SlideShare uma empresa Scribd logo
Técnicas de Conservação de Energia
Mayara Laís Alves da Silva
R1 – Terapia Ocupacional
Pronto Socorro Cardiológico de Pernambuco Profº
Luis Tavares da Silva – PROCAPE
Programa de Especialização em Cardiologia
Modalidade Residência
Julho
2016
Objetivos
• Conceituar o que são técnicas de conservação de
energia;
• Apresentar os princípios da técnica;
• Demonstrar como o Terapeuta Ocupacional faz uso
desta.
http://www.123rf.com/photo_14868794_3d
Introdução
• Grande ascensão de casos de doenças cardiovasculares;
(BRASIL, 2008)
• Os sinais e sintomas físicos, psicológicos e cognitivos refletem
no desempenho funcional de seus portadores.
(SCATTOLIN; DIOGO; COLOMBO, 2007);
• Os Terapeutas Ocupacionais se preocupam não somente com
atividades cotidianas, mas também com a complexidade de
fatores que emponderam e tornam possível o envolvimento e
participação dos indivíduos em ocupações positivas que
promovem a saúde.
(WILCOCK e TOWNSEND, 2008 apud CARLETO et al, 2010)
O que são Técnicas de Conservação de
Energia?
São ferramentas utilizadas com o objetivo de reduzir o
gasto energético durante a realização de atividades cotidianas,
diminuindo também a sensação de dispnéia e, aumentando a
funcionalidade na execução de tarefas.
(VELLOSO E JARDIM, 2006)
Reabilitação Cardíaca
• É um conjunto de atividades necessárias para garantir e
melhorar a condição física, mental e social dos indivíduos que
possuem limitação ou incapacidade funcional relacionada à
doenças cardiovasculares;
• Abordagem da equipe multidisciplinar;
• Fase I à IV.
(CASTRO, R.R.T; Negrão, C.E.; STEIN, R. et al, 2005)
Princípios
• Reduzir a sensação de fadiga e dispnéia durante as atividades
cotidianas;
• Otimizar a mecânica corporal;
• Planejamento das etapas das atividades;
• Adaptação e inserção de utensílios para realizar as atividades;
• Eliminar barreiras arquitetônicas.
Como o Terapeuta Ocupacional faz uso dessas
técnicas?
1. Avaliação dos pacientes;
2. Orientações sobre as técnicas;
3. Treino das atividades.
(VELLOSO E JARDIM, 2006)
Como o Terapeuta Ocupacional faz uso dessas
técnicas?
1. Avaliação dos pacientes:
▫ Uso de testes padronizados: Percepção Subjetiva de Esforço através da
Escala de Borg, Medida de Independência Funcional – MIF, Teste de
Caminhada de 6min, taxa cardíaca máxima ajustada para a idade -
MAHR;
▫ Monitoração de freqüência respiratória e cardíaca;
▫ Saturação Periférica de O2;
▫ Observando o desempenho ocupacional do paciente durante a realização
das atividades.
Como o Terapeuta Ocupacional faz uso dessas
técnicas?
1. Avaliação dos pacientes:
Percepção Subjetiva de Esforço através da Escala de Borg:
(Borg & Noble, 1974) (Google imagens, 2016)
Como o Terapeuta Ocupacional faz uso dessas
técnicas?
1. Avaliação dos pacientes:
Medida de Independência Funcional – MIF
(RIBERTO et al , 2001)
Como o Terapeuta Ocupacional faz uso dessas
técnicas?
1. Avaliação dos pacientes:
Medida de Independência Funcional – MIF
(RIBERTO et al , 2001)
Como o Terapeuta Ocupacional faz uso dessas
técnicas?
1. Avaliação dos pacientes:
Medida de Independência Funcional – MIF
(RIBERTO et al , 2001)
Como o Terapeuta Ocupacional faz uso dessas
técnicas?
1. Avaliação dos pacientes:
▫ Teste de Caminhada de 6min
▫ Material utilizado: cronômetro, cones
para delimitação do circuito,
esfigmomanômetro, estetoscópio,
oxímetro de pulso.
Como o Terapeuta Ocupacional faz uso dessas
técnicas?
1. Avaliação dos pacientes:
▫ Taxa cardíaca máxima ajustada para a idade - MAHR.
Para as mulheres MAHR = 226 – idade
Para os homens MAHR = 220 – idade
Trabalhando com 50 – 85% da FCM é considerado
seguro.
▫ Ex.: Como calcular a taxa cardíaca máxima ajustada para um homem de 50
anos que está iniciando os exercícios no programa de reabilitação cardíaca?
▫ 220 – 50 = 170.
▫ 170 x 50% = 85
▫ 170 x 85% = 149
Para uma prática segura durante os exercícios, a
amplitude da taxa cardíaca máxima deve variar entre 85 a
149 bpm.
Como o Terapeuta Ocupacional faz uso dessas
técnicas?
2. Orientações sobre as técnicas :
▫ Treinar respiração diafragmática;
▫ Treinar membros superiores;
▫ Programar atividades com níveis distintos de exigência;
▫ Simplificar o desenvolvimento de tarefas (adaptações);
▫ Eliminar atividades desnecessárias;
▫ Orientar quanto à importância em solicitar auxílio, quando necessário;
▫ Organizar o tempo;
▫ Organizar o ambiente;
▫ Orientar posturas adequadas para cada tarefa.
(VELLOSO E JARDIM, 2006)
Como o Terapeuta Ocupacional faz uso dessas
técnicas?
2. Orientações sobre as técnicas :
▫ MET - equivalente metabólico da Tarefa;
▫ Consumo de oxigênio em repouso;
▫ 3,5 ml/kg/min
▫ Tabelas de acordo com as atividades
 Valores Metabólicos Aproximados para Várias Atividades (Ainsworth e cols
1998) -
 Programa de Reabilitação Fase I (Intra hospitalar) da disciplina de Cardiologia
da UNIFESP para pacientes com IAM.
(STEFANINI, KASINSKI e CARVALHO, 2009)
Nível Exercício
Nível 1
(1 a 2 MET)
Paciente deitado (0 a 45º)
Exercícios respiratórios diafragmáticos e reexpansivos
Exercícios ativos de pequenas e médias articulações
Exercícios ativos assistidos ou ativos de grandes articulações
Nível 2
(2 a 3 MET)
Paciente sentado com as pernas para fora do leito (90º)
Exercícios respiratórios reexpansivos
Exercícios ativos de MMSS e MMII
Treino de bipedestação (ficar de pé)
Nível 3
(3 a 4 MET)
Paciente em pé
Exercícios de alongamento para MMSS e MMII
Exercícios com MMSS e MMII associados à respiração
Marcha estacionária
Deambulação +/- 25 metros
Nível 4
(4 a 5 MET)
Alongamento à beira do leito
Exercícios em pé com MMSS e MMII
Deambulação +/- 50 a 75 metros
Descer um lance de escada
Nível 5
(5 MET)
Repetir nível 4
Deambulação =/- 100 metros
Subir e descer um lance de escada
Programa de Reabilitação Fase I (Intra hospitalar) da disciplina
de Cardiologia da UNIFESP para pacientes com IAM.
Como o Terapeuta Ocupacional faz uso dessas
técnicas?
3. Treino das atividades utilizando as técnicas:
▫ COFFITO delibera, em várias disposições (Resolução n.º 316, do Diário
Oficial n.º148-03/08/06, p.79) que o treino das atividades da vida diária
– AVDs e das atividades instrumentais da vida diária – AIVDs constam
como práticas exclusivas do profissional da terapia ocupacional.
▫ Elencar as atividades mais importantes e que o paciente apresenta mais
dificuldade;
▫ Executar e introduzir as orientações na prática.
(VELLOSO E JARDIM,; BRASIL, 2006)
Caso Enfermaria Coronariana
T.F.S., 71 anos, dona de casa. Deu entrada na EC do PROCAPE no dia
22/06 com queixa de dor em porção apical do dorso do hemitórax esquerdo
associada à inspiração; PA: 140 x 70 mmHg, FC: 60bpm, FR: 16ipm.
Investigação de IAM sem SST e ITR.
Avaliação T.O. realizada no dia 30/06, paciente consciente, orientada no
tempo e espaço, pensamento coerente e organizado, boa comunicação verbal,
relata prejuízo em memória, bom humor e boa interação social. Realiza
AVD’s com supervisão, relato de fadiga e dispnéia aos esforços (mudança de
decúbito, deambular até o banheiro, utilizar o cobertor grosso). Ao responder
o teste de percepção subjetiva de esforço através da Escala de Borg marca 13,
15 e 13 (ligeiramente cansativo e cansativo), respectivamente.
Execução das Técnicas
• Deambular:
Fonte: Google imagens
Execução das Técnicas
• Uso do cobertor:
Fonte: Arquivo pessoal
Execução das Técnicas
• Banho:
Fonte: Arquivo pessoal
Execução das Técnicas
• Vestuário:
Fonte: Google imagens
Execução das Técnicas
• Higiene pessoal e autocuidado:
Machioski et al, 2013
Fonte: Google imagens
Fonte: Google imagens
Execução das Técnicas
• Alimentação:
Fonte: Google imagens
Fonte: MN Suprimentos
Caso Enfermaria Coronariana
V.M.S., 51 anos, dona de casa, Recife. Deu entrada na EC no dia 12/03,
referindo a ocorrência de 3 episódios de dor retroesternal em aperto, forte
intensidade, duração de 15 minutos, irradiação para o dorso, associada à
dispnéia. No momento refere dor em região cervical de baixa intensidade;
PA: 160 x 85 mmHG; FC: 80 bpm. IAM sem SST e HAS. Retornou ao
serviço em caráter eletivo para programação cirúrgica no mês de junho.
Avaliação T.O., paciente consciente, orientada no tempo e espaço,
pensamento coerente e organizado, boa comunicação verbal, atenção e memória
preservadas, bom humor e boa interação social. Realiza AVD’s de forma independente,
relato de fadiga e dor torácica durante AIVD.
Execução das Técnicas
• Preparo do alimento:
Fonte: Google imagens
Execução das Técnicas
• Fazer compras:
Fonte: Google imagens
Execução das Técnicas
• Cuidados com a roupa:
Fonte: Google imagens
Execução das Técnicas
• Limpar a casa:
Fonte: Google imagens
Considerações Finais
As doenças do sistema cardiovascular implicam em amplo impacto
funcional na vida dos indivíduos, principalmente por conta da ameaça à
disponibilidade de energia necessária para execução das atividades em
casa, na escola, no local de trabalho e na vida comunitária.
Sendo assim faz –se necessário criar estratégias para tornar possível
o envolvimento e participação dos indivíduos em ocupações positivas,
promovendo qualidade de vida e gerando repercussões diretas na saúde.
Referências
• BIANCHIN, M.A.R.; PAULA, G.A.S.; CARVALHO, M.P., ACAYABA, R.; CHUEIRE,
R.Manual de orientações de terapia ocupacional quanto à proteção articular para pacientes
com artrite reumatóide. Med Reabil , v. 29, n.1, p 23-8, 2010;
• BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância à Saúde. Secretaria de Atenção à
Saúde. Diretrizes e recomendações para o cuidado integral de doenças crônicas não-
transmissíveis: promoção da saúde, vigilância, prevenção e assistência. Brasília: Ministério
da Saúde, 72 p, 2008.
• BRASIL. República Federativa do Brasil. Diário Oficial. Imprensa Nacional, nº 148-
03/08/06, p.79, Brasília. Disponível em: fttp:saude.sp.gov.br/bibliote/ informe_
eletrônico12006/iels.agosto.06/iels147/u_rsCFFTO-316_190706.pdf39. Acesso em: 28 de
junho 2016..
• CASTRO, R.R.T; Negrão, C.E.; Stein, R. et al. Diretriz de Reabilitação Cardíaca. Arquivos
Brasileiros de Cardiologia .V. 84, Nº 5, Maio 2005
Referências
• CARLETO, D.G.S.; SOUZA, A.C.A.; SILVA, M.,; CRUZ D.M.C; ANDRADE, V.S. Estrutura
da prática da Terapia Ocupacional: Domínio e processo- 2ª edição. Rev. Triang, v.3. n.1, p.
57-147, jul./ dez. 2010
• SCATTOLIN, F. A. A.; DIOGO, M. J. D.; COLOMBO, R. C. R. Correlação entre
instrumentos de qualidade de vida relacionada à saúde e independência funcional em idosos
com insuficiência cardíaca. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 23, n.11, p. 2705-
2715, nov. 2007.
• TROMBLY, CA. Terapia ocupacional para disfunções físicas. Livraria Santos Editora Ltda,
2008.
• STEFANINI, E.; KASINSKI, N.; CARVALHO, A.C. Guias de Medicina ambulatorial e
hospitalar da UNIFESP-EPM. Editora Manole, 2ª ed., 2009.
• VELLOSO, M.; JARDIM, J.R. Funcionalidade do paciente com doença pulmonar obstrutiva
crônica e técnicas de conservação de energia. J Bras Pneumol. v.32, n.6, p. 580-6, 2006.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Atendimento Multiprofissional no pré e pós-operatório de cirurgia cardíaca
Atendimento Multiprofissional no pré e pós-operatório de cirurgia cardíaca Atendimento Multiprofissional no pré e pós-operatório de cirurgia cardíaca
Atendimento Multiprofissional no pré e pós-operatório de cirurgia cardíaca
resenfe2013
 
Aplicação da medida de independência funcional mif
Aplicação da medida de independência funcional   mifAplicação da medida de independência funcional   mif
Aplicação da medida de independência funcional mif
∆ Érika Cristina Diniz Mortati
 
Saude do idoso
Saude do idosoSaude do idoso
Saude do idoso
Natha Fisioterapia
 
Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de AlmeidaOxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
José Alexandre Pires de Almeida
 
Relatorio neurologia apae (salvo automaticamente)
Relatorio neurologia apae (salvo automaticamente)Relatorio neurologia apae (salvo automaticamente)
Relatorio neurologia apae (salvo automaticamente)
Paula Müller
 
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marchaAvaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Natha Fisioterapia
 
Williams, mackenzie, klapp e feldenkrais
Williams, mackenzie, klapp e feldenkraisWilliams, mackenzie, klapp e feldenkrais
Williams, mackenzie, klapp e feldenkrais
Thalita Tassiani
 
Estudo de caso clinico
Estudo de caso clinicoEstudo de caso clinico
Estudo de caso clinico
Grupo Ivan Ervilha
 
REABILITAÇÃO CARDÍACA E TERAPIA OCUPACIONAL
REABILITAÇÃO CARDÍACA E TERAPIA OCUPACIONALREABILITAÇÃO CARDÍACA E TERAPIA OCUPACIONAL
REABILITAÇÃO CARDÍACA E TERAPIA OCUPACIONAL
resenfe2013
 
Efeitos da toxicidade de oxigênio no paciente sob ventilação mecânica
Efeitos da toxicidade de oxigênio no paciente sob ventilação mecânicaEfeitos da toxicidade de oxigênio no paciente sob ventilação mecânica
Efeitos da toxicidade de oxigênio no paciente sob ventilação mecânica
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
1 Avaliação em fisioterapia neurofuncional IMPRIMIR.pdf
1 Avaliação em fisioterapia neurofuncional IMPRIMIR.pdf1 Avaliação em fisioterapia neurofuncional IMPRIMIR.pdf
1 Avaliação em fisioterapia neurofuncional IMPRIMIR.pdf
MariliaSilva75
 
Fisioterapia no paciente crítico
Fisioterapia no paciente críticoFisioterapia no paciente crítico
Fisioterapia no paciente crítico
Fábio Falcão
 
Bobath
BobathBobath
Transtorno de equilíbrio e quedas (1)
Transtorno de equilíbrio e quedas (1)Transtorno de equilíbrio e quedas (1)
Transtorno de equilíbrio e quedas (1)
Potencial Empresário
 
Cinesioterapia respiratória e espirometria de incentivo
Cinesioterapia respiratória e espirometria de incentivoCinesioterapia respiratória e espirometria de incentivo
Cinesioterapia respiratória e espirometria de incentivo
Mayara Rodrigues
 
Interpretação de curvas e loops em ventilação mecânica
Interpretação de curvas e loops em ventilação mecânicaInterpretação de curvas e loops em ventilação mecânica
Interpretação de curvas e loops em ventilação mecânica
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
José Alexandre Pires de Almeida
 
Escoliose e método klapp.
Escoliose e método klapp.Escoliose e método klapp.
Escoliose e método klapp.
Paulo Bueno
 
A fisioterapia intensiva oncofuncional
A fisioterapia intensiva oncofuncional A fisioterapia intensiva oncofuncional
A fisioterapia intensiva oncofuncional
Iapes Ensino
 
A CIF e a Funcionalidade
A CIF e a FuncionalidadeA CIF e a Funcionalidade
A CIF e a Funcionalidade
Cassia Buchalla
 

Mais procurados (20)

Atendimento Multiprofissional no pré e pós-operatório de cirurgia cardíaca
Atendimento Multiprofissional no pré e pós-operatório de cirurgia cardíaca Atendimento Multiprofissional no pré e pós-operatório de cirurgia cardíaca
Atendimento Multiprofissional no pré e pós-operatório de cirurgia cardíaca
 
Aplicação da medida de independência funcional mif
Aplicação da medida de independência funcional   mifAplicação da medida de independência funcional   mif
Aplicação da medida de independência funcional mif
 
Saude do idoso
Saude do idosoSaude do idoso
Saude do idoso
 
Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de AlmeidaOxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
 
Relatorio neurologia apae (salvo automaticamente)
Relatorio neurologia apae (salvo automaticamente)Relatorio neurologia apae (salvo automaticamente)
Relatorio neurologia apae (salvo automaticamente)
 
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marchaAvaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
 
Williams, mackenzie, klapp e feldenkrais
Williams, mackenzie, klapp e feldenkraisWilliams, mackenzie, klapp e feldenkrais
Williams, mackenzie, klapp e feldenkrais
 
Estudo de caso clinico
Estudo de caso clinicoEstudo de caso clinico
Estudo de caso clinico
 
REABILITAÇÃO CARDÍACA E TERAPIA OCUPACIONAL
REABILITAÇÃO CARDÍACA E TERAPIA OCUPACIONALREABILITAÇÃO CARDÍACA E TERAPIA OCUPACIONAL
REABILITAÇÃO CARDÍACA E TERAPIA OCUPACIONAL
 
Efeitos da toxicidade de oxigênio no paciente sob ventilação mecânica
Efeitos da toxicidade de oxigênio no paciente sob ventilação mecânicaEfeitos da toxicidade de oxigênio no paciente sob ventilação mecânica
Efeitos da toxicidade de oxigênio no paciente sob ventilação mecânica
 
1 Avaliação em fisioterapia neurofuncional IMPRIMIR.pdf
1 Avaliação em fisioterapia neurofuncional IMPRIMIR.pdf1 Avaliação em fisioterapia neurofuncional IMPRIMIR.pdf
1 Avaliação em fisioterapia neurofuncional IMPRIMIR.pdf
 
Fisioterapia no paciente crítico
Fisioterapia no paciente críticoFisioterapia no paciente crítico
Fisioterapia no paciente crítico
 
Bobath
BobathBobath
Bobath
 
Transtorno de equilíbrio e quedas (1)
Transtorno de equilíbrio e quedas (1)Transtorno de equilíbrio e quedas (1)
Transtorno de equilíbrio e quedas (1)
 
Cinesioterapia respiratória e espirometria de incentivo
Cinesioterapia respiratória e espirometria de incentivoCinesioterapia respiratória e espirometria de incentivo
Cinesioterapia respiratória e espirometria de incentivo
 
Interpretação de curvas e loops em ventilação mecânica
Interpretação de curvas e loops em ventilação mecânicaInterpretação de curvas e loops em ventilação mecânica
Interpretação de curvas e loops em ventilação mecânica
 
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
 
Escoliose e método klapp.
Escoliose e método klapp.Escoliose e método klapp.
Escoliose e método klapp.
 
A fisioterapia intensiva oncofuncional
A fisioterapia intensiva oncofuncional A fisioterapia intensiva oncofuncional
A fisioterapia intensiva oncofuncional
 
A CIF e a Funcionalidade
A CIF e a FuncionalidadeA CIF e a Funcionalidade
A CIF e a Funcionalidade
 

Destaque

Alteração de áreas e componentes de desempenho ocupacional de pacientes hospi...
Alteração de áreas e componentes de desempenho ocupacional de pacientes hospi...Alteração de áreas e componentes de desempenho ocupacional de pacientes hospi...
Alteração de áreas e componentes de desempenho ocupacional de pacientes hospi...
resenfe2013
 
Atividades grupais no ambiente hospitalar
Atividades grupais no ambiente hospitalarAtividades grupais no ambiente hospitalar
Atividades grupais no ambiente hospitalar
resenfe2013
 
ginastica de conscientizacao corporal
ginastica de conscientizacao corporalginastica de conscientizacao corporal
ginastica de conscientizacao corporal
Alessandra Pereira
 
Crises Hipertensivas
Crises HipertensivasCrises Hipertensivas
Crises Hipertensivas
resenfe2013
 
Estimulação Cardíaca Artificial
Estimulação Cardíaca ArtificialEstimulação Cardíaca Artificial
Estimulação Cardíaca Artificial
resenfe2013
 
Ventilação Não-invasiva
Ventilação Não-invasivaVentilação Não-invasiva
Ventilação Não-invasiva
resenfe2013
 
Exame Físico Multidisciplinar
Exame Físico MultidisciplinarExame Físico Multidisciplinar
Exame Físico Multidisciplinar
resenfe2013
 
Antihipertensivos
AntihipertensivosAntihipertensivos
Antihipertensivos
resenfe2013
 
Caso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
Caso clínico Hipertensão Arterial PulmonarCaso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
Caso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
resenfe2013
 
Doenças da Aorta
Doenças da AortaDoenças da Aorta
Doenças da Aorta
resenfe2013
 
Exame físico do sist. respiratório
Exame físico do sist. respiratórioExame físico do sist. respiratório
Exame físico do sist. respiratório
resenfe2013
 
Exames Diagnósticos em Cardiologia
Exames Diagnósticos em CardiologiaExames Diagnósticos em Cardiologia
Exames Diagnósticos em Cardiologia
resenfe2013
 
Hipertensão Arterial Pulmonar
Hipertensão Arterial PulmonarHipertensão Arterial Pulmonar
Hipertensão Arterial Pulmonar
resenfe2013
 
Pós-operatório de cirurgia cardíaca pediátrica
Pós-operatório de cirurgia cardíaca pediátricaPós-operatório de cirurgia cardíaca pediátrica
Pós-operatório de cirurgia cardíaca pediátrica
resenfe2013
 
Exame Físico Neurologico
Exame Físico NeurologicoExame Físico Neurologico
Exame Físico Neurologico
resenfe2013
 
Cardiogeriatria
CardiogeriatriaCardiogeriatria
Cardiogeriatria
resenfe2013
 
Caso clínico Febre Reumática
Caso clínico Febre ReumáticaCaso clínico Febre Reumática
Caso clínico Febre Reumática
resenfe2013
 
Anatomia cardiovascular
Anatomia cardiovascularAnatomia cardiovascular
Anatomia cardiovascular
resenfe2013
 
Exames Diagnósticos em Cardiologia II
Exames Diagnósticos em Cardiologia IIExames Diagnósticos em Cardiologia II
Exames Diagnósticos em Cardiologia II
resenfe2013
 
Valvopatias semilunares
Valvopatias semilunaresValvopatias semilunares
Valvopatias semilunares
resenfe2013
 

Destaque (20)

Alteração de áreas e componentes de desempenho ocupacional de pacientes hospi...
Alteração de áreas e componentes de desempenho ocupacional de pacientes hospi...Alteração de áreas e componentes de desempenho ocupacional de pacientes hospi...
Alteração de áreas e componentes de desempenho ocupacional de pacientes hospi...
 
Atividades grupais no ambiente hospitalar
Atividades grupais no ambiente hospitalarAtividades grupais no ambiente hospitalar
Atividades grupais no ambiente hospitalar
 
ginastica de conscientizacao corporal
ginastica de conscientizacao corporalginastica de conscientizacao corporal
ginastica de conscientizacao corporal
 
Crises Hipertensivas
Crises HipertensivasCrises Hipertensivas
Crises Hipertensivas
 
Estimulação Cardíaca Artificial
Estimulação Cardíaca ArtificialEstimulação Cardíaca Artificial
Estimulação Cardíaca Artificial
 
Ventilação Não-invasiva
Ventilação Não-invasivaVentilação Não-invasiva
Ventilação Não-invasiva
 
Exame Físico Multidisciplinar
Exame Físico MultidisciplinarExame Físico Multidisciplinar
Exame Físico Multidisciplinar
 
Antihipertensivos
AntihipertensivosAntihipertensivos
Antihipertensivos
 
Caso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
Caso clínico Hipertensão Arterial PulmonarCaso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
Caso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
 
Doenças da Aorta
Doenças da AortaDoenças da Aorta
Doenças da Aorta
 
Exame físico do sist. respiratório
Exame físico do sist. respiratórioExame físico do sist. respiratório
Exame físico do sist. respiratório
 
Exames Diagnósticos em Cardiologia
Exames Diagnósticos em CardiologiaExames Diagnósticos em Cardiologia
Exames Diagnósticos em Cardiologia
 
Hipertensão Arterial Pulmonar
Hipertensão Arterial PulmonarHipertensão Arterial Pulmonar
Hipertensão Arterial Pulmonar
 
Pós-operatório de cirurgia cardíaca pediátrica
Pós-operatório de cirurgia cardíaca pediátricaPós-operatório de cirurgia cardíaca pediátrica
Pós-operatório de cirurgia cardíaca pediátrica
 
Exame Físico Neurologico
Exame Físico NeurologicoExame Físico Neurologico
Exame Físico Neurologico
 
Cardiogeriatria
CardiogeriatriaCardiogeriatria
Cardiogeriatria
 
Caso clínico Febre Reumática
Caso clínico Febre ReumáticaCaso clínico Febre Reumática
Caso clínico Febre Reumática
 
Anatomia cardiovascular
Anatomia cardiovascularAnatomia cardiovascular
Anatomia cardiovascular
 
Exames Diagnósticos em Cardiologia II
Exames Diagnósticos em Cardiologia IIExames Diagnósticos em Cardiologia II
Exames Diagnósticos em Cardiologia II
 
Valvopatias semilunares
Valvopatias semilunaresValvopatias semilunares
Valvopatias semilunares
 

Semelhante a Técnicas de conservação de energia

Apresentação Ética na Pesquisa 1.pptx
Apresentação Ética na Pesquisa 1.pptxApresentação Ética na Pesquisa 1.pptx
Apresentação Ética na Pesquisa 1.pptx
LucasGidielMachado
 
75298-Texto do artigo-101935-1-10-20140224.pdf
75298-Texto do artigo-101935-1-10-20140224.pdf75298-Texto do artigo-101935-1-10-20140224.pdf
75298-Texto do artigo-101935-1-10-20140224.pdf
HelenKatharine
 
Fisioterapia - As Várias Maneiras de Cuidar
Fisioterapia - As Várias Maneiras de CuidarFisioterapia - As Várias Maneiras de Cuidar
Fisioterapia - As Várias Maneiras de Cuidar
Márcio Borges
 
Questionários de atividade física: revisão bibliográfica e aplicação de instr...
Questionários de atividade física: revisão bibliográfica e aplicação de instr...Questionários de atividade física: revisão bibliográfica e aplicação de instr...
Questionários de atividade física: revisão bibliográfica e aplicação de instr...
Rodrigo Hisgail de Almeida Nogueira
 
Cartilha- Cinesioterapia para pessoas idosas (5).pdf
Cartilha- Cinesioterapia para pessoas idosas (5).pdfCartilha- Cinesioterapia para pessoas idosas (5).pdf
Cartilha- Cinesioterapia para pessoas idosas (5).pdf
beeatrizsilvaa567
 
Modelo-de-Apresentação-para-a-MOSTRA-2018-1-Leina-1.pptx.ppt
Modelo-de-Apresentação-para-a-MOSTRA-2018-1-Leina-1.pptx.pptModelo-de-Apresentação-para-a-MOSTRA-2018-1-Leina-1.pptx.ppt
Modelo-de-Apresentação-para-a-MOSTRA-2018-1-Leina-1.pptx.ppt
VanessaAlves757065
 
Treinamento de força para populações especiais
Treinamento de força para populações especiaisTreinamento de força para populações especiais
Treinamento de força para populações especiais
felipethoaldo
 
CUIDADOS-PALIATIVOS.pdf
CUIDADOS-PALIATIVOS.pdfCUIDADOS-PALIATIVOS.pdf
CUIDADOS-PALIATIVOS.pdf
cspmgenf
 
cuidados-paliativos-231018100036-5c002a7e.pdf
cuidados-paliativos-231018100036-5c002a7e.pdfcuidados-paliativos-231018100036-5c002a7e.pdf
cuidados-paliativos-231018100036-5c002a7e.pdf
Rodrigo Lima
 
Qualidade de Vida e Práticas Integrativas em Saúde
Qualidade de Vida e Práticas Integrativas em SaúdeQualidade de Vida e Práticas Integrativas em Saúde
Qualidade de Vida e Práticas Integrativas em Saúde
Centro de Desenvolvimento, Ensino e Pesquisa em Saúde - CEDEPS
 
apresentacao_palestra_sipat_85180454107.ppt
apresentacao_palestra_sipat_85180454107.pptapresentacao_palestra_sipat_85180454107.ppt
apresentacao_palestra_sipat_85180454107.ppt
INGRIDEDUARDAALVESPA
 
ATUAÇÃO DO FISIOTERAPEUTA NO TRATAMENTO DE NEUROPATIAS DIABÉTICAS: UMA REVISÃ...
ATUAÇÃO DO FISIOTERAPEUTA NO TRATAMENTO DE NEUROPATIAS DIABÉTICAS: UMA REVISÃ...ATUAÇÃO DO FISIOTERAPEUTA NO TRATAMENTO DE NEUROPATIAS DIABÉTICAS: UMA REVISÃ...
ATUAÇÃO DO FISIOTERAPEUTA NO TRATAMENTO DE NEUROPATIAS DIABÉTICAS: UMA REVISÃ...
MoniqueCosta48
 
Como Interpretar um artigo em Fisioterapia - Básico
Como Interpretar um artigo em Fisioterapia - BásicoComo Interpretar um artigo em Fisioterapia - Básico
Como Interpretar um artigo em Fisioterapia - Básico
Caio Veloso da Costa, ICU-PT
 
Aplicaçao da cif na pratica clinica do fisioterapeuta otimo exemplo pratico
Aplicaçao da cif na pratica clinica do fisioterapeuta    otimo exemplo praticoAplicaçao da cif na pratica clinica do fisioterapeuta    otimo exemplo pratico
Aplicaçao da cif na pratica clinica do fisioterapeuta otimo exemplo pratico
Marcia Orlando
 
Protocolo para pacientes com DPOC: uma proposta para um serviço multidisciplinar
Protocolo para pacientes com DPOC: uma proposta para um serviço multidisciplinarProtocolo para pacientes com DPOC: uma proposta para um serviço multidisciplinar
Protocolo para pacientes com DPOC: uma proposta para um serviço multidisciplinar
Pâmela Buffon
 
Trabalho de conclusão de curso - Ginastica laboral
Trabalho de conclusão de curso - Ginastica laboralTrabalho de conclusão de curso - Ginastica laboral
Trabalho de conclusão de curso - Ginastica laboral
Nay Ribeiro
 
A hipertensão arterial sistêmica o paciente hipertenso e a atuação fisioterap...
A hipertensão arterial sistêmica o paciente hipertenso e a atuação fisioterap...A hipertensão arterial sistêmica o paciente hipertenso e a atuação fisioterap...
A hipertensão arterial sistêmica o paciente hipertenso e a atuação fisioterap...
HELENO FAVACHO
 
Apresentacao Bioestatistica Final.pptx
Apresentacao Bioestatistica Final.pptxApresentacao Bioestatistica Final.pptx
Apresentacao Bioestatistica Final.pptx
Gabriel Avelino
 
364411401 livro-cinesioterapia
364411401 livro-cinesioterapia364411401 livro-cinesioterapia
364411401 livro-cinesioterapia
Andrea Rebelo dos Santos
 
Importância da tecnologia no acompanhamento das atividades dos alunos de acad...
Importância da tecnologia no acompanhamento das atividades dos alunos de acad...Importância da tecnologia no acompanhamento das atividades dos alunos de acad...
Importância da tecnologia no acompanhamento das atividades dos alunos de acad...
Alexandre Bento
 

Semelhante a Técnicas de conservação de energia (20)

Apresentação Ética na Pesquisa 1.pptx
Apresentação Ética na Pesquisa 1.pptxApresentação Ética na Pesquisa 1.pptx
Apresentação Ética na Pesquisa 1.pptx
 
75298-Texto do artigo-101935-1-10-20140224.pdf
75298-Texto do artigo-101935-1-10-20140224.pdf75298-Texto do artigo-101935-1-10-20140224.pdf
75298-Texto do artigo-101935-1-10-20140224.pdf
 
Fisioterapia - As Várias Maneiras de Cuidar
Fisioterapia - As Várias Maneiras de CuidarFisioterapia - As Várias Maneiras de Cuidar
Fisioterapia - As Várias Maneiras de Cuidar
 
Questionários de atividade física: revisão bibliográfica e aplicação de instr...
Questionários de atividade física: revisão bibliográfica e aplicação de instr...Questionários de atividade física: revisão bibliográfica e aplicação de instr...
Questionários de atividade física: revisão bibliográfica e aplicação de instr...
 
Cartilha- Cinesioterapia para pessoas idosas (5).pdf
Cartilha- Cinesioterapia para pessoas idosas (5).pdfCartilha- Cinesioterapia para pessoas idosas (5).pdf
Cartilha- Cinesioterapia para pessoas idosas (5).pdf
 
Modelo-de-Apresentação-para-a-MOSTRA-2018-1-Leina-1.pptx.ppt
Modelo-de-Apresentação-para-a-MOSTRA-2018-1-Leina-1.pptx.pptModelo-de-Apresentação-para-a-MOSTRA-2018-1-Leina-1.pptx.ppt
Modelo-de-Apresentação-para-a-MOSTRA-2018-1-Leina-1.pptx.ppt
 
Treinamento de força para populações especiais
Treinamento de força para populações especiaisTreinamento de força para populações especiais
Treinamento de força para populações especiais
 
CUIDADOS-PALIATIVOS.pdf
CUIDADOS-PALIATIVOS.pdfCUIDADOS-PALIATIVOS.pdf
CUIDADOS-PALIATIVOS.pdf
 
cuidados-paliativos-231018100036-5c002a7e.pdf
cuidados-paliativos-231018100036-5c002a7e.pdfcuidados-paliativos-231018100036-5c002a7e.pdf
cuidados-paliativos-231018100036-5c002a7e.pdf
 
Qualidade de Vida e Práticas Integrativas em Saúde
Qualidade de Vida e Práticas Integrativas em SaúdeQualidade de Vida e Práticas Integrativas em Saúde
Qualidade de Vida e Práticas Integrativas em Saúde
 
apresentacao_palestra_sipat_85180454107.ppt
apresentacao_palestra_sipat_85180454107.pptapresentacao_palestra_sipat_85180454107.ppt
apresentacao_palestra_sipat_85180454107.ppt
 
ATUAÇÃO DO FISIOTERAPEUTA NO TRATAMENTO DE NEUROPATIAS DIABÉTICAS: UMA REVISÃ...
ATUAÇÃO DO FISIOTERAPEUTA NO TRATAMENTO DE NEUROPATIAS DIABÉTICAS: UMA REVISÃ...ATUAÇÃO DO FISIOTERAPEUTA NO TRATAMENTO DE NEUROPATIAS DIABÉTICAS: UMA REVISÃ...
ATUAÇÃO DO FISIOTERAPEUTA NO TRATAMENTO DE NEUROPATIAS DIABÉTICAS: UMA REVISÃ...
 
Como Interpretar um artigo em Fisioterapia - Básico
Como Interpretar um artigo em Fisioterapia - BásicoComo Interpretar um artigo em Fisioterapia - Básico
Como Interpretar um artigo em Fisioterapia - Básico
 
Aplicaçao da cif na pratica clinica do fisioterapeuta otimo exemplo pratico
Aplicaçao da cif na pratica clinica do fisioterapeuta    otimo exemplo praticoAplicaçao da cif na pratica clinica do fisioterapeuta    otimo exemplo pratico
Aplicaçao da cif na pratica clinica do fisioterapeuta otimo exemplo pratico
 
Protocolo para pacientes com DPOC: uma proposta para um serviço multidisciplinar
Protocolo para pacientes com DPOC: uma proposta para um serviço multidisciplinarProtocolo para pacientes com DPOC: uma proposta para um serviço multidisciplinar
Protocolo para pacientes com DPOC: uma proposta para um serviço multidisciplinar
 
Trabalho de conclusão de curso - Ginastica laboral
Trabalho de conclusão de curso - Ginastica laboralTrabalho de conclusão de curso - Ginastica laboral
Trabalho de conclusão de curso - Ginastica laboral
 
A hipertensão arterial sistêmica o paciente hipertenso e a atuação fisioterap...
A hipertensão arterial sistêmica o paciente hipertenso e a atuação fisioterap...A hipertensão arterial sistêmica o paciente hipertenso e a atuação fisioterap...
A hipertensão arterial sistêmica o paciente hipertenso e a atuação fisioterap...
 
Apresentacao Bioestatistica Final.pptx
Apresentacao Bioestatistica Final.pptxApresentacao Bioestatistica Final.pptx
Apresentacao Bioestatistica Final.pptx
 
364411401 livro-cinesioterapia
364411401 livro-cinesioterapia364411401 livro-cinesioterapia
364411401 livro-cinesioterapia
 
Importância da tecnologia no acompanhamento das atividades dos alunos de acad...
Importância da tecnologia no acompanhamento das atividades dos alunos de acad...Importância da tecnologia no acompanhamento das atividades dos alunos de acad...
Importância da tecnologia no acompanhamento das atividades dos alunos de acad...
 

Mais de resenfe2013

Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de VálvulasCirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
resenfe2013
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em AdultosNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
resenfe2013
 
Hemodiálise
HemodiáliseHemodiálise
Hemodiálise
resenfe2013
 
Caso clínico Endocardite
Caso clínico EndocarditeCaso clínico Endocardite
Caso clínico Endocardite
resenfe2013
 
Insuficiência Respiratória
Insuficiência RespiratóriaInsuficiência Respiratória
Insuficiência Respiratória
resenfe2013
 
Gasometria Arterial
Gasometria ArterialGasometria Arterial
Gasometria Arterial
resenfe2013
 
Edema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de PulmãoEdema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de Pulmão
resenfe2013
 
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasivaMonitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
resenfe2013
 
Coagulação Sanguínea
Coagulação SanguíneaCoagulação Sanguínea
Coagulação Sanguínea
resenfe2013
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
resenfe2013
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar NeopediátricaNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
resenfe2013
 
Drogas vasoativas
Drogas vasoativasDrogas vasoativas
Drogas vasoativas
resenfe2013
 
Raio x de tórax
Raio x de tóraxRaio x de tórax
Raio x de tórax
resenfe2013
 
Diagnósticos de enfermagem
Diagnósticos de enfermagemDiagnósticos de enfermagem
Diagnósticos de enfermagem
resenfe2013
 
Distúrbios hidroeletrolíticos
Distúrbios hidroeletrolíticosDistúrbios hidroeletrolíticos
Distúrbios hidroeletrolíticos
resenfe2013
 

Mais de resenfe2013 (15)

Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de VálvulasCirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em AdultosNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
 
Hemodiálise
HemodiáliseHemodiálise
Hemodiálise
 
Caso clínico Endocardite
Caso clínico EndocarditeCaso clínico Endocardite
Caso clínico Endocardite
 
Insuficiência Respiratória
Insuficiência RespiratóriaInsuficiência Respiratória
Insuficiência Respiratória
 
Gasometria Arterial
Gasometria ArterialGasometria Arterial
Gasometria Arterial
 
Edema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de PulmãoEdema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de Pulmão
 
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasivaMonitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
 
Coagulação Sanguínea
Coagulação SanguíneaCoagulação Sanguínea
Coagulação Sanguínea
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar NeopediátricaNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
 
Drogas vasoativas
Drogas vasoativasDrogas vasoativas
Drogas vasoativas
 
Raio x de tórax
Raio x de tóraxRaio x de tórax
Raio x de tórax
 
Diagnósticos de enfermagem
Diagnósticos de enfermagemDiagnósticos de enfermagem
Diagnósticos de enfermagem
 
Distúrbios hidroeletrolíticos
Distúrbios hidroeletrolíticosDistúrbios hidroeletrolíticos
Distúrbios hidroeletrolíticos
 

Técnicas de conservação de energia

  • 1. Técnicas de Conservação de Energia Mayara Laís Alves da Silva R1 – Terapia Ocupacional Pronto Socorro Cardiológico de Pernambuco Profº Luis Tavares da Silva – PROCAPE Programa de Especialização em Cardiologia Modalidade Residência Julho 2016
  • 2. Objetivos • Conceituar o que são técnicas de conservação de energia; • Apresentar os princípios da técnica; • Demonstrar como o Terapeuta Ocupacional faz uso desta. http://www.123rf.com/photo_14868794_3d
  • 3. Introdução • Grande ascensão de casos de doenças cardiovasculares; (BRASIL, 2008) • Os sinais e sintomas físicos, psicológicos e cognitivos refletem no desempenho funcional de seus portadores. (SCATTOLIN; DIOGO; COLOMBO, 2007); • Os Terapeutas Ocupacionais se preocupam não somente com atividades cotidianas, mas também com a complexidade de fatores que emponderam e tornam possível o envolvimento e participação dos indivíduos em ocupações positivas que promovem a saúde. (WILCOCK e TOWNSEND, 2008 apud CARLETO et al, 2010)
  • 4. O que são Técnicas de Conservação de Energia? São ferramentas utilizadas com o objetivo de reduzir o gasto energético durante a realização de atividades cotidianas, diminuindo também a sensação de dispnéia e, aumentando a funcionalidade na execução de tarefas. (VELLOSO E JARDIM, 2006)
  • 5. Reabilitação Cardíaca • É um conjunto de atividades necessárias para garantir e melhorar a condição física, mental e social dos indivíduos que possuem limitação ou incapacidade funcional relacionada à doenças cardiovasculares; • Abordagem da equipe multidisciplinar; • Fase I à IV. (CASTRO, R.R.T; Negrão, C.E.; STEIN, R. et al, 2005)
  • 6. Princípios • Reduzir a sensação de fadiga e dispnéia durante as atividades cotidianas; • Otimizar a mecânica corporal; • Planejamento das etapas das atividades; • Adaptação e inserção de utensílios para realizar as atividades; • Eliminar barreiras arquitetônicas.
  • 7. Como o Terapeuta Ocupacional faz uso dessas técnicas? 1. Avaliação dos pacientes; 2. Orientações sobre as técnicas; 3. Treino das atividades. (VELLOSO E JARDIM, 2006)
  • 8. Como o Terapeuta Ocupacional faz uso dessas técnicas? 1. Avaliação dos pacientes: ▫ Uso de testes padronizados: Percepção Subjetiva de Esforço através da Escala de Borg, Medida de Independência Funcional – MIF, Teste de Caminhada de 6min, taxa cardíaca máxima ajustada para a idade - MAHR; ▫ Monitoração de freqüência respiratória e cardíaca; ▫ Saturação Periférica de O2; ▫ Observando o desempenho ocupacional do paciente durante a realização das atividades.
  • 9. Como o Terapeuta Ocupacional faz uso dessas técnicas? 1. Avaliação dos pacientes: Percepção Subjetiva de Esforço através da Escala de Borg: (Borg & Noble, 1974) (Google imagens, 2016)
  • 10. Como o Terapeuta Ocupacional faz uso dessas técnicas? 1. Avaliação dos pacientes: Medida de Independência Funcional – MIF (RIBERTO et al , 2001)
  • 11. Como o Terapeuta Ocupacional faz uso dessas técnicas? 1. Avaliação dos pacientes: Medida de Independência Funcional – MIF (RIBERTO et al , 2001)
  • 12. Como o Terapeuta Ocupacional faz uso dessas técnicas? 1. Avaliação dos pacientes: Medida de Independência Funcional – MIF (RIBERTO et al , 2001)
  • 13. Como o Terapeuta Ocupacional faz uso dessas técnicas? 1. Avaliação dos pacientes: ▫ Teste de Caminhada de 6min ▫ Material utilizado: cronômetro, cones para delimitação do circuito, esfigmomanômetro, estetoscópio, oxímetro de pulso.
  • 14. Como o Terapeuta Ocupacional faz uso dessas técnicas? 1. Avaliação dos pacientes: ▫ Taxa cardíaca máxima ajustada para a idade - MAHR. Para as mulheres MAHR = 226 – idade Para os homens MAHR = 220 – idade Trabalhando com 50 – 85% da FCM é considerado seguro. ▫ Ex.: Como calcular a taxa cardíaca máxima ajustada para um homem de 50 anos que está iniciando os exercícios no programa de reabilitação cardíaca? ▫ 220 – 50 = 170. ▫ 170 x 50% = 85 ▫ 170 x 85% = 149 Para uma prática segura durante os exercícios, a amplitude da taxa cardíaca máxima deve variar entre 85 a 149 bpm.
  • 15. Como o Terapeuta Ocupacional faz uso dessas técnicas? 2. Orientações sobre as técnicas : ▫ Treinar respiração diafragmática; ▫ Treinar membros superiores; ▫ Programar atividades com níveis distintos de exigência; ▫ Simplificar o desenvolvimento de tarefas (adaptações); ▫ Eliminar atividades desnecessárias; ▫ Orientar quanto à importância em solicitar auxílio, quando necessário; ▫ Organizar o tempo; ▫ Organizar o ambiente; ▫ Orientar posturas adequadas para cada tarefa. (VELLOSO E JARDIM, 2006)
  • 16. Como o Terapeuta Ocupacional faz uso dessas técnicas? 2. Orientações sobre as técnicas : ▫ MET - equivalente metabólico da Tarefa; ▫ Consumo de oxigênio em repouso; ▫ 3,5 ml/kg/min ▫ Tabelas de acordo com as atividades  Valores Metabólicos Aproximados para Várias Atividades (Ainsworth e cols 1998) -  Programa de Reabilitação Fase I (Intra hospitalar) da disciplina de Cardiologia da UNIFESP para pacientes com IAM.
  • 17. (STEFANINI, KASINSKI e CARVALHO, 2009) Nível Exercício Nível 1 (1 a 2 MET) Paciente deitado (0 a 45º) Exercícios respiratórios diafragmáticos e reexpansivos Exercícios ativos de pequenas e médias articulações Exercícios ativos assistidos ou ativos de grandes articulações Nível 2 (2 a 3 MET) Paciente sentado com as pernas para fora do leito (90º) Exercícios respiratórios reexpansivos Exercícios ativos de MMSS e MMII Treino de bipedestação (ficar de pé) Nível 3 (3 a 4 MET) Paciente em pé Exercícios de alongamento para MMSS e MMII Exercícios com MMSS e MMII associados à respiração Marcha estacionária Deambulação +/- 25 metros Nível 4 (4 a 5 MET) Alongamento à beira do leito Exercícios em pé com MMSS e MMII Deambulação +/- 50 a 75 metros Descer um lance de escada Nível 5 (5 MET) Repetir nível 4 Deambulação =/- 100 metros Subir e descer um lance de escada Programa de Reabilitação Fase I (Intra hospitalar) da disciplina de Cardiologia da UNIFESP para pacientes com IAM.
  • 18. Como o Terapeuta Ocupacional faz uso dessas técnicas? 3. Treino das atividades utilizando as técnicas: ▫ COFFITO delibera, em várias disposições (Resolução n.º 316, do Diário Oficial n.º148-03/08/06, p.79) que o treino das atividades da vida diária – AVDs e das atividades instrumentais da vida diária – AIVDs constam como práticas exclusivas do profissional da terapia ocupacional. ▫ Elencar as atividades mais importantes e que o paciente apresenta mais dificuldade; ▫ Executar e introduzir as orientações na prática. (VELLOSO E JARDIM,; BRASIL, 2006)
  • 19. Caso Enfermaria Coronariana T.F.S., 71 anos, dona de casa. Deu entrada na EC do PROCAPE no dia 22/06 com queixa de dor em porção apical do dorso do hemitórax esquerdo associada à inspiração; PA: 140 x 70 mmHg, FC: 60bpm, FR: 16ipm. Investigação de IAM sem SST e ITR. Avaliação T.O. realizada no dia 30/06, paciente consciente, orientada no tempo e espaço, pensamento coerente e organizado, boa comunicação verbal, relata prejuízo em memória, bom humor e boa interação social. Realiza AVD’s com supervisão, relato de fadiga e dispnéia aos esforços (mudança de decúbito, deambular até o banheiro, utilizar o cobertor grosso). Ao responder o teste de percepção subjetiva de esforço através da Escala de Borg marca 13, 15 e 13 (ligeiramente cansativo e cansativo), respectivamente.
  • 20. Execução das Técnicas • Deambular: Fonte: Google imagens
  • 21. Execução das Técnicas • Uso do cobertor: Fonte: Arquivo pessoal
  • 22. Execução das Técnicas • Banho: Fonte: Arquivo pessoal
  • 23. Execução das Técnicas • Vestuário: Fonte: Google imagens
  • 24. Execução das Técnicas • Higiene pessoal e autocuidado: Machioski et al, 2013 Fonte: Google imagens Fonte: Google imagens
  • 25. Execução das Técnicas • Alimentação: Fonte: Google imagens Fonte: MN Suprimentos
  • 26. Caso Enfermaria Coronariana V.M.S., 51 anos, dona de casa, Recife. Deu entrada na EC no dia 12/03, referindo a ocorrência de 3 episódios de dor retroesternal em aperto, forte intensidade, duração de 15 minutos, irradiação para o dorso, associada à dispnéia. No momento refere dor em região cervical de baixa intensidade; PA: 160 x 85 mmHG; FC: 80 bpm. IAM sem SST e HAS. Retornou ao serviço em caráter eletivo para programação cirúrgica no mês de junho. Avaliação T.O., paciente consciente, orientada no tempo e espaço, pensamento coerente e organizado, boa comunicação verbal, atenção e memória preservadas, bom humor e boa interação social. Realiza AVD’s de forma independente, relato de fadiga e dor torácica durante AIVD.
  • 27. Execução das Técnicas • Preparo do alimento: Fonte: Google imagens
  • 28. Execução das Técnicas • Fazer compras: Fonte: Google imagens
  • 29. Execução das Técnicas • Cuidados com a roupa: Fonte: Google imagens
  • 30. Execução das Técnicas • Limpar a casa: Fonte: Google imagens
  • 31. Considerações Finais As doenças do sistema cardiovascular implicam em amplo impacto funcional na vida dos indivíduos, principalmente por conta da ameaça à disponibilidade de energia necessária para execução das atividades em casa, na escola, no local de trabalho e na vida comunitária. Sendo assim faz –se necessário criar estratégias para tornar possível o envolvimento e participação dos indivíduos em ocupações positivas, promovendo qualidade de vida e gerando repercussões diretas na saúde.
  • 32. Referências • BIANCHIN, M.A.R.; PAULA, G.A.S.; CARVALHO, M.P., ACAYABA, R.; CHUEIRE, R.Manual de orientações de terapia ocupacional quanto à proteção articular para pacientes com artrite reumatóide. Med Reabil , v. 29, n.1, p 23-8, 2010; • BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância à Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Diretrizes e recomendações para o cuidado integral de doenças crônicas não- transmissíveis: promoção da saúde, vigilância, prevenção e assistência. Brasília: Ministério da Saúde, 72 p, 2008. • BRASIL. República Federativa do Brasil. Diário Oficial. Imprensa Nacional, nº 148- 03/08/06, p.79, Brasília. Disponível em: fttp:saude.sp.gov.br/bibliote/ informe_ eletrônico12006/iels.agosto.06/iels147/u_rsCFFTO-316_190706.pdf39. Acesso em: 28 de junho 2016.. • CASTRO, R.R.T; Negrão, C.E.; Stein, R. et al. Diretriz de Reabilitação Cardíaca. Arquivos Brasileiros de Cardiologia .V. 84, Nº 5, Maio 2005
  • 33. Referências • CARLETO, D.G.S.; SOUZA, A.C.A.; SILVA, M.,; CRUZ D.M.C; ANDRADE, V.S. Estrutura da prática da Terapia Ocupacional: Domínio e processo- 2ª edição. Rev. Triang, v.3. n.1, p. 57-147, jul./ dez. 2010 • SCATTOLIN, F. A. A.; DIOGO, M. J. D.; COLOMBO, R. C. R. Correlação entre instrumentos de qualidade de vida relacionada à saúde e independência funcional em idosos com insuficiência cardíaca. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 23, n.11, p. 2705- 2715, nov. 2007. • TROMBLY, CA. Terapia ocupacional para disfunções físicas. Livraria Santos Editora Ltda, 2008. • STEFANINI, E.; KASINSKI, N.; CARVALHO, A.C. Guias de Medicina ambulatorial e hospitalar da UNIFESP-EPM. Editora Manole, 2ª ed., 2009. • VELLOSO, M.; JARDIM, J.R. Funcionalidade do paciente com doença pulmonar obstrutiva crônica e técnicas de conservação de energia. J Bras Pneumol. v.32, n.6, p. 580-6, 2006.

Notas do Editor

  1. Controlar a respiração; Ao transportar objetos trazê-los para próximo do corpo; Ao subir escadas e deambular por longas distâncias, realizar pequenas pausas; Planejar as atividades antes de saír de casa.
  2. Separar o material para tomar banho e colocar num local acessível e de preferência na altura do ombro e cintura.; Utilizar cadeira para realizar o banho sentado; Utilizar o chuveiro de mão; Utilizar sabonete liquido em recipientes pequenos ou fazer uso de adaptação para facilitar a preensão do mesmo. Instalar barras de apoio e superfícies antiderrapantes no banheiro; Utilizar roupão ou toalha grande para se enrolar e secar-se deitado, se não for possível, secar-se sentado.
  3. Separar as roupas antecipadamente e organizá-las na ordem em que vão ser vestidas; Utilizar roupas largas e com muita elasticidade; Preferir roupas com botões, zíperes ou velcro na frente; Utilizar sapatos sem cordões ou com velcros e antiderrapantes; Vestir-se ou despir-se sentado; Vestir metade inferior do corpo, puxando a roupa até o joelho e em seguida ficar de pé para finalizar; calçar meias e sapatos sentado e com o pé em cima da perna oposta; Vestir metade superior colocando-se em pé e ajustando a roupa; Utilizar adaptações para o vestuário.
  4. Fazer a barba, escovar dentes e pentear cabelo de frente à uma pia ou penteadeira, com espelho fixo na altura da cadeira; Separar o material que vai utilizar e colocar em cima da pia ou penteadeira; Apoiar os cotovelos sobre o local; Fazer uso de utensílios adaptados.
  5. Fazer uso de pratos, copos e talheres mais leves; Segurar os utensílios com ambas as mãos; Realizar movimentos de preensão ao invés de movimentos de pinça; Fazer uso de utensílios adaptados, antiderrapantes.
  6. Posicionar eletrodoméstico de forma que tenha fácil acesso aos botões; Evitar o uso dos eletrodomésticos que exigem o esforço de segurar por muito tempo, como: batedeiras, espremedor de suco, mix; Separar ingredientes e material a ser utilizado e organizá-los em cima da bancada; Sentar na mesa para preparação de alimentos, como: cortar verduras, frutas e carnes; Segurar utensílios com as duas mãos; Evitar atividades desnecessárias como: enxugar pratos, colocar comida na mesa; Cozinhar maiores porções para congelar e descongelar quando necessário e evitar cozinhar mais vezes na semana. Realizar pausas durante a atividade e repousar ao finalizá-las; Utilizar adaptação para os utensílios.
  7. Preparar lista de compras antes de ir ao supermercado para evitar caminhadas desnecessárias; Utilizar carrinhos de compra e quando cansar, apoiar-se sobre ele; Pedir ajuda para pegar alimentos em prateleiras muito altas ou muito baixas, carregar peso
  8. Evitar lavar roupas jeans, roupas de cama e banho; Deixar o cesto de roupas em local de fácil acesso, posicionado na altura do ombro e cintura; Pedir auxílio para estender as roupas no varal; Evitar passar longos períodos em pé ou agachada, de preferência utilizar cadeira; Evitar retirar as roupas de dentro da máquina de lavar; Evitar passar ferro nas roupas, ou quando o fizer, preferir realizar sentada e passar somente as roupas que necessitam ser passadas.;
  9. Evitar limpar todos os cômodos de uma só vez; Separar e organizar materiais de limpeza num carrinho; Utilizar materiais com adaptações, como: vassouras, esfregões e espanadores com cabo comprido e grosso.