SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 30
Monitorização em UTI
Alunos: Julio Cesar Matias e Paloma Silva
Curso: Enfermagem
Monitorização na UTI
Redução da morbimortalidade
Diminuição dos desequilíbrios da homeostase
Diminuição do tempo de internação
Monitorização na UTI
•PVC (Pressão Venosa Central)
•PAM (Pressão Arterial Média)
•OXIMETRIA DE PULSO
•BALANÇO HÍDRICO
•GASOMETRIA ARTERIAL
PVC (Pressão Venosa Central)
• A PVC é um importante parâmetro clinico para avaliação de
pacientes submetidos a cirurgias cardíacas e pacientes internados
em UTI. Essa técnica faz-se importante para se obter um
parâmetro da função cardíaca e retorno venoso do paciente.
• A pressão venosa central (PVC) ou pressão do átrio direito,
avalia à pré-carga do do VD, ou seja, a capacidade de enchimento
do ventrículo direito no final da diástole.
PVC (Pressão Venosa Central)
A contração ventricular é
conhecida como sístole e nela
ocorre o esvaziamento dos
ventrículos. O relaxamento
ventricular é conhecido
como diástole e é nessa fase
que os ventrículos recebem
sangue dos átrios.
PVC (Pressão Venosa Central)
A PVC é usualmente obtida através de
Um cateter inserido na veia cava
superior, no entanto, o cateter de
artéria pulmonar pode também
mensurar a PVC através do orifício
proximal que desemboca no AD.
As principais veias utilizadas são:
- Braquial - Subclávia - Jugular
PVC (Pressão Venosa Central)
Mensuração da PVC com coluna de água
PVC (Pressão Venosa Central)
Como montar o sistema de PVC
Materiais utilizados:
- 1 equipo de monitorização de PVC
- 1 frasco de SF (250 ou 500 ml)
- Fita adesiva
- Régua de nível
PVC (Pressão Venosa Central)
- Colar a fita métrica no suporte do soro
- Conectar o equipo ao SF e retirar todo o ar
- Instalar no suporte de soro
- Com a régua de nível, identificar a linha zero e marcar (colar uma fita para identificar que
aquele é o ponto “zero”)
- Pegar o equipo e fixar a parte em que ele se divide em duas vias no suporte de soro, mais
precisamente no local onde foi identificado com a régua. (o ponto zero).
- A via mais longa será conectada ao paciente. A via curta deve ser fixada a fita graduada,
de modo que fiquem juntos. O prolongamento simples do equipo e a fita graduada.
PVC (Pressão Venosa Central)
-Coloca-se o paciente em decúbito
dorsal horizontal. Encontra-se a linha
“zero” através da linha axilar média,
observando em que número se
encontra diante da escala do equipo de
PVC.
Convém encontrar “zero” todas as
vezes em que se forem realizar as
medidas, pois existem algumas camas
que tem regulagem de altura, e pode
ter sido alterada).
PVC (Pressão Venosa Central)
Leitura de valor da PVC
- Interromper todas as infusões
- Coloque cama reta, conforme foi montado PVC
- Abra o equipo para que se preencha a via da coluna graduada com
solução fisiológica.
- Então abra a via do paciente, fazendo descer a solução da coluna
graduada, observando até que entre em equilíbrio com a pressão
venosa central, anotando-se esse valor.
PVC (Pressão Venosa Central)
- Espera-se que haja oscilação da coluna d'água ou do
gráfico no monitor, acompanhando os movimentos
respiratórios do paciente.
- Normalmente a coluna d'água ou as curvas em monitor
oscilam de acordo com a respiração do paciente. Caso isso
não ocorra, investigue a possibilidade do catéter estar
dobrado ou não totalmente pérvio.
PVC (Pressão Venosa Central)
Parâmetros normais de PVC
2-8 mmHg ou 3-11cm H2O.
Problemas que possam elevar a PVC
- Hipervolemia
- Insuficiência cardíaca direita
Problemas que podem diminuir a PVC
- Hipovolemia
Complicações durante a
passagem do cateter
- Ruptura da artéria pulmonar
- Tromboembolia pulmonar
- Infarto pulmonar
- Dobradura do cateter
- Arritmias
- Embolia gasosa
PVC (Pressão Venosa Central)
Cuidados de enfermagem com PVC
- O transdutor deve estar posicionado no eixo flebostático.
- RX para avaliar se o cateter esta locado
- Curativo oclusivo
- Observar sinais flogísticos na inserção do cateter
- Zerar o sistema sempre que for realizar a medição
- O balanço hídrico é importante. Registrar a cada 24 horas na folha
de controle hídrico, o volume de solução infundido nas aferições da
PVC.
PAM (Pressão Arterial Média)
- Cateter na artéria radial
- Teste de Allen e Oximetria
- PAM (2xPD+PS)/3
PAM (Pressão Arterial Média)
Indicações
•Pacientes graves com instabilidade hemodinâmica
•Choque de qualquer causa
•Monitorização intraoperatória de cirurgias de grande porte
•Crise de hipertensão arterial
•Infusão contínua de drogas vasoativas
•Uso de balão intra-aórtico
•Trauma neurológico ou politrauma
•Coleta seriada de gasometria em pacientes portadores de insuficiência respiratória
PAM (Pressão Arterial Média)
Cuidados de Enfermagem
•Atentar para sinais de trombose (dor e sensação de
queimação no local de inserção do cateter, cianose e edema
na região rm volta do catéter)
•Manter o sistema pressurizado com infusão contínua de
solução de heparina ou soro fisiológico
•Sempre que for manipular o cateter ou sistema utilizar
técnica asséptica
PAM (Pressão Arterial Média)
•Renovar o curativo a cada 24 horas e observar o sítio de entrada do
cateter para identificar se há presença de sinais flogísticos
•Zerar o sistema a cada 4 horas ou a cada mudança de posição do
paciente
•Realizar flash de solução heparinizada após coleta de sangue ou
soro fisiológico
•Ao retirar o cateter, fazer a compressão no local por 5 minutos, e
realizar o curativo compressivo.
Oximetria de Pulso
• A oximetria é um método não invasivo de monitorar a saturação de
oxigênio do paciente.
• O sensor do oximetro de pulso é formado por uma fonte de luz e
de um fotodetector, que recebe a luz proveniente dos sensores e
detecta a diferença de luz transmitida e que foi absorvida pelas
moléculas de hemoglobina.
Oximetria de Pulso
• Embora a oximetria de pulso não substitua a medição da
gasometria arterial, ela é importante para detectar alterações
sutis ou súbitas na saturação de oxigênio.
• Os valores normais da SatO2 são de 95 a 100%. Os valores
inferiores a 85% indicam que os tecidos não estão recebendo
oxigênio suficiente, e o paciente precisa de avaliação adicional.
Gasometria Arterial
Gasometria Arterial
Gasometria Arterial
Gasometria Arterial
 Cuidados de Enfermagem
 Remover bolhas de ar eventualmente presentes dentro da seringa;
 Ocluir a seringa para manter a amostra em ambiente anaeróbio;
 Movimentar a seringa entre as mãos durante 10 a 15 segundos para
misturar a heparina com o sangue;
 Manter a seringa em gelo até a análise do material, sobretudo se essa
não for feita imediatamente após a coleta.
Gasometria Arterial
 Após aplicar pressão sobre o local da punção por um período de 3 a 5
minutos para coagulação, fazer um curativo compressivo.
 Se o paciente está em uso de anticoagulantes ou possui alguma
coagulopatia, aplique pressão no local de punção por mais de 5 minutos,
caso seja necessário.
 Caso o paciente esteja em oxigenoterapia, anote o fluxo de oxigênio e o
modo de oxigenoterapia/ventilação.
 Monitore os sinais vitais e observe se existem sinais de prejuízo
 É o registro diário de líquidos infundidos e eliminados de um
paciente. Este registro é realizado em papel padronizado.
 Tem como objetivo realizar um rígido controle sobre infusões x
eliminações para avaliação da evolução clinica do paciente.
 Através do registro do balanço hídrico podemos observar
juntamente com exames laboratoriais, o início de algumas
patologias.
Balanço Hídrico
Balanço Hídrico
 Pacientes em uso de nutrição parenteral e enteral.
 Pacientes de UTI.
 Pacientes de pós-operatório de grandes cirurgias,
 principalmente dos sistemas geniturinário, digestivo e
 respiratório.
 Pacientes portadores de enfermidades cardíacas,
 edemas, drenos, ascite, entre outras.
 Pacientes com restrição hídrica.
 Pacientes com queimaduras de grande extensão
Em casos de SNE deve ser anotado o volume administrado
Paciente em diálise: registrar peso diariamente
Anotar no campo EV, todas as infusões em bolsa de soro;
medicações EV.
Aos valores de ingesta deve-se acrescentar para fins de fechamento
do BH nas 24 hs o seguinte:
Agua Endógena (AE) = 400 ml Perdas Insensíveis (PI) = 800 ml
Balanço Hídrico
Balanço Hídrico
Referências
SMELTZER, S. C; BARE, B.G. BRUNNER & SUDDARTH: Tratado
de Enfermagem Médico- Cirúrgica. 9 ed. Rio de Janeiro:
Guanabara Koogan, 2002. Vol. 2.
WOODS, Susan L; FROELICHER, Erika S. Sivara, MOTZER, Sandra
Underhill. Enfermagem em cardiologia. 4 ed. Barueri: Editora
Manole, 2005.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERALNUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
Elyda Santos
 
Avaliação e o processo de Enfermagem
Avaliação e o processo de EnfermagemAvaliação e o processo de Enfermagem
Avaliação e o processo de Enfermagem
resenfe2013
 
Monitorização a beira do leito
Monitorização a beira do leitoMonitorização a beira do leito
Monitorização a beira do leito
resenfe2013
 
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
Mateus Camargo
 
Apostila completa uti
Apostila completa   utiApostila completa   uti
Apostila completa uti
Elisama Cruz
 
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Amanda Moura
 
Anotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemAnotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagem
Ivanete Dias
 

Mais procurados (20)

Sinais vitais aula 4
Sinais vitais aula 4Sinais vitais aula 4
Sinais vitais aula 4
 
Pós-operatório de Cirurgia Cardíaca
Pós-operatório de Cirurgia CardíacaPós-operatório de Cirurgia Cardíaca
Pós-operatório de Cirurgia Cardíaca
 
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERALNUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
 
Aula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptx
Aula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptxAula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptx
Aula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptx
 
Avaliação e o processo de Enfermagem
Avaliação e o processo de EnfermagemAvaliação e o processo de Enfermagem
Avaliação e o processo de Enfermagem
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem
 
Pai, balao e swan ganz resumo
Pai, balao e swan ganz resumoPai, balao e swan ganz resumo
Pai, balao e swan ganz resumo
 
Monitorização a beira do leito
Monitorização a beira do leitoMonitorização a beira do leito
Monitorização a beira do leito
 
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
 
Transporte de pacientes
Transporte de pacientesTransporte de pacientes
Transporte de pacientes
 
O diagnóstico de enfermagem em saúde mental
O diagnóstico de enfermagem em saúde mentalO diagnóstico de enfermagem em saúde mental
O diagnóstico de enfermagem em saúde mental
 
Aula PCR
Aula PCRAula PCR
Aula PCR
 
Urgência e emergência
Urgência e emergênciaUrgência e emergência
Urgência e emergência
 
Apostila completa uti
Apostila completa   utiApostila completa   uti
Apostila completa uti
 
Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)
 
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
 
Pressão Venosa Central
Pressão Venosa CentralPressão Venosa Central
Pressão Venosa Central
 
Anotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemAnotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagem
 
Hist rico uti
Hist rico utiHist rico uti
Hist rico uti
 

Semelhante a Monitorização UTI

Iv curso teórico prático monitorização hemod
Iv curso teórico prático monitorização hemodIv curso teórico prático monitorização hemod
Iv curso teórico prático monitorização hemod
ctisaolucascopacabana
 
Panfleto valencia medicina explicativo das aulas práticas de simulação com ...
Panfleto valencia medicina   explicativo das aulas práticas de simulação com ...Panfleto valencia medicina   explicativo das aulas práticas de simulação com ...
Panfleto valencia medicina explicativo das aulas práticas de simulação com ...
commed1
 
Panfleto alunos im versao final13
Panfleto alunos im versao final13Panfleto alunos im versao final13
Panfleto alunos im versao final13
commed1
 
Mercredi monitorização hemodinamica
Mercredi monitorização hemodinamicaMercredi monitorização hemodinamica
Mercredi monitorização hemodinamica
ctisaolucascopacabana
 
Parada Cardiorrespiratória
Parada CardiorrespiratóriaParada Cardiorrespiratória
Parada Cardiorrespiratória
Paula Oliveira
 

Semelhante a Monitorização UTI (20)

Monitoriazação Hemodinâmica.pptx
Monitoriazação Hemodinâmica.pptxMonitoriazação Hemodinâmica.pptx
Monitoriazação Hemodinâmica.pptx
 
Aula 7 alunos
Aula 7 alunosAula 7 alunos
Aula 7 alunos
 
_Monitorização.ppt
_Monitorização.ppt_Monitorização.ppt
_Monitorização.ppt
 
ENFERMAGEM EM Unidade de terapia intensiva
ENFERMAGEM EM Unidade de terapia intensivaENFERMAGEM EM Unidade de terapia intensiva
ENFERMAGEM EM Unidade de terapia intensiva
 
Monitorização Parte I e Parte II.pptx
Monitorização Parte I e Parte II.pptxMonitorização Parte I e Parte II.pptx
Monitorização Parte I e Parte II.pptx
 
acessos vasculare 2.pptx
acessos vasculare 2.pptxacessos vasculare 2.pptx
acessos vasculare 2.pptx
 
Iv curso teórico prático monitorização hemod
Iv curso teórico prático monitorização hemodIv curso teórico prático monitorização hemod
Iv curso teórico prático monitorização hemod
 
DVE, DVP, DLE E PVC
DVE, DVP, DLE E PVCDVE, DVP, DLE E PVC
DVE, DVP, DLE E PVC
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
Panfleto valencia medicina explicativo das aulas práticas de simulação com ...
Panfleto valencia medicina   explicativo das aulas práticas de simulação com ...Panfleto valencia medicina   explicativo das aulas práticas de simulação com ...
Panfleto valencia medicina explicativo das aulas práticas de simulação com ...
 
Panfleto alunos im versao final13
Panfleto alunos im versao final13Panfleto alunos im versao final13
Panfleto alunos im versao final13
 
Equipamentos 2017
Equipamentos 2017Equipamentos 2017
Equipamentos 2017
 
Terapias de substituição renal
Terapias de substituição renalTerapias de substituição renal
Terapias de substituição renal
 
Métodos dialíticos intermitentes
Métodos dialíticos intermitentesMétodos dialíticos intermitentes
Métodos dialíticos intermitentes
 
Mercredi monitorização hemodinamica
Mercredi monitorização hemodinamicaMercredi monitorização hemodinamica
Mercredi monitorização hemodinamica
 
Parada Cardiorrespiratória
Parada CardiorrespiratóriaParada Cardiorrespiratória
Parada Cardiorrespiratória
 
UTI coronariana - clinica
UTI coronariana - clinicaUTI coronariana - clinica
UTI coronariana - clinica
 
Aula 05.pptxPACIENTES CRITICOS: UNIDADE DE TRATAMENTO INTENSIVO (UTI)
Aula 05.pptxPACIENTES CRITICOS: UNIDADE DE TRATAMENTO  INTENSIVO (UTI)Aula 05.pptxPACIENTES CRITICOS: UNIDADE DE TRATAMENTO  INTENSIVO (UTI)
Aula 05.pptxPACIENTES CRITICOS: UNIDADE DE TRATAMENTO INTENSIVO (UTI)
 
Primeiros Socorros
Primeiros Socorros Primeiros Socorros
Primeiros Socorros
 
Primeiros socorros - Brigada Orgânica
Primeiros socorros - Brigada Orgânica Primeiros socorros - Brigada Orgânica
Primeiros socorros - Brigada Orgânica
 

Último

fratura e imobilização de membros superior e inferior
fratura e imobilização de membros superior e inferiorfratura e imobilização de membros superior e inferior
fratura e imobilização de membros superior e inferior
IvaneSales
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
IANAHAAS
 

Último (10)

Puerpério normal e patológico em obstetrícia
Puerpério normal e patológico em obstetríciaPuerpério normal e patológico em obstetrícia
Puerpério normal e patológico em obstetrícia
 
SISTEMA ARTICULAR.pptxarticulações sistemas
SISTEMA ARTICULAR.pptxarticulações sistemasSISTEMA ARTICULAR.pptxarticulações sistemas
SISTEMA ARTICULAR.pptxarticulações sistemas
 
Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.
Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.
Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.
 
fratura e imobilização de membros superior e inferior
fratura e imobilização de membros superior e inferiorfratura e imobilização de membros superior e inferior
fratura e imobilização de membros superior e inferior
 
Tecido_Nervoso.pptxsistema nervoso neuronios
Tecido_Nervoso.pptxsistema nervoso neuroniosTecido_Nervoso.pptxsistema nervoso neuronios
Tecido_Nervoso.pptxsistema nervoso neuronios
 
Apresentação Fispq.pptx apresentação sobre fispq fds
Apresentação Fispq.pptx apresentação sobre fispq fdsApresentação Fispq.pptx apresentação sobre fispq fds
Apresentação Fispq.pptx apresentação sobre fispq fds
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
 
Atividade sistema muscular.pdfatividfades
Atividade sistema muscular.pdfatividfadesAtividade sistema muscular.pdfatividfades
Atividade sistema muscular.pdfatividfades
 
TEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptx
TEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptxTEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptx
TEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptx
 
Apresentação Saúde Mental para Adolescentes
Apresentação Saúde Mental para AdolescentesApresentação Saúde Mental para Adolescentes
Apresentação Saúde Mental para Adolescentes
 

Monitorização UTI

  • 1. Monitorização em UTI Alunos: Julio Cesar Matias e Paloma Silva Curso: Enfermagem
  • 2. Monitorização na UTI Redução da morbimortalidade Diminuição dos desequilíbrios da homeostase Diminuição do tempo de internação
  • 3. Monitorização na UTI •PVC (Pressão Venosa Central) •PAM (Pressão Arterial Média) •OXIMETRIA DE PULSO •BALANÇO HÍDRICO •GASOMETRIA ARTERIAL
  • 4. PVC (Pressão Venosa Central) • A PVC é um importante parâmetro clinico para avaliação de pacientes submetidos a cirurgias cardíacas e pacientes internados em UTI. Essa técnica faz-se importante para se obter um parâmetro da função cardíaca e retorno venoso do paciente. • A pressão venosa central (PVC) ou pressão do átrio direito, avalia à pré-carga do do VD, ou seja, a capacidade de enchimento do ventrículo direito no final da diástole.
  • 5. PVC (Pressão Venosa Central) A contração ventricular é conhecida como sístole e nela ocorre o esvaziamento dos ventrículos. O relaxamento ventricular é conhecido como diástole e é nessa fase que os ventrículos recebem sangue dos átrios.
  • 6. PVC (Pressão Venosa Central) A PVC é usualmente obtida através de Um cateter inserido na veia cava superior, no entanto, o cateter de artéria pulmonar pode também mensurar a PVC através do orifício proximal que desemboca no AD. As principais veias utilizadas são: - Braquial - Subclávia - Jugular
  • 7. PVC (Pressão Venosa Central) Mensuração da PVC com coluna de água
  • 8. PVC (Pressão Venosa Central) Como montar o sistema de PVC Materiais utilizados: - 1 equipo de monitorização de PVC - 1 frasco de SF (250 ou 500 ml) - Fita adesiva - Régua de nível
  • 9. PVC (Pressão Venosa Central) - Colar a fita métrica no suporte do soro - Conectar o equipo ao SF e retirar todo o ar - Instalar no suporte de soro - Com a régua de nível, identificar a linha zero e marcar (colar uma fita para identificar que aquele é o ponto “zero”) - Pegar o equipo e fixar a parte em que ele se divide em duas vias no suporte de soro, mais precisamente no local onde foi identificado com a régua. (o ponto zero). - A via mais longa será conectada ao paciente. A via curta deve ser fixada a fita graduada, de modo que fiquem juntos. O prolongamento simples do equipo e a fita graduada.
  • 10. PVC (Pressão Venosa Central) -Coloca-se o paciente em decúbito dorsal horizontal. Encontra-se a linha “zero” através da linha axilar média, observando em que número se encontra diante da escala do equipo de PVC. Convém encontrar “zero” todas as vezes em que se forem realizar as medidas, pois existem algumas camas que tem regulagem de altura, e pode ter sido alterada).
  • 11. PVC (Pressão Venosa Central) Leitura de valor da PVC - Interromper todas as infusões - Coloque cama reta, conforme foi montado PVC - Abra o equipo para que se preencha a via da coluna graduada com solução fisiológica. - Então abra a via do paciente, fazendo descer a solução da coluna graduada, observando até que entre em equilíbrio com a pressão venosa central, anotando-se esse valor.
  • 12. PVC (Pressão Venosa Central) - Espera-se que haja oscilação da coluna d'água ou do gráfico no monitor, acompanhando os movimentos respiratórios do paciente. - Normalmente a coluna d'água ou as curvas em monitor oscilam de acordo com a respiração do paciente. Caso isso não ocorra, investigue a possibilidade do catéter estar dobrado ou não totalmente pérvio.
  • 13. PVC (Pressão Venosa Central) Parâmetros normais de PVC 2-8 mmHg ou 3-11cm H2O. Problemas que possam elevar a PVC - Hipervolemia - Insuficiência cardíaca direita Problemas que podem diminuir a PVC - Hipovolemia Complicações durante a passagem do cateter - Ruptura da artéria pulmonar - Tromboembolia pulmonar - Infarto pulmonar - Dobradura do cateter - Arritmias - Embolia gasosa
  • 14. PVC (Pressão Venosa Central) Cuidados de enfermagem com PVC - O transdutor deve estar posicionado no eixo flebostático. - RX para avaliar se o cateter esta locado - Curativo oclusivo - Observar sinais flogísticos na inserção do cateter - Zerar o sistema sempre que for realizar a medição - O balanço hídrico é importante. Registrar a cada 24 horas na folha de controle hídrico, o volume de solução infundido nas aferições da PVC.
  • 15. PAM (Pressão Arterial Média) - Cateter na artéria radial - Teste de Allen e Oximetria - PAM (2xPD+PS)/3
  • 16. PAM (Pressão Arterial Média) Indicações •Pacientes graves com instabilidade hemodinâmica •Choque de qualquer causa •Monitorização intraoperatória de cirurgias de grande porte •Crise de hipertensão arterial •Infusão contínua de drogas vasoativas •Uso de balão intra-aórtico •Trauma neurológico ou politrauma •Coleta seriada de gasometria em pacientes portadores de insuficiência respiratória
  • 17. PAM (Pressão Arterial Média) Cuidados de Enfermagem •Atentar para sinais de trombose (dor e sensação de queimação no local de inserção do cateter, cianose e edema na região rm volta do catéter) •Manter o sistema pressurizado com infusão contínua de solução de heparina ou soro fisiológico •Sempre que for manipular o cateter ou sistema utilizar técnica asséptica
  • 18. PAM (Pressão Arterial Média) •Renovar o curativo a cada 24 horas e observar o sítio de entrada do cateter para identificar se há presença de sinais flogísticos •Zerar o sistema a cada 4 horas ou a cada mudança de posição do paciente •Realizar flash de solução heparinizada após coleta de sangue ou soro fisiológico •Ao retirar o cateter, fazer a compressão no local por 5 minutos, e realizar o curativo compressivo.
  • 19. Oximetria de Pulso • A oximetria é um método não invasivo de monitorar a saturação de oxigênio do paciente. • O sensor do oximetro de pulso é formado por uma fonte de luz e de um fotodetector, que recebe a luz proveniente dos sensores e detecta a diferença de luz transmitida e que foi absorvida pelas moléculas de hemoglobina.
  • 20. Oximetria de Pulso • Embora a oximetria de pulso não substitua a medição da gasometria arterial, ela é importante para detectar alterações sutis ou súbitas na saturação de oxigênio. • Os valores normais da SatO2 são de 95 a 100%. Os valores inferiores a 85% indicam que os tecidos não estão recebendo oxigênio suficiente, e o paciente precisa de avaliação adicional.
  • 24. Gasometria Arterial  Cuidados de Enfermagem  Remover bolhas de ar eventualmente presentes dentro da seringa;  Ocluir a seringa para manter a amostra em ambiente anaeróbio;  Movimentar a seringa entre as mãos durante 10 a 15 segundos para misturar a heparina com o sangue;  Manter a seringa em gelo até a análise do material, sobretudo se essa não for feita imediatamente após a coleta.
  • 25. Gasometria Arterial  Após aplicar pressão sobre o local da punção por um período de 3 a 5 minutos para coagulação, fazer um curativo compressivo.  Se o paciente está em uso de anticoagulantes ou possui alguma coagulopatia, aplique pressão no local de punção por mais de 5 minutos, caso seja necessário.  Caso o paciente esteja em oxigenoterapia, anote o fluxo de oxigênio e o modo de oxigenoterapia/ventilação.  Monitore os sinais vitais e observe se existem sinais de prejuízo
  • 26.  É o registro diário de líquidos infundidos e eliminados de um paciente. Este registro é realizado em papel padronizado.  Tem como objetivo realizar um rígido controle sobre infusões x eliminações para avaliação da evolução clinica do paciente.  Através do registro do balanço hídrico podemos observar juntamente com exames laboratoriais, o início de algumas patologias. Balanço Hídrico
  • 27. Balanço Hídrico  Pacientes em uso de nutrição parenteral e enteral.  Pacientes de UTI.  Pacientes de pós-operatório de grandes cirurgias,  principalmente dos sistemas geniturinário, digestivo e  respiratório.  Pacientes portadores de enfermidades cardíacas,  edemas, drenos, ascite, entre outras.  Pacientes com restrição hídrica.  Pacientes com queimaduras de grande extensão
  • 28. Em casos de SNE deve ser anotado o volume administrado Paciente em diálise: registrar peso diariamente Anotar no campo EV, todas as infusões em bolsa de soro; medicações EV. Aos valores de ingesta deve-se acrescentar para fins de fechamento do BH nas 24 hs o seguinte: Agua Endógena (AE) = 400 ml Perdas Insensíveis (PI) = 800 ml Balanço Hídrico
  • 30. Referências SMELTZER, S. C; BARE, B.G. BRUNNER & SUDDARTH: Tratado de Enfermagem Médico- Cirúrgica. 9 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2002. Vol. 2. WOODS, Susan L; FROELICHER, Erika S. Sivara, MOTZER, Sandra Underhill. Enfermagem em cardiologia. 4 ed. Barueri: Editora Manole, 2005.