SlideShare uma empresa Scribd logo
Assistência de Enfermagem em
Estimulação Cardíaca Artificial
R2 Glayce Renata
Enfermeira Residente
Pronto Socorro Cardiológico de Pernambuco Profº Luiz Tavares
Programa de Especialização em Cardiologia Modalidade
Residência
Recife
2016
Objetivos
•Descrever os tipos de marcapasso cardíaco
•Identificar as principais complicações decorrentes do
implante de marcapasso e cardiodesfibriladores.
•Apresentar os principais cuidados de enfermagem
aos pacientes portadores de marcapassos cardíacos.
Introdução
• A estimulação cardíaca artificial iniciou-
se no século XIX, a partir da observação
de que a aplicação de choques elétricos
no coração de seres humanos em parada
cardíaca provocava contração do
miocárdio.
Palomo, 2007
Introdução
• O marcapasso é um equipamento
eletrônico que monitora
constantemente o ritmo cardíaco,
estimulando initerruptamente o
coração desde que sua frequência
cardíaca espontânea seja menor
que a programada.
Woods, 2005
Sistema de condução do coração
Componentes do Sistema de
Marcapasso
• É composto por dois componentes:
▫ O cabo-eletrodo
▫ Gerador de pulsos
Componentes do Sistema de
Marcapasso
• Cabo-eletrodo: constitui-se de vários filamentos
metálicos revestidos por um isolante (poliuretano ou
silicone) que mantém exposta uma porção metálica
na ponta do eletrodo para descarregar o estímulo
elétrico.
• Podem ser:
▫ Unipolar (epicárdico)
▫ Bipolar (endocárdico)
Componentes do Sistema de
Marcapasso
• Gerador de pulso: pode ser de câmera única
(unicameral) ou dupla (bicameral), com capacidade de
¨sentir¨ e ¨estimular¨ uma ou duas câmaras cardíacas.
• Todos os geradores têm parâmetros de controle, que
permitem a operacionalização do comando frequência
cardíaca (FC), amplitude (A) e sensibilidade (S).
Componentes do Sistema de
Marcapasso
• Frequência Cardíaca: regula o número de impulsos que
são enviados ao coração por minuto.
Há dois modelos de estimulação:
 Assincrônico
 Sincrônico
• Amplitude: é a quantidade de corrente elétrica enviada
ao coração para iniciar a despolarização.
• Sensibilidade: é a capacidade do MP para detectar a
atividade espontânea do coração.
Nomenclatura da Função do MP
• Primeira letra : câmara estimulada
▫ A (átrio)
▫ V (ventrículo)
▫ D (duplo)
▫ O (nenhuma)
• Segunda letra: câmara(s) sentidas:
▫ A, V, D e O
• Terceira letra: resposta do
marcapasso
▫ I (inibido)
▫ T (deflagrado)
• Quarta letra: programação
da frequência
• r (responsividade)
Exemplificando :
DDD, DDDr, AAI, DDI, VVI, VVIr
Tipos de Marcapasso
Indicação
• Bradicardias sintomáticas
• BAVT
• Doença do nó sinusal
• Taquiarritmia
• Arritmia ectópica atrial ou ventricular
• Bloqueio cardíaco induzido por IAM
• Pós operatório de cirurgia cardíaca
Tipos de Marcapasso
• Temporário
▫ Transcutâneo
▫ Epicárdico
▫ Esofágico
▫ Endocárdico
• Definitivo
Marcapasso Temporário
• A estimulação temporária é habitualmente indicada
em situações de emergência, podendo também ser
aplicada de forma eletiva e preventiva como suporte
terapêutico até o momento adequado de implante de
MP definitivo.
Woods, 2005
Marcapasso Transcutâneo
• Não invasivo.
• Pares de eletrodos descartáveis
aderidos à pele em região
torácica (antero-posterior ou
antero-lateral)
Marcapasso Epicárdico
• Procedimento invasivo
• Paciente submetido a toracotomia
• Fixado durante a cirurgia cardíaca
Marcapasso Esofágico
• Método menos invasivo
• Não necessita de fluoroscopia, precauções com
esterilidade.
• Sua aplicação é altamente eficaz em interromper a
taquicardia supraventricular em ritmo sinusal,
evitando-se a cardioversão elétrica.
Marcapasso Endocárdico
• Procedimento invasivo
• Implantado por via endovenosa, dissecção ou punção.
• Principais vias de acesso
▫ Veias jugulares internas
▫ Subclávias
▫ Femorais
• Feito a beira leito, em emergências.
Marcapasso Definitivo
Indicações MP Definitivo
• Síncope neurocardiogênica (forma maligna)
• Síndrome braditaquicardica que não responde a
drogas antiarrítmicas
• Fibrilação atrial com frequência ventricular reduzida
• BAV de 2º grau tipo I e II
• BAVT
• Lesão His-Purkinje grave
Preparo do paciente
• Certifique-se de que o paciente está em jejum de 8h.
• Avaliar os exames laboratorias
• Avaliar a integridade da pele
• Tricotomia
Pós Implante
• Avaliar o nível de consciência do paciente.
• Orientar o paciente com relação ao repouso absoluto
por 24 h.
• Observar os sinais flogísticos, hematomas e
sangramentos.
Cardiodesfibrilador Implantável - CDI
• Dispositivo automático
• Tratamento imediato das taquiarritmias graves
• Pode incorporar a função do MP convencional
• Previne a morte súbita em pacientes com TV e FV.
O grupo de maior risco é o dos recuperados de PCR
ou TV sustentada com sintomas graves, provocadas
por causa não reversível.
Complicações Precoces
• Pneumotórax ou hemotórax
• Embolia gasosa
• Perfuração atrial ou ventricular
• Infecção
• Sangramento e/ou hematoma da loja do gerador
• Taquicardia ou fibrilação ventricular
Complicações Tardias
• Falha de comando e/ou sensibilidade
• Migração do gerador
• Falha eletrônica do circuito
• Endocardite
• Deslocamento do eletrodo
• Erosão da loja do marcapasso
• Fratura do eletrodo
Orientações em relação às interferências que
podem ser apresentadas em MP e desfibrilados
implantáveis.
- Colchões magnéticos - Ressonância magnética
- Telefones celulares
- Desfibrilação externa
- Irradiação terapêutica
- Dispositivo de solda elétrica
Aceitável de risco Inaceitável
Desaconselhável
Sistematização da assistência de
Enfermagem
Diagnóstico: débito cardíaco diminuído relacionado à FC e ritmo ou
condução anormal
Objetivo: manter ritmo cardíaco e perfusão sistêmica adequada
Intervenções:
•Monitorização cardíaca contínua
•ECG diário
•Avaliar e registrar sinais e sintomas de baixo débito e arritmias
•Manter repouso no leito para diminuição das demandas de consumo de
consumo miocárico
Sistematização da assistência de
Enfermagem
Diagnóstico: Ansiedade referente ao implante de MP e possíveis
complicações
Objetivo: Tranquilizar o paciente e proporcionar que o mesmo se torne
cooperativo ao tratamento
Intervenção:
•Orientar quanto ao ambiente intensivo e aprofundar explicações sobre o MP.
•Atentar para grau de compreensão e colaboração do paciente.
Sistematização da assistência de
Enfermagem
Diagnóstico: Dor no local da inserção
Objetivo: Conforto do paciente no pós-operatório
Intervenção:
•Administrar medicação analgésica sempre que necessário
•Promover períodos de repouso e mobilização dos membros superiores
Sistematização da assistência de
Enfermagem
Diagnóstico: Risco para infecção
Objetivo: Evitar ocorrência de infecção
Intervenção:
•Lavar regularmente as mãos
•Utilizar técnica estéril na troca dos curativos
•Monitorar sinais de infecção local e sistêmico
•Manter curativo cirúrgico íntegro por 24h no local da incisão.
Referências Bibliográficas
• CROTI, U. A.; MATTOS, S.S.; PINTO JÚNIOR, V. C.; AIELLO, V. D.; MOREIRA, V.
M. Cardiologia e Cirurgia Cardiovascular Pediátrica. 2ª edição. São Paulo: Roca;
2012
• North American Nursing Diagnosis Association (NANDA). Diagnósticos de
Enfermagem da NANDA: Definições e classificação 2009-2011. Tradução de
Cristina Correa. Porto Alegre: Artmed, 2009.
• PEDROSA, L.C.; Júnior W.O.: Doenças do coração diagnóstico e tratamento.
Revinter, 2011.
• LIBBY, Peter; BONOW, Robert O.; et al.: Braunwald Tratado de doenças
cardiovasculares. 8ª edição. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.
• WOODS, L. Susan et al; Enfermagem em Cardiologia. 4ª edição. São Paulo:
Manole 2005.
Estimulação Cardíaca Artificial

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de VálvulasCirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
resenfe2013
 
Crise hipertensiva
Crise hipertensivaCrise hipertensiva
Crise hipertensiva
resenfe2013
 
Parada cardiorrespiratória
Parada cardiorrespiratória Parada cardiorrespiratória
Parada cardiorrespiratória
Leila Daniele
 
Ecg básico
Ecg básicoEcg básico
Ecg básico
dapab
 
Parada cardiorrespiratória acls
Parada cardiorrespiratória aclsParada cardiorrespiratória acls
Parada cardiorrespiratória acls
dapab
 
Pós-operatório de Cirurgia Cardíaca
Pós-operatório de Cirurgia CardíacaPós-operatório de Cirurgia Cardíaca
Pós-operatório de Cirurgia Cardíaca
resenfe2013
 
Primeiros socorros SBV
Primeiros socorros SBVPrimeiros socorros SBV
Primeiros socorros SBV
Zeca Ribeiro
 
Aula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergênciaAula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergência
Ricardo Augusto
 
Dor torácica
Dor torácicaDor torácica
Dor torácica
resenfe2013
 
Monitorização do paciente na UTI
Monitorização do paciente na UTIMonitorização do paciente na UTI
Monitorização do paciente na UTI
Fábio Falcão
 
Monitorização Hemodinamica
Monitorização HemodinamicaMonitorização Hemodinamica
Monitorização Hemodinamica
Rodrigo Biondi
 
Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
Monitorização Hemodinâmica Não-InvasivaMonitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
resenfe2013
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em AdultosNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
resenfe2013
 
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de casoAssistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
resenfe2013
 
Eletrocardiograma - Revisão e implicações de Enfermagem
Eletrocardiograma - Revisão e implicações de EnfermagemEletrocardiograma - Revisão e implicações de Enfermagem
Eletrocardiograma - Revisão e implicações de Enfermagem
José Augusto Casagrande
 
Iam
IamIam
Aula PCR
Aula PCRAula PCR
Aula PCR
Anestesiador
 
Crise convulsiva e quedas
Crise convulsiva e quedasCrise convulsiva e quedas
Crise convulsiva e quedas
Natalia Mikaele Vasconcellos
 
Arritmias
ArritmiasArritmias
Arritmias
030887
 
Infarto agudo do miocárdio (IAM)
Infarto agudo do miocárdio   (IAM)Infarto agudo do miocárdio   (IAM)
Infarto agudo do miocárdio (IAM)
Shirley Rodrigues
 

Mais procurados (20)

Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de VálvulasCirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
 
Crise hipertensiva
Crise hipertensivaCrise hipertensiva
Crise hipertensiva
 
Parada cardiorrespiratória
Parada cardiorrespiratória Parada cardiorrespiratória
Parada cardiorrespiratória
 
Ecg básico
Ecg básicoEcg básico
Ecg básico
 
Parada cardiorrespiratória acls
Parada cardiorrespiratória aclsParada cardiorrespiratória acls
Parada cardiorrespiratória acls
 
Pós-operatório de Cirurgia Cardíaca
Pós-operatório de Cirurgia CardíacaPós-operatório de Cirurgia Cardíaca
Pós-operatório de Cirurgia Cardíaca
 
Primeiros socorros SBV
Primeiros socorros SBVPrimeiros socorros SBV
Primeiros socorros SBV
 
Aula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergênciaAula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergência
 
Dor torácica
Dor torácicaDor torácica
Dor torácica
 
Monitorização do paciente na UTI
Monitorização do paciente na UTIMonitorização do paciente na UTI
Monitorização do paciente na UTI
 
Monitorização Hemodinamica
Monitorização HemodinamicaMonitorização Hemodinamica
Monitorização Hemodinamica
 
Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
Monitorização Hemodinâmica Não-InvasivaMonitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em AdultosNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
 
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de casoAssistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
 
Eletrocardiograma - Revisão e implicações de Enfermagem
Eletrocardiograma - Revisão e implicações de EnfermagemEletrocardiograma - Revisão e implicações de Enfermagem
Eletrocardiograma - Revisão e implicações de Enfermagem
 
Iam
IamIam
Iam
 
Aula PCR
Aula PCRAula PCR
Aula PCR
 
Crise convulsiva e quedas
Crise convulsiva e quedasCrise convulsiva e quedas
Crise convulsiva e quedas
 
Arritmias
ArritmiasArritmias
Arritmias
 
Infarto agudo do miocárdio (IAM)
Infarto agudo do miocárdio   (IAM)Infarto agudo do miocárdio   (IAM)
Infarto agudo do miocárdio (IAM)
 

Destaque

Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
resenfe2013
 
Caso clínico Febre Reumática
Caso clínico Febre ReumáticaCaso clínico Febre Reumática
Caso clínico Febre Reumática
resenfe2013
 
Caso clínico Endocardite
Caso clínico EndocarditeCaso clínico Endocardite
Caso clínico Endocardite
resenfe2013
 
Assistência de Enfermagem na Estimulação Cardíaca Artificial
Assistência de Enfermagem na Estimulação Cardíaca ArtificialAssistência de Enfermagem na Estimulação Cardíaca Artificial
Assistência de Enfermagem na Estimulação Cardíaca Artificial
resenfe2013
 
Caso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
Caso clínico Hipertensão Arterial PulmonarCaso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
Caso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
resenfe2013
 
Pós-operatório de cirurgia cardíaca pediátrica
Pós-operatório de cirurgia cardíaca pediátricaPós-operatório de cirurgia cardíaca pediátrica
Pós-operatório de cirurgia cardíaca pediátrica
resenfe2013
 
Coagulação Sanguínea
Coagulação SanguíneaCoagulação Sanguínea
Coagulação Sanguínea
resenfe2013
 
Exame Físico Neurologico
Exame Físico NeurologicoExame Físico Neurologico
Exame Físico Neurologico
resenfe2013
 
Anatomia cardiovascular
Anatomia cardiovascularAnatomia cardiovascular
Anatomia cardiovascular
resenfe2013
 
Valvopatias semilunares
Valvopatias semilunaresValvopatias semilunares
Valvopatias semilunares
resenfe2013
 
Hemodiálise
HemodiáliseHemodiálise
Hemodiálise
resenfe2013
 
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasivaMonitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
resenfe2013
 
Gasometria Arterial
Gasometria ArterialGasometria Arterial
Gasometria Arterial
resenfe2013
 
Drogas vasoativas
Drogas vasoativasDrogas vasoativas
Drogas vasoativas
resenfe2013
 
Edema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de PulmãoEdema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de Pulmão
resenfe2013
 
Antihipertensivos
AntihipertensivosAntihipertensivos
Antihipertensivos
resenfe2013
 
Doenças da Aorta
Doenças da AortaDoenças da Aorta
Doenças da Aorta
resenfe2013
 
Hipertensão Arterial Pulmonar
Hipertensão Arterial PulmonarHipertensão Arterial Pulmonar
Hipertensão Arterial Pulmonar
resenfe2013
 
Exames Diagnósticos em Cardiologia II
Exames Diagnósticos em Cardiologia IIExames Diagnósticos em Cardiologia II
Exames Diagnósticos em Cardiologia II
resenfe2013
 
Insuficiência Respiratória
Insuficiência RespiratóriaInsuficiência Respiratória
Insuficiência Respiratória
resenfe2013
 

Destaque (20)

Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Caso clínico Febre Reumática
Caso clínico Febre ReumáticaCaso clínico Febre Reumática
Caso clínico Febre Reumática
 
Caso clínico Endocardite
Caso clínico EndocarditeCaso clínico Endocardite
Caso clínico Endocardite
 
Assistência de Enfermagem na Estimulação Cardíaca Artificial
Assistência de Enfermagem na Estimulação Cardíaca ArtificialAssistência de Enfermagem na Estimulação Cardíaca Artificial
Assistência de Enfermagem na Estimulação Cardíaca Artificial
 
Caso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
Caso clínico Hipertensão Arterial PulmonarCaso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
Caso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
 
Pós-operatório de cirurgia cardíaca pediátrica
Pós-operatório de cirurgia cardíaca pediátricaPós-operatório de cirurgia cardíaca pediátrica
Pós-operatório de cirurgia cardíaca pediátrica
 
Coagulação Sanguínea
Coagulação SanguíneaCoagulação Sanguínea
Coagulação Sanguínea
 
Exame Físico Neurologico
Exame Físico NeurologicoExame Físico Neurologico
Exame Físico Neurologico
 
Anatomia cardiovascular
Anatomia cardiovascularAnatomia cardiovascular
Anatomia cardiovascular
 
Valvopatias semilunares
Valvopatias semilunaresValvopatias semilunares
Valvopatias semilunares
 
Hemodiálise
HemodiáliseHemodiálise
Hemodiálise
 
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasivaMonitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
 
Gasometria Arterial
Gasometria ArterialGasometria Arterial
Gasometria Arterial
 
Drogas vasoativas
Drogas vasoativasDrogas vasoativas
Drogas vasoativas
 
Edema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de PulmãoEdema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de Pulmão
 
Antihipertensivos
AntihipertensivosAntihipertensivos
Antihipertensivos
 
Doenças da Aorta
Doenças da AortaDoenças da Aorta
Doenças da Aorta
 
Hipertensão Arterial Pulmonar
Hipertensão Arterial PulmonarHipertensão Arterial Pulmonar
Hipertensão Arterial Pulmonar
 
Exames Diagnósticos em Cardiologia II
Exames Diagnósticos em Cardiologia IIExames Diagnósticos em Cardiologia II
Exames Diagnósticos em Cardiologia II
 
Insuficiência Respiratória
Insuficiência RespiratóriaInsuficiência Respiratória
Insuficiência Respiratória
 

Semelhante a Estimulação Cardíaca Artificial

Pacientes com requisitos especiais
Pacientes com requisitos especiais Pacientes com requisitos especiais
Pacientes com requisitos especiais
resenfe2013
 
Cardioversor desfibrilador implantavel.ppt
Cardioversor desfibrilador implantavel.pptCardioversor desfibrilador implantavel.ppt
Cardioversor desfibrilador implantavel.ppt
AndersonGuirao1
 
O Marca Passo.pdf
O Marca Passo.pdfO Marca Passo.pdf
O Marca Passo.pdf
prof karla sao luis
 
Ppt rcp 2014 (1)
Ppt rcp 2014 (1)Ppt rcp 2014 (1)
Ppt rcp 2014 (1)
Elisabeth Ayala
 
EVOLUÇÃO CLINICA em UTI (1).pdf
EVOLUÇÃO CLINICA em  UTI (1).pdfEVOLUÇÃO CLINICA em  UTI (1).pdf
EVOLUÇÃO CLINICA em UTI (1).pdf
LENISECHIESACITOLIN
 
Preveno e cuidados de enfermagem ao paciente cardiovascular
Preveno e cuidados de enfermagem ao paciente cardiovascularPreveno e cuidados de enfermagem ao paciente cardiovascular
Preveno e cuidados de enfermagem ao paciente cardiovascular
neenahshare
 
Sbv rcp e de
Sbv   rcp  e deSbv   rcp  e de
Sbv rcp e de
Felipe Mago
 
Cardioversão x-desfibrilação-guilherme-goldfeder
Cardioversão x-desfibrilação-guilherme-goldfederCardioversão x-desfibrilação-guilherme-goldfeder
Cardioversão x-desfibrilação-guilherme-goldfeder
Gabriel Do Nascimento
 
Trauma vascular
Trauma vascularTrauma vascular
Trauma vascular
Seleno Glauber
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
SilvaDias3
 
Aula 1. suporte básico de vida
Aula 1. suporte básico de vidaAula 1. suporte básico de vida
Aula 1. suporte básico de vida
GuilhermeRafael22
 
Doenças da aorta
Doenças da aortaDoenças da aorta
Doenças da aorta
Paulo Prates
 
utieacon201swwd7parte2-170130105529.pptx
utieacon201swwd7parte2-170130105529.pptxutieacon201swwd7parte2-170130105529.pptx
utieacon201swwd7parte2-170130105529.pptx
JooHenriqueCarvallho
 
PARADA CARDIORRESPIRATÓRIAbbnjjjjjj .pdf
PARADA CARDIORRESPIRATÓRIAbbnjjjjjj .pdfPARADA CARDIORRESPIRATÓRIAbbnjjjjjj .pdf
PARADA CARDIORRESPIRATÓRIAbbnjjjjjj .pdf
igorfernand1
 
Bases e Protocolos da Emergência em Cães e Gatos - Cópia.pptx
Bases e Protocolos da Emergência em Cães e Gatos - Cópia.pptxBases e Protocolos da Emergência em Cães e Gatos - Cópia.pptx
Bases e Protocolos da Emergência em Cães e Gatos - Cópia.pptx
CamilaCarvalhoDeSouz1
 
Urgências Neurológicas
Urgências NeurológicasUrgências Neurológicas
Atendimento de Enfermagem na PCR em Adulto 16.pptx
Atendimento de Enfermagem na PCR em Adulto 16.pptxAtendimento de Enfermagem na PCR em Adulto 16.pptx
Atendimento de Enfermagem na PCR em Adulto 16.pptx
AlexandreTolosa1
 
APH Dea
APH DeaAPH Dea
APH Dea
Deise
 
Parada cardio-respiratoria -11 cópia
Parada cardio-respiratoria -11 cópiaParada cardio-respiratoria -11 cópia
Parada cardio-respiratoria -11 cópia
Obomdavida Obomdavida
 
M1 fev
M1 fevM1 fev
M1 fev
Estela Costa
 

Semelhante a Estimulação Cardíaca Artificial (20)

Pacientes com requisitos especiais
Pacientes com requisitos especiais Pacientes com requisitos especiais
Pacientes com requisitos especiais
 
Cardioversor desfibrilador implantavel.ppt
Cardioversor desfibrilador implantavel.pptCardioversor desfibrilador implantavel.ppt
Cardioversor desfibrilador implantavel.ppt
 
O Marca Passo.pdf
O Marca Passo.pdfO Marca Passo.pdf
O Marca Passo.pdf
 
Ppt rcp 2014 (1)
Ppt rcp 2014 (1)Ppt rcp 2014 (1)
Ppt rcp 2014 (1)
 
EVOLUÇÃO CLINICA em UTI (1).pdf
EVOLUÇÃO CLINICA em  UTI (1).pdfEVOLUÇÃO CLINICA em  UTI (1).pdf
EVOLUÇÃO CLINICA em UTI (1).pdf
 
Preveno e cuidados de enfermagem ao paciente cardiovascular
Preveno e cuidados de enfermagem ao paciente cardiovascularPreveno e cuidados de enfermagem ao paciente cardiovascular
Preveno e cuidados de enfermagem ao paciente cardiovascular
 
Sbv rcp e de
Sbv   rcp  e deSbv   rcp  e de
Sbv rcp e de
 
Cardioversão x-desfibrilação-guilherme-goldfeder
Cardioversão x-desfibrilação-guilherme-goldfederCardioversão x-desfibrilação-guilherme-goldfeder
Cardioversão x-desfibrilação-guilherme-goldfeder
 
Trauma vascular
Trauma vascularTrauma vascular
Trauma vascular
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
 
Aula 1. suporte básico de vida
Aula 1. suporte básico de vidaAula 1. suporte básico de vida
Aula 1. suporte básico de vida
 
Doenças da aorta
Doenças da aortaDoenças da aorta
Doenças da aorta
 
utieacon201swwd7parte2-170130105529.pptx
utieacon201swwd7parte2-170130105529.pptxutieacon201swwd7parte2-170130105529.pptx
utieacon201swwd7parte2-170130105529.pptx
 
PARADA CARDIORRESPIRATÓRIAbbnjjjjjj .pdf
PARADA CARDIORRESPIRATÓRIAbbnjjjjjj .pdfPARADA CARDIORRESPIRATÓRIAbbnjjjjjj .pdf
PARADA CARDIORRESPIRATÓRIAbbnjjjjjj .pdf
 
Bases e Protocolos da Emergência em Cães e Gatos - Cópia.pptx
Bases e Protocolos da Emergência em Cães e Gatos - Cópia.pptxBases e Protocolos da Emergência em Cães e Gatos - Cópia.pptx
Bases e Protocolos da Emergência em Cães e Gatos - Cópia.pptx
 
Urgências Neurológicas
Urgências NeurológicasUrgências Neurológicas
Urgências Neurológicas
 
Atendimento de Enfermagem na PCR em Adulto 16.pptx
Atendimento de Enfermagem na PCR em Adulto 16.pptxAtendimento de Enfermagem na PCR em Adulto 16.pptx
Atendimento de Enfermagem na PCR em Adulto 16.pptx
 
APH Dea
APH DeaAPH Dea
APH Dea
 
Parada cardio-respiratoria -11 cópia
Parada cardio-respiratoria -11 cópiaParada cardio-respiratoria -11 cópia
Parada cardio-respiratoria -11 cópia
 
M1 fev
M1 fevM1 fev
M1 fev
 

Mais de resenfe2013

Crises Hipertensivas
Crises HipertensivasCrises Hipertensivas
Crises Hipertensivas
resenfe2013
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar NeopediátricaNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
resenfe2013
 
Técnicas de conservação de energia
Técnicas de conservação de energiaTécnicas de conservação de energia
Técnicas de conservação de energia
resenfe2013
 
Ventilação Não-invasiva
Ventilação Não-invasivaVentilação Não-invasiva
Ventilação Não-invasiva
resenfe2013
 
Exame Físico Multidisciplinar
Exame Físico MultidisciplinarExame Físico Multidisciplinar
Exame Físico Multidisciplinar
resenfe2013
 
Raio x de tórax
Raio x de tóraxRaio x de tórax
Raio x de tórax
resenfe2013
 
Instrumentos de avaliação da terapia ocupacional na cardiologia
Instrumentos de avaliação da terapia ocupacional na cardiologiaInstrumentos de avaliação da terapia ocupacional na cardiologia
Instrumentos de avaliação da terapia ocupacional na cardiologia
resenfe2013
 
Diagnósticos de enfermagem
Diagnósticos de enfermagemDiagnósticos de enfermagem
Diagnósticos de enfermagem
resenfe2013
 
Exames Diagnósticos em Cardiologia
Exames Diagnósticos em CardiologiaExames Diagnósticos em Cardiologia
Exames Diagnósticos em Cardiologia
resenfe2013
 
Distúrbios hidroeletrolíticos
Distúrbios hidroeletrolíticosDistúrbios hidroeletrolíticos
Distúrbios hidroeletrolíticos
resenfe2013
 
Exame físico do sist. respiratório
Exame físico do sist. respiratórioExame físico do sist. respiratório
Exame físico do sist. respiratório
resenfe2013
 

Mais de resenfe2013 (11)

Crises Hipertensivas
Crises HipertensivasCrises Hipertensivas
Crises Hipertensivas
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar NeopediátricaNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
 
Técnicas de conservação de energia
Técnicas de conservação de energiaTécnicas de conservação de energia
Técnicas de conservação de energia
 
Ventilação Não-invasiva
Ventilação Não-invasivaVentilação Não-invasiva
Ventilação Não-invasiva
 
Exame Físico Multidisciplinar
Exame Físico MultidisciplinarExame Físico Multidisciplinar
Exame Físico Multidisciplinar
 
Raio x de tórax
Raio x de tóraxRaio x de tórax
Raio x de tórax
 
Instrumentos de avaliação da terapia ocupacional na cardiologia
Instrumentos de avaliação da terapia ocupacional na cardiologiaInstrumentos de avaliação da terapia ocupacional na cardiologia
Instrumentos de avaliação da terapia ocupacional na cardiologia
 
Diagnósticos de enfermagem
Diagnósticos de enfermagemDiagnósticos de enfermagem
Diagnósticos de enfermagem
 
Exames Diagnósticos em Cardiologia
Exames Diagnósticos em CardiologiaExames Diagnósticos em Cardiologia
Exames Diagnósticos em Cardiologia
 
Distúrbios hidroeletrolíticos
Distúrbios hidroeletrolíticosDistúrbios hidroeletrolíticos
Distúrbios hidroeletrolíticos
 
Exame físico do sist. respiratório
Exame físico do sist. respiratórioExame físico do sist. respiratório
Exame físico do sist. respiratório
 

Estimulação Cardíaca Artificial

  • 1. Assistência de Enfermagem em Estimulação Cardíaca Artificial R2 Glayce Renata Enfermeira Residente Pronto Socorro Cardiológico de Pernambuco Profº Luiz Tavares Programa de Especialização em Cardiologia Modalidade Residência Recife 2016
  • 2. Objetivos •Descrever os tipos de marcapasso cardíaco •Identificar as principais complicações decorrentes do implante de marcapasso e cardiodesfibriladores. •Apresentar os principais cuidados de enfermagem aos pacientes portadores de marcapassos cardíacos.
  • 3. Introdução • A estimulação cardíaca artificial iniciou- se no século XIX, a partir da observação de que a aplicação de choques elétricos no coração de seres humanos em parada cardíaca provocava contração do miocárdio. Palomo, 2007
  • 4. Introdução • O marcapasso é um equipamento eletrônico que monitora constantemente o ritmo cardíaco, estimulando initerruptamente o coração desde que sua frequência cardíaca espontânea seja menor que a programada. Woods, 2005
  • 5. Sistema de condução do coração
  • 6. Componentes do Sistema de Marcapasso • É composto por dois componentes: ▫ O cabo-eletrodo ▫ Gerador de pulsos
  • 7. Componentes do Sistema de Marcapasso • Cabo-eletrodo: constitui-se de vários filamentos metálicos revestidos por um isolante (poliuretano ou silicone) que mantém exposta uma porção metálica na ponta do eletrodo para descarregar o estímulo elétrico. • Podem ser: ▫ Unipolar (epicárdico) ▫ Bipolar (endocárdico)
  • 8. Componentes do Sistema de Marcapasso • Gerador de pulso: pode ser de câmera única (unicameral) ou dupla (bicameral), com capacidade de ¨sentir¨ e ¨estimular¨ uma ou duas câmaras cardíacas. • Todos os geradores têm parâmetros de controle, que permitem a operacionalização do comando frequência cardíaca (FC), amplitude (A) e sensibilidade (S).
  • 9. Componentes do Sistema de Marcapasso • Frequência Cardíaca: regula o número de impulsos que são enviados ao coração por minuto. Há dois modelos de estimulação:  Assincrônico  Sincrônico • Amplitude: é a quantidade de corrente elétrica enviada ao coração para iniciar a despolarização. • Sensibilidade: é a capacidade do MP para detectar a atividade espontânea do coração.
  • 10. Nomenclatura da Função do MP • Primeira letra : câmara estimulada ▫ A (átrio) ▫ V (ventrículo) ▫ D (duplo) ▫ O (nenhuma) • Segunda letra: câmara(s) sentidas: ▫ A, V, D e O • Terceira letra: resposta do marcapasso ▫ I (inibido) ▫ T (deflagrado) • Quarta letra: programação da frequência • r (responsividade) Exemplificando : DDD, DDDr, AAI, DDI, VVI, VVIr
  • 12. Indicação • Bradicardias sintomáticas • BAVT • Doença do nó sinusal • Taquiarritmia • Arritmia ectópica atrial ou ventricular • Bloqueio cardíaco induzido por IAM • Pós operatório de cirurgia cardíaca
  • 13. Tipos de Marcapasso • Temporário ▫ Transcutâneo ▫ Epicárdico ▫ Esofágico ▫ Endocárdico • Definitivo
  • 14. Marcapasso Temporário • A estimulação temporária é habitualmente indicada em situações de emergência, podendo também ser aplicada de forma eletiva e preventiva como suporte terapêutico até o momento adequado de implante de MP definitivo. Woods, 2005
  • 15. Marcapasso Transcutâneo • Não invasivo. • Pares de eletrodos descartáveis aderidos à pele em região torácica (antero-posterior ou antero-lateral)
  • 16. Marcapasso Epicárdico • Procedimento invasivo • Paciente submetido a toracotomia • Fixado durante a cirurgia cardíaca
  • 17. Marcapasso Esofágico • Método menos invasivo • Não necessita de fluoroscopia, precauções com esterilidade. • Sua aplicação é altamente eficaz em interromper a taquicardia supraventricular em ritmo sinusal, evitando-se a cardioversão elétrica.
  • 18. Marcapasso Endocárdico • Procedimento invasivo • Implantado por via endovenosa, dissecção ou punção. • Principais vias de acesso ▫ Veias jugulares internas ▫ Subclávias ▫ Femorais • Feito a beira leito, em emergências.
  • 20. Indicações MP Definitivo • Síncope neurocardiogênica (forma maligna) • Síndrome braditaquicardica que não responde a drogas antiarrítmicas • Fibrilação atrial com frequência ventricular reduzida • BAV de 2º grau tipo I e II • BAVT • Lesão His-Purkinje grave
  • 21. Preparo do paciente • Certifique-se de que o paciente está em jejum de 8h. • Avaliar os exames laboratorias • Avaliar a integridade da pele • Tricotomia
  • 22. Pós Implante • Avaliar o nível de consciência do paciente. • Orientar o paciente com relação ao repouso absoluto por 24 h. • Observar os sinais flogísticos, hematomas e sangramentos.
  • 23. Cardiodesfibrilador Implantável - CDI • Dispositivo automático • Tratamento imediato das taquiarritmias graves • Pode incorporar a função do MP convencional • Previne a morte súbita em pacientes com TV e FV. O grupo de maior risco é o dos recuperados de PCR ou TV sustentada com sintomas graves, provocadas por causa não reversível.
  • 24. Complicações Precoces • Pneumotórax ou hemotórax • Embolia gasosa • Perfuração atrial ou ventricular • Infecção • Sangramento e/ou hematoma da loja do gerador • Taquicardia ou fibrilação ventricular
  • 25. Complicações Tardias • Falha de comando e/ou sensibilidade • Migração do gerador • Falha eletrônica do circuito • Endocardite • Deslocamento do eletrodo • Erosão da loja do marcapasso • Fratura do eletrodo
  • 26. Orientações em relação às interferências que podem ser apresentadas em MP e desfibrilados implantáveis. - Colchões magnéticos - Ressonância magnética - Telefones celulares - Desfibrilação externa - Irradiação terapêutica - Dispositivo de solda elétrica Aceitável de risco Inaceitável Desaconselhável
  • 27. Sistematização da assistência de Enfermagem Diagnóstico: débito cardíaco diminuído relacionado à FC e ritmo ou condução anormal Objetivo: manter ritmo cardíaco e perfusão sistêmica adequada Intervenções: •Monitorização cardíaca contínua •ECG diário •Avaliar e registrar sinais e sintomas de baixo débito e arritmias •Manter repouso no leito para diminuição das demandas de consumo de consumo miocárico
  • 28. Sistematização da assistência de Enfermagem Diagnóstico: Ansiedade referente ao implante de MP e possíveis complicações Objetivo: Tranquilizar o paciente e proporcionar que o mesmo se torne cooperativo ao tratamento Intervenção: •Orientar quanto ao ambiente intensivo e aprofundar explicações sobre o MP. •Atentar para grau de compreensão e colaboração do paciente.
  • 29. Sistematização da assistência de Enfermagem Diagnóstico: Dor no local da inserção Objetivo: Conforto do paciente no pós-operatório Intervenção: •Administrar medicação analgésica sempre que necessário •Promover períodos de repouso e mobilização dos membros superiores
  • 30. Sistematização da assistência de Enfermagem Diagnóstico: Risco para infecção Objetivo: Evitar ocorrência de infecção Intervenção: •Lavar regularmente as mãos •Utilizar técnica estéril na troca dos curativos •Monitorar sinais de infecção local e sistêmico •Manter curativo cirúrgico íntegro por 24h no local da incisão.
  • 31. Referências Bibliográficas • CROTI, U. A.; MATTOS, S.S.; PINTO JÚNIOR, V. C.; AIELLO, V. D.; MOREIRA, V. M. Cardiologia e Cirurgia Cardiovascular Pediátrica. 2ª edição. São Paulo: Roca; 2012 • North American Nursing Diagnosis Association (NANDA). Diagnósticos de Enfermagem da NANDA: Definições e classificação 2009-2011. Tradução de Cristina Correa. Porto Alegre: Artmed, 2009. • PEDROSA, L.C.; Júnior W.O.: Doenças do coração diagnóstico e tratamento. Revinter, 2011. • LIBBY, Peter; BONOW, Robert O.; et al.: Braunwald Tratado de doenças cardiovasculares. 8ª edição. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010. • WOODS, L. Susan et al; Enfermagem em Cardiologia. 4ª edição. São Paulo: Manole 2005.