SlideShare uma empresa Scribd logo
Reanimação Cardiopulmonar em
Adultos: Novas diretrizes
Enfª R1 Larissa F. de Araújo Paz
Residente em Cardiologia - PROCAPE
Pronto Socorro Cardiológico de Pernambuco Profº Luiz Tavares
Programa de Especialização em Cardiologia Modalidade
Residência
Recife, 2016
Hemodiálise
OBJETIVOS
• Descrever as modalidades de Parada Cardíaca;
• Elencar as recomendações de Suporte Básico e
Avançado de Vida para Leigos e Profissionais;
• Relatar o papel da Enfermagem na assistência a
pacientes em PCR e pós RCP.
• Apesar dos avanços é um problema de saúde pública;
• 200.000 PCR no Brasil e metade em ambientes extra
hospitalar;
• No âmbito pré-hospitalar 56% a 74% das PCR ocorrem
Fibrilação Ventricular (FV);
• Adultos são mais acometidos;
• Lei 14.621 de 2007;
Epidemiologia
São Paulo, 2007; Sociedade Brasileira de Cardiologia, 2013;
Conceito
Define-se como parada cardiorrespiratória
(PCR) a interrupção súbita e brusca da
circulação sistêmica e/ou da respiração.
• Inconsciência;
• Ausência de movimentos respiratórios;
• Ausência de Pulso.
Sociedade Brasileira de Cardiologia, 2013; Hospital Sírio Libanês, 2016.
Lesão cerebral Irreversível e Morte.
Principais causas da PCR
Hipovolemia;
Hipóxia;
Hiper/Hipocalemia;
Hipotermia;
H+
Tromboembolismo pulmonar;
Trombose coronariana;
Tamponamento cardíaco;
Tensão no Tórax (Pneumotórax);
Tóxicos.
5T5H
Fibrilação
Ventricular
Taquicardia
Ventricular sem
pulso
Assistolia
Atividade Elétrica
sem Pulso
Modalidades de PCR
Guyton, Hall, 2011; Sociedade Brasileira de Cardiologia, 201; AHA, 2015.
Taquicardia Ventricular Sem Pulso - TV
• Aumento da frequência ventricular (>120), com três ou
mais extrassístoles, causando consequência hemodinâmicas
ao paciente.
▫ Principais causas: Doença de Chagas e Doença Coronariana.
Souza, Chaves, Silva, 2015.
Taquicardia Ventricular. Fonte: Souza, Chaves, Silva, 2015.
Fibrilação Ventricular - FV
• Impulsos cardíacos frenéticos no músculo ventricular de
forma desordenada, impossibilitando a contração muscular
e a ejeção efetiva de sangue.
▫ Inconsciência 4 a 5 segundos após o início da FV e lesões
irreversíveis em órgãos de 1 a 3 minutos.
Guyton & Hall,
Fibrilação Ventricular em DII. Fonte: Guyton, Hall, 2011.
Atividade Elétrica sem Pulso
• Presença de qualquer atividade elétrica com ausência de
pulso palpável em decorrência de contração cardíaca
ineficaz.
Souza, Chaves, Silva, 2015.
Atividade Elétrica sem Pulso. Fonte: Souza, Chaves, Silva, 2015.
Assistolia
• Cessação total de qualquer ritmo cardíaco, sendo o
processo final das demais modalidades de PCR, pode ser
reversível com atendimento adequado e rápido.
Souza, Chaves, Silva, 2015.
Assistolia. Fonte: Souza, Chaves, Silva, 2015.
Protocolo de Linha Reta
1- Checar eletrodos
2- Aumentar o ganho do monitor
3- Checar duas derivações
American Heart Association, 2015;
Definição de RCP
Conjunto de procedimentos realizados pós PCR
objetivando manter artificialmente a circulação de
sangue arterial no cérebro e outros órgãos vitais até a
ocorrência do retorno da circulação espontânea.
American Heart Association, 2010.
Para cada minuto sem RCP, a vítima de
uma PCR perde de 7% a 10% de
chance de sobreviver.
Destaques Diretriz de 2015
• Separação da Cadeia de sobrevivência em Intra
Hospitalar e Extra Hospitalar;
• Revisão das melhores evidências sobre PCR com foco
em RCP.
• Times de resposta rápida e melhoria contínua da
qualidade dos programas de ressuscitação.
American Heart Association, 2010.
Cadeias de Sobrevivência
American Heart Association, 2015.
Suporte Básico de Vida - Destaques
• Reconhecimento rápido
• Uso de celulares
• Programas de acesso público à desfibrilação
• Extra hospitalar – Inalterado
• Sequência recomendada: C – A – B
• Frequência, profundidade, retorno total do tórax,
interrupções, evitar ventilação excessiva e considerar
uso de Naloxona.
• Dispositivos mecânicos para compressões torácicas.
American Heart Association, 2015.
Responsiv. e Resp. Acionar Emerg. Iniciar RCP
Suporte Básico de Vida
Avaliar responsividade, respiração e Gasping.
NaloxonaDEA
Ênfase na rápida Identificação
Google Imagens, 2016.
American Heart Association, 2015.
Responsiv. e Resp. Acionar Emerg. Iniciar RCP NaloxonaDEA
Suporte Básico de Vida
Google Imagens, 2016.American Heart Association, 2015;
Socorrista sozinho?
Responsiv. e Resp. Acionar Emerg. Iniciar RCP NaloxonaDEA
Suporte Básico de Vida
Google Imagens, 2016.American Heart Association, 2015;
Responsiv. e Resp. Acionar Emerg. Iniciar RCP
C- CIRCULAÇÃO
• Iniciar as compressões;
• Frequência: 100 a 120/min;
• Profundidade: mínimo 5cm e máximo 6cm;
• Retorno total do tórax;
• Minimizar interrupção das compressões.
NaloxonaDEA
Suporte Básico de Vida
Google Imagens, 2016.American Heart Association, 2015;
A- Abrir Via aérea
B - Boa Respiração
• Proporção de respirações:
▫ Básico: 2 respirações para 30 compressões.
▫ Avançado: 1 respiração a cada 6 segundos com via aérea avançada.
• Tempo de ventilação: 1 segundo
• Elevação visível do tórax
• Evitar Excesso de Ventilação
Responsiv. e Resp. Acionar Emerg. Iniciar RCP NaloxonaDEA
Suporte Básico de Vida
Google Imagens, 2016.American Heart Association, 2015;
Responsiv. e Resp. Acionar Emerg. Iniciar RCP NaloxonaDEA
Suporte Básico de Vida
Vias aéreas
Google Imagens, 2016.American Heart Association, 2015;
Pocket Mask
Lenço Facial com
válvula unidirecional
Bolsa Válvula Máscara
Responsiv. e Resp. Acionar Emerg. Iniciar RCP DEA
• Implantação de Programas Comunitários de DEAs
para socorristas leigos;
• Instruções automáticas;
• Chocável: 1 choque + Compressões
• Não chocável: Compressões
Naloxona
Suporte Básico de Vida
Google Imagens, 2016.American Heart Association, 2015;
• Pacientes com dependência de opioides, conhecida ou
suspeitas, que não respondem, apresentam respiração anormal, mas
têm pulso, é adequado que socorristas leigos devidamente
treinados e profissionais de saúde capacitados para SBV,
além da prestação de cuidados básicos, administrem Naloxona
por via intramuscular (IM) ou intranasal (IN).
Responsiv. e Resp. Acionar Emerg. Iniciar RCP DEA NaloxonaDEA
Suporte Básico de Vida
Avaliar e
Ativar
Iniciar RCP
ADM
Naloxona
A pessoa
responde?
Sim? Estimule e
reavalie
Não? RCP +
DEA
American Heart Association, 2015.
Suporte Básico de Vida
American Heart Association, 2015.
Suporte Básico de Vida
American Heart Association, 2015.
Cadeia de Sobrevivência IH
American Heart Association, 2015.
Respon. e Resp. Acionar Emerg. Iniciar RCP Desfibrilar Pós-PCRVig e Prev.
Suporte Avançado de Vida Cardiovascular
Suporte Avançado de Vida Cardiovascular
x
Suporte Avançado de Vida Cardiovascular
Vasopressina
+
Epinefrina
Epinefrina
Imediata
• ETCO2 para previsão do fracasso da ressuscitação
▫ Considerar o teor de Dióxido de Carbono ao final da expiração
de 10mmHg por capnografia após 20minutos de PCR.
American Heart Association, 2015.
• Vasopressores para ressuscitação
• RCP Extracorpórea
▫ Estudos sugerem melhora da sobrevivência, com bons
desfechos neurológicos. Considerar em paciente uma
probabilidade razoavelmente alta de benefícios.
• Tratamento medicamentoso pós-PCR: Lidocaína
▫ Não há respaldo para uso rotineiro de lidocaína após a
PCR. Pode-se considerar o início ou a continuação
imediatamente após a RCP.
Suporte Avançado de Vida Cardiovascular
Lidocaína pós RCP FV/TVSP recorrente
Suporte Avançado de Vida Cardiovascular
• Tratamento medicamentoso pós-PCR: ẞ-Bloqueadores
▫ Uso rotineiro sem evidências. Considerar o início ou
continuação de ẞ-Bloqueador oral ou EV imediatamente
após hospitalização causada por PCR devida a FV/TVSP.
American Heart Association, 2015.
Instabilidade Hemodinâmica
Exacerbação de IC
Bradiarritmias
ATENÇÃO
Desfibriladores
360 Joules 120 - 200 Joules
Mais seguro para o paciente
Menor risco de danos ao miocárdio
Maior eficácia
Google Imagens, 2016.
Desfibriladores
• Tratamento de escolha para vítimas em FV de curta
duração e TVSP;
• Choques com ondas bifásicas em configurações de energia
comparáveis ou inferiores a choque monofásicos de 200J
tem êxito equivalente ou maior para finalizar a FV;
• 120 a 200J nos bifásicos e 360J no monofásico;
• Pacientes com MC – afastar pelo menos 8 cm para não
prejudicar análise de ritmo. (Leal, 2014)
American Heart Association, 2015.
Medicações
• Vasopressina - Vasoconstrictor
▫ Removida do Algoritmo de PCR em adultos
• Cloridrato de Epinefrina – Vasoconstrictor
▫ 1mg EV/IO em bolus
• Amiodarona – Antiarrítmico 1ª escolha
▫ 300mg inicial + 150mg (20 min após dose inicial)
• Lidocaína – Antiarrítmico
▫ 1,0 a 1,5 mg/Kg IV em bolus, podendo ser repetida após 5 a 10 minutos na
dose de 0,5-0,75 mg/kg, até uma dose máxima de 3 mg/Kg.
• Bicarbonato de sódio
▫ 1mEq/kg EV/IO
American Heart Association, 2015.
Via aérea Avançada
• Via aérea supra glótica ou intubação endotraqueal;
• Usar o2 a 100%;
• Capinografia como forma de monitorização;
• 1 respiração a cada 6 segundos.
American Heart Association, 2010.
Fonte: American Heart Association, 2010.
Via aérea Avançada
Google Imagens, 2016.
Tubo endotraqueal Cânulas de Guedel
Máscara Laríngea
Cuidados Pós PCR
• A angiografia coronária de emergência é
recomendada para todos os pacientes que apresentem
SST e para pacientes hemodinâmica ou eletricamente
instáveis SSST, para os quais haja suspeita de lesão
cardiovascular.
• Controle direcionado de temperatura (32ºC e 36ºC) foram
atualizadas com novas evidências que sugerem ser aceitável
uma faixa de temperatura que deve ser atingida no período
pós-PCR.
American Heart Association, 2015.
• Prognóstico pós-PCR: aguardar até 72 horas após retorno da
normotermia.
• Finalizado o controle direcionado de temperatura, o paciente pode
apresentar febre e os dados sobre os danos são conflitantes, por isso sua
prevenção é considerada benigna e, portanto, deve ser almejada.
• A identificação e a correção da hipotensão são recomendadas no
período imediatamente após a PCR.
• Doação de órgãos: pós-PCR reanimados e posteriormente evoluem a
óbito devem ser avaliados. Sem reanimação com morte cerebral são
possíveis doadores renais e hepáticos.
Cuidados Pós PCR
American Heart Association, 2015.
Atribuições da Enfermagem
• Coordenar as ações e direcionar as atribuições da equipe de
enfermagem;
• Instalar o desfibrilador semi automático (DEA) e se indicado realizar
a desfibrilação;
• Preparar o desfibrilador convencional;
• Instalar o monitor, no caso de não haver possibilidade ou
necessidade de realizar a desfibrilação, ou quando a primeira
desfibrilação não teve sucesso;
• Auxiliar o médico nas manobras de RCP, assumindo a ventilação ou a
compressão torácica;
Hospital Sírio Libanês, 2016.
Atribuições da Enfermagem
• Aproximar o do carro de emergência e posicionar a tábua rígida;
• Preparar de medicação;
• Controlar o tempo de administração de cada medicamento;
• Obter via de acesso venoso;
• Providenciar ou auxiliar na obtenção de equipamentos e/ ou
materiais necessários como, por exemplo, desfibrilador e ventiladores.
• Ajudar no transporte do paciente após a reanimação.
• Manter vigilância pós-PCR.
Hospital Sírio Libanês, 2016.
REFERÊNCIAS
• AMERICAN HEART ASSOCIATION. Guidelines CPR ECC 2010. Destaques das diretrizes
da American Heart Association 2010 para RCP e ACE, 2010.
• AMERICAN HEART ASSOCIATION. Guidelines CPR ECC 2015. Destaques das diretrizes
da American Heart Association 2010 para RCP e ACE, 2015.
• HOSPITAL SÍRIO LIBÂNES. Protocolo de atendimento a parada cardiorrespiratória
(PCR). 2016.
• LEAL, FRANCISMAR PRESTES. Ressuscitação Cardiopulmonar (e cerebral). RCP:
Suporte Básico. Maringá-PR, 2014.
• SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA. Diretrizes da Sociedade Brasileira de
Cardiologia sobre Análises e Emissão de Laudos Cardiográficos. 2009.
• SOUZA, ABG; CHAVES, LD; SILVA, MCM. Enfermagem em Clínica Médica e
Cirúrgica: Teoria e prática. Martinari, 2015.
Google Imagens, 2016.
Obrigada!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Novas diretrizes na pcr
Novas diretrizes na pcrNovas diretrizes na pcr
Novas diretrizes na pcr
Barbara Oliveira
 
Enfermagem em Urgência Emergência
Enfermagem em Urgência EmergênciaEnfermagem em Urgência Emergência
Enfermagem em Urgência Emergência
Wellington Moreira Ribeiro
 
Urgência e Emergência
Urgência e EmergênciaUrgência e Emergência
Urgência e Emergência
Rosemeire Moreira Souza
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem
Rafaela Amanso
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Will Nunes
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Will Nunes
 
PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade
PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade
PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade
Rui Amorim
 
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edisonAula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Edison Santos
 
Atendimento a PCR
Atendimento a PCRAtendimento a PCR
Atendimento a PCR
Marco Lamim
 
Parada cardiorrespiratória
Parada cardiorrespiratória Parada cardiorrespiratória
Parada cardiorrespiratória
Leila Daniele
 
Pcr
PcrPcr
Urgência e emergência
Urgência e emergênciaUrgência e emergência
Urgência e emergência
Alexandre Donha
 
Parada Cardiorrespiratória
Parada CardiorrespiratóriaParada Cardiorrespiratória
Parada Cardiorrespiratória
Paula Oliveira
 
Classificação
ClassificaçãoClassificação
Classificação
Rodrigo Abreu
 
Primeiros socorros SBV
Primeiros socorros SBVPrimeiros socorros SBV
Primeiros socorros SBV
Zeca Ribeiro
 
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasivaMonitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
resenfe2013
 
Paciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.pptPaciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.ppt
tuttitutti1
 
Anotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemAnotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagem
Ivanete Dias
 
Aula acessos venosos
Aula acessos venososAula acessos venosos
Aula acessos venosos
Viviane da Silva
 
Aula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergênciaAula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergência
Ricardo Augusto
 

Mais procurados (20)

Novas diretrizes na pcr
Novas diretrizes na pcrNovas diretrizes na pcr
Novas diretrizes na pcr
 
Enfermagem em Urgência Emergência
Enfermagem em Urgência EmergênciaEnfermagem em Urgência Emergência
Enfermagem em Urgência Emergência
 
Urgência e Emergência
Urgência e EmergênciaUrgência e Emergência
Urgência e Emergência
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
 
PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade
PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade
PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade
 
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edisonAula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
 
Atendimento a PCR
Atendimento a PCRAtendimento a PCR
Atendimento a PCR
 
Parada cardiorrespiratória
Parada cardiorrespiratória Parada cardiorrespiratória
Parada cardiorrespiratória
 
Pcr
PcrPcr
Pcr
 
Urgência e emergência
Urgência e emergênciaUrgência e emergência
Urgência e emergência
 
Parada Cardiorrespiratória
Parada CardiorrespiratóriaParada Cardiorrespiratória
Parada Cardiorrespiratória
 
Classificação
ClassificaçãoClassificação
Classificação
 
Primeiros socorros SBV
Primeiros socorros SBVPrimeiros socorros SBV
Primeiros socorros SBV
 
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasivaMonitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
 
Paciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.pptPaciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.ppt
 
Anotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemAnotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagem
 
Aula acessos venosos
Aula acessos venososAula acessos venosos
Aula acessos venosos
 
Aula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergênciaAula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergência
 

Destaque

Reanimação cardiopulmonar avançada 2015
Reanimação cardiopulmonar avançada 2015Reanimação cardiopulmonar avançada 2015
Reanimação cardiopulmonar avançada 2015
Antonio Souto
 
Carro de Emergência
Carro de EmergênciaCarro de Emergência
Carro de Emergência
resenfe2013
 
Reanimação cardiorrespiratória
Reanimação cardiorrespiratóriaReanimação cardiorrespiratória
Reanimação cardiorrespiratória
Joziane Brunelli
 
RCP/DEA
RCP/DEARCP/DEA
RCP/DEA
Tiago_gja
 
Futsal jogadores e sistemas táticos
Futsal  jogadores e sistemas táticosFutsal  jogadores e sistemas táticos
Futsal jogadores e sistemas táticos
Ana Carolina
 
Futsal teórica
Futsal   teóricaFutsal   teórica
Futsal teórica
NetKids
 
RCP - Suporte Básico de Vida (2014)
RCP - Suporte Básico de Vida (2014)RCP - Suporte Básico de Vida (2014)
RCP - Suporte Básico de Vida (2014)
Francismar Prestes Leal
 
American Heart Association Airway Course
American Heart Association Airway CourseAmerican Heart Association Airway Course
American Heart Association Airway Course
David Hiltz
 
Futsal exercicios treinamento
Futsal   exercicios treinamentoFutsal   exercicios treinamento
Futsal exercicios treinamento
Alessandro Martins Nogueira
 
Project Portfolio - L-3/IS Communications/Media Relations
Project Portfolio - L-3/IS Communications/Media RelationsProject Portfolio - L-3/IS Communications/Media Relations
Project Portfolio - L-3/IS Communications/Media Relations
Eileen Carelock
 
Manejo Da Via Aérea
Manejo Da Via AéreaManejo Da Via Aérea
Manejo Da Via Aérea
Rodrigo Biondi
 
Advanced airway
Advanced airwayAdvanced airway
Advanced airway
Eileen Carelock
 
ADVANCED AIRWAY MANAGEMENT IN THE INTENSIVE CARE UNIT: FUNDAMENTALS OF INTUBA...
ADVANCED AIRWAY MANAGEMENT IN THE INTENSIVE CARE UNIT:FUNDAMENTALS OF INTUBA...ADVANCED AIRWAY MANAGEMENT IN THE INTENSIVE CARE UNIT:FUNDAMENTALS OF INTUBA...
ADVANCED AIRWAY MANAGEMENT IN THE INTENSIVE CARE UNIT: FUNDAMENTALS OF INTUBA...
Bassel Ericsoussi, MD
 

Destaque (13)

Reanimação cardiopulmonar avançada 2015
Reanimação cardiopulmonar avançada 2015Reanimação cardiopulmonar avançada 2015
Reanimação cardiopulmonar avançada 2015
 
Carro de Emergência
Carro de EmergênciaCarro de Emergência
Carro de Emergência
 
Reanimação cardiorrespiratória
Reanimação cardiorrespiratóriaReanimação cardiorrespiratória
Reanimação cardiorrespiratória
 
RCP/DEA
RCP/DEARCP/DEA
RCP/DEA
 
Futsal jogadores e sistemas táticos
Futsal  jogadores e sistemas táticosFutsal  jogadores e sistemas táticos
Futsal jogadores e sistemas táticos
 
Futsal teórica
Futsal   teóricaFutsal   teórica
Futsal teórica
 
RCP - Suporte Básico de Vida (2014)
RCP - Suporte Básico de Vida (2014)RCP - Suporte Básico de Vida (2014)
RCP - Suporte Básico de Vida (2014)
 
American Heart Association Airway Course
American Heart Association Airway CourseAmerican Heart Association Airway Course
American Heart Association Airway Course
 
Futsal exercicios treinamento
Futsal   exercicios treinamentoFutsal   exercicios treinamento
Futsal exercicios treinamento
 
Project Portfolio - L-3/IS Communications/Media Relations
Project Portfolio - L-3/IS Communications/Media RelationsProject Portfolio - L-3/IS Communications/Media Relations
Project Portfolio - L-3/IS Communications/Media Relations
 
Manejo Da Via Aérea
Manejo Da Via AéreaManejo Da Via Aérea
Manejo Da Via Aérea
 
Advanced airway
Advanced airwayAdvanced airway
Advanced airway
 
ADVANCED AIRWAY MANAGEMENT IN THE INTENSIVE CARE UNIT: FUNDAMENTALS OF INTUBA...
ADVANCED AIRWAY MANAGEMENT IN THE INTENSIVE CARE UNIT:FUNDAMENTALS OF INTUBA...ADVANCED AIRWAY MANAGEMENT IN THE INTENSIVE CARE UNIT:FUNDAMENTALS OF INTUBA...
ADVANCED AIRWAY MANAGEMENT IN THE INTENSIVE CARE UNIT: FUNDAMENTALS OF INTUBA...
 

Semelhante a Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos

PCR - RCP
PCR - RCPPCR - RCP
SUPORTE BASICO DE VIDA - RCP
SUPORTE BASICO DE VIDA - RCPSUPORTE BASICO DE VIDA - RCP
SUPORTE BASICO DE VIDA - RCP
RafaelaAraujo53
 
aula suporte basico 16 - ADULTO.ppt
aula suporte basico 16 - ADULTO.pptaula suporte basico 16 - ADULTO.ppt
aula suporte basico 16 - ADULTO.ppt
LarcioFerreiraSilva
 
Novas Diretrizes PCR - AHA
Novas Diretrizes PCR - AHANovas Diretrizes PCR - AHA
Novas Diretrizes PCR - AHA
Leandro Carvalho
 
Cuidados Pós Parada Cardiorespiratória
Cuidados Pós Parada CardiorespiratóriaCuidados Pós Parada Cardiorespiratória
Cuidados Pós Parada Cardiorespiratória
Daniel Valente
 
A C L S e B L S Recomendações
A C L S e  B L S  RecomendaçõesA C L S e  B L S  Recomendações
A C L S e B L S Recomendações
Lázaro Inácio Araújo Rodrigues
 
Ppt rcp 2014 (1)
Ppt rcp 2014 (1)Ppt rcp 2014 (1)
Ppt rcp 2014 (1)
Elisabeth Ayala
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar NeopediátricaNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
resenfe2013
 
Reanimação Cardiopulmonar - Enf. Simone Crispim
Reanimação Cardiopulmonar - Enf. Simone CrispimReanimação Cardiopulmonar - Enf. Simone Crispim
Reanimação Cardiopulmonar - Enf. Simone Crispim
Coren-ms Conselho Reg Enfermagem
 
Suporte Básico para a Vida (Uso do Desfibrilador Externo Automático - DEA)
Suporte Básico para a Vida (Uso do Desfibrilador Externo Automático - DEA)Suporte Básico para a Vida (Uso do Desfibrilador Externo Automático - DEA)
Suporte Básico para a Vida (Uso do Desfibrilador Externo Automático - DEA)
Thales Barcellos
 
Suporte Básico para a Vida - Uso do Desfibrilador Externo Automático - DEA
Suporte Básico para a Vida - Uso do Desfibrilador Externo Automático - DEASuporte Básico para a Vida - Uso do Desfibrilador Externo Automático - DEA
Suporte Básico para a Vida - Uso do Desfibrilador Externo Automático - DEA
Conf_Bras_Beisebol_Softbol
 
BLV 1.pptx
BLV 1.pptxBLV 1.pptx
BLV 1.pptx
ThaisBarbosaSouza
 
Fast Hug
Fast HugFast Hug
Fast Hug
galegoo
 
Aula PCR.pptx
Aula PCR.pptxAula PCR.pptx
Aula PCR.pptx
FrancielleConstantin
 
Curso 42
Curso 42Curso 42
Artigo diagnóstico inicial e manejo da sepse grave e choque séptico
Artigo  diagnóstico inicial e manejo da sepse grave e choque sépticoArtigo  diagnóstico inicial e manejo da sepse grave e choque séptico
Artigo diagnóstico inicial e manejo da sepse grave e choque séptico
Erick Bragato
 
Pcr
PcrPcr
Suporte avançado de vida em cardiologia em adultos
Suporte avançado de vida em cardiologia em adultosSuporte avançado de vida em cardiologia em adultos
Suporte avançado de vida em cardiologia em adultos
Aroldo Gavioli
 
Principais mudanças no protocolo RCP 2010
Principais mudanças no protocolo RCP 2010Principais mudanças no protocolo RCP 2010
Principais mudanças no protocolo RCP 2010
Paulo Sérgio
 
rcp.pdf
rcp.pdfrcp.pdf
rcp.pdf
ThyagoSouza17
 

Semelhante a Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos (20)

PCR - RCP
PCR - RCPPCR - RCP
PCR - RCP
 
SUPORTE BASICO DE VIDA - RCP
SUPORTE BASICO DE VIDA - RCPSUPORTE BASICO DE VIDA - RCP
SUPORTE BASICO DE VIDA - RCP
 
aula suporte basico 16 - ADULTO.ppt
aula suporte basico 16 - ADULTO.pptaula suporte basico 16 - ADULTO.ppt
aula suporte basico 16 - ADULTO.ppt
 
Novas Diretrizes PCR - AHA
Novas Diretrizes PCR - AHANovas Diretrizes PCR - AHA
Novas Diretrizes PCR - AHA
 
Cuidados Pós Parada Cardiorespiratória
Cuidados Pós Parada CardiorespiratóriaCuidados Pós Parada Cardiorespiratória
Cuidados Pós Parada Cardiorespiratória
 
A C L S e B L S Recomendações
A C L S e  B L S  RecomendaçõesA C L S e  B L S  Recomendações
A C L S e B L S Recomendações
 
Ppt rcp 2014 (1)
Ppt rcp 2014 (1)Ppt rcp 2014 (1)
Ppt rcp 2014 (1)
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar NeopediátricaNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
 
Reanimação Cardiopulmonar - Enf. Simone Crispim
Reanimação Cardiopulmonar - Enf. Simone CrispimReanimação Cardiopulmonar - Enf. Simone Crispim
Reanimação Cardiopulmonar - Enf. Simone Crispim
 
Suporte Básico para a Vida (Uso do Desfibrilador Externo Automático - DEA)
Suporte Básico para a Vida (Uso do Desfibrilador Externo Automático - DEA)Suporte Básico para a Vida (Uso do Desfibrilador Externo Automático - DEA)
Suporte Básico para a Vida (Uso do Desfibrilador Externo Automático - DEA)
 
Suporte Básico para a Vida - Uso do Desfibrilador Externo Automático - DEA
Suporte Básico para a Vida - Uso do Desfibrilador Externo Automático - DEASuporte Básico para a Vida - Uso do Desfibrilador Externo Automático - DEA
Suporte Básico para a Vida - Uso do Desfibrilador Externo Automático - DEA
 
BLV 1.pptx
BLV 1.pptxBLV 1.pptx
BLV 1.pptx
 
Fast Hug
Fast HugFast Hug
Fast Hug
 
Aula PCR.pptx
Aula PCR.pptxAula PCR.pptx
Aula PCR.pptx
 
Curso 42
Curso 42Curso 42
Curso 42
 
Artigo diagnóstico inicial e manejo da sepse grave e choque séptico
Artigo  diagnóstico inicial e manejo da sepse grave e choque sépticoArtigo  diagnóstico inicial e manejo da sepse grave e choque séptico
Artigo diagnóstico inicial e manejo da sepse grave e choque séptico
 
Pcr
PcrPcr
Pcr
 
Suporte avançado de vida em cardiologia em adultos
Suporte avançado de vida em cardiologia em adultosSuporte avançado de vida em cardiologia em adultos
Suporte avançado de vida em cardiologia em adultos
 
Principais mudanças no protocolo RCP 2010
Principais mudanças no protocolo RCP 2010Principais mudanças no protocolo RCP 2010
Principais mudanças no protocolo RCP 2010
 
rcp.pdf
rcp.pdfrcp.pdf
rcp.pdf
 

Mais de resenfe2013

Doenças da Aorta
Doenças da AortaDoenças da Aorta
Doenças da Aorta
resenfe2013
 
Crises Hipertensivas
Crises HipertensivasCrises Hipertensivas
Crises Hipertensivas
resenfe2013
 
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de VálvulasCirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
resenfe2013
 
Hemodiálise
HemodiáliseHemodiálise
Hemodiálise
resenfe2013
 
Caso clínico Febre Reumática
Caso clínico Febre ReumáticaCaso clínico Febre Reumática
Caso clínico Febre Reumática
resenfe2013
 
Caso clínico Endocardite
Caso clínico EndocarditeCaso clínico Endocardite
Caso clínico Endocardite
resenfe2013
 
Caso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
Caso clínico Hipertensão Arterial PulmonarCaso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
Caso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
resenfe2013
 
Insuficiência Respiratória
Insuficiência RespiratóriaInsuficiência Respiratória
Insuficiência Respiratória
resenfe2013
 
Gasometria Arterial
Gasometria ArterialGasometria Arterial
Gasometria Arterial
resenfe2013
 
Hipertensão Arterial Pulmonar
Hipertensão Arterial PulmonarHipertensão Arterial Pulmonar
Hipertensão Arterial Pulmonar
resenfe2013
 
Exames Diagnósticos em Cardiologia II
Exames Diagnósticos em Cardiologia IIExames Diagnósticos em Cardiologia II
Exames Diagnósticos em Cardiologia II
resenfe2013
 
Edema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de PulmãoEdema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de Pulmão
resenfe2013
 
Estimulação Cardíaca Artificial
Estimulação Cardíaca ArtificialEstimulação Cardíaca Artificial
Estimulação Cardíaca Artificial
resenfe2013
 
Coagulação Sanguínea
Coagulação SanguíneaCoagulação Sanguínea
Coagulação Sanguínea
resenfe2013
 
Exame Físico Neurologico
Exame Físico NeurologicoExame Físico Neurologico
Exame Físico Neurologico
resenfe2013
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
resenfe2013
 
Valvopatias semilunares
Valvopatias semilunaresValvopatias semilunares
Valvopatias semilunares
resenfe2013
 
Drogas vasoativas
Drogas vasoativasDrogas vasoativas
Drogas vasoativas
resenfe2013
 
Pós-operatório de cirurgia cardíaca pediátrica
Pós-operatório de cirurgia cardíaca pediátricaPós-operatório de cirurgia cardíaca pediátrica
Pós-operatório de cirurgia cardíaca pediátrica
resenfe2013
 
Técnicas de conservação de energia
Técnicas de conservação de energiaTécnicas de conservação de energia
Técnicas de conservação de energia
resenfe2013
 

Mais de resenfe2013 (20)

Doenças da Aorta
Doenças da AortaDoenças da Aorta
Doenças da Aorta
 
Crises Hipertensivas
Crises HipertensivasCrises Hipertensivas
Crises Hipertensivas
 
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de VálvulasCirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
 
Hemodiálise
HemodiáliseHemodiálise
Hemodiálise
 
Caso clínico Febre Reumática
Caso clínico Febre ReumáticaCaso clínico Febre Reumática
Caso clínico Febre Reumática
 
Caso clínico Endocardite
Caso clínico EndocarditeCaso clínico Endocardite
Caso clínico Endocardite
 
Caso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
Caso clínico Hipertensão Arterial PulmonarCaso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
Caso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
 
Insuficiência Respiratória
Insuficiência RespiratóriaInsuficiência Respiratória
Insuficiência Respiratória
 
Gasometria Arterial
Gasometria ArterialGasometria Arterial
Gasometria Arterial
 
Hipertensão Arterial Pulmonar
Hipertensão Arterial PulmonarHipertensão Arterial Pulmonar
Hipertensão Arterial Pulmonar
 
Exames Diagnósticos em Cardiologia II
Exames Diagnósticos em Cardiologia IIExames Diagnósticos em Cardiologia II
Exames Diagnósticos em Cardiologia II
 
Edema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de PulmãoEdema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de Pulmão
 
Estimulação Cardíaca Artificial
Estimulação Cardíaca ArtificialEstimulação Cardíaca Artificial
Estimulação Cardíaca Artificial
 
Coagulação Sanguínea
Coagulação SanguíneaCoagulação Sanguínea
Coagulação Sanguínea
 
Exame Físico Neurologico
Exame Físico NeurologicoExame Físico Neurologico
Exame Físico Neurologico
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Valvopatias semilunares
Valvopatias semilunaresValvopatias semilunares
Valvopatias semilunares
 
Drogas vasoativas
Drogas vasoativasDrogas vasoativas
Drogas vasoativas
 
Pós-operatório de cirurgia cardíaca pediátrica
Pós-operatório de cirurgia cardíaca pediátricaPós-operatório de cirurgia cardíaca pediátrica
Pós-operatório de cirurgia cardíaca pediátrica
 
Técnicas de conservação de energia
Técnicas de conservação de energiaTécnicas de conservação de energia
Técnicas de conservação de energia
 

Último

Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
sula31
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptxDESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
Klaisn
 
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
AmaroAlmeidaChimbala
 
A ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptx
A ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptxA ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptx
A ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptx
FeridoZitoJonas
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
marjoguedes1
 
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdfHistória da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
JandersonGeorgeGuima
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
CatieleAlmeida1
 
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
Luiz Henrique Pimentel Novais Silva
 

Último (9)

Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
 
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptxDESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
 
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
 
A ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptx
A ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptxA ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptx
A ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptx
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
 
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdfHistória da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
 
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
 

Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos

  • 1. Reanimação Cardiopulmonar em Adultos: Novas diretrizes Enfª R1 Larissa F. de Araújo Paz Residente em Cardiologia - PROCAPE Pronto Socorro Cardiológico de Pernambuco Profº Luiz Tavares Programa de Especialização em Cardiologia Modalidade Residência Recife, 2016 Hemodiálise
  • 2. OBJETIVOS • Descrever as modalidades de Parada Cardíaca; • Elencar as recomendações de Suporte Básico e Avançado de Vida para Leigos e Profissionais; • Relatar o papel da Enfermagem na assistência a pacientes em PCR e pós RCP.
  • 3. • Apesar dos avanços é um problema de saúde pública; • 200.000 PCR no Brasil e metade em ambientes extra hospitalar; • No âmbito pré-hospitalar 56% a 74% das PCR ocorrem Fibrilação Ventricular (FV); • Adultos são mais acometidos; • Lei 14.621 de 2007; Epidemiologia São Paulo, 2007; Sociedade Brasileira de Cardiologia, 2013;
  • 4. Conceito Define-se como parada cardiorrespiratória (PCR) a interrupção súbita e brusca da circulação sistêmica e/ou da respiração. • Inconsciência; • Ausência de movimentos respiratórios; • Ausência de Pulso. Sociedade Brasileira de Cardiologia, 2013; Hospital Sírio Libanês, 2016. Lesão cerebral Irreversível e Morte.
  • 5. Principais causas da PCR Hipovolemia; Hipóxia; Hiper/Hipocalemia; Hipotermia; H+ Tromboembolismo pulmonar; Trombose coronariana; Tamponamento cardíaco; Tensão no Tórax (Pneumotórax); Tóxicos. 5T5H
  • 6. Fibrilação Ventricular Taquicardia Ventricular sem pulso Assistolia Atividade Elétrica sem Pulso Modalidades de PCR Guyton, Hall, 2011; Sociedade Brasileira de Cardiologia, 201; AHA, 2015.
  • 7. Taquicardia Ventricular Sem Pulso - TV • Aumento da frequência ventricular (>120), com três ou mais extrassístoles, causando consequência hemodinâmicas ao paciente. ▫ Principais causas: Doença de Chagas e Doença Coronariana. Souza, Chaves, Silva, 2015. Taquicardia Ventricular. Fonte: Souza, Chaves, Silva, 2015.
  • 8. Fibrilação Ventricular - FV • Impulsos cardíacos frenéticos no músculo ventricular de forma desordenada, impossibilitando a contração muscular e a ejeção efetiva de sangue. ▫ Inconsciência 4 a 5 segundos após o início da FV e lesões irreversíveis em órgãos de 1 a 3 minutos. Guyton & Hall, Fibrilação Ventricular em DII. Fonte: Guyton, Hall, 2011.
  • 9. Atividade Elétrica sem Pulso • Presença de qualquer atividade elétrica com ausência de pulso palpável em decorrência de contração cardíaca ineficaz. Souza, Chaves, Silva, 2015. Atividade Elétrica sem Pulso. Fonte: Souza, Chaves, Silva, 2015.
  • 10. Assistolia • Cessação total de qualquer ritmo cardíaco, sendo o processo final das demais modalidades de PCR, pode ser reversível com atendimento adequado e rápido. Souza, Chaves, Silva, 2015. Assistolia. Fonte: Souza, Chaves, Silva, 2015. Protocolo de Linha Reta 1- Checar eletrodos 2- Aumentar o ganho do monitor 3- Checar duas derivações American Heart Association, 2015;
  • 11. Definição de RCP Conjunto de procedimentos realizados pós PCR objetivando manter artificialmente a circulação de sangue arterial no cérebro e outros órgãos vitais até a ocorrência do retorno da circulação espontânea. American Heart Association, 2010. Para cada minuto sem RCP, a vítima de uma PCR perde de 7% a 10% de chance de sobreviver.
  • 12. Destaques Diretriz de 2015 • Separação da Cadeia de sobrevivência em Intra Hospitalar e Extra Hospitalar; • Revisão das melhores evidências sobre PCR com foco em RCP. • Times de resposta rápida e melhoria contínua da qualidade dos programas de ressuscitação. American Heart Association, 2010.
  • 13. Cadeias de Sobrevivência American Heart Association, 2015.
  • 14. Suporte Básico de Vida - Destaques • Reconhecimento rápido • Uso de celulares • Programas de acesso público à desfibrilação • Extra hospitalar – Inalterado • Sequência recomendada: C – A – B • Frequência, profundidade, retorno total do tórax, interrupções, evitar ventilação excessiva e considerar uso de Naloxona. • Dispositivos mecânicos para compressões torácicas. American Heart Association, 2015.
  • 15. Responsiv. e Resp. Acionar Emerg. Iniciar RCP Suporte Básico de Vida Avaliar responsividade, respiração e Gasping. NaloxonaDEA Ênfase na rápida Identificação Google Imagens, 2016. American Heart Association, 2015.
  • 16. Responsiv. e Resp. Acionar Emerg. Iniciar RCP NaloxonaDEA Suporte Básico de Vida Google Imagens, 2016.American Heart Association, 2015; Socorrista sozinho?
  • 17. Responsiv. e Resp. Acionar Emerg. Iniciar RCP NaloxonaDEA Suporte Básico de Vida Google Imagens, 2016.American Heart Association, 2015;
  • 18. Responsiv. e Resp. Acionar Emerg. Iniciar RCP C- CIRCULAÇÃO • Iniciar as compressões; • Frequência: 100 a 120/min; • Profundidade: mínimo 5cm e máximo 6cm; • Retorno total do tórax; • Minimizar interrupção das compressões. NaloxonaDEA Suporte Básico de Vida Google Imagens, 2016.American Heart Association, 2015;
  • 19. A- Abrir Via aérea B - Boa Respiração • Proporção de respirações: ▫ Básico: 2 respirações para 30 compressões. ▫ Avançado: 1 respiração a cada 6 segundos com via aérea avançada. • Tempo de ventilação: 1 segundo • Elevação visível do tórax • Evitar Excesso de Ventilação Responsiv. e Resp. Acionar Emerg. Iniciar RCP NaloxonaDEA Suporte Básico de Vida Google Imagens, 2016.American Heart Association, 2015;
  • 20. Responsiv. e Resp. Acionar Emerg. Iniciar RCP NaloxonaDEA Suporte Básico de Vida Vias aéreas Google Imagens, 2016.American Heart Association, 2015; Pocket Mask Lenço Facial com válvula unidirecional Bolsa Válvula Máscara
  • 21. Responsiv. e Resp. Acionar Emerg. Iniciar RCP DEA • Implantação de Programas Comunitários de DEAs para socorristas leigos; • Instruções automáticas; • Chocável: 1 choque + Compressões • Não chocável: Compressões Naloxona Suporte Básico de Vida Google Imagens, 2016.American Heart Association, 2015;
  • 22. • Pacientes com dependência de opioides, conhecida ou suspeitas, que não respondem, apresentam respiração anormal, mas têm pulso, é adequado que socorristas leigos devidamente treinados e profissionais de saúde capacitados para SBV, além da prestação de cuidados básicos, administrem Naloxona por via intramuscular (IM) ou intranasal (IN). Responsiv. e Resp. Acionar Emerg. Iniciar RCP DEA NaloxonaDEA Suporte Básico de Vida Avaliar e Ativar Iniciar RCP ADM Naloxona A pessoa responde? Sim? Estimule e reavalie Não? RCP + DEA American Heart Association, 2015.
  • 23. Suporte Básico de Vida American Heart Association, 2015.
  • 24. Suporte Básico de Vida American Heart Association, 2015.
  • 25. Cadeia de Sobrevivência IH American Heart Association, 2015. Respon. e Resp. Acionar Emerg. Iniciar RCP Desfibrilar Pós-PCRVig e Prev.
  • 26. Suporte Avançado de Vida Cardiovascular
  • 27. Suporte Avançado de Vida Cardiovascular x
  • 28. Suporte Avançado de Vida Cardiovascular Vasopressina + Epinefrina Epinefrina Imediata • ETCO2 para previsão do fracasso da ressuscitação ▫ Considerar o teor de Dióxido de Carbono ao final da expiração de 10mmHg por capnografia após 20minutos de PCR. American Heart Association, 2015. • Vasopressores para ressuscitação
  • 29. • RCP Extracorpórea ▫ Estudos sugerem melhora da sobrevivência, com bons desfechos neurológicos. Considerar em paciente uma probabilidade razoavelmente alta de benefícios. • Tratamento medicamentoso pós-PCR: Lidocaína ▫ Não há respaldo para uso rotineiro de lidocaína após a PCR. Pode-se considerar o início ou a continuação imediatamente após a RCP. Suporte Avançado de Vida Cardiovascular Lidocaína pós RCP FV/TVSP recorrente
  • 30. Suporte Avançado de Vida Cardiovascular • Tratamento medicamentoso pós-PCR: ẞ-Bloqueadores ▫ Uso rotineiro sem evidências. Considerar o início ou continuação de ẞ-Bloqueador oral ou EV imediatamente após hospitalização causada por PCR devida a FV/TVSP. American Heart Association, 2015. Instabilidade Hemodinâmica Exacerbação de IC Bradiarritmias ATENÇÃO
  • 31. Desfibriladores 360 Joules 120 - 200 Joules Mais seguro para o paciente Menor risco de danos ao miocárdio Maior eficácia Google Imagens, 2016.
  • 32. Desfibriladores • Tratamento de escolha para vítimas em FV de curta duração e TVSP; • Choques com ondas bifásicas em configurações de energia comparáveis ou inferiores a choque monofásicos de 200J tem êxito equivalente ou maior para finalizar a FV; • 120 a 200J nos bifásicos e 360J no monofásico; • Pacientes com MC – afastar pelo menos 8 cm para não prejudicar análise de ritmo. (Leal, 2014) American Heart Association, 2015.
  • 33. Medicações • Vasopressina - Vasoconstrictor ▫ Removida do Algoritmo de PCR em adultos • Cloridrato de Epinefrina – Vasoconstrictor ▫ 1mg EV/IO em bolus • Amiodarona – Antiarrítmico 1ª escolha ▫ 300mg inicial + 150mg (20 min após dose inicial) • Lidocaína – Antiarrítmico ▫ 1,0 a 1,5 mg/Kg IV em bolus, podendo ser repetida após 5 a 10 minutos na dose de 0,5-0,75 mg/kg, até uma dose máxima de 3 mg/Kg. • Bicarbonato de sódio ▫ 1mEq/kg EV/IO American Heart Association, 2015.
  • 34. Via aérea Avançada • Via aérea supra glótica ou intubação endotraqueal; • Usar o2 a 100%; • Capinografia como forma de monitorização; • 1 respiração a cada 6 segundos. American Heart Association, 2010. Fonte: American Heart Association, 2010.
  • 35. Via aérea Avançada Google Imagens, 2016. Tubo endotraqueal Cânulas de Guedel Máscara Laríngea
  • 36. Cuidados Pós PCR • A angiografia coronária de emergência é recomendada para todos os pacientes que apresentem SST e para pacientes hemodinâmica ou eletricamente instáveis SSST, para os quais haja suspeita de lesão cardiovascular. • Controle direcionado de temperatura (32ºC e 36ºC) foram atualizadas com novas evidências que sugerem ser aceitável uma faixa de temperatura que deve ser atingida no período pós-PCR. American Heart Association, 2015.
  • 37. • Prognóstico pós-PCR: aguardar até 72 horas após retorno da normotermia. • Finalizado o controle direcionado de temperatura, o paciente pode apresentar febre e os dados sobre os danos são conflitantes, por isso sua prevenção é considerada benigna e, portanto, deve ser almejada. • A identificação e a correção da hipotensão são recomendadas no período imediatamente após a PCR. • Doação de órgãos: pós-PCR reanimados e posteriormente evoluem a óbito devem ser avaliados. Sem reanimação com morte cerebral são possíveis doadores renais e hepáticos. Cuidados Pós PCR American Heart Association, 2015.
  • 38. Atribuições da Enfermagem • Coordenar as ações e direcionar as atribuições da equipe de enfermagem; • Instalar o desfibrilador semi automático (DEA) e se indicado realizar a desfibrilação; • Preparar o desfibrilador convencional; • Instalar o monitor, no caso de não haver possibilidade ou necessidade de realizar a desfibrilação, ou quando a primeira desfibrilação não teve sucesso; • Auxiliar o médico nas manobras de RCP, assumindo a ventilação ou a compressão torácica; Hospital Sírio Libanês, 2016.
  • 39. Atribuições da Enfermagem • Aproximar o do carro de emergência e posicionar a tábua rígida; • Preparar de medicação; • Controlar o tempo de administração de cada medicamento; • Obter via de acesso venoso; • Providenciar ou auxiliar na obtenção de equipamentos e/ ou materiais necessários como, por exemplo, desfibrilador e ventiladores. • Ajudar no transporte do paciente após a reanimação. • Manter vigilância pós-PCR. Hospital Sírio Libanês, 2016.
  • 40. REFERÊNCIAS • AMERICAN HEART ASSOCIATION. Guidelines CPR ECC 2010. Destaques das diretrizes da American Heart Association 2010 para RCP e ACE, 2010. • AMERICAN HEART ASSOCIATION. Guidelines CPR ECC 2015. Destaques das diretrizes da American Heart Association 2010 para RCP e ACE, 2015. • HOSPITAL SÍRIO LIBÂNES. Protocolo de atendimento a parada cardiorrespiratória (PCR). 2016. • LEAL, FRANCISMAR PRESTES. Ressuscitação Cardiopulmonar (e cerebral). RCP: Suporte Básico. Maringá-PR, 2014. • SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Cardiologia sobre Análises e Emissão de Laudos Cardiográficos. 2009. • SOUZA, ABG; CHAVES, LD; SILVA, MCM. Enfermagem em Clínica Médica e Cirúrgica: Teoria e prática. Martinari, 2015. Google Imagens, 2016.