SlideShare uma empresa Scribd logo
SERVIÇO DE ENFERMAGEM
EM UNIDADE DE TERAPIA
INTENSIVA PEDIÁTRICA
ENFº: JOSÉ CARLOS DA SILVA
U.T.I- PEDIÁTRICA HOSPITAL DA
CRIANÇA
ADMINISTRAÇÃO DO SERVIÇO DE
ENFERMAGEM.
A presença do enfermeiro é indispensável
na liderança do serviço de assistência em uma
UTI.
O enfermeiro responsável pela UTI, deve
ter alguns requisitos contemplados.
ATRIBUIÇÕES DO ENFERMEIRO
RESPONSÁVEL TÉCNICO
 Coordenação;
 Liderança;
 Planejamento;
 Organização;
 Seleção do pessoal de enfermagem;
 Elaborar plano de assistência;
 Supervisionar o serviço;
 Elaborar escalas de atividades, e outros...
ENFERMEIRO ASSISTÊNCIAL
 Executar os cuidados planejados;
 Realizar procedimentos invasivos;
 Supervisionar o serviço técnico da sua equipe;
 Auxiliar e coordenar o serviço de emergência nas
intercorrências;
 Preparar admissão dos pacientes na UTI;
 Instalar equipamentos para o monitoramento do
cliente;
 Orientação e planejamento da assistência prestada
aos clientes;
PROCEDIMENTOS DE ENFERMAGEM
Na recepção do paciente na UTI, o enfermeiro deve ser
comunicado previamente para que seja montada
adequadamente a unidade, objetivando uma maior
rapidez e eficiência no atendimento;
PROCEDIMENTOS BÁSICOS
 Preparo do berço, incubadora devidamente forrado
com lençol, impermeável e coxins;
 Mesa de cabeceira com material de aspiração,
almotolias, sondas, fita adesivas, esparadrapo, etc...
PROCEDIMENTOS BÁSICOS
 Material para higiene, punções venosas, eletrodos,
suporte de soro;
 Material de intubação;
 Aparelho para ventilação mecânica;
 Material para coleta de exames;
 Material para sondagens;
 Carrinho de emergência devidamente conferido;
 Material de laringoscopia devidamente testado;
 Desfibrilador pronto e com bateria carregada;
 Aparelho de eletrocardiograma pronto com gel e
eletrodos, etc...
ADMISSÃO DO PACIENTE NA UTI
 Monitorização;
 Oxigenoterapia;
 Verificação dos sinais vitais;
 Avaliação do acesso venoso ou realização;
 Coleta dos exames laboratoriais e rotina de
culturas;
 Administração de drogas;
 Intubação s/n;
 Realização de RX;
 Controle do peso;
 Aspiração s/n;
CUIDADOS NA OXIGENOTERAPIA
A escolha do método para a oferta de oxigênio é
uma determinação médica,pois deve ser considerado o
quadro clinico e a doença de base da criança. A
monitorização dos sinais define o sucesso da
determinação terapêutica.
A oximetria de pulso é um método não invasivo que
possibilita a medição continua da saturação de oxigênio
no sangue arterial, e não é confiável nas seguintes
situações: Vasoconstrição, intoxicação por monóxido de
carbono, anemia profunda, hipotermia.
MEDIDAS DA OXIGENAÇÃO
A saturação de oxigênio é medido pela quantidade
de gás ligado na hemoglobina e é expressa com um valor
percentual normal entre 90 a 96%.
TIPOS DE CIANOSE
 CIANOSE PERIFÉRICA
 CIANOSE CENTRAL
A diminuição de oxigênio leva a hipoxemia;
MÉTODOS DE ADMINISTRAÇÃO DE
OXIGÊNIO
 Sistema de fluxo baixo com cateter intranasal pode-
se ofertar uma variação de FIO2 de 22 a 45%;
 Cateter tipo óculos com uma variação de 0,5 a 6 litros
pode atingir uma concentração de oxigênio até 50%;
 Campânula ou oxitenda pode-se ofertar até 100% de
oxigênio;
 Máscaras simples;
 Máscara de venturi pode-se ofertar oxigênio entre 25
e 60%;
 Máscara com reservatório pode-se ofertar de 55 a
ACESSO VENOSO VASCULAR
É considerado e igualado a uma linha de vida.
TIPOS DE ACESSO
 Acesso venoso periférico (AVP);
 Acesso intra-ósseo (IO);
 Acesso venoso central (AVC);
 Acesso venoso central percutâneo;
 Flebotomia
 Cateter central de inserção periférica (CCIP/PICC);
SINAIS VITAIS
São sinais das funções orgânicas básicas que
refletem no equilíbrio ou desequilíbrio do organismo.
 Pulso 90 a 180 bcpm;
 Temperatura 35,8 a 37ºC
 Freqüência respiratória
 Pressão arterial;
ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS
É o processo de preparo e introdução de
medicamentos no organismo humano, visando obter
efeitos terapêuticos. Para a administração de
medicamentos de forma segura deve-se observar?
 Deve-se utilizar a regra dos cinco certos!
 Medicamento certo;
 Dose certa;
 Paciente certo;
 Via certa;
 Hora certa;
VIAS DE ADMINISTRAÇÕES PARENTERAIS
 Via endovenosa – IV ou EV;
 Via intramuscular – IM;
 Via intra-raquídea- VIR;
 Via subcutânea – SC;
 Via intradérmica – ID;
SONDAGEM NASOGASTRICA OU OROGASTRICA
SNG OU SOG
Objetivo:
 Facilitar acesso a cavidade gástrica;
 Drenagem de conteúdo gástrico;
 Finalidade diagnóstico;
CATETERISMO VESICAL
Tipos :
 Sondagem vesical de alívio;
 Sondagem vesical de demora;
Objetivos:
 Possibilita controle hídrico adequado;
 No tratamento da retenção urinaria;
 monitora debito urinário no trans e pós-operatório;
 Obter amostra de urina para exames;
 Instalação de solução para tratamento;
TRAQUEOSTOMIA
Objetivo:
 Facilita a ventilação mecânica;
 Reduz a pressão intracavitária, diminuindo e fazendo
cessar a insuflação tissular;
 Excluir as vias aéreas do conduto aerodigestivo,
evitando a penetração de secreções e alimentos nas vias
aéreas;
Indicação:
 Alívio de obstrução de via aérea alta;
 Melhora das condições de higiene pulmonar;
 Acesso a traquéia nos casos de ventilação mecânica
TRAQUEOSTOMIA
 Facilita o desmame do paciente do ventilador;
 Afecções neurológicas que afetam o centro da
respiração;
 Traumatismo craniano e cirurgias neurológicas;
 Estados infecciosos;
 Miastenia gravis;
 Insuficiência respiratória;
 Traumatismo torácico;
Tipos de cânulas:
 Descartável;
 Metálicas;
MANUSEIO DO RN PREMATURO
O RN prematuro deve-se manter em uma
incubadora com uma temperatura entre 33 e 35ºC,
variando uma temperatura corporal entre 35,8 a
36,2ºC.
 A oximetria entre 85% e 95%;
 Freqüência cardíaca entre 90 e 180 bpm;
 Manuseio mínimo;
 Sonda nasogastrica ou orogastrica nº 4 ou 6;
 Cateterismo umbilical;
 Exames laboratoriais;
 Plano parenteral IV;
MANUSEIO DO RN PREMATURO
 Fototerapia;
 Proteção ocular;
 Teste do pezinho;
 Vacinas;
 Higiene (banho no RN);
 Peso diário;
 Monitorização (eletrodos);
 Fixações;
 Acesso venoso;
CUIDADOS BÁSICOS COM A CRIANÇA
HOSPITALIZADA
O adoecer e a hospitalização configuram
situações de mudanças significativas, tanto no
crescimento da criança, podendo interferir no equilíbrio
físico, emocional e cognitivo, além de causar estresse
e dificuldades muitas vezes incompreensíveis paro o
infanto.
CUIDADOS BÁSICOS COM A CRIANÇA
HOSPITALIZADA
 Oxigenação;
 Alimentação;
 Higiene e conforto;
 Recreação;
 Procedimentos invasivos;
 Administração de medicamentos;
 Mobilidade e transporte;
 Alivio da dor;
 Acompanhamento familiar;
CUIDE DESTE PACIENTE COMO
SE ELE FOSSE A PESSOA QUE
VOCÊ MAIS AMA, PORQUE PARA
ALGUÉM ELE É A PESSOA QUE
ELA MAIS AMA!!!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Atualização sobre pneumonia associada a ventilação mecânica, novas definições...
Atualização sobre pneumonia associada a ventilação mecânica, novas definições...Atualização sobre pneumonia associada a ventilação mecânica, novas definições...
Atualização sobre pneumonia associada a ventilação mecânica, novas definições...
Yuri Assis
 
Pos anestesico
Pos anestesicoPos anestesico
Pos anestesico
Fernanda Camargo
 
Intervenções de enf pediátrica
Intervenções de enf pediátricaIntervenções de enf pediátrica
Intervenções de enf pediátrica
Gladyanny Veras
 
Atendimento Multiprofissional no pré e pós-operatório de cirurgia cardíaca
Atendimento Multiprofissional no pré e pós-operatório de cirurgia cardíaca Atendimento Multiprofissional no pré e pós-operatório de cirurgia cardíaca
Atendimento Multiprofissional no pré e pós-operatório de cirurgia cardíaca
resenfe2013
 
Protocolo de normotermia, um sinal vital para segurança do paciente cirúrgico
Protocolo de normotermia, um sinal vital para segurança do paciente cirúrgicoProtocolo de normotermia, um sinal vital para segurança do paciente cirúrgico
Protocolo de normotermia, um sinal vital para segurança do paciente cirúrgico
cmecc
 
Sala de recuperação pós anestésica
Sala de recuperação pós anestésicaSala de recuperação pós anestésica
Sala de recuperação pós anestésica
Rivanilcede
 
Atenção ao Paciente com Sequela Neurológica
Atenção ao Paciente com Sequela NeurológicaAtenção ao Paciente com Sequela Neurológica
Atenção ao Paciente com Sequela Neurológica
resenfe2013
 
Introdução de enfermagem ( apostila para vcs meus amigos de enfermagem)
Introdução de enfermagem ( apostila para vcs meus amigos de enfermagem)Introdução de enfermagem ( apostila para vcs meus amigos de enfermagem)
Introdução de enfermagem ( apostila para vcs meus amigos de enfermagem)
Wagner Lima Teixeira
 
Manual de siglas
Manual de siglasManual de siglas
Manual de siglas
Marcelo Leal Souza
 
Pós-operatório de Cirurgia Cardíaca
Pós-operatório de Cirurgia CardíacaPós-operatório de Cirurgia Cardíaca
Pós-operatório de Cirurgia Cardíaca
resenfe2013
 
Evolução de UTI
Evolução de UTIEvolução de UTI
Evolução de UTI
Daniel Valente
 
Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
Monitorização Hemodinâmica Não-InvasivaMonitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
resenfe2013
 
UTI coronariana - clinica
UTI coronariana - clinicaUTI coronariana - clinica
UTI coronariana - clinica
Marcela Mihessen
 
Aula pre-op
Aula pre-opAula pre-op
Aula pre-op
Markley Pereira
 
Sala de recuperação
Sala de recuperaçãoSala de recuperação
Sala de recuperação
Wylla Katherine
 
Normas e rotinas
Normas e rotinasNormas e rotinas
Normas e rotinas
RevJerônimo Júlio
 
Crm Cirurgia de Revascularização do Miocadio
Crm Cirurgia de Revascularização do MiocadioCrm Cirurgia de Revascularização do Miocadio
Crm Cirurgia de Revascularização do Miocadio
Jonatan Ferreira
 
Avaliação pré operatória
Avaliação pré operatóriaAvaliação pré operatória
Avaliação pré operatória
Fernando de Oliveira Dutra
 
Aplicabilidade de vni em pacientes adultos
Aplicabilidade de vni em pacientes adultosAplicabilidade de vni em pacientes adultos
Aplicabilidade de vni em pacientes adultos
Caio Veloso da Costa, ICU-PT
 
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
Rodrigo Abreu
 

Mais procurados (20)

Atualização sobre pneumonia associada a ventilação mecânica, novas definições...
Atualização sobre pneumonia associada a ventilação mecânica, novas definições...Atualização sobre pneumonia associada a ventilação mecânica, novas definições...
Atualização sobre pneumonia associada a ventilação mecânica, novas definições...
 
Pos anestesico
Pos anestesicoPos anestesico
Pos anestesico
 
Intervenções de enf pediátrica
Intervenções de enf pediátricaIntervenções de enf pediátrica
Intervenções de enf pediátrica
 
Atendimento Multiprofissional no pré e pós-operatório de cirurgia cardíaca
Atendimento Multiprofissional no pré e pós-operatório de cirurgia cardíaca Atendimento Multiprofissional no pré e pós-operatório de cirurgia cardíaca
Atendimento Multiprofissional no pré e pós-operatório de cirurgia cardíaca
 
Protocolo de normotermia, um sinal vital para segurança do paciente cirúrgico
Protocolo de normotermia, um sinal vital para segurança do paciente cirúrgicoProtocolo de normotermia, um sinal vital para segurança do paciente cirúrgico
Protocolo de normotermia, um sinal vital para segurança do paciente cirúrgico
 
Sala de recuperação pós anestésica
Sala de recuperação pós anestésicaSala de recuperação pós anestésica
Sala de recuperação pós anestésica
 
Atenção ao Paciente com Sequela Neurológica
Atenção ao Paciente com Sequela NeurológicaAtenção ao Paciente com Sequela Neurológica
Atenção ao Paciente com Sequela Neurológica
 
Introdução de enfermagem ( apostila para vcs meus amigos de enfermagem)
Introdução de enfermagem ( apostila para vcs meus amigos de enfermagem)Introdução de enfermagem ( apostila para vcs meus amigos de enfermagem)
Introdução de enfermagem ( apostila para vcs meus amigos de enfermagem)
 
Manual de siglas
Manual de siglasManual de siglas
Manual de siglas
 
Pós-operatório de Cirurgia Cardíaca
Pós-operatório de Cirurgia CardíacaPós-operatório de Cirurgia Cardíaca
Pós-operatório de Cirurgia Cardíaca
 
Evolução de UTI
Evolução de UTIEvolução de UTI
Evolução de UTI
 
Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
Monitorização Hemodinâmica Não-InvasivaMonitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
 
UTI coronariana - clinica
UTI coronariana - clinicaUTI coronariana - clinica
UTI coronariana - clinica
 
Aula pre-op
Aula pre-opAula pre-op
Aula pre-op
 
Sala de recuperação
Sala de recuperaçãoSala de recuperação
Sala de recuperação
 
Normas e rotinas
Normas e rotinasNormas e rotinas
Normas e rotinas
 
Crm Cirurgia de Revascularização do Miocadio
Crm Cirurgia de Revascularização do MiocadioCrm Cirurgia de Revascularização do Miocadio
Crm Cirurgia de Revascularização do Miocadio
 
Avaliação pré operatória
Avaliação pré operatóriaAvaliação pré operatória
Avaliação pré operatória
 
Aplicabilidade de vni em pacientes adultos
Aplicabilidade de vni em pacientes adultosAplicabilidade de vni em pacientes adultos
Aplicabilidade de vni em pacientes adultos
 
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
 

Destaque

Humanização na Unidade de terapia intensiva (UTI)
Humanização na Unidade de terapia intensiva (UTI)Humanização na Unidade de terapia intensiva (UTI)
Humanização na Unidade de terapia intensiva (UTI)
Tezin Maciel
 
Slidesclinicacirurgica2
Slidesclinicacirurgica2Slidesclinicacirurgica2
Slidesclinicacirurgica2
Leidiãne Rocha
 
Ultrassom - emergências em ginecologia e obstetrícia
Ultrassom  - emergências em ginecologia e obstetríciaUltrassom  - emergências em ginecologia e obstetrícia
Ultrassom - emergências em ginecologia e obstetrícia
Fernanda Hiebra Gonçalves
 
Apostila de clínica cirúrgica
Apostila de clínica cirúrgicaApostila de clínica cirúrgica
Apostila de clínica cirúrgica
André Fidelis
 
Slides sobre o manuseio do arco em c.
Slides sobre o manuseio do arco em c.Slides sobre o manuseio do arco em c.
Slides sobre o manuseio do arco em c.
Ruan Macedo
 
Transporte do Paciente Crítico*
Transporte do Paciente Crítico*Transporte do Paciente Crítico*
Transporte do Paciente Crítico*
Jeferson Espindola
 
Hist rico uti
Hist rico utiHist rico uti
Enfermagem em saude_coletiva
Enfermagem em saude_coletivaEnfermagem em saude_coletiva
Enfermagem em saude_coletiva
Kleber de Carvalho
 
Segurança do paciente em unidades de urgência
Segurança do paciente em unidades de urgênciaSegurança do paciente em unidades de urgência
Segurança do paciente em unidades de urgência
Aroldo Gavioli
 
Cuidados Intensivos Em Terapia Intensiva PediáTrica
Cuidados Intensivos Em Terapia Intensiva PediáTricaCuidados Intensivos Em Terapia Intensiva PediáTrica
Cuidados Intensivos Em Terapia Intensiva PediáTrica
Renato Bach
 
Manuseios
ManuseiosManuseios
Porque alguns pacientes ficam em Isolamento, nos hospitais ou em domicílio?
Porque alguns pacientes ficam em Isolamento, nos hospitais ou em domicílio?Porque alguns pacientes ficam em Isolamento, nos hospitais ou em domicílio?
Porque alguns pacientes ficam em Isolamento, nos hospitais ou em domicílio?
PCare Fisioterapia
 
Oxigenoterapia en pediatría
Oxigenoterapia en pediatríaOxigenoterapia en pediatría
Oxigenoterapia en pediatría
osmaldodavid
 
Síndromes e doenças genéticas
Síndromes e doenças genéticasSíndromes e doenças genéticas
Síndromes e doenças genéticas
Aíza Soares
 
Isolamento
IsolamentoIsolamento
Isolamento
Rodrigo Abreu
 
Doenças genéticas: Síndromes
Doenças genéticas: SíndromesDoenças genéticas: Síndromes
Doenças genéticas: Síndromes
Matheus Fellipe
 
Carro de Emergência
Carro de EmergênciaCarro de Emergência
Carro de Emergência
resenfe2013
 
Aula 09 oxigênioterapia
Aula 09  oxigênioterapiaAula 09  oxigênioterapia
Aula 09 oxigênioterapia
Rodrigo Abreu
 
Humanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI Slides
Humanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI SlidesHumanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI Slides
Humanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI Slides
Cleiton Ribeiro Alves
 

Destaque (19)

Humanização na Unidade de terapia intensiva (UTI)
Humanização na Unidade de terapia intensiva (UTI)Humanização na Unidade de terapia intensiva (UTI)
Humanização na Unidade de terapia intensiva (UTI)
 
Slidesclinicacirurgica2
Slidesclinicacirurgica2Slidesclinicacirurgica2
Slidesclinicacirurgica2
 
Ultrassom - emergências em ginecologia e obstetrícia
Ultrassom  - emergências em ginecologia e obstetríciaUltrassom  - emergências em ginecologia e obstetrícia
Ultrassom - emergências em ginecologia e obstetrícia
 
Apostila de clínica cirúrgica
Apostila de clínica cirúrgicaApostila de clínica cirúrgica
Apostila de clínica cirúrgica
 
Slides sobre o manuseio do arco em c.
Slides sobre o manuseio do arco em c.Slides sobre o manuseio do arco em c.
Slides sobre o manuseio do arco em c.
 
Transporte do Paciente Crítico*
Transporte do Paciente Crítico*Transporte do Paciente Crítico*
Transporte do Paciente Crítico*
 
Hist rico uti
Hist rico utiHist rico uti
Hist rico uti
 
Enfermagem em saude_coletiva
Enfermagem em saude_coletivaEnfermagem em saude_coletiva
Enfermagem em saude_coletiva
 
Segurança do paciente em unidades de urgência
Segurança do paciente em unidades de urgênciaSegurança do paciente em unidades de urgência
Segurança do paciente em unidades de urgência
 
Cuidados Intensivos Em Terapia Intensiva PediáTrica
Cuidados Intensivos Em Terapia Intensiva PediáTricaCuidados Intensivos Em Terapia Intensiva PediáTrica
Cuidados Intensivos Em Terapia Intensiva PediáTrica
 
Manuseios
ManuseiosManuseios
Manuseios
 
Porque alguns pacientes ficam em Isolamento, nos hospitais ou em domicílio?
Porque alguns pacientes ficam em Isolamento, nos hospitais ou em domicílio?Porque alguns pacientes ficam em Isolamento, nos hospitais ou em domicílio?
Porque alguns pacientes ficam em Isolamento, nos hospitais ou em domicílio?
 
Oxigenoterapia en pediatría
Oxigenoterapia en pediatríaOxigenoterapia en pediatría
Oxigenoterapia en pediatría
 
Síndromes e doenças genéticas
Síndromes e doenças genéticasSíndromes e doenças genéticas
Síndromes e doenças genéticas
 
Isolamento
IsolamentoIsolamento
Isolamento
 
Doenças genéticas: Síndromes
Doenças genéticas: SíndromesDoenças genéticas: Síndromes
Doenças genéticas: Síndromes
 
Carro de Emergência
Carro de EmergênciaCarro de Emergência
Carro de Emergência
 
Aula 09 oxigênioterapia
Aula 09  oxigênioterapiaAula 09  oxigênioterapia
Aula 09 oxigênioterapia
 
Humanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI Slides
Humanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI SlidesHumanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI Slides
Humanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI Slides
 

Semelhante a Cuidadosdeenfermagememutiped 090725184926-phpapp02

1676654740796.pptxbnsz\nbsxasjbbcjwqasbc
1676654740796.pptxbnsz\nbsxasjbbcjwqasbc1676654740796.pptxbnsz\nbsxasjbbcjwqasbc
1676654740796.pptxbnsz\nbsxasjbbcjwqasbc
pamelacastro71
 
enfermagem em terapia intensiva pediatrica
enfermagem em terapia intensiva pediatricaenfermagem em terapia intensiva pediatrica
enfermagem em terapia intensiva pediatrica
pamelacastro71
 
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
voceduardomscsousa
 
Monitorização Parte I e Parte II.pptx
Monitorização Parte I e Parte II.pptxMonitorização Parte I e Parte II.pptx
Monitorização Parte I e Parte II.pptx
EduardoMachado69756
 
Assistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e Pâncreas
Assistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e PâncreasAssistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e Pâncreas
Assistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e Pâncreas
Bruno Cavalcante Costa
 
ENFERMAGEM EM Unidade de terapia intensiva
ENFERMAGEM EM Unidade de terapia intensivaENFERMAGEM EM Unidade de terapia intensiva
ENFERMAGEM EM Unidade de terapia intensiva
AdmilsonSoares3
 
Cirurgia Bariátrica - Enfermagem Cirúrgica II
Cirurgia Bariátrica - Enfermagem Cirúrgica IICirurgia Bariátrica - Enfermagem Cirúrgica II
Cirurgia Bariátrica - Enfermagem Cirúrgica II
Enfº Ícaro Araújo
 
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasivaMonitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
resenfe2013
 
Uso Seguro de Hemocomponentes em Neonatologia
Uso Seguro de Hemocomponentes em NeonatologiaUso Seguro de Hemocomponentes em Neonatologia
Artigo diagnóstico inicial e manejo da sepse grave e choque séptico
Artigo  diagnóstico inicial e manejo da sepse grave e choque sépticoArtigo  diagnóstico inicial e manejo da sepse grave e choque séptico
Artigo diagnóstico inicial e manejo da sepse grave e choque séptico
Erick Bragato
 
Exames radiológicos II
Exames radiológicos IIExames radiológicos II
Exames radiológicos II
resenfe2013
 
Monitorização na área de radiologia intervencionista
Monitorização na área de radiologia intervencionistaMonitorização na área de radiologia intervencionista
Monitorização na área de radiologia intervencionista
Carlos D A Bersot
 
PREVENÇÃO DE PAV (AVA).pdf
PREVENÇÃO DE PAV (AVA).pdfPREVENÇÃO DE PAV (AVA).pdf
PREVENÇÃO DE PAV (AVA).pdf
AllanWillian6
 
PREVENÇÃO DE PAV (AVA).pdf
PREVENÇÃO DE PAV (AVA).pdfPREVENÇÃO DE PAV (AVA).pdf
PREVENÇÃO DE PAV (AVA).pdf
AllanWillian6
 
PREVENÇÃO DE PAV (AVA).pdf
PREVENÇÃO DE PAV (AVA).pdfPREVENÇÃO DE PAV (AVA).pdf
PREVENÇÃO DE PAV (AVA).pdf
AllanWillian6
 
Equipamentos 2017
Equipamentos 2017Equipamentos 2017
Equipamentos 2017
Fabricio Mendonca
 
DECANULAÇÃO.pptx
DECANULAÇÃO.pptxDECANULAÇÃO.pptx
DECANULAÇÃO.pptx
Andrei Cuzuioc
 
Linha de Cuidado de Sepse
Linha de Cuidado de SepseLinha de Cuidado de Sepse
Linha de Cuidado de Sepse
Marco Lamim
 
Estratificação de Risco Cirúrgico e Anestésico - Dra. Cláudia Marquez Simões
Estratificação de Risco Cirúrgico e Anestésico - Dra. Cláudia Marquez SimõesEstratificação de Risco Cirúrgico e Anestésico - Dra. Cláudia Marquez Simões
Estratificação de Risco Cirúrgico e Anestésico - Dra. Cláudia Marquez Simões
SMA - Serviços Médicos de Anestesia
 
Assistencia de enfermagem ao paciente critico respiratório.pptx
Assistencia de enfermagem ao paciente critico respiratório.pptxAssistencia de enfermagem ao paciente critico respiratório.pptx
Assistencia de enfermagem ao paciente critico respiratório.pptx
Flávia Vaz
 

Semelhante a Cuidadosdeenfermagememutiped 090725184926-phpapp02 (20)

1676654740796.pptxbnsz\nbsxasjbbcjwqasbc
1676654740796.pptxbnsz\nbsxasjbbcjwqasbc1676654740796.pptxbnsz\nbsxasjbbcjwqasbc
1676654740796.pptxbnsz\nbsxasjbbcjwqasbc
 
enfermagem em terapia intensiva pediatrica
enfermagem em terapia intensiva pediatricaenfermagem em terapia intensiva pediatrica
enfermagem em terapia intensiva pediatrica
 
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
 
Monitorização Parte I e Parte II.pptx
Monitorização Parte I e Parte II.pptxMonitorização Parte I e Parte II.pptx
Monitorização Parte I e Parte II.pptx
 
Assistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e Pâncreas
Assistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e PâncreasAssistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e Pâncreas
Assistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e Pâncreas
 
ENFERMAGEM EM Unidade de terapia intensiva
ENFERMAGEM EM Unidade de terapia intensivaENFERMAGEM EM Unidade de terapia intensiva
ENFERMAGEM EM Unidade de terapia intensiva
 
Cirurgia Bariátrica - Enfermagem Cirúrgica II
Cirurgia Bariátrica - Enfermagem Cirúrgica IICirurgia Bariátrica - Enfermagem Cirúrgica II
Cirurgia Bariátrica - Enfermagem Cirúrgica II
 
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasivaMonitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
 
Uso Seguro de Hemocomponentes em Neonatologia
Uso Seguro de Hemocomponentes em NeonatologiaUso Seguro de Hemocomponentes em Neonatologia
Uso Seguro de Hemocomponentes em Neonatologia
 
Artigo diagnóstico inicial e manejo da sepse grave e choque séptico
Artigo  diagnóstico inicial e manejo da sepse grave e choque sépticoArtigo  diagnóstico inicial e manejo da sepse grave e choque séptico
Artigo diagnóstico inicial e manejo da sepse grave e choque séptico
 
Exames radiológicos II
Exames radiológicos IIExames radiológicos II
Exames radiológicos II
 
Monitorização na área de radiologia intervencionista
Monitorização na área de radiologia intervencionistaMonitorização na área de radiologia intervencionista
Monitorização na área de radiologia intervencionista
 
PREVENÇÃO DE PAV (AVA).pdf
PREVENÇÃO DE PAV (AVA).pdfPREVENÇÃO DE PAV (AVA).pdf
PREVENÇÃO DE PAV (AVA).pdf
 
PREVENÇÃO DE PAV (AVA).pdf
PREVENÇÃO DE PAV (AVA).pdfPREVENÇÃO DE PAV (AVA).pdf
PREVENÇÃO DE PAV (AVA).pdf
 
PREVENÇÃO DE PAV (AVA).pdf
PREVENÇÃO DE PAV (AVA).pdfPREVENÇÃO DE PAV (AVA).pdf
PREVENÇÃO DE PAV (AVA).pdf
 
Equipamentos 2017
Equipamentos 2017Equipamentos 2017
Equipamentos 2017
 
DECANULAÇÃO.pptx
DECANULAÇÃO.pptxDECANULAÇÃO.pptx
DECANULAÇÃO.pptx
 
Linha de Cuidado de Sepse
Linha de Cuidado de SepseLinha de Cuidado de Sepse
Linha de Cuidado de Sepse
 
Estratificação de Risco Cirúrgico e Anestésico - Dra. Cláudia Marquez Simões
Estratificação de Risco Cirúrgico e Anestésico - Dra. Cláudia Marquez SimõesEstratificação de Risco Cirúrgico e Anestésico - Dra. Cláudia Marquez Simões
Estratificação de Risco Cirúrgico e Anestésico - Dra. Cláudia Marquez Simões
 
Assistencia de enfermagem ao paciente critico respiratório.pptx
Assistencia de enfermagem ao paciente critico respiratório.pptxAssistencia de enfermagem ao paciente critico respiratório.pptx
Assistencia de enfermagem ao paciente critico respiratório.pptx
 

Último

Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWSSubindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Ismael Ash
 
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
Faga1939
 
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebuliçãoExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão
 
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docxse38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
ronaldos10
 
ExpoGestão 2024 - Inteligência Artificial – A revolução no mundo dos negócios
ExpoGestão 2024 - Inteligência Artificial – A revolução no mundo dos negóciosExpoGestão 2024 - Inteligência Artificial – A revolução no mundo dos negócios
ExpoGestão 2024 - Inteligência Artificial – A revolução no mundo dos negócios
ExpoGestão
 
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoudFerramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
Ismael Ash
 

Último (6)

Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWSSubindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
 
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
 
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebuliçãoExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
 
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docxse38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
 
ExpoGestão 2024 - Inteligência Artificial – A revolução no mundo dos negócios
ExpoGestão 2024 - Inteligência Artificial – A revolução no mundo dos negóciosExpoGestão 2024 - Inteligência Artificial – A revolução no mundo dos negócios
ExpoGestão 2024 - Inteligência Artificial – A revolução no mundo dos negócios
 
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoudFerramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
 

Cuidadosdeenfermagememutiped 090725184926-phpapp02

  • 1. SERVIÇO DE ENFERMAGEM EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA PEDIÁTRICA ENFº: JOSÉ CARLOS DA SILVA U.T.I- PEDIÁTRICA HOSPITAL DA CRIANÇA
  • 2. ADMINISTRAÇÃO DO SERVIÇO DE ENFERMAGEM. A presença do enfermeiro é indispensável na liderança do serviço de assistência em uma UTI. O enfermeiro responsável pela UTI, deve ter alguns requisitos contemplados.
  • 3. ATRIBUIÇÕES DO ENFERMEIRO RESPONSÁVEL TÉCNICO  Coordenação;  Liderança;  Planejamento;  Organização;  Seleção do pessoal de enfermagem;  Elaborar plano de assistência;  Supervisionar o serviço;  Elaborar escalas de atividades, e outros...
  • 4. ENFERMEIRO ASSISTÊNCIAL  Executar os cuidados planejados;  Realizar procedimentos invasivos;  Supervisionar o serviço técnico da sua equipe;  Auxiliar e coordenar o serviço de emergência nas intercorrências;  Preparar admissão dos pacientes na UTI;  Instalar equipamentos para o monitoramento do cliente;  Orientação e planejamento da assistência prestada aos clientes;
  • 5. PROCEDIMENTOS DE ENFERMAGEM Na recepção do paciente na UTI, o enfermeiro deve ser comunicado previamente para que seja montada adequadamente a unidade, objetivando uma maior rapidez e eficiência no atendimento; PROCEDIMENTOS BÁSICOS  Preparo do berço, incubadora devidamente forrado com lençol, impermeável e coxins;  Mesa de cabeceira com material de aspiração, almotolias, sondas, fita adesivas, esparadrapo, etc...
  • 6. PROCEDIMENTOS BÁSICOS  Material para higiene, punções venosas, eletrodos, suporte de soro;  Material de intubação;  Aparelho para ventilação mecânica;  Material para coleta de exames;  Material para sondagens;  Carrinho de emergência devidamente conferido;  Material de laringoscopia devidamente testado;  Desfibrilador pronto e com bateria carregada;  Aparelho de eletrocardiograma pronto com gel e eletrodos, etc...
  • 7. ADMISSÃO DO PACIENTE NA UTI  Monitorização;  Oxigenoterapia;  Verificação dos sinais vitais;  Avaliação do acesso venoso ou realização;  Coleta dos exames laboratoriais e rotina de culturas;  Administração de drogas;  Intubação s/n;  Realização de RX;  Controle do peso;  Aspiração s/n;
  • 8. CUIDADOS NA OXIGENOTERAPIA A escolha do método para a oferta de oxigênio é uma determinação médica,pois deve ser considerado o quadro clinico e a doença de base da criança. A monitorização dos sinais define o sucesso da determinação terapêutica. A oximetria de pulso é um método não invasivo que possibilita a medição continua da saturação de oxigênio no sangue arterial, e não é confiável nas seguintes situações: Vasoconstrição, intoxicação por monóxido de carbono, anemia profunda, hipotermia.
  • 9. MEDIDAS DA OXIGENAÇÃO A saturação de oxigênio é medido pela quantidade de gás ligado na hemoglobina e é expressa com um valor percentual normal entre 90 a 96%. TIPOS DE CIANOSE  CIANOSE PERIFÉRICA  CIANOSE CENTRAL A diminuição de oxigênio leva a hipoxemia;
  • 10. MÉTODOS DE ADMINISTRAÇÃO DE OXIGÊNIO  Sistema de fluxo baixo com cateter intranasal pode- se ofertar uma variação de FIO2 de 22 a 45%;  Cateter tipo óculos com uma variação de 0,5 a 6 litros pode atingir uma concentração de oxigênio até 50%;  Campânula ou oxitenda pode-se ofertar até 100% de oxigênio;  Máscaras simples;  Máscara de venturi pode-se ofertar oxigênio entre 25 e 60%;  Máscara com reservatório pode-se ofertar de 55 a
  • 11. ACESSO VENOSO VASCULAR É considerado e igualado a uma linha de vida. TIPOS DE ACESSO  Acesso venoso periférico (AVP);  Acesso intra-ósseo (IO);  Acesso venoso central (AVC);  Acesso venoso central percutâneo;  Flebotomia  Cateter central de inserção periférica (CCIP/PICC);
  • 12. SINAIS VITAIS São sinais das funções orgânicas básicas que refletem no equilíbrio ou desequilíbrio do organismo.  Pulso 90 a 180 bcpm;  Temperatura 35,8 a 37ºC  Freqüência respiratória  Pressão arterial;
  • 13. ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS É o processo de preparo e introdução de medicamentos no organismo humano, visando obter efeitos terapêuticos. Para a administração de medicamentos de forma segura deve-se observar?  Deve-se utilizar a regra dos cinco certos!  Medicamento certo;  Dose certa;  Paciente certo;  Via certa;  Hora certa;
  • 14. VIAS DE ADMINISTRAÇÕES PARENTERAIS  Via endovenosa – IV ou EV;  Via intramuscular – IM;  Via intra-raquídea- VIR;  Via subcutânea – SC;  Via intradérmica – ID; SONDAGEM NASOGASTRICA OU OROGASTRICA SNG OU SOG Objetivo:  Facilitar acesso a cavidade gástrica;  Drenagem de conteúdo gástrico;  Finalidade diagnóstico;
  • 15. CATETERISMO VESICAL Tipos :  Sondagem vesical de alívio;  Sondagem vesical de demora; Objetivos:  Possibilita controle hídrico adequado;  No tratamento da retenção urinaria;  monitora debito urinário no trans e pós-operatório;  Obter amostra de urina para exames;  Instalação de solução para tratamento;
  • 16. TRAQUEOSTOMIA Objetivo:  Facilita a ventilação mecânica;  Reduz a pressão intracavitária, diminuindo e fazendo cessar a insuflação tissular;  Excluir as vias aéreas do conduto aerodigestivo, evitando a penetração de secreções e alimentos nas vias aéreas; Indicação:  Alívio de obstrução de via aérea alta;  Melhora das condições de higiene pulmonar;  Acesso a traquéia nos casos de ventilação mecânica
  • 17. TRAQUEOSTOMIA  Facilita o desmame do paciente do ventilador;  Afecções neurológicas que afetam o centro da respiração;  Traumatismo craniano e cirurgias neurológicas;  Estados infecciosos;  Miastenia gravis;  Insuficiência respiratória;  Traumatismo torácico; Tipos de cânulas:  Descartável;  Metálicas;
  • 18. MANUSEIO DO RN PREMATURO O RN prematuro deve-se manter em uma incubadora com uma temperatura entre 33 e 35ºC, variando uma temperatura corporal entre 35,8 a 36,2ºC.  A oximetria entre 85% e 95%;  Freqüência cardíaca entre 90 e 180 bpm;  Manuseio mínimo;  Sonda nasogastrica ou orogastrica nº 4 ou 6;  Cateterismo umbilical;  Exames laboratoriais;  Plano parenteral IV;
  • 19. MANUSEIO DO RN PREMATURO  Fototerapia;  Proteção ocular;  Teste do pezinho;  Vacinas;  Higiene (banho no RN);  Peso diário;  Monitorização (eletrodos);  Fixações;  Acesso venoso;
  • 20. CUIDADOS BÁSICOS COM A CRIANÇA HOSPITALIZADA O adoecer e a hospitalização configuram situações de mudanças significativas, tanto no crescimento da criança, podendo interferir no equilíbrio físico, emocional e cognitivo, além de causar estresse e dificuldades muitas vezes incompreensíveis paro o infanto.
  • 21. CUIDADOS BÁSICOS COM A CRIANÇA HOSPITALIZADA  Oxigenação;  Alimentação;  Higiene e conforto;  Recreação;  Procedimentos invasivos;  Administração de medicamentos;  Mobilidade e transporte;  Alivio da dor;  Acompanhamento familiar;
  • 22. CUIDE DESTE PACIENTE COMO SE ELE FOSSE A PESSOA QUE VOCÊ MAIS AMA, PORQUE PARA ALGUÉM ELE É A PESSOA QUE ELA MAIS AMA!!!