IR); ou requerendo suporte x
  • 43. Intoxicação exógena (overdose); Disfunção de múltiplos órgãos; Hipertermia maligna;  Grande queimado ou queimadura com risco de comprometimento respiratório; Hipotermia levando a instabilidade; Acidentes elétricos ou ambientais; Sepse; Afogamento.
  • 44. PARÂMETROS UTILIZADOS PARA ADMISSÃO NAUTI São critérios objetivos utilizados na admissãode críticos, podendo ser modificados a do modelo padronizado para cada pacientes depender instituição. Sinais vitais com valores acima ou abaixo dos padrões de normalidade (PA, pulso, temp., dor e respiração alterados); Outros: anúria (ausência de produção da urina), obstrução de vias aéreas, coma, crises convulsivas contínuas, cianose.
  • 45. Valores de sinais vitais Temperatura - 36 a 38 °C Frequência cardíaca (pulso) - 60 a 100 bcpm Frequência respiratória - 12 a 20 irpm Pressão arterial - menor ou = a 120/80 mmHg Dor - sem dor a dor grave.
  • 46. NORMAS E ROTINAS DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NO PROCESSO DE ADMISSÃO NA UTI
  • 47. EQUIPE DE ENFERMAGEM Montar a unidade, receber o paciente e transferir da maca para o leito em segurança; Promover oxigenação adequada, monitorização, manutenção de acessos e infusões; Promover proteção para evitar perda de tubos, sondas e drenos, checar drenos de tórax e sonda vesical quanto a permeabilidade (se aberto ou fechado);
  • 48. Observar nível de consciência, sinais vitais, presença de próteses, talas, órteses, integridade da pele; Identificar grau de dependência (deficiência visual, mobilidade, comunicação); Proceder a rotina de controles e medicações conforme prescrições medicas e de enfermagem, priorizar as atividades conforme gravidade do paciente;
  • 49. prontuário Anotar todas as observações no devidamente assinado e carimbado; Orientar o rotinas do paciente e os familiares sobre setor: visitas, pertences, informações, lista de materiais de higiene.
  • 50. Foco no estudos! Foco no jaleco!
  • 51. REFERÊNCIAS • BRASIL. Ministério da saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Portaria nº 895, de 31 de março de 2017. da saúde. Agência Nacional de RDC nº 7, de 24 de fevereiro de • BRASIL. Ministério Vigilância Sanitária. 2010.