SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 37
Baixar para ler offline
CRITÉRIOS DE
ADMISSÃO EM
UNIDADES DE
TERAPIA
INTENSIVA
Professor Aroldo Gavioli
Critério de admissão na UTI -
generalidade
Existem 2 condições nas quais o
cuidado em UTI não ofrece
beneficios sobre os cuidados
convencionais:
Demasiado saudável para
beneficiar-se.
Demasiado doente para beneficiar-
se
Critérios de admissão na UTI
Considerações
gerais
Via de regra,
pacientes agudos
graves, com
possibilidade de
recuperação
Quando possivel
evitar o ingresso de
casos terminais
com prognóstico
fatal a curto prazo
Não basear a
admissão apenas 1
diagnóstico e sim
na necessidade dos
recursos da UTI
Modelos de
critérios de
admissão
Modelo de
priorização
Modelo por
diagnósticos
Modelo por
parâmetros objetivos
Guidelines for intensive care unit admisision,discharge,and triage.
Task Force of the ACCCM-SCCM.Crit Care Med 2009 Vol 27 N° 3
Prioridade de admissão na UTI
Prioridade I
Pacientes instáveis que
requerem monitoração
e/ou tratamento que não
pode ser oferecido fora da
UTI.
Pacientes que requerem
ventilação mecánica e
drogas vasoativas.
Pacientes com diagóstico de
choque, pósoperatório e
Insuficiência renal aguda
Exemplos: Paciente com insufiência respiratória e suporte ventilatório
Choque séptico com monitoramento hemodinâmico e drogas vasoativas
Prioridade de admissão na UTI
Pacientes que necessitam
monitoração intensa e
podem necessitar
intervenção imediata.
Pacientes com
comorbidades prévias
que desenvolvem
eventos agudos
Pacientes com enfermidades
crônicas que apresentam
comorbidades, que
desenvolvem uma situação
médica/cirúrgica aguda.
Idoso com sequela de AVC e
que necessita de uma cirurgia
de emergência.
Prioridade de admissão na UT
Prioridade III
Pacientes instáveis, crítica e agudamente enfermo
por condição aguda, porém associada a enfermidade
de base, apresentando mínima condição de
recuperação ou benefício com o tratamento na UTI.
Estes pacientes podem receber tratamento intensivo
para aliviar a complicação aguda, no entanto NÃO
SERÃO FORNECIDAS MEDIDAS EXTRAORDINÁRIAS DE
SUPORTE como: RCP, hemodiálise e etc…
Prioridade de admissão na UTI
Prioridade
IV
Geralmente são pacientes não apropriados para UTI.
A admissão deve ser individualizada sob circunstâncias não
usuais e supervisão do médico responsável pelo paciente,
intensivista ou director da UTI.
Divididos
em duas
categorías:
Pacientes com baixo risco de intervenção intensiva.
Pacientes com morte iminente.
Modelo diagnóstico - cardiologia
I.A.M complicado
Choque cardiogênico
Arritmias complexas que requeren monitoramento contínuo e intervenção.
I.C.C con falha respiratória e/ou que requeiram soporte hemodinámico
Emergencias hipertensivas
Angina inestable con inestabilidad hemodinámica, arritmias ou dor torácíca persistente
Pós parada cardíaca
Tamponamento cardíaco o vaosoconstrição com innstabilidade hemodinámica.
Aneurisma dissecante da aorta
Bloqueo AV completo ou outro que requeira marcapasso.
Modelo diagnóstico – sistema
respiratório
Insuficiencia respiratoria aguda que requiera soporte ventilatório
Embolia pulmonar com instabilidade hemodinâmica
Pacientes en unidades intermediárias que iniciam com deterioro respiratório
Necessidade de cuidados respiratórios de enfermería e que não conseguem em
unidade de menor complexidade.
Hemoptise volumosa
Insuficiêcnai respiratória con intubação iminente
Obstrução de vías aéreas pós-operatórias.
Modelo diagnóstico –
desordens neurológicas
AVC com diminuição do nível de consciencia
Coma metabólico, tóxico o anóxico
Hemorragia intracraniana com potencia de risco para herniação.
Hemorragia subaracnóidea aguda
Meningite com alteração do estado de consciencia e
comprometimento respiratorio.
Modelo diagnóstico –
desordens neurológicas
Afecções do SNC ou neuromuscular con deterioro do estado neurológico ou
da função pulmonar
Estatus epiléptico
Morte cerebral ou potencial para morte cerebral, sendo agresivamente
manejados enquanto se determina condição de doador de órgãos e tecidos
Vasoespasmo
Injuria cerebral aguda severa (TCE)
Modelos diagnósticos -
intoxicações
Ingestão de drogas con instabilidade hemodinâmica
Ingestão de drogas con alteração significativa do estado
de conciência
Ingestão de drogas con risco de aspiração pulmonar
Convulsões pós ingesta de drogas.
Modelo diagnóstico
Condições gastrointestinais
Hemorragia digestiva volumosa, incluindo hipotensão arterial,
sangramento incoercível ou presença de comorbidades agudas.
Insuficiência hepática fulminante o subfulminante
Pancreatite aguda severa
Perfuração ou ruptura esofágica com ou sem mediastinite
(Sindrome de Boerhaave).
Modelo diagnóstico
condições endócrinas
Cetoacidose diabética com instabilidade hemodinámica, diminuição do NC,
Iresp. Aguda, acidose severa e alteração hídricas e eletrolíticas graves.
Tempestade tireoideana com instabilidade hemodinámica.
Estado hiperosmolar não cetótico com instabilidade hemodinámica.
Crise adrenal com instabilidade circulatória
Hipercalcemia severa com necessidade de monitoramento hemodinámico.
Modelo diagnóstico
condições endócrinas
Hipo ou hipernatremia com convulsões e alteração do
nível de consciencia.
Hipo ou hipermagnesemia con comprometimento
hemodinámico, de conciencia, convulsões e/ou arritmias
Hipo- o hiperpotassemia com arritmias ou debilidade
muscular severa
Hipofosfatemia com debilidade muscular
Choque séptico;
Monitoração hemodinámica;
Condições clínicas com alto requerimento de cuidados de enfermagem (ex: uso de VNI);
Traumas ambientais (exposição à radiação, afogamento, hipo mou hipertermia);
Novas terapias ou terapias experimentais com potencialidade de complicações (trombólise
de infarto cerebral, TEP, etc.);
Pós-operatórios de transplantes (renal, hepático, cardiaco, pulmonar);
Cirugia em vigencia de DPOC;
Modelo diagnóstico
Miscelânea
Modelo dos parâmetros
objetivosSinaisvitais
• Pulso <40 o > 150
bpm
• PAS < 80 mmHg ou
20 mmHg
• PAM < 60 mmHg
• PAD > 120 mmHg
• FR >35 rpm
Imagenologia
• Hemorragia cerebrovascular,
contusão, hemorragia
subaracnóidea con ↓ NC ou
focalidade.
• Ruptura traumática de vísceras
cursando com instabilidade
hemodinâmica
• Aneurisma dissecante da aorta
Modelo dos parâmetros
objetivos
Valoreslaboratoriais
• Sodio sérico <110 mEq/L ou >
170 mEq/L
• Potasio sérico <2 mEq/L ou > 7
mEq/L
• PaO2 < 50 torr (6.67 kPa) pH
<7.1 ou >7.7
• Glicemia > 800 mg/dLCalcemia
> 15 mg/dL
• Niveles tóxicos de drogas ou
outras susbstâncias químicas
ECG
• IAM com arritmias
complexas, instabilidade
hemodinámica ou ICC.
• Arritmias supraventriculares
com instabilidade
hemodinámica.
• TV sustentada ou FV.
• Bloqueio AV completo
(BAVT)
Achados físicos
• pupilas anisocóricas em paciente inconsciente.
• Taponamento cardíaco
• Anúria
• Coma, convulsões
• Cianose
• ECG < 12
• Queimaduras >20% SC
Modelo dos parâmetros
objetivos
CONCLUSÃO
Em que pese a recomendação dos guidelines
sobre o ingresso do paciente na UTI, os
mesmos sempre deverão estar sob os
critérios e a experiência da equipe. neste
contexto os protocolos não devem ser vistos
como camisas de força e sim, uma
recomendação baseada em evidências.
Escalas e
Índices de
avaliação do
paciente
grave
APACHE II: Acute physiology and cronicle
health evaluation
Objetivo: definir a exatidão da predição do
risco para pacientes de forma individualizada.
Utiliza 12 variáveis clínicas, fisiológicas e
laboratoriais padronizadas, que recebem
pontuação de 0 a 4 de acordo com o grau de
comprometimento frente a normalidade
(quanto maior a alteração, maior será a
porcentagem)
Apache II
PONTUAÇÃO PARA A IDADE
Idade pontuação
<44 0
45 a 54 2
55 a 64 3
65 a 74 5
>75 6
PONTUAÇÃO PARA PATOLOGIA
CRÔNICA
Se o paciente tem história de
insuficiência orgânica severa, ou tem
comprometimento, assinale os
seguintes pontos:
a) Para paciente não cirúrgico, ou em
PO de cirurgia de emergência – 5
pontos.
b) Em PO de cirurgia eletiva – 2
pontos
Interpretação
do APACHE II
Interpretaçã
o do
APACHE II
Pontuação Não cirúrgico Cirurgico
0-4 Aprox. 4% Aprox. 1%
5-9 Aprox. 8% Aprox. 3%
10-14 Aprox. 15% Aprox. 7%
15 a 19 Aprox. 24% Aprox. 12%
20-24 Aprox. 40% Aprox. 30%
25-29 Aprox. 55% Aprox. 35%
30-34 Aprox. 73% para ambas
35-100 Aprox. 85% Aprox. 88%
TISS – 28: índice de intervenção
terapêutica
Se baseia na premissa de que, independente do diagnóstico, quanto mais
tratamento recebe um paciente, maior é a severidade da patología.
Quantifica 28 intervenções terapêuticas
Puntuação varia de 1 a 4 de acordo com a complexidade, grau de invasão e
tempo utilizado.
Utilizado pelo paciente.
Realizar determinado procedimento
Agrupación de actividades Puntos
Actividades básicas
Monitoreo de rutina (ECG, MSV, balance hídrico)
Laboratorio (química y cultivos)
Medicación única (EV, IM, SC y/o oral/enteral)
Múltiples medicaciones EV (mas de una medicación; uso continuo o intermitente)
Tares rutinarias de curación quirúrgica (cuidados y prevención de ulceras de cubito, curación 1vez al día)
Tareas frecuentes de curaciones quirúrgicas (una por turno de enfermería) y/o lesiones extensas-
quemado grave
Cuidados de drenes (excepto SNG y SNE)
5
1
2
3
1
1
3
Soporte ventilatorio
Ventilación mecánica: cualquier forma de soporte ventilatorio y/o asistencia, con o sin
PEEP, con o sin relajantes musculares, ventilación espontanea con PEEP
Soporte ventilatorio: ventilación espontanea a través de tubo endotraqueal, sin PEEO,
oxigeno suplementario a través de cualquier sistema, excepto los que se incluyen en el ítem
anterior.
Cuidados de vía aérea artificial: tubo endotraqueal o traqueostomía
Tratamiento para mejorar la función pulmonar: fisioterapia, espirometría, inhalación,
aspiración traqueal.
5
2
1
1
Calculando a FIO2
FÓRMULA PARA CALCULO
FIO2 =
20 + 4x
ESCALA DE FIO2
L/O2 FIO2
1 24%
2 28%
3 32%
4 36%
5 40%
6 44%
7 48%
...
Realação PaO2/FIO2
PaO2
FIO2
Gasometria
Paciente
X 100
Realação PaO2/FIO2 como
preditor de gravidade
Valor Interpretação
>300 Normal
< 300 Injúria Pulmonar
< 200 Distress respiratório
< 100 Distress respiratório catastrófico
exemplo
Relação PaO2/FIO2
Paciente respirando em ar ambiente e com uma PaO2 de 95
Cálculos:
95/21 = 4,52
X 100 = 452
Interpretação: Normal
exemplo
Relação PaO2/FIO2
Paciente respirando em CatO2 Nasal 3L/min e com uma PaO2 de 90
Cálculos:
90/32 = 2,81
X 100 = 281
Interpretação: Injúria Pulmonar
exemplo
Relação PaO2/FIO2
Paciente com FIO2 50% e com uma PaO2 de 90
Cálculos:
90/50 = 1,8
X 100 = 180
Interpretação: Sindrome do Distress respiratório agudo
exemplo
Relação PaO2/FIO2
Paciente com FIO2 98% e com uma PaO2 de 90
Cálculos:
90/98 = 0,91
X 100 = 91
Interpretação: Sindrome do Distress respiratório catastrófico
Referências desta
apresentação
CALDEIRA, Vanessa Maria Horta et al . Critérios para admissão de
pacientes na unidade de terapia intensiva e mortalidade. Rev. Assoc.
Med. Bras., São Paulo , v. 56, n. 5, p. 528-534, 2010 .

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)Will Nunes
 
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasivaMateus Camargo
 
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdf
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdfAula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdf
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdfThiagoCunha93
 
Distúrbios hidroeletrolíticos
Distúrbios hidroeletrolíticosDistúrbios hidroeletrolíticos
Distúrbios hidroeletrolíticosresenfe2013
 
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Amanda Moura
 
Choque
ChoqueChoque
Choquedapab
 
Aula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergênciaAula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergênciaRicardo Augusto
 
Hemotransfusão
Hemotransfusão Hemotransfusão
Hemotransfusão resenfe2013
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Will Nunes
 
Exercícios de terminologia cirúrgica
Exercícios de terminologia cirúrgicaExercícios de terminologia cirúrgica
Exercícios de terminologia cirúrgicajoselene beatriz
 
8 infecção hospitalar e ccih
8   infecção hospitalar e ccih8   infecção hospitalar e ccih
8 infecção hospitalar e ccihLarissa Paulo
 
Acidente Vascular Encefálico
Acidente Vascular EncefálicoAcidente Vascular Encefálico
Acidente Vascular EncefálicoBrenda Lahlou
 
Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
Monitorização Hemodinâmica Não-InvasivaMonitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
Monitorização Hemodinâmica Não-Invasivaresenfe2013
 

Mais procurados (20)

Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)
 
Aula sinais vitais
Aula sinais vitaisAula sinais vitais
Aula sinais vitais
 
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
 
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdf
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdfAula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdf
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdf
 
Uti
UtiUti
Uti
 
Distúrbios hidroeletrolíticos
Distúrbios hidroeletrolíticosDistúrbios hidroeletrolíticos
Distúrbios hidroeletrolíticos
 
Crise convulsiva e quedas
Crise convulsiva e quedasCrise convulsiva e quedas
Crise convulsiva e quedas
 
Ventilação Mecânica Básica
Ventilação Mecânica Básica Ventilação Mecânica Básica
Ventilação Mecânica Básica
 
Monitorização UTI
Monitorização UTIMonitorização UTI
Monitorização UTI
 
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
 
Choque
ChoqueChoque
Choque
 
Aula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergênciaAula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergência
 
Balanco hidrico
Balanco hidricoBalanco hidrico
Balanco hidrico
 
Hemotransfusão
Hemotransfusão Hemotransfusão
Hemotransfusão
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
 
Exercícios de terminologia cirúrgica
Exercícios de terminologia cirúrgicaExercícios de terminologia cirúrgica
Exercícios de terminologia cirúrgica
 
8 infecção hospitalar e ccih
8   infecção hospitalar e ccih8   infecção hospitalar e ccih
8 infecção hospitalar e ccih
 
Acidente Vascular Encefálico
Acidente Vascular EncefálicoAcidente Vascular Encefálico
Acidente Vascular Encefálico
 
Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
Monitorização Hemodinâmica Não-InvasivaMonitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
 
Hemodiálise
HemodiáliseHemodiálise
Hemodiálise
 

Semelhante a Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva

Time de resposta rápida e escore news
Time de resposta rápida e escore newsTime de resposta rápida e escore news
Time de resposta rápida e escore newsAroldo Gavioli
 
Urgências e emergências na atenção básica.pptx
Urgências e emergências na atenção básica.pptxUrgências e emergências na atenção básica.pptx
Urgências e emergências na atenção básica.pptxEduardoMachado69756
 
Aula Anestesia em pacientes com doença valvar avançada
Aula Anestesia em pacientes com doença valvar avançadaAula Anestesia em pacientes com doença valvar avançada
Aula Anestesia em pacientes com doença valvar avançadaCarlos Galhardo Junior
 
Pós operatório de cirurgia cardiovascular
Pós operatório de cirurgia cardiovascularPós operatório de cirurgia cardiovascular
Pós operatório de cirurgia cardiovascularPaulo Sérgio
 
Fast Hug
Fast HugFast Hug
Fast Huggalegoo
 
Avaliação pré-operatória.pptx
Avaliação pré-operatória.pptxAvaliação pré-operatória.pptx
Avaliação pré-operatória.pptxraylandias
 
DISTURBIOS RENAIS_032346.ppt cuidados de enfermagem
DISTURBIOS RENAIS_032346.ppt cuidados de enfermagemDISTURBIOS RENAIS_032346.ppt cuidados de enfermagem
DISTURBIOS RENAIS_032346.ppt cuidados de enfermagemfabzfab476
 
gerenciamento4-140919064325-phpapp01.pdf
gerenciamento4-140919064325-phpapp01.pdfgerenciamento4-140919064325-phpapp01.pdf
gerenciamento4-140919064325-phpapp01.pdfFrancielleConstantin
 
Cuidados Intensivos Em Terapia Intensiva PediáTrica
Cuidados Intensivos Em Terapia Intensiva PediáTricaCuidados Intensivos Em Terapia Intensiva PediáTrica
Cuidados Intensivos Em Terapia Intensiva PediáTricaRenato Bach
 
Insuficiência cardíaca aguda
Insuficiência cardíaca aguda Insuficiência cardíaca aguda
Insuficiência cardíaca aguda betoivomedeiros
 
Monitorização na área de radiologia intervencionista
Monitorização na área de radiologia intervencionistaMonitorização na área de radiologia intervencionista
Monitorização na área de radiologia intervencionistaCarlos D A Bersot
 
Controle de intervalo q tc durante o tratamento com covid 19 com hidroxicloro...
Controle de intervalo q tc durante o tratamento com covid 19 com hidroxicloro...Controle de intervalo q tc durante o tratamento com covid 19 com hidroxicloro...
Controle de intervalo q tc durante o tratamento com covid 19 com hidroxicloro...gisa_legal
 
Webpalestra_DoençaRenalCrônica.pptx
Webpalestra_DoençaRenalCrônica.pptxWebpalestra_DoençaRenalCrônica.pptx
Webpalestra_DoençaRenalCrônica.pptxnatansilva624689
 
Consenso tratamento covid_19
Consenso tratamento covid_19Consenso tratamento covid_19
Consenso tratamento covid_19gisa_legal
 
Transplante Cardíaco
Transplante CardíacoTransplante Cardíaco
Transplante Cardíacoresenfe2013
 
PRÉ-OPERATÓRIO DA CIRURGIA GINECOLÓGICA
PRÉ-OPERATÓRIO DA CIRURGIA GINECOLÓGICAPRÉ-OPERATÓRIO DA CIRURGIA GINECOLÓGICA
PRÉ-OPERATÓRIO DA CIRURGIA GINECOLÓGICASamuel Cevidanes
 

Semelhante a Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva (20)

Time de resposta rápida e escore news
Time de resposta rápida e escore newsTime de resposta rápida e escore news
Time de resposta rápida e escore news
 
Urgências e emergências na atenção básica.pptx
Urgências e emergências na atenção básica.pptxUrgências e emergências na atenção básica.pptx
Urgências e emergências na atenção básica.pptx
 
Pancreatite
PancreatitePancreatite
Pancreatite
 
Aula Anestesia em pacientes com doença valvar avançada
Aula Anestesia em pacientes com doença valvar avançadaAula Anestesia em pacientes com doença valvar avançada
Aula Anestesia em pacientes com doença valvar avançada
 
Pós operatório de cirurgia cardiovascular
Pós operatório de cirurgia cardiovascularPós operatório de cirurgia cardiovascular
Pós operatório de cirurgia cardiovascular
 
Fast Hug
Fast HugFast Hug
Fast Hug
 
Classificação
ClassificaçãoClassificação
Classificação
 
Avaliação pré-operatória.pptx
Avaliação pré-operatória.pptxAvaliação pré-operatória.pptx
Avaliação pré-operatória.pptx
 
DISTURBIOS RENAIS_032346.ppt cuidados de enfermagem
DISTURBIOS RENAIS_032346.ppt cuidados de enfermagemDISTURBIOS RENAIS_032346.ppt cuidados de enfermagem
DISTURBIOS RENAIS_032346.ppt cuidados de enfermagem
 
gerenciamento4-140919064325-phpapp01.pdf
gerenciamento4-140919064325-phpapp01.pdfgerenciamento4-140919064325-phpapp01.pdf
gerenciamento4-140919064325-phpapp01.pdf
 
Cuidados Intensivos Em Terapia Intensiva PediáTrica
Cuidados Intensivos Em Terapia Intensiva PediáTricaCuidados Intensivos Em Terapia Intensiva PediáTrica
Cuidados Intensivos Em Terapia Intensiva PediáTrica
 
Insuficiência cardíaca aguda
Insuficiência cardíaca aguda Insuficiência cardíaca aguda
Insuficiência cardíaca aguda
 
Monitorização na área de radiologia intervencionista
Monitorização na área de radiologia intervencionistaMonitorização na área de radiologia intervencionista
Monitorização na área de radiologia intervencionista
 
Controle de intervalo q tc durante o tratamento com covid 19 com hidroxicloro...
Controle de intervalo q tc durante o tratamento com covid 19 com hidroxicloro...Controle de intervalo q tc durante o tratamento com covid 19 com hidroxicloro...
Controle de intervalo q tc durante o tratamento com covid 19 com hidroxicloro...
 
Webpalestra_DoençaRenalCrônica.pptx
Webpalestra_DoençaRenalCrônica.pptxWebpalestra_DoençaRenalCrônica.pptx
Webpalestra_DoençaRenalCrônica.pptx
 
Consenso tratamento covid_19
Consenso tratamento covid_19Consenso tratamento covid_19
Consenso tratamento covid_19
 
Transplante Cardíaco
Transplante CardíacoTransplante Cardíaco
Transplante Cardíaco
 
PRÉ-OPERATÓRIO DA CIRURGIA GINECOLÓGICA
PRÉ-OPERATÓRIO DA CIRURGIA GINECOLÓGICAPRÉ-OPERATÓRIO DA CIRURGIA GINECOLÓGICA
PRÉ-OPERATÓRIO DA CIRURGIA GINECOLÓGICA
 
Emergências oncologias
Emergências oncologiasEmergências oncologias
Emergências oncologias
 
Avaliação pré operatória
Avaliação pré operatóriaAvaliação pré operatória
Avaliação pré operatória
 

Mais de Aroldo Gavioli

Transtornos mentais orgânicos
Transtornos mentais orgânicosTranstornos mentais orgânicos
Transtornos mentais orgânicosAroldo Gavioli
 
Síndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicos
Síndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicosSíndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicos
Síndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicosAroldo Gavioli
 
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...Aroldo Gavioli
 
Grupos terapêuticos e intervenção em família
Grupos terapêuticos e intervenção em famíliaGrupos terapêuticos e intervenção em família
Grupos terapêuticos e intervenção em famíliaAroldo Gavioli
 
O diagnóstico de enfermagem em saúde mental
O diagnóstico de enfermagem em saúde mentalO diagnóstico de enfermagem em saúde mental
O diagnóstico de enfermagem em saúde mentalAroldo Gavioli
 
Exame Físico em Saúde Mental
Exame Físico em Saúde MentalExame Físico em Saúde Mental
Exame Físico em Saúde MentalAroldo Gavioli
 
Rede de atenção em saude mental
Rede de atenção em saude mentalRede de atenção em saude mental
Rede de atenção em saude mentalAroldo Gavioli
 
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativa
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativaTranstornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativa
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativaAroldo Gavioli
 
Intervenção em crises
Intervenção em crisesIntervenção em crises
Intervenção em crisesAroldo Gavioli
 
Segurança do paciente em unidades de urgência
Segurança do paciente em unidades de urgênciaSegurança do paciente em unidades de urgência
Segurança do paciente em unidades de urgênciaAroldo Gavioli
 
Métodos dialíticos intermitentes
Métodos dialíticos intermitentesMétodos dialíticos intermitentes
Métodos dialíticos intermitentesAroldo Gavioli
 
Métodos dialíticos contínuos
Métodos dialíticos contínuosMétodos dialíticos contínuos
Métodos dialíticos contínuosAroldo Gavioli
 
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mentalO Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mentalAroldo Gavioli
 
Organização do sistema de saúde brasileiro, a atenção às urgências e o papel ...
Organização do sistema de saúde brasileiro, a atenção às urgências e o papel ...Organização do sistema de saúde brasileiro, a atenção às urgências e o papel ...
Organização do sistema de saúde brasileiro, a atenção às urgências e o papel ...Aroldo Gavioli
 

Mais de Aroldo Gavioli (20)

Transtornos mentais orgânicos
Transtornos mentais orgânicosTranstornos mentais orgânicos
Transtornos mentais orgânicos
 
Transtornos ansiosos
Transtornos ansiososTranstornos ansiosos
Transtornos ansiosos
 
Síndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicos
Síndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicosSíndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicos
Síndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicos
 
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
 
psicofarmacologia 2
psicofarmacologia 2psicofarmacologia 2
psicofarmacologia 2
 
Grupos terapêuticos e intervenção em família
Grupos terapêuticos e intervenção em famíliaGrupos terapêuticos e intervenção em família
Grupos terapêuticos e intervenção em família
 
O diagnóstico de enfermagem em saúde mental
O diagnóstico de enfermagem em saúde mentalO diagnóstico de enfermagem em saúde mental
O diagnóstico de enfermagem em saúde mental
 
Exame Físico em Saúde Mental
Exame Físico em Saúde MentalExame Físico em Saúde Mental
Exame Físico em Saúde Mental
 
Rede de atenção em saude mental
Rede de atenção em saude mentalRede de atenção em saude mental
Rede de atenção em saude mental
 
Drogas psicotrópica
Drogas psicotrópicaDrogas psicotrópica
Drogas psicotrópica
 
Doença de Alzheimer
Doença de AlzheimerDoença de Alzheimer
Doença de Alzheimer
 
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativa
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativaTranstornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativa
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativa
 
Psicofarmacologia
PsicofarmacologiaPsicofarmacologia
Psicofarmacologia
 
Intervenção em crises
Intervenção em crisesIntervenção em crises
Intervenção em crises
 
Segurança do paciente em unidades de urgência
Segurança do paciente em unidades de urgênciaSegurança do paciente em unidades de urgência
Segurança do paciente em unidades de urgência
 
Métodos dialíticos intermitentes
Métodos dialíticos intermitentesMétodos dialíticos intermitentes
Métodos dialíticos intermitentes
 
Métodos dialíticos contínuos
Métodos dialíticos contínuosMétodos dialíticos contínuos
Métodos dialíticos contínuos
 
Transtornos do humor
Transtornos do humorTranstornos do humor
Transtornos do humor
 
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mentalO Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
 
Organização do sistema de saúde brasileiro, a atenção às urgências e o papel ...
Organização do sistema de saúde brasileiro, a atenção às urgências e o papel ...Organização do sistema de saúde brasileiro, a atenção às urgências e o papel ...
Organização do sistema de saúde brasileiro, a atenção às urgências e o papel ...
 

Último

Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosCaracterísticas gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosThaiseGerber2
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSProf. Marcus Renato de Carvalho
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdfHELLEN CRISTINA
 
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfDanieldaSade
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisbertoadelinofelisberto3
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfDanieldaSade
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfHELLEN CRISTINA
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdfIANAHAAS
 

Último (9)

Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosCaracterísticas gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
 

Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva

  • 1. CRITÉRIOS DE ADMISSÃO EM UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA Professor Aroldo Gavioli
  • 2. Critério de admissão na UTI - generalidade Existem 2 condições nas quais o cuidado em UTI não ofrece beneficios sobre os cuidados convencionais: Demasiado saudável para beneficiar-se. Demasiado doente para beneficiar- se
  • 3. Critérios de admissão na UTI Considerações gerais Via de regra, pacientes agudos graves, com possibilidade de recuperação Quando possivel evitar o ingresso de casos terminais com prognóstico fatal a curto prazo Não basear a admissão apenas 1 diagnóstico e sim na necessidade dos recursos da UTI
  • 4. Modelos de critérios de admissão Modelo de priorização Modelo por diagnósticos Modelo por parâmetros objetivos Guidelines for intensive care unit admisision,discharge,and triage. Task Force of the ACCCM-SCCM.Crit Care Med 2009 Vol 27 N° 3
  • 5. Prioridade de admissão na UTI Prioridade I Pacientes instáveis que requerem monitoração e/ou tratamento que não pode ser oferecido fora da UTI. Pacientes que requerem ventilação mecánica e drogas vasoativas. Pacientes com diagóstico de choque, pósoperatório e Insuficiência renal aguda Exemplos: Paciente com insufiência respiratória e suporte ventilatório Choque séptico com monitoramento hemodinâmico e drogas vasoativas
  • 6. Prioridade de admissão na UTI Pacientes que necessitam monitoração intensa e podem necessitar intervenção imediata. Pacientes com comorbidades prévias que desenvolvem eventos agudos Pacientes com enfermidades crônicas que apresentam comorbidades, que desenvolvem uma situação médica/cirúrgica aguda. Idoso com sequela de AVC e que necessita de uma cirurgia de emergência.
  • 7. Prioridade de admissão na UT Prioridade III Pacientes instáveis, crítica e agudamente enfermo por condição aguda, porém associada a enfermidade de base, apresentando mínima condição de recuperação ou benefício com o tratamento na UTI. Estes pacientes podem receber tratamento intensivo para aliviar a complicação aguda, no entanto NÃO SERÃO FORNECIDAS MEDIDAS EXTRAORDINÁRIAS DE SUPORTE como: RCP, hemodiálise e etc…
  • 8. Prioridade de admissão na UTI Prioridade IV Geralmente são pacientes não apropriados para UTI. A admissão deve ser individualizada sob circunstâncias não usuais e supervisão do médico responsável pelo paciente, intensivista ou director da UTI. Divididos em duas categorías: Pacientes com baixo risco de intervenção intensiva. Pacientes com morte iminente.
  • 9. Modelo diagnóstico - cardiologia I.A.M complicado Choque cardiogênico Arritmias complexas que requeren monitoramento contínuo e intervenção. I.C.C con falha respiratória e/ou que requeiram soporte hemodinámico Emergencias hipertensivas Angina inestable con inestabilidad hemodinámica, arritmias ou dor torácíca persistente Pós parada cardíaca Tamponamento cardíaco o vaosoconstrição com innstabilidade hemodinámica. Aneurisma dissecante da aorta Bloqueo AV completo ou outro que requeira marcapasso.
  • 10. Modelo diagnóstico – sistema respiratório Insuficiencia respiratoria aguda que requiera soporte ventilatório Embolia pulmonar com instabilidade hemodinâmica Pacientes en unidades intermediárias que iniciam com deterioro respiratório Necessidade de cuidados respiratórios de enfermería e que não conseguem em unidade de menor complexidade. Hemoptise volumosa Insuficiêcnai respiratória con intubação iminente Obstrução de vías aéreas pós-operatórias.
  • 11. Modelo diagnóstico – desordens neurológicas AVC com diminuição do nível de consciencia Coma metabólico, tóxico o anóxico Hemorragia intracraniana com potencia de risco para herniação. Hemorragia subaracnóidea aguda Meningite com alteração do estado de consciencia e comprometimento respiratorio.
  • 12. Modelo diagnóstico – desordens neurológicas Afecções do SNC ou neuromuscular con deterioro do estado neurológico ou da função pulmonar Estatus epiléptico Morte cerebral ou potencial para morte cerebral, sendo agresivamente manejados enquanto se determina condição de doador de órgãos e tecidos Vasoespasmo Injuria cerebral aguda severa (TCE)
  • 13. Modelos diagnósticos - intoxicações Ingestão de drogas con instabilidade hemodinâmica Ingestão de drogas con alteração significativa do estado de conciência Ingestão de drogas con risco de aspiração pulmonar Convulsões pós ingesta de drogas.
  • 14. Modelo diagnóstico Condições gastrointestinais Hemorragia digestiva volumosa, incluindo hipotensão arterial, sangramento incoercível ou presença de comorbidades agudas. Insuficiência hepática fulminante o subfulminante Pancreatite aguda severa Perfuração ou ruptura esofágica com ou sem mediastinite (Sindrome de Boerhaave).
  • 15. Modelo diagnóstico condições endócrinas Cetoacidose diabética com instabilidade hemodinámica, diminuição do NC, Iresp. Aguda, acidose severa e alteração hídricas e eletrolíticas graves. Tempestade tireoideana com instabilidade hemodinámica. Estado hiperosmolar não cetótico com instabilidade hemodinámica. Crise adrenal com instabilidade circulatória Hipercalcemia severa com necessidade de monitoramento hemodinámico.
  • 16. Modelo diagnóstico condições endócrinas Hipo ou hipernatremia com convulsões e alteração do nível de consciencia. Hipo ou hipermagnesemia con comprometimento hemodinámico, de conciencia, convulsões e/ou arritmias Hipo- o hiperpotassemia com arritmias ou debilidade muscular severa Hipofosfatemia com debilidade muscular
  • 17. Choque séptico; Monitoração hemodinámica; Condições clínicas com alto requerimento de cuidados de enfermagem (ex: uso de VNI); Traumas ambientais (exposição à radiação, afogamento, hipo mou hipertermia); Novas terapias ou terapias experimentais com potencialidade de complicações (trombólise de infarto cerebral, TEP, etc.); Pós-operatórios de transplantes (renal, hepático, cardiaco, pulmonar); Cirugia em vigencia de DPOC; Modelo diagnóstico Miscelânea
  • 18. Modelo dos parâmetros objetivosSinaisvitais • Pulso <40 o > 150 bpm • PAS < 80 mmHg ou 20 mmHg • PAM < 60 mmHg • PAD > 120 mmHg • FR >35 rpm Imagenologia • Hemorragia cerebrovascular, contusão, hemorragia subaracnóidea con ↓ NC ou focalidade. • Ruptura traumática de vísceras cursando com instabilidade hemodinâmica • Aneurisma dissecante da aorta
  • 19. Modelo dos parâmetros objetivos Valoreslaboratoriais • Sodio sérico <110 mEq/L ou > 170 mEq/L • Potasio sérico <2 mEq/L ou > 7 mEq/L • PaO2 < 50 torr (6.67 kPa) pH <7.1 ou >7.7 • Glicemia > 800 mg/dLCalcemia > 15 mg/dL • Niveles tóxicos de drogas ou outras susbstâncias químicas ECG • IAM com arritmias complexas, instabilidade hemodinámica ou ICC. • Arritmias supraventriculares com instabilidade hemodinámica. • TV sustentada ou FV. • Bloqueio AV completo (BAVT)
  • 20. Achados físicos • pupilas anisocóricas em paciente inconsciente. • Taponamento cardíaco • Anúria • Coma, convulsões • Cianose • ECG < 12 • Queimaduras >20% SC Modelo dos parâmetros objetivos
  • 21.
  • 22. CONCLUSÃO Em que pese a recomendação dos guidelines sobre o ingresso do paciente na UTI, os mesmos sempre deverão estar sob os critérios e a experiência da equipe. neste contexto os protocolos não devem ser vistos como camisas de força e sim, uma recomendação baseada em evidências.
  • 23. Escalas e Índices de avaliação do paciente grave APACHE II: Acute physiology and cronicle health evaluation Objetivo: definir a exatidão da predição do risco para pacientes de forma individualizada. Utiliza 12 variáveis clínicas, fisiológicas e laboratoriais padronizadas, que recebem pontuação de 0 a 4 de acordo com o grau de comprometimento frente a normalidade (quanto maior a alteração, maior será a porcentagem)
  • 24.
  • 25. Apache II PONTUAÇÃO PARA A IDADE Idade pontuação <44 0 45 a 54 2 55 a 64 3 65 a 74 5 >75 6 PONTUAÇÃO PARA PATOLOGIA CRÔNICA Se o paciente tem história de insuficiência orgânica severa, ou tem comprometimento, assinale os seguintes pontos: a) Para paciente não cirúrgico, ou em PO de cirurgia de emergência – 5 pontos. b) Em PO de cirurgia eletiva – 2 pontos
  • 27. Interpretaçã o do APACHE II Pontuação Não cirúrgico Cirurgico 0-4 Aprox. 4% Aprox. 1% 5-9 Aprox. 8% Aprox. 3% 10-14 Aprox. 15% Aprox. 7% 15 a 19 Aprox. 24% Aprox. 12% 20-24 Aprox. 40% Aprox. 30% 25-29 Aprox. 55% Aprox. 35% 30-34 Aprox. 73% para ambas 35-100 Aprox. 85% Aprox. 88%
  • 28. TISS – 28: índice de intervenção terapêutica Se baseia na premissa de que, independente do diagnóstico, quanto mais tratamento recebe um paciente, maior é a severidade da patología. Quantifica 28 intervenções terapêuticas Puntuação varia de 1 a 4 de acordo com a complexidade, grau de invasão e tempo utilizado. Utilizado pelo paciente. Realizar determinado procedimento
  • 29. Agrupación de actividades Puntos Actividades básicas Monitoreo de rutina (ECG, MSV, balance hídrico) Laboratorio (química y cultivos) Medicación única (EV, IM, SC y/o oral/enteral) Múltiples medicaciones EV (mas de una medicación; uso continuo o intermitente) Tares rutinarias de curación quirúrgica (cuidados y prevención de ulceras de cubito, curación 1vez al día) Tareas frecuentes de curaciones quirúrgicas (una por turno de enfermería) y/o lesiones extensas- quemado grave Cuidados de drenes (excepto SNG y SNE) 5 1 2 3 1 1 3 Soporte ventilatorio Ventilación mecánica: cualquier forma de soporte ventilatorio y/o asistencia, con o sin PEEP, con o sin relajantes musculares, ventilación espontanea con PEEP Soporte ventilatorio: ventilación espontanea a través de tubo endotraqueal, sin PEEO, oxigeno suplementario a través de cualquier sistema, excepto los que se incluyen en el ítem anterior. Cuidados de vía aérea artificial: tubo endotraqueal o traqueostomía Tratamiento para mejorar la función pulmonar: fisioterapia, espirometría, inhalación, aspiración traqueal. 5 2 1 1
  • 30. Calculando a FIO2 FÓRMULA PARA CALCULO FIO2 = 20 + 4x ESCALA DE FIO2 L/O2 FIO2 1 24% 2 28% 3 32% 4 36% 5 40% 6 44% 7 48% ...
  • 32. Realação PaO2/FIO2 como preditor de gravidade Valor Interpretação >300 Normal < 300 Injúria Pulmonar < 200 Distress respiratório < 100 Distress respiratório catastrófico
  • 33. exemplo Relação PaO2/FIO2 Paciente respirando em ar ambiente e com uma PaO2 de 95 Cálculos: 95/21 = 4,52 X 100 = 452 Interpretação: Normal
  • 34. exemplo Relação PaO2/FIO2 Paciente respirando em CatO2 Nasal 3L/min e com uma PaO2 de 90 Cálculos: 90/32 = 2,81 X 100 = 281 Interpretação: Injúria Pulmonar
  • 35. exemplo Relação PaO2/FIO2 Paciente com FIO2 50% e com uma PaO2 de 90 Cálculos: 90/50 = 1,8 X 100 = 180 Interpretação: Sindrome do Distress respiratório agudo
  • 36. exemplo Relação PaO2/FIO2 Paciente com FIO2 98% e com uma PaO2 de 90 Cálculos: 90/98 = 0,91 X 100 = 91 Interpretação: Sindrome do Distress respiratório catastrófico
  • 37. Referências desta apresentação CALDEIRA, Vanessa Maria Horta et al . Critérios para admissão de pacientes na unidade de terapia intensiva e mortalidade. Rev. Assoc. Med. Bras., São Paulo , v. 56, n. 5, p. 528-534, 2010 .