SlideShare uma empresa Scribd logo
ATUALIZAÇÃO NO
PROTOCOLO DE RCP
Residentes de Enfermagem em Cardiologia – PROCAPE:
Autores Co-autores
Catiuscia Rebecca Andrey Queiroga
Flavia Lima Eduardo Gomes
Liane Lopes Renata Melo
Thaisa Remigio Tallita Veríssimo
Pronto Socorro Cardiológico de Pernambuco Profº Luiz Tavares
Programa de Especialização em Enfermagem em Cardiologia na
modalidade Residência
Maio, 2013
0bjetivos
• Apresentar as modalidades de PCR;
• Descrever os procedimentos de ressuscitação
cardiopulmonar (RCP) baseados nas novas
diretrizes da American Heart Associaton
(Guideline 2010).
FONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.
Parada cárdio-respiratória:
O que é ??????
É a cessação súbita dos batimentos cardíacos e
movimentos respiratórios.
Quadro Clínico
▫ Inconsciência;
▫ Ausência de respiração ou gasping;
▫ Ausência de pulso central (carotídeo ou femoral)
(GUIMARÃES HP, LOPES RD, FLATO UAP, FEITOSA FILHO GS, 2008);
▫ Convulsões breves e generalizadas podem ser a
primeira manifestação da PCR (HAZINSKI MF et al, 2010).
FONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.
Modalidades de Parada Cardíaca
Fibrilação Ventricular (FV)
Contração incoordenada do miocárdio em consequência da
atividade caótica de diferentes grupos de fibras
miocárdicas, resultando na ineficiência total do coração de
manter um volume de rendimento sanguíneo adequado.
(TIMERMAN A, CESAR LAM, 2000).
FONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.
ECG: Ausência de complexos ventriculares individualizados
que são substituídos por ondas irregulares em ziguezague
com amplitude e duração variáveis. (TIMERMAN A, CESAR LAM, 2000)
FONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.
Taquicardia Ventricular (TV) sem Pulso
Sucessão rápida de batimentos ventriculares que podem levar à
acentuada deterioração hemodinâmica, chegando mesmo a
detecção de ausência de pulso arterial palpável (TIMERMAN A,
CESAR LAM, 2000).
ECG: Repetição de complexos QRS alargados não precedidos de ondas P.
FONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.
Atividade elétrica sem pulso (AESP)
Ausência de pulso detectável na presença de algum tipo de
atividade elétrica com exclusão de FV ou TV.
ECG: Complexos QRS largos e bizarros, sem contração mecânica ventricular
correspondente.
FONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.
Assistolia
▫ Ausência de qualquer atividade ventricular contrátil e
elétrica em pelo menos duas derivações
eletrocardiográficas (GUIMARÃES HP, LOPES RD, FLATO UAP, FEITOSA
FILHO GS, 2008).
ECG: Linha isoelétrica
FONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.
ATENÇÃO!
• FV acontece em 85% dos casos de PCR extra-
hospitalar e 5,4% de PCR intra-hospitalar (GUIMARÃES HP,
LOPES RD, FLATO UAP, FEITOSA FILHO GS, 2008).
• TV sem pulso corresponde a 5% das PCR em UTI
(GUIMARÃES HP, LOPES RD, FLATO UAP, FEITOSA FILHO GS, 2008).
• Assistolia - ritmo final de todos os mecanismos de
PCR e de pior prognóstico.
FONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.
Ressuscitação cardiopulmonar (RCP)
▫ Conjunto de procedimentos realizados após uma
PCR com o objetivo de manter artificialmente a
circulação de sangue arterial ao cérebro e outros
órgãos vitais até a ocorrência do retorno da
circulação espontânea. (GUIMARÃES HP, LOPES RD, FLATO UAP, FEITOSA
FILHO GS, 2008).
FONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.
RCP
Ações iniciais:
Avaliar a cena
Verificar responsividade
e respiração.
Pedir Ajuda
Acionar o 192
Pedir um DEA
▫ Verificação do pulso
• Sem pulso palpado em 10 segundos, para todas as idades
(apenas para profissionais de saúde) (HAZINSKI MF et al, 2010);
FONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.
Suporte Básico de Vida (SBV)
CirculaçãoCirculação
AberturaAbertura de Vias Aéreasde Vias Aéreas
Boa RespiraçãoBoa Respiração
CC (Circulação): Compressões torácicas - 30 /2
Posicionamento das mãos – compressões torácicas
FONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.
Retorno da parece torácica
• Permitir retorno total entre as compressões;
• Profissionais de saúde, alternar as pessoas que
aplicam as compressões a cada 2 minutos
(HAZINSKI MF et al, 2010);
FONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.
RCP
Interrupções nas compressões
• Minimizar
• Tentar limitar as interrupções a menos de 10 segundos;
• Motivo: reduz a sobrevivência de uma vítima de PCR.
• Relação compressão ventilação (até a colocação
da via aérea avançada)
Adultos
• 30:2 (1 ou 2 socorristas)
Crianças e bebês
• 30:2 (Um socorrista)
• 15:2 (2 socorristas profissionais de saúde) (HAZINSKI MF et al,
2010);
FONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.
Manobra de Inclinação
da Cabeça e Elevação do
Mento (Chin Lift).
Manobra de Elevação
Modificada da
Mandíbula (Jaw Thurst).
AA (Abertura de vias aéreas):
BB (Respiração):
• Consiste na aplicação de uma corrente elétrica
contínua NÃO SINCRONIZADA.
• Esse choque despolariza em conjunto todas as
fibras musculares do miocárdio, tornando possível
a reversão de arritmias graves, permitindo ao nó
sinusal retomar a geração e o controle do ritmo
cardíaco.
DD (Desfibrilação):
Desfibriladores automáticos
Colocação dos Eletrodos
Eletrodo direito
•À direita do osso
esterno.
•Abaixo da clavícula
acima do mamilo
Eletrodo esquerdo
•Para fora do mamilo
esquerdo, cerca de 20
cms abaixo da axila
esquerda
Aderência Efetiva dos Eletrodos
• Tórax suado
▫ Seque com toalha
▫ Não use álcool
• Excesso de pêlos
▫ Pode ser necessária
depilação
Operação do DEA
• LIGAR
• CONECTAR
eletrodos
• ANALISAR ritmo
• CHOQUE (se
recomendado)
Suporte Básico de Vida em Pediatria
Compressões torácicas
 Recém-nascidos: polegares lado a lado do esterno, imediatamente
abaixo da linha intermamilar;
 Crianças de um mês a 1 ano: compressão sobre o esterno, um dedo
abaixo da intersecção da linha intermamilar com a linha esternal,
utilizando um ou dois dedos de uma das mãos, enquanto a outra
apóia o dorso da criança;
 Crianças de 1 a 8 anos: compressão dois dedos acima do apêndice
xifóide, sem colocar as pontas dos dedos sobre as costelas (TIMERMAN A,
CESAR LAM, 2000).
FONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.
RCP
FONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.
RCP
RCP
Suporte Avançado de Vida em Cardiologia (SAVC)
ATENÇÃO!
• O acesso vascular, a administração de fármacos e
a colocação de via aérea avançada, embora ainda
recomendados, não devem causar interrupções
significativas nas compressões torácicas, nem
retardar os choques.
FONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.
Fibrilação Ventricular e Taquicardia Ventricular sem
Pulso: Sequência de Atendimento no SAVC,
FONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.
Atividade elétrica sem pulso e Assistolia: Sequência de atendimento no
SAVC
FONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.
RCP
Fármacos Utilizados na RCP
FONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.
Causas Reversíveis
Etiologia Tratamento
Hipovolemia SF 0,9%
Hipóxia Ventilar com O2 A 100%
Hipercalemia Bicarbonato – Sol. Polarizante
Hipotermia Reaquecimento
Hidrogênio Bicarbonato
Hipoglicemia Glicose IV
Pneumotórax Descompressão
Tamponamento Pericardiocentose
TEP Trombólise
IAM Reperfusão
FONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.
FONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART
ASSOCIATON.
Motivo: Evidência
disponível sugere ser
improvável que o uso de
rotina de atropina
durante AESP ou assístole
produza beneficios
terapêuticos.
Complicações da RCP
▫ Distensão gasosa do estômago (com eventual
regurgitação do conteúdo gástrico e sua aspiração;
▫ Fratura do esterno ou de costelas;
▫ Separação condroesternal;
▫ Pneumotórax;
▫ Hemotórax;
▫ Embolia gordurosa;
▫ Laceração do fígado, baço e coração (TIMERMAN A,
CESAR LAM, 2000);
FONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.
Cuidados Pós PCR
Objetivos
1. Otimizar a função cardiopulmonar e a perfusão de órgãos
vitais após o RCE;
2. Transportar/transferir para um hospital apropriado ou
UTI com completo sistema de tratamento pós-PCR;
3. Identificar e tratar SCAs e outras causas reversíveis;
4. Controlar a temperatura para otimizar a recuperação
neurológica;
5. Prever, tratar e prevenir a disfunção múltipla de órgãos.
Isto inclui evitar ventilação excessiva e hiperóxia.
Obs: hipotermia terapêutica
FONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.
Questões éticas na decisão de iniciar
ou parar a RCP
▫ Considerar fatores éticos, legais e culturais associados a
prestação de atendimento a indivíduos com necessidade
de ressuscitação;
▫ Na tomada de decisões guiar-se pela ciência, as
preferências do indivíduo ou de seus representantes,
bem como pelas exigências legais e dos programas de
ações locais;
FONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.
Considerações finais
FONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Will Nunes
 
Atendimento pré hospitalar aula 01 iesm
Atendimento pré hospitalar aula 01 iesmAtendimento pré hospitalar aula 01 iesm
Atendimento pré hospitalar aula 01 iesm
ernandesrodriguesdasilva
 
Atendimento na parada cardiorrespiratória em adultos pela equipe multidiscipl...
Atendimento na parada cardiorrespiratória em adultos pela equipe multidiscipl...Atendimento na parada cardiorrespiratória em adultos pela equipe multidiscipl...
Atendimento na parada cardiorrespiratória em adultos pela equipe multidiscipl...
Aroldo Gavioli
 
Aula 08 aspiração endotraqueal
Aula 08   aspiração endotraquealAula 08   aspiração endotraqueal
Aula 08 aspiração endotraqueal
Rodrigo Abreu
 
Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
Monitorização Hemodinâmica Não-InvasivaMonitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
resenfe2013
 
Aula PCR
Aula PCRAula PCR
Aula PCR
Anestesiador
 
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edisonAula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Edison Santos
 
Pcr
PcrPcr
Drogas vasoativas
Drogas vasoativasDrogas vasoativas
Drogas vasoativas
resenfe2013
 
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
Mateus Camargo
 
Enfermagem em Urgência Emergência
Enfermagem em Urgência EmergênciaEnfermagem em Urgência Emergência
Enfermagem em Urgência Emergência
Wellington Moreira Ribeiro
 
Atendimento pré hospitalar
Atendimento pré hospitalarAtendimento pré hospitalar
Atendimento pré hospitalar
Mauricio Cesar Soares
 
Parada Cardiorrespiratória
Parada CardiorrespiratóriaParada Cardiorrespiratória
Parada Cardiorrespiratória
Markus Fiuza
 
Suporte avançado de vida em cardiologia em adultos
Suporte avançado de vida em cardiologia em adultosSuporte avançado de vida em cardiologia em adultos
Suporte avançado de vida em cardiologia em adultos
Aroldo Gavioli
 
Parada cardiorrespiratória acls
Parada cardiorrespiratória aclsParada cardiorrespiratória acls
Parada cardiorrespiratória acls
dapab
 
Aula sinais vitais
Aula sinais vitaisAula sinais vitais
Aula sinais vitais
Viviane da Silva
 
Método de classificação de risco pelo protocolo de manchester
Método de classificação de risco pelo protocolo de manchesterMétodo de classificação de risco pelo protocolo de manchester
Método de classificação de risco pelo protocolo de manchester
Aroldo Gavioli
 
Carro de Emergência
Carro de EmergênciaCarro de Emergência
Carro de Emergência
resenfe2013
 
Edema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de PulmãoEdema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de Pulmão
resenfe2013
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentos
Janaína Lassala
 

Mais procurados (20)

Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
 
Atendimento pré hospitalar aula 01 iesm
Atendimento pré hospitalar aula 01 iesmAtendimento pré hospitalar aula 01 iesm
Atendimento pré hospitalar aula 01 iesm
 
Atendimento na parada cardiorrespiratória em adultos pela equipe multidiscipl...
Atendimento na parada cardiorrespiratória em adultos pela equipe multidiscipl...Atendimento na parada cardiorrespiratória em adultos pela equipe multidiscipl...
Atendimento na parada cardiorrespiratória em adultos pela equipe multidiscipl...
 
Aula 08 aspiração endotraqueal
Aula 08   aspiração endotraquealAula 08   aspiração endotraqueal
Aula 08 aspiração endotraqueal
 
Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
Monitorização Hemodinâmica Não-InvasivaMonitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
 
Aula PCR
Aula PCRAula PCR
Aula PCR
 
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edisonAula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
 
Pcr
PcrPcr
Pcr
 
Drogas vasoativas
Drogas vasoativasDrogas vasoativas
Drogas vasoativas
 
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
 
Enfermagem em Urgência Emergência
Enfermagem em Urgência EmergênciaEnfermagem em Urgência Emergência
Enfermagem em Urgência Emergência
 
Atendimento pré hospitalar
Atendimento pré hospitalarAtendimento pré hospitalar
Atendimento pré hospitalar
 
Parada Cardiorrespiratória
Parada CardiorrespiratóriaParada Cardiorrespiratória
Parada Cardiorrespiratória
 
Suporte avançado de vida em cardiologia em adultos
Suporte avançado de vida em cardiologia em adultosSuporte avançado de vida em cardiologia em adultos
Suporte avançado de vida em cardiologia em adultos
 
Parada cardiorrespiratória acls
Parada cardiorrespiratória aclsParada cardiorrespiratória acls
Parada cardiorrespiratória acls
 
Aula sinais vitais
Aula sinais vitaisAula sinais vitais
Aula sinais vitais
 
Método de classificação de risco pelo protocolo de manchester
Método de classificação de risco pelo protocolo de manchesterMétodo de classificação de risco pelo protocolo de manchester
Método de classificação de risco pelo protocolo de manchester
 
Carro de Emergência
Carro de EmergênciaCarro de Emergência
Carro de Emergência
 
Edema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de PulmãoEdema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de Pulmão
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentos
 

Semelhante a RCP

Aula PCR.pptx
Aula PCR.pptxAula PCR.pptx
Aula PCR.pptx
FrancielleConstantin
 
Ppt rcp 2014 (1)
Ppt rcp 2014 (1)Ppt rcp 2014 (1)
Ppt rcp 2014 (1)
Elisabeth Ayala
 
suporte-bc3a1sico-de-vida-bls-1.pptx
suporte-bc3a1sico-de-vida-bls-1.pptxsuporte-bc3a1sico-de-vida-bls-1.pptx
suporte-bc3a1sico-de-vida-bls-1.pptx
FlaviaLazzarini
 
aula suporte basico 16 - ADULTO.ppt
aula suporte basico 16 - ADULTO.pptaula suporte basico 16 - ADULTO.ppt
aula suporte basico 16 - ADULTO.ppt
LarcioFerreiraSilva
 
SUPORTE BASICO DE VIDA - RCP
SUPORTE BASICO DE VIDA - RCPSUPORTE BASICO DE VIDA - RCP
SUPORTE BASICO DE VIDA - RCP
RafaelaAraujo53
 
PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade
PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade
PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade
Rui Amorim
 
PCR - RCP
PCR - RCPPCR - RCP
Sbv rcp e de
Sbv   rcp  e deSbv   rcp  e de
Sbv rcp e de
Felipe Mago
 
Suporte Básico de Vida 2019
Suporte Básico de Vida 2019Suporte Básico de Vida 2019
Suporte Básico de Vida 2019
Walber Alves Frazão Júnior
 
Erc guidelines 2010 português
Erc guidelines 2010   portuguêsErc guidelines 2010   português
Erc guidelines 2010 português
Ana Gama
 
BLV 1.pptx
BLV 1.pptxBLV 1.pptx
BLV 1.pptx
ThaisBarbosaSouza
 
Rcp
RcpRcp
Rcp
RcpRcp
Cap 09-rcp
Cap 09-rcpCap 09-rcp
Cap 09-rcp
Prof Silvio Rosa
 
Miocardiopatia Hipertrófica - Ablação Septal Alcoolica
Miocardiopatia Hipertrófica - Ablação Septal AlcoolicaMiocardiopatia Hipertrófica - Ablação Septal Alcoolica
Miocardiopatia Hipertrófica - Ablação Septal Alcoolica
Evandro Martins Filho
 
Aula do DEA Silvio
Aula do DEA SilvioAula do DEA Silvio
Aula do DEA Silvio
Prof Silvio Rosa
 
Terapia de ressicronização cardíaca
Terapia de ressicronização cardíacaTerapia de ressicronização cardíaca
Terapia de ressicronização cardíaca
Carlos Volponi Lovatto
 
Guidelines 2010 SBV
Guidelines 2010 SBVGuidelines 2010 SBV
Guidelines 2010 SBV
Dora Carolo
 
Aula 6 -Clinica Médica- Doenças Cardiovasculares - Arritimias.pdf
Aula 6 -Clinica Médica- Doenças Cardiovasculares - Arritimias.pdfAula 6 -Clinica Médica- Doenças Cardiovasculares - Arritimias.pdf
Aula 6 -Clinica Médica- Doenças Cardiovasculares - Arritimias.pdf
Giza Carla Nitz
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar NeopediátricaNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
resenfe2013
 

Semelhante a RCP (20)

Aula PCR.pptx
Aula PCR.pptxAula PCR.pptx
Aula PCR.pptx
 
Ppt rcp 2014 (1)
Ppt rcp 2014 (1)Ppt rcp 2014 (1)
Ppt rcp 2014 (1)
 
suporte-bc3a1sico-de-vida-bls-1.pptx
suporte-bc3a1sico-de-vida-bls-1.pptxsuporte-bc3a1sico-de-vida-bls-1.pptx
suporte-bc3a1sico-de-vida-bls-1.pptx
 
aula suporte basico 16 - ADULTO.ppt
aula suporte basico 16 - ADULTO.pptaula suporte basico 16 - ADULTO.ppt
aula suporte basico 16 - ADULTO.ppt
 
SUPORTE BASICO DE VIDA - RCP
SUPORTE BASICO DE VIDA - RCPSUPORTE BASICO DE VIDA - RCP
SUPORTE BASICO DE VIDA - RCP
 
PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade
PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade
PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade
 
PCR - RCP
PCR - RCPPCR - RCP
PCR - RCP
 
Sbv rcp e de
Sbv   rcp  e deSbv   rcp  e de
Sbv rcp e de
 
Suporte Básico de Vida 2019
Suporte Básico de Vida 2019Suporte Básico de Vida 2019
Suporte Básico de Vida 2019
 
Erc guidelines 2010 português
Erc guidelines 2010   portuguêsErc guidelines 2010   português
Erc guidelines 2010 português
 
BLV 1.pptx
BLV 1.pptxBLV 1.pptx
BLV 1.pptx
 
Rcp
RcpRcp
Rcp
 
Rcp
RcpRcp
Rcp
 
Cap 09-rcp
Cap 09-rcpCap 09-rcp
Cap 09-rcp
 
Miocardiopatia Hipertrófica - Ablação Septal Alcoolica
Miocardiopatia Hipertrófica - Ablação Septal AlcoolicaMiocardiopatia Hipertrófica - Ablação Septal Alcoolica
Miocardiopatia Hipertrófica - Ablação Septal Alcoolica
 
Aula do DEA Silvio
Aula do DEA SilvioAula do DEA Silvio
Aula do DEA Silvio
 
Terapia de ressicronização cardíaca
Terapia de ressicronização cardíacaTerapia de ressicronização cardíaca
Terapia de ressicronização cardíaca
 
Guidelines 2010 SBV
Guidelines 2010 SBVGuidelines 2010 SBV
Guidelines 2010 SBV
 
Aula 6 -Clinica Médica- Doenças Cardiovasculares - Arritimias.pdf
Aula 6 -Clinica Médica- Doenças Cardiovasculares - Arritimias.pdfAula 6 -Clinica Médica- Doenças Cardiovasculares - Arritimias.pdf
Aula 6 -Clinica Médica- Doenças Cardiovasculares - Arritimias.pdf
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar NeopediátricaNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
 

Mais de resenfe2013

Doenças da Aorta
Doenças da AortaDoenças da Aorta
Doenças da Aorta
resenfe2013
 
Crises Hipertensivas
Crises HipertensivasCrises Hipertensivas
Crises Hipertensivas
resenfe2013
 
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de VálvulasCirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
resenfe2013
 
Hemodiálise
HemodiáliseHemodiálise
Hemodiálise
resenfe2013
 
Caso clínico Febre Reumática
Caso clínico Febre ReumáticaCaso clínico Febre Reumática
Caso clínico Febre Reumática
resenfe2013
 
Caso clínico Endocardite
Caso clínico EndocarditeCaso clínico Endocardite
Caso clínico Endocardite
resenfe2013
 
Caso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
Caso clínico Hipertensão Arterial PulmonarCaso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
Caso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
resenfe2013
 
Insuficiência Respiratória
Insuficiência RespiratóriaInsuficiência Respiratória
Insuficiência Respiratória
resenfe2013
 
Gasometria Arterial
Gasometria ArterialGasometria Arterial
Gasometria Arterial
resenfe2013
 
Hipertensão Arterial Pulmonar
Hipertensão Arterial PulmonarHipertensão Arterial Pulmonar
Hipertensão Arterial Pulmonar
resenfe2013
 
Exames Diagnósticos em Cardiologia II
Exames Diagnósticos em Cardiologia IIExames Diagnósticos em Cardiologia II
Exames Diagnósticos em Cardiologia II
resenfe2013
 
Estimulação Cardíaca Artificial
Estimulação Cardíaca ArtificialEstimulação Cardíaca Artificial
Estimulação Cardíaca Artificial
resenfe2013
 
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasivaMonitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
resenfe2013
 
Coagulação Sanguínea
Coagulação SanguíneaCoagulação Sanguínea
Coagulação Sanguínea
resenfe2013
 
Exame Físico Neurologico
Exame Físico NeurologicoExame Físico Neurologico
Exame Físico Neurologico
resenfe2013
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
resenfe2013
 
Valvopatias semilunares
Valvopatias semilunaresValvopatias semilunares
Valvopatias semilunares
resenfe2013
 
Pós-operatório de cirurgia cardíaca pediátrica
Pós-operatório de cirurgia cardíaca pediátricaPós-operatório de cirurgia cardíaca pediátrica
Pós-operatório de cirurgia cardíaca pediátrica
resenfe2013
 
Técnicas de conservação de energia
Técnicas de conservação de energiaTécnicas de conservação de energia
Técnicas de conservação de energia
resenfe2013
 
Ventilação Não-invasiva
Ventilação Não-invasivaVentilação Não-invasiva
Ventilação Não-invasiva
resenfe2013
 

Mais de resenfe2013 (20)

Doenças da Aorta
Doenças da AortaDoenças da Aorta
Doenças da Aorta
 
Crises Hipertensivas
Crises HipertensivasCrises Hipertensivas
Crises Hipertensivas
 
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de VálvulasCirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
 
Hemodiálise
HemodiáliseHemodiálise
Hemodiálise
 
Caso clínico Febre Reumática
Caso clínico Febre ReumáticaCaso clínico Febre Reumática
Caso clínico Febre Reumática
 
Caso clínico Endocardite
Caso clínico EndocarditeCaso clínico Endocardite
Caso clínico Endocardite
 
Caso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
Caso clínico Hipertensão Arterial PulmonarCaso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
Caso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
 
Insuficiência Respiratória
Insuficiência RespiratóriaInsuficiência Respiratória
Insuficiência Respiratória
 
Gasometria Arterial
Gasometria ArterialGasometria Arterial
Gasometria Arterial
 
Hipertensão Arterial Pulmonar
Hipertensão Arterial PulmonarHipertensão Arterial Pulmonar
Hipertensão Arterial Pulmonar
 
Exames Diagnósticos em Cardiologia II
Exames Diagnósticos em Cardiologia IIExames Diagnósticos em Cardiologia II
Exames Diagnósticos em Cardiologia II
 
Estimulação Cardíaca Artificial
Estimulação Cardíaca ArtificialEstimulação Cardíaca Artificial
Estimulação Cardíaca Artificial
 
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasivaMonitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
 
Coagulação Sanguínea
Coagulação SanguíneaCoagulação Sanguínea
Coagulação Sanguínea
 
Exame Físico Neurologico
Exame Físico NeurologicoExame Físico Neurologico
Exame Físico Neurologico
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Valvopatias semilunares
Valvopatias semilunaresValvopatias semilunares
Valvopatias semilunares
 
Pós-operatório de cirurgia cardíaca pediátrica
Pós-operatório de cirurgia cardíaca pediátricaPós-operatório de cirurgia cardíaca pediátrica
Pós-operatório de cirurgia cardíaca pediátrica
 
Técnicas de conservação de energia
Técnicas de conservação de energiaTécnicas de conservação de energia
Técnicas de conservação de energia
 
Ventilação Não-invasiva
Ventilação Não-invasivaVentilação Não-invasiva
Ventilação Não-invasiva
 

RCP

  • 1. ATUALIZAÇÃO NO PROTOCOLO DE RCP Residentes de Enfermagem em Cardiologia – PROCAPE: Autores Co-autores Catiuscia Rebecca Andrey Queiroga Flavia Lima Eduardo Gomes Liane Lopes Renata Melo Thaisa Remigio Tallita Veríssimo Pronto Socorro Cardiológico de Pernambuco Profº Luiz Tavares Programa de Especialização em Enfermagem em Cardiologia na modalidade Residência Maio, 2013
  • 2. 0bjetivos • Apresentar as modalidades de PCR; • Descrever os procedimentos de ressuscitação cardiopulmonar (RCP) baseados nas novas diretrizes da American Heart Associaton (Guideline 2010). FONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.
  • 4. É a cessação súbita dos batimentos cardíacos e movimentos respiratórios.
  • 5. Quadro Clínico ▫ Inconsciência; ▫ Ausência de respiração ou gasping; ▫ Ausência de pulso central (carotídeo ou femoral) (GUIMARÃES HP, LOPES RD, FLATO UAP, FEITOSA FILHO GS, 2008); ▫ Convulsões breves e generalizadas podem ser a primeira manifestação da PCR (HAZINSKI MF et al, 2010). FONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.
  • 6. Modalidades de Parada Cardíaca Fibrilação Ventricular (FV) Contração incoordenada do miocárdio em consequência da atividade caótica de diferentes grupos de fibras miocárdicas, resultando na ineficiência total do coração de manter um volume de rendimento sanguíneo adequado. (TIMERMAN A, CESAR LAM, 2000). FONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.
  • 7. ECG: Ausência de complexos ventriculares individualizados que são substituídos por ondas irregulares em ziguezague com amplitude e duração variáveis. (TIMERMAN A, CESAR LAM, 2000) FONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.
  • 8. Taquicardia Ventricular (TV) sem Pulso Sucessão rápida de batimentos ventriculares que podem levar à acentuada deterioração hemodinâmica, chegando mesmo a detecção de ausência de pulso arterial palpável (TIMERMAN A, CESAR LAM, 2000). ECG: Repetição de complexos QRS alargados não precedidos de ondas P. FONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.
  • 9. Atividade elétrica sem pulso (AESP) Ausência de pulso detectável na presença de algum tipo de atividade elétrica com exclusão de FV ou TV. ECG: Complexos QRS largos e bizarros, sem contração mecânica ventricular correspondente. FONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.
  • 10. Assistolia ▫ Ausência de qualquer atividade ventricular contrátil e elétrica em pelo menos duas derivações eletrocardiográficas (GUIMARÃES HP, LOPES RD, FLATO UAP, FEITOSA FILHO GS, 2008). ECG: Linha isoelétrica FONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.
  • 11. ATENÇÃO! • FV acontece em 85% dos casos de PCR extra- hospitalar e 5,4% de PCR intra-hospitalar (GUIMARÃES HP, LOPES RD, FLATO UAP, FEITOSA FILHO GS, 2008). • TV sem pulso corresponde a 5% das PCR em UTI (GUIMARÃES HP, LOPES RD, FLATO UAP, FEITOSA FILHO GS, 2008). • Assistolia - ritmo final de todos os mecanismos de PCR e de pior prognóstico. FONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.
  • 12. Ressuscitação cardiopulmonar (RCP) ▫ Conjunto de procedimentos realizados após uma PCR com o objetivo de manter artificialmente a circulação de sangue arterial ao cérebro e outros órgãos vitais até a ocorrência do retorno da circulação espontânea. (GUIMARÃES HP, LOPES RD, FLATO UAP, FEITOSA FILHO GS, 2008). FONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.
  • 14. Ações iniciais: Avaliar a cena Verificar responsividade e respiração. Pedir Ajuda Acionar o 192 Pedir um DEA
  • 15. ▫ Verificação do pulso • Sem pulso palpado em 10 segundos, para todas as idades (apenas para profissionais de saúde) (HAZINSKI MF et al, 2010); FONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.
  • 16. Suporte Básico de Vida (SBV) CirculaçãoCirculação AberturaAbertura de Vias Aéreasde Vias Aéreas Boa RespiraçãoBoa Respiração
  • 17. CC (Circulação): Compressões torácicas - 30 /2
  • 18. Posicionamento das mãos – compressões torácicas FONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.
  • 19. Retorno da parece torácica • Permitir retorno total entre as compressões; • Profissionais de saúde, alternar as pessoas que aplicam as compressões a cada 2 minutos (HAZINSKI MF et al, 2010); FONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.
  • 21. Interrupções nas compressões • Minimizar • Tentar limitar as interrupções a menos de 10 segundos; • Motivo: reduz a sobrevivência de uma vítima de PCR. • Relação compressão ventilação (até a colocação da via aérea avançada) Adultos • 30:2 (1 ou 2 socorristas) Crianças e bebês • 30:2 (Um socorrista) • 15:2 (2 socorristas profissionais de saúde) (HAZINSKI MF et al, 2010);
  • 22. FONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON. Manobra de Inclinação da Cabeça e Elevação do Mento (Chin Lift). Manobra de Elevação Modificada da Mandíbula (Jaw Thurst). AA (Abertura de vias aéreas):
  • 24. • Consiste na aplicação de uma corrente elétrica contínua NÃO SINCRONIZADA. • Esse choque despolariza em conjunto todas as fibras musculares do miocárdio, tornando possível a reversão de arritmias graves, permitindo ao nó sinusal retomar a geração e o controle do ritmo cardíaco. DD (Desfibrilação):
  • 26. Colocação dos Eletrodos Eletrodo direito •À direita do osso esterno. •Abaixo da clavícula acima do mamilo Eletrodo esquerdo •Para fora do mamilo esquerdo, cerca de 20 cms abaixo da axila esquerda
  • 27. Aderência Efetiva dos Eletrodos • Tórax suado ▫ Seque com toalha ▫ Não use álcool • Excesso de pêlos ▫ Pode ser necessária depilação
  • 28. Operação do DEA • LIGAR • CONECTAR eletrodos • ANALISAR ritmo • CHOQUE (se recomendado)
  • 29. Suporte Básico de Vida em Pediatria Compressões torácicas  Recém-nascidos: polegares lado a lado do esterno, imediatamente abaixo da linha intermamilar;  Crianças de um mês a 1 ano: compressão sobre o esterno, um dedo abaixo da intersecção da linha intermamilar com a linha esternal, utilizando um ou dois dedos de uma das mãos, enquanto a outra apóia o dorso da criança;  Crianças de 1 a 8 anos: compressão dois dedos acima do apêndice xifóide, sem colocar as pontas dos dedos sobre as costelas (TIMERMAN A, CESAR LAM, 2000). FONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.
  • 31. FONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.
  • 34. Suporte Avançado de Vida em Cardiologia (SAVC)
  • 35. ATENÇÃO! • O acesso vascular, a administração de fármacos e a colocação de via aérea avançada, embora ainda recomendados, não devem causar interrupções significativas nas compressões torácicas, nem retardar os choques. FONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.
  • 36. Fibrilação Ventricular e Taquicardia Ventricular sem Pulso: Sequência de Atendimento no SAVC, FONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.
  • 37. Atividade elétrica sem pulso e Assistolia: Sequência de atendimento no SAVC FONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.
  • 39. Fármacos Utilizados na RCP FONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.
  • 40. Causas Reversíveis Etiologia Tratamento Hipovolemia SF 0,9% Hipóxia Ventilar com O2 A 100% Hipercalemia Bicarbonato – Sol. Polarizante Hipotermia Reaquecimento Hidrogênio Bicarbonato Hipoglicemia Glicose IV Pneumotórax Descompressão Tamponamento Pericardiocentose TEP Trombólise IAM Reperfusão FONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.
  • 41. FONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON. Motivo: Evidência disponível sugere ser improvável que o uso de rotina de atropina durante AESP ou assístole produza beneficios terapêuticos.
  • 42. Complicações da RCP ▫ Distensão gasosa do estômago (com eventual regurgitação do conteúdo gástrico e sua aspiração; ▫ Fratura do esterno ou de costelas; ▫ Separação condroesternal; ▫ Pneumotórax; ▫ Hemotórax; ▫ Embolia gordurosa; ▫ Laceração do fígado, baço e coração (TIMERMAN A, CESAR LAM, 2000); FONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.
  • 43. Cuidados Pós PCR Objetivos 1. Otimizar a função cardiopulmonar e a perfusão de órgãos vitais após o RCE; 2. Transportar/transferir para um hospital apropriado ou UTI com completo sistema de tratamento pós-PCR; 3. Identificar e tratar SCAs e outras causas reversíveis; 4. Controlar a temperatura para otimizar a recuperação neurológica; 5. Prever, tratar e prevenir a disfunção múltipla de órgãos. Isto inclui evitar ventilação excessiva e hiperóxia. Obs: hipotermia terapêutica FONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.
  • 44. Questões éticas na decisão de iniciar ou parar a RCP ▫ Considerar fatores éticos, legais e culturais associados a prestação de atendimento a indivíduos com necessidade de ressuscitação; ▫ Na tomada de decisões guiar-se pela ciência, as preferências do indivíduo ou de seus representantes, bem como pelas exigências legais e dos programas de ações locais; FONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.
  • 45. Considerações finais FONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.