SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 56
Aula Verificação de Sinais Vitais 
Prof. Enf ª Viviane
O que são sinais vitais 
 Os sinais vitais são um meio rápido e 
eficiente para se monitorar as condições de 
um paciente ou identificar a presença de 
problemas 
 Temperatura (T), 
 Pulso ou batimentos cardíacos (P ou bpm), 
 Respiração (R ou rpm) e 
 Pressão ou Tensão Arterial (PA ou TA).
Quando verificar os sinais vitais? 
 Na admissão do paciente 
 Dentro da rotina de atendimento 
 Pré consulta ou consulta hospitalar ou 
ambulatorial. 
 Antes e depois de qualquer procedimento 
cirúrgico. 
 Antes e depois de qualquer procedimento invasivo 
de diagnóstico 
 Antes e depois da administração de medicamentos 
que afetam as funções cardiovasculares, 
respiratória e de controle da temperatura. 
 Sempre que o paciente manifestar quaisquer 
sintomas inespecífico de desconforto físico
materiais 
Relógio 
Bandeja contendo: 
Termômetro 
Lenços de papel 
Esfisgmomanômetro e estetoscópio 
Recipiente c/ algodão c/ alcool a 70% 
Saco ou cuba p/ desprezar resíduos 
Caneta 
Caderneta p/ anotação 
Acessórios p/ temp. Retal (luvas e vaselina)
TEMPERATURA 
É o nível de calor distribuído 
pelo corpo -Equilíbrio 
Locais de verificação: 
- Oral 
- Axilar/inguinal 
- Retal
TERMÔMETRO CLÍNICO
Temperatura 
Adultos 
 via oral variam entre 36,1º a 37,5ºC 
 Retal (leitura mais precisa) é 0,5ºC mais alta 
 Axilar (menos precisa) é 0,1ºC a 1,1ºC mais baixa 
Axilar - 35,5 a 37,0 0C 
Bucal - 36,0 a 37,4 0C 
Retal - 36,0 a 37,5 0C 
 Oscila de acordo com a atividade e repouso 
 Leituras mais baixas ocorrem entre 4 e 5h da manhã. 
 Leituras mais altas se situam entre 4 e 6 horas da noite. 
 Mulheres tem temp. + alta que homens 
 Temp. é mais alta em RN e mais baixa em idosos.
Temperatura bucal 
 Explique ao paciente 
 Abaixe a coluna de mercúrio 
 Posicione a ponta do termometro sob a lingua do 
paciente em local profundo em qualquer lado do frenulo 
lingual 
 Instrua o pcte a fechar os labios, mas não encostar os 
dentes 
 Deixar por 7 minutos 
 Registre a temperatura com a letra B (boca) 
 Para completa precisão, nunca faça a verificação após o 
paciente ter fumado ou tomado bebidas quentes. Espere 
de 20 a 30 minutos.- termometro individual
Verificando a temperatura retal: 
 Deite a pessoa de lado com a perna de cima dobrada. 
Cubra-o p/ proporcionar privacidade 
 Passe lubrificante no papel e lubrifique o termometro 
1,5cm p/ crianças e 2 cm p/ adultos 
 Erga a região glutea superior 
 Introduza cuidadosamente o termômetro no reto, em 
direção ao umbigo. 
 Segure o termômetro p/ evitar danos 
 Remova cuidadosamente após 7 minutos, limpe e faça a 
leitura anotando a letra R (retal)
Temperatura axilar 
 Posicione o paciente confortavelmente 
 Seque delicadamente a axila c/ lenço de papel 
 Peça ao pcte p/ colocar a mão sobre o torax e 
segurar no ombro oposto c/ o cotovelo erguido 
 Posicione o termometro na axila 
 Solicite ao pcte para baixar o cotovelo 
 Deixe no local por 5 minutos
 Oral: contra indicada p/ pctes inconsciente, 
desorientados, ou propensos a convulsõs, 
em crianças muito novas, bebês, pctes c/ 
problemas orais ou nasais. 
 Retal: contra-indicada em casos de diarreia, 
cirurgias, ferimentos retais.
TERMINOLOGIA BÁSICA 
 Normotermia: temperatura corporal normal. 
 Afebril: 36 a 37ºC 
 Estado febril ou Febrícula: 37,5 a 37,8ºC 
 Febre ou hipertermia: a partir de 37,8º C a 
38,9ºC 
 Pirexia: 39 a 40ºC 
 Hiperpirexia: a partir de 40º C. 
 Hipotermia: temperatura abaixo de 35ºC. 
 Hipertemia: 38 a 40ºC
Pulso
PULSO 
 A palpação do pulso é um dos 
procedimentos clínicos mais antigos da 
prática médica, e representa também um 
gesto simbólico, pois é um dos primeiros 
contato físico entre o médico e o 
paciente. 
 o pulso é a contração e expansão 
alternada de uma artéria
LOCAIS 
As artérias em que com 
freqüência são verificados 
os pulsos: 
 artéria radial (pulso), 
 carótidas (pescoço), 
 braquial(espaço anti-cubital), 
 femurais (reg. Inguinal), 
 pediosas (pés), 
 temporal (face - têmporas), 
 Poplítea (joelhos) e 
 tibial posterior (tornozelos).
Como verificar o pulso? 
 Lavar as mãos 
 Orientar o paciente quanto ao 
procedimento 
 Colocar o paciente em 
posição confortável, sentado 
ou deitado, porém sempre 
com o braço apoiado
Como verificar o pulso? 
 Realizar o procedimento de acordo com a 
técnica descrita abaixo 
 Contar durante 1 minuto inteiro 
 Lavar as mãos 
 Anotar no prontuário
TÉCNICA 
 - Pulso radial: a 
artéria radial 
encontra-se no pulso, 
palpá-los emprega-se 
os dedos indicador e 
médio, com o polegar 
fixado no dorso do 
punho do paciente, 
sendo que o 
examinador usa a 
mão direita para 
examinar o pulso 
esquerdo e vice versa 
.
PULSO CAROTÍDEO 
 as pulsações da carótida são visíveis e palpáveis 
medialmente aos músculos esternocleidomastoideos. 
Para sua palpação, devemos 
colocar o indicador e dedo 
médio sobre a carótida direita e 
vice-versa, no terço inferior do 
pescoço, adjacente à margem 
medial do músculo 
esternocleiomastoideo bem 
relaxado, aproximadamente ao 
nível da cartilagem cricóide.
PULSO BRAQUIAL 
Palpar a artéria braquial 
(face interna do 
cotovelo), sendo que o 
braço do paciente deve 
repousar com o 
cotovelo esticado e as 
palmas da mão para 
cima.
PULSO FEMURAL
PULSO POPLITEO
CARACTERÍSTICAS DO PULSO 
 FREQÜÊNCIA - A 
contagem deve ser 
sempre feita por um 
período de 1 minuto, 
sendo que a freqüência 
varia com a idade e 
diversas condições 
físicas.
CARACTERÍSTICAS DO PULSO 
 Está aumentado em situações fisiológicas 
como exercício, emoção, gravidez, ou em 
situações patológicas como estados febris, 
hipertiroidismo, hipovolemia entre muitos 
outros. 
 A bradisfigmia pode ser normal em atletas.
CARACTERÍSTICAS DO PULSO 
 Na primeira infância varia de 120 a 130 
bat/min.; 
 Na segunda infância de 80 a 100 
 No adulto é considerada normal de 60 a 100 
batimentos por minuto, 
 Sendo que acima do valor normal, temos a 
taquisfigmia e abaixo bradisfigmia.
CARACTERÍSTICAS DO PULSO 
 RITMO - É dado pela seqüência das 
pulsações, sendo que quando ocorrem a 
intervalos iguais, chamamos de ritmo 
regular, 
 sendo que se os intervalos são ora mais 
longos ora mais curtos, o ritmo é irregular. 
 A arritmia traduz alteração do ritmo 
cardíaco.
Respiração
 A respiração é a 
troca de gases dos 
pulmões com o 
meio exterior, que 
tem como objetivo 
a absorção do 
oxigênio e 
eliminação do gás 
carbônico. 
 FREQÜÊNCIA - 
crianças - 30 a 40 
movimentos 
respiratórios/minuto 
 adulto - 14 a 20 
movimentos 
respiratórios/minuto
ALTERAÇÕES DA RESPIRAÇÃO 
 Dispnéia: é a respiração difícil, trabalhosa ou curta. É 
sintoma comum de várias doenças pulmonares e 
cardíacas; pode ser súbita ou lenta e gradativa. 
 Ortopnéia: é a incapacidade de respirar facilmente, 
exceto na posição ereta. 
 Taquipnéia : respiração rápida, acima dos valores da 
normalidade, freqüentemente pouco profunda. 
 Bradipnéia : respiração lenta, abaixo da normalidade. 
 Apnéia: ausência da respiração
COMO VERIFICAR A 
RESPIRAÇÃO? 
 MATERIAL 
 Relógio com ponteiro de segundos 
 Papel e caneta para anotações
COMO VERIFICAR A 
RESPIRAÇÃO? 
 Lavar as mãos 
 Orientar o paciente quanto ao exame 
 Não deixar o paciente perceber que estão 
sendo contados os movimentos 
 Contagem pelo período de 1 minuto 
 Lavar as mãos no término 
 Anotar no prontuário
Pressão Arterial
PRESSÃO ARTERIAL 
 A pressão ou tensão arterial é um parâmetro de 
suma importância na investigação diagnóstica, 
sendo obrigatório em toda consulta de qualquer 
especialidade; relacionando-se com o coração. 
 É medida com a utilização do esfigmomanômetro 
e do estetoscópio.
PRESSÃO ARTERIAL 
 É a medida da força aplicada contra as paredes 
das artérias, quando o coração bombeia sangue 
através do corpo. A pressão é determinada pela 
força e quantidade de sangue bombeado e pelo 
tamanho e flexibilidade das artérias.
ESFIGMOMANÔMETRO 
É o instrumento utilizado para a medida da pressão 
arterial. Foi idealizado por três cientistas: VonBasch 
(1880), Riva-Ricci (1896) e Korotkoff (1905). 
O tamanho do aparelho depende da circunferência do 
braço a ser examinado, sendo que a bolsa inflável do 
manguito deve ter uma largura que corresponda à 40% 
da circunferência do braço, sendo que seu 
comprimento deve ser de 80%; manguitos muito curtos 
ou estreitos podem fornecer leituras falsamente 
elevadas.
ESFIGMOMANÔMETRO 
O esfigmomanômetro pode ser de coluna 
de mercúrio para a medida da pressão, 
ou aneróide. Existem aparelhos semi-automáticos 
que se utilizam do método 
auscultatório e oscilométrico, com grau 
de confiabilidade variável, devido 
sofrerem com freqüência alterações na 
calibração.
coluna de 
mercúrio
 Digital
ESFIGMOMANÔMETRO 
aneróide
ESTETOSCÓPIO
ESTETOSCÓPIO 
- Existem vários modelos, porém os principais 
componentes são: 
 Olivas auriculares: são pequenas peças cônicas que 
proporcionam uma perfeita adaptação ao meato auditivo, 
de modo a criar um sistema fechado entre o ouvido e o 
aparelho. 
Armação metálica: põe em comunicação as peças 
auriculares com o sistema flexível de borracha; é provida 
de mola que permite um perfeito ajuste do aparelho. 
Tubos de borracha: possuem diâmetro de 0,3 a 0,5 cm. e 
comprimento de 25 a 30 cm. 
Receptores: existem dois tipos fundamentais: o de 
campânula de 2,5 cm. que é mais sensível aos sons de 
menor freqüência e o diafragma que dispõe de uma 
membrana semi-rígida com diâmetro de 3 a 3,5 cm., 
utilizado para ausculta em geral.
DIAFRAGMA
VERIFICANDO...
VALORES NORMAIS DA PRESSÃO 
ARTERIAL 
 - Os valores máximos estabelecidos pelo 
Consenso Brasileiro da Sociedade Brasileira 
de Cardiologia para indivíduos acima de 18 
anos é de 120/80 mmHg. A pressão arterial 
sistólica como a diastólica podem estar 
alteradas isolada ou conjuntamente.
VARIAÇÕES FISIOLÓGICAS 
 Idade - em crianças é nitidamente mais baixos do 
que em adultos 
 Sexo - na mulher é pouco mais baixa do que no 
homem, porém na 
prática adotam-se os mesmos valores 
 Raça - as diferenças em grupos étnicos muito 
distintos talvez se deva à condições culturais e de 
alimentação.
VARIAÇÕES FISIOLÓGICAS 
 Sono - durante o sono ocorre uma 
diminuição de cerca de 10% tanto na 
sistólica como na diastólica 
 Emoções - há uma elevação principalmente 
da sistólica
VARIAÇÕES FISIOLÓGICAS 
 Exercício físico - provoca intensa elevação 
da PA, devido ao aumento do débito 
cardíaco, existindo curvas normais da 
elevação da PA durante o 
esforço físico. (testes ergométricos). 
 Alimentação - após as refeições, há discreta 
elevação, porém sem significado prático.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Semiologia slide pronto 19112012 (1)
Semiologia slide pronto 19112012 (1)Semiologia slide pronto 19112012 (1)
Semiologia slide pronto 19112012 (1)
Karina Pereira
 
Historia Da Enfermagem
Historia Da EnfermagemHistoria Da Enfermagem
Historia Da Enfermagem
Fernando Dias
 
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
joselene beatriz
 
Aula 7 posições cirúrgicas
Aula 7 posições cirúrgicasAula 7 posições cirúrgicas
Aula 7 posições cirúrgicas
Marci Oliveira
 

Mais procurados (20)

Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentos
 
Sinais Vitais
Sinais VitaisSinais Vitais
Sinais Vitais
 
Cuidado ao Recém-nascido no Parto e Nascimento
Cuidado ao Recém-nascido no Parto e NascimentoCuidado ao Recém-nascido no Parto e Nascimento
Cuidado ao Recém-nascido no Parto e Nascimento
 
Roteiro de Admissão, Evolução, Transferência e Alta hospitalar.
Roteiro de Admissão, Evolução, Transferência e Alta hospitalar.Roteiro de Admissão, Evolução, Transferência e Alta hospitalar.
Roteiro de Admissão, Evolução, Transferência e Alta hospitalar.
 
História da enfermagem
História da enfermagemHistória da enfermagem
História da enfermagem
 
Exame do Recém-Nascido
Exame do Recém-NascidoExame do Recém-Nascido
Exame do Recém-Nascido
 
Aula 1 o ..
Aula 1 o ..Aula 1 o ..
Aula 1 o ..
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem
 
Aula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergênciaAula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergência
 
Semiologia slide pronto 19112012 (1)
Semiologia slide pronto 19112012 (1)Semiologia slide pronto 19112012 (1)
Semiologia slide pronto 19112012 (1)
 
Enfermagem clínica SLIDE.pptx
Enfermagem clínica SLIDE.pptxEnfermagem clínica SLIDE.pptx
Enfermagem clínica SLIDE.pptx
 
Sinais vitais aula 4
Sinais vitais aula 4Sinais vitais aula 4
Sinais vitais aula 4
 
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
 
Historia Da Enfermagem
Historia Da EnfermagemHistoria Da Enfermagem
Historia Da Enfermagem
 
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
 
02 aula Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.
02 aula   Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.02 aula   Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.
02 aula Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.
 
Aula 7 posições cirúrgicas
Aula 7 posições cirúrgicasAula 7 posições cirúrgicas
Aula 7 posições cirúrgicas
 
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEMAula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
 
Punção venosa.
Punção venosa.Punção venosa.
Punção venosa.
 
Evolução de UTI
Evolução de UTIEvolução de UTI
Evolução de UTI
 

Destaque

2ª aula slides sinais vitais
2ª aula slides   sinais vitais2ª aula slides   sinais vitais
2ª aula slides sinais vitais
Simone Alvarenga
 
Aula+sinais+vitais carmen
Aula+sinais+vitais carmenAula+sinais+vitais carmen
Aula+sinais+vitais carmen
drilopez
 
Manual PráTico De TéCnicas De Enfermagem
Manual PráTico De TéCnicas De EnfermagemManual PráTico De TéCnicas De Enfermagem
Manual PráTico De TéCnicas De Enfermagem
Eduardo Gomes da Silva
 
Apostila fundamentos de enfermagem
Apostila fundamentos de enfermagemApostila fundamentos de enfermagem
Apostila fundamentos de enfermagem
Aretusa Delfino
 
Fundamentos de enfermagem aula 3
Fundamentos de enfermagem aula 3Fundamentos de enfermagem aula 3
Fundamentos de enfermagem aula 3
9999894014
 
Exame Físico
Exame FísicoExame Físico
Exame Físico
lacmuam
 
Manual de limpeza e desinfecção de superficies ANVISA
Manual de limpeza e desinfecção de superficies ANVISAManual de limpeza e desinfecção de superficies ANVISA
Manual de limpeza e desinfecção de superficies ANVISA
evandroFREITAS
 

Destaque (20)

2ª aula slides sinais vitais
2ª aula slides   sinais vitais2ª aula slides   sinais vitais
2ª aula slides sinais vitais
 
Sinais vitais_
Sinais  vitais_Sinais  vitais_
Sinais vitais_
 
Fundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemFundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagem
 
Aula+sinais+vitais carmen
Aula+sinais+vitais carmenAula+sinais+vitais carmen
Aula+sinais+vitais carmen
 
Sinais vitais 2015
Sinais vitais 2015Sinais vitais 2015
Sinais vitais 2015
 
Manual PráTico De TéCnicas De Enfermagem
Manual PráTico De TéCnicas De EnfermagemManual PráTico De TéCnicas De Enfermagem
Manual PráTico De TéCnicas De Enfermagem
 
Apostila fundamentos de enfermagem
Apostila fundamentos de enfermagemApostila fundamentos de enfermagem
Apostila fundamentos de enfermagem
 
higiene e conforto do paciente
higiene e conforto do pacientehigiene e conforto do paciente
higiene e conforto do paciente
 
Fundamentos de enfermagem aula 3
Fundamentos de enfermagem aula 3Fundamentos de enfermagem aula 3
Fundamentos de enfermagem aula 3
 
Instrumentos Básicos do Cuidar - Enfermagem
Instrumentos Básicos do Cuidar - Enfermagem Instrumentos Básicos do Cuidar - Enfermagem
Instrumentos Básicos do Cuidar - Enfermagem
 
Monitorização do paciente na UTI
Monitorização do paciente na UTIMonitorização do paciente na UTI
Monitorização do paciente na UTI
 
Questões aula 1
Questões aula 1Questões aula 1
Questões aula 1
 
Aula 1 orientações gerais e cuidados pessoais
Aula 1 orientações gerais e cuidados pessoaisAula 1 orientações gerais e cuidados pessoais
Aula 1 orientações gerais e cuidados pessoais
 
Manual anotacoes-de-enfermagem-coren-sp
Manual anotacoes-de-enfermagem-coren-spManual anotacoes-de-enfermagem-coren-sp
Manual anotacoes-de-enfermagem-coren-sp
 
Exame Físico
Exame FísicoExame Físico
Exame Físico
 
Técnicas de medição arterial
Técnicas de medição arterialTécnicas de medição arterial
Técnicas de medição arterial
 
Aula sinais vitais
Aula sinais vitaisAula sinais vitais
Aula sinais vitais
 
Aula acessos venosos
Aula acessos venososAula acessos venosos
Aula acessos venosos
 
Manual de limpeza e desinfecção de superficies ANVISA
Manual de limpeza e desinfecção de superficies ANVISAManual de limpeza e desinfecção de superficies ANVISA
Manual de limpeza e desinfecção de superficies ANVISA
 
administração de medicamentos Via retal
administração de medicamentos Via retaladministração de medicamentos Via retal
administração de medicamentos Via retal
 

Semelhante a Aula sinais vitais

aulas2sinaisvitais-140825080409-phpapp01 (1).pptx
aulas2sinaisvitais-140825080409-phpapp01 (1).pptxaulas2sinaisvitais-140825080409-phpapp01 (1).pptx
aulas2sinaisvitais-140825080409-phpapp01 (1).pptx
MarianaMylena
 
aulas2sinaisvitais-140825080409-phpapp01.pptx
aulas2sinaisvitais-140825080409-phpapp01.pptxaulas2sinaisvitais-140825080409-phpapp01.pptx
aulas2sinaisvitais-140825080409-phpapp01.pptx
BruceCosta4
 
sinais vitais - temperatura, pressão arterial
sinais vitais - temperatura, pressão arterialsinais vitais - temperatura, pressão arterial
sinais vitais - temperatura, pressão arterial
josianeavila3
 
Sinaisvitais 121016112235-phpapp01
Sinaisvitais 121016112235-phpapp01Sinaisvitais 121016112235-phpapp01
Sinaisvitais 121016112235-phpapp01
Kaliny Bianca
 
AULA SINAIS VITAIS PARA ENFERMAGEM - TEORIA E PRÁTICA
AULA SINAIS VITAIS PARA ENFERMAGEM - TEORIA E PRÁTICAAULA SINAIS VITAIS PARA ENFERMAGEM - TEORIA E PRÁTICA
AULA SINAIS VITAIS PARA ENFERMAGEM - TEORIA E PRÁTICA
RaissaEufrazio
 
monitorização não invasia.pptx
monitorização não invasia.pptxmonitorização não invasia.pptx
monitorização não invasia.pptx
tuttitutti1
 
Apresentação de Marketing Redator Freelancer Delicado Orgânico Marrom e Cr...
Apresentação de Marketing Redator Freelancer Delicado Orgânico Marrom e Cr...Apresentação de Marketing Redator Freelancer Delicado Orgânico Marrom e Cr...
Apresentação de Marketing Redator Freelancer Delicado Orgânico Marrom e Cr...
sarasmfranca
 
Exame+fís..
Exame+fís..Exame+fís..
Exame+fís..
lacmuam
 

Semelhante a Aula sinais vitais (20)

aulas2sinaisvitais-140825080409-phpapp01 (1).pptx
aulas2sinaisvitais-140825080409-phpapp01 (1).pptxaulas2sinaisvitais-140825080409-phpapp01 (1).pptx
aulas2sinaisvitais-140825080409-phpapp01 (1).pptx
 
aulas2sinaisvitais-140825080409-phpapp01.pptx
aulas2sinaisvitais-140825080409-phpapp01.pptxaulas2sinaisvitais-140825080409-phpapp01.pptx
aulas2sinaisvitais-140825080409-phpapp01.pptx
 
Aula Sinais vitais.pptx
Aula Sinais vitais.pptxAula Sinais vitais.pptx
Aula Sinais vitais.pptx
 
Sinais Vitais.pptx
Sinais Vitais.pptxSinais Vitais.pptx
Sinais Vitais.pptx
 
sinais vitais - temperatura, pressão arterial
sinais vitais - temperatura, pressão arterialsinais vitais - temperatura, pressão arterial
sinais vitais - temperatura, pressão arterial
 
Ps 3 db.
Ps 3 db.Ps 3 db.
Ps 3 db.
 
Sinaisvitais 121016112235-phpapp01
Sinaisvitais 121016112235-phpapp01Sinaisvitais 121016112235-phpapp01
Sinaisvitais 121016112235-phpapp01
 
AULA SINAIS VITAIS PARA ENFERMAGEM - TEORIA E PRÁTICA
AULA SINAIS VITAIS PARA ENFERMAGEM - TEORIA E PRÁTICAAULA SINAIS VITAIS PARA ENFERMAGEM - TEORIA E PRÁTICA
AULA SINAIS VITAIS PARA ENFERMAGEM - TEORIA E PRÁTICA
 
monitorização não invasia.pptx
monitorização não invasia.pptxmonitorização não invasia.pptx
monitorização não invasia.pptx
 
assistência de enfermagem 02.pptx
assistência de enfermagem 02.pptxassistência de enfermagem 02.pptx
assistência de enfermagem 02.pptx
 
Sinais Vitais.pptx
Sinais Vitais.pptxSinais Vitais.pptx
Sinais Vitais.pptx
 
TEC.ENFERMAGEM CLÍNICA SINAIS VITAIS.pdf
TEC.ENFERMAGEM CLÍNICA SINAIS VITAIS.pdfTEC.ENFERMAGEM CLÍNICA SINAIS VITAIS.pdf
TEC.ENFERMAGEM CLÍNICA SINAIS VITAIS.pdf
 
SSVV -Antropometria
SSVV -AntropometriaSSVV -Antropometria
SSVV -Antropometria
 
pressão arterial
pressão arterialpressão arterial
pressão arterial
 
AULA CURATIVOS.pptx
AULA CURATIVOS.pptxAULA CURATIVOS.pptx
AULA CURATIVOS.pptx
 
Apresentação de Marketing Redator Freelancer Delicado Orgânico Marrom e Cr...
Apresentação de Marketing Redator Freelancer Delicado Orgânico Marrom e Cr...Apresentação de Marketing Redator Freelancer Delicado Orgânico Marrom e Cr...
Apresentação de Marketing Redator Freelancer Delicado Orgânico Marrom e Cr...
 
Cap 06 sinais-vitais
Cap 06 sinais-vitaisCap 06 sinais-vitais
Cap 06 sinais-vitais
 
SINAIS VITAIS unip.pptx
SINAIS VITAIS unip.pptxSINAIS VITAIS unip.pptx
SINAIS VITAIS unip.pptx
 
Sem título 1.pdf
Sem título 1.pdfSem título 1.pdf
Sem título 1.pdf
 
Exame+fís..
Exame+fís..Exame+fís..
Exame+fís..
 

Mais de Viviane da Silva

Mais de Viviane da Silva (20)

Características recém nascidos: o que é normal e o que não é
Características recém nascidos: o que é normal e o que não éCaracterísticas recém nascidos: o que é normal e o que não é
Características recém nascidos: o que é normal e o que não é
 
Apostila puerperio
Apostila puerperioApostila puerperio
Apostila puerperio
 
Cancer de pele
Cancer de peleCancer de pele
Cancer de pele
 
Cuidados com dreno de suctor
Cuidados com dreno de suctorCuidados com dreno de suctor
Cuidados com dreno de suctor
 
Administração medicamenos via vaginal
Administração medicamenos via vaginalAdministração medicamenos via vaginal
Administração medicamenos via vaginal
 
Administração de medicamentos via oftalmica
Administração de medicamentos via oftalmicaAdministração de medicamentos via oftalmica
Administração de medicamentos via oftalmica
 
Administração de medicamentos via nasal
Administração de medicamentos via nasalAdministração de medicamentos via nasal
Administração de medicamentos via nasal
 
Aula Remoção manual impactação fecal (fecaloma)
Aula Remoção manual impactação fecal (fecaloma)Aula Remoção manual impactação fecal (fecaloma)
Aula Remoção manual impactação fecal (fecaloma)
 
Calculo permanganato de potassio
Calculo permanganato de potassioCalculo permanganato de potassio
Calculo permanganato de potassio
 
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditatoAula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
 
Aula 2 conceitos e definições
Aula 2 conceitos e definições Aula 2 conceitos e definições
Aula 2 conceitos e definições
 
Manual feridas ministerio da saude
Manual feridas ministerio da saudeManual feridas ministerio da saude
Manual feridas ministerio da saude
 
Aula feridas e curativos
Aula feridas e curativosAula feridas e curativos
Aula feridas e curativos
 
Higiene corporea do cliente
Higiene corporea do clienteHigiene corporea do cliente
Higiene corporea do cliente
 
Limpeza terminal
Limpeza terminalLimpeza terminal
Limpeza terminal
 
Manual procedimento vacinação
Manual procedimento vacinaçãoManual procedimento vacinação
Manual procedimento vacinação
 
Reformapsiquiatrica
ReformapsiquiatricaReformapsiquiatrica
Reformapsiquiatrica
 
Administração medicamentos: regras gerais e tipos de seringas
Administração medicamentos: regras gerais e tipos de seringas Administração medicamentos: regras gerais e tipos de seringas
Administração medicamentos: regras gerais e tipos de seringas
 
Adm med via intramuscular
Adm med via intramuscularAdm med via intramuscular
Adm med via intramuscular
 
Administração medicamentos via subcutanea
Administração  medicamentos via subcutaneaAdministração  medicamentos via subcutanea
Administração medicamentos via subcutanea
 

Aula sinais vitais

  • 1. Aula Verificação de Sinais Vitais Prof. Enf ª Viviane
  • 2. O que são sinais vitais  Os sinais vitais são um meio rápido e eficiente para se monitorar as condições de um paciente ou identificar a presença de problemas  Temperatura (T),  Pulso ou batimentos cardíacos (P ou bpm),  Respiração (R ou rpm) e  Pressão ou Tensão Arterial (PA ou TA).
  • 3. Quando verificar os sinais vitais?  Na admissão do paciente  Dentro da rotina de atendimento  Pré consulta ou consulta hospitalar ou ambulatorial.  Antes e depois de qualquer procedimento cirúrgico.  Antes e depois de qualquer procedimento invasivo de diagnóstico  Antes e depois da administração de medicamentos que afetam as funções cardiovasculares, respiratória e de controle da temperatura.  Sempre que o paciente manifestar quaisquer sintomas inespecífico de desconforto físico
  • 4. materiais Relógio Bandeja contendo: Termômetro Lenços de papel Esfisgmomanômetro e estetoscópio Recipiente c/ algodão c/ alcool a 70% Saco ou cuba p/ desprezar resíduos Caneta Caderneta p/ anotação Acessórios p/ temp. Retal (luvas e vaselina)
  • 5. TEMPERATURA É o nível de calor distribuído pelo corpo -Equilíbrio Locais de verificação: - Oral - Axilar/inguinal - Retal
  • 6.
  • 8.
  • 9.
  • 10. Temperatura Adultos  via oral variam entre 36,1º a 37,5ºC  Retal (leitura mais precisa) é 0,5ºC mais alta  Axilar (menos precisa) é 0,1ºC a 1,1ºC mais baixa Axilar - 35,5 a 37,0 0C Bucal - 36,0 a 37,4 0C Retal - 36,0 a 37,5 0C  Oscila de acordo com a atividade e repouso  Leituras mais baixas ocorrem entre 4 e 5h da manhã.  Leituras mais altas se situam entre 4 e 6 horas da noite.  Mulheres tem temp. + alta que homens  Temp. é mais alta em RN e mais baixa em idosos.
  • 11. Temperatura bucal  Explique ao paciente  Abaixe a coluna de mercúrio  Posicione a ponta do termometro sob a lingua do paciente em local profundo em qualquer lado do frenulo lingual  Instrua o pcte a fechar os labios, mas não encostar os dentes  Deixar por 7 minutos  Registre a temperatura com a letra B (boca)  Para completa precisão, nunca faça a verificação após o paciente ter fumado ou tomado bebidas quentes. Espere de 20 a 30 minutos.- termometro individual
  • 12.
  • 13. Verificando a temperatura retal:  Deite a pessoa de lado com a perna de cima dobrada. Cubra-o p/ proporcionar privacidade  Passe lubrificante no papel e lubrifique o termometro 1,5cm p/ crianças e 2 cm p/ adultos  Erga a região glutea superior  Introduza cuidadosamente o termômetro no reto, em direção ao umbigo.  Segure o termômetro p/ evitar danos  Remova cuidadosamente após 7 minutos, limpe e faça a leitura anotando a letra R (retal)
  • 14. Temperatura axilar  Posicione o paciente confortavelmente  Seque delicadamente a axila c/ lenço de papel  Peça ao pcte p/ colocar a mão sobre o torax e segurar no ombro oposto c/ o cotovelo erguido  Posicione o termometro na axila  Solicite ao pcte para baixar o cotovelo  Deixe no local por 5 minutos
  • 15.  Oral: contra indicada p/ pctes inconsciente, desorientados, ou propensos a convulsõs, em crianças muito novas, bebês, pctes c/ problemas orais ou nasais.  Retal: contra-indicada em casos de diarreia, cirurgias, ferimentos retais.
  • 16. TERMINOLOGIA BÁSICA  Normotermia: temperatura corporal normal.  Afebril: 36 a 37ºC  Estado febril ou Febrícula: 37,5 a 37,8ºC  Febre ou hipertermia: a partir de 37,8º C a 38,9ºC  Pirexia: 39 a 40ºC  Hiperpirexia: a partir de 40º C.  Hipotermia: temperatura abaixo de 35ºC.  Hipertemia: 38 a 40ºC
  • 17. Pulso
  • 18. PULSO  A palpação do pulso é um dos procedimentos clínicos mais antigos da prática médica, e representa também um gesto simbólico, pois é um dos primeiros contato físico entre o médico e o paciente.  o pulso é a contração e expansão alternada de uma artéria
  • 19. LOCAIS As artérias em que com freqüência são verificados os pulsos:  artéria radial (pulso),  carótidas (pescoço),  braquial(espaço anti-cubital),  femurais (reg. Inguinal),  pediosas (pés),  temporal (face - têmporas),  Poplítea (joelhos) e  tibial posterior (tornozelos).
  • 20.
  • 21.
  • 22. Como verificar o pulso?  Lavar as mãos  Orientar o paciente quanto ao procedimento  Colocar o paciente em posição confortável, sentado ou deitado, porém sempre com o braço apoiado
  • 23. Como verificar o pulso?  Realizar o procedimento de acordo com a técnica descrita abaixo  Contar durante 1 minuto inteiro  Lavar as mãos  Anotar no prontuário
  • 24. TÉCNICA  - Pulso radial: a artéria radial encontra-se no pulso, palpá-los emprega-se os dedos indicador e médio, com o polegar fixado no dorso do punho do paciente, sendo que o examinador usa a mão direita para examinar o pulso esquerdo e vice versa .
  • 25. PULSO CAROTÍDEO  as pulsações da carótida são visíveis e palpáveis medialmente aos músculos esternocleidomastoideos. Para sua palpação, devemos colocar o indicador e dedo médio sobre a carótida direita e vice-versa, no terço inferior do pescoço, adjacente à margem medial do músculo esternocleiomastoideo bem relaxado, aproximadamente ao nível da cartilagem cricóide.
  • 26. PULSO BRAQUIAL Palpar a artéria braquial (face interna do cotovelo), sendo que o braço do paciente deve repousar com o cotovelo esticado e as palmas da mão para cima.
  • 29. CARACTERÍSTICAS DO PULSO  FREQÜÊNCIA - A contagem deve ser sempre feita por um período de 1 minuto, sendo que a freqüência varia com a idade e diversas condições físicas.
  • 30. CARACTERÍSTICAS DO PULSO  Está aumentado em situações fisiológicas como exercício, emoção, gravidez, ou em situações patológicas como estados febris, hipertiroidismo, hipovolemia entre muitos outros.  A bradisfigmia pode ser normal em atletas.
  • 31. CARACTERÍSTICAS DO PULSO  Na primeira infância varia de 120 a 130 bat/min.;  Na segunda infância de 80 a 100  No adulto é considerada normal de 60 a 100 batimentos por minuto,  Sendo que acima do valor normal, temos a taquisfigmia e abaixo bradisfigmia.
  • 32. CARACTERÍSTICAS DO PULSO  RITMO - É dado pela seqüência das pulsações, sendo que quando ocorrem a intervalos iguais, chamamos de ritmo regular,  sendo que se os intervalos são ora mais longos ora mais curtos, o ritmo é irregular.  A arritmia traduz alteração do ritmo cardíaco.
  • 34.  A respiração é a troca de gases dos pulmões com o meio exterior, que tem como objetivo a absorção do oxigênio e eliminação do gás carbônico.  FREQÜÊNCIA - crianças - 30 a 40 movimentos respiratórios/minuto  adulto - 14 a 20 movimentos respiratórios/minuto
  • 35. ALTERAÇÕES DA RESPIRAÇÃO  Dispnéia: é a respiração difícil, trabalhosa ou curta. É sintoma comum de várias doenças pulmonares e cardíacas; pode ser súbita ou lenta e gradativa.  Ortopnéia: é a incapacidade de respirar facilmente, exceto na posição ereta.  Taquipnéia : respiração rápida, acima dos valores da normalidade, freqüentemente pouco profunda.  Bradipnéia : respiração lenta, abaixo da normalidade.  Apnéia: ausência da respiração
  • 36. COMO VERIFICAR A RESPIRAÇÃO?  MATERIAL  Relógio com ponteiro de segundos  Papel e caneta para anotações
  • 37. COMO VERIFICAR A RESPIRAÇÃO?  Lavar as mãos  Orientar o paciente quanto ao exame  Não deixar o paciente perceber que estão sendo contados os movimentos  Contagem pelo período de 1 minuto  Lavar as mãos no término  Anotar no prontuário
  • 38.
  • 40. PRESSÃO ARTERIAL  A pressão ou tensão arterial é um parâmetro de suma importância na investigação diagnóstica, sendo obrigatório em toda consulta de qualquer especialidade; relacionando-se com o coração.  É medida com a utilização do esfigmomanômetro e do estetoscópio.
  • 41. PRESSÃO ARTERIAL  É a medida da força aplicada contra as paredes das artérias, quando o coração bombeia sangue através do corpo. A pressão é determinada pela força e quantidade de sangue bombeado e pelo tamanho e flexibilidade das artérias.
  • 42. ESFIGMOMANÔMETRO É o instrumento utilizado para a medida da pressão arterial. Foi idealizado por três cientistas: VonBasch (1880), Riva-Ricci (1896) e Korotkoff (1905). O tamanho do aparelho depende da circunferência do braço a ser examinado, sendo que a bolsa inflável do manguito deve ter uma largura que corresponda à 40% da circunferência do braço, sendo que seu comprimento deve ser de 80%; manguitos muito curtos ou estreitos podem fornecer leituras falsamente elevadas.
  • 43. ESFIGMOMANÔMETRO O esfigmomanômetro pode ser de coluna de mercúrio para a medida da pressão, ou aneróide. Existem aparelhos semi-automáticos que se utilizam do método auscultatório e oscilométrico, com grau de confiabilidade variável, devido sofrerem com freqüência alterações na calibração.
  • 48. ESTETOSCÓPIO - Existem vários modelos, porém os principais componentes são:  Olivas auriculares: são pequenas peças cônicas que proporcionam uma perfeita adaptação ao meato auditivo, de modo a criar um sistema fechado entre o ouvido e o aparelho. Armação metálica: põe em comunicação as peças auriculares com o sistema flexível de borracha; é provida de mola que permite um perfeito ajuste do aparelho. Tubos de borracha: possuem diâmetro de 0,3 a 0,5 cm. e comprimento de 25 a 30 cm. Receptores: existem dois tipos fundamentais: o de campânula de 2,5 cm. que é mais sensível aos sons de menor freqüência e o diafragma que dispõe de uma membrana semi-rígida com diâmetro de 3 a 3,5 cm., utilizado para ausculta em geral.
  • 49.
  • 51.
  • 53. VALORES NORMAIS DA PRESSÃO ARTERIAL  - Os valores máximos estabelecidos pelo Consenso Brasileiro da Sociedade Brasileira de Cardiologia para indivíduos acima de 18 anos é de 120/80 mmHg. A pressão arterial sistólica como a diastólica podem estar alteradas isolada ou conjuntamente.
  • 54. VARIAÇÕES FISIOLÓGICAS  Idade - em crianças é nitidamente mais baixos do que em adultos  Sexo - na mulher é pouco mais baixa do que no homem, porém na prática adotam-se os mesmos valores  Raça - as diferenças em grupos étnicos muito distintos talvez se deva à condições culturais e de alimentação.
  • 55. VARIAÇÕES FISIOLÓGICAS  Sono - durante o sono ocorre uma diminuição de cerca de 10% tanto na sistólica como na diastólica  Emoções - há uma elevação principalmente da sistólica
  • 56. VARIAÇÕES FISIOLÓGICAS  Exercício físico - provoca intensa elevação da PA, devido ao aumento do débito cardíaco, existindo curvas normais da elevação da PA durante o esforço físico. (testes ergométricos).  Alimentação - após as refeições, há discreta elevação, porém sem significado prático.